SlideShare uma empresa Scribd logo
4



                                    1. INTRODUÇÃO


O presente Projeto de Estágio, exigência do componente curricular Pesquisa e
Estágio em Espaços Não-formais do curso de Pedagogia da Universidade do Estado
da Bahia – UNEB – Campus VII, que tem como docente Simone Ferreira Souza
Wanderley, vem trazendo uma abordagem sobre Literatura Infantil e a descrição das
atividades a serem desenvolvidas no período de estágio. Este será realizado na
Associação de Incentivo Formação e Proteção à Criança, Adolescentes, Jovens e
Adultos, mais conhecido como Projeto Benjamim, situado à Rua Coronel Eleodoro,
nº 03, Bairro do Bosque na cidade de Senhor do Bonfim – BA.


Este projeto tem como principal objetivo a pesquisa, observação e aplicação dos
saberes adquiridos no espaço acadêmico que será realizado de acordo com a
metodologia com a pretensão de contribuir com a aprendizagem e com a rotina das
crianças ali inseridas, levando-os a refletir e descobrir o fabuloso, a fantasia, o
imaginário e o mistério das histórias infantis.


Vivemos em um país democrático em que os cidadãos possuem igualdade de
direitos à saúde, educação, ao lar, ao trabalho, habitação. Contudo, observamos
uma realidade que se distancia do que está previsto por lei: pessoas que não
possuem condições de sobrevivência adequada que vive às margens da sociedade
sujeita a graves problemas sociais.


A educação não-formal é uma nova modalidade de educação. Essa educação
ocorre de forma intencional, mas não é sistemática com conteúdos programáticos;
visa possibilitar aos indivíduos uma formação integral e social. Segundo Gonh “Um
dos supostos básicos da educação não-formal é o de que a aprendizagem se dá por
meio da prática social. É a experiência das pessoas em trabalhos coletivos que gera
um aprendizado. A produção de conhecimento ocorre não pela absorção de
conteúdos previamente sistematizados,... é gerado por meio da vivencia de certas
situações-problema” (p.103).
5



É evidente a necessidade de futuros educadores vivenciarem a realidade nas
instituições de educação não-formal através de um olhar investigador que seja
capaz de compreender-la e interagir nos possibilitando a interpretação da mesma.
Através do estágio nessa instituição teremos subsídios para confrontar as teorias
discutidas durante o curso e a realidade desse espaço, tendo assim a oportunidade
de vivenciarmos experiências essenciais para nossa formação acadêmica e pessoal.


Os projetos sociais através de reforço escolar e assistencialismo atuam de forma
significativa com valores e resgate social e cultural em comunidades carentes onde
são desenvolvidas na tentativa de proporcionar à criança uma vida digna, dando-lhe
esperança de um futuro melhor na construção da identidade e da autonomia que se
tornem um cidadão crítico e criativo.


Participar do processo de construção do conhecimento da criança requer uma
atuação que considere sua capacidade afetiva, emocional, cognitiva, individual e
social sendo necessário a realização de atividades contextualizadas pra a
compreensão e interpretação crítica da realidade.


A educação em si tem o poder de transformação dá possibilidades significativas do
indivíduo a transformar sua própria existência, segundo Costa (2006) “A escolha dos
contos a serem transformados em interpretação cênica pede um processo de
estudos e análises minuciosas”. (p. 51). Desse modo, é preciso que seja
apresentado para a criança textos literários de acordo com seu interesse e
adequado ao seu desenvolvimento; no processo de seleção surge a necessidade de
que seja considerado sua singularidade e respeite sua capacidade afetiva,
emocional, cognitiva e social.


A história da humanidade foi construída contando histórias. Elas surgiram a partir da
necessidade de transmitir histórias, acontecimentos e até os mitos de um povo e
estão presentes desde as paredes de cavernas até as páginas de livros. E é nessa
trajetória que ela passa pelo ponto mais importante: a contação. Os contadores de
história que anteriormente juntavam pessoas em volta de fogueiras ou nas portas
das casas, hoje estão principalmente em escolas e instituições que tenham como
público alvo a criança.
6



Por tudo isso e percebendo a importância das histórias no cotidiano infantil que
escolhemos esta abordagem para o presente projeto, tendo como relevância
abordar temas do convívio das crianças em questão que venham despertá-los para
problemas que possa vir a enfrentar tais como: diversidade e afetividade.
7



                         2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA


Literatura infantil, prazer, imaginário


Os primeiros livros destinados às crianças surgiram no final do século XVII, estes
livros foram escritos por professores e pedagogos, com o objetivo maior de ensinar
principalmente os valores, ajudando-as com a realidade social. Conforme COELHO
(2000): “A literatura infantil é, antes de tudo, literatura, ou melhor, é arte: fenômeno
de criatividade que representa o mundo, o homem, a vida, através da palavra. Funde
os sonhos e a vida prática, o imaginário e o real, os ideais e sua possível realização”
(p.27).


A literatura infantil apresenta-se não apenas como um veículo de manifestações de
cultura, mas é também de ideologias. É ela que insere o ser humano no maravilhoso
mundo literário e pode ter o poder de prendê-lo a leitura transformando-o num
verdadeiro leitor. Segundo Zilberman (1987): “o ler relaciona-se ao desenvolvimento
lingüístico da criança, com a formação da compreensão do fictício, com a função
específica da fantasia infantil, com credulidade na história e a aquisição do saber”
(p.12).


Contudo, podemos perceber ainda que a Literatura Infantil não deve ser utilizada
apenas com caráter pedagógico, didático ou para incentivar o hábito de leitura, ela
deve cativar e encantar este público que é tão exigente e o maior segredo é
trabalhar mexendo com o seu imaginário e fazendo-a entrar no maravilhoso mundo
da fantasia. Como diz Abramovich (1995): “Literatura é arte, literatura é prazer... É
precisar e isso inclui criticar... se ler for mais uma lição de casa, agente bem sabe
que é que dá... cobrança nunca foi passaporte ou aval pra vontade e descoberta ou
pro crescimento de ninguém” (p.148).


Sabemos que a Literatura Infantil está ligada aos eternos dilemas que o homem vive
ao longo da vida e principalmente na infância, fase em que surgem as necessidades
de defender-se resolvendo pequenas situações do seu cotidiano. E é neste sentido
que a Literatura pode ser decisiva para a formação da criança em relação ao
8



estranho mundo que está à sua volta. Conforme Borges (1994): “É Inesgotável a
importância da literatura quando se pensa na formação completa do ser humano
num processo que busque o equilíbrio entre o desenvolvimento da inteligência e da
afetividade, entre razão e emoção, entre o utilitário e o estético” (p.125).


A Literatura Infantil em si promove uma viagem no imaginário, com descobertas e
aventuras cheias de imagens, florestas, castelos, seres fantásticos, reis e rainhas,
príncipes e princesas, animais falantes, anões e gigantes... percebemos então o
maniqueísmo fazendo com que esta dicotomia se transmita através de uma
linguagem simbólica de textos irreais repletos de situações inusitadas.


É esta situação de maniqueísmo que traz relações de categorias de valor que
dividem os personagens em boas e más, belas e feias, poderosas e fracas e é isto
que faz com que a criança compreenda certos valores básicos do convívio social,
que favorecem a formação de sua consciência ética.


Contar e Recontar...


Os primeiros contadores de história da humanidade de que tomamos conhecimento
foram os autores de pinturas rupestres que hoje são tão estudadas por historiadores
que tentam entender a vida na antiguidade. Podemos então perceber que os contos
e histórias são verdadeiras obras de arte pertencentes ao patrimônio cultural de toda
a humanidade, por isso representam a visão do mundo e que contar essas histórias
é a mais antiga e mais moderna forma de comunicação.


Contar e recontar histórias é uma atividade que está presente em todos os espaços
da vida cotidiana. As narrativas chegam à vida do ser humano desde a mais tenra
idade e norteiam a sua existência durante toda a vida, permitindo-o aquisições de
compreensão e visão sobre planos social, cultural, pedagógico, psicológico, etc.


Contar é um ato de encontro consigo e com os outros, com o imaginário e com a
realidade, é um ato socializante e de fruição onde se desenvolve o prazer de ouvir e
de contar uma história bem contada. Sobre o desempenho oral Zumthor (1993)
afirma que: “toda voz emana de um corpo (...) que permanece visível e palpável
9



enquanto ela é audível” (p.541) e acrescenta: “ A palavra pronunciada não existe
(como   a   palavra   escrita)   num   contexto   puramente   verbal:   ela   participa
necessariamente de um processo mais amplo (...) cuja totalidade engaja os corpos
dos participantes” (p.244). Percebemos que a palavra falada requer uma carga
corporal e por isso se torna um processo mais amplo.


Ainda como acontecia em tempos mais antigos, poder-se-ia descrever o contador
como uma figura familiar ou não, com autoridade, que se movimenta para todos os
lados, com gestos fortes e precisos num espaço, aparentemente uma dança com o
ar, uma união de voz e gestos que chama atenção da criança ao adulto. Como
afirma Gutfreind (2004): “(...) contar histórias é interagir, ser olhado, ser tocado,
decodificar gestos, utilizar o outro e esse espaço de intersubjetividade para a
construção de si próprio” (p.29).


O ponto mais importante de contar histórias é a possibilidade do encontro que este
momento proporciona, seja ele realizado por pais, professores, etc. O contador
acima de tudo realiza uma forte troca de afetividade com as crianças ou o ouvinte,
por que a medida se ouve uma história ele se projeta no personagem, fazendo com
que a ligação entre contador e ouvinte seja mais forte e proporcione momentos de
grandes emoções vividas pelos personagens.
10



                                3. METODOLOGIA


3.1 Lócus de Estágio


O Lócus proporciona ao pesquisador grandes interações com o sujeito. Logo, o
nosso lócus de pesquisa é a Associação de Incentivo, Formação e Proteção à
Criança, Adolescentes, Jovens e Adultos, mais conhecido como Projeto Benjamin,
situado à Rua Coronel Eleodoro, nº 03, Bairro do Bosque, na cidade de Senhor do
Bonfim – BA.


A referida Instituição funciona nos turnos matutino e vespertino, oferecendo os
seguintes cursos: reforço escolar, creche, oficinas de artesanato, coreografias e
palestras. Atende 73 crianças e adolescentes, nos turnos matutino e vespertino. O
seu espaço físico é composto por: 03 salas de reforço, 01 berçário, 04 banheiros, 01
cozinha, 01 diretoria e 01 sala de coordenação. Possui recursos tecnológicos como
TV, DVD e caixa de som. Possui área de lazer, com parque.


O nosso lócus foi fundado no dia 14 de agosto de 2006 por membros de várias
denominações,     como:    Assembléia     de   Deus,    Igreja   Quadrangular,    Igreja
Presbiteriana, 1ª Igreja Batista e Igreja Brasil para Cristo. Hoje ela pertence à Igreja
Brasil para Cristo. A referida Instituição possui registro de funcionamento, ata de
assembléia da Diretoria, CNPJ e Estatuto.


Tem como um dos maiores parceiros, a Prefeitura Municipal de Senhor do Bonfim,
que cedeu o quadro de professores e serviços gerais, ajuda financeira, pagamento
de aluguel e merenda escolar. Recebe ajuda também ajuda do Supermercado
Andorinha, do Poder Judiciário e Promotoria Pública.


Esta Instituição foi fundada com o fim de ajudar as famílias dos bairros periféricos da
cidade de Senhor do Bonfim, que vivem em situação de risco. Hoje, trabalha
também com regime de creche, atendendo crianças dos povoados de Limões e
Tanquinho, crianças cujos pais trabalham como catadores no lixão da cidade.
11



3.2 Sujeitos de Estágio


O estágio será desenvolvido com as 60 crianças do Projeto, alternando entre os
turnos matutino e vespertino, com faixa etária de um a doze anos de idade. Esses
foram escolhidos por serem crianças carentes que precisam de atenção de trabalhos
sociais que os beneficiem e proporcionem momentos prazerosos de interação social
utilizando o recurso Literatura Infantil envolvendo principalmente a contação de
histórias.


3.3 Etapas do Estágio


     O estágio será desenvolvido nas seguintes etapas:


     • 10 horas de observação no lócus de estágio.
     • 35 horas de regência.
12



                           4. CRONOGRAMA




  Atividades     Outubro   Novembro   Dezembro   Fevereiro   Março




  Encontros        X          X
   teóricos



Observação de      X          X
   Estágio



  Pesquisa         X          X          X          X         X
 Bibliográfica



Elaboração e
 entrega do        X          X
 projeto de
   Estágio



  Regência
                              X          X

Elaboração e
 entrega do
                                         X          X
  Relatório
13



                        5. PLANOS DE ESTÁGIO

                Projeto: Contação de Histórias
Identificação   Duração: 9 dias / 36 h.

                   Conteúdo               Objetivos             Metodologia
                                    •    Desenvolver     a   •    Dinâmica      de
                Socialização e      integração       entre   apresentação.
                integração          estagiárias, alunos e
                                    professores.             • Música: Qual é o
   1º Dia                                                    seu nome?
                                    • Propiciar um clima
                                    amigável entre todos     •       Leitura      e
                                    que fazem parte da       socialização do texto:
                                    instituição.             A formiguinha e a
                                                             neve.

                Contação e          •     Desenvolver   a    • História: A joaninha
                interpretação       oralidade           e    arrumadinha
                oral.               coordenação motora.      • Música: O pano
  2º Dia                                                     encantado
                                                             • Pintura no tecido
                                                             TNT




                                                             • Músicas: Zip Zum e
                Diversidade         • Perceber que as        Homenzinho Torto
                                    pessoas são diferentes
                                    entre si surgindo à      •    Contação    da
  3º Dia                            necessidade de serem     História: O patinho
                                    respeitadas de acordo    feio
                                    com               suas
                                    singularidades.          • Confecção do
                                                             personagem  com
                                                             massinha     de
                                                             modelar.
                                                             • Atividade
                                                             xerocada.
14




                Projeto: Contação de Histórias
Identificação   Duração: 9 dias / 36 h.

                   Conteúdo               Objetivos              Metodologia
                                    •     Conhecer    a      • Música: Arca de Noé
                Obediência          importância de Deus
                                    em nossas vidas.         • História bíblica: Arca
                                                             de Noé
   4º Dia                           • Perceber o quanto é
                                    importante obedecer a    • Interpretação Oral
                                    Deus e aos mais
                                    velhos.                  • Pintura do rosto



                Diversidade e       • Perceber que as        • História: Menina
                singularidade       pessoas são diferentes   bonita do laço de fita
                                    entre si surgindo à
  5º Dia                            necessidade de serem     • Música: Tchu Tchu
                                    respeitadas de acordo    ê
                                    com               suas
                                    singularidades.          • Interpretação oral




                                                             • Músicas: O sapo
                Conto de Fadas:     • Proporcionar um        não lava o pé e Sapo
                A princesa e o      momento lúdico e de      Cururu
                sapo                construção       de
  6º Dia                            conhecimento.            •    Contação       da
                                                             História: A princesa e
                                                             o sapo

                                                             • Confecção          de
                                                             fantoches
15




                Projeto: Contação de Histórias
Identificação   Duração: 9 dias / 36 h.

                   Conteúdo               Objetivos               Metodologia
                                                               • Música: Amo você
                Afetividade e       • Despertar valores
                valores             afetivos entre a criança   • História: Adivinha o
                                    e a família.               quanto eu te amo?
   7º Dia
                                                               •    Dinâmica     dos
                                                               abraços

                                                               • Confecção de cartão


                Cuidados e          • Proporcionar um          •           História:
                proteção à          momento lúdico e de        Chapeuzinho
                criança             construção       de        Vermelho
  8º Dia                            conhecimento.
                                                               • Música: Criança não
                                    • Alertar à criança        trabalha
                                    quanto a cuidados
                                    diários como: sair à rua   • Confecção de faixa
                                    sozinha.



                Encerramento        • Proporcionar      um     •    Contação   da
                                    momento             de     História:     Dona
                                    despedida            e     Baratinha
  9º Dia                            confraternização.
                                                               •    Festa       de
                                                               despedida.




                                6. AVALIAÇÃO
16




•   Será processual e contínua.
•   Cumprimento de todas as etapas do projeto.
•   Elaboração de um relatório/artigo como síntese do trabalho realizado.
•   Avaliação sistemática dos professores dos componentes curriculares do
    eixo temático.
•   Auto-avaliação.




                            REFERÊNCIAS
17




ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. 5ª Edição. São
Paulo: Scipione, 1995.

BORGES, Teresa Maria Machado. A criança em idade pré-escolar. São Paulo,
Brasiliense, 1994.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: Teoria, Análise, Didática. 7ª Ed. São
Paulo: Moderna, 2000.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal e cultura política: impactos sobre
o associativismo do terceiro setor. 3ª Ed. São Paulo: Cortez, 2005.

GUTFREIND, Celso. Contos e desenvolvimento psíquico. Revista Viver Mente &
Cérebro. Ano XIII, n. 142, Nov 2004.

ZILBERMAN, R. O estatuto da literatura infantil. In: _______; MAGALHÃES, Lígia
Cademartori. Literatura infantil: autoritarismo e emancipação. São Paulo: Ática,
1987.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a Voz. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
Rosangela Moreira
 
Projeto os três porquinhos
Projeto os três porquinhosProjeto os três porquinhos
Projeto os três porquinhos
sandramirandan
 
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
Selma Coimbra
 
Plano de aula moradia
Plano de aula moradiaPlano de aula moradia
Plano de aula moradia
Marilda Bassanesi
 
Projeto educação infantil etnico racial
Projeto educação infantil etnico racialProjeto educação infantil etnico racial
Projeto educação infantil etnico racial
Emjac De Abreu Campanário
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
Magda Marques
 
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
ssuser6c03a6
 
Projeto de leitura de imagens
Projeto de leitura de imagensProjeto de leitura de imagens
Projeto de leitura de imagens
CristhianeGuimaraes
 
Dinâmicas para professores
Dinâmicas para professoresDinâmicas para professores
Dinâmicas para professores
Elaine Mexko Sanches Silva
 
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Cirlei Santos
 
Projeto "Quem sou eu"
Projeto "Quem sou eu"Projeto "Quem sou eu"
Projeto "Quem sou eu"
Graça Sousa
 
Projeto ludico simone drumond
Projeto ludico simone drumondProjeto ludico simone drumond
Projeto ludico simone drumond
SimoneHelenDrumond
 
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Ana Macanario
 
PLANO DE AULA-JOGOS,BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS
PLANO DE AULA-JOGOS,BRINQUEDOS E BRINCADEIRASPLANO DE AULA-JOGOS,BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS
PLANO DE AULA-JOGOS,BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS
Aline_Lune
 
Projeto estágio séries iniciais set-2014
Projeto estágio séries iniciais  set-2014Projeto estágio séries iniciais  set-2014
Projeto estágio séries iniciais set-2014
Solange Coutinho
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
Heloiza Moura
 
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITAPROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
Jane Santos
 
1 jogos diversos pnaic u_nidade 4
1 jogos diversos  pnaic u_nidade 41 jogos diversos  pnaic u_nidade 4
1 jogos diversos pnaic u_nidade 4
Isa ...
 
Apresentação eproinf projeto de leitura
Apresentação eproinf  projeto de leituraApresentação eproinf  projeto de leitura
Apresentação eproinf projeto de leitura
veraluciarottini
 
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º anoSEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
Iolanda Sá
 

Mais procurados (20)

Reunião de pais
Reunião de paisReunião de pais
Reunião de pais
 
Projeto os três porquinhos
Projeto os três porquinhosProjeto os três porquinhos
Projeto os três porquinhos
 
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
143313395 plano-de-intervencao-pedagogica-2012
 
Plano de aula moradia
Plano de aula moradiaPlano de aula moradia
Plano de aula moradia
 
Projeto educação infantil etnico racial
Projeto educação infantil etnico racialProjeto educação infantil etnico racial
Projeto educação infantil etnico racial
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docxPLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
PLANO DE AÇÃO 2023 cei.docx
 
Projeto de leitura de imagens
Projeto de leitura de imagensProjeto de leitura de imagens
Projeto de leitura de imagens
 
Dinâmicas para professores
Dinâmicas para professoresDinâmicas para professores
Dinâmicas para professores
 
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
Projeto de Leitura - "Maleta de leitura"
 
Projeto "Quem sou eu"
Projeto "Quem sou eu"Projeto "Quem sou eu"
Projeto "Quem sou eu"
 
Projeto ludico simone drumond
Projeto ludico simone drumondProjeto ludico simone drumond
Projeto ludico simone drumond
 
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
 
PLANO DE AULA-JOGOS,BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS
PLANO DE AULA-JOGOS,BRINQUEDOS E BRINCADEIRASPLANO DE AULA-JOGOS,BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS
PLANO DE AULA-JOGOS,BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS
 
Projeto estágio séries iniciais set-2014
Projeto estágio séries iniciais  set-2014Projeto estágio séries iniciais  set-2014
Projeto estágio séries iniciais set-2014
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITAPROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
PROJETO DE LEITURA: UM PALCO PARA A LINGUAGEM ORAL E ESCRITA
 
1 jogos diversos pnaic u_nidade 4
1 jogos diversos  pnaic u_nidade 41 jogos diversos  pnaic u_nidade 4
1 jogos diversos pnaic u_nidade 4
 
Apresentação eproinf projeto de leitura
Apresentação eproinf  projeto de leituraApresentação eproinf  projeto de leitura
Apresentação eproinf projeto de leitura
 
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º anoSEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
SEQUÊNCIA DIDÁTICA DO 1º 2º 3º ano
 

Destaque

Projeto literatura infantil
Projeto literatura infantilProjeto literatura infantil
Projeto literatura infantil
Shirley Costa
 
Aspectos biológicos e socias do filme: Procurando Nemo
Aspectos biológicos e socias do filme: Procurando NemoAspectos biológicos e socias do filme: Procurando Nemo
Aspectos biológicos e socias do filme: Procurando Nemo
Amanda Freitas
 
CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
CONTAÇÃO DE HISTÓRIASCONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
Pedagogo Santos
 
Relatório Praça Nova do Congresso
Relatório Praça Nova do CongressoRelatório Praça Nova do Congresso
Relatório Praça Nova do Congresso
Amanda Freitas
 
Slides do projeto incentivo à leitura
Slides do projeto incentivo à leituraSlides do projeto incentivo à leitura
Slides do projeto incentivo à leitura
Mariaduraes
 
A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENS...
A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENS...A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENS...
A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENS...
Rossita Figueira
 
A formiguinha e a neve
A formiguinha e a neveA formiguinha e a neve
A formiguinha e a neve
Amparo Pereira
 
Contrato de locação residencial com fiador
Contrato de locação residencial com fiadorContrato de locação residencial com fiador
Contrato de locação residencial com fiador
Leandro Silva
 
Contacao de historias ... era uma vez ......
Contacao de historias ... era uma vez ......Contacao de historias ... era uma vez ......
Contacao de historias ... era uma vez ......
Biblio 2010
 
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris VelascoApostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
institutobrincante
 
Plano de aula de matemática
Plano de aula de matemáticaPlano de aula de matemática
Plano de aula de matemática
Amanda Freitas
 
Idéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternalIdéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternal
Liliane Corte
 
Incentivo à leitura e à Escrita
Incentivo à leitura e à EscritaIncentivo à leitura e à Escrita
Incentivo à leitura e à Escrita
197569
 
A Formiguinha e a Neve
A Formiguinha e a Neve A Formiguinha e a Neve
A Formiguinha e a Neve
Dinny Rubini
 
O Bibliotecário e a contação de histórias na biblioteca escolar
O Bibliotecário e a contação de histórias na biblioteca escolarO Bibliotecário e a contação de histórias na biblioteca escolar
O Bibliotecário e a contação de histórias na biblioteca escolar
Tatyanne Valdez
 
Meu plano de aula de Ciências
Meu plano de aula de CiênciasMeu plano de aula de Ciências
Meu plano de aula de Ciências
Amanda Freitas
 
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
bedjoaoii
 
Projeto De Literatura Infantil Da Branca De Neve
Projeto De Literatura Infantil Da Branca De NeveProjeto De Literatura Infantil Da Branca De Neve
Projeto De Literatura Infantil Da Branca De Neve
Escola BN
 
A Formiga E A Neve
A Formiga E A NeveA Formiga E A Neve
A Formiga E A Neve
guest288cbe
 
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
Adilson P Motta Motta
 

Destaque (20)

Projeto literatura infantil
Projeto literatura infantilProjeto literatura infantil
Projeto literatura infantil
 
Aspectos biológicos e socias do filme: Procurando Nemo
Aspectos biológicos e socias do filme: Procurando NemoAspectos biológicos e socias do filme: Procurando Nemo
Aspectos biológicos e socias do filme: Procurando Nemo
 
CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
CONTAÇÃO DE HISTÓRIASCONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS
 
Relatório Praça Nova do Congresso
Relatório Praça Nova do CongressoRelatório Praça Nova do Congresso
Relatório Praça Nova do Congresso
 
Slides do projeto incentivo à leitura
Slides do projeto incentivo à leituraSlides do projeto incentivo à leitura
Slides do projeto incentivo à leitura
 
A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENS...
A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENS...A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENS...
A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENS...
 
A formiguinha e a neve
A formiguinha e a neveA formiguinha e a neve
A formiguinha e a neve
 
Contrato de locação residencial com fiador
Contrato de locação residencial com fiadorContrato de locação residencial com fiador
Contrato de locação residencial com fiador
 
Contacao de historias ... era uma vez ......
Contacao de historias ... era uma vez ......Contacao de historias ... era uma vez ......
Contacao de historias ... era uma vez ......
 
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris VelascoApostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
Apostila do módulo de Contação de Histórias, por Cris Velasco
 
Plano de aula de matemática
Plano de aula de matemáticaPlano de aula de matemática
Plano de aula de matemática
 
Idéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternalIdéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternal
 
Incentivo à leitura e à Escrita
Incentivo à leitura e à EscritaIncentivo à leitura e à Escrita
Incentivo à leitura e à Escrita
 
A Formiguinha e a Neve
A Formiguinha e a Neve A Formiguinha e a Neve
A Formiguinha e a Neve
 
O Bibliotecário e a contação de histórias na biblioteca escolar
O Bibliotecário e a contação de histórias na biblioteca escolarO Bibliotecário e a contação de histórias na biblioteca escolar
O Bibliotecário e a contação de histórias na biblioteca escolar
 
Meu plano de aula de Ciências
Meu plano de aula de CiênciasMeu plano de aula de Ciências
Meu plano de aula de Ciências
 
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
PABE - Plano de Ação da Biblioteca da Escola D. João II - ano letivo 13 14
 
Projeto De Literatura Infantil Da Branca De Neve
Projeto De Literatura Infantil Da Branca De NeveProjeto De Literatura Infantil Da Branca De Neve
Projeto De Literatura Infantil Da Branca De Neve
 
A Formiga E A Neve
A Formiga E A NeveA Formiga E A Neve
A Formiga E A Neve
 
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?
 

Semelhante a Projeto de contação de histórias

A leitura e sua relação
A leitura e sua relaçãoA leitura e sua relação
A leitura e sua relação
Lilian Miranda
 
Artigo ana-lucia-sanches
Artigo ana-lucia-sanchesArtigo ana-lucia-sanches
Artigo ana-lucia-sanches
waldilsonBarros1
 
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO  DESENVOLVIMENTO INFANTILA ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO  DESENVOLVIMENTO INFANTIL
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL
Rossita Figueira
 
Contador de Histórias
Contador de HistóriasContador de Histórias
Contador de Histórias
Ainsf Eder Dalberto
 
Atv4marcia
Atv4marciaAtv4marcia
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitoresA literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
marcia cristina da silva souza
 
Sacola literária cch 2015
Sacola literária cch 2015Sacola literária cch 2015
Sacola literária cch 2015
Associação Viva e Deixe Viver
 
Saberes e Pilares da Educação -PUC RJ
Saberes e Pilares da Educação -PUC RJSaberes e Pilares da Educação -PUC RJ
Saberes e Pilares da Educação -PUC RJ
claudiante
 
Histórias infantis e aquisição da escrita
Histórias infantis e aquisição da escritaHistórias infantis e aquisição da escrita
Histórias infantis e aquisição da escrita
oficinadeaprendizagemace
 
Livros e Infância
Livros e InfânciaLivros e Infância
Livros e Infância
educadores
 
Eva edilaine erika
Eva edilaine erikaEva edilaine erika
Eva edilaine erika
Fernando Pissuto
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
Israel serique
 
Impressões "Interação"
Impressões "Interação"Impressões "Interação"
Impressões "Interação"
Carina
 
4º encontro pnaic vânia 2015
4º encontro pnaic  vânia 20154º encontro pnaic  vânia 2015
4º encontro pnaic vânia 2015
Wanya Castro
 
Slides idalice
Slides   idaliceSlides   idalice
Slides idalice
Idalice Cruz Araujo
 
Concepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da históriaConcepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da história
Lílian Reis
 
A criança e o brincar
A criança e o brincarA criança e o brincar
A criança e o brincar
Ateliê Giramundo
 
Slidesolange
SlidesolangeSlidesolange
Educação infantil práticas a ações na neurociência
Educação infantil práticas a ações na neurociênciaEducação infantil práticas a ações na neurociência
Educação infantil práticas a ações na neurociência
AnaRaquelDaSilva3
 
Estela alessandra muzzi
Estela alessandra muzziEstela alessandra muzzi
Estela alessandra muzzi
Fernando Pissuto
 

Semelhante a Projeto de contação de histórias (20)

A leitura e sua relação
A leitura e sua relaçãoA leitura e sua relação
A leitura e sua relação
 
Artigo ana-lucia-sanches
Artigo ana-lucia-sanchesArtigo ana-lucia-sanches
Artigo ana-lucia-sanches
 
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO  DESENVOLVIMENTO INFANTILA ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO  DESENVOLVIMENTO INFANTIL
A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL
 
Contador de Histórias
Contador de HistóriasContador de Histórias
Contador de Histórias
 
Atv4marcia
Atv4marciaAtv4marcia
Atv4marcia
 
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitoresA literatura infantil e seu poder de formar leitores
A literatura infantil e seu poder de formar leitores
 
Sacola literária cch 2015
Sacola literária cch 2015Sacola literária cch 2015
Sacola literária cch 2015
 
Saberes e Pilares da Educação -PUC RJ
Saberes e Pilares da Educação -PUC RJSaberes e Pilares da Educação -PUC RJ
Saberes e Pilares da Educação -PUC RJ
 
Histórias infantis e aquisição da escrita
Histórias infantis e aquisição da escritaHistórias infantis e aquisição da escrita
Histórias infantis e aquisição da escrita
 
Livros e Infância
Livros e InfânciaLivros e Infância
Livros e Infância
 
Eva edilaine erika
Eva edilaine erikaEva edilaine erika
Eva edilaine erika
 
Edu básica 04
Edu básica 04Edu básica 04
Edu básica 04
 
Impressões "Interação"
Impressões "Interação"Impressões "Interação"
Impressões "Interação"
 
4º encontro pnaic vânia 2015
4º encontro pnaic  vânia 20154º encontro pnaic  vânia 2015
4º encontro pnaic vânia 2015
 
Slides idalice
Slides   idaliceSlides   idalice
Slides idalice
 
Concepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da históriaConcepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da história
 
A criança e o brincar
A criança e o brincarA criança e o brincar
A criança e o brincar
 
Slidesolange
SlidesolangeSlidesolange
Slidesolange
 
Educação infantil práticas a ações na neurociência
Educação infantil práticas a ações na neurociênciaEducação infantil práticas a ações na neurociência
Educação infantil práticas a ações na neurociência
 
Estela alessandra muzzi
Estela alessandra muzziEstela alessandra muzzi
Estela alessandra muzzi
 

Mais de Amanda Freitas

Plano de aula de Português
Plano de aula de PortuguêsPlano de aula de Português
Plano de aula de Português
Amanda Freitas
 
RESUMO DO TEXTO: AS CONCEPÇÕES MATEMÁTICAS E SUAS INFLUÊNCIAS NO ENSINO
RESUMO DO TEXTO: AS CONCEPÇÕES MATEMÁTICAS E SUAS INFLUÊNCIAS NO ENSINO RESUMO DO TEXTO: AS CONCEPÇÕES MATEMÁTICAS E SUAS INFLUÊNCIAS NO ENSINO
RESUMO DO TEXTO: AS CONCEPÇÕES MATEMÁTICAS E SUAS INFLUÊNCIAS NO ENSINO
Amanda Freitas
 
Apresentação do plano de aula
Apresentação do plano de aulaApresentação do plano de aula
Apresentação do plano de aula
Amanda Freitas
 
Plano de aula matemática2
Plano de aula matemática2Plano de aula matemática2
Plano de aula matemática2
Amanda Freitas
 
Plano de aula matemática
Plano de aula   matemáticaPlano de aula   matemática
Plano de aula matemática
Amanda Freitas
 
Relatório de Literatura Infantil
Relatório de Literatura InfantilRelatório de Literatura Infantil
Relatório de Literatura Infantil
Amanda Freitas
 
Trabalho de linguagem
Trabalho de linguagemTrabalho de linguagem
Trabalho de linguagem
Amanda Freitas
 
Para transformar o ensino da leitura e da escrita
Para transformar o ensino da leitura e da escritaPara transformar o ensino da leitura e da escrita
Para transformar o ensino da leitura e da escrita
Amanda Freitas
 
Alfabetização tem conteúdos?
Alfabetização tem conteúdos?Alfabetização tem conteúdos?
Alfabetização tem conteúdos?
Amanda Freitas
 
Atividade escrita Alfabetização e Linguistica
Atividade escrita Alfabetização e LinguisticaAtividade escrita Alfabetização e Linguistica
Atividade escrita Alfabetização e Linguistica
Amanda Freitas
 
Relatório de Alfabetização e Linguistica
Relatório de Alfabetização e LinguisticaRelatório de Alfabetização e Linguistica
Relatório de Alfabetização e Linguistica
Amanda Freitas
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Amanda Freitas
 
O O L H A R
O  O L H A RO  O L H A R
O O L H A R
Amanda Freitas
 
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leituraProjeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
Amanda Freitas
 
PERSONAGENS NEGROS UM BREVE PERFIL NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL
PERSONAGENS NEGROS UM BREVE PERFIL NA LITERATURA INFANTO-JUVENILPERSONAGENS NEGROS UM BREVE PERFIL NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL
PERSONAGENS NEGROS UM BREVE PERFIL NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL
Amanda Freitas
 
Educação Especial
Educação EspecialEducação Especial
Educação Especial
Amanda Freitas
 
Projeto Reciclagem
Projeto ReciclagemProjeto Reciclagem
Projeto Reciclagem
Amanda Freitas
 
Projeto Reciclagem
Projeto ReciclagemProjeto Reciclagem
Projeto Reciclagem
Amanda Freitas
 

Mais de Amanda Freitas (18)

Plano de aula de Português
Plano de aula de PortuguêsPlano de aula de Português
Plano de aula de Português
 
RESUMO DO TEXTO: AS CONCEPÇÕES MATEMÁTICAS E SUAS INFLUÊNCIAS NO ENSINO
RESUMO DO TEXTO: AS CONCEPÇÕES MATEMÁTICAS E SUAS INFLUÊNCIAS NO ENSINO RESUMO DO TEXTO: AS CONCEPÇÕES MATEMÁTICAS E SUAS INFLUÊNCIAS NO ENSINO
RESUMO DO TEXTO: AS CONCEPÇÕES MATEMÁTICAS E SUAS INFLUÊNCIAS NO ENSINO
 
Apresentação do plano de aula
Apresentação do plano de aulaApresentação do plano de aula
Apresentação do plano de aula
 
Plano de aula matemática2
Plano de aula matemática2Plano de aula matemática2
Plano de aula matemática2
 
Plano de aula matemática
Plano de aula   matemáticaPlano de aula   matemática
Plano de aula matemática
 
Relatório de Literatura Infantil
Relatório de Literatura InfantilRelatório de Literatura Infantil
Relatório de Literatura Infantil
 
Trabalho de linguagem
Trabalho de linguagemTrabalho de linguagem
Trabalho de linguagem
 
Para transformar o ensino da leitura e da escrita
Para transformar o ensino da leitura e da escritaPara transformar o ensino da leitura e da escrita
Para transformar o ensino da leitura e da escrita
 
Alfabetização tem conteúdos?
Alfabetização tem conteúdos?Alfabetização tem conteúdos?
Alfabetização tem conteúdos?
 
Atividade escrita Alfabetização e Linguistica
Atividade escrita Alfabetização e LinguisticaAtividade escrita Alfabetização e Linguistica
Atividade escrita Alfabetização e Linguistica
 
Relatório de Alfabetização e Linguistica
Relatório de Alfabetização e LinguisticaRelatório de Alfabetização e Linguistica
Relatório de Alfabetização e Linguistica
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
O O L H A R
O  O L H A RO  O L H A R
O O L H A R
 
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leituraProjeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
Projeto de Pesquisa: A Literatura Infantil no desenvolvimento da leitura
 
PERSONAGENS NEGROS UM BREVE PERFIL NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL
PERSONAGENS NEGROS UM BREVE PERFIL NA LITERATURA INFANTO-JUVENILPERSONAGENS NEGROS UM BREVE PERFIL NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL
PERSONAGENS NEGROS UM BREVE PERFIL NA LITERATURA INFANTO-JUVENIL
 
Educação Especial
Educação EspecialEducação Especial
Educação Especial
 
Projeto Reciclagem
Projeto ReciclagemProjeto Reciclagem
Projeto Reciclagem
 
Projeto Reciclagem
Projeto ReciclagemProjeto Reciclagem
Projeto Reciclagem
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 

Último (20)

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 

Projeto de contação de histórias

  • 1. 4 1. INTRODUÇÃO O presente Projeto de Estágio, exigência do componente curricular Pesquisa e Estágio em Espaços Não-formais do curso de Pedagogia da Universidade do Estado da Bahia – UNEB – Campus VII, que tem como docente Simone Ferreira Souza Wanderley, vem trazendo uma abordagem sobre Literatura Infantil e a descrição das atividades a serem desenvolvidas no período de estágio. Este será realizado na Associação de Incentivo Formação e Proteção à Criança, Adolescentes, Jovens e Adultos, mais conhecido como Projeto Benjamim, situado à Rua Coronel Eleodoro, nº 03, Bairro do Bosque na cidade de Senhor do Bonfim – BA. Este projeto tem como principal objetivo a pesquisa, observação e aplicação dos saberes adquiridos no espaço acadêmico que será realizado de acordo com a metodologia com a pretensão de contribuir com a aprendizagem e com a rotina das crianças ali inseridas, levando-os a refletir e descobrir o fabuloso, a fantasia, o imaginário e o mistério das histórias infantis. Vivemos em um país democrático em que os cidadãos possuem igualdade de direitos à saúde, educação, ao lar, ao trabalho, habitação. Contudo, observamos uma realidade que se distancia do que está previsto por lei: pessoas que não possuem condições de sobrevivência adequada que vive às margens da sociedade sujeita a graves problemas sociais. A educação não-formal é uma nova modalidade de educação. Essa educação ocorre de forma intencional, mas não é sistemática com conteúdos programáticos; visa possibilitar aos indivíduos uma formação integral e social. Segundo Gonh “Um dos supostos básicos da educação não-formal é o de que a aprendizagem se dá por meio da prática social. É a experiência das pessoas em trabalhos coletivos que gera um aprendizado. A produção de conhecimento ocorre não pela absorção de conteúdos previamente sistematizados,... é gerado por meio da vivencia de certas situações-problema” (p.103).
  • 2. 5 É evidente a necessidade de futuros educadores vivenciarem a realidade nas instituições de educação não-formal através de um olhar investigador que seja capaz de compreender-la e interagir nos possibilitando a interpretação da mesma. Através do estágio nessa instituição teremos subsídios para confrontar as teorias discutidas durante o curso e a realidade desse espaço, tendo assim a oportunidade de vivenciarmos experiências essenciais para nossa formação acadêmica e pessoal. Os projetos sociais através de reforço escolar e assistencialismo atuam de forma significativa com valores e resgate social e cultural em comunidades carentes onde são desenvolvidas na tentativa de proporcionar à criança uma vida digna, dando-lhe esperança de um futuro melhor na construção da identidade e da autonomia que se tornem um cidadão crítico e criativo. Participar do processo de construção do conhecimento da criança requer uma atuação que considere sua capacidade afetiva, emocional, cognitiva, individual e social sendo necessário a realização de atividades contextualizadas pra a compreensão e interpretação crítica da realidade. A educação em si tem o poder de transformação dá possibilidades significativas do indivíduo a transformar sua própria existência, segundo Costa (2006) “A escolha dos contos a serem transformados em interpretação cênica pede um processo de estudos e análises minuciosas”. (p. 51). Desse modo, é preciso que seja apresentado para a criança textos literários de acordo com seu interesse e adequado ao seu desenvolvimento; no processo de seleção surge a necessidade de que seja considerado sua singularidade e respeite sua capacidade afetiva, emocional, cognitiva e social. A história da humanidade foi construída contando histórias. Elas surgiram a partir da necessidade de transmitir histórias, acontecimentos e até os mitos de um povo e estão presentes desde as paredes de cavernas até as páginas de livros. E é nessa trajetória que ela passa pelo ponto mais importante: a contação. Os contadores de história que anteriormente juntavam pessoas em volta de fogueiras ou nas portas das casas, hoje estão principalmente em escolas e instituições que tenham como público alvo a criança.
  • 3. 6 Por tudo isso e percebendo a importância das histórias no cotidiano infantil que escolhemos esta abordagem para o presente projeto, tendo como relevância abordar temas do convívio das crianças em questão que venham despertá-los para problemas que possa vir a enfrentar tais como: diversidade e afetividade.
  • 4. 7 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Literatura infantil, prazer, imaginário Os primeiros livros destinados às crianças surgiram no final do século XVII, estes livros foram escritos por professores e pedagogos, com o objetivo maior de ensinar principalmente os valores, ajudando-as com a realidade social. Conforme COELHO (2000): “A literatura infantil é, antes de tudo, literatura, ou melhor, é arte: fenômeno de criatividade que representa o mundo, o homem, a vida, através da palavra. Funde os sonhos e a vida prática, o imaginário e o real, os ideais e sua possível realização” (p.27). A literatura infantil apresenta-se não apenas como um veículo de manifestações de cultura, mas é também de ideologias. É ela que insere o ser humano no maravilhoso mundo literário e pode ter o poder de prendê-lo a leitura transformando-o num verdadeiro leitor. Segundo Zilberman (1987): “o ler relaciona-se ao desenvolvimento lingüístico da criança, com a formação da compreensão do fictício, com a função específica da fantasia infantil, com credulidade na história e a aquisição do saber” (p.12). Contudo, podemos perceber ainda que a Literatura Infantil não deve ser utilizada apenas com caráter pedagógico, didático ou para incentivar o hábito de leitura, ela deve cativar e encantar este público que é tão exigente e o maior segredo é trabalhar mexendo com o seu imaginário e fazendo-a entrar no maravilhoso mundo da fantasia. Como diz Abramovich (1995): “Literatura é arte, literatura é prazer... É precisar e isso inclui criticar... se ler for mais uma lição de casa, agente bem sabe que é que dá... cobrança nunca foi passaporte ou aval pra vontade e descoberta ou pro crescimento de ninguém” (p.148). Sabemos que a Literatura Infantil está ligada aos eternos dilemas que o homem vive ao longo da vida e principalmente na infância, fase em que surgem as necessidades de defender-se resolvendo pequenas situações do seu cotidiano. E é neste sentido que a Literatura pode ser decisiva para a formação da criança em relação ao
  • 5. 8 estranho mundo que está à sua volta. Conforme Borges (1994): “É Inesgotável a importância da literatura quando se pensa na formação completa do ser humano num processo que busque o equilíbrio entre o desenvolvimento da inteligência e da afetividade, entre razão e emoção, entre o utilitário e o estético” (p.125). A Literatura Infantil em si promove uma viagem no imaginário, com descobertas e aventuras cheias de imagens, florestas, castelos, seres fantásticos, reis e rainhas, príncipes e princesas, animais falantes, anões e gigantes... percebemos então o maniqueísmo fazendo com que esta dicotomia se transmita através de uma linguagem simbólica de textos irreais repletos de situações inusitadas. É esta situação de maniqueísmo que traz relações de categorias de valor que dividem os personagens em boas e más, belas e feias, poderosas e fracas e é isto que faz com que a criança compreenda certos valores básicos do convívio social, que favorecem a formação de sua consciência ética. Contar e Recontar... Os primeiros contadores de história da humanidade de que tomamos conhecimento foram os autores de pinturas rupestres que hoje são tão estudadas por historiadores que tentam entender a vida na antiguidade. Podemos então perceber que os contos e histórias são verdadeiras obras de arte pertencentes ao patrimônio cultural de toda a humanidade, por isso representam a visão do mundo e que contar essas histórias é a mais antiga e mais moderna forma de comunicação. Contar e recontar histórias é uma atividade que está presente em todos os espaços da vida cotidiana. As narrativas chegam à vida do ser humano desde a mais tenra idade e norteiam a sua existência durante toda a vida, permitindo-o aquisições de compreensão e visão sobre planos social, cultural, pedagógico, psicológico, etc. Contar é um ato de encontro consigo e com os outros, com o imaginário e com a realidade, é um ato socializante e de fruição onde se desenvolve o prazer de ouvir e de contar uma história bem contada. Sobre o desempenho oral Zumthor (1993) afirma que: “toda voz emana de um corpo (...) que permanece visível e palpável
  • 6. 9 enquanto ela é audível” (p.541) e acrescenta: “ A palavra pronunciada não existe (como a palavra escrita) num contexto puramente verbal: ela participa necessariamente de um processo mais amplo (...) cuja totalidade engaja os corpos dos participantes” (p.244). Percebemos que a palavra falada requer uma carga corporal e por isso se torna um processo mais amplo. Ainda como acontecia em tempos mais antigos, poder-se-ia descrever o contador como uma figura familiar ou não, com autoridade, que se movimenta para todos os lados, com gestos fortes e precisos num espaço, aparentemente uma dança com o ar, uma união de voz e gestos que chama atenção da criança ao adulto. Como afirma Gutfreind (2004): “(...) contar histórias é interagir, ser olhado, ser tocado, decodificar gestos, utilizar o outro e esse espaço de intersubjetividade para a construção de si próprio” (p.29). O ponto mais importante de contar histórias é a possibilidade do encontro que este momento proporciona, seja ele realizado por pais, professores, etc. O contador acima de tudo realiza uma forte troca de afetividade com as crianças ou o ouvinte, por que a medida se ouve uma história ele se projeta no personagem, fazendo com que a ligação entre contador e ouvinte seja mais forte e proporcione momentos de grandes emoções vividas pelos personagens.
  • 7. 10 3. METODOLOGIA 3.1 Lócus de Estágio O Lócus proporciona ao pesquisador grandes interações com o sujeito. Logo, o nosso lócus de pesquisa é a Associação de Incentivo, Formação e Proteção à Criança, Adolescentes, Jovens e Adultos, mais conhecido como Projeto Benjamin, situado à Rua Coronel Eleodoro, nº 03, Bairro do Bosque, na cidade de Senhor do Bonfim – BA. A referida Instituição funciona nos turnos matutino e vespertino, oferecendo os seguintes cursos: reforço escolar, creche, oficinas de artesanato, coreografias e palestras. Atende 73 crianças e adolescentes, nos turnos matutino e vespertino. O seu espaço físico é composto por: 03 salas de reforço, 01 berçário, 04 banheiros, 01 cozinha, 01 diretoria e 01 sala de coordenação. Possui recursos tecnológicos como TV, DVD e caixa de som. Possui área de lazer, com parque. O nosso lócus foi fundado no dia 14 de agosto de 2006 por membros de várias denominações, como: Assembléia de Deus, Igreja Quadrangular, Igreja Presbiteriana, 1ª Igreja Batista e Igreja Brasil para Cristo. Hoje ela pertence à Igreja Brasil para Cristo. A referida Instituição possui registro de funcionamento, ata de assembléia da Diretoria, CNPJ e Estatuto. Tem como um dos maiores parceiros, a Prefeitura Municipal de Senhor do Bonfim, que cedeu o quadro de professores e serviços gerais, ajuda financeira, pagamento de aluguel e merenda escolar. Recebe ajuda também ajuda do Supermercado Andorinha, do Poder Judiciário e Promotoria Pública. Esta Instituição foi fundada com o fim de ajudar as famílias dos bairros periféricos da cidade de Senhor do Bonfim, que vivem em situação de risco. Hoje, trabalha também com regime de creche, atendendo crianças dos povoados de Limões e Tanquinho, crianças cujos pais trabalham como catadores no lixão da cidade.
  • 8. 11 3.2 Sujeitos de Estágio O estágio será desenvolvido com as 60 crianças do Projeto, alternando entre os turnos matutino e vespertino, com faixa etária de um a doze anos de idade. Esses foram escolhidos por serem crianças carentes que precisam de atenção de trabalhos sociais que os beneficiem e proporcionem momentos prazerosos de interação social utilizando o recurso Literatura Infantil envolvendo principalmente a contação de histórias. 3.3 Etapas do Estágio O estágio será desenvolvido nas seguintes etapas: • 10 horas de observação no lócus de estágio. • 35 horas de regência.
  • 9. 12 4. CRONOGRAMA Atividades Outubro Novembro Dezembro Fevereiro Março Encontros X X teóricos Observação de X X Estágio Pesquisa X X X X X Bibliográfica Elaboração e entrega do X X projeto de Estágio Regência X X Elaboração e entrega do X X Relatório
  • 10. 13 5. PLANOS DE ESTÁGIO Projeto: Contação de Histórias Identificação Duração: 9 dias / 36 h. Conteúdo Objetivos Metodologia • Desenvolver a • Dinâmica de Socialização e integração entre apresentação. integração estagiárias, alunos e professores. • Música: Qual é o 1º Dia seu nome? • Propiciar um clima amigável entre todos • Leitura e que fazem parte da socialização do texto: instituição. A formiguinha e a neve. Contação e • Desenvolver a • História: A joaninha interpretação oralidade e arrumadinha oral. coordenação motora. • Música: O pano 2º Dia encantado • Pintura no tecido TNT • Músicas: Zip Zum e Diversidade • Perceber que as Homenzinho Torto pessoas são diferentes entre si surgindo à • Contação da 3º Dia necessidade de serem História: O patinho respeitadas de acordo feio com suas singularidades. • Confecção do personagem com massinha de modelar. • Atividade xerocada.
  • 11. 14 Projeto: Contação de Histórias Identificação Duração: 9 dias / 36 h. Conteúdo Objetivos Metodologia • Conhecer a • Música: Arca de Noé Obediência importância de Deus em nossas vidas. • História bíblica: Arca de Noé 4º Dia • Perceber o quanto é importante obedecer a • Interpretação Oral Deus e aos mais velhos. • Pintura do rosto Diversidade e • Perceber que as • História: Menina singularidade pessoas são diferentes bonita do laço de fita entre si surgindo à 5º Dia necessidade de serem • Música: Tchu Tchu respeitadas de acordo ê com suas singularidades. • Interpretação oral • Músicas: O sapo Conto de Fadas: • Proporcionar um não lava o pé e Sapo A princesa e o momento lúdico e de Cururu sapo construção de 6º Dia conhecimento. • Contação da História: A princesa e o sapo • Confecção de fantoches
  • 12. 15 Projeto: Contação de Histórias Identificação Duração: 9 dias / 36 h. Conteúdo Objetivos Metodologia • Música: Amo você Afetividade e • Despertar valores valores afetivos entre a criança • História: Adivinha o e a família. quanto eu te amo? 7º Dia • Dinâmica dos abraços • Confecção de cartão Cuidados e • Proporcionar um • História: proteção à momento lúdico e de Chapeuzinho criança construção de Vermelho 8º Dia conhecimento. • Música: Criança não • Alertar à criança trabalha quanto a cuidados diários como: sair à rua • Confecção de faixa sozinha. Encerramento • Proporcionar um • Contação da momento de História: Dona despedida e Baratinha 9º Dia confraternização. • Festa de despedida. 6. AVALIAÇÃO
  • 13. 16 • Será processual e contínua. • Cumprimento de todas as etapas do projeto. • Elaboração de um relatório/artigo como síntese do trabalho realizado. • Avaliação sistemática dos professores dos componentes curriculares do eixo temático. • Auto-avaliação. REFERÊNCIAS
  • 14. 17 ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. 5ª Edição. São Paulo: Scipione, 1995. BORGES, Teresa Maria Machado. A criança em idade pré-escolar. São Paulo, Brasiliense, 1994. COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: Teoria, Análise, Didática. 7ª Ed. São Paulo: Moderna, 2000. GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. 3ª Ed. São Paulo: Cortez, 2005. GUTFREIND, Celso. Contos e desenvolvimento psíquico. Revista Viver Mente & Cérebro. Ano XIII, n. 142, Nov 2004. ZILBERMAN, R. O estatuto da literatura infantil. In: _______; MAGALHÃES, Lígia Cademartori. Literatura infantil: autoritarismo e emancipação. São Paulo: Ática, 1987. ZUMTHOR, Paul. A letra e a Voz. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.