SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise do Período
Simples
Aula 11 e 12
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
SUJEITO
É o ser de que se informa algo.
É o tema da comunicação que se faz no predicado, ou seja, o ponto de
partida da enunciação linguística constituída pela oração.
CLASSIFICAÇÃO DO SUJEITO
• SIMPLES – apresenta um núcleo ou uma palavra-chave. O sujeito simples é
chamado de oculto ou desinencial quando pode ser facilmente identificado pela
desinência verbal: Fui (eu); Fomos (nós).
• COMPOSTO – com verbo na 3ª pessoa do plural: Falam mal de mim | Com verbo na
3ª pessoa do singular acompanhado da palavra se: Precisa-se, Mata-se, Aspira-se.
• INESXISTENTE OU ORAÇÃO SEM SUJEITO – com o verbo haver: Há homens
discretos. | Com os verbos haver, ser, fazer, na acepção de tempo: Havia muitos
séculos / Fazia vinte anos / Deveriam ser cinco horas. | Com verbos que denotam
fenômenos meteorológicos: nevou durante a noite. / Trovejava incessantemente e
ventava fino.
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
PREDICADO
É a informação contida no enunciado. Apoia-se num tema já conhecido, que
é o sujeito.
João saiu de casa.
Quem saiu de casa? João (sujeito) | saiu de casa (predicado)
• PREDICADO NOMINAL – Possui verbo de ligação: As ruas permanecem
instransitáveis. / Maria era feliz.
• VERBAL – Possui verbo transitivo ou intransitivo: As famílias chegam do campo. O
dia raiou sobre o arranha-céu.
• VERBO-NOMINAL – Possui verbo (transitivo ou intransitivo) + predicativo (sujeito
ou objeto).
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
PREDICATIVO
Predicativo é o vocábulo variável que possui como função qualificar um ser.
• DO SUJEITO – Palavra variável que dá qualidade ao sujeito, estando afastado deste
por verbo. Somente um substantivo, o adjetivo, o numeral, o pronome e uma
oração podem funcionar como predicativo.
Maria deve ser bonita.
BONITA é um termo variável que dá qualidade ao sujeito MARIA, estando afastado
deste termo por verbo (DEVE SER).
• DO OBJETO – Palavra variável que dá qualidade ao objeto.
... e acabou alcunhando-me Dom Casmurro.
DOM CASMURRO qualifica o objeto direto ME.
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
OBJETO
• DIRETO – Complemento de verbo transitivo direto.
... Fomos para o Hotel de Josafat firmar o nosso contrato, bebendo vasta cerveja.
OBSERVE - os termos O NOSSO CONTRATO e VASTA CERVEJA complementam,
respectivamente, a ideia dos verbos FIRMAR e BEBENDO sem preposição.
• INDIRETO – complemento de verbo transitivo indireto.
Assistirei a um bom filme.
De nada mais necessita aquela gente.
Os termos A UM BOM FILME e DE NADA MAIS complementam, respectivamente, a
ideia das formas verbais ASSISTIREI e NECESSITAVA com as preposições A e DE.
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
PREDICAÇÃO VERBAL
VERBO TRANSITIVO - é aquele que não apresenta sentido completo, necessitando de um
complemento.
• TRANSITIVO DIRETO – entre o verbo e seu complemento não há preposição necessária:
Carlos ofereceu flores. (ofereceu o quê?)
João quebrou a perna. (quebrou o quê?)
• TRANSITIVO INDIRETO – entre o verbo e seu complemento interpõe-se uma preposição
exigida pelo verbo, estabelecendo-se uma ligação indireta:
João obedece aos pais (obedece quem? AOS pais) – (João obedece pais. | este enunciado sem a
preposição não possui sentido. )
• TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO – o verbo exige dois complementos, um direto e outro
indireto.
Rosana deu um livro a seu melhor amigo.
(Rosana deu o quê? UM LIVRO
A quem? A SEU melhor amigo.
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
• VERBO INTRANSITIVO – é aquele que apresenta sentido completo, não necessitando,
portanto, de complemento.
Ele chorou muito.
(Ele o quê? Chorou muito)
O homem dorme tranquilo.
(O homem o quê? Dorme tranquilo.)
• VERBO DE LIGAÇÃO – é aquele que não indica ação por parte do sujeito. Sua função é indicar
estado, qualidade ou condição.
Campinas é a cidade das Andorinhas.
(Campinas é a cidade do quê? Das Andorinhas – qualidade).
Renato permanece doente.
(Renato permanece o quê? Doente – estado).
Lúcia está exausta.
(Lúcia está o quê? Exausta – condição)
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
COMPLEMENTO NOMINAL
É o termo preposicionado que complementa a ideia de substantivo abstrato, adjetivo
e advérbio.
Não tenho interesse por bebidas alcoólicas.
POR BEBIDAS ALCOÓLICAS é complemento nominal, pois complementa a ideia do substantivo
abstrato INTERESSE.
ATENÇÃO: É bom perceber que o complemento nominal se parece bastante com o objeto
indireto, contudo o complemento nominal completa com preposição a ideia de UM NOME e o
objeto indireto completa com preposição a ideia de um verbo.
EX:
Sou contrário a suas opiniões. (A SUAS OPINIÕES é um complemento nominal, pois completa com
preposição a ideia do adjetivo CONTRÁRIO.)
Agi favoravelmente a seu interesse. (A SEU INTERESSE é complemento nominal, pois completa a
ideia de um advérbio - FAVORAVELMENTE.).
Moro perto de você. (DE VOCÊ é complemento nominal, pois completa a ideia de um advérbio
(PERTO)
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
ADVÉRBIO
É a palavra geralmente invariável que modifica a ideia do verbo. Os advérbios de
intensidade, além de modificarem a ideia do verbo, também podem modificar a ideia de um
adjetivo ou de outro advérbio.
Maria Gadú canta bem.
(BEM é advérbio porque está modificando a ideia do verbo cantar . É também importante
ressaltar o fato do advérbio ser invariável, e, ao passar toda a frase para o plural, somente o
advérbio não acompanhará.
Maria Gadú e Ana Carolina cantam bem.
O sujeito foi para o plural, o verbo também, mas o advérbio não se modificou.
Maria Gadú e Ana Carolina cantam muito bem.
Nessa frase, há dois advérbios: BEM é advérbio de modo, modificando a ideia do verbo cantar, e
MUITO é advérbio, modificando a ideia do outro advérbio bem, acrescendo valor de intensidade.
Elas são muito bonitas.
MUITO é advérbio, pois intensifica a ideia do adjetivo bonitas.
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
O advérbio pode passar uma série de ideias a serem observadas a seguir:
• DE MODO: Estou bem. / Agi erradamente.
• DE LUGAR: Ele ficou aqui.
• DE TEMPO: Cheguei ontem.
• DE INTENSIDADE: Que rica que era a Titia.
• DE NEGAÇÃO: Ele não virá.
• DE AFIRMAÇÃO: Certamente ele virá.
• DE DÚVIDA: Talvez ele venha.
ADVÉRBIO INTERROGATIVO – COMO, ONDE, QUANDO, POR QUE.
Como este fato aconteceu?
Onde ele estava?
Quando ele morreu?
Por que ninguém me contou nada?
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
AGENTE DA PASSIVA
É o termo que pratica a ação na VOZ PASSIVA.
O agente da passiva é introduzido pela preposição POR. Excepcionalmente a
preposição DE, sendo sinônima de POR, também pode iniciar o agente da passiva.
O trabalho foi feito por todos.
O João da Costa, moço do comércio, estimado do patrão e dos colegas... (D + O= Do | D + a = Da e
assim por diante).
APOSTO
É o termo de natureza substantiva que repete algo já designado com fins de algum tipo
de esclarecimento.
Pelé, Rei do Futebol, fez o milésimo gol num jogo contra o Vasco.
(Rei do Futebol é aposto de Pelé) – explicação do sujeito.
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
• APOSTO DENOMINATIVO – Praia de Copacabana. | Presidente Obama.
• APOSTO EXPLICATIVO – Xuxa, a rainha dos baixinhos, está extremamente famosa também na
Argentina.
• APOSTO ENUMERATIVO – Comprei frutas: laranja, maçã, pêra.
• APOSTO RESUMITIVO – Na festa havia Ferrari, BMW, Pegeout, enfim só carros importados.
• APOSTO DISRTIBUTIVO – Eles, cada um de seu jeito, resolveram os problemas. Vieram dois
rapazes; este, de calças compridas e aquele, de bermudas.
VOCATIVO
É o termo que indica um chamamento (pessoa com quem se fala).
Pressentimentos de que, Isaura?
Joana, vem já pra cá.
Caio, você viu o meteoro?
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
ADJUNTO ADVERBIAL
É o termo que modifica a ideia do verbo, adjetivo e de outro advérbio. O trabalho aqui
se baseia na semântica, pois o mais importante é a percepção da ideia que passa o adjunto
adverbial.
CLASSIFICAÇÃO
• LUGAR – (Corre o rio e entra no mar) – (Aqui – os filhos que vos pedem pão...)
• TEMPO – (Canto nest`hora, como o bardo antigo) – (Às duas horas acordarei)
• MODO – (Fez o trabalho apressadamente) – (Ele passa bem)
• INTENSIDADE – (Das priscas eras, que bem longe vão) – (Ele estuda à beça)
• AFIRMAÇÃO – (Sim, ele virá) – (Com certeza, ele virá)
• NEGAÇÃO – (Jamais isto será feito) – (Vi que não há natureza)
• DÚVIDA – (Possivelmente ele virá) – (Talvez por isso entraram os objetos...)
• IRONIA – (Certamente a noite virará dia) – (Dida nunca engolirá um frango)
• CONCESSÃO – (Embora cansado, fiz todo o trabalho) – (Não obstante a defesa do escudeiro,
Pery conseguiu amarrá-lo...)
• CONDIÇÃO – (Sem você, não farei o trabalho) – (Com sorte, chegarei à solução)
• FINALIDADE – (Pedir-te-ei em casamento) – (Visitou o estabelecimento para fiscalização)
• ASSUNTO – (Falai-lhe dos cabelos) – (Não falo de amor quase nada...)
• MEIO – (Vim de ônibus) – (Mandei notícias por um bilhete)
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO
• INSTRUMENTO – (Ele assassinou o inimigo com uma faca) – (Fiz a prova à caneta)
• CAUSA – Eu, de enternecido, esquecera a merenda) – (Empodreceu com as secas)
• DE COMPANHIA – (Irei ao cinema com minha mulher) – (Somente saio em companhia de
meus irmãos)
• PREÇO – (O passe de Robinho custa R$50.000.000,00)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Correção da ficha de FL1
Correção da ficha de FL1Correção da ficha de FL1
Correção da ficha de FL1
Cristina Fontes
 
Complemento direto, indireto e oblíquo
Complemento direto, indireto e oblíquoComplemento direto, indireto e oblíquo
Complemento direto, indireto e oblíquo
António Fernandes
 
Funções sintácticas
Funções sintácticasFunções sintácticas
Funções sintácticas
Alcino Nunes
 
Termos relacionados a nomes
Termos relacionados a nomesTermos relacionados a nomes
Termos relacionados a nomes
anaclaramaria
 
Sintaxe PortuguêS
Sintaxe   PortuguêSSintaxe   PortuguêS
Sintaxe PortuguêS
Gabyvb
 
Análise sintática
Análise sintáticaAnálise sintática
Análise sintática
Rebeca Kaus
 
Discurso directo e Discurso indirecto
Discurso directo e Discurso indirectoDiscurso directo e Discurso indirecto
Discurso directo e Discurso indirecto
A. Simoes
 

Mais procurados (18)

Correção da ficha de FL1
Correção da ficha de FL1Correção da ficha de FL1
Correção da ficha de FL1
 
www.CentroApoio.com - Espanhol - Preterito
www.CentroApoio.com - Espanhol  - Preteritowww.CentroApoio.com - Espanhol  - Preterito
www.CentroApoio.com - Espanhol - Preterito
 
Complemento direto, indireto e oblíquo
Complemento direto, indireto e oblíquoComplemento direto, indireto e oblíquo
Complemento direto, indireto e oblíquo
 
funções sintaticas
 funções sintaticas funções sintaticas
funções sintaticas
 
Termos da oração
Termos da oraçãoTermos da oração
Termos da oração
 
Funções sintácticas
Funções sintácticasFunções sintácticas
Funções sintácticas
 
www.aulasdeespanholapoio.com - Pretérito Imperfeito do Indicativo
www.aulasdeespanholapoio.com - Pretérito Imperfeito do Indicativowww.aulasdeespanholapoio.com - Pretérito Imperfeito do Indicativo
www.aulasdeespanholapoio.com - Pretérito Imperfeito do Indicativo
 
Termos relacionados a nomes
Termos relacionados a nomesTermos relacionados a nomes
Termos relacionados a nomes
 
Análise Sintática (Orações Subordinadas) - Exercícios
Análise Sintática (Orações Subordinadas) - ExercíciosAnálise Sintática (Orações Subordinadas) - Exercícios
Análise Sintática (Orações Subordinadas) - Exercícios
 
Ingles gramaticabasica-140120130559-phpapp02
Ingles gramaticabasica-140120130559-phpapp02Ingles gramaticabasica-140120130559-phpapp02
Ingles gramaticabasica-140120130559-phpapp02
 
Sintaxe PortuguêS
Sintaxe   PortuguêSSintaxe   PortuguêS
Sintaxe PortuguêS
 
Funções sintaticas
Funções sintaticasFunções sintaticas
Funções sintaticas
 
Análise sintática
Análise sintáticaAnálise sintática
Análise sintática
 
Parte Especial Verb To Be
Parte Especial Verb To BeParte Especial Verb To Be
Parte Especial Verb To Be
 
Funções sintáticas a nível da frase | PERCURSO
Funções sintáticas a nível da frase | PERCURSOFunções sintáticas a nível da frase | PERCURSO
Funções sintáticas a nível da frase | PERCURSO
 
Lesson3
Lesson3Lesson3
Lesson3
 
present perfect
present perfectpresent perfect
present perfect
 
Discurso directo e Discurso indirecto
Discurso directo e Discurso indirectoDiscurso directo e Discurso indirecto
Discurso directo e Discurso indirecto
 

Destaque

1º ano a c e g introducao historia
1º ano a c e g introducao historia1º ano a c e g introducao historia
1º ano a c e g introducao historia
Fabiana Tonsis
 
Aula 05 português.text.marked
Aula 05   português.text.markedAula 05   português.text.marked
Aula 05 português.text.marked
HELIO ALVES
 

Destaque (20)

O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Estrutura Narrativa
Estrutura NarrativaEstrutura Narrativa
Estrutura Narrativa
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
 
Funções da Linguagem - Língua Portuguesa. Exemplos com músicas brasileiras
Funções da Linguagem - Língua Portuguesa.  Exemplos com músicas brasileirasFunções da Linguagem - Língua Portuguesa.  Exemplos com músicas brasileiras
Funções da Linguagem - Língua Portuguesa. Exemplos com músicas brasileiras
 
Função de Linguagem
Função de LinguagemFunção de Linguagem
Função de Linguagem
 
1º ano a c e g introducao historia
1º ano a c e g introducao historia1º ano a c e g introducao historia
1º ano a c e g introducao historia
 
Aula 05 português.text.marked
Aula 05   português.text.markedAula 05   português.text.marked
Aula 05 português.text.marked
 
Períodos e campos da filosofia grega. 1 Ano ensino médio.
Períodos e campos da filosofia grega.  1 Ano ensino médio.Períodos e campos da filosofia grega.  1 Ano ensino médio.
Períodos e campos da filosofia grega. 1 Ano ensino médio.
 
Estrutura para monografia
Estrutura para monografiaEstrutura para monografia
Estrutura para monografia
 
Adjunto Adnominal e Complemento Nominal
Adjunto Adnominal e Complemento NominalAdjunto Adnominal e Complemento Nominal
Adjunto Adnominal e Complemento Nominal
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
 
Barroco: primeira parte
Barroco: primeira parteBarroco: primeira parte
Barroco: primeira parte
 
TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)
TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)
TR - Unidade 1 do 1º Bimestre - SLIDES (2013)
 
3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre
3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre
3ª Ensino Médio - TR - Unidade 1 do 1º Bimestre
 
Enem e vestibulares
Enem e vestibularesEnem e vestibulares
Enem e vestibulares
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Unidade 1 - Positivo
Unidade 1 - PositivoUnidade 1 - Positivo
Unidade 1 - Positivo
 
Estudo do Período Simples
Estudo do Período SimplesEstudo do Período Simples
Estudo do Período Simples
 
LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013
LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013
LITERATURA - Unidade 1 - 1º Bimestre - 2013
 

Semelhante a Análise do período simples

Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividades
Sandra Paula
 
Reviso sintaxe-120916154618-phpapp01
Reviso sintaxe-120916154618-phpapp01Reviso sintaxe-120916154618-phpapp01
Reviso sintaxe-120916154618-phpapp01
281909
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
luisprista
 

Semelhante a Análise do período simples (20)

Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2Sintaxe tudo2
Sintaxe tudo2
 
Sujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividadesSujeito e predicado completo e atividades
Sujeito e predicado completo e atividades
 
Revisão sintaxe
Revisão   sintaxeRevisão   sintaxe
Revisão sintaxe
 
Reviso sintaxe-120916154618-phpapp01
Reviso sintaxe-120916154618-phpapp01Reviso sintaxe-120916154618-phpapp01
Reviso sintaxe-120916154618-phpapp01
 
653
653653
653
 
Revisão inicial 9º ano.
Revisão inicial 9º ano.Revisão inicial 9º ano.
Revisão inicial 9º ano.
 
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPTSUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
SUJEITO E PREDICADO COMPLETO E ATIVIDADES (2).PPT
 
Período simples 1
Período simples 1Período simples 1
Período simples 1
 
Período simples 1
Período simples 1Período simples 1
Período simples 1
 
Sintaxe do periodo simples.ppt
Sintaxe do periodo simples.pptSintaxe do periodo simples.ppt
Sintaxe do periodo simples.ppt
 
Sintaxe do periodo simples E TERMOS INTEGRANTES.ppt
Sintaxe do periodo simples E TERMOS INTEGRANTES.pptSintaxe do periodo simples E TERMOS INTEGRANTES.ppt
Sintaxe do periodo simples E TERMOS INTEGRANTES.ppt
 
SINTAXE
SINTAXESINTAXE
SINTAXE
 
Revisão inicial 8º ano.
Revisão inicial 8º ano.Revisão inicial 8º ano.
Revisão inicial 8º ano.
 
ANÁLISE SINTÁTICA.ppt
ANÁLISE SINTÁTICA.pptANÁLISE SINTÁTICA.ppt
ANÁLISE SINTÁTICA.ppt
 
Aula de Coordenadas
Aula de CoordenadasAula de Coordenadas
Aula de Coordenadas
 
Sintaxe tudo
Sintaxe tudoSintaxe tudo
Sintaxe tudo
 
Verbo 1
Verbo 1Verbo 1
Verbo 1
 
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verboswww.AulasParticularesApoio.Com - Português -  Verbos
www.AulasParticularesApoio.Com - Português - Verbos
 
4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
 

Mais de Faell Vasconcelos

Estrutura do Texto Dissertativo
Estrutura do Texto DissertativoEstrutura do Texto Dissertativo
Estrutura do Texto Dissertativo
Faell Vasconcelos
 

Mais de Faell Vasconcelos (15)

Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das Palavras
 
Vanguardas Europeias - Literatura
Vanguardas Europeias - LiteraturaVanguardas Europeias - Literatura
Vanguardas Europeias - Literatura
 
Fonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de Palavras
Fonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de PalavrasFonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de Palavras
Fonética, Divisão Silábica, Acentuação e Estrutura e Formação de Palavras
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Gramática - Adjunto Adnominal e Orações Coordenadas
Gramática - Adjunto Adnominal e Orações CoordenadasGramática - Adjunto Adnominal e Orações Coordenadas
Gramática - Adjunto Adnominal e Orações Coordenadas
 
Vozes do verbo
Vozes do verboVozes do verbo
Vozes do verbo
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Leitura e análise da linguagem
Leitura e análise da linguagemLeitura e análise da linguagem
Leitura e análise da linguagem
 
Flexão do advérbio
Flexão do advérbioFlexão do advérbio
Flexão do advérbio
 
O que é gramática
O que é gramáticaO que é gramática
O que é gramática
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 
Escrevendo um documentario
Escrevendo um documentarioEscrevendo um documentario
Escrevendo um documentario
 
Como realizar o fichamento
Como realizar o fichamentoComo realizar o fichamento
Como realizar o fichamento
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 
Estrutura do Texto Dissertativo
Estrutura do Texto DissertativoEstrutura do Texto Dissertativo
Estrutura do Texto Dissertativo
 

Último

5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 

Análise do período simples

  • 2. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO SUJEITO É o ser de que se informa algo. É o tema da comunicação que se faz no predicado, ou seja, o ponto de partida da enunciação linguística constituída pela oração. CLASSIFICAÇÃO DO SUJEITO • SIMPLES – apresenta um núcleo ou uma palavra-chave. O sujeito simples é chamado de oculto ou desinencial quando pode ser facilmente identificado pela desinência verbal: Fui (eu); Fomos (nós). • COMPOSTO – com verbo na 3ª pessoa do plural: Falam mal de mim | Com verbo na 3ª pessoa do singular acompanhado da palavra se: Precisa-se, Mata-se, Aspira-se. • INESXISTENTE OU ORAÇÃO SEM SUJEITO – com o verbo haver: Há homens discretos. | Com os verbos haver, ser, fazer, na acepção de tempo: Havia muitos séculos / Fazia vinte anos / Deveriam ser cinco horas. | Com verbos que denotam fenômenos meteorológicos: nevou durante a noite. / Trovejava incessantemente e ventava fino.
  • 3. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO PREDICADO É a informação contida no enunciado. Apoia-se num tema já conhecido, que é o sujeito. João saiu de casa. Quem saiu de casa? João (sujeito) | saiu de casa (predicado) • PREDICADO NOMINAL – Possui verbo de ligação: As ruas permanecem instransitáveis. / Maria era feliz. • VERBAL – Possui verbo transitivo ou intransitivo: As famílias chegam do campo. O dia raiou sobre o arranha-céu. • VERBO-NOMINAL – Possui verbo (transitivo ou intransitivo) + predicativo (sujeito ou objeto).
  • 4. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO PREDICATIVO Predicativo é o vocábulo variável que possui como função qualificar um ser. • DO SUJEITO – Palavra variável que dá qualidade ao sujeito, estando afastado deste por verbo. Somente um substantivo, o adjetivo, o numeral, o pronome e uma oração podem funcionar como predicativo. Maria deve ser bonita. BONITA é um termo variável que dá qualidade ao sujeito MARIA, estando afastado deste termo por verbo (DEVE SER). • DO OBJETO – Palavra variável que dá qualidade ao objeto. ... e acabou alcunhando-me Dom Casmurro. DOM CASMURRO qualifica o objeto direto ME.
  • 5. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO OBJETO • DIRETO – Complemento de verbo transitivo direto. ... Fomos para o Hotel de Josafat firmar o nosso contrato, bebendo vasta cerveja. OBSERVE - os termos O NOSSO CONTRATO e VASTA CERVEJA complementam, respectivamente, a ideia dos verbos FIRMAR e BEBENDO sem preposição. • INDIRETO – complemento de verbo transitivo indireto. Assistirei a um bom filme. De nada mais necessita aquela gente. Os termos A UM BOM FILME e DE NADA MAIS complementam, respectivamente, a ideia das formas verbais ASSISTIREI e NECESSITAVA com as preposições A e DE.
  • 6. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO PREDICAÇÃO VERBAL VERBO TRANSITIVO - é aquele que não apresenta sentido completo, necessitando de um complemento. • TRANSITIVO DIRETO – entre o verbo e seu complemento não há preposição necessária: Carlos ofereceu flores. (ofereceu o quê?) João quebrou a perna. (quebrou o quê?) • TRANSITIVO INDIRETO – entre o verbo e seu complemento interpõe-se uma preposição exigida pelo verbo, estabelecendo-se uma ligação indireta: João obedece aos pais (obedece quem? AOS pais) – (João obedece pais. | este enunciado sem a preposição não possui sentido. ) • TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO – o verbo exige dois complementos, um direto e outro indireto. Rosana deu um livro a seu melhor amigo. (Rosana deu o quê? UM LIVRO A quem? A SEU melhor amigo.
  • 7. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO • VERBO INTRANSITIVO – é aquele que apresenta sentido completo, não necessitando, portanto, de complemento. Ele chorou muito. (Ele o quê? Chorou muito) O homem dorme tranquilo. (O homem o quê? Dorme tranquilo.) • VERBO DE LIGAÇÃO – é aquele que não indica ação por parte do sujeito. Sua função é indicar estado, qualidade ou condição. Campinas é a cidade das Andorinhas. (Campinas é a cidade do quê? Das Andorinhas – qualidade). Renato permanece doente. (Renato permanece o quê? Doente – estado). Lúcia está exausta. (Lúcia está o quê? Exausta – condição)
  • 8. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO COMPLEMENTO NOMINAL É o termo preposicionado que complementa a ideia de substantivo abstrato, adjetivo e advérbio. Não tenho interesse por bebidas alcoólicas. POR BEBIDAS ALCOÓLICAS é complemento nominal, pois complementa a ideia do substantivo abstrato INTERESSE. ATENÇÃO: É bom perceber que o complemento nominal se parece bastante com o objeto indireto, contudo o complemento nominal completa com preposição a ideia de UM NOME e o objeto indireto completa com preposição a ideia de um verbo. EX: Sou contrário a suas opiniões. (A SUAS OPINIÕES é um complemento nominal, pois completa com preposição a ideia do adjetivo CONTRÁRIO.) Agi favoravelmente a seu interesse. (A SEU INTERESSE é complemento nominal, pois completa a ideia de um advérbio - FAVORAVELMENTE.). Moro perto de você. (DE VOCÊ é complemento nominal, pois completa a ideia de um advérbio (PERTO)
  • 9. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO ADVÉRBIO É a palavra geralmente invariável que modifica a ideia do verbo. Os advérbios de intensidade, além de modificarem a ideia do verbo, também podem modificar a ideia de um adjetivo ou de outro advérbio. Maria Gadú canta bem. (BEM é advérbio porque está modificando a ideia do verbo cantar . É também importante ressaltar o fato do advérbio ser invariável, e, ao passar toda a frase para o plural, somente o advérbio não acompanhará. Maria Gadú e Ana Carolina cantam bem. O sujeito foi para o plural, o verbo também, mas o advérbio não se modificou. Maria Gadú e Ana Carolina cantam muito bem. Nessa frase, há dois advérbios: BEM é advérbio de modo, modificando a ideia do verbo cantar, e MUITO é advérbio, modificando a ideia do outro advérbio bem, acrescendo valor de intensidade. Elas são muito bonitas. MUITO é advérbio, pois intensifica a ideia do adjetivo bonitas.
  • 10. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO O advérbio pode passar uma série de ideias a serem observadas a seguir: • DE MODO: Estou bem. / Agi erradamente. • DE LUGAR: Ele ficou aqui. • DE TEMPO: Cheguei ontem. • DE INTENSIDADE: Que rica que era a Titia. • DE NEGAÇÃO: Ele não virá. • DE AFIRMAÇÃO: Certamente ele virá. • DE DÚVIDA: Talvez ele venha. ADVÉRBIO INTERROGATIVO – COMO, ONDE, QUANDO, POR QUE. Como este fato aconteceu? Onde ele estava? Quando ele morreu? Por que ninguém me contou nada?
  • 11. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO AGENTE DA PASSIVA É o termo que pratica a ação na VOZ PASSIVA. O agente da passiva é introduzido pela preposição POR. Excepcionalmente a preposição DE, sendo sinônima de POR, também pode iniciar o agente da passiva. O trabalho foi feito por todos. O João da Costa, moço do comércio, estimado do patrão e dos colegas... (D + O= Do | D + a = Da e assim por diante). APOSTO É o termo de natureza substantiva que repete algo já designado com fins de algum tipo de esclarecimento. Pelé, Rei do Futebol, fez o milésimo gol num jogo contra o Vasco. (Rei do Futebol é aposto de Pelé) – explicação do sujeito.
  • 12. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO • APOSTO DENOMINATIVO – Praia de Copacabana. | Presidente Obama. • APOSTO EXPLICATIVO – Xuxa, a rainha dos baixinhos, está extremamente famosa também na Argentina. • APOSTO ENUMERATIVO – Comprei frutas: laranja, maçã, pêra. • APOSTO RESUMITIVO – Na festa havia Ferrari, BMW, Pegeout, enfim só carros importados. • APOSTO DISRTIBUTIVO – Eles, cada um de seu jeito, resolveram os problemas. Vieram dois rapazes; este, de calças compridas e aquele, de bermudas. VOCATIVO É o termo que indica um chamamento (pessoa com quem se fala). Pressentimentos de que, Isaura? Joana, vem já pra cá. Caio, você viu o meteoro?
  • 13. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO ADJUNTO ADVERBIAL É o termo que modifica a ideia do verbo, adjetivo e de outro advérbio. O trabalho aqui se baseia na semântica, pois o mais importante é a percepção da ideia que passa o adjunto adverbial. CLASSIFICAÇÃO • LUGAR – (Corre o rio e entra no mar) – (Aqui – os filhos que vos pedem pão...) • TEMPO – (Canto nest`hora, como o bardo antigo) – (Às duas horas acordarei) • MODO – (Fez o trabalho apressadamente) – (Ele passa bem) • INTENSIDADE – (Das priscas eras, que bem longe vão) – (Ele estuda à beça) • AFIRMAÇÃO – (Sim, ele virá) – (Com certeza, ele virá) • NEGAÇÃO – (Jamais isto será feito) – (Vi que não há natureza) • DÚVIDA – (Possivelmente ele virá) – (Talvez por isso entraram os objetos...) • IRONIA – (Certamente a noite virará dia) – (Dida nunca engolirá um frango) • CONCESSÃO – (Embora cansado, fiz todo o trabalho) – (Não obstante a defesa do escudeiro, Pery conseguiu amarrá-lo...) • CONDIÇÃO – (Sem você, não farei o trabalho) – (Com sorte, chegarei à solução) • FINALIDADE – (Pedir-te-ei em casamento) – (Visitou o estabelecimento para fiscalização) • ASSUNTO – (Falai-lhe dos cabelos) – (Não falo de amor quase nada...) • MEIO – (Vim de ônibus) – (Mandei notícias por um bilhete)
  • 14. TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO • INSTRUMENTO – (Ele assassinou o inimigo com uma faca) – (Fiz a prova à caneta) • CAUSA – Eu, de enternecido, esquecera a merenda) – (Empodreceu com as secas) • DE COMPANHIA – (Irei ao cinema com minha mulher) – (Somente saio em companhia de meus irmãos) • PREÇO – (O passe de Robinho custa R$50.000.000,00)