SlideShare uma empresa Scribd logo
1ª Semana do
Desenvolvimento
Embrionário –
Após Fecundação
Clivagem ou
Segmentação do
Ovo ou Zigoto –
cada uma das
células são
chamadas de
blastômeros
1ª Semana do
Desenvolvimento
Embrionário
blastômeros
30h após
fecundação
4 dias após
fecundação
5- 6 dias após
fecundação
Ovulação , Fecundação e
Desenvolvimento durante a
1ª semana.
Por volta do 6º ou 7º dia,
após a fecundação, o
blastocisto inicia sua
implantação ou nidação no
epitélio do endométrio.
Cortes de Blastocistos com 4 e 5 dias
No interior da mórula forma-se uma
cavidade – cavidade do
blastocisto,devido a penetração de
fluído da cavidade uterina. A zona
pelúcida começa a romper-se. A
cavidade do blastocisto divide a figura
embrionária em duas partes:
Trofoblasto e Massa celular interna
(=Embrioblasto)
140µm
Aderência do blastocisto ao
endométrio durante os
primeiros estágios da
implantação.
Fig. A – Blastocisto de 6 dias
Fig. B – Blastocisto de 7 dias
O trofoblasto se diferencia em
duas camadas:
Citotrofoblasto (interno) e
Sinciciotrofoblasto (externo).
Abaixo do embrioblasto
forma-se uma camada de
células cubóide – o hipoblasto
(delaminação do
embrioblasto)
Fase de
Aposição
Fase de
Invasão
Adesão do Blastocisto ao endométrio e início da nidação
As células do trofoblasto apresentam receptores que se ligam
aos ligantes das células endometriais. As células endometriais
possuem projeções – pinopodos que interagem com as
microvilosidades das células do trofoblasto.
2ª Semana do
Desenvolvimento
Embrionário
• Término da Implantação
• Formação da cavidade amniótica
• Disco embrionário bilaminar
• Formação do saco vitelino
• Desenvolvimento do saco coriônico
Com a progressão da implantação
(8 dias) no blastocisto surge a
cavidade amniótica e a massa
celular interna (=embrioblasto)
modifica-se formando um disco
bilaminar: epiblasto e hipoblasto
Células do hipoblasto migram e
passam a revestir a cavidade do
blastocisto, constituindo a
membrana exocelômica e a
cavidade passa ser chamada de
cavidade celômica
Blastocisto de 10 dias
completamente implantado.
Células se interpõem entre o
citotrofoblasto e a parede da
cavidade celômica, constituindo o
mesoderma extra-embrionário e a
cavidade passa ser o saco vitelino
primitivo
Blastocisto de 12 dias. Surgem
lacunas no sinciciotrofoblasto que
são invadidas por sangue materno
– formação da circulação
uteroplacentária primitiva. O
sangue materno flui pelas lacunas
trazendo oxigênio e nutrientes e
metabólitos e gás carbônico são
retirados pelas veias
endometriais.
Por volta da 10º dia o concepto está totalmente
implantado e um tampão de coágulo sanguíneo
fibroso preenche a falha no epitélio endometrial,
após ocorrerá uma regeneração do epitélio (12ª
semana)
Embrião de 13 dias. O mesoderma extra-
embrionário continua crescendo e comprime a
vesícula vitelina, havendo uma diminuição do saco
vitelínico primário, que passará a ser chamado de
vesícula vitelina secundária.
O mesoderma extra-embrionário torna-se muito
frouxo e rompe-se em vários pontos. As zonas de
ruptura confluem constituindo o celoma extra-
embrionário ou cavidade coriônica. Trechos do
mesoderma que não sofreram ruptura, constituem
o mesoderma somático extra embrionário
(=somatopleura) que reveste o citotrofoblasto ou a
cavidade coriônica e recobre o âmnio e o
mesoderma esplâncnico extra-embrionário que
recobre o saco vitelino.
Córion é formado pelo mesoderma somático extra
embrionário + citotrofoblasto + sinciciot.
O pedículo (futuro local de formação do cordão
umbilical) constitui uma área do mesoderma extra-
embrionário que forma uma ponte entre as duas
cavidades e o citotrofoblasto.
Células do citotrofoblasto proliferam-se em direção
ao sinciciotrofoblasto formando as vilosidades
coriônicas primárias (1º estágio para formação das
vilosidades coriônicas da placenta.
Embrião de 14 dias. Localização da placa precordal
(células hipoblásticas colunares) . A placa precordal
indica o futuro local da boca e organizador da região
cefálica.
Observe a figura embrionária de 14 dias
implantada e suspensa dentro do saco coriônico
através do pedículo
Cavidade
coriônica =
Implantações Ectópicas
Gravidez tubária de 4 semanas
3ª Semana do Desenvolvimento Embrionário
GastrulaçãoGastrulação:
 Disco embrionário trilaminar
Formação dos folhetos germinativos
Linha Primitiva
Notocorda
Alantóide
NeurulaçãoNeurulação:
Tubo Neural
Crista Neural
Gastrulação
• Processo em que o disco embrionário bilaminar é convertido
em disco trilaminar e a figura embrionária é denominada de
gástrula. É um período morfogênico – desenvolvimento da
forma e estrutura de vários órgãos
• Inicia-se com a formação da linha primitiva
• Formação dos 3 folhetos germinativos : endoderme,
ectoderme e mesoderme
• Desenvolvimento da notocorda
Epiblasto
Hipoblasto
EctodermaSoalho do
âmnio
Teto do saco
vitelínico
Linha Primitiva Mesoderma
Endoderma
Processo
Notocordal
Linha Primitiva
Extremidade
caudal
Extremidade
cefálica
Ectoderma
Ectoderma
Mesoderma
Endoderma
Nó Primitivo
Placa
Precordal
Processo
Notocordal
Células do epiblasto (ectoderma) proliferam-se na
extremidade caudal formando uma faixa espessa –
Linha primitiva. A linha primitiva cresce em direção a
extremidade cefálica, formando o nó primitivo. Ao
mesmo tempo, ocorre uma depressão na linha
primitiva – sulco primitivo que termina na depressão
do nó primitivo – a fosseta primitiva.
Células da linha primitiva diferenciam-se em células
mesenquimais e migram por entre o ectoderma e o
hipoblasto (endoderma), formando o mesoderma. A
linha primitiva forma mesoderma até o início da 4ª
semana, depois diminui e torna-se insignificante na
região sacrococcígeana do embrião.
Processo Notocordal e Notocorda
Células do nó primitivo migram em direção à extremidade cefálica até a placa precordal (sob o
ectoderma, para dentro do mesoderma), formando um cordão celular – processo notocordal.
A fosseta primitiva invagina-se para o processo notocordal e forma uma luz – canal
notocordal. O processo notocordal dará origem a notocorda (cordão celular que define o eixo
primitivo do embrião). A coluna vertebral se formará ao redor da notocorda e restos da
notocorda irão permanecer constituindo o núcleo pulposo dos disco intervetebrais.
A notocorda induz o ectoderma acima dela a se espessar e formar a placa neural –
primórdio do sistema nervoso central.
notocorda
Placa neural
Por volta do 16º dia ocorre uma pequena
evaginação do saco vitelino, na porção
caudal, para dentro do pedículo do embrião
constituíndo o alantóide. O alantóide está
envolvido no desenvolvimento da bexiga
urinária. Vaso sanguíneos se formarão no
seu interior constituindo os vasos
sanguíneos do cordão umbilical.
Neurulação – formação do tubo
neural e cristas neurais
Por volta do 18º dia, a placa
neural sofrerá uma
invaginação formando as
pregas neurais. Ao fim da 3ª
semana, as pregas neurais
aproximam-se e fecham e
formam o tubo neural.
O mesoderma que está imediatamente
ao lado da notocorda (mesoderma
paraxial), diferencia-se e divide-se aos
pares, formando corpos cubóides – os
somitos.
Os somitos irão se desenvolver ao lado
do tubo neural em formação. Os
somitos irão originar a maior parte do
esqueleto, músculos, derme.
Resto da
notocorda

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
Rosalia Azambuja
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Herbert Santana
 
Lesões celulares
Lesões celulares Lesões celulares
Lesões celulares
Karen Costa
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Herbert Santana
 

Mais procurados (20)

Aula de Embriologia e Reprodução Assistida 4ª semana ao nascimento I
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida 4ª semana ao nascimento IAula de Embriologia e Reprodução Assistida 4ª semana ao nascimento I
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida 4ª semana ao nascimento I
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema EndócrinoFisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
Fisiologia Humana 8 - Sistema Endócrino
 
Desenvolvimento embrionario
Desenvolvimento embrionarioDesenvolvimento embrionario
Desenvolvimento embrionario
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor Feminino
 
Tecido sanguineo
Tecido sanguineoTecido sanguineo
Tecido sanguineo
 
Fases do Desenvolvimento Embrionário
Fases do Desenvolvimento EmbrionárioFases do Desenvolvimento Embrionário
Fases do Desenvolvimento Embrionário
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..Aula 04   anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
Aula 04 anatomia e fisiologia do sistema ósseo e articular..
 
Aula 3 Histologia - Sistema urinário
Aula 3 Histologia - Sistema urinário   Aula 3 Histologia - Sistema urinário
Aula 3 Histologia - Sistema urinário
 
Métodos de estudo em histologia
Métodos de estudo em histologiaMétodos de estudo em histologia
Métodos de estudo em histologia
 
Primeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanasPrimeira e segunda semanas
Primeira e segunda semanas
 
Lesões celulares
Lesões celulares Lesões celulares
Lesões celulares
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia HumanaFisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
Fisiologia Humana 1 - Introdução à Fisiologia Humana
 
EMBRIOLOGIA HUMANA
EMBRIOLOGIA HUMANAEMBRIOLOGIA HUMANA
EMBRIOLOGIA HUMANA
 
Terceira semana gastrulação
Terceira semana gastrulaçãoTerceira semana gastrulação
Terceira semana gastrulação
 
Embriologia da Face
Embriologia da FaceEmbriologia da Face
Embriologia da Face
 
02 sistema esquelético
02   sistema esquelético02   sistema esquelético
02 sistema esquelético
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
 

Semelhante a 1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno

GastrulaçãO E NeurulaçãO
GastrulaçãO E NeurulaçãOGastrulaçãO E NeurulaçãO
GastrulaçãO E NeurulaçãO
guestc162cc
 
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento  EmbrionárioMorfo I - Desenvolvimento  Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Paulo Tsai - Unime
 
Embriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos EmbrionáriosEmbriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos Embrionários
aulasdoaris
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
Roberto Bagatini
 
Apostiladeembriologiaegenetica
ApostiladeembriologiaegeneticaApostiladeembriologiaegenetica
Apostiladeembriologiaegenetica
Daiane Costa
 

Semelhante a 1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno (20)

Embriologia valendo
Embriologia valendoEmbriologia valendo
Embriologia valendo
 
Embriologia médica
Embriologia médicaEmbriologia médica
Embriologia médica
 
GastrulaçãO E NeurulaçãO
GastrulaçãO E NeurulaçãOGastrulaçãO E NeurulaçãO
GastrulaçãO E NeurulaçãO
 
2° e 3° semana desenvolv. embrionário.docx
2° e 3° semana desenvolv. embrionário.docx2° e 3° semana desenvolv. embrionário.docx
2° e 3° semana desenvolv. embrionário.docx
 
Desenvolvimento do embrião
Desenvolvimento do embriãoDesenvolvimento do embrião
Desenvolvimento do embrião
 
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento  EmbrionárioMorfo I - Desenvolvimento  Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
 
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenitalAula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
 
Embriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos EmbrionáriosEmbriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos Embrionários
 
Embriologia.AULA......Asno............ppt
Embriologia.AULA......Asno............pptEmbriologia.AULA......Asno............ppt
Embriologia.AULA......Asno............ppt
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
 
Enfermagem
Enfermagem Enfermagem
Enfermagem
 
Primeira semana (Embriologia)
Primeira semana (Embriologia)Primeira semana (Embriologia)
Primeira semana (Embriologia)
 
Embriologia humana 1a a 3a semana
Embriologia humana 1a a 3a semana Embriologia humana 1a a 3a semana
Embriologia humana 1a a 3a semana
 
Gametogênese e Embriologia
Gametogênese e EmbriologiaGametogênese e Embriologia
Gametogênese e Embriologia
 
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.pptEtapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
Etapas do desenvolvimento embrionário humano.ppt
 
Apostiladeembriologiaegenetica
ApostiladeembriologiaegeneticaApostiladeembriologiaegenetica
Apostiladeembriologiaegenetica
 
Placenta e membranas cap08
Placenta e membranas cap08Placenta e membranas cap08
Placenta e membranas cap08
 
Questões toda embrio e reprodutor masculino.docx
Questões toda embrio e reprodutor masculino.docxQuestões toda embrio e reprodutor masculino.docx
Questões toda embrio e reprodutor masculino.docx
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia - 4 semana ao nascimento!
Embriologia - 4 semana ao nascimento! Embriologia - 4 semana ao nascimento!
Embriologia - 4 semana ao nascimento!
 

Mais de Jaqueline Almeida

Mais de Jaqueline Almeida (20)

Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação ViralAula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos VírusAula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNAAula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
 
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de ÓrgãosAula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
 
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre EutanásiaAula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre Eutanásia
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
 
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento BacterianoBacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
 
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos TotaisAula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato EtéreoAula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteicoAula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos AlimentosAula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
 
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma LattesAula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
 

1 até 3ª semana do desenvolvimento embrionário aluno

  • 2. Clivagem ou Segmentação do Ovo ou Zigoto – cada uma das células são chamadas de blastômeros 1ª Semana do Desenvolvimento Embrionário blastômeros 30h após fecundação 4 dias após fecundação 5- 6 dias após fecundação
  • 3. Ovulação , Fecundação e Desenvolvimento durante a 1ª semana. Por volta do 6º ou 7º dia, após a fecundação, o blastocisto inicia sua implantação ou nidação no epitélio do endométrio.
  • 4. Cortes de Blastocistos com 4 e 5 dias No interior da mórula forma-se uma cavidade – cavidade do blastocisto,devido a penetração de fluído da cavidade uterina. A zona pelúcida começa a romper-se. A cavidade do blastocisto divide a figura embrionária em duas partes: Trofoblasto e Massa celular interna (=Embrioblasto) 140µm
  • 5. Aderência do blastocisto ao endométrio durante os primeiros estágios da implantação. Fig. A – Blastocisto de 6 dias Fig. B – Blastocisto de 7 dias O trofoblasto se diferencia em duas camadas: Citotrofoblasto (interno) e Sinciciotrofoblasto (externo). Abaixo do embrioblasto forma-se uma camada de células cubóide – o hipoblasto (delaminação do embrioblasto) Fase de Aposição Fase de Invasão
  • 6. Adesão do Blastocisto ao endométrio e início da nidação As células do trofoblasto apresentam receptores que se ligam aos ligantes das células endometriais. As células endometriais possuem projeções – pinopodos que interagem com as microvilosidades das células do trofoblasto.
  • 7. 2ª Semana do Desenvolvimento Embrionário • Término da Implantação • Formação da cavidade amniótica • Disco embrionário bilaminar • Formação do saco vitelino • Desenvolvimento do saco coriônico
  • 8. Com a progressão da implantação (8 dias) no blastocisto surge a cavidade amniótica e a massa celular interna (=embrioblasto) modifica-se formando um disco bilaminar: epiblasto e hipoblasto Células do hipoblasto migram e passam a revestir a cavidade do blastocisto, constituindo a membrana exocelômica e a cavidade passa ser chamada de cavidade celômica
  • 9. Blastocisto de 10 dias completamente implantado. Células se interpõem entre o citotrofoblasto e a parede da cavidade celômica, constituindo o mesoderma extra-embrionário e a cavidade passa ser o saco vitelino primitivo Blastocisto de 12 dias. Surgem lacunas no sinciciotrofoblasto que são invadidas por sangue materno – formação da circulação uteroplacentária primitiva. O sangue materno flui pelas lacunas trazendo oxigênio e nutrientes e metabólitos e gás carbônico são retirados pelas veias endometriais.
  • 10. Por volta da 10º dia o concepto está totalmente implantado e um tampão de coágulo sanguíneo fibroso preenche a falha no epitélio endometrial, após ocorrerá uma regeneração do epitélio (12ª semana)
  • 11. Embrião de 13 dias. O mesoderma extra- embrionário continua crescendo e comprime a vesícula vitelina, havendo uma diminuição do saco vitelínico primário, que passará a ser chamado de vesícula vitelina secundária. O mesoderma extra-embrionário torna-se muito frouxo e rompe-se em vários pontos. As zonas de ruptura confluem constituindo o celoma extra- embrionário ou cavidade coriônica. Trechos do mesoderma que não sofreram ruptura, constituem o mesoderma somático extra embrionário (=somatopleura) que reveste o citotrofoblasto ou a cavidade coriônica e recobre o âmnio e o mesoderma esplâncnico extra-embrionário que recobre o saco vitelino. Córion é formado pelo mesoderma somático extra embrionário + citotrofoblasto + sinciciot. O pedículo (futuro local de formação do cordão umbilical) constitui uma área do mesoderma extra- embrionário que forma uma ponte entre as duas cavidades e o citotrofoblasto. Células do citotrofoblasto proliferam-se em direção ao sinciciotrofoblasto formando as vilosidades coriônicas primárias (1º estágio para formação das vilosidades coriônicas da placenta. Embrião de 14 dias. Localização da placa precordal (células hipoblásticas colunares) . A placa precordal indica o futuro local da boca e organizador da região cefálica.
  • 12. Observe a figura embrionária de 14 dias implantada e suspensa dentro do saco coriônico através do pedículo Cavidade coriônica =
  • 13.
  • 15. Gravidez tubária de 4 semanas
  • 16. 3ª Semana do Desenvolvimento Embrionário GastrulaçãoGastrulação:  Disco embrionário trilaminar Formação dos folhetos germinativos Linha Primitiva Notocorda Alantóide NeurulaçãoNeurulação: Tubo Neural Crista Neural
  • 17. Gastrulação • Processo em que o disco embrionário bilaminar é convertido em disco trilaminar e a figura embrionária é denominada de gástrula. É um período morfogênico – desenvolvimento da forma e estrutura de vários órgãos • Inicia-se com a formação da linha primitiva • Formação dos 3 folhetos germinativos : endoderme, ectoderme e mesoderme • Desenvolvimento da notocorda Epiblasto Hipoblasto EctodermaSoalho do âmnio Teto do saco vitelínico Linha Primitiva Mesoderma Endoderma Processo Notocordal
  • 18. Linha Primitiva Extremidade caudal Extremidade cefálica Ectoderma Ectoderma Mesoderma Endoderma Nó Primitivo Placa Precordal Processo Notocordal Células do epiblasto (ectoderma) proliferam-se na extremidade caudal formando uma faixa espessa – Linha primitiva. A linha primitiva cresce em direção a extremidade cefálica, formando o nó primitivo. Ao mesmo tempo, ocorre uma depressão na linha primitiva – sulco primitivo que termina na depressão do nó primitivo – a fosseta primitiva. Células da linha primitiva diferenciam-se em células mesenquimais e migram por entre o ectoderma e o hipoblasto (endoderma), formando o mesoderma. A linha primitiva forma mesoderma até o início da 4ª semana, depois diminui e torna-se insignificante na região sacrococcígeana do embrião.
  • 19.
  • 20. Processo Notocordal e Notocorda Células do nó primitivo migram em direção à extremidade cefálica até a placa precordal (sob o ectoderma, para dentro do mesoderma), formando um cordão celular – processo notocordal. A fosseta primitiva invagina-se para o processo notocordal e forma uma luz – canal notocordal. O processo notocordal dará origem a notocorda (cordão celular que define o eixo primitivo do embrião). A coluna vertebral se formará ao redor da notocorda e restos da notocorda irão permanecer constituindo o núcleo pulposo dos disco intervetebrais. A notocorda induz o ectoderma acima dela a se espessar e formar a placa neural – primórdio do sistema nervoso central.
  • 21. notocorda Placa neural Por volta do 16º dia ocorre uma pequena evaginação do saco vitelino, na porção caudal, para dentro do pedículo do embrião constituíndo o alantóide. O alantóide está envolvido no desenvolvimento da bexiga urinária. Vaso sanguíneos se formarão no seu interior constituindo os vasos sanguíneos do cordão umbilical.
  • 22. Neurulação – formação do tubo neural e cristas neurais Por volta do 18º dia, a placa neural sofrerá uma invaginação formando as pregas neurais. Ao fim da 3ª semana, as pregas neurais aproximam-se e fecham e formam o tubo neural. O mesoderma que está imediatamente ao lado da notocorda (mesoderma paraxial), diferencia-se e divide-se aos pares, formando corpos cubóides – os somitos. Os somitos irão se desenvolver ao lado do tubo neural em formação. Os somitos irão originar a maior parte do esqueleto, músculos, derme.