SlideShare uma empresa Scribd logo
A REVOLUÇÃO FRANCESA
A ECONOMIA NA FRANÇA ANTES DA
REVOLUÇÃO
Antes da Revolução a França encontrava-se numa crise económica e
financeira.
O descontentamento social agravou a crise económica em que o pais
se encontrava devido aos maus anos agrícolas que fizeram subir o
preço dos cereais, e agravou também a crise financeira pois as
receitas do Estado não eram suficientes para cobrir as despesas.
Para resolver estes problemas decidiu-se cobrar impostos aos grupos
privilegiados, mas estes opunham-se. Para encontrar uma solução
Luís XVI pediu aos Estados Gerais para se reunirem.
A SOCIEDADE NA FRANÇA ANTES
DA REVOLUÇÃOEm 1789, na França havia um enorme
descontentamento social, a França tinha
todas as características de uma
sociedade do Antigo Regime, uma
economia essencialmente agrícola;
apenas dois grupos sociais tinham
privilégios; o Rei exercia poder absoluto.
A nobreza e o clero que representavam a
minoria da população estavam isentos de
impostos, ocupavam os lugares públicos
mais importantes e pertencia-lhes um
vasto território.
A maioria da população francesa
pertencia ao Terceiro Estado (97% da
população), estas pessoas eram
camponeses, burgueses… que
estavam revoltados com os privilégios
do clero e da nobreza.
Os camponeses estavam
sobrecarregados de impostos e tinham
que sofrer com a humilhante justiça
senhorial.
Os pequenos artesãos e os
assalariados queixavam-se do
desemprego, dos baixos salários, e do
aumento dos preços dos produtos.
A burguesia era o grupo mais rico e
culto, no entanto não tinha acesso aos
lugares mais importantes da
administração, da Igreja e do Exército.
A POLITICA NA FRANÇA ANTES DA
REVOLUÇÃO
Quando os Estados Gerais se reunirem foram eleitos
os representantes de cada uma das ordens. Os
representantes do Terceiro Estado e dos grupos
privilegiados entraram logo em conflito. O Terceiro
Estado recusou a votação tradicional e exigiu uma
votação por cabeça, que lhe dava uma vitória nas
votações e assim podiam também contar com votos
da nobreza e do clero.
Devido á impossibilidade de um acordo sobre a
forma de votarem, o Terceiro Estado declarou-se à
Assembleia da Nação, o Rei teve que ceder e ordenou
aos deputados das ordens privilegiadas que se
reunissem com os do Terceiro Estado, o objetivo era
criar uma constituição, acabando assim com a
monarquia absoluta.
O Rei reagiu contra a criação de uma
Constituição, ameaçando desfazer a
Assembleia e ordenou o cerco de
Paris. Em contestação o povo saiu á
rua e organizou-se.
A burguesia tomou conta do poder
municipal e criou a Guarda Nacional,
em que faziam parte burgueses e
desertores do Exército. Foram
levantadas as barricadas e o povo de
Paris assaltou a prisão-fortaleza da
Bastilha, enquanto isto acontecia
noutras zonas de França camponeses
furiosos atacavam castelos senhoriais.
AS VÁRIAS FASES DA REVOLUÇÃO
FRANCESA
A Revolução Francesa foi dividido em várias fases:
• A Fase da Monarquia Constitucional;
•Convenção Republicana e o Período do Terror;
•Diretório.
FASE DA MONARQUIA
CONSTITUCIONAL (1789-1792)
Além do Grande Medo e da Declaração dos
Direitos dos Homens, esta fase caracteriza-se
pela perda dos direitos da nobreza e pela
criação de uma monarquia constitucional,
após a primeira Constituição. Os outros
países monárquicos, ficaram receosos que
sistema revolucionário afetasse os ânimos da
sua população.
Áustria e Prússia entraram em guerra com a
França, em 1791. No mesmo ano, a
Assembleia Legislativa, destituiu Luís XVI do
seu reinado.
Foi proclamada a República e a Comuna
Insurrecional, passou a governar o país. Em
1791, foi criada a Convenção e dissolvida a
Assembleia Legislativa.
CONVENÇÃO REPUBLICANA E O
PERÍODO DO TERROR (1792-1794)
A Convenção Republicana tinha o
dever de elaborar uma nova
Constituição, fazendo com que os
cidadãos participassem na
administração do Estado, e de
impedir o regresso de uma
monarquia absoluta.
As propostas das classes mais
baixas levaram à execução do rei
Luís XVI e sua família na guilhotina.
Os cidadãos que se opuseram às
execuções também foram mortos na
guilhotina. Começou assim o
período do Terror.
Depois do período do Terror, subiram
ao poder os jacobinos liderados por
Robespierre. Quando a nova
Constituição entrou em vigor, garantiu
o voto a todos os homens maiores de
21 anos. A contrarrevolução interna foi
oprimida e novas leis foram
promulgadas, como, o fim da
escravidão nas colónias e o preço
máximo dos alimentos.
Centralização do poder e as novas
medidas criadas por Robespierre, bem
como a condenação de inimigos e
aliados, deixaram-no isolado, sem base
para o seu poder. Em 1794,
Robespierre foi guilhotinado, e os
jacobinos perderam o poder de Estado.
DIRETÓRIO (1794-1799)
A queda dos jacobinos representou a
subida ao poder da alta burguesia. O
Diretório era composto por cinco
membros, existiam também duas
assembleias: os Anciãos e os
Quinhentos. Durante esta fase houve
uma consolidação da burguesia e o
aparecimento de alguns privilégios,
como o voto censitário.
A Conspiração dos Iguais liderada por
Graco Babeuf queria destituir o
Diretório e aprofundar as reformas da
Revolução Francesa. Babeuf foi
guilhotinado.
QUEM FOI NAPOLEÃO
BONAPARTE?Napoleão nasceu na Córsega em 1769, muito novo, apenas
com dez anos de idade, seu pai enviou-o para a França
para estudar numa escola militar. Encontrou muitos
desafios mas sempre os superou com muito empenho e
determinação.
Foi com a Revolução Francesa que Napoleão alcançou o
seu objetivo. Tornou-se general aos 27 anos, saindo-se
vitorioso em batalhas na Itália e Áustria.
Ele queria que seus soldados se considerassem
invencíveis. No ano de 1798, ele foi para o Egito, com a
intenção de tirar os britânicos do caminho das Índias.
Ele foi bem visto pelos seus soldados e pelo povo francês.
Exerceu poder absoluto depois de ser nomeado cônsul.
No ano de 1804, Napoleão tornou-se imperador. Com
todo o poder, ele formou um novo governo e também
novas leis.
Querendo derrotar os ingleses,
Napoleão ordenou o Bloqueio
Continental que tinha o objetivo proibir
o comércio com a Grã-Bretanha.
Em 1812, Napoleão atacou à Rússia,
mas, ao contrário outros confrontos,
este foi um fracasso.
Depois de ser derrotado, Napoleão
buscou exílio na ilha de Elba, mas em
1815 fugiu desta ilha voltando a França
com o seu exército e iniciou o seu
governo de Cem Dias na França.
Depois de ser novamente derrotado
pelos ingleses na Batalha de Waterloo
foi exilado na ilha de Santa Helena,
AS MEDIDAS QUE NAPOLEÃO
TOMOU ENQUANTO IMPERADOR.
Durante os 15 anos que Napoleão permaneceu no poder tanto
como imperador tanto como cônsul tomou várias medidas, a sua
obra politica contribuiu imenso para a modernização de França.
Algumas das suas medidas foram:
• A reorganização do Estado;
• A publicação do código Civil;
• Estruturação do ensino
público;
• Apoio ao <desenvolvimento
agrícola;
• Criação do Banco de França;
• Mandou construir grandes
obras públicas;
• Impôs a formação de Estados
vassalos;
• Ordenou o Bloqueio
Continental;
Depois de ordenar o Bloqueio
Continental, a Inglaterra continuava a
resistir e Portugal mantinha-se seu
aliado, por isso Napoleão decidiu
atacar Portugal, e em 1807 as tropas
francesas comandadas por Junot
invadiram Portugal.
A família real portuguesa e muitas
outras pessoas que se sentiram
ameaçadas partiram para o Brasil com
todos os seus pertences, Junot tomou
várias medidas que desagradaram aos
portugueses, e estes pediram auxilio
aos ingleses para combater as tropas
francesas, o exercito anglo-
português era comandado pelo
general Wellesley algum tempo depois
Junot foi obrigado a assinar o tratado
de Sintra.
Arthur Wellesley
A 1809, Portugal foi novamente invadido pelos
franceses desta vez comandados por Soult, mas
este encontrou grande resistência e foi obrigado
a abandonar Portugal.
A última invasão napoleónica deu-se em 1810 foi
comandada pelo general Massena, que tinha fama
de nunca ter sido derrotado, porém na batalha do
Buçaco o exercito francês sofreu muitas baixas e
quando chegou a Lisboa foi parado pelas Linhas
de Torres.
General
Massena
Trabalho realizado por: Maria Caracinha
Disciplina: História
Nº 9
8º A
Ano letivo 2014/2015
Escola Básica Fialho de Almeida

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolucao francesa ppt
Revolucao francesa pptRevolucao francesa ppt
Revolucao francesa ppt
pcgpnl
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Pework
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
Rodrigo Luiz
 
Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
História Pensante
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
Ewerton Anacleto de Souza
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
Isabel Aguiar
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
Professor de História
 
Franquismo e salazarismo
Franquismo e salazarismoFranquismo e salazarismo
Franquismo e salazarismo
Lucas Molinari
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Murilo Benevides
 
Primeira Guerra Mundial.
Primeira Guerra Mundial.Primeira Guerra Mundial.
Primeira Guerra Mundial.
Camila Brito
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
Fabrício Colombo
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
seixasmarianas
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
MargarethFranklim
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Sebastião Herodes
 
Guerra mascates
Guerra mascatesGuerra mascates
Guerra mascates
Chromus Master
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
eduardosalgdo
 
Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)
Wilton Moretto
 
Invasao holandesa
Invasao holandesaInvasao holandesa
Invasao holandesa
Patricia Medeiros
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Professor de História
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
Professora Natália de Oliveira
 

Mais procurados (20)

Revolucao francesa ppt
Revolucao francesa pptRevolucao francesa ppt
Revolucao francesa ppt
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução Chinesa
Revolução ChinesaRevolução Chinesa
Revolução Chinesa
 
Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
Resumo - Primeira Guerra Mundial (1914-1918) - História Pensante.
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
 
Revoluções inglesas
Revoluções inglesasRevoluções inglesas
Revoluções inglesas
 
Franquismo e salazarismo
Franquismo e salazarismoFranquismo e salazarismo
Franquismo e salazarismo
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Primeira Guerra Mundial.
Primeira Guerra Mundial.Primeira Guerra Mundial.
Primeira Guerra Mundial.
 
Revolução chinesa
Revolução chinesaRevolução chinesa
Revolução chinesa
 
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIVCrise do Feudalismo - Séc. XIV
Crise do Feudalismo - Séc. XIV
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Guerra mascates
Guerra mascatesGuerra mascates
Guerra mascates
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)
 
Invasao holandesa
Invasao holandesaInvasao holandesa
Invasao holandesa
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
 

Destaque

Powerpoint Santa Rita Pintor
Powerpoint Santa Rita PintorPowerpoint Santa Rita Pintor
Powerpoint Santa Rita Pintor
ceufaias
 
Alunos finalistas
Alunos finalistasAlunos finalistas
Alunos finalistas
ceufaias
 
Trabalho revolução francesa
Trabalho  revolução francesaTrabalho  revolução francesa
Trabalho revolução francesa
ceufaias
 
Mário de sá carneiro trabalho de hist
Mário de sá carneiro trabalho de histMário de sá carneiro trabalho de hist
Mário de sá carneiro trabalho de hist
ceufaias
 
2ª guerra mundial
2ª guerra mundial2ª guerra mundial
2ª guerra mundial
ceufaias
 
Marie curie
Marie curieMarie curie
Marie curie
ceufaias
 
2° guerra mundial
2° guerra mundial2° guerra mundial
2° guerra mundial
ceufaias
 
Festa do futebol artur e rachel
Festa do futebol   artur e rachelFesta do futebol   artur e rachel
Festa do futebol artur e rachel
ceufaias
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
ceufaias
 
O mundo saído da guerra
O mundo saído da guerraO mundo saído da guerra
O mundo saído da guerra
ceufaias
 
Renascimento e a nova mentalidade
Renascimento e a nova mentalidadeRenascimento e a nova mentalidade
Renascimento e a nova mentalidade
ceufaias
 
Trabalho sobre as Civilizações Rodrigo Coelho
Trabalho sobre as Civilizações  Rodrigo CoelhoTrabalho sobre as Civilizações  Rodrigo Coelho
Trabalho sobre as Civilizações Rodrigo Coelho
ceufaias
 
O mundo após a guerra
O mundo após a guerraO mundo após a guerra
O mundo após a guerra
ceufaias
 
82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra
ceufaias
 
Henri matisse, matilde 2
Henri matisse, matilde 2Henri matisse, matilde 2
Henri matisse, matilde 2
ceufaias
 
António Gaudí
António Gaudí  António Gaudí
António Gaudí
ceufaias
 
Revolucao Francesa
Revolucao FrancesaRevolucao Francesa
Revolucao Francesa
Gabriel Moreira
 
Henri matisse
Henri matisseHenri matisse
Henri matisse
ceufaias
 
D. Duarte
D. DuarteD. Duarte
D. Duarte
ceufaias
 
Notas curso-ensino-hibrido (1)
Notas curso-ensino-hibrido (1)Notas curso-ensino-hibrido (1)
Notas curso-ensino-hibrido (1)
André Mascarenhas
 

Destaque (20)

Powerpoint Santa Rita Pintor
Powerpoint Santa Rita PintorPowerpoint Santa Rita Pintor
Powerpoint Santa Rita Pintor
 
Alunos finalistas
Alunos finalistasAlunos finalistas
Alunos finalistas
 
Trabalho revolução francesa
Trabalho  revolução francesaTrabalho  revolução francesa
Trabalho revolução francesa
 
Mário de sá carneiro trabalho de hist
Mário de sá carneiro trabalho de histMário de sá carneiro trabalho de hist
Mário de sá carneiro trabalho de hist
 
2ª guerra mundial
2ª guerra mundial2ª guerra mundial
2ª guerra mundial
 
Marie curie
Marie curieMarie curie
Marie curie
 
2° guerra mundial
2° guerra mundial2° guerra mundial
2° guerra mundial
 
Festa do futebol artur e rachel
Festa do futebol   artur e rachelFesta do futebol   artur e rachel
Festa do futebol artur e rachel
 
Os loucos anos 20
Os loucos anos 20Os loucos anos 20
Os loucos anos 20
 
O mundo saído da guerra
O mundo saído da guerraO mundo saído da guerra
O mundo saído da guerra
 
Renascimento e a nova mentalidade
Renascimento e a nova mentalidadeRenascimento e a nova mentalidade
Renascimento e a nova mentalidade
 
Trabalho sobre as Civilizações Rodrigo Coelho
Trabalho sobre as Civilizações  Rodrigo CoelhoTrabalho sobre as Civilizações  Rodrigo Coelho
Trabalho sobre as Civilizações Rodrigo Coelho
 
O mundo após a guerra
O mundo após a guerraO mundo após a guerra
O mundo após a guerra
 
82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra82095 transformacoes do_apos_guerra
82095 transformacoes do_apos_guerra
 
Henri matisse, matilde 2
Henri matisse, matilde 2Henri matisse, matilde 2
Henri matisse, matilde 2
 
António Gaudí
António Gaudí  António Gaudí
António Gaudí
 
Revolucao Francesa
Revolucao FrancesaRevolucao Francesa
Revolucao Francesa
 
Henri matisse
Henri matisseHenri matisse
Henri matisse
 
D. Duarte
D. DuarteD. Duarte
D. Duarte
 
Notas curso-ensino-hibrido (1)
Notas curso-ensino-hibrido (1)Notas curso-ensino-hibrido (1)
Notas curso-ensino-hibrido (1)
 

Semelhante a A revolução francesa

8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
borgia
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
alunoitv
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
alunoitv
 
Revolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
Revolução Francesa ao Fim da Era NapoleônicaRevolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
Revolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
alunoitv
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° b
alunoitv
 
Revolução Francesa/Governo Napoleônico - Giovanna e Gabriela B. - 8ºB
Revolução Francesa/Governo Napoleônico - Giovanna e Gabriela B. - 8ºBRevolução Francesa/Governo Napoleônico - Giovanna e Gabriela B. - 8ºB
Revolução Francesa/Governo Napoleônico - Giovanna e Gabriela B. - 8ºB
alunoitv
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
alunoitv
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
AmandaKikuti
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro LimaPower Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
alunoitv
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
alunoitv
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
alunoitv
 
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
alunoitv
 
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
alunoitv
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
Julia e Ana Vitória
Julia e Ana VitóriaJulia e Ana Vitória
Julia e Ana Vitória
alunoitv
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
alunoitv
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Império Napoleônico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - História -  Império Napoleônicowww.AulasEnsinoMedio.com.br - História -  Império Napoleônico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Império Napoleônico
AulasEnsinoMedio
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
GabrielaLimaPereira
 
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Wendell Leonardo .
 

Semelhante a A revolução francesa (20)

8º ano as revoluções liberais
8º ano   as revoluções liberais8º ano   as revoluções liberais
8º ano as revoluções liberais
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
 
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo NapoleônicoRevolução Francesa e Governo Napoleônico
Revolução Francesa e Governo Napoleônico
 
Revolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
Revolução Francesa ao Fim da Era NapoleônicaRevolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
Revolução Francesa ao Fim da Era Napoleônica
 
Revolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° bRevolução francesa 8° b
Revolução francesa 8° b
 
Revolução Francesa/Governo Napoleônico - Giovanna e Gabriela B. - 8ºB
Revolução Francesa/Governo Napoleônico - Giovanna e Gabriela B. - 8ºBRevolução Francesa/Governo Napoleônico - Giovanna e Gabriela B. - 8ºB
Revolução Francesa/Governo Napoleônico - Giovanna e Gabriela B. - 8ºB
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
 
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônicoAmanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
Amanda e gabriella rev. francesa e império napoleônico
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro LimaPower Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
Power Point de História - 8ºA - Nayara Hadad e Pedro Lima
 
Revolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era NapoleônicaRevolução francesa e Era Napoleônica
Revolução francesa e Era Napoleônica
 
Trabalho de História
Trabalho de HistóriaTrabalho de História
Trabalho de História
 
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...Considerar este   jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
Considerar este jv e pedro - revoluçao francesa ate o fim do imperio napole...
 
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
Revolução francesa ate fim do Governo Napoleônico
 
Revolução francesa
Revolução francesa Revolução francesa
Revolução francesa
 
Julia e Ana Vitória
Julia e Ana VitóriaJulia e Ana Vitória
Julia e Ana Vitória
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Império Napoleônico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - História -  Império Napoleônicowww.AulasEnsinoMedio.com.br - História -  Império Napoleônico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Império Napoleônico
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão Idade contemporânea   revolução francesa e napoleão
Idade contemporânea revolução francesa e napoleão
 

Mais de ceufaias

Descoberta do Brasil
Descoberta do BrasilDescoberta do Brasil
Descoberta do Brasil
ceufaias
 
As civilizações
As civilizaçõesAs civilizações
As civilizações
ceufaias
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigido
ceufaias
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
ceufaias
 
O antigo regime na europa
O antigo regime na europaO antigo regime na europa
O antigo regime na europa
ceufaias
 
A revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquelA revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquel
ceufaias
 
Do autoritarismo à democracia mónica, elisabete e david
Do autoritarismo à democracia   mónica, elisabete e davidDo autoritarismo à democracia   mónica, elisabete e david
Do autoritarismo à democracia mónica, elisabete e david
ceufaias
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democrático
ceufaias
 
Arte renascentista joana severo
Arte renascentista  joana severoArte renascentista  joana severo
Arte renascentista joana severo
ceufaias
 
Renascimento raquel manhita
Renascimento raquel manhitaRenascimento raquel manhita
Renascimento raquel manhita
ceufaias
 
Deuses egípcios Rita Rosado
Deuses egípcios  Rita RosadoDeuses egípcios  Rita Rosado
Deuses egípcios Rita Rosado
ceufaias
 
A vida no neolítico
A vida no neolíticoA vida no neolítico
A vida no neolítico
ceufaias
 

Mais de ceufaias (12)

Descoberta do Brasil
Descoberta do BrasilDescoberta do Brasil
Descoberta do Brasil
 
As civilizações
As civilizaçõesAs civilizações
As civilizações
 
Marquês de pombal corrigido
Marquês de pombal  corrigidoMarquês de pombal  corrigido
Marquês de pombal corrigido
 
O antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abrilO antes e o após 25 de abril
O antes e o após 25 de abril
 
O antigo regime na europa
O antigo regime na europaO antigo regime na europa
O antigo regime na europa
 
A revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquelA revolução liberal portuguesa. raquel
A revolução liberal portuguesa. raquel
 
Do autoritarismo à democracia mónica, elisabete e david
Do autoritarismo à democracia   mónica, elisabete e davidDo autoritarismo à democracia   mónica, elisabete e david
Do autoritarismo à democracia mónica, elisabete e david
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democrático
 
Arte renascentista joana severo
Arte renascentista  joana severoArte renascentista  joana severo
Arte renascentista joana severo
 
Renascimento raquel manhita
Renascimento raquel manhitaRenascimento raquel manhita
Renascimento raquel manhita
 
Deuses egípcios Rita Rosado
Deuses egípcios  Rita RosadoDeuses egípcios  Rita Rosado
Deuses egípcios Rita Rosado
 
A vida no neolítico
A vida no neolíticoA vida no neolítico
A vida no neolítico
 

Último

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 

Último (20)

- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 

A revolução francesa

  • 2.
  • 3. A ECONOMIA NA FRANÇA ANTES DA REVOLUÇÃO Antes da Revolução a França encontrava-se numa crise económica e financeira. O descontentamento social agravou a crise económica em que o pais se encontrava devido aos maus anos agrícolas que fizeram subir o preço dos cereais, e agravou também a crise financeira pois as receitas do Estado não eram suficientes para cobrir as despesas. Para resolver estes problemas decidiu-se cobrar impostos aos grupos privilegiados, mas estes opunham-se. Para encontrar uma solução Luís XVI pediu aos Estados Gerais para se reunirem.
  • 4. A SOCIEDADE NA FRANÇA ANTES DA REVOLUÇÃOEm 1789, na França havia um enorme descontentamento social, a França tinha todas as características de uma sociedade do Antigo Regime, uma economia essencialmente agrícola; apenas dois grupos sociais tinham privilégios; o Rei exercia poder absoluto. A nobreza e o clero que representavam a minoria da população estavam isentos de impostos, ocupavam os lugares públicos mais importantes e pertencia-lhes um vasto território.
  • 5. A maioria da população francesa pertencia ao Terceiro Estado (97% da população), estas pessoas eram camponeses, burgueses… que estavam revoltados com os privilégios do clero e da nobreza. Os camponeses estavam sobrecarregados de impostos e tinham que sofrer com a humilhante justiça senhorial. Os pequenos artesãos e os assalariados queixavam-se do desemprego, dos baixos salários, e do aumento dos preços dos produtos. A burguesia era o grupo mais rico e culto, no entanto não tinha acesso aos lugares mais importantes da administração, da Igreja e do Exército.
  • 6. A POLITICA NA FRANÇA ANTES DA REVOLUÇÃO Quando os Estados Gerais se reunirem foram eleitos os representantes de cada uma das ordens. Os representantes do Terceiro Estado e dos grupos privilegiados entraram logo em conflito. O Terceiro Estado recusou a votação tradicional e exigiu uma votação por cabeça, que lhe dava uma vitória nas votações e assim podiam também contar com votos da nobreza e do clero. Devido á impossibilidade de um acordo sobre a forma de votarem, o Terceiro Estado declarou-se à Assembleia da Nação, o Rei teve que ceder e ordenou aos deputados das ordens privilegiadas que se reunissem com os do Terceiro Estado, o objetivo era criar uma constituição, acabando assim com a monarquia absoluta.
  • 7. O Rei reagiu contra a criação de uma Constituição, ameaçando desfazer a Assembleia e ordenou o cerco de Paris. Em contestação o povo saiu á rua e organizou-se. A burguesia tomou conta do poder municipal e criou a Guarda Nacional, em que faziam parte burgueses e desertores do Exército. Foram levantadas as barricadas e o povo de Paris assaltou a prisão-fortaleza da Bastilha, enquanto isto acontecia noutras zonas de França camponeses furiosos atacavam castelos senhoriais.
  • 8. AS VÁRIAS FASES DA REVOLUÇÃO FRANCESA A Revolução Francesa foi dividido em várias fases: • A Fase da Monarquia Constitucional; •Convenção Republicana e o Período do Terror; •Diretório.
  • 9. FASE DA MONARQUIA CONSTITUCIONAL (1789-1792) Além do Grande Medo e da Declaração dos Direitos dos Homens, esta fase caracteriza-se pela perda dos direitos da nobreza e pela criação de uma monarquia constitucional, após a primeira Constituição. Os outros países monárquicos, ficaram receosos que sistema revolucionário afetasse os ânimos da sua população. Áustria e Prússia entraram em guerra com a França, em 1791. No mesmo ano, a Assembleia Legislativa, destituiu Luís XVI do seu reinado. Foi proclamada a República e a Comuna Insurrecional, passou a governar o país. Em 1791, foi criada a Convenção e dissolvida a Assembleia Legislativa.
  • 10. CONVENÇÃO REPUBLICANA E O PERÍODO DO TERROR (1792-1794) A Convenção Republicana tinha o dever de elaborar uma nova Constituição, fazendo com que os cidadãos participassem na administração do Estado, e de impedir o regresso de uma monarquia absoluta. As propostas das classes mais baixas levaram à execução do rei Luís XVI e sua família na guilhotina. Os cidadãos que se opuseram às execuções também foram mortos na guilhotina. Começou assim o período do Terror.
  • 11. Depois do período do Terror, subiram ao poder os jacobinos liderados por Robespierre. Quando a nova Constituição entrou em vigor, garantiu o voto a todos os homens maiores de 21 anos. A contrarrevolução interna foi oprimida e novas leis foram promulgadas, como, o fim da escravidão nas colónias e o preço máximo dos alimentos. Centralização do poder e as novas medidas criadas por Robespierre, bem como a condenação de inimigos e aliados, deixaram-no isolado, sem base para o seu poder. Em 1794, Robespierre foi guilhotinado, e os jacobinos perderam o poder de Estado.
  • 12. DIRETÓRIO (1794-1799) A queda dos jacobinos representou a subida ao poder da alta burguesia. O Diretório era composto por cinco membros, existiam também duas assembleias: os Anciãos e os Quinhentos. Durante esta fase houve uma consolidação da burguesia e o aparecimento de alguns privilégios, como o voto censitário. A Conspiração dos Iguais liderada por Graco Babeuf queria destituir o Diretório e aprofundar as reformas da Revolução Francesa. Babeuf foi guilhotinado.
  • 13. QUEM FOI NAPOLEÃO BONAPARTE?Napoleão nasceu na Córsega em 1769, muito novo, apenas com dez anos de idade, seu pai enviou-o para a França para estudar numa escola militar. Encontrou muitos desafios mas sempre os superou com muito empenho e determinação. Foi com a Revolução Francesa que Napoleão alcançou o seu objetivo. Tornou-se general aos 27 anos, saindo-se vitorioso em batalhas na Itália e Áustria. Ele queria que seus soldados se considerassem invencíveis. No ano de 1798, ele foi para o Egito, com a intenção de tirar os britânicos do caminho das Índias. Ele foi bem visto pelos seus soldados e pelo povo francês. Exerceu poder absoluto depois de ser nomeado cônsul. No ano de 1804, Napoleão tornou-se imperador. Com todo o poder, ele formou um novo governo e também novas leis.
  • 14. Querendo derrotar os ingleses, Napoleão ordenou o Bloqueio Continental que tinha o objetivo proibir o comércio com a Grã-Bretanha. Em 1812, Napoleão atacou à Rússia, mas, ao contrário outros confrontos, este foi um fracasso. Depois de ser derrotado, Napoleão buscou exílio na ilha de Elba, mas em 1815 fugiu desta ilha voltando a França com o seu exército e iniciou o seu governo de Cem Dias na França. Depois de ser novamente derrotado pelos ingleses na Batalha de Waterloo foi exilado na ilha de Santa Helena,
  • 15. AS MEDIDAS QUE NAPOLEÃO TOMOU ENQUANTO IMPERADOR. Durante os 15 anos que Napoleão permaneceu no poder tanto como imperador tanto como cônsul tomou várias medidas, a sua obra politica contribuiu imenso para a modernização de França. Algumas das suas medidas foram: • A reorganização do Estado; • A publicação do código Civil; • Estruturação do ensino público; • Apoio ao <desenvolvimento agrícola; • Criação do Banco de França; • Mandou construir grandes obras públicas; • Impôs a formação de Estados vassalos; • Ordenou o Bloqueio Continental;
  • 16. Depois de ordenar o Bloqueio Continental, a Inglaterra continuava a resistir e Portugal mantinha-se seu aliado, por isso Napoleão decidiu atacar Portugal, e em 1807 as tropas francesas comandadas por Junot invadiram Portugal. A família real portuguesa e muitas outras pessoas que se sentiram ameaçadas partiram para o Brasil com todos os seus pertences, Junot tomou várias medidas que desagradaram aos portugueses, e estes pediram auxilio aos ingleses para combater as tropas francesas, o exercito anglo- português era comandado pelo general Wellesley algum tempo depois Junot foi obrigado a assinar o tratado de Sintra. Arthur Wellesley
  • 17. A 1809, Portugal foi novamente invadido pelos franceses desta vez comandados por Soult, mas este encontrou grande resistência e foi obrigado a abandonar Portugal. A última invasão napoleónica deu-se em 1810 foi comandada pelo general Massena, que tinha fama de nunca ter sido derrotado, porém na batalha do Buçaco o exercito francês sofreu muitas baixas e quando chegou a Lisboa foi parado pelas Linhas de Torres. General Massena
  • 18. Trabalho realizado por: Maria Caracinha Disciplina: História Nº 9 8º A Ano letivo 2014/2015 Escola Básica Fialho de Almeida