SlideShare uma empresa Scribd logo
X Seminário Internacional | As Redes Educativas e as Tecnologias
OFICINA 14
Tecnologias digitais na educação:
perspectivas críticas
UERJ | Auditório 111 - 11º andar | 2 e 3 de julho de 2019
Prof. Dr. Márcio Lemgruber | mslemgruber@gmail.com
PPGE/UNESA
Profa. Dra. Giselle Ferreira | giselle-ferreira@puc-rio.br
Educação, PUC-Rio
Profa. Dra. Jaciara Carvalho | jsacarvalho@gmail.com
PPGE/UNESA
Prof. Dr. Alexandre Rosado | alexandre.rosado@gmail.com
PPGEB/INES
Proposta
Problematizar alguns elementos básicos
dos discursos hegemônicos sobre a tecnologia:
O discurso da "neutralidade" da tecnologia.
O otimismo e o “solucionismo” tecnológico.
O ofuscamento de especificidades sociais, culturais, 

econômicas e políticas das tecnologias.
A concepção de tecnologias como “ferramentas” 

(metáfora conceitual).
Encorajar a criticidade com base na análise 

de material representativo do que se diz na área das
tecnologias na educação.
Metodologia: 

abordagem experiencial e dialógica.
Roteiro proposto
1º dia
Apresentações
Comentários iniciais
O que é “crítica”?
Atividade: análise e discussão de tirinhas
Atividade: recebimento de um texto de site 

sobre tecnologia educacional
2º dia
Atividade: análise e discussão sobre o texto 

recebido no dia anterior
Metáforas conceituais e exemplos da Educação
Metáfora da ferramenta
Fechamento e conclusões.
Bibliografia introdutória
O que é “crítica"?
Crítica é um termo polissêmico.
Na academia, possui concepções muito distintas
daquilo que concebe o “senso comum”, em que
criticar é visto como algo pejorativo.
Criticar é identificar relações para
compreender e possibilitar que se
pense em transformação e melhoria.
Crítica demanda contextualização
Algumas perguntas necessárias
De onde vem?
Quem promove?
Com quais intenções?
Porque tem esse nome 

e não outro?
Quais a consequências 

de seu uso?
Quem ganha financeiramente 

e politicamente com isso?
Exemplos de não-neutralidade
Existem técnicas de marketing utilizadas no design
de sites e aplicativos que visam manter o usuário
“vidrado”.
Notificações via push: WhatsApp vs. e-mail
Organização do espaço em farmácias, e
supermercados: distração e consumismo
Recompensas em jogos (slot machines)
“Saco sem fundo”: feeds infindos; autoplay no
YouTube, Instagram e Facebook
Controle das opções: escolhas dos designers já
naturalizadas (Web tem mais de 20 anos)
FOMO (Fear of Missing Out): Medo de Ficar de Fora
How Technology is Highjacking your Mind 

(Como a tecnologia está sequestrando a sua mente) 

https://medium.com/thrive-global/how-technology-hijacks-peoples-minds-from-a-magician-and-
google-s-design-ethicist-56d62ef5edf3
As 7 questões de Neil Postman
“É preciso desconfiar” 

(Selwyn, 2017)
Qual é o problema para o qual 

a tecnologia se afirma como solução?
De quem é o problema?
Que novos problemas serão criados 

com a resolução do problema velho?
Que pessoas e instituições serão 

mais prejudicadas por esta nova tecnologia?
Que mudanças de linguagem estão 

sendo promovidas por essas novas tecnologias?
Que redirecionamentos de poder econômico e político
podem resultar dessa nova tecnologia?
Que usos alternativos poderiam ser feitos da tecnologia?
Discussão
A partir das imagens nos slides
seguintes, o que podemos dizer
sobre a tecnologia?
DICA: pensar na relação entre
artefatos, pessoas e usos.
Fonte:Tirinhas	do	Armandinho

https://tirasarmandinho.tumblr.com
Fonte:MaíraColares

http://colaresmaira.tumblr.com
Sucintamente…
Artefatos materializam 

propósitos de uso específicos
É possível utilizar um objeto criado para
propósitos diferentes daqueles que
fundamentaram seu design e construção:
necessidade, criatividade, “serendipidade” →
usos fortuitos
Porém, há limites nas possibilidades de
“subversão” de usos
Metáforas
Metáforas encapsulam determinadas formas de perceber,
pensar e relacionar-se com o mundo, estruturando o
pensamento e a ação. São analogias condensadas.
A crítica da metáfora como mero ornamento, "engodo"
oratório/estilístico, pertencente à poesia e literatura, mas
não ao pensamento “sério" e científico.
A metáfora e o resgate de sua importância 

como forma de conhecimento.
Metáforas fundamentais (Perelman & Olbrecths-Tyteca,
1996), raiz (Black, 1966) ou conceituais (Lakoff & Johnson,
2002): quando um elenco de metáforas são a elas
subordinadas e coerentes.
O problema da metáfora quando não é vista como somente
uma analogia parcial. Metáforas dizem respeito a
similitudes, e não igualdades de relações.
Algumas metáforas conceituais
Na Educação…
Atividade
Ler o texto
“Inteligência Artificial na
Educação: não ignore, faça
bom uso!"
http://porvir.org/inteligencia-artificial-na-educacao-nao-ignore-faca-bom-uso/
Roteiro
1º passo: leitura livre (“flutuante”)
2º passo: leitura focalizada
Procurar metáforas associadas à inteligência artificial
Usar as questões críticas de Postman
Qual é o problema para o qual 

a tecnologia se afirma como solução?
De quem é o problema?
Que novos problemas serão criados 

com a resolução do problema velho?
Que pessoas e instituições serão 

mais prejudicadas por esta nova tecnologia?
Que mudanças de linguagem estão 

sendo promovidas por essas novas tecnologias?
Que redirecionamentos de poder econômico e político podem resultar
dessa nova tecnologia?
Que usos alternativos poderiam ser feitos da tecnologia?
Tecnologias educacionais 

como ferramentas
Ferramentas são objetos que possibilitam, apoiam ou facilitam a realização
de determinadas tarefas. Constituem-se suporte a ações necessárias à
resolução de problemas de ordem prática.
Tecnologias são, em geral, vistas como simples suportes ou apoios a ações
educacionais, mais "eficientes" para conduzir ações previamente realizadas
de outras maneiras.
Parte-se do pressuposto que novas tecnologias (substituição de suportes)
engendram, por si mesmas, mudanças. Através de novos artefatos haveria a
"solução tecnológica" para situações educacionais "problemáticas".
A neutralidade da tecnologia educacional parece se esvair quando
pensamos que as tarefas a serem executadas por elas foram bem definidas,
compreendidas e representadas no contexto de produção desses artefatos.
São, portanto, ideológicas, quando favorece alguns fins específicos e
obstrui outros. Usar uma "ferramenta" educacional é propor que algo está
quebrado e precisa ser consertado.
Seriam as tecnologias educacionais 

soluções em busca de problemas?
Propósitos de uso são concretizados em
materialidades específicas.
“Mais do mesmo”, um pouco diferente
“Para quem só sabe usar um martelo, todo
problema é prego”
https://unoparitape.com.br/
https://bit.ly/2XgnEKi
https://usemobile.com.br/tecnologia-e-educacao/
Síntese das ideias centrais
Artefatos construídos por pessoas possuem funções,
usos e significados que não são nem "naturais" e muito
menos “neutros”. Seus usos e apropriações são
sustentados por ideologias.
É preciso olhar o contexto econômico, cultural, social e
político de criação/produção de artefatos e os atores
envolvidos na sua promoção: governos, empresas,
ONGs, associações, organismos internacionais.
Identificar os jargões (rótulos) da tecnologia educacional
e questionar a naturalização de ideias que esse tipo de
linguagem sustenta.
Nem os artefatos e nem a linguagem para falar sobre
eles são neutros. Existem posições políticas, culturais e
econômicas dos grupos que os produzem e disseminam.
Acesse nosso e-book
https://ticpe.files.wordpress.com/2017/04/ebook-ticpe-2017.pdf
Referências
DUSEK, V. Filosofia da Tecnologia. São Paulo: Loyola, 2009.
EAGLETON, T. Ideologia. São Paulo: Unesp, 1997.
FERREIRA, G. M. S.; ROSADO, L. A. S.; CARVALHO, J. S. (Org.) Educação e
tecnologia: abordagens críticas. Rio de Janeiro: Editora UNESA, 2017.
FERREIRA, G. M. S.; LEMGRUBER, M. S. Tecnologias educacionais como ferramentas:
Considerações críticas acerca de uma metáfora fundamental. Education Policy Analysis
Archives, v. 26, p. 112, 2018.
LEMGRUBER, M.S.; FERREIRA, G. M. S. Metáforas da Tecnologia Educacional.
Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 23, p. 15-38, 2018.
LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metáforas da vida cotidiana. São Paulo: EDUC e Mercado
de Letras, 2002.
MOROZOV, E. To save everything, click here. The folly of technological solutionism.
Edição para Kindle. Nova Iorque: Public Affairs, 2013.
PERELMAN, C. e OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da Argumentação - a nova
retórica. São Paulo, ed. Martins Fontes, 1996. Trad. de Maria Ermantina Galvão G. Pereira.
RUDIGER, F. Introdução às teorias da cibercultura. Perspectivas, questões e autores.
Porto Alegre: Sulina, 2011.
SELWYN, Neil. Educação e tecnologia: questões críticas. In: FERREIRA, Giselle. M. S.;
ROSADO, Alexandre; CARVALHO, Jaciara de Sá. (Org.) Educação e tecnologia: abordagens
críticas. Rio de Janeiro: SESES/Universidade Estácio de Sá, 2017, p. 85-103
____. Education and Technology: key issues and debates. Edição para Kindle. Londres:
Bloomsbury, 2011.
____. Distrusting Educational Technology. Edição para Kindle. Londres: Routledge,
2014.
____. Is Technology good for Education? Edição pada Kindle. Cambridge: Polity Press,
2016.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação slide 2
Formação slide 2Formação slide 2
Formação slide 2
Lusiane Carvalho da Silva
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
vyrgynya
 
Rede Social Tagarelas: bate-papo online em contexto educacional - torne sua a...
Rede Social Tagarelas: bate-papo online em contexto educacional - torne sua a...Rede Social Tagarelas: bate-papo online em contexto educacional - torne sua a...
Rede Social Tagarelas: bate-papo online em contexto educacional - torne sua a...
Mariano Pimentel
 
TCE - Demo - Tecnologia Educacao Aprendizagem
TCE - Demo - Tecnologia Educacao AprendizagemTCE - Demo - Tecnologia Educacao Aprendizagem
TCE - Demo - Tecnologia Educacao Aprendizagem
Lucila Pesce
 
A corrente pedagógicaa contemporânea - Racional-tecnológica
A corrente pedagógicaa contemporânea - Racional-tecnológicaA corrente pedagógicaa contemporânea - Racional-tecnológica
A corrente pedagógicaa contemporânea - Racional-tecnológica
Domherrera
 
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem fase 2
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem   fase 2Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem   fase 2
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem fase 2
Alice Costa
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Ppt artigo redes amfrc
Ppt artigo redes amfrcPpt artigo redes amfrc
Ppt artigo redes amfrc
Alice Costa
 

Mais procurados (8)

Formação slide 2
Formação slide 2Formação slide 2
Formação slide 2
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Rede Social Tagarelas: bate-papo online em contexto educacional - torne sua a...
Rede Social Tagarelas: bate-papo online em contexto educacional - torne sua a...Rede Social Tagarelas: bate-papo online em contexto educacional - torne sua a...
Rede Social Tagarelas: bate-papo online em contexto educacional - torne sua a...
 
TCE - Demo - Tecnologia Educacao Aprendizagem
TCE - Demo - Tecnologia Educacao AprendizagemTCE - Demo - Tecnologia Educacao Aprendizagem
TCE - Demo - Tecnologia Educacao Aprendizagem
 
A corrente pedagógicaa contemporânea - Racional-tecnológica
A corrente pedagógicaa contemporânea - Racional-tecnológicaA corrente pedagógicaa contemporânea - Racional-tecnológica
A corrente pedagógicaa contemporânea - Racional-tecnológica
 
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem fase 2
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem   fase 2Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem   fase 2
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem fase 2
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Mídia-educação
 
Ppt artigo redes amfrc
Ppt artigo redes amfrcPpt artigo redes amfrc
Ppt artigo redes amfrc
 

Semelhante a Slides para oficina Redes 2019

Cibercultura e teoria da atividade
Cibercultura e teoria da atividadeCibercultura e teoria da atividade
Cibercultura e teoria da atividade
Suzicassia Ribeiro
 
PROPOSTA TEMÁTICA 03
PROPOSTA TEMÁTICA 03PROPOSTA TEMÁTICA 03
PROPOSTA TEMÁTICA 03
Rede De Correções Santiago
 
Tecnologia Educacional
Tecnologia EducacionalTecnologia Educacional
Tecnologia Educacional
eveelang
 
Comunicação de massa e indústria cultural
Comunicação de massa e indústria culturalComunicação de massa e indústria cultural
Comunicação de massa e indústria cultural
Vanessa Souza Pereira
 
“FORMAÇÃO SOB A ÓTICA DA ERA DIGITAL”
“FORMAÇÃO SOB A ÓTICA DA ERA DIGITAL”“FORMAÇÃO SOB A ÓTICA DA ERA DIGITAL”
“FORMAÇÃO SOB A ÓTICA DA ERA DIGITAL”
Valmir Heckler
 
Pdf sobre tecnologias educativas
Pdf sobre tecnologias educativasPdf sobre tecnologias educativas
Pdf sobre tecnologias educativas
tresa45757
 
Tecnologia e educação
Tecnologia e educaçãoTecnologia e educação
Tecnologia e educação
a46287
 
Tecnologia atv03
Tecnologia atv03Tecnologia atv03
Tecnologia atv03
aline totti
 
Informática Educativa - Livro.pdf
Informática Educativa - Livro.pdfInformática Educativa - Livro.pdf
Informática Educativa - Livro.pdf
DomingosMagnoMeloCma
 
Educação, Artes e Tecnologia
Educação, Artes e TecnologiaEducação, Artes e Tecnologia
Educação, Artes e Tecnologia
eveelang
 
Tecnologia Educacional
Tecnologia EducacionalTecnologia Educacional
Tecnologia Educacional
eveelang
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
eveelang
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
eveelang
 
Universidade federal de pelotas do grupo para postar
Universidade federal de pelotas  do grupo para postarUniversidade federal de pelotas  do grupo para postar
Universidade federal de pelotas do grupo para postar
Lucinara Maciel da Conceição
 
Universidade federal de pelotas do grupo para postar
Universidade federal de pelotas  do grupo para postarUniversidade federal de pelotas  do grupo para postar
Universidade federal de pelotas do grupo para postar
Lucinara Maciel da Conceição
 
Odair jose da silva unicid
Odair jose da silva unicidOdair jose da silva unicid
Odair jose da silva unicid
ODAIR JOSÉ
 
Questoes críticas na investigacao qualitativa sob um ponto de vista sociocult...
Questoes críticas na investigacao qualitativa sob um ponto de vista sociocult...Questoes críticas na investigacao qualitativa sob um ponto de vista sociocult...
Questoes críticas na investigacao qualitativa sob um ponto de vista sociocult...
João Matos
 
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
UFPE
 
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em PortugalHistórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
Antonio Dias de Figueiredo
 
Slide aula conceitual_i Inovacao Tecnologica na Docencia do Ensino superior p...
Slide aula conceitual_i Inovacao Tecnologica na Docencia do Ensino superior p...Slide aula conceitual_i Inovacao Tecnologica na Docencia do Ensino superior p...
Slide aula conceitual_i Inovacao Tecnologica na Docencia do Ensino superior p...
Jorge Purgly
 

Semelhante a Slides para oficina Redes 2019 (20)

Cibercultura e teoria da atividade
Cibercultura e teoria da atividadeCibercultura e teoria da atividade
Cibercultura e teoria da atividade
 
PROPOSTA TEMÁTICA 03
PROPOSTA TEMÁTICA 03PROPOSTA TEMÁTICA 03
PROPOSTA TEMÁTICA 03
 
Tecnologia Educacional
Tecnologia EducacionalTecnologia Educacional
Tecnologia Educacional
 
Comunicação de massa e indústria cultural
Comunicação de massa e indústria culturalComunicação de massa e indústria cultural
Comunicação de massa e indústria cultural
 
“FORMAÇÃO SOB A ÓTICA DA ERA DIGITAL”
“FORMAÇÃO SOB A ÓTICA DA ERA DIGITAL”“FORMAÇÃO SOB A ÓTICA DA ERA DIGITAL”
“FORMAÇÃO SOB A ÓTICA DA ERA DIGITAL”
 
Pdf sobre tecnologias educativas
Pdf sobre tecnologias educativasPdf sobre tecnologias educativas
Pdf sobre tecnologias educativas
 
Tecnologia e educação
Tecnologia e educaçãoTecnologia e educação
Tecnologia e educação
 
Tecnologia atv03
Tecnologia atv03Tecnologia atv03
Tecnologia atv03
 
Informática Educativa - Livro.pdf
Informática Educativa - Livro.pdfInformática Educativa - Livro.pdf
Informática Educativa - Livro.pdf
 
Educação, Artes e Tecnologia
Educação, Artes e TecnologiaEducação, Artes e Tecnologia
Educação, Artes e Tecnologia
 
Tecnologia Educacional
Tecnologia EducacionalTecnologia Educacional
Tecnologia Educacional
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Universidade federal de pelotas do grupo para postar
Universidade federal de pelotas  do grupo para postarUniversidade federal de pelotas  do grupo para postar
Universidade federal de pelotas do grupo para postar
 
Universidade federal de pelotas do grupo para postar
Universidade federal de pelotas  do grupo para postarUniversidade federal de pelotas  do grupo para postar
Universidade federal de pelotas do grupo para postar
 
Odair jose da silva unicid
Odair jose da silva unicidOdair jose da silva unicid
Odair jose da silva unicid
 
Questoes críticas na investigacao qualitativa sob um ponto de vista sociocult...
Questoes críticas na investigacao qualitativa sob um ponto de vista sociocult...Questoes críticas na investigacao qualitativa sob um ponto de vista sociocult...
Questoes críticas na investigacao qualitativa sob um ponto de vista sociocult...
 
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
Experiências de aprendizagem aberta, flexível e a distância para a 4ª revoluç...
 
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em PortugalHistórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
Histórias, Mitos e Aspirações das TIC na Educação em Portugal
 
Slide aula conceitual_i Inovacao Tecnologica na Docencia do Ensino superior p...
Slide aula conceitual_i Inovacao Tecnologica na Docencia do Ensino superior p...Slide aula conceitual_i Inovacao Tecnologica na Docencia do Ensino superior p...
Slide aula conceitual_i Inovacao Tecnologica na Docencia do Ensino superior p...
 

Mais de Giselle Ferreira

Roda
RodaRoda
Parte3 livro
Parte3 livroParte3 livro
Parte3 livro
Giselle Ferreira
 
Apresentação do eBook *Educação e Tecnologia: abordagens críticas*
Apresentação do eBook *Educação e Tecnologia: abordagens críticas*Apresentação do eBook *Educação e Tecnologia: abordagens críticas*
Apresentação do eBook *Educação e Tecnologia: abordagens críticas*
Giselle Ferreira
 
Uma faca de dois gumes
Uma faca de dois gumesUma faca de dois gumes
Uma faca de dois gumes
Giselle Ferreira
 
PPGE/UNESA - Acolhimento 2015.2
PPGE/UNESA -  Acolhimento 2015.2PPGE/UNESA -  Acolhimento 2015.2
PPGE/UNESA - Acolhimento 2015.2
Giselle Ferreira
 
Senaed 2015 web
Senaed 2015 webSenaed 2015 web
Senaed 2015 web
Giselle Ferreira
 
Docência com as tecnologias - Aula 2 - slides
Docência com as tecnologias - Aula 2 - slidesDocência com as tecnologias - Aula 2 - slides
Docência com as tecnologias - Aula 2 - slides
Giselle Ferreira
 
Tecnologias e Educação: desafios e possibilidades
Tecnologias e Educação: desafios e possibilidadesTecnologias e Educação: desafios e possibilidades
Tecnologias e Educação: desafios e possibilidades
Giselle Ferreira
 
OERRH Fellow Presentation - January 2014
OERRH Fellow Presentation - January 2014OERRH Fellow Presentation - January 2014
OERRH Fellow Presentation - January 2014
Giselle Ferreira
 
Seminário OportUnidad - UFF
Seminário OportUnidad - UFF Seminário OportUnidad - UFF
Seminário OportUnidad - UFF
Giselle Ferreira
 
9ETIC Presentation
9ETIC Presentation 9ETIC Presentation
9ETIC Presentation
Giselle Ferreira
 

Mais de Giselle Ferreira (11)

Roda
RodaRoda
Roda
 
Parte3 livro
Parte3 livroParte3 livro
Parte3 livro
 
Apresentação do eBook *Educação e Tecnologia: abordagens críticas*
Apresentação do eBook *Educação e Tecnologia: abordagens críticas*Apresentação do eBook *Educação e Tecnologia: abordagens críticas*
Apresentação do eBook *Educação e Tecnologia: abordagens críticas*
 
Uma faca de dois gumes
Uma faca de dois gumesUma faca de dois gumes
Uma faca de dois gumes
 
PPGE/UNESA - Acolhimento 2015.2
PPGE/UNESA -  Acolhimento 2015.2PPGE/UNESA -  Acolhimento 2015.2
PPGE/UNESA - Acolhimento 2015.2
 
Senaed 2015 web
Senaed 2015 webSenaed 2015 web
Senaed 2015 web
 
Docência com as tecnologias - Aula 2 - slides
Docência com as tecnologias - Aula 2 - slidesDocência com as tecnologias - Aula 2 - slides
Docência com as tecnologias - Aula 2 - slides
 
Tecnologias e Educação: desafios e possibilidades
Tecnologias e Educação: desafios e possibilidadesTecnologias e Educação: desafios e possibilidades
Tecnologias e Educação: desafios e possibilidades
 
OERRH Fellow Presentation - January 2014
OERRH Fellow Presentation - January 2014OERRH Fellow Presentation - January 2014
OERRH Fellow Presentation - January 2014
 
Seminário OportUnidad - UFF
Seminário OportUnidad - UFF Seminário OportUnidad - UFF
Seminário OportUnidad - UFF
 
9ETIC Presentation
9ETIC Presentation 9ETIC Presentation
9ETIC Presentation
 

Último

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 

Último (20)

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 

Slides para oficina Redes 2019

  • 1. X Seminário Internacional | As Redes Educativas e as Tecnologias OFICINA 14 Tecnologias digitais na educação: perspectivas críticas UERJ | Auditório 111 - 11º andar | 2 e 3 de julho de 2019 Prof. Dr. Márcio Lemgruber | mslemgruber@gmail.com PPGE/UNESA Profa. Dra. Giselle Ferreira | giselle-ferreira@puc-rio.br Educação, PUC-Rio Profa. Dra. Jaciara Carvalho | jsacarvalho@gmail.com PPGE/UNESA Prof. Dr. Alexandre Rosado | alexandre.rosado@gmail.com PPGEB/INES
  • 2. Proposta Problematizar alguns elementos básicos dos discursos hegemônicos sobre a tecnologia: O discurso da "neutralidade" da tecnologia. O otimismo e o “solucionismo” tecnológico. O ofuscamento de especificidades sociais, culturais, 
 econômicas e políticas das tecnologias. A concepção de tecnologias como “ferramentas” 
 (metáfora conceitual). Encorajar a criticidade com base na análise 
 de material representativo do que se diz na área das tecnologias na educação. Metodologia: 
 abordagem experiencial e dialógica.
  • 3. Roteiro proposto 1º dia Apresentações Comentários iniciais O que é “crítica”? Atividade: análise e discussão de tirinhas Atividade: recebimento de um texto de site 
 sobre tecnologia educacional 2º dia Atividade: análise e discussão sobre o texto 
 recebido no dia anterior Metáforas conceituais e exemplos da Educação Metáfora da ferramenta Fechamento e conclusões.
  • 5. O que é “crítica"? Crítica é um termo polissêmico. Na academia, possui concepções muito distintas daquilo que concebe o “senso comum”, em que criticar é visto como algo pejorativo. Criticar é identificar relações para compreender e possibilitar que se pense em transformação e melhoria.
  • 6. Crítica demanda contextualização Algumas perguntas necessárias De onde vem? Quem promove? Com quais intenções? Porque tem esse nome 
 e não outro? Quais a consequências 
 de seu uso? Quem ganha financeiramente 
 e politicamente com isso?
  • 7. Exemplos de não-neutralidade Existem técnicas de marketing utilizadas no design de sites e aplicativos que visam manter o usuário “vidrado”. Notificações via push: WhatsApp vs. e-mail Organização do espaço em farmácias, e supermercados: distração e consumismo Recompensas em jogos (slot machines) “Saco sem fundo”: feeds infindos; autoplay no YouTube, Instagram e Facebook Controle das opções: escolhas dos designers já naturalizadas (Web tem mais de 20 anos) FOMO (Fear of Missing Out): Medo de Ficar de Fora How Technology is Highjacking your Mind 
 (Como a tecnologia está sequestrando a sua mente) 
 https://medium.com/thrive-global/how-technology-hijacks-peoples-minds-from-a-magician-and- google-s-design-ethicist-56d62ef5edf3
  • 8. As 7 questões de Neil Postman “É preciso desconfiar” 
 (Selwyn, 2017) Qual é o problema para o qual 
 a tecnologia se afirma como solução? De quem é o problema? Que novos problemas serão criados 
 com a resolução do problema velho? Que pessoas e instituições serão 
 mais prejudicadas por esta nova tecnologia? Que mudanças de linguagem estão 
 sendo promovidas por essas novas tecnologias? Que redirecionamentos de poder econômico e político podem resultar dessa nova tecnologia? Que usos alternativos poderiam ser feitos da tecnologia?
  • 9. Discussão A partir das imagens nos slides seguintes, o que podemos dizer sobre a tecnologia? DICA: pensar na relação entre artefatos, pessoas e usos.
  • 12. Sucintamente… Artefatos materializam 
 propósitos de uso específicos É possível utilizar um objeto criado para propósitos diferentes daqueles que fundamentaram seu design e construção: necessidade, criatividade, “serendipidade” → usos fortuitos Porém, há limites nas possibilidades de “subversão” de usos
  • 13. Metáforas Metáforas encapsulam determinadas formas de perceber, pensar e relacionar-se com o mundo, estruturando o pensamento e a ação. São analogias condensadas. A crítica da metáfora como mero ornamento, "engodo" oratório/estilístico, pertencente à poesia e literatura, mas não ao pensamento “sério" e científico. A metáfora e o resgate de sua importância 
 como forma de conhecimento. Metáforas fundamentais (Perelman & Olbrecths-Tyteca, 1996), raiz (Black, 1966) ou conceituais (Lakoff & Johnson, 2002): quando um elenco de metáforas são a elas subordinadas e coerentes. O problema da metáfora quando não é vista como somente uma analogia parcial. Metáforas dizem respeito a similitudes, e não igualdades de relações.
  • 16. Atividade Ler o texto “Inteligência Artificial na Educação: não ignore, faça bom uso!" http://porvir.org/inteligencia-artificial-na-educacao-nao-ignore-faca-bom-uso/
  • 17. Roteiro 1º passo: leitura livre (“flutuante”) 2º passo: leitura focalizada Procurar metáforas associadas à inteligência artificial Usar as questões críticas de Postman Qual é o problema para o qual 
 a tecnologia se afirma como solução? De quem é o problema? Que novos problemas serão criados 
 com a resolução do problema velho? Que pessoas e instituições serão 
 mais prejudicadas por esta nova tecnologia? Que mudanças de linguagem estão 
 sendo promovidas por essas novas tecnologias? Que redirecionamentos de poder econômico e político podem resultar dessa nova tecnologia? Que usos alternativos poderiam ser feitos da tecnologia?
  • 18. Tecnologias educacionais 
 como ferramentas Ferramentas são objetos que possibilitam, apoiam ou facilitam a realização de determinadas tarefas. Constituem-se suporte a ações necessárias à resolução de problemas de ordem prática. Tecnologias são, em geral, vistas como simples suportes ou apoios a ações educacionais, mais "eficientes" para conduzir ações previamente realizadas de outras maneiras. Parte-se do pressuposto que novas tecnologias (substituição de suportes) engendram, por si mesmas, mudanças. Através de novos artefatos haveria a "solução tecnológica" para situações educacionais "problemáticas". A neutralidade da tecnologia educacional parece se esvair quando pensamos que as tarefas a serem executadas por elas foram bem definidas, compreendidas e representadas no contexto de produção desses artefatos. São, portanto, ideológicas, quando favorece alguns fins específicos e obstrui outros. Usar uma "ferramenta" educacional é propor que algo está quebrado e precisa ser consertado. Seriam as tecnologias educacionais 
 soluções em busca de problemas?
  • 19. Propósitos de uso são concretizados em materialidades específicas. “Mais do mesmo”, um pouco diferente “Para quem só sabe usar um martelo, todo problema é prego”
  • 23. Síntese das ideias centrais Artefatos construídos por pessoas possuem funções, usos e significados que não são nem "naturais" e muito menos “neutros”. Seus usos e apropriações são sustentados por ideologias. É preciso olhar o contexto econômico, cultural, social e político de criação/produção de artefatos e os atores envolvidos na sua promoção: governos, empresas, ONGs, associações, organismos internacionais. Identificar os jargões (rótulos) da tecnologia educacional e questionar a naturalização de ideias que esse tipo de linguagem sustenta. Nem os artefatos e nem a linguagem para falar sobre eles são neutros. Existem posições políticas, culturais e econômicas dos grupos que os produzem e disseminam.
  • 25. Referências DUSEK, V. Filosofia da Tecnologia. São Paulo: Loyola, 2009. EAGLETON, T. Ideologia. São Paulo: Unesp, 1997. FERREIRA, G. M. S.; ROSADO, L. A. S.; CARVALHO, J. S. (Org.) Educação e tecnologia: abordagens críticas. Rio de Janeiro: Editora UNESA, 2017. FERREIRA, G. M. S.; LEMGRUBER, M. S. Tecnologias educacionais como ferramentas: Considerações críticas acerca de uma metáfora fundamental. Education Policy Analysis Archives, v. 26, p. 112, 2018. LEMGRUBER, M.S.; FERREIRA, G. M. S. Metáforas da Tecnologia Educacional. Educação em Foco, Juiz de Fora, v. 23, p. 15-38, 2018. LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metáforas da vida cotidiana. São Paulo: EDUC e Mercado de Letras, 2002. MOROZOV, E. To save everything, click here. The folly of technological solutionism. Edição para Kindle. Nova Iorque: Public Affairs, 2013. PERELMAN, C. e OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da Argumentação - a nova retórica. São Paulo, ed. Martins Fontes, 1996. Trad. de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. RUDIGER, F. Introdução às teorias da cibercultura. Perspectivas, questões e autores. Porto Alegre: Sulina, 2011. SELWYN, Neil. Educação e tecnologia: questões críticas. In: FERREIRA, Giselle. M. S.; ROSADO, Alexandre; CARVALHO, Jaciara de Sá. (Org.) Educação e tecnologia: abordagens críticas. Rio de Janeiro: SESES/Universidade Estácio de Sá, 2017, p. 85-103 ____. Education and Technology: key issues and debates. Edição para Kindle. Londres: Bloomsbury, 2011. ____. Distrusting Educational Technology. Edição para Kindle. Londres: Routledge, 2014. ____. Is Technology good for Education? Edição pada Kindle. Cambridge: Polity Press, 2016.