SlideShare uma empresa Scribd logo

Mecanismos de Coesão

1 de 13
Baixar para ler offline
Esta unidade tem por objectivo ajudá-lo a compreender o conceito
        de textualidade, isto é, as características que conferem a
        determinadas manifestações linguísticas humanas a designação de
        texto. Os mecanismos que asseguram a unidade/ estruturação de
        um texto (tecido) são a coesão e a coerência




Conceitos e Aplicações                                                      Utilidade
1. COESÃO
                                                       “Quando usam a língua, os falantes não
1.1. Mecanismos de coesão gramatical
                                                       produzem palavras ou frases isoladas,
    1.1.1. Coesão frásica                              desligadas umas das outras e do
    1.1.2. Coesão interfrásica                         contexto situacional e discursivo. Pelo
    1.1.3. Coesão temporal                             contrário, tanto os produtos resultantes
    1.1.4. coesão referencial                          do uso primário da língua na situação
                                                       básica da conversa como os que
                                                       resultam da língua escrita em situações
 1.2. Mecanismos de coesão lexical
                                                       não pessoais, tanto os produtos de um
                                                       só locutor como os que resultam de
    1.2.1. Repetição
                                                       uma actividade colaborativa de vários
    1.2.2. Substituição
                                                       falantes são objectos dotados de sentido
             a) sinonímia
                                                       e de unidade – ou seja, são produtos
             b) antonímia
                                                       coesos internamente e coerentes com o
             c) hiperonímia/ hiponímia
                                                       mundo, relativamente ao qual devem
             d) holonímia/ meronímia
                                                       ser interpretados. A tais produtos
                                                       chama-se textos.”
2. COERÊNCIA
                                                       Mª Helena Mira Mateus et alii, Gramática da Língua
    2.1. Coerência lógico-conceptual                    Portuguesa

            a)Princípios lógico-conceptuais
                     * ordenação lógica das situações apresentadas
                     * relações lógicas entre as situações
                     * propriedades e características dos objectos de
                       um mundo “normal”


    2.1. Coerência textual
            a)Regras de coerência textual
                     * repetição
                     * progressão
                     * não contradição
                     * relação
A coesão designa o conjunto de processos
                linguísticos que asseguram as ligações na frase e
                entre frases. A coesão, enquanto aspecto de
                gramaticalidade,     está ligada  à  competência
                linguística dos falantes.




    Conhecer os conceitos                                       Os processos




Coesão     frásica:   processo    que                 Ordenação das palavras na frase;
assegura a unidade entre os diferentes                concordância das palavras em género
elementos linguísticos de uma frase                   e/ou número; regência de preposições.
simples ou de uma oração



       Para que uma frase seja gramaticalmente correcta (coesa), os elementos
       linguísticos que a compõem devem obedecer quer a uma organização
       interna, quer a fenómenos de concordância. Vejam-se os exemplos:

                             a) Os pais discutiram o assunto


       Lendo a frase, não restam dúvidas de que esta é um exemplo de frase
       coesa e isto porque:

  * os seus constituintes se organizam segundo a ordem sintáctica normal da língua
  portuguesa – sujeito/verbo/objecto
  *nela estão respeitados todos os princípios de concordância: determinante e nome,
  masculinos e plural, que constituem o sujeito da frase, concordam com o verbo,
  também ele plural




                b) O aluno mais velhos da escola tiveram o privilégio
                  de encabeçar a lista da associação de estudantes


       Esta frase é um exemplo de frase não coesa, dado que, no grupo nominal,
       não há concordância entre o nome e o adjectivo que o caracteriza.
       Também o verbo não concorda em número com o sujeito.
Conhecer os conceitos                                        Os processos




Coesão interfrásica: processo que                        Coordenação;      subordinação;
assegura a articulação de orações,                       articulação     por      outros
frases e parágrafos entre si.                            conectores/organizadores




 Existem dois processos que asseguram a unidade das frases constituídas por mais do que
 uma oração (frases compostas ou complexas): a coordenação (sindética e assindética) e a
 subordinação.


                                                                 Coordenação assindética
 O João leu um romance, a Maria leu uma revista.

A frase é coesa pela simples justaposição das orações




     Fui a Paris, mas não visitei a Torre Eiffel.                 Coordenação sindética

A conjunção mas, apesar de prescindível, une as duas
           orações e torna a frase coesa




  O João pensa que vencerá mais um obstáculo.                         Subordinação

    A segunda oração, introduzida pela conjunção
   completiva integrante que, completa o sentido da
 primeira oração e é imprescindível para a coesão da
                         frase.




       A conexão entre várias frases, com vista à formação de unidades mais
       amplas, o parágrafo, é assegurada por conectores/ organizadores
       discursivos ou sinais de pontuação (que marcam a pausa e a melodia).
EXEMPLOS DE COESÃO NO INTERIOR DO PARÁGRAFO




                                                                              Nesta descrição, os elementos
    quot;A casa era grande, branca e antiga. Em sua frente
                                                                              estão organizados através de
havia um pátio quadrado. À direita um laranjal onde noite e
                                                                              expressões: Em sua frente, À
dia corria uma fonte. À esquerda era o jardim de buxo,
                                                                              direita, À esquerda
húmido e sombrio, com suas camélias e seus bancos de
                                                                              (organizadores discursivos).
azulejo.quot;
    Sophia de Mello Breyner Andresen,quot;O Jantar do Bispo? Contos Exemplares




    quot;Desde sempre a poesia foi, de entre todas as
actividades do espírito, aquela em que os portugueses
mais se distinguiram. Com efeito, num momento em que
particularmente importa avaliar o que, ao longo dos                           A conexão entre as duas frases faz-
                                                                              se por meio de com efeito,
tempos, foi o nosso contributo para a formação de uma
                                                                              conector     que     exprime      a
cultura europeia, há que reconhecer que muito poucas
                                                                              confirmação     do     que       foi
pessoas serão as figuras capazes de ombrear noutros                           anteriormente dito.
domínios com as suas congéneres de outras nações.quot;
       Luís Miguel Nava,quot;Introduçãoquot;Antologia de Poesia Portuguesa




     quot;Pequenos ou mesmo minúsculos em tamanho,
gigantes em número e em idade, campeões do disfarce e do
ardil, mestres na arte da sobrevivência, os insectos são os
verdadeiros senhores do planeta. Joaninhas, grilos,                           Neste parágrafo, que integra duas
pirilampos, insectos-pau, eles sim - muito mais                               frases, a pausa, representada
                                                                              graficamente pelo ponto final, é
provavelmente do que nós - serão naturais protagonistas
                                                                              determinante para a organização e
no distante amanhã que cantam.quot;
                                                                              encadeamento das ideias.
                                    Notícias Magazine, 11 de Agosto de 2002
EXEMPLOS DE COESÃO NO INTERIOR DO PARÁGRAFO




     quot;Se, nos dias de hoje, os mais pequenos gestos da
nossa vida são enquadrados pela presença de entidades
derivadas da ciência, como é que isto pode ter
                                                                          A conexão entre os dois parágrafos é
acontecido? Se chegámos ao ponto de funcionar por
                                                                          feita pelo jogo pergunta/resposta,
obra e graça de microchips, alimentos enriquecidos com
                                                                          assinalado graficamente pelo
vitaminas, ou antibióticos ou vacinas, porque é que
                                                                          ponto de interrogação, ao qual
sabemos tão pouco sobre logaritmos, enzimas de
                                                                          corresponde a entoação.
restrição, ou a organização de colónias bacterianas? O que
falhou?
    O que falhou, fundamentalmente, foi que a explicação
da ciência ao público não foi cuidadosamente
programada desde o início.quot;
             Clara Pinto Correia, Clones Humanos Sobre o Texto




    quot;(...) o Body Jam garante uma significativa melhoria
cardiovascular, ajuda a perder peso e favorece uma maior
consciência corporal, pela coordenação motora que é
estimulada durante as aulas. Tudo isto, claro, aliado ao
                                                                           A ligação entre os parágrafos faz-
prazer do ritmo e à descontracção proporcionada por uma
                                                                           se através do organizador em
hora de dança...
                                                                           suma, que introduz a conclusão
    Em suma, uma modalidade que assegura excelentes                        do exposto anteriormente.
resultados para o corpo e mente.quot;
                                  In Saúde e Bem-Estar, Outubro de 2003




      quot;Até há bem pouco tempo, pensou-se que os
 recursos da Terra eram inesgotáveis e que a intervenção
 do     Homem    não   teria   grande    influência   no
 desenvolvimento normal dos ciclos da Natureza.
      No entanto, actualmente sabemos que o mundo                          A ligação entre os parágrafos faz-
 civilizado lança grande quantidade de gases para a                        se através do conector no
                                                                           entanto, que estabelece uma
 atmosfera e que esses gases que deveriam ser
                                                                           oposição entre o que vai ser dito
 absorvidos pelas plantas não o são em quantidade
                                                                           e o anteriormente referido.
 suficiente.quot;

                                 In Notícias Magazine, Setembro de 2003
COESÃO
                                      TEMPORAL




    Conhecer os conceitos                                        Os processos




                                                       Expressões         adverbiais        ou
Coesão temporal: processo que
                                                       preposicionais com valor temporal;
consiste na sequencialização dos
                                                       datas; expressões que assinalam
enunciados, segundo uma lógica
                                                       ordem; utilização correlativa de tempos
temporal.
                                                       verbais.




     Há vários processos que estabelecem nexos temporais entre acções. As
     frases que se seguem exemplificam esses mecanismos.

                                                                       A ordenação dos
                                                                     acontecimentos é feita
 A patroa discutiu com todos os empregados e saiu                      segundo a ordem
                     zangada.                                             cronológica



                                                                   Utilização de expressões
                                                                  que assinalam a ordem dos
 Primeiro dirigiu-se ao indivíduo, depois pediu-lhe                     acontecimentos
               contas pelo sucedido.




                                                                    Emprego correlativo de
                                                                       tempos verbais
 Quando a polícia chegou, o ladrão já tinha fugido.




                                                                     Uso de expressões de
                                                                  tempo em consonância com
  Ela é uma pessoa inconstante: ontem tinha uma                       os tempos verbais
               ideia, hoje tem outra.




                                                                     Indicação de uma data
 O dia 25 de Abril de 1974 foi decisivo para o país.

Recomendados

Processos irregulares de formação de palavras
Processos irregulares de formação de palavrasProcessos irregulares de formação de palavras
Processos irregulares de formação de palavrasLina Claro
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
Modalidade do verbo
Modalidade do verboModalidade do verbo
Modalidade do verboAna Martins
 
Oração subordinada adjetiva relativa
Oração subordinada adjetiva relativaOração subordinada adjetiva relativa
Oração subordinada adjetiva relativaAntónio Fernandes
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...Rosalina Simão Nunes
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoquintaldasletras
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeDina Baptista
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadoresgracacruz
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicosameliapadrao
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Raquel Antunes
 
Deixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacialDeixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacialEconomicSintese
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosdomplex123
 
Modificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nomeModificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nomeAntónio Fernandes
 

Mais procurados (20)

Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
Orações subordinadas substantivas e adjetivas - Apresentação de conteúdos (SU...
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Predicativo do complemento direto
Predicativo do complemento diretoPredicativo do complemento direto
Predicativo do complemento direto
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Conetores
ConetoresConetores
Conetores
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Modificadores
ModificadoresModificadores
Modificadores
 
Processos fonologicos
Processos fonologicosProcessos fonologicos
Processos fonologicos
 
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
Ficha formativa_ Recursos Expressivos (I)
 
Formação de palavras
Formação de palavrasFormação de palavras
Formação de palavras
 
Deixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacialDeixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacial
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 
Coesão gramatical
Coesão gramaticalCoesão gramatical
Coesão gramatical
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Ficha de gramática12º
Ficha de gramática12ºFicha de gramática12º
Ficha de gramática12º
 
Coordenação. Subordinação
Coordenação. SubordinaçãoCoordenação. Subordinação
Coordenação. Subordinação
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 
Modificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nomeModificador restritivo e apositivo do nome
Modificador restritivo e apositivo do nome
 

Semelhante a Mecanismos de Coesão

Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesãonelsonalves70
 
Coerência e coesão textuais
Coerência e coesão textuaisCoerência e coesão textuais
Coerência e coesão textuaisroberto_uniesp
 
Ensino medio livre_edicao_2012_unidade_01_gramatica
Ensino medio livre_edicao_2012_unidade_01_gramaticaEnsino medio livre_edicao_2012_unidade_01_gramatica
Ensino medio livre_edicao_2012_unidade_01_gramaticanewtonbonfim
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaSadiasoares
 
Linguística da enunciação e ergologia: um diálogo possível.
Linguística da enunciação e ergologia: um diálogo possível.Linguística da enunciação e ergologia: um diálogo possível.
Linguística da enunciação e ergologia: um diálogo possível.geepunisinos
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaSadiasoares
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológicaBete Feliciano
 
Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Andreá Perez Leinat
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Marcia Prudencio
 
Formalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoFormalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoDaniele Silva
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoNetosaimon Silva
 
Re lendo-michel-pêcheux p.542-562(1)
Re lendo-michel-pêcheux p.542-562(1)Re lendo-michel-pêcheux p.542-562(1)
Re lendo-michel-pêcheux p.542-562(1)Tribeiro Tribeiro
 

Semelhante a Mecanismos de Coesão (20)

Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 
Coerência e coesão textuais
Coerência e coesão textuaisCoerência e coesão textuais
Coerência e coesão textuais
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Ensino medio livre_edicao_2012_unidade_01_gramatica
Ensino medio livre_edicao_2012_unidade_01_gramaticaEnsino medio livre_edicao_2012_unidade_01_gramatica
Ensino medio livre_edicao_2012_unidade_01_gramatica
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
 
TP5- Unidades 17 e 18
TP5- Unidades 17  e  18TP5- Unidades 17  e  18
TP5- Unidades 17 e 18
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
Apresentação3
Apresentação3Apresentação3
Apresentação3
 
617
617617
617
 
Linguística da enunciação e ergologia: um diálogo possível.
Linguística da enunciação e ergologia: um diálogo possível.Linguística da enunciação e ergologia: um diálogo possível.
Linguística da enunciação e ergologia: um diálogo possível.
 
Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
 
Consciencia fonológica
Consciencia fonológicaConsciencia fonológica
Consciencia fonológica
 
Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013Consciência fonologica revisto_abril_2013
Consciência fonologica revisto_abril_2013
 
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
Conscincia fonolgica revisto_abril_2013
 
Formalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoFormalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismo
 
Resumo Tp5 Unid 19 20
Resumo   Tp5   Unid 19 20Resumo   Tp5   Unid 19 20
Resumo Tp5 Unid 19 20
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
Re lendo-michel-pêcheux p.542-562(1)
Re lendo-michel-pêcheux p.542-562(1)Re lendo-michel-pêcheux p.542-562(1)
Re lendo-michel-pêcheux p.542-562(1)
 

Mais de nelsonalves70

Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássicanelsonalves70
 
Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.nelsonalves70
 
Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Temponelsonalves70
 
O Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto ImpérioO Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto Impérionelsonalves70
 
Categorias Narrativa
Categorias NarrativaCategorias Narrativa
Categorias Narrativanelsonalves70
 
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, MemorialA Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorialnelsonalves70
 
Modos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da NarrativaModos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da Narrativanelsonalves70
 
Relação entre as palavras
Relação entre as palavrasRelação entre as palavras
Relação entre as palavrasnelsonalves70
 
Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)nelsonalves70
 
Proposição d' "Os Lusíadas"
Proposição d' "Os Lusíadas"Proposição d' "Os Lusíadas"
Proposição d' "Os Lusíadas"nelsonalves70
 
Protótipos Textuais
Protótipos TextuaisProtótipos Textuais
Protótipos Textuaisnelsonalves70
 

Mais de nelsonalves70 (18)

Os Maias - Análise
Os Maias - AnáliseOs Maias - Análise
Os Maias - Análise
 
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura ClássicaFrei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
Frei Luis de Sousa - Estrutura Clássica
 
Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.Frei Luís de Sousa - Classificação.
Frei Luís de Sousa - Classificação.
 
Frei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - TempoFrei Luís de Sousa - Tempo
Frei Luís de Sousa - Tempo
 
Velho do Restelo
Velho do ResteloVelho do Restelo
Velho do Restelo
 
O Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto ImpérioO Mito do Quinto Império
O Mito do Quinto Império
 
Categorias Narrativa
Categorias NarrativaCategorias Narrativa
Categorias Narrativa
 
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, MemorialA Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
A Expressividade dos Vários Narradores, Memorial
 
Modos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da NarrativaModos de Representação da Narrativa
Modos de Representação da Narrativa
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Relação entre as palavras
Relação entre as palavrasRelação entre as palavras
Relação entre as palavras
 
Deixis
DeixisDeixis
Deixis
 
Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)
 
Pronominalização
PronominalizaçãoPronominalização
Pronominalização
 
Proposição d' "Os Lusíadas"
Proposição d' "Os Lusíadas"Proposição d' "Os Lusíadas"
Proposição d' "Os Lusíadas"
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Protótipos Textuais
Protótipos TextuaisProtótipos Textuais
Protótipos Textuais
 
Subordinação
SubordinaçãoSubordinação
Subordinação
 

Mecanismos de Coesão

  • 1. Esta unidade tem por objectivo ajudá-lo a compreender o conceito de textualidade, isto é, as características que conferem a determinadas manifestações linguísticas humanas a designação de texto. Os mecanismos que asseguram a unidade/ estruturação de um texto (tecido) são a coesão e a coerência Conceitos e Aplicações Utilidade 1. COESÃO “Quando usam a língua, os falantes não 1.1. Mecanismos de coesão gramatical produzem palavras ou frases isoladas, 1.1.1. Coesão frásica desligadas umas das outras e do 1.1.2. Coesão interfrásica contexto situacional e discursivo. Pelo 1.1.3. Coesão temporal contrário, tanto os produtos resultantes 1.1.4. coesão referencial do uso primário da língua na situação básica da conversa como os que resultam da língua escrita em situações 1.2. Mecanismos de coesão lexical não pessoais, tanto os produtos de um só locutor como os que resultam de 1.2.1. Repetição uma actividade colaborativa de vários 1.2.2. Substituição falantes são objectos dotados de sentido a) sinonímia e de unidade – ou seja, são produtos b) antonímia coesos internamente e coerentes com o c) hiperonímia/ hiponímia mundo, relativamente ao qual devem d) holonímia/ meronímia ser interpretados. A tais produtos chama-se textos.” 2. COERÊNCIA Mª Helena Mira Mateus et alii, Gramática da Língua 2.1. Coerência lógico-conceptual Portuguesa a)Princípios lógico-conceptuais * ordenação lógica das situações apresentadas * relações lógicas entre as situações * propriedades e características dos objectos de um mundo “normal” 2.1. Coerência textual a)Regras de coerência textual * repetição * progressão * não contradição * relação
  • 2. A coesão designa o conjunto de processos linguísticos que asseguram as ligações na frase e entre frases. A coesão, enquanto aspecto de gramaticalidade, está ligada à competência linguística dos falantes. Conhecer os conceitos Os processos Coesão frásica: processo que Ordenação das palavras na frase; assegura a unidade entre os diferentes concordância das palavras em género elementos linguísticos de uma frase e/ou número; regência de preposições. simples ou de uma oração Para que uma frase seja gramaticalmente correcta (coesa), os elementos linguísticos que a compõem devem obedecer quer a uma organização interna, quer a fenómenos de concordância. Vejam-se os exemplos: a) Os pais discutiram o assunto Lendo a frase, não restam dúvidas de que esta é um exemplo de frase coesa e isto porque: * os seus constituintes se organizam segundo a ordem sintáctica normal da língua portuguesa – sujeito/verbo/objecto *nela estão respeitados todos os princípios de concordância: determinante e nome, masculinos e plural, que constituem o sujeito da frase, concordam com o verbo, também ele plural b) O aluno mais velhos da escola tiveram o privilégio de encabeçar a lista da associação de estudantes Esta frase é um exemplo de frase não coesa, dado que, no grupo nominal, não há concordância entre o nome e o adjectivo que o caracteriza. Também o verbo não concorda em número com o sujeito.
  • 3. Conhecer os conceitos Os processos Coesão interfrásica: processo que Coordenação; subordinação; assegura a articulação de orações, articulação por outros frases e parágrafos entre si. conectores/organizadores Existem dois processos que asseguram a unidade das frases constituídas por mais do que uma oração (frases compostas ou complexas): a coordenação (sindética e assindética) e a subordinação. Coordenação assindética O João leu um romance, a Maria leu uma revista. A frase é coesa pela simples justaposição das orações Fui a Paris, mas não visitei a Torre Eiffel. Coordenação sindética A conjunção mas, apesar de prescindível, une as duas orações e torna a frase coesa O João pensa que vencerá mais um obstáculo. Subordinação A segunda oração, introduzida pela conjunção completiva integrante que, completa o sentido da primeira oração e é imprescindível para a coesão da frase. A conexão entre várias frases, com vista à formação de unidades mais amplas, o parágrafo, é assegurada por conectores/ organizadores discursivos ou sinais de pontuação (que marcam a pausa e a melodia).
  • 4. EXEMPLOS DE COESÃO NO INTERIOR DO PARÁGRAFO Nesta descrição, os elementos quot;A casa era grande, branca e antiga. Em sua frente estão organizados através de havia um pátio quadrado. À direita um laranjal onde noite e expressões: Em sua frente, À dia corria uma fonte. À esquerda era o jardim de buxo, direita, À esquerda húmido e sombrio, com suas camélias e seus bancos de (organizadores discursivos). azulejo.quot; Sophia de Mello Breyner Andresen,quot;O Jantar do Bispo? Contos Exemplares quot;Desde sempre a poesia foi, de entre todas as actividades do espírito, aquela em que os portugueses mais se distinguiram. Com efeito, num momento em que particularmente importa avaliar o que, ao longo dos A conexão entre as duas frases faz- se por meio de com efeito, tempos, foi o nosso contributo para a formação de uma conector que exprime a cultura europeia, há que reconhecer que muito poucas confirmação do que foi pessoas serão as figuras capazes de ombrear noutros anteriormente dito. domínios com as suas congéneres de outras nações.quot; Luís Miguel Nava,quot;Introduçãoquot;Antologia de Poesia Portuguesa quot;Pequenos ou mesmo minúsculos em tamanho, gigantes em número e em idade, campeões do disfarce e do ardil, mestres na arte da sobrevivência, os insectos são os verdadeiros senhores do planeta. Joaninhas, grilos, Neste parágrafo, que integra duas pirilampos, insectos-pau, eles sim - muito mais frases, a pausa, representada graficamente pelo ponto final, é provavelmente do que nós - serão naturais protagonistas determinante para a organização e no distante amanhã que cantam.quot; encadeamento das ideias. Notícias Magazine, 11 de Agosto de 2002
  • 5. EXEMPLOS DE COESÃO NO INTERIOR DO PARÁGRAFO quot;Se, nos dias de hoje, os mais pequenos gestos da nossa vida são enquadrados pela presença de entidades derivadas da ciência, como é que isto pode ter A conexão entre os dois parágrafos é acontecido? Se chegámos ao ponto de funcionar por feita pelo jogo pergunta/resposta, obra e graça de microchips, alimentos enriquecidos com assinalado graficamente pelo vitaminas, ou antibióticos ou vacinas, porque é que ponto de interrogação, ao qual sabemos tão pouco sobre logaritmos, enzimas de corresponde a entoação. restrição, ou a organização de colónias bacterianas? O que falhou? O que falhou, fundamentalmente, foi que a explicação da ciência ao público não foi cuidadosamente programada desde o início.quot; Clara Pinto Correia, Clones Humanos Sobre o Texto quot;(...) o Body Jam garante uma significativa melhoria cardiovascular, ajuda a perder peso e favorece uma maior consciência corporal, pela coordenação motora que é estimulada durante as aulas. Tudo isto, claro, aliado ao A ligação entre os parágrafos faz- prazer do ritmo e à descontracção proporcionada por uma se através do organizador em hora de dança... suma, que introduz a conclusão Em suma, uma modalidade que assegura excelentes do exposto anteriormente. resultados para o corpo e mente.quot; In Saúde e Bem-Estar, Outubro de 2003 quot;Até há bem pouco tempo, pensou-se que os recursos da Terra eram inesgotáveis e que a intervenção do Homem não teria grande influência no desenvolvimento normal dos ciclos da Natureza. No entanto, actualmente sabemos que o mundo A ligação entre os parágrafos faz- civilizado lança grande quantidade de gases para a se através do conector no entanto, que estabelece uma atmosfera e que esses gases que deveriam ser oposição entre o que vai ser dito absorvidos pelas plantas não o são em quantidade e o anteriormente referido. suficiente.quot; In Notícias Magazine, Setembro de 2003
  • 6. COESÃO TEMPORAL Conhecer os conceitos Os processos Expressões adverbiais ou Coesão temporal: processo que preposicionais com valor temporal; consiste na sequencialização dos datas; expressões que assinalam enunciados, segundo uma lógica ordem; utilização correlativa de tempos temporal. verbais. Há vários processos que estabelecem nexos temporais entre acções. As frases que se seguem exemplificam esses mecanismos. A ordenação dos acontecimentos é feita A patroa discutiu com todos os empregados e saiu segundo a ordem zangada. cronológica Utilização de expressões que assinalam a ordem dos Primeiro dirigiu-se ao indivíduo, depois pediu-lhe acontecimentos contas pelo sucedido. Emprego correlativo de tempos verbais Quando a polícia chegou, o ladrão já tinha fugido. Uso de expressões de tempo em consonância com Ela é uma pessoa inconstante: ontem tinha uma os tempos verbais ideia, hoje tem outra. Indicação de uma data O dia 25 de Abril de 1974 foi decisivo para o país.
  • 7. COESÃO REFERENCIAL Os processos Conhecer os conceitos Coesão Referencial propriedade dos temporal: textos (orais e escritos) em que determinadas expressões linguísticas Anáforas lexicais, anáforas pronominais, estabelecem relações de dependência elipses, catáforas lexicais, pronominais, com o discurso anterior, o discurso deícticos. subsequente ou a situação de comunicação. Para que um texto progrida, mas mantenha sempre activados certos referentes, é necessária a retoma desses mesmos referentes, o que assegura a coesão textual. Designamos por referente a entidade do mundo real ou fictício para a qual remete uma expressão linguística. Cadeia referencial: uma filha —> a criança —> a —> lhe —> quot;Havia um rei que tinha uma filha. Era ele não só muito [-]—> [-] impertinente, mas desconfiado. Logo que a criança nasceu, meteu-a numa torre com uma ama por companheira e referente antecedente: uma filha mestra. Permitia-lhe sair ao jardim, passear pelo terraço, anáfora nominal: a criança mas não consentia que [-] frequentasse reuniões ou [-] fizesse anáforas pronominais: o/ lhe visitas.quot; anáforas através da elipse: [-] No excerto transcrito, as expressões sublinhadas não têm referência autónoma, só podem ser interpretadas enquanto dependentes da expressão inicial (referente ante- cedente) - uma filha. Assim, designamos as expressões sublinhadas por anáforas, na medida em que remetem para algo que foi dito anteriormente. Integrados nesta cadeia referencial surgem dois lugares vazios na posição de sujeito, assinalados por [-]. Esses espaços seriam preenchidos pelo referente a filha. Aos elementos da cadeia referencial, porque têm o mesmo referente, chamam-se co-referentes.
  • 8. COESÃO REFERENCIAL Cadeia referencial: jogadora de futebol —> jovem musculada quot;Sonhava ser jogadora de futebol para tentar seguir os —> a —> uma verdadeira campeã das passos de Eusébio.(...) O desejo da jovem musculada foi transformado pelo escritor Craveirinha, que a viu correr e pistas —> [-] —>Maria de Lurdes Mutola jogar e acreditou imediatamente que tinha encontrado uma verdadeira campeã das pistas. (...) Três anos depois - e catáforas nominais: jogadora de futebol/ após a presença [-] nas Olimpíadas de Seul - Maria de jovem musculada/ a/ uma verdadeira Lurdes Mutola já estava nos Estados Unidos (...).quot; campeã das pistas quot;Únicaquot; Expresso, 6 de Setembro de 2003 catáforas pronominais: a catáforas através da elipse: [-] referente subsequente: Maria de Lurdes Mutola Lido o texto, apercebemo-nos de que as expressões sublinhadas têm de ser interpretadas como dependentes de uma outra que só ocorre no final do excerto. Assim, e dado que a cadeia referencial não corresponde à ordem linear, as expressões sublinhadas são catáforas relativamente à expressão nominal final (Maria de Lurdes Mutola). Referentes - não explicitados no enunciado, -O teu é maior! Troca pelo meu…! mas reconhecíveis no contexto situacional. Deícticos - o teu; o meu (Pedido do locutor - uma criança, depois de verificar que o seu gelado é mais pequeno que o do alocutário.) Neste exemplo de situação de comunicação oral, o referente não está nomeado no enunciado, surge apenas pronominalizado. Isto é possível pelo facto de locutor e alocutário estarem presentes no mesmo contexto situacional, identificando, assim, facilmente o referente. Estas expressões que remetem para o contexto situacional (locutor, alocutário, momento e lugar de enunciação) são os deícticos.
  • 9. Mecanismos de coesão lexical Conhecer os conceitos Os processos Coesão lexical: processo que Repetição assegura a relação co-referencial entre Substituição (sinonímia, antonímia, expressões linguísticas presentes nos hiperonímia/hiponímia, holonímia/ enunciados. meronímia Vários são os processos que, ao nível do léxico, asseguram a coesão textual: Repetição quot;Elas são quatro milhões, o dia nasce, elas acendem o Repetição lume. Elas cortam o pão e aquecem o café. Elas picam cebolas e descascam batatas.quot; Substituição Sinonímia O rapaz sempre que se dirigia ao prior corava. O padre questionava-o até ao pormenor. Antonímia O João jurava à namorada que dizia a verdade, mas ela sabia que ele mentia. Os meios de transporte marítimos são mais Hiperonímia/ hiponímia poluentes do que os aéreos. Veja-se o exemplo do petroleiro quot;Prestigequot; que ao partir-se em dois largou enormíssimas manchas de crude, poluindo assim toda a costa da Galiza. Os universitários reuniram-se uma vez mais para Hiponímia/ hiperonímia protestar contra o aumento das propinas. Recorde- se que as acções dos estudantes são cada vez mais frequentes no nosso país. Holonímia/ meronímia O João tem um carro espectacular! Caixa automática, estofos em pele, tecto de abrir, jantes de liga leve, ar condicionado automático, caixa de CD!
  • 10. A coesão designa a aceitabilidade de um enunciado oral ou escrito. Resulta da interacção entre o conteúdo informacional dos enunciados e o conhecimento do mundo de cada falante. A coerência está, pois, ligada à competência enciclopédica e ao conhecimento da situação comunicativa. É um factor determinante para a textualidade Conhecer os conceitos Os processos Coerência lógico-conceptual: uma frase ou um 1. ordenação lógica das situações texto é coerente se as situações nele/a recriadas apresentadas; estiverem conforme àquilo que sabemos do mundo e 2. estabelecimento de relações lógicas entre se forem respeitados os princípios de natureza as situações; lógica 3. atribuição de propriedades e características dos objectos conformes ao mundo normal Um texto para ser coerente tem de respeitar os princípios lógico-conceptuais 1. Ordenação lógica das situações apresentadas A) Entrei no consultório. Havia revistas de capas coloridas. Uma pequena mesa estava debaixo delas. B) Entrei no consultório. Havia revistas de capas coloridas em cima de uma pequena mesa. C) Entrei no consultório. Primeiro vi vi revistas de capas coloridas. Só depois reparei na pequena mesa que estava debaixo delas. A frase a) é uma frase incoerente, pois a ordenação dos elementos descritos não corresponde ao modo como, geralmente, os percepcionamos na realidade. A frase b) é uma frase coerente, pois a ordem dos elementos descritos corresponde ao modo como, geralmente, os percepcionamos na realidade. A frase c) é uma frase coerente, pois as formas linguísticas primeiro, só depois determinam a ordem pela qual a realidade foi percepcionada.
  • 11. 2. Relações lógicas entre as situações A) As ruas estão molhadas porque não choveu. B) O piso está escorregadio porque choveu. A frase a) é uma frase incoerente, visto que o nexo de causalidade nela estabelecido entra em ruptura com o nosso conhecimento do mundo. A frase b) é uma frase coerente, visto que nela se estabelece um nexo de causalidade conforme a nossa visão do mundo. 3. Propriedades e características dos objectos conformes ao mundo normal A) A mesa dançou toda a noite. B) A rapariga dançou toda a noite no palco iluminado. A frase a) é uma frase incoerente, visto que as propriedades atribuídas ao objecto mesa não são conformes à nossa visão do mundo. A frase b) é uma frase coerente, pois as propriedades/ características atribuídas aos indivíduos e ao objecto palco estão de acordo com o nosso conhecimento do mundo. PARÊNTESES PARA A FICÇÃO
  • 12. COERÊNCIA TEXTUAL Conhecer os conceitos Os processos Coerência textual: para que um texto seja coerente, isto é, possua uma unidade de sentido, as relações 1. Repetição de ordem e de lineariedade das ocorrências textuais 2. Progressão não podem ser arbitrárias. A unidade semântica 3. Não contradição global obedece, pois, a um conjunto de regras. 4. Relação 1.) A regra da repetição assegura o desenvolvimento temático do texto, sem rupturas nem ambiguidades. São vários os recursos linguísticos que garantem a repetição (ou retoma): as anáforas, as catáforas e os deícticos . Repare-se como neste parágrafo a quot;Um homem de grandes artes tinha na sua companhia repetição assegura não só a coesão como um sobrinho que lhe guardava a casa enquanto ele também a progressão temática. O texto vai dormia. De uma vez, [-] deu-lhe duas chaves e [-] progredindo pela retoma pronominal e recomendou: lexical sucessiva dos referentes quot;Um homemquot; - Estas chaves são daquelas duas portas. Não as (sua, lhe, ele, [-]) e quot;um sobrinhoquot; (que, lhe, o abras por nada deste mundo, senão morres. rapaz, [-], se, [-], se, [-]). O rapaz, assim que [-] se viu sozinho [-] não se lembrou mais da ameaça e [-] abriu uma das portas.quot; quot;O Aprendiz de Feiticeiroquot; Contos Populares Portugueses 2.) A regra da progressão assegura que, num texto, a informação conhecida e partilhada pelos intervenientes no processo comunicativo (tema) seja constantemente acompanhada de informação nova e relevante (rema). Progressão por tema constante (tema/tema) quot;Oceanos Um mesmo tema é retomado em frases Os oceanos e os mares abertos cobrem um pouco menos de 71% da superfície terrestre (361 milhões de km2) sucessivas associado a diferentes remas. e encerram 1322 milhões de km2 de água. Desempenham no 1 a frase: equilíbrio natural da Terra um papel proporcional à sua Tema - os oceanos e os mares extensão e ao seu volume consideráveis.quot; Rema- cobrem... superfície terrestre 2a frase: Enciclopédia Larousse, Círculo de Leitores Tema - [-] (os oceanos e os mares) Rema: desempenham na Terra um papel...
  • 13. quot;- Olha o macaco do rabo mariola que do rabo fez navalha Progressão linear (tema/rema) da navalha fez sardinha O rema da primeira frase torna-se o tema da sardinha fez farinha da seguinte: da farinha fez menina da menina fez camisa da camisa fez viola e agora deu à sola e agora deu à sola.quot; António Torrado, O macaco do rabo cortado Baleias Progressão por temas derivados (hipertema/ As baleias contam-se entre os maiores mamíferos do mundo subtemas) animal. Certas espécies são sociais enquanto outras são Um tema dá origem ao desenvolvimento de mais solitárias. As baleias mais sociais são as baleias- outros subtemas. cinzentas. Enciclopédia Larousse, Círculo de Leitores (adaptado) 3.) A regra da não contradição assegura que nenhuma ocorrência textual entre em contradição com algo já referido, explícita ou implicitamente, no mesmo enunciado. Este texto é contraditório, porque se afirma que Foi com Gil Vicente que nasceu o teatro em Portugal. As Gil Vicente é o pai do teatro em Portugal e, de manifestações teatrais anteriores a este autor, de carácter seguida, é referida uma característica das religioso e profano, dirigidas ao povo ou à corte, eram manifestações teatrais anteriores ao autor. rudimentares 4.) A regra da relação assegura que num texto se estabeleça uma relação directa entre os factos enunciados. Neste texto, não se estabelece uma clara relação entre as Foi com Gil Vicente que nasceu o teatro ideias das duas frases. De facto, à ideia de teatro enquanto português enquanto categoria literária. Em categoria literária deveria contrapor-se uma outra: a de que as Portugal, as manifestações teatrais anteriores manifestações teatrais anteriores a Gil Vicente eram rudimentares, a Gil Vicente, que existiam desde a fundação embrionárias e não tinham suporte escrito, sendo contudo fulcrais da nacionalidade, eram de carácter religioso para a obra vicentina. Ora, o facto de estas últimas serem e profano. religiosas ou profanas em nada as distingue das peças vicentinas. Para assegurar a relação entre as ideias, teria de referir-se que: Em Portugal, as manifestações teatrais anteriores a Gil Vicente, que existiam desde a fundação da nacionalidade, eram muito rudimentares e existiam sem um suporte escrito. Estas manifestações, de carácter religioso e profano, foram, contudo, determinantes para a obra vicentina.