SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Pensamento
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de pensamento
Antítese: é a aproximação de palavras ou
expressões que exprimem idéias
contrárias, adversas.
Exemplo:
Aquele fogo em sua face apagava-se
com o gélido coração
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de pensamento
Eufemismo: é uma espécie de
abrandamento, é uma maneira de, por
meio de palavras mais polidas, tornar
mais suave e sutil uma informação de
cunho desagradável e chocante.
Exemplo:
O nobre deputado faltou com a
verdade
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de pensamento
Gradação: é a maneira ascendente ou
descendente como as idéias podem ser
organizadas na frase.
Exemplo:
Respirou e pôs um pé adiante e depois
o outro, olhou para o lado e o
caminhar virou trote, que virou
corrida, que virou desespero.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de pensamento
Ironia: figura que consiste em dizer, com
intenções sarcásticas e zombadoras,
exatamente o contrário do que se pensa, do
que realmente se quer afirmar. Exige, em
alguns casos, bastante perícia por parte do
receptor (leitor ou ouvinte). Exemplo:“O
presidente Lula é o mais culto e bem
formado de todos os presidentes”
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de pensamento
Hipérbole: modo exagerado de exprimir
uma idéia.
Exemplos:
“Eu nunca mais vou respirar, se você
não me notar, eu posso até morrer de
fome se você não me amar” (Cazuza)
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de pensamento
Prosopopéia (ou personificação): é a
atribuição de características humanas a
seres não-humanos.
Exemplo:
Seus olhos corriam pela fazenda
enquanto a lua lhe sorria.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Palavras
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de palavras
Comparação: é a comparação direta de
qualificações entre seres, com o uso do
conectivo comparativo (como, assim
como, bem como, tal qual, etc.).
Exemplo:
Naquele domingo, trabalhou como um
cavalo.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de palavras
Metáfora: assim como a comparação,
consiste numa relação de semelhança de
qualificações. Mais sutil, exige muita
atenção do leitor para ser captada,
porque dispensa os conectivos que
aparecem na comparação.
Exemplo: Naquele domingo, ele era um
cavalo trabalhando.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de palavras
Metonímia: é a utilização de uma palavra
por outra. Essas palavras mantêm-se
relacionadas de várias formas:
- O autor pela obra: Todos leram
machado para a prova.
- O instrumento pela pessoa que dele
se utiliza: Todos sabiam que
Adamastor era bom de copo.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
– O recipiente (continente) pelo
conteúdo: Todos queriam, naquele
instante, um bom copo d´água.
– O lugar pelo produto: O que mais me
fascinava era fumar um Havana.
Figuras de palavras
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de palavras
Sinestesia: é a figura que proporciona a
ilusão de mistura de percepções, mistura
de sentidos.
Exemplo:
Aquele olhar doce realçava sua voz
morna.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Sintaxe
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de sintaxe
Elipse: ocorre quando se omite algum
termo ou palavra de um enunciado. É
sempre bom lembrar que essa omissão
deve ser captada pelo leitor, que pode
deduzi-la a partir do contexto, da
situação comunicativa.
Exemplo: (nós) Saímos da confeitaria
com um pedaço de felicidade
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de sintaxe
Zeugma: é um tipo de elipse. Ocorre
zeugma quando duas orações
compartilham o termo omitido. Isto é,
quando o termo omitido é o mesmo que
aparece na oração anterior.
Exemplos:
Todos querem dinheiro; eu, amor.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de sintaxe
Pleonasmo: Essa figura nada mais é que a
repetição, o reforço de uma idéia já expressa por
alguma palavra, termo ou expressão. Somente
corre como figura de sintaxe quando utilizado
com fins estilísticos, como a ênfase intencional a
uma idéia; sendo resultado da ignorância ou do
descuido do usuário da língua, é considerado
como um vício de linguagem (pleonasmo
vicioso).
Exemplo: Cheguei até aqui caminhando com
minhas próprias pernas.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de sintaxe
Inversão: Há quando ocorre qualquer
inversão da ordem natural de termos
num enunciado, a fim de conferir-lhe
especiais efeitos e reforços de sentido
Exemplo:
Sua alma, nunca vi.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de sintaxe
Anacoluto: Termo solto na frase,
quebrando a estruturação lógica.
Normalmente, inicia-se uma determinada
construção sintática e depois se opta por
outra. Ex:
Eu, parece-me que vou desmaiar. / Minha
vida, tudo não passa de alguns anos sem
importância (sujeito sem predicado) / Quem
ama o feio, bonito lhe parece (alteraram-se
as relações entre termos da oração)
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de sintaxe
Hipérbato: é um tipo de inversão que
consiste, geralmente, na separação de
termos que normalmente apareceriam
unidos.
Exemplo
O amor, todos sabemos, vermelho e
quente descobri eu.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de sintaxe
Assíndeto: Síndeto significa conjunção,
portanto assíndeto nada mais é que
ausência de conjunção.
Exemplos:
Ele tocava, bulia, arfava e ela dormia.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de sintaxe
Polissíndeto: é o contrário do assíndeto.
A repetição de conjunções.
Exemplo
Ele tocava e bulia e arfava. Ela dormia.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva
Figuras de sintaxe
Onomatopéia: consiste na criação de
palavras com o intuito de imitar sons
ou vozes naturais dos seres
Exemplos:
Ela me deu um susto e ploft, o bolo
caiu no chão.
Prof. José Antonio Ferreira da Silva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lugares geométricos
Lugares geométricosLugares geométricos
Lugares geométricos
saramramos
 
Critérios de paralelismo e perpendicularidade
Critérios de paralelismo e perpendicularidadeCritérios de paralelismo e perpendicularidade
Critérios de paralelismo e perpendicularidade
Joana Ferreira
 
EquaçõEs De 1º Grau 3ª Parte
EquaçõEs De 1º Grau   3ª ParteEquaçõEs De 1º Grau   3ª Parte
EquaçõEs De 1º Grau 3ª Parte
tetsu
 
Recursos EstilíSticos
Recursos EstilíSticosRecursos EstilíSticos
Recursos EstilíSticos
Sandra Gonçalves
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Contos e Crônicas
www.AulasDePortuguesApoio.com  - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasDePortuguesApoio.com  - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Contos e Crônicas
Videoaulas De Português Apoio
 
O cavaleiro da dinamarca
O cavaleiro da dinamarcaO cavaleiro da dinamarca
O cavaleiro da dinamarca
Marilia Matos
 
Conto
ContoConto
Relatório actividade experimental - batata & cebola
Relatório   actividade experimental - batata & cebolaRelatório   actividade experimental - batata & cebola
Relatório actividade experimental - batata & cebola
Inês Fernandes
 
Ana%CC%81lise_cantigas.pdf
Ana%CC%81lise_cantigas.pdfAna%CC%81lise_cantigas.pdf
Ana%CC%81lise_cantigas.pdf
GabrielaCaetano22
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricos
Tânia Baptista
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
Luciano Pires
 
Cavaleiro da dinamarca trabalho final
Cavaleiro da dinamarca trabalho finalCavaleiro da dinamarca trabalho final
Cavaleiro da dinamarca trabalho final
belabarata
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
Gabriela
 
Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
1950casal
 
O adjetivo na construção do texto
O adjetivo na construção do textoO adjetivo na construção do texto
O adjetivo na construção do texto
Antônio Santos
 
Modelos de Texto
Modelos de Texto Modelos de Texto
Modelos de Texto
Lurdes Augusto
 
A Crónica - Ficha de trabalho
A Crónica - Ficha de trabalhoA Crónica - Ficha de trabalho
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
Lurdes Augusto
 
As funções sintáticas - complemento indireto
As funções sintáticas - complemento indiretoAs funções sintáticas - complemento indireto
As funções sintáticas - complemento indireto
António Fernandes
 
Classif d equações
Classif d equaçõesClassif d equações
Classif d equações
cláudia
 

Mais procurados (20)

Lugares geométricos
Lugares geométricosLugares geométricos
Lugares geométricos
 
Critérios de paralelismo e perpendicularidade
Critérios de paralelismo e perpendicularidadeCritérios de paralelismo e perpendicularidade
Critérios de paralelismo e perpendicularidade
 
EquaçõEs De 1º Grau 3ª Parte
EquaçõEs De 1º Grau   3ª ParteEquaçõEs De 1º Grau   3ª Parte
EquaçõEs De 1º Grau 3ª Parte
 
Recursos EstilíSticos
Recursos EstilíSticosRecursos EstilíSticos
Recursos EstilíSticos
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Contos e Crônicas
www.AulasDePortuguesApoio.com  - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasDePortuguesApoio.com  - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Contos e Crônicas
 
O cavaleiro da dinamarca
O cavaleiro da dinamarcaO cavaleiro da dinamarca
O cavaleiro da dinamarca
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Relatório actividade experimental - batata & cebola
Relatório   actividade experimental - batata & cebolaRelatório   actividade experimental - batata & cebola
Relatório actividade experimental - batata & cebola
 
Ana%CC%81lise_cantigas.pdf
Ana%CC%81lise_cantigas.pdfAna%CC%81lise_cantigas.pdf
Ana%CC%81lise_cantigas.pdf
 
Gráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricosGráficos termopluviométricos
Gráficos termopluviométricos
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
 
Cavaleiro da dinamarca trabalho final
Cavaleiro da dinamarca trabalho finalCavaleiro da dinamarca trabalho final
Cavaleiro da dinamarca trabalho final
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
 
Ficha 5 lusiadas
Ficha 5  lusiadasFicha 5  lusiadas
Ficha 5 lusiadas
 
O adjetivo na construção do texto
O adjetivo na construção do textoO adjetivo na construção do texto
O adjetivo na construção do texto
 
Modelos de Texto
Modelos de Texto Modelos de Texto
Modelos de Texto
 
A Crónica - Ficha de trabalho
A Crónica - Ficha de trabalhoA Crónica - Ficha de trabalho
A Crónica - Ficha de trabalho
 
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparteHistória de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar - 1ªparte
 
As funções sintáticas - complemento indireto
As funções sintáticas - complemento indiretoAs funções sintáticas - complemento indireto
As funções sintáticas - complemento indireto
 
Classif d equações
Classif d equaçõesClassif d equações
Classif d equações
 

Semelhante a Figuras de linguagem

figuras-de-linguagem.ppt
figuras-de-linguagem.pptfiguras-de-linguagem.ppt
figuras-de-linguagem.ppt
PatrciaLelis1
 
Lpt
LptLpt
Figuras de-linguagem 1
Figuras de-linguagem 1Figuras de-linguagem 1
Figuras de-linguagem 1
Refferson
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
sandyprofessora
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
sandyprofessora
 
figuras-de-linguagem.ppt
figuras-de-linguagem.pptfiguras-de-linguagem.ppt
figuras-de-linguagem.ppt
ErikaFigueiredo21
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
rosangelajoao
 
Figuras de linguagem com exercícios
Figuras de linguagem com exercíciosFiguras de linguagem com exercícios
Figuras de linguagem com exercícios
Sônia Sochiarelli
 
Denotação.docx
Denotação.docxDenotação.docx
Figuras de-linguagem862010121047
Figuras de-linguagem862010121047Figuras de-linguagem862010121047
Figuras de-linguagem862010121047
Ricardo Novelli
 
Claudia pre alfa 3
Claudia pre alfa 3Claudia pre alfa 3
Claudia pre alfa 3
Abner Silvio
 
Manual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLEManual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLE
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Estilística.PDF
Estilística.PDFEstilística.PDF
Estilística.PDF
Jeferson S. J.
 
Português jurídico
Português jurídicoPortuguês jurídico
Português jurídico
Brena Pinheiro
 
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01   denotação + conotação + figuras de linguagemAula 01   denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
Miguel Luciano
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Yasmin Pessoa
 
Aula13 figuras de linguagem
Aula13  figuras de linguagemAula13  figuras de linguagem
Aula13 figuras de linguagem
André Figundio
 
Figuras de linguagem(1)
Figuras de linguagem(1)Figuras de linguagem(1)
Figuras de linguagem(1)
Alexandre Sousa
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Marilda Marilda
 
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptxSLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
Nathaly Teresa Paulino
 

Semelhante a Figuras de linguagem (20)

figuras-de-linguagem.ppt
figuras-de-linguagem.pptfiguras-de-linguagem.ppt
figuras-de-linguagem.ppt
 
Lpt
LptLpt
Lpt
 
Figuras de-linguagem 1
Figuras de-linguagem 1Figuras de-linguagem 1
Figuras de-linguagem 1
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
figuras-de-linguagem.ppt
figuras-de-linguagem.pptfiguras-de-linguagem.ppt
figuras-de-linguagem.ppt
 
Figuras de-linguagem
Figuras de-linguagemFiguras de-linguagem
Figuras de-linguagem
 
Figuras de linguagem com exercícios
Figuras de linguagem com exercíciosFiguras de linguagem com exercícios
Figuras de linguagem com exercícios
 
Denotação.docx
Denotação.docxDenotação.docx
Denotação.docx
 
Figuras de-linguagem862010121047
Figuras de-linguagem862010121047Figuras de-linguagem862010121047
Figuras de-linguagem862010121047
 
Claudia pre alfa 3
Claudia pre alfa 3Claudia pre alfa 3
Claudia pre alfa 3
 
Manual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLEManual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLE
 
Estilística.PDF
Estilística.PDFEstilística.PDF
Estilística.PDF
 
Português jurídico
Português jurídicoPortuguês jurídico
Português jurídico
 
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01   denotação + conotação + figuras de linguagemAula 01   denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Aula13 figuras de linguagem
Aula13  figuras de linguagemAula13  figuras de linguagem
Aula13 figuras de linguagem
 
Figuras de linguagem(1)
Figuras de linguagem(1)Figuras de linguagem(1)
Figuras de linguagem(1)
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptxSLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
 

Mais de José Antonio Ferreira da Silva

Gêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptxGêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptx
José Antonio Ferreira da Silva
 
Aulão português
Aulão   portuguêsAulão   português
Aulão português
José Antonio Ferreira da Silva
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
José Antonio Ferreira da Silva
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
José Antonio Ferreira da Silva
 
Bioetica
BioeticaBioetica
Modelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemasModelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemas
José Antonio Ferreira da Silva
 
Como fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo CientíficoComo fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo Científico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Palestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografiaPalestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografia
José Antonio Ferreira da Silva
 
Pratica livro
Pratica livroPratica livro
Coesão
CoesãoCoesão
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
José Antonio Ferreira da Silva
 
Reflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de portuguêsReflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de português
José Antonio Ferreira da Silva
 
Projeto de Pesquisa
Projeto de PesquisaProjeto de Pesquisa
Projeto de Pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Monografia
MonografiaMonografia
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Projeto de Pesquisa - ISEP
Projeto de Pesquisa -  ISEPProjeto de Pesquisa -  ISEP
Projeto de Pesquisa - ISEP
José Antonio Ferreira da Silva
 
Erros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativoErros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativo
José Antonio Ferreira da Silva
 
A estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativoA estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativo
José Antonio Ferreira da Silva
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisProducao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
José Antonio Ferreira da Silva
 

Mais de José Antonio Ferreira da Silva (20)

Gêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptxGêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptx
 
Aulão português
Aulão   portuguêsAulão   português
Aulão português
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 
Bioetica
BioeticaBioetica
Bioetica
 
Modelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemasModelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemas
 
Como fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo CientíficoComo fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo Científico
 
Palestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografiaPalestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografia
 
Pratica livro
Pratica livroPratica livro
Pratica livro
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
Reflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de portuguêsReflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de português
 
Projeto de Pesquisa
Projeto de PesquisaProjeto de Pesquisa
Projeto de Pesquisa
 
Monografia
MonografiaMonografia
Monografia
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Projeto de Pesquisa - ISEP
Projeto de Pesquisa -  ISEPProjeto de Pesquisa -  ISEP
Projeto de Pesquisa - ISEP
 
Erros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativoErros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativo
 
A estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativoA estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativo
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisProducao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
 

Último

DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 

Último (20)

DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 

Figuras de linguagem

  • 1. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 2. Pensamento Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 3. Figuras de pensamento Antítese: é a aproximação de palavras ou expressões que exprimem idéias contrárias, adversas. Exemplo: Aquele fogo em sua face apagava-se com o gélido coração Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 4. Figuras de pensamento Eufemismo: é uma espécie de abrandamento, é uma maneira de, por meio de palavras mais polidas, tornar mais suave e sutil uma informação de cunho desagradável e chocante. Exemplo: O nobre deputado faltou com a verdade Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 5. Figuras de pensamento Gradação: é a maneira ascendente ou descendente como as idéias podem ser organizadas na frase. Exemplo: Respirou e pôs um pé adiante e depois o outro, olhou para o lado e o caminhar virou trote, que virou corrida, que virou desespero. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 6. Figuras de pensamento Ironia: figura que consiste em dizer, com intenções sarcásticas e zombadoras, exatamente o contrário do que se pensa, do que realmente se quer afirmar. Exige, em alguns casos, bastante perícia por parte do receptor (leitor ou ouvinte). Exemplo:“O presidente Lula é o mais culto e bem formado de todos os presidentes” Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 7. Figuras de pensamento Hipérbole: modo exagerado de exprimir uma idéia. Exemplos: “Eu nunca mais vou respirar, se você não me notar, eu posso até morrer de fome se você não me amar” (Cazuza) Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 8. Figuras de pensamento Prosopopéia (ou personificação): é a atribuição de características humanas a seres não-humanos. Exemplo: Seus olhos corriam pela fazenda enquanto a lua lhe sorria. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 9. Palavras Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 10. Figuras de palavras Comparação: é a comparação direta de qualificações entre seres, com o uso do conectivo comparativo (como, assim como, bem como, tal qual, etc.). Exemplo: Naquele domingo, trabalhou como um cavalo. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 11. Figuras de palavras Metáfora: assim como a comparação, consiste numa relação de semelhança de qualificações. Mais sutil, exige muita atenção do leitor para ser captada, porque dispensa os conectivos que aparecem na comparação. Exemplo: Naquele domingo, ele era um cavalo trabalhando. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 12. Figuras de palavras Metonímia: é a utilização de uma palavra por outra. Essas palavras mantêm-se relacionadas de várias formas: - O autor pela obra: Todos leram machado para a prova. - O instrumento pela pessoa que dele se utiliza: Todos sabiam que Adamastor era bom de copo. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 13. – O recipiente (continente) pelo conteúdo: Todos queriam, naquele instante, um bom copo d´água. – O lugar pelo produto: O que mais me fascinava era fumar um Havana. Figuras de palavras Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 14. Figuras de palavras Sinestesia: é a figura que proporciona a ilusão de mistura de percepções, mistura de sentidos. Exemplo: Aquele olhar doce realçava sua voz morna. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 15. Sintaxe Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 16. Figuras de sintaxe Elipse: ocorre quando se omite algum termo ou palavra de um enunciado. É sempre bom lembrar que essa omissão deve ser captada pelo leitor, que pode deduzi-la a partir do contexto, da situação comunicativa. Exemplo: (nós) Saímos da confeitaria com um pedaço de felicidade Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 17. Figuras de sintaxe Zeugma: é um tipo de elipse. Ocorre zeugma quando duas orações compartilham o termo omitido. Isto é, quando o termo omitido é o mesmo que aparece na oração anterior. Exemplos: Todos querem dinheiro; eu, amor. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 18. Figuras de sintaxe Pleonasmo: Essa figura nada mais é que a repetição, o reforço de uma idéia já expressa por alguma palavra, termo ou expressão. Somente corre como figura de sintaxe quando utilizado com fins estilísticos, como a ênfase intencional a uma idéia; sendo resultado da ignorância ou do descuido do usuário da língua, é considerado como um vício de linguagem (pleonasmo vicioso). Exemplo: Cheguei até aqui caminhando com minhas próprias pernas. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 19. Figuras de sintaxe Inversão: Há quando ocorre qualquer inversão da ordem natural de termos num enunciado, a fim de conferir-lhe especiais efeitos e reforços de sentido Exemplo: Sua alma, nunca vi. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 20. Figuras de sintaxe Anacoluto: Termo solto na frase, quebrando a estruturação lógica. Normalmente, inicia-se uma determinada construção sintática e depois se opta por outra. Ex: Eu, parece-me que vou desmaiar. / Minha vida, tudo não passa de alguns anos sem importância (sujeito sem predicado) / Quem ama o feio, bonito lhe parece (alteraram-se as relações entre termos da oração) Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 21. Figuras de sintaxe Hipérbato: é um tipo de inversão que consiste, geralmente, na separação de termos que normalmente apareceriam unidos. Exemplo O amor, todos sabemos, vermelho e quente descobri eu. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 22. Figuras de sintaxe Assíndeto: Síndeto significa conjunção, portanto assíndeto nada mais é que ausência de conjunção. Exemplos: Ele tocava, bulia, arfava e ela dormia. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 23. Figuras de sintaxe Polissíndeto: é o contrário do assíndeto. A repetição de conjunções. Exemplo Ele tocava e bulia e arfava. Ela dormia. Prof. José Antonio Ferreira da Silva
  • 24. Figuras de sintaxe Onomatopéia: consiste na criação de palavras com o intuito de imitar sons ou vozes naturais dos seres Exemplos: Ela me deu um susto e ploft, o bolo caiu no chão. Prof. José Antonio Ferreira da Silva