SlideShare uma empresa Scribd logo
Política
antiga e
medieval
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
G R A D U A DO E M L E T R A S , E S P E C I A LI STA E M L I N G U Í ST I C A E
F I LO S O F I A
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
“Não há nada de errado com
aqueles que não gostam de
política, simplesmente serão
governados por aqueles que
gostam.”
PLATÃO
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
Gregos os primeiros a filosofar, primeiros
a refletir criticamente sobre política.
▪A palavra “política” tem diversos
sentidos. No entanto, em termos
conceituais, a política é a arte de
governar, diz respeito à gestão dos
destinos da comunidade (pólis =
cidade).
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
Atenas no período clássico
O período clássico da filosofia grega
centralizou-se na figura de Sócrates e de seu
discípulos Platão. Os sofistas também
fizeram parte dessa época.
Os sofistas ensinavam a retórica, arte de
bem falar, de utilizar a linguagem em um
discurso persuasivo.
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
Para Platão:
Finalidade da vida política
Como realizar a cidade justa?
Pela educação dos cidadãos – homens e
mulheres.
“A cidade justa é governada
pelos filósofos, administrada
pelos cientistas, protegida pelos
guerreiros e mantida pelos
produtores .”
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
Democracia
▪ Teve origem na Grécia. Em seu sentido etimológico, quer dizer
“governo do povo”. Entretanto, da democracia grega estavam excluídos
mulheres, escravos e estrangeiros. No entanto, a invenção da
democracia já
destacava os valores de igualdade, liberdade e participação.
▪ Alguns aspectos importantes da democracia:
• A democracia é um regime político que deve zelar pela pluralidade de
convicções, com garantia de livre expressão, desde que dentro dos
limites legais. Por exemplo, uma opinião racista deve ser coibida pelo
Estado, porque ofende os princípios legais e a dignidade humana.
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
Teoria política de Platão
•Cidade (pólis) dividida em três
grupos sociais: produtores,
guardiães e governantes
• Justiça na pólis depende do
equilíbrio entre esses grupos
• Concepção política aristocrática
• Rei-filósofo (que conheceu a
essência da Justiça) deve governar
a cidade .
•Sofocracia – Poder confiado aos
mais sábios.
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
Teoria política de Aristóteles
Aristóteles
(384-322
a.C.) • Homem: ser social por
natureza, não pode ficar
isolado de seus semelhantes
• Pólis: organização social
adequada à natureza do
homem
• Homem como animal político
(envolvido na vida da pólis)
• Política: continuidade da
ética
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
FORMAS DE GOVERNO -
ARISTÓTELES
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
Para Aristóteles, a monarquia, a aristocracia ou a politeia constituem formas corretas
e adequadas de exercício do poder.
Idade Média: política e religião
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
Idade Média: o Império Romano esfacelou-se
em diversos reinos bárbaros. O desejo de
poder, de restauração da unidade perdida,
expressou-se no fortalecimento e na difusão
do cristianismo, que passou a representar o
ideal de Estado Universal.
Os intelectuais pertenciam as ordens
religiosas - Fé e Razão – Filosofia cabia
demonstrar a fé racionalmente,
Estado e Igreja
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
▪ A natureza do Estado é secular,
temporal, voltada para as
necessidades mundanas, e sua
atuação se exerce pela força física.
▪ A igreja é de natureza espiritual,
voltada para a salvação da alma, e
deve encaminhar o rebanho para a
religião por meio de educação e
persuasão.
Estado e Igreja
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
▪ Os pensadores medievais aderiram
inicialmente ao platonismo e depois ao
aristotelismo.
▪ Patrística, com nítida influência
neoplatônica.
▪ Escolástica, mais focada nos textos de
Aristóteles.
Agostinho de Hipona – A cidade de Deus
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
▪ A cidade de Deus – obra de Agostinho, trata de teologia e
filosofia da história, escrita quando o Império Romano
desabava com as invasões bárbaras e a religião cristã ainda
não era muito aceita.
▪ Ao discutir sobre as relações entre política e religião , refere-
se às duas cidades:
▪ Cidade terrestre: cabe zelar pelo bem-estar das pessoas e
pela garantia de justiça.
▪ Cidade de Deus: não é apenas o reino divino que se sucede à
vida terrena, mas constituem dois planos de existência na
vida de cada um.
Agostinismo Político
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
Influenciou todo o pensamento político
medieval.
Essa teoria aborda o confronto entre o
poder do Estado e o da Igreja e defende
a superioridade do poder espiritual
sobre o temporal.
Escolástica: Tomás de Aquino
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
No campo da política, Santo Tomás de Aquino dividiu as leis em
lei natural (visando a preservar a vida), lei positiva (estabelecida
pelo homem, visando a preservar a sociedade) e lei divina (que
conduz o homem à vida cristã e ao paraíso, guiando as outras
leis).
Para Aquino, como para Aristóteles, o homem é um animal
social e político: a família é a primeira associação, e o Estado,
sua ampliação e continuação.
O Estado, assim, deve existir, desde que subordinado, no que diz
respeito à religião e à moral, à Igreja, a qual visa ao bem eterno
das almas. Essa foi a concepção dominante da Igreja Católica,
que seria depois combatida por Maquiavel.
Obrigado!
PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
Juliana Corvino de Araújo
 
Platão
PlatãoPlatão
Os Sofistas
Os SofistasOs Sofistas
Os Sofistas
daysefaro
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
William Ananias
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
Silmara Vedoveli
 
Platão e Aristóteles
Platão e AristótelesPlatão e Aristóteles
Platão e Aristóteles
Tércio De Santana
 
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELESO QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
Edivaldo Pinheiro Negrão
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Leandro Nazareth Souto
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
cattonia
 
A natureza humana.
A natureza humana. A natureza humana.
A natureza humana.
Douglas Gregorio
 
Sofistas
SofistasSofistas
Sofistas
mluisavalente
 
Sociologia e Sociedade
Sociologia e SociedadeSociologia e Sociedade
Sociologia e Sociedade
Rosane Domingues
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
Paulo Alexandre
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
Péricles Penuel
 
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
Cap 2   os filosofos da natureza - postarCap 2   os filosofos da natureza - postar
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
José Ferreira Júnior
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
PriscillaTomazi2015
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
Juliana Corvino de Araújo
 

Mais procurados (20)

Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Os Sofistas
Os SofistasOs Sofistas
Os Sofistas
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Platão e Aristóteles
Platão e AristótelesPlatão e Aristóteles
Platão e Aristóteles
 
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELESO QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
A natureza humana.
A natureza humana. A natureza humana.
A natureza humana.
 
Sofistas
SofistasSofistas
Sofistas
 
Sociologia e Sociedade
Sociologia e SociedadeSociologia e Sociedade
Sociologia e Sociedade
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
Cap 2   os filosofos da natureza - postarCap 2   os filosofos da natureza - postar
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 

Semelhante a Política antiga e medieval aula - 3º ano

Noções e concepções de política
Noções e concepções de políticaNoções e concepções de política
Noções e concepções de política
DesconFiles
 
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANOFILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
FILOSOFIA POLÍTICA - I.(ANTIGA- PLATÃO E ARISTÓTELES).pptx
FILOSOFIA POLÍTICA - I.(ANTIGA- PLATÃO E ARISTÓTELES).pptxFILOSOFIA POLÍTICA - I.(ANTIGA- PLATÃO E ARISTÓTELES).pptx
FILOSOFIA POLÍTICA - I.(ANTIGA- PLATÃO E ARISTÓTELES).pptx
MizaeldaCunha
 
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidadePrincipais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
Joniel Abreu
 
Platão e a cidade ideal
Platão e a cidade idealPlatão e a cidade ideal
Platão e a cidade ideal
irenio soares
 
Texto para a aula o homem é um animal político
Texto para a aula o homem é um animal políticoTexto para a aula o homem é um animal político
Texto para a aula o homem é um animal político
Célio Alves de Moura
 
03 platão-coleção-os-pensadores-1991
03 platão-coleção-os-pensadores-199103 platão-coleção-os-pensadores-1991
03 platão-coleção-os-pensadores-1991
MGS High School
 
Filosofia política
Filosofia política Filosofia política
Filosofia política
Elson Junior
 
A república platão
A república   platãoA república   platão
A república platão
Sundays Samuel
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
Alexandre Misturini
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
ricardo13613
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
Edirlene Fraga
 
Filosofia política 2º ano
Filosofia política   2º anoFilosofia política   2º ano
Filosofia política 2º ano
Edirlene Fraga
 
V dfilo cap11p_filosofia_politica
V dfilo cap11p_filosofia_politicaV dfilo cap11p_filosofia_politica
V dfilo cap11p_filosofia_politica
Leonardo Espíndola Espindola Moreira
 
Filosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e AristótelesFilosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e Aristóteles
Marcos Goulart
 
ApresentContratualismo-17092019-3.pptx
ApresentContratualismo-17092019-3.pptxApresentContratualismo-17092019-3.pptx
ApresentContratualismo-17092019-3.pptx
IvoReis12
 
Política.pdf
Política.pdfPolítica.pdf
Política.pdf
ProfesMonteiro
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
rose soratto
 
Marketing político aula 01 a
Marketing político aula 01 aMarketing político aula 01 a
Marketing político aula 01 a
paula_correa
 
Ciência política
Ciência políticaCiência política
Ciência política
Diogo Jucá
 

Semelhante a Política antiga e medieval aula - 3º ano (20)

Noções e concepções de política
Noções e concepções de políticaNoções e concepções de política
Noções e concepções de política
 
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANOFILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
 
FILOSOFIA POLÍTICA - I.(ANTIGA- PLATÃO E ARISTÓTELES).pptx
FILOSOFIA POLÍTICA - I.(ANTIGA- PLATÃO E ARISTÓTELES).pptxFILOSOFIA POLÍTICA - I.(ANTIGA- PLATÃO E ARISTÓTELES).pptx
FILOSOFIA POLÍTICA - I.(ANTIGA- PLATÃO E ARISTÓTELES).pptx
 
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidadePrincipais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
 
Platão e a cidade ideal
Platão e a cidade idealPlatão e a cidade ideal
Platão e a cidade ideal
 
Texto para a aula o homem é um animal político
Texto para a aula o homem é um animal políticoTexto para a aula o homem é um animal político
Texto para a aula o homem é um animal político
 
03 platão-coleção-os-pensadores-1991
03 platão-coleção-os-pensadores-199103 platão-coleção-os-pensadores-1991
03 platão-coleção-os-pensadores-1991
 
Filosofia política
Filosofia política Filosofia política
Filosofia política
 
A república platão
A república   platãoA república   platão
A república platão
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Filosofia política 2º ano
Filosofia política   2º anoFilosofia política   2º ano
Filosofia política 2º ano
 
V dfilo cap11p_filosofia_politica
V dfilo cap11p_filosofia_politicaV dfilo cap11p_filosofia_politica
V dfilo cap11p_filosofia_politica
 
Filosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e AristótelesFilosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e Aristóteles
 
ApresentContratualismo-17092019-3.pptx
ApresentContratualismo-17092019-3.pptxApresentContratualismo-17092019-3.pptx
ApresentContratualismo-17092019-3.pptx
 
Política.pdf
Política.pdfPolítica.pdf
Política.pdf
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
 
Marketing político aula 01 a
Marketing político aula 01 aMarketing político aula 01 a
Marketing político aula 01 a
 
Ciência política
Ciência políticaCiência política
Ciência política
 

Mais de José Antonio Ferreira da Silva

Gêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptxGêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptx
José Antonio Ferreira da Silva
 
Aulão português
Aulão   portuguêsAulão   português
Aulão português
José Antonio Ferreira da Silva
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
José Antonio Ferreira da Silva
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
José Antonio Ferreira da Silva
 
Bioetica
BioeticaBioetica
Modelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemasModelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemas
José Antonio Ferreira da Silva
 
Como fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo CientíficoComo fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo Científico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Palestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografiaPalestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografia
José Antonio Ferreira da Silva
 
Pratica livro
Pratica livroPratica livro
Coesão
CoesãoCoesão
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
José Antonio Ferreira da Silva
 
Reflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de portuguêsReflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de português
José Antonio Ferreira da Silva
 
Projeto de Pesquisa
Projeto de PesquisaProjeto de Pesquisa
Projeto de Pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Monografia
MonografiaMonografia
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Projeto de Pesquisa - ISEP
Projeto de Pesquisa -  ISEPProjeto de Pesquisa -  ISEP
Projeto de Pesquisa - ISEP
José Antonio Ferreira da Silva
 
Erros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativoErros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativo
José Antonio Ferreira da Silva
 
A estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativoA estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativo
José Antonio Ferreira da Silva
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisProducao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
José Antonio Ferreira da Silva
 

Mais de José Antonio Ferreira da Silva (20)

Gêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptxGêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptx
 
Aulão português
Aulão   portuguêsAulão   português
Aulão português
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Bioetica
BioeticaBioetica
Bioetica
 
Modelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemasModelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemas
 
Como fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo CientíficoComo fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo Científico
 
Palestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografiaPalestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografia
 
Pratica livro
Pratica livroPratica livro
Pratica livro
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
Reflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de portuguêsReflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de português
 
Projeto de Pesquisa
Projeto de PesquisaProjeto de Pesquisa
Projeto de Pesquisa
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Projeto de Pesquisa - ISEP
Projeto de Pesquisa -  ISEPProjeto de Pesquisa -  ISEP
Projeto de Pesquisa - ISEP
 
Erros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativoErros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativo
 
A estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativoA estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativo
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisProducao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 

Política antiga e medieval aula - 3º ano

  • 1. Política antiga e medieval PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA G R A D U A DO E M L E T R A S , E S P E C I A LI STA E M L I N G U Í ST I C A E F I LO S O F I A PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
  • 2. “Não há nada de errado com aqueles que não gostam de política, simplesmente serão governados por aqueles que gostam.” PLATÃO PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
  • 3. Gregos os primeiros a filosofar, primeiros a refletir criticamente sobre política. ▪A palavra “política” tem diversos sentidos. No entanto, em termos conceituais, a política é a arte de governar, diz respeito à gestão dos destinos da comunidade (pólis = cidade). PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
  • 4. Atenas no período clássico O período clássico da filosofia grega centralizou-se na figura de Sócrates e de seu discípulos Platão. Os sofistas também fizeram parte dessa época. Os sofistas ensinavam a retórica, arte de bem falar, de utilizar a linguagem em um discurso persuasivo. PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
  • 5. Para Platão: Finalidade da vida política Como realizar a cidade justa? Pela educação dos cidadãos – homens e mulheres. “A cidade justa é governada pelos filósofos, administrada pelos cientistas, protegida pelos guerreiros e mantida pelos produtores .” PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
  • 6. Democracia ▪ Teve origem na Grécia. Em seu sentido etimológico, quer dizer “governo do povo”. Entretanto, da democracia grega estavam excluídos mulheres, escravos e estrangeiros. No entanto, a invenção da democracia já destacava os valores de igualdade, liberdade e participação. ▪ Alguns aspectos importantes da democracia: • A democracia é um regime político que deve zelar pela pluralidade de convicções, com garantia de livre expressão, desde que dentro dos limites legais. Por exemplo, uma opinião racista deve ser coibida pelo Estado, porque ofende os princípios legais e a dignidade humana. PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
  • 7. Teoria política de Platão •Cidade (pólis) dividida em três grupos sociais: produtores, guardiães e governantes • Justiça na pólis depende do equilíbrio entre esses grupos • Concepção política aristocrática • Rei-filósofo (que conheceu a essência da Justiça) deve governar a cidade . •Sofocracia – Poder confiado aos mais sábios. PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
  • 8. Teoria política de Aristóteles Aristóteles (384-322 a.C.) • Homem: ser social por natureza, não pode ficar isolado de seus semelhantes • Pólis: organização social adequada à natureza do homem • Homem como animal político (envolvido na vida da pólis) • Política: continuidade da ética PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA
  • 9. FORMAS DE GOVERNO - ARISTÓTELES PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA Para Aristóteles, a monarquia, a aristocracia ou a politeia constituem formas corretas e adequadas de exercício do poder.
  • 10. Idade Média: política e religião PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA Idade Média: o Império Romano esfacelou-se em diversos reinos bárbaros. O desejo de poder, de restauração da unidade perdida, expressou-se no fortalecimento e na difusão do cristianismo, que passou a representar o ideal de Estado Universal. Os intelectuais pertenciam as ordens religiosas - Fé e Razão – Filosofia cabia demonstrar a fé racionalmente,
  • 11. Estado e Igreja PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA ▪ A natureza do Estado é secular, temporal, voltada para as necessidades mundanas, e sua atuação se exerce pela força física. ▪ A igreja é de natureza espiritual, voltada para a salvação da alma, e deve encaminhar o rebanho para a religião por meio de educação e persuasão.
  • 12. Estado e Igreja PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA ▪ Os pensadores medievais aderiram inicialmente ao platonismo e depois ao aristotelismo. ▪ Patrística, com nítida influência neoplatônica. ▪ Escolástica, mais focada nos textos de Aristóteles.
  • 13. Agostinho de Hipona – A cidade de Deus PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA ▪ A cidade de Deus – obra de Agostinho, trata de teologia e filosofia da história, escrita quando o Império Romano desabava com as invasões bárbaras e a religião cristã ainda não era muito aceita. ▪ Ao discutir sobre as relações entre política e religião , refere- se às duas cidades: ▪ Cidade terrestre: cabe zelar pelo bem-estar das pessoas e pela garantia de justiça. ▪ Cidade de Deus: não é apenas o reino divino que se sucede à vida terrena, mas constituem dois planos de existência na vida de cada um.
  • 14. Agostinismo Político PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA Influenciou todo o pensamento político medieval. Essa teoria aborda o confronto entre o poder do Estado e o da Igreja e defende a superioridade do poder espiritual sobre o temporal.
  • 15. Escolástica: Tomás de Aquino PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA No campo da política, Santo Tomás de Aquino dividiu as leis em lei natural (visando a preservar a vida), lei positiva (estabelecida pelo homem, visando a preservar a sociedade) e lei divina (que conduz o homem à vida cristã e ao paraíso, guiando as outras leis). Para Aquino, como para Aristóteles, o homem é um animal social e político: a família é a primeira associação, e o Estado, sua ampliação e continuação. O Estado, assim, deve existir, desde que subordinado, no que diz respeito à religião e à moral, à Igreja, a qual visa ao bem eterno das almas. Essa foi a concepção dominante da Igreja Católica, que seria depois combatida por Maquiavel.
  • 16. Obrigado! PROF. JOSÉ ANTONIO FERREIRA DA SILVA