SlideShare uma empresa Scribd logo
Paleontologia
Palaios = Antigo, Onto = ser, Logos = estudo
Fósseis = extraído da terra
• Fandamenta-se em:
• Biologia
• Geologia
- Datação
- Ordenação
Principais objetivos:
• Fornecer dados para o conhecimento da
evolução biológica;
• Estimar a datação relativa das camadas;
• Reconstruir o ambiente onde o fóssil viveu;
• Auxiliar na reconstituição da história da história
geológica da Terra;
• Identificar as rochas em que podem ocorrer
substâncias minerais e combustíveis, como o
fosfato, carvão e o petróleo – geologia
econômica.
Ramos da Paleontologia
• Duas Abordagens principais:
- Descritiva: identificação, reconstituição e relações filogenéticas dos
fósseis, com o objetivo de estabelecer as correlações
cronoestratigráficas e interpretações paleoambientais.
- Paleobiologia: ênfase à identificação das leis que atuaram em
ocorrências como a origem da vida, formação e estruturação da
biosfera, fenômenos de extinção e o estudo da influência dos
paleoambientes na evolução dos organismos.
Paleobotânica – Paleontologia dos invertebrados – Paleontologia de
vertebrados – Micropaleontologia – Paleoicnologia.
Paleobotânica
Micropaleontologia Paleopalinologia
Invertebrados Fósseis
• Moluscos (bivalves ou gastrópodes),
braquiopodes, equinoides e conchostraceos...
(boa representação no território brasileiro)
Vertebrados Fósseis
Micropaleontologia
• Partes diminutas de organismos como:
• Espículas de esponjas
• Dentes de peixes
• Espinhos de equinoides,
• poléns e esporos vegetais,
• Carapaças completas como protistas, conchostraceos e
micromoluscos.
Paleoicnologia
• Icnofósseis = estruturas biogênicas resultantes
da atividade dos seres vivos.
- marcas como pistas, pegadas,
perfurações, escavações, marcas de repouso,
refletindo o comportamento dos organismo.
• Dentro de cada ramo da paleontologia os
paleontólogos ainda direcionam suas pesquisas
pra outras áreas:
Peleoecologia
Tafonomia
Sistemática
Preservação dos fósseis
• Resulta da ação de um conjunto de processos:
Físicos
Químicos
biológicos
• Fatores que atuam na preservação dos indivíduos e favorecem
a fossilização.
- Soterramento rápido após a morte,
- Ausência de decomposição bacteriológica,
- Composição química estrutural do
esqueleto,
- Condições químicas do meio.
• Fatores concorrem para destruição dos fósseis na rochas:
Águas percolantes
Agentes erosivos
Vulcanismos
Eventos tectônicos
Metamorfismo
Tipos de Fossilização
• Os fósseis são reunidos em dois grandes grupos: restos
e vestígios.
 Restos: são as partes mais resistentes do organismo, tais
como conchas, dentes, ossos que são denominados de partes
duras. Porém, em certas ocasiões são encontradas restos
de partes moles preservadas como vísceras, pele, músculos,
que têm ajudado muito aos cientistas para compreenderem a
anatomia e fisiologia destes organismos.
 Os restos vegetais são um pouco mais difíceis de se
estudar pois, folhas, caules, polens encontram separados nos
sedimentos.
 Alguns processos excepcionais podem ocorrer, onde tais
organismos acabam se preservando, com partes moles e até
mesmo partes duras (se possuir).
• Tais processos são:
mumificação que ocorrem em certas regiões
desérticas e áridas;
congelamento em locais glaciais como na
Sibéria, por exemplo, onde diversos mamutes
são encontrados congelados em perfeito estado
de preservação; Estes animais permaneceram
congelados desde a última glaciação do
pleistoceno (45.000 anos)
âmbar, onde insetos, vegetais, e tetrápodes acabam ficando
presos na seiva grudenta de árvores gimnospérmicas ou
angiospérmicas.
• A preservação das partes duras
incrustação, permineralização, recristalização,
substituição e carbonificação.
Na incrustação, as substâncias que são transportadas
pela água, acabam se cristalizando-se na superfície do
resto, revestindo-a por completo, preservando assim a
parte dura. É um processo bem comum em seres vivos
que acabam mortos ou transportados para cavernas
ou buracos.
• A permineralização ocorre quando um
mineral preenche os poros ou cavidades
existentes no organismo. Os ossos e troncos
de árvores são bastante propícios para este
tipo de preservação, pois possuem muitos
poros. Minerais como o carbonato de
cálcio (CaCO3) ou a sílica (SiO2) são
carregados pela água e acabam penetrando
nas cavidades da estrutura.
Recristalização, ocorre uma modificação na
estrutura cristalina do mineral original. Exemplo: um
tipo de concha que contêm pequenas moléculas
como o carbonato de cálcio, pode ocorrer
modificação, se transformando em um outro tipo de
carbonato de cálcio. Isso faz com que a concha se
torne um fóssil, por causa desta troca.
• A carbonificação ocorre mais comumente em restos
vegetais ou organismos com partes moles. Tais
restos acabam sendo esmagados pelo peso ou
compactação da rocha. Durante este processo,
gases como hidrogênio, oxigênio e nitrogênio são
liberados devido ao calor e compressão. Assim
acaba restando apenas uma película de carbono do
organismo.
 substituição onde o
mineral que constitui as
conchas acaba sendo
substituído por outro
durante o processo de
fossilização. Neste caso
os fósseis são réplicas
das conchas originais! É
o processo mais comum
observado em fósseis de
dinossauros e crocodilos,
por exemplo.
• Vestígios: são evidências da existência de
organismos ou de suas atividades. Os
icnofósseis representam esse grupo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Datação Das Rochas
 Datação Das Rochas Datação Das Rochas
Datação Das Rochas
tmar
 
Teoria Da Tectónica De Placas
Teoria Da Tectónica De  PlacasTeoria Da Tectónica De  Placas
Teoria Da Tectónica De Placas
Tânia Reis
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
Tempo Geológico
Tempo GeológicoTempo Geológico
Tempo Geológico
Lucca
 
Fósseis e processos de fossilização
Fósseis e processos de fossilizaçãoFósseis e processos de fossilização
Fósseis e processos de fossilização
Cecília Antão
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
César Milani
 
História da vida na terra
História da vida na terraHistória da vida na terra
História da vida na terra
Cláudia Moura
 
Cap.4 - As eras geológicas
Cap.4 - As eras geológicasCap.4 - As eras geológicas
Cap.4 - As eras geológicas
profacacio
 

Mais procurados (20)

Introdução a geologia
Introdução a geologiaIntrodução a geologia
Introdução a geologia
 
Ppt sobre os fósseis
Ppt sobre os fósseisPpt sobre os fósseis
Ppt sobre os fósseis
 
Datação Das Rochas
 Datação Das Rochas Datação Das Rochas
Datação Das Rochas
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
XIII - FÓSSEIS
XIII - FÓSSEISXIII - FÓSSEIS
XIII - FÓSSEIS
 
Aula 4 tafonomia
Aula 4 tafonomiaAula 4 tafonomia
Aula 4 tafonomia
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
 
A estrutura da terra
A estrutura da terraA estrutura da terra
A estrutura da terra
 
Teoria Da Tectónica De Placas
Teoria Da Tectónica De  PlacasTeoria Da Tectónica De  Placas
Teoria Da Tectónica De Placas
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
As rochas ígneas
As rochas ígneasAs rochas ígneas
As rochas ígneas
 
Ambientes de Sedimentação e Tempo Geológico
Ambientes de Sedimentação  e Tempo GeológicoAmbientes de Sedimentação  e Tempo Geológico
Ambientes de Sedimentação e Tempo Geológico
 
Processos de Fossilização
Processos de FossilizaçãoProcessos de Fossilização
Processos de Fossilização
 
Tempo Geológico
Tempo GeológicoTempo Geológico
Tempo Geológico
 
Fósseis e processos de fossilização
Fósseis e processos de fossilizaçãoFósseis e processos de fossilização
Fósseis e processos de fossilização
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
 
História da vida na terra
História da vida na terraHistória da vida na terra
História da vida na terra
 
CN7 - Fósseis
CN7 - FósseisCN7 - Fósseis
CN7 - Fósseis
 
Cap.4 - As eras geológicas
Cap.4 - As eras geológicasCap.4 - As eras geológicas
Cap.4 - As eras geológicas
 

Destaque

Vale dos dinossauros
Vale dos dinossaurosVale dos dinossauros
Vale dos dinossauros
teresangel
 
A Terra Conta A Sua HistóRia
A Terra Conta A Sua HistóRiaA Terra Conta A Sua HistóRia
A Terra Conta A Sua HistóRia
guestbbb7bf
 
Os dinosauros
Os dinosaurosOs dinosauros
Os dinosauros
lmoreiras
 
Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]
Marcelo Lois
 
A história da terra 2
A história da terra 2A história da terra 2
A história da terra 2
Nuno Correia
 
Chapter 6 sedimentary rocks
Chapter 6   sedimentary rocksChapter 6   sedimentary rocks
Chapter 6 sedimentary rocks
jjones0227
 

Destaque (20)

Tudo Sobre A Paleontologia
Tudo Sobre A PaleontologiaTudo Sobre A Paleontologia
Tudo Sobre A Paleontologia
 
Paleontologia
PaleontologiaPaleontologia
Paleontologia
 
Introdução a paleontologia
Introdução a paleontologiaIntrodução a paleontologia
Introdução a paleontologia
 
Paleontologia
Paleontologia Paleontologia
Paleontologia
 
Braquiópodes, Paleontologia. Biologia, Geologia
Braquiópodes, Paleontologia. Biologia, GeologiaBraquiópodes, Paleontologia. Biologia, Geologia
Braquiópodes, Paleontologia. Biologia, Geologia
 
Vale dos dinossauros
Vale dos dinossaurosVale dos dinossauros
Vale dos dinossauros
 
A Terra Conta A Sua HistóRia
A Terra Conta A Sua HistóRiaA Terra Conta A Sua HistóRia
A Terra Conta A Sua HistóRia
 
Evolucao
EvolucaoEvolucao
Evolucao
 
Ciências 7º ano
Ciências 7º anoCiências 7º ano
Ciências 7º ano
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 
326
326326
326
 
Espécies extintas
Espécies extintas Espécies extintas
Espécies extintas
 
Os dinosauros
Os dinosaurosOs dinosauros
Os dinosauros
 
Noções de Paleontologia
Noções de PaleontologiaNoções de Paleontologia
Noções de Paleontologia
 
Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]Trabalho Geologia geral [2]
Trabalho Geologia geral [2]
 
Enciclopedia de Dinosaurios
Enciclopedia de DinosauriosEnciclopedia de Dinosaurios
Enciclopedia de Dinosaurios
 
A história da terra 2
A história da terra 2A história da terra 2
A história da terra 2
 
A terra conta a sua história
A terra conta a sua históriaA terra conta a sua história
A terra conta a sua história
 
Principais grupos de mamíferos fósseis
Principais grupos de mamíferos fósseisPrincipais grupos de mamíferos fósseis
Principais grupos de mamíferos fósseis
 
Chapter 6 sedimentary rocks
Chapter 6   sedimentary rocksChapter 6   sedimentary rocks
Chapter 6 sedimentary rocks
 

Semelhante a Introdução á paleontologia (20)

Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
ciclodasrochas_2.doc
ciclodasrochas_2.docciclodasrochas_2.doc
ciclodasrochas_2.doc
 
AULA1_CONCEITOS.OBJETOS.RAMOS.pdf
AULA1_CONCEITOS.OBJETOS.RAMOS.pdfAULA1_CONCEITOS.OBJETOS.RAMOS.pdf
AULA1_CONCEITOS.OBJETOS.RAMOS.pdf
 
7º 2.1.
7º 2.1.7º 2.1.
7º 2.1.
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
A Terra conta a sua história
A Terra conta a sua históriaA Terra conta a sua história
A Terra conta a sua história
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
Terra conta historia_1 (3)
Terra conta historia_1 (3)Terra conta historia_1 (3)
Terra conta historia_1 (3)
 
P Pdo Jant..[1]
P Pdo Jant..[1]P Pdo Jant..[1]
P Pdo Jant..[1]
 
P Pdo Jant..[1]
P Pdo Jant..[1]P Pdo Jant..[1]
P Pdo Jant..[1]
 
Moldar fósseis hugoseverino
Moldar fósseis hugoseverinoMoldar fósseis hugoseverino
Moldar fósseis hugoseverino
 
Trabalho sobre Fósseis
Trabalho sobre FósseisTrabalho sobre Fósseis
Trabalho sobre Fósseis
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
Trabalho de fosseis
Trabalho de fosseisTrabalho de fosseis
Trabalho de fosseis
 
Trabalho de fosseis
Trabalho de fosseisTrabalho de fosseis
Trabalho de fosseis
 
Fosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das RochasFosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das Rochas
 
Fosseis e Datação ras Rochas
Fosseis e Datação ras RochasFosseis e Datação ras Rochas
Fosseis e Datação ras Rochas
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 
4 rochas sedimentaresarquivoshistóricos
4   rochas sedimentaresarquivoshistóricos4   rochas sedimentaresarquivoshistóricos
4 rochas sedimentaresarquivoshistóricos
 

Mais de João Monteiro

Mais de João Monteiro (20)

Aula - Pesca predatória e os impactos ambientais
Aula - Pesca predatória e os impactos ambientaisAula - Pesca predatória e os impactos ambientais
Aula - Pesca predatória e os impactos ambientais
 
Aula I - Introdução á genética de populações
Aula I - Introdução á genética de populaçõesAula I - Introdução á genética de populações
Aula I - Introdução á genética de populações
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
 
Física - Cinemática
Física - CinemáticaFísica - Cinemática
Física - Cinemática
 
Aula 4 Cálculo III Integral de linha :)
Aula 4   Cálculo III Integral de linha :)Aula 4   Cálculo III Integral de linha :)
Aula 4 Cálculo III Integral de linha :)
 
Apostila de História e introdução á logística
Apostila de História e introdução á logísticaApostila de História e introdução á logística
Apostila de História e introdução á logística
 
Física II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de FluidosFísica II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de Fluidos
 
Consumismo x lixo
Consumismo x lixo Consumismo x lixo
Consumismo x lixo
 
Micologia médica
Micologia médica Micologia médica
Micologia médica
 
Classificação e reprodução
Classificação e reproduçãoClassificação e reprodução
Classificação e reprodução
 
Importância dos fungos
Importância dos fungosImportância dos fungos
Importância dos fungos
 
Introdução à micologia
Introdução à micologiaIntrodução à micologia
Introdução à micologia
 
Placenta e membranas cap08
Placenta e membranas cap08Placenta e membranas cap08
Placenta e membranas cap08
 
Nona semana ao nascimento
Nona semana ao nascimentoNona semana ao nascimento
Nona semana ao nascimento
 
Quarta à oitava semana
Quarta à oitava semanaQuarta à oitava semana
Quarta à oitava semana
 
Terceira semana gastrulação
Terceira semana gastrulaçãoTerceira semana gastrulação
Terceira semana gastrulação
 
Primeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanasPrimeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanas
 
Livro Introdução à ecologia comportamental
Livro Introdução à ecologia comportamentalLivro Introdução à ecologia comportamental
Livro Introdução à ecologia comportamental
 
Genetica forense
Genetica forense Genetica forense
Genetica forense
 
Biologia vegetal raven_5ªed
Biologia vegetal raven_5ªedBiologia vegetal raven_5ªed
Biologia vegetal raven_5ªed
 

Último

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 

Último (20)

Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 

Introdução á paleontologia

  • 1. Paleontologia Palaios = Antigo, Onto = ser, Logos = estudo Fósseis = extraído da terra
  • 2. • Fandamenta-se em: • Biologia • Geologia - Datação - Ordenação
  • 3. Principais objetivos: • Fornecer dados para o conhecimento da evolução biológica; • Estimar a datação relativa das camadas; • Reconstruir o ambiente onde o fóssil viveu; • Auxiliar na reconstituição da história da história geológica da Terra; • Identificar as rochas em que podem ocorrer substâncias minerais e combustíveis, como o fosfato, carvão e o petróleo – geologia econômica.
  • 4. Ramos da Paleontologia • Duas Abordagens principais: - Descritiva: identificação, reconstituição e relações filogenéticas dos fósseis, com o objetivo de estabelecer as correlações cronoestratigráficas e interpretações paleoambientais. - Paleobiologia: ênfase à identificação das leis que atuaram em ocorrências como a origem da vida, formação e estruturação da biosfera, fenômenos de extinção e o estudo da influência dos paleoambientes na evolução dos organismos. Paleobotânica – Paleontologia dos invertebrados – Paleontologia de vertebrados – Micropaleontologia – Paleoicnologia.
  • 6. Invertebrados Fósseis • Moluscos (bivalves ou gastrópodes), braquiopodes, equinoides e conchostraceos... (boa representação no território brasileiro)
  • 8. Micropaleontologia • Partes diminutas de organismos como: • Espículas de esponjas • Dentes de peixes • Espinhos de equinoides, • poléns e esporos vegetais, • Carapaças completas como protistas, conchostraceos e micromoluscos.
  • 9. Paleoicnologia • Icnofósseis = estruturas biogênicas resultantes da atividade dos seres vivos. - marcas como pistas, pegadas, perfurações, escavações, marcas de repouso, refletindo o comportamento dos organismo.
  • 10. • Dentro de cada ramo da paleontologia os paleontólogos ainda direcionam suas pesquisas pra outras áreas: Peleoecologia Tafonomia Sistemática
  • 11. Preservação dos fósseis • Resulta da ação de um conjunto de processos: Físicos Químicos biológicos • Fatores que atuam na preservação dos indivíduos e favorecem a fossilização. - Soterramento rápido após a morte, - Ausência de decomposição bacteriológica, - Composição química estrutural do esqueleto, - Condições químicas do meio.
  • 12. • Fatores concorrem para destruição dos fósseis na rochas: Águas percolantes Agentes erosivos Vulcanismos Eventos tectônicos Metamorfismo
  • 13. Tipos de Fossilização • Os fósseis são reunidos em dois grandes grupos: restos e vestígios.  Restos: são as partes mais resistentes do organismo, tais como conchas, dentes, ossos que são denominados de partes duras. Porém, em certas ocasiões são encontradas restos de partes moles preservadas como vísceras, pele, músculos, que têm ajudado muito aos cientistas para compreenderem a anatomia e fisiologia destes organismos.  Os restos vegetais são um pouco mais difíceis de se estudar pois, folhas, caules, polens encontram separados nos sedimentos.  Alguns processos excepcionais podem ocorrer, onde tais organismos acabam se preservando, com partes moles e até mesmo partes duras (se possuir).
  • 14. • Tais processos são: mumificação que ocorrem em certas regiões desérticas e áridas;
  • 15. congelamento em locais glaciais como na Sibéria, por exemplo, onde diversos mamutes são encontrados congelados em perfeito estado de preservação; Estes animais permaneceram congelados desde a última glaciação do pleistoceno (45.000 anos)
  • 16. âmbar, onde insetos, vegetais, e tetrápodes acabam ficando presos na seiva grudenta de árvores gimnospérmicas ou angiospérmicas.
  • 17. • A preservação das partes duras incrustação, permineralização, recristalização, substituição e carbonificação. Na incrustação, as substâncias que são transportadas pela água, acabam se cristalizando-se na superfície do resto, revestindo-a por completo, preservando assim a parte dura. É um processo bem comum em seres vivos que acabam mortos ou transportados para cavernas ou buracos.
  • 18. • A permineralização ocorre quando um mineral preenche os poros ou cavidades existentes no organismo. Os ossos e troncos de árvores são bastante propícios para este tipo de preservação, pois possuem muitos poros. Minerais como o carbonato de cálcio (CaCO3) ou a sílica (SiO2) são carregados pela água e acabam penetrando nas cavidades da estrutura.
  • 19. Recristalização, ocorre uma modificação na estrutura cristalina do mineral original. Exemplo: um tipo de concha que contêm pequenas moléculas como o carbonato de cálcio, pode ocorrer modificação, se transformando em um outro tipo de carbonato de cálcio. Isso faz com que a concha se torne um fóssil, por causa desta troca.
  • 20. • A carbonificação ocorre mais comumente em restos vegetais ou organismos com partes moles. Tais restos acabam sendo esmagados pelo peso ou compactação da rocha. Durante este processo, gases como hidrogênio, oxigênio e nitrogênio são liberados devido ao calor e compressão. Assim acaba restando apenas uma película de carbono do organismo.
  • 21.  substituição onde o mineral que constitui as conchas acaba sendo substituído por outro durante o processo de fossilização. Neste caso os fósseis são réplicas das conchas originais! É o processo mais comum observado em fósseis de dinossauros e crocodilos, por exemplo.
  • 22. • Vestígios: são evidências da existência de organismos ou de suas atividades. Os icnofósseis representam esse grupo.