SlideShare uma empresa Scribd logo
Introdução à parasitologia UNIFENAS Profa Vera Ângelo 2010
Exame parasitológico de fezes Barato, de fácil execução e de grande aplicabilidade clínica. Segundo a OMS, mais de 2 bilhões de pessoas estão infectadas com algum tipo de parasita. Tipos de exame de fezes     Parasitológico de fezes   Cultura de fezes   Pesquisa de sangue oculto nas fezes   Pesquisa de rotavírus nas fezes
ei
Indicações X tipo de exame a ser pedido D. Maria, procura o pediatra e diz que o seu filho de 5 anos não dorme bem devido a prurido anal intenso. Informa que seu marido está com sintomas semelhantes. JFV 21 anos queixa de dor epigástrica intensa.Dor melhora com a alimentação. Há dois meses fez EDA que foi normal SIC. É escoteiro e adora acampar. PPO, 7 anos, estudante foi levado a consulta devido a quadro pneumônico. O RX atual mostra que as imagem “mudaram de lugar”. Refere tosse. EFA 26 anos, cozinheira, refere diarréia aguda. Afebril. Fezes com restos alimentares.
EPF: etapas Exame macroscópico: Consistência das fezes Odor Restos alimentares Presença de elementos anormais (muco ou sangue e vermes adultos). Saginata
Coleta Defecar em local limpo e seco. Retirar do início, meio e fim da amostra. Pode ser colhida qualquer evacuação do dia. Se houver eliminação de muco, pus ou sangue, colocar amostras que os contenham.  Não usar laxante.  Se houver eliminação de outro material (por ex. vermes ou parte destes), deve ser colocado em outro recipiente limpo. Leve imediatamente a amostra ao laboratório. Caso a coleta tenha sido à noite, guardar o material na geladeira e não congelar. As mulheres devem evitar colher as fezes no período menstrual. Etiquetar adequadamente
EPF: Exame a fresco:  análise do sedimento Métodos quantitativos:  Kato-Katz; Métodos qualitativos:   HPJ  MIFc Faust Baermann Moraes Método da fita gomada.
 
Método direto método fácil e barato. permite visualizar protozoários (trofozoítas e cistos) e helmintos (ovos, larvas e proglotes). fezes recém-emitidas (no máximo 30 minutos) e normalmente diarréicas . Método: Colocar 60/70 mg de fezes  em uma lâmina de microscopia. (diluir em salina se necessário) Cobrir as fezes com lamínula (embebida em solução aquosa de verde de malaquita a 3% ou lugol).  Examinar ao microscópio
 
 
http://www.naea-ufpa.org/revistaNCN/ojs/images/articleimages/hilton01.JPG
Fezes: armazenamento Em geladeira: até 3 dias Adicionando conservantes: Formol a 4%; MIF: Merthiolate-Iodo-Formol SAF: acetato de sódio, ácido acético e formol para  protozoários
Armazenamento em MIF As amostras de fezes são colhidas durante 3 dias consecutivos ou não (emissões diferentes) em líquido conservante-MIF. Colocar pequenas porções das fezes das 3 emissões mergulhadas no MIF e manter em local fresco. Contra-indicações: laxantes e enemas com utilização de contrastes.
Método quantitativo: Análise microscópica Contagem da quantitativa de ovos e cistos por campos visuais ou por lâmina. Classificação utilizada por cruzes  (++++) Pouco usado na prática
Método qualitativo:   HPJ: Hoffman, Pons e Janer Método de sedimentação espontânea; Permite o encontro de larvas, helmintos e cistos e protozoários; Material: cálice, bastão de vidro, fezes, água tratada; funil, gaze cirúrgica dobrada em 4, lâmina e lamínula, Lugol, canudinho ou pipeta
 
Técnica Diluir as fezes em água tratada  pelo bastão; Coar a solução através de gaze assentada sobre um funil para um cálice; Deixar sedimentar por 2 a 24 horas Com o canudinho ou pipeta, depositar uma gota sobre lâmina e colocar lamínula Observar em objetivas de 10 e 40x.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Método qualitativo:   Faust Método de centrífugo-flutuação; Usado para a pesquisa de cistos de protozoários e ovos leves; Material: solução de fezes e água, sulfato de zinco a 33%,  tubos de centrífuga,  alça de platina, lâmina e lamínula,  centrífuga,  lugol
Faust: técnica Coar a solução em  tubo de centrífuga e centrifugar a 2500 RPM Desprezar o sobrenadante e completar com água; centrifugar até ficar claro; Adicionar o sulfato de zinco 33% e centrifugar; Com a alça de platina, recolher a película superficial e depositar em lâmina com Lugol e observar em objetiva de 10 e 40x
Método qualitativo:   Baermann-Moraes Método de concentração para identificação de larvas de helmintos ( Strongyloides stercoralis )  por migração ativa. Propriedades de  hidrotropismo  e  termotropismo  positivos. Material: fezes em trouxa de gaze, peneira, água a 45 ºC, funil ligado a borracha, pinça de Mohr, centrífuga, microscópio. Pré-analítico: as fezes tem que ser recém emitidas e não se pode colher em frasco contendo MIF ou outro conservante.
Técnica:  Baermann-Moraes Colocar 10 g de fezes sobre gaze dobrada em quatro, fazendo uma trouxinha. Colocar o material sobre um funil, contendo um tubo de borracha conectado à sua extremidade e fechado coma pinça de Mohr; Colocar água pré-aquecida a  45 ºC de modo a emergir as fezes Deixar 1 hora de repouso
Técnica: Baermann-Moraes Colher 5 ml, abrindo a pinça em tubo cônico de centrífuga; Centrifugar; Desprezar o sobrenadante; Depositar em lâmina, corando com lugol e observar em microscópio ótico, em objetivas de 10 e 40x.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fita gomada: Grahan Técnica deve ser realizada ao amanhecer, antes do paciente fazer higiene anal e repetida em dias sucessivos, caso dê negativo e a clínica for fortemente sugestiva. Material: abaixador de língua ou tubo de ensaio, fita durex, microscópio.
Técnica:   Fita gomada: Grahan Colocar uma fita adesiva transparente sobre o fundo de um tubo de ensaio, com o lado adesivo para fora. Abrir a prega anal e encostar a face adesiva várias vezes na região perianal. Fixar a fita em lâmina Observar ao MO.
Oxiúrius fêmeas na pele peri anal
 
MIFc Trata-se de técnica de concentração por centrifugação; Material: fezes em suspensão com água ou MIF; tubo cônico, éter, centrífuga, gaze montada em pinça, lâmina e lamínula, lugol
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Laudo: como redigir?? Descrever separadamente ovos de helmintos; Cistos de protozoários Larvas Nome científico correto em itálico
 
Conclusão EPF apresenta grande aplicabilidade clínica. Quando realizado em amostras seriadas tem alta sensibilidade, principalmente em se tratando de populações de alto risco epidemiológico para doenças parasitárias.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
João Marcos
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
Gildo Crispim
 
Princípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológicoPrincípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológico
Universidade de Brasília
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
Rafael Serafim
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
Jéssica Bomfim
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
feraps
 
Aula 2 vidrarias de laboratório
Aula 2   vidrarias de laboratórioAula 2   vidrarias de laboratório
Aula 2 vidrarias de laboratório
José Vitor Alves
 
Micologia médica
Micologia médica Micologia médica
Micologia médica
João Monteiro
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Claysson Xavier
 
Parasitologia: Amebíase
Parasitologia: AmebíaseParasitologia: Amebíase
Parasitologia: Amebíase
Gustavo Ribeiro De Almeida Alves
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
clinicansl
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
Renata Carvalho
 
Boas praticas laboratoriais
Boas praticas laboratoriaisBoas praticas laboratoriais
Boas praticas laboratoriais
ohanarabelotomaz1
 
Aula 05 Microbiologia
Aula 05 Microbiologia Aula 05 Microbiologia
Aula 05 Microbiologia
Tiago da Silva
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
naiellyrodrigues
 
Aula 3.pptx
Aula 3.pptxAula 3.pptx
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
naiellyrodrigues
 
2ª aula qualidade, controle e metodos analiticos
2ª aula   qualidade, controle e metodos analiticos2ª aula   qualidade, controle e metodos analiticos
2ª aula qualidade, controle e metodos analiticos
Lilian Keila Alves
 

Mais procurados (20)

Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Princípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológicoPrincípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológico
 
Doenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungosDoenças causadas por fungos
Doenças causadas por fungos
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Aula 2 vidrarias de laboratório
Aula 2   vidrarias de laboratórioAula 2   vidrarias de laboratório
Aula 2 vidrarias de laboratório
 
Micologia médica
Micologia médica Micologia médica
Micologia médica
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
 
Parasitologia: Amebíase
Parasitologia: AmebíaseParasitologia: Amebíase
Parasitologia: Amebíase
 
Instruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriaisInstruções de coleta para exames laboratoriais
Instruções de coleta para exames laboratoriais
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Boas praticas laboratoriais
Boas praticas laboratoriaisBoas praticas laboratoriais
Boas praticas laboratoriais
 
Aula 05 Microbiologia
Aula 05 Microbiologia Aula 05 Microbiologia
Aula 05 Microbiologia
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Aula 3.pptx
Aula 3.pptxAula 3.pptx
Aula 3.pptx
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
2ª aula qualidade, controle e metodos analiticos
2ª aula   qualidade, controle e metodos analiticos2ª aula   qualidade, controle e metodos analiticos
2ª aula qualidade, controle e metodos analiticos
 

Semelhante a Exame Parasitológico de Fezes - 2010

Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
Débora Machado
 
Parasitologiuuhbbbggvhvhgcgfcgcia (2).pptx
Parasitologiuuhbbbggvhvhgcgfcgcia (2).pptxParasitologiuuhbbbggvhvhgcgfcgcia (2).pptx
Parasitologiuuhbbbggvhvhgcgfcgcia (2).pptx
Tatiane Fernandes
 
1. sondagens
1. sondagens1. sondagens
1. sondagens
Conceição Quirino
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
BruceCosta5
 
GUIA prático de Parasitologia dos Helmintos
GUIA prático de Parasitologia dos HelmintosGUIA prático de Parasitologia dos Helmintos
GUIA prático de Parasitologia dos Helmintos
ThaiseGerber2
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
Ivanilson Gomes
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
CASA
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
AULA PARASITOLOGIA EXAME PARASITOLÓGIVO DE FEZES [Salvo automaticamente].ppt
AULA PARASITOLOGIA EXAME PARASITOLÓGIVO DE FEZES [Salvo automaticamente].pptAULA PARASITOLOGIA EXAME PARASITOLÓGIVO DE FEZES [Salvo automaticamente].ppt
AULA PARASITOLOGIA EXAME PARASITOLÓGIVO DE FEZES [Salvo automaticamente].ppt
hellon1
 
Exame a fresco do conteúdo vaginal
Exame a fresco do conteúdo vaginalExame a fresco do conteúdo vaginal
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
Luana Silva
 
Citologia 1
Citologia 1Citologia 1
Citologia 1
hiltonufrj
 
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxSEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
GabriellyAndrade18
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
Gabriela Rodrigues Cavalheiro
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Agneldo Ferreira
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
yassmim2023gomess
 
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do municípioCapacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Alinebrauna Brauna
 
MANUAL_PATOLOGIA.pdf
MANUAL_PATOLOGIA.pdfMANUAL_PATOLOGIA.pdf
MANUAL_PATOLOGIA.pdf
Fabio Miranda
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Adriana Saraiva
 
FDGFGFGFGDFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF...
FDGFGFGFGDFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF...FDGFGFGFGDFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF...
FDGFGFGFGDFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF...
PedroCaquarta
 

Semelhante a Exame Parasitológico de Fezes - 2010 (20)

Tipos de sondas
Tipos de sondasTipos de sondas
Tipos de sondas
 
Parasitologiuuhbbbggvhvhgcgfcgcia (2).pptx
Parasitologiuuhbbbggvhvhgcgfcgcia (2).pptxParasitologiuuhbbbggvhvhgcgfcgcia (2).pptx
Parasitologiuuhbbbggvhvhgcgfcgcia (2).pptx
 
1. sondagens
1. sondagens1. sondagens
1. sondagens
 
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffffsondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
sondagens-161017202010.pptxfffffffffffff
 
GUIA prático de Parasitologia dos Helmintos
GUIA prático de Parasitologia dos HelmintosGUIA prático de Parasitologia dos Helmintos
GUIA prático de Parasitologia dos Helmintos
 
SONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENSSONDAGENS E LAVAGENS
SONDAGENS E LAVAGENS
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
AULA PARASITOLOGIA EXAME PARASITOLÓGIVO DE FEZES [Salvo automaticamente].ppt
AULA PARASITOLOGIA EXAME PARASITOLÓGIVO DE FEZES [Salvo automaticamente].pptAULA PARASITOLOGIA EXAME PARASITOLÓGIVO DE FEZES [Salvo automaticamente].ppt
AULA PARASITOLOGIA EXAME PARASITOLÓGIVO DE FEZES [Salvo automaticamente].ppt
 
Exame a fresco do conteúdo vaginal
Exame a fresco do conteúdo vaginalExame a fresco do conteúdo vaginal
Exame a fresco do conteúdo vaginal
 
Sondagens
SondagensSondagens
Sondagens
 
Citologia 1
Citologia 1Citologia 1
Citologia 1
 
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptxSEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA HUMANA.pptx
 
Cuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagemCuidados de enfemagem
Cuidados de enfemagem
 
Cateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculinoCateterismo vesical de_demora_masculino
Cateterismo vesical de_demora_masculino
 
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptxSondagem nasogástrica, sondas, sondagem  .pptx
Sondagem nasogástrica, sondas, sondagem .pptx
 
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do municípioCapacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
Capacitação aos agentes comnunitários de saúde do município
 
MANUAL_PATOLOGIA.pdf
MANUAL_PATOLOGIA.pdfMANUAL_PATOLOGIA.pdf
MANUAL_PATOLOGIA.pdf
 
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
Aula 2 coleta de material para exames laboratoriais.
 
FDGFGFGFGDFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF...
FDGFGFGFGDFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF...FDGFGFGFGDFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF...
FDGFGFGFGDFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF...
 

Mais de rdgomlk

Síndromes Digestórias
Síndromes DigestóriasSíndromes Digestórias
Síndromes Digestórias
rdgomlk
 
Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010
rdgomlk
 
Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010
rdgomlk
 
Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03
rdgomlk
 
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
rdgomlk
 
Síndromes Respiratórias PL-01
Síndromes Respiratórias PL-01Síndromes Respiratórias PL-01
Síndromes Respiratórias PL-01
rdgomlk
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
rdgomlk
 
Hematologia 2010
Hematologia 2010Hematologia 2010
Hematologia 2010
rdgomlk
 

Mais de rdgomlk (8)

Síndromes Digestórias
Síndromes DigestóriasSíndromes Digestórias
Síndromes Digestórias
 
Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010
 
Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010Síndromes Digestórias - 2010
Síndromes Digestórias - 2010
 
Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03Síndromes Respiratórias PL 03
Síndromes Respiratórias PL 03
 
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
Síndromes Respiratórias PL 02 - 2010
 
Síndromes Respiratórias PL-01
Síndromes Respiratórias PL-01Síndromes Respiratórias PL-01
Síndromes Respiratórias PL-01
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
 
Hematologia 2010
Hematologia 2010Hematologia 2010
Hematologia 2010
 

Último

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 

Exame Parasitológico de Fezes - 2010

  • 1. Introdução à parasitologia UNIFENAS Profa Vera Ângelo 2010
  • 2. Exame parasitológico de fezes Barato, de fácil execução e de grande aplicabilidade clínica. Segundo a OMS, mais de 2 bilhões de pessoas estão infectadas com algum tipo de parasita. Tipos de exame de fezes   Parasitológico de fezes   Cultura de fezes   Pesquisa de sangue oculto nas fezes   Pesquisa de rotavírus nas fezes
  • 3. ei
  • 4. Indicações X tipo de exame a ser pedido D. Maria, procura o pediatra e diz que o seu filho de 5 anos não dorme bem devido a prurido anal intenso. Informa que seu marido está com sintomas semelhantes. JFV 21 anos queixa de dor epigástrica intensa.Dor melhora com a alimentação. Há dois meses fez EDA que foi normal SIC. É escoteiro e adora acampar. PPO, 7 anos, estudante foi levado a consulta devido a quadro pneumônico. O RX atual mostra que as imagem “mudaram de lugar”. Refere tosse. EFA 26 anos, cozinheira, refere diarréia aguda. Afebril. Fezes com restos alimentares.
  • 5. EPF: etapas Exame macroscópico: Consistência das fezes Odor Restos alimentares Presença de elementos anormais (muco ou sangue e vermes adultos). Saginata
  • 6. Coleta Defecar em local limpo e seco. Retirar do início, meio e fim da amostra. Pode ser colhida qualquer evacuação do dia. Se houver eliminação de muco, pus ou sangue, colocar amostras que os contenham. Não usar laxante. Se houver eliminação de outro material (por ex. vermes ou parte destes), deve ser colocado em outro recipiente limpo. Leve imediatamente a amostra ao laboratório. Caso a coleta tenha sido à noite, guardar o material na geladeira e não congelar. As mulheres devem evitar colher as fezes no período menstrual. Etiquetar adequadamente
  • 7. EPF: Exame a fresco: análise do sedimento Métodos quantitativos: Kato-Katz; Métodos qualitativos: HPJ MIFc Faust Baermann Moraes Método da fita gomada.
  • 8.  
  • 9. Método direto método fácil e barato. permite visualizar protozoários (trofozoítas e cistos) e helmintos (ovos, larvas e proglotes). fezes recém-emitidas (no máximo 30 minutos) e normalmente diarréicas . Método: Colocar 60/70 mg de fezes em uma lâmina de microscopia. (diluir em salina se necessário) Cobrir as fezes com lamínula (embebida em solução aquosa de verde de malaquita a 3% ou lugol). Examinar ao microscópio
  • 10.  
  • 11.  
  • 13. Fezes: armazenamento Em geladeira: até 3 dias Adicionando conservantes: Formol a 4%; MIF: Merthiolate-Iodo-Formol SAF: acetato de sódio, ácido acético e formol para protozoários
  • 14. Armazenamento em MIF As amostras de fezes são colhidas durante 3 dias consecutivos ou não (emissões diferentes) em líquido conservante-MIF. Colocar pequenas porções das fezes das 3 emissões mergulhadas no MIF e manter em local fresco. Contra-indicações: laxantes e enemas com utilização de contrastes.
  • 15. Método quantitativo: Análise microscópica Contagem da quantitativa de ovos e cistos por campos visuais ou por lâmina. Classificação utilizada por cruzes (++++) Pouco usado na prática
  • 16. Método qualitativo: HPJ: Hoffman, Pons e Janer Método de sedimentação espontânea; Permite o encontro de larvas, helmintos e cistos e protozoários; Material: cálice, bastão de vidro, fezes, água tratada; funil, gaze cirúrgica dobrada em 4, lâmina e lamínula, Lugol, canudinho ou pipeta
  • 17.  
  • 18. Técnica Diluir as fezes em água tratada pelo bastão; Coar a solução através de gaze assentada sobre um funil para um cálice; Deixar sedimentar por 2 a 24 horas Com o canudinho ou pipeta, depositar uma gota sobre lâmina e colocar lamínula Observar em objetivas de 10 e 40x.
  • 19.  
  • 20.  
  • 21.  
  • 22.  
  • 23.  
  • 24.  
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.  
  • 29.  
  • 30.  
  • 31.  
  • 32.  
  • 33.  
  • 34.  
  • 35. Método qualitativo: Faust Método de centrífugo-flutuação; Usado para a pesquisa de cistos de protozoários e ovos leves; Material: solução de fezes e água, sulfato de zinco a 33%, tubos de centrífuga, alça de platina, lâmina e lamínula, centrífuga, lugol
  • 36. Faust: técnica Coar a solução em tubo de centrífuga e centrifugar a 2500 RPM Desprezar o sobrenadante e completar com água; centrifugar até ficar claro; Adicionar o sulfato de zinco 33% e centrifugar; Com a alça de platina, recolher a película superficial e depositar em lâmina com Lugol e observar em objetiva de 10 e 40x
  • 37. Método qualitativo: Baermann-Moraes Método de concentração para identificação de larvas de helmintos ( Strongyloides stercoralis ) por migração ativa. Propriedades de hidrotropismo e termotropismo positivos. Material: fezes em trouxa de gaze, peneira, água a 45 ºC, funil ligado a borracha, pinça de Mohr, centrífuga, microscópio. Pré-analítico: as fezes tem que ser recém emitidas e não se pode colher em frasco contendo MIF ou outro conservante.
  • 38. Técnica: Baermann-Moraes Colocar 10 g de fezes sobre gaze dobrada em quatro, fazendo uma trouxinha. Colocar o material sobre um funil, contendo um tubo de borracha conectado à sua extremidade e fechado coma pinça de Mohr; Colocar água pré-aquecida a 45 ºC de modo a emergir as fezes Deixar 1 hora de repouso
  • 39. Técnica: Baermann-Moraes Colher 5 ml, abrindo a pinça em tubo cônico de centrífuga; Centrifugar; Desprezar o sobrenadante; Depositar em lâmina, corando com lugol e observar em microscópio ótico, em objetivas de 10 e 40x.
  • 40.  
  • 41.  
  • 42.  
  • 43.  
  • 44.  
  • 45.  
  • 46.  
  • 47.  
  • 48.  
  • 49.  
  • 50.  
  • 51.  
  • 52.  
  • 53.  
  • 54.  
  • 55.  
  • 56.  
  • 57.  
  • 58.  
  • 59.  
  • 60. Fita gomada: Grahan Técnica deve ser realizada ao amanhecer, antes do paciente fazer higiene anal e repetida em dias sucessivos, caso dê negativo e a clínica for fortemente sugestiva. Material: abaixador de língua ou tubo de ensaio, fita durex, microscópio.
  • 61. Técnica: Fita gomada: Grahan Colocar uma fita adesiva transparente sobre o fundo de um tubo de ensaio, com o lado adesivo para fora. Abrir a prega anal e encostar a face adesiva várias vezes na região perianal. Fixar a fita em lâmina Observar ao MO.
  • 62. Oxiúrius fêmeas na pele peri anal
  • 63.  
  • 64. MIFc Trata-se de técnica de concentração por centrifugação; Material: fezes em suspensão com água ou MIF; tubo cônico, éter, centrífuga, gaze montada em pinça, lâmina e lamínula, lugol
  • 65.  
  • 66.  
  • 67.  
  • 68.  
  • 69.  
  • 70.  
  • 71.  
  • 72.  
  • 73.  
  • 74.  
  • 75.  
  • 76.  
  • 77.  
  • 78.  
  • 79.  
  • 80.  
  • 81.  
  • 82.  
  • 83.  
  • 84.  
  • 85.  
  • 86.  
  • 87.  
  • 88.  
  • 89.  
  • 90.  
  • 91.  
  • 92.  
  • 93.  
  • 94.  
  • 95.  
  • 96.  
  • 97.  
  • 98.  
  • 99.  
  • 100.  
  • 101.  
  • 102.  
  • 103.  
  • 104. Laudo: como redigir?? Descrever separadamente ovos de helmintos; Cistos de protozoários Larvas Nome científico correto em itálico
  • 105.  
  • 106. Conclusão EPF apresenta grande aplicabilidade clínica. Quando realizado em amostras seriadas tem alta sensibilidade, principalmente em se tratando de populações de alto risco epidemiológico para doenças parasitárias.