SlideShare uma empresa Scribd logo
Revolução Francesa
Antecedentes, causas e suas fases
Momentos antes do início da revolução
 A situação da França no século XVIII era de extrema injustiça social na
época do Antigo Regime. O Terceiro Estado era formado pelos
trabalhadores urbanos, camponeses e a pequena burguesia comercial. Os
impostos eram pagos somente por este segmento social com o objetivo de
manter os luxos da nobreza.
 A França era um país absolutista nesta época. O rei governava com
poderes absolutos, controlando a economia, a justiça, a política e até
mesmo a religião dos súditos. Havia a falta de democracia, pois os
trabalhadores não podiam votar, nem mesmo dar opiniões na forma de
governo. Os oposicionistas eram presos na Bastilha (prisão política da
monarquia) ou condenados à morte.
Momentos antes do início da revolução
 A sociedade francesa do século XVIII era estratificada e hierarquizada. No
topo da pirâmide social, estava o clero que também tinha o privilégio de
não pagar impostos. Abaixo do clero, estava a nobreza formada pelo rei,
sua família, condes, duques, marqueses e outros nobres que viviam de
banquetes e muito luxo na corte. A base da sociedade era formada pelo
terceiro estado (trabalhadores, camponeses e burguesia) que, como já
dissemos, sustentava toda a sociedade com seu trabalho e com o
pagamento de altos impostos. Pior era a condição de vida dos
desempregados que aumentavam em larga escala nas cidades francesas.
 A vida dos trabalhadores e camponeses era de extrema miséria, portanto,
desejavam melhorias na qualidade de vida e de trabalho. A burguesia,
mesmo tendo uma condição social melhor, desejava uma participação
política maior e mais liberdade econômica em seu trabalho.
Fatores que influenciaram Revolução
 Descontentamento do Terceiro Estado (burguesia, trabalhadores urbanos, camponeses), que era a
grande maioria da sociedade, com os privilégios da nobreza e do clero;
 - Os integrantes do Terceiro Estado deviam pagar altos impostos, enquanto clero e nobreza eram
isentos. Esta disparidade gerava muita revolta em grande parte da população;
 - Quase todas as terras do território francês estavam nas mãos da nobreza, fato que também gerava
muita revolta na população;
 - As pessoas que contestavam o absolutismo na França eram presas na Bastilha (espécie de prisão
política da monarquia) ou enviadas para a guilhotina;
 - Péssimas condições de vida enfrentadas pelos trabalhos urbanos (carga de trabalho elevada é
baixos salários) e camponeses (viviam praticamente em situação de miséria);
 - Elevados gastos da nobreza com luxo (festas, banquetes, roupas caras, joias, etc.), enquanto grande
parte da população vivia em péssimas condições de vida;
 - Grande vontade da alta burguesia comercial em participar das decisões políticas da França. A
burguesia queria também maior liberdade econômica, com pouca interferência do governo;
 - Grande influência dos ideais iluministas, que defendia o fim do absolutismo, sobre os intelectuais e
integrantes da alta burguesia.
Fatores que influenciaram Revolução
EUA
 A independência americana não influenciou a gloriosa revolução francesa
de 1789. Os dois movimentos - independência americana e revolução
francesa - foram fortemente influenciados pelos ideais e pensadores
iluministas (Rousseau, Locke, Montesquieu e outros).
A Constituição dos Estados Unidos foi apresentada em 1787, consagrando
diversos direitos humanos fundamentais. Mas os revolucionários franceses de
1789, já vinham preparando as bases do Estado Liberal ao longo de todo o
século XVIII.
A Constituição dos Estados Unidos e o Estado Liberal francês, são a síntese
do pensamento filosófico e ideológico da Europa e do mundo do século
XVIII, cujo objetivo era demolir as antigas e ultrapassadas práticas
absolutistas!
Fatores que influenciaram Revolução
EUA
 A contribuição da independência americana, praticamente, se resumiu ao
seu território, enquanto a revolução francesa representou a realização do
sonho iluminista. A revolução francesa foi o ápice do iluminismo. Os ideias da
revolução francesa, ao contrário da independência americana, não se
resumiu a França, mas tinha um objetivo mais universal e foi exportado para
outras nações, principalmente, no governo de Napoleão Bonaparte.
A independência americana foi importante, pois mostrou para as outras
colônias americanas, que era possível se libertar de suas metrópoles e, deu
destaque aos direitos humanos universais. A Revolução Francesa de 1789 é
um marco simbólico da inauguração da sociedade industrial burguesa, do
Estado moderno e do Direito moderno.
Girondinos e jacobinos
 Girondinos e Jacobinos
Após a revolução, o terceiro estado começa a se transformar e partidos
começam a surgir com opiniões diversificadas. Os girondinos, por exemplo,
representavam a alta burguesia e queriam evitar uma participação maior
dos trabalhadores urbanos e rurais na política. Por outro lado, os jacobinos
representavam a baixa burguesia e defendiam uma maior participação
popular no governo. Liderados por Robespierre e Saint-Just, os jacobinos
eram radicais e defendiam também profundas mudanças na sociedade
que beneficiassem os mais pobres.
Primeira fase (1789-1792) Monarquia constitucional
[GIRONDINOS]
 PRIMEIRA FASE (1789-1792)
Houve a recusa do rei em jurar a Constituição e diante da intransigência do
monarca, a população toma a Bastilha em 14 de julho de 1789,
transformando o ato num movimento popular nunca antes visto. A Bastilha
era símbolo do absolutismo real, e sua invasão pelo povo deixou clara a
impotência do rei. Estava na Constituição de 1791: abolição dos privilégios
feudais, elaboração da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão,
votação da Constituição civil do clero, estabelecimento da monarquia
limitada (Jornadas de Agosto).
O rei é obrigado a se instalar em Paris (Jornadas de Outubro) e, é declarada
guerra à Áustria e à Prússia, onde a França sofre derrotas e o rei é acusado
de traição.
Segunda fase(1792-194): Convenção e o período
do terror [JACOBINOS]
 SEGUNDA FASE (1792-1795)
Esta foi a fase da ascensão dos jacobinos. A França vence o exército austro-
prussiano. Eleição da Convenção (girondinos, grupo da planície, jacobinos,
raivosos). Execução de Luís XVI. Convenção jacobina: vitória sobre a
coligação de países europeus, reformas internas, estabelecimento do
Regime do Terror (Marat, Danton, Robespierre). Foi considerado o período
mais violento dessa revolução. Pois, Os Jacobinos representavam a baixa
burguesia e defendiam uma maior participação popular no governo.
Liderados por Robespierre e Saint-Just, os jacobinos eram radicais e
defendiam também profundas mudanças na sociedade que beneficiassem
os mais pobres. Os jacobinos eram o grupo político mais radical da
Convenção
Terceira fase(1792-194):Diretório [GIRONDINOS]
 A queda dos jacobinos representou a subida ao poder da alta burguesia. O
Diretório era composto por cinco membros, e existiam ainda duas
assembleias: a dos Anciãos e a dos Quinhentos. Essa fase representou o
fortalecimento da burguesia e a volta de alguns privilégios, como o voto
censitário e o fim das leis sociais do período anterior.
 Houve ainda tentativas de insurreições, como a de Graco Babeuf, líder da
Conspiração dos Iguais, que pretendia destituir o Diretório e aprofundar as
reformas sociais da Revolução Francesa. Babeuf foi guilhotinado, ilustrando o
domínio da burguesia no poder do Estado. As disputas internas e as guerras
externas criaram as condições para o fortalecimento do exército e de um
dos seus principais generais, Napoleão Bonaparte. Com a criação do
Consulado em 1799, tinha início a época Napoleônica.
Conteúdo de apoio
Serie de vídeos do canal HistóriAção Humanas sobre a Revolução Francesa
http://www.youtube.com/watch?v=sMnbzYgBgTU&list=PLIokx6YTzqBGfKHJjU59x
FHe-r_wkFqI6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Lucas Nunes de Souza
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Fábio José Oliveira
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix
Vítor Santos
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
Carla Teixeira
 
Evolução democrática e nacionalismos
Evolução democrática e nacionalismosEvolução democrática e nacionalismos
Evolução democrática e nacionalismos
cattonia
 
00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_500 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
Vítor Santos
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Historia2000
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
Susana Simões
 
6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura
Vítor Santos
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
Diogo.Verissimo
 
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
Vítor Santos
 
A constituição de 1822
A constituição de 1822A constituição de 1822
A constituição de 1822
Maria Cerqueira
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
Susana Simões
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
Vítor Santos
 
revolucao francesa pedro paulo 8 b
revolucao francesa pedro paulo 8 brevolucao francesa pedro paulo 8 b
revolucao francesa pedro paulo 8 b
alunoitv
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
 
Evolução democrática e nacionalismos
Evolução democrática e nacionalismosEvolução democrática e nacionalismos
Evolução democrática e nacionalismos
 
00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_500 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
00 05 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_5
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
 
6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura6 05 os caminhos da cultura
6 05 os caminhos da cultura
 
O método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimentoO método experimental e o progresso do conhecimento
O método experimental e o progresso do conhecimento
 
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
6 03 evolucao democratica nacionalismo e imperialismo
 
A constituição de 1822
A constituição de 1822A constituição de 1822
A constituição de 1822
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
 
revolucao francesa pedro paulo 8 b
revolucao francesa pedro paulo 8 brevolucao francesa pedro paulo 8 b
revolucao francesa pedro paulo 8 b
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 

Semelhante a Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases

DANIEL 2.0
DANIEL 2.0DANIEL 2.0
DANIEL
DANIELDANIEL
Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
A revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof néliaA revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof nélia
historiando
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
MargarethFranklim
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
João Marcelo
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Ana Vilardouro
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
historiando
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Ana Carolina
 
Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799
Rondinelly Silva
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
FelipeBicudo1
 
Regiane e joão slaide hist
Regiane e joão slaide histRegiane e joão slaide hist
Regiane e joão slaide hist
abadiacampos
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
E.E. Prof. João Magiano Pinto
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
Priscila Azeredo
 
A social democracia é a solução para o fracasso do liberalismo, do socialismo...
A social democracia é a solução para o fracasso do liberalismo, do socialismo...A social democracia é a solução para o fracasso do liberalismo, do socialismo...
A social democracia é a solução para o fracasso do liberalismo, do socialismo...
Fernando Alcoforado
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
josafaslima
 
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução  Francesa - Prof. Altair AguilarRevolução  Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
historiando
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Lutero Ramos
 

Semelhante a Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases (20)

DANIEL 2.0
DANIEL 2.0DANIEL 2.0
DANIEL 2.0
 
DANIEL
DANIELDANIEL
DANIEL
 
Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
 
A revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof néliaA revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof nélia
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
 
Regiane e joão slaide hist
Regiane e joão slaide histRegiane e joão slaide hist
Regiane e joão slaide hist
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
 
A social democracia é a solução para o fracasso do liberalismo, do socialismo...
A social democracia é a solução para o fracasso do liberalismo, do socialismo...A social democracia é a solução para o fracasso do liberalismo, do socialismo...
A social democracia é a solução para o fracasso do liberalismo, do socialismo...
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
 
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução  Francesa - Prof. Altair AguilarRevolução  Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 

Mais de Matheus Alves

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na alma
Matheus Alves
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Matheus Alves
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Matheus Alves
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíblia
Matheus Alves
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Matheus Alves
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Matheus Alves
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Matheus Alves
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Matheus Alves
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Matheus Alves
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Matheus Alves
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Matheus Alves
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]
Matheus Alves
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]
Matheus Alves
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Matheus Alves
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Matheus Alves
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Matheus Alves
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definição
Matheus Alves
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Matheus Alves
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matheus Alves
 

Mais de Matheus Alves (20)

Estudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na almaEstudo bíblico - Feridas na alma
Estudo bíblico - Feridas na alma
 
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramáticaInglês - Cronograma de estudos e gramática
Inglês - Cronograma de estudos e gramática
 
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
Sustentabilidade - resumo (Pablo Pessoa)
 
Links úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíbliaLinks úteis para estudar a bíblia
Links úteis para estudar a bíblia
 
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
Técnicas assistivas - seminário(diabetes)
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 2
 
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
Apostila de Cálculo (UFRPE) - Volume 3
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]Linguagem C - Arquivos [exercícios]
Linguagem C - Arquivos [exercícios]
 
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
Linguagem C - Alocação Dinâmica [exercícios]
 
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
Linguagem C - Ponteiros [exercícios]
 
Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]Linguagem C - Recursão [exercícios]
Linguagem C - Recursão [exercícios]
 
Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]Linguagem C - Structs [exercícios]
Linguagem C - Structs [exercícios]
 
Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]Linguagem C - Strings [exercícios]
Linguagem C - Strings [exercícios]
 
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
Linguagem C - Vetores e matrizes [exercícios]
 
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
Linguagem C - Comandos condicionais [exercícios]
 
Diferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitaisDiferença entre computadores analógicos e digitais
Diferença entre computadores analógicos e digitais
 
Silogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definiçãoSilogismo e subjetividade - breve definição
Silogismo e subjetividade - breve definição
 
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)Lista de exercícios -  vetores(Alguns gabaritos estão errados)
Lista de exercícios - vetores(Alguns gabaritos estão errados)
 
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
Matemática elementar volume 7 (Geometria Analítica)
 

Último

3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
FredPaixaoeSilva
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
eltinhorg
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 

Último (20)

3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 

Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases

  • 2. Momentos antes do início da revolução  A situação da França no século XVIII era de extrema injustiça social na época do Antigo Regime. O Terceiro Estado era formado pelos trabalhadores urbanos, camponeses e a pequena burguesia comercial. Os impostos eram pagos somente por este segmento social com o objetivo de manter os luxos da nobreza.  A França era um país absolutista nesta época. O rei governava com poderes absolutos, controlando a economia, a justiça, a política e até mesmo a religião dos súditos. Havia a falta de democracia, pois os trabalhadores não podiam votar, nem mesmo dar opiniões na forma de governo. Os oposicionistas eram presos na Bastilha (prisão política da monarquia) ou condenados à morte.
  • 3. Momentos antes do início da revolução  A sociedade francesa do século XVIII era estratificada e hierarquizada. No topo da pirâmide social, estava o clero que também tinha o privilégio de não pagar impostos. Abaixo do clero, estava a nobreza formada pelo rei, sua família, condes, duques, marqueses e outros nobres que viviam de banquetes e muito luxo na corte. A base da sociedade era formada pelo terceiro estado (trabalhadores, camponeses e burguesia) que, como já dissemos, sustentava toda a sociedade com seu trabalho e com o pagamento de altos impostos. Pior era a condição de vida dos desempregados que aumentavam em larga escala nas cidades francesas.  A vida dos trabalhadores e camponeses era de extrema miséria, portanto, desejavam melhorias na qualidade de vida e de trabalho. A burguesia, mesmo tendo uma condição social melhor, desejava uma participação política maior e mais liberdade econômica em seu trabalho.
  • 4. Fatores que influenciaram Revolução  Descontentamento do Terceiro Estado (burguesia, trabalhadores urbanos, camponeses), que era a grande maioria da sociedade, com os privilégios da nobreza e do clero;  - Os integrantes do Terceiro Estado deviam pagar altos impostos, enquanto clero e nobreza eram isentos. Esta disparidade gerava muita revolta em grande parte da população;  - Quase todas as terras do território francês estavam nas mãos da nobreza, fato que também gerava muita revolta na população;  - As pessoas que contestavam o absolutismo na França eram presas na Bastilha (espécie de prisão política da monarquia) ou enviadas para a guilhotina;  - Péssimas condições de vida enfrentadas pelos trabalhos urbanos (carga de trabalho elevada é baixos salários) e camponeses (viviam praticamente em situação de miséria);  - Elevados gastos da nobreza com luxo (festas, banquetes, roupas caras, joias, etc.), enquanto grande parte da população vivia em péssimas condições de vida;  - Grande vontade da alta burguesia comercial em participar das decisões políticas da França. A burguesia queria também maior liberdade econômica, com pouca interferência do governo;  - Grande influência dos ideais iluministas, que defendia o fim do absolutismo, sobre os intelectuais e integrantes da alta burguesia.
  • 5. Fatores que influenciaram Revolução EUA  A independência americana não influenciou a gloriosa revolução francesa de 1789. Os dois movimentos - independência americana e revolução francesa - foram fortemente influenciados pelos ideais e pensadores iluministas (Rousseau, Locke, Montesquieu e outros). A Constituição dos Estados Unidos foi apresentada em 1787, consagrando diversos direitos humanos fundamentais. Mas os revolucionários franceses de 1789, já vinham preparando as bases do Estado Liberal ao longo de todo o século XVIII. A Constituição dos Estados Unidos e o Estado Liberal francês, são a síntese do pensamento filosófico e ideológico da Europa e do mundo do século XVIII, cujo objetivo era demolir as antigas e ultrapassadas práticas absolutistas!
  • 6. Fatores que influenciaram Revolução EUA  A contribuição da independência americana, praticamente, se resumiu ao seu território, enquanto a revolução francesa representou a realização do sonho iluminista. A revolução francesa foi o ápice do iluminismo. Os ideias da revolução francesa, ao contrário da independência americana, não se resumiu a França, mas tinha um objetivo mais universal e foi exportado para outras nações, principalmente, no governo de Napoleão Bonaparte. A independência americana foi importante, pois mostrou para as outras colônias americanas, que era possível se libertar de suas metrópoles e, deu destaque aos direitos humanos universais. A Revolução Francesa de 1789 é um marco simbólico da inauguração da sociedade industrial burguesa, do Estado moderno e do Direito moderno.
  • 7. Girondinos e jacobinos  Girondinos e Jacobinos Após a revolução, o terceiro estado começa a se transformar e partidos começam a surgir com opiniões diversificadas. Os girondinos, por exemplo, representavam a alta burguesia e queriam evitar uma participação maior dos trabalhadores urbanos e rurais na política. Por outro lado, os jacobinos representavam a baixa burguesia e defendiam uma maior participação popular no governo. Liderados por Robespierre e Saint-Just, os jacobinos eram radicais e defendiam também profundas mudanças na sociedade que beneficiassem os mais pobres.
  • 8. Primeira fase (1789-1792) Monarquia constitucional [GIRONDINOS]  PRIMEIRA FASE (1789-1792) Houve a recusa do rei em jurar a Constituição e diante da intransigência do monarca, a população toma a Bastilha em 14 de julho de 1789, transformando o ato num movimento popular nunca antes visto. A Bastilha era símbolo do absolutismo real, e sua invasão pelo povo deixou clara a impotência do rei. Estava na Constituição de 1791: abolição dos privilégios feudais, elaboração da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, votação da Constituição civil do clero, estabelecimento da monarquia limitada (Jornadas de Agosto). O rei é obrigado a se instalar em Paris (Jornadas de Outubro) e, é declarada guerra à Áustria e à Prússia, onde a França sofre derrotas e o rei é acusado de traição.
  • 9. Segunda fase(1792-194): Convenção e o período do terror [JACOBINOS]  SEGUNDA FASE (1792-1795) Esta foi a fase da ascensão dos jacobinos. A França vence o exército austro- prussiano. Eleição da Convenção (girondinos, grupo da planície, jacobinos, raivosos). Execução de Luís XVI. Convenção jacobina: vitória sobre a coligação de países europeus, reformas internas, estabelecimento do Regime do Terror (Marat, Danton, Robespierre). Foi considerado o período mais violento dessa revolução. Pois, Os Jacobinos representavam a baixa burguesia e defendiam uma maior participação popular no governo. Liderados por Robespierre e Saint-Just, os jacobinos eram radicais e defendiam também profundas mudanças na sociedade que beneficiassem os mais pobres. Os jacobinos eram o grupo político mais radical da Convenção
  • 10. Terceira fase(1792-194):Diretório [GIRONDINOS]  A queda dos jacobinos representou a subida ao poder da alta burguesia. O Diretório era composto por cinco membros, e existiam ainda duas assembleias: a dos Anciãos e a dos Quinhentos. Essa fase representou o fortalecimento da burguesia e a volta de alguns privilégios, como o voto censitário e o fim das leis sociais do período anterior.  Houve ainda tentativas de insurreições, como a de Graco Babeuf, líder da Conspiração dos Iguais, que pretendia destituir o Diretório e aprofundar as reformas sociais da Revolução Francesa. Babeuf foi guilhotinado, ilustrando o domínio da burguesia no poder do Estado. As disputas internas e as guerras externas criaram as condições para o fortalecimento do exército e de um dos seus principais generais, Napoleão Bonaparte. Com a criação do Consulado em 1799, tinha início a época Napoleônica.
  • 11. Conteúdo de apoio Serie de vídeos do canal HistóriAção Humanas sobre a Revolução Francesa http://www.youtube.com/watch?v=sMnbzYgBgTU&list=PLIokx6YTzqBGfKHJjU59x FHe-r_wkFqI6