SlideShare uma empresa Scribd logo
Pré-Romantismo no Brasil
Destes penhascos fez a natureza
O berço em que nasci: oh! quem cuidara
Que entre penhas tão duras se criara
Uma alma terna, um peito sem dureza!
Amor, que vence os tigres, por empresa
Tomou logo render-me; ele declara
Contra meu coração guerra tão rara
Que não me foi bastante a fortaleza.
Por mais que eu mesmo conhecesse o dano
A que dava ocasião minha brandura,
Nunca pude fugir ao cego engano;
Vós que ostentais a condição mais dura,
Temei, penhas, temei: que Amor tirano
Onde há mais resistência mais se apura.
(Cláudio Manuel da Costa – Obras Poéticas)
Des / tes pe /nhas/cos /fez/ a /na/tu/re/za
O berço em que nasci: oh! quem cuidara
Que en/tre / pe/nhas / tão / du/ras /se/ cri/a/ra
Uma alma terna, um peito sem dureza!
Amor, que vence os tigres, por empresa
Tomou logo render-me; ele declara
Contra meu coração guerra tão rara
Que não me foi bastante a fortaleza.
Por mais que eu mesmo conhecesse o dano
A que dava ocasião minha brandura,
Nunca pude fugir ao cego engano;
Vós que ostentais a condição mais dura,
Temei, penhas, temei: que Amor tirano
Onde há mais resistência mais se apura.
(Cláudio Manuel da Costa – Obras Poéticas)
Características do texto
 Soneto (forma clássica);
 Poema regular;
 Espécie de diálogo entre o homem e a natureza;
 Aproximação entre Barroco e Arcadismo:
a) raciocínio antitético “brandura” x “dureza”;
b) alia tradição barroca às novidades árcades;
c) clima “inquietante” em alguns poemas de Cláudio
Manuel da Costa, o Glauceste Satúrnio.
Destes penhascos fez a natureza
O berço em que nasci: oh! quem cuidara
Que entre penhas tão duras se criara
Uma alma terna, um peito sem dureza!
Amor, que vence os tigres, por empresa
Tomou logo render-me; ele declara
Contra meu coração guerra tão rara
Que não me foi bastante a fortaleza.
Por mais que eu mesmo conhecesse o dano
A que dava ocasião minha brandura,
Nunca pude fugir ao cego engano;
Vós que ostentais a condição mais dura,
Temei, penhas, temei: que Amor tirano
Onde há mais resistência mais se apura.
(Cláudio Manuel da Costa – Obras Poéticas)
Lira XIV
Minha bela Marília, tudo passa;
A sorte deste mundo é mal segura;
Se vem depois dos males a ventura,
Vem depois dos prazeres a desgraça.
Estão os mesmos deuses
sujeitos ao poder do ímpio Fado:
Apolo já fugiu do céu brilhante,
Já foi Pastor de gado.
A devorante mão da negra morte
Acaba de roubar o bem, que temos;
até na triste campa não podemos
zombar do braço da inconstante sorte:
qual fica no sepulcro,
que seus avós ergueram, descansados
qual no campo, e lhe arranca os frios ossos
ferro do torto arado.
Ah! enquanto os Destinos impiedosos
não voltam contra nós a face irada,
Façamos, sim façamos, doce amada,
os nossos breves dias mais ditosos.
Um coração que frouxo
a grata posse de seu bem difere,
A si, Marília, a si próprio rouba,
E a si próprio fere.
Ornemos nossas testas com as flores,
e façamos de feno um brando leito;
Prendamo-nos, Marília, em laço estreito,
Gozemos do prazer de sãos amores.
Sobre as nossas cabeças,
sem que o possam deter, o tempo corre;
e para nós o tempo, que se passa,
também, Marília, morre.
Com os anos, Marília, o gosto falta,
e se entorpece o corpo já cansado;
triste o velho cordeiro está deitado,
e o leve filho, sempre alegre salta.
A mesma formosura
é dote, que só goza a mocidade:
Rugam-se as faces, o cabelo alveja,
mal chega a longa idade.
Que havemos de esperar, Marília bela?
que vão passando os florescentes dias?
As glórias, que vêm tarde, já vêm frias,
e pode enfim mudar-se a nossa estrela.
Ah! Não, minha Marília,
Aproveite-se o tempo, antes que faça
o estrago de roubar ao corpo as forças
E ao semblante a graça!
(Tomás Antônio Gonzaga – Marília de Dirceu)
Lira XIV
Mi / nha / be / la / Ma / rí / lia, / tu /do / pa / ssa;
A sorte deste mundo é mal segura;
Se vem depois dos males a ventura,
Vem depois dos prazeres a desgraça.
Es / tão / os / mês / mos / deu / ses
sujeitos ao poder do ímpio Fado:
Apolo já fugiu do céu brilhante,
Já foi Pastor de gado.
A devorante mão da negra morte
Acaba de roubar o bem, que temos;
até na triste campa não podemos
zombar do braço da inconstante sorte:
qual fica no sepulcro,
que seus avós ergueram, descansados
qual no campo, e lhe arranca os frios ossos
ferro do torto arado.
Ah! enquanto os destinos impiedosos
não voltam contra nós a face irada,
façamos, sim façamos, doce amada,
os nossos breves dias mais ditosos.
Um coração que frouxo
a grata posse de seu bem difere,
A si, Marília, a si próprio rouba,
E a si próprio fere.
Ornemos nossas testas com as flores,
e façamos de feno um brando leito;
Prendamo-nos, Marília, em laço estreito,
Gozemos do prazer de sãos amores.
Sobre as nossas cabeças,
sem que o possam deter, o tempo corre;
e para nós o tempo, que se passa,
também, Marília, morre.
Com os anos, Marília, o gosto falta,
e se entorpece o corpo já cansado;
triste o velho cordeiro está deitado,
e o leve filho, sempre alegre salta.
A mesma formosura
é dote, que só goza a mocidade:
Rugam-se as faces, o cabelo alveja,
mal chega a longa idade.
Que havemos de esperar, Marília bela?
que vão passando os florescentes dias?
As glórias, que vêm tarde, já vêm frias,
e pode enfim mudar-se a nossa estrela.
Ah! Não, minha Marília,
Aproveite-se o tempo, antes que faça
o estrago de roubar ao corpo as forças
E ao semblante a graça!
(Tomás Antônio Gonzaga – Marília de Dirceu)
Características do texto
 Oitava (apesar de haver mescla de liras*, sonetos e odes);
 Variabilidade métrica e rítmica;
 Lembra o carpe diem (“colher o dia”, “gozar o momento”);
 Aproximação entre Arcadismo e Romantismo:
a) emoção vivida prevalece sobre a Ilustração:
Exemplo: descrição trágica da morte, ferindo as
convenções do Arcadismo;
b) poesia lírica de Dirceu anuncia o Romantismo pela sua
menor regularidade formal e pelos seus momentos de
intensidade emotiva.
Diferenças entre o Barroco e o Arcadismo
BARROCO ARCADISMO
CONFLITO VISÃO ANTROPOCÊNTRICA E
TEOCÊNTRICA
ANTROPOCENTRISMO
OPOSIÇÃO ENTRE O MUNDO MATERIAL E
O MUNDO ESPIRITUAL, FÉ E RAZÃO
RACIONALISMO, BUSCA DO EQUILÍBRIO
RESTAURAÇÃO DA FÉ RELIGIOSA
MEDIEVAL
IMITAÇÃO DOS CLÁSSICOS
RENASCENTISTAS
IDEALIZAÇÃO AMOROSA, SENSUALISMO,
SENTIMENTO DE CULPA CRISTÃO
IDEALIZAÇÃO AMOROSA,
NEOPLATONISMO, CONVENCIONALISMO
AMOROSO
CONSCIÊNCIA TRÁGICA DA EFEMERIDADE
DO TEMPO, CARPE DIEM
FUGERE URBEM, CARPE DIEM, AUREA
MEDIOCRITAS
GOSTO PELOS RACIOCÍNIOS COMPLEXOS, BUSCA DE CLAREZA DAS IDEIAS
MORBIDEZ PASTORISMO, BUCOLSMO
UNIVERSALISMO
INFLUÊNCAS DA CONTRARREFORMA ILUMINISMO
Diferenças entre o Arcadismo e o Romantismo
ARCADISMO ROMANTISMO
PREDOMÍNIO DA RAZÃO PREDOMÍNIO DA FANTASIA, IMAGINAÇÃO
OBJETIVIDADE SUBJETIVIDADE
TEMAS PAGÃOS GRECO-LATINOS TEMAS CRISTÃOS E NACIONAIS /
HISTÓRICOS
RIGOR NA CRIAÇÃO (MÍMESE –
IMITAÇÃO)
LIBERDADE CRIADORA
ERUDIÇÃO VALORIZAÇÃO DA ARTE POPULAR
A NATUREZA COMO CENÁRIO IDENTIFICAÇÃO ENTRE POETA E
NATUREZA
AUREA MEDIOCRITAS (DESPREZO PELOS
EXCESSOS)
VALORIZAÇÃO DA PAIXÃO
(SENTIMENTALISMO, EMOÇÃO)
PREDOMÍNIO DO CARÁTER
CONVENCIONAL DA ARTE
PREDOMÍNIO DA ORIGNALIDADE
O ARTISTA É UM ARTESÃO O ARTISTA É UM CRIADOR
ELITISMO DA ARTE DEMOCRATIZAÇÃO DA ARTE
Referências
ABREU-TARDELLI, L.; ODA, L. S.; CAMPOS, M.T.A; TOLEDO,
S. Português vozes do mundo: literatura, língua e
produção de texto. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
AMARAL, E.; ANTÔNIO, S.; PATROCÍNIO, M. F. Português:
redação, gramática, literatura e interpretação de texto.
São Paulo: Nova Cultural, 1999.
CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T.C. Português, linguagens,
1. 9 ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise de Imagem
Análise de ImagemAnálise de Imagem
Análise de Imagem
marianarits
 
Cultura japonesa
Cultura japonesaCultura japonesa
Cultura japonesa
Poly Silva
 
Ensaio pobreza
Ensaio pobrezaEnsaio pobreza
Ensaio pobreza
Inês Mota
 
Ensaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a CegueiraEnsaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a Cegueira
Ana Tapadas
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
Helena Coutinho
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
ProfMario De Mori
 
Poema D. Pedro, Regente de Portugal
Poema D. Pedro, Regente de PortugalPoema D. Pedro, Regente de Portugal
Poema D. Pedro, Regente de Portugal
PEDROG24
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
jlsr1970
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
Teresa Cabrita
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Lurdes
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
Cátia Ramalhinho
 
Esquema síntese crónica de costumes os maias
Esquema síntese crónica de costumes   os maiasEsquema síntese crónica de costumes   os maias
Esquema síntese crónica de costumes os maias
Patricia Pereira
 
Memorial do convento, cap. 13 14
Memorial do convento,  cap. 13 14Memorial do convento,  cap. 13 14
Memorial do convento, cap. 13 14
Ana Teresa
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Ivana Mayrink
 
Africanidade
AfricanidadeAfricanidade
Africanidade
Emylia Rodrigues
 
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
Os Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV CantoOs Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV Canto
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Eugenio De Andrade
Eugenio De AndradeEugenio De Andrade
Eugenio De Andrade
kally
 
Educação para as relações étnico-raciais e ensino de cultura Afro brasileira.
Educação para as relações étnico-raciais e ensino de cultura Afro brasileira.Educação para as relações étnico-raciais e ensino de cultura Afro brasileira.
Educação para as relações étnico-raciais e ensino de cultura Afro brasileira.
Glauco Ricciele
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
Gabriel Resende
 

Mais procurados (20)

Análise de Imagem
Análise de ImagemAnálise de Imagem
Análise de Imagem
 
Cultura japonesa
Cultura japonesaCultura japonesa
Cultura japonesa
 
Ensaio pobreza
Ensaio pobrezaEnsaio pobreza
Ensaio pobreza
 
Ensaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a CegueiraEnsaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a Cegueira
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
Poema D. Pedro, Regente de Portugal
Poema D. Pedro, Regente de PortugalPoema D. Pedro, Regente de Portugal
Poema D. Pedro, Regente de Portugal
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Abi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursosAbi comicos registos_recursos
Abi comicos registos_recursos
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
Esquema síntese crónica de costumes os maias
Esquema síntese crónica de costumes   os maiasEsquema síntese crónica de costumes   os maias
Esquema síntese crónica de costumes os maias
 
Memorial do convento, cap. 13 14
Memorial do convento,  cap. 13 14Memorial do convento,  cap. 13 14
Memorial do convento, cap. 13 14
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Africanidade
AfricanidadeAfricanidade
Africanidade
 
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
Os Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV CantoOs Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV Canto
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
 
Eugenio De Andrade
Eugenio De AndradeEugenio De Andrade
Eugenio De Andrade
 
Educação para as relações étnico-raciais e ensino de cultura Afro brasileira.
Educação para as relações étnico-raciais e ensino de cultura Afro brasileira.Educação para as relações étnico-raciais e ensino de cultura Afro brasileira.
Educação para as relações étnico-raciais e ensino de cultura Afro brasileira.
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
 

Destaque

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Evandro Batista
 
Romantismo no Brasil
Romantismo  no BrasilRomantismo  no Brasil
Romantismo no Brasil
NathalyNara
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
PeroVaz
 
Romantismo resumo
Romantismo resumoRomantismo resumo
Romantismo resumo
Walace Cestari
 
Literatura romântica
Literatura românticaLiteratura romântica
Literatura romântica
Carla Teixeira
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arte Educadora
 
Arte romantica
Arte romanticaArte romantica
Arte romantica
Carla Teixeira
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Cláudia Heloísa
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
Carlos Pinheiro
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
martinsramon
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
mix1981
 

Destaque (13)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo no Brasil
Romantismo  no BrasilRomantismo  no Brasil
Romantismo no Brasil
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Romantismo resumo
Romantismo resumoRomantismo resumo
Romantismo resumo
 
Literatura romântica
Literatura românticaLiteratura romântica
Literatura romântica
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Arte romantica
Arte romanticaArte romantica
Arte romantica
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Slides Romantismo
Slides RomantismoSlides Romantismo
Slides Romantismo
 

Semelhante a Pré romantismo no brasil

Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
alunosbertoni
 
Romantismo - poesias
Romantismo - poesiasRomantismo - poesias
Romantismo - poesias
Andriane Cursino
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Bocage
BocageBocage
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsfUnic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Welington Fernandes
 
Trabalho de açao e mediaçao
Trabalho de açao e mediaçaoTrabalho de açao e mediaçao
Trabalho de açao e mediaçao
Abel Marcelino
 
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismoArcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
rafabebum
 
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do RomanceC:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
Eneida da Rosa
 
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do RomanceC:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
Eneida da Rosa
 
Desejos obscuros livro v
Desejos obscuros livro vDesejos obscuros livro v
Desejos obscuros livro v
Raquel Alves
 
Arcadismo a moreninha
Arcadismo a moreninhaArcadismo a moreninha
Arcadismo a moreninha
Danilson Silva
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Alexandre herculano a tempestade
Alexandre herculano   a tempestadeAlexandre herculano   a tempestade
Alexandre herculano a tempestade
Tulipa Zoá
 
E-book de Alexandre Herculano, A tempestade
E-book de Alexandre Herculano, A tempestadeE-book de Alexandre Herculano, A tempestade
E-book de Alexandre Herculano, A tempestade
Carla Crespo
 
Camilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemasCamilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemas
agnes2012
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Isabella Silva
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Isabella Silva
 
Ultimos sonetos
Ultimos sonetosUltimos sonetos
Ultimos sonetos
LRede
 
Bocage improvisos de bocage
Bocage   improvisos de bocageBocage   improvisos de bocage
Bocage improvisos de bocage
Ariovaldo Cunha
 
Carlos drummond de andrade -POEMAS
Carlos drummond de andrade -POEMASCarlos drummond de andrade -POEMAS
Carlos drummond de andrade -POEMAS
Ana Valeria Silva
 

Semelhante a Pré romantismo no brasil (20)

Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Romantismo - poesias
Romantismo - poesiasRomantismo - poesias
Romantismo - poesias
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Bocage
BocageBocage
Bocage
 
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsfUnic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
 
Trabalho de açao e mediaçao
Trabalho de açao e mediaçaoTrabalho de açao e mediaçao
Trabalho de açao e mediaçao
 
Arcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismoArcadismo ou neoclassicismo
Arcadismo ou neoclassicismo
 
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do RomanceC:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
 
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do RomanceC:\Fakepath\AscensãO Do Romance
C:\Fakepath\AscensãO Do Romance
 
Desejos obscuros livro v
Desejos obscuros livro vDesejos obscuros livro v
Desejos obscuros livro v
 
Arcadismo a moreninha
Arcadismo a moreninhaArcadismo a moreninha
Arcadismo a moreninha
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Alexandre herculano a tempestade
Alexandre herculano   a tempestadeAlexandre herculano   a tempestade
Alexandre herculano a tempestade
 
E-book de Alexandre Herculano, A tempestade
E-book de Alexandre Herculano, A tempestadeE-book de Alexandre Herculano, A tempestade
E-book de Alexandre Herculano, A tempestade
 
Camilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemasCamilo pessanha poemas
Camilo pessanha poemas
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Ultimos sonetos
Ultimos sonetosUltimos sonetos
Ultimos sonetos
 
Bocage improvisos de bocage
Bocage   improvisos de bocageBocage   improvisos de bocage
Bocage improvisos de bocage
 
Carlos drummond de andrade -POEMAS
Carlos drummond de andrade -POEMASCarlos drummond de andrade -POEMAS
Carlos drummond de andrade -POEMAS
 

Mais de Seduc/AM

Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
Seduc/AM
 
Como ler livros
Como ler livrosComo ler livros
Como ler livros
Seduc/AM
 
Como ler romances
Como ler romancesComo ler romances
Como ler romances
Seduc/AM
 
O ateneu
O ateneuO ateneu
O ateneu
Seduc/AM
 
O alienista
O alienistaO alienista
O alienista
Seduc/AM
 
Linguagem do realismo
Linguagem do realismoLinguagem do realismo
Linguagem do realismo
Seduc/AM
 
O cortiço
O cortiço O cortiço
O cortiço
Seduc/AM
 
Machado de assis
Machado de assisMachado de assis
Machado de assis
Seduc/AM
 
Quincas borba
Quincas borbaQuincas borba
Quincas borba
Seduc/AM
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
Seduc/AM
 
Memórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasMemórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubas
Seduc/AM
 
Enredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa românticaEnredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa romântica
Seduc/AM
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
Seduc/AM
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
Seduc/AM
 
Memórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milícias
Seduc/AM
 
Prosa romântica brasileira1
Prosa romântica brasileira1Prosa romântica brasileira1
Prosa romântica brasileira1
Seduc/AM
 
Interpretação textual 2
Interpretação textual 2Interpretação textual 2
Interpretação textual 2
Seduc/AM
 
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusãoTipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
Seduc/AM
 
Esquemas de organização do texto dissertativo argumentativo
Esquemas de organização do texto dissertativo argumentativoEsquemas de organização do texto dissertativo argumentativo
Esquemas de organização do texto dissertativo argumentativo
Seduc/AM
 
Critério de avaliação redação enem
Critério de avaliação redação enemCritério de avaliação redação enem
Critério de avaliação redação enem
Seduc/AM
 

Mais de Seduc/AM (20)

Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
 
Como ler livros
Como ler livrosComo ler livros
Como ler livros
 
Como ler romances
Como ler romancesComo ler romances
Como ler romances
 
O ateneu
O ateneuO ateneu
O ateneu
 
O alienista
O alienistaO alienista
O alienista
 
Linguagem do realismo
Linguagem do realismoLinguagem do realismo
Linguagem do realismo
 
O cortiço
O cortiço O cortiço
O cortiço
 
Machado de assis
Machado de assisMachado de assis
Machado de assis
 
Quincas borba
Quincas borbaQuincas borba
Quincas borba
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
 
Memórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasMemórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubas
 
Enredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa românticaEnredos das principais obras da prosa romântica
Enredos das principais obras da prosa romântica
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Memórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milíciasMemórias de um sargento de milícias
Memórias de um sargento de milícias
 
Prosa romântica brasileira1
Prosa romântica brasileira1Prosa romântica brasileira1
Prosa romântica brasileira1
 
Interpretação textual 2
Interpretação textual 2Interpretação textual 2
Interpretação textual 2
 
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusãoTipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
 
Esquemas de organização do texto dissertativo argumentativo
Esquemas de organização do texto dissertativo argumentativoEsquemas de organização do texto dissertativo argumentativo
Esquemas de organização do texto dissertativo argumentativo
 
Critério de avaliação redação enem
Critério de avaliação redação enemCritério de avaliação redação enem
Critério de avaliação redação enem
 

Último

A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 

Último (20)

A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 

Pré romantismo no brasil

  • 2. Destes penhascos fez a natureza O berço em que nasci: oh! quem cuidara Que entre penhas tão duras se criara Uma alma terna, um peito sem dureza! Amor, que vence os tigres, por empresa Tomou logo render-me; ele declara Contra meu coração guerra tão rara Que não me foi bastante a fortaleza. Por mais que eu mesmo conhecesse o dano A que dava ocasião minha brandura, Nunca pude fugir ao cego engano; Vós que ostentais a condição mais dura, Temei, penhas, temei: que Amor tirano Onde há mais resistência mais se apura. (Cláudio Manuel da Costa – Obras Poéticas)
  • 3. Des / tes pe /nhas/cos /fez/ a /na/tu/re/za O berço em que nasci: oh! quem cuidara Que en/tre / pe/nhas / tão / du/ras /se/ cri/a/ra Uma alma terna, um peito sem dureza! Amor, que vence os tigres, por empresa Tomou logo render-me; ele declara Contra meu coração guerra tão rara Que não me foi bastante a fortaleza. Por mais que eu mesmo conhecesse o dano A que dava ocasião minha brandura, Nunca pude fugir ao cego engano; Vós que ostentais a condição mais dura, Temei, penhas, temei: que Amor tirano Onde há mais resistência mais se apura. (Cláudio Manuel da Costa – Obras Poéticas)
  • 4. Características do texto  Soneto (forma clássica);  Poema regular;  Espécie de diálogo entre o homem e a natureza;  Aproximação entre Barroco e Arcadismo: a) raciocínio antitético “brandura” x “dureza”; b) alia tradição barroca às novidades árcades; c) clima “inquietante” em alguns poemas de Cláudio Manuel da Costa, o Glauceste Satúrnio.
  • 5. Destes penhascos fez a natureza O berço em que nasci: oh! quem cuidara Que entre penhas tão duras se criara Uma alma terna, um peito sem dureza! Amor, que vence os tigres, por empresa Tomou logo render-me; ele declara Contra meu coração guerra tão rara Que não me foi bastante a fortaleza. Por mais que eu mesmo conhecesse o dano A que dava ocasião minha brandura, Nunca pude fugir ao cego engano; Vós que ostentais a condição mais dura, Temei, penhas, temei: que Amor tirano Onde há mais resistência mais se apura. (Cláudio Manuel da Costa – Obras Poéticas)
  • 6. Lira XIV Minha bela Marília, tudo passa; A sorte deste mundo é mal segura; Se vem depois dos males a ventura, Vem depois dos prazeres a desgraça. Estão os mesmos deuses sujeitos ao poder do ímpio Fado: Apolo já fugiu do céu brilhante, Já foi Pastor de gado.
  • 7. A devorante mão da negra morte Acaba de roubar o bem, que temos; até na triste campa não podemos zombar do braço da inconstante sorte: qual fica no sepulcro, que seus avós ergueram, descansados qual no campo, e lhe arranca os frios ossos ferro do torto arado.
  • 8. Ah! enquanto os Destinos impiedosos não voltam contra nós a face irada, Façamos, sim façamos, doce amada, os nossos breves dias mais ditosos. Um coração que frouxo a grata posse de seu bem difere, A si, Marília, a si próprio rouba, E a si próprio fere.
  • 9. Ornemos nossas testas com as flores, e façamos de feno um brando leito; Prendamo-nos, Marília, em laço estreito, Gozemos do prazer de sãos amores. Sobre as nossas cabeças, sem que o possam deter, o tempo corre; e para nós o tempo, que se passa, também, Marília, morre.
  • 10. Com os anos, Marília, o gosto falta, e se entorpece o corpo já cansado; triste o velho cordeiro está deitado, e o leve filho, sempre alegre salta. A mesma formosura é dote, que só goza a mocidade: Rugam-se as faces, o cabelo alveja, mal chega a longa idade.
  • 11. Que havemos de esperar, Marília bela? que vão passando os florescentes dias? As glórias, que vêm tarde, já vêm frias, e pode enfim mudar-se a nossa estrela. Ah! Não, minha Marília, Aproveite-se o tempo, antes que faça o estrago de roubar ao corpo as forças E ao semblante a graça! (Tomás Antônio Gonzaga – Marília de Dirceu)
  • 12. Lira XIV Mi / nha / be / la / Ma / rí / lia, / tu /do / pa / ssa; A sorte deste mundo é mal segura; Se vem depois dos males a ventura, Vem depois dos prazeres a desgraça. Es / tão / os / mês / mos / deu / ses sujeitos ao poder do ímpio Fado: Apolo já fugiu do céu brilhante, Já foi Pastor de gado.
  • 13. A devorante mão da negra morte Acaba de roubar o bem, que temos; até na triste campa não podemos zombar do braço da inconstante sorte: qual fica no sepulcro, que seus avós ergueram, descansados qual no campo, e lhe arranca os frios ossos ferro do torto arado.
  • 14. Ah! enquanto os destinos impiedosos não voltam contra nós a face irada, façamos, sim façamos, doce amada, os nossos breves dias mais ditosos. Um coração que frouxo a grata posse de seu bem difere, A si, Marília, a si próprio rouba, E a si próprio fere.
  • 15. Ornemos nossas testas com as flores, e façamos de feno um brando leito; Prendamo-nos, Marília, em laço estreito, Gozemos do prazer de sãos amores. Sobre as nossas cabeças, sem que o possam deter, o tempo corre; e para nós o tempo, que se passa, também, Marília, morre.
  • 16. Com os anos, Marília, o gosto falta, e se entorpece o corpo já cansado; triste o velho cordeiro está deitado, e o leve filho, sempre alegre salta. A mesma formosura é dote, que só goza a mocidade: Rugam-se as faces, o cabelo alveja, mal chega a longa idade.
  • 17. Que havemos de esperar, Marília bela? que vão passando os florescentes dias? As glórias, que vêm tarde, já vêm frias, e pode enfim mudar-se a nossa estrela. Ah! Não, minha Marília, Aproveite-se o tempo, antes que faça o estrago de roubar ao corpo as forças E ao semblante a graça! (Tomás Antônio Gonzaga – Marília de Dirceu)
  • 18. Características do texto  Oitava (apesar de haver mescla de liras*, sonetos e odes);  Variabilidade métrica e rítmica;  Lembra o carpe diem (“colher o dia”, “gozar o momento”);  Aproximação entre Arcadismo e Romantismo: a) emoção vivida prevalece sobre a Ilustração: Exemplo: descrição trágica da morte, ferindo as convenções do Arcadismo; b) poesia lírica de Dirceu anuncia o Romantismo pela sua menor regularidade formal e pelos seus momentos de intensidade emotiva.
  • 19. Diferenças entre o Barroco e o Arcadismo BARROCO ARCADISMO CONFLITO VISÃO ANTROPOCÊNTRICA E TEOCÊNTRICA ANTROPOCENTRISMO OPOSIÇÃO ENTRE O MUNDO MATERIAL E O MUNDO ESPIRITUAL, FÉ E RAZÃO RACIONALISMO, BUSCA DO EQUILÍBRIO RESTAURAÇÃO DA FÉ RELIGIOSA MEDIEVAL IMITAÇÃO DOS CLÁSSICOS RENASCENTISTAS IDEALIZAÇÃO AMOROSA, SENSUALISMO, SENTIMENTO DE CULPA CRISTÃO IDEALIZAÇÃO AMOROSA, NEOPLATONISMO, CONVENCIONALISMO AMOROSO CONSCIÊNCIA TRÁGICA DA EFEMERIDADE DO TEMPO, CARPE DIEM FUGERE URBEM, CARPE DIEM, AUREA MEDIOCRITAS GOSTO PELOS RACIOCÍNIOS COMPLEXOS, BUSCA DE CLAREZA DAS IDEIAS MORBIDEZ PASTORISMO, BUCOLSMO UNIVERSALISMO INFLUÊNCAS DA CONTRARREFORMA ILUMINISMO
  • 20. Diferenças entre o Arcadismo e o Romantismo ARCADISMO ROMANTISMO PREDOMÍNIO DA RAZÃO PREDOMÍNIO DA FANTASIA, IMAGINAÇÃO OBJETIVIDADE SUBJETIVIDADE TEMAS PAGÃOS GRECO-LATINOS TEMAS CRISTÃOS E NACIONAIS / HISTÓRICOS RIGOR NA CRIAÇÃO (MÍMESE – IMITAÇÃO) LIBERDADE CRIADORA ERUDIÇÃO VALORIZAÇÃO DA ARTE POPULAR A NATUREZA COMO CENÁRIO IDENTIFICAÇÃO ENTRE POETA E NATUREZA AUREA MEDIOCRITAS (DESPREZO PELOS EXCESSOS) VALORIZAÇÃO DA PAIXÃO (SENTIMENTALISMO, EMOÇÃO) PREDOMÍNIO DO CARÁTER CONVENCIONAL DA ARTE PREDOMÍNIO DA ORIGNALIDADE O ARTISTA É UM ARTESÃO O ARTISTA É UM CRIADOR ELITISMO DA ARTE DEMOCRATIZAÇÃO DA ARTE
  • 21. Referências ABREU-TARDELLI, L.; ODA, L. S.; CAMPOS, M.T.A; TOLEDO, S. Português vozes do mundo: literatura, língua e produção de texto. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 2013. AMARAL, E.; ANTÔNIO, S.; PATROCÍNIO, M. F. Português: redação, gramática, literatura e interpretação de texto. São Paulo: Nova Cultural, 1999. CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T.C. Português, linguagens, 1. 9 ed. São Paulo: Saraiva, 2013.