SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Baixar para ler offline
Embriologia
Placenta e membranas fetais
Prof. Raimundo Júnior
ZIGOTO
2 CÉLULAS
4 CÉLULAS
8 CÉLULAS
MÓRULA
BLASTOCISTO Corte através
do blastocisto
Blastocele
CLIVAGEM
Início da clivagem
Fertilização
do ovócito
Trompa
uterina
Ovócito
secundário
Ovulação
Ovário
Blastocisto
(implantado)
Endométrio
Útero
FECUNDAÇÃO E CLIVAGEM
ENDOMÉTRIO
Enbrioblasto ou
massa celular interna
Blastocele
Trofoblasto
O BLASTOCISTO
ENDOMÉTRIO
Futuro embrião
Futuro
saco vitelino
Sinciciotrofoblasto
Citotrofoblasto
CAVIDADE UTERINA
Vaso sangüíneo
(materno)
EMBRIÃO DIDÉRMICO
FORMAÇÃO DOS ANEXOS
EMBRIONÁRIOS (Animação)
• MEMBRANAS FETAIS (córion, âmnio, saco
vitelino, alantóide) e PLACENTA - separam o feto do
endométrio.
• FUNÇÃO:
– Proteção, respiração, nutrição, excreção, produção de
hormônios.
– Local de trocas de nutrientes e gases – mãe e feto
– Órgão maternofetal.
• Porção fetal – origina de parte do saco coriônico →
córion viloso.
• Porção materna – derivada do endométrio → decídua
basal.
• PLACENTA + CORDÃO UMBILICAL = sistema de
transporte.
• DECÍDUA - Camada funcional do endométrio gravídico. Do lat.
deciduus = que cai (separa do útero após parto).
Aumento dos níveis de progesterona → aumenta tecido conjuntivo do
endométrio → formar as células da decídua
• Apresenta 3 regiões:
– Decídua basal – situada mais distante do concepto, forma o componente
materno da placenta - invadida por vilosidades;
– Decídua capsular – parte superficial da decídua - recobre concepto;
– Decídua parietal – mucosa de revestimento remanescente no útero – parte
restante da decídua.
PLACENTA
• Origem: mista → cório viloso (fetal) e decídua basal
(materna).
• Funções:
- troca de gases;
- troca de nutrientes e de eletrólitos;
- transmissão de anticorpos maternos;
- produção de hormônios (p. ex, progesterona e estriol).
PLACENTA
• Parte Fetal – é formada pelo
córion.
• Consta de uma placa corial de onde
partem vilosidades coriônicos, que
são os vilos secundários. Essas
vilosidades são constituídos por
uma parte central conjuntiva,
derivada do mesênquima extra-
embrionário, e pelas camadas de
citotrofoblasto e de
sinciciotrofoblasto.
• O sinciotrofoblasto permanece até o
fim da gestação, mas citotrofoblasto
desaparece gradualmente durante a
segunda metade da gravidez.
PLACENTA
• Parte Materna – é a decídua
basal.
• Fornece sangue arterial para as
lacunas situadas entre as
vilosidades coriônicas
secundários e recebe de volta o
sangue tornado venoso nessas
lacunas.
• O sangue fetal e o materno não
se misturam a não ser em
proporção muito pequena e no
fim da gravidez.
Placenta
Alantóide
Saco
vitelino
Vasos sangüíneos
maternos
Cavidade
amniótica
Âmnio
Embrião
Córion
Vilosidades
coriônicas
PLACENTA
É composta por
uma parte fetal
e de uma parte
materna.
DESENVOLVIMENTO DA
PLACENTA
DESENVOLVIMENTO DA
PLACENTA
PLACENTA AO
NASCIMENTO
PLACENTA AO
NASCIMENTO
• Placenta (do grego plakus, bolo
achatado) tem forma discóide.
• Tem diâmetro entre 15 e 20 cm
e espessura de 2 a 3 cm.
• Pesa entre 500 e 600 g,
correspondendo usualmente 1/6
do peso do feto.
• As margens da placenta são
contínua com os sacos
amniótico e coriônico rompidos.
CIRCULAÇÃO
PLACENTÁRIA MATERNA
MEMBRANA PLACENTÁRIA
Consiste em tecidos extrafetais, que separam o sangue
materno do fetal. Até a 20ª semana é formada por 4
componentes:
• Sinciciotrofoblasto
• Citotrofoblasto (desaparece após a 20ª semana)
• Tecido conjuntivo das vilosidades
• Endotélio dos capilares fetais
MEMBRANA PLACENTÁRIA
Após a 20ª semana
TRANSFERÊNCIA ATRAVÉS
MEMBRANA PLACENTÁRIA
SACO VITELINO
• Origem: cavidade blastocística ⇒ cavidade exocelômica ⇒
saco vitelino primário ⇒ saco vitelino secundário.
• Funções: Transferência de nutrientes para o embrião
durante a 2ª e 3ª semanas, período em que a circulação
uteroplacentária ainda não está formada; hematopoese (da
3ª a 6ª semana); formação do intestino primitivo; contribui
para a formação das células germinativas primordiais.
• Destino: atrofia-se com o avanço da gravidez, ficando
finalmente muito pequeno a partir da 10ª semana de
gestação.
Mesoderma
extra-embrionário
Cavidade
amniótica
Âmnio
Córion
Saco vitelino
SACO VITELINO
ÂMNIO
• O âmnio forma um saco
membranoso cheio de
líquido que envolve o
embrião e posteriormente
o feto.
• Ele também reveste o
cordão umbilical.
ÂMNIO E LÍQUIDO
AMNIÓTICO
• Origem: Surge entre o embrioblasto e o trofoblasto no pólo
embrionário.
• Funções do Líquido Amniótico: proteção contra choques
mecânicos, desidratação e manutenção da temperatura; permite
o crescimento externo simétrico do embrião; permite que o feto
se mova livremente, contribuindo assim para o desenvolvimento
muscular (p. ex., músculos dos membros); age como uma
barreira contra infecções; permite o desenvolvimento normal
dos pulmões fetais; impede a aderência entre o embrião e o
âmnio.
COMPOSIÇÃO DO
LÍQUIDO AMNIÓTICO
• O líquido amniótico é
proveniente:
– inicialmente células amnióticas,
líquido tecidual materno, espaço
interviloso da placenta, trato
respiratório fetal. Na 11ª semana o
feto contribui para o líquido
amniótico expelindo urina
expelida na cavidade amniótica.
• VOLUME aumenta
lentamente:
– 10 semanas: 30 ml. 20 semanas:
350 ml. 37 semanas: 700 a 1.000
ml.
COMPOSIÇÃO DO
LÍQUIDO AMNIÓTICO
• LÍQUIDO é deglutido pelo feto ⇒
absorvido pelos tratos respiratórios e
digestivo.
• Depois vai para corrente sanguínea
fetal e produtos de excreção nele
contido cruzam a membrana
placentária ⇒ e entram no sangue
materno no espaço interviloso.
• COMPOSIÇÃO: 99% ÁGUA, 0,5%
PROTEÍNAS, 0,5%
CARBOIDRATOS, GORDURAS,
ENZIMAS, HORMÔNIOS.
CRESCIMENTO DO ÂMNIO
A
B
C
D
POLIIDRÂMNIO E
OLGOIDRÂMNIO
• Poliidrâmnio: Volume
maior de 2.000ml; é
caudado pela incapacidade
do feto em engolir ou
absorver normalmente o
líquido amniótico.
• Oligoidrâmnio: Volume
menor de 400ml; resulta, na
maioria dos casos, de
insuficiência placentária com
fluxo sangüíneo placentário
diminuído.
Excesso de
líquido amniótico
ao redor do feto
Córion
Âmnio
Alantóide
Saco
vitelino
Vilosidades
coriônicas
EMBRIÃO:
Ectoderma
Mesoderma
Endoderma
ALANTÓIDE
Divertículo da
parede caudal do
saco vitelino.
ALANTÓIDE
• Origem: o alantóide (do gr. allos, salsicha) surge por volta do
16º dia, como um pequeno divertículo (evaginação), a partir da
parede caudal do saco vitelino.
• Funções: função respiratória e/ou atua como reservatório de
urina durante a vida embrionária nos répteis, aves e alguns
mamíferos; mantém-se muito pequeno em embriões humanos,
mas está envolvido com o início da formação do sangue e se
associa ao desenvolvimento da bexiga urinária (ligamento
umbilical médio).
• Destino: os vasos sangüíneos do alantóide vão se tornar as
veias e artérias umbilicais.
DESENVOLVIMENTO E
DESTINO DO ALANTÓIDE
FORMAÇÃO DE GÊMEOS
Gêmeos dizigóticos Gêmeos monozigóticos
Âmnios, córions e
Placentas separados
Âmnios separados,
córion e placenta comum
Âmnio, córion e
placenta comum
Divisão da massa celular
interna em dois grupos em
um estádio precoce
Divisão da massa celular
interna em dois grupos em
um estádio tardio
Divisão ocorre
no estádio de 2
células
ESTRÓGENO OXITOCINA
dos
ovários
Do feto
e hipófise
Induz receptores de
oxitocina no útero
Estimula as
contrações uterinas
Estimula a
placenta a produzir
PROSTAGLANDINAS
Estimula mais
contrações uterinas
FeedbackPositivo
TRABALHO DE PARTO
Dilatação da cérvix1
Placenta
Cordão
umbilical
Útero
Cérvix
ESTÁGIOS DO TRABALHO
DE PARTO (I)
O primeiro estágio (estágio
da dilatação)
- Dura cerca de 7 hs (multípasas)
a 12 hs (nulíparas).
- Compreende a dilatação
completa do cérvix.
- Contrações regulares do útero
(menos de 10 min. de intervalo
entre uma e outra contração
dolorosa).
Expulsão: nascimento da criança2
ESTÁGIOS DO TRABALHO
DE PARTO (II)
O segundo estágio (estágio da
expulsão)
- Dura cerca de 20 minutos
(multíparas) a 50 minutos
(nulíparas).
- Compreende a passagem do feto
pela vagina e o nascimento deste.
- As contrações uterinas recomeçam
pouco depois do bebê ter nascido.
Expulsão da placenta3
Cordão
umbilical
Útero
Placenta
(parcialmente
destacada)
ESTÁGIOS DO TRABALHO
DE PARTO (III)
O terceiro estágio (estágio da
placenta)
- Duração em média de 15 minutos.
- Inicia-se tão logo o bebê tenha
nascido e termina com a expulsão
da placenta e membranas.
- A retração do útero reduz a área de
inserção da placenta; assim, a
placenta e as membranas fetais
separam-se da parede uterina e são
expelidas pela vagina.
CORDÃO UMBILICAL
• Origem: parede do âmnio, saco vitelino e alantóide.
• Função: ligar a placenta ao embrião.
• Estrutura: 2 artérias e 1 veia protegidas pela gelatina de
Wharton (tecido mucoso).
CORDÃO UMBILICAL
• Está inserido geralmente próximo
ao centro da superfície fetal da
placenta.
• O cordão umbilical tem, quase
sempre, um diâmetro de 1 a 2 cm e
um comprimento que varia entre 30
e 90 cm (55 cm em média).
• Cordões excessivamente longos ou
curtos são raros.
• O s cordões longos têm a tendência
de sofrer prolapso e/ou a se enrolar
em volta do feto.
Placenta e membranas cap08

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoGabriel Resende
 
Sistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaSistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaMarília Gomes
 
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoMarcia Regina
 
Seminário do sistema reprodutor feminino - Histologia
Seminário do sistema reprodutor feminino - HistologiaSeminário do sistema reprodutor feminino - Histologia
Seminário do sistema reprodutor feminino - HistologiaPatrícia Oliver
 
Quarta à oitava semana
Quarta à oitava semanaQuarta à oitava semana
Quarta à oitava semanaJoão Monteiro
 
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoFecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoCatir
 
Aula 02.2 Fisiologia da Mama
Aula 02.2   Fisiologia da MamaAula 02.2   Fisiologia da Mama
Aula 02.2 Fisiologia da MamaHamilton Nobrega
 
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 080902 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809Teresa Monteiro
 
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologiaAula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestaçãoAlinebrauna Brauna
 
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)Lucas Fontes
 
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularFisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularHerbert Santana
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficialDaiane Costa
 

Mais procurados (20)

Aula gametogênese
Aula gametogêneseAula gametogênese
Aula gametogênese
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor Feminino
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
Desenvolvimento embrionario
Desenvolvimento embrionarioDesenvolvimento embrionario
Desenvolvimento embrionario
 
Sistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaSistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humana
 
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital Masculino
 
Seminário do sistema reprodutor feminino - Histologia
Seminário do sistema reprodutor feminino - HistologiaSeminário do sistema reprodutor feminino - Histologia
Seminário do sistema reprodutor feminino - Histologia
 
Quarta à oitava semana
Quarta à oitava semanaQuarta à oitava semana
Quarta à oitava semana
 
Aula sistema reprodutor
Aula sistema reprodutorAula sistema reprodutor
Aula sistema reprodutor
 
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e partoFecundação, desenvolvimento embrionário e parto
Fecundação, desenvolvimento embrionário e parto
 
Aula 02.2 Fisiologia da Mama
Aula 02.2   Fisiologia da MamaAula 02.2   Fisiologia da Mama
Aula 02.2 Fisiologia da Mama
 
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 080902 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
 
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologiaAula 12   sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
Aula 12 sistema reprodutor masculino e feminino - anatomia e fisiologia
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
 
Tecido óSseo
Tecido óSseoTecido óSseo
Tecido óSseo
 
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularFisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
 
SaúDe Da Mulher
SaúDe Da MulherSaúDe Da Mulher
SaúDe Da Mulher
 
Introdução a embriologia aula oficial
Introdução a embriologia aula  oficialIntrodução a embriologia aula  oficial
Introdução a embriologia aula oficial
 

Destaque

Reprodução%20 humana[1]
Reprodução%20 humana[1]Reprodução%20 humana[1]
Reprodução%20 humana[1]Joao Ferreira
 
Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011UNISUL
 
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesIntercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesJuan Figueiredo
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetalluandrade
 
Congresso Faro 2006 GlicéRia Gil
Congresso Faro 2006 GlicéRia GilCongresso Faro 2006 GlicéRia Gil
Congresso Faro 2006 GlicéRia GilGlicéria Gil
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humanaanarita2
 
O desenvolvimento auditivo na fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na  fase pré natalO desenvolvimento auditivo na  fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na fase pré natalSilvia Marina Anaruma
 
Fecundação e Embriologia
Fecundação e EmbriologiaFecundação e Embriologia
Fecundação e EmbriologiaCarolina Nunes
 
Sistema Reprodutor Humano
Sistema Reprodutor HumanoSistema Reprodutor Humano
Sistema Reprodutor HumanoEquipe Bio
 
Caderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitadoCaderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitadoRafaela Rezende
 
Aula gastrulação
Aula gastrulaçãoAula gastrulação
Aula gastrulaçãoPedro Lopes
 
SGS Transports & Industrials Conference March 22 2017
SGS Transports & Industrials Conference March 22 2017 SGS Transports & Industrials Conference March 22 2017
SGS Transports & Industrials Conference March 22 2017 ManitowocCompany
 

Destaque (20)

Reprodução%20 humana[1]
Reprodução%20 humana[1]Reprodução%20 humana[1]
Reprodução%20 humana[1]
 
22 Placenta E Membranas Fetais
22 Placenta E Membranas Fetais22 Placenta E Membranas Fetais
22 Placenta E Membranas Fetais
 
Xipofagos
XipofagosXipofagos
Xipofagos
 
Seminário embriologia
Seminário embriologiaSeminário embriologia
Seminário embriologia
 
Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011Etapas do desenvolvimento pré natal2011
Etapas do desenvolvimento pré natal2011
 
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentesIntercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
Intercorrências clínicas e obstétricas mais frequentes
 
Sistema reprodutor
Sistema reprodutorSistema reprodutor
Sistema reprodutor
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
 
Reproduçao humana
Reproduçao humanaReproduçao humana
Reproduçao humana
 
Congresso Faro 2006 GlicéRia Gil
Congresso Faro 2006 GlicéRia GilCongresso Faro 2006 GlicéRia Gil
Congresso Faro 2006 GlicéRia Gil
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
O desenvolvimento auditivo na fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na  fase pré natalO desenvolvimento auditivo na  fase pré natal
O desenvolvimento auditivo na fase pré natal
 
Placenta
Placenta Placenta
Placenta
 
Fecundação e Embriologia
Fecundação e EmbriologiaFecundação e Embriologia
Fecundação e Embriologia
 
Sistema Reprodutor Humano
Sistema Reprodutor HumanoSistema Reprodutor Humano
Sistema Reprodutor Humano
 
Caderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitadoCaderno de obstetricia digitado
Caderno de obstetricia digitado
 
Aula gastrulação
Aula gastrulaçãoAula gastrulação
Aula gastrulação
 
SGS Transports & Industrials Conference March 22 2017
SGS Transports & Industrials Conference March 22 2017 SGS Transports & Industrials Conference March 22 2017
SGS Transports & Industrials Conference March 22 2017
 
Ppt reprodução
Ppt   reproduçãoPpt   reprodução
Ppt reprodução
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 

Semelhante a Placenta e membranas cap08

Semelhante a Placenta e membranas cap08 (20)

3 placenta
3 placenta3 placenta
3 placenta
 
Embriologia valendo
Embriologia valendoEmbriologia valendo
Embriologia valendo
 
76
7676
76
 
Obstetricia
ObstetriciaObstetricia
Obstetricia
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 
4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx
 
sistema reprodutor
sistema reprodutorsistema reprodutor
sistema reprodutor
 
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento  EmbrionárioMorfo I - Desenvolvimento  Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
 
Reprodução humana neuza grupo 3
Reprodução humana  neuza  grupo 3Reprodução humana  neuza  grupo 3
Reprodução humana neuza grupo 3
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
úTero
úTeroúTero
úTero
 
Anexos+em..
Anexos+em..Anexos+em..
Anexos+em..
 
02 aula sISTEMA REPRODUTOR FEMONINO.pptx
02 aula sISTEMA REPRODUTOR FEMONINO.pptx02 aula sISTEMA REPRODUTOR FEMONINO.pptx
02 aula sISTEMA REPRODUTOR FEMONINO.pptx
 
Reprodução2
Reprodução2Reprodução2
Reprodução2
 
AULA 12-Embriologia.pdf
AULA 12-Embriologia.pdfAULA 12-Embriologia.pdf
AULA 12-Embriologia.pdf
 
2° e 3° semana desenvolv. embrionário.docx
2° e 3° semana desenvolv. embrionário.docx2° e 3° semana desenvolv. embrionário.docx
2° e 3° semana desenvolv. embrionário.docx
 
Fisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamariaFisiologia da glândula mamaria
Fisiologia da glândula mamaria
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
 
Orgão reprodutor feminino
Orgão reprodutor femininoOrgão reprodutor feminino
Orgão reprodutor feminino
 
Cap 19 emerg_obstetricas
Cap 19 emerg_obstetricasCap 19 emerg_obstetricas
Cap 19 emerg_obstetricas
 

Mais de João Monteiro

Aula - Pesca predatória e os impactos ambientais
Aula - Pesca predatória e os impactos ambientaisAula - Pesca predatória e os impactos ambientais
Aula - Pesca predatória e os impactos ambientaisJoão Monteiro
 
Aula I - Introdução á genética de populações
Aula I - Introdução á genética de populaçõesAula I - Introdução á genética de populações
Aula I - Introdução á genética de populaçõesJoão Monteiro
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células João Monteiro
 
Aula 4 Cálculo III Integral de linha :)
Aula 4   Cálculo III Integral de linha :)Aula 4   Cálculo III Integral de linha :)
Aula 4 Cálculo III Integral de linha :)João Monteiro
 
Apostila de História e introdução á logística
Apostila de História e introdução á logísticaApostila de História e introdução á logística
Apostila de História e introdução á logísticaJoão Monteiro
 
Física II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de FluidosFísica II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de FluidosJoão Monteiro
 
Classificação e reprodução
Classificação e reproduçãoClassificação e reprodução
Classificação e reproduçãoJoão Monteiro
 
Importância dos fungos
Importância dos fungosImportância dos fungos
Importância dos fungosJoão Monteiro
 
Introdução à micologia
Introdução à micologiaIntrodução à micologia
Introdução à micologiaJoão Monteiro
 
Nona semana ao nascimento
Nona semana ao nascimentoNona semana ao nascimento
Nona semana ao nascimentoJoão Monteiro
 
Terceira semana gastrulação
Terceira semana gastrulaçãoTerceira semana gastrulação
Terceira semana gastrulaçãoJoão Monteiro
 
Primeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanasPrimeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanasJoão Monteiro
 
Livro Introdução à ecologia comportamental
Livro Introdução à ecologia comportamentalLivro Introdução à ecologia comportamental
Livro Introdução à ecologia comportamentalJoão Monteiro
 
Introdução á paleontologia
Introdução á paleontologiaIntrodução á paleontologia
Introdução á paleontologiaJoão Monteiro
 
Biologia vegetal raven_5ªed
Biologia vegetal raven_5ªedBiologia vegetal raven_5ªed
Biologia vegetal raven_5ªedJoão Monteiro
 
As placas tectônicas
As placas tectônicas As placas tectônicas
As placas tectônicas João Monteiro
 

Mais de João Monteiro (20)

Aula - Pesca predatória e os impactos ambientais
Aula - Pesca predatória e os impactos ambientaisAula - Pesca predatória e os impactos ambientais
Aula - Pesca predatória e os impactos ambientais
 
Aula I - Introdução á genética de populações
Aula I - Introdução á genética de populaçõesAula I - Introdução á genética de populações
Aula I - Introdução á genética de populações
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
 
Física - Cinemática
Física - CinemáticaFísica - Cinemática
Física - Cinemática
 
Aula 4 Cálculo III Integral de linha :)
Aula 4   Cálculo III Integral de linha :)Aula 4   Cálculo III Integral de linha :)
Aula 4 Cálculo III Integral de linha :)
 
Apostila de História e introdução á logística
Apostila de História e introdução á logísticaApostila de História e introdução á logística
Apostila de História e introdução á logística
 
Física II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de FluidosFísica II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de Fluidos
 
Consumismo x lixo
Consumismo x lixo Consumismo x lixo
Consumismo x lixo
 
Micologia médica
Micologia médica Micologia médica
Micologia médica
 
Classificação e reprodução
Classificação e reproduçãoClassificação e reprodução
Classificação e reprodução
 
Importância dos fungos
Importância dos fungosImportância dos fungos
Importância dos fungos
 
Introdução à micologia
Introdução à micologiaIntrodução à micologia
Introdução à micologia
 
Nona semana ao nascimento
Nona semana ao nascimentoNona semana ao nascimento
Nona semana ao nascimento
 
Terceira semana gastrulação
Terceira semana gastrulaçãoTerceira semana gastrulação
Terceira semana gastrulação
 
Primeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanasPrimeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanas
 
Livro Introdução à ecologia comportamental
Livro Introdução à ecologia comportamentalLivro Introdução à ecologia comportamental
Livro Introdução à ecologia comportamental
 
Genetica forense
Genetica forense Genetica forense
Genetica forense
 
Introdução á paleontologia
Introdução á paleontologiaIntrodução á paleontologia
Introdução á paleontologia
 
Biologia vegetal raven_5ªed
Biologia vegetal raven_5ªedBiologia vegetal raven_5ªed
Biologia vegetal raven_5ªed
 
As placas tectônicas
As placas tectônicas As placas tectônicas
As placas tectônicas
 

Último

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdflbgsouza
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarDouglasVasconcelosMa
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 

Placenta e membranas cap08

  • 1. Embriologia Placenta e membranas fetais Prof. Raimundo Júnior
  • 2. ZIGOTO 2 CÉLULAS 4 CÉLULAS 8 CÉLULAS MÓRULA BLASTOCISTO Corte através do blastocisto Blastocele CLIVAGEM
  • 3. Início da clivagem Fertilização do ovócito Trompa uterina Ovócito secundário Ovulação Ovário Blastocisto (implantado) Endométrio Útero FECUNDAÇÃO E CLIVAGEM
  • 4. ENDOMÉTRIO Enbrioblasto ou massa celular interna Blastocele Trofoblasto O BLASTOCISTO
  • 7. • MEMBRANAS FETAIS (córion, âmnio, saco vitelino, alantóide) e PLACENTA - separam o feto do endométrio. • FUNÇÃO: – Proteção, respiração, nutrição, excreção, produção de hormônios. – Local de trocas de nutrientes e gases – mãe e feto – Órgão maternofetal. • Porção fetal – origina de parte do saco coriônico → córion viloso. • Porção materna – derivada do endométrio → decídua basal. • PLACENTA + CORDÃO UMBILICAL = sistema de transporte.
  • 8. • DECÍDUA - Camada funcional do endométrio gravídico. Do lat. deciduus = que cai (separa do útero após parto). Aumento dos níveis de progesterona → aumenta tecido conjuntivo do endométrio → formar as células da decídua • Apresenta 3 regiões: – Decídua basal – situada mais distante do concepto, forma o componente materno da placenta - invadida por vilosidades; – Decídua capsular – parte superficial da decídua - recobre concepto; – Decídua parietal – mucosa de revestimento remanescente no útero – parte restante da decídua.
  • 9. PLACENTA • Origem: mista → cório viloso (fetal) e decídua basal (materna). • Funções: - troca de gases; - troca de nutrientes e de eletrólitos; - transmissão de anticorpos maternos; - produção de hormônios (p. ex, progesterona e estriol).
  • 10. PLACENTA • Parte Fetal – é formada pelo córion. • Consta de uma placa corial de onde partem vilosidades coriônicos, que são os vilos secundários. Essas vilosidades são constituídos por uma parte central conjuntiva, derivada do mesênquima extra- embrionário, e pelas camadas de citotrofoblasto e de sinciciotrofoblasto. • O sinciotrofoblasto permanece até o fim da gestação, mas citotrofoblasto desaparece gradualmente durante a segunda metade da gravidez.
  • 11. PLACENTA • Parte Materna – é a decídua basal. • Fornece sangue arterial para as lacunas situadas entre as vilosidades coriônicas secundários e recebe de volta o sangue tornado venoso nessas lacunas. • O sangue fetal e o materno não se misturam a não ser em proporção muito pequena e no fim da gravidez.
  • 16. PLACENTA AO NASCIMENTO • Placenta (do grego plakus, bolo achatado) tem forma discóide. • Tem diâmetro entre 15 e 20 cm e espessura de 2 a 3 cm. • Pesa entre 500 e 600 g, correspondendo usualmente 1/6 do peso do feto. • As margens da placenta são contínua com os sacos amniótico e coriônico rompidos.
  • 18. MEMBRANA PLACENTÁRIA Consiste em tecidos extrafetais, que separam o sangue materno do fetal. Até a 20ª semana é formada por 4 componentes: • Sinciciotrofoblasto • Citotrofoblasto (desaparece após a 20ª semana) • Tecido conjuntivo das vilosidades • Endotélio dos capilares fetais
  • 21. SACO VITELINO • Origem: cavidade blastocística ⇒ cavidade exocelômica ⇒ saco vitelino primário ⇒ saco vitelino secundário. • Funções: Transferência de nutrientes para o embrião durante a 2ª e 3ª semanas, período em que a circulação uteroplacentária ainda não está formada; hematopoese (da 3ª a 6ª semana); formação do intestino primitivo; contribui para a formação das células germinativas primordiais. • Destino: atrofia-se com o avanço da gravidez, ficando finalmente muito pequeno a partir da 10ª semana de gestação.
  • 23. ÂMNIO • O âmnio forma um saco membranoso cheio de líquido que envolve o embrião e posteriormente o feto. • Ele também reveste o cordão umbilical.
  • 24. ÂMNIO E LÍQUIDO AMNIÓTICO • Origem: Surge entre o embrioblasto e o trofoblasto no pólo embrionário. • Funções do Líquido Amniótico: proteção contra choques mecânicos, desidratação e manutenção da temperatura; permite o crescimento externo simétrico do embrião; permite que o feto se mova livremente, contribuindo assim para o desenvolvimento muscular (p. ex., músculos dos membros); age como uma barreira contra infecções; permite o desenvolvimento normal dos pulmões fetais; impede a aderência entre o embrião e o âmnio.
  • 25. COMPOSIÇÃO DO LÍQUIDO AMNIÓTICO • O líquido amniótico é proveniente: – inicialmente células amnióticas, líquido tecidual materno, espaço interviloso da placenta, trato respiratório fetal. Na 11ª semana o feto contribui para o líquido amniótico expelindo urina expelida na cavidade amniótica. • VOLUME aumenta lentamente: – 10 semanas: 30 ml. 20 semanas: 350 ml. 37 semanas: 700 a 1.000 ml.
  • 26. COMPOSIÇÃO DO LÍQUIDO AMNIÓTICO • LÍQUIDO é deglutido pelo feto ⇒ absorvido pelos tratos respiratórios e digestivo. • Depois vai para corrente sanguínea fetal e produtos de excreção nele contido cruzam a membrana placentária ⇒ e entram no sangue materno no espaço interviloso. • COMPOSIÇÃO: 99% ÁGUA, 0,5% PROTEÍNAS, 0,5% CARBOIDRATOS, GORDURAS, ENZIMAS, HORMÔNIOS.
  • 28. POLIIDRÂMNIO E OLGOIDRÂMNIO • Poliidrâmnio: Volume maior de 2.000ml; é caudado pela incapacidade do feto em engolir ou absorver normalmente o líquido amniótico. • Oligoidrâmnio: Volume menor de 400ml; resulta, na maioria dos casos, de insuficiência placentária com fluxo sangüíneo placentário diminuído. Excesso de líquido amniótico ao redor do feto
  • 30. ALANTÓIDE • Origem: o alantóide (do gr. allos, salsicha) surge por volta do 16º dia, como um pequeno divertículo (evaginação), a partir da parede caudal do saco vitelino. • Funções: função respiratória e/ou atua como reservatório de urina durante a vida embrionária nos répteis, aves e alguns mamíferos; mantém-se muito pequeno em embriões humanos, mas está envolvido com o início da formação do sangue e se associa ao desenvolvimento da bexiga urinária (ligamento umbilical médio). • Destino: os vasos sangüíneos do alantóide vão se tornar as veias e artérias umbilicais.
  • 32. FORMAÇÃO DE GÊMEOS Gêmeos dizigóticos Gêmeos monozigóticos Âmnios, córions e Placentas separados Âmnios separados, córion e placenta comum Âmnio, córion e placenta comum Divisão da massa celular interna em dois grupos em um estádio precoce Divisão da massa celular interna em dois grupos em um estádio tardio Divisão ocorre no estádio de 2 células
  • 33. ESTRÓGENO OXITOCINA dos ovários Do feto e hipófise Induz receptores de oxitocina no útero Estimula as contrações uterinas Estimula a placenta a produzir PROSTAGLANDINAS Estimula mais contrações uterinas FeedbackPositivo TRABALHO DE PARTO
  • 34. Dilatação da cérvix1 Placenta Cordão umbilical Útero Cérvix ESTÁGIOS DO TRABALHO DE PARTO (I) O primeiro estágio (estágio da dilatação) - Dura cerca de 7 hs (multípasas) a 12 hs (nulíparas). - Compreende a dilatação completa do cérvix. - Contrações regulares do útero (menos de 10 min. de intervalo entre uma e outra contração dolorosa).
  • 35. Expulsão: nascimento da criança2 ESTÁGIOS DO TRABALHO DE PARTO (II) O segundo estágio (estágio da expulsão) - Dura cerca de 20 minutos (multíparas) a 50 minutos (nulíparas). - Compreende a passagem do feto pela vagina e o nascimento deste. - As contrações uterinas recomeçam pouco depois do bebê ter nascido.
  • 36. Expulsão da placenta3 Cordão umbilical Útero Placenta (parcialmente destacada) ESTÁGIOS DO TRABALHO DE PARTO (III) O terceiro estágio (estágio da placenta) - Duração em média de 15 minutos. - Inicia-se tão logo o bebê tenha nascido e termina com a expulsão da placenta e membranas. - A retração do útero reduz a área de inserção da placenta; assim, a placenta e as membranas fetais separam-se da parede uterina e são expelidas pela vagina.
  • 37. CORDÃO UMBILICAL • Origem: parede do âmnio, saco vitelino e alantóide. • Função: ligar a placenta ao embrião. • Estrutura: 2 artérias e 1 veia protegidas pela gelatina de Wharton (tecido mucoso).
  • 38. CORDÃO UMBILICAL • Está inserido geralmente próximo ao centro da superfície fetal da placenta. • O cordão umbilical tem, quase sempre, um diâmetro de 1 a 2 cm e um comprimento que varia entre 30 e 90 cm (55 cm em média). • Cordões excessivamente longos ou curtos são raros. • O s cordões longos têm a tendência de sofrer prolapso e/ou a se enrolar em volta do feto.