SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
Baixar para ler offline
REPRODUÇÃO & EMBRIOLOGIA

    PROFESSOR VASCO
REPRODUÇÃO ASSEXUADA

• Participação de apenas um indivíduo.
• Formação de novos indivíduos ocorre por
  mitoses sucessivas, originando seres
  geneticamente idênticos (clones ).
Exemplos de processos
           de reprodução assexuada
DBS ( BIPARTIÇÃO ou CISSIPARIDADE )
Comum em seres unicelulares.
Um indivíduo se divide originando dois novos
seres geneticamente iguais.
LACERAÇÃO ( FISSÃO ou FRAGMENTAÇÃO )
O ser fragmenta o próprio corpo onde cada pedaço
formará um novo ser. Ex.: Poríferos, Cnidários,
Vermes, Equinodermos.
Laceração seguida de regeneração em
             Planárias
BROTAMENTO (GEMIPARIDADE)
Em uma parte do corpo forma-se um broto, por
mitoses sucessivas, que pode se destacar e
formar um novo ser independente ou pode se
desenvolver aderido ao corpo do ser de origem,
formando uma colônia.
Ex.: Poríferos , Cnidários.
ESTROBILIZAÇÃO (ESTROBILAÇÃO)
• Ocorre um processo de fragmentação do corpo do
  ser em vários segmentos , sendo o corpo
  denominado estróbilo.
• Ex.: Platelmintos ( Tênias), Cnidários.
• Em cnidários, cada segmento formado é
  denominado ÉFIRA ( forma jovem) que, ao se
  destacar, forma um cnidário adulto.
PARTENOGÊNESE
• Desenvolvimento do óvulo sem ter sido
  fecundado pelo espermatozóide, não
  havendo, portanto, mistura de genes de
  dois gametas diferentes. Ex.: Insetos
  (abelhas, pulgões), vermes, crustáceos
  ( pulga-d água), algumas espécies de
  peixes e anfíbios.
OBSERVAÇÃO
 A partenogênese nas abelhas produz o zangão,
  sendo as fêmeas produzidas por fecundação.
 A partenogênese pode ser:
Haplóide: os indivíduos surgem de óvulos
  haplóides. Ex.: zangão e pulga-d`água.
Diplóide: quando o óvulo é produzido por mitose
  ou por duplicação cromossomial (tetraploidia).
  Ex.: Alguns insetos e lagartos.
 Porém, a partenogênese diplóide também pode
ocorrer por fusão do óvulo com o segundo glóbulo
polar. Ex.: algumas espécies de Drosophila.
TIPOS DE PARTENOGÊNESE
 ARRENÓTOCA ( ARRENO= MACHO; TOCO=PARTO )
Produz apenas machos.
Ex.: abelhas
 TELÍTOCA ( TELE= FÊMEA )
Produz apenas fêmeas.
Ex.: pulgão-das-videiras, durante a primavera e
verão.
 DEUTERÓTOCA
Produz machos e fêmeas. Ex.: ocorre no outono
com o pulgão-das-videiras.
REPRODUÇÃO SEXUADA
• É caracterizada pela troca de material
  genético entre os indivíduos, através da
  fusão gamética ( células haplóides ),
  formando uma célula diplóide.
• Promove maior variabilidade genética,
  levando a maior taxa de sobrevivência nas
  espécies. Isso é devido a dois processos:
           -Crossing-over
           -Distribuição independente dos
           cromossomos
GAMETAS
• De acordo com a forma e tamanho, podem
  ser:
• Tamanho e forma semelhantes :
  ISOGAMIA
• Tamanho e forma diferentes :
  HETEROGAMIA
FECUNDAÇÃO
Pode ser:
• Externa: fusão gamética fora do organismo.
• Interna: fusão gamética ocorre no interior do
  organismo.
• Cruzada: presente em organismos hermafroditas
  onde um ser atua como macho e outro como
  fêmea.
• A fecundação cruzada pode ser recíproca ou
  mútua, onde os dois seres envolvidos atuam, ao
  mesmo tempo, como macho e outro como
  fêmea, doando e recebendo espermatozoides.
REPRODUÇÃO ASSEXUADA
         VANTAGENS                     DESVANTAGENS
    - FORMAÇÃO DE CLONES               - VARIABILIDADE
                                 GENÉTICAPRATICAMENTE NULA
   - TODOS PODEM ORIGINAR
        DESCENDENTES                 - DIFÍCIL ADAPTAÇÃO A
                                    ALTERAÇÕES AMBIENTAIS
    - RÁPIDA PRODUÇÃO DE
   DESCENDENTES COM BAIXO        NÃO FAVORECE A EVOLUÇÃO DAS
     DISPÊNDIO DE ENERGIA                 ESPÉCIES

FORMAÇÃO DE COLÔNIAS A PARTIR
      DE UM ÚNICO SER

               REPRODUÇÃO SEXUADA
        VANTAGENS              DESVANTAGENS
- MAIOR VARIABILIDADE GENÉTICA         - PROCESSO LENTO

   - MAIOR CAPACIDADE DE         - GRANDE GASTO DE ENERGIA NA
SOBREVIVÊNCIA EM OCORRÊNCIA       FORMAÇÃO DE GAMETAS E NOS
 DE MUDANÇAS AMBIENTAIS E         PROCESSOS QUE RESULTAM NA
         CLIMÁTICAS                      FECUNDAÇÃO

  - FAVORECE A EVOLUÇÃO NAS
           ESPÉCIES
FORMAÇÃO DO EMBRIÃO
•   Fecundação;
•   Segmentação ou Clivagem;
•   Blastulação;
•   Gastrulação;
•   Neurulação.
Clivagem
• A partir da primeira divisão mitótica, inicia-se o
  desenvolvimento embrionário;
• Formação de blastômeros;
• Formação da mórula (bola maciça de células)
• O vitelo é uma proteína encontrada no ovo e
  tem a função de nutrir o embrião;
• Zigoto:
Pólo vegetativo: muito vitelo (dificulta a divisão);
Pólo animal: pouco vitelo (facilita a divisão).
Classificação dos ovos
• Isolécito ou Oligolécito – Possui pouco vitelo, homogênea ou
   quase homogeneamente distribuído pelo citoplasma.
   Ocorrência: Mamíferos (menos os MONOTREMADOS).
• Heterolécito ou Mediolécito – Muito vitelo. Distinção entre
   pólo animal, que contém o núcleo, e o pólo vegetativo, que contém
   o vitelo.
   Ocorrência: Peixes (alguns) e anfíbios
• Telolécito – óvulos grandes, com muito vitelo no pólo vegetativo.
   Nítida separação entre o citoplasma e o vitelo no pólo animal.
   Ocorrência: Peixes (alguns), répteis e aves.
• Centrolécito – Vitelo ocupa praticamente toda a célula e não se
   mistura com citoplasma, que reduzido a uma pequena região na
   periferia da célula e junto ao núcleo.
   Ocorrência: Artrópodes
BLÁSTULA
• Surgimento de um líquido interno no
  centro da massa celular.
• Cavidade interna = Blastocele
GÁSTRULA
• Formação dos folhetos embrionários;
• Formação do arquêntero; ( intestino primitivo)
• Formação do blastóporo ( abertura do arquêntero):
PROTOSTÔMIOS: blastóporo origina a boca primeiro;
DEUTEROSTÔMIOS: blastóporo origina o ânus primeiro.
FOLHETOS EMBRIONÁRIOS OU GERMINATIVOS


           • ECTODERME
           • MESODERME
           • ENDODERME
CLASSIFICAÇÃO DOS ANIMAIS QUANTO AO
                CELOMA
• ACELOMADOS
Não formam celoma.
Ex.: Platelmintos
• PSEUDOCELOMADOS
Cavidade embrionária é revestida parcialmente por
mesoderme e por endoderme. Ex.: Nematelmintos
• CELOMADOS
Cavidade embrionária totalmente revestida por
mesoderme. Ex.: Anelídeos, Moluscos, Equinodermas,
Cordados.
CLASSIFICACAÇÃO DOS ANIMAIS
     QUANTO AO CELOMA
NEURULA
• É a fase de formação do tubo neural
DESTINO DOS FOLHETOS GERMINATIVOS
Ectoderma:
- Epiderme e anexos cutâneos (pelos e glândulas mucosas);
- Todas as estruturas do sistema nervoso (encéfalo, nervos, gânglios
nervosos e medula espinhal);
- epitélio de revestimento das cavidades nasais, bucal e anal.

Mesoderma:
- Forma a camada interna da pele (derme).
- Músculos lisos e esqueléticos;
- Sistema circulatório (coração, vasos sanguíneos, tecido linfático,
tecido conjuntivo);
- Sistema esquelético (ossos e cartilagem);
- Sistema excretor e reprodutor (órgãos genitais, rins, uretra, bexiga e
gônadas).

Endoderma:
- Epitélio de revestimento e glândulas do trato digestivo, com exceção
da cavidade oral e anal;
- Sistema respiratório (pulmão);
- Fígado e pâncreas.
ANEXOS EMBRIONÁRIOS
• Os anexos embrionários são estruturas que se originam
  dos folhetos germinativos e que, entre outras funções,
  protegem e nutrem o embrião. Eles desaparecem durante
  o desenvolvimento e não estão presentes nos adultos:

                  Saco vitelínico
                    Alantoide
                     Âmnio
                     Córion
                    Placenta
Saco vitelínico
• Presente nos peixes, répteis, aves e mamíferos. É uma
  estrutura em forma de saco, revestida externamente pela
  mesoderme e, internamente, pela endoderme.

• Sua principal função é armazenar reservas nutritivas durante
  o desenvolvimento do embrião.

• Nos mamíferos esse anexo é reduzido, pois a placenta
  assume a função de nutrição do embrião



                                          Alevino apresentando
                                          saco vitelínico
Alantoide

• Ocorre nos répteis, aves e mamíferos. É uma estrutura
  em forma de saco ou vesícula, ligada a parte posterior do
  intestino do embrião. Assim como o saco vitelínico, o
  alantoide é formado pela mesoderme e endoderme.
• Sua principal função é remover e armazenar excretas
  produzidas pelo metabolismo do embrião.
• Nos embriões dos répteis e aves, o alantóide
  apresenta também função de extrair o cálcio da
  casca do ovo, que será utilizado na formação do
  esqueleto. A descalcificação da casca facilita seu
  rompimento no momento da eclosão do filhote.
Âmnio
• Presente nos répteis, nas aves e nos mamíferos. É uma
  fina membrana, formada pela ectoderme e a
  mesoderme, que envolve o embrião delimitando uma
  cavidade preenchida pelo líquido amniótico.
• O líquido amniótico evita o ressecamento do embrião e
  o protege contra choques mecânicos.
• O âmnio surge pela primeira vez nos répteis e é uma
  importante adaptação à vida no meio terrestre. Isso
  porque protege o embrião da dessecação e torna a
  reprodução independente da presença de água.
OBSERVAÇÃO
• Os répteis, as aves e os mamíferos são
  amniotas e alantoidianos, por formarem
  âmnion e alantóide, respectivamente. Os
  peixes e os anfíbios são anamniotas e
  analantoidianos, por não formarem âmnion
  nem alantóide.
Córion
• Ocorre nos répteis, aves e mamíferos.
  Membrana formada, assim como o âmnio, pela
  ectoderme e a mesoderme.
• É o anexo mais externo; envolve e protege os
  demais anexos. Em répteis e aves, o córion se
  une ao alantóide, formando o alantocórion. O
  alantocórion fornece proteção e realiza trocas
  gasosas entre o embrião e o meio externo.
• Nos mamíferos, o córion se une ao alantóide
  formando a placenta.
Placenta
• Ocorre apenas nos mamíferos e é formada pela
  união do córion e alantoide, do embrião, mais o
  endométrio materno. Por ser formada pela
  união de anexos embrionários fetais mais
  tecidos maternos, muitos autores consideram a
  placenta como um órgão, e não como um anexo
  embrionário.
• A placenta permite a fixação do embrião na
  parede do útero, realiza trocas gasosas entre o
  feto e o sangue materno, permite a passagem de
  nutrientes para o embrião e promove a retirada
  de excretas.
Cordão umbilical
• Origina-se a partir do pedúnculo
  embrionário. Procede como estrutura de
  comunicação entre o embrião e a
  placenta. Longo, mais ou menos cilíndrico,
  encerra três grossos vasos: uma veia (que
  conduz sangue arterial) e duas artérias
  (que conduz sangue venoso).
SISTEMA REPRODUTOR HUMANO
• Sistema Genital Masculino
  - Pênis: órgão reprodutor e excretor do organismo masculino, contendo em seu
  interior um ducto (a uretra) responsável pela eliminação da urina (excreta
  nitrogenada / ureia) e também condução do sêmen que contém os
  espermatozoides. Esse órgão é formado por tecido cavernoso e esponjoso, que
  se intumesce em razão da grande vascularização, de acordo com a libido do
  indivíduo em ocasião à reprodução, proporcionando a ereção deste órgão.

  - Bolsa escrotal: cavidade que aloja e protege os testículos, sendo responsável
  pela manutenção da temperatura adequada à fisiologia dos mesmos;

  - Testículos: são glândulas que, além de produzirem os gametas masculinos
  (espermatogênese) no interior dos túbulos seminíferos a partir de células
  germinativas primordiais, também possuem células intersticiais ( células de
  Leydig) que sintetizam a testosterona, hormônio sexual masculino;
SISTEMA GENITAL MASCULINO (CONTINUAÇÃO)

• - Epidídimo: ducto formado por um canal emaranhado que coleta,
  armazena e conduz os espermatozoides. Neste local os gametas atingem
  a maturidade e mobilidade, tornando-os aptos à fecundação;

  - Canal deferente: canal que transporta os espermatozoides do
  epidídimo até um complexo de glândulas anexas;

  - Glândulas anexas: conjunto formado pela próstata, vesículas
  seminais e glândulas bulbo uretrais, produzindo a secreção que
  compõem o sêmen, fluido que nutri e proporciona meio de
  sobrevivência aos espermatozoides, por exemplo, neutralizando o pH
  levemente ácido da uretra.
Sistema Genital Feminino
 - Vulva ou pudendo: conjunto de estruturas que formam o aparelho
 reprodutor feminino externo (lábios vaginais, orifício da uretra, abertura
 da vagina e clitóris).

 - Lábios vaginais (Grandes e pequenos lábios): são dobras da
 pele formadas por tecido adiposo, sendo responsáveis pela proteção do
 aparelho reprodutor feminino.

 - Clitóris: órgão sensível e prazeroso do organismo feminino;

 - Vagina: canal que recebe o pênis durante o ato sexual, servindo
 também como conduto para eliminação do fluxo menstrual e concepção
 no momento do parto normal (canal que por ação hormonal se dilata
 para o nascimento de um bebê);
SISTEMA GENITAL FEMININO (CONTINUAÇÃO)
- Útero: órgão que recepciona o ovo / zigoto, proporcionando o seu
desenvolvimento durante o período gestacional. Além de proteger o
embrião contra choques mecânicos, também impede a transposição de
impurezas e contaminação contra micro-organismos patogênicos, bem
como auxilia a manutenção da nutrição (formação da placenta e cordão
umbilical);

- Tubas uterinas ou tropas de falópio: são ovidutos que possuem
numerosos cílios em sua superfície interna, desempenhando a função de
transportar o “óvulo” (ovócito secundário) do ovário até o útero.
Normalmente é nas trompas que ocorre a fecundação, ou seja, o
encontro do espermatozoide com o “óvulo”.

- Ovários: são glândulas responsáveis pela ovulação periódica dos
“óvulos”, de acordo com o ciclo menstrual feminino iniciado na
puberdade, produzindo também os hormônios sexuais: estrógeno e
progesterona.
OBSERVAÇÃO
  GONADOTROFINA CORIÔNICA HUMANA
                 (beta-HCG)
• Hormônio produzido pelas células do
  sincíciotrofoblasto da placenta sendo
  indicativo positivo em testes de gravidez.
• Ele é produzido após a fixação do embrião na
  parede do útero. É através da alta
  concentração desse hormônio no sangue e na
  urina que se consegue detectar uma gravidez.
CICLO MENSTRUAL
• 1º dia do ciclo à endométrio bem desenvolvido,
  espesso e vascularizado começa a descamar à
  menstruação


• Hipófise aumenta a produção de FSH, que atinge a
  concentração máxima por volta do 7º dia do ciclo.



• Amadurecimento dos folículos ovarianos
• Secreção de estrógeno pelo folículo em
desenvolvimento


• Concentração alta de estrógeno inibe
secreção de FSH e estimula a secreção de LH
pela hipófise / concentração alta de estrógeno
estimula ocrescimento do endométrio.


• Concentração alta de LH estimula a ovulação
(por volta do 14º dia de um ciclo de 28 dias)
• Alta taxa de LH estimula a formação do corpo lúteo
ou amarelo no folículo ovariano



• Corpo lúteo inicia a produção de progesterona



• Estimula as glândulas do endométrio a
secretarem seus produtos
• Aumento da progesterona inibe produção
de LH e FSH



• Corpo lúteo regride e reduz concentração
de progesterona




           Menstruação
Reprodução assexuada e embriologia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biogênese e abiogênese
Biogênese e abiogêneseBiogênese e abiogênese
Biogênese e abiogêneseLilian Larroca
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das célulasNayara de Queiroz
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficialDaiane Costa
 
Aula Introdução à Citologia
Aula Introdução à CitologiaAula Introdução à Citologia
Aula Introdução à CitologiaThiago Manchester
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As célulasRebeca Vale
 
Introducao histologia
Introducao histologia Introducao histologia
Introducao histologia Thais Benicio
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protistaNelson Costa
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOSheila Cassenotte
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a geneticaUERGS
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Bio
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosRebeca Vale
 
Metabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoMetabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoKiller Max
 

Mais procurados (20)

Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Biogênese e abiogênese
Biogênese e abiogêneseBiogênese e abiogênese
Biogênese e abiogênese
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficial
 
Aula Introdução à Citologia
Aula Introdução à CitologiaAula Introdução à Citologia
Aula Introdução à Citologia
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
 
Introducao histologia
Introducao histologia Introducao histologia
Introducao histologia
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Embriologia slides
Embriologia  slidesEmbriologia  slides
Embriologia slides
 
Apresentação bactérias
Apresentação bactériasApresentação bactérias
Apresentação bactérias
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
 
Reino protista algas
Reino protista   algasReino protista   algas
Reino protista algas
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Metabolismo Energético
Metabolismo EnergéticoMetabolismo Energético
Metabolismo Energético
 
Classificação biológica
Classificação biológicaClassificação biológica
Classificação biológica
 

Semelhante a Reprodução assexuada e embriologia

Semelhante a Reprodução assexuada e embriologia (20)

Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Apresentação de biologia
Apresentação de biologiaApresentação de biologia
Apresentação de biologia
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
M2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animalM2 de biologia embriologia animal
M2 de biologia embriologia animal
 
Desenvolvimentoembrionario 121103093615-phpapp02
Desenvolvimentoembrionario 121103093615-phpapp02Desenvolvimentoembrionario 121103093615-phpapp02
Desenvolvimentoembrionario 121103093615-phpapp02
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia geral
Embriologia geralEmbriologia geral
Embriologia geral
 
embriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxembriologia animal.pptx
embriologia animal.pptx
 
Embriologia cic damas
Embriologia cic damasEmbriologia cic damas
Embriologia cic damas
 
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
Aula4embriologia 150510143838-lva1-app6892
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Aula14 embriologia
Aula14 embriologiaAula14 embriologia
Aula14 embriologia
 
2 s reino metazoa embrio 2015 para postar
2 s  reino metazoa  embrio 2015 para postar2 s  reino metazoa  embrio 2015 para postar
2 s reino metazoa embrio 2015 para postar
 
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfdesenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
 

Mais de Bio

Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Bio
 
Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)Bio
 
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power PointSistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power PointBio
 
Excreção - Aula em Power Point
Excreção - Aula em Power PointExcreção - Aula em Power Point
Excreção - Aula em Power PointBio
 
Bioquímica Celular
Bioquímica CelularBioquímica Celular
Bioquímica CelularBio
 
Bioquímica Celular 2 - Proteínas
Bioquímica Celular 2 - ProteínasBioquímica Celular 2 - Proteínas
Bioquímica Celular 2 - ProteínasBio
 
Dicas para o Vestibular - 1ª Parte
Dicas para o Vestibular - 1ª ParteDicas para o Vestibular - 1ª Parte
Dicas para o Vestibular - 1ª ParteBio
 
Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)Bio
 
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)Bio
 
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)Bio
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Bio
 
Citogenética (Po
Citogenética (PoCitogenética (Po
Citogenética (PoBio
 
Citogenética
CitogenéticaCitogenética
CitogenéticaBio
 
Filo Moluscos (Aula Power Point)
Filo Moluscos (Aula Power Point)Filo Moluscos (Aula Power Point)
Filo Moluscos (Aula Power Point)Bio
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Bio
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Bio
 
Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )Bio
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Bio
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Bio
 
Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Bio
 

Mais de Bio (20)

Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
 
Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)
 
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power PointSistema Nervoso - Aula em Power Point
Sistema Nervoso - Aula em Power Point
 
Excreção - Aula em Power Point
Excreção - Aula em Power PointExcreção - Aula em Power Point
Excreção - Aula em Power Point
 
Bioquímica Celular
Bioquímica CelularBioquímica Celular
Bioquímica Celular
 
Bioquímica Celular 2 - Proteínas
Bioquímica Celular 2 - ProteínasBioquímica Celular 2 - Proteínas
Bioquímica Celular 2 - Proteínas
 
Dicas para o Vestibular - 1ª Parte
Dicas para o Vestibular - 1ª ParteDicas para o Vestibular - 1ª Parte
Dicas para o Vestibular - 1ª Parte
 
Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)Filo Cordados (Power Point)
Filo Cordados (Power Point)
 
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
Aula: Sistema Endócrino (Power Point)
 
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
Aula: Hormônios vegetais (Power Point)
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Citogenética (Po
Citogenética (PoCitogenética (Po
Citogenética (Po
 
Citogenética
CitogenéticaCitogenética
Citogenética
 
Filo Moluscos (Aula Power Point)
Filo Moluscos (Aula Power Point)Filo Moluscos (Aula Power Point)
Filo Moluscos (Aula Power Point)
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
 
Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1
 

Último

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 

Reprodução assexuada e embriologia

  • 1. REPRODUÇÃO & EMBRIOLOGIA PROFESSOR VASCO
  • 2. REPRODUÇÃO ASSEXUADA • Participação de apenas um indivíduo. • Formação de novos indivíduos ocorre por mitoses sucessivas, originando seres geneticamente idênticos (clones ).
  • 3. Exemplos de processos de reprodução assexuada DBS ( BIPARTIÇÃO ou CISSIPARIDADE ) Comum em seres unicelulares. Um indivíduo se divide originando dois novos seres geneticamente iguais. LACERAÇÃO ( FISSÃO ou FRAGMENTAÇÃO ) O ser fragmenta o próprio corpo onde cada pedaço formará um novo ser. Ex.: Poríferos, Cnidários, Vermes, Equinodermos.
  • 4. Laceração seguida de regeneração em Planárias
  • 5. BROTAMENTO (GEMIPARIDADE) Em uma parte do corpo forma-se um broto, por mitoses sucessivas, que pode se destacar e formar um novo ser independente ou pode se desenvolver aderido ao corpo do ser de origem, formando uma colônia. Ex.: Poríferos , Cnidários.
  • 6. ESTROBILIZAÇÃO (ESTROBILAÇÃO) • Ocorre um processo de fragmentação do corpo do ser em vários segmentos , sendo o corpo denominado estróbilo. • Ex.: Platelmintos ( Tênias), Cnidários. • Em cnidários, cada segmento formado é denominado ÉFIRA ( forma jovem) que, ao se destacar, forma um cnidário adulto.
  • 7. PARTENOGÊNESE • Desenvolvimento do óvulo sem ter sido fecundado pelo espermatozóide, não havendo, portanto, mistura de genes de dois gametas diferentes. Ex.: Insetos (abelhas, pulgões), vermes, crustáceos ( pulga-d água), algumas espécies de peixes e anfíbios.
  • 8. OBSERVAÇÃO  A partenogênese nas abelhas produz o zangão, sendo as fêmeas produzidas por fecundação.  A partenogênese pode ser: Haplóide: os indivíduos surgem de óvulos haplóides. Ex.: zangão e pulga-d`água. Diplóide: quando o óvulo é produzido por mitose ou por duplicação cromossomial (tetraploidia). Ex.: Alguns insetos e lagartos.  Porém, a partenogênese diplóide também pode ocorrer por fusão do óvulo com o segundo glóbulo polar. Ex.: algumas espécies de Drosophila.
  • 9. TIPOS DE PARTENOGÊNESE  ARRENÓTOCA ( ARRENO= MACHO; TOCO=PARTO ) Produz apenas machos. Ex.: abelhas  TELÍTOCA ( TELE= FÊMEA ) Produz apenas fêmeas. Ex.: pulgão-das-videiras, durante a primavera e verão.  DEUTERÓTOCA Produz machos e fêmeas. Ex.: ocorre no outono com o pulgão-das-videiras.
  • 10. REPRODUÇÃO SEXUADA • É caracterizada pela troca de material genético entre os indivíduos, através da fusão gamética ( células haplóides ), formando uma célula diplóide. • Promove maior variabilidade genética, levando a maior taxa de sobrevivência nas espécies. Isso é devido a dois processos: -Crossing-over -Distribuição independente dos cromossomos
  • 11. GAMETAS • De acordo com a forma e tamanho, podem ser: • Tamanho e forma semelhantes : ISOGAMIA • Tamanho e forma diferentes : HETEROGAMIA
  • 12. FECUNDAÇÃO Pode ser: • Externa: fusão gamética fora do organismo. • Interna: fusão gamética ocorre no interior do organismo. • Cruzada: presente em organismos hermafroditas onde um ser atua como macho e outro como fêmea. • A fecundação cruzada pode ser recíproca ou mútua, onde os dois seres envolvidos atuam, ao mesmo tempo, como macho e outro como fêmea, doando e recebendo espermatozoides.
  • 13. REPRODUÇÃO ASSEXUADA VANTAGENS DESVANTAGENS - FORMAÇÃO DE CLONES - VARIABILIDADE GENÉTICAPRATICAMENTE NULA - TODOS PODEM ORIGINAR DESCENDENTES - DIFÍCIL ADAPTAÇÃO A ALTERAÇÕES AMBIENTAIS - RÁPIDA PRODUÇÃO DE DESCENDENTES COM BAIXO NÃO FAVORECE A EVOLUÇÃO DAS DISPÊNDIO DE ENERGIA ESPÉCIES FORMAÇÃO DE COLÔNIAS A PARTIR DE UM ÚNICO SER REPRODUÇÃO SEXUADA VANTAGENS DESVANTAGENS - MAIOR VARIABILIDADE GENÉTICA - PROCESSO LENTO - MAIOR CAPACIDADE DE - GRANDE GASTO DE ENERGIA NA SOBREVIVÊNCIA EM OCORRÊNCIA FORMAÇÃO DE GAMETAS E NOS DE MUDANÇAS AMBIENTAIS E PROCESSOS QUE RESULTAM NA CLIMÁTICAS FECUNDAÇÃO - FAVORECE A EVOLUÇÃO NAS ESPÉCIES
  • 14. FORMAÇÃO DO EMBRIÃO • Fecundação; • Segmentação ou Clivagem; • Blastulação; • Gastrulação; • Neurulação.
  • 15. Clivagem • A partir da primeira divisão mitótica, inicia-se o desenvolvimento embrionário; • Formação de blastômeros; • Formação da mórula (bola maciça de células) • O vitelo é uma proteína encontrada no ovo e tem a função de nutrir o embrião; • Zigoto: Pólo vegetativo: muito vitelo (dificulta a divisão); Pólo animal: pouco vitelo (facilita a divisão).
  • 16. Classificação dos ovos • Isolécito ou Oligolécito – Possui pouco vitelo, homogênea ou quase homogeneamente distribuído pelo citoplasma. Ocorrência: Mamíferos (menos os MONOTREMADOS). • Heterolécito ou Mediolécito – Muito vitelo. Distinção entre pólo animal, que contém o núcleo, e o pólo vegetativo, que contém o vitelo. Ocorrência: Peixes (alguns) e anfíbios • Telolécito – óvulos grandes, com muito vitelo no pólo vegetativo. Nítida separação entre o citoplasma e o vitelo no pólo animal. Ocorrência: Peixes (alguns), répteis e aves. • Centrolécito – Vitelo ocupa praticamente toda a célula e não se mistura com citoplasma, que reduzido a uma pequena região na periferia da célula e junto ao núcleo. Ocorrência: Artrópodes
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. BLÁSTULA • Surgimento de um líquido interno no centro da massa celular. • Cavidade interna = Blastocele
  • 21. GÁSTRULA • Formação dos folhetos embrionários; • Formação do arquêntero; ( intestino primitivo) • Formação do blastóporo ( abertura do arquêntero): PROTOSTÔMIOS: blastóporo origina a boca primeiro; DEUTEROSTÔMIOS: blastóporo origina o ânus primeiro.
  • 22. FOLHETOS EMBRIONÁRIOS OU GERMINATIVOS • ECTODERME • MESODERME • ENDODERME
  • 23. CLASSIFICAÇÃO DOS ANIMAIS QUANTO AO CELOMA • ACELOMADOS Não formam celoma. Ex.: Platelmintos • PSEUDOCELOMADOS Cavidade embrionária é revestida parcialmente por mesoderme e por endoderme. Ex.: Nematelmintos • CELOMADOS Cavidade embrionária totalmente revestida por mesoderme. Ex.: Anelídeos, Moluscos, Equinodermas, Cordados.
  • 24. CLASSIFICACAÇÃO DOS ANIMAIS QUANTO AO CELOMA
  • 25.
  • 26. NEURULA • É a fase de formação do tubo neural
  • 27. DESTINO DOS FOLHETOS GERMINATIVOS Ectoderma: - Epiderme e anexos cutâneos (pelos e glândulas mucosas); - Todas as estruturas do sistema nervoso (encéfalo, nervos, gânglios nervosos e medula espinhal); - epitélio de revestimento das cavidades nasais, bucal e anal. Mesoderma: - Forma a camada interna da pele (derme). - Músculos lisos e esqueléticos; - Sistema circulatório (coração, vasos sanguíneos, tecido linfático, tecido conjuntivo); - Sistema esquelético (ossos e cartilagem); - Sistema excretor e reprodutor (órgãos genitais, rins, uretra, bexiga e gônadas). Endoderma: - Epitélio de revestimento e glândulas do trato digestivo, com exceção da cavidade oral e anal; - Sistema respiratório (pulmão); - Fígado e pâncreas.
  • 28. ANEXOS EMBRIONÁRIOS • Os anexos embrionários são estruturas que se originam dos folhetos germinativos e que, entre outras funções, protegem e nutrem o embrião. Eles desaparecem durante o desenvolvimento e não estão presentes nos adultos: Saco vitelínico Alantoide Âmnio Córion Placenta
  • 29.
  • 30. Saco vitelínico • Presente nos peixes, répteis, aves e mamíferos. É uma estrutura em forma de saco, revestida externamente pela mesoderme e, internamente, pela endoderme. • Sua principal função é armazenar reservas nutritivas durante o desenvolvimento do embrião. • Nos mamíferos esse anexo é reduzido, pois a placenta assume a função de nutrição do embrião Alevino apresentando saco vitelínico
  • 31. Alantoide • Ocorre nos répteis, aves e mamíferos. É uma estrutura em forma de saco ou vesícula, ligada a parte posterior do intestino do embrião. Assim como o saco vitelínico, o alantoide é formado pela mesoderme e endoderme. • Sua principal função é remover e armazenar excretas produzidas pelo metabolismo do embrião. • Nos embriões dos répteis e aves, o alantóide apresenta também função de extrair o cálcio da casca do ovo, que será utilizado na formação do esqueleto. A descalcificação da casca facilita seu rompimento no momento da eclosão do filhote.
  • 32. Âmnio • Presente nos répteis, nas aves e nos mamíferos. É uma fina membrana, formada pela ectoderme e a mesoderme, que envolve o embrião delimitando uma cavidade preenchida pelo líquido amniótico. • O líquido amniótico evita o ressecamento do embrião e o protege contra choques mecânicos. • O âmnio surge pela primeira vez nos répteis e é uma importante adaptação à vida no meio terrestre. Isso porque protege o embrião da dessecação e torna a reprodução independente da presença de água.
  • 33. OBSERVAÇÃO • Os répteis, as aves e os mamíferos são amniotas e alantoidianos, por formarem âmnion e alantóide, respectivamente. Os peixes e os anfíbios são anamniotas e analantoidianos, por não formarem âmnion nem alantóide.
  • 34. Córion • Ocorre nos répteis, aves e mamíferos. Membrana formada, assim como o âmnio, pela ectoderme e a mesoderme. • É o anexo mais externo; envolve e protege os demais anexos. Em répteis e aves, o córion se une ao alantóide, formando o alantocórion. O alantocórion fornece proteção e realiza trocas gasosas entre o embrião e o meio externo. • Nos mamíferos, o córion se une ao alantóide formando a placenta.
  • 35. Placenta • Ocorre apenas nos mamíferos e é formada pela união do córion e alantoide, do embrião, mais o endométrio materno. Por ser formada pela união de anexos embrionários fetais mais tecidos maternos, muitos autores consideram a placenta como um órgão, e não como um anexo embrionário. • A placenta permite a fixação do embrião na parede do útero, realiza trocas gasosas entre o feto e o sangue materno, permite a passagem de nutrientes para o embrião e promove a retirada de excretas.
  • 36. Cordão umbilical • Origina-se a partir do pedúnculo embrionário. Procede como estrutura de comunicação entre o embrião e a placenta. Longo, mais ou menos cilíndrico, encerra três grossos vasos: uma veia (que conduz sangue arterial) e duas artérias (que conduz sangue venoso).
  • 37. SISTEMA REPRODUTOR HUMANO • Sistema Genital Masculino - Pênis: órgão reprodutor e excretor do organismo masculino, contendo em seu interior um ducto (a uretra) responsável pela eliminação da urina (excreta nitrogenada / ureia) e também condução do sêmen que contém os espermatozoides. Esse órgão é formado por tecido cavernoso e esponjoso, que se intumesce em razão da grande vascularização, de acordo com a libido do indivíduo em ocasião à reprodução, proporcionando a ereção deste órgão. - Bolsa escrotal: cavidade que aloja e protege os testículos, sendo responsável pela manutenção da temperatura adequada à fisiologia dos mesmos; - Testículos: são glândulas que, além de produzirem os gametas masculinos (espermatogênese) no interior dos túbulos seminíferos a partir de células germinativas primordiais, também possuem células intersticiais ( células de Leydig) que sintetizam a testosterona, hormônio sexual masculino;
  • 38. SISTEMA GENITAL MASCULINO (CONTINUAÇÃO) • - Epidídimo: ducto formado por um canal emaranhado que coleta, armazena e conduz os espermatozoides. Neste local os gametas atingem a maturidade e mobilidade, tornando-os aptos à fecundação; - Canal deferente: canal que transporta os espermatozoides do epidídimo até um complexo de glândulas anexas; - Glândulas anexas: conjunto formado pela próstata, vesículas seminais e glândulas bulbo uretrais, produzindo a secreção que compõem o sêmen, fluido que nutri e proporciona meio de sobrevivência aos espermatozoides, por exemplo, neutralizando o pH levemente ácido da uretra.
  • 39.
  • 40. Sistema Genital Feminino - Vulva ou pudendo: conjunto de estruturas que formam o aparelho reprodutor feminino externo (lábios vaginais, orifício da uretra, abertura da vagina e clitóris). - Lábios vaginais (Grandes e pequenos lábios): são dobras da pele formadas por tecido adiposo, sendo responsáveis pela proteção do aparelho reprodutor feminino. - Clitóris: órgão sensível e prazeroso do organismo feminino; - Vagina: canal que recebe o pênis durante o ato sexual, servindo também como conduto para eliminação do fluxo menstrual e concepção no momento do parto normal (canal que por ação hormonal se dilata para o nascimento de um bebê);
  • 41. SISTEMA GENITAL FEMININO (CONTINUAÇÃO) - Útero: órgão que recepciona o ovo / zigoto, proporcionando o seu desenvolvimento durante o período gestacional. Além de proteger o embrião contra choques mecânicos, também impede a transposição de impurezas e contaminação contra micro-organismos patogênicos, bem como auxilia a manutenção da nutrição (formação da placenta e cordão umbilical); - Tubas uterinas ou tropas de falópio: são ovidutos que possuem numerosos cílios em sua superfície interna, desempenhando a função de transportar o “óvulo” (ovócito secundário) do ovário até o útero. Normalmente é nas trompas que ocorre a fecundação, ou seja, o encontro do espermatozoide com o “óvulo”. - Ovários: são glândulas responsáveis pela ovulação periódica dos “óvulos”, de acordo com o ciclo menstrual feminino iniciado na puberdade, produzindo também os hormônios sexuais: estrógeno e progesterona.
  • 42.
  • 43. OBSERVAÇÃO GONADOTROFINA CORIÔNICA HUMANA (beta-HCG) • Hormônio produzido pelas células do sincíciotrofoblasto da placenta sendo indicativo positivo em testes de gravidez. • Ele é produzido após a fixação do embrião na parede do útero. É através da alta concentração desse hormônio no sangue e na urina que se consegue detectar uma gravidez.
  • 44. CICLO MENSTRUAL • 1º dia do ciclo à endométrio bem desenvolvido, espesso e vascularizado começa a descamar à menstruação • Hipófise aumenta a produção de FSH, que atinge a concentração máxima por volta do 7º dia do ciclo. • Amadurecimento dos folículos ovarianos
  • 45. • Secreção de estrógeno pelo folículo em desenvolvimento • Concentração alta de estrógeno inibe secreção de FSH e estimula a secreção de LH pela hipófise / concentração alta de estrógeno estimula ocrescimento do endométrio. • Concentração alta de LH estimula a ovulação (por volta do 14º dia de um ciclo de 28 dias)
  • 46. • Alta taxa de LH estimula a formação do corpo lúteo ou amarelo no folículo ovariano • Corpo lúteo inicia a produção de progesterona • Estimula as glândulas do endométrio a secretarem seus produtos
  • 47. • Aumento da progesterona inibe produção de LH e FSH • Corpo lúteo regride e reduz concentração de progesterona Menstruação