SlideShare uma empresa Scribd logo
1
HISTÓRIA
Prof. Elvis John
ESTUDO
DIRIGIDO:
HISTÓRIA GERAL
Aluno (a):
Data: Turma: - 1º EM
Revoluções burguesas: Revolução Francesa.
1. Cenário pré-revolução.
1°- clero.
 Divisão dos estados 2°- nobreza.
3°- burguesias e trabalhadores.
 Burguesias:
 Alta- armadores, banqueiros e comerciantes.
 Média- prof. Liberais e funcionários públicos.
 Baixa- pequenos comerciantes e proprietários.
 Trabalhadores:
 Urbanos – manufaturas, artesãos, oficiais etc.
 Campo – arrendatários, assalariados rurais, servos (80% da população).
 Existência da servidão, da corvéia e da talha.
 Grande crescimento demográfico.
 Pequena produtividade devido aos:
 Entraves feudais.
 Problemas climáticos.
 Alta dos preços fome e miséria.
 Privilégios da nobreza Insatisfação social.
1.1-FATORES DAS INSATISFAÇÕES.
 Crise financeira (déficit público crônico) agravada pela:
 Guerra de Sete Anos (1756-1763).
2
 Guerra de Independência do EUA (1771-81).
 Problemas climáticos alta dos preços crise econômica miséria
revoltas.
 Governo do Bourbons (Luís XV e Luís XVI) - insensível à situação.
 Contradição: desenvolvimento capitalista x tradicionalismo feudal.
 Crise na cidade - Manufatura (tratado Éden- Rayneval).
2. A Revolução:
2.1- Assembleia dos notáveis – 1787.
 Revolta Aristocrática ou Nobiliárquica (1787-89), pois não aceitavam a taxação proposta
pelo rei.
2.2. Os Estados Gerais (5/mai./1789) - convocado pelo rei para votar ampliação dos impostos do
terceiro estado.
RESUMO GERAL
A situação da França no século XVIII era de extrema injustiça
social na época do Antigo Regime. O Terceiro Estado era formado
pelos trabalhadores urbanos, camponeses e a pequena burguesia
comercial. Os impostos eram pagos somente por este segmento
social com o objetivo de manter os luxos da nobreza.
A França era um país absolutista nesta época. O rei
governava com poderes absolutos, controlando a economia, a
justiça, a política e até mesmo a religião dos súditos. Havia a
falta de democracia, pois os trabalhadores não podiam votar, nem
mesmo dar opiniões na forma de governo. Os oposicionistas eram
presos na Bastilha (prisão política da monarquia) ou condenados à
morte.
A sociedade francesa do século XVIII era estratificada e
hierarquizada. No topo da pirâmide social, estava o clero que
também tinha o privilégio de não pagar impostos. Abaixo do clero,
estava a nobreza formada pelo rei, sua família, condes, duques,
marqueses e outros nobres que viviam de banquetes e muito luxo na
corte. A base da sociedade era formada pelo terceiro estado
(trabalhadores, camponeses e burguesia) que sustentava toda a
sociedade com seu trabalho e com o pagamento de altos impostos.
Pior era a condição de vida dos desempregados que aumentavam em
larga escala nas cidades francesas.
A vida dos trabalhadores e camponeses era de extrema
miséria, portanto, desejavam melhorias na qualidade de vida e de
trabalho. A burguesia, mesmo tendo uma condição social melhor,
desejava uma participação política maior e mais liberdade
econômica em seu trabalho.
3
 290 deputados do baixo clero e da nobreza apoiavam o 3° Estado que se recusa a aceitar a
votação por estado e propõe votação por membro.
 O rei fechou a assembleia.
 Os membros do terceiro estado e seus representantes do primeiro e segundo declararam-se
em Assembleia Nacional Constituinte - 9/jul./1789
3. As fases:
Iª - Assembleia Nacional Constituinte (1789/91).
 No início o rei Luís XVI tenta fechar a assembleia;
 Fase moderada, porém com duas ações violentas:
a) Cidade – “Tomada da Bastilha” - 14/jul./1789 – A revolta popular espalha-se:
 Ocorreu por dois motivos: busca de armamentos e questionamento do poder do rei (marca o
INÍCIO DA REVOLUÇÃO).
b) Campo – massacre de nobres.
 Noite do Grande Medo: castelos foram incendiados e títulos foram rasgados.
 Luis XVI tentou dissolver a assembleia constituinte. Isso levou às revoltas populares e ao
fim dos privilégios feudais (5/ago./1789).
 No final desta fase foi fundada uma Monarquia Parlamentarista ou Constitucional;
 O confisco dos bens do clero francês, foi considerado um dos atos mais importantes da
Assembleia;
 Parte do clero não aceita e como resposta a Assembleia decreta a Constituição Civil do
Clero, onde o clero passa a ser funcionário do Estado;
 A Assembléia Nacional, estabelecida entre 1789 e 1792, aboliu o voto por estamento e deu
condições para que novas práticas fossem fixadas ao contexto político francês;
 Contando com a intensa participação da burguesia e dos camponeses, a Revolução ganhava
força nas ruas, campos e instituições francesas;
 As leis que garantiam os privilégios nobiliárquicos foram abolidas, trazendo maior
igualdade de direitos entre os franceses (fim dos privilégios feudais).
 Em 1791 a Constituição ficou pronta, instituindo a Monarquia Parlamentar.
As principais resoluções foram:
 Três novos poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário. Caberia à Assembleia o poder
legislativo e o rei o poder executivo. O trono continuaria hereditário e os deputados
exerceriam mandatos de apenas dois anos;
 Igualdade jurídica;
 Abolição dos privilégios do clero e da nobreza;
 Abolição do feudalismo;
 Liberdade de produção e de comércio;
 Separação da Igreja e do Estado;
 Nacionalização dos bens do clero e a Constituição Civil do Clero.
4
 Nesta nova forma de poder o voto era censitário, o que pode-se dizer que o poder continuava
na mãos de poucos, sendo estes uma parte privilegiada, a alta burguesia;
 O povo francês continuaria sem poder de voto, o que acabou gerando conflitos entre os
integrantes do terceiro estado, resultando na separação e criação de novos partidos;
 Foi elaborada a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.
 Uma Nova moeda (assignats) foi criada.
DETALHE:
Com essas medidas de afastamento das camadas populares do cenário político fica claro
que a alta burguesia está afrente da revolução LIBERDADE e IGUALDADE eram restritos aos
interesses dessa classe social.
IIª - Monarquia constitucional (1791/92).
 Declaração de Pillnits – reação prussiana contra a Revolução contra a revolução francesa.
 Fuga de Luís XVI – 1791.
 Emigrados X exército popular (comuna insurrecional de Paris).
 Acusação do rei e república.
IIIª - Convenção Nacional (1792/95) - República:
a) República Girondina (1792/93) - Alta burguesia na liderança da França.
b) República Jacobina (Montanha) - Baixa, média e alta burguesias : jun./1793 – jul./1794.
# Foi caracterizada:
- Pela morte de Luís XVI em 21/jan./1793.
- Pelo êxito no combate à reação externa.
- O Terror - set./1793/94 - reação radical dos jacobinos à morte de Mart:
IMPORTANTE:
 1ª constituição francesa – 1791.
 afasta as camadas populares.
 leis contra as greves e associações (Estado burguês).
5
•
 Período da Convenção Montanhesa (jacobina).
 Foi a fase mais radical da revolução.
 Nova constituição – voto universal masculino e democratização.
 Criação de comitês:
a) O Comitê de Salvação Nacional era responsável por conter as revoltas internas.
b) O Comitê de Salvação Publica comandava os exércitos e administrava as finanças
públicas.
c) Tribunal Revolucionário prendia e julgava os traidores da revolução.
 Lei do Máximo - O tabelamento dos preços, estabelecido na tentava de controlar o processo
inflacionário da economia.
 Vários bens da Igreja e da nobreza foram vendidos em leilões públicos.
 O ensino público gratuito também foi outra grande medida dos revolucionários jacobinos.
 Consolida a revolução.
 Fim da escravidão nas colônias
 Reforma agrária.
 Contém a ameaça externa.
# REVOLUCIONÁRIOS JACOBINOS:
Robespierre Marat Danton
SOBRE O TERROR:
Em 1793, os radicais liderados por Robespierre, Danton e
Marat assumem o poder e organização as guardas nacionais.
Estas recebem ordens dos líderes para matar qualquer
oposicionista do novo governo expulsando alguns líderes
girondinos da Convenção. Muitos integrantes da nobreza e
outros franceses de oposição foram condenados a morte neste
período. A violência e a radicalização política são as marcas
desta época.
6
* Reação Termidoriana (Julho – 1794/95).
Em 27 de julho de 1794, os girondinos retiraram Robespierre do comando da Convenção.
Com a volta do projeto político da alta burguesia, as leis populares foram revogadas e uma nova
constituição elaborada. Os setores populares foram excluídos dos quadros políticos. O novo
governo seria exercido por um diretório escolhido por cinco membros escolhidos pelos deputados.
- Resumindo:
 Planice e Gironda no poder.
 Controle dos sans-culottes.
 Fim da Lei do Máximo.
 1795 – constituição do ano III - retorno do voto censitário.
IV. Diretório (1795/99).
 Governo de cinco diretores representantes da alta burguesia.
 Não consegue conter as revoltas populares (manter a paz interna).
 Não retoma o crescimento econômico.
 Não promove a expansão militar com vistas à conquista de mercados.
 Torna-se necessária a união Burguesia/exército - apoio de Napoleão Bonaparte à alta
burguesia:
# O 18 de Brumário.
- O que foi?
O 18 de Brumário foi um golpe de Estado comandado por Napoleão Bonaparte na França.
No calendário revolucionário francês, este dia ocorreu em 18 de Brumário do ano IV (9 de
novembro de 1799 no calendário gregoriano). Através deste golpe, Napoleão colocou fim ao
Diretório e iniciou a ditadura na França.
Após a queda do Diretório, foi criado o Consulado e Napoleão se tornou o primeiro-cônsul
da França, governando com poderes absolutos. Era o FIM DA REVOLUÇÃO FRANCESA.
Mesmo com uma grande instabilidade política e econômica na França, Napoleão recebeu
forte apoio da burguesia que defendia um governo forte para pacificar o país e gerar um ambiente
de ordem.
- Como ocorreu?
Mesmo com uma grande instabilidade política e econômica na França, Napoleão recebeu
forte apoio da burguesia que defendia um governo forte para pacificar o país e gerar um ambiente
de ordem.
Os políticos do Diretório deram a Napoleão o apoio necessário e propuseram o uso da força
militar para que ele assumisse o governo.
7
4 . Era Napoleônica (1799/1815).
burguesia.
 Base exército.
camponeses – posse da terra.
4.1. Consulado (1799/1804).
 Expande o ideal revolucionário.
 Neutraliza a ameaça externa.
 Estabiliza a economia – financia: indústria e agricultura.
 Retoma as relações com a Igreja.
 1802 – nova constituição – poderes a Napoleão.
 Ensino – Estado (Liceus).
4.2 – Império (1804/1814).
 Com a Constituição do ano XII – 1804 Napoleão:
# Tornou-se cônsul vitalício único.
# É escolhido imperador via plebiscito.
 Vitória sobre a 3ª coligação (Rússia, Áustria, Suécia e Inglaterra) – 1805.
# Hegemonia francesa sobre a Europa.
4.2.1 – O fim do império (1812/1815).
Que a força esteja com você!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
Joice Belini
 
3ºano slide - da crise à guerra
3ºano   slide - da crise à guerra3ºano   slide - da crise à guerra
3ºano slide - da crise à guerra
Daniel Alves Bronstrup
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 04 - Repúbli...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 04 - Repúbli...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 04 - Repúbli...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 04 - Repúbli...
missaodiplomatica
 
História do Brasil - A "República Velha"
História do Brasil - A "República Velha"História do Brasil - A "República Velha"
História do Brasil - A "República Velha"
Paulo Alexandre
 
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
Daniel Alves Bronstrup
 
43 da queda da monarquia à implantação da república
43   da queda da monarquia à implantação da república43   da queda da monarquia à implantação da república
43 da queda da monarquia à implantação da república
Carla Freitas
 
Parte 1 O fim da República Velha e a era Vargas
Parte 1 O fim da República Velha e a era VargasParte 1 O fim da República Velha e a era Vargas
Parte 1 O fim da República Velha e a era Vargas
Patricia Mendonça
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
Isabel Aguiar
 
O estado novo
O estado novoO estado novo
O estado novo
Sandra Costa
 
Aula 18 república velha
Aula 18   república velhaAula 18   república velha
Aula 18 república velha
Jonatas Carlos
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
Alunos Alunos
 
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
A REVOLUÇÃO FRANCESA
A REVOLUÇÃO FRANCESAA REVOLUÇÃO FRANCESA
A REVOLUÇÃO FRANCESA
Paulo Alexandre
 
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Conteúdos do história
Conteúdos do históriaConteúdos do história
Conteúdos do história
Atividades Diversas Cláudia
 
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
Vítor Santos
 
Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneo
Jonatas Carlos
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
Sérgio Machado
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
Vítor Santos
 

Mais procurados (19)

Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 
3ºano slide - da crise à guerra
3ºano   slide - da crise à guerra3ºano   slide - da crise à guerra
3ºano slide - da crise à guerra
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 04 - Repúbli...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 04 - Repúbli...Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 04 - Repúbli...
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 04 - Repúbli...
 
História do Brasil - A "República Velha"
História do Brasil - A "República Velha"História do Brasil - A "República Velha"
História do Brasil - A "República Velha"
 
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)3° ano -  Independência e Brasil Império (1° Reinado)
3° ano - Independência e Brasil Império (1° Reinado)
 
43 da queda da monarquia à implantação da república
43   da queda da monarquia à implantação da república43   da queda da monarquia à implantação da república
43 da queda da monarquia à implantação da república
 
Parte 1 O fim da República Velha e a era Vargas
Parte 1 O fim da República Velha e a era VargasParte 1 O fim da República Velha e a era Vargas
Parte 1 O fim da República Velha e a era Vargas
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
 
O estado novo
O estado novoO estado novo
O estado novo
 
Aula 18 república velha
Aula 18   república velhaAula 18   república velha
Aula 18 república velha
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020
 
A REVOLUÇÃO FRANCESA
A REVOLUÇÃO FRANCESAA REVOLUÇÃO FRANCESA
A REVOLUÇÃO FRANCESA
 
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
GUERRA FRIA I, BASES, BIPOLARIDADE, MURO DE BERLIM, CORRIDAS ESPACIAL E ARMAM...
 
Conteúdos do história
Conteúdos do históriaConteúdos do história
Conteúdos do história
 
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
 
Aula 25 o mundo contemporâneo
Aula 25   o mundo contemporâneoAula 25   o mundo contemporâneo
Aula 25 o mundo contemporâneo
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
 

Destaque

ISLÃ - Prof. Elvis John
ISLÃ - Prof. Elvis JohnISLÃ - Prof. Elvis John
ISLÃ - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
ElvisJohnR
 
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis JohnHebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis JohnRELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis JohnGOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil
ElvisJohnR
 
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis JohnIORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Grécia antiga sem cabeçalho
Grécia antiga sem cabeçalhoGrécia antiga sem cabeçalho
Grécia antiga sem cabeçalho
ElvisJohnR
 
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundialGUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
ElvisJohnR
 
EGITO ANTIGO
EGITO ANTIGOEGITO ANTIGO
EGITO ANTIGO
ElvisJohnR
 
Guerra Fria - revolução iraniana
Guerra Fria -   revolução iranianaGuerra Fria -   revolução iraniana
Guerra Fria - revolução iraniana
ElvisJohnR
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
ElvisJohnR
 
Presidentes da República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
Presidentes da  República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis JohnPresidentes da  República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
Presidentes da República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
ElvisJohnR
 
Lista de atividades - globalização
Lista de atividades - globalizaçãoLista de atividades - globalização
Lista de atividades - globalização
matheuslw
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Vítor Santos
 

Destaque (15)

ISLÃ - Prof. Elvis John
ISLÃ - Prof. Elvis JohnISLÃ - Prof. Elvis John
ISLÃ - Prof. Elvis John
 
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
Intolerância religiosa: Palestina; Tailândia, Tibete, Nigéria.
 
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis JohnHebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
Hebreus e fenícios: religião e sociedade - Prof. Elvis John
 
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis JohnRELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
RELIGIÃO: EGITO e MESOPOTÂMIA - Prof. Elvis John
 
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis JohnGOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
GOVERNO LULA e DILMA - Prof. Elvis John
 
2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil
 
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis JohnIORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
IORUBÁS E BANTOS: cultura afro-brasileira- Prof. Elvis John
 
Grécia antiga sem cabeçalho
Grécia antiga sem cabeçalhoGrécia antiga sem cabeçalho
Grécia antiga sem cabeçalho
 
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundialGUERRA FRIA - a nova ordem mundial
GUERRA FRIA - a nova ordem mundial
 
EGITO ANTIGO
EGITO ANTIGOEGITO ANTIGO
EGITO ANTIGO
 
Guerra Fria - revolução iraniana
Guerra Fria -   revolução iranianaGuerra Fria -   revolução iraniana
Guerra Fria - revolução iraniana
 
Conflito árabe israelense
Conflito árabe israelenseConflito árabe israelense
Conflito árabe israelense
 
Presidentes da República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
Presidentes da  República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis JohnPresidentes da  República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
Presidentes da República Oligárquica:mapa conceitual - Prof. Elvis John
 
Lista de atividades - globalização
Lista de atividades - globalizaçãoLista de atividades - globalização
Lista de atividades - globalização
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
 

Semelhante a Revolução francesa - Prof. Elvis John

REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
FelipeBicudo1
 
Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799
Rondinelly Silva
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
historiando
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
mesmoeumesmo
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
historiando
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
Nelia Salles Nantes
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
josafaslima
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
Julia Selistre
 
7 09 revolucao_francesa_1
7 09 revolucao_francesa_17 09 revolucao_francesa_1
7 09 revolucao_francesa_1
Edvaldo Rodrigues dos Santos
 
Revolução
RevoluçãoRevolução
Revolução
rodroigokojiro
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
Priscila Azeredo
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Ana Carolina
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
Ariel Prado
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
seixasmarianas
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
OAB (Brazilian Order of Advocates)
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Joemille Leal
 
Revolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - CompletoRevolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - Completo
Aline Oliveira
 
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fasesRevolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Matheus Alves
 
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docxApostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
RenatoSilva922886
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Marcelo Ferreira Boia
 

Semelhante a Revolução francesa - Prof. Elvis John (20)

REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
 
Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799Revolucaofrancesa 1789 1799
Revolucaofrancesa 1789 1799
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIXRoteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
Roteiro de Aula - Da Revolução Francesa ao Imperialismo do Séc. XIX
 
Revoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesaRevoluã§ã£o francesa
Revoluã§ã£o francesa
 
7 09 revolucao_francesa_1
7 09 revolucao_francesa_17 09 revolucao_francesa_1
7 09 revolucao_francesa_1
 
Revolução
RevoluçãoRevolução
Revolução
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucao francesa
Revolucao francesaRevolucao francesa
Revolucao francesa
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
 
Revolução francesa (aula)
Revolução francesa  (aula)Revolução francesa  (aula)
Revolução francesa (aula)
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - CompletoRevolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - Completo
 
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fasesRevolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
 
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docxApostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 

Último

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 

Revolução francesa - Prof. Elvis John

  • 1. 1 HISTÓRIA Prof. Elvis John ESTUDO DIRIGIDO: HISTÓRIA GERAL Aluno (a): Data: Turma: - 1º EM Revoluções burguesas: Revolução Francesa. 1. Cenário pré-revolução. 1°- clero.  Divisão dos estados 2°- nobreza. 3°- burguesias e trabalhadores.  Burguesias:  Alta- armadores, banqueiros e comerciantes.  Média- prof. Liberais e funcionários públicos.  Baixa- pequenos comerciantes e proprietários.  Trabalhadores:  Urbanos – manufaturas, artesãos, oficiais etc.  Campo – arrendatários, assalariados rurais, servos (80% da população).  Existência da servidão, da corvéia e da talha.  Grande crescimento demográfico.  Pequena produtividade devido aos:  Entraves feudais.  Problemas climáticos.  Alta dos preços fome e miséria.  Privilégios da nobreza Insatisfação social. 1.1-FATORES DAS INSATISFAÇÕES.  Crise financeira (déficit público crônico) agravada pela:  Guerra de Sete Anos (1756-1763).
  • 2. 2  Guerra de Independência do EUA (1771-81).  Problemas climáticos alta dos preços crise econômica miséria revoltas.  Governo do Bourbons (Luís XV e Luís XVI) - insensível à situação.  Contradição: desenvolvimento capitalista x tradicionalismo feudal.  Crise na cidade - Manufatura (tratado Éden- Rayneval). 2. A Revolução: 2.1- Assembleia dos notáveis – 1787.  Revolta Aristocrática ou Nobiliárquica (1787-89), pois não aceitavam a taxação proposta pelo rei. 2.2. Os Estados Gerais (5/mai./1789) - convocado pelo rei para votar ampliação dos impostos do terceiro estado. RESUMO GERAL A situação da França no século XVIII era de extrema injustiça social na época do Antigo Regime. O Terceiro Estado era formado pelos trabalhadores urbanos, camponeses e a pequena burguesia comercial. Os impostos eram pagos somente por este segmento social com o objetivo de manter os luxos da nobreza. A França era um país absolutista nesta época. O rei governava com poderes absolutos, controlando a economia, a justiça, a política e até mesmo a religião dos súditos. Havia a falta de democracia, pois os trabalhadores não podiam votar, nem mesmo dar opiniões na forma de governo. Os oposicionistas eram presos na Bastilha (prisão política da monarquia) ou condenados à morte. A sociedade francesa do século XVIII era estratificada e hierarquizada. No topo da pirâmide social, estava o clero que também tinha o privilégio de não pagar impostos. Abaixo do clero, estava a nobreza formada pelo rei, sua família, condes, duques, marqueses e outros nobres que viviam de banquetes e muito luxo na corte. A base da sociedade era formada pelo terceiro estado (trabalhadores, camponeses e burguesia) que sustentava toda a sociedade com seu trabalho e com o pagamento de altos impostos. Pior era a condição de vida dos desempregados que aumentavam em larga escala nas cidades francesas. A vida dos trabalhadores e camponeses era de extrema miséria, portanto, desejavam melhorias na qualidade de vida e de trabalho. A burguesia, mesmo tendo uma condição social melhor, desejava uma participação política maior e mais liberdade econômica em seu trabalho.
  • 3. 3  290 deputados do baixo clero e da nobreza apoiavam o 3° Estado que se recusa a aceitar a votação por estado e propõe votação por membro.  O rei fechou a assembleia.  Os membros do terceiro estado e seus representantes do primeiro e segundo declararam-se em Assembleia Nacional Constituinte - 9/jul./1789 3. As fases: Iª - Assembleia Nacional Constituinte (1789/91).  No início o rei Luís XVI tenta fechar a assembleia;  Fase moderada, porém com duas ações violentas: a) Cidade – “Tomada da Bastilha” - 14/jul./1789 – A revolta popular espalha-se:  Ocorreu por dois motivos: busca de armamentos e questionamento do poder do rei (marca o INÍCIO DA REVOLUÇÃO). b) Campo – massacre de nobres.  Noite do Grande Medo: castelos foram incendiados e títulos foram rasgados.  Luis XVI tentou dissolver a assembleia constituinte. Isso levou às revoltas populares e ao fim dos privilégios feudais (5/ago./1789).  No final desta fase foi fundada uma Monarquia Parlamentarista ou Constitucional;  O confisco dos bens do clero francês, foi considerado um dos atos mais importantes da Assembleia;  Parte do clero não aceita e como resposta a Assembleia decreta a Constituição Civil do Clero, onde o clero passa a ser funcionário do Estado;  A Assembléia Nacional, estabelecida entre 1789 e 1792, aboliu o voto por estamento e deu condições para que novas práticas fossem fixadas ao contexto político francês;  Contando com a intensa participação da burguesia e dos camponeses, a Revolução ganhava força nas ruas, campos e instituições francesas;  As leis que garantiam os privilégios nobiliárquicos foram abolidas, trazendo maior igualdade de direitos entre os franceses (fim dos privilégios feudais).  Em 1791 a Constituição ficou pronta, instituindo a Monarquia Parlamentar. As principais resoluções foram:  Três novos poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário. Caberia à Assembleia o poder legislativo e o rei o poder executivo. O trono continuaria hereditário e os deputados exerceriam mandatos de apenas dois anos;  Igualdade jurídica;  Abolição dos privilégios do clero e da nobreza;  Abolição do feudalismo;  Liberdade de produção e de comércio;  Separação da Igreja e do Estado;  Nacionalização dos bens do clero e a Constituição Civil do Clero.
  • 4. 4  Nesta nova forma de poder o voto era censitário, o que pode-se dizer que o poder continuava na mãos de poucos, sendo estes uma parte privilegiada, a alta burguesia;  O povo francês continuaria sem poder de voto, o que acabou gerando conflitos entre os integrantes do terceiro estado, resultando na separação e criação de novos partidos;  Foi elaborada a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.  Uma Nova moeda (assignats) foi criada. DETALHE: Com essas medidas de afastamento das camadas populares do cenário político fica claro que a alta burguesia está afrente da revolução LIBERDADE e IGUALDADE eram restritos aos interesses dessa classe social. IIª - Monarquia constitucional (1791/92).  Declaração de Pillnits – reação prussiana contra a Revolução contra a revolução francesa.  Fuga de Luís XVI – 1791.  Emigrados X exército popular (comuna insurrecional de Paris).  Acusação do rei e república. IIIª - Convenção Nacional (1792/95) - República: a) República Girondina (1792/93) - Alta burguesia na liderança da França. b) República Jacobina (Montanha) - Baixa, média e alta burguesias : jun./1793 – jul./1794. # Foi caracterizada: - Pela morte de Luís XVI em 21/jan./1793. - Pelo êxito no combate à reação externa. - O Terror - set./1793/94 - reação radical dos jacobinos à morte de Mart: IMPORTANTE:  1ª constituição francesa – 1791.  afasta as camadas populares.  leis contra as greves e associações (Estado burguês).
  • 5. 5 •  Período da Convenção Montanhesa (jacobina).  Foi a fase mais radical da revolução.  Nova constituição – voto universal masculino e democratização.  Criação de comitês: a) O Comitê de Salvação Nacional era responsável por conter as revoltas internas. b) O Comitê de Salvação Publica comandava os exércitos e administrava as finanças públicas. c) Tribunal Revolucionário prendia e julgava os traidores da revolução.  Lei do Máximo - O tabelamento dos preços, estabelecido na tentava de controlar o processo inflacionário da economia.  Vários bens da Igreja e da nobreza foram vendidos em leilões públicos.  O ensino público gratuito também foi outra grande medida dos revolucionários jacobinos.  Consolida a revolução.  Fim da escravidão nas colônias  Reforma agrária.  Contém a ameaça externa. # REVOLUCIONÁRIOS JACOBINOS: Robespierre Marat Danton SOBRE O TERROR: Em 1793, os radicais liderados por Robespierre, Danton e Marat assumem o poder e organização as guardas nacionais. Estas recebem ordens dos líderes para matar qualquer oposicionista do novo governo expulsando alguns líderes girondinos da Convenção. Muitos integrantes da nobreza e outros franceses de oposição foram condenados a morte neste período. A violência e a radicalização política são as marcas desta época.
  • 6. 6 * Reação Termidoriana (Julho – 1794/95). Em 27 de julho de 1794, os girondinos retiraram Robespierre do comando da Convenção. Com a volta do projeto político da alta burguesia, as leis populares foram revogadas e uma nova constituição elaborada. Os setores populares foram excluídos dos quadros políticos. O novo governo seria exercido por um diretório escolhido por cinco membros escolhidos pelos deputados. - Resumindo:  Planice e Gironda no poder.  Controle dos sans-culottes.  Fim da Lei do Máximo.  1795 – constituição do ano III - retorno do voto censitário. IV. Diretório (1795/99).  Governo de cinco diretores representantes da alta burguesia.  Não consegue conter as revoltas populares (manter a paz interna).  Não retoma o crescimento econômico.  Não promove a expansão militar com vistas à conquista de mercados.  Torna-se necessária a união Burguesia/exército - apoio de Napoleão Bonaparte à alta burguesia: # O 18 de Brumário. - O que foi? O 18 de Brumário foi um golpe de Estado comandado por Napoleão Bonaparte na França. No calendário revolucionário francês, este dia ocorreu em 18 de Brumário do ano IV (9 de novembro de 1799 no calendário gregoriano). Através deste golpe, Napoleão colocou fim ao Diretório e iniciou a ditadura na França. Após a queda do Diretório, foi criado o Consulado e Napoleão se tornou o primeiro-cônsul da França, governando com poderes absolutos. Era o FIM DA REVOLUÇÃO FRANCESA. Mesmo com uma grande instabilidade política e econômica na França, Napoleão recebeu forte apoio da burguesia que defendia um governo forte para pacificar o país e gerar um ambiente de ordem. - Como ocorreu? Mesmo com uma grande instabilidade política e econômica na França, Napoleão recebeu forte apoio da burguesia que defendia um governo forte para pacificar o país e gerar um ambiente de ordem. Os políticos do Diretório deram a Napoleão o apoio necessário e propuseram o uso da força militar para que ele assumisse o governo.
  • 7. 7 4 . Era Napoleônica (1799/1815). burguesia.  Base exército. camponeses – posse da terra. 4.1. Consulado (1799/1804).  Expande o ideal revolucionário.  Neutraliza a ameaça externa.  Estabiliza a economia – financia: indústria e agricultura.  Retoma as relações com a Igreja.  1802 – nova constituição – poderes a Napoleão.  Ensino – Estado (Liceus). 4.2 – Império (1804/1814).  Com a Constituição do ano XII – 1804 Napoleão: # Tornou-se cônsul vitalício único. # É escolhido imperador via plebiscito.  Vitória sobre a 3ª coligação (Rússia, Áustria, Suécia e Inglaterra) – 1805. # Hegemonia francesa sobre a Europa. 4.2.1 – O fim do império (1812/1815). Que a força esteja com você!!!