SlideShare uma empresa Scribd logo
Arte romana
Cristiane Seibt
• A soberania do Império Romano, sem
paralelos na história, estendia-se da
Espanha ao sul da Rússia, da Inglaterra
ao Egito e em seu apogeu absorveu em
sua arte toda a influência dos povos que
dominou.
Horácio
Pensador Romano
“ A Grécia conquistada
conquistou seu brutal
conquistador”
• Buscando a expansão de seu império, ao
invadirem terras estrangeiras os romanos
assimilaram os costumes e traços das
culturas mais antigas – particularmente da
grega – e transmitiram essa mescla
cultural (greco-romana) a toda a Europa
Ocidental e ao norte da África. Com isso,
a arte romana passou a ser referência
para a arte de todos os períodos
posteriores.
• Fascinados pela beleza da arte grega,
imediatamente foram contagiados pelos
seus padrões e valores estéticos. Nesse
afã, navios gregos traziam em seu bojo
muito mármore e bronze com a finalidade
de adornar as construções romanas.
Quando findaram as peças originais, os
artistas romanos passaram então a
reproduzi-las.
• Num segundo momento, os romanos
mudaram alguns aspectos da arte e
filosofia gregas, imprimindo suas próprias
características, que eram organização e
funcionalidade.
• Uma marca de sua organização se
observa na urbanização de suas cidades
e, particularmente, um traço herdado da
cultura etrusca, que a antecedeu na Itália,
que eram as ruas com direção norte-sul, e
leste-oeste, em cuja intersecção havia um
fórum. Observe que este mesmo modelo
se repete até hoje em nossas cidades
brasileiras. Isso nos leva a concluir que a
arte romana é menos idealizada que a
arte clássica grega, além de ser mais
duradoura e funcional.
• Grande parte da produção artística
romana estava calcada no propósito de
um benefício prático, voltada para o bem
comum, como construção de aquedutos,
pontes, estradas, sanitários e termas,
sendo que esta última desempenhava um
papel de centro de reuniões sociais em
Roma.
ESCULTURAS
• Os romanos inspiraram-se também na
escultura grega, mas sua escultura
desenvolveu um estilo próprio quando
deixaram de cultuar um ideal de beleza
humana e, por serem mais realistas e
práticos, passaram a representar fielmente
imperadores e homens de sua própria
sociedade. Portanto, por ser mais realista
que idealista, a estatuária romana teve seu
apogeu nos bustos.
• Isso se deve à afirmação do Estado
imperial romano, à necessidade de
elaboração de uma cultura voltada ao
Estado, que se realizava na preservação
da memoria dos grandes personagens
políticos de Roma. A estatuária, a
construção dos arcos de triunfo e as
colunas foram expressões dessa
preocupação do Estado romano.
Apolo, 460 a.C., autor
anônimo.
Reconstrução romana
de estátua grega,
museu do Louvre, em
Paris.
Retrato de Augusto
• Ainda na escultura, encontramos no
relevo narrativo outra importante
expressão da arte romana. Decorando as
fachadas dos arcos de triunfo e colunas
triunfais, os relevos descreviam cenas de
vitórias das batalhas de conquistas do
Império Romano.
• Os arcos de triunfo são pórticos
monumentais, erigidos em homenagem
aos imperadores e generais vitoriosos em
suas batalhas. O mais famoso deles é o
Arco de Tito, construído em mármore, no
Fórum Romano, para comemorar a
tomada de Jerusalém. Outro tipo de
monumento feito para homenagear seus
heróis, é a coluna triunfal, sendo a Coluna
de Trajano a mais importante de todas.
Arco do
Triunfo
Coluna de
Trajano
• Os feitos de Trajano estão estampados
em espiral, em relevo, em todo o fuste
desta coluna. Portanto, concluímos que
por estar visivelmente enraizado na
filosofia e no modus vivendi dos romanos,
retratos e relevos narrativos são a
expressão genuína de sua escultura.
• Diferentemente da pintura e da escultura,
que provocam acalorados debates sobre
sua originalidade, é inquestionável o estilo
novo e arrojado criado na arquitetura
pelos romanos.
• É indiscutível a influência que os etruscos
e gregos exerceram sobre a cultura
romana. Os etruscos, no século X a.C.,
oriundos da Ásia Menor, fixaram-se na
Itália, na região da Toscana.
Aproximadamente 200 anos mais tarde,
atingiram as florescentes cidades das
colônias gregas na Itália, a então
chamada, na época, Graecia Magna, a
Grande Grécia. Ali deixaram provas
incontestes de sua criatividade e de sua
produção artística.
• Os etruscos ensinaram aos romanos muito
da arte de construir. Os próprios escritores
romanos declararam, em seus escritos,
serem os etruscos grandes mestres da
agrimensura, da engenharia arquitetônica e
do planejamento urbano. Pouco restou, tanto
da arquitetura etrusca, quanto da romana
inicial, mas as recentes escavações,
somadas às informações coletadas, dão
prova de que os etruscos foram construtores
extremamente habilidosos.
• Um dos mais importantes legados dos
etruscos aos romanos talvez tenha sido o
arco de plena volta, constituído de seções
cuneiformes, que se mantêm firmemente
engastadas, e em seu ápice, recebe a
pedra angular, que lhe dá força e
sustentação.
• Não foram os etruscos os inventores do
arco, pois ele remonta os egípcios, mas
deram-lhe um lugar de destaque em suas
construções nos portões de entrada de
suas cidades. Preocupavam-se muito
mais com o aspecto funcional do que
estético dos arcos.
• É inconcebível pensar no
desenvolvimento de Roma sem o arco e
suas consequências: a abóbada de
berço, um meio cilíndrico; a abóbada de
arestas, constituída de duas outras
abóbadas semicilíndricas que se
cruzam em ângulos retos; e o domo,
outra obra-prima da arquitetura romana.
• Ao construir seus edifícios, os gregos
priorizavam sua beleza e, raramente,
enfatizavam o objetivo de acomodar
grande número de pessoas sob seu teto;
até mesmo os templos, considerados
moradas dos deuses, não se destinavam
ao agrupamento dos fiéis.
• Os romanos, por sua vez, tornaram-se um
“povo de interiores”, por razões climáticas,
provavelmente devido ao clima frio daquela
época, bastante diferente do de hoje, ou talvez
também devido aos perigos das florestas
cheias de animais que circundavam seus
centros urbanos, ou ainda devido à
aglomeração da população que buscava suas
cidades, tudo isso gerou a necessidade de
construção de edifícios que servissem como
locais de encontro, além de edifícios
administrativos. Por tais razões, as construções
gregas, embora muito admiradas pelos romanos,
deixaram de servir aos seus propósitos.
• Para atender às necessidades crescentes
dos cidadãos, a arquitetura romana teve
que criar novos métodos de construção
mais rápidos e com materiais mais
baratos.
• Daí observarmos que, no campo da
arquitetura e da engenharia, as grandes
contribuições romanas foram o
desenvolvimento do domo, do arco e da
abóbada, e a construção desses elementos só
foi possível graças ao concreto, um material
criado por eles. Essas criações permitiram
cobrir grandes espaços fechados internos,
sem que fosse necessária a interferência de
sustentação por colunas, ampliando, assim, a
área útil de circulação (ver o Panteon).
Podemos concluir então que o arco foi a
grande marca da arquitetura romana.
• Arco ou arco de volta perfeita: designa um
elemento construtivo em curva.
• Abóbada cilíndrica: também chamada de
abóbada de berço, construída como um
contínuo arco de volta perfeita.
• Abóbada de aresta: formada da junção de
duas abóbadas cilíndricas de mesma
altura, em cuja intersecção resulta um
ângulo reto.
• Exemplo desse arrojo vemos na
construção do grande anfiteatro, no centro
da cidade velha, em Roma, o famoso
Coliseu, considerado uma obra-prima da
arquitetura romana. Com o propósito de
oferecer diversão ao povo e deleite aos
seus imperadores, o local podia acomodar
cinquenta mil espectadores e é
considerado ainda hoje uma das maiores
construções do mundo. Sua estrutura
principal, com um
• planejamento extremamente eficiente,
guarda em seu interior quilômetros de
galerias abobadadas, que garantem o
fluxo regular em torno de toda a arena, e
foi construída com uma espécie de
concreto. Seu exterior, monumental, é
revestido com pedras lapidadas. Nele
notam-se ainda traços da arquitetura
grega, especialmente no uso de meias-
colunas e pilastras que identificam as
ordens gregas.
Coliseu
• Outra obra-prima que documenta a
inventividade e ousadia da engenharia
romana, através de novos materiais, é o
Panteon. Permitiu aos romanos criarem
um dos mais belos exemplos de um
enorme espaço aberto, sem colunas de
sustentação.
• Em sua obra, Janson faz uma magnífica
descrição do Panteon, quando assim o
descreve: As mesmas inovações em
engenharia e materiais permitiram que os
romanos também criassem enormes espaços
abertos. Dentre eles, o mais bem preservado é
o Panteon, um templo circular e enorme,
dedicado, como o próprio nome diz, a todos os
deuses. O pórtico, originalmente precedido por
um átrio com colunatas que obstruíam a visão
que agora temos das paredes circulares, parece a
entrada comum de um templo romano típico
(derivado das fachadas dos templos gregos, com
colunas segundo a ordem coríntia).
• Ainda mais empolgante, então, é a vista que
temos ao passar pelos majestosos portais,
quando o grande espaço abobadado abre-se
diante de nós num repente dramático. A partir
da pesada sobriedade da parede externa,
pode-se deduzir que não foi fácil para o
arquiteto resolver os problemas de engenharia
ligados à sustentação do imenso hemisfério de
um domo. Do lado de fora, nada faz pressupor
a leveza e elegância do interior; as fotos não
conseguem reproduzir isso com fidelidade, e
mesmo a pintura de que nos valemos para
ilustrá-lo não lhe faz justiça.
• A altura que vai do piso à abertura do domo
(chamado de óculo ou “olho”) é exatamente a
mesma do diâmetro da base do domo, o que
confere um perfeito equilíbrio às proporções. O
peso do domo concentra-se nas oito sólidas
subdivisões da parede; entre elas, com
graciosas colunas à frente, existem nichos
ousadamente cavados na espessura maciça do
concreto, e estes, embora independentes entre
si, produzem o efeito de um espaço aberto por
trás dos suportes, dando-nos a impressão de
que as paredes são menos espessas e o domo
muito mais leve do que na realidade é.
• Os painéis de mármore multicolorido e os
paralelepípedos ainda são essencialmente
como antes, mas, em sua forma original, o
domo era dourado, para assemelhar-se à
“cúpula dourada do céu”.
Pantheon
Ficha técnica
• Nome: Panteon
• Sistema estrutural: cúpula
• Função: templo
• Localização: Roma, Itália
• Época da construção: 118-125
• Projeto Apolodoro de Damasco
Execução: autor desconhecido
Dimensões: diâmetro: 43,5 m; altura:
43,5 m
• Materialconcreto natural
• Ainda no rol da grandes construções
romanas encontramos as estradas,
necessárias porque sem elas Roma não
poderia governar um território tão vasto,
fruto de suas conquistas. Dependia delas
para movimentar suas tropas e ainda para
permitir o comércio e facilitar a
arrecadação de impostos de suas
províncias.
• Os aquedutos também são outra mostra
do arrojo e da inventividade dos romanos;
tinham o propósito de abastecer suas
cidades, com água trazida, muitas vezes,
de grandes distâncias.
Aquedutos
• O produto das pilhagens que ocorriam
durante a expansão do império romano,
por meio de seus exércitos, tornou Roma
extremamente rica. Essa riqueza induziu
seus governantes ao luxo excessivo,
propiciando à classe dominante uma vida
pautada na excentricidade e na
extravagância, e isso se vê refletido desde
os interiores de palácios e construções,
que exibiam uma riqueza indescritível, até
os conjuntos arquitetônicos públicos.
• As principais características da
arquitetura romana são:
• Estilo de colunas: coríntio;
• Sistemas de suporte: abóbada e arcos
redondos;•
• Finalidade: prédios cívicos, termas e
fórum como tributo ao império;
• Paredes: fachada ornamental e uso do
concreto;
• Formas dominantes: linhas curvas e
construções circulares
Pintura
• Roma, dominadora do Mediterrâneo, sofre
a fascinação da cultura grega, e as
culturas de cavalete dos mestres gregos
do século IV ou do III foram levadas para
lá rodeadas de uma aura de admiração.
Tomadas como modelo, cópias murais
delas foram utilizadas na decoração de
vilas e de palácios.
• A pintura romana revela-se assim como
devedora e continuadora – tanto temática
quanto estilisticamente – da grega. Não é,
no entanto, uma pintura totalmente
subsidiária e apresenta rasgos suficientes
para firmar uma individualidade que talvez
a escassez de testemunhos tente ocultar.
Um elemento diferenciador de primeira
ordem é o quase abandono do cultivo da
pintura de cavalete.
A pintura romana expandiu-se sobretudo em
pinturas murais. Pinturas em quadros do Império
Romano só se conservaram em maior número
no Egito, como placas de madeira embutidas
nas paredes das casas ou como retratos
helenísticos de múmias, extremamente valiosos
como exemplos de pintura de têmpera antiga, na
qual frequentemente se fundem técnicas das
mais diversas. Na maioria dos casos, trata-se de
bustos sem mãos, oriundos na sua maioria dos
séculos I e II d.C. São caracterizados por expressão
viva e perfeita, reprodução naturalista, que só foi
conseguida novamente na arte, muito mais de um
milênio depois.
• Os poucos registros que chegaram até nós
da pintura romana são oriundos das cidades
de Pompeia e Herculano, soterradas pela
erupção do Vesúvio em 79 d.C. Estas
pinturas permaneceram intatas e
preservadas sob as massas de lava, por
aproximadamente 1.700 anos. A exploração
deste sítio arqueológico, que permaneceu
ignoto até 1748, estendeu-se até as
primeiras décadas do século XX. Com essa
exploração, descobriu-se que a pintura
romana em Pompeia, segundo alguns
estudiosos, passou por quatro estilos.
• Quanto ao primeiro estilo (século II a.C.),
também chamado de “estilo da
incrustação”, pouco se pode ver de
pintura, a não ser a imitação de mármores
pintados sobre um fundo de estuque, feito
nas paredes. A produção artística mais
significativa deste estilo, são, na verdade,
os mosaicos feitos nos pisos dos
aposentos.
“incrustação”
• No segundo estilo, os pintores
perceberam que não era necessária mais
uma base saliente para sugerir volume, e
que, através da própria pintura, se poderia
passar a ilusão de relevo ou de um bloco
saliente.
• Dominando esta nova linguagem para sua
expressão, o artista passou então a pintar
em grandes painéis murais, criando a
ilusão de janelas abertas para o exterior,
onde eram vistas cenas com pessoas,
paisagens com aves e animais
“ painéis murais”,
• Este segundo momento de sua evolução
(final do século I a.C.), levou essa arte ao
terceiro estilo: se era possível sugerir
volume, era possível também sugerir
profundidade; utilizavam estes recursos
agora para simular a ampliação dos
espaços interiores
• O terceiro estilo deu preferência quase
sempre aos frisos pretos, às superfícies
principais vermelhas e partes superiores
das paredes brancas, ao que se juntam
também cores violáceas, azuis e
amarelas. Exemplos desse estilo
encontram-se nas casas de Cecílio
Jocundo e de Espúrio Mesor em Pompeia.
Pintavam, ainda, grandes barrados, sobre
os quais se assentavam figuras humanas
em pé ou sentadas, sobre fundo
vermelho, formando um grande mural.
“ ampliação dos espaços interiores”
• O quarto estilo, também chamado fantástico,
ocorreu por volta do ano 60 de nossa era,
reuniu a ilusão do espaço do segundo estilo
com a elaboração do terceiro e incorporou
ainda uma profusão de ornamentos. Uma
característica típica deste estilo é o uso de
figuras destacadas do contexto da cena e
inseridas numa arquitetura parecida com um
cenário. Exemplo deste estilo está na casa dos
Vettii, em Pompeia. Nela, em cada parede,
existe um painel de fundo vermelho, com
reproduções de obras gregas, em outro painel,
figuras humanas, não mais em cenas do
cotidiano, mas em postura de cenas teatrais.
“ fantástico”
Mosaicos
• A cidade de Pompéia foi soterrada pela
erupção do vulcão Vesúvio em 79d.C ,
suas pinturas permaneceram intactas e
preservadas por aproximadamente 1.700
anos
Arte romana
Arte romana
Arte romana
Arte romana

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
Ana Barreiros
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Marcio Duarte
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
Carla Freitas
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Cristiane Seibt
 
Escultura grega
Escultura gregaEscultura grega
Escultura grega
Ana Barreiros
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
Andrea Dressler
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
Carla Freitas
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
Ana Barreiros
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
Carla Freitas
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
Carla Teixeira
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
Carla Freitas
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
TLopes
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
guestcf1461dc
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
cattonia
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
Flávia Marques
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
Ana Barreiros
 
Arte Bizantina
Arte BizantinaArte Bizantina
Arte Bizantina
Andrea Dressler
 
Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
Ana Barreiros
 
RENASCIMENTO
RENASCIMENTORENASCIMENTO
RENASCIMENTO
Cristiane Seibt
 

Mais procurados (20)

Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
 
Arte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantinaArte cristã primitiva e arte bizantina
Arte cristã primitiva e arte bizantina
 
Escultura grega
Escultura gregaEscultura grega
Escultura grega
 
Arte Românica
Arte RomânicaArte Românica
Arte Românica
 
Módulo 2 escultura romana
Módulo 2   escultura romanaMódulo 2   escultura romana
Módulo 2 escultura romana
 
Rococó
RococóRococó
Rococó
 
Módulo 2 arquitetura romana
Módulo 2   arquitetura romanaMódulo 2   arquitetura romana
Módulo 2 arquitetura romana
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
Arte Bizantina
Arte BizantinaArte Bizantina
Arte Bizantina
 
Arquitetura romana ii
Arquitetura romana iiArquitetura romana ii
Arquitetura romana ii
 
RENASCIMENTO
RENASCIMENTORENASCIMENTO
RENASCIMENTO
 

Destaque

Nero e o grande incêndio de roma atualizado
Nero e o grande incêndio de roma atualizadoNero e o grande incêndio de roma atualizado
Nero e o grande incêndio de roma atualizado
alvesnuno
 
Roma urbanismo
Roma urbanismoRoma urbanismo
Roma urbanismo
tallervirtual08
 
O império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economiaO império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economia
Lúcia Texeira
 
Urbanismo Romano
Urbanismo RomanoUrbanismo Romano
Urbanismo Romano
Dg Guimarães
 
A arte romana
A arte romana A arte romana
A arte romana
cabee1995
 
Arte romana
Arte romana Arte romana
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
Andrea Dressler
 
Urbanismo roma xp[1]
Urbanismo roma xp[1]Urbanismo roma xp[1]
Urbanismo roma xp[1]
Cristina Mariano
 
A Arte romana
A Arte romanaA Arte romana
A Arte romana
João Almeida
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
Carla Teixeira
 

Destaque (10)

Nero e o grande incêndio de roma atualizado
Nero e o grande incêndio de roma atualizadoNero e o grande incêndio de roma atualizado
Nero e o grande incêndio de roma atualizado
 
Roma urbanismo
Roma urbanismoRoma urbanismo
Roma urbanismo
 
O império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economiaO império romano, romanização e economia
O império romano, romanização e economia
 
Urbanismo Romano
Urbanismo RomanoUrbanismo Romano
Urbanismo Romano
 
A arte romana
A arte romana A arte romana
A arte romana
 
Arte romana
Arte romana Arte romana
Arte romana
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Urbanismo roma xp[1]
Urbanismo roma xp[1]Urbanismo roma xp[1]
Urbanismo roma xp[1]
 
A Arte romana
A Arte romanaA Arte romana
A Arte romana
 
O urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romanaO urbanismo e arte romana
O urbanismo e arte romana
 

Semelhante a Arte romana

4 arte romana 2020
4 arte romana 20204 arte romana 2020
4 arte romana 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte romana 2019
Arte romana 2019Arte romana 2019
Arte romana 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte em roma
Arte em romaArte em roma
Arte em roma
Angeli Arte Educadora
 
A arte em roma
A arte em romaA arte em roma
A arte em roma
Rafael Carvalho
 
A Arte em Roma
A Arte em RomaA Arte em Roma
A Arte em Roma
Cinthya Nascimento
 
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp012c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
Alexandre Santana
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
cattonia
 
A Arte De Roma CláSsica
A Arte De Roma CláSsicaA Arte De Roma CláSsica
A Arte De Roma CláSsica
guestcf1461dc
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
Susana Grandão
 
Arte Em Roma
Arte Em RomaArte Em Roma
Arte Em Roma
Sílvia Mendonça
 
A Arte Em Roma Laysa
A Arte Em Roma   LaysaA Arte Em Roma   Laysa
A Arte Em Roma Laysa
valdeniDinamizador
 
arte romana e suas características artisticas
arte romana e suas características artisticasarte romana e suas características artisticas
arte romana e suas características artisticas
profjuliaalvino
 
A Arte Romana : arquitetura, pinturas, murais
A Arte Romana : arquitetura, pinturas, muraisA Arte Romana : arquitetura, pinturas, murais
A Arte Romana : arquitetura, pinturas, murais
profjuliaalvino
 
Arte em roma
Arte em romaArte em roma
Arte em roma
Luís K.
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 20122c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
www.historiadasartes.com
 
Roma
RomaRoma
Roma
RomaRoma
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
lazaro12r
 

Semelhante a Arte romana (20)

4 arte romana 2020
4 arte romana 20204 arte romana 2020
4 arte romana 2020
 
Arte romana 2019
Arte romana 2019Arte romana 2019
Arte romana 2019
 
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
Arte romana , 1º ano Novo Colégio.
 
Arte em roma
Arte em romaArte em roma
Arte em roma
 
A arte em roma
A arte em romaA arte em roma
A arte em roma
 
A Arte em Roma
A Arte em RomaA Arte em Roma
A Arte em Roma
 
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp012c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
2c14arteromana2c142012 120331194051-phpapp01
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
A Arte De Roma CláSsica
A Arte De Roma CláSsicaA Arte De Roma CláSsica
A Arte De Roma CláSsica
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
Arte Em Roma
Arte Em RomaArte Em Roma
Arte Em Roma
 
A Arte Em Roma Laysa
A Arte Em Roma   LaysaA Arte Em Roma   Laysa
A Arte Em Roma Laysa
 
arte romana e suas características artisticas
arte romana e suas características artisticasarte romana e suas características artisticas
arte romana e suas características artisticas
 
A Arte Romana : arquitetura, pinturas, murais
A Arte Romana : arquitetura, pinturas, muraisA Arte Romana : arquitetura, pinturas, murais
A Arte Romana : arquitetura, pinturas, murais
 
Arte em roma
Arte em romaArte em roma
Arte em roma
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
 
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 20122c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
2c14 Arte Romana e Museu do Louvre 2012
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 

Mais de Cristiane Seibt

Obras de arte mais caras ja vendidas
Obras de arte mais caras ja vendidasObras de arte mais caras ja vendidas
Obras de arte mais caras ja vendidas
Cristiane Seibt
 
16 artistas conceituais
16 artistas conceituais16 artistas conceituais
16 artistas conceituais
Cristiane Seibt
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
Cristiane Seibt
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
Cristiane Seibt
 
Circo
CircoCirco
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
Cristiane Seibt
 
Movimento modernista e a semana da arte moferna de 1922
Movimento modernista e a semana da arte moferna de 1922Movimento modernista e a semana da arte moferna de 1922
Movimento modernista e a semana da arte moferna de 1922
Cristiane Seibt
 
Arte ambiental
Arte ambientalArte ambiental
Arte ambiental
Cristiane Seibt
 
10 obras mais caras do mundo
10 obras mais caras do mundo10 obras mais caras do mundo
10 obras mais caras do mundo
Cristiane Seibt
 
Música
MúsicaMúsica
MÚSICA RECICLADA
MÚSICA RECICLADAMÚSICA RECICLADA
MÚSICA RECICLADA
Cristiane Seibt
 
BRINQUEDOS
BRINQUEDOSBRINQUEDOS
BRINQUEDOS
Cristiane Seibt
 
GRAFITE E INSTALAÇÃO
GRAFITE  E INSTALAÇÃOGRAFITE  E INSTALAÇÃO
GRAFITE E INSTALAÇÃO
Cristiane Seibt
 
OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
Cristiane Seibt
 
SURREALISMO
SURREALISMOSURREALISMO
SURREALISMO
Cristiane Seibt
 
FUTURISMO
FUTURISMOFUTURISMO
FUTURISMO
Cristiane Seibt
 
DADAÍSMO
DADAÍSMODADAÍSMO
DADAÍSMO
Cristiane Seibt
 
ABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMOABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMO
Cristiane Seibt
 
CUBISMO
CUBISMOCUBISMO
FAUVISMO
FAUVISMOFAUVISMO
FAUVISMO
Cristiane Seibt
 

Mais de Cristiane Seibt (20)

Obras de arte mais caras ja vendidas
Obras de arte mais caras ja vendidasObras de arte mais caras ja vendidas
Obras de arte mais caras ja vendidas
 
16 artistas conceituais
16 artistas conceituais16 artistas conceituais
16 artistas conceituais
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Circo
CircoCirco
Circo
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Movimento modernista e a semana da arte moferna de 1922
Movimento modernista e a semana da arte moferna de 1922Movimento modernista e a semana da arte moferna de 1922
Movimento modernista e a semana da arte moferna de 1922
 
Arte ambiental
Arte ambientalArte ambiental
Arte ambiental
 
10 obras mais caras do mundo
10 obras mais caras do mundo10 obras mais caras do mundo
10 obras mais caras do mundo
 
Música
MúsicaMúsica
Música
 
MÚSICA RECICLADA
MÚSICA RECICLADAMÚSICA RECICLADA
MÚSICA RECICLADA
 
BRINQUEDOS
BRINQUEDOSBRINQUEDOS
BRINQUEDOS
 
GRAFITE E INSTALAÇÃO
GRAFITE  E INSTALAÇÃOGRAFITE  E INSTALAÇÃO
GRAFITE E INSTALAÇÃO
 
OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
 
SURREALISMO
SURREALISMOSURREALISMO
SURREALISMO
 
FUTURISMO
FUTURISMOFUTURISMO
FUTURISMO
 
DADAÍSMO
DADAÍSMODADAÍSMO
DADAÍSMO
 
ABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMOABSTRACIONISMO
ABSTRACIONISMO
 
CUBISMO
CUBISMOCUBISMO
CUBISMO
 
FAUVISMO
FAUVISMOFAUVISMO
FAUVISMO
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 

Arte romana

  • 2. • A soberania do Império Romano, sem paralelos na história, estendia-se da Espanha ao sul da Rússia, da Inglaterra ao Egito e em seu apogeu absorveu em sua arte toda a influência dos povos que dominou.
  • 3. Horácio Pensador Romano “ A Grécia conquistada conquistou seu brutal conquistador”
  • 4. • Buscando a expansão de seu império, ao invadirem terras estrangeiras os romanos assimilaram os costumes e traços das culturas mais antigas – particularmente da grega – e transmitiram essa mescla cultural (greco-romana) a toda a Europa Ocidental e ao norte da África. Com isso, a arte romana passou a ser referência para a arte de todos os períodos posteriores.
  • 5. • Fascinados pela beleza da arte grega, imediatamente foram contagiados pelos seus padrões e valores estéticos. Nesse afã, navios gregos traziam em seu bojo muito mármore e bronze com a finalidade de adornar as construções romanas. Quando findaram as peças originais, os artistas romanos passaram então a reproduzi-las.
  • 6. • Num segundo momento, os romanos mudaram alguns aspectos da arte e filosofia gregas, imprimindo suas próprias características, que eram organização e funcionalidade.
  • 7. • Uma marca de sua organização se observa na urbanização de suas cidades e, particularmente, um traço herdado da cultura etrusca, que a antecedeu na Itália, que eram as ruas com direção norte-sul, e leste-oeste, em cuja intersecção havia um fórum. Observe que este mesmo modelo se repete até hoje em nossas cidades brasileiras. Isso nos leva a concluir que a arte romana é menos idealizada que a arte clássica grega, além de ser mais duradoura e funcional.
  • 8.
  • 9.
  • 10. • Grande parte da produção artística romana estava calcada no propósito de um benefício prático, voltada para o bem comum, como construção de aquedutos, pontes, estradas, sanitários e termas, sendo que esta última desempenhava um papel de centro de reuniões sociais em Roma.
  • 11. ESCULTURAS • Os romanos inspiraram-se também na escultura grega, mas sua escultura desenvolveu um estilo próprio quando deixaram de cultuar um ideal de beleza humana e, por serem mais realistas e práticos, passaram a representar fielmente imperadores e homens de sua própria sociedade. Portanto, por ser mais realista que idealista, a estatuária romana teve seu apogeu nos bustos.
  • 12. • Isso se deve à afirmação do Estado imperial romano, à necessidade de elaboração de uma cultura voltada ao Estado, que se realizava na preservação da memoria dos grandes personagens políticos de Roma. A estatuária, a construção dos arcos de triunfo e as colunas foram expressões dessa preocupação do Estado romano.
  • 13. Apolo, 460 a.C., autor anônimo. Reconstrução romana de estátua grega, museu do Louvre, em Paris.
  • 15. • Ainda na escultura, encontramos no relevo narrativo outra importante expressão da arte romana. Decorando as fachadas dos arcos de triunfo e colunas triunfais, os relevos descreviam cenas de vitórias das batalhas de conquistas do Império Romano.
  • 16. • Os arcos de triunfo são pórticos monumentais, erigidos em homenagem aos imperadores e generais vitoriosos em suas batalhas. O mais famoso deles é o Arco de Tito, construído em mármore, no Fórum Romano, para comemorar a tomada de Jerusalém. Outro tipo de monumento feito para homenagear seus heróis, é a coluna triunfal, sendo a Coluna de Trajano a mais importante de todas.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 22.
  • 23. • Os feitos de Trajano estão estampados em espiral, em relevo, em todo o fuste desta coluna. Portanto, concluímos que por estar visivelmente enraizado na filosofia e no modus vivendi dos romanos, retratos e relevos narrativos são a expressão genuína de sua escultura.
  • 24. • Diferentemente da pintura e da escultura, que provocam acalorados debates sobre sua originalidade, é inquestionável o estilo novo e arrojado criado na arquitetura pelos romanos.
  • 25. • É indiscutível a influência que os etruscos e gregos exerceram sobre a cultura romana. Os etruscos, no século X a.C., oriundos da Ásia Menor, fixaram-se na Itália, na região da Toscana. Aproximadamente 200 anos mais tarde, atingiram as florescentes cidades das colônias gregas na Itália, a então chamada, na época, Graecia Magna, a Grande Grécia. Ali deixaram provas incontestes de sua criatividade e de sua produção artística.
  • 26. • Os etruscos ensinaram aos romanos muito da arte de construir. Os próprios escritores romanos declararam, em seus escritos, serem os etruscos grandes mestres da agrimensura, da engenharia arquitetônica e do planejamento urbano. Pouco restou, tanto da arquitetura etrusca, quanto da romana inicial, mas as recentes escavações, somadas às informações coletadas, dão prova de que os etruscos foram construtores extremamente habilidosos.
  • 27. • Um dos mais importantes legados dos etruscos aos romanos talvez tenha sido o arco de plena volta, constituído de seções cuneiformes, que se mantêm firmemente engastadas, e em seu ápice, recebe a pedra angular, que lhe dá força e sustentação.
  • 28. • Não foram os etruscos os inventores do arco, pois ele remonta os egípcios, mas deram-lhe um lugar de destaque em suas construções nos portões de entrada de suas cidades. Preocupavam-se muito mais com o aspecto funcional do que estético dos arcos.
  • 29. • É inconcebível pensar no desenvolvimento de Roma sem o arco e suas consequências: a abóbada de berço, um meio cilíndrico; a abóbada de arestas, constituída de duas outras abóbadas semicilíndricas que se cruzam em ângulos retos; e o domo, outra obra-prima da arquitetura romana.
  • 30. • Ao construir seus edifícios, os gregos priorizavam sua beleza e, raramente, enfatizavam o objetivo de acomodar grande número de pessoas sob seu teto; até mesmo os templos, considerados moradas dos deuses, não se destinavam ao agrupamento dos fiéis.
  • 31. • Os romanos, por sua vez, tornaram-se um “povo de interiores”, por razões climáticas, provavelmente devido ao clima frio daquela época, bastante diferente do de hoje, ou talvez também devido aos perigos das florestas cheias de animais que circundavam seus centros urbanos, ou ainda devido à aglomeração da população que buscava suas cidades, tudo isso gerou a necessidade de construção de edifícios que servissem como locais de encontro, além de edifícios administrativos. Por tais razões, as construções gregas, embora muito admiradas pelos romanos, deixaram de servir aos seus propósitos.
  • 32. • Para atender às necessidades crescentes dos cidadãos, a arquitetura romana teve que criar novos métodos de construção mais rápidos e com materiais mais baratos.
  • 33. • Daí observarmos que, no campo da arquitetura e da engenharia, as grandes contribuições romanas foram o desenvolvimento do domo, do arco e da abóbada, e a construção desses elementos só foi possível graças ao concreto, um material criado por eles. Essas criações permitiram cobrir grandes espaços fechados internos, sem que fosse necessária a interferência de sustentação por colunas, ampliando, assim, a área útil de circulação (ver o Panteon). Podemos concluir então que o arco foi a grande marca da arquitetura romana.
  • 34. • Arco ou arco de volta perfeita: designa um elemento construtivo em curva. • Abóbada cilíndrica: também chamada de abóbada de berço, construída como um contínuo arco de volta perfeita. • Abóbada de aresta: formada da junção de duas abóbadas cilíndricas de mesma altura, em cuja intersecção resulta um ângulo reto.
  • 35.
  • 36. • Exemplo desse arrojo vemos na construção do grande anfiteatro, no centro da cidade velha, em Roma, o famoso Coliseu, considerado uma obra-prima da arquitetura romana. Com o propósito de oferecer diversão ao povo e deleite aos seus imperadores, o local podia acomodar cinquenta mil espectadores e é considerado ainda hoje uma das maiores construções do mundo. Sua estrutura principal, com um
  • 37. • planejamento extremamente eficiente, guarda em seu interior quilômetros de galerias abobadadas, que garantem o fluxo regular em torno de toda a arena, e foi construída com uma espécie de concreto. Seu exterior, monumental, é revestido com pedras lapidadas. Nele notam-se ainda traços da arquitetura grega, especialmente no uso de meias- colunas e pilastras que identificam as ordens gregas.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43. • Outra obra-prima que documenta a inventividade e ousadia da engenharia romana, através de novos materiais, é o Panteon. Permitiu aos romanos criarem um dos mais belos exemplos de um enorme espaço aberto, sem colunas de sustentação.
  • 44. • Em sua obra, Janson faz uma magnífica descrição do Panteon, quando assim o descreve: As mesmas inovações em engenharia e materiais permitiram que os romanos também criassem enormes espaços abertos. Dentre eles, o mais bem preservado é o Panteon, um templo circular e enorme, dedicado, como o próprio nome diz, a todos os deuses. O pórtico, originalmente precedido por um átrio com colunatas que obstruíam a visão que agora temos das paredes circulares, parece a entrada comum de um templo romano típico (derivado das fachadas dos templos gregos, com colunas segundo a ordem coríntia).
  • 45. • Ainda mais empolgante, então, é a vista que temos ao passar pelos majestosos portais, quando o grande espaço abobadado abre-se diante de nós num repente dramático. A partir da pesada sobriedade da parede externa, pode-se deduzir que não foi fácil para o arquiteto resolver os problemas de engenharia ligados à sustentação do imenso hemisfério de um domo. Do lado de fora, nada faz pressupor a leveza e elegância do interior; as fotos não conseguem reproduzir isso com fidelidade, e mesmo a pintura de que nos valemos para ilustrá-lo não lhe faz justiça.
  • 46. • A altura que vai do piso à abertura do domo (chamado de óculo ou “olho”) é exatamente a mesma do diâmetro da base do domo, o que confere um perfeito equilíbrio às proporções. O peso do domo concentra-se nas oito sólidas subdivisões da parede; entre elas, com graciosas colunas à frente, existem nichos ousadamente cavados na espessura maciça do concreto, e estes, embora independentes entre si, produzem o efeito de um espaço aberto por trás dos suportes, dando-nos a impressão de que as paredes são menos espessas e o domo muito mais leve do que na realidade é.
  • 47. • Os painéis de mármore multicolorido e os paralelepípedos ainda são essencialmente como antes, mas, em sua forma original, o domo era dourado, para assemelhar-se à “cúpula dourada do céu”.
  • 48.
  • 50.
  • 51.
  • 52. Ficha técnica • Nome: Panteon • Sistema estrutural: cúpula • Função: templo • Localização: Roma, Itália • Época da construção: 118-125 • Projeto Apolodoro de Damasco Execução: autor desconhecido Dimensões: diâmetro: 43,5 m; altura: 43,5 m • Materialconcreto natural
  • 53. • Ainda no rol da grandes construções romanas encontramos as estradas, necessárias porque sem elas Roma não poderia governar um território tão vasto, fruto de suas conquistas. Dependia delas para movimentar suas tropas e ainda para permitir o comércio e facilitar a arrecadação de impostos de suas províncias.
  • 54.
  • 55.
  • 56. • Os aquedutos também são outra mostra do arrojo e da inventividade dos romanos; tinham o propósito de abastecer suas cidades, com água trazida, muitas vezes, de grandes distâncias.
  • 58.
  • 59. • O produto das pilhagens que ocorriam durante a expansão do império romano, por meio de seus exércitos, tornou Roma extremamente rica. Essa riqueza induziu seus governantes ao luxo excessivo, propiciando à classe dominante uma vida pautada na excentricidade e na extravagância, e isso se vê refletido desde os interiores de palácios e construções, que exibiam uma riqueza indescritível, até os conjuntos arquitetônicos públicos.
  • 60. • As principais características da arquitetura romana são: • Estilo de colunas: coríntio; • Sistemas de suporte: abóbada e arcos redondos;• • Finalidade: prédios cívicos, termas e fórum como tributo ao império; • Paredes: fachada ornamental e uso do concreto; • Formas dominantes: linhas curvas e construções circulares
  • 61.
  • 62. Pintura • Roma, dominadora do Mediterrâneo, sofre a fascinação da cultura grega, e as culturas de cavalete dos mestres gregos do século IV ou do III foram levadas para lá rodeadas de uma aura de admiração. Tomadas como modelo, cópias murais delas foram utilizadas na decoração de vilas e de palácios.
  • 63. • A pintura romana revela-se assim como devedora e continuadora – tanto temática quanto estilisticamente – da grega. Não é, no entanto, uma pintura totalmente subsidiária e apresenta rasgos suficientes para firmar uma individualidade que talvez a escassez de testemunhos tente ocultar. Um elemento diferenciador de primeira ordem é o quase abandono do cultivo da pintura de cavalete.
  • 64. A pintura romana expandiu-se sobretudo em pinturas murais. Pinturas em quadros do Império Romano só se conservaram em maior número no Egito, como placas de madeira embutidas nas paredes das casas ou como retratos helenísticos de múmias, extremamente valiosos como exemplos de pintura de têmpera antiga, na qual frequentemente se fundem técnicas das mais diversas. Na maioria dos casos, trata-se de bustos sem mãos, oriundos na sua maioria dos séculos I e II d.C. São caracterizados por expressão viva e perfeita, reprodução naturalista, que só foi conseguida novamente na arte, muito mais de um milênio depois.
  • 65. • Os poucos registros que chegaram até nós da pintura romana são oriundos das cidades de Pompeia e Herculano, soterradas pela erupção do Vesúvio em 79 d.C. Estas pinturas permaneceram intatas e preservadas sob as massas de lava, por aproximadamente 1.700 anos. A exploração deste sítio arqueológico, que permaneceu ignoto até 1748, estendeu-se até as primeiras décadas do século XX. Com essa exploração, descobriu-se que a pintura romana em Pompeia, segundo alguns estudiosos, passou por quatro estilos.
  • 66. • Quanto ao primeiro estilo (século II a.C.), também chamado de “estilo da incrustação”, pouco se pode ver de pintura, a não ser a imitação de mármores pintados sobre um fundo de estuque, feito nas paredes. A produção artística mais significativa deste estilo, são, na verdade, os mosaicos feitos nos pisos dos aposentos.
  • 68. • No segundo estilo, os pintores perceberam que não era necessária mais uma base saliente para sugerir volume, e que, através da própria pintura, se poderia passar a ilusão de relevo ou de um bloco saliente.
  • 69. • Dominando esta nova linguagem para sua expressão, o artista passou então a pintar em grandes painéis murais, criando a ilusão de janelas abertas para o exterior, onde eram vistas cenas com pessoas, paisagens com aves e animais
  • 71.
  • 72.
  • 73. • Este segundo momento de sua evolução (final do século I a.C.), levou essa arte ao terceiro estilo: se era possível sugerir volume, era possível também sugerir profundidade; utilizavam estes recursos agora para simular a ampliação dos espaços interiores
  • 74. • O terceiro estilo deu preferência quase sempre aos frisos pretos, às superfícies principais vermelhas e partes superiores das paredes brancas, ao que se juntam também cores violáceas, azuis e amarelas. Exemplos desse estilo encontram-se nas casas de Cecílio Jocundo e de Espúrio Mesor em Pompeia. Pintavam, ainda, grandes barrados, sobre os quais se assentavam figuras humanas em pé ou sentadas, sobre fundo vermelho, formando um grande mural.
  • 75. “ ampliação dos espaços interiores”
  • 76. • O quarto estilo, também chamado fantástico, ocorreu por volta do ano 60 de nossa era, reuniu a ilusão do espaço do segundo estilo com a elaboração do terceiro e incorporou ainda uma profusão de ornamentos. Uma característica típica deste estilo é o uso de figuras destacadas do contexto da cena e inseridas numa arquitetura parecida com um cenário. Exemplo deste estilo está na casa dos Vettii, em Pompeia. Nela, em cada parede, existe um painel de fundo vermelho, com reproduções de obras gregas, em outro painel, figuras humanas, não mais em cenas do cotidiano, mas em postura de cenas teatrais.
  • 79.
  • 80. • A cidade de Pompéia foi soterrada pela erupção do vulcão Vesúvio em 79d.C , suas pinturas permaneceram intactas e preservadas por aproximadamente 1.700 anos