SlideShare uma empresa Scribd logo
Mutações nos comportamentos
e na cultura
As Vanguardas: ruturas com os
cânones das artes e da
literatura
(parte II)
Abstracionismo
• Surge por influência da valorização das
cores puras (Fauvismo e Expressionismo) e
da geometrização cubista.
• Na base, o abstracionismo é o abandono da
representação de um objeto identificável
(abandono da representação do real).
• Possui duas tendências: o abstracionismo
sensível ou lírico e o abstracionismo
geométrico.
Abstracionismo sensível ou lírico

(Kandinsky)

• Wassily Kandinsky considera que o
abstracionismo permite criar, na pintura, uma
linguagem universal com base na
combinação, o mais perfeita possível, de
formas e cores.
• Kandinsky considerava que o abstrato, ao
dirigir-se ao mundo dos sentidos era uma
linguagem universal, tal como a música. Para
ele as abstrações de forma e de cor atuam
diretamente na alma.
Abstracionismo sensível ou lírico

Wassily Kandinsky – Linha transversal

(Kandinsky)
Abstracionismo geométrico

(Piet Mondrian)

• Mondrian criticava a preponderância figurativa
que se mantinha no cubismo.
• Em 1917, na revista O Estilo, propôs o
Neoplasticismo – o pintor, em vez da emoção
interior (teoria subjetiva), devia expressar a
”realidade pura”, as verdades universais sem
sentimentos subjetivos (teoria objetiva).
• Essa proposta lança o abstracionismo no recurso
a formas geométricas de linhas retas (retângulos
e quadrados), às cores primárias, branco, cinza e
preto.
Abstracionismo geométrico

(Piet Mondrian)

Piet Mondrian -Composição em azul, vermelho e amarelo
Abstracionismo – correntes (síntese)
Wassily Kandinsky

Piet Mondrian

“Necessidade interior”

“Realidade pura”

Teoria subjetiva

Teoria objetiva

Expressão da
interioridade do pintor

Expressão
intelectualizada do
mundo exterior
Futurismo - 1
• Surge em 1909, através do Manifesto do Futurismo,
de Filippo Marinetti, onde o poeta definia as bases
em que assentava o novo movimento: elogio da
técnica, da máquina, da velocidade, da sociedade
industrial, da correria urbana.
• Rejeitava a arte do passado e do moralismo
(passadismo) e glorificava o futuro.
• A máquina torna-se o centro das preocupações e a
velocidade a sua expressão.
• Abarcou a literatura, o teatro, a pintura, a
arquitetura, a escultura, a música e a fotografia.
Futurismo - 2

Marcel Duchamp – Nu descendo as escadas
Futurismo - 3
• O relativismo científico (segundo o qual a
Natureza tem irregularidades e
imprevisibilidades) influenciou os futuristas
fazendo-os evidenciar o dinamismo na arte.
• As teorias de Eisntein levaram os futuristas a
representar o tempo e o espaço.
• Na pintura “o dinamismo” vai buscar ao cubismo
a decomposição das figuras em volumes
(decomposição volumétrica) e a representação
simultânea de vários pontos de vista
(simultaneísmo).
Futurismo - 4

Giacomo Balla – Dinamismo de um cão na coleira
Dadaísmo - 1
• O movimento surge na Suíça, em 1916, sob o impulso
de um grupo de jovens fugidos da guerra que
pretendiam exprimir o seu repúdio pelo conflito, pelas
convenções sociais e pela própria arte, recorrendo por
isso ao absurdo.
• Procuravam o ilógico, o escandaloso, o desconcertante!
• Procura negar a arte.
• Subvertendo os conceitos de arte, recorrendo à ação do
inconsciente o dadaísmo lançou as bases para o
surrealismo.
• Tecnicamente foi percursor do assemblage e do ready
made.
Dadaísmo - 2

Raoul Hausmann - abcd

Duchamp - LHOOQ
Surrealismo - 1
• Surge em 1924, em França, quando André Breton
publica o Manifesto do Surrealismo.
• Influencia a pintura, a literatura e o cinema.
• Transpõe para a arte o campo da psicanálise e do
inconsciente aberto por Freud. Os surrealistas
exprimiam-se pelo “automatismo psíquico puro”,
procurando abstrair-se da realidade.
• Representavam os sonhos e as sensações.
Revelavam um mundo sobreposto ao real.
• Transportam a arte para o mundo da interioridade,
para o inconsciente do artista.
Surrealismo - 2

René Magritte – Valores pessoais
Surrealismo - 3

Salvador Dali – Persistência da memória
Surrealismo – as técnicas
• Cadavre exquis – criação de um desenho, em
que várias pessoas participam acrescentando,
cada uma na sua vez, um traço, sem que
possam ver a totalidade do desenho.
• Automatismo – projeção na tela de uma
composição “livre de todo o controlo da razão”.
• Frottage – colocar o papel ou a tela sobre uma
superfície rugosa e com a ajuda do
lápis/espátula ou por pressão, transferir as
irregularidades para a superfície a pintar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Stefanie Fernandes
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Andrea Garcia
 
Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03
William Marques
 
Unidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
Unidade 3 aula_em_powerpoint_elianaUnidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
Unidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
Elianacapimdourado
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Sara Oliveira
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Abstraccionismo
AbstraccionismoAbstraccionismo
Abstraccionismo
Carlos Vieira
 
Abstracionismo em pdf
Abstracionismo em pdfAbstracionismo em pdf
Abstracionismo em pdf
Janete Garcia de Freitas
 
Abstracionismo Informal
Abstracionismo  InformalAbstracionismo  Informal
Abstracionismo Informal
Thalles Yvson
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Lu Rebordosa
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Angeli Arte Educadora
 
Fovismo
FovismoFovismo
Fovismo
Lu Rebordosa
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
Ana Barreiros
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Andrea Dressler
 
Arte abstrata 1910 1950
Arte abstrata        1910 1950Arte abstrata        1910 1950
Arte abstrata 1910 1950
Professor Gilson Nunes
 
Abstracionismo (Arte Abstrata)
Abstracionismo (Arte Abstrata)Abstracionismo (Arte Abstrata)
Abstracionismo (Arte Abstrata)
Samara Coimbra
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Jomara Lopes
 
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoCubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Jorge Almeida
 
Fauvismo e Expressionismo
Fauvismo e ExpressionismoFauvismo e Expressionismo
Fauvismo e Expressionismo
jorgina8
 
Arte informal
Arte informalArte informal
Arte informal
Rita Costa
 

Mais procurados (20)

Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03Abstracionismo 05-03
Abstracionismo 05-03
 
Unidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
Unidade 3 aula_em_powerpoint_elianaUnidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
Unidade 3 aula_em_powerpoint_eliana
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 
Abstraccionismo
AbstraccionismoAbstraccionismo
Abstraccionismo
 
Abstracionismo em pdf
Abstracionismo em pdfAbstracionismo em pdf
Abstracionismo em pdf
 
Abstracionismo Informal
Abstracionismo  InformalAbstracionismo  Informal
Abstracionismo Informal
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Fovismo
FovismoFovismo
Fovismo
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Arte abstrata 1910 1950
Arte abstrata        1910 1950Arte abstrata        1910 1950
Arte abstrata 1910 1950
 
Abstracionismo (Arte Abstrata)
Abstracionismo (Arte Abstrata)Abstracionismo (Arte Abstrata)
Abstracionismo (Arte Abstrata)
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoCubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
 
Fauvismo e Expressionismo
Fauvismo e ExpressionismoFauvismo e Expressionismo
Fauvismo e Expressionismo
 
Arte informal
Arte informalArte informal
Arte informal
 

Destaque

Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
S_Dadaismo
S_Dadaismo S_Dadaismo
S_Dadaismo
Iuav
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
Luciana Silva
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
EEBMiguelCouto
 
Poesia na sala de aula
Poesia na sala de aulaPoesia na sala de aula
Poesia na sala de aula
Shirley Lauria
 
Módulo 9 arte
Módulo 9   arteMódulo 9   arte
Módulo 9 arte
cattonia
 
9º ano avaliação de arte 1º bimestre
9º ano avaliação de arte 1º bimestre9º ano avaliação de arte 1º bimestre
9º ano avaliação de arte 1º bimestre
Fabiola Oliveira
 

Destaque (7)

Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
Dadaísmo
 
S_Dadaismo
S_Dadaismo S_Dadaismo
S_Dadaismo
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Poesia na sala de aula
Poesia na sala de aulaPoesia na sala de aula
Poesia na sala de aula
 
Módulo 9 arte
Módulo 9   arteMódulo 9   arte
Módulo 9 arte
 
9º ano avaliação de arte 1º bimestre
9º ano avaliação de arte 1º bimestre9º ano avaliação de arte 1º bimestre
9º ano avaliação de arte 1º bimestre
 

Semelhante a Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (parte 2).

Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Ana Paula Silva
 
As experiências das vanguardas
As experiências das vanguardasAs experiências das vanguardas
As experiências das vanguardas
Professores História
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
Professores História
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
Professores História
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
Luma Thais
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
O desenvolvimento da tecnologia
O desenvolvimento da tecnologiaO desenvolvimento da tecnologia
O desenvolvimento da tecnologia
Sofia Oliveira
 
As vanguardas do modernismo
As vanguardas do modernismoAs vanguardas do modernismo
As vanguardas do modernismo
Dedinha Ramos
 
Ruptura e inovações da arte e literatura- História 9ano
Ruptura e inovações da arte e literatura- História 9ano Ruptura e inovações da arte e literatura- História 9ano
Ruptura e inovações da arte e literatura- História 9ano
Juliana Cunha
 
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneoRevisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Ruptura e inovação nas artes e na literatura
Ruptura e inovação nas artes e na literaturaRuptura e inovação nas artes e na literatura
Ruptura e inovação nas artes e na literatura
Jorge Almeida
 
Modernismo introdução
Modernismo introduçãoModernismo introdução
Modernismo introdução
Ricardo Cruz
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XX
Miguel Duarte
 
A arte da primeira metade do século xx
A arte da primeira metade do século xxA arte da primeira metade do século xx
A arte da primeira metade do século xx
Itamir Beserra
 
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANASARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
HisrelBlog
 
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e AbstracionismoApresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
Gabriel Ferraciolli
 
Ismos arte moderna- CBG
Ismos  arte moderna- CBGIsmos  arte moderna- CBG
Ismos arte moderna- CBG
Aline Raposo
 
Arte
ArteArte
Vanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
Vanguardas europeias - Profª Telma CavalcantiVanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
Vanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
Telma Cavalcanti
 

Semelhante a Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (parte 2). (20)

Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
As experiências das vanguardas
As experiências das vanguardasAs experiências das vanguardas
As experiências das vanguardas
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
O desenvolvimento da tecnologia
O desenvolvimento da tecnologiaO desenvolvimento da tecnologia
O desenvolvimento da tecnologia
 
As vanguardas do modernismo
As vanguardas do modernismoAs vanguardas do modernismo
As vanguardas do modernismo
 
Ruptura e inovações da arte e literatura- História 9ano
Ruptura e inovações da arte e literatura- História 9ano Ruptura e inovações da arte e literatura- História 9ano
Ruptura e inovações da arte e literatura- História 9ano
 
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
 
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneoRevisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
 
Ruptura e inovação nas artes e na literatura
Ruptura e inovação nas artes e na literaturaRuptura e inovação nas artes e na literatura
Ruptura e inovação nas artes e na literatura
 
Modernismo introdução
Modernismo introduçãoModernismo introdução
Modernismo introdução
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XX
 
A arte da primeira metade do século xx
A arte da primeira metade do século xxA arte da primeira metade do século xx
A arte da primeira metade do século xx
 
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANASARTES e LINGUAGENS  NAS CIÊNCIAS HUMANAS
ARTES e LINGUAGENS NAS CIÊNCIAS HUMANAS
 
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e AbstracionismoApresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
 
Ismos arte moderna- CBG
Ismos  arte moderna- CBGIsmos  arte moderna- CBG
Ismos arte moderna- CBG
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Vanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
Vanguardas europeias - Profª Telma CavalcantiVanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
Vanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
 

Mais de home

Democracia em Atenas
Democracia em AtenasDemocracia em Atenas
Democracia em Atenas
home
 
Ascensao da europa
Ascensao da europaAscensao da europa
Ascensao da europa
home
 
China de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-TungChina de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-Tung
home
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
home
 
Pistas para um comentário de texto a História
Pistas para um comentário de texto a HistóriaPistas para um comentário de texto a História
Pistas para um comentário de texto a História
home
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
home
 
Crescimento do Japão
Crescimento do JapãoCrescimento do Japão
Crescimento do Japão
home
 
Mundo comunista
Mundo comunistaMundo comunista
Mundo comunista
home
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
home
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
home
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
home
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
home
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
home
 
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordensAbsolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
home
 

Mais de home (14)

Democracia em Atenas
Democracia em AtenasDemocracia em Atenas
Democracia em Atenas
 
Ascensao da europa
Ascensao da europaAscensao da europa
Ascensao da europa
 
China de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-TungChina de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-Tung
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
Pistas para um comentário de texto a História
Pistas para um comentário de texto a HistóriaPistas para um comentário de texto a História
Pistas para um comentário de texto a História
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
 
Crescimento do Japão
Crescimento do JapãoCrescimento do Japão
Crescimento do Japão
 
Mundo comunista
Mundo comunistaMundo comunista
Mundo comunista
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordensAbsolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 

Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (parte 2).

  • 1. Mutações nos comportamentos e na cultura As Vanguardas: ruturas com os cânones das artes e da literatura (parte II)
  • 2. Abstracionismo • Surge por influência da valorização das cores puras (Fauvismo e Expressionismo) e da geometrização cubista. • Na base, o abstracionismo é o abandono da representação de um objeto identificável (abandono da representação do real). • Possui duas tendências: o abstracionismo sensível ou lírico e o abstracionismo geométrico.
  • 3. Abstracionismo sensível ou lírico (Kandinsky) • Wassily Kandinsky considera que o abstracionismo permite criar, na pintura, uma linguagem universal com base na combinação, o mais perfeita possível, de formas e cores. • Kandinsky considerava que o abstrato, ao dirigir-se ao mundo dos sentidos era uma linguagem universal, tal como a música. Para ele as abstrações de forma e de cor atuam diretamente na alma.
  • 4. Abstracionismo sensível ou lírico Wassily Kandinsky – Linha transversal (Kandinsky)
  • 5. Abstracionismo geométrico (Piet Mondrian) • Mondrian criticava a preponderância figurativa que se mantinha no cubismo. • Em 1917, na revista O Estilo, propôs o Neoplasticismo – o pintor, em vez da emoção interior (teoria subjetiva), devia expressar a ”realidade pura”, as verdades universais sem sentimentos subjetivos (teoria objetiva). • Essa proposta lança o abstracionismo no recurso a formas geométricas de linhas retas (retângulos e quadrados), às cores primárias, branco, cinza e preto.
  • 6. Abstracionismo geométrico (Piet Mondrian) Piet Mondrian -Composição em azul, vermelho e amarelo
  • 7. Abstracionismo – correntes (síntese) Wassily Kandinsky Piet Mondrian “Necessidade interior” “Realidade pura” Teoria subjetiva Teoria objetiva Expressão da interioridade do pintor Expressão intelectualizada do mundo exterior
  • 8. Futurismo - 1 • Surge em 1909, através do Manifesto do Futurismo, de Filippo Marinetti, onde o poeta definia as bases em que assentava o novo movimento: elogio da técnica, da máquina, da velocidade, da sociedade industrial, da correria urbana. • Rejeitava a arte do passado e do moralismo (passadismo) e glorificava o futuro. • A máquina torna-se o centro das preocupações e a velocidade a sua expressão. • Abarcou a literatura, o teatro, a pintura, a arquitetura, a escultura, a música e a fotografia.
  • 9. Futurismo - 2 Marcel Duchamp – Nu descendo as escadas
  • 10. Futurismo - 3 • O relativismo científico (segundo o qual a Natureza tem irregularidades e imprevisibilidades) influenciou os futuristas fazendo-os evidenciar o dinamismo na arte. • As teorias de Eisntein levaram os futuristas a representar o tempo e o espaço. • Na pintura “o dinamismo” vai buscar ao cubismo a decomposição das figuras em volumes (decomposição volumétrica) e a representação simultânea de vários pontos de vista (simultaneísmo).
  • 11. Futurismo - 4 Giacomo Balla – Dinamismo de um cão na coleira
  • 12. Dadaísmo - 1 • O movimento surge na Suíça, em 1916, sob o impulso de um grupo de jovens fugidos da guerra que pretendiam exprimir o seu repúdio pelo conflito, pelas convenções sociais e pela própria arte, recorrendo por isso ao absurdo. • Procuravam o ilógico, o escandaloso, o desconcertante! • Procura negar a arte. • Subvertendo os conceitos de arte, recorrendo à ação do inconsciente o dadaísmo lançou as bases para o surrealismo. • Tecnicamente foi percursor do assemblage e do ready made.
  • 13. Dadaísmo - 2 Raoul Hausmann - abcd Duchamp - LHOOQ
  • 14. Surrealismo - 1 • Surge em 1924, em França, quando André Breton publica o Manifesto do Surrealismo. • Influencia a pintura, a literatura e o cinema. • Transpõe para a arte o campo da psicanálise e do inconsciente aberto por Freud. Os surrealistas exprimiam-se pelo “automatismo psíquico puro”, procurando abstrair-se da realidade. • Representavam os sonhos e as sensações. Revelavam um mundo sobreposto ao real. • Transportam a arte para o mundo da interioridade, para o inconsciente do artista.
  • 15. Surrealismo - 2 René Magritte – Valores pessoais
  • 16. Surrealismo - 3 Salvador Dali – Persistência da memória
  • 17. Surrealismo – as técnicas • Cadavre exquis – criação de um desenho, em que várias pessoas participam acrescentando, cada uma na sua vez, um traço, sem que possam ver a totalidade do desenho. • Automatismo – projeção na tela de uma composição “livre de todo o controlo da razão”. • Frottage – colocar o papel ou a tela sobre uma superfície rugosa e com a ajuda do lápis/espátula ou por pressão, transferir as irregularidades para a superfície a pintar.