SlideShare uma empresa Scribd logo
AULÃO PREVUPE 2014 POLO VITÓRIA DE SANTO ANTÃO 
1.(ENEM 2012) Suponha que você seja um consultor e foi contratado para assessorar a implantação de uma matriz 
energética em um pequeno país com as seguintes características: região plana, chuvosa e com ventos constantes, 
dispondo de poucos recursos hídricos e sem reservatórios de combustíveis fósseis. 
De acordo com as características desse país, a matriz energética de menor impacto e risco ambientais é a baseada na 
energia 
a) dos biocombustíveis, pois tem menos impacto ambiental e maior disponibilidade. 
b) solar, pelo seu baixo custo e pelas características do país favoráveis à sua implantação. 
c) nuclear, por ter menos risco ambiental a ser adequadeada a locais com menor extensão territorial, 
d) hidráulica, devido ao relevo, à extensão territorial do país e aos recursos naturais disponíveis. 
e) eólica, pelas características do país e por não gerar gases do efeito estufa nem resíduos de operação. 
2.(ENEM 2011) O fenômeno de ilha de calor é o exemplo mais marcante da modificação das condições iniciais do 
clima pelo processo de urbanização, caracterizado pela modificação do solo e pelo calor antropogênico, o qual inclui 
todas as atividades humanas inerentes à sua vida na cidade. 
BARBOSA, R. V. R. Áreas verdes e qualidade térmica em ambientes urbanos: estudo em microclimas em Maceió. São 
Paulo: EdUSP, 2005. 
O texto exemplifica uma importante alteração socioambiental, comum aos centros urbanos. A maximização desse 
fenômeno ocorre 
A) pela reconstrução dos leitos originais dos cursos d’água antes canalizados. 
B) pela recomposição de áreas verdes nas áreas centrais dos centros urbanos. 
C) pelo uso de materiais com alta capacidade de reflexão no topo dos edifícios. 
D) pelo processo de impermeabilização do solo nas áreas centrais das cidades. 
E) pela construção de vias expressas e gerenciamento de tráfego terrestre. 
3.(ENEM 2011) Um dos processos usados no tratamento do lixo é a incineração, que apresenta vantagens e 
desvantagens. Em São Paulo, por exemplo, o lixo é queimado a altas temperaturas e parte da energia liberada é 
transformada em energia elétrica. No entanto, a incineração provoca a emissão de poluentes na atmosfera. Uma forma 
de minimizar a desvantagem da incineração, destacada no texto, é 
A) aumentar o volume do lixo incinerado para aumentar a produção de energia elétrica. 
B) fomentar o uso de filtros nas chaminés dos incineradores para diminuir a poluição do ar. 
C) aumentar o volume do lixo para baratear os custos operacionais relacionados ao processo. 
D) fomentar a coleta seletiva de lixo nas cidades para aumentar o volume de lixo incinerado. 
E) diminuir a temperatura de incineração do lixo para produzir maior quantidade de energia elétrica. 
4.(ENEM 2010) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o CO2, o principal gás 
causador do efeito estufa. Isso ocorre por causa da quantidade de combustíveis fósseis queimados, principalmente no 
transporte, mas também em caldeiras industriais. Além disso, nessas cidades concentram-se as maiores áreas com 
solos asfaltados e concretados, o que aumenta a retenção de calor, formando o que se conhece por “ilhas de calor”. Tal 
fenômeno ocorre porque esses materias absorvem o calor e o devolvem para o ar sob a forma de radiação térmica. 
Em áreas urbanas, devido à atuação conjunta do efeito estufa e das “ilhas de calor”, espera-se que o consumo de 
energia elétrica 
A) diminua devido à utilização de caldeiras por indústrias metalúrgicas. 
B) aumente devido ao bloqueio da luz do sol pelos gases do efeito estufa. 
C) diminua devido à não necessidade de aquecer a água utilizada em indústrias. 
D) aumente devido à necessidade de maior refrigeração de indústrias e residências. 
E) diminua devido à grande quantidade de radiação térmica reutilizada. 
5.(ENEM 2013) Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia à base de ventos, no sudeste 
da Bahia. O Complexo Eólico Alto Sertão, em 2014, terá capacidade para gerar 375MW (megawatts), total suficiente 
para abastecer uma cidade de 3 milhões de habitantes. 
MATOS, C. “GE busca bons ventos e fecha contrato de R$820mi na Bahia”. Folha de S. Paulo, 2 dez. 2012.
A opção tecnológica retratada na notícia proporciona a seguinte consequência para o sistema energético brasileiro: 
a) Redução da utilização elétrica. 
b) Ampliação do uso bioenergético. 
c) Expansão de fontes renováveis. 
d) Contenção da demanda urbano-industrial. 
e) Intensificação da dependência geotérmica. 
6.(ENEM 2011) O acidente nuclear de Chernobyl revela brutalmente os limites dos poderes técnico-científicos da 
humanidade e as ”marchas-à-ré“ que a ”natureza“ nos pode reservar. É evidente que uma gestão mais coletiva se 
impõe para orientar as ciências e as técnicas em direção a finalidades mais humanas. 
GUATTARI, F. As três ecologias. São Paulo: Papirus, 1995 (adaptado). 
O texto trata do aparato técnico-científico e suas consequências para a humanidade, propondo que esse 
desenvolvimento 
A) defina seus projetos a partir dos interesses coletivos. 
B) guie-se por interesses econômicos, prescritos pela lógica do mercado. 
C) priorize a evolução da tecnologia, se apropriando da natureza. 
D) promova a separação entre natureza e sociedade tecnológica. 
E) tenha gestão própria, com o objetivo de melhor apropriação da natureza. 
7.( ENEM 2009) Com a perspectiva do desaparecimento das geleiras no Polo Norte, grandes reservas de petróleo e 
minérios, hoje inacessíveis, poderão ser exploradas. E já atiçam a cobiça das potências. 
OPP, D. Guerra Fria sobre o Ártico. Le monde diplomatique Brasil. Setembro, n. 2, 2007 (adaptado). 
No cenário de que trata o texto, a exploração de jazidas de petróleo, bem como de minérios – diamante, ouro, prata, 
cobre, chumbo, zinco – torna-se atraente não só em função de seu formidável potencial, mas também por 
a) situar-se em uma zona geopolítica mais estável que o Oriente Médio. 
b) possibilitar o povoamento de uma região pouco habitada, além de promover seu desenvolvimento econômico. 
c) garantir, aos países em desenvolvimento, acesso a matérias-primas e energia, necessárias ao crescimento 
econômico. 
d) contribuir para a redução da poluição em áreas ambientalmente já degradadas devido ao grande volume da 
produção industrial, como ocorreu na Europa. 
e) promover a participação dos combustíveis fósseis na matriz energética mundial, dominada, majoritariamente, 
pelas fontes renováveis, de maior custo. 
8. (ENEM 2007) - Devido ao aquecimento global e à consequente diminuição da cobertura de gelo no Ártico, aumenta 
a distância que os ursos polares precisam nadar para encontrar alimentos. Apesar de exímios nadadores, eles acabam 
morrendo afogados devido ao cansaço. 
A situação descrita acima 
a) enfoca o problema da interrupção da cadeia alimentar, o qual decorre das variações climáticas. 
b) alerta para prejuízos que o aquecimento global pode acarretar à biodiversidade no Ártico. 
c) ressalta que o aumento da temperatura decorrente de mudanças climáticas permite o surgimento de novas 
espécies. 
d) mostra a importância das características das zonas frias para a manutenção de outros biomas na Terra. 
e) evidencia a autonomia dos seres vivos em relação ao habitat, visto que eles se adaptam rapidamente às mudanças 
nas condições climáticas. 
9. (ENEM 2009) - O desenho do artista uruguaio Joaquín Torres-García trabalha com uma representação diferente da 
usual da América Latina.
Em artigo publicado em 1941, em que apresenta a imagem e trata do 
assunto, Joaquín afirma: “Quem e com que interesse dita o que é o norte e 
o sul? Defendo a chamada Escola do Sul por que na realidade, nosso norte 
é o Sul. Não deve haver norte, senão em oposição ao nosso sul. Por isso 
colocamos o mapa ao revés, desde já, e então teremos a justa ideia de 
nossa posição, e não como querem no resto do mundo. A ponta da América 
assinala insistentemente o sul, nosso norte”. 
TORRES-GARCÍA, J. Universalismo constructivo. Buenos Aires: Poseidón, 
O referido autor, no texto e imagem acima, 
a) privilegiou a visão dos colonizadores da América. 
b) questionou as noções eurocêntricas sobre o mundo. 
c) resgatou a imagem da América como centro do mundo. 
d) defendeu a Doutrina Monroe expressa no lema “América para os americanos”. 
e) propôs que o sul fosse chamado de norte e vice-versa. 
1941. (com adaptações). 
10.(ENEM 2011) Subindo morros, margeando córregos ou penduradas em palafitas, as favelas fazem parte da 
paisagem de um terço dos municípios do país, abrigando mais de 10 milhões de pessoas, segundo dados do Instituto 
Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 
MARTINS, A. R. A favela como um espaço da cidade. Disponível em: http://www.revistaescola.abril.com.br. Acesso em: 31 jul. 20 10. 
A situação das favelas no país reporta a graves problemas de desordenamento territorial. Nesse sentido, uma 
característica comum a esses espaços tem sido 
A) o planejamento para a implantação de infraestruturas urbanas necessárias para atender as necessidades básicas 
dos moradores. 
B) a organização de associações de moradores interessadas na melhoria do espaço urbano e financiadas pelo poder 
público. 
C) a presença de ações referentes à educação ambiental com consequente preservação dos espaços naturais 
circundantes. 
D) a ocupação de áreas de risco suscetíveis a enchentes ou desmoronamentos com consequentes perdas materiais e 
humanas. 
E) o isolamento socioeconômico dos moradores ocupantes desses espaços com a resultante multiplicação de políticas 
que tentam reverter esse quadro. 
11.(ENEM) O professor Paulo Saldiva pedala 6 km em 22 minutos de casa para o trabalho, todos os dias. Nunca foi 
atingido por um carro. Mesmo assim, é vítima diária do trânsito de São Paulo: a cada minuto sobre a bicicleta, seus 
pulmões são envenenados com 3,3 microgramas de poluição particulada — poeira, fumaça, fuligem, partículas de 
metal em suspensão, sulfatos, nitratos, carbono, compostos orgânicos e outras substâncias nocivas. 
ESCOBAR, H. Sem Ar. O Estado de São Paulo. Ago. 2008. 
A população de uma metrópole brasileira que vive nas mesmas condições socioambientais das do professor 
citado no texto apresentará uma tendência de 
A) ampliação da taxa de fecundidade. 
B) diminuição da expectativa de vida. 
C) elevação do crescimento vegetativo. 
D) aumento na participação relativa de idosos. 
E) redução na proporção de jovens na sociedade. 
12.(ENEM 2010) A evolução do processo de transformação de matérias-primas em produtos acabados ocorreu em 
três estágios: artesanato, manufatura e maquinofatura. 
Um desses estágios foi o artesanato, em que se 
A) trabalhava conforme o ritmo das máquinas e de maneira padronizada. 
B) trabalhava geralmente sem o uso de máquinas e de modo diferente do modelo de produção em série. 
C) empregavam fontes de energia abundantes para o funcionamento das máquinas. 
D) realizava parte da produção por cada operário, com uso de máquinas e trabalho assalariado. 
E) faziam interferência do processo produtivo por técnicos e gerentes com vistas a determinar o ritmo de produção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5. recursos naturais
5. recursos naturais5. recursos naturais
5. recursos naturais
Margarida Cardoso
 
Recursosnaturaisfinal
RecursosnaturaisfinalRecursosnaturaisfinal
Recursosnaturaisfinal
8ºC
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
Helena Saraiva
 
3 gestão sustentável dos recursos naturais
3   gestão sustentável dos recursos naturais3   gestão sustentável dos recursos naturais
3 gestão sustentável dos recursos naturais
Pelo Siro
 
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
1geo17
1geo171geo17
1geo17
NTE_Itaocara
 
Recursos Naturais
Recursos NaturaisRecursos Naturais
Recursos Naturais
João Fernandes
 
Recursos
Recursos Recursos
Recursos
Susana Almeida
 
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Recursos naturais i
Recursos naturais iRecursos naturais i
Recursos naturais i
Cristina Vitória
 
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturaisO planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
Fernando Alcoforado
 
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturaisO planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
Fernando Alcoforado
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
Diogo Mateus
 
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOSCN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
Luís Ferreira
 
Atividades charges agua
Atividades charges aguaAtividades charges agua
Atividades charges agua
Atividades Diversas Cláudia
 
Energia solar - Agência Nacional de Energia Elétrica
Energia solar - Agência Nacional de Energia ElétricaEnergia solar - Agência Nacional de Energia Elétrica
Energia solar - Agência Nacional de Energia Elétrica
ProjetoBr
 
Conservação dos Recursos Naturais
Conservação dos Recursos NaturaisConservação dos Recursos Naturais
Conservação dos Recursos Naturais
Lelio Rodrigues
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
marade
 
Bio 3p
Bio 3pBio 3p

Mais procurados (19)

5. recursos naturais
5. recursos naturais5. recursos naturais
5. recursos naturais
 
Recursosnaturaisfinal
RecursosnaturaisfinalRecursosnaturaisfinal
Recursosnaturaisfinal
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
3 gestão sustentável dos recursos naturais
3   gestão sustentável dos recursos naturais3   gestão sustentável dos recursos naturais
3 gestão sustentável dos recursos naturais
 
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A Exploração dos recursos energéticos
 
1geo17
1geo171geo17
1geo17
 
Recursos Naturais
Recursos NaturaisRecursos Naturais
Recursos Naturais
 
Recursos
Recursos Recursos
Recursos
 
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticosModulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
Modulo 10 - A exploração dos recursos energéticos
 
Recursos naturais i
Recursos naturais iRecursos naturais i
Recursos naturais i
 
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturaisO planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
 
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturaisO planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
O planeta terra e seus limites no uso dos recursos naturais
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
 
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOSCN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
CN - GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS
 
Atividades charges agua
Atividades charges aguaAtividades charges agua
Atividades charges agua
 
Energia solar - Agência Nacional de Energia Elétrica
Energia solar - Agência Nacional de Energia ElétricaEnergia solar - Agência Nacional de Energia Elétrica
Energia solar - Agência Nacional de Energia Elétrica
 
Conservação dos Recursos Naturais
Conservação dos Recursos NaturaisConservação dos Recursos Naturais
Conservação dos Recursos Naturais
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Bio 3p
Bio 3pBio 3p
Bio 3p
 

Destaque

Oriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupeOriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupe
Italo Alan
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Transporte e comercio
Transporte e comercioTransporte e comercio
Transporte e comercio
Italo Alan
 
Geografia politica
Geografia politicaGeografia politica
Geografia politica
Italo Alan
 
Aula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologiaAula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologia
Italo Alan
 
Gestao estrategica de custos
Gestao estrategica de custosGestao estrategica de custos
Gestao estrategica de custos
Rogerio Rodrigues
 
Setores de produção
Setores de produçãoSetores de produção
Setores de produção
Italo Alan
 
Aula Geopolitica
Aula GeopoliticaAula Geopolitica
Aula Geopolitica
Italo Alan
 

Destaque (8)

Oriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupeOriente medio israel palestina prevupe
Oriente medio israel palestina prevupe
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Transporte e comercio
Transporte e comercioTransporte e comercio
Transporte e comercio
 
Geografia politica
Geografia politicaGeografia politica
Geografia politica
 
Aula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologiaAula geomorfologia e geologia
Aula geomorfologia e geologia
 
Gestao estrategica de custos
Gestao estrategica de custosGestao estrategica de custos
Gestao estrategica de custos
 
Setores de produção
Setores de produçãoSetores de produção
Setores de produção
 
Aula Geopolitica
Aula GeopoliticaAula Geopolitica
Aula Geopolitica
 

Semelhante a Aulão prevupe geografia.

Fontes de energia1111
Fontes de energia1111Fontes de energia1111
Fontes de energia1111
Allison Gomes Gomes
 
Atividades 3º ano médio
Atividades 3º ano médioAtividades 3º ano médio
Atividades 3º ano médio
Luis Gustavo Viana Gomes
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
Alexandre Gangorra
 
Exercicios agua aula1
Exercicios agua aula1Exercicios agua aula1
Exercicios agua aula1
Ademir Aquino
 
Bateria de exercicios – transporte e matriz energética
Bateria de exercicios – transporte e matriz energéticaBateria de exercicios – transporte e matriz energética
Bateria de exercicios – transporte e matriz energética
Italo Alan
 
Fontes de energia 2011
Fontes de energia 2011Fontes de energia 2011
Fontes de energia 2011
telmamedeiros2010
 
Simulado unicom
Simulado unicomSimulado unicom
Simulado unicom
juniorpsouza
 
3º simulado -_2012_estilo_enem_-_prova1
3º simulado -_2012_estilo_enem_-_prova13º simulado -_2012_estilo_enem_-_prova1
3º simulado -_2012_estilo_enem_-_prova1
Eduardo Rocha
 
Exercícios de Impactos Ambientais
Exercícios de Impactos AmbientaisExercícios de Impactos Ambientais
Exercícios de Impactos Ambientais
Carlos Priante
 
Gestão ambiental Unidade III
Gestão ambiental Unidade IIIGestão ambiental Unidade III
Gestão ambiental Unidade III
Harutchy
 
Apostila fontes energia 2013
Apostila  fontes energia 2013Apostila  fontes energia 2013
Apostila fontes energia 2013
Colégio Certo - Rio Tinto/PB
 
Revisão 2 bimestre geografia - 1 serie
Revisão 2 bimestre   geografia -  1 serieRevisão 2 bimestre   geografia -  1 serie
Revisão 2 bimestre geografia - 1 serie
Marcos Lima
 
Simuladoenem1 dia
Simuladoenem1 diaSimuladoenem1 dia
Simuladoenem1 dia
RobertoFilho72
 
Material extraído do site
Material extraído do siteMaterial extraído do site
Material extraído do site
rolonluiz
 
Material extraído do site
Material extraído do siteMaterial extraído do site
Material extraído do site
rolonluiz
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
Alexandre Gangorra
 
SIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdfSIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdf
Valdimiro Cardoso
 
Geração heliotérmica
Geração heliotérmicaGeração heliotérmica
Geração heliotérmica
Robson Josué Molgaro
 
Questões ambientais
Questões ambientaisQuestões ambientais
Questões ambientais
Nonato Bouth
 
Questões ambientais
Questões ambientaisQuestões ambientais
Questões ambientais
Mauro Nascimento
 

Semelhante a Aulão prevupe geografia. (20)

Fontes de energia1111
Fontes de energia1111Fontes de energia1111
Fontes de energia1111
 
Atividades 3º ano médio
Atividades 3º ano médioAtividades 3º ano médio
Atividades 3º ano médio
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Exercicios agua aula1
Exercicios agua aula1Exercicios agua aula1
Exercicios agua aula1
 
Bateria de exercicios – transporte e matriz energética
Bateria de exercicios – transporte e matriz energéticaBateria de exercicios – transporte e matriz energética
Bateria de exercicios – transporte e matriz energética
 
Fontes de energia 2011
Fontes de energia 2011Fontes de energia 2011
Fontes de energia 2011
 
Simulado unicom
Simulado unicomSimulado unicom
Simulado unicom
 
3º simulado -_2012_estilo_enem_-_prova1
3º simulado -_2012_estilo_enem_-_prova13º simulado -_2012_estilo_enem_-_prova1
3º simulado -_2012_estilo_enem_-_prova1
 
Exercícios de Impactos Ambientais
Exercícios de Impactos AmbientaisExercícios de Impactos Ambientais
Exercícios de Impactos Ambientais
 
Gestão ambiental Unidade III
Gestão ambiental Unidade IIIGestão ambiental Unidade III
Gestão ambiental Unidade III
 
Apostila fontes energia 2013
Apostila  fontes energia 2013Apostila  fontes energia 2013
Apostila fontes energia 2013
 
Revisão 2 bimestre geografia - 1 serie
Revisão 2 bimestre   geografia -  1 serieRevisão 2 bimestre   geografia -  1 serie
Revisão 2 bimestre geografia - 1 serie
 
Simuladoenem1 dia
Simuladoenem1 diaSimuladoenem1 dia
Simuladoenem1 dia
 
Material extraído do site
Material extraído do siteMaterial extraído do site
Material extraído do site
 
Material extraído do site
Material extraído do siteMaterial extraído do site
Material extraído do site
 
Fontes de energia
Fontes de energiaFontes de energia
Fontes de energia
 
SIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdfSIMULADOENEM1DIA.pdf
SIMULADOENEM1DIA.pdf
 
Geração heliotérmica
Geração heliotérmicaGeração heliotérmica
Geração heliotérmica
 
Questões ambientais
Questões ambientaisQuestões ambientais
Questões ambientais
 
Questões ambientais
Questões ambientaisQuestões ambientais
Questões ambientais
 

Mais de Ajudar Pessoas

Tabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateralTabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateral
Ajudar Pessoas
 
Tabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateralTabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateral
Ajudar Pessoas
 
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia PolíticaEducação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Ajudar Pessoas
 
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de AprendizagemPosicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Ajudar Pessoas
 
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracõesEvolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Ajudar Pessoas
 
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasExercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Ajudar Pessoas
 
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Ajudar Pessoas
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Ajudar Pessoas
 
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Ajudar Pessoas
 
formulas de fisica
formulas de fisicaformulas de fisica
formulas de fisica
Ajudar Pessoas
 
Biologia.
Biologia.Biologia.
Biologia.
Ajudar Pessoas
 
Saude pública.
Saude pública.Saude pública.
Saude pública.
Ajudar Pessoas
 
Exerc carboidratos.
Exerc   carboidratos.Exerc   carboidratos.
Exerc carboidratos.
Ajudar Pessoas
 
Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.
Ajudar Pessoas
 
Concordância.
Concordância.Concordância.
Concordância.
Ajudar Pessoas
 
.Biologia.
.Biologia..Biologia.
.Biologia.
Ajudar Pessoas
 
Proteínas funções.
Proteínas        funções.Proteínas        funções.
Proteínas funções.
Ajudar Pessoas
 
Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.
Ajudar Pessoas
 
Aulão prevupe história.
Aulão prevupe   história.Aulão prevupe   história.
Aulão prevupe história.
Ajudar Pessoas
 
Aulão prevupe biologia.
Aulão prevupe   biologia.Aulão prevupe   biologia.
Aulão prevupe biologia.
Ajudar Pessoas
 

Mais de Ajudar Pessoas (20)

Tabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateralTabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateral
 
Tabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateralTabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateral
 
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia PolíticaEducação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
 
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de AprendizagemPosicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
 
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracõesEvolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracões
 
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasExercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de Pitágoras
 
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
 
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
 
formulas de fisica
formulas de fisicaformulas de fisica
formulas de fisica
 
Biologia.
Biologia.Biologia.
Biologia.
 
Saude pública.
Saude pública.Saude pública.
Saude pública.
 
Exerc carboidratos.
Exerc   carboidratos.Exerc   carboidratos.
Exerc carboidratos.
 
Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.
 
Concordância.
Concordância.Concordância.
Concordância.
 
.Biologia.
.Biologia..Biologia.
.Biologia.
 
Proteínas funções.
Proteínas        funções.Proteínas        funções.
Proteínas funções.
 
Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.
 
Aulão prevupe história.
Aulão prevupe   história.Aulão prevupe   história.
Aulão prevupe história.
 
Aulão prevupe biologia.
Aulão prevupe   biologia.Aulão prevupe   biologia.
Aulão prevupe biologia.
 

Último

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 

Último (20)

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 

Aulão prevupe geografia.

  • 1. AULÃO PREVUPE 2014 POLO VITÓRIA DE SANTO ANTÃO 1.(ENEM 2012) Suponha que você seja um consultor e foi contratado para assessorar a implantação de uma matriz energética em um pequeno país com as seguintes características: região plana, chuvosa e com ventos constantes, dispondo de poucos recursos hídricos e sem reservatórios de combustíveis fósseis. De acordo com as características desse país, a matriz energética de menor impacto e risco ambientais é a baseada na energia a) dos biocombustíveis, pois tem menos impacto ambiental e maior disponibilidade. b) solar, pelo seu baixo custo e pelas características do país favoráveis à sua implantação. c) nuclear, por ter menos risco ambiental a ser adequadeada a locais com menor extensão territorial, d) hidráulica, devido ao relevo, à extensão territorial do país e aos recursos naturais disponíveis. e) eólica, pelas características do país e por não gerar gases do efeito estufa nem resíduos de operação. 2.(ENEM 2011) O fenômeno de ilha de calor é o exemplo mais marcante da modificação das condições iniciais do clima pelo processo de urbanização, caracterizado pela modificação do solo e pelo calor antropogênico, o qual inclui todas as atividades humanas inerentes à sua vida na cidade. BARBOSA, R. V. R. Áreas verdes e qualidade térmica em ambientes urbanos: estudo em microclimas em Maceió. São Paulo: EdUSP, 2005. O texto exemplifica uma importante alteração socioambiental, comum aos centros urbanos. A maximização desse fenômeno ocorre A) pela reconstrução dos leitos originais dos cursos d’água antes canalizados. B) pela recomposição de áreas verdes nas áreas centrais dos centros urbanos. C) pelo uso de materiais com alta capacidade de reflexão no topo dos edifícios. D) pelo processo de impermeabilização do solo nas áreas centrais das cidades. E) pela construção de vias expressas e gerenciamento de tráfego terrestre. 3.(ENEM 2011) Um dos processos usados no tratamento do lixo é a incineração, que apresenta vantagens e desvantagens. Em São Paulo, por exemplo, o lixo é queimado a altas temperaturas e parte da energia liberada é transformada em energia elétrica. No entanto, a incineração provoca a emissão de poluentes na atmosfera. Uma forma de minimizar a desvantagem da incineração, destacada no texto, é A) aumentar o volume do lixo incinerado para aumentar a produção de energia elétrica. B) fomentar o uso de filtros nas chaminés dos incineradores para diminuir a poluição do ar. C) aumentar o volume do lixo para baratear os custos operacionais relacionados ao processo. D) fomentar a coleta seletiva de lixo nas cidades para aumentar o volume de lixo incinerado. E) diminuir a temperatura de incineração do lixo para produzir maior quantidade de energia elétrica. 4.(ENEM 2010) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o CO2, o principal gás causador do efeito estufa. Isso ocorre por causa da quantidade de combustíveis fósseis queimados, principalmente no transporte, mas também em caldeiras industriais. Além disso, nessas cidades concentram-se as maiores áreas com solos asfaltados e concretados, o que aumenta a retenção de calor, formando o que se conhece por “ilhas de calor”. Tal fenômeno ocorre porque esses materias absorvem o calor e o devolvem para o ar sob a forma de radiação térmica. Em áreas urbanas, devido à atuação conjunta do efeito estufa e das “ilhas de calor”, espera-se que o consumo de energia elétrica A) diminua devido à utilização de caldeiras por indústrias metalúrgicas. B) aumente devido ao bloqueio da luz do sol pelos gases do efeito estufa. C) diminua devido à não necessidade de aquecer a água utilizada em indústrias. D) aumente devido à necessidade de maior refrigeração de indústrias e residências. E) diminua devido à grande quantidade de radiação térmica reutilizada. 5.(ENEM 2013) Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia à base de ventos, no sudeste da Bahia. O Complexo Eólico Alto Sertão, em 2014, terá capacidade para gerar 375MW (megawatts), total suficiente para abastecer uma cidade de 3 milhões de habitantes. MATOS, C. “GE busca bons ventos e fecha contrato de R$820mi na Bahia”. Folha de S. Paulo, 2 dez. 2012.
  • 2. A opção tecnológica retratada na notícia proporciona a seguinte consequência para o sistema energético brasileiro: a) Redução da utilização elétrica. b) Ampliação do uso bioenergético. c) Expansão de fontes renováveis. d) Contenção da demanda urbano-industrial. e) Intensificação da dependência geotérmica. 6.(ENEM 2011) O acidente nuclear de Chernobyl revela brutalmente os limites dos poderes técnico-científicos da humanidade e as ”marchas-à-ré“ que a ”natureza“ nos pode reservar. É evidente que uma gestão mais coletiva se impõe para orientar as ciências e as técnicas em direção a finalidades mais humanas. GUATTARI, F. As três ecologias. São Paulo: Papirus, 1995 (adaptado). O texto trata do aparato técnico-científico e suas consequências para a humanidade, propondo que esse desenvolvimento A) defina seus projetos a partir dos interesses coletivos. B) guie-se por interesses econômicos, prescritos pela lógica do mercado. C) priorize a evolução da tecnologia, se apropriando da natureza. D) promova a separação entre natureza e sociedade tecnológica. E) tenha gestão própria, com o objetivo de melhor apropriação da natureza. 7.( ENEM 2009) Com a perspectiva do desaparecimento das geleiras no Polo Norte, grandes reservas de petróleo e minérios, hoje inacessíveis, poderão ser exploradas. E já atiçam a cobiça das potências. OPP, D. Guerra Fria sobre o Ártico. Le monde diplomatique Brasil. Setembro, n. 2, 2007 (adaptado). No cenário de que trata o texto, a exploração de jazidas de petróleo, bem como de minérios – diamante, ouro, prata, cobre, chumbo, zinco – torna-se atraente não só em função de seu formidável potencial, mas também por a) situar-se em uma zona geopolítica mais estável que o Oriente Médio. b) possibilitar o povoamento de uma região pouco habitada, além de promover seu desenvolvimento econômico. c) garantir, aos países em desenvolvimento, acesso a matérias-primas e energia, necessárias ao crescimento econômico. d) contribuir para a redução da poluição em áreas ambientalmente já degradadas devido ao grande volume da produção industrial, como ocorreu na Europa. e) promover a participação dos combustíveis fósseis na matriz energética mundial, dominada, majoritariamente, pelas fontes renováveis, de maior custo. 8. (ENEM 2007) - Devido ao aquecimento global e à consequente diminuição da cobertura de gelo no Ártico, aumenta a distância que os ursos polares precisam nadar para encontrar alimentos. Apesar de exímios nadadores, eles acabam morrendo afogados devido ao cansaço. A situação descrita acima a) enfoca o problema da interrupção da cadeia alimentar, o qual decorre das variações climáticas. b) alerta para prejuízos que o aquecimento global pode acarretar à biodiversidade no Ártico. c) ressalta que o aumento da temperatura decorrente de mudanças climáticas permite o surgimento de novas espécies. d) mostra a importância das características das zonas frias para a manutenção de outros biomas na Terra. e) evidencia a autonomia dos seres vivos em relação ao habitat, visto que eles se adaptam rapidamente às mudanças nas condições climáticas. 9. (ENEM 2009) - O desenho do artista uruguaio Joaquín Torres-García trabalha com uma representação diferente da usual da América Latina.
  • 3. Em artigo publicado em 1941, em que apresenta a imagem e trata do assunto, Joaquín afirma: “Quem e com que interesse dita o que é o norte e o sul? Defendo a chamada Escola do Sul por que na realidade, nosso norte é o Sul. Não deve haver norte, senão em oposição ao nosso sul. Por isso colocamos o mapa ao revés, desde já, e então teremos a justa ideia de nossa posição, e não como querem no resto do mundo. A ponta da América assinala insistentemente o sul, nosso norte”. TORRES-GARCÍA, J. Universalismo constructivo. Buenos Aires: Poseidón, O referido autor, no texto e imagem acima, a) privilegiou a visão dos colonizadores da América. b) questionou as noções eurocêntricas sobre o mundo. c) resgatou a imagem da América como centro do mundo. d) defendeu a Doutrina Monroe expressa no lema “América para os americanos”. e) propôs que o sul fosse chamado de norte e vice-versa. 1941. (com adaptações). 10.(ENEM 2011) Subindo morros, margeando córregos ou penduradas em palafitas, as favelas fazem parte da paisagem de um terço dos municípios do país, abrigando mais de 10 milhões de pessoas, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). MARTINS, A. R. A favela como um espaço da cidade. Disponível em: http://www.revistaescola.abril.com.br. Acesso em: 31 jul. 20 10. A situação das favelas no país reporta a graves problemas de desordenamento territorial. Nesse sentido, uma característica comum a esses espaços tem sido A) o planejamento para a implantação de infraestruturas urbanas necessárias para atender as necessidades básicas dos moradores. B) a organização de associações de moradores interessadas na melhoria do espaço urbano e financiadas pelo poder público. C) a presença de ações referentes à educação ambiental com consequente preservação dos espaços naturais circundantes. D) a ocupação de áreas de risco suscetíveis a enchentes ou desmoronamentos com consequentes perdas materiais e humanas. E) o isolamento socioeconômico dos moradores ocupantes desses espaços com a resultante multiplicação de políticas que tentam reverter esse quadro. 11.(ENEM) O professor Paulo Saldiva pedala 6 km em 22 minutos de casa para o trabalho, todos os dias. Nunca foi atingido por um carro. Mesmo assim, é vítima diária do trânsito de São Paulo: a cada minuto sobre a bicicleta, seus pulmões são envenenados com 3,3 microgramas de poluição particulada — poeira, fumaça, fuligem, partículas de metal em suspensão, sulfatos, nitratos, carbono, compostos orgânicos e outras substâncias nocivas. ESCOBAR, H. Sem Ar. O Estado de São Paulo. Ago. 2008. A população de uma metrópole brasileira que vive nas mesmas condições socioambientais das do professor citado no texto apresentará uma tendência de A) ampliação da taxa de fecundidade. B) diminuição da expectativa de vida. C) elevação do crescimento vegetativo. D) aumento na participação relativa de idosos. E) redução na proporção de jovens na sociedade. 12.(ENEM 2010) A evolução do processo de transformação de matérias-primas em produtos acabados ocorreu em três estágios: artesanato, manufatura e maquinofatura. Um desses estágios foi o artesanato, em que se A) trabalhava conforme o ritmo das máquinas e de maneira padronizada. B) trabalhava geralmente sem o uso de máquinas e de modo diferente do modelo de produção em série. C) empregavam fontes de energia abundantes para o funcionamento das máquinas. D) realizava parte da produção por cada operário, com uso de máquinas e trabalho assalariado. E) faziam interferência do processo produtivo por técnicos e gerentes com vistas a determinar o ritmo de produção.