SlideShare uma empresa Scribd logo
O MODERNISMO NO BRASIL
Profª Míriam Zelmikaitis
A SEMANA DA ARTE MODERNA
Ocorreu em São Paulo de 13 a 17 de fevereiro de 1922, no Teatro Municipal.
A SEMANA DA ARTE MODERNA
1822 – INDEPENDÊNCIA POLÍTICA DO BRASIL.
1922 – INDEPENDÊNCIA CULTURA DO BRASIL
• Industrialização, Greves e turbulências sociais;
• Surgimento da Burguesia Industrial, principalmente em São Paulo;
• Aumento do número de imigrantes europeus (notadamente italianos);
• Descontentamento da burguesia industrial com a política voltada para a produção e a
exportação do café;
• 1ª Guerra Mundial e Revolução Russa;
• A Primeira Guerra Mundial trouxe instabilidade na economia mundial.
• Em 1929, a Bolsa de Valores de Nova Iorque causou falência a milhares de burgueses no
mundo todo, inclusive no Brasil. A burguesia brasileira encontrava-se envolta nas tradições
culturais francesas, na “Belle Époque”, todo produto francês era bom e refinado.
CONTEXTO HISTÓRICO
A SEMANA DA ARTE MODERNA
VANGUARDA: Movimento formado por grupos de pessoas que, por seus conhecimentos ou por
sua tendência natural, exercem papel de precursoras ou de pioneiras em determinado
movimento cultural, artístico ou científico.
• Vanguardas europeias – conceitos importados ! (Cubismo, futurismo, expressionismo,
dadaísmo, surrealismo) = ironia.
• Renovação, nova visão de arte.
• Brasilidade – pré-modernidade
INFLUÊNCIA
A SEMANA DA ARTE MODERNA
• 1912 – Chegada de OSWALD DE ANDRADE da Europa trazendo as ideias cubistas e futuristas.
Ele afirmou:
“Estamos atrasados cinquenta anos em cultura, chafurdados em pleno Parnasianismo.”
• 1913 – Exposição de pintura EXPRESSIONISTA de Lasar Segall
Mario de Andrade falou a respeito:
“ A primeira exposição de pintura não acadêmica em nosso país.”
ANTECEDENTES
A SEMANA DA ARTE MODERNA
PERFIL DE ZULMIRA INDIGENTES
• 1917 – Exposição de ANITA MALFATTI – primeiro confronto aberto entre o velho (Monteiro
Lobato com o artigo “Paranoia ou Mistificação”) e o novo (jovens artistas de São Paulo).
ANTECEDENTES
A SEMANA DA ARTE MODERNA
Há duas espécies de artistas. Uma composta dos que
veem normalmente as coisas. (...) A outra espécie é a
formada pelos que veem anormalmente a natureza e
interpretam-na à luz de teorias efêmeras sob a sugestão
estrábica de escolas rebeldes, surgidas cá e lá como
furúnculos da cultura excessiva. (...)”
Monteiro Lobato
A BOBA
• 1920 – Exibição, em São Paulo, da Maquete da obra MONUMENTO ÀS BANDEIRAS”, de Victor
Brecheret.
Menotti del Picchia falou a respeito: “Foi sua arte magnífica que abriu os nossos cérebros.”
ANTECEDENTES
A SEMANA DA ARTE MODERNA
A SEMANA DA ARTE MODERNA
ANTECEDENTES
• GRAÇA ARANHA
Embora autor pré-moderno, aderiu ao movimento
artístico dos jovens paulistas.
Abriu a semana, na primeira noite com o texto “A emoção
estética na arte moderna”.
A SEMANA DA ARTE MODERNA
• CONFERÊNCIAS
• RECITAIS
• EXPOSIÇÕES
• LEITURAS
• CONVENÇÕES
• APRESENTAR O PROJETO: NOVA VISÃO DE ARTE.
O EVENTO
A SEMANA DA ARTE MODERNA
• Artistas plásticos: Vitor Brecheret, Anita Malfatti, Di Cavalcanti,
Vicente de Rego Monteiro.
• Escritores: Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Ronald de
Carvalho, Graça Aranha, Menotti del Picchia.
• Músicos: Villa-Lobos, Guiomar Novaes, Ernâni Braga, Frutuoso
Viana.
• Arquitetos: Antônio Garcia Moya, Georg Pryzrembel.
PARTICIPANTES
A SEMANA DA ARTE MODERNA
• DESINTEGRAÇAO DO PASSADO
• ATUALIZAÇÃO INTELECTUAL
• PESQUISA
• CRIAÇÃO ESTÉTICA (renovação, miscelânea)
• CONSCIÊNCIA CRIADORA NACIONAL.
(Mário de Andrade)
CARACTERÍSTICAS/IMPORTÂNCIA
A SEMANA DA ARTE MODERNA
• Foi o marco da modernidade e da renovação da linguagem;
• Marcou uma revolução no modo de ver e pensar o Brasil. A ideia era
por fim a maneira de falar difícil e não dizer nada, ou seja, eliminar o
velho da vida intelectual brasileira.
• Ocorreu em um período de turbulências políticas, sociais e econômicas
e culturais;
• A Semana foi um acontecimento cultural da maior significação, e abriu
para o país perspectivas que, extrapolando do campo puramente
cultural, teriam repercussões na área política. (José Roberto Teixeira-Arte
no Brasil,vol.2.)
CARACTERÍSTICAS/IMPORTÂNCIA
A SEMANA DA ARTE MODERNA
• A Semana , organizada por intelectuais das duas cidades, Graça Aranha
à frente, tinha por objetivo dar ao público de São Paulo “a perfeita
demonstração do que há em nosso meio em escultura, arquitetura,
música e literatura sob o ponto de vista rigorosamente atual.”(...)
• Como diversos participantes da Semana ocupavam cargos de destaque na redação de
prestigiosos jornais da época, o evento teve desde o início grande divulgação, embora
também não faltasse quem se opusesse à sua concretização.
• O objetivo da Semana foi renovar o estagnado ambiente artístico e cultural de São
Paulo e do país e descobrir o Brasil, repensando-o de modo a desvinculá-lo,
esteticamente, das amarras que ainda o prendiam à Europa.
• Não foi bem aceita e nem entendida quando passada.
CARACTERÍSTICAS/IMPORTÂNCIA
MODERNISMO NO BRASIL
O Modernismo não parou na Semana de 22. Nas décadas de 30 e 40 surgiram muitos
outros artistas mostrando suas novidades. Preocupados em relatar mudanças sócio-
políticas e incentivando o nacionalismo ou criando novas tendências, eles serão
responsáveis pela nova visão artística brasileira.
O Modernismo foi dividido em três fases:
1ª fase – 1922 a 1930 (heroica) - mais radical e fortemente oposta a tudo que foi
anterior, cheia de irreverência e escândalo;
2ª fase – 1930 a 1945 - mais amena, que formou grandes romancistas e poetas;
3ª fase – 1945 a 1960(?) - também chamada Pós-Modernismo por vários autores,
que se opunha de certo modo a primeira fase e era por isso ridicularizada com o apelido
de neoparnasianismo.
A LINGUAGEM DO MODERNISMO
• Nacionalismo;
• Revisão crítica do passado;
• Valorização de temas do cotidiano;
• Subjetivismo;
• Urbanismo;
• Versos livres;
• Pontuação relativa.
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO MODERNISMO
MarkHamaford/GettyImages
1ª FASE DO MODERNISMO: DESTRUIÇÃO (1922-1930)
1ª FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930
• CRISE ECONÔMICA
• REVOLTA TENENTISTA
• FUNDAÇÃO DO PARTIDO COMUNISTA
• SÃO PAULO COMO CENTRO ECONÔMICO E CULTURAL
• SEMANA DE ARTE MODERNA
CONTEXTO HISTÓRICO
1ª FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930
• FASE HEROICA – 1922 a 1930;
• EXPERIMENTALISMO
• PESQUISA ESTÉTICA: aprofundamento das questões estéticas da Semana;
• ROMPIMENTO ACADÊMICO: liberdade formal
• ROMPIMENTO COM ESTRUTURAS DO PASSADO, tentativa de repensar a história e a
literatura brasileiras;
• BUSCA DO MODERNO, original e polêmico, a fase mais radical, assumindo um caráter
anárquico e destruidor
CARACTERÍSTICAS
1ª FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930
• BUSCA DE UMA LÍNGUA BRASILEIRA, falada pelo povo nas ruas;
• NACIONALISMO: - Crítico: consciente de denúncia da realidade e identificado
politicamente pelas esquerdas; - Ufanista: utópico, exagerado, identificado com as
correntes de extrema direita;
• VOLTA ÀS ORIGENS: valorização do índio verdadeiramente brasileiro;
redescobrimento das tradições, as lendas, o folclore; libertou o Brasil do fascínio pela
Europa - reconstrução da cultura brasileira sobre bases nacionais;
• PARÓDIAS/HUMOR .
• COTIDIANO / ESPAÇO URBANO
• REVISÃO CRÍTICA DO PASSADO: eliminação do complexo de colonizado;
CARACTERÍSTICAS
O MODERNISMO NO BRASIL
O MODERNISMO BRASILEIRO foi um amplo movimento cultural, uma verdadeira
revolução, que repercutiu fortemente sobre a cena artística e a sociedade
brasileira na primeira metade do séc. XX, sobretudo no campo da literatura e das
artes plásticas.
• Envolvidos por um espírito demolidor, os escritores se voltaram contra o
academicismo e romperam com os padrões estéticos vigentes. Avessos às regras, os
modernistas propuseram as “palavras em liberdade”.
• Comparado a outros movimentos modernistas, o brasileiro foi desencadeado
tardiamente, na década de 20.
• Foi resultado, em grande parte, da assimilação de tendências culturais e artísticas
lançadas pelas vanguardas europeias
• Refletiu na procura da abolição de todas as regras anteriores e a procura da novidade
e da velocidade.
A LINGUAGEM DO MODERNISMO
• Contra o academicismo;
• Ruptura com os padrões estéticos vigentes;
• “Palavras em liberdade”;
• Simultaneidade de imagens;
• Fragmentação da realidade;
• Urbanismo e modernidade como tema;
• Noção de progresso;
• Elementos-surpresa;
• Humor, sarcasmo, irreverência.
MuseudeArteModernadoRiodeJaneiro,RJ
A LINGUAGEM DO MODERNISMO
OBSERVE A DIFERENÇA ENTRE ACADÊMICOS E MODERNISTAS:
Vista do Cavalão – George Grimm Gado na Montanha – Lasar Segall
Paisagem acadêmica Paisagem modernista
A LINGUAGEM DO MODERNISMO
OBSERVE A DIFERENÇA ENTRE ACADÊMICOS E MODERNISTAS:
Moisés e Jocabed – Pedro Américo Maternidade – Lasar Segall
Figura Humana Acadêmica Figura Humana Modernista
Antropofagia – Tarsila do Amaral
Abaporu – Tarsila do Amaral
A boba – Anita Malfaltti
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930
Principais Manifestos e Revistas
Revistas
• Revista Klaxon - Mensário de Arte Moderna (1922-1923) – São Paulo
• A Revista (1925-1926) – Belo Horizonte
• A Festa – Rio de Janeiro
• Revista Antropofagia (1928-1929) - Surgida como consequência do Manifesto
Antropófago - escrito por Oswald de Andrade
Manifestos – mostram os ideais dos artistas, mostrando o Brasil.
• Manifesto da Poesia Pau-Brasil (1924-1925)
• Antropófago
• Verde-Amarelismo (1926-1929)
• Manifesto Regionalista de 1926
• Anta
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930
A repercussão das ideias modernistas de SP e RJ contribuiu para animar os grupos de vanguarda que
começavam a surgir em vários pontos do país. Esses grupos tiveram duração efêmera, mas são um sinal de
inquietação artística e cultural que marcou a época.
Movimento Pau-Brasil
• Lançado em 1924 por Oswald de Andrade, esse movimento apresenta uma posição primitivista,
buscando uma poesia ingênua, de redescoberta do Brasil. Exalta o progresso e era presente, ao mesmo
tempo em que combate a linguagem retórica e vazia.
Movimento Verde-Amarelo e Grupo da Anta
• Recusando todo e qualquer contágio com ideias europeias, este movimento foi uma reação às intenções
primitivas do Movimento Pau-Brasil. Liderado por Cassiano Ricardo, Menotti Del Picchia e outros, o
grupo acabou caindo num nacionalismo ufanista, escolhendo como símbolo de suas ideias a anta, animal
uma função mítica na cultura tupi. Em 1926, esse movimento converteu-se no chamado Grupo da Anta,
que seguiu uma linha de orientação política nitidamente de direita.
GRUPOS E MOVIMENTOS MODERNISTAS
Movimento Antropofágico
• O Movimento Antropofágico, de 1928, liderado por Oswald de Andrade.
• Seu nome origina-se da tela Abaporu (O que come) de Tarsila do Amaral
• Para ele, a renovação da arte nasceria a partir da retomada dos valores indígenas, da liberação do
instinto e da valorização da inocência.
ColeçãoMaríliadeAndrade,Campinas,
SãoPaulo
• O objetivo : atitude brasileira de devorar os valores europeus, a fim de
superar a civilização patriarcal e capitalista, com suas normas rígidas no
plano social e os seus recalques impostos, no plano psicológico.
• O manifesto antropofágico colocou em questão o capitalismo do terceiro
mundo: a dependência. Denunciou o bacharelismo das camadas cultas que
copiavam os países capitalistas hegemônicos.
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930
GRUPOS E MOVIMENTOS MODERNISTAS
Principais OBRAS
Poesia:
Há uma Gota de Sangue em Cada Poema (1917);
Paulicéia Desvairada (1922);
Losango Cáqui (1926);
Pau-Brasil (1926)
Clã do Jaboti (1927);
Primeiro Caderno do Aluno de Poesia Oswald de Andrade (1927)
Remate de Males (1930);
Prosa:
Os Condenados (trilogia) (1922-1934);
Memórias Sentimentais de João Miramar (1924);
Primeiro Andar (1926);
Amar, Verbo Intransitivo: idílio (1927);
Macunaíma, o herói sem nenhum caráter (1928);
Serafim Ponte Grande (1933);
Belazarte (1934);
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930
• AGITADOR
• POLÊMICO
• NACIONALISTA
• CONTRA CONVEÇÕES
• SATÍRICO / IRÔNICO
• OBRAS:
- Prosa: MEMÓRIAS SENTIMENTAIS DE JOÃO MIRAMAR
SERAFIM PONTE GRANTE
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
OSWALD DE ANDRADE (1890-1853)
Obras polêmicas, diferentes:
muito criticadas, mistura de
gêneros, recortes, imagens.
• Com seu espírito irrequieto e polêmico, foi uma das figuras mais dinâmicas do
movimento modernista. Nas suas viagens à Europa, entrou em contato com ideias
vanguardistas, que depois divulgou no Brasil. Exerceu inúmeras atividades ligadas à
literatura: foi jornalista, poeta, romancista e autor de peças teatrais.
• Formado em Direito, Oswald era um playboy extravagante: usa luvas xadrez e tinha um Cadillac verde
apenas porque este tinha cinzeiro, para citar apenas algumas de suas muitas extravagâncias. Amigo de
Mário de Andrade, era seu oposto: milionário, extrovertido, mulherengo (casou-se 5 vezes, como: Tarsila
do Amaral e Patrícia "Pagu" Galvão). Fazendeiro de café, perdeu tudo e foi à falência em 1929.
• Lançou o Movimento Pau-Brasil e a Antropofagia.
• Militante esquerdista, passou a divulgar o Comunismo junto com Pagu em 1931, mas desligou-se do
Partido em 1945.
• Sua obra é marcada por irreverência, coloquialismo, nacionalismo, exercício de demolição e crítica.
Incomodar os acomodados, estimular o leitor através de palavras de coragem eram constantes
preocupações desse autor. Destrói a retórica.
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
OSWALD DE ANDRADE (1890-1853)
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
OSWALD DE ANDRADE (1890-1853)
CANTO DE REGRESSO À PÁTRIA
Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui
Não cantam como os de lá
Minha terra tem mais rosas
E quase que mais amores
Minha terra tem mais ouro
Minha terra tem mais terra
Ouro terra amor e rosas
Eu quero tudo de lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte pra São Paulo
Sem que veja a Rua 15
E o progresso de São Paulo
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
OSWALD DE ANDRADE (1890-1853)
PRONOMINAIS
Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e bom
branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro.
• MENTOR INTELECTUAL
• PESQUISA ESTÉTICA
• TÉCNICO
• IMPULSO INCONSCIENTE
• VALORIZAÇÃO DE SÃO PAULO
• OBRAS:
- PAULICÉIA DESVAIRADA
- MACUNAÍMA
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
MARIO DE ANDRADE (1893-1945)
• Um dos organizadores do Modernismo e da SAM, foi o que apresentou projeto mais
consistente de renovação. Começou escrevendo críticas de arte e poesia (ainda
parnasiana) com o pseudônimo de Mário Sobral. Rompeu com o Parnasianismo e o
passado com Paulicéia Desvairada e a Semana, da qual participou ativamente.
• Injetou em tudo que fez um senso de problemático brasileirismo, daí sua investida no folclore. De
jeito simples, sua coloquialidade desarticulou o espírito nacional de uma montanha de preconceitos
arcaicos. Lutou sempre por uma literatura brasileira e com temas brasileiros.
• “O passado é lição para se meditar e não para se reproduzir” - afirmava assim a necessidade de um
presente novo, inventivo.
• Acreditava na arte como instrumento de debate e de combate, comportamento evidenciado em
Paulicéia Desvairada. Esta obra oferece uma panorâmica da cidade e de sua vida, ao criticar a mania
obsessiva de posse, aqui também satiriza a incompetência dos administradores.
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
MARIO DE ANDRADE (1893-1945)
Trecho de Paulicéia Desvairada
Prefácio Interessantíssimo
Leitor:
Está fundado o Desvairismo. Este prefácio, apesar de Interessante, inútel. Alguns dados. Nem todos. Sem
conclusões. Para quem me aceita são Inúteis amos. Os curiosos terão prazer em descobrir minhas
conclusões, confrontando obra e dados. Para quem Eu rejeito trabalho perdido explicar o que, antes de ler,
já Não aceitou.
Quando sinto um impulso lírico escrevo sem pensar tudo o que meu Inconsciente me grita. Penso depois:
não só para corrigir, como para justificar o Que escrevi. Daí a reason deste Prefácio Interessantíssimo. Aliás
muito difícil na prosa sabre onde termina um Blague, onde principia a seriedade. Nem eu Sei.
E desculpo-me por estar tão atrasado, dos Movimentos artísticos atuais. Sou passadista,
confesso . Ninguém pode se libertar duma só Vez das teorias-avós que bebeu; E O autor deste livro seria
hipócrita si Finesse representar orientação moderna que ainda não compreende bem.[...]
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
MARIO DE ANDRADE (1893-1945)
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
MARIO DE ANDRADE (1893-1945)
MACUNAÍMA
• O herói sem nenhum caráter – mostra as verdadeiras
facetas do brasileiro.
• Valorização do anti-herói
• Síntese étnica.
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
MANUEL BANDEIRA (1886-1968)
• Bandeira – resgate do lirismo poético quase abandonado fase antipassadista;
• O autor alcançou seu ponto mais alto como modernista no livro Libertinagem (1930),
no qual desenvolve plenamente sua linguagem coloquial e irônica, atingindo grande
dramaticidade.
• É uma das figuras mais importantes da poesia brasileira e um dos iniciadores do
Modernismo.
• A poesia de Bandeira destaca-se pela consciência técnica com que manipulou o verso
livre. Participa indiretamente da SAM, quando Ronald de Carvalho declama seu poema
Sapos.
• Sempre pensando que morreria cedo (tuberculoso), acabou vivendo muito e
marcando a literatura brasileira. Morte e infância são as molas propulsoras de sua
obra. Ironizava o desânimo provocado pela doença,
• Além de ser um poeta fabuloso, também foi ensaísta, cronista e tradutor. O próprio
autor define sua poesia como a do "gosto humilde da tristeza". Possui estilo simples e
direto. Aborda temáticas cotidianas e universais, às vezes com uma abordagem de
"poema-piada", lidando com formas e inspiração que a tradição acadêmica considera
vulgares.
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
MANUEL BANDEIRA (1886-1968)
VOU-ME EMBORA PRA PASÁRGADA
Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconsequente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive
E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d'água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada
Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcaloide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar
E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
— Lá sou amigo do rei —
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
MANUEL BANDEIRA (1886-1968)
MANUEL BANDEIRA
Principais Obras
Poesia
A cinza das horas, 1917
Carnaval, 1919
O ritmo dissoluto, 1924
Libertinagem, 1930
Estrela da manhã, 1936
Mafuá do malungo, 1948
Estrela da tarde, 1960
Estrela da vida inteira, 1966
Prosa
Crônicas da Província do Brasil - Rio de Janeiro, 1936
Guia de Ouro Preto, Rio de Janeiro, 1938
Noções de História das Literaturas - Rio de Janeiro, 1940
Autoria das Cartas Chilenas - Rio de Janeiro, 1940
Apresentação da Poesia Brasileira - Rio de Janeiro, 1946
Gonçalves Dias, Biografia - Rio de Janeiro, 1952
Itinerário de Pasárgada - Rio de Janeiro, 1954
De Poetas e de Poesia - Rio de Janeiro, 1954
A Flauta de Papel - Rio de Janeiro, 1957
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
ALCÂNTARA MACHADO (1901-1935)
• Alcântara Machado – conciliação de inovações técnicas e linguagem jornalística com a
fala coloquial dos ítalo-paulistas.
• Foi um importante escritor modernista da primeira fase, apesar de não ter participado
da SAM, integrando o grupo somente em 25. Produziu prosa ficcional, renovando sua
estrutura para construir histórias curtas e do cotidiano. Privilegia o imigrante,
principalmente o italiano, e sua fusão, ampliando o universo cultural de São Paulo.
• Apesar de não ser tão radical como os outros modernistas contemporâneos seus,
usava uma linguagem em seus contos que se aproximava muito do falado. Seus
personagens do livro de contos Brás, Bexiga e Barra Funda falavam uma mistura de
italiano e português. Retrata uma realidade citadina e realista, num tom divertido,
enfatizando a vida difícil dos imigrantes e sua ascensão.
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES
ALCÂNTARA MACHADO (1901-1935)
• Pathé-Baby (1926), romance
• Brás, Bexiga e Barra Funda (1927), contos
• Laranja da China (1928), contos
• Mana Maria (inacabado), romance
• Cavaquinho e saxofone (1940, póstuma), crônicas e ensaios
• Contos Avulsos (1961, póstuma), contos
A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930
outros AUTORES
• Cassiano Ricardo
- Vamos caçar papagaio (1926)
• Plínio Salgado
- O Estrangeiro (1926)
• Raul Bopp
- Cobra Norato (1931)
• Guilherme de Almeida
• Menotti del Picchia
• Ronald de Carvalho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
Thiago Rodrigues
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
seixasmarianas
 
Modernismo primeira fase
Modernismo  primeira faseModernismo  primeira fase
Modernismo primeira fase
Gabriel Monteiro
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
José Ricardo Lima
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
Matheus Italo Nascimento
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
Arte Educadora
 
Semana de arte moderna apresentação 1
Semana de arte moderna apresentação 1Semana de arte moderna apresentação 1
Semana de arte moderna apresentação 1
Raquel Corrêa
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
Ademir Miranda
 
Arte de vanguarda
Arte de vanguardaArte de vanguarda
Arte de vanguarda
Lucinda Marques
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Robson Oliveira
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
alinesantana1422
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"
Paula Meyer Piagentini
 
Slide semana de arte moderna
Slide   semana de arte modernaSlide   semana de arte moderna
Slide semana de arte moderna
Ana Paim
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
Junior Onildo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumoHistoria da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Andrea Dressler
 
Concretismo No Brasil
Concretismo No BrasilConcretismo No Brasil
Concretismo No Brasil
Thalles Yvson
 
Arte moderna slide
Arte moderna slideArte moderna slide
Arte moderna slide
Isabel Aguiar
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
Marô de Paula
 

Mais procurados (20)

Primeira Geração Modernista
Primeira Geração ModernistaPrimeira Geração Modernista
Primeira Geração Modernista
 
Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922Semana de arte moderna 1922
Semana de arte moderna 1922
 
Modernismo primeira fase
Modernismo  primeira faseModernismo  primeira fase
Modernismo primeira fase
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 
Semana de arte moderna apresentação 1
Semana de arte moderna apresentação 1Semana de arte moderna apresentação 1
Semana de arte moderna apresentação 1
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
 
Arte de vanguarda
Arte de vanguardaArte de vanguarda
Arte de vanguarda
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"
 
Slide semana de arte moderna
Slide   semana de arte modernaSlide   semana de arte moderna
Slide semana de arte moderna
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumoHistoria da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
 
Concretismo No Brasil
Concretismo No BrasilConcretismo No Brasil
Concretismo No Brasil
 
Arte moderna slide
Arte moderna slideArte moderna slide
Arte moderna slide
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
 

Semelhante a Modernismo no Brasil - 1ª fase

Modernismo2018
Modernismo2018Modernismo2018
Modernismo2018
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
Miquéias Vitorino
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
EndelCosta1
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
EndelCosta1
 
Aula 2
Aula 2 Aula 2
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
PATRICIA VIANA
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Trabs Molezinha
Trabs MolezinhaTrabs Molezinha
Trabs Molezinha
yannvp1
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Juliana Oliveira
 
modernismo no Brasil apresentação 1.pptx
modernismo no Brasil apresentação 1.pptxmodernismo no Brasil apresentação 1.pptx
modernismo no Brasil apresentação 1.pptx
coletivoddois
 
Trabalho de pt
Trabalho de ptTrabalho de pt
Trabalho de pt
andrezinhacesar
 
Apresentaçãosobremodernismoliteratura.pptx
Apresentaçãosobremodernismoliteratura.pptxApresentaçãosobremodernismoliteratura.pptx
Apresentaçãosobremodernismoliteratura.pptx
CarlaJamilly1
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Semana da Arte Moderna
Semana da Arte ModernaSemana da Arte Moderna
Semana da Arte Moderna
Rejane Medeiros
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Priscila Barbosa
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
Francisvaldo Cândido de Brito
 
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua eTendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
Ed de Souza
 
Semana de 22 modernistas
Semana de 22   modernistasSemana de 22   modernistas
Semana de 22 modernistas
Carlos Zaranza
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
Jonatas Carlos
 

Semelhante a Modernismo no Brasil - 1ª fase (20)

Modernismo2018
Modernismo2018Modernismo2018
Modernismo2018
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
 
Aula 2
Aula 2 Aula 2
Aula 2
 
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 
Trabs Molezinha
Trabs MolezinhaTrabs Molezinha
Trabs Molezinha
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
 
modernismo no Brasil apresentação 1.pptx
modernismo no Brasil apresentação 1.pptxmodernismo no Brasil apresentação 1.pptx
modernismo no Brasil apresentação 1.pptx
 
Trabalho de pt
Trabalho de ptTrabalho de pt
Trabalho de pt
 
Apresentaçãosobremodernismoliteratura.pptx
Apresentaçãosobremodernismoliteratura.pptxApresentaçãosobremodernismoliteratura.pptx
Apresentaçãosobremodernismoliteratura.pptx
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 
Semana da Arte Moderna
Semana da Arte ModernaSemana da Arte Moderna
Semana da Arte Moderna
 
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºBEscola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
Escola CEJAR - Aquidauana - Apostila 9º A e B 1ºB
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua eTendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
 
Semana de 22 modernistas
Semana de 22   modernistasSemana de 22   modernistas
Semana de 22 modernistas
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 

Último

Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 

Último (20)

Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 

Modernismo no Brasil - 1ª fase

  • 1. O MODERNISMO NO BRASIL Profª Míriam Zelmikaitis
  • 2. A SEMANA DA ARTE MODERNA Ocorreu em São Paulo de 13 a 17 de fevereiro de 1922, no Teatro Municipal.
  • 3.
  • 4. A SEMANA DA ARTE MODERNA 1822 – INDEPENDÊNCIA POLÍTICA DO BRASIL. 1922 – INDEPENDÊNCIA CULTURA DO BRASIL
  • 5. • Industrialização, Greves e turbulências sociais; • Surgimento da Burguesia Industrial, principalmente em São Paulo; • Aumento do número de imigrantes europeus (notadamente italianos); • Descontentamento da burguesia industrial com a política voltada para a produção e a exportação do café; • 1ª Guerra Mundial e Revolução Russa; • A Primeira Guerra Mundial trouxe instabilidade na economia mundial. • Em 1929, a Bolsa de Valores de Nova Iorque causou falência a milhares de burgueses no mundo todo, inclusive no Brasil. A burguesia brasileira encontrava-se envolta nas tradições culturais francesas, na “Belle Époque”, todo produto francês era bom e refinado. CONTEXTO HISTÓRICO A SEMANA DA ARTE MODERNA
  • 6. VANGUARDA: Movimento formado por grupos de pessoas que, por seus conhecimentos ou por sua tendência natural, exercem papel de precursoras ou de pioneiras em determinado movimento cultural, artístico ou científico. • Vanguardas europeias – conceitos importados ! (Cubismo, futurismo, expressionismo, dadaísmo, surrealismo) = ironia. • Renovação, nova visão de arte. • Brasilidade – pré-modernidade INFLUÊNCIA A SEMANA DA ARTE MODERNA
  • 7. • 1912 – Chegada de OSWALD DE ANDRADE da Europa trazendo as ideias cubistas e futuristas. Ele afirmou: “Estamos atrasados cinquenta anos em cultura, chafurdados em pleno Parnasianismo.” • 1913 – Exposição de pintura EXPRESSIONISTA de Lasar Segall Mario de Andrade falou a respeito: “ A primeira exposição de pintura não acadêmica em nosso país.” ANTECEDENTES A SEMANA DA ARTE MODERNA
  • 8. PERFIL DE ZULMIRA INDIGENTES
  • 9. • 1917 – Exposição de ANITA MALFATTI – primeiro confronto aberto entre o velho (Monteiro Lobato com o artigo “Paranoia ou Mistificação”) e o novo (jovens artistas de São Paulo). ANTECEDENTES A SEMANA DA ARTE MODERNA Há duas espécies de artistas. Uma composta dos que veem normalmente as coisas. (...) A outra espécie é a formada pelos que veem anormalmente a natureza e interpretam-na à luz de teorias efêmeras sob a sugestão estrábica de escolas rebeldes, surgidas cá e lá como furúnculos da cultura excessiva. (...)” Monteiro Lobato A BOBA
  • 10. • 1920 – Exibição, em São Paulo, da Maquete da obra MONUMENTO ÀS BANDEIRAS”, de Victor Brecheret. Menotti del Picchia falou a respeito: “Foi sua arte magnífica que abriu os nossos cérebros.” ANTECEDENTES A SEMANA DA ARTE MODERNA
  • 11. A SEMANA DA ARTE MODERNA ANTECEDENTES • GRAÇA ARANHA Embora autor pré-moderno, aderiu ao movimento artístico dos jovens paulistas. Abriu a semana, na primeira noite com o texto “A emoção estética na arte moderna”.
  • 12.
  • 13. A SEMANA DA ARTE MODERNA • CONFERÊNCIAS • RECITAIS • EXPOSIÇÕES • LEITURAS • CONVENÇÕES • APRESENTAR O PROJETO: NOVA VISÃO DE ARTE. O EVENTO
  • 14. A SEMANA DA ARTE MODERNA • Artistas plásticos: Vitor Brecheret, Anita Malfatti, Di Cavalcanti, Vicente de Rego Monteiro. • Escritores: Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Ronald de Carvalho, Graça Aranha, Menotti del Picchia. • Músicos: Villa-Lobos, Guiomar Novaes, Ernâni Braga, Frutuoso Viana. • Arquitetos: Antônio Garcia Moya, Georg Pryzrembel. PARTICIPANTES
  • 15. A SEMANA DA ARTE MODERNA • DESINTEGRAÇAO DO PASSADO • ATUALIZAÇÃO INTELECTUAL • PESQUISA • CRIAÇÃO ESTÉTICA (renovação, miscelânea) • CONSCIÊNCIA CRIADORA NACIONAL. (Mário de Andrade) CARACTERÍSTICAS/IMPORTÂNCIA
  • 16. A SEMANA DA ARTE MODERNA • Foi o marco da modernidade e da renovação da linguagem; • Marcou uma revolução no modo de ver e pensar o Brasil. A ideia era por fim a maneira de falar difícil e não dizer nada, ou seja, eliminar o velho da vida intelectual brasileira. • Ocorreu em um período de turbulências políticas, sociais e econômicas e culturais; • A Semana foi um acontecimento cultural da maior significação, e abriu para o país perspectivas que, extrapolando do campo puramente cultural, teriam repercussões na área política. (José Roberto Teixeira-Arte no Brasil,vol.2.) CARACTERÍSTICAS/IMPORTÂNCIA
  • 17. A SEMANA DA ARTE MODERNA • A Semana , organizada por intelectuais das duas cidades, Graça Aranha à frente, tinha por objetivo dar ao público de São Paulo “a perfeita demonstração do que há em nosso meio em escultura, arquitetura, música e literatura sob o ponto de vista rigorosamente atual.”(...) • Como diversos participantes da Semana ocupavam cargos de destaque na redação de prestigiosos jornais da época, o evento teve desde o início grande divulgação, embora também não faltasse quem se opusesse à sua concretização. • O objetivo da Semana foi renovar o estagnado ambiente artístico e cultural de São Paulo e do país e descobrir o Brasil, repensando-o de modo a desvinculá-lo, esteticamente, das amarras que ainda o prendiam à Europa. • Não foi bem aceita e nem entendida quando passada. CARACTERÍSTICAS/IMPORTÂNCIA
  • 18.
  • 19. MODERNISMO NO BRASIL O Modernismo não parou na Semana de 22. Nas décadas de 30 e 40 surgiram muitos outros artistas mostrando suas novidades. Preocupados em relatar mudanças sócio- políticas e incentivando o nacionalismo ou criando novas tendências, eles serão responsáveis pela nova visão artística brasileira. O Modernismo foi dividido em três fases: 1ª fase – 1922 a 1930 (heroica) - mais radical e fortemente oposta a tudo que foi anterior, cheia de irreverência e escândalo; 2ª fase – 1930 a 1945 - mais amena, que formou grandes romancistas e poetas; 3ª fase – 1945 a 1960(?) - também chamada Pós-Modernismo por vários autores, que se opunha de certo modo a primeira fase e era por isso ridicularizada com o apelido de neoparnasianismo.
  • 20. A LINGUAGEM DO MODERNISMO • Nacionalismo; • Revisão crítica do passado; • Valorização de temas do cotidiano; • Subjetivismo; • Urbanismo; • Versos livres; • Pontuação relativa. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO MODERNISMO MarkHamaford/GettyImages
  • 21. 1ª FASE DO MODERNISMO: DESTRUIÇÃO (1922-1930)
  • 22. 1ª FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930 • CRISE ECONÔMICA • REVOLTA TENENTISTA • FUNDAÇÃO DO PARTIDO COMUNISTA • SÃO PAULO COMO CENTRO ECONÔMICO E CULTURAL • SEMANA DE ARTE MODERNA CONTEXTO HISTÓRICO
  • 23. 1ª FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930 • FASE HEROICA – 1922 a 1930; • EXPERIMENTALISMO • PESQUISA ESTÉTICA: aprofundamento das questões estéticas da Semana; • ROMPIMENTO ACADÊMICO: liberdade formal • ROMPIMENTO COM ESTRUTURAS DO PASSADO, tentativa de repensar a história e a literatura brasileiras; • BUSCA DO MODERNO, original e polêmico, a fase mais radical, assumindo um caráter anárquico e destruidor CARACTERÍSTICAS
  • 24. 1ª FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930 • BUSCA DE UMA LÍNGUA BRASILEIRA, falada pelo povo nas ruas; • NACIONALISMO: - Crítico: consciente de denúncia da realidade e identificado politicamente pelas esquerdas; - Ufanista: utópico, exagerado, identificado com as correntes de extrema direita; • VOLTA ÀS ORIGENS: valorização do índio verdadeiramente brasileiro; redescobrimento das tradições, as lendas, o folclore; libertou o Brasil do fascínio pela Europa - reconstrução da cultura brasileira sobre bases nacionais; • PARÓDIAS/HUMOR . • COTIDIANO / ESPAÇO URBANO • REVISÃO CRÍTICA DO PASSADO: eliminação do complexo de colonizado; CARACTERÍSTICAS
  • 25. O MODERNISMO NO BRASIL O MODERNISMO BRASILEIRO foi um amplo movimento cultural, uma verdadeira revolução, que repercutiu fortemente sobre a cena artística e a sociedade brasileira na primeira metade do séc. XX, sobretudo no campo da literatura e das artes plásticas. • Envolvidos por um espírito demolidor, os escritores se voltaram contra o academicismo e romperam com os padrões estéticos vigentes. Avessos às regras, os modernistas propuseram as “palavras em liberdade”. • Comparado a outros movimentos modernistas, o brasileiro foi desencadeado tardiamente, na década de 20. • Foi resultado, em grande parte, da assimilação de tendências culturais e artísticas lançadas pelas vanguardas europeias • Refletiu na procura da abolição de todas as regras anteriores e a procura da novidade e da velocidade.
  • 26. A LINGUAGEM DO MODERNISMO • Contra o academicismo; • Ruptura com os padrões estéticos vigentes; • “Palavras em liberdade”; • Simultaneidade de imagens; • Fragmentação da realidade; • Urbanismo e modernidade como tema; • Noção de progresso; • Elementos-surpresa; • Humor, sarcasmo, irreverência. MuseudeArteModernadoRiodeJaneiro,RJ
  • 27. A LINGUAGEM DO MODERNISMO OBSERVE A DIFERENÇA ENTRE ACADÊMICOS E MODERNISTAS: Vista do Cavalão – George Grimm Gado na Montanha – Lasar Segall Paisagem acadêmica Paisagem modernista
  • 28. A LINGUAGEM DO MODERNISMO OBSERVE A DIFERENÇA ENTRE ACADÊMICOS E MODERNISTAS: Moisés e Jocabed – Pedro Américo Maternidade – Lasar Segall Figura Humana Acadêmica Figura Humana Modernista
  • 30. Abaporu – Tarsila do Amaral
  • 31. A boba – Anita Malfaltti
  • 32. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930 Principais Manifestos e Revistas Revistas • Revista Klaxon - Mensário de Arte Moderna (1922-1923) – São Paulo • A Revista (1925-1926) – Belo Horizonte • A Festa – Rio de Janeiro • Revista Antropofagia (1928-1929) - Surgida como consequência do Manifesto Antropófago - escrito por Oswald de Andrade Manifestos – mostram os ideais dos artistas, mostrando o Brasil. • Manifesto da Poesia Pau-Brasil (1924-1925) • Antropófago • Verde-Amarelismo (1926-1929) • Manifesto Regionalista de 1926 • Anta
  • 33. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930 A repercussão das ideias modernistas de SP e RJ contribuiu para animar os grupos de vanguarda que começavam a surgir em vários pontos do país. Esses grupos tiveram duração efêmera, mas são um sinal de inquietação artística e cultural que marcou a época. Movimento Pau-Brasil • Lançado em 1924 por Oswald de Andrade, esse movimento apresenta uma posição primitivista, buscando uma poesia ingênua, de redescoberta do Brasil. Exalta o progresso e era presente, ao mesmo tempo em que combate a linguagem retórica e vazia. Movimento Verde-Amarelo e Grupo da Anta • Recusando todo e qualquer contágio com ideias europeias, este movimento foi uma reação às intenções primitivas do Movimento Pau-Brasil. Liderado por Cassiano Ricardo, Menotti Del Picchia e outros, o grupo acabou caindo num nacionalismo ufanista, escolhendo como símbolo de suas ideias a anta, animal uma função mítica na cultura tupi. Em 1926, esse movimento converteu-se no chamado Grupo da Anta, que seguiu uma linha de orientação política nitidamente de direita. GRUPOS E MOVIMENTOS MODERNISTAS
  • 34. Movimento Antropofágico • O Movimento Antropofágico, de 1928, liderado por Oswald de Andrade. • Seu nome origina-se da tela Abaporu (O que come) de Tarsila do Amaral • Para ele, a renovação da arte nasceria a partir da retomada dos valores indígenas, da liberação do instinto e da valorização da inocência. ColeçãoMaríliadeAndrade,Campinas, SãoPaulo • O objetivo : atitude brasileira de devorar os valores europeus, a fim de superar a civilização patriarcal e capitalista, com suas normas rígidas no plano social e os seus recalques impostos, no plano psicológico. • O manifesto antropofágico colocou em questão o capitalismo do terceiro mundo: a dependência. Denunciou o bacharelismo das camadas cultas que copiavam os países capitalistas hegemônicos. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930 GRUPOS E MOVIMENTOS MODERNISTAS
  • 35. Principais OBRAS Poesia: Há uma Gota de Sangue em Cada Poema (1917); Paulicéia Desvairada (1922); Losango Cáqui (1926); Pau-Brasil (1926) Clã do Jaboti (1927); Primeiro Caderno do Aluno de Poesia Oswald de Andrade (1927) Remate de Males (1930); Prosa: Os Condenados (trilogia) (1922-1934); Memórias Sentimentais de João Miramar (1924); Primeiro Andar (1926); Amar, Verbo Intransitivo: idílio (1927); Macunaíma, o herói sem nenhum caráter (1928); Serafim Ponte Grande (1933); Belazarte (1934); A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930
  • 36. • AGITADOR • POLÊMICO • NACIONALISTA • CONTRA CONVEÇÕES • SATÍRICO / IRÔNICO • OBRAS: - Prosa: MEMÓRIAS SENTIMENTAIS DE JOÃO MIRAMAR SERAFIM PONTE GRANTE A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES OSWALD DE ANDRADE (1890-1853) Obras polêmicas, diferentes: muito criticadas, mistura de gêneros, recortes, imagens.
  • 37. • Com seu espírito irrequieto e polêmico, foi uma das figuras mais dinâmicas do movimento modernista. Nas suas viagens à Europa, entrou em contato com ideias vanguardistas, que depois divulgou no Brasil. Exerceu inúmeras atividades ligadas à literatura: foi jornalista, poeta, romancista e autor de peças teatrais. • Formado em Direito, Oswald era um playboy extravagante: usa luvas xadrez e tinha um Cadillac verde apenas porque este tinha cinzeiro, para citar apenas algumas de suas muitas extravagâncias. Amigo de Mário de Andrade, era seu oposto: milionário, extrovertido, mulherengo (casou-se 5 vezes, como: Tarsila do Amaral e Patrícia "Pagu" Galvão). Fazendeiro de café, perdeu tudo e foi à falência em 1929. • Lançou o Movimento Pau-Brasil e a Antropofagia. • Militante esquerdista, passou a divulgar o Comunismo junto com Pagu em 1931, mas desligou-se do Partido em 1945. • Sua obra é marcada por irreverência, coloquialismo, nacionalismo, exercício de demolição e crítica. Incomodar os acomodados, estimular o leitor através de palavras de coragem eram constantes preocupações desse autor. Destrói a retórica. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES OSWALD DE ANDRADE (1890-1853)
  • 38. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES OSWALD DE ANDRADE (1890-1853) CANTO DE REGRESSO À PÁTRIA Minha terra tem palmares Onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá Minha terra tem mais rosas E quase que mais amores Minha terra tem mais ouro Minha terra tem mais terra Ouro terra amor e rosas Eu quero tudo de lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte para lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte pra São Paulo Sem que veja a Rua 15 E o progresso de São Paulo
  • 39. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES OSWALD DE ANDRADE (1890-1853) PRONOMINAIS Dê-me um cigarro Diz a gramática Do professor e do aluno E do mulato sabido Mas o bom negro e bom branco Da Nação Brasileira Dizem todos os dias Deixa disso camarada Me dá um cigarro.
  • 40. • MENTOR INTELECTUAL • PESQUISA ESTÉTICA • TÉCNICO • IMPULSO INCONSCIENTE • VALORIZAÇÃO DE SÃO PAULO • OBRAS: - PAULICÉIA DESVAIRADA - MACUNAÍMA A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES MARIO DE ANDRADE (1893-1945)
  • 41. • Um dos organizadores do Modernismo e da SAM, foi o que apresentou projeto mais consistente de renovação. Começou escrevendo críticas de arte e poesia (ainda parnasiana) com o pseudônimo de Mário Sobral. Rompeu com o Parnasianismo e o passado com Paulicéia Desvairada e a Semana, da qual participou ativamente. • Injetou em tudo que fez um senso de problemático brasileirismo, daí sua investida no folclore. De jeito simples, sua coloquialidade desarticulou o espírito nacional de uma montanha de preconceitos arcaicos. Lutou sempre por uma literatura brasileira e com temas brasileiros. • “O passado é lição para se meditar e não para se reproduzir” - afirmava assim a necessidade de um presente novo, inventivo. • Acreditava na arte como instrumento de debate e de combate, comportamento evidenciado em Paulicéia Desvairada. Esta obra oferece uma panorâmica da cidade e de sua vida, ao criticar a mania obsessiva de posse, aqui também satiriza a incompetência dos administradores. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES MARIO DE ANDRADE (1893-1945)
  • 42. Trecho de Paulicéia Desvairada Prefácio Interessantíssimo Leitor: Está fundado o Desvairismo. Este prefácio, apesar de Interessante, inútel. Alguns dados. Nem todos. Sem conclusões. Para quem me aceita são Inúteis amos. Os curiosos terão prazer em descobrir minhas conclusões, confrontando obra e dados. Para quem Eu rejeito trabalho perdido explicar o que, antes de ler, já Não aceitou. Quando sinto um impulso lírico escrevo sem pensar tudo o que meu Inconsciente me grita. Penso depois: não só para corrigir, como para justificar o Que escrevi. Daí a reason deste Prefácio Interessantíssimo. Aliás muito difícil na prosa sabre onde termina um Blague, onde principia a seriedade. Nem eu Sei. E desculpo-me por estar tão atrasado, dos Movimentos artísticos atuais. Sou passadista, confesso . Ninguém pode se libertar duma só Vez das teorias-avós que bebeu; E O autor deste livro seria hipócrita si Finesse representar orientação moderna que ainda não compreende bem.[...] A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES MARIO DE ANDRADE (1893-1945)
  • 43. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES MARIO DE ANDRADE (1893-1945) MACUNAÍMA • O herói sem nenhum caráter – mostra as verdadeiras facetas do brasileiro. • Valorização do anti-herói • Síntese étnica.
  • 44. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES MANUEL BANDEIRA (1886-1968) • Bandeira – resgate do lirismo poético quase abandonado fase antipassadista; • O autor alcançou seu ponto mais alto como modernista no livro Libertinagem (1930), no qual desenvolve plenamente sua linguagem coloquial e irônica, atingindo grande dramaticidade. • É uma das figuras mais importantes da poesia brasileira e um dos iniciadores do Modernismo. • A poesia de Bandeira destaca-se pela consciência técnica com que manipulou o verso livre. Participa indiretamente da SAM, quando Ronald de Carvalho declama seu poema Sapos. • Sempre pensando que morreria cedo (tuberculoso), acabou vivendo muito e marcando a literatura brasileira. Morte e infância são as molas propulsoras de sua obra. Ironizava o desânimo provocado pela doença, • Além de ser um poeta fabuloso, também foi ensaísta, cronista e tradutor. O próprio autor define sua poesia como a do "gosto humilde da tristeza". Possui estilo simples e direto. Aborda temáticas cotidianas e universais, às vezes com uma abordagem de "poema-piada", lidando com formas e inspiração que a tradição acadêmica considera vulgares.
  • 45. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES MANUEL BANDEIRA (1886-1968) VOU-ME EMBORA PRA PASÁRGADA Vou-me embora pra Pasárgada Lá sou amigo do rei Lá tenho a mulher que eu quero Na cama que escolherei Vou-me embora pra Pasárgada Vou-me embora pra Pasárgada Aqui eu não sou feliz Lá a existência é uma aventura De tal modo inconsequente Que Joana a Louca de Espanha Rainha e falsa demente Vem a ser contraparente Da nora que nunca tive E como farei ginástica Andarei de bicicleta Montarei em burro brabo Subirei no pau-de-sebo Tomarei banhos de mar! E quando estiver cansado Deito na beira do rio Mando chamar a mãe-d'água Pra me contar as histórias Que no tempo de eu menino Rosa vinha me contar Vou-me embora pra Pasárgada Em Pasárgada tem tudo É outra civilização Tem um processo seguro De impedir a concepção Tem telefone automático Tem alcaloide à vontade Tem prostitutas bonitas Para a gente namorar E quando eu estiver mais triste Mas triste de não ter jeito Quando de noite me der Vontade de me matar — Lá sou amigo do rei — Terei a mulher que eu quero Na cama que escolherei Vou-me embora pra Pasárgada
  • 46. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES MANUEL BANDEIRA (1886-1968) MANUEL BANDEIRA Principais Obras Poesia A cinza das horas, 1917 Carnaval, 1919 O ritmo dissoluto, 1924 Libertinagem, 1930 Estrela da manhã, 1936 Mafuá do malungo, 1948 Estrela da tarde, 1960 Estrela da vida inteira, 1966 Prosa Crônicas da Província do Brasil - Rio de Janeiro, 1936 Guia de Ouro Preto, Rio de Janeiro, 1938 Noções de História das Literaturas - Rio de Janeiro, 1940 Autoria das Cartas Chilenas - Rio de Janeiro, 1940 Apresentação da Poesia Brasileira - Rio de Janeiro, 1946 Gonçalves Dias, Biografia - Rio de Janeiro, 1952 Itinerário de Pasárgada - Rio de Janeiro, 1954 De Poetas e de Poesia - Rio de Janeiro, 1954 A Flauta de Papel - Rio de Janeiro, 1957
  • 47. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES ALCÂNTARA MACHADO (1901-1935) • Alcântara Machado – conciliação de inovações técnicas e linguagem jornalística com a fala coloquial dos ítalo-paulistas. • Foi um importante escritor modernista da primeira fase, apesar de não ter participado da SAM, integrando o grupo somente em 25. Produziu prosa ficcional, renovando sua estrutura para construir histórias curtas e do cotidiano. Privilegia o imigrante, principalmente o italiano, e sua fusão, ampliando o universo cultural de São Paulo. • Apesar de não ser tão radical como os outros modernistas contemporâneos seus, usava uma linguagem em seus contos que se aproximava muito do falado. Seus personagens do livro de contos Brás, Bexiga e Barra Funda falavam uma mistura de italiano e português. Retrata uma realidade citadina e realista, num tom divertido, enfatizando a vida difícil dos imigrantes e sua ascensão.
  • 48. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - AUTORES ALCÂNTARA MACHADO (1901-1935) • Pathé-Baby (1926), romance • Brás, Bexiga e Barra Funda (1927), contos • Laranja da China (1928), contos • Mana Maria (inacabado), romance • Cavaquinho e saxofone (1940, póstuma), crônicas e ensaios • Contos Avulsos (1961, póstuma), contos
  • 49. A PRIMEIRA FASE DO MODERNISMO - 1922 a 1930 outros AUTORES • Cassiano Ricardo - Vamos caçar papagaio (1926) • Plínio Salgado - O Estrangeiro (1926) • Raul Bopp - Cobra Norato (1931) • Guilherme de Almeida • Menotti del Picchia • Ronald de Carvalho