SlideShare uma empresa Scribd logo
DIVISÃO E LOCALIZAÇÃO
HISTÓRICA
“Arte literária é mimese(imitação); é a arte que imita
pela palavra.” (Aristóteles, séc. IV a.C.)
• Literatura como imitação da realidade;
• A palavra como matéria-prima;
• Manifestação artística;
• Manifestação da expressividade
humana.
O QUE É LITERATURA?
• Função evasiva – fuga da realidade;
• Função lúdica – jogo de experiências sonoras
e de relações surpreendentes;
• Função de literatura “engajada” –
comprometida com a defesa de certas
idéias políticas.
• Função de “Arte pela Arte” –
descompromissada das lutas sociais
(Parnasianismo)
FUNÇÕES DA LITERATURA:
Nosso interesse está na literatura dita
“canonizada” – conj. de obras escritas e
aceitas como artisticamente valiosas e
representativas de nossa herança cultural,
pois são atemporais.
Ex. “Dom Casmurro”, de Machado de
Assis; “Vidas secas”, de Graciliano
Ramos; “A Hora da Estrela”, de Clarice
Lispector, dentre outras.
OBRAS LITERÁRIAS
• Uma ESCOLA LITERÁRIA é composta por
um conjunto de obras e autores com
semelhanças estilísticas e temáticas que
predominam durante um determinado espaço
de tempo.
• O termo ESCOLA LITERÁRIA é equivalente
a ESTILO LITERÁRIO ou ESTILO DE
ÉPOCA.
DEFINIÇÕES
As escolas literárias são como as ondas do mar, feitas de
altos e baixos. Os ápices destes movimentos se alteram por
duas diferentes linhas de pensamento e estilo. São elas:
• A linha DIONISÍACA (derivada do nome Dionísio, deus
grego do vinho e da emoção): As escolas literárias que se
encontram nesta linha têm como características a emoção,
o lirismo, o subjetivismo.
• A linha APOLÍNEA (derivada do nome Apolo, deus da
razão): As escolas literárias que se encontram nesta linha
têm como características o equilíbrio, a lucidez, o
objetivismo.
SOBRE AS ESCOLAS
LITERÁRIAS
OBSERVAÇÃO:A partir do Modernismo acontece um desequilíbrio
nessa frequência uniforme. A razão e a emoção se abraçam. A poesia e
os poetas encontram a real liberdade de criação. Não existirá desde
então, uma escola vigente ou regente de tendências. É o encontro do
velho com o novo. Sem fórmulas, leis ou teoremas de como se fazer
versos. Apenas poetizar.
Qualquer obra literária traz em si marcas do
contexto em que foi produzida, como:
 Ideologia dominante no período
 Realidade social do período
 Realidade política do período
 Realidade econômica do período
 Cultura dominante no período
CONTEXTO LITERÁRIO
Na literatura de língua portuguesa (Portugal e
Brasil), existem três grandes períodos literários:
• PERÍODO MEDIEVAL: SÓ PORTUGAL
• PERÍODO CLÁSSICO: PORTUGAL E
BRASIL
• PERÍODO MODERNO: PORTUGAL E
BRASIL
PERÍODO LITERÁRIO
Período que vai do séc. XII (data dos mais antigos
textos literários em português) até o início do
Renascimento no séc. XV.
Compreende duas escolas literárias:
TROVADORISMO: séc. XII a séc. XIV
HUMANISMO: séc. XV
PERÍODO ou ERA MEDIEVAL
 Teocentrismo
 Feudalismo
 Descentralização política
 Misticismo
 Irracionalismo
ERA MEDIEVAL
CARACTERÍSTICAS
Período que vai do séc. XVI quando ocorre o
Renascimento até a queda das monarquias
absolutistas no final do séc. XVIII.
Compreende três escolas literárias:
CLASSICISMO: séc. XVI
BARROCO: séc. XVII
ARCADISMO ou NEOCLASSICISMO: séc.
XVIII
PERÍODO ou ERA CLÁSSICA
Antropocentrismo
Mercantilismo
Absolutismo monárquico
Cientificismo
Racionalismo
Reforma e Contra Reforma
ERA CLÁSSICA
CARACTERÍSTICAS
Período que começa com a
ascensão da Burguesia no final do
séc. XVIII e se estende até os
DIAS ATUAIS.
PERÍODO ou ERA MODERNA
Compreende as seguintes escolas literárias:
 ROMANTISMO: séc. XIX (1ª metade)
 REALISMO/NATURALISMO: séc. XIX (2ªmetade)
 PARNASIANISMO: (Brasil) séc. XIX (2ªmetade
 SIMBOLISMO: séc. XIX (final)
 PRÉ-MODERNISMO: (Brasil) séc. XX (início)
 MODERNISMO: ( 1ª, 2ª e 3ª gerações) séc. XX
 LITERATURA CONTEMPORÂNEA: + -1960 ...
PERÍODO ou ERA MODERNA
Revoluções Francesa e Industrial
Queda da Monarquia
Ascensão da Burguesia
Individualismo
Visão comercial da arte
Ruptura e experimentação artística
Psicanálise
Investigação existencial
ERA MODERNA
CARACTERÍSTICAS
ESCOLAS LITERÁRIAS
ERA MEDIEVAL ERA CLÁSSICA ERA MODERNA
R
E
N
A
S
C
I
M
E
N
T
O
R
E
V
I
N
D
U
S
T
R
I
A
L
/
F
R
A
N
C
E
S
A
TROVADORISMO
séc. XII a
séc. XIV
HUMANISMO
séc. XV
CLASSICISMO
séc. XVI
BARROCO
séc. XVII
ARCADISMO
séc. XVIII
ROMANTISMO séc. XIX
(1ª metade)
REALISMO
NATURALISMO
PARNASIANISMO
séc. XIX (2ª metade)
SIMBOLISMO
séc. XIX (final)
PRÉ-MODERNISMO
séc. XX (início)
MODERNISMO séc. XX
1ª fase:1922/ 1930
2ª fase: 1930/1945
3ª fase:1945/ ????
Estilo Portugal Brasil Características
Trovadorismo
1189/1198
A Ribeirinha
Paio Soares de Taveirós
Gêneros: cantigas (poesia),
novelas de cavalaria, nobiliários,
hagiografias.
-
Cantigas de Amor: sofrimento, idealização, eu lírico
masculino, ambiente da Corte, dama inacessível, caráter
análítico-descursivo.
Cantigas de Amigo: eu lírico feminino, confessional,
ambiente popular, paixão incorrespondida, realista,
narrativo-descritiva.
Cantigas de Escárnio e Maldizer: críticas indiretas ou
diretas de pessoas ou fatos de uma época. Rica fonte de
documentação.
Humanismo
1418
Fernão Lopes, guarda-mor da
Torre do Tombo.
Gêneros: historiografia, teatro
popular, prosa doutrinária.
Gil Vicente (teatro)
-
Teatro: em poesia, versa sobre assuntos profanos ou
religiosos; carpintaria teatral rudimentar; ausência de
regras; sem unidade de ação, tempo e espaço.
Aspectos críticos de uma sociedade em transição.
Classicismo
Quinhentismo
1527
Sá de Miranda
Introdução da medida nova.
Gêneros: poesia lírica, épica,
teatro e crônicas.
Camões (poesia)
1500 (Quinhentismo)
1º Documento escrito em terras
brasileiras: Carta a D. Manuel.
Gêneros: poesia lírica e épica,
teatro e crônicas.
Pero Vaz de Caminha
José de Anchieta
Valorização do homem (antropocentrismo); paganismo
(maravilhoso pagão); superioridade do homem sobre a
natureza; objetividade; racionalismo; universalidade; saber
concreto em detrimento do abstrato; retomada dos valores
greco-romanos; rigor métrico, rímico e estrófico: equilíbrio e
harmonia.
Barroco
1580
Morte de Camões
Portugal sob o domínio espanhol.
Gêneros: oratória sacra, política e
social;
poesia religiosa, satírica e lírico-
amorosa.
Pe. Antônio Vieira
(oratória)
1601
Bento Teixeira: publicação de
Prosopopéia
Pe. Antônio Vieira (oratória)
Gregório de Matos (poesia)
Arte dos contrastes: antinomia homem - céu, homem -
terra; visualização e plasticidade; fugacidade; não-
racionalismo; unidade e abertura (perspectivas múltiplas
para o observador); luta entre o profano e o sagrado. Culto
a elementos evanescentes (água/vento). Sentido de
transitoriedade da vida; carpe diem (aproveitar o momento);
valorização do presente, movimento ligado ao espírito da
Contra - Reforma; jogos de metáforas; riqueza de imagens;
gosto pelo pormenor; malabarismo verbal – uso de
hipérbato, hipérbole, metáforas e antíteses.
Arcadismo
1756
Fundação da Arcádia Lusitana.
Gênero: poesia
Bocage (poesia)
1768
Cláudio Manuel da Costa:
Obras Poéticas
Cláudio Manuel da Costa,
Tomás Antônio Gonzaga (poesia
lírica e épica)
Basílio da Gama e Santa Rita
Durão (poesia épica)
Arte do equilíbrio e harmonia; busca do racional, do
verdadeiro e da natureza; retorno às concepções de beleza
do Renascimento; poesia objetiva e descritiva; áureas
mediocritas: o objetivo arcádico de uma vida serena e
bucólica; pastoralismo; valorização da mitologia; técnica da
simplicidade. Literatura linear e regrada: inutilia truncat
(cortar o inútil).
Cronologia e características dos movimentos literários
Estilo Portugal Brasil Características
Romantismo
1825
Almeida Garrett
Publicação do poema Camões
Gêneros: prosa (romance e
novela)
poesia e teatro.
1836
Gonçalves de Magalhães
Publicação de Suspiros Poéticos
e Saudades
Poesia: Gonçalves Dias, Álvares
de Azevedo, Casimiro de Abreu,
Castro Alves.
Prosa: (urbanos) Alencar,
Joaquim Manuel de Macedo,
Manuel Antônio de Almeida;
(regionalistas) Alencar, Bernardo
Guimarães, Taunay; (indianista-
histórico) Alencar
1ª Geração: nacionalismo, ufanismo, natureza, religião,
indianismo/medievalismo.
2ª Geração: mal do século, evasão, solidão, profundo
pessimismo, anseio da morte.
3ª Geração: condoreirismo, liberdade, oratória de
reivindicação, transição para o Parnasianismo, literatura
social e engajada.
Geral: imaginação, fantasia, sonho, idealização,
sonoridade, simplicidade, subjetivismo, sintaxe emotiva,
liberdade criadora.
Realismo/
Parnasianismo/
Naturalismo
1865
Questão Coimbrã: Antero de
Quental contra Castilho (Novos x
Velhos)
Gêneros: prosa (romance, conto,
crônica), poesia, crítica.
Prosa: Eça de Queirós
Poesia: Antero de Quental,
Cesário Verde, Guerra Junqueiro.
1881
Machado de Assis
Publicação de Memórias
Póstumas de Brás Cubas/
Realismo
Aluísio de Azevedo
Publicação de O Mulato/
Naturalismo
Década de 80
Definição do ideário parnasiano.
Prosa: Machado de Assis,
Aluísio Azevedo, Raul Pompéia
Poesia: Olavo Bilac, Alberto de
Oliveira, Raimundo Correia,
Vicente de Carvalho.
Realismo: preocupação com a verdade exata, observação e
análise, personagens tipificadas, preferência pelas
camadas altas da sociedade. Objetividade. Descrições
pormenorizadas. Linguagem correta, no entanto é mais
próxima da natural, maior interesse pela caracterização que
pela ação – tese documental.
Naturalismo: visão determinista do homem (animal, presa
de forças fatais e superiores – meio, herança genética,
fisiologia, momento). Tendência para análise dos deslizes
de personalidade. Deturpações psíquicas e físicas.
Preferência pela classe operária. Patologia social: miséria,
adultério, criminalidade, etc – tese experimental.
Parnasianismo: arte pela arte, objetividade, poesia
descritiva, versos impassíveis, exatidão e economia de
imagens e metáforas, poesia técnica e formal, retomada de
valores clássicos, apego à mitologia greco-romana.
Simbolismo
1890
Eugênio de Castro
Publicação de Oaristos
Gêneros: poema e prosa.
Poesia: Camilo Pessanha
1893
Cruz e Sousa
Publicação de Missal (prosa
poética) e Broquéis (poesia).
Poesia: Cruz e Sousa e
Alphonsus de Guimaraens,
Pedro Kilkerry, Emiliano Perneta.
Simbolismo: reação contra o positivismo, o Naturalismo e o
Parnasianismo; individualismo, subjetivismo psicológico,
atitude irracional e mística, respeito pela música, atitude
irracional e mística, respeito pela música, cor, luz; procura
das possibilidades do léxico.
Cronologia e características dos movimentos literários

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
bubble13
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
leticiararek
 
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
CsarMarin3
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Claudia Lazarini
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
Maria Cristina Almeida
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
VIVIAN TROMBINI
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
Fernanda Câmara
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Marilene dos Santos
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
Edson Alves
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
guesta61019
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
Marcia Simone
 
Substantivos e Adjetivos
Substantivos e AdjetivosSubstantivos e Adjetivos
Substantivos e Adjetivos
Jaicinha
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Valeria Nunes
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
Carolina Loçasso Pereira
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula

Mais procurados (20)

Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Substantivos e Adjetivos
Substantivos e AdjetivosSubstantivos e Adjetivos
Substantivos e Adjetivos
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 

Semelhante a Escola literaria.ppt

3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
mariaArajo934492
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Romantismo
RomantismoRomantismo
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRiosCronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
REALISMO.ppt
REALISMO.pptREALISMO.ppt
REALISMO.ppt
keilaoliveira69
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
Kátia Silva da Costa
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercícios
Robson Bertoldo
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
Nádia França
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
jaquemarcondes
 
Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
CindiaAianaFariaLima1
 
Escolas literárias - 1º ano e 2º ano.pptx
Escolas literárias - 1º ano e 2º ano.pptxEscolas literárias - 1º ano e 2º ano.pptx
Escolas literárias - 1º ano e 2º ano.pptx
nadianemendonca
 
Literatura informativa
Literatura informativaLiteratura informativa
Literatura informativa
Solrac Solrac
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
heleira02
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
Eliete Sampaio Farneda
 
Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
Aline Ferreira
 
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do RomanceC:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
Eneida da Rosa
 
C:\fakepath\ascensão do romance
C:\fakepath\ascensão do romanceC:\fakepath\ascensão do romance
C:\fakepath\ascensão do romance
guest254bf1
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
Alpha Colégio e Vestibulares
 
literatura
literaturaliteratura
literatura
Carol Cerqueira
 

Semelhante a Escola literaria.ppt (20)

3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo 1
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRiosCronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
 
REALISMO.ppt
REALISMO.pptREALISMO.ppt
REALISMO.ppt
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercícios
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
 
Escolas literárias - 1º ano e 2º ano.pptx
Escolas literárias - 1º ano e 2º ano.pptxEscolas literárias - 1º ano e 2º ano.pptx
Escolas literárias - 1º ano e 2º ano.pptx
 
Literatura informativa
Literatura informativaLiteratura informativa
Literatura informativa
 
História da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universalHistória da literatura perspectiva universal
História da literatura perspectiva universal
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
 
Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
 
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do RomanceC:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
 
C:\fakepath\ascensão do romance
C:\fakepath\ascensão do romanceC:\fakepath\ascensão do romance
C:\fakepath\ascensão do romance
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
 
literatura
literaturaliteratura
literatura
 

Último

Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 

Último (20)

Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 

Escola literaria.ppt

  • 2. “Arte literária é mimese(imitação); é a arte que imita pela palavra.” (Aristóteles, séc. IV a.C.) • Literatura como imitação da realidade; • A palavra como matéria-prima; • Manifestação artística; • Manifestação da expressividade humana. O QUE É LITERATURA?
  • 3. • Função evasiva – fuga da realidade; • Função lúdica – jogo de experiências sonoras e de relações surpreendentes; • Função de literatura “engajada” – comprometida com a defesa de certas idéias políticas. • Função de “Arte pela Arte” – descompromissada das lutas sociais (Parnasianismo) FUNÇÕES DA LITERATURA:
  • 4. Nosso interesse está na literatura dita “canonizada” – conj. de obras escritas e aceitas como artisticamente valiosas e representativas de nossa herança cultural, pois são atemporais. Ex. “Dom Casmurro”, de Machado de Assis; “Vidas secas”, de Graciliano Ramos; “A Hora da Estrela”, de Clarice Lispector, dentre outras. OBRAS LITERÁRIAS
  • 5. • Uma ESCOLA LITERÁRIA é composta por um conjunto de obras e autores com semelhanças estilísticas e temáticas que predominam durante um determinado espaço de tempo. • O termo ESCOLA LITERÁRIA é equivalente a ESTILO LITERÁRIO ou ESTILO DE ÉPOCA. DEFINIÇÕES
  • 6. As escolas literárias são como as ondas do mar, feitas de altos e baixos. Os ápices destes movimentos se alteram por duas diferentes linhas de pensamento e estilo. São elas: • A linha DIONISÍACA (derivada do nome Dionísio, deus grego do vinho e da emoção): As escolas literárias que se encontram nesta linha têm como características a emoção, o lirismo, o subjetivismo. • A linha APOLÍNEA (derivada do nome Apolo, deus da razão): As escolas literárias que se encontram nesta linha têm como características o equilíbrio, a lucidez, o objetivismo. SOBRE AS ESCOLAS LITERÁRIAS
  • 7. OBSERVAÇÃO:A partir do Modernismo acontece um desequilíbrio nessa frequência uniforme. A razão e a emoção se abraçam. A poesia e os poetas encontram a real liberdade de criação. Não existirá desde então, uma escola vigente ou regente de tendências. É o encontro do velho com o novo. Sem fórmulas, leis ou teoremas de como se fazer versos. Apenas poetizar.
  • 8. Qualquer obra literária traz em si marcas do contexto em que foi produzida, como:  Ideologia dominante no período  Realidade social do período  Realidade política do período  Realidade econômica do período  Cultura dominante no período CONTEXTO LITERÁRIO
  • 9. Na literatura de língua portuguesa (Portugal e Brasil), existem três grandes períodos literários: • PERÍODO MEDIEVAL: SÓ PORTUGAL • PERÍODO CLÁSSICO: PORTUGAL E BRASIL • PERÍODO MODERNO: PORTUGAL E BRASIL PERÍODO LITERÁRIO
  • 10. Período que vai do séc. XII (data dos mais antigos textos literários em português) até o início do Renascimento no séc. XV. Compreende duas escolas literárias: TROVADORISMO: séc. XII a séc. XIV HUMANISMO: séc. XV PERÍODO ou ERA MEDIEVAL
  • 11.  Teocentrismo  Feudalismo  Descentralização política  Misticismo  Irracionalismo ERA MEDIEVAL CARACTERÍSTICAS
  • 12. Período que vai do séc. XVI quando ocorre o Renascimento até a queda das monarquias absolutistas no final do séc. XVIII. Compreende três escolas literárias: CLASSICISMO: séc. XVI BARROCO: séc. XVII ARCADISMO ou NEOCLASSICISMO: séc. XVIII PERÍODO ou ERA CLÁSSICA
  • 14. Período que começa com a ascensão da Burguesia no final do séc. XVIII e se estende até os DIAS ATUAIS. PERÍODO ou ERA MODERNA
  • 15. Compreende as seguintes escolas literárias:  ROMANTISMO: séc. XIX (1ª metade)  REALISMO/NATURALISMO: séc. XIX (2ªmetade)  PARNASIANISMO: (Brasil) séc. XIX (2ªmetade  SIMBOLISMO: séc. XIX (final)  PRÉ-MODERNISMO: (Brasil) séc. XX (início)  MODERNISMO: ( 1ª, 2ª e 3ª gerações) séc. XX  LITERATURA CONTEMPORÂNEA: + -1960 ... PERÍODO ou ERA MODERNA
  • 16. Revoluções Francesa e Industrial Queda da Monarquia Ascensão da Burguesia Individualismo Visão comercial da arte Ruptura e experimentação artística Psicanálise Investigação existencial ERA MODERNA CARACTERÍSTICAS
  • 17. ESCOLAS LITERÁRIAS ERA MEDIEVAL ERA CLÁSSICA ERA MODERNA R E N A S C I M E N T O R E V I N D U S T R I A L / F R A N C E S A TROVADORISMO séc. XII a séc. XIV HUMANISMO séc. XV CLASSICISMO séc. XVI BARROCO séc. XVII ARCADISMO séc. XVIII ROMANTISMO séc. XIX (1ª metade) REALISMO NATURALISMO PARNASIANISMO séc. XIX (2ª metade) SIMBOLISMO séc. XIX (final) PRÉ-MODERNISMO séc. XX (início) MODERNISMO séc. XX 1ª fase:1922/ 1930 2ª fase: 1930/1945 3ª fase:1945/ ????
  • 18. Estilo Portugal Brasil Características Trovadorismo 1189/1198 A Ribeirinha Paio Soares de Taveirós Gêneros: cantigas (poesia), novelas de cavalaria, nobiliários, hagiografias. - Cantigas de Amor: sofrimento, idealização, eu lírico masculino, ambiente da Corte, dama inacessível, caráter análítico-descursivo. Cantigas de Amigo: eu lírico feminino, confessional, ambiente popular, paixão incorrespondida, realista, narrativo-descritiva. Cantigas de Escárnio e Maldizer: críticas indiretas ou diretas de pessoas ou fatos de uma época. Rica fonte de documentação. Humanismo 1418 Fernão Lopes, guarda-mor da Torre do Tombo. Gêneros: historiografia, teatro popular, prosa doutrinária. Gil Vicente (teatro) - Teatro: em poesia, versa sobre assuntos profanos ou religiosos; carpintaria teatral rudimentar; ausência de regras; sem unidade de ação, tempo e espaço. Aspectos críticos de uma sociedade em transição. Classicismo Quinhentismo 1527 Sá de Miranda Introdução da medida nova. Gêneros: poesia lírica, épica, teatro e crônicas. Camões (poesia) 1500 (Quinhentismo) 1º Documento escrito em terras brasileiras: Carta a D. Manuel. Gêneros: poesia lírica e épica, teatro e crônicas. Pero Vaz de Caminha José de Anchieta Valorização do homem (antropocentrismo); paganismo (maravilhoso pagão); superioridade do homem sobre a natureza; objetividade; racionalismo; universalidade; saber concreto em detrimento do abstrato; retomada dos valores greco-romanos; rigor métrico, rímico e estrófico: equilíbrio e harmonia. Barroco 1580 Morte de Camões Portugal sob o domínio espanhol. Gêneros: oratória sacra, política e social; poesia religiosa, satírica e lírico- amorosa. Pe. Antônio Vieira (oratória) 1601 Bento Teixeira: publicação de Prosopopéia Pe. Antônio Vieira (oratória) Gregório de Matos (poesia) Arte dos contrastes: antinomia homem - céu, homem - terra; visualização e plasticidade; fugacidade; não- racionalismo; unidade e abertura (perspectivas múltiplas para o observador); luta entre o profano e o sagrado. Culto a elementos evanescentes (água/vento). Sentido de transitoriedade da vida; carpe diem (aproveitar o momento); valorização do presente, movimento ligado ao espírito da Contra - Reforma; jogos de metáforas; riqueza de imagens; gosto pelo pormenor; malabarismo verbal – uso de hipérbato, hipérbole, metáforas e antíteses. Arcadismo 1756 Fundação da Arcádia Lusitana. Gênero: poesia Bocage (poesia) 1768 Cláudio Manuel da Costa: Obras Poéticas Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga (poesia lírica e épica) Basílio da Gama e Santa Rita Durão (poesia épica) Arte do equilíbrio e harmonia; busca do racional, do verdadeiro e da natureza; retorno às concepções de beleza do Renascimento; poesia objetiva e descritiva; áureas mediocritas: o objetivo arcádico de uma vida serena e bucólica; pastoralismo; valorização da mitologia; técnica da simplicidade. Literatura linear e regrada: inutilia truncat (cortar o inútil). Cronologia e características dos movimentos literários
  • 19. Estilo Portugal Brasil Características Romantismo 1825 Almeida Garrett Publicação do poema Camões Gêneros: prosa (romance e novela) poesia e teatro. 1836 Gonçalves de Magalhães Publicação de Suspiros Poéticos e Saudades Poesia: Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Castro Alves. Prosa: (urbanos) Alencar, Joaquim Manuel de Macedo, Manuel Antônio de Almeida; (regionalistas) Alencar, Bernardo Guimarães, Taunay; (indianista- histórico) Alencar 1ª Geração: nacionalismo, ufanismo, natureza, religião, indianismo/medievalismo. 2ª Geração: mal do século, evasão, solidão, profundo pessimismo, anseio da morte. 3ª Geração: condoreirismo, liberdade, oratória de reivindicação, transição para o Parnasianismo, literatura social e engajada. Geral: imaginação, fantasia, sonho, idealização, sonoridade, simplicidade, subjetivismo, sintaxe emotiva, liberdade criadora. Realismo/ Parnasianismo/ Naturalismo 1865 Questão Coimbrã: Antero de Quental contra Castilho (Novos x Velhos) Gêneros: prosa (romance, conto, crônica), poesia, crítica. Prosa: Eça de Queirós Poesia: Antero de Quental, Cesário Verde, Guerra Junqueiro. 1881 Machado de Assis Publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas/ Realismo Aluísio de Azevedo Publicação de O Mulato/ Naturalismo Década de 80 Definição do ideário parnasiano. Prosa: Machado de Assis, Aluísio Azevedo, Raul Pompéia Poesia: Olavo Bilac, Alberto de Oliveira, Raimundo Correia, Vicente de Carvalho. Realismo: preocupação com a verdade exata, observação e análise, personagens tipificadas, preferência pelas camadas altas da sociedade. Objetividade. Descrições pormenorizadas. Linguagem correta, no entanto é mais próxima da natural, maior interesse pela caracterização que pela ação – tese documental. Naturalismo: visão determinista do homem (animal, presa de forças fatais e superiores – meio, herança genética, fisiologia, momento). Tendência para análise dos deslizes de personalidade. Deturpações psíquicas e físicas. Preferência pela classe operária. Patologia social: miséria, adultério, criminalidade, etc – tese experimental. Parnasianismo: arte pela arte, objetividade, poesia descritiva, versos impassíveis, exatidão e economia de imagens e metáforas, poesia técnica e formal, retomada de valores clássicos, apego à mitologia greco-romana. Simbolismo 1890 Eugênio de Castro Publicação de Oaristos Gêneros: poema e prosa. Poesia: Camilo Pessanha 1893 Cruz e Sousa Publicação de Missal (prosa poética) e Broquéis (poesia). Poesia: Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraens, Pedro Kilkerry, Emiliano Perneta. Simbolismo: reação contra o positivismo, o Naturalismo e o Parnasianismo; individualismo, subjetivismo psicológico, atitude irracional e mística, respeito pela música, atitude irracional e mística, respeito pela música, cor, luz; procura das possibilidades do léxico. Cronologia e características dos movimentos literários