SlideShare uma empresa Scribd logo
Projetos de Software
 Unidade 2 Seção 1
 Agilidade Introdução.
Agilidade
 Se você estiver no
25º andar de um
prédio em chamas,
para ser ágil você
vai pular pela janela
para chegar mais
rápido ao chão?
Agilidade
 Reflita sobre esta afirmação:
◦ Ser ágil não tem a ver com
rapidez ou velocidade, usar
Scrum ou não usar o Guia
PMBOK®, conversar mais ou
fazer documentação de
menos, ser ágil tem a ver
com eliminar o desperdício.
 Em alguns momentos e
sobre realmente
desburocratizar
determinados processos
evitando o desperdício do
Agilidade
 “As empresas nunca
possuem tempo para
planejar, mas tem
dinheiro para refazer !”
- Carlos Silva Júnior
 O quão impactante e
a afirmação acima?
Agilidade
 Exemplo simples mas bobo:
◦ Processo Jurídico... Caso verídico
recente... De 2019...
 A empresa X foi processada por não entregar
um determinado produto dentro do prazo. Na
verdade o produto foi desenvolvido... Testado e
validado e faltou uma questão de “Logística”
para que o mesmo fosse entregue. Quando
questionados sobre o processo os diretores
deram a seguinte afirmação: “Sem problemas
podemos recorrer ... Se perdemos e 1 cliente
em 100 , ainda temos 99...”
Agilidade
 https://static.wixstatic.com/media/a8995d_718a545f53eb480291a352fb48ebc180~mv2.png/v1/fill/w_960,h_5
40,al_c/a8995d_718a545f53eb480291a352fb48ebc180~mv2.png
Agilidade
Agilidade
Agilidade
 Wow ... Wow Manipular o Escopo?
 Sim... Manipular o Escopo. Decidir o
que realmente vai gerar valor para
o seu cliente.
 Mas esse valor tem que ser REAL...
Não aquilo que você acha que gera
valor... Ou mesmo se cliente acha
que sabe... Mas na verdade não sabe.
Agilidade
 Essa ideia de agilidade funciona pra
todo mundo?
◦ Como diz meu professo do mestrado:
“Todo mundo e muita mas muita gente
não?”
 Ela vem sendo adaptada para
diversas áreas.
 Mas ainda deve ser bem estudada e
trabalhada.
“Agilidade – Scrum”
 Um rápido resumo e passo a passo(
vamos ver tudo com calma mais para
frente)
1. Define-se o que será entregue, o que vai
gerar valor para o cliente; Não é o produto
todo mas uma funcionalidade dele que vai
agregar valor.
2. Desenvolve-se esta funcionalidade em um
prazo de 15 a 30 dias (Isso se chama Sprint).
3. Ao final se entrega a funcionalidade
desenvolvida para o cliente, ele valida e
passamos para a próxima funcionalidade.
Repete passo 1,2 e 3 ate acabar o projeto.
Agilidade
Agilidade
Agilidade
 Baseado em 12 princípios, o
Manifesto Ágil tornou-se uma espécie
de guia que orienta as ações, as
escolhas de métodos e ferramentas
dos times ágeis de projetos,
maximizando os resultados. Estes são
os 12 princípios do Manifesto Ágil
Agilidade
 1 - Nossa maior prioridade é satisfazer
o cliente através da entrega contínua
e adiantada de software com valor
agregado.
 2 - Aceitar mudanças de requisitos,
mesmo no fim do desenvolvimento.
Processos ágeis se adequam a
mudanças, para que o cliente possa tirar
vantagens competitivas.
 3 - Entregar frequentemente software
funcionando, de poucas semanas a
poucos meses, com preferência à menor
escala de tempo.
Agilidade
 4 - Pessoas de negócio e
desenvolvedores devem trabalhar
diariamente em conjunto por todo o
projeto.
 5 - Construir projetos em torno de
indivíduos motivados. Dando a eles o
ambiente e o suporte necessário, e
confiando neles para fazer o trabalho.
 6 - O método mais eficiente e eficaz
de transmitir informações para e entre
uma equipe de desenvolvimento é por
meio de conversa face a face.
Agilidade
 7 - Software funcionando é a medida
primária de progresso.
 8 - Os processos ágeis promovem
desenvolvimento sustentável. Os
patrocinadores, desenvolvedores e
usuários devem ser capazes de
manter um ritmo constante
indefinidamente.
 9 - Contínua atenção a excelência
técnica e bom design aumenta a
agilidade.
Agilidade
 10 - Simplicidade: a arte de
maximizar a quantidade de trabalho
não realizado é essencial.
 11 - As melhores arquiteturas,
requisitos e designs emergem de
times auto-organizáveis.
 12 - Em intervalos regulares, a equipe
reflete sobre como se tornar mais
eficaz e então refina e ajusta seu
comportamento de acordo.
Agilidade
 Processo tradicional de
desenvolvimento ( a ideia serve para
qualquer processo).
Agilidade
 Processo Ágil. De uma forma bem
abstrata.
https://image.slidesharecdn.com/gerenciamentogildeprojetos-pmoencontros-150501134525-conversion-gate02/95/minipalestra-gerenciamento-gil-de-projetos-6-
638.jpg?cb=1430505964
SCRUM
 Scrum é um processo iterativo e
incremental para o desenvolvimento
de qualquer produto e gerenciamento
de qualquer trabalho.
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
 https://rockcontent.com/br/blog/metod
ologias-ageis/ - Informações retiradas
do site da Rock Content . Publicado
em Dezembro de 2018
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
 Scrum
◦ O Scrum é uma das formas de utilizar métodos ágeis
em seus projetos e tem como principal objetivo
auxiliar na gestão e no desenvolvimento de projetos
que tenham um prazo curto de entrega.
◦ Ele é um dos métodos mais populares e é
comumente confundido com o conceito da
metodologia em si.
◦ É vital que você entenda todos os pontos positivos e
negativos da sua equipe, além de cada integrante ter
seu papel e atuação muito bem definidos. Para
garantir o sucesso desse método, é necessário que
exista um representante do cliente na sua equipe, de
forma que ele crie listas de prioridades para garantir
que a entrega apresente um bom resultado.
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
 Scrum
◦ Essa metodologia permite que as empresas
criem soluções inovadores para o
mercado, fazendo com que haja um
aumento da competitividade. Esse método
existe devido à necessidade de oferecer
agilidade em projetos de alta complexidade e
urgência de entrega.
◦ Na prática, o Scrum funciona criando ciclos,
conhecidos como sprints, que são os
intervalos de tempo para o desenvolvimento
de cada etapa. Ao final de cada etapa, existe
uma revisão do produto para validação. É só
depois disso que a equipe inicia o próximo
sprint.
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
 Lean
◦ O método Lean foi difundido no cenário das
startups e é indicado para projetos reduzidos
e mais objetivos. Seu foco principal é
identificar e eliminar de forma eficiente os
desperdícios dentro de uma organização ou
na realização de algum projeto.
◦ Dessa forma, existe uma redução de custos,
diminuição na complexidade das tarefas
realizadas — o que resulta em melhora nas
entregas — aumento de produtividade da
equipe e um melhor compartilhamento de
informações.
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
 Lean
 Esse método é
indicado para
a validação de
ideias e
hipóteses e é
constituído
por três
passos:
1.construir;
2.medir;
3.aprender.
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
 Kanban
◦ O método Kanban é composto por checklists e
oferece uma ótima visão de todo o projeto que
está sendo desenvolvido. Ele é um dos métodos
mais ágeis e simples utilizados atualmente.
◦ Essa metodologia ganhou posição de destaque
nos últimos anos por ser uma maneira de
realizar o gerenciamento de projetos, com um
poder de adaptação para qualquer tipo de
negócio.
◦ O principal objetivo desse método é buscar a
evolução e não a revolução, permitindo que a
organização dos processos seja feita de uma
forma visual.
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
 Kanban
 É preciso criar um quadro e dividi-lo
da seguinte forma:
• To Do — atividades que precisam ser
realizadas;
• Doing — atividades que estão sendo
realizadas;
• Done — atividades que já foram
finalizadas, avaliadas e aprovadas pela
equipe.
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
 Kanban
◦ Acompanhar essa lista de atividades é
vital para o bom funcionamento do
método, de forma que todos os
integrantes da equipe atualizem os dados
inseridos constantemente.
◦ Ele também mantém um ritmo sustentável
de produção, evitando gargalos e atrasos
no processo.
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
 Smart
 A metodologia Smart é reconhecida por ser uma boa alternativa
para criar objetos realistas e possíveis de serem atingidos por
sua empresa. Ele se baseia em cinco princípios que são
indicados pelas letras do seu nome.
1. S — que se refere a specific, significa que sua meta deve ser bem
específica e atingir um ponto de cada vez, diminuindo o risco de
interpretações equivocadas;
2. M — que se refere a measurable, significa que a sua meta deve ser
mensurável, já que objetivos numéricos e exatos são a melhor forma
de provar a eficiência do processo;
3. A — que se refere a attainable, significa que as metas
estabelecidas devem desafiar o time, ao mesmo tempo em que são
alcançáveis;
4. R — que se refere a relevant, significa que as metas estabelecidas
devem ser relevantes para o resultado final da empresa ou do
processo;
5. T — que se refere a time-related, significa que é preciso definir um
prazo limite para a entrega do projeto, de forma que o time trabalhe
com maior foco e efetividade.
As principais Metodologias Ágeis
no mercado.
Dinâmica
 As próximas dinâmicas foram retiradas
do site
◦ https://imasters.com.br/agile/os-12-principios-
manifesto-agil-e-dinamicas
Dinâmica
 Agile Clock
 Cole os 12 princípios na parede,
formando um relógio do princípio 01
ao 12.
 Se for apenas um time que estiver
participando da dinâmica, divida-o em
duplas, ou se for muito pequeno,
deixe os indivíduos separados. Se for
mais de um time, forme times
menores, mesclando os indivíduos.
Dinâmica
 Para cada princípio, o facilitador lê em
voz alta e instiga as pessoas (em
time, ou individualmente, dependendo
da configuração) a tentarem resumir o
princípio a uma palavra, no máximo
duas.
 Para que consigam chegar nessa
síntese, o time terá um tempo para
discutir o princípio e definir sua
palavra.
Dinâmica
 Faz-se isso para cada princípio. Ao
término, o próximo passo é, dentre as
palavras dos diferentes times para o
mesmo princípio, deve ser escolhida
apenas uma para ser colocada no
relógio, em cima ou ao lado do
respectivo princípio.
 Para se chegar na palavra final de cada
princípio, os times terão de debater com
uma timebox fixa, controlada pelo
facilitador.
Dinâmica
 Note que não existe uma
resposta certa, pois o
entendimento dos princípios
pode variar conforme o
contexto dos times.
 No entanto, cabe ao
facilitador presente instigar e
provocar, sem nunca expor
suas opiniões de maneira
afirmativa, mas sempre
interrogativa, para não se
sobressair aos demais.
 Dinâmica vista durante o
PACC do Andy Barbosa.
Dinâmica
 Prós e contras
 Esta é uma outra dinâmica bem interessante,
por ser contra intuitiva e ter uma utilidade
interessante, especialmente com gestores.
 Divida o grupo da dinâmica em dois (grupo
PRÓ e grupo CONTRA), ou faça divisões por
princípios, dependendo do volume de
pessoas.
 Crie um painel em duas linhas e 12 colunas
(ou o contrário), colocando nas linhas a
legenda PRÓS e CONTRAS e nas colunas
pode colar cada carta dos princípios (baralho
para download abaixo).
Dinâmica
 O grupo PRÓ deve elaborar em post its bons
motivos para seguirmos os princípios ágeis.
Coisas boas que eles trazem, o lado positivo das
coisas.
 O grupo CONTRA deve elaborar em post its
razões para não seguirmos os princípios ágeis.
Coisas que eles podem atrapalhar, riscos que
eles podem trazer, o lado negativo das coisas.
 Durante as apresentações, intercale um princípio
de cada vez, pedindo que as pessoas
apresentem os prós e contras e discutam
brevemente sobre cada um para espalhar as
percepções. Não é um trabalho de
convencimento, mas de compreensão e empatia.
Dinâmica
 Os objetivos dessa dinâmica são dois: primeiro,
entender que, sim, existem riscos e que os princípios
não são bala de prata e, segundo, que para cada item
identificado pelo grupo CONTRAS, podemos definir
ações para mitigá-los.
 Um terceiro e oculto objetivo é o agilista identificar o
mindset das pessoas do grupo (em especial os
gestores) para identificar principalmente os seus medos
e temores quanto ao ágil em seus times.
 O resultado do grupo CONTRAS é muito mais
importante neste caso, e é ali que você vai ter insumos
de como vender e aplicar o ágil corretamente nessa
empresa.
Dinâmica
 Quadrante mágico
◦ Essa dinâmica eu aprendi no site do mestre Jorge Audy. Ele teve a ideia de
usar o conceito de quadrante mágico do Gartner para refletir com o time
sobre sua adoção e entendimento dos princípios ágeis.
◦ Divida um painel em quatro quadrantes, traçando uma cruz no centro dele.
Da esquerda para direita, de cima para baixo, nomeie cada quadrante com:
Não acredito, mas Faço; Acredito e Faço; Não Acredito e Não Faço; Acredito
e Não Faço.
Dinâmica
 Peça que um membro do grupo pegue uma
carta de princípio aleatória e leia em voz alta,
dando o seu entendimento sobre o princípio.
 Na sequência, incite uma discussão para
decidir se esse princípio é acreditado pelo
grupo e se o grupo o faz na prática, para
posicionar a carta nos quadrantes.
 Obviamente, o quadrante mágico é o topo
direito (Acredito e Faço), mas não deixe nada
ser colocado lá se não for consenso de que
aquele princípio de fato é acreditado e
aplicado.
Dinâmica
 No final, o time pode definir ações
para alguns itens que não ficaram no
quadrante mágico (Acredito e Faço),
sendo a escolha baseada nas
prioridades que o agilista tem para o
time (por exemplo, vamos nos focar
em fazê-los acreditar antes de fazer?
Ou fazer para depois acreditar?).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean
CLT Valuebased Services
 
Scrum - Gerenciamento de Projetos
Scrum - Gerenciamento de ProjetosScrum - Gerenciamento de Projetos
Scrum - Gerenciamento de Projetos
William Lima
 
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Rafael de Oliveira
 
Gerenciamento Ágil de Projetos com Scrum
Gerenciamento Ágil de Projetos com ScrumGerenciamento Ágil de Projetos com Scrum
Gerenciamento Ágil de Projetos com Scrum
Ludimila Monjardim Casagrande
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Marcos Garrido
 
Gestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com ScrumGestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com Scrum
Igor Macaubas
 
Workshop Scrum - 8 horas
Workshop Scrum - 8 horasWorkshop Scrum - 8 horas
Workshop Scrum - 8 horas
Wise Systems
 
Desmistificando Agile & Scrum
Desmistificando Agile & ScrumDesmistificando Agile & Scrum
Desmistificando Agile & Scrum
Teamware do Brasil
 
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
Annelise Gripp
 
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis SigmaFerramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
Francisco Mello Castro
 
Metodologias Ágeis para Gestão e Planejamento de Projetos Scrum - XP - Kanban
Metodologias Ágeis para Gestão e Planejamento de Projetos Scrum - XP - KanbanMetodologias Ágeis para Gestão e Planejamento de Projetos Scrum - XP - Kanban
Metodologias Ágeis para Gestão e Planejamento de Projetos Scrum - XP - Kanban
Matheus Costa
 
Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo ...
Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo ...Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo ...
Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo ...
Thiago Compan
 
Scrum na Prática
Scrum na PráticaScrum na Prática
Scrum na Prática
Alexandre Amorim
 
Seis Sigma em servicos
Seis Sigma em servicosSeis Sigma em servicos
Seis Sigma em servicos
Joao Telles Corrêa Filho
 
Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019
CLT Valuebased Services
 
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum MasterGuia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
Paulo Lomanto
 
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de SoftwareOs 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
Lucas Oliveira
 
Metodologia ágil das Desenvolvimento Adaptativo Software
Metodologia ágil das   Desenvolvimento Adaptativo SoftwareMetodologia ágil das   Desenvolvimento Adaptativo Software
Metodologia ágil das Desenvolvimento Adaptativo Software
Marilainny Martins da Silva
 
Apostila introdutória ao Scrum (V1)
Apostila introdutória ao Scrum (V1)Apostila introdutória ao Scrum (V1)
Apostila introdutória ao Scrum (V1)
Rafael Barbosa Camargo
 
Métodos Ágeis - Guia para Projetos Eficientes
Métodos Ágeis - Guia para Projetos EficientesMétodos Ágeis - Guia para Projetos Eficientes
Métodos Ágeis - Guia para Projetos Eficientes
Gabriela Giacomini
 

Mais procurados (20)

Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean
 
Scrum - Gerenciamento de Projetos
Scrum - Gerenciamento de ProjetosScrum - Gerenciamento de Projetos
Scrum - Gerenciamento de Projetos
 
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
Palestra sobre Fundamentos do Scrum e Kanban.
 
Gerenciamento Ágil de Projetos com Scrum
Gerenciamento Ágil de Projetos com ScrumGerenciamento Ágil de Projetos com Scrum
Gerenciamento Ágil de Projetos com Scrum
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
 
Gestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com ScrumGestao agil de projetos com Scrum
Gestao agil de projetos com Scrum
 
Workshop Scrum - 8 horas
Workshop Scrum - 8 horasWorkshop Scrum - 8 horas
Workshop Scrum - 8 horas
 
Desmistificando Agile & Scrum
Desmistificando Agile & ScrumDesmistificando Agile & Scrum
Desmistificando Agile & Scrum
 
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
Scrum - Fundamentos, teorias e práticas!
 
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis SigmaFerramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
Ferramentas e Conceitos em Lean Seis Sigma
 
Metodologias Ágeis para Gestão e Planejamento de Projetos Scrum - XP - Kanban
Metodologias Ágeis para Gestão e Planejamento de Projetos Scrum - XP - KanbanMetodologias Ágeis para Gestão e Planejamento de Projetos Scrum - XP - Kanban
Metodologias Ágeis para Gestão e Planejamento de Projetos Scrum - XP - Kanban
 
Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo ...
Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo ...Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo ...
Resumo do livro SCRUM a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo ...
 
Scrum na Prática
Scrum na PráticaScrum na Prática
Scrum na Prática
 
Seis Sigma em servicos
Seis Sigma em servicosSeis Sigma em servicos
Seis Sigma em servicos
 
Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019
 
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum MasterGuia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
Guia do Papel e Responsabilidade do Scrum Master
 
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de SoftwareOs 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
Os 7 Princípios do desenvolvimento Lean de Software
 
Metodologia ágil das Desenvolvimento Adaptativo Software
Metodologia ágil das   Desenvolvimento Adaptativo SoftwareMetodologia ágil das   Desenvolvimento Adaptativo Software
Metodologia ágil das Desenvolvimento Adaptativo Software
 
Apostila introdutória ao Scrum (V1)
Apostila introdutória ao Scrum (V1)Apostila introdutória ao Scrum (V1)
Apostila introdutória ao Scrum (V1)
 
Métodos Ágeis - Guia para Projetos Eficientes
Métodos Ágeis - Guia para Projetos EficientesMétodos Ágeis - Guia para Projetos Eficientes
Métodos Ágeis - Guia para Projetos Eficientes
 

Semelhante a Processos Ágeis

Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do ConhecimentoMétodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
Claudia Hofart Guzzo
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
Alex Vieira, MBA
 
Entregando Software com Valor
Entregando Software com ValorEntregando Software com Valor
Entregando Software com Valor
Maicon Carlos Pereira
 
Os 12 Princípios Ágeis
Os 12 Princípios ÁgeisOs 12 Princípios Ágeis
Os 12 Princípios Ágeis
Sandro H. Oliveira, MBA
 
Aplicando Scrum na prática para times ágeis
Aplicando Scrum na prática para times ágeisAplicando Scrum na prática para times ágeis
Aplicando Scrum na prática para times ágeis
fayrusm
 
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptxanhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
Alisson Batista
 
Metodologia agil no desenvolvimento criativo de software
Metodologia agil no desenvolvimento criativo de softwareMetodologia agil no desenvolvimento criativo de software
Metodologia agil no desenvolvimento criativo de software
Universidade Tiradentes
 
Agile explicacao 18
Agile explicacao 18Agile explicacao 18
Agile explicacao 18
Júlio Ferreira
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Vantagens agil 3
Vantagens agil 3Vantagens agil 3
Vantagens agil 3
Júlio Ferreira
 
Artigo Pós graduação_Caroline Seara (2)
Artigo Pós graduação_Caroline Seara (2)Artigo Pós graduação_Caroline Seara (2)
Artigo Pós graduação_Caroline Seara (2)
Caroline Seara
 
Scrum | Estimativas Ágil Consciente | Apresentação para Empresa Desenvolvedor...
Scrum | Estimativas Ágil Consciente | Apresentação para Empresa Desenvolvedor...Scrum | Estimativas Ágil Consciente | Apresentação para Empresa Desenvolvedor...
Scrum | Estimativas Ágil Consciente | Apresentação para Empresa Desenvolvedor...
Rosa Sampaio
 
Scrum | Estimativa ágil | Apresentação para QA | Desenvolvedores | e para o...
Scrum | Estimativa ágil | Apresentação para  QA | Desenvolvedores  | e para o...Scrum | Estimativa ágil | Apresentação para  QA | Desenvolvedores  | e para o...
Scrum | Estimativa ágil | Apresentação para QA | Desenvolvedores | e para o...
Rosa Sampaio
 
Desenvolvimento ágil pensando além
Desenvolvimento ágil   pensando alémDesenvolvimento ágil   pensando além
Desenvolvimento ágil pensando além
ilegra
 
Gerenciamento ágil de projetos com scrum
Gerenciamento ágil de projetos com scrumGerenciamento ágil de projetos com scrum
Gerenciamento ágil de projetos com scrum
Audasi Tecnologia e Inovação
 
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
Ivo M Michalick Vasconcelos, PMP, PMI-SP, CPCC
 
Scrum - Introdução Interna para o Núcleo de Arquitetura de Informação
Scrum - Introdução Interna para o Núcleo de Arquitetura de InformaçãoScrum - Introdução Interna para o Núcleo de Arquitetura de Informação
Scrum - Introdução Interna para o Núcleo de Arquitetura de Informação
Alessandro Novais
 
Desenvolvimento Ágil de Software
Desenvolvimento Ágil de SoftwareDesenvolvimento Ágil de Software
Desenvolvimento Ágil de Software
Francke Peixoto
 
GESTÃO DE PROJETOS ÁGIL.pptx
GESTÃO DE PROJETOS ÁGIL.pptxGESTÃO DE PROJETOS ÁGIL.pptx
GESTÃO DE PROJETOS ÁGIL.pptx
JooVicthorThemistocl
 
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUMGerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
Lucas Vinícius
 

Semelhante a Processos Ágeis (20)

Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do ConhecimentoMétodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
 
Entregando Software com Valor
Entregando Software com ValorEntregando Software com Valor
Entregando Software com Valor
 
Os 12 Princípios Ágeis
Os 12 Princípios ÁgeisOs 12 Princípios Ágeis
Os 12 Princípios Ágeis
 
Aplicando Scrum na prática para times ágeis
Aplicando Scrum na prática para times ágeisAplicando Scrum na prática para times ágeis
Aplicando Scrum na prática para times ágeis
 
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptxanhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
anhanguera _ gestao de projetos _ u4 s2 _ projetos ágeis.pptx
 
Metodologia agil no desenvolvimento criativo de software
Metodologia agil no desenvolvimento criativo de softwareMetodologia agil no desenvolvimento criativo de software
Metodologia agil no desenvolvimento criativo de software
 
Agile explicacao 18
Agile explicacao 18Agile explicacao 18
Agile explicacao 18
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
 
Vantagens agil 3
Vantagens agil 3Vantagens agil 3
Vantagens agil 3
 
Artigo Pós graduação_Caroline Seara (2)
Artigo Pós graduação_Caroline Seara (2)Artigo Pós graduação_Caroline Seara (2)
Artigo Pós graduação_Caroline Seara (2)
 
Scrum | Estimativas Ágil Consciente | Apresentação para Empresa Desenvolvedor...
Scrum | Estimativas Ágil Consciente | Apresentação para Empresa Desenvolvedor...Scrum | Estimativas Ágil Consciente | Apresentação para Empresa Desenvolvedor...
Scrum | Estimativas Ágil Consciente | Apresentação para Empresa Desenvolvedor...
 
Scrum | Estimativa ágil | Apresentação para QA | Desenvolvedores | e para o...
Scrum | Estimativa ágil | Apresentação para  QA | Desenvolvedores  | e para o...Scrum | Estimativa ágil | Apresentação para  QA | Desenvolvedores  | e para o...
Scrum | Estimativa ágil | Apresentação para QA | Desenvolvedores | e para o...
 
Desenvolvimento ágil pensando além
Desenvolvimento ágil   pensando alémDesenvolvimento ágil   pensando além
Desenvolvimento ágil pensando além
 
Gerenciamento ágil de projetos com scrum
Gerenciamento ágil de projetos com scrumGerenciamento ágil de projetos com scrum
Gerenciamento ágil de projetos com scrum
 
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
 
Scrum - Introdução Interna para o Núcleo de Arquitetura de Informação
Scrum - Introdução Interna para o Núcleo de Arquitetura de InformaçãoScrum - Introdução Interna para o Núcleo de Arquitetura de Informação
Scrum - Introdução Interna para o Núcleo de Arquitetura de Informação
 
Desenvolvimento Ágil de Software
Desenvolvimento Ágil de SoftwareDesenvolvimento Ágil de Software
Desenvolvimento Ágil de Software
 
GESTÃO DE PROJETOS ÁGIL.pptx
GESTÃO DE PROJETOS ÁGIL.pptxGESTÃO DE PROJETOS ÁGIL.pptx
GESTÃO DE PROJETOS ÁGIL.pptx
 
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUMGerenciamento ágil de processos - SCRUM
Gerenciamento ágil de processos - SCRUM
 

Último

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 

Último (20)

APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 

Processos Ágeis

  • 1. Projetos de Software  Unidade 2 Seção 1  Agilidade Introdução.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. Agilidade  Se você estiver no 25º andar de um prédio em chamas, para ser ágil você vai pular pela janela para chegar mais rápido ao chão?
  • 6. Agilidade  Reflita sobre esta afirmação: ◦ Ser ágil não tem a ver com rapidez ou velocidade, usar Scrum ou não usar o Guia PMBOK®, conversar mais ou fazer documentação de menos, ser ágil tem a ver com eliminar o desperdício.  Em alguns momentos e sobre realmente desburocratizar determinados processos evitando o desperdício do
  • 7. Agilidade  “As empresas nunca possuem tempo para planejar, mas tem dinheiro para refazer !” - Carlos Silva Júnior  O quão impactante e a afirmação acima?
  • 8. Agilidade  Exemplo simples mas bobo: ◦ Processo Jurídico... Caso verídico recente... De 2019...  A empresa X foi processada por não entregar um determinado produto dentro do prazo. Na verdade o produto foi desenvolvido... Testado e validado e faltou uma questão de “Logística” para que o mesmo fosse entregue. Quando questionados sobre o processo os diretores deram a seguinte afirmação: “Sem problemas podemos recorrer ... Se perdemos e 1 cliente em 100 , ainda temos 99...”
  • 10.
  • 12.
  • 15. Agilidade  Wow ... Wow Manipular o Escopo?  Sim... Manipular o Escopo. Decidir o que realmente vai gerar valor para o seu cliente.  Mas esse valor tem que ser REAL... Não aquilo que você acha que gera valor... Ou mesmo se cliente acha que sabe... Mas na verdade não sabe.
  • 16. Agilidade  Essa ideia de agilidade funciona pra todo mundo? ◦ Como diz meu professo do mestrado: “Todo mundo e muita mas muita gente não?”  Ela vem sendo adaptada para diversas áreas.  Mas ainda deve ser bem estudada e trabalhada.
  • 17. “Agilidade – Scrum”  Um rápido resumo e passo a passo( vamos ver tudo com calma mais para frente) 1. Define-se o que será entregue, o que vai gerar valor para o cliente; Não é o produto todo mas uma funcionalidade dele que vai agregar valor. 2. Desenvolve-se esta funcionalidade em um prazo de 15 a 30 dias (Isso se chama Sprint). 3. Ao final se entrega a funcionalidade desenvolvida para o cliente, ele valida e passamos para a próxima funcionalidade. Repete passo 1,2 e 3 ate acabar o projeto.
  • 20. Agilidade  Baseado em 12 princípios, o Manifesto Ágil tornou-se uma espécie de guia que orienta as ações, as escolhas de métodos e ferramentas dos times ágeis de projetos, maximizando os resultados. Estes são os 12 princípios do Manifesto Ágil
  • 21. Agilidade  1 - Nossa maior prioridade é satisfazer o cliente através da entrega contínua e adiantada de software com valor agregado.  2 - Aceitar mudanças de requisitos, mesmo no fim do desenvolvimento. Processos ágeis se adequam a mudanças, para que o cliente possa tirar vantagens competitivas.  3 - Entregar frequentemente software funcionando, de poucas semanas a poucos meses, com preferência à menor escala de tempo.
  • 22. Agilidade  4 - Pessoas de negócio e desenvolvedores devem trabalhar diariamente em conjunto por todo o projeto.  5 - Construir projetos em torno de indivíduos motivados. Dando a eles o ambiente e o suporte necessário, e confiando neles para fazer o trabalho.  6 - O método mais eficiente e eficaz de transmitir informações para e entre uma equipe de desenvolvimento é por meio de conversa face a face.
  • 23. Agilidade  7 - Software funcionando é a medida primária de progresso.  8 - Os processos ágeis promovem desenvolvimento sustentável. Os patrocinadores, desenvolvedores e usuários devem ser capazes de manter um ritmo constante indefinidamente.  9 - Contínua atenção a excelência técnica e bom design aumenta a agilidade.
  • 24. Agilidade  10 - Simplicidade: a arte de maximizar a quantidade de trabalho não realizado é essencial.  11 - As melhores arquiteturas, requisitos e designs emergem de times auto-organizáveis.  12 - Em intervalos regulares, a equipe reflete sobre como se tornar mais eficaz e então refina e ajusta seu comportamento de acordo.
  • 25. Agilidade  Processo tradicional de desenvolvimento ( a ideia serve para qualquer processo).
  • 26. Agilidade  Processo Ágil. De uma forma bem abstrata.
  • 28. SCRUM  Scrum é um processo iterativo e incremental para o desenvolvimento de qualquer produto e gerenciamento de qualquer trabalho.
  • 29. As principais Metodologias Ágeis no mercado.  https://rockcontent.com/br/blog/metod ologias-ageis/ - Informações retiradas do site da Rock Content . Publicado em Dezembro de 2018
  • 30.
  • 31. As principais Metodologias Ágeis no mercado.  Scrum ◦ O Scrum é uma das formas de utilizar métodos ágeis em seus projetos e tem como principal objetivo auxiliar na gestão e no desenvolvimento de projetos que tenham um prazo curto de entrega. ◦ Ele é um dos métodos mais populares e é comumente confundido com o conceito da metodologia em si. ◦ É vital que você entenda todos os pontos positivos e negativos da sua equipe, além de cada integrante ter seu papel e atuação muito bem definidos. Para garantir o sucesso desse método, é necessário que exista um representante do cliente na sua equipe, de forma que ele crie listas de prioridades para garantir que a entrega apresente um bom resultado.
  • 32. As principais Metodologias Ágeis no mercado.  Scrum ◦ Essa metodologia permite que as empresas criem soluções inovadores para o mercado, fazendo com que haja um aumento da competitividade. Esse método existe devido à necessidade de oferecer agilidade em projetos de alta complexidade e urgência de entrega. ◦ Na prática, o Scrum funciona criando ciclos, conhecidos como sprints, que são os intervalos de tempo para o desenvolvimento de cada etapa. Ao final de cada etapa, existe uma revisão do produto para validação. É só depois disso que a equipe inicia o próximo sprint.
  • 33.
  • 34. As principais Metodologias Ágeis no mercado.  Lean ◦ O método Lean foi difundido no cenário das startups e é indicado para projetos reduzidos e mais objetivos. Seu foco principal é identificar e eliminar de forma eficiente os desperdícios dentro de uma organização ou na realização de algum projeto. ◦ Dessa forma, existe uma redução de custos, diminuição na complexidade das tarefas realizadas — o que resulta em melhora nas entregas — aumento de produtividade da equipe e um melhor compartilhamento de informações.
  • 35. As principais Metodologias Ágeis no mercado.  Lean  Esse método é indicado para a validação de ideias e hipóteses e é constituído por três passos: 1.construir; 2.medir; 3.aprender.
  • 36. As principais Metodologias Ágeis no mercado.  Kanban ◦ O método Kanban é composto por checklists e oferece uma ótima visão de todo o projeto que está sendo desenvolvido. Ele é um dos métodos mais ágeis e simples utilizados atualmente. ◦ Essa metodologia ganhou posição de destaque nos últimos anos por ser uma maneira de realizar o gerenciamento de projetos, com um poder de adaptação para qualquer tipo de negócio. ◦ O principal objetivo desse método é buscar a evolução e não a revolução, permitindo que a organização dos processos seja feita de uma forma visual.
  • 37. As principais Metodologias Ágeis no mercado.  Kanban  É preciso criar um quadro e dividi-lo da seguinte forma: • To Do — atividades que precisam ser realizadas; • Doing — atividades que estão sendo realizadas; • Done — atividades que já foram finalizadas, avaliadas e aprovadas pela equipe.
  • 38. As principais Metodologias Ágeis no mercado.
  • 39. As principais Metodologias Ágeis no mercado.  Kanban ◦ Acompanhar essa lista de atividades é vital para o bom funcionamento do método, de forma que todos os integrantes da equipe atualizem os dados inseridos constantemente. ◦ Ele também mantém um ritmo sustentável de produção, evitando gargalos e atrasos no processo.
  • 40. As principais Metodologias Ágeis no mercado.  Smart  A metodologia Smart é reconhecida por ser uma boa alternativa para criar objetos realistas e possíveis de serem atingidos por sua empresa. Ele se baseia em cinco princípios que são indicados pelas letras do seu nome. 1. S — que se refere a specific, significa que sua meta deve ser bem específica e atingir um ponto de cada vez, diminuindo o risco de interpretações equivocadas; 2. M — que se refere a measurable, significa que a sua meta deve ser mensurável, já que objetivos numéricos e exatos são a melhor forma de provar a eficiência do processo; 3. A — que se refere a attainable, significa que as metas estabelecidas devem desafiar o time, ao mesmo tempo em que são alcançáveis; 4. R — que se refere a relevant, significa que as metas estabelecidas devem ser relevantes para o resultado final da empresa ou do processo; 5. T — que se refere a time-related, significa que é preciso definir um prazo limite para a entrega do projeto, de forma que o time trabalhe com maior foco e efetividade.
  • 41. As principais Metodologias Ágeis no mercado.
  • 42. Dinâmica  As próximas dinâmicas foram retiradas do site ◦ https://imasters.com.br/agile/os-12-principios- manifesto-agil-e-dinamicas
  • 43. Dinâmica  Agile Clock  Cole os 12 princípios na parede, formando um relógio do princípio 01 ao 12.  Se for apenas um time que estiver participando da dinâmica, divida-o em duplas, ou se for muito pequeno, deixe os indivíduos separados. Se for mais de um time, forme times menores, mesclando os indivíduos.
  • 44. Dinâmica  Para cada princípio, o facilitador lê em voz alta e instiga as pessoas (em time, ou individualmente, dependendo da configuração) a tentarem resumir o princípio a uma palavra, no máximo duas.  Para que consigam chegar nessa síntese, o time terá um tempo para discutir o princípio e definir sua palavra.
  • 45. Dinâmica  Faz-se isso para cada princípio. Ao término, o próximo passo é, dentre as palavras dos diferentes times para o mesmo princípio, deve ser escolhida apenas uma para ser colocada no relógio, em cima ou ao lado do respectivo princípio.  Para se chegar na palavra final de cada princípio, os times terão de debater com uma timebox fixa, controlada pelo facilitador.
  • 46. Dinâmica  Note que não existe uma resposta certa, pois o entendimento dos princípios pode variar conforme o contexto dos times.  No entanto, cabe ao facilitador presente instigar e provocar, sem nunca expor suas opiniões de maneira afirmativa, mas sempre interrogativa, para não se sobressair aos demais.  Dinâmica vista durante o PACC do Andy Barbosa.
  • 47. Dinâmica  Prós e contras  Esta é uma outra dinâmica bem interessante, por ser contra intuitiva e ter uma utilidade interessante, especialmente com gestores.  Divida o grupo da dinâmica em dois (grupo PRÓ e grupo CONTRA), ou faça divisões por princípios, dependendo do volume de pessoas.  Crie um painel em duas linhas e 12 colunas (ou o contrário), colocando nas linhas a legenda PRÓS e CONTRAS e nas colunas pode colar cada carta dos princípios (baralho para download abaixo).
  • 48. Dinâmica  O grupo PRÓ deve elaborar em post its bons motivos para seguirmos os princípios ágeis. Coisas boas que eles trazem, o lado positivo das coisas.  O grupo CONTRA deve elaborar em post its razões para não seguirmos os princípios ágeis. Coisas que eles podem atrapalhar, riscos que eles podem trazer, o lado negativo das coisas.  Durante as apresentações, intercale um princípio de cada vez, pedindo que as pessoas apresentem os prós e contras e discutam brevemente sobre cada um para espalhar as percepções. Não é um trabalho de convencimento, mas de compreensão e empatia.
  • 49. Dinâmica  Os objetivos dessa dinâmica são dois: primeiro, entender que, sim, existem riscos e que os princípios não são bala de prata e, segundo, que para cada item identificado pelo grupo CONTRAS, podemos definir ações para mitigá-los.  Um terceiro e oculto objetivo é o agilista identificar o mindset das pessoas do grupo (em especial os gestores) para identificar principalmente os seus medos e temores quanto ao ágil em seus times.  O resultado do grupo CONTRAS é muito mais importante neste caso, e é ali que você vai ter insumos de como vender e aplicar o ágil corretamente nessa empresa.
  • 50. Dinâmica  Quadrante mágico ◦ Essa dinâmica eu aprendi no site do mestre Jorge Audy. Ele teve a ideia de usar o conceito de quadrante mágico do Gartner para refletir com o time sobre sua adoção e entendimento dos princípios ágeis. ◦ Divida um painel em quatro quadrantes, traçando uma cruz no centro dele. Da esquerda para direita, de cima para baixo, nomeie cada quadrante com: Não acredito, mas Faço; Acredito e Faço; Não Acredito e Não Faço; Acredito e Não Faço.
  • 51. Dinâmica  Peça que um membro do grupo pegue uma carta de princípio aleatória e leia em voz alta, dando o seu entendimento sobre o princípio.  Na sequência, incite uma discussão para decidir se esse princípio é acreditado pelo grupo e se o grupo o faz na prática, para posicionar a carta nos quadrantes.  Obviamente, o quadrante mágico é o topo direito (Acredito e Faço), mas não deixe nada ser colocado lá se não for consenso de que aquele princípio de fato é acreditado e aplicado.
  • 52. Dinâmica  No final, o time pode definir ações para alguns itens que não ficaram no quadrante mágico (Acredito e Faço), sendo a escolha baseada nas prioridades que o agilista tem para o time (por exemplo, vamos nos focar em fazê-los acreditar antes de fazer? Ou fazer para depois acreditar?).