SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Oficina é um trabalho estruturado com grupos,
independentemente do número de encontros.
Este trabalho se centraliza em torno de uma
questão, cuja elaboração acontece em um
contexto social.
O planejamento de uma oficina pode contemplar
as etapas propostas a seguir:
antes (organizando as idéias),
durante (vivendo a oficina propriamente dita)
e depois da oficina (avaliando o acontecido e
propondo novas oficinas, quando for o caso).
1º momento: antes da oficina
1. ANÁLISE DA DEMANDA (planejamento)
- Fatores Externos
- Fatores Internos

1.1 - PRÉ ANÁLISE

1.2 - ENQUADRE
1º momento: antes da oficina

1. ANÁLISE DA DEMANDA

(planejamento):
Ao se planejar uma oficina deve ser feita uma análise de
fatores externos e internos, que contribuem e delineiam
sua possibilidade de existência e desenvolvimento.
Esses fatores são relacionados à instituição (fatores
externos) e aos participantes (fatores internos).
1.a -Fatores Externos
• - Possibilidade da instituição- o que é possível
realizar, tanto do ponto de vista financeiro como do ponto de
vista ideológico.

• - O que já foi feito – a história, dentro da instituição,
relacionada àquele tema em particular, os sucessos e os
fracassos.

•

- Compromisso da instituição

– o quanto a
instituição se compromete com o trabalho de determinado tema,
e seus desdobramentos (por exemplo, uma oficina que se
desdobra em palestras, ou pesquisas, ou peça de teatro, etc.
1.b – Fatores Internos
•

•

-Necessidade dos participantes

– essa
necessidade pode ser percebida pelos próprios participantes,
ou pela instituição, ou pelos dois. É claro que quando ambos
percebem a necessidade de trabalhar um determinado tema, o
desenvolvimento de oficinas torna-se mais fácil

-Características dos participantes

(idade,
sexo, instrução, experiências, etc.) – possibilita que a
coordenação construa um mapa prévio dos participantes e infira
algumas questões. Por exemplo, quando se trata de um tema
educativo e o nível de instrução dos participantes é muito
heterogêneo em relação àquele tema particular, isso deve ser
levado em conta no planejamento da oficina propriamente dita.

• -Receptividade dos participantes – por toda
análise anterior é possível prever como será a receptividade
dos participantes em relação a determinado tema.
1. 1 - PRÉ ANÁLISE

- Após a análise da demanda
faz-se uma pré análise do grupo: analisa-se o que o grupo já
sabe, precisa e quer saber em relação ao tema. O que ele
consegue compreender e assimilar a respeito do tema. É um
momento de diagnóstico da questão (o tema e o grupo) em
vários aspectos.

1. 2 - ENQUADRE

-

É a definição de quem é o
participante, do número de participantes, do local, horário,
recursos logísticos disponíveis e número de encontros. Definir
o enquadre
possibilita preparar uma estrutura para o
trabalho, dentro das condições existentes.
2º momento: início da oficina
1. - ACOLHIMENTO
• disposição para receber todas as manifestações dentro de
determinado tempo e tema.
• são usadas várias técnicas, de acordo com a especificidade e
fase do grupo.
• sugere-se que não sejam usadas técnicas que necessitem de
contato físico.
• caso de vários encontros as estratégias de acolhimento serão
avaliadas de acordo com o trabalho realizado pelo grupo, no
encontro anterior .
• -Objetivo (porque): sensibilizar para que o grupo aconteça.
• -Meta (para quê): assimilação, elaboração de conhecimentos e
mudanças de atitudes.
As técnicas e a sua utilização no grupo:

•

Favorecem
comunicação.

a

sensibilização,

a

expressão

e

a

• Possibilitam a expansão do conhecimento e abertura de
interação no grupo.
• Estão conectadas ao processo grupal, à reflexão central do
grupo.
• Possibilitam a passagem do nível lúdico para o reflexivo.

A técnica por si só não tem sentido,
não constrói; ela é meio, não fim .
3º momento: desenvolvimento da
oficina
1. TEMA

– escolher o tema de acordo com a demanda do
próprio grupo e com demanda da instituição.
Quem vai desenvolver o tema: a coordenação se sente apta
para isso ou é necessário também um especialista nessa
oficina propriamente dita?

1.a - Como - é a sensibilização – cena de filme, música,
textos, (história, piada, poesia) ilustração (charge, cartazes).
Tem o objetivo de motivar, preparar os participantes para
determinado tema. A sensibilização parte da experiência para
chegar à assimilação de conteúdos e possíveis mudanças. É
interessante, nesse momento, dividir o grupo em alguns
subgrupos, para favorecer a integração. A atividade pode ser
verbal, gráfica ou cênica. A coordenação deve ficar atenta ao
que é exposto (verbal e não verbal), para eventuais
intervenções e reestruturações.
A flexibilidade na condução do grupo é
importante e tem que existir ao trabalhar
em grupo, porque trabalhar com grupo
operativo pressupõe acolher, respeitar o
conhecimento do outro, possibilitar
discussões e elaborar conceitos através
das experiências que emergem.

CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO
DE FORMA COLETIVA E SOCIALIZADA
4º momento: final da
oficina
1. Avaliação do Encontro

pelos participantes.
Pode ser feito de várias formas – verbal, gráfica, cênica,
proporcionando leitura individual e coletiva do acontecido.
Essa avaliação indica rumos para os próximos encontros de
grupo (caso tenha sido planejado mais de um encontro).
5º momento: após a
oficina
1 . Avaliação do Encontro - pela coordenação.
Devem ser avaliados como o grupo se desenvolveu, se
houve mecanismos de defesa e como a coordenação
conduziu o grupo.

AFONSO, L. (org.) Oficinas em dinâmica de grupo: um método de intervenção
psicossocial. Belo Horizonte: Edições do Campo Social, 2000, pp.28-55.
OFICINA

1º MOMENTO
ANTES
ANÁLISE DA DEMANDA
-INSTITUIÇÃO: HISTÓRIA,
POSSIBILIDADES, COMPROMISSO
-PARTICIPANTES:NECESSIDADE, CARACTERÍSTICAS, RECEPTIVIDADE.

PRÉ-ANÁLISE
O QUE O GRUPO JÁ SABE
O QUE PRECISA,
O QUE DÁ CONTA.

ENQUADRE
QUANTOS PARTICIPANTES,
CARACTERÍSTICAS
DOS PARTICIPANTES,
RECURSOS DISPONÍVEIS,
LOCAL, HORÁRIO.

2º MOMENTO
INÍCIO

ACOLHIMENTO
SENSIBILIZAR PARA
QUE O GRUPO
ACONTEÇA.
- ASSIMILAÇÃO,
ELABORAÇÃO
DE CONHECIMENTOS
E MUDANÇAS DE
ATITUDES.

3º MOMENTO
MEIO

4º MOMENTO
FIM

TEMA
QUAL
QUEM
COMO

AVALIAÇÃO
PELOS
PARTICIPANTES.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudosTutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudosELZA PIRES
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula mtolentino1507
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPwww.estagiosupervisionadofip.blogspot.com
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Mario Amorim
 
A importância da observação em sala de aula
A importância da observação em sala de aulaA importância da observação em sala de aula
A importância da observação em sala de aulaMarcos Neves
 
Atribuições dos líderes de sala
Atribuições dos líderes de salaAtribuições dos líderes de sala
Atribuições dos líderes de salaeebirmawienfrida
 
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptxRECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptxEsterLeite4
 
Mapa de competências ensino integral (1) (1)
Mapa de competências ensino integral (1) (1)Mapa de competências ensino integral (1) (1)
Mapa de competências ensino integral (1) (1)Roseli Basellotto
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOEdlauva Santos
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observaçãoArte Tecnologia
 
Aula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaAula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaKarlla Costa
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolarJoao Balbi
 
Plano de ensino 2 em eja
Plano de ensino 2 em ejaPlano de ensino 2 em eja
Plano de ensino 2 em ejaMarina Nakamura
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoFernanda Tulio
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasMarily Oliveira
 
Plano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoPlano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoCÉSAR TAVARES
 

Mais procurados (20)

Tutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudosTutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudos
 
Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula Gestão de sala de aula
Gestão de sala de aula
 
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIPPLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
PLANO DE CURSO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 7° PERÍODO DE PEDAGOGIA DAS FIP
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
 
A importância da observação em sala de aula
A importância da observação em sala de aulaA importância da observação em sala de aula
A importância da observação em sala de aula
 
Atribuições dos líderes de sala
Atribuições dos líderes de salaAtribuições dos líderes de sala
Atribuições dos líderes de sala
 
Planejamento pedagógico
Planejamento pedagógicoPlanejamento pedagógico
Planejamento pedagógico
 
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
 
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptxRECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
 
Slide oficinas Capacitação de Educação Inclusiva
Slide oficinas Capacitação de Educação InclusivaSlide oficinas Capacitação de Educação Inclusiva
Slide oficinas Capacitação de Educação Inclusiva
 
Plano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógicaPlano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógica
 
Mapa de competências ensino integral (1) (1)
Mapa de competências ensino integral (1) (1)Mapa de competências ensino integral (1) (1)
Mapa de competências ensino integral (1) (1)
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
 
Aula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaAula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aula
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
Plano de ensino 2 em eja
Plano de ensino 2 em ejaPlano de ensino 2 em eja
Plano de ensino 2 em eja
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
 
Plano de Ação Pedagogo
Plano de Ação PedagogoPlano de Ação Pedagogo
Plano de Ação Pedagogo
 

Semelhante a O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?

Semelhante a O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica? (20)

SLIDES OFICINA PEDAGÓGICA UM DE GEOGRAFIA.pdf
SLIDES OFICINA PEDAGÓGICA UM DE GEOGRAFIA.pdfSLIDES OFICINA PEDAGÓGICA UM DE GEOGRAFIA.pdf
SLIDES OFICINA PEDAGÓGICA UM DE GEOGRAFIA.pdf
 
Trabalho de projecto
Trabalho de projectoTrabalho de projecto
Trabalho de projecto
 
Projetos - eixo 1
Projetos - eixo 1Projetos - eixo 1
Projetos - eixo 1
 
Elaboração de projetos
Elaboração de projetosElaboração de projetos
Elaboração de projetos
 
Minicurso Jogos e Dinâmicas de Grupo.ppt
Minicurso Jogos e Dinâmicas de Grupo.pptMinicurso Jogos e Dinâmicas de Grupo.ppt
Minicurso Jogos e Dinâmicas de Grupo.ppt
 
Dicas Para Realizar Uma Pesquisa
Dicas Para Realizar Uma PesquisaDicas Para Realizar Uma Pesquisa
Dicas Para Realizar Uma Pesquisa
 
Guião Makt09
Guião Makt09Guião Makt09
Guião Makt09
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
Manual para elaboração de projetos ambientais
Manual para elaboração de projetos ambientaisManual para elaboração de projetos ambientais
Manual para elaboração de projetos ambientais
 
Elaboracao de projetos
Elaboracao de projetosElaboracao de projetos
Elaboracao de projetos
 
Elaboracao de projetos
Elaboracao de projetosElaboracao de projetos
Elaboracao de projetos
 
Guião Cva Hist09
Guião Cva Hist09Guião Cva Hist09
Guião Cva Hist09
 
Sequência didática
Sequência didáticaSequência didática
Sequência didática
 
Modelo de Projeto Interact
Modelo de Projeto InteractModelo de Projeto Interact
Modelo de Projeto Interact
 
Workshop
WorkshopWorkshop
Workshop
 
Framework de Design Thinking
Framework de Design ThinkingFramework de Design Thinking
Framework de Design Thinking
 
Pacto 6º encontro- 1 ANO
Pacto 6º encontro- 1 ANOPacto 6º encontro- 1 ANO
Pacto 6º encontro- 1 ANO
 
O Projeto
O ProjetoO Projeto
O Projeto
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
Guião de utiilzação de plataformas de aprendizagem em ambientes escolares
Guião de utiilzação de plataformas de aprendizagem em ambientes escolaresGuião de utiilzação de plataformas de aprendizagem em ambientes escolares
Guião de utiilzação de plataformas de aprendizagem em ambientes escolares
 

Mais de Adilson P Motta Motta

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMACRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMAAdilson P Motta Motta
 
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...Adilson P Motta Motta
 
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...Adilson P Motta Motta
 
As várias faces do ópio do Povo.pdf
As várias faces do ópio do Povo.pdfAs várias faces do ópio do Povo.pdf
As várias faces do ópio do Povo.pdfAdilson P Motta Motta
 
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdfpdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdfAdilson P Motta Motta
 
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdfProjeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdfAdilson P Motta Motta
 
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdfLEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdfAdilson P Motta Motta
 
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdfDESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdfAdilson P Motta Motta
 
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEMINTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEMAdilson P Motta Motta
 
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdfLEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdfAdilson P Motta Motta
 
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptxVALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptxAdilson P Motta Motta
 
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdfAdilson P Motta Motta
 
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - maRegimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - maAdilson P Motta Motta
 
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim  maProjeto programa educacao ambiental. bom jardim  ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim maAdilson P Motta Motta
 
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-20131º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013Adilson P Motta Motta
 

Mais de Adilson P Motta Motta (20)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMACRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - PROJETO POEMA
 
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA INGLESA POR MEIO...
 
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
UM ESTUDO SOBRE A LEITURA E O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE VOCABULÁRIO DE LÍNGUA ...
 
As várias faces do ópio do Povo.pdf
As várias faces do ópio do Povo.pdfAs várias faces do ópio do Povo.pdf
As várias faces do ópio do Povo.pdf
 
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdfpdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
pdf MONTANDO UMA REDACAO - PASSO A PASSO.pdf
 
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdfProjeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
Projeto Escolar - História de Bom Jardim-MA.pdf
 
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdfLEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
LEI ORGÂNICA DE BOM JARDIM-MA 2020.pdf
 
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdfDESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
DESAFIOS DAS ESCOLA MULTISSERIADAS EM BOM JARDIM-MA..pdf
 
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEMINTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS  SÓ ENEM
INTERPRETAÇÃO TEXTUAL INGLÊS SÓ ENEM
 
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdfLEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
LEI ORGANICA DE BOM JARDIM-MA. 2022 - ATUALIZADA.pdf
 
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptxVALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
VALE -PRIVATIZAÇÃO A SAÍDA OU O FUNDO DO POÇO.pptx
 
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf01-  LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
01- LINGUAGEM INDÍGENA 5 PRIMEIRAS PÁGINAS.pdf
 
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdfDICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
DICIONÁRIO TUPI - PORTUGUES.pdf
 
A gramática do texto.ppt
A gramática do texto.pptA gramática do texto.ppt
A gramática do texto.ppt
 
A importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.pptA importância de falar inglês.ppt
A importância de falar inglês.ppt
 
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
Breve Resumo -  Novo Ensino MédioBreve Resumo -  Novo Ensino Médio
Breve Resumo - Novo Ensino Médio
 
Frases à cidadania
Frases à cidadaniaFrases à cidadania
Frases à cidadania
 
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - maRegimento do conselho municipal de educação   bom j ardim - ma
Regimento do conselho municipal de educação bom j ardim - ma
 
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim  maProjeto programa educacao ambiental. bom jardim  ma
Projeto programa educacao ambiental. bom jardim ma
 
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-20131º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim  MA. 2003-2013
1º Plano Decenal de Educação de Bom Jardim MA. 2003-2013
 

Último

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasnarayaskara215
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 

Último (20)

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 

O que é e Como Montar uma Oficina Pedagógica?

  • 1. Oficina é um trabalho estruturado com grupos, independentemente do número de encontros. Este trabalho se centraliza em torno de uma questão, cuja elaboração acontece em um contexto social.
  • 2. O planejamento de uma oficina pode contemplar as etapas propostas a seguir: antes (organizando as idéias), durante (vivendo a oficina propriamente dita) e depois da oficina (avaliando o acontecido e propondo novas oficinas, quando for o caso).
  • 3. 1º momento: antes da oficina 1. ANÁLISE DA DEMANDA (planejamento) - Fatores Externos - Fatores Internos 1.1 - PRÉ ANÁLISE 1.2 - ENQUADRE
  • 4. 1º momento: antes da oficina 1. ANÁLISE DA DEMANDA (planejamento): Ao se planejar uma oficina deve ser feita uma análise de fatores externos e internos, que contribuem e delineiam sua possibilidade de existência e desenvolvimento. Esses fatores são relacionados à instituição (fatores externos) e aos participantes (fatores internos).
  • 5. 1.a -Fatores Externos • - Possibilidade da instituição- o que é possível realizar, tanto do ponto de vista financeiro como do ponto de vista ideológico. • - O que já foi feito – a história, dentro da instituição, relacionada àquele tema em particular, os sucessos e os fracassos. • - Compromisso da instituição – o quanto a instituição se compromete com o trabalho de determinado tema, e seus desdobramentos (por exemplo, uma oficina que se desdobra em palestras, ou pesquisas, ou peça de teatro, etc.
  • 6. 1.b – Fatores Internos • • -Necessidade dos participantes – essa necessidade pode ser percebida pelos próprios participantes, ou pela instituição, ou pelos dois. É claro que quando ambos percebem a necessidade de trabalhar um determinado tema, o desenvolvimento de oficinas torna-se mais fácil -Características dos participantes (idade, sexo, instrução, experiências, etc.) – possibilita que a coordenação construa um mapa prévio dos participantes e infira algumas questões. Por exemplo, quando se trata de um tema educativo e o nível de instrução dos participantes é muito heterogêneo em relação àquele tema particular, isso deve ser levado em conta no planejamento da oficina propriamente dita. • -Receptividade dos participantes – por toda análise anterior é possível prever como será a receptividade dos participantes em relação a determinado tema.
  • 7. 1. 1 - PRÉ ANÁLISE - Após a análise da demanda faz-se uma pré análise do grupo: analisa-se o que o grupo já sabe, precisa e quer saber em relação ao tema. O que ele consegue compreender e assimilar a respeito do tema. É um momento de diagnóstico da questão (o tema e o grupo) em vários aspectos. 1. 2 - ENQUADRE - É a definição de quem é o participante, do número de participantes, do local, horário, recursos logísticos disponíveis e número de encontros. Definir o enquadre possibilita preparar uma estrutura para o trabalho, dentro das condições existentes.
  • 8. 2º momento: início da oficina 1. - ACOLHIMENTO • disposição para receber todas as manifestações dentro de determinado tempo e tema. • são usadas várias técnicas, de acordo com a especificidade e fase do grupo. • sugere-se que não sejam usadas técnicas que necessitem de contato físico. • caso de vários encontros as estratégias de acolhimento serão avaliadas de acordo com o trabalho realizado pelo grupo, no encontro anterior . • -Objetivo (porque): sensibilizar para que o grupo aconteça. • -Meta (para quê): assimilação, elaboração de conhecimentos e mudanças de atitudes.
  • 9. As técnicas e a sua utilização no grupo: • Favorecem comunicação. a sensibilização, a expressão e a • Possibilitam a expansão do conhecimento e abertura de interação no grupo. • Estão conectadas ao processo grupal, à reflexão central do grupo. • Possibilitam a passagem do nível lúdico para o reflexivo. A técnica por si só não tem sentido, não constrói; ela é meio, não fim .
  • 10. 3º momento: desenvolvimento da oficina 1. TEMA – escolher o tema de acordo com a demanda do próprio grupo e com demanda da instituição. Quem vai desenvolver o tema: a coordenação se sente apta para isso ou é necessário também um especialista nessa oficina propriamente dita? 1.a - Como - é a sensibilização – cena de filme, música, textos, (história, piada, poesia) ilustração (charge, cartazes). Tem o objetivo de motivar, preparar os participantes para determinado tema. A sensibilização parte da experiência para chegar à assimilação de conteúdos e possíveis mudanças. É interessante, nesse momento, dividir o grupo em alguns subgrupos, para favorecer a integração. A atividade pode ser verbal, gráfica ou cênica. A coordenação deve ficar atenta ao que é exposto (verbal e não verbal), para eventuais intervenções e reestruturações.
  • 11. A flexibilidade na condução do grupo é importante e tem que existir ao trabalhar em grupo, porque trabalhar com grupo operativo pressupõe acolher, respeitar o conhecimento do outro, possibilitar discussões e elaborar conceitos através das experiências que emergem. CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO DE FORMA COLETIVA E SOCIALIZADA
  • 12. 4º momento: final da oficina 1. Avaliação do Encontro pelos participantes. Pode ser feito de várias formas – verbal, gráfica, cênica, proporcionando leitura individual e coletiva do acontecido. Essa avaliação indica rumos para os próximos encontros de grupo (caso tenha sido planejado mais de um encontro).
  • 13. 5º momento: após a oficina 1 . Avaliação do Encontro - pela coordenação. Devem ser avaliados como o grupo se desenvolveu, se houve mecanismos de defesa e como a coordenação conduziu o grupo. AFONSO, L. (org.) Oficinas em dinâmica de grupo: um método de intervenção psicossocial. Belo Horizonte: Edições do Campo Social, 2000, pp.28-55.
  • 14. OFICINA 1º MOMENTO ANTES ANÁLISE DA DEMANDA -INSTITUIÇÃO: HISTÓRIA, POSSIBILIDADES, COMPROMISSO -PARTICIPANTES:NECESSIDADE, CARACTERÍSTICAS, RECEPTIVIDADE. PRÉ-ANÁLISE O QUE O GRUPO JÁ SABE O QUE PRECISA, O QUE DÁ CONTA. ENQUADRE QUANTOS PARTICIPANTES, CARACTERÍSTICAS DOS PARTICIPANTES, RECURSOS DISPONÍVEIS, LOCAL, HORÁRIO. 2º MOMENTO INÍCIO ACOLHIMENTO SENSIBILIZAR PARA QUE O GRUPO ACONTEÇA. - ASSIMILAÇÃO, ELABORAÇÃO DE CONHECIMENTOS E MUDANÇAS DE ATITUDES. 3º MOMENTO MEIO 4º MOMENTO FIM TEMA QUAL QUEM COMO AVALIAÇÃO PELOS PARTICIPANTES.