SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIFENAS Profa Vera Ângelo
Objetivos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
 
 
Traqueobronquite aguda
[object Object],[object Object],[object Object],DPOC- Doença pulmonar obstrutiva crônica
A bronquite crônica está presente quando uma pessoa tem tosse produtiva na maioria dos dias, por pelo menos três meses ao ano, em dois anos consecutivos. As alterações patológicas também atingem os brônquios de menor calibre e os bronquíolos. O espessamento da mucosa brônquica, a secreção excessiva do muco e o tônus aumentado da musculatura brônquica, inicialmente diminuem, a intensidade do fluxo expiratório máximo e, em seguida, a do fluxo inspiratório máximo.  DPOC – Bronquite crônica
 
A bronquite crônica pode levar a rigidez e ao espessamento da mucosa brônquica, por vasodilatação, congestão e edema. Presença de brônquios com a parede espessada e muco na sua luz. Observa-se: - glândulas aumentadas de tamanho, - Hiperplasia de  células caliciformes, - predomínio de linfócitos T CD8+,neutrófilos  e macrófagos. - hiperplasia de glândulas submucosas DPOC
 
 
Normal Após lesão
 
 
 
 
Infiltrado inflamatório crônico peribronquiolar                                                                                                                                                                        
O termo deriva do Grego onde bronkos significa brônquio e ektasis, dilatação. É uma dilatação irreversível de porções dos brônquios devida à lesão da parede brônquica .  Etiologia:  são inflamações mediadas por neutrófilos liberando elastases e monócitos liberando citocinas os quais são recrutados no pulmão. A inflamação das paredes dos brônquios levam a destruição dos componentes elásticos e musculares dos mesmos. Bronquiectasia
Na bronquiectasia, algumas áreas da parede brônquica são destruídas e apresentam inflamação crônica, os cílios são destruídos ou lesados e a produção de muco aumenta
 
 
O enfisema pulmonar está presente quando muitos alvéolos estão destruídos e os restantes ficam com o seu funcionamento alterado, decorrente de agressão crônica ao parênquima pulmonar.  Macroscopicamente:  observa-se pulmões aumentados de volume, inelásticos e com bolhas especialmente nas margens e nos ápices. Diminuição da elasticidade. . DPOC -  enfisema pulmonar
 
 
 
 
 
Enfisema caraterizado por cavitação única próxima a superfície pleural com limites nítidos, arredondada e regular e de paredes finamente delicadas.
Microscopicamente : destruição dos septos alveolares, resultando em dilatação dos alvéolos e ductos alveolares, além da perda do componente elástico. DPOC -  enfisema pulmonar  Alveolos normais enfisema
Enfisema e  parênquima pulmonar normal.
O  E nfisema  pulmonar pode ser classificado em: -   centroloabular:  é o mais comum e se associa ao tabagismo. Ocorre destruição de bronquíolos terminais próximo do término da árvore brônquiolar. Mais comum no ápice dos pulmões. -  p anacinar:   ó acino é afetado de forma uniforme, com destruição dos setos alveolares a partir do centro para a periferia do ácino .  Ocorre na deficiência de  α  antripsina.   -  paraseptal -   Irregular:   o ácino está envolvido de forma irregular e é quase sempre associado a cicatrização Enfisema localizado (Rubin 2007)
Pneumonia: Mecanismos de defesa pulmonar: O pulmão normal é isento de bactérias e possui um grande número de mecanismos de defesa, os quais eliminam qualquer bactéria inaladas, esses mecanismos  de defesa incluem: 1 – A função da filtração da nasofaringe; 2 – A ação mucociliar das vias respiratórias inferiores; 3 – A fagocitose e a eliminação dos microorganismos pelos macrófogos alveolares.
Pneumonia: Mecanismos de defesa pulmonar: Muito fatores podem interferir nos mecanismos de defesa: 1.  P erda ou suspensão do reflexo de tosse (ex: coma, anestesia, distúrbios neuromusculares).  2.     Lesões do aparelho mucociliar. O tabagismo, a inalação de gases tóxicos e viroses podem causar essas lesões.  3.    Interferência na função fagocítica ou bacteriana dos macrófagos alveolares. EX: álcool, fumo, anoxia e intoxicação pelo oxigênio.  4.    Congestão e edema pulmonares .
Pneumonia:  É uma infecção do parênquima pulmonar, que pode ser causada por vários microrganismos diferentes, incluindo vírus, bactérias, parasitas ou fungos. Patogenia: o desenvolvimento deste quadro infeccioso passa pela falência dos complexos mecanismos de defesa pulmonar.  Classificações: podem ser classificada sob diferentes aspectos, sendo os mais importantes o etiológico e o anatômico (lobar, lobular ou broncopneumonia e intersticial)
 
Pneumonia:  Macroscopia Na pneumonia  lobar  o lobo atingido consolida-se de forma homogênea, enquanto as vias aéreas permanecem permeáveis. Na  broncopneumonia  são observados focos múltiplos de infecção, às vezes bilaterais.  Na  pneumonia intersticial  o acometimento pode ser zonal ou difuso, ás vezes de difícil identificação macroscópica.
Pneumonia:
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Broncopneumonia:  As consolidações  focais assumem um aspecto de nódulos cinzas, em meio a um parênquima pulmonar congesto e hiperemiado. Observa-se um parênquima de coloração vinhosa e consistência friável que indica a intensa reação inflamatória que acompanha esta condição. Compare com os segmentos de pulmão normal.
 
 
Broncopneumonia
 
 
Pneumonias virais - Maior prevalência em menores de 3 anos de idade e rara em adultos sadios. - Geralmente com acometimento intersticial. -Manifestações clínicas: simulam viroses, tosse seca, febre alta calafrios,rinite,sinais cutâneos e mialgia.
Pneumonia intersticial :  Etiologia:  vírus .
Pneumonias virais ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Tuberculose ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Tuberculose ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
 
 
                                                                                                                           
                                                                      
                                                       
                                                                 
                                                       
                                                       
                                                       
Anatomia Patológica
PIV de sete meses, sexo feminino, previamente hígida, consultou com o pediatra devido a quadro de IVAS. Foram prescritos sintomáticos, porém não houve melhora clínica. Três dias após a criança foi atendida no HPS devido a quadro de queda do estado geral, febre alta, dispnéia e cianose. Houve piora clínica progressiva e a criança foi encaminhada para a UTI. Apesar de todas as medidas clínicas instituídas houve evolução para o óbito. . Faça a correlação anátomo-clínica
 
Lamina  7 – Antracose. HE  identificar o órgão  (pulmão) observar alvéolos e septos interalveolares. observar pigmento escuro no interior de macrófagos Lamina 81 – Pneumonia lobar. HE  - identificar o órgão  (pulmão) observar a presença de exsudato inflamatório do tipo polimorfonuclear nas paredes inter alveolares e  no interior de alvéolos.  Áreas de congestão e com fibrina.
Lamina 76 – Necrose caseosa. HE  -   identificar o órgão (lifonodo)  -   observar lesão  necrótica com aspecto de massa homogênea, acidófila, contendo células com núcleos picnóticos e fragmentos celulares e nucleares (cariorrexe).  Presença de células gigantes, multinucleadas  Peça 1 – Antracose. (Macroscopia)  -    identificar o órgão  (pulmão) -    observar a elasticidade e o aspecto “esponjoso”.  Visualizar brônquios cortados transversalmente. observar pigmento escuro no parênquima

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DPOC
DPOCDPOC
1195247189 bronquite cronica
1195247189 bronquite cronica1195247189 bronquite cronica
1195247189 bronquite cronica
Pelo Siro
 
Doenças respiratorias
Doenças respiratoriasDoenças respiratorias
Doenças respiratorias
clinicansl
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
Samuel Benjamin
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
Alex Eduardo Ribeiro
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
dapab
 
Trabalho de pneumonia
Trabalho de pneumoniaTrabalho de pneumonia
Trabalho de pneumonia
Daniela Santos
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Alexandre Naime Barbosa
 
Derrame pleural
Derrame pleuralDerrame pleural
Derrame pleural
Marcelo Mendes
 
Insuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoriaInsuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoria
Anestesiador
 
Insuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratóriaInsuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratória
pauloalambert
 
Atelectasia
AtelectasiaAtelectasia
Atelectasia
Natha Fisioterapia
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
Caroline Magnabosco
 
Pneumonia
Pneumonia Pneumonia
Pneumonia
guiribeiro0210
 
Asma E Dpoc
Asma E DpocAsma E Dpoc
Asma E Dpoc
galegoo
 
SLIDE- PNEUMONIA 2022.pptx
SLIDE- PNEUMONIA  2022.pptxSLIDE- PNEUMONIA  2022.pptx
SLIDE- PNEUMONIA 2022.pptx
IreneNascimentoSilva
 
Mecanismo da Respiração: Fluxo Sanguíneo Pulmonar, e Transporte de Oxigênio e...
Mecanismo da Respiração: Fluxo Sanguíneo Pulmonar, e Transporte de Oxigênio e...Mecanismo da Respiração: Fluxo Sanguíneo Pulmonar, e Transporte de Oxigênio e...
Mecanismo da Respiração: Fluxo Sanguíneo Pulmonar, e Transporte de Oxigênio e...
Laiz Cristina
 
Enfisema Pulmonar
Enfisema PulmonarEnfisema Pulmonar
Enfisema Pulmonar
Nutricionista
 

Mais procurados (20)

DPOC
DPOCDPOC
DPOC
 
1195247189 bronquite cronica
1195247189 bronquite cronica1195247189 bronquite cronica
1195247189 bronquite cronica
 
Doenças respiratorias
Doenças respiratoriasDoenças respiratorias
Doenças respiratorias
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Pneumotórax
PneumotóraxPneumotórax
Pneumotórax
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Trabalho de pneumonia
Trabalho de pneumoniaTrabalho de pneumonia
Trabalho de pneumonia
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
Derrame pleural
Derrame pleuralDerrame pleural
Derrame pleural
 
Insuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoriaInsuficiência respiratoria
Insuficiência respiratoria
 
Insuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratóriaInsuficiencia respiratória
Insuficiencia respiratória
 
Atelectasia
AtelectasiaAtelectasia
Atelectasia
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
 
Pneumonia
Pneumonia Pneumonia
Pneumonia
 
Asma E Dpoc
Asma E DpocAsma E Dpoc
Asma E Dpoc
 
SLIDE- PNEUMONIA 2022.pptx
SLIDE- PNEUMONIA  2022.pptxSLIDE- PNEUMONIA  2022.pptx
SLIDE- PNEUMONIA 2022.pptx
 
Mecanismo da Respiração: Fluxo Sanguíneo Pulmonar, e Transporte de Oxigênio e...
Mecanismo da Respiração: Fluxo Sanguíneo Pulmonar, e Transporte de Oxigênio e...Mecanismo da Respiração: Fluxo Sanguíneo Pulmonar, e Transporte de Oxigênio e...
Mecanismo da Respiração: Fluxo Sanguíneo Pulmonar, e Transporte de Oxigênio e...
 
Enfisema Pulmonar
Enfisema PulmonarEnfisema Pulmonar
Enfisema Pulmonar
 

Destaque

Sistema respiratório k
Sistema respiratório kSistema respiratório k
Sistema respiratório k
Marcos Anicio
 
Doença brônquica difusa
Doença brônquica difusaDoença brônquica difusa
Doença brônquica difusa
upload718
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Teresa Oliveira
 
celulas del sistema respiratorio
celulas del sistema respiratoriocelulas del sistema respiratorio
celulas del sistema respiratorio
rafael best
 
Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03
rdgomlk
 
Gefir
GefirGefir
Medicações inalatórias
Medicações inalatóriasMedicações inalatórias
Medicações inalatórias
Luiz Fernando de Andrade Silva
 
Caderno de_atividades_RESPIRATÓRIA
Caderno de_atividades_RESPIRATÓRIACaderno de_atividades_RESPIRATÓRIA
Caderno de_atividades_RESPIRATÓRIA
Fisioterapeuta
 
Huesos de la cara
Huesos de la caraHuesos de la cara
Huesos de la cara
Kela Socorro Piñeiro
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Cleo Lima
 
Sha Slide Show
Sha Slide ShowSha Slide Show
Sha Slide Show
sha
 
Malformações do torax
Malformações do toraxMalformações do torax
Malformações do torax
upload718
 
Asma brônquica alérgica
Asma brônquica alérgicaAsma brônquica alérgica
Asma brônquica alérgica
Renan Ribeiro
 
Broncografia
BroncografiaBroncografia
Broncografia
Hugo Madureira
 
Síndromes respiratórias
Síndromes respiratóriasSíndromes respiratórias
Síndromes respiratórias
Fábio Fachinello
 
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMTSíndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
Semioliga UFMT
 
Doenças Pulmonares Difusas
Doenças Pulmonares Difusas Doenças Pulmonares Difusas
Doenças Pulmonares Difusas
Hercules Antonio Kozorosky Junior
 
Rx- Análise de Qualidade
Rx- Análise de QualidadeRx- Análise de Qualidade
Rx- Análise de Qualidade
PCare Fisioterapia
 
Bronquiectasias
BronquiectasiasBronquiectasias
Asma Final0303
Asma Final0303Asma Final0303
Asma Final0303
rachelfreeslideshare
 

Destaque (20)

Sistema respiratório k
Sistema respiratório kSistema respiratório k
Sistema respiratório k
 
Doença brônquica difusa
Doença brônquica difusaDoença brônquica difusa
Doença brônquica difusa
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
 
celulas del sistema respiratorio
celulas del sistema respiratoriocelulas del sistema respiratorio
celulas del sistema respiratorio
 
Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03
 
Gefir
GefirGefir
Gefir
 
Medicações inalatórias
Medicações inalatóriasMedicações inalatórias
Medicações inalatórias
 
Caderno de_atividades_RESPIRATÓRIA
Caderno de_atividades_RESPIRATÓRIACaderno de_atividades_RESPIRATÓRIA
Caderno de_atividades_RESPIRATÓRIA
 
Huesos de la cara
Huesos de la caraHuesos de la cara
Huesos de la cara
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Sha Slide Show
Sha Slide ShowSha Slide Show
Sha Slide Show
 
Malformações do torax
Malformações do toraxMalformações do torax
Malformações do torax
 
Asma brônquica alérgica
Asma brônquica alérgicaAsma brônquica alérgica
Asma brônquica alérgica
 
Broncografia
BroncografiaBroncografia
Broncografia
 
Síndromes respiratórias
Síndromes respiratóriasSíndromes respiratórias
Síndromes respiratórias
 
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMTSíndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
Síndromes Respiratórias - Semioliga UFMT
 
Doenças Pulmonares Difusas
Doenças Pulmonares Difusas Doenças Pulmonares Difusas
Doenças Pulmonares Difusas
 
Rx- Análise de Qualidade
Rx- Análise de QualidadeRx- Análise de Qualidade
Rx- Análise de Qualidade
 
Bronquiectasias
BronquiectasiasBronquiectasias
Bronquiectasias
 
Asma Final0303
Asma Final0303Asma Final0303
Asma Final0303
 

Semelhante a Síndromes Respiratórias PL-01

Pneumonia adquirida na comunidade
Pneumonia adquirida na comunidadePneumonia adquirida na comunidade
Pneumonia adquirida na comunidade
Thiago Hubner
 
Pneumonia Adquirida Na Comunidade
Pneumonia Adquirida Na ComunidadePneumonia Adquirida Na Comunidade
Pneumonia Adquirida Na Comunidade
Alex Eduardo Ribeiro
 
Bronquiectasia
BronquiectasiaBronquiectasia
Bronquiectasia
Mara Soares
 
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEPABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
victorinocachipa
 
5.doc
5.doc5.doc
Aspiração 12.07.12 final
Aspiração 12.07.12 finalAspiração 12.07.12 final
Aspiração 12.07.12 final
upload718
 
Aspiração 12.07.12
Aspiração 12.07.12Aspiração 12.07.12
Aspiração 12.07.12
upload718
 
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxAula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
NgelaNascimento11
 
Artigo de revisao em Bronquiectasias
Artigo de revisao em BronquiectasiasArtigo de revisao em Bronquiectasias
Artigo de revisao em Bronquiectasias
Flávia Salame
 
Atualizacao bronquiectasias
Atualizacao bronquiectasiasAtualizacao bronquiectasias
Atualizacao bronquiectasias
Flávia Salame
 
Microbiologia parte 4
Microbiologia parte 4Microbiologia parte 4
Microbiologia parte 4
Elisângela Bispo
 
Doenças respiratórias. modificação 05.06
Doenças respiratórias. modificação 05.06Doenças respiratórias. modificação 05.06
Doenças respiratórias. modificação 05.06
Lincolm Aguiar
 
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Rose Viviane Bezerra
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
pneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.pptpneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.ppt
carlasuzane2
 
Asma
AsmaAsma
Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
Flávia Salame
 
Pneumonia trabalho do
Pneumonia trabalho doPneumonia trabalho do
Pneumonia trabalho do
emefguerreiro
 
Ciências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais iiCiências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais ii
Ana Araujo
 
SAÚDE+DO+IDOSO+AULA+Fisiopatologia+dos+aparelhos.+respiratorio++gastro+hemato...
SAÚDE+DO+IDOSO+AULA+Fisiopatologia+dos+aparelhos.+respiratorio++gastro+hemato...SAÚDE+DO+IDOSO+AULA+Fisiopatologia+dos+aparelhos.+respiratorio++gastro+hemato...
SAÚDE+DO+IDOSO+AULA+Fisiopatologia+dos+aparelhos.+respiratorio++gastro+hemato...
ShesterDamaceno1
 

Semelhante a Síndromes Respiratórias PL-01 (20)

Pneumonia adquirida na comunidade
Pneumonia adquirida na comunidadePneumonia adquirida na comunidade
Pneumonia adquirida na comunidade
 
Pneumonia Adquirida Na Comunidade
Pneumonia Adquirida Na ComunidadePneumonia Adquirida Na Comunidade
Pneumonia Adquirida Na Comunidade
 
Bronquiectasia
BronquiectasiaBronquiectasia
Bronquiectasia
 
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEPABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
ABSCESSO PULMONAR ORIGINAL CETEP
 
5.doc
5.doc5.doc
5.doc
 
Aspiração 12.07.12 final
Aspiração 12.07.12 finalAspiração 12.07.12 final
Aspiração 12.07.12 final
 
Aspiração 12.07.12
Aspiração 12.07.12Aspiração 12.07.12
Aspiração 12.07.12
 
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptxAula 1 pneumonias e DPOC.pptx
Aula 1 pneumonias e DPOC.pptx
 
Artigo de revisao em Bronquiectasias
Artigo de revisao em BronquiectasiasArtigo de revisao em Bronquiectasias
Artigo de revisao em Bronquiectasias
 
Atualizacao bronquiectasias
Atualizacao bronquiectasiasAtualizacao bronquiectasias
Atualizacao bronquiectasias
 
Microbiologia parte 4
Microbiologia parte 4Microbiologia parte 4
Microbiologia parte 4
 
Doenças respiratórias. modificação 05.06
Doenças respiratórias. modificação 05.06Doenças respiratórias. modificação 05.06
Doenças respiratórias. modificação 05.06
 
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
pneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.pptpneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.ppt
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Histoplasmose
HistoplasmoseHistoplasmose
Histoplasmose
 
Pneumonia trabalho do
Pneumonia trabalho doPneumonia trabalho do
Pneumonia trabalho do
 
Ciências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais iiCiências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais ii
 
SAÚDE+DO+IDOSO+AULA+Fisiopatologia+dos+aparelhos.+respiratorio++gastro+hemato...
SAÚDE+DO+IDOSO+AULA+Fisiopatologia+dos+aparelhos.+respiratorio++gastro+hemato...SAÚDE+DO+IDOSO+AULA+Fisiopatologia+dos+aparelhos.+respiratorio++gastro+hemato...
SAÚDE+DO+IDOSO+AULA+Fisiopatologia+dos+aparelhos.+respiratorio++gastro+hemato...
 

Mais de rdgomlk

Síndromes Digestórias
Síndromes DigestóriasSíndromes Digestórias
Síndromes Digestórias
rdgomlk
 
Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010
rdgomlk
 
Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010
rdgomlk
 
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
rdgomlk
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
rdgomlk
 
Exame Parasitológico de Fezes - 2010
Exame Parasitológico de Fezes - 2010Exame Parasitológico de Fezes - 2010
Exame Parasitológico de Fezes - 2010
rdgomlk
 
Hematologia 2010
Hematologia 2010Hematologia 2010
Hematologia 2010
rdgomlk
 

Mais de rdgomlk (7)

Síndromes Digestórias
Síndromes DigestóriasSíndromes Digestórias
Síndromes Digestórias
 
Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010
 
Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010
 
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
 
Exame Parasitológico de Fezes - 2010
Exame Parasitológico de Fezes - 2010Exame Parasitológico de Fezes - 2010
Exame Parasitológico de Fezes - 2010
 
Hematologia 2010
Hematologia 2010Hematologia 2010
Hematologia 2010
 

Último

2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

Síndromes Respiratórias PL-01

  • 2.
  • 3.  
  • 4.  
  • 5.  
  • 6.  
  • 8.
  • 9. A bronquite crônica está presente quando uma pessoa tem tosse produtiva na maioria dos dias, por pelo menos três meses ao ano, em dois anos consecutivos. As alterações patológicas também atingem os brônquios de menor calibre e os bronquíolos. O espessamento da mucosa brônquica, a secreção excessiva do muco e o tônus aumentado da musculatura brônquica, inicialmente diminuem, a intensidade do fluxo expiratório máximo e, em seguida, a do fluxo inspiratório máximo. DPOC – Bronquite crônica
  • 10.  
  • 11. A bronquite crônica pode levar a rigidez e ao espessamento da mucosa brônquica, por vasodilatação, congestão e edema. Presença de brônquios com a parede espessada e muco na sua luz. Observa-se: - glândulas aumentadas de tamanho, - Hiperplasia de células caliciformes, - predomínio de linfócitos T CD8+,neutrófilos e macrófagos. - hiperplasia de glândulas submucosas DPOC
  • 12.  
  • 13.  
  • 15.  
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19. Infiltrado inflamatório crônico peribronquiolar                                                                                                                                                                        
  • 20. O termo deriva do Grego onde bronkos significa brônquio e ektasis, dilatação. É uma dilatação irreversível de porções dos brônquios devida à lesão da parede brônquica . Etiologia: são inflamações mediadas por neutrófilos liberando elastases e monócitos liberando citocinas os quais são recrutados no pulmão. A inflamação das paredes dos brônquios levam a destruição dos componentes elásticos e musculares dos mesmos. Bronquiectasia
  • 21. Na bronquiectasia, algumas áreas da parede brônquica são destruídas e apresentam inflamação crônica, os cílios são destruídos ou lesados e a produção de muco aumenta
  • 22.  
  • 23.  
  • 24. O enfisema pulmonar está presente quando muitos alvéolos estão destruídos e os restantes ficam com o seu funcionamento alterado, decorrente de agressão crônica ao parênquima pulmonar. Macroscopicamente: observa-se pulmões aumentados de volume, inelásticos e com bolhas especialmente nas margens e nos ápices. Diminuição da elasticidade. . DPOC - enfisema pulmonar
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.  
  • 29.  
  • 30. Enfisema caraterizado por cavitação única próxima a superfície pleural com limites nítidos, arredondada e regular e de paredes finamente delicadas.
  • 31. Microscopicamente : destruição dos septos alveolares, resultando em dilatação dos alvéolos e ductos alveolares, além da perda do componente elástico. DPOC - enfisema pulmonar Alveolos normais enfisema
  • 32. Enfisema e parênquima pulmonar normal.
  • 33. O E nfisema pulmonar pode ser classificado em: -  centroloabular: é o mais comum e se associa ao tabagismo. Ocorre destruição de bronquíolos terminais próximo do término da árvore brônquiolar. Mais comum no ápice dos pulmões. -  p anacinar: ó acino é afetado de forma uniforme, com destruição dos setos alveolares a partir do centro para a periferia do ácino . Ocorre na deficiência de α antripsina. -  paraseptal -   Irregular: o ácino está envolvido de forma irregular e é quase sempre associado a cicatrização Enfisema localizado (Rubin 2007)
  • 34. Pneumonia: Mecanismos de defesa pulmonar: O pulmão normal é isento de bactérias e possui um grande número de mecanismos de defesa, os quais eliminam qualquer bactéria inaladas, esses mecanismos de defesa incluem: 1 – A função da filtração da nasofaringe; 2 – A ação mucociliar das vias respiratórias inferiores; 3 – A fagocitose e a eliminação dos microorganismos pelos macrófogos alveolares.
  • 35. Pneumonia: Mecanismos de defesa pulmonar: Muito fatores podem interferir nos mecanismos de defesa: 1.  P erda ou suspensão do reflexo de tosse (ex: coma, anestesia, distúrbios neuromusculares). 2.    Lesões do aparelho mucociliar. O tabagismo, a inalação de gases tóxicos e viroses podem causar essas lesões. 3.   Interferência na função fagocítica ou bacteriana dos macrófagos alveolares. EX: álcool, fumo, anoxia e intoxicação pelo oxigênio. 4.   Congestão e edema pulmonares .
  • 36. Pneumonia: É uma infecção do parênquima pulmonar, que pode ser causada por vários microrganismos diferentes, incluindo vírus, bactérias, parasitas ou fungos. Patogenia: o desenvolvimento deste quadro infeccioso passa pela falência dos complexos mecanismos de defesa pulmonar. Classificações: podem ser classificada sob diferentes aspectos, sendo os mais importantes o etiológico e o anatômico (lobar, lobular ou broncopneumonia e intersticial)
  • 37.  
  • 38. Pneumonia: Macroscopia Na pneumonia lobar o lobo atingido consolida-se de forma homogênea, enquanto as vias aéreas permanecem permeáveis. Na broncopneumonia são observados focos múltiplos de infecção, às vezes bilaterais. Na pneumonia intersticial o acometimento pode ser zonal ou difuso, ás vezes de difícil identificação macroscópica.
  • 40.
  • 41. Broncopneumonia: As consolidações focais assumem um aspecto de nódulos cinzas, em meio a um parênquima pulmonar congesto e hiperemiado. Observa-se um parênquima de coloração vinhosa e consistência friável que indica a intensa reação inflamatória que acompanha esta condição. Compare com os segmentos de pulmão normal.
  • 42.  
  • 43.  
  • 45.  
  • 46.  
  • 47. Pneumonias virais - Maior prevalência em menores de 3 anos de idade e rara em adultos sadios. - Geralmente com acometimento intersticial. -Manifestações clínicas: simulam viroses, tosse seca, febre alta calafrios,rinite,sinais cutâneos e mialgia.
  • 48. Pneumonia intersticial : Etiologia: vírus .
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.  
  • 53.  
  • 54.  
  • 55.                                                                                                                            
  • 63. PIV de sete meses, sexo feminino, previamente hígida, consultou com o pediatra devido a quadro de IVAS. Foram prescritos sintomáticos, porém não houve melhora clínica. Três dias após a criança foi atendida no HPS devido a quadro de queda do estado geral, febre alta, dispnéia e cianose. Houve piora clínica progressiva e a criança foi encaminhada para a UTI. Apesar de todas as medidas clínicas instituídas houve evolução para o óbito. . Faça a correlação anátomo-clínica
  • 64.  
  • 65. Lamina 7 – Antracose. HE  identificar o órgão (pulmão) observar alvéolos e septos interalveolares. observar pigmento escuro no interior de macrófagos Lamina 81 – Pneumonia lobar. HE  - identificar o órgão (pulmão) observar a presença de exsudato inflamatório do tipo polimorfonuclear nas paredes inter alveolares e no interior de alvéolos. Áreas de congestão e com fibrina.
  • 66. Lamina 76 – Necrose caseosa. HE  -   identificar o órgão (lifonodo) -   observar lesão necrótica com aspecto de massa homogênea, acidófila, contendo células com núcleos picnóticos e fragmentos celulares e nucleares (cariorrexe). Presença de células gigantes, multinucleadas Peça 1 – Antracose. (Macroscopia)  -  identificar o órgão (pulmão) -  observar a elasticidade e o aspecto “esponjoso”. Visualizar brônquios cortados transversalmente. observar pigmento escuro no parênquima