SlideShare uma empresa Scribd logo
PLANTÃO ENEM – HISTÓRIA – Prof. Sindival Nascimento Jr. 
SIMULADO ENEM 
01 
01 (ENEM – 2000) Os quatros calendários apresentados abaixo mostram 
avariedade na contagem em diversas sociedades. 
Com base nas informações apresentadas, pode-se afirmar 
que: 
(A) o final do milênio, 1999/2000,é um fator comum às dife-rentes 
culturas e tradições. 
(B) embora o calendário cristão seja hoje adotado em âmbi-to 
internacional,cada cultura registra seus eventos mar-cantes 
em calendário próprio. 
(C) o calendário cristão foi adotado universalmente porque, 
sendo solar.é mais preciso que os demais. 
(D) a religião não foi determinante na definição dos calen-dários. 
(E) o calendário cristão tornou-se dominante por sua anti-guidade. 
02 (ENEM – 1998) O assunto na aula de Biologia era a evolução do Homem. 
Foi apresentada aos alunos uma árvore filogenética, igual à mostrada na 
ilustração, que relacionava primatas atuais e seus ancestrais.
Após observar o material fornecido pelo professor, os alunos emitiram várias 
opiniões, a saber: 
I. Os macacos antropóides (orangotango, gorila e chimpanzé e gibão) surgiram na Terra 
mais ou menos contemporaneamente ao Homem. 
II. Alguns homens primitivos, hoje extintos, descendem dos macacos antropóides. 
III. Na história evolutiva, os homens e os macacos antropóides tiveram um ancestral 
comum. 
IV. Não existe relação de parentesco genético entre macacos antropóides e homens. 
Analisando a árvore filogenética, você pode concluir que: 
(A) todas as afirmativas estão corretas. (B) apenas as afirmativas I e III estão corretas. 
(C) apenas as afirmativas II e IV estão corretas. 
(D) apenas a afirmativa II está correta. (E) apenas a afirmativa IV está correta. 
03 ENEM-2008) Ao visitar o Egito do seu tempo, o historiador grego Heródoto (484 – 
420/30 a.C) interessou-se ´pr fenomenos que lhe pareceram incomuns, como as cheias 
regulares do rio Nilo. A proposito do assunto,escreveu o seguinte: 
“Eu queria saber por que o Nilo sobe no começo do 
verão e subindo continua durante cem dias; por que 
ele se retrai e a sua corrente baixa, assim que termi-na 
esse número de dias, sendo que permanece bai-xo 
o inverno inteiro, até um novo verão. Alguns gre-gos 
apresentam explicações para os fenômenos do 
rio Nilo. Eles afirmam que os ventos do noroeste 
provocam a subida do rio, ao impedir que suas á-guas 
corram para o mar. Não obstante, com certa 
freqüência, esses ventos deixam de soprar, sem que 
o rio pare de subir da forma habitual. Além disso, se 
os ventos do noroeste produzissem esse efeito, os 
outros rios que correm na direção contrária aos ven-tos 
deveriam apresentar os mesmos efeitos que o 
Nilo, mesmo porque eles todos são pequenos, de 
menor corrente.” 
Heródoto. História (trad.). livro II, 19-23. Chicago: Encyclopa-edia 
Britannica Inc. 2.ª ed. 1990, p. 52-3 (com adaptações). 
Nessa passagem, Heródoto critica a explicação de alguns 
gregos para os fenômenos do rio Nilo. De acordo com o 
texto, julgue as afirmativas abaixo. 
I. Para alguns gregos, as cheias do Nilo devem-se ao 
fato de que suas águas são impedidas de correr pa-ra 
o mar pela força dos ventos do noroeste. 
II. O argumento embasado na influência dos ventos do 
noroeste nas cheias do Nilo sustenta-se no fato de 
que, quando os ventos param, o rio Nilo não sobe. 
III. A explicação de alguns gregos para as cheias do Ni-lo 
baseava-se no fato de que fenômeno igual ocorria 
com rios de menor porte que seguiam na mesma di-reção 
dos ventos. 
É correto apenas o que se afirma em: 
(A) I. (B) II. (C) I e II. (D) I e III. (E) II e III.
04 (ENEM – 1998) A figura de Getúlio Vargas, como personagem histórica, é 
bastante polêmica, devido à complexidade e à magnitude de suas ações como presidente 
do Brasil durante um longo período de quinze anos (1930- 1945). Foram anos de 
grandes e importantes mudanças para o país e para o mundo. Pode-se perceber o 
destaque dado a Getúlio Vargas pelo simples fato de este período ser conhecido no 
Brasil como a "Era Vargas". 
Entretanto, Vargas não é visto de forma favorável por todos. Se muitos o 
consideram como um fervoroso nacionalista, um progressista ativo e o "Pai dos 
Pobres", existem outros tantos que o definem como ditador oportunista, um 
intervencionista e amigo das elites. 
Considerando as colocações acima, responda à questão seguinte, assinalando a 
alternativa correta: 
Provavelmente você percebeu que as duas opiniões sobre Vargas são opostas, 
defendendo valores praticamente antagônicos. As diferentes interpretações do papel 
de uma personalidade histórica podem ser 
explicadas, conforme uma das opções abaixo. Assinale-a. 
(A) Um dos grupos está totalmente errado, uma vez que a permanência no poder depende 
de idéias coerentes e de uma política contínua. 
(B) O grupo que acusa Vargas de ser ditador está totalmente errado. Ele nunca teve uma 
orientação ideológica favorável aos regimes politicamente fechados e só tomou medidas 
duras forçado pelas circunstâncias. 
(C) Os dois grupos estão certos. Cada um mostra Vargas da forma que serve melhor aos 
seus interesses, pois ele foi um governante apático e fraco - um verdadeiro marionete nas 
mãos das elites da época. 
(D) O grupo que defende Vargas como um autêntico nacionalista está totalmente 
enganado. Poucas medidas nacionalizantes foram tomadas para iludir os brasileiros, 
devido à política populista do varguismo, e ele fazia tudo para agradar aos grupos 
estrangeiros. 
(E) Os dois grupos estão errados, por assumirem características parciais e, às vezes 
conjunturais, como sendo posturas definitivas e absolutas. 
05 (((((((ENEM- 
2008) O ano de 1954 foi decisivo para CarlosLacerda. Os que conviveram com ele 
em 1954, 1955, 1957 
(um dos seus momentos intelectuais mais altos, quando ogoverno Juscelino tentou cass 
ar o seu mandato de deputado), 1961 e 1964 tinham consciência de que Carlos Lacerda,em 
uma batalha política ou jornalística, era um trator emação, era um vendaval desen 
cadeado não se sabe como,mas que era impossível parar fosse pelo 
método que fosse. 
Hélio Fernandes. Carlos Lacerda, a morte antes da missãocumprida. In: Tribuna da 
Imprensa, 22/5/2007 (com adaptações). Com base nas informações do texto acima e 
em aspectos relevantes da história brasileira entre 1954, quandoocorreu o suicídio 
de Vargas (em grande medida, devido àpressão política exercida pelo próprio 
Lacerda), e 1964, 
quando um golpe de Estado interrompe a trajetória democrácatica do país, conclui-se 
que:
(A) a cassação do mandato parlamentar de Lacerda ante-cedeu 
a crise que levou Vargas à morte. 
(B) Lacerda e adeptos do getulismo, aparentemente oposi-tores, 
expressavam a mesma posição político-ideológica. 
(C) a implantação do regime militar, em 1964, decorreu da 
crise surgida com a contestação à posse de Juscelino 
Kubitschek como presidente da República. 
(D) Carlos Lacerda atingiu o apogeu de sua carreira, tanto 
no jornalismo quanto na política, com a instauração do 
regime militar. 
(E) Juscelino Kubitschek, na presidência da República, 
sofreu vigorosa oposição de Carlos Lacerda, contra 
quem procurou reagir. 
06 (ENEM- 2002) O Brasil a partir da primeira Guerra Mundial (1914/1918) e em 
decorrência de seus efeitos, sofreu diversas transformações, dentre elas: 
a) O incremento da política de incentivo à produção de soja; 
b) O fim do monopólio estatal sobre as atividades extrativistas; 
c) A aceleração do processo de industrialização no eixo São Paulo/Rio de 
Janeiro; 
d) A eliminação das barreiras alfandegárias entre zona rural e zona urbana; 
e) O aprofundamento do fenômeno da ruralização no eixo Norte/Nordeste. 
07 (ENEM – 2004) Em relação aos movimentos de protesto contra a Ditadura 
Militar no Brasil, ocorrida no período de 1964 a 1985, pode-se afirmar que: 
A - o movimento estudantil, mesmo sofrendo violenta repressão do governo autoritário, 
se difundiu por todo o país, exigindo a punição de todos os implicados nos crimes que a 
CPI da corrupção vinha apurando; 
B - o novo sindicalismo independente surgiu no ano de 1978 e iniciou sua ação 
combatendo o peleguismo e o atrelamento dos sindicatos ao Ministério do Trabalho; 
C - os opositores do regime formaram organizações clandestinas, desenvolvendo 
atividades, que iam desde a propaganda até os sequestros políticos, financiadas pela 
OTAN; 
D - os surtos de greve operária, que explodiam no país, objetivavam direitos básicos 
como salário mínimo, férias remuneradas e a implantação da CLT; 
E - as forças revolucionárias uniram-se e formaram um único grupo de revoltosos 
contrários ao poder das oligarquias nacionais. 
08(ENEM – 2004) Os sistemas políticos totalitários utilizaram-se da violência e 
tumultuaram os sonhos dos democratas durante o século XX. Formaram-se 
ditaduras que defendiam a intolerância contra os adversários e o reforço das 
tradições mais conservadoras. Na Espanha, por exemplo, o totalitarismo:
a) ocorreu nas primeiras décadas do século citado, com forte apoio do nazismo alemão e 
com a reação dos combates anarquistas. 
b) teve apoio de muitos membros da Igreja Católica e perseguiu os anarquistas que lhe 
faziam oposição. 
c) conseguiu a ajuda militar de Portugal e da Itália, ficando no poder durante duas 
décadas, marcadas, assim, pela opressão política. 
d) contou com o apoio de Igreja Católica, mas não firmou alianças com os outros 
totalitarismos da época. 
e) organizou seus principais quadros políticos na cidade de Barcelona, criando brigadas 
e polícias secretas violentas. 
09 (ENEM - OBSERVE A IMAGEM ABAIXO: 
TÁVORA, Araken. D. Pedro II e o seu mundo. Rio de Janeiro: Documentário, 
1976.). A charge acima retrata uma prática política vigente durante o Segundo 
Reinado, que permite caracterizar a monarquia nesse período como: 
(A) Unitária e conservadora, em que "o Imperador reina, mas não governa"; 
(B) Federativa e multipartidária, em que o Imperador tinha a função de mediar e 
moderar; 
(C) Centralizada e "parlamentarista", em que o Imperador era o árbitro entre os 
"partidos políticos"; 
(D) Constitucional e unicameral, em que o Poder Moderador era a chave da 
administração política. 
(E) Conservadora e centralizada, nas mãos das regências políticas. 
10 (ENEM – 2005) A Revolução Socialista na Rússia, em 1917, foi um dos 
acontecimentos mais significativos do século XX, uma vez que colocou em xeque a 
ordem socioeconômica capitalista. Sobre o desencadeamento do processo 
revolucionário, é correto afirmar que: 
a) os mencheviques tiveram um papel fundamental no processo revolucionário por 
defenderem a implantação ditadura do proletariado.
b) os bolcheviques representavam a ala mais conservadora dos socialistas, sendo 
derrotados, pelos mencheviques, nas jornadas de outubro. 
c) foi realimentado pela participação da Rússia na Primeira Guerra Mundial, o que 
desencadeou uma série de greves e revoltas populares em razão da crise de 
abastecimento de alimentos. 
d) foi liderada por Stalin, a partir de outubro, que estabeleceu a tese da necessidade da 
revolução em um só país, em oposição a Trotsky, líder do exército vermelho. 
e) o Partido Comunista conseguiu superar os conflitos que existiam no seu interior 
quando estabeleceu a Nova Política Econômica que representava os interesses dos 
setores mais conservadores. 
11 (ENEM – 2003)A primeira imagem acima (publicada no século XVI) mostra 
um ritual antropofágico dos índios do Brasil. A segunda mostra Tiradentes 
esquartejado por ordem dos representantes da Coroa portuguesa. 
A comparação entre as reproduções possibilita as seguintes afirmações: 
I. Os artistas registraram a antropofagia e o esquartejamento praticados no Brasil. 
II. A antropofagia era parte do universo cultural indígena e o esquartejamento era 
uma forma de se fazer justiça entre luso-brasileiros. 
III. A comparação das imagens faz ver como é relativa a diferença entre 
“bárbaros” e “civilizados”, indígenas e europeus. 
Está correto o que se afirma em: (A) I apenas. (B) II apenas. (C) III apenas. (D) 
I e II apenas. (E) I, II e III. 
12 (ENEM – 2006) O Plano Real, adotado pelo Governo de Itamar Franco, em 
1994, contribuiu para a eleição do Presidente Fernando Henrique Cardoso. No 
início de 1999, o Plano Real sofreu uma crise que fez cair os índices de 
popularidade do Presidente. De acordo com os textos, essa crise estava 
relacionada, principalmente,
a) à fuga de capitais ocorrida no final de 1998, que provocou uma redução nas divisas e 
a desvalorização cambial. 
b) aos conflitos entre Brasil e Argentina, na definição das taxas alfandegárias para 
importação/exportação de alimentos. 
c) aos baixos investimentos do Governo nas áreas sociais, especialmente na saúde, 
educação e moradia. 
d) à falta de decisão política do Governo para enfrentar os problemas decorrentes da 
baixa oferta de trabalho. 
e) ao retorno do processo inflacionário com a consequente adoção da política de 
indexação da economia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito   atividade de revisão de história - 3º anoGabarito   atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
Jorge Marcos Oliveira
 
03 texto 9º ano - - - guerra fria - - - 9º ano 2015
03 texto   9º ano - - - guerra fria  - - - 9º ano 201503 texto   9º ano - - - guerra fria  - - - 9º ano 2015
03 texto 9º ano - - - guerra fria - - - 9º ano 2015
Rafael Noronha
 
Ciencias humanas-e-suas-tecnologias
Ciencias humanas-e-suas-tecnologiasCiencias humanas-e-suas-tecnologias
Ciencias humanas-e-suas-tecnologias
Magno Rodrigues
 
Atividades primeira republica
Atividades primeira republicaAtividades primeira republica
Atividades primeira republica
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação República Democrática (1946-1964)
Avaliação República Democrática (1946-1964)Avaliação República Democrática (1946-1964)
Avaliação República Democrática (1946-1964)
Acrópole - História & Educação
 
UFMG 2010 objetiva
UFMG 2010 objetivaUFMG 2010 objetiva
UFMG 2010 objetiva
cursohistoria
 
Coluna prestes
Coluna prestesColuna prestes
Coluna prestes
Daniel Rocha
 
Ditadura militar slide
Ditadura militar slideDitadura militar slide
Ditadura militar slide
Danizinhosb
 
Revisão 3 ano
Revisão   3 anoRevisão   3 ano
Revisão 3 ano
profisabelaguiar
 
Guerra fria foi o nome dado a um conflito após a segunda guerra mundial
Guerra fria foi o nome dado a um conflito após a segunda guerra mundialGuerra fria foi o nome dado a um conflito após a segunda guerra mundial
Guerra fria foi o nome dado a um conflito após a segunda guerra mundial
Joaquim C S Barbosa
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
Teresa Maia
 
Aula interdisciplinar gráficos
Aula interdisciplinar gráficosAula interdisciplinar gráficos
Aula interdisciplinar gráficos
flaviohpps
 
Atividades Revolução Russa
Atividades Revolução RussaAtividades Revolução Russa
Atividades Revolução Russa
Eduardo Mariño Rial
 
Relatorio cnc-volume 2-digital
Relatorio cnc-volume 2-digitalRelatorio cnc-volume 2-digital
Relatorio cnc-volume 2-digital
Daniel Reis Duarte Pousa
 
2011 2eq ciencias_humanas_tecnologias_parte2
2011 2eq ciencias_humanas_tecnologias_parte22011 2eq ciencias_humanas_tecnologias_parte2
2011 2eq ciencias_humanas_tecnologias_parte2
+ Aloisio Magalhães
 
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodoObjetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Maria Freitas
 
História 8º Revolução Americana e Revolução Francesa
História 8º Revolução Americana e Revolução FrancesaHistória 8º Revolução Americana e Revolução Francesa
História 8º Revolução Americana e Revolução Francesa
Espaço Crescer Centro de Estudos
 
Atividade rev francesa
Atividade rev francesaAtividade rev francesa
Atividade rev francesa
historiaensinoedu
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
Teresa Maia
 

Mais procurados (19)

Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito   atividade de revisão de história - 3º anoGabarito   atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
 
03 texto 9º ano - - - guerra fria - - - 9º ano 2015
03 texto   9º ano - - - guerra fria  - - - 9º ano 201503 texto   9º ano - - - guerra fria  - - - 9º ano 2015
03 texto 9º ano - - - guerra fria - - - 9º ano 2015
 
Ciencias humanas-e-suas-tecnologias
Ciencias humanas-e-suas-tecnologiasCiencias humanas-e-suas-tecnologias
Ciencias humanas-e-suas-tecnologias
 
Atividades primeira republica
Atividades primeira republicaAtividades primeira republica
Atividades primeira republica
 
Avaliação República Democrática (1946-1964)
Avaliação República Democrática (1946-1964)Avaliação República Democrática (1946-1964)
Avaliação República Democrática (1946-1964)
 
UFMG 2010 objetiva
UFMG 2010 objetivaUFMG 2010 objetiva
UFMG 2010 objetiva
 
Coluna prestes
Coluna prestesColuna prestes
Coluna prestes
 
Ditadura militar slide
Ditadura militar slideDitadura militar slide
Ditadura militar slide
 
Revisão 3 ano
Revisão   3 anoRevisão   3 ano
Revisão 3 ano
 
Guerra fria foi o nome dado a um conflito após a segunda guerra mundial
Guerra fria foi o nome dado a um conflito após a segunda guerra mundialGuerra fria foi o nome dado a um conflito após a segunda guerra mundial
Guerra fria foi o nome dado a um conflito após a segunda guerra mundial
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
Aula interdisciplinar gráficos
Aula interdisciplinar gráficosAula interdisciplinar gráficos
Aula interdisciplinar gráficos
 
Atividades Revolução Russa
Atividades Revolução RussaAtividades Revolução Russa
Atividades Revolução Russa
 
Relatorio cnc-volume 2-digital
Relatorio cnc-volume 2-digitalRelatorio cnc-volume 2-digital
Relatorio cnc-volume 2-digital
 
2011 2eq ciencias_humanas_tecnologias_parte2
2011 2eq ciencias_humanas_tecnologias_parte22011 2eq ciencias_humanas_tecnologias_parte2
2011 2eq ciencias_humanas_tecnologias_parte2
 
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodoObjetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
Objetivos de História - 4º Teste - 2ºPeríodo
 
História 8º Revolução Americana e Revolução Francesa
História 8º Revolução Americana e Revolução FrancesaHistória 8º Revolução Americana e Revolução Francesa
História 8º Revolução Americana e Revolução Francesa
 
Atividade rev francesa
Atividade rev francesaAtividade rev francesa
Atividade rev francesa
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
 

Destaque

Ecorregiones 130711000254-phpapp01
Ecorregiones 130711000254-phpapp01Ecorregiones 130711000254-phpapp01
Ecorregiones 130711000254-phpapp01
Marco Agapito Vasquez
 
Unidad de marzo 2015 efrain
Unidad de marzo 2015 efrainUnidad de marzo 2015 efrain
Unidad de marzo 2015 efrain
frady123
 
UNIDAD DE APRENDIZAJE DE PRIMERO A SEXTO GRADO- MINEDU
UNIDAD DE APRENDIZAJE DE PRIMERO A SEXTO GRADO- MINEDUUNIDAD DE APRENDIZAJE DE PRIMERO A SEXTO GRADO- MINEDU
UNIDAD DE APRENDIZAJE DE PRIMERO A SEXTO GRADO- MINEDU
Sulio Chacón Yauris
 
MODELO DE UNIDAD DE APRENDIZAJE SEGUN LAS RUTAS 2015
MODELO DE UNIDAD DE APRENDIZAJE SEGUN LAS RUTAS 2015MODELO DE UNIDAD DE APRENDIZAJE SEGUN LAS RUTAS 2015
MODELO DE UNIDAD DE APRENDIZAJE SEGUN LAS RUTAS 2015
josewalter6
 
Unidad de Aprendizaje Junio 2015 - Soporte Pedagógico - Junio 2015
Unidad de Aprendizaje Junio 2015 - Soporte Pedagógico - Junio 2015Unidad de Aprendizaje Junio 2015 - Soporte Pedagógico - Junio 2015
Unidad de Aprendizaje Junio 2015 - Soporte Pedagógico - Junio 2015
Conocer Ciencia
 
Las ocho Regiones Naturales del Perú
Las ocho Regiones Naturales del  Perú Las ocho Regiones Naturales del  Perú
Las ocho Regiones Naturales del Perú
Ckrishtianarroyopuga
 

Destaque (6)

Ecorregiones 130711000254-phpapp01
Ecorregiones 130711000254-phpapp01Ecorregiones 130711000254-phpapp01
Ecorregiones 130711000254-phpapp01
 
Unidad de marzo 2015 efrain
Unidad de marzo 2015 efrainUnidad de marzo 2015 efrain
Unidad de marzo 2015 efrain
 
UNIDAD DE APRENDIZAJE DE PRIMERO A SEXTO GRADO- MINEDU
UNIDAD DE APRENDIZAJE DE PRIMERO A SEXTO GRADO- MINEDUUNIDAD DE APRENDIZAJE DE PRIMERO A SEXTO GRADO- MINEDU
UNIDAD DE APRENDIZAJE DE PRIMERO A SEXTO GRADO- MINEDU
 
MODELO DE UNIDAD DE APRENDIZAJE SEGUN LAS RUTAS 2015
MODELO DE UNIDAD DE APRENDIZAJE SEGUN LAS RUTAS 2015MODELO DE UNIDAD DE APRENDIZAJE SEGUN LAS RUTAS 2015
MODELO DE UNIDAD DE APRENDIZAJE SEGUN LAS RUTAS 2015
 
Unidad de Aprendizaje Junio 2015 - Soporte Pedagógico - Junio 2015
Unidad de Aprendizaje Junio 2015 - Soporte Pedagógico - Junio 2015Unidad de Aprendizaje Junio 2015 - Soporte Pedagógico - Junio 2015
Unidad de Aprendizaje Junio 2015 - Soporte Pedagógico - Junio 2015
 
Las ocho Regiones Naturales del Perú
Las ocho Regiones Naturales del  Perú Las ocho Regiones Naturales del  Perú
Las ocho Regiones Naturales del Perú
 

Semelhante a Aulão prevupe história.

QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
Descomplica ENEM 2012: Ciências Humanas
Descomplica ENEM 2012: Ciências HumanasDescomplica ENEM 2012: Ciências Humanas
Descomplica ENEM 2012: Ciências Humanas
Descomplica Videoaulas
 
L ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamidesL ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamides
Abdamides Carvalho
 
História – brasil colônia período regencial 01 – 2014
História – brasil colônia período regencial 01 – 2014História – brasil colônia período regencial 01 – 2014
História – brasil colônia período regencial 01 – 2014
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Periodo regencial 2014
Periodo regencial 2014Periodo regencial 2014
Periodo regencial 2014
Gilbert Patsayev
 
Questoeshist3
Questoeshist3Questoeshist3
Prova vestibular terceiro dia da UPE
Prova vestibular terceiro dia da UPEProva vestibular terceiro dia da UPE
Prova vestibular terceiro dia da UPE
Portal NE10
 
Prova vestibular terceiro dia
Prova vestibular terceiro diaProva vestibular terceiro dia
Prova vestibular terceiro dia
pepontocom
 
UPE - Prova vestibular terceiro dia
UPE - Prova vestibular terceiro diaUPE - Prova vestibular terceiro dia
UPE - Prova vestibular terceiro dia
Jornal do Commercio
 
Cobertura Total - Vestibular UPE 2013 - Provas do 3º dia
Cobertura Total - Vestibular UPE 2013 - Provas do 3º diaCobertura Total - Vestibular UPE 2013 - Provas do 3º dia
Cobertura Total - Vestibular UPE 2013 - Provas do 3º dia
Isaquel Silva
 
Revisão Geral Ciências Humanas
Revisão Geral Ciências Humanas Revisão Geral Ciências Humanas
Revisão Geral Ciências Humanas
Paulo Otávio Cardoso Borges
 
Super aulão de revisão l filosofia, sociologia e história
Super aulão de revisão l   filosofia, sociologia e históriaSuper aulão de revisão l   filosofia, sociologia e história
Super aulão de revisão l filosofia, sociologia e história
Isaquel Silva
 
AVANÇA MAIS BELO MONTE .pptx
AVANÇA MAIS BELO MONTE .pptxAVANÇA MAIS BELO MONTE .pptx
AVANÇA MAIS BELO MONTE .pptx
GilmarDaSilvaCampos1
 
Entrevista josé murilo de carvalho
Entrevista josé murilo de carvalhoEntrevista josé murilo de carvalho
Entrevista josé murilo de carvalho
josafaslima
 
A primeira república (1889 – 1930)
A primeira república (1889 – 1930)A primeira república (1889 – 1930)
A primeira república (1889 – 1930)
Liam Gallagher
 
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdfCiências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
BrunoCosta364836
 
Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito   atividade de revisão de história - 3º anoGabarito   atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
Jorge Marcos Oliveira
 
Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito   atividade de revisão de história - 3º anoGabarito   atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
Jorge Marcos Oliveira
 
2016 A produção do conhecimento histórico
2016 A produção do conhecimento histórico2016 A produção do conhecimento histórico
2016 A produção do conhecimento histórico
MARIANO C7S
 
H brasil periodoregencial
H brasil periodoregencialH brasil periodoregencial
H brasil periodoregencial
AndrCosta320
 

Semelhante a Aulão prevupe história. (20)

QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
Descomplica ENEM 2012: Ciências Humanas
Descomplica ENEM 2012: Ciências HumanasDescomplica ENEM 2012: Ciências Humanas
Descomplica ENEM 2012: Ciências Humanas
 
L ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamidesL ista de exercicios 8º ano abdamides
L ista de exercicios 8º ano abdamides
 
História – brasil colônia período regencial 01 – 2014
História – brasil colônia período regencial 01 – 2014História – brasil colônia período regencial 01 – 2014
História – brasil colônia período regencial 01 – 2014
 
Periodo regencial 2014
Periodo regencial 2014Periodo regencial 2014
Periodo regencial 2014
 
Questoeshist3
Questoeshist3Questoeshist3
Questoeshist3
 
Prova vestibular terceiro dia da UPE
Prova vestibular terceiro dia da UPEProva vestibular terceiro dia da UPE
Prova vestibular terceiro dia da UPE
 
Prova vestibular terceiro dia
Prova vestibular terceiro diaProva vestibular terceiro dia
Prova vestibular terceiro dia
 
UPE - Prova vestibular terceiro dia
UPE - Prova vestibular terceiro diaUPE - Prova vestibular terceiro dia
UPE - Prova vestibular terceiro dia
 
Cobertura Total - Vestibular UPE 2013 - Provas do 3º dia
Cobertura Total - Vestibular UPE 2013 - Provas do 3º diaCobertura Total - Vestibular UPE 2013 - Provas do 3º dia
Cobertura Total - Vestibular UPE 2013 - Provas do 3º dia
 
Revisão Geral Ciências Humanas
Revisão Geral Ciências Humanas Revisão Geral Ciências Humanas
Revisão Geral Ciências Humanas
 
Super aulão de revisão l filosofia, sociologia e história
Super aulão de revisão l   filosofia, sociologia e históriaSuper aulão de revisão l   filosofia, sociologia e história
Super aulão de revisão l filosofia, sociologia e história
 
AVANÇA MAIS BELO MONTE .pptx
AVANÇA MAIS BELO MONTE .pptxAVANÇA MAIS BELO MONTE .pptx
AVANÇA MAIS BELO MONTE .pptx
 
Entrevista josé murilo de carvalho
Entrevista josé murilo de carvalhoEntrevista josé murilo de carvalho
Entrevista josé murilo de carvalho
 
A primeira república (1889 – 1930)
A primeira república (1889 – 1930)A primeira república (1889 – 1930)
A primeira república (1889 – 1930)
 
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdfCiências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
 
Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito   atividade de revisão de história - 3º anoGabarito   atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
 
Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito   atividade de revisão de história - 3º anoGabarito   atividade de revisão de história - 3º ano
Gabarito atividade de revisão de história - 3º ano
 
2016 A produção do conhecimento histórico
2016 A produção do conhecimento histórico2016 A produção do conhecimento histórico
2016 A produção do conhecimento histórico
 
H brasil periodoregencial
H brasil periodoregencialH brasil periodoregencial
H brasil periodoregencial
 

Mais de Ajudar Pessoas

Tabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateralTabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateral
Ajudar Pessoas
 
Tabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateralTabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateral
Ajudar Pessoas
 
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia PolíticaEducação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Ajudar Pessoas
 
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de AprendizagemPosicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Ajudar Pessoas
 
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracõesEvolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Ajudar Pessoas
 
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasExercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Ajudar Pessoas
 
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Ajudar Pessoas
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Ajudar Pessoas
 
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Ajudar Pessoas
 
formulas de fisica
formulas de fisicaformulas de fisica
formulas de fisica
Ajudar Pessoas
 
Biologia.
Biologia.Biologia.
Biologia.
Ajudar Pessoas
 
Saude pública.
Saude pública.Saude pública.
Saude pública.
Ajudar Pessoas
 
Exerc carboidratos.
Exerc   carboidratos.Exerc   carboidratos.
Exerc carboidratos.
Ajudar Pessoas
 
Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.
Ajudar Pessoas
 
Concordância.
Concordância.Concordância.
Concordância.
Ajudar Pessoas
 
.Biologia.
.Biologia..Biologia.
.Biologia.
Ajudar Pessoas
 
Proteínas funções.
Proteínas        funções.Proteínas        funções.
Proteínas funções.
Ajudar Pessoas
 
Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.
Ajudar Pessoas
 
Aulão prevupe geografia.
Aulão prevupe   geografia.Aulão prevupe   geografia.
Aulão prevupe geografia.
Ajudar Pessoas
 
Aulão prevupe biologia.
Aulão prevupe   biologia.Aulão prevupe   biologia.
Aulão prevupe biologia.
Ajudar Pessoas
 

Mais de Ajudar Pessoas (20)

Tabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateralTabela f 95% unilateral
Tabela f 95% unilateral
 
Tabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateralTabela f 95% bilateral
Tabela f 95% bilateral
 
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia PolíticaEducação e Capitalismo uma Certa Economia Política
Educação e Capitalismo uma Certa Economia Política
 
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de AprendizagemPosicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
Posicionamento Filosofico e Base de Aprendizagem
 
Evolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracõesEvolucao historica da avaliacao em geracões
Evolucao historica da avaliacao em geracões
 
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasExercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de Pitágoras
 
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
Matriz Curricular : Licenciatura em Química IFPE 2015
 
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
 
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
Correção da prova de física ifpe 2015 parte 1.
 
formulas de fisica
formulas de fisicaformulas de fisica
formulas de fisica
 
Biologia.
Biologia.Biologia.
Biologia.
 
Saude pública.
Saude pública.Saude pública.
Saude pública.
 
Exerc carboidratos.
Exerc   carboidratos.Exerc   carboidratos.
Exerc carboidratos.
 
Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.Biologia compostos organicos_exercícios.
Biologia compostos organicos_exercícios.
 
Concordância.
Concordância.Concordância.
Concordância.
 
.Biologia.
.Biologia..Biologia.
.Biologia.
 
Proteínas funções.
Proteínas        funções.Proteínas        funções.
Proteínas funções.
 
Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.Avaliação diagnóstica de matemática.
Avaliação diagnóstica de matemática.
 
Aulão prevupe geografia.
Aulão prevupe   geografia.Aulão prevupe   geografia.
Aulão prevupe geografia.
 
Aulão prevupe biologia.
Aulão prevupe   biologia.Aulão prevupe   biologia.
Aulão prevupe biologia.
 

Último

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 

Último (20)

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 

Aulão prevupe história.

  • 1. PLANTÃO ENEM – HISTÓRIA – Prof. Sindival Nascimento Jr. SIMULADO ENEM 01 01 (ENEM – 2000) Os quatros calendários apresentados abaixo mostram avariedade na contagem em diversas sociedades. Com base nas informações apresentadas, pode-se afirmar que: (A) o final do milênio, 1999/2000,é um fator comum às dife-rentes culturas e tradições. (B) embora o calendário cristão seja hoje adotado em âmbi-to internacional,cada cultura registra seus eventos mar-cantes em calendário próprio. (C) o calendário cristão foi adotado universalmente porque, sendo solar.é mais preciso que os demais. (D) a religião não foi determinante na definição dos calen-dários. (E) o calendário cristão tornou-se dominante por sua anti-guidade. 02 (ENEM – 1998) O assunto na aula de Biologia era a evolução do Homem. Foi apresentada aos alunos uma árvore filogenética, igual à mostrada na ilustração, que relacionava primatas atuais e seus ancestrais.
  • 2. Após observar o material fornecido pelo professor, os alunos emitiram várias opiniões, a saber: I. Os macacos antropóides (orangotango, gorila e chimpanzé e gibão) surgiram na Terra mais ou menos contemporaneamente ao Homem. II. Alguns homens primitivos, hoje extintos, descendem dos macacos antropóides. III. Na história evolutiva, os homens e os macacos antropóides tiveram um ancestral comum. IV. Não existe relação de parentesco genético entre macacos antropóides e homens. Analisando a árvore filogenética, você pode concluir que: (A) todas as afirmativas estão corretas. (B) apenas as afirmativas I e III estão corretas. (C) apenas as afirmativas II e IV estão corretas. (D) apenas a afirmativa II está correta. (E) apenas a afirmativa IV está correta. 03 ENEM-2008) Ao visitar o Egito do seu tempo, o historiador grego Heródoto (484 – 420/30 a.C) interessou-se ´pr fenomenos que lhe pareceram incomuns, como as cheias regulares do rio Nilo. A proposito do assunto,escreveu o seguinte: “Eu queria saber por que o Nilo sobe no começo do verão e subindo continua durante cem dias; por que ele se retrai e a sua corrente baixa, assim que termi-na esse número de dias, sendo que permanece bai-xo o inverno inteiro, até um novo verão. Alguns gre-gos apresentam explicações para os fenômenos do rio Nilo. Eles afirmam que os ventos do noroeste provocam a subida do rio, ao impedir que suas á-guas corram para o mar. Não obstante, com certa freqüência, esses ventos deixam de soprar, sem que o rio pare de subir da forma habitual. Além disso, se os ventos do noroeste produzissem esse efeito, os outros rios que correm na direção contrária aos ven-tos deveriam apresentar os mesmos efeitos que o Nilo, mesmo porque eles todos são pequenos, de menor corrente.” Heródoto. História (trad.). livro II, 19-23. Chicago: Encyclopa-edia Britannica Inc. 2.ª ed. 1990, p. 52-3 (com adaptações). Nessa passagem, Heródoto critica a explicação de alguns gregos para os fenômenos do rio Nilo. De acordo com o texto, julgue as afirmativas abaixo. I. Para alguns gregos, as cheias do Nilo devem-se ao fato de que suas águas são impedidas de correr pa-ra o mar pela força dos ventos do noroeste. II. O argumento embasado na influência dos ventos do noroeste nas cheias do Nilo sustenta-se no fato de que, quando os ventos param, o rio Nilo não sobe. III. A explicação de alguns gregos para as cheias do Ni-lo baseava-se no fato de que fenômeno igual ocorria com rios de menor porte que seguiam na mesma di-reção dos ventos. É correto apenas o que se afirma em: (A) I. (B) II. (C) I e II. (D) I e III. (E) II e III.
  • 3. 04 (ENEM – 1998) A figura de Getúlio Vargas, como personagem histórica, é bastante polêmica, devido à complexidade e à magnitude de suas ações como presidente do Brasil durante um longo período de quinze anos (1930- 1945). Foram anos de grandes e importantes mudanças para o país e para o mundo. Pode-se perceber o destaque dado a Getúlio Vargas pelo simples fato de este período ser conhecido no Brasil como a "Era Vargas". Entretanto, Vargas não é visto de forma favorável por todos. Se muitos o consideram como um fervoroso nacionalista, um progressista ativo e o "Pai dos Pobres", existem outros tantos que o definem como ditador oportunista, um intervencionista e amigo das elites. Considerando as colocações acima, responda à questão seguinte, assinalando a alternativa correta: Provavelmente você percebeu que as duas opiniões sobre Vargas são opostas, defendendo valores praticamente antagônicos. As diferentes interpretações do papel de uma personalidade histórica podem ser explicadas, conforme uma das opções abaixo. Assinale-a. (A) Um dos grupos está totalmente errado, uma vez que a permanência no poder depende de idéias coerentes e de uma política contínua. (B) O grupo que acusa Vargas de ser ditador está totalmente errado. Ele nunca teve uma orientação ideológica favorável aos regimes politicamente fechados e só tomou medidas duras forçado pelas circunstâncias. (C) Os dois grupos estão certos. Cada um mostra Vargas da forma que serve melhor aos seus interesses, pois ele foi um governante apático e fraco - um verdadeiro marionete nas mãos das elites da época. (D) O grupo que defende Vargas como um autêntico nacionalista está totalmente enganado. Poucas medidas nacionalizantes foram tomadas para iludir os brasileiros, devido à política populista do varguismo, e ele fazia tudo para agradar aos grupos estrangeiros. (E) Os dois grupos estão errados, por assumirem características parciais e, às vezes conjunturais, como sendo posturas definitivas e absolutas. 05 (((((((ENEM- 2008) O ano de 1954 foi decisivo para CarlosLacerda. Os que conviveram com ele em 1954, 1955, 1957 (um dos seus momentos intelectuais mais altos, quando ogoverno Juscelino tentou cass ar o seu mandato de deputado), 1961 e 1964 tinham consciência de que Carlos Lacerda,em uma batalha política ou jornalística, era um trator emação, era um vendaval desen cadeado não se sabe como,mas que era impossível parar fosse pelo método que fosse. Hélio Fernandes. Carlos Lacerda, a morte antes da missãocumprida. In: Tribuna da Imprensa, 22/5/2007 (com adaptações). Com base nas informações do texto acima e em aspectos relevantes da história brasileira entre 1954, quandoocorreu o suicídio de Vargas (em grande medida, devido àpressão política exercida pelo próprio Lacerda), e 1964, quando um golpe de Estado interrompe a trajetória democrácatica do país, conclui-se que:
  • 4. (A) a cassação do mandato parlamentar de Lacerda ante-cedeu a crise que levou Vargas à morte. (B) Lacerda e adeptos do getulismo, aparentemente oposi-tores, expressavam a mesma posição político-ideológica. (C) a implantação do regime militar, em 1964, decorreu da crise surgida com a contestação à posse de Juscelino Kubitschek como presidente da República. (D) Carlos Lacerda atingiu o apogeu de sua carreira, tanto no jornalismo quanto na política, com a instauração do regime militar. (E) Juscelino Kubitschek, na presidência da República, sofreu vigorosa oposição de Carlos Lacerda, contra quem procurou reagir. 06 (ENEM- 2002) O Brasil a partir da primeira Guerra Mundial (1914/1918) e em decorrência de seus efeitos, sofreu diversas transformações, dentre elas: a) O incremento da política de incentivo à produção de soja; b) O fim do monopólio estatal sobre as atividades extrativistas; c) A aceleração do processo de industrialização no eixo São Paulo/Rio de Janeiro; d) A eliminação das barreiras alfandegárias entre zona rural e zona urbana; e) O aprofundamento do fenômeno da ruralização no eixo Norte/Nordeste. 07 (ENEM – 2004) Em relação aos movimentos de protesto contra a Ditadura Militar no Brasil, ocorrida no período de 1964 a 1985, pode-se afirmar que: A - o movimento estudantil, mesmo sofrendo violenta repressão do governo autoritário, se difundiu por todo o país, exigindo a punição de todos os implicados nos crimes que a CPI da corrupção vinha apurando; B - o novo sindicalismo independente surgiu no ano de 1978 e iniciou sua ação combatendo o peleguismo e o atrelamento dos sindicatos ao Ministério do Trabalho; C - os opositores do regime formaram organizações clandestinas, desenvolvendo atividades, que iam desde a propaganda até os sequestros políticos, financiadas pela OTAN; D - os surtos de greve operária, que explodiam no país, objetivavam direitos básicos como salário mínimo, férias remuneradas e a implantação da CLT; E - as forças revolucionárias uniram-se e formaram um único grupo de revoltosos contrários ao poder das oligarquias nacionais. 08(ENEM – 2004) Os sistemas políticos totalitários utilizaram-se da violência e tumultuaram os sonhos dos democratas durante o século XX. Formaram-se ditaduras que defendiam a intolerância contra os adversários e o reforço das tradições mais conservadoras. Na Espanha, por exemplo, o totalitarismo:
  • 5. a) ocorreu nas primeiras décadas do século citado, com forte apoio do nazismo alemão e com a reação dos combates anarquistas. b) teve apoio de muitos membros da Igreja Católica e perseguiu os anarquistas que lhe faziam oposição. c) conseguiu a ajuda militar de Portugal e da Itália, ficando no poder durante duas décadas, marcadas, assim, pela opressão política. d) contou com o apoio de Igreja Católica, mas não firmou alianças com os outros totalitarismos da época. e) organizou seus principais quadros políticos na cidade de Barcelona, criando brigadas e polícias secretas violentas. 09 (ENEM - OBSERVE A IMAGEM ABAIXO: TÁVORA, Araken. D. Pedro II e o seu mundo. Rio de Janeiro: Documentário, 1976.). A charge acima retrata uma prática política vigente durante o Segundo Reinado, que permite caracterizar a monarquia nesse período como: (A) Unitária e conservadora, em que "o Imperador reina, mas não governa"; (B) Federativa e multipartidária, em que o Imperador tinha a função de mediar e moderar; (C) Centralizada e "parlamentarista", em que o Imperador era o árbitro entre os "partidos políticos"; (D) Constitucional e unicameral, em que o Poder Moderador era a chave da administração política. (E) Conservadora e centralizada, nas mãos das regências políticas. 10 (ENEM – 2005) A Revolução Socialista na Rússia, em 1917, foi um dos acontecimentos mais significativos do século XX, uma vez que colocou em xeque a ordem socioeconômica capitalista. Sobre o desencadeamento do processo revolucionário, é correto afirmar que: a) os mencheviques tiveram um papel fundamental no processo revolucionário por defenderem a implantação ditadura do proletariado.
  • 6. b) os bolcheviques representavam a ala mais conservadora dos socialistas, sendo derrotados, pelos mencheviques, nas jornadas de outubro. c) foi realimentado pela participação da Rússia na Primeira Guerra Mundial, o que desencadeou uma série de greves e revoltas populares em razão da crise de abastecimento de alimentos. d) foi liderada por Stalin, a partir de outubro, que estabeleceu a tese da necessidade da revolução em um só país, em oposição a Trotsky, líder do exército vermelho. e) o Partido Comunista conseguiu superar os conflitos que existiam no seu interior quando estabeleceu a Nova Política Econômica que representava os interesses dos setores mais conservadores. 11 (ENEM – 2003)A primeira imagem acima (publicada no século XVI) mostra um ritual antropofágico dos índios do Brasil. A segunda mostra Tiradentes esquartejado por ordem dos representantes da Coroa portuguesa. A comparação entre as reproduções possibilita as seguintes afirmações: I. Os artistas registraram a antropofagia e o esquartejamento praticados no Brasil. II. A antropofagia era parte do universo cultural indígena e o esquartejamento era uma forma de se fazer justiça entre luso-brasileiros. III. A comparação das imagens faz ver como é relativa a diferença entre “bárbaros” e “civilizados”, indígenas e europeus. Está correto o que se afirma em: (A) I apenas. (B) II apenas. (C) III apenas. (D) I e II apenas. (E) I, II e III. 12 (ENEM – 2006) O Plano Real, adotado pelo Governo de Itamar Franco, em 1994, contribuiu para a eleição do Presidente Fernando Henrique Cardoso. No início de 1999, o Plano Real sofreu uma crise que fez cair os índices de popularidade do Presidente. De acordo com os textos, essa crise estava relacionada, principalmente,
  • 7. a) à fuga de capitais ocorrida no final de 1998, que provocou uma redução nas divisas e a desvalorização cambial. b) aos conflitos entre Brasil e Argentina, na definição das taxas alfandegárias para importação/exportação de alimentos. c) aos baixos investimentos do Governo nas áreas sociais, especialmente na saúde, educação e moradia. d) à falta de decisão política do Governo para enfrentar os problemas decorrentes da baixa oferta de trabalho. e) ao retorno do processo inflacionário com a consequente adoção da política de indexação da economia.