SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 89
TRAUMATISMO EM DENTES DECÍDUOS
PREVALÊNCIA DE
TRAUMATISMO DENTÁRIO
  DENTIÇÃO DECÍDUA



Autor               Ano           Amostra         Idade/Prevalência
Mestrinho et al.    1998          1853            1-5 anos 30,0%
Zembruski et al.    2002          1545            0-6 anos 35,5%
Zarzar et al,       2008          519             1-3 anos 41,6%
 A primeira parte da aula foi adaptada da apresentaçao da prof Patricia Zarzar da UFMG.
FATORES DE RISCOS
                             Lesões de cárie
                             Overjet >3mm
                             Proteção labial
                             Obesidade




                           FATORES ETIOLÓGICOS
                           Quedas
                           Acidentes automobilísticos
                           Acidentes nos esportes
                           Violência

(Kramer, Feldens, 2005)
PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO DE CRIANÇAS COM DENTES
              DECÍDUOS TRAUMATIZADOS




Comunicação com os pais
Idade da criança /separação dos pais
Medo do barulho
Dizer, mostrar, fazer
Consultas curtas
Distração
Sugestão
Reforço positivo
Contenção/ Termo de consentimento
PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO DE CRIANÇAS COM
       DENTES DECÍDUOS TRAUMATIZADOS


IDENTIFICAÇÃO
HISTÓRIA MÉDICA
HISTÓRIA DO TRAUMATISMO
LIMPEZA DAS ÁREAS LESADAS
EXAME EXTRA E INTRABUCAL
EXAME DOS TECIDOS MOLES
EXAME DOS DENTES E ESTRUTURAS ÓSSEAS
EXAMES COMPLEMENTARES
CONTROLE DA DOR
 SUTURAS DA MUCOSAS
ANAMNESE
IDENTIFICAÇÃO
HISTÓRIA MÉDICA

       Doenças sistêmicas, alergias , uso de medicamentos,
profilaxia antitetânica.

 HISTÓRIA DO TRAUMATISMO
      Traumatismos anteriores
      Como, onde e quando? Ex. impacto no mento.
      Outros sintomas: alterações neurológicas
      Mastigação? Intrusão? Avulsão? Alimentação?
EXAME CLÍNICO
           EXAME EXTRA BUCAL
 Posição joelho a joelho/ Colo do responsável




                (KRAMER; FELDENS, 2005)
EXAME CLÍNICO
  EXAME EXTRA BUCAL
Limpeza das áreas lesadas




       (KRAMER; FELDENS, 2005)
LESÕES DOS TECIDOS MOLES

                          ABRASÃO




                   (KRAMER; FELDENS, 2005)


   Lavagem da área (sabonete anti-séptico + soro
                    fisiológico)
          Remoção de corpos estranhos
Laceração




                       (KRAMER; FELDENS, 2005)



            Limpeza, anestesia da região,
            debridamento, hemostasia e sutura.

 Laserterapia:

 2 a 4J/cm2 sobre a lesão; diminuição de edema; efeito analgésico e
antiinflamatório; estimula a reparação tecidual
EXAME EXTRA BUCAL
    Feridas profundas no mento (fraturas
 condilares e fraturas em dentes posteriores)
                             (KRAMER; FELDENS, 2005)
ATM
Limitação de abertura e fechamento
  Fratura condilar, da maxila ou mandibula e
luxações da mandibula

TESTE DE MOBILIDADE DENTÁRIA E ÓSSEA
Fraturas do processo alveolar
Fratura radicular
Ruptura das fibras periodontais

REAÇÃO A PERCUSSÃO
Lesões no ligamento periodontal
TESTE DE VITALIDADE
QUESTIONÁVEL (Idade/Cooperação; Resposta alterada
(rizogênese ou rizólise); Estímulo nocivo a polpa

EXAMES COMPLEMENTARES
Transiluminação




    (KRAMER; FELDENS, 2005)
EXAME RADIOGRÁFICO
Auxiliar no diagnóstico, auxiliar no controle, valor Legal


                          RADIOGRAFIAS OCLUSAIS
 Intrusão, deslocamentos dentários, fraturas apicais e coronárias,
fraturas alveolares

CRIANÇAS MAIORES: Feixe de radiação/ponta do nariz/
filme nº. 2 / angulação 55 a 65 graus,
tempo de exposição – 0,4seg.




            (WALTER; FERELLE; ISSAO, 1996)
RADIOGRAFIAS OCLUSAIS
   CRIANÇAS MENORES:


                         Macri;

                          Filme Nº 2;

                         Incidência: base do
                         nariz;

                         Angulação 40 a
                         45graus;

                         Tempo de
                         exposição: 0,4 seg




               (WALTER; FERELLE; ISSAO, 1996)
INTRUSÃO:

              Imagem encurtada do decíduo intruído – distante ao folículo
               Imagem alongada do decíduo intruído – Próximo ao folículo




                                                                     (Zarzar, 2007)




(ANDREASEN; ANDREASEN, 2000)
RADIOGRAFIAS LATERAIS
                           INTRUSÃO
   (Filme nº 2, exposição – 8 a 10s., Cone de RX – ponta




(KRAMER; FELDENS, 2005)
REAÇÕES DO DENTE DECÍDUO AO TRAUMATISMO


Hemorragia Pulpar            6 meses após




   (Kramer, Feldens, 2005)   (Kramer, Feldens, 2005)
REAÇÕES DO DENTE DECÍDUO AO TRAUMATISMO

                          Reabsorção Dentinária Interna




(Kramer, Feldens, 2005)




                                        (Kramer, Feldens, 2005)
REAÇÕES DO DENTE DECÍDUO AO TRAUMATISMO

Alteração de cor da coroa   Obliteração pulpar




Reabsorção Externa




                                 (Kramer, Feldens, 2005)
REAÇÕES DO DENTE DECÍDUO AO TRAUMATISMO
 Fìstula             Necrose Pulpar




Edema/supuração
                            (Kramer; Feldens, 2005)
REPERCUSSÕES DO TRAUMATISMO EM DENTES
   DECÍDUOS NOS DENTES PERMANENTES

          Hipoplasia de esmalte




                (KRAMER; FELDENS, 2005)
Dilaceração radicular
REPERCUSSÕES DO
TRAUMATISMO EM DENTES
 DECÍDUOS NOS DENTES
     PERMANENTES
Má-formação semelhante a odontoma
TRINCAS DE ESMALTE

   ACOMPANHAMENTO CLÍNICO E RADIORÁFICO


(Acompanhamento      1 semana, 3/3 meses , 6 /6 meses,
                  1 ano, exfoliação)
TRATAMENTO DE LESÕES DE TECIDO DURO
                 FRATURA DE ESMALTE




               (CORRÊA, 1999)




POLIMENTO DAS BORDAS + APLICAÇÃO TÓPICA DE FLÚOR (ATF)
FRATURA DE ESMALTE




Comprometimento pulpar?
ACOMPANHAMENTO CLÍNICO/RX
FRATURA DE ESMALTE E DENTINA
Restauração com resina composta/ ionômero
de vidro
Proteção do complexo dentina polpa
Colagem do fragmento
FRATURA CORONÁRIA ESMALTE/
           DENTINA/ POLPA



     Manutenção da vitalidade pulpar
          Extensão da exposição
             Tempo decorrido
   Severidade das lesões associadas ao
                periodonto
            Idade do paciente
FRATURA CORONÁRIA COMPLICADA (ESMALTE/ DENTINA/ POLPA)
              RIZOGÊNESE INCOMPLETA:


 Capeamento pulpar direto –
     Tempo de exposição: - 24hs, exposição pequena,
     hemostasia,    contaminação, sinais de vitalidade,
     idade do paciente.
     (Hidróxido de cálcio PA + Cimento de Hidróxido de cálcio +
     restauração).


Pulpotomia –
       Tempo de exposição: + de 24hs, pólipo pulpar, hemostasia,
       grandes exposições, sinais de vitalidade, idade do
       paciente).
       (Hidróxido de cálcio, Pasta de Guedes Pinto, MTA, Cimento
de Portland, Formocresol,etc.).

                   CONTROLE E MANUTENÇÃO
FRATURA ESMALTE/ DENTINA E POLPA

           RIZOGÊNESE INCOMPLETA:

Sinais clínicos e radiográficos de alteração pulpar
irreversível (lesão periapical, edema, fístula):
TRATAMENTO PULPAR RADICAL + TRATAMENTO RESTAURADOR.


MATERIAIS OBTURADORES:
Pasta L&C - Hidróxido de cálcio
Pasta Guedes-Pinto – Rifocort + iodoformio + PMCC
RIZOGÊNESE COMPLETA:

Pulpectomia + Restauração com resina composta/
Ionômero de vidro.
Exodontia: exfoliação
Controle e manutenção

Pulpectomia com Hidróxido de calcio:
 Isolamento absoluto;
 Abertura coronária – Broca esférica – acesso aos
canáis - endo Z – visualização dos canais;
 Instrumentação + irrigação ( Limas Keer- 1 +4/
Hipoclorito de sódio 0,5%)
 Secagem(cones de papel);
 Obturação Hidróxido de cálcio (PA/ L&C) + Dycal/
Guta-Persha + Ionômero de Vidro
FRATURA CORONO-RADICULAR

 Sem envolvimento pulpar: proteção dentino-
pulpar + restauração/ colagem do fragmento ( Até
               2mm além do limite gengival).



    Com envolvimento pulpar: Tratamento
 endodôntico/ restauração (matrizes plásticas)/
colagem do fragmento (até 2mm além do limite gengival)
FRATURA CORONO-RADICULAR COMPLICADA
 Impossibilidade de selamento dente/rest.: exodontia
       (4 a 5mm abaixo da margem gengival)
FRATURA RADICULARES

                          Exame clínico:
   Dente levemente extruído/ deslocamento para palatino/ lingual;
                      Dor ao tocar no dente;
                   Sangramento no sulco gengival.



                            Radiografias
      Várias tomadas radiográficas em diferentes angulações
 Repetir as radiografias 30 dias após o trauma ( 1, 3, 6, 12, 24 meses
                            – exfoliação)
FRATURAS RADICULARES

DIREÇÃO DAS FRATURAS
Longitudinal/Vertical (EXODONTIA)

Transversa/Horizontal (+ freqüente) –
Terço cervical (EXODONTIA)
Terço apical e médio/Deslocamento/Tempo
de atendimento odontológico.
FRATURA RADICULAR   FRATURA RADICULAR
TRANSVERSAL         OBLÍQUA
F R AT U R A   RADICULAR
LONGITUDINAL
FRATURA RADICULARES TRANSVERSAIS


              Terço cervical: exodontia.

 Terço médio c/ pequena mobilidade: Reposicionamento




                                            (ZARZAR, 2006)
SUCESSO CLÍNICO E
               RADIOGRÁFICO




19/10/06




                06/11/07

           06/11/07
TRAUMATISMOS AOS TECIDOS DE SUSTÊNTAÇÃO
              CONCUSSÃO:
 Alívio da oclusão /retirar a chupeta/ mamadeira/ hábitos
                          de sucção
              Limpeza com clorexidina 0,12%
 Dieta leve/ temperatura tépida/ ingestão de líquidos por
                          2 semanas
 Controle clínico / radiográfico (4 semanas/ 3 a 4 meses/ 12 e
                      24 meses/ esfoliação)
SUBLUXAÇÃO:
Nenhum tratamento/ Alívio da oclusão/ remoção da
chupeta (pequena mobilidade)/ Limpeza com clorexidina
0,12%

 Trat. Imediato: contenção/ 10 a 15 dias
 Dieta leve/ temperatura tépida/ ingestão de líquidos por
2 semanas/ Controle clínico / radiográfico (15 dias/ 1 mês/
3 meses/ anual/ esfoliação do dente).

 Grande mobilidade: exodontia
LUXAÇÃO INTRUSIVA:
 Nenhum tratamento (raiz por vestibular); controle: 1 semana, 1 mês,
 2 em 2 meses, 6 meses; 15/15 dias, 3/3meses, 6 meses. Exodontia +
    mantenedor de espaço + antibióticos ?: raiz por palatino/ atingir o
    folículo/ radiolucidez/ fratura óssea/ abscesso/ exudato no sulco
                             gengival/ febre.
                    Orientação sobre limpeza da área.
LUXAÇÃO LATERAL:
 Observação: reposicionamento espontâneo/língua,
Reposicionamento e imobilização por 15 a 21 dias: mínima
mobilidade: atendimento imediato e sem risco para o permanente.
 Nenhum tratamento: mínima mobilidade + atendimento tardio (+ de
3hs). Remoção de hábitos.
 Exodontia: Grande mobilidade, risco para o permanente.
Controle clínico / radiográfico




Imobilização semi-rígida (Fio de nylon 0,8/ fio de aço 0,5 + Resina)
Reposicionamento e imobilização
LUXAÇÃO EXTRUSIVA:

CONTROLE: Se não interferir com a oclusão.
 REPOSICIONAMENTO E IMOBILIZAÇÃO SEMI-RIGIDA:
Atendimento imediato, deslocamento mínimo.
EXODONTIA: atendimento tardio e interferência na oclusão.
Controle clínico / radiográfico ( 7 a 10 dias remoção da
contenção/ 1 mês/ semestralmente/ esfoliação do dente).
AVULSÃO
 Não reimplantar (anquilose, necrose, danos ao
      sucessor, adequação comportamental)
             Manutenção do espaço
         Controle clínico e radiográfico
INSTRUÇÕES AOS PAIS/
              RESPONSÁVEIS


 Oferecer dieta macia por 15 dias;

 Escovar/ limpar os dentes após cada refeição com
escova macia ou gaze;

Uso de clorexidina tópica 2 vezes ao dia por uma
semana;

Informar possíveis complicações do tratamento:
     - Presença de fístula
     - Mudança de cor do dente
     - Presença de abscesso
01/08/11
• Michele, rene, katiane, leonildo, fausto,
  juliano, jessika, joyce, palsia, carine, cristina,
  ediclei, ester, darlan, eluane
• Adriano (saiu ... meio da aula)




                                             50
Traumatismo em Dentes
Permanentes de crianças e
      adolescentes
Considerações Gerais
•   Profissional deve estar preparado para o atendimento imediato
    (emergência) e mediato (acompanhamento longitudinal)
    realizando o diagnóstico clínico-radiográfico para o
    estabelecimento de um plano de tratamento adequado.
Considerações Gerais
• O traumatismo dos dentes compromente , direta ou
  indiretamente, de forma leve ou severa, a polpa
  dental e o ligamento periodontal.
Considerações
    Gerais

• Os incisivos centrais superiores são os dentes
  mais afetados pelo trauma principal, e os
  incisivos laterais pelo trauma secundário.
Considerações Gerais
• Afetados principalmente entre os 06 e 10 anos.
• Fases diferentes do estagio de desenvolvimento
  e mineralização radicular
Estágio de desenvolvimento




                                            }
•
       da dentição permanente
    Nivel:

•   0 = ausência de crípta

•   1 = Presença de crípta

•   2 = Calcificação inicial

•   3 = 1/3 da coroa completa

•   4 = 2/3 da coroa completa
                                              Rizogênse incompleta
•   5 = Coroa quase completa

•   6 = Coroa completa

•   7 = 1/3 de raiz completa

•   8 = 2/3 de raiz completa

•   9 = Raiz quase completa, ápice aberto

•   10 = Ápice radicular Completo           Estágios de NOLLA
Classificação das lesões
           dentárias
•   Fraturas de Esmalte: (completa, incompleta e trincas)

•   Fratura de esmalte e dentina sem exposição pulpar

•   Fratura de esmalte e dentina com exposição pulpar

•   Fratura radicular:    somente raiz envolvendo cemento,
    dentina e polpa.

•   Fratura corono-radicular: envolvendo esmalte,dentina,
    cemento com ou sem incluir a polpa.
Fraturas por luxação
Lesões por Luxação
• Concussão:        Tr a u m a à s
 estruturas do de sustentação
 d o d e n t e , a p re s e n t a n d o
 sensibilidade à percussão,
 porém não há deslocamento
 ou mobilidade dental
Concussão
O mecanismo de formação da
concussão deve-se principalmente a um
impacto frontal levando a uma
hemorragia e edema no ligamento
periodontal. Apesar de clinicamente
não se observar alterações, o paciente
relata grande sensibilidade à percussão
ou à mastigação. Como as fibras do
ligamento periodontal estão intactas, o
dente está firme em seu alvéolo, não
havendo sangramento a partir do sulco
gengival.
Inicialmente promove-se o
alívio das interferências            Tratamento
oclusais, recomendando-se
uma dieta macia por pelo                  da
menos durante duas semanas.
A contenção não é obrigatória,       Concussão
mas pode dar um maior
conforto ao paciente, não
devendo se estender por mais
de duas semanas. O controle
pós-operatório deve ser
realizado por dois meses. O
prognóstico, nestes casos, é
b o m p o d e n d o o c o r r e r,
entretanto, necrose pulpar nos
dentes com forame apical
estreito. A reabsorção
radicular é bastante rara.
Subluxação
• Trauma às estruturas de
  sustentação do dente,
  apresentando aumento
  de mobilidade, porém
  não há deslocamento
  dental detectável clínica
  ou radiograficamente. O
  s a n g r a m e n t o
  espontâneo pelo sulco
  gengival é o sinal clinico
  patognomônico.
Quando o impacto tem uma
força maior, as fibras do
ligamento periodontal podem
ser rompidas, resultando num
aumento de mobilidade do dente
traumatizado e, num pequeno
sangramento a partir do sulco
gengival. O dente, entretanto
não é deslocado, porém a
presença de edema na região       Subluxação
apical poderá causar uma
discreta extrusão dentária. O
paciente refere sensibilidade à
mastigação e à percussão.
Radiograficamente não se
observa sinal de nenhuma
alteração.
Tratamento da
            Subluxação
Alívio oclusal, dieta
pastosa             e
contenção opcional
por 2 semanas +
acompanhamento.
Prognóstico: Bom.
Luxação lateral
                           Apresenta
                           como sinal
• Deslocamento       do    patognomônico
 elemento do seu eixo      um som alto e
 central, podendo vir      metálico à
 acompamnhado de           percussão.
 fratura do alveolo.       Clinicamente o
                           dente afetado
 Radiograficamente pode
                           encontra-se
 haver aumento do espaço   desalinhado em
 periodontal.              comparação aos
                           d e n t e s
                           adjacentes.
É o deslocamento do
dente, da sua posição
normal, do interior do       Luxação lateral
alvéolo (para mesial,
distal, vestibular ou
lingual). Além da lateral,
a luxação pode ser,
ainda, para fora,
chamada de extrusiva ou
para o interior do
alvéolo, denominada de
intrusiva.
Luxação Extrusiva
Deslocamento parcial do elemento dental para fora
do alveolo. Pode haver a ruptura completa ou
estiramento do feixe vásculo nervoso juntamento
com ruptura das fibras periodontais e aumento do
espaço periodontal
Luxação Extrusiva

Clinicamente o dente está deslocado axialmente para fora de seu
alvéolo e, com a mobilidade extremamente aumentada. Apenas
as fibras gengivais palatais impedem que o dente seja
avulsionado. O dente apresenta sensibilidade ao toque e à
mastigação.
Luxação Extrusiva
A extrusão pode estar associada ao deslocamento vestibular,
lingual e lateral com conseqüente injúria ao osso alveolar. O
paciente refere medo de fechar a boca. Radiograficamente a
exposição periapical pela técnica da bissetriz é tão útil quanto
uma exposição oclusal, observando-se o espaço entre a raiz e a
parede óssea alveolar.
O tratamento consiste no
reposicionamento do dente,   Luxação
que muitas vezes é
conseguido com pouco ou      Extrusiva
nenhum desconforto
dispensando, inclusive, a
infiltração anestésica.
Reposicionado o dente,
deve-se proceder à
contenção com resina
composta por três semanas
( M A R Z O L A ;
BRAMANTE et al., 2005).
O prognóstico depende do
correto reposicionamento      Luxação
dental e, também, do
estágio de desenvolvimento    Extrusiva
radicular. ANDREASEN;
ANDREASEN (2001)
verificaram que a necrose
pulpar ocorreu 64% dos
dentes extruídos. A
reabsorção radicular é rara
após a extrusão, sendo mais
comum na luxação lateral.
Deslocamento do
elemento dental
para o interior do
osso alveolar. O           Luxação Intrusiva
f e i xe v á s c u l o -
nervoso               é
esmagado contra
o           osso.
Radiograficament
e há a diminuiçao
ou ausencia do
e s p a ç o
periodontal
Luxação Intrusiva
Neste tipo de lesão o dente é
direcionado para o interior do
processo alveolar devido a um
impacto dirigido axialmente.
Causa problemas severos para
o dente afetado, ocorrendo
dano máximo à polpa e às
estruturas de sustentação.
Envolvem normalmente os
dentes anteriores superiores,
sendo mais comum na
dentição decídua.
Luxação Intrusiva

O dano resultante depende da idade do paciente. Quando ocorre
na dentição decídua, devem-se fazer avaliações quanto ao
desenvolvimento do dente permanente subjacente. Se este não
tiver sido afetado pela injúria, é possível deixar o dente decíduo
reirromper. O diagnóstico da intrusão deve tomar como
referência os dentes vizinhos.
Quando a intrusão é
severa, o dente pode ficar
                             Luxação Intrusiva
totalmente sepultado no
osso alveolar não sendo
visível clinicamente. O
dente afetado encontra-se
firmemente unido ao osso
e, normalmente não
responde aos testes
clínicos de sensibilidade
pulpar.
Luxação Intrusiva

Dentes com formação radicular completa devem ser submetidos
à intervenção endodôntica 15 dias após o trauma. A radiografia
deverá ser bem posicionada e com angulação padronizada para
serem evitadas distorções. Desta forma, avalia-se melhor o
fechamento apical e facilita-se a tomada da decisão quanto a
intervenção endodôntica.
Luxação Intrusiva


O tratamento depende do estágio de desenvolvimento radicular e,
no caso de rizogênese incompleta, pode-se esperar o
reirrompimento. Contudo, se não for iniciado em 10 dias, deve-se
anestesiar o dente e luxá-lo levemente com um fórceps.
Luxação Intrusiva
O reirrompimento espontâneo pode
demorar alguns meses (2 a 4), devendo
ser monitorado radiograficamente.
Quando se desenvolve uma radiolucidez
periapical ou uma reabsorção radicular
inflamatória, é essencial a intervenção
endodôntica com o preenchimento do
canal com pasta de hidróxido de cálcio,
de acordo com a metodologia
preconizada (MARZOLA;
BRAMANTE et al., 2005). A necrose
pulpar é bastante freqüente neste tipo de
lesão independente do estágio de
desenvolvimento radicular.
Luxação Intrusiva

Devido à freqüente perda de osso marginal e anquilose após
o procedimento, o reposicionamento cirúrgico total não
deve ser realizado no momento do traumatismo. No caso de
desenvolvimento radicular completo, recomenda-se a
extrusão ortodôntica, pois o reirrompimento espontâneo é
imprevisível. A extrusão deverá ser realizada por 3 semanas
para permitir que a terapia endodôntica seja feita antes do
aparecimento radiográfico de reabsorção radicular
inflamatória (MARZOLA; BRAMANTE et al., 2005).
Luxação Intrusiva

A extrusão deverá ser realizada por 3 semanas para permitir que
a terapia endodôntica seja feita antes do aparecimento
radiográfico de reabsorção radicular inflamatória (MARZOLA;
BRAMANTE et al., 2005).
Luxação Intrusiva

Como a necrose pulpar ocorre em quase 100% dos casos de
intrusão, a terapia endodôntica ′′profilática′′ está indicada. A
proservação clínica e radiográfica é importante por um período
de 3 a 5 anos. O prognóstico é reservado. Apenas os dentes com
rizogênese incompleta demonstraram capacidade de
sobrevivência pulpar após a intrusão (MARZOLA, 2005).
Luxação Intrusiva

Com relação ao periodonto, há um alto risco de reabsorção
radicular (58% para dentes com rizogênese incompleta e, 70%
para os dentes com rizogênese completa). Alguns dentes
apresentam anquilose após 5 ou 10 anos, daí a necessidade de
períodos de acompanhamento prolongados (MARZOLA, 2005).
Avulsão
É o deslocamento, com saída total, do dente do interior de seu
alvéolo, correspondendo de 0,5 a 16% das injúrias traumáticas.
A avulsão de dentes permanentes é mais comum na dentição
jovem, quando o desenvolvimento radicular ainda está
incompleto e o periodonto, muito ainda em formação.
Avulsão
A idade mais
freqüentemente
afetada é dos sete aos
11 anos e, os dentes
recém-irrompidos, por
terem ligamento
periodontal mais
frouxo, são aqueles
mais acometidos pela
avulsão.
Avulsão
Tratamento:
Após a avulsão há basicamente três tipos de
alternativas de tratamento: reimplante
imediato, reimplante mediato e não fazer o
reimplante.
Avulsão
Reimplante imediato: Nos casos em que o
período de tempo extra- alveolar for menor que
60 minutos. E o meio de armazenamento seja
fisiológico (soro fisiológico, saliva, leite, etc.)

Reimplante mediato: Em pacientes com
desenvolvimento radicular completo e um
período extra-alveolar em meio seco maior que
60 minutos.
Avulsão
Não fazer o reimplante: Pacientes com o ápice aberto e um
período extra-alveolar em meio seco por mais de 60 minutos,
assim como em pacientes com condição periodontal grave e
lesões cariosas grandes e, não tratadas nos dentes envolvidos.
Avulsão

Se o dente for mantido num meio fisiológico logo após o
traumatismo, o tempo para o reimplante pode ser prolongado.
No caso da saliva, o tempo extra- alveolar deve ser limitado a 2
ou 3 horas devido a natureza levemente hipotônica do meio.
Traumatismo dental em Odontopediatria

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoGracieleSonobe1
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas ProvisóriasLeidy Any
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidadesprofguilhermeterra
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasprofguilhermeterra
 
Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia  Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia Ines Jacyntho Inojosa
 
Principios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitárioPrincipios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitárioprofcelsoklein
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas Ines Jacyntho Inojosa
 
Propagação das Infecções Dentárias
Propagação das Infecções DentáriasPropagação das Infecções Dentárias
Propagação das Infecções DentáriasRaphael Machado
 
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIAAPOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIARayssa Mendonça
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparprofguilhermeterra
 
Cirurgia de acesso
Cirurgia de acessoCirurgia de acesso
Cirurgia de acessoGrazi Reis
 
Dentição decídua
Dentição decídua Dentição decídua
Dentição decídua Mara Farias
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisPrincípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisprofguilhermeterra
 
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Guilherme Terra
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarGuilherme Terra
 
Protocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologiaProtocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologiaJose Gerardo
 

Mais procurados (20)

Prótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível OdontológicoPrótese Parcial Removível Odontológico
Prótese Parcial Removível Odontológico
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas Provisórias
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Restaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostasRestaurações em resinas compostas
Restaurações em resinas compostas
 
Dentística
DentísticaDentística
Dentística
 
Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia  Diagnostico das urgências em endodontia
Diagnostico das urgências em endodontia
 
Principios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitárioPrincipios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitário
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas
 
Propagação das Infecções Dentárias
Propagação das Infecções DentáriasPropagação das Infecções Dentárias
Propagação das Infecções Dentárias
 
doença periodontal
doença periodontaldoença periodontal
doença periodontal
 
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIAAPOSTILA DE IMPLANTODONTIA
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Cirurgia de acesso
Cirurgia de acessoCirurgia de acesso
Cirurgia de acesso
 
Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria
 
Dentição decídua
Dentição decídua Dentição decídua
Dentição decídua
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentaisPrincípios cirúrgicos e manobras fundamentais
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais
 
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013Exodontia com normalidade de forma e função 2013
Exodontia com normalidade de forma e função 2013
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar
 
Protocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologiaProtocolo medicamentoso em odontologia
Protocolo medicamentoso em odontologia
 

Semelhante a Traumatismo dental em Odontopediatria

traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdfJessikaFreireMidlejL
 
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdfJessikaFreireMidlejL
 
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em CriançasA Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em CriançasDidaticaMPCO
 
Atlas-Anatomia-Radiográfica-para-Odontologia-1.pdf
Atlas-Anatomia-Radiográfica-para-Odontologia-1.pdfAtlas-Anatomia-Radiográfica-para-Odontologia-1.pdf
Atlas-Anatomia-Radiográfica-para-Odontologia-1.pdfJoão Victor Benício
 
Hipersensibilidade dentinaria pdf (1)
Hipersensibilidade dentinaria   pdf (1)Hipersensibilidade dentinaria   pdf (1)
Hipersensibilidade dentinaria pdf (1)Sergio Sun
 
Simposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantâniaSimposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantâniaThiago Dant
 
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02Elizangela Zago
 
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdfWebpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdfThalmaEsccia
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentísticaprofguilhermeterra
 
Alterações pulpares durante a movimentação ortodontica
Alterações pulpares durante a movimentação ortodonticaAlterações pulpares durante a movimentação ortodontica
Alterações pulpares durante a movimentação ortodonticaAdalberto Caldeira Brant Filho
 
173 778-1-pb
173 778-1-pb173 778-1-pb
173 778-1-pbcibert4
 
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais Daniel Ferro
 
Apostila de endodontia - unesa - karoline sias
Apostila de endodontia  - unesa - karoline siasApostila de endodontia  - unesa - karoline sias
Apostila de endodontia - unesa - karoline siasKarol Sias
 
519339275-Sorriso-Gengival.pdf
519339275-Sorriso-Gengival.pdf519339275-Sorriso-Gengival.pdf
519339275-Sorriso-Gengival.pdfThalytaDurval
 
Hanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocularHanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocularPietro de Azevedo
 

Semelhante a Traumatismo dental em Odontopediatria (20)

Silvia
SilviaSilvia
Silvia
 
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
 
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
 
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em CriançasA Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
A Importância do Diagnóstico Precoce das Maloclusões em Crianças
 
Atlas-Anatomia-Radiográfica-para-Odontologia-1.pdf
Atlas-Anatomia-Radiográfica-para-Odontologia-1.pdfAtlas-Anatomia-Radiográfica-para-Odontologia-1.pdf
Atlas-Anatomia-Radiográfica-para-Odontologia-1.pdf
 
Hipersensibilidade dentinaria pdf (1)
Hipersensibilidade dentinaria   pdf (1)Hipersensibilidade dentinaria   pdf (1)
Hipersensibilidade dentinaria pdf (1)
 
Simposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantâniaSimposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantânia
 
Cárie dentária 2012 1
Cárie dentária 2012 1Cárie dentária 2012 1
Cárie dentária 2012 1
 
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
Criecominteressedentstica 111115154555-phpapp02
 
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdfWebpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
Webpalestra_RESPIRADOR BUCAL.pdf
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
 
Alterações pulpares durante a movimentação ortodontica
Alterações pulpares durante a movimentação ortodonticaAlterações pulpares durante a movimentação ortodontica
Alterações pulpares durante a movimentação ortodontica
 
173 778-1-pb
173 778-1-pb173 778-1-pb
173 778-1-pb
 
Manejo da Carie Oculta
Manejo da Carie OcultaManejo da Carie Oculta
Manejo da Carie Oculta
 
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
 
Cisto dentígero
Cisto dentígeroCisto dentígero
Cisto dentígero
 
Apostila de endodontia - unesa - karoline sias
Apostila de endodontia  - unesa - karoline siasApostila de endodontia  - unesa - karoline sias
Apostila de endodontia - unesa - karoline sias
 
519339275-Sorriso-Gengival.pdf
519339275-Sorriso-Gengival.pdf519339275-Sorriso-Gengival.pdf
519339275-Sorriso-Gengival.pdf
 
Hanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocularHanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocular
 
Trauma de face
Trauma de face Trauma de face
Trauma de face
 

Mais de Flavio Salomao-Miranda

Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-Miranda
Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-MirandaResultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-Miranda
Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-MirandaFlavio Salomao-Miranda
 
Prescrição medicamentosa em Odontopediatria
Prescrição medicamentosa em OdontopediatriaPrescrição medicamentosa em Odontopediatria
Prescrição medicamentosa em OdontopediatriaFlavio Salomao-Miranda
 
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoOdontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoFlavio Salomao-Miranda
 
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??Flavio Salomao-Miranda
 
Livro princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.com
Livro   princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.comLivro   princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.com
Livro princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.com
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.comEvidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.com
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.com
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.comResumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.com
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Livro:Manual de Periodontia - odontostation@gmail.com
Livro:Manual de Periodontia  - odontostation@gmail.comLivro:Manual de Periodontia  - odontostation@gmail.com
Livro:Manual de Periodontia - odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Livro: Anatomia da Face odontostation@gmail.com
Livro: Anatomia da Face  odontostation@gmail.comLivro: Anatomia da Face  odontostation@gmail.com
Livro: Anatomia da Face odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.com
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.comLivro: ortopedia funcional odontostation@gmail.com
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.com
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.comLIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.com
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 
Principais Leis e Normas do SUS desde sua criaçao
Principais Leis e Normas do SUS desde sua criaçaoPrincipais Leis e Normas do SUS desde sua criaçao
Principais Leis e Normas do SUS desde sua criaçaoFlavio Salomao-Miranda
 
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.comResumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.comFlavio Salomao-Miranda
 

Mais de Flavio Salomao-Miranda (20)

Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-Miranda
Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-MirandaResultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-Miranda
Resultadors Sb brasil 2010 - Prof Flávio Salomão-Miranda
 
Prescrição medicamentosa em Odontopediatria
Prescrição medicamentosa em OdontopediatriaPrescrição medicamentosa em Odontopediatria
Prescrição medicamentosa em Odontopediatria
 
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio SalomaoOdontopediatria  aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
Odontopediatria aula 1 e 2 - Prof. Flavio Salomao
 
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??
Com qual idade devo levar meu filho ao Dentista ??
 
Materiais Dentários
Materiais DentáriosMateriais Dentários
Materiais Dentários
 
Livro Prótese fixa: odontostation
Livro Prótese fixa:  odontostationLivro Prótese fixa:  odontostation
Livro Prótese fixa: odontostation
 
Livro princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.com
Livro   princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.comLivro   princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.com
Livro princípios de sutura em odontologia odontostation@gmail.com
 
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.com
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.comEvidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.com
Evidencias do Uso de Flúor : odontostation@gmail.com
 
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.com
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.comResumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.com
Resumo anatomia dentaria: odontostation@gmail.com
 
Livro:Manual de Periodontia - odontostation@gmail.com
Livro:Manual de Periodontia  - odontostation@gmail.comLivro:Manual de Periodontia  - odontostation@gmail.com
Livro:Manual de Periodontia - odontostation@gmail.com
 
Livro: Anatomia do dente
Livro: Anatomia do dente Livro: Anatomia do dente
Livro: Anatomia do dente
 
Livro: Anatomia da Face odontostation@gmail.com
Livro: Anatomia da Face  odontostation@gmail.comLivro: Anatomia da Face  odontostation@gmail.com
Livro: Anatomia da Face odontostation@gmail.com
 
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.com
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.comLivro: ortopedia funcional odontostation@gmail.com
Livro: ortopedia funcional odontostation@gmail.com
 
Livro de endodontia
Livro de endodontiaLivro de endodontia
Livro de endodontia
 
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.com
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.comLIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.com
LIVRO Análise Estética: odontostation@gmail.com
 
Principais Leis e Normas do SUS desde sua criaçao
Principais Leis e Normas do SUS desde sua criaçaoPrincipais Leis e Normas do SUS desde sua criaçao
Principais Leis e Normas do SUS desde sua criaçao
 
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.comResumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
Resumão Lei 8080 para provas e concursos Odontostation@gmail.com
 
Sistema unico de Saúde
Sistema unico de SaúdeSistema unico de Saúde
Sistema unico de Saúde
 
Sus de a a z
Sus de a a zSus de a a z
Sus de a a z
 
Cartilha entendendo o sus
Cartilha entendendo o susCartilha entendendo o sus
Cartilha entendendo o sus
 

Traumatismo dental em Odontopediatria

  • 2. PREVALÊNCIA DE TRAUMATISMO DENTÁRIO DENTIÇÃO DECÍDUA Autor Ano Amostra Idade/Prevalência Mestrinho et al. 1998 1853 1-5 anos 30,0% Zembruski et al. 2002 1545 0-6 anos 35,5% Zarzar et al, 2008 519 1-3 anos 41,6% A primeira parte da aula foi adaptada da apresentaçao da prof Patricia Zarzar da UFMG.
  • 3. FATORES DE RISCOS Lesões de cárie Overjet >3mm Proteção labial Obesidade  FATORES ETIOLÓGICOS Quedas Acidentes automobilísticos Acidentes nos esportes Violência (Kramer, Feldens, 2005)
  • 4. PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO DE CRIANÇAS COM DENTES DECÍDUOS TRAUMATIZADOS Comunicação com os pais Idade da criança /separação dos pais Medo do barulho Dizer, mostrar, fazer Consultas curtas Distração Sugestão Reforço positivo Contenção/ Termo de consentimento
  • 5. PROTOCOLO PARA ATENDIMENTO DE CRIANÇAS COM DENTES DECÍDUOS TRAUMATIZADOS IDENTIFICAÇÃO HISTÓRIA MÉDICA HISTÓRIA DO TRAUMATISMO LIMPEZA DAS ÁREAS LESADAS EXAME EXTRA E INTRABUCAL EXAME DOS TECIDOS MOLES EXAME DOS DENTES E ESTRUTURAS ÓSSEAS EXAMES COMPLEMENTARES CONTROLE DA DOR  SUTURAS DA MUCOSAS
  • 6. ANAMNESE IDENTIFICAÇÃO HISTÓRIA MÉDICA Doenças sistêmicas, alergias , uso de medicamentos, profilaxia antitetânica.  HISTÓRIA DO TRAUMATISMO Traumatismos anteriores Como, onde e quando? Ex. impacto no mento. Outros sintomas: alterações neurológicas Mastigação? Intrusão? Avulsão? Alimentação?
  • 7. EXAME CLÍNICO EXAME EXTRA BUCAL  Posição joelho a joelho/ Colo do responsável (KRAMER; FELDENS, 2005)
  • 8. EXAME CLÍNICO EXAME EXTRA BUCAL Limpeza das áreas lesadas (KRAMER; FELDENS, 2005)
  • 9. LESÕES DOS TECIDOS MOLES ABRASÃO (KRAMER; FELDENS, 2005)  Lavagem da área (sabonete anti-séptico + soro fisiológico)  Remoção de corpos estranhos
  • 10. Laceração (KRAMER; FELDENS, 2005) Limpeza, anestesia da região, debridamento, hemostasia e sutura.  Laserterapia: 2 a 4J/cm2 sobre a lesão; diminuição de edema; efeito analgésico e antiinflamatório; estimula a reparação tecidual
  • 11. EXAME EXTRA BUCAL  Feridas profundas no mento (fraturas condilares e fraturas em dentes posteriores) (KRAMER; FELDENS, 2005)
  • 12. ATM Limitação de abertura e fechamento Fratura condilar, da maxila ou mandibula e luxações da mandibula TESTE DE MOBILIDADE DENTÁRIA E ÓSSEA Fraturas do processo alveolar Fratura radicular Ruptura das fibras periodontais REAÇÃO A PERCUSSÃO Lesões no ligamento periodontal
  • 13. TESTE DE VITALIDADE QUESTIONÁVEL (Idade/Cooperação; Resposta alterada (rizogênese ou rizólise); Estímulo nocivo a polpa EXAMES COMPLEMENTARES Transiluminação (KRAMER; FELDENS, 2005)
  • 14. EXAME RADIOGRÁFICO Auxiliar no diagnóstico, auxiliar no controle, valor Legal RADIOGRAFIAS OCLUSAIS  Intrusão, deslocamentos dentários, fraturas apicais e coronárias, fraturas alveolares CRIANÇAS MAIORES: Feixe de radiação/ponta do nariz/ filme nº. 2 / angulação 55 a 65 graus, tempo de exposição – 0,4seg. (WALTER; FERELLE; ISSAO, 1996)
  • 15. RADIOGRAFIAS OCLUSAIS CRIANÇAS MENORES: Macri;  Filme Nº 2; Incidência: base do nariz; Angulação 40 a 45graus; Tempo de exposição: 0,4 seg (WALTER; FERELLE; ISSAO, 1996)
  • 16. INTRUSÃO:  Imagem encurtada do decíduo intruído – distante ao folículo  Imagem alongada do decíduo intruído – Próximo ao folículo (Zarzar, 2007) (ANDREASEN; ANDREASEN, 2000)
  • 17. RADIOGRAFIAS LATERAIS INTRUSÃO (Filme nº 2, exposição – 8 a 10s., Cone de RX – ponta (KRAMER; FELDENS, 2005)
  • 18. REAÇÕES DO DENTE DECÍDUO AO TRAUMATISMO Hemorragia Pulpar 6 meses após (Kramer, Feldens, 2005) (Kramer, Feldens, 2005)
  • 19. REAÇÕES DO DENTE DECÍDUO AO TRAUMATISMO Reabsorção Dentinária Interna (Kramer, Feldens, 2005) (Kramer, Feldens, 2005)
  • 20. REAÇÕES DO DENTE DECÍDUO AO TRAUMATISMO Alteração de cor da coroa Obliteração pulpar Reabsorção Externa (Kramer, Feldens, 2005)
  • 21. REAÇÕES DO DENTE DECÍDUO AO TRAUMATISMO Fìstula Necrose Pulpar Edema/supuração (Kramer; Feldens, 2005)
  • 22. REPERCUSSÕES DO TRAUMATISMO EM DENTES DECÍDUOS NOS DENTES PERMANENTES Hipoplasia de esmalte (KRAMER; FELDENS, 2005)
  • 24. REPERCUSSÕES DO TRAUMATISMO EM DENTES DECÍDUOS NOS DENTES PERMANENTES
  • 26. TRINCAS DE ESMALTE ACOMPANHAMENTO CLÍNICO E RADIORÁFICO (Acompanhamento 1 semana, 3/3 meses , 6 /6 meses, 1 ano, exfoliação)
  • 27. TRATAMENTO DE LESÕES DE TECIDO DURO FRATURA DE ESMALTE (CORRÊA, 1999) POLIMENTO DAS BORDAS + APLICAÇÃO TÓPICA DE FLÚOR (ATF)
  • 28. FRATURA DE ESMALTE Comprometimento pulpar? ACOMPANHAMENTO CLÍNICO/RX
  • 29. FRATURA DE ESMALTE E DENTINA Restauração com resina composta/ ionômero de vidro Proteção do complexo dentina polpa Colagem do fragmento
  • 30. FRATURA CORONÁRIA ESMALTE/ DENTINA/ POLPA  Manutenção da vitalidade pulpar  Extensão da exposição  Tempo decorrido  Severidade das lesões associadas ao periodonto  Idade do paciente
  • 31. FRATURA CORONÁRIA COMPLICADA (ESMALTE/ DENTINA/ POLPA) RIZOGÊNESE INCOMPLETA:  Capeamento pulpar direto – Tempo de exposição: - 24hs, exposição pequena, hemostasia, contaminação, sinais de vitalidade, idade do paciente. (Hidróxido de cálcio PA + Cimento de Hidróxido de cálcio + restauração). Pulpotomia – Tempo de exposição: + de 24hs, pólipo pulpar, hemostasia, grandes exposições, sinais de vitalidade, idade do paciente). (Hidróxido de cálcio, Pasta de Guedes Pinto, MTA, Cimento de Portland, Formocresol,etc.). CONTROLE E MANUTENÇÃO
  • 32. FRATURA ESMALTE/ DENTINA E POLPA RIZOGÊNESE INCOMPLETA: Sinais clínicos e radiográficos de alteração pulpar irreversível (lesão periapical, edema, fístula): TRATAMENTO PULPAR RADICAL + TRATAMENTO RESTAURADOR. MATERIAIS OBTURADORES: Pasta L&C - Hidróxido de cálcio Pasta Guedes-Pinto – Rifocort + iodoformio + PMCC
  • 33. RIZOGÊNESE COMPLETA: Pulpectomia + Restauração com resina composta/ Ionômero de vidro. Exodontia: exfoliação Controle e manutenção Pulpectomia com Hidróxido de calcio:  Isolamento absoluto;  Abertura coronária – Broca esférica – acesso aos canáis - endo Z – visualização dos canais;  Instrumentação + irrigação ( Limas Keer- 1 +4/ Hipoclorito de sódio 0,5%)  Secagem(cones de papel);  Obturação Hidróxido de cálcio (PA/ L&C) + Dycal/ Guta-Persha + Ionômero de Vidro
  • 34. FRATURA CORONO-RADICULAR  Sem envolvimento pulpar: proteção dentino- pulpar + restauração/ colagem do fragmento ( Até 2mm além do limite gengival).  Com envolvimento pulpar: Tratamento endodôntico/ restauração (matrizes plásticas)/ colagem do fragmento (até 2mm além do limite gengival)
  • 35. FRATURA CORONO-RADICULAR COMPLICADA  Impossibilidade de selamento dente/rest.: exodontia (4 a 5mm abaixo da margem gengival)
  • 36. FRATURA RADICULARES Exame clínico:  Dente levemente extruído/ deslocamento para palatino/ lingual;  Dor ao tocar no dente;  Sangramento no sulco gengival. Radiografias  Várias tomadas radiográficas em diferentes angulações  Repetir as radiografias 30 dias após o trauma ( 1, 3, 6, 12, 24 meses – exfoliação)
  • 37. FRATURAS RADICULARES DIREÇÃO DAS FRATURAS Longitudinal/Vertical (EXODONTIA) Transversa/Horizontal (+ freqüente) – Terço cervical (EXODONTIA) Terço apical e médio/Deslocamento/Tempo de atendimento odontológico.
  • 38. FRATURA RADICULAR FRATURA RADICULAR TRANSVERSAL OBLÍQUA
  • 39. F R AT U R A RADICULAR LONGITUDINAL
  • 40. FRATURA RADICULARES TRANSVERSAIS  Terço cervical: exodontia.  Terço médio c/ pequena mobilidade: Reposicionamento (ZARZAR, 2006)
  • 41. SUCESSO CLÍNICO E RADIOGRÁFICO 19/10/06 06/11/07 06/11/07
  • 42. TRAUMATISMOS AOS TECIDOS DE SUSTÊNTAÇÃO CONCUSSÃO:  Alívio da oclusão /retirar a chupeta/ mamadeira/ hábitos de sucção  Limpeza com clorexidina 0,12%  Dieta leve/ temperatura tépida/ ingestão de líquidos por 2 semanas  Controle clínico / radiográfico (4 semanas/ 3 a 4 meses/ 12 e 24 meses/ esfoliação)
  • 43. SUBLUXAÇÃO: Nenhum tratamento/ Alívio da oclusão/ remoção da chupeta (pequena mobilidade)/ Limpeza com clorexidina 0,12%  Trat. Imediato: contenção/ 10 a 15 dias  Dieta leve/ temperatura tépida/ ingestão de líquidos por 2 semanas/ Controle clínico / radiográfico (15 dias/ 1 mês/ 3 meses/ anual/ esfoliação do dente).  Grande mobilidade: exodontia
  • 44. LUXAÇÃO INTRUSIVA:  Nenhum tratamento (raiz por vestibular); controle: 1 semana, 1 mês, 2 em 2 meses, 6 meses; 15/15 dias, 3/3meses, 6 meses. Exodontia + mantenedor de espaço + antibióticos ?: raiz por palatino/ atingir o folículo/ radiolucidez/ fratura óssea/ abscesso/ exudato no sulco gengival/ febre.  Orientação sobre limpeza da área.
  • 45. LUXAÇÃO LATERAL:  Observação: reposicionamento espontâneo/língua, Reposicionamento e imobilização por 15 a 21 dias: mínima mobilidade: atendimento imediato e sem risco para o permanente.  Nenhum tratamento: mínima mobilidade + atendimento tardio (+ de 3hs). Remoção de hábitos.  Exodontia: Grande mobilidade, risco para o permanente. Controle clínico / radiográfico Imobilização semi-rígida (Fio de nylon 0,8/ fio de aço 0,5 + Resina)
  • 47. LUXAÇÃO EXTRUSIVA: CONTROLE: Se não interferir com a oclusão.  REPOSICIONAMENTO E IMOBILIZAÇÃO SEMI-RIGIDA: Atendimento imediato, deslocamento mínimo. EXODONTIA: atendimento tardio e interferência na oclusão. Controle clínico / radiográfico ( 7 a 10 dias remoção da contenção/ 1 mês/ semestralmente/ esfoliação do dente).
  • 48. AVULSÃO  Não reimplantar (anquilose, necrose, danos ao sucessor, adequação comportamental)  Manutenção do espaço  Controle clínico e radiográfico
  • 49. INSTRUÇÕES AOS PAIS/ RESPONSÁVEIS  Oferecer dieta macia por 15 dias;  Escovar/ limpar os dentes após cada refeição com escova macia ou gaze; Uso de clorexidina tópica 2 vezes ao dia por uma semana; Informar possíveis complicações do tratamento: - Presença de fístula - Mudança de cor do dente - Presença de abscesso
  • 50. 01/08/11 • Michele, rene, katiane, leonildo, fausto, juliano, jessika, joyce, palsia, carine, cristina, ediclei, ester, darlan, eluane • Adriano (saiu ... meio da aula) 50
  • 51. Traumatismo em Dentes Permanentes de crianças e adolescentes
  • 52. Considerações Gerais • Profissional deve estar preparado para o atendimento imediato (emergência) e mediato (acompanhamento longitudinal) realizando o diagnóstico clínico-radiográfico para o estabelecimento de um plano de tratamento adequado.
  • 53. Considerações Gerais • O traumatismo dos dentes compromente , direta ou indiretamente, de forma leve ou severa, a polpa dental e o ligamento periodontal.
  • 54. Considerações Gerais • Os incisivos centrais superiores são os dentes mais afetados pelo trauma principal, e os incisivos laterais pelo trauma secundário.
  • 55. Considerações Gerais • Afetados principalmente entre os 06 e 10 anos. • Fases diferentes do estagio de desenvolvimento e mineralização radicular
  • 56. Estágio de desenvolvimento } • da dentição permanente Nivel: • 0 = ausência de crípta • 1 = Presença de crípta • 2 = Calcificação inicial • 3 = 1/3 da coroa completa • 4 = 2/3 da coroa completa Rizogênse incompleta • 5 = Coroa quase completa • 6 = Coroa completa • 7 = 1/3 de raiz completa • 8 = 2/3 de raiz completa • 9 = Raiz quase completa, ápice aberto • 10 = Ápice radicular Completo Estágios de NOLLA
  • 57. Classificação das lesões dentárias • Fraturas de Esmalte: (completa, incompleta e trincas) • Fratura de esmalte e dentina sem exposição pulpar • Fratura de esmalte e dentina com exposição pulpar • Fratura radicular: somente raiz envolvendo cemento, dentina e polpa. • Fratura corono-radicular: envolvendo esmalte,dentina, cemento com ou sem incluir a polpa.
  • 59. Lesões por Luxação • Concussão: Tr a u m a à s estruturas do de sustentação d o d e n t e , a p re s e n t a n d o sensibilidade à percussão, porém não há deslocamento ou mobilidade dental
  • 60. Concussão O mecanismo de formação da concussão deve-se principalmente a um impacto frontal levando a uma hemorragia e edema no ligamento periodontal. Apesar de clinicamente não se observar alterações, o paciente relata grande sensibilidade à percussão ou à mastigação. Como as fibras do ligamento periodontal estão intactas, o dente está firme em seu alvéolo, não havendo sangramento a partir do sulco gengival.
  • 61. Inicialmente promove-se o alívio das interferências Tratamento oclusais, recomendando-se uma dieta macia por pelo da menos durante duas semanas. A contenção não é obrigatória, Concussão mas pode dar um maior conforto ao paciente, não devendo se estender por mais de duas semanas. O controle pós-operatório deve ser realizado por dois meses. O prognóstico, nestes casos, é b o m p o d e n d o o c o r r e r, entretanto, necrose pulpar nos dentes com forame apical estreito. A reabsorção radicular é bastante rara.
  • 62. Subluxação • Trauma às estruturas de sustentação do dente, apresentando aumento de mobilidade, porém não há deslocamento dental detectável clínica ou radiograficamente. O s a n g r a m e n t o espontâneo pelo sulco gengival é o sinal clinico patognomônico.
  • 63. Quando o impacto tem uma força maior, as fibras do ligamento periodontal podem ser rompidas, resultando num aumento de mobilidade do dente traumatizado e, num pequeno sangramento a partir do sulco gengival. O dente, entretanto não é deslocado, porém a presença de edema na região Subluxação apical poderá causar uma discreta extrusão dentária. O paciente refere sensibilidade à mastigação e à percussão. Radiograficamente não se observa sinal de nenhuma alteração.
  • 64. Tratamento da Subluxação Alívio oclusal, dieta pastosa e contenção opcional por 2 semanas + acompanhamento. Prognóstico: Bom.
  • 65. Luxação lateral Apresenta como sinal • Deslocamento do patognomônico elemento do seu eixo um som alto e central, podendo vir metálico à acompamnhado de percussão. fratura do alveolo. Clinicamente o dente afetado Radiograficamente pode encontra-se haver aumento do espaço desalinhado em periodontal. comparação aos d e n t e s adjacentes.
  • 66. É o deslocamento do dente, da sua posição normal, do interior do Luxação lateral alvéolo (para mesial, distal, vestibular ou lingual). Além da lateral, a luxação pode ser, ainda, para fora, chamada de extrusiva ou para o interior do alvéolo, denominada de intrusiva.
  • 67. Luxação Extrusiva Deslocamento parcial do elemento dental para fora do alveolo. Pode haver a ruptura completa ou estiramento do feixe vásculo nervoso juntamento com ruptura das fibras periodontais e aumento do espaço periodontal
  • 68. Luxação Extrusiva Clinicamente o dente está deslocado axialmente para fora de seu alvéolo e, com a mobilidade extremamente aumentada. Apenas as fibras gengivais palatais impedem que o dente seja avulsionado. O dente apresenta sensibilidade ao toque e à mastigação.
  • 69. Luxação Extrusiva A extrusão pode estar associada ao deslocamento vestibular, lingual e lateral com conseqüente injúria ao osso alveolar. O paciente refere medo de fechar a boca. Radiograficamente a exposição periapical pela técnica da bissetriz é tão útil quanto uma exposição oclusal, observando-se o espaço entre a raiz e a parede óssea alveolar.
  • 70. O tratamento consiste no reposicionamento do dente, Luxação que muitas vezes é conseguido com pouco ou Extrusiva nenhum desconforto dispensando, inclusive, a infiltração anestésica. Reposicionado o dente, deve-se proceder à contenção com resina composta por três semanas ( M A R Z O L A ; BRAMANTE et al., 2005).
  • 71. O prognóstico depende do correto reposicionamento Luxação dental e, também, do estágio de desenvolvimento Extrusiva radicular. ANDREASEN; ANDREASEN (2001) verificaram que a necrose pulpar ocorreu 64% dos dentes extruídos. A reabsorção radicular é rara após a extrusão, sendo mais comum na luxação lateral.
  • 72. Deslocamento do elemento dental para o interior do osso alveolar. O Luxação Intrusiva f e i xe v á s c u l o - nervoso é esmagado contra o osso. Radiograficament e há a diminuiçao ou ausencia do e s p a ç o periodontal
  • 73. Luxação Intrusiva Neste tipo de lesão o dente é direcionado para o interior do processo alveolar devido a um impacto dirigido axialmente. Causa problemas severos para o dente afetado, ocorrendo dano máximo à polpa e às estruturas de sustentação. Envolvem normalmente os dentes anteriores superiores, sendo mais comum na dentição decídua.
  • 74. Luxação Intrusiva O dano resultante depende da idade do paciente. Quando ocorre na dentição decídua, devem-se fazer avaliações quanto ao desenvolvimento do dente permanente subjacente. Se este não tiver sido afetado pela injúria, é possível deixar o dente decíduo reirromper. O diagnóstico da intrusão deve tomar como referência os dentes vizinhos.
  • 75. Quando a intrusão é severa, o dente pode ficar Luxação Intrusiva totalmente sepultado no osso alveolar não sendo visível clinicamente. O dente afetado encontra-se firmemente unido ao osso e, normalmente não responde aos testes clínicos de sensibilidade pulpar.
  • 76. Luxação Intrusiva Dentes com formação radicular completa devem ser submetidos à intervenção endodôntica 15 dias após o trauma. A radiografia deverá ser bem posicionada e com angulação padronizada para serem evitadas distorções. Desta forma, avalia-se melhor o fechamento apical e facilita-se a tomada da decisão quanto a intervenção endodôntica.
  • 77. Luxação Intrusiva O tratamento depende do estágio de desenvolvimento radicular e, no caso de rizogênese incompleta, pode-se esperar o reirrompimento. Contudo, se não for iniciado em 10 dias, deve-se anestesiar o dente e luxá-lo levemente com um fórceps.
  • 78. Luxação Intrusiva O reirrompimento espontâneo pode demorar alguns meses (2 a 4), devendo ser monitorado radiograficamente. Quando se desenvolve uma radiolucidez periapical ou uma reabsorção radicular inflamatória, é essencial a intervenção endodôntica com o preenchimento do canal com pasta de hidróxido de cálcio, de acordo com a metodologia preconizada (MARZOLA; BRAMANTE et al., 2005). A necrose pulpar é bastante freqüente neste tipo de lesão independente do estágio de desenvolvimento radicular.
  • 79. Luxação Intrusiva Devido à freqüente perda de osso marginal e anquilose após o procedimento, o reposicionamento cirúrgico total não deve ser realizado no momento do traumatismo. No caso de desenvolvimento radicular completo, recomenda-se a extrusão ortodôntica, pois o reirrompimento espontâneo é imprevisível. A extrusão deverá ser realizada por 3 semanas para permitir que a terapia endodôntica seja feita antes do aparecimento radiográfico de reabsorção radicular inflamatória (MARZOLA; BRAMANTE et al., 2005).
  • 80. Luxação Intrusiva A extrusão deverá ser realizada por 3 semanas para permitir que a terapia endodôntica seja feita antes do aparecimento radiográfico de reabsorção radicular inflamatória (MARZOLA; BRAMANTE et al., 2005).
  • 81. Luxação Intrusiva Como a necrose pulpar ocorre em quase 100% dos casos de intrusão, a terapia endodôntica ′′profilática′′ está indicada. A proservação clínica e radiográfica é importante por um período de 3 a 5 anos. O prognóstico é reservado. Apenas os dentes com rizogênese incompleta demonstraram capacidade de sobrevivência pulpar após a intrusão (MARZOLA, 2005).
  • 82. Luxação Intrusiva Com relação ao periodonto, há um alto risco de reabsorção radicular (58% para dentes com rizogênese incompleta e, 70% para os dentes com rizogênese completa). Alguns dentes apresentam anquilose após 5 ou 10 anos, daí a necessidade de períodos de acompanhamento prolongados (MARZOLA, 2005).
  • 83. Avulsão É o deslocamento, com saída total, do dente do interior de seu alvéolo, correspondendo de 0,5 a 16% das injúrias traumáticas. A avulsão de dentes permanentes é mais comum na dentição jovem, quando o desenvolvimento radicular ainda está incompleto e o periodonto, muito ainda em formação.
  • 84. Avulsão A idade mais freqüentemente afetada é dos sete aos 11 anos e, os dentes recém-irrompidos, por terem ligamento periodontal mais frouxo, são aqueles mais acometidos pela avulsão.
  • 85. Avulsão Tratamento: Após a avulsão há basicamente três tipos de alternativas de tratamento: reimplante imediato, reimplante mediato e não fazer o reimplante.
  • 86. Avulsão Reimplante imediato: Nos casos em que o período de tempo extra- alveolar for menor que 60 minutos. E o meio de armazenamento seja fisiológico (soro fisiológico, saliva, leite, etc.) Reimplante mediato: Em pacientes com desenvolvimento radicular completo e um período extra-alveolar em meio seco maior que 60 minutos.
  • 87. Avulsão Não fazer o reimplante: Pacientes com o ápice aberto e um período extra-alveolar em meio seco por mais de 60 minutos, assim como em pacientes com condição periodontal grave e lesões cariosas grandes e, não tratadas nos dentes envolvidos.
  • 88. Avulsão Se o dente for mantido num meio fisiológico logo após o traumatismo, o tempo para o reimplante pode ser prolongado. No caso da saliva, o tempo extra- alveolar deve ser limitado a 2 ou 3 horas devido a natureza levemente hipotônica do meio.

Notas do Editor

  1. \n
  2. \n
  3. \n
  4. \n
  5. \n
  6. \n
  7. \n
  8. \n
  9. \n
  10. \n
  11. \n
  12. \n
  13. \n
  14. \n
  15. \n
  16. \n
  17. \n
  18. \n
  19. \n
  20. \n
  21. \n
  22. \n
  23. \n
  24. \n
  25. \n
  26. \n
  27. \n
  28. \n
  29. \n
  30. \n
  31. \n
  32. \n
  33. \n
  34. \n
  35. \n
  36. \n
  37. \n
  38. \n
  39. \n
  40. \n
  41. \n
  42. \n
  43. \n
  44. \n
  45. \n
  46. \n
  47. \n
  48. \n
  49. \n
  50. \n
  51. \n
  52. \n
  53. \n
  54. \n
  55. \n
  56. \n
  57. \n
  58. \n
  59. \n
  60. \n
  61. \n
  62. \n
  63. \n
  64. \n
  65. \n
  66. \n
  67. \n
  68. \n
  69. \n
  70. \n
  71. \n
  72. \n
  73. \n
  74. \n
  75. \n
  76. \n
  77. \n
  78. \n
  79. \n
  80. \n
  81. \n
  82. \n
  83. \n
  84. \n
  85. \n
  86. \n
  87. \n
  88. \n
  89. \n