SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Revolução Francesa
        Esta teve inicio no dia 5 de Maio de 1789 com a abertura dos estados gerais, que foram convocados pelo rei Luís
XVI, para resolver a crise e a queda da bastilha (prisão) e terminou em 9 de Novembro de 1799 com o golpe de estado de
Napoleão Bonaparte, alterando a situação política e social da França.

        A situação da França no século XVIII era de extrema injustiça social na época do Antigo Regime. O
Terceiro Estado era formado pelos trabalhadores urbanos, camponeses e a pequena burguesia comercial. Os
impostos eram pagos somente por este segmento social com o objetivo de manter os luxos da nobreza. Mas os
impostos iriam subcarregar o 3 estado pois era uma época em que havia maus anos agrícolas, perdas coloniais,
sobrecarga de trabalho e fisco.

        A França era um país absolutista nesta época. O rei governava com poderes absolutos, controlando a
economia, a justiça, a política e até mesmo a religião dos súditos. Havia a falta de democracia (um regime de
governo em que o poder de tomar importantes decisões políticas está com os cidadãos, directa ou
indirectamente, por meio de representantes eleitos), pois os trabalhadores não podiam votar, nem mesmo dar
opiniões na forma de governo. Os oposicionistas eram presos na Bastilha (prisão política da monarquia) ou
condenados à guilhotina.

A sociedade francesa do século XVIII era estratificada e hierarquizada.

                                                                          No topo da pirâmide social, estava o clero que
                                                                          também tinha o privilégio de não
                                                                          pagar impostos. Abaixo do clero, estava a
                              Clero
                                                                          nobreza formada pelo rei, sua família, condes,
                                                                          duques, marqueses e outros nobres que viviam
                                                                          de banquetes e muito luxo na corte. A base da
                                                                          sociedade era formada pelo terceiro estado
                         Nobreza                                          (trabalhadores, camponeses e burguesia) que,
                                                                          como já dissemos, sustentava toda a sociedade
                                                                          com seu trabalho e com o pagamento de altos
           Trabalhadores, Camponeses e                                    impostos. Pior era a condição de vida dos
                    burguesia                                             desempregados que aumentavam em larga
                                                                          escala nas cidades francesas.

A vida dos trabalhadores e camponeses era de extrema miséria, portanto, desejavam melhorias na qualidade de vida e
de trabalho. A burguesia, mesmo tendo uma condição social melhor, desejava uma participação política maior e mais
liberdade económica em seu trabalho.

A Revolução Francesa (14/07/1789)

Os privilegiados recusavam-se a aceitar a proposta dos ministros de Luís XVI de pagamento de um imposto sobre a
terra para evitar a bancarrota. Esta reacção exige do rei a convocação dos estados gerais do reino. O que aumenta a
agitação social: o 3 estado exige o aumento do número de representantes e a votação por cabeça (um voto por cada
estado da nação – o rei também tinha direito a 1 voto), na assembleia. Mas luís XVI hesita em manter o voto por ordem
ou em conceder o voto por cabeça. A maioria defende o fim da monarquia absoluta e o estabelecimento de uma
monarquia constitucional, dirigida por um governo e uma assembleia representativa, ambos eleitos pelo povo. O rei,
nesse novo regime passaria a estar limitado não só pela separação de poderes mas também pela obediência á
constituição, a lei fundamental do reino.

 A situação social era tão grave e o nível de insatisfação popular tão grande que o povo foi às ruas com o objetivo de
tomar o poder e arrancar do governo a monarquia comandada pelo rei Luís XVI. O primeiro alvo dos revolucionários foi
a Bastilha. A Queda da Bastilha pelo 3 estado em 14/07/1789 marca o início do processo revolucionário, pois a prisão
política era o símbolo da monarquia francesa.
O lema dos revolucionários era " Liberdade, Igualdade e Fraternidade ", pois ele resumia muito bem os desejos do
terceiro estado francês.
Durante o processo revolucionário, grande parte da nobreza deixou a França, porém a família real foi capturada
enquanto tentava fugir do país. Presos, os integrantes da monarquia, entre eles, o rei Luís XVI e sua esposa Maria
Antonieta, foram guilhotinados em 1793.O clero também não saiu impune, pois os bens da Igreja foram confiscados
durante a revolução.

No mês de Agosto de 1789, a Assembleia Constituinte cancelou todos os direitos feudais que existiam e divulgou a
Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Este importante documento trazia significativos avanços sociais,
garantindo direitos iguais aos cidadãos, além de maior participação política para o povo.

Girondinos e Jacobinos (2 partidos que se formaram durante o processo revolucionário)

Após a revolução, o terceiro estado começa a se transformar e partidos começam a surgir com opiniões diversificadas.
Os girondinos, por exemplo, representavam a alta burguesia e queriam evitar uma participação maior dos trabalhadores
urbanos e rurais na política, mas foram derrubados em 1793. Por outro lado, os jacobinos representavam a baixa
burguesia e defendiam uma maior participação popular no governo. Liderados por Robespierre e Saint-Just, os
jacobinos eram radicais e defendiam também profundas mudanças na sociedade que beneficiassem os mais pobres.
Estes mesmos iriam controlar o poder durante o período de terror, mas também foram derrubados em 1794 com a
execução de Robespierre na guilhotina.



                                                 A Fase do Terror



                         Em 1792, os radicais liderados por Robespierre, Danton e Marat assumem o poder e
                         organização as guardas nacionais. Estas, recebem ordens dos líderes para matar qualquer
                         oposicionista do novo governo. Muitos integrantes da nobreza e outros franceses de oposição
                         foram condenados a morte neste período. A violência e a radicalização política são as marcas
                         desta época.

                                                A burguesia no poder




                              Em 1795, os girondinos assumem o poder e começam a instalar um governo
                             burguês na França. Uma nova Constituição é aprovada, garantindo o poder da
                                burguesia e ampliando seus direitos políticos e económicos. O general
                           francês Napoleão Bonaparte é colocado no poder, após o Golpe (9 de Novembro
                          de 1799) com o objetivo de controlar a instabilidade social e implantar um governo
         burguês. Napoleão assumiu o cargo de primeiro-cônsul da França, instaurando uma ditadura.



Conclusão

A Revolução Francesa foi um importante marco na História Moderna da nossa civilização. Significou o fim do
absolutismo e da sociedade de ordens. O povo ganhou mais autonomia e seus direitos sociais passaram a ser
respeitados. A vida dos trabalhadores urbanos e rurais melhorou significativamente. Por outro lado, a
burguesia conduziu o processo de forma a garantir seu domínio social. As bases de uma sociedade burguesa e
capitalista foram estabelecidas durante a revolução. A Revolução Francesa também influenciou, com seus
ideais iluministas, a independência de alguns países da América Espanhola e o movimento de Inconfidência
Mineira no Brasil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E DRevolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
Revolução Francesa - Prof André Teixeira 1º A,B,C E D
 
Revolução francesa no cotidiano
Revolução francesa no cotidianoRevolução francesa no cotidiano
Revolução francesa no cotidiano
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014Revolucao francesa 2014
Revolucao francesa 2014
 
_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1_Revolução Francesa - Aula1
_Revolução Francesa - Aula1
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Aula revolução francesa
Aula   revolução francesaAula   revolução francesa
Aula revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789A revolução francesa de 1789
A revolução francesa de 1789
 
DANIEL 2.0
DANIEL 2.0DANIEL 2.0
DANIEL 2.0
 
Revolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - CompletoRevolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - Completo
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolucao francesa ppt
Revolucao francesa pptRevolucao francesa ppt
Revolucao francesa ppt
 

Destaque

Revolução republicana
Revolução republicanaRevolução republicana
Revolução republicanaAna Vilardouro
 
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30Ana Vilardouro
 
Crise do racionalismo e do positivismo
Crise do racionalismo e do positivismoCrise do racionalismo e do positivismo
Crise do racionalismo e do positivismoAna Vilardouro
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - GeografiaAna Vilardouro
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesaedna2
 

Destaque (12)

História
HistóriaHistória
História
 
Revolução republicana
Revolução republicanaRevolução republicana
Revolução republicana
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
25 de abril
25 de abril25 de abril
25 de abril
 
Françês
FrançêsFrançês
Françês
 
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
O agudizar das tensões politicas e sociais a partir dos anos 30
 
Geografia 11ºano
Geografia 11ºanoGeografia 11ºano
Geografia 11ºano
 
Crise do racionalismo e do positivismo
Crise do racionalismo e do positivismoCrise do racionalismo e do positivismo
Crise do racionalismo e do positivismo
 
Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 

Semelhante a Revolução francesa

Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.Altair Moisés Aguilar
 
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fasesRevolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fasesMatheus Alves
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesahistoriando
 
A revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof néliaA revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof néliahistoriando
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução FrancesaJoão Marcelo
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnElvisJohnR
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAFelipeBicudo1
 
Regiane e joão slaide hist
Regiane e joão slaide histRegiane e joão slaide hist
Regiane e joão slaide histabadiacampos
 
Revolução Francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução Francesa ate o fim do Imperio RomanoRevolução Francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução Francesa ate o fim do Imperio Romanoalunoitv
 
Revolução Francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução Francesa ate o fim do Imperio RomanoRevolução Francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução Francesa ate o fim do Imperio Romanoalunoitv
 
Revolução francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução francesa ate o fim do Imperio RomanoRevolução francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução francesa ate o fim do Imperio Romanoalunoitv
 
Revolução Francesa até o fim do Império Napoleonico
Revolução Francesa até o fim do Império NapoleonicoRevolução Francesa até o fim do Império Napoleonico
Revolução Francesa até o fim do Império Napoleonicoalunoitv
 
Revolução Francesa até o final do Império Napoleonico
Revolução Francesa até o final do Império NapoleonicoRevolução Francesa até o final do Império Napoleonico
Revolução Francesa até o final do Império Napoleonicoalunoitv
 
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docxApostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docxRenatoSilva922886
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesaAcácio Souto
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesaAcácio Souto
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2seixasmarianas
 

Semelhante a Revolução francesa (20)

Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
Revolução Francesa - Prof.Altair Aguilar.
 
DANIEL
DANIELDANIEL
DANIEL
 
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fasesRevolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
Revolução francesa - Antecedentes, causas e suas fases
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
 
A revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof néliaA revolução francesa prof nélia
A revolução francesa prof nélia
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis JohnRevolução francesa - Prof. Elvis John
Revolução francesa - Prof. Elvis John
 
REVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESAREVOLUÇÃO FRANCESA
REVOLUÇÃO FRANCESA
 
Regiane e joão slaide hist
Regiane e joão slaide histRegiane e joão slaide hist
Regiane e joão slaide hist
 
7 09 revolucao_francesa_1
7 09 revolucao_francesa_17 09 revolucao_francesa_1
7 09 revolucao_francesa_1
 
Revolução Francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução Francesa ate o fim do Imperio RomanoRevolução Francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução Francesa ate o fim do Imperio Romano
 
Revolução Francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução Francesa ate o fim do Imperio RomanoRevolução Francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução Francesa ate o fim do Imperio Romano
 
Revolução francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução francesa ate o fim do Imperio RomanoRevolução francesa ate o fim do Imperio Romano
Revolução francesa ate o fim do Imperio Romano
 
Revolução Francesa até o fim do Império Napoleonico
Revolução Francesa até o fim do Império NapoleonicoRevolução Francesa até o fim do Império Napoleonico
Revolução Francesa até o fim do Império Napoleonico
 
Revolução Francesa até o final do Império Napoleonico
Revolução Francesa até o final do Império NapoleonicoRevolução Francesa até o final do Império Napoleonico
Revolução Francesa até o final do Império Napoleonico
 
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docxApostila de Historia - Revolução Francesa.docx
Apostila de Historia - Revolução Francesa.docx
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Aula Revolução Francesa 2
Aula Revolução Francesa   2Aula Revolução Francesa   2
Aula Revolução Francesa 2
 

Último

Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 

Último (20)

Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 

Revolução francesa

  • 1. Revolução Francesa Esta teve inicio no dia 5 de Maio de 1789 com a abertura dos estados gerais, que foram convocados pelo rei Luís XVI, para resolver a crise e a queda da bastilha (prisão) e terminou em 9 de Novembro de 1799 com o golpe de estado de Napoleão Bonaparte, alterando a situação política e social da França. A situação da França no século XVIII era de extrema injustiça social na época do Antigo Regime. O Terceiro Estado era formado pelos trabalhadores urbanos, camponeses e a pequena burguesia comercial. Os impostos eram pagos somente por este segmento social com o objetivo de manter os luxos da nobreza. Mas os impostos iriam subcarregar o 3 estado pois era uma época em que havia maus anos agrícolas, perdas coloniais, sobrecarga de trabalho e fisco. A França era um país absolutista nesta época. O rei governava com poderes absolutos, controlando a economia, a justiça, a política e até mesmo a religião dos súditos. Havia a falta de democracia (um regime de governo em que o poder de tomar importantes decisões políticas está com os cidadãos, directa ou indirectamente, por meio de representantes eleitos), pois os trabalhadores não podiam votar, nem mesmo dar opiniões na forma de governo. Os oposicionistas eram presos na Bastilha (prisão política da monarquia) ou condenados à guilhotina. A sociedade francesa do século XVIII era estratificada e hierarquizada. No topo da pirâmide social, estava o clero que também tinha o privilégio de não pagar impostos. Abaixo do clero, estava a Clero nobreza formada pelo rei, sua família, condes, duques, marqueses e outros nobres que viviam de banquetes e muito luxo na corte. A base da sociedade era formada pelo terceiro estado Nobreza (trabalhadores, camponeses e burguesia) que, como já dissemos, sustentava toda a sociedade com seu trabalho e com o pagamento de altos Trabalhadores, Camponeses e impostos. Pior era a condição de vida dos burguesia desempregados que aumentavam em larga escala nas cidades francesas. A vida dos trabalhadores e camponeses era de extrema miséria, portanto, desejavam melhorias na qualidade de vida e de trabalho. A burguesia, mesmo tendo uma condição social melhor, desejava uma participação política maior e mais liberdade económica em seu trabalho. A Revolução Francesa (14/07/1789) Os privilegiados recusavam-se a aceitar a proposta dos ministros de Luís XVI de pagamento de um imposto sobre a terra para evitar a bancarrota. Esta reacção exige do rei a convocação dos estados gerais do reino. O que aumenta a agitação social: o 3 estado exige o aumento do número de representantes e a votação por cabeça (um voto por cada estado da nação – o rei também tinha direito a 1 voto), na assembleia. Mas luís XVI hesita em manter o voto por ordem ou em conceder o voto por cabeça. A maioria defende o fim da monarquia absoluta e o estabelecimento de uma monarquia constitucional, dirigida por um governo e uma assembleia representativa, ambos eleitos pelo povo. O rei, nesse novo regime passaria a estar limitado não só pela separação de poderes mas também pela obediência á constituição, a lei fundamental do reino. A situação social era tão grave e o nível de insatisfação popular tão grande que o povo foi às ruas com o objetivo de tomar o poder e arrancar do governo a monarquia comandada pelo rei Luís XVI. O primeiro alvo dos revolucionários foi a Bastilha. A Queda da Bastilha pelo 3 estado em 14/07/1789 marca o início do processo revolucionário, pois a prisão política era o símbolo da monarquia francesa.
  • 2. O lema dos revolucionários era " Liberdade, Igualdade e Fraternidade ", pois ele resumia muito bem os desejos do terceiro estado francês. Durante o processo revolucionário, grande parte da nobreza deixou a França, porém a família real foi capturada enquanto tentava fugir do país. Presos, os integrantes da monarquia, entre eles, o rei Luís XVI e sua esposa Maria Antonieta, foram guilhotinados em 1793.O clero também não saiu impune, pois os bens da Igreja foram confiscados durante a revolução. No mês de Agosto de 1789, a Assembleia Constituinte cancelou todos os direitos feudais que existiam e divulgou a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Este importante documento trazia significativos avanços sociais, garantindo direitos iguais aos cidadãos, além de maior participação política para o povo. Girondinos e Jacobinos (2 partidos que se formaram durante o processo revolucionário) Após a revolução, o terceiro estado começa a se transformar e partidos começam a surgir com opiniões diversificadas. Os girondinos, por exemplo, representavam a alta burguesia e queriam evitar uma participação maior dos trabalhadores urbanos e rurais na política, mas foram derrubados em 1793. Por outro lado, os jacobinos representavam a baixa burguesia e defendiam uma maior participação popular no governo. Liderados por Robespierre e Saint-Just, os jacobinos eram radicais e defendiam também profundas mudanças na sociedade que beneficiassem os mais pobres. Estes mesmos iriam controlar o poder durante o período de terror, mas também foram derrubados em 1794 com a execução de Robespierre na guilhotina. A Fase do Terror Em 1792, os radicais liderados por Robespierre, Danton e Marat assumem o poder e organização as guardas nacionais. Estas, recebem ordens dos líderes para matar qualquer oposicionista do novo governo. Muitos integrantes da nobreza e outros franceses de oposição foram condenados a morte neste período. A violência e a radicalização política são as marcas desta época. A burguesia no poder Em 1795, os girondinos assumem o poder e começam a instalar um governo burguês na França. Uma nova Constituição é aprovada, garantindo o poder da burguesia e ampliando seus direitos políticos e económicos. O general francês Napoleão Bonaparte é colocado no poder, após o Golpe (9 de Novembro de 1799) com o objetivo de controlar a instabilidade social e implantar um governo burguês. Napoleão assumiu o cargo de primeiro-cônsul da França, instaurando uma ditadura. Conclusão A Revolução Francesa foi um importante marco na História Moderna da nossa civilização. Significou o fim do absolutismo e da sociedade de ordens. O povo ganhou mais autonomia e seus direitos sociais passaram a ser respeitados. A vida dos trabalhadores urbanos e rurais melhorou significativamente. Por outro lado, a burguesia conduziu o processo de forma a garantir seu domínio social. As bases de uma sociedade burguesa e capitalista foram estabelecidas durante a revolução. A Revolução Francesa também influenciou, com seus ideais iluministas, a independência de alguns países da América Espanhola e o movimento de Inconfidência Mineira no Brasil.