SlideShare uma empresa Scribd logo
Patologia Geral
Professor: Cleanto Santos Vieira
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• INFLAMAÇÃO: ou flogose (Latim
inflamare e do Grego phlogos ->
significam “pegar fogo”).
• É uma reação dos tecidos
vascularizados a um agente
agressor, gerando saída de líquidos
e de células do sangue para o
interstício.
• Em geral a inflamação é um
importante mecanismo de defesa
contra inúmeras agressões, mas
também pode causar danos ao
organismo.
Capítulo 5: Inflamação
Sinais Cardinais
Patologia Geral
• O agente inflamatório ou
flogógeno (causa da inflamação)
age sobre os tecidos induzindo a
liberação de mediadores
químicos, que ao agirem nos
receptores das células da
microcirculação e nos leucócitos,
produzem ↑ da permeabilidade
vascular e exsudação de plasma e
células sanguíneas para o
interstício.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Os estímulos que levam à liberação dos
mediadores dessa reação, levam também
(de modo mais lento) à liberação de
mediadores com efeitos antinflamatórios,
responsáveis pela redução da exsudação dos
leucócitos e pela proteção contra os
possíveis efeitos lesivos dessas células.
• Assim cessada a ação do agente
inflamatório, reduz-se a liberação de agentes
pró-inflamatórios, passando a predominar
os agentes antinflamatórios.
Capítulo 5: Inflamação
Resolução do processo inflamatório:
Remoção dos micróbios, células mortas e debridação
Restauração da integridade e perfusão vascular
Regeneração do tecido
Remissão da febre (aumento de temperatura)
Alívio da dor
Patologia Geral
• A consequência é que a microcirculação
recupera a hemodinâmica original e o
líquido e as células exsudadas voltam à
circulação sanguínea (principalmente
pelos vasos linfáticos).
• Se ocorre necrose o tecido destruído é
fagocitado, surgindo logo depois os
fenômenos da cicatrização ou de
regeneração (dependendo da extensão
da lesão e do órgão acometido).
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• O processo inflamatório é um
fenômeno dinâmico e essa é a
razão pela qual seu aspecto
morfológico se modifica com o
tempo.
Capítulo 5: Inflamação
Processo de cicatrização tecidual
Patologia Geral
• Sinais cardinais:
• A reação inflamatória é conhecida há
bastante tempo.
• Na antiguidade os Gregos já a definiam
pelos seus sinais e sintomas típicos que
são:
• - Calor
• - Rubor
• - Tumor (edema)
• - Dor
• Só muito mais tarde (séc. XIX), foi dada a
devida importância a perda da
funcionalidade que quase sempre
acompanha as reações inflamatórias
Capítulo 5: Inflamação
Aulius Cornelius
Celsius – 25ac a
50 dc
Patologia Geral
• Essa caracterização por sinais cardinais baseava-se
exclusivamente em observações de inflamações em
órgãos passíveis de visualização a olho nu (pele,
cavidade bucal, garganta. etc...).
• Após a descoberta da circulação sanguínea ocorre
também a preocupação de se conhecer melhor a
reação inflamatória (tentativa de se produzir o
fenômeno experimentalmente).
• Uma das primeiras observações científicas sobre a
inflamação foi feita por John Hunter em 1794 (fez
descrições macroscópicas do processo sugerindo
sua relação com fenômenos circulatórios).
Capítulo 5: Inflamação
John Hunter
Patologia Geral
• Os trabalhos clássicos de produção experimental
de inflamação são de Julius Cohnhein (1839-
1884), feitos no século XIX.
• Cohnhein utilizou a membrana interdigital da rã,
mostrando alterações vasculares e exsudação
celular após irritação direta da pele.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• No início do século XX, os estudos
experimentais se aceleraram após a
descoberta do primeiro mediador da
inflamação (Histamina) por George Barger e
Henry Hallet Dale.
• Daí em diante os processos experimentais se
multiplicaram, possibilitando além do
conhecimento do processo inflamatório
como também a investigação de drogas
antinflamatórias muito úteis para o
tratamento das inflamações.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Fenômenos da inflamação:
• Fenômenos irritativos -> consistem
num conjunto de modificações
provocadas pelo agente inflamatório
que resulta na liberação de mediadores
químicos responsáveis pelos
fenômenos subsequentes da
inflamação.
• Células e mediadores da inflamação:
• Os tecidos possuem inervação,
microcirculação, células
parenquimatosas e estroma (tecido
conjuntivo).
• Agentes lesivos atingem um ou vários
desses componentes que vão produzir
uma resposta local para adaptar os
tecidos à nova situação.
Capítulo 5: Inflamação
Iniciação química da nocicepção
Patologia Geral
• Isso favorece a eliminação da agressão ou de seus efeitos.
• Essa resposta ocorre por liberação de mediadores que induzem
modificações na microcirculação e migração de fagócitos para o
interstício.
• A forma a qual o agente agressor irrita o tecido é variável:
• a) Liberação de substâncias que encontram receptores nas células, que
quando ativadas, liberam mediadores;
• b) Indução de modificações em moléculas dos tecidos, que, quando
ativadas desencadeiam reações liberando também mediadores;
• c) Produção, por ação direta, de lesões celulares ou da matriz
extracelular, cuja consequência será a liberação de mediadores.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Essas reações dos tecidos que liberam
mediadores imediatamente agindo no
próprio tecido, tentando adaptá-lo à
agressão, são muito semelhantes a
variados agentes agressores, pois
fazem pela liberação de um grupo
restrito de mediadores e são
necessárias em qualquer tipo de
agressão (resposta inata).
• Os mediadores da resposta imunitária
inata, são complementados por
mediadores produzidos pela resposta
imunitária adaptativa.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• A resposta adaptativa, modula a
resposta inflamatória, tornando-
a mais eficaz na eliminação da
agressão.
• Por isso as respostas inata e
adaptativa estão sempre
associadas na resposta
inflamatória.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Os mediadores liberados após uma agressão ficam
armazenados em células (ex: mastócitos presentes
em todos os tecidos conjuntivos) ou terminações
nervosas sensitivas, ou são produzidos por outras
células (endotélio, monócitos, macrófagos,
neutrófilos, linfócitos, células parenquimatosas ou do
estroma).
• Essas subtâncias recebem nomes variados
(mediadores endógenos, autacóides, citocinas,
quimiocinas) e desempenham papel fundamental nas
respostas locais e sistêmicas após agressões.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Os mediadores de liberação
imediata são responsáveis pelo
início dos fenômenos vasculares e
exsudativos, enquanto os de
liberação mediada ou tardia atuam
na manutenção desses fenômenos
ou na reparação e produtivos,
levando à cura ou à cronificação
do processo.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Mastócitos:
• Dois tipos:
• MTC -> mastócitos de tecido conjuntivo, são células grandes
que se originam de um precursor mesenquimal
(mesênquima é um tecido embrionário originado do
conjuntivo) ainda não conhecido. Os MTC tem
diferenciação e proliferação independentes dos linfócitos T.
• MM -> mastócitos das mucosas, se diferenciam a partir de
um precursor da medula óssea sob influência da IL-3
(interleucina 3, atua na maturação e liberação de histamina)
e se localizam geralmente na lâmina própria de mucosas
(exsudam para locais de reação anafilática no período
imediato ou tardio). Os MM são essencialmente
dependentes de linfócitos T.
Capítulo 5: Inflamação
MTC – mastócito de
tecido conjuntivo
Patologia Geral
• Ambos possuem receptores Fce de alta afinidade (imunoglobulinas –
anticorpos).
• Possuem também receptores para C3a, C5a (fragmentos de proteína
derivados da clivagem de C5 pelo sistema complemento).
• Receptores β-adrenérgicos (receptor adrenérgico predominante nos
músculos lisos que causam o relaxamento visceral).
• Receptores colinérgicos (proteína integral de membrana que gera uma
resposta a partir de uma mólecula de acetilcolina).
• Receptores H1 e H2 para histamina (amina biogênica vasodilatadora
envolvida em processos bioquímicos de respostas imunológicas).
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Os receptores β-adrenérgicos e os H2
são antagonistas da desgranulação, e
os receptores colinérgicos e os α-
drenérgicos são agonistas da
desgranulação.
• Os mastócitos armazenam em seus
grânulos (histamina, heparina,
algumas proteases e outros produtos.
• A desgranulação se faz por diferentes
estímulos: Calor, trauma mecânico,
frio, reação de antígenos, etc...
Capítulo 5: Inflamação
Grânulos
Os grânulos liberando os mediadores químicos no
interstício
Patologia Geral
• A histamina liberada produz
vasodilatação arteriolar, ↑ a
permeabilidade vascular e possibilita
a passagem de proteínas do plasma
para o interstício, especialmente o
fibrinogênio.
• Os mastócitos também sintetizam e
liberam prostaglandinas,
leucotrienos, IL-4, IL-5, IL-3 e
quimiocinas, especialmente eotaxina
(subfamília das quimiocinas
eosinofílicas responsáveis por ações
contra parasitas multicelulares e
infecções em geral)
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Basófilos: são células circulantes que
se originam de precursores da medulla
óssea.
• Seu número no sangue é pequeno (0,1
– 1% dos leucócitos; 50 a 80/mm³).
• Tem núcleo lobulado e numerosos
grânulos eletrodensos no citoplasma.
• Possuem receptores de membrana
para Fc (porção das imunoglobulinas)
de anticorpos IgE (imunoglobulina E).
Capítulo 5: Inflamação
Basófilos
Patologia Geral
• Plaquetas: importantes fontes de
mediadores da inflamação, os quais
ficam armazenados em seus grânulos.
• Sintetizam TXA₂ , lipoxinas e
macrófagos.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Terminações nervosas: armazenam peptídeos conhecidos como taquicininas (a
mais conhecida é a substância P).
• A substância P age em diferentes receptores celulares produzindo contração da
musculatura lisa intestinal e brônquica, vasodilatação arteriolar, aumento da
permeabilidade vascular (provavelmente por indução da liberação de histamina) e
efeito quimiotático sobre células polimorfonucleares e macrófagos.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Endotélio: As células
endoteliais produzem
substâncias diversas que
atuam na coagulação,
aderência de leucócitos e
vasomotricidade.
• Já foi descrito mais
detalhadamente no capítulo
anterior.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Sistema complemento: é um
conjunto de proteínas (pró-
enzimas) que se ativam em
cascata, e formam sobre a célula
onde o sistema foi ativado um
complexo macronuclear
anfipático (molécula que tem
regiões hidrofóbicas e
hidrofílicas), que se aprofunda na
membrana, criando um poro
hidrofílico através do qual a célula
perde elétrons e morre.
Capítulo 5: Inflamação
Opsonização:processo que facilita a ação do
sistema imunológico em fixar opsoninas ou
fragmentos do complemento na superfície
bacteriana, permitindo a fagocitose
Patologia Geral
• O sistema complemento pode ser ativado de três formas:
• A) via clássica, ativada por complexos Ag-Ac (antígeno-anticorpo);
• B) via alternativa, desencadeada pela ativação do C3 convertase (única
proteína do complemento capaz de se quebrada sem a ação de uma
enzima) pois ela sofre hidrólise convertendo-se em C3a e C3b na
superfície do patógeno;
• C) via das lectinas, incia-se pela ligação da lectina MBP (Manose Binding
Protein)- proteína de origem não-imunológica, que aglutina hemácias
graças à sua propriedade de se ligar reversivelmente a carboidratos) a
resíduos de manose existentes na superfície de microorganismos.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Mediadores lipídicos: os lipídeos das
membranas são fonte de mediadores
extracelulares ou de mensageiros
intracelulares gerados por ativação de
receptores de membrana.
• Os derivados do ácido fosfatídico e a
esfingomielina são a principais fontes
desses mediadores.
• A fosfolipase hidrolisa fosfolipídeos,
liberando ácidos graxos e radicais
ligados ao fosfato.
• A esfingomielinase age sobre a
esfingomielina clivando-a em ceramida
e fosforilcolina.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Por a ação das cicloxigenases
(COX) do citosol, o ácido
aracdônico libera
prostaglandinas (PG), que
agem em receptores de várias
células, produzindo uma vasta
gama de efeitos biológicos.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• As lipoxigenases (LO-5, LO-12 e
LO-15) agem sobre o ácido
aracdônico e produzem os
leucotrienos, que são poderosos
quiomiotáticos, aumentando a
permeabilidade vascular,
causando vasodilatação e
contraem a musculatura lisa do
intestino e brônquios.
• As lipoxinas LX – Lipoxygenase
interaction products, são
derivadas do ácido aracdônico.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Fenômenos vasculares:
• As principais modificações são:
• 1) – vasodilatação arteriolar, produzida na maioria das vezes por ação da
histamina e do reflexo axônico (ação da substância P das terminações
nervosas e da histamina). Ocorre o aumento do fluxo sanguíneo para a
área agredida, hyperemia ativa.
• 2) – As vênulas menores se dilatam, mas as maiores sofrem uma
pequena constrição, aumento da pressão hidrostática na
microcirculação.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Fenômenos exudativos: são
resultantes da saída dos elementos
do sangue (plasma e células) do leito
vascular para o interstício (Latin –
exudare – passer através de).
• Em geral a exudação plasmática
precede e exudação cellular.
• A exudação de leucócitos é o
elemento morfológico mais
característico das inflamações.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Exudação plasmática: começa
nas fases iniciais da hiperemia e
continua durante o processo
inflamatório.
• O exudato pode ser rico ou
pobre em proteínas, e sua
quantidade é variável.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Exudação cellular: o
primeiro evento é a
marginalização leucocitária,
onde os leucócitos migram
do centro da coluna
sanguínea passando a
ocupar a periferia do vaso.
Capítulo 5: Inflamação
Patologia Geral
• Agentes quimiotáticos: são
liberados no interstício e se
difundem criando um gradient que
diminui em direção ao vaso.
• Os leucócitos saem do vaso e se
dirigem ao centro do processo
inflamatório quiados por agentes
quimiotáticos.
• As substâncias quimiotáticas
podem ser exógenas (trazidas pelo
agente inflamatório) ou
endógenas, produto da ativação do
Sistema complemento.
Capítulo 5: Inflamação
•REFERÊNCIAS
BOGLIOLO, L.; BRASILEIRO FILHO, G. Patologia. 7ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.
GOLJAN, E. F. Resumo de Patologia. São Paulo: Roca, 2002.
MONTENEGRO, M. R. (ed.); FRANCO, M. (ed.). Patologia: Processos Gerais. 4.ed São Paulo: Atheneu,
2004. 320 p.
KUMAR, V. et al. Robbins patologia básica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. 1028 p.
ROBBINS, S. L.; KUMAR, V. (ed.); ABBAS, A.K. (ed.); FAUSTO, N. (ed.). Patologia: Bases Patológicas das
doenças. 7ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
ROBBINS, S. L.; COTRAN R.S.; KUMAR, V. Patologia Estrutural e Funcional. 6ª ed., Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 1991.
STEVENS, A.; LOWE J. Patologia. 2ª ed. Barueri: Manole, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lesões celulares
Lesões celulares Lesões celulares
Lesões celulares
Karen Costa
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
LABIMUNO UFBA
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Marília Gomes
 
Patologia geral - introdução - capitulo 1
Patologia geral - introdução - capitulo 1Patologia geral - introdução - capitulo 1
Patologia geral - introdução - capitulo 1
Cleanto Santos Vieira
 
Sistema Complemento
Sistema ComplementoSistema Complemento
Sistema Complemento
LABIMUNO UFBA
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Lys Duarte
 
Patologia geral
Patologia geralPatologia geral
Patologia geral
Gildo Crispim
 
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
Caroline Leite
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Helena Amaral
 
Hipersensibilidade
HipersensibilidadeHipersensibilidade
Hipersensibilidade
Kelton Silva Sena
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
LABIMUNO UFBA
 
Imunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - HumoralImunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - Humoral
Isabel Lopes
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
Nathanael Amparo
 
Microbiota humana
Microbiota humanaMicrobiota humana
Microbiota humana
Dr.João Calais.:
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
LABIMUNO UFBA
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
JosianeBergund
 
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 2
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4  aula 2Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4  aula 2
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 2
Cleanto Santos Vieira
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
Ricardo Portela
 
Matriz extracelular
Matriz extracelularMatriz extracelular
Matriz extracelular
danilo oliveira
 

Mais procurados (20)

Lesões celulares
Lesões celulares Lesões celulares
Lesões celulares
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
 
Patologia geral - introdução - capitulo 1
Patologia geral - introdução - capitulo 1Patologia geral - introdução - capitulo 1
Patologia geral - introdução - capitulo 1
 
Sistema Complemento
Sistema ComplementoSistema Complemento
Sistema Complemento
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Patologia geral
Patologia geralPatologia geral
Patologia geral
 
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
2014916 195915 inflamação+aguda+e+crônica
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Hipersensibilidade
HipersensibilidadeHipersensibilidade
Hipersensibilidade
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 
Imunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - HumoralImunidade Adquirida - Humoral
Imunidade Adquirida - Humoral
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Microbiota humana
Microbiota humanaMicrobiota humana
Microbiota humana
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
 
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 2
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4  aula 2Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4  aula 2
Patologia geral - distúrbios da circulação - capítulo 4 aula 2
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 
Matriz extracelular
Matriz extracelularMatriz extracelular
Matriz extracelular
 

Semelhante a Patologia geral - inflamação - capítulo 5

Desfecho da inflamação aguda
Desfecho da inflamação agudaDesfecho da inflamação aguda
Desfecho da inflamação aguda
Nathalia Fuga
 
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacaoProcessos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
Alexis Lousada
 
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjfAULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
AngelicaCostaMeirele2
 
Aula 3- Patologia.pptx
Aula 3- Patologia.pptxAula 3- Patologia.pptx
Aula 3- Patologia.pptx
lucaspedrodasilva
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
Nathalia Fuga
 
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICAINFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
Dr. Mauricio Ferrufino Sequeiros
 
Apostila teoria anatomia_e_ fisiologia
Apostila teoria anatomia_e_ fisiologiaApostila teoria anatomia_e_ fisiologia
Apostila teoria anatomia_e_ fisiologia
Fabiana Costa
 
AULA 6 - Inflamação II.pdf
AULA 6 - Inflamação II.pdfAULA 6 - Inflamação II.pdf
AULA 6 - Inflamação II.pdf
BeatrizFreitas56721
 
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo nettoPatologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo nettoPatologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 
Carlos henrique
Carlos henriqueCarlos henrique
Carlos henrique
Nathy Oliveira
 
Reação inflamatória
Reação inflamatóriaReação inflamatória
Reação inflamatória
Gyl Souza
 
Imunologia thaís benetti
Imunologia thaís benettiImunologia thaís benetti
Imunologia thaís benetti
Thais Benetti
 
4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf
CarinaAmorim10
 
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
MayaraGomes216833
 
S imun2-110203111126-phpapp02
S imun2-110203111126-phpapp02S imun2-110203111126-phpapp02
S imun2-110203111126-phpapp02
Pelo Siro
 
Inflamação e Reparação
Inflamação e ReparaçãoInflamação e Reparação
Inflamação e Reparação
Jessica Monteiro
 
Fisiopatologia ii
Fisiopatologia iiFisiopatologia ii
Fisiopatologia ii
Rosely_ro
 
Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1
Juliana Vasconcelos
 

Semelhante a Patologia geral - inflamação - capítulo 5 (20)

Desfecho da inflamação aguda
Desfecho da inflamação agudaDesfecho da inflamação aguda
Desfecho da inflamação aguda
 
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacaoProcessos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
 
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjfAULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
AULA 6 - Inflamação.pptxjdhxhxnxjxjdjdjfjjf
 
Aula 3- Patologia.pptx
Aula 3- Patologia.pptxAula 3- Patologia.pptx
Aula 3- Patologia.pptx
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICAINFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
 
Apostila teoria anatomia_e_ fisiologia
Apostila teoria anatomia_e_ fisiologiaApostila teoria anatomia_e_ fisiologia
Apostila teoria anatomia_e_ fisiologia
 
AULA 6 - Inflamação II.pdf
AULA 6 - Inflamação II.pdfAULA 6 - Inflamação II.pdf
AULA 6 - Inflamação II.pdf
 
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo nettoPatologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
 
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
IMUNIDADE II
 
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo nettoPatologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
 
Carlos henrique
Carlos henriqueCarlos henrique
Carlos henrique
 
Reação inflamatória
Reação inflamatóriaReação inflamatória
Reação inflamatória
 
Imunologia thaís benetti
Imunologia thaís benettiImunologia thaís benetti
Imunologia thaís benetti
 
4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf4. Imunidade.pdf
4. Imunidade.pdf
 
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
376928.pptx.ppaulasobreinflamacaopfddsss
 
S imun2-110203111126-phpapp02
S imun2-110203111126-phpapp02S imun2-110203111126-phpapp02
S imun2-110203111126-phpapp02
 
Inflamação e Reparação
Inflamação e ReparaçãoInflamação e Reparação
Inflamação e Reparação
 
Fisiopatologia ii
Fisiopatologia iiFisiopatologia ii
Fisiopatologia ii
 
Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1
 

Mais de Cleanto Santos Vieira

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Cleanto Santos Vieira
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Cleanto Santos Vieira
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Cleanto Santos Vieira
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Cleanto Santos Vieira
 

Mais de Cleanto Santos Vieira (20)

Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
 
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 Fototerapia - infravermelho - cap 13 Fototerapia - infravermelho - cap 13
Fototerapia - infravermelho - cap 13
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
 

Último

Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (8)

Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 

Patologia geral - inflamação - capítulo 5

  • 1. Patologia Geral Professor: Cleanto Santos Vieira Capítulo 5: Inflamação
  • 2. Patologia Geral • INFLAMAÇÃO: ou flogose (Latim inflamare e do Grego phlogos -> significam “pegar fogo”). • É uma reação dos tecidos vascularizados a um agente agressor, gerando saída de líquidos e de células do sangue para o interstício. • Em geral a inflamação é um importante mecanismo de defesa contra inúmeras agressões, mas também pode causar danos ao organismo. Capítulo 5: Inflamação Sinais Cardinais
  • 3. Patologia Geral • O agente inflamatório ou flogógeno (causa da inflamação) age sobre os tecidos induzindo a liberação de mediadores químicos, que ao agirem nos receptores das células da microcirculação e nos leucócitos, produzem ↑ da permeabilidade vascular e exsudação de plasma e células sanguíneas para o interstício. Capítulo 5: Inflamação
  • 4. Patologia Geral • Os estímulos que levam à liberação dos mediadores dessa reação, levam também (de modo mais lento) à liberação de mediadores com efeitos antinflamatórios, responsáveis pela redução da exsudação dos leucócitos e pela proteção contra os possíveis efeitos lesivos dessas células. • Assim cessada a ação do agente inflamatório, reduz-se a liberação de agentes pró-inflamatórios, passando a predominar os agentes antinflamatórios. Capítulo 5: Inflamação Resolução do processo inflamatório: Remoção dos micróbios, células mortas e debridação Restauração da integridade e perfusão vascular Regeneração do tecido Remissão da febre (aumento de temperatura) Alívio da dor
  • 5. Patologia Geral • A consequência é que a microcirculação recupera a hemodinâmica original e o líquido e as células exsudadas voltam à circulação sanguínea (principalmente pelos vasos linfáticos). • Se ocorre necrose o tecido destruído é fagocitado, surgindo logo depois os fenômenos da cicatrização ou de regeneração (dependendo da extensão da lesão e do órgão acometido). Capítulo 5: Inflamação
  • 6. Patologia Geral • O processo inflamatório é um fenômeno dinâmico e essa é a razão pela qual seu aspecto morfológico se modifica com o tempo. Capítulo 5: Inflamação Processo de cicatrização tecidual
  • 7. Patologia Geral • Sinais cardinais: • A reação inflamatória é conhecida há bastante tempo. • Na antiguidade os Gregos já a definiam pelos seus sinais e sintomas típicos que são: • - Calor • - Rubor • - Tumor (edema) • - Dor • Só muito mais tarde (séc. XIX), foi dada a devida importância a perda da funcionalidade que quase sempre acompanha as reações inflamatórias Capítulo 5: Inflamação Aulius Cornelius Celsius – 25ac a 50 dc
  • 8. Patologia Geral • Essa caracterização por sinais cardinais baseava-se exclusivamente em observações de inflamações em órgãos passíveis de visualização a olho nu (pele, cavidade bucal, garganta. etc...). • Após a descoberta da circulação sanguínea ocorre também a preocupação de se conhecer melhor a reação inflamatória (tentativa de se produzir o fenômeno experimentalmente). • Uma das primeiras observações científicas sobre a inflamação foi feita por John Hunter em 1794 (fez descrições macroscópicas do processo sugerindo sua relação com fenômenos circulatórios). Capítulo 5: Inflamação John Hunter
  • 9. Patologia Geral • Os trabalhos clássicos de produção experimental de inflamação são de Julius Cohnhein (1839- 1884), feitos no século XIX. • Cohnhein utilizou a membrana interdigital da rã, mostrando alterações vasculares e exsudação celular após irritação direta da pele. Capítulo 5: Inflamação
  • 10. Patologia Geral • No início do século XX, os estudos experimentais se aceleraram após a descoberta do primeiro mediador da inflamação (Histamina) por George Barger e Henry Hallet Dale. • Daí em diante os processos experimentais se multiplicaram, possibilitando além do conhecimento do processo inflamatório como também a investigação de drogas antinflamatórias muito úteis para o tratamento das inflamações. Capítulo 5: Inflamação
  • 11. Patologia Geral • Fenômenos da inflamação: • Fenômenos irritativos -> consistem num conjunto de modificações provocadas pelo agente inflamatório que resulta na liberação de mediadores químicos responsáveis pelos fenômenos subsequentes da inflamação. • Células e mediadores da inflamação: • Os tecidos possuem inervação, microcirculação, células parenquimatosas e estroma (tecido conjuntivo). • Agentes lesivos atingem um ou vários desses componentes que vão produzir uma resposta local para adaptar os tecidos à nova situação. Capítulo 5: Inflamação Iniciação química da nocicepção
  • 12. Patologia Geral • Isso favorece a eliminação da agressão ou de seus efeitos. • Essa resposta ocorre por liberação de mediadores que induzem modificações na microcirculação e migração de fagócitos para o interstício. • A forma a qual o agente agressor irrita o tecido é variável: • a) Liberação de substâncias que encontram receptores nas células, que quando ativadas, liberam mediadores; • b) Indução de modificações em moléculas dos tecidos, que, quando ativadas desencadeiam reações liberando também mediadores; • c) Produção, por ação direta, de lesões celulares ou da matriz extracelular, cuja consequência será a liberação de mediadores. Capítulo 5: Inflamação
  • 13. Patologia Geral • Essas reações dos tecidos que liberam mediadores imediatamente agindo no próprio tecido, tentando adaptá-lo à agressão, são muito semelhantes a variados agentes agressores, pois fazem pela liberação de um grupo restrito de mediadores e são necessárias em qualquer tipo de agressão (resposta inata). • Os mediadores da resposta imunitária inata, são complementados por mediadores produzidos pela resposta imunitária adaptativa. Capítulo 5: Inflamação
  • 14. Patologia Geral • A resposta adaptativa, modula a resposta inflamatória, tornando- a mais eficaz na eliminação da agressão. • Por isso as respostas inata e adaptativa estão sempre associadas na resposta inflamatória. Capítulo 5: Inflamação
  • 15. Patologia Geral • Os mediadores liberados após uma agressão ficam armazenados em células (ex: mastócitos presentes em todos os tecidos conjuntivos) ou terminações nervosas sensitivas, ou são produzidos por outras células (endotélio, monócitos, macrófagos, neutrófilos, linfócitos, células parenquimatosas ou do estroma). • Essas subtâncias recebem nomes variados (mediadores endógenos, autacóides, citocinas, quimiocinas) e desempenham papel fundamental nas respostas locais e sistêmicas após agressões. Capítulo 5: Inflamação
  • 16. Patologia Geral • Os mediadores de liberação imediata são responsáveis pelo início dos fenômenos vasculares e exsudativos, enquanto os de liberação mediada ou tardia atuam na manutenção desses fenômenos ou na reparação e produtivos, levando à cura ou à cronificação do processo. Capítulo 5: Inflamação
  • 17. Patologia Geral • Mastócitos: • Dois tipos: • MTC -> mastócitos de tecido conjuntivo, são células grandes que se originam de um precursor mesenquimal (mesênquima é um tecido embrionário originado do conjuntivo) ainda não conhecido. Os MTC tem diferenciação e proliferação independentes dos linfócitos T. • MM -> mastócitos das mucosas, se diferenciam a partir de um precursor da medula óssea sob influência da IL-3 (interleucina 3, atua na maturação e liberação de histamina) e se localizam geralmente na lâmina própria de mucosas (exsudam para locais de reação anafilática no período imediato ou tardio). Os MM são essencialmente dependentes de linfócitos T. Capítulo 5: Inflamação MTC – mastócito de tecido conjuntivo
  • 18. Patologia Geral • Ambos possuem receptores Fce de alta afinidade (imunoglobulinas – anticorpos). • Possuem também receptores para C3a, C5a (fragmentos de proteína derivados da clivagem de C5 pelo sistema complemento). • Receptores β-adrenérgicos (receptor adrenérgico predominante nos músculos lisos que causam o relaxamento visceral). • Receptores colinérgicos (proteína integral de membrana que gera uma resposta a partir de uma mólecula de acetilcolina). • Receptores H1 e H2 para histamina (amina biogênica vasodilatadora envolvida em processos bioquímicos de respostas imunológicas). Capítulo 5: Inflamação
  • 19. Patologia Geral • Os receptores β-adrenérgicos e os H2 são antagonistas da desgranulação, e os receptores colinérgicos e os α- drenérgicos são agonistas da desgranulação. • Os mastócitos armazenam em seus grânulos (histamina, heparina, algumas proteases e outros produtos. • A desgranulação se faz por diferentes estímulos: Calor, trauma mecânico, frio, reação de antígenos, etc... Capítulo 5: Inflamação Grânulos Os grânulos liberando os mediadores químicos no interstício
  • 20. Patologia Geral • A histamina liberada produz vasodilatação arteriolar, ↑ a permeabilidade vascular e possibilita a passagem de proteínas do plasma para o interstício, especialmente o fibrinogênio. • Os mastócitos também sintetizam e liberam prostaglandinas, leucotrienos, IL-4, IL-5, IL-3 e quimiocinas, especialmente eotaxina (subfamília das quimiocinas eosinofílicas responsáveis por ações contra parasitas multicelulares e infecções em geral) Capítulo 5: Inflamação
  • 21. Patologia Geral • Basófilos: são células circulantes que se originam de precursores da medulla óssea. • Seu número no sangue é pequeno (0,1 – 1% dos leucócitos; 50 a 80/mm³). • Tem núcleo lobulado e numerosos grânulos eletrodensos no citoplasma. • Possuem receptores de membrana para Fc (porção das imunoglobulinas) de anticorpos IgE (imunoglobulina E). Capítulo 5: Inflamação Basófilos
  • 22. Patologia Geral • Plaquetas: importantes fontes de mediadores da inflamação, os quais ficam armazenados em seus grânulos. • Sintetizam TXA₂ , lipoxinas e macrófagos. Capítulo 5: Inflamação
  • 23. Patologia Geral • Terminações nervosas: armazenam peptídeos conhecidos como taquicininas (a mais conhecida é a substância P). • A substância P age em diferentes receptores celulares produzindo contração da musculatura lisa intestinal e brônquica, vasodilatação arteriolar, aumento da permeabilidade vascular (provavelmente por indução da liberação de histamina) e efeito quimiotático sobre células polimorfonucleares e macrófagos. Capítulo 5: Inflamação
  • 24. Patologia Geral • Endotélio: As células endoteliais produzem substâncias diversas que atuam na coagulação, aderência de leucócitos e vasomotricidade. • Já foi descrito mais detalhadamente no capítulo anterior. Capítulo 5: Inflamação
  • 25. Patologia Geral • Sistema complemento: é um conjunto de proteínas (pró- enzimas) que se ativam em cascata, e formam sobre a célula onde o sistema foi ativado um complexo macronuclear anfipático (molécula que tem regiões hidrofóbicas e hidrofílicas), que se aprofunda na membrana, criando um poro hidrofílico através do qual a célula perde elétrons e morre. Capítulo 5: Inflamação Opsonização:processo que facilita a ação do sistema imunológico em fixar opsoninas ou fragmentos do complemento na superfície bacteriana, permitindo a fagocitose
  • 26. Patologia Geral • O sistema complemento pode ser ativado de três formas: • A) via clássica, ativada por complexos Ag-Ac (antígeno-anticorpo); • B) via alternativa, desencadeada pela ativação do C3 convertase (única proteína do complemento capaz de se quebrada sem a ação de uma enzima) pois ela sofre hidrólise convertendo-se em C3a e C3b na superfície do patógeno; • C) via das lectinas, incia-se pela ligação da lectina MBP (Manose Binding Protein)- proteína de origem não-imunológica, que aglutina hemácias graças à sua propriedade de se ligar reversivelmente a carboidratos) a resíduos de manose existentes na superfície de microorganismos. Capítulo 5: Inflamação
  • 27. Patologia Geral • Mediadores lipídicos: os lipídeos das membranas são fonte de mediadores extracelulares ou de mensageiros intracelulares gerados por ativação de receptores de membrana. • Os derivados do ácido fosfatídico e a esfingomielina são a principais fontes desses mediadores. • A fosfolipase hidrolisa fosfolipídeos, liberando ácidos graxos e radicais ligados ao fosfato. • A esfingomielinase age sobre a esfingomielina clivando-a em ceramida e fosforilcolina. Capítulo 5: Inflamação
  • 28. Patologia Geral • Por a ação das cicloxigenases (COX) do citosol, o ácido aracdônico libera prostaglandinas (PG), que agem em receptores de várias células, produzindo uma vasta gama de efeitos biológicos. Capítulo 5: Inflamação
  • 29. Patologia Geral • As lipoxigenases (LO-5, LO-12 e LO-15) agem sobre o ácido aracdônico e produzem os leucotrienos, que são poderosos quiomiotáticos, aumentando a permeabilidade vascular, causando vasodilatação e contraem a musculatura lisa do intestino e brônquios. • As lipoxinas LX – Lipoxygenase interaction products, são derivadas do ácido aracdônico. Capítulo 5: Inflamação
  • 30. Patologia Geral • Fenômenos vasculares: • As principais modificações são: • 1) – vasodilatação arteriolar, produzida na maioria das vezes por ação da histamina e do reflexo axônico (ação da substância P das terminações nervosas e da histamina). Ocorre o aumento do fluxo sanguíneo para a área agredida, hyperemia ativa. • 2) – As vênulas menores se dilatam, mas as maiores sofrem uma pequena constrição, aumento da pressão hidrostática na microcirculação. Capítulo 5: Inflamação
  • 31. Patologia Geral • Fenômenos exudativos: são resultantes da saída dos elementos do sangue (plasma e células) do leito vascular para o interstício (Latin – exudare – passer através de). • Em geral a exudação plasmática precede e exudação cellular. • A exudação de leucócitos é o elemento morfológico mais característico das inflamações. Capítulo 5: Inflamação
  • 32. Patologia Geral • Exudação plasmática: começa nas fases iniciais da hiperemia e continua durante o processo inflamatório. • O exudato pode ser rico ou pobre em proteínas, e sua quantidade é variável. Capítulo 5: Inflamação
  • 33. Patologia Geral • Exudação cellular: o primeiro evento é a marginalização leucocitária, onde os leucócitos migram do centro da coluna sanguínea passando a ocupar a periferia do vaso. Capítulo 5: Inflamação
  • 34. Patologia Geral • Agentes quimiotáticos: são liberados no interstício e se difundem criando um gradient que diminui em direção ao vaso. • Os leucócitos saem do vaso e se dirigem ao centro do processo inflamatório quiados por agentes quimiotáticos. • As substâncias quimiotáticas podem ser exógenas (trazidas pelo agente inflamatório) ou endógenas, produto da ativação do Sistema complemento. Capítulo 5: Inflamação
  • 35. •REFERÊNCIAS BOGLIOLO, L.; BRASILEIRO FILHO, G. Patologia. 7ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. GOLJAN, E. F. Resumo de Patologia. São Paulo: Roca, 2002. MONTENEGRO, M. R. (ed.); FRANCO, M. (ed.). Patologia: Processos Gerais. 4.ed São Paulo: Atheneu, 2004. 320 p. KUMAR, V. et al. Robbins patologia básica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. 1028 p. ROBBINS, S. L.; KUMAR, V. (ed.); ABBAS, A.K. (ed.); FAUSTO, N. (ed.). Patologia: Bases Patológicas das doenças. 7ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. ROBBINS, S. L.; COTRAN R.S.; KUMAR, V. Patologia Estrutural e Funcional. 6ª ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991. STEVENS, A.; LOWE J. Patologia. 2ª ed. Barueri: Manole, 2002.