SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula de Pigmentações

Aula de Pigmentações Patológicas, Calcificações e Concreções Universidade Federal do Paraná 2010-2011

1 de 70
Pigmentações Patológicas Calcificações e Concreções UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Prof. Raimundo Tostes
O Que é Pigmento? Substância anormal que não pode ser   metabolizada ou removida . Ex.: Carvão, tinta sintética, melanina.
Endógenos Exógenos Pigmentos “ Pigmento“ é uma denominação genérica. Pode ser  exógeno  ou  endógeno  e seu acúmulo pode ou não ser patológico.
Pigmentos Exógenos Pneumoconioses Carvão (antracose) Sílica (silicose) Asbestos (asbestose) Outras: Tatuagem
 
 

Recomendados

Calcificacão e pigmentacão patológicas
Calcificacão e pigmentacão patológicasCalcificacão e pigmentacão patológicas
Calcificacão e pigmentacão patológicasEuripedes Barbosa
 
41782307 calcificacoes-e-pigmentacoes-patologicas
41782307 calcificacoes-e-pigmentacoes-patologicas41782307 calcificacoes-e-pigmentacoes-patologicas
41782307 calcificacoes-e-pigmentacoes-patologicasJuliana Braga
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesMarília Gomes
 
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações CadavéricasPatologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações CadavéricasUFPEL
 
6 pigmentacoes e calcificacoes v2 (1)
6 pigmentacoes e calcificacoes v2 (1)6 pigmentacoes e calcificacoes v2 (1)
6 pigmentacoes e calcificacoes v2 (1)Tamiris Ferreira
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioMarília Gomes
 
Alterações do crescimento e diferenciação celular
Alterações do crescimento e diferenciação celularAlterações do crescimento e diferenciação celular
Alterações do crescimento e diferenciação celularMarília Gomes
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lesões celulares
Lesões celulares Lesões celulares
Lesões celulares Karen Costa
 
Aula de Alterações Cadavéricas
Aula de Alterações CadavéricasAula de Alterações Cadavéricas
Aula de Alterações CadavéricasRaimundo Tostes
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Marília Gomes
 
Descrição e Interpretação Macroscópica das Lesões
Descrição e Interpretação Macroscópica das LesõesDescrição e Interpretação Macroscópica das Lesões
Descrição e Interpretação Macroscópica das LesõesUFPEL
 
Processos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônicoProcessos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônicoMarília Gomes
 
Patologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema RespiratórioPatologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema RespiratórioRaimundo Tostes
 
Aula de Patologia do Sistema Endócrino
Aula de Patologia do Sistema EndócrinoAula de Patologia do Sistema Endócrino
Aula de Patologia do Sistema EndócrinoRaimundo Tostes
 
Questões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestreQuestões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestreJumooca
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicasMarília Gomes
 
Cardio 3
Cardio 3Cardio 3
Cardio 3UFPEL
 
Hipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
Hipóxia, anóxia, radicais livres - PatologiaHipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
Hipóxia, anóxia, radicais livres - PatologiaUniversidade de Brasília
 
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morteBiologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morteDeise Silva
 

Mais procurados (20)

Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de AlmeidaLesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
 
Aula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatóriosAula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatórios
 
Inflamação
  Inflamação  Inflamação
Inflamação
 
Avaliação Hepática
Avaliação HepáticaAvaliação Hepática
Avaliação Hepática
 
Lesões celulares
Lesões celulares Lesões celulares
Lesões celulares
 
Aula de Alterações Cadavéricas
Aula de Alterações CadavéricasAula de Alterações Cadavéricas
Aula de Alterações Cadavéricas
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
 
Descrição e Interpretação Macroscópica das Lesões
Descrição e Interpretação Macroscópica das LesõesDescrição e Interpretação Macroscópica das Lesões
Descrição e Interpretação Macroscópica das Lesões
 
Fácies - Profa. Rilva Muñoz
Fácies - Profa. Rilva MuñozFácies - Profa. Rilva Muñoz
Fácies - Profa. Rilva Muñoz
 
Processos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônicoProcessos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônico
 
Patologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema RespiratórioPatologia do Sistema Respiratório
Patologia do Sistema Respiratório
 
Aula de Patologia do Sistema Endócrino
Aula de Patologia do Sistema EndócrinoAula de Patologia do Sistema Endócrino
Aula de Patologia do Sistema Endócrino
 
Questões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestreQuestões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestre
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
 
Cardio 3
Cardio 3Cardio 3
Cardio 3
 
Inflamação
InflamaçãoInflamação
Inflamação
 
Necrose
NecroseNecrose
Necrose
 
Hipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
Hipóxia, anóxia, radicais livres - PatologiaHipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
Hipóxia, anóxia, radicais livres - Patologia
 
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morteBiologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
Biologia molecular Apoptose - Quando a célula programa a própria morte
 

Destaque

Patologia 09 pigmentação patológica
Patologia 09   pigmentação patológicaPatologia 09   pigmentação patológica
Patologia 09 pigmentação patológicaJucie Vasconcelos
 
6pigmentacoesecalcificacoesv21 150429185510-conversion-gate02 - copia
6pigmentacoesecalcificacoesv21 150429185510-conversion-gate02 - copia6pigmentacoesecalcificacoesv21 150429185510-conversion-gate02 - copia
6pigmentacoesecalcificacoesv21 150429185510-conversion-gate02 - copiaKellícia Rocha Arrais
 
Bilirrubina metabolismo de
Bilirrubina metabolismo deBilirrubina metabolismo de
Bilirrubina metabolismo depacofierro
 
Lesões Físicas e Químicas Bucais
Lesões Físicas e Químicas BucaisLesões Físicas e Químicas Bucais
Lesões Físicas e Químicas BucaisRaphael Machado
 
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo nettoPatologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo nettoJucie Vasconcelos
 
Lesão celular reversivel e inreversivel
Lesão celular reversivel e inreversivelLesão celular reversivel e inreversivel
Lesão celular reversivel e inreversivelFernanda Lima Pinto
 
Patologia 08 degenerações - med resumos - arlindo netto
Patologia 08   degenerações - med resumos - arlindo nettoPatologia 08   degenerações - med resumos - arlindo netto
Patologia 08 degenerações - med resumos - arlindo nettoJucie Vasconcelos
 
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriais
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriaisMutações no gene NT5E e calcificações arteriais
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriaisLais Valente
 
Porfirias e Pigmentos Biliares
Porfirias e Pigmentos BiliaresPorfirias e Pigmentos Biliares
Porfirias e Pigmentos BiliaresAdriana Quevedo
 
Diagnósticos «brillantes»maria antonia
Diagnósticos «brillantes»maria antoniaDiagnósticos «brillantes»maria antonia
Diagnósticos «brillantes»maria antoniaantoniarebollocastejon
 
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmicaMickael Gomes
 
Isquemia reperfusao
Isquemia reperfusaoIsquemia reperfusao
Isquemia reperfusaoAnestesiador
 

Destaque (20)

Patologia 09 pigmentação patológica
Patologia 09   pigmentação patológicaPatologia 09   pigmentação patológica
Patologia 09 pigmentação patológica
 
Apostilas completas.doc patologia (1)
Apostilas completas.doc patologia (1)Apostilas completas.doc patologia (1)
Apostilas completas.doc patologia (1)
 
6pigmentacoesecalcificacoesv21 150429185510-conversion-gate02 - copia
6pigmentacoesecalcificacoesv21 150429185510-conversion-gate02 - copia6pigmentacoesecalcificacoesv21 150429185510-conversion-gate02 - copia
6pigmentacoesecalcificacoesv21 150429185510-conversion-gate02 - copia
 
Patologia aula 1
Patologia aula 1Patologia aula 1
Patologia aula 1
 
Morte celular
Morte celularMorte celular
Morte celular
 
Patologia aula 2
Patologia aula 2Patologia aula 2
Patologia aula 2
 
Pigmentos
PigmentosPigmentos
Pigmentos
 
Bilirrubina metabolismo de
Bilirrubina metabolismo deBilirrubina metabolismo de
Bilirrubina metabolismo de
 
Lesões Físicas e Químicas Bucais
Lesões Físicas e Químicas BucaisLesões Físicas e Químicas Bucais
Lesões Físicas e Químicas Bucais
 
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo nettoPatologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
 
Lesão celular reversivel e inreversivel
Lesão celular reversivel e inreversivelLesão celular reversivel e inreversivel
Lesão celular reversivel e inreversivel
 
Patologia 08 degenerações - med resumos - arlindo netto
Patologia 08   degenerações - med resumos - arlindo nettoPatologia 08   degenerações - med resumos - arlindo netto
Patologia 08 degenerações - med resumos - arlindo netto
 
Síndrome ictérico
Síndrome ictéricoSíndrome ictérico
Síndrome ictérico
 
Síndrome ictérico
Síndrome ictéricoSíndrome ictérico
Síndrome ictérico
 
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriais
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriaisMutações no gene NT5E e calcificações arteriais
Mutações no gene NT5E e calcificações arteriais
 
Porfirias e Pigmentos Biliares
Porfirias e Pigmentos BiliaresPorfirias e Pigmentos Biliares
Porfirias e Pigmentos Biliares
 
H064 13 flebolito
H064 13 flebolitoH064 13 flebolito
H064 13 flebolito
 
Diagnósticos «brillantes»maria antonia
Diagnósticos «brillantes»maria antoniaDiagnósticos «brillantes»maria antonia
Diagnósticos «brillantes»maria antonia
 
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
 
Isquemia reperfusao
Isquemia reperfusaoIsquemia reperfusao
Isquemia reperfusao
 

Semelhante a Aula de Pigmentações

Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010rdgomlk
 
Síndromes ictéricas
Síndromes ictéricasSíndromes ictéricas
Síndromes ictéricaspauloalambert
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02Maria Jaqueline Mesquita
 
Anemia hemolitica
Anemia hemoliticaAnemia hemolitica
Anemia hemoliticadapab
 
Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015ReginaReiniger
 
Aula 4. Nutrição e Hepatopatias COMPLETA.pdf
Aula 4. Nutrição e Hepatopatias COMPLETA.pdfAula 4. Nutrição e Hepatopatias COMPLETA.pdf
Aula 4. Nutrição e Hepatopatias COMPLETA.pdfJoseericdelima
 
Insuficiência hepática e Hipertensão Porta
Insuficiência hepática e Hipertensão PortaInsuficiência hepática e Hipertensão Porta
Insuficiência hepática e Hipertensão Portapauloalambert
 
6 ictericia (1)
6 ictericia (1)6 ictericia (1)
6 ictericia (1)cleisejs
 
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e SedimentosAnálises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e SedimentosMario Gandra
 
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialiseRodrigo Vargas
 
Hepático 1
Hepático 1Hepático 1
Hepático 1UFPEL
 

Semelhante a Aula de Pigmentações (20)

Icterícia 2014
Icterícia 2014Icterícia 2014
Icterícia 2014
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
 
Síndromes ictéricas
Síndromes ictéricasSíndromes ictéricas
Síndromes ictéricas
 
38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina38515565 bioquimica-da-urina
38515565 bioquimica-da-urina
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
 
Anemia hemolitica
Anemia hemoliticaAnemia hemolitica
Anemia hemolitica
 
Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015Bioquimica clinica 2015
Bioquimica clinica 2015
 
Apresentação cirrose hepatica
Apresentação cirrose hepaticaApresentação cirrose hepatica
Apresentação cirrose hepatica
 
Aula 4. Nutrição e Hepatopatias COMPLETA.pdf
Aula 4. Nutrição e Hepatopatias COMPLETA.pdfAula 4. Nutrição e Hepatopatias COMPLETA.pdf
Aula 4. Nutrição e Hepatopatias COMPLETA.pdf
 
Insuficiência hepática e Hipertensão Porta
Insuficiência hepática e Hipertensão PortaInsuficiência hepática e Hipertensão Porta
Insuficiência hepática e Hipertensão Porta
 
6 ictericia (1)
6 ictericia (1)6 ictericia (1)
6 ictericia (1)
 
6 ictericia
6 ictericia6 ictericia
6 ictericia
 
Fisiologia gastrointestinal
Fisiologia gastrointestinal Fisiologia gastrointestinal
Fisiologia gastrointestinal
 
Gato amarelo
Gato amareloGato amarelo
Gato amarelo
 
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e SedimentosAnálises de Elementos Anormais e Sedimentos
Análises de Elementos Anormais e Sedimentos
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
 
Hepático 1
Hepático 1Hepático 1
Hepático 1
 
Glossário termos de patologia geral
Glossário termos de patologia geralGlossário termos de patologia geral
Glossário termos de patologia geral
 

Mais de Raimundo Tostes

Aula de Patologia do Sistema Locomotor
Aula de Patologia do Sistema LocomotorAula de Patologia do Sistema Locomotor
Aula de Patologia do Sistema LocomotorRaimundo Tostes
 
Aula de Patologia do Sistema Genital Feminino
Aula de Patologia do Sistema Genital FemininoAula de Patologia do Sistema Genital Feminino
Aula de Patologia do Sistema Genital FemininoRaimundo Tostes
 
Aula de Dermatopatologia
Aula de DermatopatologiaAula de Dermatopatologia
Aula de DermatopatologiaRaimundo Tostes
 
Aula de Patologia do Sistema Hemolinfático
Aula de Patologia do Sistema HemolinfáticoAula de Patologia do Sistema Hemolinfático
Aula de Patologia do Sistema HemolinfáticoRaimundo Tostes
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Raimundo Tostes
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Raimundo Tostes
 
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1Raimundo Tostes
 
Aula de patologia do sistema locomotor
Aula de patologia do sistema locomotorAula de patologia do sistema locomotor
Aula de patologia do sistema locomotorRaimundo Tostes
 

Mais de Raimundo Tostes (8)

Aula de Patologia do Sistema Locomotor
Aula de Patologia do Sistema LocomotorAula de Patologia do Sistema Locomotor
Aula de Patologia do Sistema Locomotor
 
Aula de Patologia do Sistema Genital Feminino
Aula de Patologia do Sistema Genital FemininoAula de Patologia do Sistema Genital Feminino
Aula de Patologia do Sistema Genital Feminino
 
Aula de Dermatopatologia
Aula de DermatopatologiaAula de Dermatopatologia
Aula de Dermatopatologia
 
Aula de Patologia do Sistema Hemolinfático
Aula de Patologia do Sistema HemolinfáticoAula de Patologia do Sistema Hemolinfático
Aula de Patologia do Sistema Hemolinfático
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
 
Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2Aula de digestivo parte 2
Aula de digestivo parte 2
 
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
 
Aula de patologia do sistema locomotor
Aula de patologia do sistema locomotorAula de patologia do sistema locomotor
Aula de patologia do sistema locomotor
 

Último

Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 

Aula de Pigmentações

  • 1. Pigmentações Patológicas Calcificações e Concreções UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Prof. Raimundo Tostes
  • 2. O Que é Pigmento? Substância anormal que não pode ser metabolizada ou removida . Ex.: Carvão, tinta sintética, melanina.
  • 3. Endógenos Exógenos Pigmentos “ Pigmento“ é uma denominação genérica. Pode ser exógeno ou endógeno e seu acúmulo pode ou não ser patológico.
  • 4. Pigmentos Exógenos Pneumoconioses Carvão (antracose) Sílica (silicose) Asbestos (asbestose) Outras: Tatuagem
  • 5.  
  • 6.  
  • 7.  
  • 8.  
  • 9. Pigmentos Endógenos Melanina pigmento que dá o tom escuro à pele Melanose localização ectópica de melanina ex.: meninges, pleura, coração
  • 10.  
  • 11.  
  • 12. Estudar os conceitos de: Melanina Melanócito Melanóforo
  • 13. Pigmentos lipídicos derivam da oxidação e polimerização de lipídeos não saturados Pigmentos Endógenos Ceróide encontrado em macrófagos após lesões teciduais ou hemorragias ou ambas. É marrom e granular. Lipofuscina acúmulo de lipídeos parcialmente fagocitado em lisossomos. É marrom-amarelado.
  • 14.  
  • 15. Pigmentos Endógenos Hemossiderina Sulfometahemoglobina (Pseudomelanose) Hematina ácida Hematina parasitária Derivados da Hemoglobina
  • 16. BAÇO MEDULA ÓSSEA FÍGADO hemoglobina heme globina transportada no plasma pela albumina conjugada com ác. glicorônico secretada como pigmento biliar combinada com apotransferrina transportado no plasma como transferrina formação de mais hemoglobina nas hemáceas ferro bilirrubina reaproveitada
  • 17. Hemossiderina azulado ou esverdeado  marrom esverdeado  marrom : hemoglobina  heme  hemossiderina
  • 18. Pigmentos Endógenos Hemossiderina Deriva da destruição das hemáceas. É uma forma de armazenamento de ferro. Pode acumular devido a: 1) Excessiva destruição de hemáceas 2) Excessiva absorção intestinal de ferro Derivados da Hemoglobina
  • 19.  
  • 20.  
  • 21. Pigmentos Derivados da Hemoglobina O que é Bilirrubina? Deriva da fração heme da Hgb e sofre um processo de conjugação no fígado que é fundamental para a constituição dos ácidos biliares.
  • 22. Cinética da Bilirrubina Hemáceas Senescentes HEME BILIVERDINA COMPLEXO BILIRRUBINA-ALBUMINA Cél. Fagocítica Mononuclear Heme Oxigenase Biliverdina Redutase Hepatócito Glucuronídio de Bilirrubina Canalículo Biliar Sangue Ductos Biliares Duodeno Duodeno Cólon Urobilinogênio
  • 23. O que acontece se houver acúmulo de Bilirrubina? Icterícia É uma quantidade superior a 3mg/dl de bilirrubina no sangue.
  • 24.  
  • 25.  
  • 26. Hemáceas velhas Outras fontes Sangue Sistêmico Bilirrubina não conjugada Bilirrubina conjugada Ácido Glicurônico INTESTINO FÍGADO DUCTO BILIAR VEIA PORTA SISTEMA FAGOCÍTICO MONONUCLEAR HEME Bilirrubina não conjugada 80 a 85% 15 a 20% Bilirrubina conjugada Urina RIM Estercobilina FEZES 85 a 90% Bilirrubina Conjugada Redução bacteriana Urobilinogênio
  • 27. hemoglobina Sistema Monocítico Fagocitário FÍGADO RIM 85% Urobilinogênio fecal presente NORMAL bilirrubina não-conjugada bilirrubina conjugada bilirrubina biliar presente
  • 28. Tipos de Icterícia Icterícia Pré-Hepática Hemolítica Hemólise intravascular Excesso de bilirrubina não-conjugada Observa-se acúmulo de bilirrubina não-conjugada
  • 29. Tipos de Icterícia Icterícia Pré-Hepática Hemolítica Qualquer agente que cause hemólise e que a quantidade de bilirrubina liberada exceda a capacidade de conjugação e eliminação do fígado. Observa-se acúmulo de bilirrubina não-conjugada
  • 30. Sistema Monocítico Fagocitário FÍGADO RIM ICTERÍCIA PRÉ-HEPÁTICA (Hemolítica) hemoglobina  bilirrubina não-conjugada bilirrubina conjugada  excreção de bilirrubina biliar Urobilinogênio fecal aumentado
  • 31.
  • 32. Estudar o significado de: Hemólise Conjugação da bilirrubina Anemia hemolítica Leptospirose Babesiose Anemia Infecciosa Eqüina
  • 33.  
  • 34. Tipos de Icterícia Icterícia Hepatocítica Lesão direta aos hepatócitos, impedindo o metabolismo da bilirrubina. Ocorre nas hepatites e nas neoplasias: Observa-se acúmulo de bilirrubina conjugada e não-conjugada
  • 35. hemoglobina Sistema Monocítico Fagocitário bilirrubina conjugada FÍGADO RIM ICTERÍCIA HEPÁTICA  excreção de bilirrubina biliar refluxo de bilirrubina não-conjugada refluxo de bilirrubina conjugada  urobilinogênio fecal
  • 36. Exemplos de Icterícia Hepatocítica Hepatites Infecciosas Hepatites Tóxicas Neoplasias
  • 37. Estudar o significado de: Hepatite Neoplasia Causas de hepatite: Vírus (Adenovírus Canino – 1) Leptospirose (Leptospira spp )
  • 38.  
  • 39.  
  • 40. Tipos de Icterícia Icterícia Pós-hepática (Defeito no transporte) Obstrução ao fluxo normal da bile. A bilirrubina conjugada não atinge o intestino. Observa-se acúmulo de bilirrubina conjugada
  • 41. hemoglobina Sistema Monocítico Fagocitário bilirrubina conjugada FÍGADO RIM urobilinogênio fecal ausente ICTERÍCIA PÓS-HEPÁTICA refluxo de bilirrubina não-conjugada  urobilinogênio na urina: bilirrubina conjugada presente refluxo de bilirrubina conjugada secreção bilirrubina biliar ausente
  • 42. Exemplos de Icterícia Pós-Hepática Obstrução por parasitas Cirrose Colangites Cálculos Neoplasias
  • 43. Estudar o significado de: Cirrose Colangite Colecistite Fasciola hepatica Platynosomum spp Cálculo biliar
  • 44.  
  • 45.  
  • 46.  
  • 48. Calcificação Distrófica Lesão Tecidual Degeneração Necrose Perda da proteção osmótico/coloidal da célula Precipitação de sais de Ca
  • 49.  
  • 50.  
  • 51. Calcificação Metastática Deposição sais Ca em membranas basais e fibras elásticas: Níveis altos Ca sérico Sensibilizador para o Ca nos tecidos
  • 52. Exemplo de Calcificação Metastática Hiperparatireoidismo
  • 53. PRIMÁRIO SECUNDÁRIO Hiperparatireoidismo Aumento do PPT Paratireóide Insuficiência Renal Retenção de PO 4 níveis baixos de Ca 2+ Deficiência de Vit. D Intestino Delgado Diminuída absorção de Ca 2+ Síndrome Paratireóidea (ex. Carcinoma Renal) Carcinoma Adenoma Hiperplasia Prof. Raimundo A Tostes
  • 54. Calcificação Metastática Excesso de Vit. D Hiperparatireoidismo Plantas Calcinogênicas
  • 55. Intoxicação por Plantas Calcinogênicas Solanum malacoxylon Nierembergia veitchii
  • 56.  
  • 57.  
  • 58.  
  • 59.  
  • 60.  
  • 61. Patogênese dos Cálculos 1. Cálculo primário ou Metabólico Ex.:Dieta (Cães e Gatos Cálculos de Estruvita (hexa-hidrato de fosfato de amônio-magnésio) Cálculos de Oxalato de Ca p H ácido alcalino
  • 62. Patogênese dos Cálculos 2. Cálculo secundário ou Concreção NÚCLEO Céls. Descamadas Bactérias ou Fibrina Cálculo Primário Corpo Estranho
  • 63. Localizações dos Cálculos Salivar Biliar Renal Intestinal Vesical Dentária
  • 64.  
  • 65.  
  • 66.  
  • 67.  
  • 68.  
  • 69.  
  • 70. Resumo da Aula Pigmentações: Definição, tipos e origem dos pigmentos Pigmentação patológica e sua importância Calcificações Patológicas: Tipos, origem e exemplos Calculoses

Notas do Editor

  1. Bilirrubina: Deriva da fração heme da Hgb e sofre um processo de conjugação no fígado que é fundamental para a constituição dos ácidos biliares.
  2. Icterícia: Significa que há uma quantidade superior a 3mg/dl de bilirrubina no sangue.
  3. Cálculo primário ou metabólico: aumento do número de cristalóides na secreção.
  4. Presença de massas sólidas agindo como um núcleo, em torno do qual os cristalóides se precipitam.