SlideShare uma empresa Scribd logo
Resumo de literatura
Da mesma forma que organizamos a História em vários períodos (Idade Antiga,
Idade Média, etc), nós também organizamos a história da Literatura Brasileira em
vários períodos, que podem ser chamados de "escolas literárias", ou então de
"movimentos literários".
A literatura brasileira é tradicionalmente dividida em escolas literárias, divisão
que também é conhecida como “movimentos literários” ou, ainda, “estilos de época”.
Essa sistematização, embora muitas vezes arbitrária, tem como principal objetivo
facilitar o estudo da disciplina, bem como seu ensino, uma vez que agrupa escritores de
acordo com suas características estilísticas, temáticas e, claro, de acordo com o contexto
histórico no qual estão inseridos. Seria impossível dissociar a Literatura da História:
essas duas áreas do conhecimento humano caminham lado a lado, e é inquestionável a
influência dos fatos históricos no fazer literário de cada época.
 → Quinhentismo (de 1500 a 1601);
 → Barroco (de 1601 a 1768);
 → Arcadismo (de 1768 a 1808);
 → Período de Transição (de 1808 a 1836).
 → Romantismo (de 1836 a 1881);
 → Realismo (de 1881 a 1893);
 → Simbolismo (de 1893 a 1922);
 → Modernismo (de 1922 a 1945)
Literatura Brasileira (Era Colonial)
Quinhentismo
Barroco
Arcadismo
Literatura Brasileira (século XIX)
Romantismo
Realismo
Naturalismo
Parnasianismo
Simbolismo
Literatura Brasileira (século XX)
Pré-Modernismo
Modernismo
Com a Expansão Marítima, o Brasil é descoberto e se transforma em colônia de
Portugal, herdando, assim, a Língua Portuguesa. Desse modo, inicia-se a história da
Literatura Brasileira:
QUINHENTISMO
Contexto Histórico: Grandes Navegações
O Brasil foi descoberto em 1500 e a partir de agora começa a Literatura
Brasileira. O Quinhentismo (uma referência ao ano de 1500) é o período literário
brasileiro dos anos 1500 e tudo o que tínhamos sobre o Brasil eram os textos
informativos que os navegantes europeus escreviam para descreverem a terra descoberta
(Literatura de Informação). Sendo assim, o marco inicial da Literatura Brasileira foi A
Carta de Caminha, primeiro documento escrito sobre o Brasil (foi escrito por Pero Vaz
de Caminha para o rei de Portugal com o objetivo de dar notícias sobre a terra
descoberta e descrever as suas características). Também temos a ocorrência
da Literatura de Catequese, que tinha o objetivo de catequizar os índios (o grande nome
desse período foi o padre José de Anchieta).
BARROCO
Contexto Histórico: Contrarreforma
O Barroco foi o período literário brasileiro iniciado em 1580. Era a época da
Contrarreforma (reação da Igreja Católica contra a Reforma Protestante). Sendo assim,
o Barroco expressava o período de conflitos que as pessoas da época viviam.
Características: período de oposições e de conflitos (fé x razão, corpo x alma, pecado x
virtude, vida x morte). A linguagem era mais complexa e difícil, com jogo de palavras,
inversões, excesso de metáforas e de figuras de linguagem e vocabulário complicado
(características do cultismo, ou seja: obsessão pela linguagem culta). Quanto às ideias,
elas também eram mais elaboradas, mais complexas e exigiam mais o raciocínio lógico
(características do conceptismo). Autores: Gregório de Matos (autor de vários poesias
líricas e satíricas) e padre Antônio Vieira (conhecido pelos seus sermões e pela sua
habilidade como orador).
ARCADISMO
Contexto Histórico: Iluminismo, Revolução Francesa
Como já vimos, a linguagem e as ideias do Barroco eram complexas e
complicadas, além das instabilidades das ideias opostas. O Arcadismo vai contra isso e
busca o equilíbrio e a simplicidade. Outras características: "fugere urbem" ou fuga da
cidade (a cidade é um ambiente ruim), preferência pela natureza (ambiente bucólico e
pastoril), "carpe diem" (aproveitar o tempo), predomínio da razão sobre a emoção.
Autores do período: Cláudio Manoel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, Basílio da
Gama, Frei Santa Rita Durão.
O Brasil deixou de ser colônia de Portugal e alcançou a sua independência.
Sendo assim, a nossa literatura ganhou mais força e se consolidou. A partir de agora, se
torna cada vez mais comum estudarmos individualmente os autores e suas obras, além,
claro, das características gerais dos períodos literários. Vamos estudar, agora, a
Literatura Brasileira do século XIX.
ROMANTISMO
Contexto Histórico: Independência do Brasil, Brasil Império, Abolição da Escravatura,
Proclamação da República.
O Romantismo foi o período literário que começou no início do século XIX e é
caracterizado pelo predomínio da emoção, dos sentimentos e da linguagem subjetiva.
Os escritores românticos eram mais sentimentais e emotivos. Essa época é dividida em
três períodos: Indianismo (primeira fase), Ultrarromantismo (segunda fase)
e Condoreirismo (terceira fase).
Indianismo: com a independência do Brasil, os autores desse período se preocupavam
em definir a nova identidade nacional. Sendo assim, o sentimento era de patriotismo e
de nacionalismo, valorizando tudo o que o Brasil tinha. A figura central dessa
valorização era o índio, símbolo nacional.
Ultrarromantismo: essa fase é caracterizada pelo pessimismo profundo, pela
depressão, pelo saudosismo, pelo individualismo e pelas frustrações. Os
ultrarromânticos (românticos exagerados), influenciados pelo poeta britânico George
Byron, se sentiam trises, entediados, depressivos e se interessavam por temas ligados à
morte e à noite. Essa geração de poetas ficou conhecida como "Mal do Século" (por
causa do pessimismo que eles expressavam).
Condoreirismo: os autores condoreiros se preocupavam mais com a questão social,
como a escravidão, a educação e a miséria. Os destaques desse período são: Castro
Alves, Fagundes Varela e Sousândrade.
REALISMO
Contexto Histórico: Século XIX
O Romantismo é substituído pelo Realismo em 1881, com a publicação de Memórias
Póstumas de Brás Cubas (de Machado de Assis). Os autores do período do Realismo
eram contrários ao excesso de sentimentos e de emoções dos românticos e procuravam
enxergar o mundo de maneira realista, tal como ele realmente era.
O foco dos autores realistas era a sociedade: eles criticavam o comportamento social da
época, criticando o clero, a burguesia e abordando questões familiares, como o
adultério. Em seus textos, os autores também faziam a análise psicológica dos
personagens, de modo a abordar as questões da maneira mais realista e coerente
possível.
O grande destaque do período foi Machado de Assis com a sua trilogia (Memórias
Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba e Dom Casmurro).
NATURALISMO
O Naturalismo faz parte do Realismo (os dois movimentos ocorreram ao mesmo
tempo) e nada mais é do que um Realismo mais aprofundado (é um desdobramento do
Realismo), interpretando o mundo de um modo mais científico. O Naturalismo trata o
homem como uma espécie de objeto de estudo, que deve ser observado. Pela
experiência e pela observação (características científicas) é possível entender a
realidade. Sendo assim, os textos naturalistas priorizam a descrição e os detalhes
(reflexo da observação).
Principais autores desse período: Raul Pompeia (autor de O Ateneu) e Aluísio de
Azevedo (autor de O Cortiço e de O Mulato).
PARNASIANISMO
O Parnasianismo foi um movimento literário que se desenvolveu junto com
o Realismo e com o Naturalismo, sendo que a diferença é que o Parnasianismo se
restringe à poesia.
A poesia parnasiana se preocupa com a sua aparência: o vocabulário é rebuscado e a
poesia é precisa e bem trabalhada, buscando-se sempre a forma perfeita (esse conceito é
chamado de "arte pela arte"m ou seja: o fazer poético é uma arte). Os versos são
regulares (gosto pelos sonetos, por exemplo) e a linguagem é objetiva e descritiva. O
grande nome desse período foi Olavo Bilac.
SIMBOLISMO
O Simbolismo foi um movimento de oposição ao Realismo, ao Naturalismo e
ao Parnasianismo. Os simbolistas eram contrários ao caráter científico e objetivista
desses movimentos. Sendo assim, o Simbolismo tinha as seguintes características:
subjetivismo, mergulho no "eu" (valorização dos sentimentos individuais e da
subconsciência), proximidade pelas questões filosóficas e existenciais, explicação da
realidade por meio de símbolos (metáforas, imagens), misticismo (cosmos e questões
espirituais).
EXERCÍCIOS
TEXTO I
Andaram na praia, quando saímos, oito ou dez deles; e daí a pouco começaram a vir
mais. E parece-me que viriam, este dia, à praia, quatrocentos ou quatrocentos e
cinquenta. Alguns deles traziam arcos e flechas, que todos trocaram por carapuças ou
por qualquer coisa que lhes davam. […] Andavam todos tão bem-dispostos, tão bem
feitos e galantes com suas tinturas que muito agradavam.
CASTRO, S. A carta de Pero Vaz de Caminha. Porto Alegre: L&PM, 1996
(fragmento).
TEXTO II
PORTINARI, C. O descobrimento do
Brasil. 1956. Óleo sobre tela, 199 x 169 cm Disponível em: www.portinari.org.br.
Acesso em: 12 jun. 2013. (Foto: Reprodução)
1)Pertencentes ao patrimônio cultural brasileiro, a carta de Pero Vaz de Caminha
e a obra de Portinari retratam a chegada dos portugueses ao Brasil. Da leitura dos
textos, constata-se que
a) a carta de Pero Vaz de Caminha representa uma das primeiras manifestações artísticas
dos portugueses em terras brasileiras e preocupa-se apenas com a estética literária.
b) a tela de Portinari retrata indígenas nus com corpos pintados, cuja grande significação é
a afirmação da arte acadêmica brasileira e a contestação de uma linguagem moderna.
c) a carta, como testemunho histórico-político, mostra o olhar do colonizador sobre a gente
da terra, e a pintura destaca, em primeiro plano, a inquietação dos nativos
d) as duas produções, embora usem linguagens diferentes – verbal e não verbal –,
cumprem a mesma função social e artística.
e) a pintura e a carta de Caminha são manifestações de grupos étnicos diferentes,
produzidas em um mesmo momentos histórico, retratando a colonização.
2) (UFSM) Sobre a literatura produzida no primeiro século da vida colonial brasileira, é
correto afirmar que:
a) É formada principalmente de poemas narrativos e textos dramáticos que visavam à
catequese.
b) Inicia com Prosopopeia, de Bento Teixeira.
c) É constituída por documentos que informam acerca da terra brasileira e pela literatura
jesuítica.
d) Os textos que a constituem apresentam evidente preocupação artística e pedagógica.
e) Descreve com fidelidade e sem idealizações a terra e o homem, ao relatar as
condições encontradas no Novo Mundo.
3) Questão 111 do Enem
Quando Deus redimiu da tirania
Da mão do Faraó endurecido
O Povo Hebreu amado, e esclarecido,
Páscoa ficou da redenção o dia.
Páscoa de flores, dia de alegria
Àquele povo foi tão afligido
O dia, em que por Deus foi redimido;
Ergo sois vós, Senhor, Deus da Bahia.
Pois mandado pela Alta Majestade
Nos remiu de tão triste cativeiro,
Nos livrou de tão vil calamidade.
Quem pode ser senão um verdadeiro
Deus, que veio estirpar desta cidade
o Faraó do povo brasileiro.
(DAMASCENO, D. Melhores poemas: Gregório de Matos. São Paulo: 2006)
3)Com uma elaboração de linguagem e uma visão de mundo que apresentam
princípios barrocos, o soneto de Gregório de Matos apresenta temática expressa por
(A) visão cética sobre as relações sociais.
(B) preocupação com a identidade brasileira.
(C) crítica velada à forma de governo vigente.
(D) reflexão sobre dogmas do Cristianismo.
(E) questionamento das práticas pagãs na Bahia.
4) (UNICAMP)A arte colonial mineira seguia as proposições do Concílio de Trento
(1545-1553), dando visibilidade ao catolicismo reformado. O artífice deveria
representar passagens sacras. Não era, portanto, plenamente livre na definição dos
traços e temas das obras. Sua função era criar, segundo os padrões da Igreja, as peças
encomendadas pelas confrarias, grandes mecenas das artes em Minas Gerais.
(Adaptado de Camila F. G. Santiago, “Traços europeus, cores mineiras: três pinturas
coloniais inspiradas em uma gravura de Joaquim Carneiro da Silva”, em Junia Furtado
(org.), Sons, formas, cores e movimentos na modernidade atlântica. Europa, Américas e
África. São Paulo: Annablume, 2008, p. 385.)
4-Considerando as informações do enunciado, a arte colonial mineira pode ser definida
como:
a) renascentista, pois criava na colônia uma arte sacra própria do catolicismo reformado,
resgatando os ideais clássicos, segundo os padrões do Concílio de Trento.
b) barroca, já que seguia os preceitos da Contrarreforma. Era financiada e encomendada
pelas confrarias e criada pelos artífices locais.
c) escolástica, porque seguia as proposições do Concílio de Trento. Os artífices locais,
financiados pela Igreja, apenas reproduziam as obras de arte sacra europeias.
d) popular, por ser criada por artífices locais, que incluíam escravos, libertos, mulatos e
brancos pobres que se colocavam sob a proteção das confrarias.
5) QUESTÃO 132 (Enem)
Soneto VII
Onde estou? Este sítio desconheço:
Quem fez tão diferente aquele prado?
Tudo outra natureza tem tomado;
E em contemplá-lo tímido esmoreço.
Uma fonte aqui houve; eu não me esqueço
De estar a ela um dia reclinado:
Ali em vale um monte está mudado:
Quando pode dos anos o progresso!
Árvores aqui vi tão florescentes
Que faziam perpétua a primavera:
Nem troncos vejo agora decadentes.
Eu me engano: a região esta não era;
Mas que venho a estranhar, se estão presentes
Meus males, com que tudo degenera.
(COSTA, C.M. Poemas. Disponível em www.dominiopublico.gov.br. Acesso em 7 jul
2012)
No soneto de Claudio Manuel da Costa, a contemplação da paisagem permite ao eu
lírico uma reflexão em que transparece uma
(A) angústia provocada pela sensação de solidão.
(B) resignação diante das mudanças do meio ambiente.
(C) dúvida existencial em face do espaço desconhecido.
(D) intenção de recriar o passado por meio da paisagem.
(E) empatia entre os sofrimentos do eu e a agonia da terra.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A literatura brasileira ppt ok
A literatura brasileira   ppt okA literatura brasileira   ppt ok
A literatura brasileira ppt ok
Sabrina Gomes
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
Claudia Ribeiro
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
MissBlackBerryBush
 
Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01
murilotome
 
Panorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Panorama das literaturas Africanas de Língua PortuguesaPanorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Panorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Wesla Campos
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Faell Vasconcelos
 
Terceira Geração Do Romantismo (1).pptx
Terceira Geração Do Romantismo (1).pptxTerceira Geração Do Romantismo (1).pptx
Terceira Geração Do Romantismo (1).pptx
JosifranFelix1
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Ana Paula Brisolar
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
Ademir Teixeira de Freitas
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Luciene Gomes
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Escolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - QuinhentismoEscolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - Quinhentismo
Lara Lídia
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de Informação
Colégio Santa Luzia
 
Poesia de 30
Poesia de 30Poesia de 30
Poesia de 30
glicéria lima
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 

Mais procurados (20)

A literatura brasileira ppt ok
A literatura brasileira   ppt okA literatura brasileira   ppt ok
A literatura brasileira ppt ok
 
A geração de 45
A geração de 45A geração de 45
A geração de 45
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01
 
Panorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Panorama das literaturas Africanas de Língua PortuguesaPanorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
Panorama das literaturas Africanas de Língua Portuguesa
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Terceira Geração Do Romantismo (1).pptx
Terceira Geração Do Romantismo (1).pptxTerceira Geração Do Romantismo (1).pptx
Terceira Geração Do Romantismo (1).pptx
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Escolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - QuinhentismoEscolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - Quinhentismo
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de Informação
 
Poesia de 30
Poesia de 30Poesia de 30
Poesia de 30
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 

Destaque

Quinhentismo i
Quinhentismo iQuinhentismo i
Quinhentismo i
Nádia França
 
Dicas enem
Dicas enemDicas enem
Dicas enem
Nádia França
 
O que é literatura
O que é literaturaO que é literatura
O que é literatura
Nádia França
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
Nádia França
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
Nádia França
 
Basics of Ux Design
Basics of Ux DesignBasics of Ux Design
Basics of Ux Design
Pushkar Dhande
 
newres
newresnewres
CV
CVCV
STF NEWSLETTER 2.0
STF NEWSLETTER 2.0STF NEWSLETTER 2.0
STF NEWSLETTER 2.0
Samarjitsinh Mahida
 
Cobit5 - Gerencia de Processos
Cobit5 - Gerencia de ProcessosCobit5 - Gerencia de Processos
Cobit5 - Gerencia de Processos
Lenicio S. Melo Júnior
 
Dasar dasar spreadshet
Dasar dasar spreadshetDasar dasar spreadshet
Dasar dasar spreadshet
Samsuri14
 
Prepositions = 3º ano
Prepositions = 3º anoPrepositions = 3º ano
Prepositions = 3º ano
Nádia França
 
Genoma humano
Genoma humanoGenoma humano
Genoma humano
Mariana Cuéllar
 
ayudala a encontrar el camino a la abeja
ayudala a encontrar el camino a la abejaayudala a encontrar el camino a la abeja
ayudala a encontrar el camino a la abeja
dayana campoverde
 
Servicios web 2.0
Servicios web 2.0Servicios web 2.0
Servicios web 2.0
Aqustin Aquilar
 
TIDE_ANNUAL REPORT_2015-16
TIDE_ANNUAL REPORT_2015-16TIDE_ANNUAL REPORT_2015-16
TIDE_ANNUAL REPORT_2015-16
Siby Joseph
 
Concordância verbal ii
Concordância verbal iiConcordância verbal ii
Concordância verbal ii
Nádia França
 
Genoma humano, UNY
Genoma humano, UNYGenoma humano, UNY
Genoma humano, UNY
Roniyer Rodriguez
 
Santosh singh
Santosh singhSantosh singh
Santosh singh
Santosh Singh
 
Herbolario
HerbolarioHerbolario
Herbolario
2222754478
 

Destaque (20)

Quinhentismo i
Quinhentismo iQuinhentismo i
Quinhentismo i
 
Dicas enem
Dicas enemDicas enem
Dicas enem
 
O que é literatura
O que é literaturaO que é literatura
O que é literatura
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
 
Basics of Ux Design
Basics of Ux DesignBasics of Ux Design
Basics of Ux Design
 
newres
newresnewres
newres
 
CV
CVCV
CV
 
STF NEWSLETTER 2.0
STF NEWSLETTER 2.0STF NEWSLETTER 2.0
STF NEWSLETTER 2.0
 
Cobit5 - Gerencia de Processos
Cobit5 - Gerencia de ProcessosCobit5 - Gerencia de Processos
Cobit5 - Gerencia de Processos
 
Dasar dasar spreadshet
Dasar dasar spreadshetDasar dasar spreadshet
Dasar dasar spreadshet
 
Prepositions = 3º ano
Prepositions = 3º anoPrepositions = 3º ano
Prepositions = 3º ano
 
Genoma humano
Genoma humanoGenoma humano
Genoma humano
 
ayudala a encontrar el camino a la abeja
ayudala a encontrar el camino a la abejaayudala a encontrar el camino a la abeja
ayudala a encontrar el camino a la abeja
 
Servicios web 2.0
Servicios web 2.0Servicios web 2.0
Servicios web 2.0
 
TIDE_ANNUAL REPORT_2015-16
TIDE_ANNUAL REPORT_2015-16TIDE_ANNUAL REPORT_2015-16
TIDE_ANNUAL REPORT_2015-16
 
Concordância verbal ii
Concordância verbal iiConcordância verbal ii
Concordância verbal ii
 
Genoma humano, UNY
Genoma humano, UNYGenoma humano, UNY
Genoma humano, UNY
 
Santosh singh
Santosh singhSantosh singh
Santosh singh
 
Herbolario
HerbolarioHerbolario
Herbolario
 

Semelhante a Resumo de literatura

Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
CindiaAianaFariaLima1
 
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
mariaArajo934492
 
Escola literaria.ppt
Escola literaria.pptEscola literaria.ppt
Escola literaria.ppt
GrazielaLima12
 
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
CsarMarin3
 
Revisão literária
Revisão literária Revisão literária
Revisão literária
MichellyMadalena1
 
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.pptrevisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
MaiteFerreira4
 
Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
Aline Ferreira
 
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Pedro Andrade
 
Literatura informativa
Literatura informativaLiteratura informativa
Literatura informativa
Solrac Solrac
 
Literatura do brasil
Literatura do brasilLiteratura do brasil
Literatura do brasil
Erika Renata
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
Uniesp
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
Kátia Silva da Costa
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Jonatas Carlos
 
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
História da Litertura Brasileira   José VeríssimoHistória da Litertura Brasileira   José Veríssimo
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
Sol Stabile
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercícios
Robson Bertoldo
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Jonatas Carlos
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
Daniel Brito
 
Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
Ma Hildebrand de Araujo
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 

Semelhante a Resumo de literatura (20)

Escolas literárias .pdf
Escolas literárias   .pdfEscolas literárias   .pdf
Escolas literárias .pdf
 
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
3º-ano-Literatura-material-complementar-Escolas-Literárias-Linha-do-Tempo-sem...
 
Escola literaria.ppt
Escola literaria.pptEscola literaria.ppt
Escola literaria.ppt
 
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.pptESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
ESCOLAS LITERÁRIAS.ppt
 
Revisão literária
Revisão literária Revisão literária
Revisão literária
 
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.pptrevisc3a3o-literc3a1ria.ppt
revisc3a3o-literc3a1ria.ppt
 
Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
 
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
Literatura Brasileira [Quinhentismo, Barroco, Arcadismo]
 
Literatura informativa
Literatura informativaLiteratura informativa
Literatura informativa
 
Literatura do brasil
Literatura do brasilLiteratura do brasil
Literatura do brasil
 
Ideologia mais escolas literarias
Ideologia mais  escolas literariasIdeologia mais  escolas literarias
Ideologia mais escolas literarias
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
História da Litertura Brasileira   José VeríssimoHistória da Litertura Brasileira   José Veríssimo
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercícios
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 

Mais de Nádia França

Referências de acrodo com as normas da abnt
Referências de acrodo com as normas da abntReferências de acrodo com as normas da abnt
Referências de acrodo com as normas da abnt
Nádia França
 
Citações de acordo com as normas da abnt
Citações de acordo com as normas da abntCitações de acordo com as normas da abnt
Citações de acordo com as normas da abnt
Nádia França
 
Barroco
BarrocoBarroco
Arcadismo i
Arcadismo iArcadismo i
Arcadismo i
Nádia França
 
Question tags ok
Question tags  okQuestion tags  ok
Question tags ok
Nádia França
 
Concordância verbal i
Concordância verbal iConcordância verbal i
Concordância verbal i
Nádia França
 
Concordância nominal i
Concordância nominal iConcordância nominal i
Concordância nominal i
Nádia França
 

Mais de Nádia França (7)

Referências de acrodo com as normas da abnt
Referências de acrodo com as normas da abntReferências de acrodo com as normas da abnt
Referências de acrodo com as normas da abnt
 
Citações de acordo com as normas da abnt
Citações de acordo com as normas da abntCitações de acordo com as normas da abnt
Citações de acordo com as normas da abnt
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Arcadismo i
Arcadismo iArcadismo i
Arcadismo i
 
Question tags ok
Question tags  okQuestion tags  ok
Question tags ok
 
Concordância verbal i
Concordância verbal iConcordância verbal i
Concordância verbal i
 
Concordância nominal i
Concordância nominal iConcordância nominal i
Concordância nominal i
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 

Resumo de literatura

  • 1. Resumo de literatura Da mesma forma que organizamos a História em vários períodos (Idade Antiga, Idade Média, etc), nós também organizamos a história da Literatura Brasileira em vários períodos, que podem ser chamados de "escolas literárias", ou então de "movimentos literários". A literatura brasileira é tradicionalmente dividida em escolas literárias, divisão que também é conhecida como “movimentos literários” ou, ainda, “estilos de época”. Essa sistematização, embora muitas vezes arbitrária, tem como principal objetivo facilitar o estudo da disciplina, bem como seu ensino, uma vez que agrupa escritores de acordo com suas características estilísticas, temáticas e, claro, de acordo com o contexto histórico no qual estão inseridos. Seria impossível dissociar a Literatura da História: essas duas áreas do conhecimento humano caminham lado a lado, e é inquestionável a influência dos fatos históricos no fazer literário de cada época.  → Quinhentismo (de 1500 a 1601);  → Barroco (de 1601 a 1768);  → Arcadismo (de 1768 a 1808);  → Período de Transição (de 1808 a 1836).  → Romantismo (de 1836 a 1881);  → Realismo (de 1881 a 1893);  → Simbolismo (de 1893 a 1922);  → Modernismo (de 1922 a 1945) Literatura Brasileira (Era Colonial) Quinhentismo Barroco Arcadismo Literatura Brasileira (século XIX) Romantismo Realismo Naturalismo Parnasianismo Simbolismo Literatura Brasileira (século XX) Pré-Modernismo Modernismo
  • 2. Com a Expansão Marítima, o Brasil é descoberto e se transforma em colônia de Portugal, herdando, assim, a Língua Portuguesa. Desse modo, inicia-se a história da Literatura Brasileira: QUINHENTISMO Contexto Histórico: Grandes Navegações O Brasil foi descoberto em 1500 e a partir de agora começa a Literatura Brasileira. O Quinhentismo (uma referência ao ano de 1500) é o período literário brasileiro dos anos 1500 e tudo o que tínhamos sobre o Brasil eram os textos informativos que os navegantes europeus escreviam para descreverem a terra descoberta (Literatura de Informação). Sendo assim, o marco inicial da Literatura Brasileira foi A Carta de Caminha, primeiro documento escrito sobre o Brasil (foi escrito por Pero Vaz de Caminha para o rei de Portugal com o objetivo de dar notícias sobre a terra descoberta e descrever as suas características). Também temos a ocorrência da Literatura de Catequese, que tinha o objetivo de catequizar os índios (o grande nome desse período foi o padre José de Anchieta). BARROCO Contexto Histórico: Contrarreforma O Barroco foi o período literário brasileiro iniciado em 1580. Era a época da Contrarreforma (reação da Igreja Católica contra a Reforma Protestante). Sendo assim, o Barroco expressava o período de conflitos que as pessoas da época viviam. Características: período de oposições e de conflitos (fé x razão, corpo x alma, pecado x virtude, vida x morte). A linguagem era mais complexa e difícil, com jogo de palavras, inversões, excesso de metáforas e de figuras de linguagem e vocabulário complicado (características do cultismo, ou seja: obsessão pela linguagem culta). Quanto às ideias, elas também eram mais elaboradas, mais complexas e exigiam mais o raciocínio lógico (características do conceptismo). Autores: Gregório de Matos (autor de vários poesias líricas e satíricas) e padre Antônio Vieira (conhecido pelos seus sermões e pela sua habilidade como orador). ARCADISMO Contexto Histórico: Iluminismo, Revolução Francesa Como já vimos, a linguagem e as ideias do Barroco eram complexas e complicadas, além das instabilidades das ideias opostas. O Arcadismo vai contra isso e busca o equilíbrio e a simplicidade. Outras características: "fugere urbem" ou fuga da cidade (a cidade é um ambiente ruim), preferência pela natureza (ambiente bucólico e pastoril), "carpe diem" (aproveitar o tempo), predomínio da razão sobre a emoção. Autores do período: Cláudio Manoel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, Basílio da Gama, Frei Santa Rita Durão. O Brasil deixou de ser colônia de Portugal e alcançou a sua independência. Sendo assim, a nossa literatura ganhou mais força e se consolidou. A partir de agora, se torna cada vez mais comum estudarmos individualmente os autores e suas obras, além,
  • 3. claro, das características gerais dos períodos literários. Vamos estudar, agora, a Literatura Brasileira do século XIX. ROMANTISMO Contexto Histórico: Independência do Brasil, Brasil Império, Abolição da Escravatura, Proclamação da República. O Romantismo foi o período literário que começou no início do século XIX e é caracterizado pelo predomínio da emoção, dos sentimentos e da linguagem subjetiva. Os escritores românticos eram mais sentimentais e emotivos. Essa época é dividida em três períodos: Indianismo (primeira fase), Ultrarromantismo (segunda fase) e Condoreirismo (terceira fase). Indianismo: com a independência do Brasil, os autores desse período se preocupavam em definir a nova identidade nacional. Sendo assim, o sentimento era de patriotismo e de nacionalismo, valorizando tudo o que o Brasil tinha. A figura central dessa valorização era o índio, símbolo nacional. Ultrarromantismo: essa fase é caracterizada pelo pessimismo profundo, pela depressão, pelo saudosismo, pelo individualismo e pelas frustrações. Os ultrarromânticos (românticos exagerados), influenciados pelo poeta britânico George Byron, se sentiam trises, entediados, depressivos e se interessavam por temas ligados à morte e à noite. Essa geração de poetas ficou conhecida como "Mal do Século" (por causa do pessimismo que eles expressavam). Condoreirismo: os autores condoreiros se preocupavam mais com a questão social, como a escravidão, a educação e a miséria. Os destaques desse período são: Castro Alves, Fagundes Varela e Sousândrade. REALISMO Contexto Histórico: Século XIX O Romantismo é substituído pelo Realismo em 1881, com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas (de Machado de Assis). Os autores do período do Realismo eram contrários ao excesso de sentimentos e de emoções dos românticos e procuravam enxergar o mundo de maneira realista, tal como ele realmente era. O foco dos autores realistas era a sociedade: eles criticavam o comportamento social da época, criticando o clero, a burguesia e abordando questões familiares, como o adultério. Em seus textos, os autores também faziam a análise psicológica dos personagens, de modo a abordar as questões da maneira mais realista e coerente possível. O grande destaque do período foi Machado de Assis com a sua trilogia (Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba e Dom Casmurro). NATURALISMO
  • 4. O Naturalismo faz parte do Realismo (os dois movimentos ocorreram ao mesmo tempo) e nada mais é do que um Realismo mais aprofundado (é um desdobramento do Realismo), interpretando o mundo de um modo mais científico. O Naturalismo trata o homem como uma espécie de objeto de estudo, que deve ser observado. Pela experiência e pela observação (características científicas) é possível entender a realidade. Sendo assim, os textos naturalistas priorizam a descrição e os detalhes (reflexo da observação). Principais autores desse período: Raul Pompeia (autor de O Ateneu) e Aluísio de Azevedo (autor de O Cortiço e de O Mulato). PARNASIANISMO O Parnasianismo foi um movimento literário que se desenvolveu junto com o Realismo e com o Naturalismo, sendo que a diferença é que o Parnasianismo se restringe à poesia. A poesia parnasiana se preocupa com a sua aparência: o vocabulário é rebuscado e a poesia é precisa e bem trabalhada, buscando-se sempre a forma perfeita (esse conceito é chamado de "arte pela arte"m ou seja: o fazer poético é uma arte). Os versos são regulares (gosto pelos sonetos, por exemplo) e a linguagem é objetiva e descritiva. O grande nome desse período foi Olavo Bilac. SIMBOLISMO O Simbolismo foi um movimento de oposição ao Realismo, ao Naturalismo e ao Parnasianismo. Os simbolistas eram contrários ao caráter científico e objetivista desses movimentos. Sendo assim, o Simbolismo tinha as seguintes características: subjetivismo, mergulho no "eu" (valorização dos sentimentos individuais e da subconsciência), proximidade pelas questões filosóficas e existenciais, explicação da realidade por meio de símbolos (metáforas, imagens), misticismo (cosmos e questões espirituais). EXERCÍCIOS TEXTO I Andaram na praia, quando saímos, oito ou dez deles; e daí a pouco começaram a vir mais. E parece-me que viriam, este dia, à praia, quatrocentos ou quatrocentos e cinquenta. Alguns deles traziam arcos e flechas, que todos trocaram por carapuças ou por qualquer coisa que lhes davam. […] Andavam todos tão bem-dispostos, tão bem feitos e galantes com suas tinturas que muito agradavam. CASTRO, S. A carta de Pero Vaz de Caminha. Porto Alegre: L&PM, 1996 (fragmento). TEXTO II
  • 5. PORTINARI, C. O descobrimento do Brasil. 1956. Óleo sobre tela, 199 x 169 cm Disponível em: www.portinari.org.br. Acesso em: 12 jun. 2013. (Foto: Reprodução) 1)Pertencentes ao patrimônio cultural brasileiro, a carta de Pero Vaz de Caminha e a obra de Portinari retratam a chegada dos portugueses ao Brasil. Da leitura dos textos, constata-se que a) a carta de Pero Vaz de Caminha representa uma das primeiras manifestações artísticas dos portugueses em terras brasileiras e preocupa-se apenas com a estética literária. b) a tela de Portinari retrata indígenas nus com corpos pintados, cuja grande significação é a afirmação da arte acadêmica brasileira e a contestação de uma linguagem moderna. c) a carta, como testemunho histórico-político, mostra o olhar do colonizador sobre a gente da terra, e a pintura destaca, em primeiro plano, a inquietação dos nativos d) as duas produções, embora usem linguagens diferentes – verbal e não verbal –, cumprem a mesma função social e artística. e) a pintura e a carta de Caminha são manifestações de grupos étnicos diferentes, produzidas em um mesmo momentos histórico, retratando a colonização. 2) (UFSM) Sobre a literatura produzida no primeiro século da vida colonial brasileira, é correto afirmar que: a) É formada principalmente de poemas narrativos e textos dramáticos que visavam à catequese. b) Inicia com Prosopopeia, de Bento Teixeira. c) É constituída por documentos que informam acerca da terra brasileira e pela literatura jesuítica. d) Os textos que a constituem apresentam evidente preocupação artística e pedagógica. e) Descreve com fidelidade e sem idealizações a terra e o homem, ao relatar as condições encontradas no Novo Mundo.
  • 6. 3) Questão 111 do Enem Quando Deus redimiu da tirania Da mão do Faraó endurecido O Povo Hebreu amado, e esclarecido, Páscoa ficou da redenção o dia. Páscoa de flores, dia de alegria Àquele povo foi tão afligido O dia, em que por Deus foi redimido; Ergo sois vós, Senhor, Deus da Bahia. Pois mandado pela Alta Majestade Nos remiu de tão triste cativeiro, Nos livrou de tão vil calamidade. Quem pode ser senão um verdadeiro Deus, que veio estirpar desta cidade o Faraó do povo brasileiro. (DAMASCENO, D. Melhores poemas: Gregório de Matos. São Paulo: 2006) 3)Com uma elaboração de linguagem e uma visão de mundo que apresentam princípios barrocos, o soneto de Gregório de Matos apresenta temática expressa por (A) visão cética sobre as relações sociais. (B) preocupação com a identidade brasileira. (C) crítica velada à forma de governo vigente. (D) reflexão sobre dogmas do Cristianismo. (E) questionamento das práticas pagãs na Bahia. 4) (UNICAMP)A arte colonial mineira seguia as proposições do Concílio de Trento (1545-1553), dando visibilidade ao catolicismo reformado. O artífice deveria representar passagens sacras. Não era, portanto, plenamente livre na definição dos traços e temas das obras. Sua função era criar, segundo os padrões da Igreja, as peças encomendadas pelas confrarias, grandes mecenas das artes em Minas Gerais. (Adaptado de Camila F. G. Santiago, “Traços europeus, cores mineiras: três pinturas coloniais inspiradas em uma gravura de Joaquim Carneiro da Silva”, em Junia Furtado (org.), Sons, formas, cores e movimentos na modernidade atlântica. Europa, Américas e África. São Paulo: Annablume, 2008, p. 385.) 4-Considerando as informações do enunciado, a arte colonial mineira pode ser definida como: a) renascentista, pois criava na colônia uma arte sacra própria do catolicismo reformado, resgatando os ideais clássicos, segundo os padrões do Concílio de Trento. b) barroca, já que seguia os preceitos da Contrarreforma. Era financiada e encomendada pelas confrarias e criada pelos artífices locais. c) escolástica, porque seguia as proposições do Concílio de Trento. Os artífices locais,
  • 7. financiados pela Igreja, apenas reproduziam as obras de arte sacra europeias. d) popular, por ser criada por artífices locais, que incluíam escravos, libertos, mulatos e brancos pobres que se colocavam sob a proteção das confrarias. 5) QUESTÃO 132 (Enem) Soneto VII Onde estou? Este sítio desconheço: Quem fez tão diferente aquele prado? Tudo outra natureza tem tomado; E em contemplá-lo tímido esmoreço. Uma fonte aqui houve; eu não me esqueço De estar a ela um dia reclinado: Ali em vale um monte está mudado: Quando pode dos anos o progresso! Árvores aqui vi tão florescentes Que faziam perpétua a primavera: Nem troncos vejo agora decadentes. Eu me engano: a região esta não era; Mas que venho a estranhar, se estão presentes Meus males, com que tudo degenera. (COSTA, C.M. Poemas. Disponível em www.dominiopublico.gov.br. Acesso em 7 jul 2012) No soneto de Claudio Manuel da Costa, a contemplação da paisagem permite ao eu lírico uma reflexão em que transparece uma (A) angústia provocada pela sensação de solidão. (B) resignação diante das mudanças do meio ambiente. (C) dúvida existencial em face do espaço desconhecido. (D) intenção de recriar o passado por meio da paisagem. (E) empatia entre os sofrimentos do eu e a agonia da terra.