SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
SUBORDINAÇÃO
Síntese
ORAÇÕES SUBORDINADAS
 SUBSTANTIVAS
 ADJETIVAS
 
 ADVERBIAIS
PARA RECORDAR!
 As orações subordinadas estão sempre
dependentes das subordinantes!
 A oração subordinante é aquela que contêm a
ideia principal da frase.
 A oração subordinada, sem a oração
subordinante, não tem qualquer significado.
oração subordinada oração subordinante
Quem vai ao mar, perde o lugar!
O. Subordinadas SUBSTANTIVAS
 
 Completivas - complementa a estrutura argumental
ex.: A testemunha declarou que tinha assistido ao acidente.
 
 Relativas (sem antecedente) – desempenha a
função sintática de argumento ou de modificador .
ex.: Eles comem onde lhes agrada.
Quem vai ao mar perde o lugar.
Oração Subordinada Substantiva Completiva
 São orações subordinadas dependentes do
verbo da oração subordinante, servindo-lhe de
complemento direto, de sujeito, complemento
oblíquo, complemento do adjetivo,
complemento do nome.
Não é justo que tantos passem fome.  sujeito
É possível que domingo chova.  sujeito.
Peço-te que venhas. complemento direto
Ele pensou em pedir ajuda.  complemento oblíquo.
TESTE PARA IDENTIFICAR A FUNÇÃO DE SUJEITO:
Substituição da oração subordinada substantiva completiva pelos pronomes
demonstrativos invariáveis isto e isso (colocados antes do verbo):
                       
Não é justo que tantos passem fome.  sujeito
É possível que domingo chova.  sujeito.
ISSO não é justo.
ISTO é possível.
Testes para identificar a função de complemento direto:
Substituição da oração completiva pelos pronomes demonstrativos
invariáveis isto e isso (colocados depois do verbo) ou substituição pelo
pronome «o» e suas variantes:
Peço-te que venhas. complemento direto
Peço-te ISSO. 
Peço-TO.           
TESTE PARA IDENTIFICAR A FUNÇÃO DE SUJEITO:
Substituição da oração subordinada substantiva completiva pelos pronomes
demonstrativos invariáveis isto e isso (colocados antes do verbo):
                       
Não é justo que tantos passem fome.  sujeito
É possível que domingo chova.  sujeito.
ISSO não é justo.
ISTO é possível.
Testes para identificar a função de complemento direto:
Substituição da oração completiva pelos pronomes demonstrativos
invariáveis isto e isso (colocados depois do verbo) ou substituição pelo
pronome «o» e suas variantes:
Peço-te que venhas. complemento direto
Peço-te ISSO. 
Peço-TO.           
Oração Subordinada Substantiva Completiva
COMPLETIVAS São introduzidas pelas conjunções que e se* e podem
desempenhar diferentes funções sintáticas.
Exemplos:
As pessoas desejam que amanhã esteja sol. (C.D.)
Espanta-me que ele não tenha vindo. (sujeito)
Ele esqueceu-se de que tinha deveres de casa. (C.O.)
Perguntou-me se eu estava bem. (CD)
 
Podem ser infinitivas, isto é, terem o verbo no infinitivo.
Exemplos:
O professor disse para fazerem os exercícios.
Os alunos admitem ter-lhes corrido bem o exame.
 
NOTA-*Interrogativas indiretas com verbos que marcam a interrogação:
Perguntei-te onde vais.
Sabes como correu?
Perguntei quanto custou.
O. Subordinadas Substantivas Relativas
 RELATIVAS SEM ANTECEDENTE
 São introduzidas por advérbios relativos (onde, como), pelo
pronome relativo quem e pelo quantificador relativo quanto
(tendo ou não preposição antes), usados sem antecedente, ou seja,
sem nenhum nome ou expressão à sua esquerda a que estejam
associados.
 
 Exemplos:
 Quem desdenha quer comprar. (sujeito)
 Respeito quem trabalha. (C. Direto)
 Este não é quem se pinta. (predicativo do sujeito)
 Nem sempre se dá valor a quem o merece. (C. Ind)
 Este jogo foi ganho por quem mereceu. (Compl. Agente da Passiva)
 Ele precisa de quem o ajude. (Compl. Oblíquo)
 Ele come a comida onde lhe apetece. (Modificador do grupo verbal)
 Orações subordinadas adjetivas
ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS
 Desempenham funções sintáticas próprias de um
adjetivo: são modificadores do nome.
 Estas orações são introduzidas por palavras relativas
(determinantes- cujo; quantificadores- quanto;
pronomes- o qual; advérbios- onde, como) e são
associadas a um antecedente, ou seja, a uma palavra que
vem antes na frase.
Oração Subordinada Adjetiva Relativa (com
antecedente)
 As orações subordinadas relativas ligam-se à oração
subordinante por meio do pronome relativo (geralmente –
que)
Ex:
O Ricardo casou com a Maria.
A Maria é bonita.
O Ricardo casou com a Maria, que é bonita.
Que está a substituir Maria na oração subordinada:
Maria é antecedente de que.
Está a substituir
É o antecedente
Oração Subordinada Adjetiva Relativa (com
antecedente)
Ex:
Os sapatos são fabricados em Portugal.
Os sapatos são de excelente qualidade.
Os sapatos que são fabricados em Portugal são de excelente qualidade.
Está a substituir
É o antecedente
ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS RESTRITIVAS
Os jogadores que terminaram os treinos dirigem-se para os balneários.
 
 NOTA:A oração subordinada relativa restritiva segue-se a um nome e
restringe o seu sentido, particularizando-o (exerce a função de
modificador restritivo). Com efeito, apenas os jogadores que terminaram
os treinos se dirigem para os balneários, não todos.
 Estas orações podem ser gerundivas:
 Os artigos que têm defeitos são rejeitados.
 Os artigos tendo defeitos são rejeitados.
ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS EXPLICATIVAS
Os jogadores, que terminaram os treinos ,dirigem-se para os balneários.
 
 Neste caso, todos os jogadores vão para o balneário.
  
 NOTA: Exerce a função sintática de modificador apositivo (antigo
“aposto”).
Oração Subordinada (Adjetiva) Relativa
 Oração Relativa Explicativa: não é indispensável ao
sentido da frase, podendo suprimir-se.
 Oração Relativa Restritiva: introduz uma restrição do
sentido – é indispensável – não se pode suprimir.
Esta menina, que é portuguesa, precisa de muito amor.
(oração relativa explicativa)
O menino que se porta mal irá ter o castigo que merece.
(oração relativa restritiva)
ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS
 Causal
 Porque, como, que, visto que, dado que, pois que uma vez que, já que
 Temporal
 Quando, mal, enquanto, apenas, agora que, desde que, antes que, assim que, logo
que, depois que, até que, sempre que, todas as vezes que, antes de, depois de
 Final
  Para que, a fim de que, de modo a que, de maneira a que,
 Concessiva
 Embora, conquanto, que ; ainda que, apesar de que, mesmo que, posto que
 Condicional
  Se; a não ser que, conquanto que, salvo se, desde que
 Comparativa
 Como, conforme, segundo, que qual, quanto (depois de tanto); mais…(do) que,
bem como, assim como, tal…qual
 Consecutiva
 Que (antecedida de tal, tanto de tal maneira, de tal modo); de maneira que, de
modo que

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)FranciscoSilva772
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verboAna Martins
 
Oração subordinada adjetiva relativa
Oração subordinada adjetiva relativaOração subordinada adjetiva relativa
Oração subordinada adjetiva relativaAntónio Fernandes
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaAntónio Aragão
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadasRita Pereira
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadoresgracacruz
 
funções sintaticas
 funções sintaticas funções sintaticas
funções sintaticasameliapadrao
 
Gramática Português- Síntese 10/11 ano
Gramática Português- Síntese 10/11 anoGramática Português- Síntese 10/11 ano
Gramática Português- Síntese 10/11 anoPedro Rocha Da Silva
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoquintaldasletras
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Lurdes Augusto
 
Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"InsdeCastro7
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagemameliapadrao
 

Mais procurados (20)

Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verbo
 
Oração subordinada adjetiva relativa
Oração subordinada adjetiva relativaOração subordinada adjetiva relativa
Oração subordinada adjetiva relativa
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
funções sintaticas
 funções sintaticas funções sintaticas
funções sintaticas
 
Gramática Português- Síntese 10/11 ano
Gramática Português- Síntese 10/11 anoGramática Português- Síntese 10/11 ano
Gramática Português- Síntese 10/11 ano
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Modificador da frase
Modificador da fraseModificador da frase
Modificador da frase
 
Coordenação. Subordinação
Coordenação. SubordinaçãoCoordenação. Subordinação
Coordenação. Subordinação
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
OraçõEs
OraçõEsOraçõEs
OraçõEs
 
Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"Mensagem: Análise "O Bandarra"
Mensagem: Análise "O Bandarra"
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 

Destaque

Oracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccaoOracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccaoJosé Monteiro
 
Frei Luís de Sousa - tempo, espaço e linguagem
Frei Luís de Sousa - tempo, espaço e linguagemFrei Luís de Sousa - tempo, espaço e linguagem
Frei Luís de Sousa - tempo, espaço e linguagemAntónio Fernandes
 
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaFrei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaAntónio Fernandes
 
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...Rosalina Simão Nunes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)Paula Oliveira Cruz
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemInesa M
 
Nevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando PessoaNevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando PessoaAMLDRP
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasMaria Rodrigues
 

Destaque (20)

Oracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccaoOracoes subordinadas-ficha-correccao
Oracoes subordinadas-ficha-correccao
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
 
Tema5 Geografía 2º Bachillerato
Tema5 Geografía 2º BachilleratoTema5 Geografía 2º Bachillerato
Tema5 Geografía 2º Bachillerato
 
1 enredo
1  enredo1  enredo
1 enredo
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Frei Luís de Sousa - tempo, espaço e linguagem
Frei Luís de Sousa - tempo, espaço e linguagemFrei Luís de Sousa - tempo, espaço e linguagem
Frei Luís de Sousa - tempo, espaço e linguagem
 
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaFrei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
 
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
História da língua
História da línguaHistória da língua
História da língua
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
D.Sebastião
D.SebastiãoD.Sebastião
D.Sebastião
 
Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)Formação de palavra (paratextos)
Formação de palavra (paratextos)
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Nevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando PessoaNevoeiro - Fernando Pessoa
Nevoeiro - Fernando Pessoa
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 

Semelhante a Subordinação

Período composto - análise sintática
Período composto - análise sintáticaPeríodo composto - análise sintática
Período composto - análise sintáticaAndriane Cursino
 
Orações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas SubstantivasOrações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas SubstantivasBlog Estudo
 
Frase simple e complexa
Frase simple e complexaFrase simple e complexa
Frase simple e complexaIga Almeida
 
coordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptxcoordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptxClaudiaMariaReis
 
Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]MartaNeto8
 
3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppttatianesouza923757
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSandra Paula
 
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPTSUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPTSecretariaMundeEduca
 
Quadro frasesimplescomplexa revisão_sec_convertido
Quadro frasesimplescomplexa revisão_sec_convertidoQuadro frasesimplescomplexa revisão_sec_convertido
Quadro frasesimplescomplexa revisão_sec_convertidoMaria Gois
 
Oraosubordinadarelativasubstantivaeadjetiva
Oraosubordinadarelativasubstantivaeadjetiva Oraosubordinadarelativasubstantivaeadjetiva
Oraosubordinadarelativasubstantivaeadjetiva ostrapaula
 
Análise do período simples
Análise do período simplesAnálise do período simples
Análise do período simplesFaell Vasconcelos
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadastaizinha
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasAyla De Sá Marques
 

Semelhante a Subordinação (20)

Período composto - análise sintática
Período composto - análise sintáticaPeríodo composto - análise sintática
Período composto - análise sintática
 
Frase complexa
Frase complexaFrase complexa
Frase complexa
 
Orações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas SubstantivasOrações Subordinadas Substantivas
Orações Subordinadas Substantivas
 
Frase simple e complexa
Frase simple e complexaFrase simple e complexa
Frase simple e complexa
 
coordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptxcoordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptx
 
Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]
 
3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt
 
Funções sintáticas
Funções sintáticasFunções sintáticas
Funções sintáticas
 
Subordinação-8.º ano
Subordinação-8.º anoSubordinação-8.º ano
Subordinação-8.º ano
 
Subordinação8 ano
Subordinação8 anoSubordinação8 ano
Subordinação8 ano
 
Orações Subordinadas
Orações SubordinadasOrações Subordinadas
Orações Subordinadas
 
Coord sub
Coord sub Coord sub
Coord sub
 
Adverbs
AdverbsAdverbs
Adverbs
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividades
 
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPTSUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
 
Quadro frasesimplescomplexa revisão_sec_convertido
Quadro frasesimplescomplexa revisão_sec_convertidoQuadro frasesimplescomplexa revisão_sec_convertido
Quadro frasesimplescomplexa revisão_sec_convertido
 
Oraosubordinadarelativasubstantivaeadjetiva
Oraosubordinadarelativasubstantivaeadjetiva Oraosubordinadarelativasubstantivaeadjetiva
Oraosubordinadarelativasubstantivaeadjetiva
 
Análise do período simples
Análise do período simplesAnálise do período simples
Análise do período simples
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadas
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 

Mais de Paula Oliveira Cruz (20)

Friso cronológico literário
Friso cronológico literárioFriso cronológico literário
Friso cronológico literário
 
géneros da poesia_trovadoresca
  géneros da poesia_trovadoresca  géneros da poesia_trovadoresca
géneros da poesia_trovadoresca
 
Ai flores, ai flores
Ai flores, ai floresAi flores, ai flores
Ai flores, ai flores
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Ondas do mar de vigo
Ondas do mar de vigoOndas do mar de vigo
Ondas do mar de vigo
 
o paralelismo
 o paralelismo o paralelismo
o paralelismo
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Farsa de Inês Pereira
Farsa de Inês PereiraFarsa de Inês Pereira
Farsa de Inês Pereira
 
Sedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermidaSedia m'eu na ermida
Sedia m'eu na ermida
 
Lírica Trovadoresca
Lírica TrovadorescaLírica Trovadoresca
Lírica Trovadoresca
 
Adilia Lopes - autobiografia
Adilia Lopes -  autobiografiaAdilia Lopes -  autobiografia
Adilia Lopes - autobiografia
 
Autorretrato bocage e o'neill
Autorretrato bocage e o'neillAutorretrato bocage e o'neill
Autorretrato bocage e o'neill
 
Adjetivo lp
Adjetivo lpAdjetivo lp
Adjetivo lp
 
Amor é um fogo
Amor é um fogoAmor é um fogo
Amor é um fogo
 
Vénus de Boticelli
Vénus de BoticelliVénus de Boticelli
Vénus de Boticelli
 
Renascimento
Renascimento Renascimento
Renascimento
 
Mensagem elementos simbólicos
Mensagem  elementos simbólicosMensagem  elementos simbólicos
Mensagem elementos simbólicos
 
Gil vicente
Gil vicente Gil vicente
Gil vicente
 
História da língua 9.º ano
História da língua 9.º anoHistória da língua 9.º ano
História da língua 9.º ano
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 

Último

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 

Último (20)

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 

Subordinação

  • 2. ORAÇÕES SUBORDINADAS  SUBSTANTIVAS  ADJETIVAS    ADVERBIAIS
  • 3. PARA RECORDAR!  As orações subordinadas estão sempre dependentes das subordinantes!  A oração subordinante é aquela que contêm a ideia principal da frase.  A oração subordinada, sem a oração subordinante, não tem qualquer significado. oração subordinada oração subordinante Quem vai ao mar, perde o lugar!
  • 4. O. Subordinadas SUBSTANTIVAS    Completivas - complementa a estrutura argumental ex.: A testemunha declarou que tinha assistido ao acidente.    Relativas (sem antecedente) – desempenha a função sintática de argumento ou de modificador . ex.: Eles comem onde lhes agrada. Quem vai ao mar perde o lugar.
  • 5. Oração Subordinada Substantiva Completiva  São orações subordinadas dependentes do verbo da oração subordinante, servindo-lhe de complemento direto, de sujeito, complemento oblíquo, complemento do adjetivo, complemento do nome. Não é justo que tantos passem fome.  sujeito É possível que domingo chova.  sujeito. Peço-te que venhas. complemento direto Ele pensou em pedir ajuda.  complemento oblíquo.
  • 6. TESTE PARA IDENTIFICAR A FUNÇÃO DE SUJEITO: Substituição da oração subordinada substantiva completiva pelos pronomes demonstrativos invariáveis isto e isso (colocados antes do verbo):                         Não é justo que tantos passem fome.  sujeito É possível que domingo chova.  sujeito. ISSO não é justo. ISTO é possível. Testes para identificar a função de complemento direto: Substituição da oração completiva pelos pronomes demonstrativos invariáveis isto e isso (colocados depois do verbo) ou substituição pelo pronome «o» e suas variantes: Peço-te que venhas. complemento direto Peço-te ISSO.  Peço-TO.            TESTE PARA IDENTIFICAR A FUNÇÃO DE SUJEITO: Substituição da oração subordinada substantiva completiva pelos pronomes demonstrativos invariáveis isto e isso (colocados antes do verbo):                         Não é justo que tantos passem fome.  sujeito É possível que domingo chova.  sujeito. ISSO não é justo. ISTO é possível. Testes para identificar a função de complemento direto: Substituição da oração completiva pelos pronomes demonstrativos invariáveis isto e isso (colocados depois do verbo) ou substituição pelo pronome «o» e suas variantes: Peço-te que venhas. complemento direto Peço-te ISSO.  Peço-TO.           
  • 7. Oração Subordinada Substantiva Completiva COMPLETIVAS São introduzidas pelas conjunções que e se* e podem desempenhar diferentes funções sintáticas. Exemplos: As pessoas desejam que amanhã esteja sol. (C.D.) Espanta-me que ele não tenha vindo. (sujeito) Ele esqueceu-se de que tinha deveres de casa. (C.O.) Perguntou-me se eu estava bem. (CD)   Podem ser infinitivas, isto é, terem o verbo no infinitivo. Exemplos: O professor disse para fazerem os exercícios. Os alunos admitem ter-lhes corrido bem o exame.   NOTA-*Interrogativas indiretas com verbos que marcam a interrogação: Perguntei-te onde vais. Sabes como correu? Perguntei quanto custou.
  • 8. O. Subordinadas Substantivas Relativas  RELATIVAS SEM ANTECEDENTE  São introduzidas por advérbios relativos (onde, como), pelo pronome relativo quem e pelo quantificador relativo quanto (tendo ou não preposição antes), usados sem antecedente, ou seja, sem nenhum nome ou expressão à sua esquerda a que estejam associados.    Exemplos:  Quem desdenha quer comprar. (sujeito)  Respeito quem trabalha. (C. Direto)  Este não é quem se pinta. (predicativo do sujeito)  Nem sempre se dá valor a quem o merece. (C. Ind)  Este jogo foi ganho por quem mereceu. (Compl. Agente da Passiva)  Ele precisa de quem o ajude. (Compl. Oblíquo)  Ele come a comida onde lhe apetece. (Modificador do grupo verbal)
  • 10. ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS  Desempenham funções sintáticas próprias de um adjetivo: são modificadores do nome.  Estas orações são introduzidas por palavras relativas (determinantes- cujo; quantificadores- quanto; pronomes- o qual; advérbios- onde, como) e são associadas a um antecedente, ou seja, a uma palavra que vem antes na frase.
  • 11. Oração Subordinada Adjetiva Relativa (com antecedente)  As orações subordinadas relativas ligam-se à oração subordinante por meio do pronome relativo (geralmente – que) Ex: O Ricardo casou com a Maria. A Maria é bonita. O Ricardo casou com a Maria, que é bonita. Que está a substituir Maria na oração subordinada: Maria é antecedente de que. Está a substituir É o antecedente
  • 12. Oração Subordinada Adjetiva Relativa (com antecedente) Ex: Os sapatos são fabricados em Portugal. Os sapatos são de excelente qualidade. Os sapatos que são fabricados em Portugal são de excelente qualidade. Está a substituir É o antecedente
  • 13. ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS RESTRITIVAS Os jogadores que terminaram os treinos dirigem-se para os balneários.    NOTA:A oração subordinada relativa restritiva segue-se a um nome e restringe o seu sentido, particularizando-o (exerce a função de modificador restritivo). Com efeito, apenas os jogadores que terminaram os treinos se dirigem para os balneários, não todos.  Estas orações podem ser gerundivas:  Os artigos que têm defeitos são rejeitados.  Os artigos tendo defeitos são rejeitados.
  • 14. ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS EXPLICATIVAS Os jogadores, que terminaram os treinos ,dirigem-se para os balneários.    Neste caso, todos os jogadores vão para o balneário.     NOTA: Exerce a função sintática de modificador apositivo (antigo “aposto”).
  • 15. Oração Subordinada (Adjetiva) Relativa  Oração Relativa Explicativa: não é indispensável ao sentido da frase, podendo suprimir-se.  Oração Relativa Restritiva: introduz uma restrição do sentido – é indispensável – não se pode suprimir. Esta menina, que é portuguesa, precisa de muito amor. (oração relativa explicativa) O menino que se porta mal irá ter o castigo que merece. (oração relativa restritiva)
  • 16. ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS  Causal  Porque, como, que, visto que, dado que, pois que uma vez que, já que  Temporal  Quando, mal, enquanto, apenas, agora que, desde que, antes que, assim que, logo que, depois que, até que, sempre que, todas as vezes que, antes de, depois de  Final   Para que, a fim de que, de modo a que, de maneira a que,  Concessiva  Embora, conquanto, que ; ainda que, apesar de que, mesmo que, posto que  Condicional   Se; a não ser que, conquanto que, salvo se, desde que  Comparativa  Como, conforme, segundo, que qual, quanto (depois de tanto); mais…(do) que, bem como, assim como, tal…qual  Consecutiva  Que (antecedida de tal, tanto de tal maneira, de tal modo); de maneira que, de modo que