SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
Embriologia
Adaptado dos profs. Thiemy Loli e Victor Husch - Unioeste
Quarta à oitava semana do
desenvolvimento humano
Prof. Raimundo Júnior
Recapitulando...
• Primeira Semana do Desenvolvimento Humano:
• Período Pré-Embrionário:
1) Ovogênese e Ovulação;
2) Ovócito varrido para dentro da Ampola;
3) Espermatogênese nos túbulos seminíferos;
4) Ato sexual, deposição dos espermatozóides no óstio
uterino;
5) Contato do ovócito secundário com o espermatozóide, final
da segunda divisão meiótica. Forma-se o óvulo (ovócito
maduro) e o segundo corpo polar. O núcleo maduro
constitui o pronúcleo feminino;
6) Penetração da cabeça do espermatozóide no citoplasma do
óvulo, formação do pronúcleo masculino;
7) Término da Fertilização.
Recapitulando...
• Período Embrionário
1) Clivagem;
2) Mórula;
3) Cavidade na Mórula, converte-se em Blastocisto que consiste em:
• (1) Uma massa celular interna - Embrioblasto;
• (2) Uma cavidade blastocística - Blastocele;
• (3) Camada externa de células – Trofoblasto
4) Zona Pelúcida desaparece;
5) Blastocisto se prende ao epitélido endomentrial;
6) As células do sinciciotrofoblasto invadem o epitélio endometrial e o
estroma subjacente;
7) Início da formação do Hipoblasto
8) Final da primeira semana e blastocisto superficialmente implantado
no endométrio.
Blástula
Recapitulando...
• Implantação:
1) Degeneração da Zona Pelúcida;
2) Blastocisto se liga ao epitélio endomentrial;
3) Diferenciação do Trofoblasto;
4) Erosão dos tecidos endometrias. Blastocisto começa a se
implantar no endométrio;
5) Surgimento de lacunas repletas de sangue no Sinciotrofoblasto;
6) Blastocisto penetra abaixo do epitélio endometrial;
7) Formação das redes lacunares;
8) Sinciotrofoblasto continuar a erodir os vasos sanguíneos dos
vasos endometrias, fazendo o sangue fluir para fora das redes
capilares, estabelecendo a circulação uteroplacentária
primitiva;
9) Desenvolvimento da vilosidades coriônicas primárias.
Recapitulando...
• Segunda Semana do Desenvolvimento Humano:
1) Proliferação e diferenciação rápida do trofoblasto;
2) Reação decidual;
3) Saco vitelino primário e o mesoderma extra-embrionário
(superfície interna do citotrofoblasto);
4) Celoma extra-embrionário (transforma-se em cavidade coriônica
posteriormente);
5) Desaparecimento do saco vitelino primário. Desenvolvimento do
saco vitelino secundário;
6) Aparecimento da cavidade aminiótica;
7) Embrioblasto diferencia-se em um disco embrionário bilaminar:
• Hipoblasto;
• Epiblasto;
8) A placa pré-cordal se desenvolve como espessamento localizado
do hipoblasto, indicando a futura região cranial do embrião e o
sítio da boca.
Recapitulando...
• Terceira Semana do Desenvolvimento Humano:
• Gastrulação:
1) Formação dos três folhetos embrionários.
• Neurulação:
1) Formação da Notocorda;
2) Formação do Tubo Neural;
3) Formação da Crista Neural;
4) Formação dos Somitos;
5) Formação do Celoma Intra-embrionário;
6) Formação dos Vasos Sanguíneos e Sangue;
7) Término das Vilosidades coriônicas.
Considerações:
• Período Pré-Embrionário:
• Quando não há embrião: gametogênese à fertilização.
• Período Embrionário:
• Período da 3ª semana à 8ª semana.
• Período Fetal:
• Período em que o embrião é reconhecível como ser
humano, a partir da 9ª semana.
PERÍODO ORGANOGENÉTICO
Da quarta à oitava semana
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
• Maior parte do desenvolvimento embrionário ocorre da 4° a 8°
semana.
• Neste período a maioria dos principais órgãos e sistemas se
formam.
• Entretanto, exceto o sistema cardiovascular, esses órgãos têm
suas funções mínimas sendo desempenhadas.
• À medida que há o surgimento dos órgãos, a forma do embrião
muda de tal maneira que, ao final da oitava semana, apresenta
aspecto humano.
FASES DO DESENVOLVIMENTO
Divididaem3 partes:Crescimento,Morfogênesee
Diferenciação.
• Crescimento: envolve a divisão celular e a
formação de produtos celulares.
• Morfogênese: inclui movimentos celulares em
massa que permitem interação das células durante a
formação dos tecidos.
• Diferenciação (especialização): maturação dos
processos fisiológicos que resulta na formação dos
tecidos e órgãos capazes de desempenhar funções
específicas.
Pelo fato de a maioria dos órgãos e
tecidos se formarem nesse período
(entre a 4° e 8° semana de
gestação), a exposição do embrião
a teratógenos, pode causar graves
anomalias congênitas.
TERATÓGENO
• É UM AGENTE (DROGA, VÍRUS) QUE PRODUZ OU AUMENTA A
INCIDÊNCIA DE ANOMALIAS CONGÊNITAS.
DOBRAMENTO DO EMBRIÃO
• Evento significativo para o estabelecimento da forma
do corpo.
• Ocorre o dobramento do disco embrionário trilaminar
plano que leva a formação de um embrião cilíndrico.
Ocorre nos seguintes planos:
* plano mediano;
* plano horizontal.
• A velocidade do crescimento lateral do embrião não
acompanha o ritmo de crescimento no eixo maior, o
que faz com que o embrião cresça rapidamente no
sentido do comprimento.
• O dobramento das extremidades cefálica, caudal e
lateral do embrião ocorre simultaneamente.
• O dobramento ventral das extremidades produz
pregas cefálica e caudal.
DERIVADOS DOS FOLHETOS
EMBRIONÁRIOS
*ECTODERMA:
• sistema nervoso central;
• sistema nervoso periférico;
• epitélio sensorial do olho, nariz e ouvido;
• epiderme e anexos (pelos e unhas);
• glândulas mamárias;
• hipófise;
• esmalte dos dentes.
DERIVADOS DOS FOLHETOS
EMBRIONÁRIOS
*ENDODERME
• revestimento epitelial (gástrico e respiratório);
• glândulas tireoide e paratireoides;
• timo, fígado e pâncreas;
• revestimento epitelial da bexiga urinária e uretra;
• revestimento epitelial da cavidade do tímpano.
DERIVADOS DOS FOLHETOS
EMBRIONÁRIOS
*MESODERME
• tecido conjuntivo (cartilagem e osso);
• músculos estriados e liso;
• coração, vasos sanguíneo e linfático;
• rins e suprarrenal;
• ovários e testículos;
• ductos genitais;
• pericárdio, pleura e peritônio;
• baço.
CONTROLE DO DESENVOLVIMENTO
EMBRIONÁRIO
• O desenvolvimento embrionário é
essencialmente um processo de crescimento e
de crescente complexidade de estrutura e
função. O crescimento realiza-se através de
mitoses juntamente com a produção de matrizes
extracelulares, enquanto a complexidade resulta
da morfogênese e da diferenciação.
CONTROLE DO DESENVOLVIEMENTO
EMBRIONÁRIO
• As células que constituem os tecidos dos embriões
em estágio muito inicial são pluripotentes.
Entretanto, este amplo potencial de
desenvolvimento torna-se mais restrito, conforme os
tecidos vão adquirindo especializações. Tal restrição
pressupõe que escolhas devem ser feitas para atingir
a diversidade de tecidos. Evidências indicam que tal
fato ocorra devido às INDUÇÕES.
INDUÇÕES
•São interações que levam a uma alteração
no curso do desenvolvimento de pelo
menos uma das estruturas que interajam
entre si.
EXEMPLO
• DESENVOLVIMENTO DO OLHO
Durante o desenvolvimento do olho, acredita-se
que a vesícula óptica induza a formação do
cristalino a partir do ectoderma superficial da
cabeça. Quando a vesícula está ausente, o olho
não se desenvolve. Além disso, se a mesma for
removida e posta em associação com o
ectoderma superficial que não está envolvido na
formação do olho, pode-se induzir a formação
do cristalino.
OBSERVAÇÃO
• O fato de um tecido poder influenciar a via de
desenvolvimento adotada por outro tecido leva a
pressupor que um sinal passa entre os
interagentes.
• A natureza exata deste sinal não é conhecida,
entretanto, o mecanismo de transferência do
sinal parece variar com os tecidos específicos
envolvidos.
MÉTODOSDE TRANSMISSÃODE SUBSTÂNCIAS
SINALIZADORASEM INDUÇÕES
• Molécula Difusível: passa do indutor para o tecido
que reage.
• Matriz não-Difusível: secretada pelo indutor e com
a qual o tecido reagente entra em contato.
• Contato Celular: contato físico entre o tecido
indutor e o que reage.
QUARTA SEMANA
*MODIFICAÇÕES IMPORTANTES DA FORMA DO CORPO
• Aos 24 dias os primeiros arcos branquiais (faríngeos) já
aparecem. O primeiro (arco mandibular) e o segundo (arco
hioideo) são claramente visíveis. O coração produz uma grande
saliência ventral e bombeia sangue.
• Aos 26 dias são visíveis três pares de arcos faríngeos. O
neuróporo anterior está fechado. O prosencéfalo produz uma
elevação saliente na cabeça e o dobramento do embrião lhe
confere uma curvatura em forma de “C”. Uma longa cauda está
presente.
QUARTA SEMANA
QUARTA SEMANA
MODIFICAÇÕES IMPORTANTES DA
FORMA DO CORPO
• No dia 27 os brotos dos membros superiores estão presentes
como pequenas intumescências nas paredes ventro-laterais. As
fossetas ópticas e os primórdios do ouvido interno se formam.
• Ao final da quarta semana surgem os brotos dos membros
inferiores. Os rudimentos dos muitos sistemas e órgãos já estão
estabelecidos.
QUARTA SEMANA
Cerca de 28 dias
QUINTA SEMANA
• Pequenas modificações na forma do corpo;
• Maior crescimento da cabeça em relação ao resto
do corpo (devido ao rápido crescimento do encéfalo);
• A face fica em contato com a proeminência cardíaca;
• Os brotos dos membros superiores têm forma de
ramo e os brotos dos membros inferiores têm forma
de nadadeira;
QUINTA SEMANA
Cerca de 32 dias
SEXTA SEMANA
• Diferenciação regional nos cotovelos e grandes placas
na mão. Desenvolvem-se os primórdios dos dedos (raios
digitais);
• Movimentos espontâneos (contrações bruscas do
tronco e membros);
• Diferenciação dos membros inferiores ocorre mais
tardiamente;
• Formação das saliências auriculares;
• Nota-se o olho.
SEXTA SEMANA
Cerca de 42 dias
SÉTIMA SEMANA
• Grandes alterações nos membros;
• Apresentam separações parciais dos dedos;
• Maior desenvolvimento do sistema digestório.
SÉTIMA SEMANA
OITAVA SEMANA
•Dedos das mãos separados (apresentam membranas
entre eles);
•Surgimento de depressões digitais nos dedos dos pés;
•Cauda presente, apesar de curta e robusta;
•Surgimento do plexo vascular do couro cabeludo;
•Surgimento dos primeiros movimentos propositados
dos membros;
OITAVA SEMANA
• Ossificação inicial do fêmur;
• Aproximação ventral entre si das mãos e dos pés;
• Embrião tem forma humana (cabeça desproporcional);
• A região do pescoço está estabelecida e as pálpebras
mais óbvias;
• As aurículas da orelha externa começam a assumir sua
forma final, porém ainda com implantação baixa;
• Apesar de existirem diferenças nas genitália externa,
essas diferenças ainda são muito sutis, não permitindo
diferenciação do sexo.
OITAVA SEMANA
Cerca de 56 dias

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularPedro Miguel
 
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularFisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularHerbert Santana
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascularCésar Milani
 
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)Lucas Fontes
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Rosalia Azambuja
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Aula organogênese
Aula organogêneseAula organogênese
Aula organogênesePedro Lopes
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)João Marcos
 
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosAula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosHamilton Nobrega
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioAroldo Gavioli
 
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 ParesNervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 ParesAndré Milioli Martins
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a MicrobiologiaTiago da Silva
 
1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno
1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno
1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário alunoJaqueline Almeida
 
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologiaAula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida Isabel Lopes
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medularMedresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medularJucie Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
 
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularFisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
 
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Aula organogênese
Aula organogêneseAula organogênese
Aula organogênese
 
Aula 03 sistema articular
Aula 03   sistema articularAula 03   sistema articular
Aula 03 sistema articular
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexosAula 03   anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
Aula 03 anatomia e fisiologia do sistema tegumentar - pele e anexos
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 ParesNervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
Nervos Cranianos - Funções dos 12 Pares
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 
Aula 01 Introdução a Microbiologia
Aula 01   Introdução a MicrobiologiaAula 01   Introdução a Microbiologia
Aula 01 Introdução a Microbiologia
 
1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno
1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno
1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno
 
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologiaAula 09   sistema digestório - anatomia e fisiologia
Aula 09 sistema digestório - anatomia e fisiologia
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medularMedresumos 2016   neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
Medresumos 2016 neuroanatomia 15 - núcleos da base e centro branco medular
 

Destaque

Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento  EmbrionárioMorfo I - Desenvolvimento  Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento EmbrionárioPaulo Tsai - Unime
 
Embriologia básica (moore-persaud)
Embriologia básica (moore-persaud)Embriologia básica (moore-persaud)
Embriologia básica (moore-persaud)Ana Caroline
 
Embriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semanaEmbriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semanaMaíra Escobar
 
El esqueleto se desarrolla a partir de las placas pa
El esqueleto se desarrolla a partir de las placas paEl esqueleto se desarrolla a partir de las placas pa
El esqueleto se desarrolla a partir de las placas paDario Gadvay
 
9° periodo embrionario y período fetal
9° periodo embrionario y período fetal9° periodo embrionario y período fetal
9° periodo embrionario y período fetalFelipe Flores
 
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionárioFernanda Andrade
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioIsabel Lopes
 
Fecundação e Desenvolvimento Embrionário
Fecundação e Desenvolvimento EmbrionárioFecundação e Desenvolvimento Embrionário
Fecundação e Desenvolvimento Embrionáriomarco :)
 
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoFecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoCatir
 
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)Bio
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetalluandrade
 
Regras de Apresentação
Regras de ApresentaçãoRegras de Apresentação
Regras de ApresentaçãoSOL RIBEIRO
 

Destaque (16)

5ª Semana Embrionária
5ª Semana Embrionária5ª Semana Embrionária
5ª Semana Embrionária
 
4ª a 8ª semana
4ª a 8ª semana4ª a 8ª semana
4ª a 8ª semana
 
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento  EmbrionárioMorfo I - Desenvolvimento  Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
 
Embriologia básica (moore-persaud)
Embriologia básica (moore-persaud)Embriologia básica (moore-persaud)
Embriologia básica (moore-persaud)
 
Embriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semanaEmbriologia 1ª e 2ª semana
Embriologia 1ª e 2ª semana
 
El esqueleto se desarrolla a partir de las placas pa
El esqueleto se desarrolla a partir de las placas paEl esqueleto se desarrolla a partir de las placas pa
El esqueleto se desarrolla a partir de las placas pa
 
9° periodo embrionario y período fetal
9° periodo embrionario y período fetal9° periodo embrionario y período fetal
9° periodo embrionario y período fetal
 
Placenta
PlacentaPlacenta
Placenta
 
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário
1 e 2 semana de desenvolvimento embrionário
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
4a - 8a Semana Embrionaria
4a - 8a Semana Embrionaria4a - 8a Semana Embrionaria
4a - 8a Semana Embrionaria
 
Fecundação e Desenvolvimento Embrionário
Fecundação e Desenvolvimento EmbrionárioFecundação e Desenvolvimento Embrionário
Fecundação e Desenvolvimento Embrionário
 
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoFecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
 
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
Reprodução e Embriologia (Aula em Power Point)
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
 
Regras de Apresentação
Regras de ApresentaçãoRegras de Apresentação
Regras de Apresentação
 

Semelhante a Quarta à oitava semana

Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptEtapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptEmanuelleCardoso11
 
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptEtapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptJulhilson Júnior
 
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptEtapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptKassiaAmaral
 
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptEtapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptNatliaPacheco9
 
Embriologia.AULA......Asno............ppt
Embriologia.AULA......Asno............pptEmbriologia.AULA......Asno............ppt
Embriologia.AULA......Asno............pptAlberto205764
 
4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptxTeresa Cardoso
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
EmbriologiaURCA
 
Aula gametogênese, fertilização, segmentação
Aula gametogênese, fertilização, segmentaçãoAula gametogênese, fertilização, segmentação
Aula gametogênese, fertilização, segmentaçãoPedro Lopes
 
Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011UNISUL
 
Fecundação e desenvolvimento do novo ser
Fecundação e desenvolvimento do novo serFecundação e desenvolvimento do novo ser
Fecundação e desenvolvimento do novo serSandra Soeiro
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptxANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptxWeslleyMaia3
 

Semelhante a Quarta à oitava semana (20)

Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptEtapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
 
Embriologia valendo
Embriologia valendoEmbriologia valendo
Embriologia valendo
 
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptEtapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
 
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptEtapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
 
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptEtapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
 
Embriologia.AULA......Asno............ppt
Embriologia.AULA......Asno............pptEmbriologia.AULA......Asno............ppt
Embriologia.AULA......Asno............ppt
 
Embriologia básica
Embriologia básicaEmbriologia básica
Embriologia básica
 
Embriologia ii
Embriologia iiEmbriologia ii
Embriologia ii
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx
 
Enfermagem
Enfermagem Enfermagem
Enfermagem
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Desenvolvimento do embrião
Desenvolvimento do embriãoDesenvolvimento do embrião
Desenvolvimento do embrião
 
Aula gametogênese, fertilização, segmentação
Aula gametogênese, fertilização, segmentaçãoAula gametogênese, fertilização, segmentação
Aula gametogênese, fertilização, segmentação
 
Aula 1
Aula 1   Aula 1
Aula 1
 
Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011
 
Fecundação e desenvolvimento do novo ser
Fecundação e desenvolvimento do novo serFecundação e desenvolvimento do novo ser
Fecundação e desenvolvimento do novo ser
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptxANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 

Mais de João Monteiro

Aula - Pesca predatória e os impactos ambientais
Aula - Pesca predatória e os impactos ambientaisAula - Pesca predatória e os impactos ambientais
Aula - Pesca predatória e os impactos ambientaisJoão Monteiro
 
Aula I - Introdução á genética de populações
Aula I - Introdução á genética de populaçõesAula I - Introdução á genética de populações
Aula I - Introdução á genética de populaçõesJoão Monteiro
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células João Monteiro
 
Aula 4 Cálculo III Integral de linha :)
Aula 4   Cálculo III Integral de linha :)Aula 4   Cálculo III Integral de linha :)
Aula 4 Cálculo III Integral de linha :)João Monteiro
 
Apostila de História e introdução á logística
Apostila de História e introdução á logísticaApostila de História e introdução á logística
Apostila de História e introdução á logísticaJoão Monteiro
 
Física II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de FluidosFísica II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de FluidosJoão Monteiro
 
Classificação e reprodução
Classificação e reproduçãoClassificação e reprodução
Classificação e reproduçãoJoão Monteiro
 
Importância dos fungos
Importância dos fungosImportância dos fungos
Importância dos fungosJoão Monteiro
 
Introdução à micologia
Introdução à micologiaIntrodução à micologia
Introdução à micologiaJoão Monteiro
 
Placenta e membranas cap08
Placenta e membranas cap08Placenta e membranas cap08
Placenta e membranas cap08João Monteiro
 
Nona semana ao nascimento
Nona semana ao nascimentoNona semana ao nascimento
Nona semana ao nascimentoJoão Monteiro
 
Primeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanasPrimeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanasJoão Monteiro
 
Livro Introdução à ecologia comportamental
Livro Introdução à ecologia comportamentalLivro Introdução à ecologia comportamental
Livro Introdução à ecologia comportamentalJoão Monteiro
 
Introdução á paleontologia
Introdução á paleontologiaIntrodução á paleontologia
Introdução á paleontologiaJoão Monteiro
 
Biologia vegetal raven_5ªed
Biologia vegetal raven_5ªedBiologia vegetal raven_5ªed
Biologia vegetal raven_5ªedJoão Monteiro
 
As placas tectônicas
As placas tectônicas As placas tectônicas
As placas tectônicas João Monteiro
 

Mais de João Monteiro (20)

Aula - Pesca predatória e os impactos ambientais
Aula - Pesca predatória e os impactos ambientaisAula - Pesca predatória e os impactos ambientais
Aula - Pesca predatória e os impactos ambientais
 
Aula I - Introdução á genética de populações
Aula I - Introdução á genética de populaçõesAula I - Introdução á genética de populações
Aula I - Introdução á genética de populações
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
 
Física - Cinemática
Física - CinemáticaFísica - Cinemática
Física - Cinemática
 
Aula 4 Cálculo III Integral de linha :)
Aula 4   Cálculo III Integral de linha :)Aula 4   Cálculo III Integral de linha :)
Aula 4 Cálculo III Integral de linha :)
 
Apostila de História e introdução á logística
Apostila de História e introdução á logísticaApostila de História e introdução á logística
Apostila de História e introdução á logística
 
Física II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de FluidosFísica II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de Fluidos
 
Consumismo x lixo
Consumismo x lixo Consumismo x lixo
Consumismo x lixo
 
Micologia médica
Micologia médica Micologia médica
Micologia médica
 
Classificação e reprodução
Classificação e reproduçãoClassificação e reprodução
Classificação e reprodução
 
Importância dos fungos
Importância dos fungosImportância dos fungos
Importância dos fungos
 
Introdução à micologia
Introdução à micologiaIntrodução à micologia
Introdução à micologia
 
Placenta e membranas cap08
Placenta e membranas cap08Placenta e membranas cap08
Placenta e membranas cap08
 
Nona semana ao nascimento
Nona semana ao nascimentoNona semana ao nascimento
Nona semana ao nascimento
 
Primeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanasPrimeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanas
 
Livro Introdução à ecologia comportamental
Livro Introdução à ecologia comportamentalLivro Introdução à ecologia comportamental
Livro Introdução à ecologia comportamental
 
Genetica forense
Genetica forense Genetica forense
Genetica forense
 
Introdução á paleontologia
Introdução á paleontologiaIntrodução á paleontologia
Introdução á paleontologia
 
Biologia vegetal raven_5ªed
Biologia vegetal raven_5ªedBiologia vegetal raven_5ªed
Biologia vegetal raven_5ªed
 
As placas tectônicas
As placas tectônicas As placas tectônicas
As placas tectônicas
 

Último

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 

Quarta à oitava semana

  • 1. Embriologia Adaptado dos profs. Thiemy Loli e Victor Husch - Unioeste Quarta à oitava semana do desenvolvimento humano Prof. Raimundo Júnior
  • 2. Recapitulando... • Primeira Semana do Desenvolvimento Humano: • Período Pré-Embrionário: 1) Ovogênese e Ovulação; 2) Ovócito varrido para dentro da Ampola; 3) Espermatogênese nos túbulos seminíferos; 4) Ato sexual, deposição dos espermatozóides no óstio uterino; 5) Contato do ovócito secundário com o espermatozóide, final da segunda divisão meiótica. Forma-se o óvulo (ovócito maduro) e o segundo corpo polar. O núcleo maduro constitui o pronúcleo feminino; 6) Penetração da cabeça do espermatozóide no citoplasma do óvulo, formação do pronúcleo masculino; 7) Término da Fertilização.
  • 3. Recapitulando... • Período Embrionário 1) Clivagem; 2) Mórula; 3) Cavidade na Mórula, converte-se em Blastocisto que consiste em: • (1) Uma massa celular interna - Embrioblasto; • (2) Uma cavidade blastocística - Blastocele; • (3) Camada externa de células – Trofoblasto 4) Zona Pelúcida desaparece; 5) Blastocisto se prende ao epitélido endomentrial; 6) As células do sinciciotrofoblasto invadem o epitélio endometrial e o estroma subjacente; 7) Início da formação do Hipoblasto 8) Final da primeira semana e blastocisto superficialmente implantado no endométrio.
  • 5. Recapitulando... • Implantação: 1) Degeneração da Zona Pelúcida; 2) Blastocisto se liga ao epitélio endomentrial; 3) Diferenciação do Trofoblasto; 4) Erosão dos tecidos endometrias. Blastocisto começa a se implantar no endométrio; 5) Surgimento de lacunas repletas de sangue no Sinciotrofoblasto; 6) Blastocisto penetra abaixo do epitélio endometrial; 7) Formação das redes lacunares; 8) Sinciotrofoblasto continuar a erodir os vasos sanguíneos dos vasos endometrias, fazendo o sangue fluir para fora das redes capilares, estabelecendo a circulação uteroplacentária primitiva; 9) Desenvolvimento da vilosidades coriônicas primárias.
  • 6. Recapitulando... • Segunda Semana do Desenvolvimento Humano: 1) Proliferação e diferenciação rápida do trofoblasto; 2) Reação decidual; 3) Saco vitelino primário e o mesoderma extra-embrionário (superfície interna do citotrofoblasto); 4) Celoma extra-embrionário (transforma-se em cavidade coriônica posteriormente); 5) Desaparecimento do saco vitelino primário. Desenvolvimento do saco vitelino secundário; 6) Aparecimento da cavidade aminiótica; 7) Embrioblasto diferencia-se em um disco embrionário bilaminar: • Hipoblasto; • Epiblasto; 8) A placa pré-cordal se desenvolve como espessamento localizado do hipoblasto, indicando a futura região cranial do embrião e o sítio da boca.
  • 7. Recapitulando... • Terceira Semana do Desenvolvimento Humano: • Gastrulação: 1) Formação dos três folhetos embrionários. • Neurulação: 1) Formação da Notocorda; 2) Formação do Tubo Neural; 3) Formação da Crista Neural; 4) Formação dos Somitos; 5) Formação do Celoma Intra-embrionário; 6) Formação dos Vasos Sanguíneos e Sangue; 7) Término das Vilosidades coriônicas.
  • 8. Considerações: • Período Pré-Embrionário: • Quando não há embrião: gametogênese à fertilização. • Período Embrionário: • Período da 3ª semana à 8ª semana. • Período Fetal: • Período em que o embrião é reconhecível como ser humano, a partir da 9ª semana.
  • 10. CONSIDERAÇÕES INICIAIS • Maior parte do desenvolvimento embrionário ocorre da 4° a 8° semana. • Neste período a maioria dos principais órgãos e sistemas se formam. • Entretanto, exceto o sistema cardiovascular, esses órgãos têm suas funções mínimas sendo desempenhadas. • À medida que há o surgimento dos órgãos, a forma do embrião muda de tal maneira que, ao final da oitava semana, apresenta aspecto humano.
  • 11. FASES DO DESENVOLVIMENTO Divididaem3 partes:Crescimento,Morfogênesee Diferenciação. • Crescimento: envolve a divisão celular e a formação de produtos celulares. • Morfogênese: inclui movimentos celulares em massa que permitem interação das células durante a formação dos tecidos. • Diferenciação (especialização): maturação dos processos fisiológicos que resulta na formação dos tecidos e órgãos capazes de desempenhar funções específicas.
  • 12. Pelo fato de a maioria dos órgãos e tecidos se formarem nesse período (entre a 4° e 8° semana de gestação), a exposição do embrião a teratógenos, pode causar graves anomalias congênitas.
  • 13. TERATÓGENO • É UM AGENTE (DROGA, VÍRUS) QUE PRODUZ OU AUMENTA A INCIDÊNCIA DE ANOMALIAS CONGÊNITAS.
  • 14. DOBRAMENTO DO EMBRIÃO • Evento significativo para o estabelecimento da forma do corpo. • Ocorre o dobramento do disco embrionário trilaminar plano que leva a formação de um embrião cilíndrico. Ocorre nos seguintes planos: * plano mediano; * plano horizontal.
  • 15. • A velocidade do crescimento lateral do embrião não acompanha o ritmo de crescimento no eixo maior, o que faz com que o embrião cresça rapidamente no sentido do comprimento. • O dobramento das extremidades cefálica, caudal e lateral do embrião ocorre simultaneamente. • O dobramento ventral das extremidades produz pregas cefálica e caudal.
  • 16.
  • 17.
  • 18. DERIVADOS DOS FOLHETOS EMBRIONÁRIOS *ECTODERMA: • sistema nervoso central; • sistema nervoso periférico; • epitélio sensorial do olho, nariz e ouvido; • epiderme e anexos (pelos e unhas); • glândulas mamárias; • hipófise; • esmalte dos dentes.
  • 19. DERIVADOS DOS FOLHETOS EMBRIONÁRIOS *ENDODERME • revestimento epitelial (gástrico e respiratório); • glândulas tireoide e paratireoides; • timo, fígado e pâncreas; • revestimento epitelial da bexiga urinária e uretra; • revestimento epitelial da cavidade do tímpano.
  • 20. DERIVADOS DOS FOLHETOS EMBRIONÁRIOS *MESODERME • tecido conjuntivo (cartilagem e osso); • músculos estriados e liso; • coração, vasos sanguíneo e linfático; • rins e suprarrenal; • ovários e testículos; • ductos genitais; • pericárdio, pleura e peritônio; • baço.
  • 21.
  • 22. CONTROLE DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO • O desenvolvimento embrionário é essencialmente um processo de crescimento e de crescente complexidade de estrutura e função. O crescimento realiza-se através de mitoses juntamente com a produção de matrizes extracelulares, enquanto a complexidade resulta da morfogênese e da diferenciação.
  • 23. CONTROLE DO DESENVOLVIEMENTO EMBRIONÁRIO • As células que constituem os tecidos dos embriões em estágio muito inicial são pluripotentes. Entretanto, este amplo potencial de desenvolvimento torna-se mais restrito, conforme os tecidos vão adquirindo especializações. Tal restrição pressupõe que escolhas devem ser feitas para atingir a diversidade de tecidos. Evidências indicam que tal fato ocorra devido às INDUÇÕES.
  • 24. INDUÇÕES •São interações que levam a uma alteração no curso do desenvolvimento de pelo menos uma das estruturas que interajam entre si.
  • 25. EXEMPLO • DESENVOLVIMENTO DO OLHO Durante o desenvolvimento do olho, acredita-se que a vesícula óptica induza a formação do cristalino a partir do ectoderma superficial da cabeça. Quando a vesícula está ausente, o olho não se desenvolve. Além disso, se a mesma for removida e posta em associação com o ectoderma superficial que não está envolvido na formação do olho, pode-se induzir a formação do cristalino.
  • 26. OBSERVAÇÃO • O fato de um tecido poder influenciar a via de desenvolvimento adotada por outro tecido leva a pressupor que um sinal passa entre os interagentes. • A natureza exata deste sinal não é conhecida, entretanto, o mecanismo de transferência do sinal parece variar com os tecidos específicos envolvidos.
  • 27. MÉTODOSDE TRANSMISSÃODE SUBSTÂNCIAS SINALIZADORASEM INDUÇÕES • Molécula Difusível: passa do indutor para o tecido que reage. • Matriz não-Difusível: secretada pelo indutor e com a qual o tecido reagente entra em contato. • Contato Celular: contato físico entre o tecido indutor e o que reage.
  • 28. QUARTA SEMANA *MODIFICAÇÕES IMPORTANTES DA FORMA DO CORPO • Aos 24 dias os primeiros arcos branquiais (faríngeos) já aparecem. O primeiro (arco mandibular) e o segundo (arco hioideo) são claramente visíveis. O coração produz uma grande saliência ventral e bombeia sangue. • Aos 26 dias são visíveis três pares de arcos faríngeos. O neuróporo anterior está fechado. O prosencéfalo produz uma elevação saliente na cabeça e o dobramento do embrião lhe confere uma curvatura em forma de “C”. Uma longa cauda está presente.
  • 30. QUARTA SEMANA MODIFICAÇÕES IMPORTANTES DA FORMA DO CORPO • No dia 27 os brotos dos membros superiores estão presentes como pequenas intumescências nas paredes ventro-laterais. As fossetas ópticas e os primórdios do ouvido interno se formam. • Ao final da quarta semana surgem os brotos dos membros inferiores. Os rudimentos dos muitos sistemas e órgãos já estão estabelecidos.
  • 32. QUINTA SEMANA • Pequenas modificações na forma do corpo; • Maior crescimento da cabeça em relação ao resto do corpo (devido ao rápido crescimento do encéfalo); • A face fica em contato com a proeminência cardíaca; • Os brotos dos membros superiores têm forma de ramo e os brotos dos membros inferiores têm forma de nadadeira;
  • 34. SEXTA SEMANA • Diferenciação regional nos cotovelos e grandes placas na mão. Desenvolvem-se os primórdios dos dedos (raios digitais); • Movimentos espontâneos (contrações bruscas do tronco e membros); • Diferenciação dos membros inferiores ocorre mais tardiamente; • Formação das saliências auriculares; • Nota-se o olho.
  • 36. SÉTIMA SEMANA • Grandes alterações nos membros; • Apresentam separações parciais dos dedos; • Maior desenvolvimento do sistema digestório.
  • 38. OITAVA SEMANA •Dedos das mãos separados (apresentam membranas entre eles); •Surgimento de depressões digitais nos dedos dos pés; •Cauda presente, apesar de curta e robusta; •Surgimento do plexo vascular do couro cabeludo; •Surgimento dos primeiros movimentos propositados dos membros;
  • 39. OITAVA SEMANA • Ossificação inicial do fêmur; • Aproximação ventral entre si das mãos e dos pés; • Embrião tem forma humana (cabeça desproporcional); • A região do pescoço está estabelecida e as pálpebras mais óbvias; • As aurículas da orelha externa começam a assumir sua forma final, porém ainda com implantação baixa; • Apesar de existirem diferenças nas genitália externa, essas diferenças ainda são muito sutis, não permitindo diferenciação do sexo.