SlideShare uma empresa Scribd logo
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde




    A Poesia de Cesário Verde
                                                   Sistematização


        Ah o crepúsculo, o cair da noite, o acender das luzes nas
        grandes cidades

        E a mão de mistério que abafa o bulício,
        E o cansaço de tudo em nós que nos corrompe
        para uma sensação exata e precisa e ativa da Vida!
        Cada rua é um canal de uma Veneza de tédios
        e que misterioso o fundo unânime das ruas,
        das ruas ao cair da noite, ó Cesário Verde, ó Mestre,
        Ó do «Sentimento dum Ocidental»!


                                                    Álvaro de Campos, Poesias
                                          (fragmento de «Dois excertos de Odes


                                                                                 1
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde




                                                 José Joaquim Cesário Verde
                                   Vida e Obra   (Lisboa, 1855 / Lumiar, 1886), filho
                                                 do lavrador e comerciante José
                                                 Anastácio Verde e de Maria da
                                                 Piedade     dos   Santos    Verde,
                                                 matriculou-se no Curso Superior de
                                                 Letras, frequentando-o por apenas
                                                 alguns meses.

                                                 Dividia-se entre a produção de
                                                 poesias (publicadas em jornais) e
                                                 as atividades de comerciante,
                                                 herdadas do pai. Em 1877 começou
                                                 a dar sinais a tuberculose, doença
                                                 que já lhe tirara o irmão e a irmã.
                                                 Estas mortes servem de inspiração
                                                 a um de seus principais poemas,
                                                 Nós (1884).

                                                                                        2
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde


            Contexto Cultural e literário da Época

     Regeneração política: rotativismo;
     Regeneração Social: aburguesamento da nobreza e nobilitação da burguesia;
     Regeneração citadina: desenvolvimento do Porto e Lisboa;
     Regeneração Sociocultural: escritores “revolucionários”- filosofia alemão, crítica
     francesa; Positivismo, Naturalismo, História, Metafísica…


     •A Questão Coimbrã: Texto polémico de Antero de Quental «Bom senso e Bom
     Gosto» (1865) / Oposição entre A. Quental e F. Castilho

     •A Geração de 70: elite intelectual que promoveu um movimento cultural e
     literário renovador - livre discussão de problemas sociais, políticos, filosóficos,
     culturais, religiosos e outros, de forma a arrancar a literatura portuguesa, mas
     sobretudo, de uma maneira geral, a cultura portuguesa do tédio e mediocridade
     resultante da degenerescência romântica.

     •As Conferências de Casino(1871): «O Realismo como nova expressão de arte»
                                                                                    3
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde


          Influências Artísticas e Estéticas na Poesia de
                           Cesário Verde

     Realismo
            O real como motivo e ponto de partida;
            Atitude crítica em relação à sociedade;
            Observação e análise do real;
            Poetização do real e do quotidiano.

     Naturalismo
              Base realista
              Positivismo: indução e métodos experimentais;
              Determinismo: espécie de realismo científico, de índole
     determinista (segundo o método de Taine: raça, meio e momento
     histórico);
              Temas: educação, adultério, opressão…

                          Olhar comovido e solitário com os trabalhadores   4
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde


          Influências Artísticas e Estéticas na Poesia de
                           Cesário Verde
     Impressionismo
              Captação impressionista da realidade;
              O real apreendido através de impressões (cor, luz,
     movimento, seres e coisas fugazes) que estimulam o sujeito poético e
     lhe despertam sensações/emoções/reflexões;
              Relação próxima com o sensacionismo, o simbolismo e o
     surrealismo.


     Parnasianismo
            A busca da perfeição formal;
            A regularidade estrófica e métrica (decassílabo e
     alexandrino);
            Valorização do prosódico.
                                                                        5
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde


                                           A Poesia de Cesário Verde
                                                  Características Temáticas
     Binómio CAMPO / CIDADE
                                         Cidade                               Campo
    • Doença, estagnação, morte, ausência • Saúde, vitalidade, harmonia, vivência
      de afeto.                             plena de afetos .

    • Vida marcada pela artificialidade e • Vida marcada pela naturalidade e
      pela desumanidade.                    pelos ciclos biológicos e comunitários
                                            do Homem.
    • Progresso industrial e domínio da • Agricultura e domínio do Homem e da
      máquina, do ferro e do betão.         Natureza.

    • Aprisionamento e opressão.                              • Liberdade.

    • Exploração, pobreza, injustiça social.
                                        • Valores tendencialmente igualitários e
                                          justiça social.
    • Domínio da burguesia (comercial e • Afirmação do povo e dos valores
      industrial)                         rurais.                            6
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde


                                         A Poesia de Cesário Verde
                                           Características Temáticas
     Binómio CAMPO / CIDADE

     «O sentimento Dum Ocidental» / «Cristalizações» / «Num Bairro Moderno»:
     a vida na cidade é caracterizada como doentia, entediante, opressiva, vazia.

     «Nós»:
     É no campo que os sujeitos líricos encontram o equilíbrio, os afetos, a liberdade, a
     vitalidade e uma forma de harmonia com a Natureza, que restituem ao indivíduo a
     dimensão humana e natural que a cidades lhes tira.


     Importante: mesmo na cidade emergem imagens e sugestões campestres, como
     que a lembrar a vocação do ser humano para uma vida harmoniosa e natural, que
     só no campo se encontra e que a cidade desumaniza.

     Estes apontamentos do campo na cidade enfatizam a crítica social e a oposição
     campo/cidade e podem ser entendidos como o convite à fuga para o campo.       7
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde


                                         A Poesia de Cesário Verde
                                             Características Temáticas
     A Mulher
                                   A mulher fatal                A mulher frágil e inocente
     Caraterísticas:                                        Caraterísticas:
    • Pertence a um estrato social superior               •   É simples, inocente, pura e bondosa;
      ao do sujeito poético;                              •   É frágil e desamparada;
    • É elegante;                                         •   Está associada ao povo.
    • Mostra desprezo em relação ao eu.

     Efeitos no Sujeito poético:             Efeitos sobre o sujeito poético:
    • Atrai-o irresistivelmente, levando-o a • A sua vulnerabilidade desperta nele o
      sentir prazer sem ser seduzido e a       instinto de proteção;
      revoltar-se pela humilhação a que ela • A sua pureza e bondade levam-no a
      o sujeita..                              desejar redimir-se das suas faltas de
                                               modo a ser digno dela;
                                             • Suscita no sujeito poético a vontade
                                               de também ele ser honesto e
                                               tranquilo.
                                                                                                8
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde

      A Mulher - Presença obsessiva da figura feminina, vista:
     • Negativamente, porque contaminada pela civilização urbana
       mulher opressora – mulher nórdica, fria, símbolo da eclosão do
       desenvolvimento da cidade como fenómeno urbano, sinédoque da classe social
       opressora e, por isso, geradora de um erotismo da humilhação (ex: «Frígida»,
       «Deslumbramentos» e «Esplêndida»), em que se reconhece a influência de
       Baudelaire;
     • Positivamente, porque relacionada com o campo e seus valores salutares
       mulher anjo – visão angelical, reflexo de uma entidade divina, símbolo de
       pureza campestre, com traços de uma beleza angelical, frequentemente com os
       cabelos loiros, dotada de uma certa fragilidade («Em Petiz», «Nós», «De Tarde»
       e «Setentrional») – também tem um efeito regenerador;
       mulher regeneradora – mulher frágil, pura, natural, simples, representa os
       valores do campo na cidade, que regenera o sujeito poético e lhe estimula a
       imaginação (ex: as figuras femininas de a «A Débil» e «Num Bairro Moderno»);
       mulher oprimida – tísica, resignada, vítima da opressão social urbana,
       humilhada, com a qual o sujeito poético se sente identificado ou por quem nutre
       compaixão (ex: «Contrariedades»);
       mulher como sinédoque social – (ex: as «burguesinhas» e as varinas de «O
       Sentimento dum Ocidental»
       mulher como objeto do estímulo erótico: vista enquanto estímulo dos sentidos
                                                                                  9
       carnais, sensuais, como impulso erótico (ex: atriz de «Cristalizações»).
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde



     Aspetos fundamentais da poesia de Cesário Verde
     •Poesia de cariz realista
     •Captação impressionista da realidade
     •Objetividade/Subjetividade
     •Dimensão Social
     •Binómio cidade/campo
              A cidade: lugar que “desperta um desejo absurdo de sofrer”, lugar de
     atração e de repulsa, de futilidade, de moda, de corrupção, de doença e de
     “aprisionamento” da dor humana.
              O campo: lugar de saúde e de riqueza, de vitalidade e de energia, de
     simplicidade e de verdade.
     •Inovação poética
              a busca da perfeição formal;
              valorização poética do vocabulário quotidiano e coloquial; uso de
     estrangeirismos da época;
              utilização do adjetivo e do advérbio em combinação com a pontuação
     expressiva;
              uso original de comparações e metáforas transfiguradoras.

                                                                             10
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde



     Características estilísticas da poesia de Cesário Verde

     •Marcas da estrutura narrativa – espaço, tempo, ação e personagens;
     •Rigor formal (versos decassilábicos ou alexandrinos – 12 sílabas métricas – e
     quadras ou quintilhas com rima e métrica definidas) – parnasianismo;
     •Vocabulário preciso, concreto, prático - linguagem corrente;
     •Predomínio da coordenação;
     •Conjugação perifrástica (“Ia passando”; hei de ver”);
     •Modernidade da linguagem: Tom coloquial;
     •Adjetivação (dupla, tripla,...)
     •Anteposição do adjetivo ao substantivo (primeiro realça-se a característica e
     depois o objeto) - impressionismo;
     •Expressividade do advérbio;
     •Verbos (utilização, por exemplo, do P. perfeito – característica do momento
     narrativo – e do P. imperfeito – característica do momento descritivo);
     •Diminutivos.




                                                                              11
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde



     Características estilísticas da poesia de Cesário Verde

     Figuras de estilo mais usadas
     •Assíndeto (as ideias não são ligadas por nenhuma conjunção) – ritmo mais
     violento e agressivo
     •Ironia
     •Comparação
     •Metáfora
     •Sinestesia (troca de sentidos: dá sensação àquilo que não a pode ter. Ex:
     “brancuras quentes”; “luz macia”)
     •Estrangeirismos
     •Hipálage (atribuição de uma qualidade a um objeto que logicamente não lhe
     pertence. Ex: “E às portas, uma ou outra campainha toca, frenética, de vez em
     quando.”)
     •Gradação
     •Adjetivação
     •Enumeração
     •Antítese
     •Transporte (continuação da ideia no verso seguinte)
                                                                             12
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde



                                                          Cesário Verde:
                                                    «Pinto Quadros por Sinais»

                                         Análise                  Deambulação

                                                           Contrastes

                                         Binómio: Cidade|Campo

                                         Humilhação            Questão Social

                                                     Objetividade | Realismo

                                         Sentidos                    Metáforas

                                                         Impressionismo

                                         Transfiguração | Poetização do Real

                                                                                 13
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde



                                                             Para refletir:
                                         “Cesário Verde ensinou a poesia de respirar, de
                                         caminhar, de ver com amor, ingenuamente, sem
                                         prevenções, tudo quanto a vida nos oferece. (…)
                                         E a poesia do trabalho útil. (…) E uma linguagem
                                         nova, de seiva burguesa e popular, rica de termos
                                         concretos, bastante dúctil e atrevida, para sugerir
                                         a mistura de sensações e as rápidas
                                         interferências do físico e do anímico, uma
                                         linguagem impressionista e fantasista, e, ao
                                         mesmo tempo, nervosa, sacudida, coloquial.”
 Ah! Ninguém entender que ao meu olhar
 Tudo tem certo espírito secreto!         Jacinto Prado Coelho, Problemática da História Literária, 2ªed. Revista e
 Com folhas de saudade um objeto            ampliada, Lisboa, Edições Ática, 1961, pp. 184‐185 in CABRAL, A. S.
 Deita raízes duras de arrancar.                                                                     ((s/d) Cesário
                                               Verde – Propostas de Análise, Edições Sebenta – Português, p. 31
                              «Nós»



                                                                                                           14
Dina Baptista | www.sebentadigital.com
EB 2,3/S de Vale de Cambra
2011/2012

| Português – 11º ano | Cesário Verde




  Bibliografia de apoio:
  Pinto, A. D.; Miranda, P. e Nunes, P. (2011) Português 11ºano. Projetos Desafios,
  Santilhana.

  Links a consultar sobre Cesário Verde:

  . Vida e Obra:
  http://www.vidaslusofonas.pt/cesario_verde.htm
  http://www.astormentas.com/biografia.aspx?t=autor&id=Ces%c3%a1rio%20Verde
  http://www.terravista.pt/guincho/4600
  http://www.faroldasletras.no.sapo.pt/cesario_verde.htm

  . Ficha Informativa / Sistematização:
  http://www.prof2000.pt/users/jsafonso/Port/verde.htm
  http://www.ipn.pt/opsis/litera/verde.htm
  http://www.iep.uminho.pt/aac/lic/te/ate04/WQp/verde/index.htm


                                                                              15

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
guest3fc89a1
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
ameliapadrao
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Dina Baptista
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
Dina Baptista
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - OrtónimoAnálise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
João Barreira
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
Fernanda Monteiro
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
António Teixeira
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
Aparecida Mallagoli
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
lenaeira
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
Helena Coutinho
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
VniaRodrigues30
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
Cristina Martins
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
Ana Tapadas
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias

Mais procurados (20)

Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - OrtónimoAnálise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
 
Um mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadosoUm mover de olhos brando e piadoso
Um mover de olhos brando e piadoso
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Miguel Torga - Poemas
Miguel Torga - PoemasMiguel Torga - Poemas
Miguel Torga - Poemas
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 

Destaque

Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
MariaVerde1995
 
Bernardo soares
Bernardo soaresBernardo soares
Bernardo soares
Lucas Queiroz
 
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Carlos Pina
 
Cesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - ContextualizaçãoCesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - Contextualização
sin3stesia
 
Deslumbramentos
DeslumbramentosDeslumbramentos
Deslumbramentos
Jorge Barros
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro moderno
aramalho340
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
Raffaella Ergün
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
Dina Baptista
 
Livro do desassossego power point
Livro do desassossego power pointLivro do desassossego power point
Livro do desassossego power point
Fátima Teixeira Kika
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
AMLDRP
 
A debil cesario verde
A debil cesario verdeA debil cesario verde
A debil cesario verde
Diogo Oliveira
 
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Maria Rebelo
 
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameResumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Maria Rebelo
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
ESVieira do Minho
 
Fernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimosFernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimos
guest40b640
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 

Destaque (16)

Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Bernardo soares
Bernardo soaresBernardo soares
Bernardo soares
 
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
Cesário Verde - Análise do poema "Contrariedades"
 
Cesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - ContextualizaçãoCesário Verde - Contextualização
Cesário Verde - Contextualização
 
Deslumbramentos
DeslumbramentosDeslumbramentos
Deslumbramentos
 
Num bairro moderno
Num bairro modernoNum bairro moderno
Num bairro moderno
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 
Livro do desassossego power point
Livro do desassossego power pointLivro do desassossego power point
Livro do desassossego power point
 
Tabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de CamposTabacaria - Álvaro de Campos
Tabacaria - Álvaro de Campos
 
A debil cesario verde
A debil cesario verdeA debil cesario verde
A debil cesario verde
 
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
 
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exameResumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
 
Fernando Pessoa Heterónimos
Fernando Pessoa   HeterónimosFernando Pessoa   Heterónimos
Fernando Pessoa Heterónimos
 
Fernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimosFernando Pessoa e seus heterónimos
Fernando Pessoa e seus heterónimos
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 

Semelhante a Cesário Verde-Sistematização

Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
Claudia Ribeiro
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
Becre Celorico de Basto
 
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSíntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
SANDRAMARLENEBARBOSA1
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
becresforte
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
becresforte
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
cnlx
 
Cesarioverde2
Cesarioverde2Cesarioverde2
Cesarioverde2
Cristina Lourenço
 
Fogomorto
FogomortoFogomorto
Fogomorto
Edjeynne Velez
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
Lurdes Augusto
 
Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
Antónia Mancha
 
Literatura Wellington Soares
Literatura   Wellington SoaresLiteratura   Wellington Soares
Literatura Wellington Soares
Pré-Enem Seduc
 
cesarioverde.doc
cesarioverde.doccesarioverde.doc
cesarioverde.doc
Isabel273720
 
Cesarioverde
CesarioverdeCesarioverde
Cesarioverde
Cristina Lourenço
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
A poesia de Cesário Verde
A poesia de Cesário VerdeA poesia de Cesário Verde
A poesia de Cesário Verde
António Fernandes
 
Pre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptxPre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptx
NunaMedeiros
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
Flavio Maia Custodio
 
Dicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campoDicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campo
1103sancho
 
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análiseFogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
jasonrplima
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
Jose Arnaldo Silva
 

Semelhante a Cesário Verde-Sistematização (20)

Realismo em Portugal
Realismo em PortugalRealismo em Portugal
Realismo em Portugal
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSíntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
 
Cesarioverde2
Cesarioverde2Cesarioverde2
Cesarioverde2
 
Fogomorto
FogomortoFogomorto
Fogomorto
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
 
Literatura Wellington Soares
Literatura   Wellington SoaresLiteratura   Wellington Soares
Literatura Wellington Soares
 
cesarioverde.doc
cesarioverde.doccesarioverde.doc
cesarioverde.doc
 
Cesarioverde
CesarioverdeCesarioverde
Cesarioverde
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
A poesia de Cesário Verde
A poesia de Cesário VerdeA poesia de Cesário Verde
A poesia de Cesário Verde
 
Pre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptxPre-modernismo.pptx
Pre-modernismo.pptx
 
Eça de Queiroz
Eça de QueirozEça de Queiroz
Eça de Queiroz
 
Dicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campoDicotomia cidade campo
Dicotomia cidade campo
 
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análiseFogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
 
Pre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasilPre modernismo-no-brasil
Pre modernismo-no-brasil
 

Mais de Dina Baptista

Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Dina Baptista
 
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisO ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
Dina Baptista
 
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Dina Baptista
 
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSREPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
Dina Baptista
 
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazA importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
Dina Baptista
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Dina Baptista
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Jantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralJantar no Hotel Central
Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
Dina Baptista
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Dina Baptista
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particulares
Dina Baptista
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Dina Baptista
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Dina Baptista
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismo
Dina Baptista
 
Manuel Alegre
Manuel AlegreManuel Alegre
Manuel Alegre
Dina Baptista
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4
Dina Baptista
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Dina Baptista
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de Vasconcelos
Dina Baptista
 
José Ary dos Santos
José Ary dos SantosJosé Ary dos Santos
José Ary dos Santos
Dina Baptista
 

Mais de Dina Baptista (20)

Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
Projeto de leitura (12.º ano) - O Conto "Mortos à mesa" de António Tabucchi
 
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitaisO ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
O ensino da língua portuguesa e o desafio dos géneros textuais digitais
 
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
Uma nova perspetiva do conto: o Storytelling na estratégia da comunicação emp...
 
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊSREPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
REPENSAR AS TÉCNICAS E METODOLOGIAS DO ENSINO DO PORTUGUÊS
 
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficazA importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
A importância do conteúdo na web: para uma estratégia comunicacional eficaz
 
Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)Camões Lírico (10.ºano/Português)
Camões Lírico (10.ºano/Português)
 
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
Textos de caráter autobiograficos (M1 - 10.ºano/Português)
 
Análise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel CentralAnálise do Jantar no Hotel Central
Análise do Jantar no Hotel Central
 
Jantar no Hotel Central
Jantar no Hotel CentralJantar no Hotel Central
Jantar no Hotel Central
 
Os Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacaoOs Maias_ sistematizacao
Os Maias_ sistematizacao
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Repreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particularesRepreensões gerais e particulares
Repreensões gerais e particulares
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
 
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os LusíadasGigante Adamastor, d'Os Lusíadas
Gigante Adamastor, d'Os Lusíadas
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismo
 
Manuel Alegre
Manuel AlegreManuel Alegre
Manuel Alegre
 
Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4Poesia do século XX- 4
Poesia do século XX- 4
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Mário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de VasconcelosMário Cesariny de Vasconcelos
Mário Cesariny de Vasconcelos
 
José Ary dos Santos
José Ary dos SantosJosé Ary dos Santos
José Ary dos Santos
 

Último

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 

Cesário Verde-Sistematização

  • 1. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde A Poesia de Cesário Verde Sistematização Ah o crepúsculo, o cair da noite, o acender das luzes nas grandes cidades E a mão de mistério que abafa o bulício, E o cansaço de tudo em nós que nos corrompe para uma sensação exata e precisa e ativa da Vida! Cada rua é um canal de uma Veneza de tédios e que misterioso o fundo unânime das ruas, das ruas ao cair da noite, ó Cesário Verde, ó Mestre, Ó do «Sentimento dum Ocidental»! Álvaro de Campos, Poesias (fragmento de «Dois excertos de Odes 1
  • 2. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde José Joaquim Cesário Verde Vida e Obra (Lisboa, 1855 / Lumiar, 1886), filho do lavrador e comerciante José Anastácio Verde e de Maria da Piedade dos Santos Verde, matriculou-se no Curso Superior de Letras, frequentando-o por apenas alguns meses. Dividia-se entre a produção de poesias (publicadas em jornais) e as atividades de comerciante, herdadas do pai. Em 1877 começou a dar sinais a tuberculose, doença que já lhe tirara o irmão e a irmã. Estas mortes servem de inspiração a um de seus principais poemas, Nós (1884). 2
  • 3. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde Contexto Cultural e literário da Época Regeneração política: rotativismo; Regeneração Social: aburguesamento da nobreza e nobilitação da burguesia; Regeneração citadina: desenvolvimento do Porto e Lisboa; Regeneração Sociocultural: escritores “revolucionários”- filosofia alemão, crítica francesa; Positivismo, Naturalismo, História, Metafísica… •A Questão Coimbrã: Texto polémico de Antero de Quental «Bom senso e Bom Gosto» (1865) / Oposição entre A. Quental e F. Castilho •A Geração de 70: elite intelectual que promoveu um movimento cultural e literário renovador - livre discussão de problemas sociais, políticos, filosóficos, culturais, religiosos e outros, de forma a arrancar a literatura portuguesa, mas sobretudo, de uma maneira geral, a cultura portuguesa do tédio e mediocridade resultante da degenerescência romântica. •As Conferências de Casino(1871): «O Realismo como nova expressão de arte» 3
  • 4. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde Influências Artísticas e Estéticas na Poesia de Cesário Verde Realismo O real como motivo e ponto de partida; Atitude crítica em relação à sociedade; Observação e análise do real; Poetização do real e do quotidiano. Naturalismo Base realista Positivismo: indução e métodos experimentais; Determinismo: espécie de realismo científico, de índole determinista (segundo o método de Taine: raça, meio e momento histórico); Temas: educação, adultério, opressão… Olhar comovido e solitário com os trabalhadores 4
  • 5. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde Influências Artísticas e Estéticas na Poesia de Cesário Verde Impressionismo Captação impressionista da realidade; O real apreendido através de impressões (cor, luz, movimento, seres e coisas fugazes) que estimulam o sujeito poético e lhe despertam sensações/emoções/reflexões; Relação próxima com o sensacionismo, o simbolismo e o surrealismo. Parnasianismo A busca da perfeição formal; A regularidade estrófica e métrica (decassílabo e alexandrino); Valorização do prosódico. 5
  • 6. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde A Poesia de Cesário Verde Características Temáticas Binómio CAMPO / CIDADE Cidade Campo • Doença, estagnação, morte, ausência • Saúde, vitalidade, harmonia, vivência de afeto. plena de afetos . • Vida marcada pela artificialidade e • Vida marcada pela naturalidade e pela desumanidade. pelos ciclos biológicos e comunitários do Homem. • Progresso industrial e domínio da • Agricultura e domínio do Homem e da máquina, do ferro e do betão. Natureza. • Aprisionamento e opressão. • Liberdade. • Exploração, pobreza, injustiça social. • Valores tendencialmente igualitários e justiça social. • Domínio da burguesia (comercial e • Afirmação do povo e dos valores industrial) rurais. 6
  • 7. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde A Poesia de Cesário Verde Características Temáticas Binómio CAMPO / CIDADE «O sentimento Dum Ocidental» / «Cristalizações» / «Num Bairro Moderno»: a vida na cidade é caracterizada como doentia, entediante, opressiva, vazia. «Nós»: É no campo que os sujeitos líricos encontram o equilíbrio, os afetos, a liberdade, a vitalidade e uma forma de harmonia com a Natureza, que restituem ao indivíduo a dimensão humana e natural que a cidades lhes tira. Importante: mesmo na cidade emergem imagens e sugestões campestres, como que a lembrar a vocação do ser humano para uma vida harmoniosa e natural, que só no campo se encontra e que a cidade desumaniza. Estes apontamentos do campo na cidade enfatizam a crítica social e a oposição campo/cidade e podem ser entendidos como o convite à fuga para o campo. 7
  • 8. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde A Poesia de Cesário Verde Características Temáticas A Mulher A mulher fatal A mulher frágil e inocente  Caraterísticas:  Caraterísticas: • Pertence a um estrato social superior • É simples, inocente, pura e bondosa; ao do sujeito poético; • É frágil e desamparada; • É elegante; • Está associada ao povo. • Mostra desprezo em relação ao eu.  Efeitos no Sujeito poético:  Efeitos sobre o sujeito poético: • Atrai-o irresistivelmente, levando-o a • A sua vulnerabilidade desperta nele o sentir prazer sem ser seduzido e a instinto de proteção; revoltar-se pela humilhação a que ela • A sua pureza e bondade levam-no a o sujeita.. desejar redimir-se das suas faltas de modo a ser digno dela; • Suscita no sujeito poético a vontade de também ele ser honesto e tranquilo. 8
  • 9. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde  A Mulher - Presença obsessiva da figura feminina, vista: • Negativamente, porque contaminada pela civilização urbana mulher opressora – mulher nórdica, fria, símbolo da eclosão do desenvolvimento da cidade como fenómeno urbano, sinédoque da classe social opressora e, por isso, geradora de um erotismo da humilhação (ex: «Frígida», «Deslumbramentos» e «Esplêndida»), em que se reconhece a influência de Baudelaire; • Positivamente, porque relacionada com o campo e seus valores salutares mulher anjo – visão angelical, reflexo de uma entidade divina, símbolo de pureza campestre, com traços de uma beleza angelical, frequentemente com os cabelos loiros, dotada de uma certa fragilidade («Em Petiz», «Nós», «De Tarde» e «Setentrional») – também tem um efeito regenerador; mulher regeneradora – mulher frágil, pura, natural, simples, representa os valores do campo na cidade, que regenera o sujeito poético e lhe estimula a imaginação (ex: as figuras femininas de a «A Débil» e «Num Bairro Moderno»); mulher oprimida – tísica, resignada, vítima da opressão social urbana, humilhada, com a qual o sujeito poético se sente identificado ou por quem nutre compaixão (ex: «Contrariedades»); mulher como sinédoque social – (ex: as «burguesinhas» e as varinas de «O Sentimento dum Ocidental» mulher como objeto do estímulo erótico: vista enquanto estímulo dos sentidos 9 carnais, sensuais, como impulso erótico (ex: atriz de «Cristalizações»).
  • 10. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde Aspetos fundamentais da poesia de Cesário Verde •Poesia de cariz realista •Captação impressionista da realidade •Objetividade/Subjetividade •Dimensão Social •Binómio cidade/campo A cidade: lugar que “desperta um desejo absurdo de sofrer”, lugar de atração e de repulsa, de futilidade, de moda, de corrupção, de doença e de “aprisionamento” da dor humana. O campo: lugar de saúde e de riqueza, de vitalidade e de energia, de simplicidade e de verdade. •Inovação poética a busca da perfeição formal; valorização poética do vocabulário quotidiano e coloquial; uso de estrangeirismos da época; utilização do adjetivo e do advérbio em combinação com a pontuação expressiva; uso original de comparações e metáforas transfiguradoras. 10
  • 11. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde Características estilísticas da poesia de Cesário Verde •Marcas da estrutura narrativa – espaço, tempo, ação e personagens; •Rigor formal (versos decassilábicos ou alexandrinos – 12 sílabas métricas – e quadras ou quintilhas com rima e métrica definidas) – parnasianismo; •Vocabulário preciso, concreto, prático - linguagem corrente; •Predomínio da coordenação; •Conjugação perifrástica (“Ia passando”; hei de ver”); •Modernidade da linguagem: Tom coloquial; •Adjetivação (dupla, tripla,...) •Anteposição do adjetivo ao substantivo (primeiro realça-se a característica e depois o objeto) - impressionismo; •Expressividade do advérbio; •Verbos (utilização, por exemplo, do P. perfeito – característica do momento narrativo – e do P. imperfeito – característica do momento descritivo); •Diminutivos. 11
  • 12. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde Características estilísticas da poesia de Cesário Verde Figuras de estilo mais usadas •Assíndeto (as ideias não são ligadas por nenhuma conjunção) – ritmo mais violento e agressivo •Ironia •Comparação •Metáfora •Sinestesia (troca de sentidos: dá sensação àquilo que não a pode ter. Ex: “brancuras quentes”; “luz macia”) •Estrangeirismos •Hipálage (atribuição de uma qualidade a um objeto que logicamente não lhe pertence. Ex: “E às portas, uma ou outra campainha toca, frenética, de vez em quando.”) •Gradação •Adjetivação •Enumeração •Antítese •Transporte (continuação da ideia no verso seguinte) 12
  • 13. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde Cesário Verde: «Pinto Quadros por Sinais» Análise Deambulação Contrastes Binómio: Cidade|Campo Humilhação Questão Social Objetividade | Realismo Sentidos Metáforas Impressionismo Transfiguração | Poetização do Real 13
  • 14. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde Para refletir: “Cesário Verde ensinou a poesia de respirar, de caminhar, de ver com amor, ingenuamente, sem prevenções, tudo quanto a vida nos oferece. (…) E a poesia do trabalho útil. (…) E uma linguagem nova, de seiva burguesa e popular, rica de termos concretos, bastante dúctil e atrevida, para sugerir a mistura de sensações e as rápidas interferências do físico e do anímico, uma linguagem impressionista e fantasista, e, ao mesmo tempo, nervosa, sacudida, coloquial.” Ah! Ninguém entender que ao meu olhar Tudo tem certo espírito secreto! Jacinto Prado Coelho, Problemática da História Literária, 2ªed. Revista e Com folhas de saudade um objeto ampliada, Lisboa, Edições Ática, 1961, pp. 184‐185 in CABRAL, A. S. Deita raízes duras de arrancar. ((s/d) Cesário Verde – Propostas de Análise, Edições Sebenta – Português, p. 31 «Nós» 14
  • 15. Dina Baptista | www.sebentadigital.com EB 2,3/S de Vale de Cambra 2011/2012 | Português – 11º ano | Cesário Verde Bibliografia de apoio: Pinto, A. D.; Miranda, P. e Nunes, P. (2011) Português 11ºano. Projetos Desafios, Santilhana. Links a consultar sobre Cesário Verde: . Vida e Obra: http://www.vidaslusofonas.pt/cesario_verde.htm http://www.astormentas.com/biografia.aspx?t=autor&id=Ces%c3%a1rio%20Verde http://www.terravista.pt/guincho/4600 http://www.faroldasletras.no.sapo.pt/cesario_verde.htm . Ficha Informativa / Sistematização: http://www.prof2000.pt/users/jsafonso/Port/verde.htm http://www.ipn.pt/opsis/litera/verde.htm http://www.iep.uminho.pt/aac/lic/te/ate04/WQp/verde/index.htm 15