SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 74
Arquitetura e Urbanismo




                          1
Os romanos eram um povo de lavradores que conquistaram um
império;
Sentido prático, realista, virado para o concreto;
O pragmatismo marca todas as realizações romanas;
Pragmático – sentido prático, atitude que privilegia a utilidade e
a eficiência




                                                                     2
Para os gregos as coisas tinham de ser belas

Para os romanos tinham de ser úteis




Esta característica é aplicada em todas as suas ações:
guerra, arte, cultura, escrita, obra jurídica…
                                                         3
Urbanismo romano
Cidade romana de Timgad (Norte de África)




                                            4
Sistema ortogonal
cardo   Duas ruas principais que se cruzavam
        no centro da cidade




                        decumanos



                    Perto do cruzamento do
                    cardo e decumanos situa-
                    se o fórum

                                           5
Planta da cidade grega de
Mileto, traduzindo o pensamento
do arquiteto Hipódamo




Acampamento da legião romana
                                  6
Fórum romano




               7
Fórum romano




Fórum é a praça pública da cidade romana


                                           8
No fórum encontravam-se os principais edifícios administrativos:

Basílica: estrutura multifunções: tribunal, sala de reuniões;

Cúria: local onde se reunia o Senado;

Também se encontram os templos mais importantes.




Reconstituição do fórum romano
                                                                9
A cidade de Roma tinha vários fóruns




                                       10
Reconstituição do fórum romano




                                 11
fórum romano




               12
Planta da cidade de Pompeia




                              13
Gosto dos romanos pela monumentalidade




                                         14
Roma era a capital de um vasto império e todos os imperadores
procuraram construir novos e grandiosos edifícios que mostrassem a
glória da cidade:



                                    Bibliotecas
   Mercados públicos




                                       Mercado de Tongóbriga,
                                       (Marco de Canavezes)

                                                                15
16
Termas de Caracala




                     17
Aqueduto romano




Os aquedutos eram fundamentais para permitir um abastecimento
constante às cidades


                                                            18
Anfiteatros
O Coliseu de Roma, lotação 70.000 espetadores




                                                19
Circo Máximo
Realizavam-se corridas de carros (quadrigas e bigas)
Lotação para 250.000 espetadores




                                                       20
Teatro romano




                21
Dispersas por três continentes as cidades romanas partilharam um
padrão urbanístico comum:
O fórum, as termas, as basílicas, os aquedutos, as ruas calçadas de
pedras, o anfiteatro, o teatro, os templos, os mesmos tipos de
casas, o mesmo gosto pela exuberância e monumentalidade.
O exemplo a seguir é Roma.


           Conimbriga                     Palmira (atual Síria)




                                                                  22
A arquitetura romana

A arquitetura é a expressão mais importante da expressão artística
romana

Os imperadores investiram nas obras públicas, de Roma e das
outras cidades do império




                                                                 23
“Pragmática e funcional, a arquitetura romana preocupou-se
essencialmente com a resolução dos aspetos práticos e técnicos
da arte de construir, respondendo com soluções criativas e
inovadoras (precursoras dos modernos sistemas e conceções de
edificação) às crescentes necessidades
demográficas, económicas, políticas e culturais da cidade e do
Império”.

                          René Huyghe, Sentido e destino da Arte


 Influências: etruscas e gregas



                                                                 24
Influências gregas: decoração arquitetónica (ordens gregas)
Ágora – fórum
Colecionadores importavam arte grega. Cópias das estátuas
gregas

                                                              25
opus caementicium – argamassa de cal, areia, materiais
cerâmicos, calcário, cascalho e pozolana (material vulcânico) –
obtinham uma pasta moldável semelhante ao atual cimento ou
betão.




                                                                  26
A Utilização do opus:

Facilita a construção – mais leve, moldável, menos pessoal
especializado, mais barato;

Paramentos – revestimentos exteriores e interiores
Pedra, tijolo, mármore, ladrilhos, mosaicos, estuque
pintado, etc.




                                                             27
Novos sistemas construtivos: tendo por base o arco de volta
perfeita: abóbadas, cúpulas e arcadas (conjunto de colunas
unidas por arcos)



                                                              28
Abóbada de berço

Abóbada de arestas – intersecção de 2 abóbodas de berço




                                                          29
• Não inventaram o arco (conhecido na
  Mesopotâmia, Etrúria, Grécia…) mas utilizaram-no de uma
  maneira sistemática e original, combinando-o com os novos
  materiais.




                                                              30
Desenvolvimento de técnicas e dos instrumentos de engenharia:

técnicas de terraplanagem;
inventaram as cofragens e os cimbres;
desenvolveram métodos de construção quase estandardizados;
utilizaram grampos de metal para fortalecer as juntas.




                                                                31
Cofragem – molde de madeira destinado a conter a massa
de betão fresco;

Cimbres – armação de madeira que molda os arcos.




    Cofragem                          Cimbre




                                                         32
Interior de uma basílica romana




                                  33
Basílicas (reconstituições)




                              34
Demonstraram génio inventivo, sentido prático. Associaram à
solidez a economia de materiais, de meios e de mão-de-obra.




                                                              35
Barroquismo da decoração: exagero
ornamental;
Utilizaram as ordens gregas, muitas vezes
sem funções estruturais, apenas
decorativas;
Inventaram as ordens toscana e
compósita
Ordens mais utilizadas: compósita e
coríntia




                                            36
Arquitetura privada




                      37
Domus romana
               38
Dois pátios interiores:
Domus – residência privada   Peristilo e átrio
                             Peristilum e atrium




                                                       39
O modelo de casa variava
conforme a riqueza de cada
família.




                             40
As villae (singular: villa), eram residências construídas no meio rural
e por isso com dependências para atividades agrícolas.




                                                                    41
Insulae, (singular: insula) prédios com várias habitações




                                                            42
As insulae eram prédios de habitação com vários
andares, chegaram a atingir os oito.
O rés do chão era destinado a lojas de comércio.
Os andares estavam divididos em apartamentos – cenacula.




                                                           43
Arquitetura Religiosa




                        44
Maison Carré, Nimes (França), 16 a.c.




                                        45
Fortuna Virilis, Roma, I a.c.




                                46
Características dos templos romano:

Pódio;
Carácter frontal (escadaria, pórtico);
Planta retangular;
Muitas vezes não tinham peristilo (colunas laterais adossadas à
parede;
Colunas e entablamento à maneira grega.




                                                                  47
Panteão Romano, Roma, II d.c




                               48
Panteão
Romano, Roma, II d.c




                       49
Panteão
Romano, Roma,
II d.c




                50
Panteão Romano, Roma, II d.c




                               51
Arquitetura e obras públicas

Construções públicas mostram o génio romano (capacidade
técnica e soluções originais);
Expansão territorial levou à necessidade de construir;
Arquitetura é uma forma de demonstrar o poder de Roma e do
Imperador;
Começaram no período republicano. No período imperial
desenvolveram construções mais grandiosas e complexas;
Tipos de obras:
estradas, pontes, aquedutos, basílicas, anfiteatros, teatros, terma
s…



                                                                 52
Ponte e aqueduto do Gard, França, I a.c.




                                           53
Estradas romanas




                   54
Estradas




           55
Basílicas: edifício multifunções (repartições
públicas, termas, mercados, na época cristã será adotada como
modelo das igrejas)


                                         Planta de uma igreja
                                         Cruzamento de duas
                                         basílicas




                                                                56
ruínas, Basílica Maxêncio




As basílicas eram construções planeadas para albergar um
grande número de pessoas
Basílicas mais conhecidas: Júlia, Emilia, Úlpia, Maxêncio

                                                            57
Anfiteatros:
estruturas destinadas ao lazer;
Planta circular ou elíptica;
Altura de vários andares;
Eram construídos segundo um complexo esquema de abóbadas
e arcos;
Realizavam-se as atividades circenses.




                                                           58
Anfiteatro Flávio, Coliseu, Roma, I d.c.




                                           59
Anfiteatro Flávio, Coliseu, Roma, I d.c.




                                           60
Anfiteatro Flávio, Coliseu, Roma, I d.c.




                                           61
O anfiteatro Flávio (72 d.c.) foi mandado construir pelo imperador
Vespasiano;
Terá sido construído em 8 a 10 anos.
As estimativas da sua capacidade variam entre 50.000 a 80.000
espetadores;
Foi construído utilizando o opus. Tem vários tipos de revestimento
(paramentos).




                                                                62
Anfiteatro de Arles, França, I d.c.




                                      63
Anfiteatro de Pompeia




                        64
Circo Máximo, Roma,




Destinava-se a corridas de quadrigas e bigas. Capacidade para
250.000 espetadores
                                                                65
Teatros: semelhantes aos anfiteatros na forma e na
decoração, mas mais pequenos
Erguiam-se em qualquer lugar (não precisavam de uma colina)
Teatro de Marcelo (Roma)




                                                              66
Termas: balneários públicos, locais de encontro e convívio
Piscinas de água fria e quente, saunas, ginásios, bibliotecas, salas
de reunião, teatros, lojas, jardins…




                                                                  67
Termas de Caracala, III d.c.,
Roma, (350 metros de lado)




                                68
Termas de Diocleciano, Roma, III d.c.




                                        69
Aqueduto romano




                  70
Arquitetura comemorativa




                           71
Arco do Triunfo,
                                Constantino, III d.c.




                    Arco do Triunfo,
                    Orange, I d.c


Os Arcos do Triunfo destinavam-se a comemorar vitórias
                                                         72
Timgad, Argélia, I d.c.




                          73
As construções romanas eram essencialmente urbanas e utilitárias.
Procuravam impressionar, tinham uma intenção propagandística.




                                                               74

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialO urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialSusana Simões
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidadehome
 
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaArte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaSusana Simões
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direitoNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romanabamp
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaCarlos Vieira
 
12 formação do império romano
12   formação do império romano12   formação do império romano
12 formação do império romanoCarla Freitas
 
09 civilização grega
09   civilização grega09   civilização grega
09 civilização gregaCarla Freitas
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualizaçãocattonia
 
Arquitetura e engenharia Roma Antiga
Arquitetura e engenharia Roma AntigaArquitetura e engenharia Roma Antiga
Arquitetura e engenharia Roma AntigaAmanda Barp
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anojorgina8
 
Módulo 2 a arte
Módulo 2   a arteMódulo 2   a arte
Módulo 2 a artecattonia
 

Mais procurados (20)

O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialO urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaArte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Urbanismo roma xp[1]
Urbanismo roma xp[1]Urbanismo roma xp[1]
Urbanismo roma xp[1]
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Urbanização da Roma Antiga
Urbanização da Roma AntigaUrbanização da Roma Antiga
Urbanização da Roma Antiga
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 
12 formação do império romano
12   formação do império romano12   formação do império romano
12 formação do império romano
 
09 civilização grega
09   civilização grega09   civilização grega
09 civilização grega
 
Módulo 2 contextualização
Módulo 2   contextualizaçãoMódulo 2   contextualização
Módulo 2 contextualização
 
Arquitetura e engenharia Roma Antiga
Arquitetura e engenharia Roma AntigaArquitetura e engenharia Roma Antiga
Arquitetura e engenharia Roma Antiga
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
Módulo 2 a arte
Módulo 2   a arteMódulo 2   a arte
Módulo 2 a arte
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 

Semelhante a Roma apresentação 2

Semelhante a Roma apresentação 2 (20)

A r t e r o m a
A r t e   r o m aA r t e   r o m a
A r t e r o m a
 
A Arte romana
A Arte romanaA Arte romana
A Arte romana
 
54405582 aula-06-arquitetura-romana
54405582 aula-06-arquitetura-romana54405582 aula-06-arquitetura-romana
54405582 aula-06-arquitetura-romana
 
A arte romana
A arte romana A arte romana
A arte romana
 
A arte romana
A arte romanaA arte romana
A arte romana
 
A arte romana
A arte romanaA arte romana
A arte romana
 
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 20122c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
 
Cultura Romana
Cultura RomanaCultura Romana
Cultura Romana
 
Arte em roma
Arte em romaArte em roma
Arte em roma
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Arte romana 2019
Arte romana 2019Arte romana 2019
Arte romana 2019
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp012c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
4 arte romana 2020
4 arte romana 20204 arte romana 2020
4 arte romana 2020
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
arte romana.pdf
arte romana.pdfarte romana.pdf
arte romana.pdf
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
 
A cultura do senado
A cultura  do senadoA cultura  do senado
A cultura do senado
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdfVítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdfVítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdfVítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdfVítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdfVítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdfVítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdfVítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdfVítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdfVítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdfVítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdfVítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdfVítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdfVítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdfVítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdfVítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdfVítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 

Roma apresentação 2

  • 2. Os romanos eram um povo de lavradores que conquistaram um império; Sentido prático, realista, virado para o concreto; O pragmatismo marca todas as realizações romanas; Pragmático – sentido prático, atitude que privilegia a utilidade e a eficiência 2
  • 3. Para os gregos as coisas tinham de ser belas Para os romanos tinham de ser úteis Esta característica é aplicada em todas as suas ações: guerra, arte, cultura, escrita, obra jurídica… 3
  • 4. Urbanismo romano Cidade romana de Timgad (Norte de África) 4
  • 5. Sistema ortogonal cardo Duas ruas principais que se cruzavam no centro da cidade decumanos Perto do cruzamento do cardo e decumanos situa- se o fórum 5
  • 6. Planta da cidade grega de Mileto, traduzindo o pensamento do arquiteto Hipódamo Acampamento da legião romana 6
  • 8. Fórum romano Fórum é a praça pública da cidade romana 8
  • 9. No fórum encontravam-se os principais edifícios administrativos: Basílica: estrutura multifunções: tribunal, sala de reuniões; Cúria: local onde se reunia o Senado; Também se encontram os templos mais importantes. Reconstituição do fórum romano 9
  • 10. A cidade de Roma tinha vários fóruns 10
  • 13. Planta da cidade de Pompeia 13
  • 14. Gosto dos romanos pela monumentalidade 14
  • 15. Roma era a capital de um vasto império e todos os imperadores procuraram construir novos e grandiosos edifícios que mostrassem a glória da cidade: Bibliotecas Mercados públicos Mercado de Tongóbriga, (Marco de Canavezes) 15
  • 16. 16
  • 18. Aqueduto romano Os aquedutos eram fundamentais para permitir um abastecimento constante às cidades 18
  • 19. Anfiteatros O Coliseu de Roma, lotação 70.000 espetadores 19
  • 20. Circo Máximo Realizavam-se corridas de carros (quadrigas e bigas) Lotação para 250.000 espetadores 20
  • 22. Dispersas por três continentes as cidades romanas partilharam um padrão urbanístico comum: O fórum, as termas, as basílicas, os aquedutos, as ruas calçadas de pedras, o anfiteatro, o teatro, os templos, os mesmos tipos de casas, o mesmo gosto pela exuberância e monumentalidade. O exemplo a seguir é Roma. Conimbriga Palmira (atual Síria) 22
  • 23. A arquitetura romana A arquitetura é a expressão mais importante da expressão artística romana Os imperadores investiram nas obras públicas, de Roma e das outras cidades do império 23
  • 24. “Pragmática e funcional, a arquitetura romana preocupou-se essencialmente com a resolução dos aspetos práticos e técnicos da arte de construir, respondendo com soluções criativas e inovadoras (precursoras dos modernos sistemas e conceções de edificação) às crescentes necessidades demográficas, económicas, políticas e culturais da cidade e do Império”. René Huyghe, Sentido e destino da Arte Influências: etruscas e gregas 24
  • 25. Influências gregas: decoração arquitetónica (ordens gregas) Ágora – fórum Colecionadores importavam arte grega. Cópias das estátuas gregas 25
  • 26. opus caementicium – argamassa de cal, areia, materiais cerâmicos, calcário, cascalho e pozolana (material vulcânico) – obtinham uma pasta moldável semelhante ao atual cimento ou betão. 26
  • 27. A Utilização do opus: Facilita a construção – mais leve, moldável, menos pessoal especializado, mais barato; Paramentos – revestimentos exteriores e interiores Pedra, tijolo, mármore, ladrilhos, mosaicos, estuque pintado, etc. 27
  • 28. Novos sistemas construtivos: tendo por base o arco de volta perfeita: abóbadas, cúpulas e arcadas (conjunto de colunas unidas por arcos) 28
  • 29. Abóbada de berço Abóbada de arestas – intersecção de 2 abóbodas de berço 29
  • 30. • Não inventaram o arco (conhecido na Mesopotâmia, Etrúria, Grécia…) mas utilizaram-no de uma maneira sistemática e original, combinando-o com os novos materiais. 30
  • 31. Desenvolvimento de técnicas e dos instrumentos de engenharia: técnicas de terraplanagem; inventaram as cofragens e os cimbres; desenvolveram métodos de construção quase estandardizados; utilizaram grampos de metal para fortalecer as juntas. 31
  • 32. Cofragem – molde de madeira destinado a conter a massa de betão fresco; Cimbres – armação de madeira que molda os arcos. Cofragem Cimbre 32
  • 33. Interior de uma basílica romana 33
  • 35. Demonstraram génio inventivo, sentido prático. Associaram à solidez a economia de materiais, de meios e de mão-de-obra. 35
  • 36. Barroquismo da decoração: exagero ornamental; Utilizaram as ordens gregas, muitas vezes sem funções estruturais, apenas decorativas; Inventaram as ordens toscana e compósita Ordens mais utilizadas: compósita e coríntia 36
  • 39. Dois pátios interiores: Domus – residência privada Peristilo e átrio Peristilum e atrium 39
  • 40. O modelo de casa variava conforme a riqueza de cada família. 40
  • 41. As villae (singular: villa), eram residências construídas no meio rural e por isso com dependências para atividades agrícolas. 41
  • 42. Insulae, (singular: insula) prédios com várias habitações 42
  • 43. As insulae eram prédios de habitação com vários andares, chegaram a atingir os oito. O rés do chão era destinado a lojas de comércio. Os andares estavam divididos em apartamentos – cenacula. 43
  • 45. Maison Carré, Nimes (França), 16 a.c. 45
  • 47. Características dos templos romano: Pódio; Carácter frontal (escadaria, pórtico); Planta retangular; Muitas vezes não tinham peristilo (colunas laterais adossadas à parede; Colunas e entablamento à maneira grega. 47
  • 52. Arquitetura e obras públicas Construções públicas mostram o génio romano (capacidade técnica e soluções originais); Expansão territorial levou à necessidade de construir; Arquitetura é uma forma de demonstrar o poder de Roma e do Imperador; Começaram no período republicano. No período imperial desenvolveram construções mais grandiosas e complexas; Tipos de obras: estradas, pontes, aquedutos, basílicas, anfiteatros, teatros, terma s… 52
  • 53. Ponte e aqueduto do Gard, França, I a.c. 53
  • 55. Estradas 55
  • 56. Basílicas: edifício multifunções (repartições públicas, termas, mercados, na época cristã será adotada como modelo das igrejas) Planta de uma igreja Cruzamento de duas basílicas 56
  • 57. ruínas, Basílica Maxêncio As basílicas eram construções planeadas para albergar um grande número de pessoas Basílicas mais conhecidas: Júlia, Emilia, Úlpia, Maxêncio 57
  • 58. Anfiteatros: estruturas destinadas ao lazer; Planta circular ou elíptica; Altura de vários andares; Eram construídos segundo um complexo esquema de abóbadas e arcos; Realizavam-se as atividades circenses. 58
  • 59. Anfiteatro Flávio, Coliseu, Roma, I d.c. 59
  • 60. Anfiteatro Flávio, Coliseu, Roma, I d.c. 60
  • 61. Anfiteatro Flávio, Coliseu, Roma, I d.c. 61
  • 62. O anfiteatro Flávio (72 d.c.) foi mandado construir pelo imperador Vespasiano; Terá sido construído em 8 a 10 anos. As estimativas da sua capacidade variam entre 50.000 a 80.000 espetadores; Foi construído utilizando o opus. Tem vários tipos de revestimento (paramentos). 62
  • 63. Anfiteatro de Arles, França, I d.c. 63
  • 65. Circo Máximo, Roma, Destinava-se a corridas de quadrigas e bigas. Capacidade para 250.000 espetadores 65
  • 66. Teatros: semelhantes aos anfiteatros na forma e na decoração, mas mais pequenos Erguiam-se em qualquer lugar (não precisavam de uma colina) Teatro de Marcelo (Roma) 66
  • 67. Termas: balneários públicos, locais de encontro e convívio Piscinas de água fria e quente, saunas, ginásios, bibliotecas, salas de reunião, teatros, lojas, jardins… 67
  • 68. Termas de Caracala, III d.c., Roma, (350 metros de lado) 68
  • 69. Termas de Diocleciano, Roma, III d.c. 69
  • 72. Arco do Triunfo, Constantino, III d.c. Arco do Triunfo, Orange, I d.c Os Arcos do Triunfo destinavam-se a comemorar vitórias 72
  • 74. As construções romanas eram essencialmente urbanas e utilitárias. Procuravam impressionar, tinham uma intenção propagandística. 74