Coesao e coerência

9.879 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.879
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
336
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coesao e coerência

  1. 1. E S C O L A . S E C U N D Á R I A . A L V E S . M A R T I N S novembro 2011 Português 11° ano | Prática do Funcionamento da Língua: Coesão Revê os conceitos de coesão e coerência nas páginas 341 a 344 do manual Expressões de 11º ano .A coesão textual assegura a ligação entre os elementos de um texto.1) coesão frásica - organização da construção da frase - sujeito, predicado, complementos • concordância em género e/ou número de palavras • regências2) coesão interfrásica - articulação de orações / frases e/ou parágrafos • Articuladores aditivos, causais, condicionais, enumerativos, finais, …3) coesão temporal: sequencialização dos enunciados de acordo com uma lógica temporal • palavras / expressões sequencializadoras; • advérbios / expressões preposicionais com valor temporal; • correlação entre tempos verbais.4) coesão lexical • repetição de palavras / expressões • substituição de palavras ou expressões: antonímia / sinonímia hiperonímia, hiponímia holonímia / meronímia Hiperonímia / Hiponímia Relação hierárquica, partindo do genérico (hiperónimo) para o específico (hipónimo),sendo que o primeiro impõe sempre as suas propriedades ao segundo. Ex: meio de transporte (hiperónimo): autocarro, avião, comboio, etc. (hipónimos) Holonímia / Meronímia Relação de hierarquia: uma denota um todo (holónimo) sem impor obrigatoriamente assuas propriedades semânticas à outra, considerada sua parte (merónimo). Ex: carro / volante - carro (holónimo) / volante (merónimo).5) coesão referencial: recurso a expressões que retomam o discurso anterior / preparam para o posterior: Natividade Reis.2011.12 • Anáforas (retomas) • Construções elípticas • Catáforas • Deíticos (pessoais, temporais, espaciais)novembro 2011 A professora Natividade Reis 1
  2. 2. Actividade 1: (…) Mandaram vir para Maputo a avó Carolina. A velha mantinha magras sobrevivências lá, no interior, em terra mais frequentada por balas que por chuva. Além disso, a avó estava bastante cheia de idade. Carolina merecia as penas. A vovó chegou e logo se admirou dos luxos da família. Nos princípios, ela muito se orgulhou daquelas riquezas. A Independência, 5 afinal, não tinha sido para o povo viver bem? Mas depois, a velha se foi duvidando. E porque razão os tesouros desta vida não se distribuem pelos todos? Carolina, calada em si, não desistia de se perguntar. Mas, por dentro, os mistérios lhe davam serviço. Na aldeia, a velha muito elogiara a militância dos filhos citadinos. (…) Couto, Mia, Sangue da avó manchando a alcatifa10 1. ldentifica as afirmações verdadeiras, as falsas e corrige estas últimas. A. O uso reiterado dos vocábulos «Carolina» (l. 1, 3, 6); «velha» (l. 1, 5, 7) e «família» (linhas 4, 10) constitui um mecanismo de coesão lexical. B. Os vocábulos «riquezas» (l.4) e «tesouros» (l.6) constituem mecanismos de coesão lexical por sinonímia. C. O conector «Além disso» (l. 2) assegura a coesão lexical do texto. D. «ela» (l.4); «se», em «se perguntar» (l. 7) e «lhe» (l. 7), configuram um processo de coesão referencial. F. O pronome «ela» (l. 5) constitui uma catáfora que contribui para a coesão referencial. G. «Nos princípios» (l. 4) representa uma retoma e um mecanismo de coesão temporal. H. O conector «Mas» (linha 7) contribui para a coesão referencial. Actividade 2: (…) Aavó tirou os óculos, esfregou os olhos. Regressada a casa, ela despiu as roupas, atirou no chão os enfeites. Da mala de cartão retirou as consagradas capulanas, cobriu o cabelo com o lenço estampado. E juntou-se à sala, inexistindo, entre o parêntesis dos parentes. Nessa noite, a televisão transmitia uma reportagem sobre a guerra. Mostravam-se bandidos armados. De súbito, sem que ninguém pudesse evitar, a velha atirou sua pesada bengala de encontro ao aparelho de televisão. O écran se estilhaçou, os vidros tintilaram na alcatifa. Mas a avó, apanhando a bengala, avisou o homem: - Há bandidos a passear aqui na tua sala e tu não fazes nada. Incrustada em espanto, a família encarava a anciã. (…) Couto, Mia, Sangue da avó manchando a alcatifa 1.Transcreve do excerto palavras/expressões que funcionem como mecanismos de: a) coesão lexical por holonímia ______________________________________ b) coesão lexical por sinonímia_______________________________________ Natividade Reis.2011.12 c) coesão lexical por hiperonímia _____________________________________ d) coesão lexical por repetição de palavras _____________________________ e) coesão referencial______________________________________________ f) coesão interfrásica______________________________________________ novembro 2011 A professora Natividade Reis 2
  3. 3. SOLUÇÔES(…)Mandaram vir para Maputo a avó Carolina. A velha mantinha magras sobrevivências lá,no interior, em terra mais frequentada por balas que por chuva. Além disso, a avó estavabastante cheia de idade. Carolina merecia as penas. A vovó chegou e logo se admirou dosluxos da família. Nos princípios, ela muito se orgulhou daquelas riquezas. AIndependência, afinal, não tinha sido para o povo viver bem? Mas depois, a velha se foiduvidando. E porque razão os tesouros desta vida não se distribuem pelos todos?Carolina, calada em si, não desistia de se perguntar. Mas, por dentro, os mistérios lhedavam serviço. Na aldeia, a velha muito elogiara a militância dos filhos citadinos. (…) Couto, Mia, Sangue da avó manchando a alcatifa1.A. O uso repetido dos vocábulos «Carolina» (l. 1, 3, 6); «velha» (l. 1, 5, 7) e «família» (linhas 4, 10) constituem um mecanismo de coesão lexical. VB. «riquezas» (l.4) e «tesouros» (l.6) constituem mecanismos de coesão lexical por sinonímia. VC. O conector «Além disso» (l. 2) assegura a coesão lexical. FALSA – coesão interfrásicaD. «ela» (l.4) e «se», em «se perguntar» (l. 7) e «lhe» (l. 7) configuram um processo de coesão referencial.F. Em «ela» (l. 4), constitui uma catáfora que contribui para a coesão referencial. Falsa - AnáforaG. «Nos princípios» (l. 4) representa uma retoma e um mecanismo de coesão temporal.H. O conector «Mas» (linha 7) contribui para a coesão referencial. Falsa – coesão interfrásica2. A avó tirou os óculos, esfregou os olhos. Regressada a casa, ela despiu as roupas,atirou no chão os enfeites. Da mala de cartão retirou as consagradas capulanas, cobriu ocabelo com o lenço estampado. E juntou-se à sala, inexistindo, entre o parêntesis dosparentes. Nessa noite, a televisão transmitia uma reportagem sobre a guerra.Mostravam-se bandidos armados. De súbito, sem que ninguém pudesse evitar, a velhaatirou sua pesada bengala de encontro ao aparelho de televisão. O écran se estilhaçou, osvidros tintilaram na alcatifa. Mas a avó, apanhando a bengala, avisou o homem: - Há bandidos a passear aqui na tua sala e tu não fazes nada. Incrustada em espanto, a família encarava a anciã.coesão lexical por holonímia/ meronímia: casa / sala / alcatifa televisão / écran/ vidroscoesão lexical por sinonímia: velha / anciã; família / parentes Natividade Reis.2011.12coesão lexical por hiperonímia Roupas: capulanas / lençocoesão lexical por repetição de palavras: avó /bandidos /sala bengala/televisão /coesão referencial : ela / se / sua; [tua / tu – deícticos pessoais]coesão interfrásica: E (l.3) / Nessa noite (l.4) / De súbito (l. 5) / Mas (l.7) / e (l.8)novembro 2011 A professora Natividade Reis 3

×