SlideShare uma empresa Scribd logo
DIVISÃO DE ENSINO FUNDAMENTAL
PROJETO MEGAFONE:
Em alto e bom som, a escola a favor dos direitos da
criança e do adolescente.
Luziânia - GO, junho de 2016.
2
MAGDA MARQUES MELO
MARIA CECÍLIA SILVA DE AMORIM
PROJETO MEGAFONE:
Em alto e bom som, a escola a favor dos direitos da criança e do
adolescente.
3
Prefeito
Cristóvao Vaz Tormin
Secretária de Educação e Cultura
Cleudinéia Pereira Silva Pince
Diretora da Divisão de Ensino Fundamental
Vera Lúcia de Melo Rosa
Coordenadoras responsáveis pela elaboração:
Magda Marques Melo
Maria Cecília Silva de Amorim
4
Apresentação
A Secretaria Municipal de Educação apresenta para a Rede de Ensino e
comunidade o “Projeto Megafone: em alto e bom som, a escola a favor dos direitos
da criança e do adolescente.”
A proposta surgiu da necessidade de fortalecer as redes de proteção à
criança e ao adolescente e despertar a escola contra manifestações de violação
dos direitos das crianças: bullying, violência física, psicológica, exploração ou abuso
sexual, trabalho infantil e outras.
È preciso dar voz ao tema para seja do conhecimento de toda a comunidade
escolar a importância de proteger nossas crianças dos perigos da violência a qual
estão vulneráveis.
Cabe discutir, promover debates, ouvir nossos pequeninos, para que estando
informados possam identificar perigos eminentes e denunciar opressões sofridas.
Esperamos que ao tornar real este projeto no chão das Unidades Escolares,
muitas reflexões sensibilizem familiares, educadores e alunos para a importância de
posicionar-se contra qualquer ato de violência ou negligência contra nossas crianças
e adolescentes.
Contamos com o envolvimento de todos para que após o desenvolvimento do
plano de ação, as crianças possam estar munidas do conhecimento que as proteja
eficientemente, sabendo quem é responsável por sua proteção e o que fazer nos
casos de violação dos direitos.
5
Identificação
Título: Projeto MEGAFONE: Em alto e bom som, a escola a favor dos direitos da
criança
Tema : Direitos da criança e combate a violência infantil.
Público alvo: Alunos da Rede Municipal de Ensino de 1º ao 5º ano.
Objetivo Geral
Sensibilizar a comunidade escolar sobre a importância da proteção dos
direitos da criança e do adolescente por parte da escola e da família relacionando
conhecimento sobre bullying, trabalho infantil, violências e o Estatuto da Criança e
do Adolescente – ECA.
Objetivos específicos
 Apresentar o tema para os alunos e comunidade escolar por meio de reunião
aberta;
 Reconhecer a criança como sujeito de direitos;
 Relacionar e fortalecer a rede composta pelos órgãos e instituições
responsáveis pela defesa dos direitos da criança e do adolescente, incluindo
a escola;
 Conscientizar alunos e alunas ,usando diferentes estratégias, sobre os
Direitos da criança e do Adolescente relacionados no Estatuto da Criança e
do Adolescente – ECA;
 Reforçar as práticas de respeito mútuo entre as crianças e adolescentes;
 Dialogar sobre os diferentes tipos de violência contra a criança e o
adolescente em diferentes contextos sociais, econômicos;
 Relacionar os prejuízos que as práticas de violação dos direitos podem
ocasionar;
 Realizar palestras para informar os pais ou responsáveis sobre seus direitos
e deveres em relação à proteção dos filhos;
6
 Promover debates sobre a LEI nº 13.185, de 6 de novembro de 2015, que institui
o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) de acordo com o
nível de cada turma;
 Divulgar e realizar evento manifestando repúdio à violência contra a criança
na comunidade escolar.
Justificativa
A ideia desse projeto surgiu após estudos e palestras voltadas para a defesa
e a proteção das crianças e adolescentes por meio do MPT – Ministério Público do
Trabalho, Conselho Tutelar, Vara da Infância e Juventude, instituições que atuam no
combate ao trabalho infantil e contra a exploração sexual de crianças e
adolescentes. Embora seja um tema que compõe o currículo escolar, necessita ser
mais enfatizado dada a sua relevância.
Leis vigentes, inúmeras manifestações pelos direitos das crianças,
organizações não governamentais e governamentais alertam a cada dia com
veemência sobre a proteção das crianças e adolescentes no Brasil e no mundo. A
luta precisa contar com a escola que atua diretamente com alunos e alunas no
Ensino Fundamental. O tema leva a reflexão sobre a infância, seus direitos e como
estes são violados na nossa cidade. A abordagem sobre direitos e deveres da
criança e da família, bullying e como a violência se manifesta contra os pequenos
comporta a presente proposta.
Para dar uma resposta positiva ao problema, há que se considerar uma faceta
cruel dessas agressões: a invisibilidade. Muitos dos casos de violência, seja ela
física, sexual ou psicológica, não são notificados e, muito menos, investigados. A
vulnerabilidade é ainda maior quando se fala em pessoas com deficiência, negros,
adolescentes em conflito com a lei, moradores de rua e de meninas e meninos que
vivem em comunidades populares dos grandes centros urbanos.
As crianças e os adolescentes são especialmente afetados pela violência.
Mesmo com os esforços do governo brasileiro e da sociedade em geral para
7
enfrentar o problema, as estatísticas ainda apontam um cenário desolador em
relação à violência contra crianças e adolescentes. A cada dia, 129 casos de
violência psicológica e física, incluindo a sexual, e negligência contra crianças e
adolescentes são reportados, em média, ao Disque Denúncia 100. Isso quer dizer
que, a cada hora, cinco casos de violência contra meninas e meninos são
registrados no País. Esse quadro pode ser ainda mais grave se levarmos em
consideração que muitos desses crimes nunca chegam a ser denunciados.
Diante dessa situação, é necessário fazer algo para garantir os direitos
fundamentais das crianças. O símbolo do megafone foi escolhido, para que haja
uma discussão despertar a toda comunidade com voz firme e fazer ressoar o clamor
das crianças por seus direitos, que são elencados abaixo, segundo a Revista
Portuguesa Audácia:
Igualdade: A nacionalidade, a condição, a cor da pele... tudo pode ser
diferente, mas nós continuamos a ser iguais.
Identidade: Necessito de um nome, de uma pátria, de uma família...
Integração: Todos iguais... todos diferentes! Aceitem-me como sou e
eduquem-me como eu preciso!
Educação: Ensinem-me a pensar, a brincar, a viver com os outros a pensar
neles e a apreciar a vida.
Proteção: Preciso que os mais velhos cuidem de mim. Que protejam a minha
cidade, o meu país e defendam a terra.
Qualidade de vida: Quero ter uma casa, uma escola, uma alimentação
saudável, amigos com quem brincar. Quero que me tratem bem quando estiver
doente, para crescer melhor.
Amor: Quero que todas as crianças tenham uma família que as ame. E às
que não a têm, que a sociedade encontre um meio de remediar essa falta, para
poderem crescer felizes.
Fé: Ensinem-me a acreditar em valores que me façam feliz e me ajude a fazer
felizes os outros.
8
Ajuda: Quando tiver fome, sede, frio, estiver triste, doente... que alguém
esteja ao meu lado para me ajudar.
Solidariedade: Ensinem-me a semear a paz a minha volta, para que quando
eu crescer ajude a construir um mundo mais justo.
Denúncia: Quem souber de alguma criança maltratada, explorada,
humilhada, não se cale! Que grite bem alto e por todos os meios contra a opressão.
Não se trata apenas de trabalhar o ECA, mas de abordar as formas de
garantir que as crianças conheçam a Lei que as protege e se previnam das
possíveis formas de violência, denunciando sem medo as opressões que possam
estar vivendo.
Sabe-se da importância de um ambiente favorável ao desenvolvimento,
portanto é fundamental que a escola e a família trabalhem em parceria para
fomentar a discussão sobre a infância e suas condições.
Tanto a família, quanto a escola desejam a mesma coisa:
preparar as crianças para o mundo; no entanto a família tem
as suas particularidades que a diferenciam da escola e suas
necessidades que a aproximam dessa mesma instituição. A
escola tem sua metodologia e sua filosofia para educar
uma criança, no entanto precisa da família para concretizar
seu projeto educativo. (PAROLIM, 2005, p.99)
Certamente o trabalho com os pais ou familiares proposto por este projeto
surtirá efeitos positivos para o aluno e seus responsáveis.
Desenvolvimento metodológico do plano de ação
A temática sugerida deverá contemplar ações direcionadas aos alunos e
alunas com as devidas adaptações realizadas pelos docentes, de acordo com a
faixa etária. Portanto, cabe:
 Abordar o tema de forma ampla com a comunidade escolar em
parceria com órgãos e instituições em defesa da criança e do
adolescente em reuniões divulgadas previamente;
9
 Divulgar o projeto junto aos alunos em momento planejado em sala de
aula;
 Abordar o tema de acordo com o tempo previsto no currículo referência
de acordo com as disciplinas de Língua Portuguesa (leitura, produção,
interpretação textual), História (ECA), Geografia (Regiões), Matemática
(Leitura, construção e interpretação de dados), Arte (Confecção de
cartazes utilizando diversos materiais), Ensino Religioso (respeito,
igualdade).
 Motivar pesquisas em livros, jornais e web sobre os temas envolvidos;
 Entrevistar representantes de diferentes órgãos em defesa dos direitos
da criança e do adolescente: CRAS, CREAS, Conselho Tulelar, Vara
da Infância e da Juventude, com vistas a reconhecer sua função e
desmistificar seu papel punitivo;
 Caracterizar os diversos tipos de violência contra a criança e o
adolescente que ocorrem no seio da família e importantes atitudes de
prevenção;
 Analisar dados sobre a infância no Brasil, realizar enquetes e informar
os resultados para a comunidade escolar;
 Realizar trabalhos pedagógicos tais como produção de cartazes,
panfletos, murais informativos, desenhos que demonstrem a
importância de respeitar os direitos da criança;
 Apreciar relatos, documentários, vídeos informativos sobre as
condições da infância ao longo da história;
 Trabalhar textos informativos, histórias em quadrinhos envolvendo a
temática;
 Apresentar depoimentos de crianças que foram vítimas dos diversos
tipos de violência e os meios utilizados para superá-las;
 Realizar debate, mesa redonda, júri simulado para discutir sobre
bullying e conscientizar sobre suas consequências;
 Mobilizar pais, alunos e toda a comunidade escolar para a culminância
num grande evento – caminhada – em repúdio à violência infantil.
10
Sabe-se da enorme criatividade dos professores nas Unidades de Ensino,
portanto, cabe analisar as ações que serão pertinentes a cada série/ano e abordar
com a devida atenção a temática para que não cause constrangimento entre os
alunos, mas conscientização e mudança de atitudes por meio da sensibilização dos
mesmos e de suas famílias.
Infância, família e escola: Algumas considerações de acordo com a Unicef
A família é o ambiente ideal e fundamental para o desenvolvimento saudável
da criança. É a partir do convívio com os pais, irmãos e demais parentes que se
aprende e se desenvolve boa parte das capacidades essenciais para a vida adulta.
Entretanto, nesse mesmo contexto, acontecem as mais variadas formas de
violência contra crianças e adolescentes. São casos de violência física, sexual,
psicológica e de negligência (abandonos e omissão em relação às necessidades
físicas e emocionais) cometidas por pais, padrastos, tios, avós, irmãos e amigos
próximos. Alguns desses casos são tão violentos que chegam a levar a criança à
morte.
O Brasil possui uma população de 190 milhões de pessoas, dos quais 60
milhões têm menos de 18 anos de idade, o que equivale a quase um terço de toda a
população de crianças e adolescentes da América Latina e do Caribe. São dezenas
de milhões de pessoas que possuem direitos e deveres e necessitam de condições
para se desenvolverem com plenitude todo o seu potencial.
Contudo, as crianças são especialmente vulneráveis às violações de direitos,
à pobreza e à iniquidade no País. Por exemplo, 29% da população vive em famílias
pobres, mas, entre as crianças, esse número chega a 45,6%. As crianças negras,
por exemplo, têm quase 70% mais chance de viver na pobreza do que as brancas; o
mesmo pode ser observado para as crianças que vivem em áreas rurais. Na região
do Semiárido, onde vivem 13 milhões de crianças, mais de 70% das crianças e dos
adolescentes são classificados como pobres. Essas iniquidades são o maior
obstáculo para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) por
parte do País.
11
O Brasil está no rumo de alcançar o ODM 4, que trata da redução da
mortalidade infantil. O País fez grandes avanços – a taxa de mortalidade infantil caiu
de 47,1/1000, em 1990, para 19/1000, em 2008. Contudo, as disparidades
continuam: as crianças pobres têm mais do que o dobro de chance de morrer, em
comparação às ricas, e as negras, 50% a mais, em relação às brancas.
A taxa de sub-registro de nascimento caiu – de 30,3% (1995) para 8,9%
(2008) – mais ainda continua alta nas regiões Norte (15%) e Nordeste (20%).
Aproximadamente uma em cada quatro crianças de 4 a 6 anos estão fora da
escola. 64% das crianças pobres não vão à escola durante a primeira infância. A
desnutrição entre crianças menores de 1 ano diminuiu em mais de 60% nos últimos
cinco anos, mas ainda cerca de 60 mil crianças com menos de 1 ano são
desnutridas.
A violência contra crianças e adolescentes se manifesta em todos os lugares.
Pode ser na comunidade onde moram, na escola, nas instituições socioeducativas e
na família.
A atenção deve estar voltada especialmente em relação ao bullying, tema que
precisa ser tratado, pois, pode deixar traumas e sequelas emocionais na infância, a
partir Lei nº 13.185, de 6 de novembro de 2015, que institui o Programa de Combate à
Intimidação Sistemática (Bullying), reforçando as práticas de respeito mútuo no
espaço escolar.
A legislação brasileira esclarece sobre o dever da família na Constituição
Federal e Lei De Diretrizes e Bases 9394/96 e reforça por meio do Plano Nacional
de Convivência Familiar e Comunitária (2009) sobre a importância da família e
preocupação de fornecer assistência social quando há dificuldades ou
enfrentamentos em assistir seus membros diante de inúmeros fatores.
É dever da família, da comunidade, da sociedade em
geral e do poder público assegurar com absoluta
prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à
saúde à alimentação à educação, ao esporte, ao lazer, à
profissionalização, à cultura, à dignidade ao respeito, à
liberdade e a convivência familiar e comunitária. (Lei nº
8069, de 13 de junho de 1990)
12
A abertura para discutir com os alunos alunas e suas famílias sobre direitos,
violência e prevenção, deve estar no topo das prioridades da escola, certamente irá
despertar a comunidade escolar para a importância de viver uma infância saudável e
com a devida proteção.
Cronograma
A execução deverá perpassar as seguintes etapas em toda a Rede Municipal
de Ensino:
Etapa Data prevista
1- Abertura do projeto (Oficial)
2- Apresentação do tema (Unidades
Escolares)
12 de agosto
15 a 19 de agosto
3- Desenvolvimento das ações
(palestras, atividades
pedagógicas).
22 de agosto a 30 de setembro
4- Culminância 07 de outubro
Avaliação
A avaliação será realizada pela escola utilizando enquete com as seguintes
questões básicas, devendo ser tabulada por cada série/ano e exposta para a
comunidade escolar antes da culminância . O instrumento poderá ser adaptado para
as turmas de alunos menores.
Depois do trabalho realizado no projeto Megafone, você
Conhece os órgão que protegem os
direitos das crianças?
Sim ( ) Não ( ) Alguns( )
Se sente capaz de denunciar violência
pelo Disque 100?
Sim ( ) Não ( ) Jamais( )
Sente mais confiança para conversar
sobre violência com
A família( ) os professores( )
( )amigos
Aprendeu mais sobre respeito mútuo
nas discussões
sim( ) não( ) Não participei ( )
13
Considerações
A Secretaria Municipal de Educação reconhece a importância de trabalhar
enfaticamente sobre a defesa e proteção dos direitos fundamentais das crianças e
adolescentes, clientela a qual atende de 1º ao 5º ano. Falar, discutir, conhecer os
tipos de violação dos direitos é humanizar a prática educativa auxiliando para que
cada criança se perceba pessoa capaz de respeitar e ser respeitada fisicamente,
emocionalmente e socialmente.
A amplitude do projeto da autonomia às escolas de tratar o tema de acordo
com a sua realidade. A abordagem junto às famílias torna-se realmente necessária
para que ocorra a sensibilização e até a identificação de situações de violência antes
omitidas e não denunciadas.
Espera-se que a Rede de Ensino se una à Rede de Proteção à criança e ao
adolescente, e possa dar visibilidade ao tema reforçando a prática da cidadania na
escola e na família, promovendo a conscientização e a prevenção de quaisquer atos
que caracterizem a violação de direitos da criança, principalmente a violência física e
psicológica.
Referências bibliográficas
BRASÍLIA, DF. Plano Nacional De Promoção, Proteção E Defesa do Direito de
Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. 2009.
COPPI P. DE; HEERDT M. L., Como educar hoje?:Reflexões e propostas para uma
educação integral. São Paulo: mundo e missão, 2003.
Brasil. Ministério da Saúde. Estatuto da Criança e do Adolescente / Ministério da
Saúde. 3. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008. 96 p. – (Série E.
Legislação de Saúde)
Infância e adolescência no Brasil: Disponível em
http://www.unicef.org/brazil/pt/activities_9381.htm. Acesso 06/06/2016.
PAROLIN, I. Professores formadores: A relação entre a família, a escola e a
aprendizagem- Práticas educativas. São Paulo:Positivo, 2003.
14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Adolescentes
AdolescentesAdolescentes
Adolescentes
 
Ecaeldb 090826191907-phpapp02
Ecaeldb 090826191907-phpapp02Ecaeldb 090826191907-phpapp02
Ecaeldb 090826191907-phpapp02
 
Escola que protege
Escola que protegeEscola que protege
Escola que protege
 
Br competencias para_a_vida
Br competencias para_a_vidaBr competencias para_a_vida
Br competencias para_a_vida
 
Conte Até 10
Conte Até 10Conte Até 10
Conte Até 10
 
Educacao
EducacaoEducacao
Educacao
 
PROFESSORES INICIANTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PROCESSO DE FORMAÇÃO: UM ESTUD...
PROFESSORES INICIANTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PROCESSO DE FORMAÇÃO: UM ESTUD...PROFESSORES INICIANTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PROCESSO DE FORMAÇÃO: UM ESTUD...
PROFESSORES INICIANTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM PROCESSO DE FORMAÇÃO: UM ESTUD...
 
Apresentação projeto sinaleira
Apresentação projeto sinaleiraApresentação projeto sinaleira
Apresentação projeto sinaleira
 
Palestras Lilia Schwarcz
Palestras Lilia SchwarczPalestras Lilia Schwarcz
Palestras Lilia Schwarcz
 
Direitos humanos e mídia
Direitos humanos e mídiaDireitos humanos e mídia
Direitos humanos e mídia
 
Juventude e cidadania
Juventude e cidadaniaJuventude e cidadania
Juventude e cidadania
 
Web vozes
Web vozesWeb vozes
Web vozes
 
Cartilha oficina-do-eca-volume-2
Cartilha oficina-do-eca-volume-2Cartilha oficina-do-eca-volume-2
Cartilha oficina-do-eca-volume-2
 
Estatuto da juventude
Estatuto da juventudeEstatuto da juventude
Estatuto da juventude
 
Entrevista com n ilma lino
Entrevista com n ilma linoEntrevista com n ilma lino
Entrevista com n ilma lino
 
Estatuto da Juventude - Lei 12852
Estatuto da Juventude - Lei 12852Estatuto da Juventude - Lei 12852
Estatuto da Juventude - Lei 12852
 
Direitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. InfantilDireitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. Infantil
 
259290435 livro-medida-legal
259290435 livro-medida-legal259290435 livro-medida-legal
259290435 livro-medida-legal
 
Causos do eca
Causos do ecaCausos do eca
Causos do eca
 
Rsrsrsrsrrss
RsrsrsrsrrssRsrsrsrsrrss
Rsrsrsrsrrss
 

Semelhante a Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das crianças e adolescentes.

Apostila do curso violencia sexual ea d apos
Apostila do curso violencia sexual   ea d aposApostila do curso violencia sexual   ea d apos
Apostila do curso violencia sexual ea d aposLaura Fernanda Nunes
 
Cartilha mprj bullying_praticas_positivas_de_prevencao_na_escola
Cartilha mprj bullying_praticas_positivas_de_prevencao_na_escolaCartilha mprj bullying_praticas_positivas_de_prevencao_na_escola
Cartilha mprj bullying_praticas_positivas_de_prevencao_na_escolaACECTALCT
 
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptxSexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptxPatriciaDaSilvaMunho
 
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violênciaProtocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violênciaJuninho Spina
 
Slides desigualdade social 25 08
Slides desigualdade social 25 08Slides desigualdade social 25 08
Slides desigualdade social 25 08Rona2525
 
Slides desigualdade social 25 08
Slides desigualdade social 25 08Slides desigualdade social 25 08
Slides desigualdade social 25 08Geny Carvalho
 
Revista quebrando silencio 2019
Revista quebrando silencio 2019 Revista quebrando silencio 2019
Revista quebrando silencio 2019 Rogerio Sena
 
Slides de apresentação do projeto
Slides de apresentação do projetoSlides de apresentação do projeto
Slides de apresentação do projetoLidiane Lima
 
Slides escola que protege forma+ç+âo prof cursistas
Slides   escola que protege  forma+ç+âo prof cursistasSlides   escola que protege  forma+ç+âo prof cursistas
Slides escola que protege forma+ç+âo prof cursistasLidiane Lima
 
cartilha-parou-aqui.pdf
cartilha-parou-aqui.pdfcartilha-parou-aqui.pdf
cartilha-parou-aqui.pdfRaquelBrito54
 
Cartilha violencia contra_criancas_adolescentes_web
Cartilha violencia contra_criancas_adolescentes_webCartilha violencia contra_criancas_adolescentes_web
Cartilha violencia contra_criancas_adolescentes_webRosemary Batista
 
39 da691a fd4e-d119-3dae60914b0999ae
39 da691a fd4e-d119-3dae60914b0999ae39 da691a fd4e-d119-3dae60914b0999ae
39 da691a fd4e-d119-3dae60914b0999aeMarcia Gomes
 
Apresentação 'Mídia e os Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes'
Apresentação 'Mídia e os Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes'Apresentação 'Mídia e os Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes'
Apresentação 'Mídia e os Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes'Governo de Sergipe
 

Semelhante a Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das crianças e adolescentes. (20)

Apostila do curso violencia sexual ea d apos
Apostila do curso violencia sexual   ea d aposApostila do curso violencia sexual   ea d apos
Apostila do curso violencia sexual ea d apos
 
Cartilha mprj bullying_praticas_positivas_de_prevencao_na_escola
Cartilha mprj bullying_praticas_positivas_de_prevencao_na_escolaCartilha mprj bullying_praticas_positivas_de_prevencao_na_escola
Cartilha mprj bullying_praticas_positivas_de_prevencao_na_escola
 
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptxSexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
 
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violênciaProtocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
 
Nepre 2012
Nepre 2012Nepre 2012
Nepre 2012
 
Slides desigualdade social 25 08
Slides desigualdade social 25 08Slides desigualdade social 25 08
Slides desigualdade social 25 08
 
Slides desigualdade social 25 08
Slides desigualdade social 25 08Slides desigualdade social 25 08
Slides desigualdade social 25 08
 
Revista quebrando silencio 2019
Revista quebrando silencio 2019 Revista quebrando silencio 2019
Revista quebrando silencio 2019
 
Cartilha Conte Até 10
Cartilha Conte Até 10Cartilha Conte Até 10
Cartilha Conte Até 10
 
Criança
CriançaCriança
Criança
 
Slides de apresentação do projeto
Slides de apresentação do projetoSlides de apresentação do projeto
Slides de apresentação do projeto
 
Slides escola que protege forma+ç+âo prof cursistas
Slides   escola que protege  forma+ç+âo prof cursistasSlides   escola que protege  forma+ç+âo prof cursistas
Slides escola que protege forma+ç+âo prof cursistas
 
cartilha-parou-aqui.pdf
cartilha-parou-aqui.pdfcartilha-parou-aqui.pdf
cartilha-parou-aqui.pdf
 
Cartilha violencia contra_criancas_adolescentes_web
Cartilha violencia contra_criancas_adolescentes_webCartilha violencia contra_criancas_adolescentes_web
Cartilha violencia contra_criancas_adolescentes_web
 
39 da691a fd4e-d119-3dae60914b0999ae
39 da691a fd4e-d119-3dae60914b0999ae39 da691a fd4e-d119-3dae60914b0999ae
39 da691a fd4e-d119-3dae60914b0999ae
 
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdfESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
ESTUDO_DIVERSIDADES_rev.pdf
 
Apresentação 'Mídia e os Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes'
Apresentação 'Mídia e os Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes'Apresentação 'Mídia e os Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes'
Apresentação 'Mídia e os Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes'
 
abuso sexxual
abuso sexxualabuso sexxual
abuso sexxual
 
CULMINÂNCIA.pptx
CULMINÂNCIA.pptxCULMINÂNCIA.pptx
CULMINÂNCIA.pptx
 
Cópia de projeto bullying na escola em rede
Cópia de projeto bullying na escola em redeCópia de projeto bullying na escola em rede
Cópia de projeto bullying na escola em rede
 

Mais de Maria Cecilia Silva

Oficina contação de histórias virtuais itumbiara
Oficina contação de histórias virtuais itumbiaraOficina contação de histórias virtuais itumbiara
Oficina contação de histórias virtuais itumbiaraMaria Cecilia Silva
 
Ler e contar histórias: reverberações do mestrado
Ler e contar histórias: reverberações do mestradoLer e contar histórias: reverberações do mestrado
Ler e contar histórias: reverberações do mestradoMaria Cecilia Silva
 
Ensino remoto: desafios e possibilidades
Ensino remoto: desafios e possibilidadesEnsino remoto: desafios e possibilidades
Ensino remoto: desafios e possibilidadesMaria Cecilia Silva
 
Aula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedral
Aula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedralAula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedral
Aula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedralMaria Cecilia Silva
 
Mulheres escritoras: cenário digital e a contação de histórias
Mulheres escritoras: cenário digital e a contação de históriasMulheres escritoras: cenário digital e a contação de histórias
Mulheres escritoras: cenário digital e a contação de históriasMaria Cecilia Silva
 
Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021
Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021
Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021Maria Cecilia Silva
 
Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...
Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...
Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...Maria Cecilia Silva
 
A contação de histórias na cena
A contação de histórias na cenaA contação de histórias na cena
A contação de histórias na cenaMaria Cecilia Silva
 
Circuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de Experiência
Circuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de ExperiênciaCircuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de Experiência
Circuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de ExperiênciaMaria Cecilia Silva
 
Autobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualAutobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualMaria Cecilia Silva
 
A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...
A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...
A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...Maria Cecilia Silva
 
Congresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJ
Congresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJCongresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJ
Congresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJMaria Cecilia Silva
 
Arte e educação na cena: Repercussões de um projeto didático
Arte e educação na cena: Repercussões de um projeto didáticoArte e educação na cena: Repercussões de um projeto didático
Arte e educação na cena: Repercussões de um projeto didáticoMaria Cecilia Silva
 
Comunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cena
Comunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cenaComunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cena
Comunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cenaMaria Cecilia Silva
 
Seminarios integrados de pesquisa - Aproximações investigativas de duas pesq...
Seminarios integrados de pesquisa  - Aproximações investigativas de duas pesq...Seminarios integrados de pesquisa  - Aproximações investigativas de duas pesq...
Seminarios integrados de pesquisa - Aproximações investigativas de duas pesq...Maria Cecilia Silva
 
Seminario performances em Arte Educação
Seminario performances em Arte EducaçãoSeminario performances em Arte Educação
Seminario performances em Arte EducaçãoMaria Cecilia Silva
 
Seminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducação
Seminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducaçãoSeminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducação
Seminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducaçãoMaria Cecilia Silva
 
Metodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeres
Metodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeresMetodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeres
Metodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeresMaria Cecilia Silva
 
Oficina Recursos para contação de histórias online
Oficina Recursos para contação de histórias onlineOficina Recursos para contação de histórias online
Oficina Recursos para contação de histórias onlineMaria Cecilia Silva
 

Mais de Maria Cecilia Silva (20)

Oficina contação de histórias virtuais itumbiara
Oficina contação de histórias virtuais itumbiaraOficina contação de histórias virtuais itumbiara
Oficina contação de histórias virtuais itumbiara
 
Ler e contar histórias: reverberações do mestrado
Ler e contar histórias: reverberações do mestradoLer e contar histórias: reverberações do mestrado
Ler e contar histórias: reverberações do mestrado
 
Ensino remoto: desafios e possibilidades
Ensino remoto: desafios e possibilidadesEnsino remoto: desafios e possibilidades
Ensino remoto: desafios e possibilidades
 
Aula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedral
Aula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedralAula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedral
Aula palestra sobre ler e contar - Centro universitário Uni cathedral
 
Mulheres escritoras: cenário digital e a contação de histórias
Mulheres escritoras: cenário digital e a contação de históriasMulheres escritoras: cenário digital e a contação de histórias
Mulheres escritoras: cenário digital e a contação de histórias
 
Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021
Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021
Projeto de extensão Unidos pela histórias: poster Conpeex 2021
 
Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...
Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...
Comunidade de prática a/r/tográfica: era uma vez um grupo de estudos que se u...
 
A contação de histórias na cena
A contação de histórias na cenaA contação de histórias na cena
A contação de histórias na cena
 
Circuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de Experiência
Circuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de ExperiênciaCircuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de Experiência
Circuito de saberes sobre o ensino remoto - Relato de Experiência
 
Estado da arte da pesquisa
Estado da arte da pesquisaEstado da arte da pesquisa
Estado da arte da pesquisa
 
Autobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualAutobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textual
 
A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...
A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...
A ARTE DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NO FOCO DA CENA: DISCUSSÃO INICIAL SOBRE UMA ...
 
Congresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJ
Congresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJCongresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJ
Congresso Internacional de Literatura Infantil e Juvenil - CelliJ
 
Arte e educação na cena: Repercussões de um projeto didático
Arte e educação na cena: Repercussões de um projeto didáticoArte e educação na cena: Repercussões de um projeto didático
Arte e educação na cena: Repercussões de um projeto didático
 
Comunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cena
Comunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cenaComunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cena
Comunicação oral no II Seminar - Arte de contar histórias no foco da cena
 
Seminarios integrados de pesquisa - Aproximações investigativas de duas pesq...
Seminarios integrados de pesquisa  - Aproximações investigativas de duas pesq...Seminarios integrados de pesquisa  - Aproximações investigativas de duas pesq...
Seminarios integrados de pesquisa - Aproximações investigativas de duas pesq...
 
Seminario performances em Arte Educação
Seminario performances em Arte EducaçãoSeminario performances em Arte Educação
Seminario performances em Arte Educação
 
Seminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducação
Seminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducaçãoSeminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducação
Seminarios integrados de_pesquisa: entrelugares em arteducação
 
Metodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeres
Metodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeresMetodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeres
Metodologia de pesquisa em Arte: entrelugares, saberes-fazeres
 
Oficina Recursos para contação de histórias online
Oficina Recursos para contação de histórias onlineOficina Recursos para contação de histórias online
Oficina Recursos para contação de histórias online
 

Último

Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 

Último (20)

Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 

Projeto Megafone: A escola em alto e bom som falando sobre os direitos das crianças e adolescentes.

  • 1. DIVISÃO DE ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO MEGAFONE: Em alto e bom som, a escola a favor dos direitos da criança e do adolescente. Luziânia - GO, junho de 2016.
  • 2. 2 MAGDA MARQUES MELO MARIA CECÍLIA SILVA DE AMORIM PROJETO MEGAFONE: Em alto e bom som, a escola a favor dos direitos da criança e do adolescente.
  • 3. 3 Prefeito Cristóvao Vaz Tormin Secretária de Educação e Cultura Cleudinéia Pereira Silva Pince Diretora da Divisão de Ensino Fundamental Vera Lúcia de Melo Rosa Coordenadoras responsáveis pela elaboração: Magda Marques Melo Maria Cecília Silva de Amorim
  • 4. 4 Apresentação A Secretaria Municipal de Educação apresenta para a Rede de Ensino e comunidade o “Projeto Megafone: em alto e bom som, a escola a favor dos direitos da criança e do adolescente.” A proposta surgiu da necessidade de fortalecer as redes de proteção à criança e ao adolescente e despertar a escola contra manifestações de violação dos direitos das crianças: bullying, violência física, psicológica, exploração ou abuso sexual, trabalho infantil e outras. È preciso dar voz ao tema para seja do conhecimento de toda a comunidade escolar a importância de proteger nossas crianças dos perigos da violência a qual estão vulneráveis. Cabe discutir, promover debates, ouvir nossos pequeninos, para que estando informados possam identificar perigos eminentes e denunciar opressões sofridas. Esperamos que ao tornar real este projeto no chão das Unidades Escolares, muitas reflexões sensibilizem familiares, educadores e alunos para a importância de posicionar-se contra qualquer ato de violência ou negligência contra nossas crianças e adolescentes. Contamos com o envolvimento de todos para que após o desenvolvimento do plano de ação, as crianças possam estar munidas do conhecimento que as proteja eficientemente, sabendo quem é responsável por sua proteção e o que fazer nos casos de violação dos direitos.
  • 5. 5 Identificação Título: Projeto MEGAFONE: Em alto e bom som, a escola a favor dos direitos da criança Tema : Direitos da criança e combate a violência infantil. Público alvo: Alunos da Rede Municipal de Ensino de 1º ao 5º ano. Objetivo Geral Sensibilizar a comunidade escolar sobre a importância da proteção dos direitos da criança e do adolescente por parte da escola e da família relacionando conhecimento sobre bullying, trabalho infantil, violências e o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA. Objetivos específicos  Apresentar o tema para os alunos e comunidade escolar por meio de reunião aberta;  Reconhecer a criança como sujeito de direitos;  Relacionar e fortalecer a rede composta pelos órgãos e instituições responsáveis pela defesa dos direitos da criança e do adolescente, incluindo a escola;  Conscientizar alunos e alunas ,usando diferentes estratégias, sobre os Direitos da criança e do Adolescente relacionados no Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA;  Reforçar as práticas de respeito mútuo entre as crianças e adolescentes;  Dialogar sobre os diferentes tipos de violência contra a criança e o adolescente em diferentes contextos sociais, econômicos;  Relacionar os prejuízos que as práticas de violação dos direitos podem ocasionar;  Realizar palestras para informar os pais ou responsáveis sobre seus direitos e deveres em relação à proteção dos filhos;
  • 6. 6  Promover debates sobre a LEI nº 13.185, de 6 de novembro de 2015, que institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) de acordo com o nível de cada turma;  Divulgar e realizar evento manifestando repúdio à violência contra a criança na comunidade escolar. Justificativa A ideia desse projeto surgiu após estudos e palestras voltadas para a defesa e a proteção das crianças e adolescentes por meio do MPT – Ministério Público do Trabalho, Conselho Tutelar, Vara da Infância e Juventude, instituições que atuam no combate ao trabalho infantil e contra a exploração sexual de crianças e adolescentes. Embora seja um tema que compõe o currículo escolar, necessita ser mais enfatizado dada a sua relevância. Leis vigentes, inúmeras manifestações pelos direitos das crianças, organizações não governamentais e governamentais alertam a cada dia com veemência sobre a proteção das crianças e adolescentes no Brasil e no mundo. A luta precisa contar com a escola que atua diretamente com alunos e alunas no Ensino Fundamental. O tema leva a reflexão sobre a infância, seus direitos e como estes são violados na nossa cidade. A abordagem sobre direitos e deveres da criança e da família, bullying e como a violência se manifesta contra os pequenos comporta a presente proposta. Para dar uma resposta positiva ao problema, há que se considerar uma faceta cruel dessas agressões: a invisibilidade. Muitos dos casos de violência, seja ela física, sexual ou psicológica, não são notificados e, muito menos, investigados. A vulnerabilidade é ainda maior quando se fala em pessoas com deficiência, negros, adolescentes em conflito com a lei, moradores de rua e de meninas e meninos que vivem em comunidades populares dos grandes centros urbanos. As crianças e os adolescentes são especialmente afetados pela violência. Mesmo com os esforços do governo brasileiro e da sociedade em geral para
  • 7. 7 enfrentar o problema, as estatísticas ainda apontam um cenário desolador em relação à violência contra crianças e adolescentes. A cada dia, 129 casos de violência psicológica e física, incluindo a sexual, e negligência contra crianças e adolescentes são reportados, em média, ao Disque Denúncia 100. Isso quer dizer que, a cada hora, cinco casos de violência contra meninas e meninos são registrados no País. Esse quadro pode ser ainda mais grave se levarmos em consideração que muitos desses crimes nunca chegam a ser denunciados. Diante dessa situação, é necessário fazer algo para garantir os direitos fundamentais das crianças. O símbolo do megafone foi escolhido, para que haja uma discussão despertar a toda comunidade com voz firme e fazer ressoar o clamor das crianças por seus direitos, que são elencados abaixo, segundo a Revista Portuguesa Audácia: Igualdade: A nacionalidade, a condição, a cor da pele... tudo pode ser diferente, mas nós continuamos a ser iguais. Identidade: Necessito de um nome, de uma pátria, de uma família... Integração: Todos iguais... todos diferentes! Aceitem-me como sou e eduquem-me como eu preciso! Educação: Ensinem-me a pensar, a brincar, a viver com os outros a pensar neles e a apreciar a vida. Proteção: Preciso que os mais velhos cuidem de mim. Que protejam a minha cidade, o meu país e defendam a terra. Qualidade de vida: Quero ter uma casa, uma escola, uma alimentação saudável, amigos com quem brincar. Quero que me tratem bem quando estiver doente, para crescer melhor. Amor: Quero que todas as crianças tenham uma família que as ame. E às que não a têm, que a sociedade encontre um meio de remediar essa falta, para poderem crescer felizes. Fé: Ensinem-me a acreditar em valores que me façam feliz e me ajude a fazer felizes os outros.
  • 8. 8 Ajuda: Quando tiver fome, sede, frio, estiver triste, doente... que alguém esteja ao meu lado para me ajudar. Solidariedade: Ensinem-me a semear a paz a minha volta, para que quando eu crescer ajude a construir um mundo mais justo. Denúncia: Quem souber de alguma criança maltratada, explorada, humilhada, não se cale! Que grite bem alto e por todos os meios contra a opressão. Não se trata apenas de trabalhar o ECA, mas de abordar as formas de garantir que as crianças conheçam a Lei que as protege e se previnam das possíveis formas de violência, denunciando sem medo as opressões que possam estar vivendo. Sabe-se da importância de um ambiente favorável ao desenvolvimento, portanto é fundamental que a escola e a família trabalhem em parceria para fomentar a discussão sobre a infância e suas condições. Tanto a família, quanto a escola desejam a mesma coisa: preparar as crianças para o mundo; no entanto a família tem as suas particularidades que a diferenciam da escola e suas necessidades que a aproximam dessa mesma instituição. A escola tem sua metodologia e sua filosofia para educar uma criança, no entanto precisa da família para concretizar seu projeto educativo. (PAROLIM, 2005, p.99) Certamente o trabalho com os pais ou familiares proposto por este projeto surtirá efeitos positivos para o aluno e seus responsáveis. Desenvolvimento metodológico do plano de ação A temática sugerida deverá contemplar ações direcionadas aos alunos e alunas com as devidas adaptações realizadas pelos docentes, de acordo com a faixa etária. Portanto, cabe:  Abordar o tema de forma ampla com a comunidade escolar em parceria com órgãos e instituições em defesa da criança e do adolescente em reuniões divulgadas previamente;
  • 9. 9  Divulgar o projeto junto aos alunos em momento planejado em sala de aula;  Abordar o tema de acordo com o tempo previsto no currículo referência de acordo com as disciplinas de Língua Portuguesa (leitura, produção, interpretação textual), História (ECA), Geografia (Regiões), Matemática (Leitura, construção e interpretação de dados), Arte (Confecção de cartazes utilizando diversos materiais), Ensino Religioso (respeito, igualdade).  Motivar pesquisas em livros, jornais e web sobre os temas envolvidos;  Entrevistar representantes de diferentes órgãos em defesa dos direitos da criança e do adolescente: CRAS, CREAS, Conselho Tulelar, Vara da Infância e da Juventude, com vistas a reconhecer sua função e desmistificar seu papel punitivo;  Caracterizar os diversos tipos de violência contra a criança e o adolescente que ocorrem no seio da família e importantes atitudes de prevenção;  Analisar dados sobre a infância no Brasil, realizar enquetes e informar os resultados para a comunidade escolar;  Realizar trabalhos pedagógicos tais como produção de cartazes, panfletos, murais informativos, desenhos que demonstrem a importância de respeitar os direitos da criança;  Apreciar relatos, documentários, vídeos informativos sobre as condições da infância ao longo da história;  Trabalhar textos informativos, histórias em quadrinhos envolvendo a temática;  Apresentar depoimentos de crianças que foram vítimas dos diversos tipos de violência e os meios utilizados para superá-las;  Realizar debate, mesa redonda, júri simulado para discutir sobre bullying e conscientizar sobre suas consequências;  Mobilizar pais, alunos e toda a comunidade escolar para a culminância num grande evento – caminhada – em repúdio à violência infantil.
  • 10. 10 Sabe-se da enorme criatividade dos professores nas Unidades de Ensino, portanto, cabe analisar as ações que serão pertinentes a cada série/ano e abordar com a devida atenção a temática para que não cause constrangimento entre os alunos, mas conscientização e mudança de atitudes por meio da sensibilização dos mesmos e de suas famílias. Infância, família e escola: Algumas considerações de acordo com a Unicef A família é o ambiente ideal e fundamental para o desenvolvimento saudável da criança. É a partir do convívio com os pais, irmãos e demais parentes que se aprende e se desenvolve boa parte das capacidades essenciais para a vida adulta. Entretanto, nesse mesmo contexto, acontecem as mais variadas formas de violência contra crianças e adolescentes. São casos de violência física, sexual, psicológica e de negligência (abandonos e omissão em relação às necessidades físicas e emocionais) cometidas por pais, padrastos, tios, avós, irmãos e amigos próximos. Alguns desses casos são tão violentos que chegam a levar a criança à morte. O Brasil possui uma população de 190 milhões de pessoas, dos quais 60 milhões têm menos de 18 anos de idade, o que equivale a quase um terço de toda a população de crianças e adolescentes da América Latina e do Caribe. São dezenas de milhões de pessoas que possuem direitos e deveres e necessitam de condições para se desenvolverem com plenitude todo o seu potencial. Contudo, as crianças são especialmente vulneráveis às violações de direitos, à pobreza e à iniquidade no País. Por exemplo, 29% da população vive em famílias pobres, mas, entre as crianças, esse número chega a 45,6%. As crianças negras, por exemplo, têm quase 70% mais chance de viver na pobreza do que as brancas; o mesmo pode ser observado para as crianças que vivem em áreas rurais. Na região do Semiárido, onde vivem 13 milhões de crianças, mais de 70% das crianças e dos adolescentes são classificados como pobres. Essas iniquidades são o maior obstáculo para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) por parte do País.
  • 11. 11 O Brasil está no rumo de alcançar o ODM 4, que trata da redução da mortalidade infantil. O País fez grandes avanços – a taxa de mortalidade infantil caiu de 47,1/1000, em 1990, para 19/1000, em 2008. Contudo, as disparidades continuam: as crianças pobres têm mais do que o dobro de chance de morrer, em comparação às ricas, e as negras, 50% a mais, em relação às brancas. A taxa de sub-registro de nascimento caiu – de 30,3% (1995) para 8,9% (2008) – mais ainda continua alta nas regiões Norte (15%) e Nordeste (20%). Aproximadamente uma em cada quatro crianças de 4 a 6 anos estão fora da escola. 64% das crianças pobres não vão à escola durante a primeira infância. A desnutrição entre crianças menores de 1 ano diminuiu em mais de 60% nos últimos cinco anos, mas ainda cerca de 60 mil crianças com menos de 1 ano são desnutridas. A violência contra crianças e adolescentes se manifesta em todos os lugares. Pode ser na comunidade onde moram, na escola, nas instituições socioeducativas e na família. A atenção deve estar voltada especialmente em relação ao bullying, tema que precisa ser tratado, pois, pode deixar traumas e sequelas emocionais na infância, a partir Lei nº 13.185, de 6 de novembro de 2015, que institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying), reforçando as práticas de respeito mútuo no espaço escolar. A legislação brasileira esclarece sobre o dever da família na Constituição Federal e Lei De Diretrizes e Bases 9394/96 e reforça por meio do Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária (2009) sobre a importância da família e preocupação de fornecer assistência social quando há dificuldades ou enfrentamentos em assistir seus membros diante de inúmeros fatores. É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde à alimentação à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade ao respeito, à liberdade e a convivência familiar e comunitária. (Lei nº 8069, de 13 de junho de 1990)
  • 12. 12 A abertura para discutir com os alunos alunas e suas famílias sobre direitos, violência e prevenção, deve estar no topo das prioridades da escola, certamente irá despertar a comunidade escolar para a importância de viver uma infância saudável e com a devida proteção. Cronograma A execução deverá perpassar as seguintes etapas em toda a Rede Municipal de Ensino: Etapa Data prevista 1- Abertura do projeto (Oficial) 2- Apresentação do tema (Unidades Escolares) 12 de agosto 15 a 19 de agosto 3- Desenvolvimento das ações (palestras, atividades pedagógicas). 22 de agosto a 30 de setembro 4- Culminância 07 de outubro Avaliação A avaliação será realizada pela escola utilizando enquete com as seguintes questões básicas, devendo ser tabulada por cada série/ano e exposta para a comunidade escolar antes da culminância . O instrumento poderá ser adaptado para as turmas de alunos menores. Depois do trabalho realizado no projeto Megafone, você Conhece os órgão que protegem os direitos das crianças? Sim ( ) Não ( ) Alguns( ) Se sente capaz de denunciar violência pelo Disque 100? Sim ( ) Não ( ) Jamais( ) Sente mais confiança para conversar sobre violência com A família( ) os professores( ) ( )amigos Aprendeu mais sobre respeito mútuo nas discussões sim( ) não( ) Não participei ( )
  • 13. 13 Considerações A Secretaria Municipal de Educação reconhece a importância de trabalhar enfaticamente sobre a defesa e proteção dos direitos fundamentais das crianças e adolescentes, clientela a qual atende de 1º ao 5º ano. Falar, discutir, conhecer os tipos de violação dos direitos é humanizar a prática educativa auxiliando para que cada criança se perceba pessoa capaz de respeitar e ser respeitada fisicamente, emocionalmente e socialmente. A amplitude do projeto da autonomia às escolas de tratar o tema de acordo com a sua realidade. A abordagem junto às famílias torna-se realmente necessária para que ocorra a sensibilização e até a identificação de situações de violência antes omitidas e não denunciadas. Espera-se que a Rede de Ensino se una à Rede de Proteção à criança e ao adolescente, e possa dar visibilidade ao tema reforçando a prática da cidadania na escola e na família, promovendo a conscientização e a prevenção de quaisquer atos que caracterizem a violação de direitos da criança, principalmente a violência física e psicológica. Referências bibliográficas BRASÍLIA, DF. Plano Nacional De Promoção, Proteção E Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. 2009. COPPI P. DE; HEERDT M. L., Como educar hoje?:Reflexões e propostas para uma educação integral. São Paulo: mundo e missão, 2003. Brasil. Ministério da Saúde. Estatuto da Criança e do Adolescente / Ministério da Saúde. 3. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008. 96 p. – (Série E. Legislação de Saúde) Infância e adolescência no Brasil: Disponível em http://www.unicef.org/brazil/pt/activities_9381.htm. Acesso 06/06/2016. PAROLIN, I. Professores formadores: A relação entre a família, a escola e a aprendizagem- Práticas educativas. São Paulo:Positivo, 2003.
  • 14. 14