SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
1
A VERDADEIRA GÊNESE DO RENASCIMENTO, DA REVOLUÇÃO
CIENTÍFICA E DA DESCOBERTA DA AMÉRICA
Fernando Alcoforado*
Este artigo tem por objetivo apresentar a tese de Gavin Menzies ao publicar seu livro
1434 de que a China deu início ao Renascimento apresentando robustos argumentos.
Segundo Gavin Menzies, a gênese do Renascimento e da Revolução Científica do século
XIV ao século XVIII na Europa e da descoberta da América em 1492 pelos europeus
ocorreram graças à contribuição do Império do Meio, a China. Gavin Menzies descreve
um aspecto particularmente iníquo do Eurocentrismo de se apropriar dos avanços
científicos do Oriente e muitos deles considerá-los como de sua realização, bem como
não reconhecer que os chineses descobriram a América antes de Colombo. Menzies
mostra que houve uma expropriação dos avanços científicos do Oriente pela Europa
Ocidental e imposta ao resto do mundo que é refletido na visão amplamente difundida e
falsa entre intelectuais e historiadores ocidentais de que uma das instituições-chave dos
tempos modernos, como a ciência, foi inventada na Europa. Na realidade, a ciência foi
uma invenção dos muçulmanos árabes e e chineses e apropriada pelos europeus. Isto
significa dizer que a história da humanidade precisa ser reescrita.
É sabido por todos que o Renascimento surgido na Itália no século XIV e que se estendeu
até o século XVII por toda a Europa e a Revolução Científica que começou no século XVI
e prolongou-se até o século XVIII foram dois momentos marcantes da história da
humanidade porque significaram o nascimento de uma nova era diametralmente oposta à
Idade Média ou Idade das Trevas, que foi uma era dominada culturalmente pela Igreja
Católica, que criou uma sombra sobre as artes e as ciências, impedindo-as de florescer
livremente. A descoberta da América pelos espanhóis e portugueses foi impulsionada
pela Revolução Comercial na Idade Média que foi um período de grande expansão
econômica da Europa que durou do século XII ao século XVIII e pela construção de novos
tipos de embarcação e o aperfeiçoamento da cartografia e de instrumentos como a
bússola.
O Renascimento deu início à Idade Moderna. De modo geral, pode-se dizer que o
Renascimento ocasionou uma imensa renovação nos mais variados campos do
conhecimento e produziu artistas, pensadores e cientistas cujos trabalhos influenciaram
toda a produção intelectual dos séculos seguintes. O desenvolvimento renascentista não foi
homogêneo em todas as regiões. Variou de um lugar para o outro, mas seu maior esplendor
aconteceu na Itália, em especial na cidade de Florença, mas também na região de Flandres
e na Alemanha. De modo geral, eram localidades em que o comércio fez surgir uma
burguesia rica, que se dispôs a financiar a produção artística e intelectual da época. O
Renascimento marcou um período único e inigualável na história da ciência porque é
considerado como um momento crítico ou ponto de virada na história europeia com o
nascimento da ciência moderna, o advento da modernidade, o florescimento da arte e da
arquitetura moderna e o início do capitalismo.
Com o Renascimento, vieram correntes de pensamento que pregavam o uso do senso
crítico mais aprofundado, assim como uma atenção maior às necessidades humanas. A
ciência passou a ser mais aceita, ganhou espaço e removeu as influências místicas nos
pensamentos na Idade Média. A Revolução Científica foi um dos acontecimentos mais
importantes da Idade Moderna. A Revolução Científica tornou o conhecimento mais
estruturado e mais prático. Esse período marcou uma ruptura com as práticas da Idade
Média, a Idade das Trevas, fase em que a Igreja Católica ditava o conhecimento de acordo
2
com os preceitos religiosos. A matemática descreveu verdades científicas e a física
explicou os fenômenos da natureza que antes eram considerados como fenômenos divinos
pela Igreja Católica, e provou-se que a Terra não era o centro do Universo e que se movia
em torno do Sol.
A Revolução Comercial foi impulsionada a partir do século XV como decorrência do
Renascimento, da Revolução Científica, do considerável desenvolvimento comercial da
segunda metade da Idade Média e da descoberta do Novo Mundo. Neste período, a
moeda tornou-se fator primordial da riqueza porque as transações comerciais foram
monetizadas. A produção e a troca deixaram de ter caráter de mera subsistência e
passaram a atender aos mercados das cidades. A Revolução Comercial foi fruto dos novos
tempos vividos na Europa, como resultado da transição do período medieval para o
Moderno, da expansão ultramarina e do mercantilismo que contempla uma série de
medidas de ordem econômica e política, com as quais os reis procuravam aumentar o
absolutismo monárquico e promover a prosperidade do Estado. Ao longo da Revolução
Comercial, o eixo comercial foi transferido do Mediterrâneo para o Atlântico, rompendo
o monopólio das cidades italianas no comércio com o Oriente e iniciando o
mercantilismo.
Da Revolução Comercial resultaram transformações profundas na economia europeia. As
modificações na economia europeia foram profundas e radicais, preparando o advento do
moderno capitalismo. As companhias mercantis passaram a aplicar técnicas contábeis e
a adotar novas formas de comercializar, como as cartas de crédito e de pagamento. As
minerações de ouro e prata conheceram seu auge. Por sua vez, o mundo estava começando
a se integrar economicamente. O comércio passou a atuar de forma global, envolvendo
os continentes conhecidos da época. Surgiu uma nova concepção econômica que recebeu
o nome de Mercantilismo que foi incrementado com o surgimento de uma nova classe
social, a burguesia. A expansão ultramarina foi impulsionada pelas grandes navegações
que abriu caminho para o processo de globalização e a alteração das relações econômicas
no mundo e o advento do metalismo que, na filosofia mercantilista, determinava a riqueza
do país proporcionalmente à quantidade de metal precioso acumulado. A Revolução
Comercial permitiu a acumulação de capital necessária para estabelecer as bases do
capitalismo e seu desenvolvimento, que resultou na Revolução Industrial no século
XVIII.
A leitura do livro 1434 de Gavin Menzies, ex-oficial da marinha britânica na década de
1960, que tem como subtítulo “O ano em que uma magnífica frota chinesa velejou para a
Itália e deu início ao Renascimento”, permite constatar que tanto o Renascimento quanto
a Revolução Científica e a descoberta da América se realizaram efetivamente com a
contribuição chinesa. Gavin Menzies viajou por vários países, quando se aposentou, e
pesquisou sobre a China e as expedições marítimas realizadas pelos chineses no passado.
Neste livro, pode-se contatar, além da contribuição da China ao Renascimento, à
Revolução Científica e à descoberta da América, também, o plágio científico praticado
na Europa por vários cientistas que se apropriaram do conhecimento desenvolvido pelos
chineses.
Gavin Menzies confirma o que Jack Goody fez em seu livro The Theft of History (O roubo
da história), ao descrever um aspecto particularmente iníquo do Eurocentrismo de se
apropriar dos avanços científicos do Oriente e muitos deles considerá-los como de sua
realização. O roubo da história, segundo Goody, refere-se à aquisição ou expropriação da
história pelo Ocidente, especialmente pela Europa Ocidental e imposta ao resto do
3
mundo. O roubo da história ou o "roubo" pelo Ocidente das conquistas de outras culturas,
segundo Goody, é refletido na visão amplamente difundida e falsa entre intelectuais e
historiadores ocidentais de que uma das instituições-chave dos tempos modernos, como
a ciência, foi inventada na Europa. Jack Goody e Gavin Menzies demonstram que a
ciência foi inventada pelos muçulmanos árabes e pelos chineses e apropriada pelos
europeus.
Gavin Menzies enriquece a contribuição de Jack Goody ao apresentar evidências que
ligam as raízes do Renascimento europeu às expedições chinesas do século XV. Baseado
em anos de pesquisa, Menzies demonstra que uma expedição chinesa à Itália em 1434
comandada pelo almirante Zheng He, na qual estariam embaixadores oficiais do
imperador chinês Yongle foi responsável por transmitir uma vasta coleção de saberes que
contribuíram para desencadear o Renascimento na Europa. Entre esta coleção de saberes
estão a arte, a geografia (incluindo mapas-múndi, que foram repassados a Cristóvão
Colombo e a Fernão de Magalhães), a astronomia, a matemática, a impressão, a
arquitetura, a siderurgia e o armamento militar. Menzies sustenta que, no começo do
século XV, por volta de 1403, o imperador chinês Yongle (terceiro da Dinastia Ming) deu
a Zheng He a missão de executar a maior volta ao redor do globo que já fora feita até
então.
O objetivo da expedição de Zheng He era o de ir "até o fim do mundo coletar tributos dos
bárbaros espalhados pelo mar". Há um consenso entre os historiadores de que a China foi
tecnologicamente mais avançada do que a Europa durante séculos. A China sempre se
considerou o centro do mundo e os povos não chineses eram por eles tratados como
“bárbaros”. As viagens de Zheng He aconteceram em um momento de abertura da China
tendo como objetivo conquistar a vassalagem dos “bárbaros” com a transferência de seus
conhecimentos para eles. Ele deveria treinar navegadores para saírem pelos oceanos
enquanto, em paralelo, centenas de navios de dimensões nunca vistas eram construídos
pelo império. Foram eles que, nos anos seguintes, empreenderam seis viagens pelo
planeta travando contatos com povos distintos e alcançando terras cujas existências eram
desconhecidas. Menzies diz no seu livro 1434 que, ao longo das outras viagens daquele
mesmo período, almirantes liderados por Zheng He também pisaram no que hoje é a
Austrália, 350 anos antes da expedição britânica liderada pelo capitão James Cook em
abril de 1770.
Menzies afirma que há evidência das descobertas marítimas chinesas que surgiram
durante uma expedição à remota ilha de Elcho, na Austrália, quando uma equipe de
arqueólogos do país encontrou entre os anos 1735 e 1795 uma moeda da Dinastia Qing
prensada. À época, Mike Owen, chefe do trabalho de escavação, chegou a dizer que o
objeto aumentava os já fortes indícios de que chineses haviam feito contato com
aborígenes da região antes de Cook. Em 1512, o cartógrafo turco Piri Reis projetou o
mapa-mundi incluindo não apenas as Américas, mas detalhando o terreno da Patagônia,
ao sul do continente. Ele só foi possível, segundo Menzies, pelas informações obtidas
décadas antes dos chineses e já espalhadas pelos territórios da Ásia. Nessas viagens, os
navios liderados por Zheng He teriam cruzado o Cabo da Boa Esperança antes de
Bartolomeu Dias, ter passado por Cabo Verde, na África, pelas ilhas dos Açores, hoje
território português, pelas Bahamas (Caribe) e pelas Malvinas. Ele teria inclusive
estabelecido algumas colônias onde hoje se localiza a Austrália, a Nova Zelândia, a
Califórnia, a ilha de Porto Rico (EUA) e o México para onde teria levado os primeiros
cavalos.
4
O propósito da expedição de Zheng He era o de instruir os países estrangeiros distantes a
fim de demonstrar deferência e submissão à China. Segundo Menzies, para instruir os
países estrangeiros, a expedição do almirante Zheng He levou uma enciclopédia Yongle
Dadian concluída em 1421 composta de 11.095 livros e trabalhada por muitos anos por
três mil eruditos chineses que compilaram todo o saber chinês dos dois mil anos anteriores
cobrindo todos os assuntos do planeta. Menzies afirma que a enciclopédia Yongle Dadian
abrangia assuntos como geografia e cartografia, agricultura, engenharia civil e militar,
guerra, saúde e medicina, construção e planejamento de cidades, aço e siderurgia, queima
e pintura de cerâmicas, bioquímica, enxertos, produção de álcool, produção e tecelagem
de seda, fabricação de pólvora, construção naval e criptografia. Há capítulos que dão
conselhos práticos de como usar trigonometria, nada menos do que 95 tratados
matemáticos são mencionados e a criptoanálise que consiste no uso da matemática para
decifrar códigos.
Na enciclopédia Yongle Dadian, há métodos para calcular a área de círculos e volumes
de esferas, cones, pirâmides, cubos, cilindros e o princípio para extração de raízes
quadradas. Até mesmo o triângulo de Pascal estava incluído na enciclopédia Yongle
Dadian séculos antes de Pascal existir. A enciclopédia Yongle Dadian apresenta
conhecimentos de matemática chinesa, assim como instrumentos de agrimensura para
calcular áreas de campos de arroz, o volume de água necessário para inundar essas
plantações e, a partir daí, o tamanho e proporção de seu fluxo para encher os diques.
Também forneceu métodos para construir canais e calcular a resistência das comportas
necessárias. Yongle Dadian apresenta detalhes sobre a construção de morteiros, bazucas,
canhões, mísseis impelidos por foguetes, lança-chamas e todas as espécies de bombas à
base de pólvora. Menzies afirma que esta vasta enciclopédia foi um esforço para juntar
em um só lugar, na esquadra de Zheng He, os conhecimento chineses obtidos em todos
os campos ao longo de milhares de anos.
Segundo Menzies, todo o saber chinês levado ao conhecimento de governantes e
personalidades da Itália teria dado início à inventividade ocorrida durante o Renascimento
e a Revolução Científica, inclusive à genialidade de Da Vinci, Copérnico, Galileu e
muitos outros que tiveram acesso aos saberes chineses. Para chegar às suas conclusões,
Gavin Menzies realizou pesquisas em várias bibliotecas do mundo, além de obter
evidências arqueológicas que levaram a evidências de que, o Renascimento europeu e a
descoberta da América só foram possíveis graças à expedição realizada á Itália pelo
almirante chinês Zheng He onde os conhecimentos chineses foram difundidos. Entre os
conhecimentos transmitidos pelos chineses, Gavin Menzies cita os mapas náuticos que
foram usados por Cristóvão Colombo e outros exploradores portugueses rumo ao Novo
Mundo.
Gavin Menzies constatou o plágio científico praticado por vários personagens como foi
o caso de Leonardo da Vinci, considerado um dos maiores gênios da humanidade, senão
o maior, que impressiona o mundo até hoje com seus desenhos de invenções fantásticas
e máquinas mirabolantes de quase 500 anos atrás que teria plagiado com seus desenhos
copiados de originais chineses por outros italianos e por ele aperfeiçoados, cujo maior
mérito foi realmente o de da Vinci ter sido um bom ilustrador. Comparando os desenhos
de Leonardo da Vinci com o manual chinês Nung Shu, Gavin Menzies verifica que cada
elemento de uma máquina, magnificamente desenhado por ele, havia sido previamente
ilustrado pelos chineses neste manual muito mais simples. Em suma, Gavin Menzies
5
afirma que o principal do trabalho de Leonardo da Vinci repousava sobre uma vasta
fundação de obras criadas previamente pelos chineses.
Gavin Menzies constatou que os desenhos mecânicos de moinhos de farinha e de rolos,
moinhos d'água e serrarias, empilhadeiras, máquinas para transportar pesos, todos os tipos
de bobinas e guindastes, carroças mecanizadas, bombas, dispositivos para elevação de
água e dragas de Leonardo da Vinci foram avanços e aperfeiçoamentos do Trattado di
architetura civile e militare, de Francesco di Giorgio que copiou dos chineses. As regras
de perspectivas de Leonardo para pintura e escultura se originaram em De pictura e De
statua, de Alberti que copiou dos chineses. Seu paraquedas foi baseado no de Di Giorgio.
O helicóptero teve como modelo um brinquedo chinês exportado para a Itália por volta
de 1440 e desenhado por Taccola. As ilustrações de da Vinci em três dimensões dos
componentes de homens e máquinas são uma contribuição única e brilhante para a
civilização assim como suas esculturas e pinturas sublimes.
Gavin Menzies afirma que é hora de reconhecer as contribuições chinesas às obras de Da
Vinci, Francesco di Giorgio, Alberti e Taccola que, sem elas, a história do Renascimento
teria sido muito diferente e Leonardo da Vinci muito provavelmente não teria
desenvolvido toda sua criatividade. As pesquisas de Menzies levaram-no à conclusão de
que os matemáticos Taccola, Francesco di Giorgio e Alberti tinham copiado dos chineses
sobre matemática, agrimensura, perspectiva cartográfica e criptografia, do matemático
alemão Regiomontano copiou dos chineses sobre trigonometria esférica e Toscanelli e
Nicolau de Cusa sobre astronomia. Menzies afirmou que parecia que tudo que Taccola,
Di Giorgio, Regiomontano, Alberti e Leonardo da Vinci haviam “inventado” já estava
nos livros chineses.
Gavin Menzies observa que a invenção da impressão é atribuída a Gutenberg apesar da
impressão em bloco ou móvel ter sido inventada na China em 1051. O heliocentrismo
proposto por Copérnico em oposição à tese de Ptolomeu de que a Terra era o centro do
Universo foi copiado de Regiomontano que, por sua vez, copiou da obra Guo Shoujing
contida na enciclopédia Yongle Dadian. As leis de Kepler resultaram do aperfeiçoamento
da astronomia de Copérnico originada em Regiomontano e Nicolau de Cusa que
obtiveram suas ideias fundamentais de Toscanelli e do calendário astronômico chinês.
Credita-se a Galileu a descoberta das luas de Júpiter, Io, Europa, Calisto e Ganímedes,
em 1610. No entanto, o astrônomo chinês Gan De descobriu os satélites de Júpiter dois
mil anos antes de Galileu. Tudo isto confirma o plágio do conhecimento científico chinês
por cientistas europeus que não creditaram aos chineses estes avanços científicos.
Apesar do plágio científico, estes fatos comprovam a contribuição chinesa ao
Renascimento e à Revolução Científica na Europa. A Contribuição da China à descoberta
da América resultou do fato de a expedição de Zheng He não apenas mostrar o caminho
para o Novo Mundo como forneceu aos europeus, também, conhecimentos que lhes
possibilitaram conhecer sua latitude e longitude afim de alcançá-lo e voltar em segurança
para casa. Ao mostrar o caminho para o Novo Mundo e fornecerem mapas náuticos que
foram usados por Cristóvão Colombo e outros exploradores portugueses rumo ao Novo
Mundo, os chineses contribuíram para a descoberta da América.
Há quase duas décadas, no entanto, uma história alternativa da "descoberta das Américas”
passou a ser considerada ao contrário do consenso historiográfico que atribui a Colombo
a descoberta da América. Passou-se a admitir que frotas encabeçadas por dois almirantes
6
chineses, Zhou Man e Hong Bao, haviam navegado da África até a foz do Rio Orenoco,
na atual Venezuela, descendo depois por toda a costa do continente até o Estreito de
Magalhães, ao sul da América do Sul, ainda no ano de 1421, portanto, 71 anos antes da
viagem de Cristóvão Colombo. Eles tinham sido treinados e eram liderados pelo grande
navegador chinês daquela época, o eunuco muçulmano Zheng He. A tese da "descoberta
chinesa das Américas”, cujas versões já existiam antes, ficou famosa por meio de dois
best-sellers escritos por Gavin Menzies no começo dos anos 2000: 1421: o ano em que a
China descobriu o mundo (Bertrand, 2006) e Who Discovered America? The Untold
History of the Peopling of the Americas ("Quem descobriu a América? A história oculta
da ocupação das Américas").
Pelo exposto, fica demonstrada a contribuição chinesa à eclosão do Renascimento e da
Revolução Científica do século XIV ao século XVIII na Europa, à descoberta da América,
bem como o plagio científico praticado por cientistas consagrados da Europa que se
apropriaram do saber chinês e o divulgaram como seus.
REFERÊNCIAS
ALCOFORADO, Fernando. A verdade sobre a gênese do Renascimento e da Revolução
Científica na Europa. Disponível no website
<https://www.academia.edu/49069286/A_VERDADE_SOBRE_A_GENESE_DO_RE
NASCIMENTO_E_DA_REVOLUCAO_CIENTIFICA_NA_EUROPA>, 29/05/2021.
GOODY, Jack. The Theft of History. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.
MENZIES, Gavin. 1434. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2010.
MENZIES, Gavin. 1421. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2004.
* Fernando Alcoforado, 82, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema
CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento
Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor
nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de
sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC-
O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil
(Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de
doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003),
Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI
ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary
Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr.
Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe
Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável-
Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio
Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora
CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no
Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que
Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba,
2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co-
autoria), Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019) e A humanidade
ameaçada e as estratégias para sua sobrevivência (Editora Dialética, São Paulo, 2021).
7
Gavin Menzies, autor do livro 1434, afirma que a China deu início ao Renascimento com
robustos argumentos [3]. Segundo Gavin Menzies, a gênese do Renascimento e da
Revolução Científica do século XIV ao século XVIII na Europa e da descoberta da
América em 1492 pelos europeus ocorreu graças à contribuição do Império do Meio, a
China. É sabido por todos que o Renascimento surgido na Itália no século XIV e que se
estendeu até o século XVII por toda a Europa e a Revolução Científica que começou no
século XVI e prolongou-se até o século XVIII foram dois momentos marcantes da história
da humanidade porque significaram o nascimento de uma nova era diametralmente oposta
à Idade Média ou Idade das Trevas, que foi uma era dominada culturalmente pela Igreja
Católica, que criou uma sombra sobre as artes e as ciências, impedindo-as de florescer
livremente. A descoberta da América pelos espanhóis e portugueses foi impulsionada
pela Revolução Comercial na Idade Média que foi um período de grande expansão
econômica da Europa que durou do século XII ao século XVIII e pela construção de novos
tipos de embarcação e o aperfeiçoamento da cartografia e de instrumentos como a
bússola.
O Renascimento deu início à Idade Moderna [5]. De modo geral, pode-se dizer que o
Renascimento ocasionou uma imensa renovação nos mais variados campos do
conhecimento e produziu artistas, pensadores e cientistas cujos trabalhos influenciaram
toda a produção intelectual dos séculos seguintes. O desenvolvimento renascentista não foi
homogêneo em todas as regiões. Variou de um lugar para o outro, mas seu maior esplendor
aconteceu na Itália, em especial na cidade de Florença, mas também na região de Flandres
e na Alemanha. De modo geral, eram localidades em que o comércio fez surgir uma
burguesia rica, que se dispôs a financiar a produção artística e intelectual da época. O
Renascimento marcou um período único e inigualável na história da ciência porque é
considerado como um momento crítico ou ponto de virada na história europeia com o
nascimento da ciência moderna, o advento da modernidade, o florescimento da arte e da
arquitetura moderna e o início do capitalismo.
Com o Renascimento, vieram correntes de pensamento que pregavam o uso do senso
crítico mais aprofundado, assim como uma atenção maior às necessidades humanas. A
ciência passou a ser mais aceita, ganhou espaço e removeu as influências místicas nos
pensamentos na Idade Média. A Revolução Científica foi um dos acontecimentos mais
importantes da Idade Moderna. A Revolução Científica tornou o conhecimento mais
estruturado e mais prático. Esse período marcou uma ruptura com as práticas da Idade
Média, a Idade das Trevas, fase em que a Igreja Católica ditava o conhecimento de acordo
com os preceitos religiosos. A matemática descreveu verdades científicas e a física
explicou os fenômenos da natureza que antes eram considerados como fenômenos divinos
pela Igreja Católica, e provou-se que a Terra não era o centro do Universo e que se movia
em torno do Sol.
A Revolução Comercial [6] foi impulsionada a partir do século XV como decorrência do
Renascimento, da Revolução Científica, do considerável desenvolvimento comercial da
segunda metade da Idade Média e da descoberta do Novo Mundo. Neste período, a
moeda tornou-se fator primordial da riqueza porque as transações comerciais foram
monetizadas. A produção e a troca deixaram de ter caráter de mera subsistência e
passaram a atender aos mercados das cidades. A Revolução Comercial foi fruto dos novos
tempos vividos na Europa, como resultado da transição do período medieval para o
Moderno, da expansão ultramarina e do mercantilismo que contempla uma série de
8
medidas de ordem econômica e política, com as quais os reis procuravam aumentar o
absolutismo monárquico e promover a prosperidade do Estado. Ao longo da Revolução
Comercial, o eixo comercial foi transferido do Mediterrâneo para o Atlântico, rompendo
o monopólio das cidades italianas no comércio com o Oriente e iniciando o
mercantilismo.
Da Revolução Comercial resultaram transformações profundas na economia europeia. As
modificações na economia europeia foram profundas e radicais, preparando o advento do
moderno capitalismo. As companhias mercantis passaram a aplicar técnicas contábeis e
a adotar novas formas de comercializar, como as cartas de crédito e de pagamento. As
minerações de ouro e prata conheceram seu auge. Por sua vez, o mundo estava começando
a se integrar economicamente. O comércio passou a atuar de forma global, envolvendo
os continentes conhecidos da época. Surgiu uma nova concepção econômica que recebeu
o nome de Mercantilismo que foi incrementado com o surgimento de uma nova classe
social, a burguesia. A expansão ultramarina foi impulsionada pelas grandes navegações
que abriu caminho para o processo de globalização e a alteração das relações econômicas
no mundo e o advento do metalismo que, na filosofia mercantilista, determinava a riqueza
do país proporcionalmente à quantidade de metal precioso acumulado. A Revolução
Comercial permitiu a acumulação de capital necessária para estabelecer as bases do
capitalismo e seu desenvolvimento, que resultou na Revolução Industrial no século
XVIII.
A leitura do livro 1434 de Gavin Menzies, ex-oficial da marinha britânica na década de
1960, que tem como subtítulo “O ano em que uma magnífica frota chinesa velejou para a
Itália e deu início ao Renascimento”, permite constatar que tanto o Renascimento quanto
a Revolução Científica e a descoberta da América se realizaram efetivamente com a
contribuição chinesa [3]. Gavin Menzies viajou por vários países, quando se aposentou,
e pesquisou sobre a China e as expedições marítimas realizadas pelos chineses no
passado. Neste livro, pode-se contatar, além da contribuição da China ao Renascimento,
à Revolução Científica e à descoberta da América, também, o plágio científico praticado
na Europa por vários cientistas que se apropriaram do conhecimento desenvolvido pelos
chineses.
Gavin Menzies confirma o que Jack Goody [2] fez em seu livro The Theft of History (O
roubo da história), ao descrever um aspecto particularmente iníquo do Eurocentrismo de
se apropriar dos avanços científicos do Oriente e muitos deles considerá-los como de sua
realização. O roubo da história, segundo Goody, refere-se à aquisição ou expropriação da
história pelo Ocidente, especialmente pela Europa Ocidental e imposta ao resto do
mundo. O roubo da história ou o "roubo" pelo Ocidente das conquistas de outras culturas,
segundo Goody, é refletido na visão amplamente difundida e falsa entre intelectuais e
historiadores ocidentais de que uma das instituições-chave dos tempos modernos, como
a ciência, foi inventada na Europa. Jack Goody e Gavin Menzies demonstram que a
ciência foi inventada pelos muçulmanos árabes e pelos chineses e apropriada pelos
europeus.
Gavin Menzies enriquece a contribuição de Jack Goody ao apresentar evidências que
ligam as raízes do Renascimento europeu às expedições chinesas do século XV [3].
Baseado em anos de pesquisa, Menzies demonstra que uma expedição chinesa à Itália em
1434 comandada pelo almirante Zheng He, na qual estariam embaixadores oficiais do
imperador chinês Yongle foi responsável por transmitir uma vasta coleção de saberes que
9
contribuíram para desencadear o Renascimento na Europa. Entre esta coleção de saberes
estão a arte, a geografia (incluindo mapas-múndi, que foram repassados a Cristóvão
Colombo e a Fernão de Magalhães), a astronomia, a matemática, a impressão, a
arquitetura, a siderurgia e o armamento militar. Menzies sustenta que, no começo do
século XV, por volta de 1403, o imperador chinês Yongle (terceiro da Dinastia Ming) deu
a Zheng He a missão de executar a maior volta ao redor do globo que já fora feita até
então.
O objetivo da expedição de Zheng He era o de ir "até o fim do mundo coletar tributos dos
bárbaros espalhados pelo mar". Há um consenso entre os historiadores de que a China foi
tecnologicamente mais avançada do que a Europa durante séculos. A China sempre se
considerou o centro do mundo e os povos não chineses eram por eles tratados como
“bárbaros”. As viagens de Zheng He aconteceram em um momento de abertura da China
tendo como objetivo conquistar a vassalagem dos “bárbaros” com a transferência de seus
conhecimentos para eles. Ele deveria treinar navegadores para saírem pelos oceanos
enquanto, em paralelo, centenas de navios de dimensões nunca vistas eram construídos
pelo império. Foram eles que, nos anos seguintes, empreenderam seis viagens pelo
planeta travando contatos com povos distintos e alcançando terras cujas existências eram
desconhecidas. Menzies diz no seu livro 1434 que, ao longo das outras viagens daquele
mesmo período, almirantes liderados por Zheng He também pisaram no que hoje é a
Austrália, 350 anos antes da expedição britânica liderada pelo capitão James Cook em
abril de 1770.
Menzies afirma que, em 2014, há evidência das descobertas marítimas chinesas que
surgiram durante uma expedição à remota ilha de Elcho, na Austrália, quando uma equipe
de arqueólogos do país encontrou entre os anos 1735 e 1795 uma moeda da Dinastia Qing
prensada. À época, Mike Owen, chefe do trabalho de escavação, chegou a dizer que o
objeto aumentava os já fortes indícios de que chineses haviam feito contato com
aborígenes da região antes de Cook. Em 1512, o cartógrafo turco Piri Reis projetou o
mapa-mundi incluindo não apenas as Américas, mas detalhando o terreno da Patagônia,
ao sul do continente. Ele só foi possível, segundo Menzies, pelas informações obtidas
décadas antes dos chineses e já espalhadas pelos territórios da Ásia. Nessas viagens, os
navios liderados por Zheng He teriam cruzado o Cabo da Boa Esperança antes de
Bartolomeu Dias, ter passado por Cabo Verde, na África, pelas ilhas dos Açores, hoje
território português, pelas Bahamas (Caribe) e pelas Malvinas. Ele teria inclusive
estabelecido algumas colônias onde hoje se localiza a Austrália, a Nova Zelândia, a
Califórnia, a ilha de Porto Rico (EUA) e o México para onde teria levado os primeiros
cavalos.
O propósito da expedição de Zheng He era o de instruir os países estrangeiros distantes a
fim de demonstrar deferência e submissão à China. Segundo Menzies, para instruir os
países estrangeiros, a expedição do almirante Zheng He levou uma enciclopédia Yongle
Dadian concluída em 1421 composta de 11.095 livros e trabalhada por muitos anos por
três mil eruditos chineses que compilaram todo o saber chinês dos dois mil anos anteriores
cobrindo todos os assuntos do planeta. Menzies afirma que a enciclopédia Yongle Dadian
abrangia assuntos como geografia e cartografia, agricultura, engenharia civil e militar,
guerra, saúde e medicina, construção e planejamento de cidades, aço e siderurgia, queima
e pintura de cerâmicas, bioquímica, enxertos, produção de álcool, produção e tecelagem
de seda, fabricação de pólvora, construção naval e criptografia. Há capítulos que dão
conselhos práticos de como usar trigonometria, nada menos do que 95 tratados
10
matemáticos são mencionados e a criptoanálise que consiste no uso da matemática para
decifrar códigos.
Na enciclopédia Yongle Dadian, há métodos para calcular a área de círculos e volumes
de esferas, cones, pirâmides, cubos, cilindros e o princípio para extração de raízes
quadradas. Até mesmo o triângulo de Pascal estava incluído na enciclopédia Yongle
Dadian séculos antes de Pascal existir. A enciclopédia Yongle Dadian apresenta
conhecimentos de matemática chinesa, assim como instrumentos de agrimensura para
calcular áreas de campos de arroz, o volume de água necessário para inundar essas
plantações e, a partir daí, o tamanho e proporção de seu fluxo para encher os diques.
Também forneceu métodos para construir canais e calcular a resistência das comportas
necessárias. Yongle Dadian apresenta detalhes sobre a construção de morteiros, bazucas,
canhões, mísseis impelidos por foguetes, lança-chamas e todas as espécies de bombas à
base de pólvora. Menzies afirma que esta vasta enciclopédia foi um esforço para juntar
em um só lugar, na esquadra de Zheng He, os conhecimento chineses obtidos em todos
os campos ao longo de milhares de anos.
Segundo Menzies, todo o saber chinês levado ao conhecimento de governantes e
personalidades da Itália teria dado início à inventividade ocorrida durante o Renascimento
e a Revolução Científica, inclusive à genialidade de Da Vinci, Copérnico, Galileu e
muitos outros que tiveram acesso aos saberes chineses. Para chegar às suas conclusões,
Gavin Menzies realizou pesquisas em várias bibliotecas do mundo, além de obter
evidências arqueológicas que levaram a evidências de que, o Renascimento europeu e a
descoberta da América só foram possíveis graças à expedição realizada á Itália pelo
almirante chinês Zheng He onde os conhecimentos chineses foram difundidos. Entre os
conhecimentos transmitidos pelos chineses, Gavin Menzies cita os mapas náuticos que
foram usados por Cristóvão Colombo e outros exploradores portugueses rumo ao Novo
Mundo.
Gavin Menzies constatou o plágio científico praticado por vários personagens como foi
o caso de Leonardo da Vinci, considerado um dos maiores gênios da humanidade, senão
o maior, que impressiona o mundo até hoje com seus desenhos de invenções fantásticas
e máquinas mirabolantes de quase 500 anos atrás que teria plagiado com seus desenhos
copiados de originais chineses por outros italianos e por ele aperfeiçoados, cujo maior
mérito foi realmente o de da Vinci ter sido um bom ilustrador. Comparando os desenhos
de Leonardo da Vinci com o manual chinês Nung Shu, Gavin Menzies verifica que cada
elemento de uma máquina, magnificamente desenhado por ele, havia sido previamente
ilustrado pelos chineses neste manual muito mais simples. Em suma, Gavin Menzies
afirma que o principal do trabalho de Leonardo da Vinci repousava sobre uma vasta
fundação de obras criadas previamente pelos chineses.
Gavin Menzies constatou que os desenhos mecânicos de moinhos de farinha e de rolos,
moinhos d'água e serrarias, empilhadeiras, máquinas para transportar pesos, todos os tipos
de bobinas e guindastes, carroças mecanizadas, bombas, dispositivos para elevação de
água e dragas de Leonardo da Vinci foram avanços e aperfeiçoamentos do Trattado di
architetura civile e militare, de Francesco di Giorgio que copiou dos chineses. As regras
de perspectivas de Leonardo para pintura e escultura se originaram em De pictura e De
statua, de Alberti que copiou dos chineses. Seu paraquedas foi baseado no de Di Giorgio.
O helicóptero teve como modelo um brinquedo chinês exportado para a Itália por volta
de 1440 e desenhado por Taccola. As ilustrações de da Vinci em três dimensões dos
11
componentes de homens e máquinas são uma contribuição única e brilhante para a
civilização assim como suas esculturas e pinturas sublimes.
Gavin Menzies afirma que é hora de reconhecer as contribuições chinesas às obras de Da
Vinci, Francesco di Giorgio, Alberti e Taccola que, sem elas, a história do Renascimento
teria sido muito diferente e Leonardo da Vinci muito provavelmente não teria
desenvolvido toda sua criatividade. As pesquisas de Menzies levaram-no à conclusão de
que os matemáticos Taccola, Francesco di Giorgio e Alberti tinham copiado dos chineses
sobre matemática, agrimensura, perspectiva cartográfica e criptografia, Regiomontano
copiou dos chineses sobre trigonometria esférica e Toscanelli e Nicolau de Cusa sobre
astronomia. Menzies afirmou que parecia que tudo que Taccola, Di Giorgio,
Regiomaontano, Alberti e Leonardo da Vinci haviam “inventado” já estava nos livros
chineses.
Gavin Menzies observa que a invenção da impressão é atribuída a Gutenberg apesar da
impressão em bloco ou móvel ter sido inventada na China em 1051. O heliocentrismo
proposto por Copérnico em oposição à tese de Ptolomeu de que a Terra era o centro do
Universo foi copiado de Regiomontano que, por sua vez, copiou da obra Guo Shoujing
contida na enciclopédia Yongle Dadian. As leis de Kepler resultaram do aperfeiçoamento
da astronomia de Copérnico originada em Regiomontano e Nicolau de Cusa que
obtiveram suas ideias fundamentais de Toscanelli e do calendário astronômico chinês.
Credita-se a Galileu a descoberta das luas de Júpiter, Io, Europa, Calisto e Ganímedes,
em 1610. No entanto, o astrônomo chinês Gan De descobriu os satélites de Júpiter dois
mil anos antes de Galileu. Tudo isto confirma o plágio do conhecimento científico chinês
por cientistas europeus que não creditaram aos chineses estes avanços científicos.
Apesar do plágio científico, estes fatos comprovam a contribuição chinesa ao
Renascimento e à Revolução Científica na Europa. A Contribuição da China à descoberta
da América resultou do fato de a expedição de Zheng He não apenas mostrar o caminho
para o Novo Mundo como forneceu aos europeus, também, conhecimentos que lhes
possibilitaram conhecer sua latitude e longitude afim de alcançá-lo e voltar em segurança
para casa. Ao mostrar o caminho para o Novo Mundo e fornecerem mapas náuticos que
foram usados por Cristóvão Colombo e outros exploradores portugueses rumo ao Novo
Mundo, os chineses contribuíram para a descoberta da América.
Há quase duas décadas, no entanto, uma história alternativa da "descoberta das Américas”
passou a ser considerada ao contrário do consenso historiográfico que atribui a Colombo
a descoberta da América [4]. Passou-se a admitir que frotas encabeçadas por dois
almirantes chineses, Zhou Man e Hong Bao, haviam navegado da África até a foz do Rio
Orenoco, na atual Venezuela, descendo depois por toda a costa do continente até o
Estreito de Magalhães, ao sul da América do Sul, ainda no ano de 1421, portanto, 71 anos
antes da viagem de Cristóvão Colombo. Eles tinham sido treinados e eram liderados pelo
grande navegador chinês daquela época, o eunuco muçulmano Zheng He. A tese da
"descoberta chinesa das Américas”, cujas versões já existiam antes, ficou famosa por
meio de dois best-sellers escritos por Gavin Menzies no começo dos anos 2000: 1421: o
ano em que a China descobriu o mundo (Bertrand, 2006) e Who Discovered America?
The Untold History of the Peopling of the Americas ("Quem descobriu a América? A
história oculta da ocupação das Américas").
12
Pelo exposto, fica demonstrada a contribuição chinesa à eclosão do Renascimento e da
Revolução Científica do século XIV ao século XVIII na Europa, à descoberta da América,
bem como o plagio científico praticado por cientistas consagrados da Europa que se
apropriaram do saber chinês e o divulgaram como seus [1].
REFERÊNCIAS
1. ALCOFORADO, Fernando. A verdade sobre a gênese do Renascimento e da Revolução
Científica na Europa. Disponível no website
<https://www.academia.edu/49069286/A_VERDADE_SOBRE_A_GENESE_DO_
RENASCIMENTO_E_DA_REVOLUCAO_CIENTIFICA_NA_EUROPA>,
29/05/2021.
2. GOODY, Jack. The Theft of History. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.
3. MENZIES, Gavin. 1434. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2010.
4. MENZIES, Gavin. 1421. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2004.
5. USP. O ``Renascimento'' do Século XII. Disponível no website
<http://plato.if.usp.br/1-2003/fmt0405d/apostila/mediev11/node3.html>.
6. WIKIPEDIA. Revolução Comercial. Disponível no website
<https://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_Comercial#:~:text=A%
20Revolu%C3%A7%C3%A3o%20Comercial%20foi%20um,transforma%C3%A7
%C3%B5es%20profundas%20na%20economia%20europeia>.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A VERDADEIRA GÊNESE DO RENASCIMENTO, DA REVOLUÇÃO CIENTÍFICA E DA DESCOBERTA DA AMÉRICA.pdf

Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
vr1a2011
 
Trabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimentoTrabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimento
Gonçalo Tavares
 
Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5
cattonia
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos Tempos
Lucas Campos
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
stcnsaidjv
 
Renascimento científico
Renascimento científicoRenascimento científico
Renascimento científico
Nelma Andrade
 

Semelhante a A VERDADEIRA GÊNESE DO RENASCIMENTO, DA REVOLUÇÃO CIENTÍFICA E DA DESCOBERTA DA AMÉRICA.pdf (20)

Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Trabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimentoTrabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimento
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5
 
A Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos TemposA Ciência Através dos Tempos
A Ciência Através dos Tempos
 
O renascimento
O renascimentoO renascimento
O renascimento
 
Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico Renascimento cultural e científico
Renascimento cultural e científico
 
Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos Os Tempos Modernos
Os Tempos Modernos
 
3 a abertura europeia ao mundo
3   a abertura europeia ao mundo3   a abertura europeia ao mundo
3 a abertura europeia ao mundo
 
oficinahg16.pptx
oficinahg16.pptxoficinahg16.pptx
oficinahg16.pptx
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Renascimento cultural 1
Renascimento cultural 1Renascimento cultural 1
Renascimento cultural 1
 
Renascimento científico
Renascimento científicoRenascimento científico
Renascimento científico
 

Mais de Faga1939

PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
Faga1939
 
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
Faga1939
 
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdfHOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
Faga1939
 
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfCOMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
Faga1939
 
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
Faga1939
 
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
Faga1939
 
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
Faga1939
 
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
Faga1939
 
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
Faga1939
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
Faga1939
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
Faga1939
 
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
Faga1939
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
Faga1939
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
Faga1939
 
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
Faga1939
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
Faga1939
 
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdfAQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
Faga1939
 

Mais de Faga1939 (20)

PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
 
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
 
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
 
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
 
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdfHOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
 
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfCOMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
 
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
 
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
 
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
 
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
 
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
 
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
 
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
 
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdfAQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
 
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
 

A VERDADEIRA GÊNESE DO RENASCIMENTO, DA REVOLUÇÃO CIENTÍFICA E DA DESCOBERTA DA AMÉRICA.pdf

  • 1. 1 A VERDADEIRA GÊNESE DO RENASCIMENTO, DA REVOLUÇÃO CIENTÍFICA E DA DESCOBERTA DA AMÉRICA Fernando Alcoforado* Este artigo tem por objetivo apresentar a tese de Gavin Menzies ao publicar seu livro 1434 de que a China deu início ao Renascimento apresentando robustos argumentos. Segundo Gavin Menzies, a gênese do Renascimento e da Revolução Científica do século XIV ao século XVIII na Europa e da descoberta da América em 1492 pelos europeus ocorreram graças à contribuição do Império do Meio, a China. Gavin Menzies descreve um aspecto particularmente iníquo do Eurocentrismo de se apropriar dos avanços científicos do Oriente e muitos deles considerá-los como de sua realização, bem como não reconhecer que os chineses descobriram a América antes de Colombo. Menzies mostra que houve uma expropriação dos avanços científicos do Oriente pela Europa Ocidental e imposta ao resto do mundo que é refletido na visão amplamente difundida e falsa entre intelectuais e historiadores ocidentais de que uma das instituições-chave dos tempos modernos, como a ciência, foi inventada na Europa. Na realidade, a ciência foi uma invenção dos muçulmanos árabes e e chineses e apropriada pelos europeus. Isto significa dizer que a história da humanidade precisa ser reescrita. É sabido por todos que o Renascimento surgido na Itália no século XIV e que se estendeu até o século XVII por toda a Europa e a Revolução Científica que começou no século XVI e prolongou-se até o século XVIII foram dois momentos marcantes da história da humanidade porque significaram o nascimento de uma nova era diametralmente oposta à Idade Média ou Idade das Trevas, que foi uma era dominada culturalmente pela Igreja Católica, que criou uma sombra sobre as artes e as ciências, impedindo-as de florescer livremente. A descoberta da América pelos espanhóis e portugueses foi impulsionada pela Revolução Comercial na Idade Média que foi um período de grande expansão econômica da Europa que durou do século XII ao século XVIII e pela construção de novos tipos de embarcação e o aperfeiçoamento da cartografia e de instrumentos como a bússola. O Renascimento deu início à Idade Moderna. De modo geral, pode-se dizer que o Renascimento ocasionou uma imensa renovação nos mais variados campos do conhecimento e produziu artistas, pensadores e cientistas cujos trabalhos influenciaram toda a produção intelectual dos séculos seguintes. O desenvolvimento renascentista não foi homogêneo em todas as regiões. Variou de um lugar para o outro, mas seu maior esplendor aconteceu na Itália, em especial na cidade de Florença, mas também na região de Flandres e na Alemanha. De modo geral, eram localidades em que o comércio fez surgir uma burguesia rica, que se dispôs a financiar a produção artística e intelectual da época. O Renascimento marcou um período único e inigualável na história da ciência porque é considerado como um momento crítico ou ponto de virada na história europeia com o nascimento da ciência moderna, o advento da modernidade, o florescimento da arte e da arquitetura moderna e o início do capitalismo. Com o Renascimento, vieram correntes de pensamento que pregavam o uso do senso crítico mais aprofundado, assim como uma atenção maior às necessidades humanas. A ciência passou a ser mais aceita, ganhou espaço e removeu as influências místicas nos pensamentos na Idade Média. A Revolução Científica foi um dos acontecimentos mais importantes da Idade Moderna. A Revolução Científica tornou o conhecimento mais estruturado e mais prático. Esse período marcou uma ruptura com as práticas da Idade Média, a Idade das Trevas, fase em que a Igreja Católica ditava o conhecimento de acordo
  • 2. 2 com os preceitos religiosos. A matemática descreveu verdades científicas e a física explicou os fenômenos da natureza que antes eram considerados como fenômenos divinos pela Igreja Católica, e provou-se que a Terra não era o centro do Universo e que se movia em torno do Sol. A Revolução Comercial foi impulsionada a partir do século XV como decorrência do Renascimento, da Revolução Científica, do considerável desenvolvimento comercial da segunda metade da Idade Média e da descoberta do Novo Mundo. Neste período, a moeda tornou-se fator primordial da riqueza porque as transações comerciais foram monetizadas. A produção e a troca deixaram de ter caráter de mera subsistência e passaram a atender aos mercados das cidades. A Revolução Comercial foi fruto dos novos tempos vividos na Europa, como resultado da transição do período medieval para o Moderno, da expansão ultramarina e do mercantilismo que contempla uma série de medidas de ordem econômica e política, com as quais os reis procuravam aumentar o absolutismo monárquico e promover a prosperidade do Estado. Ao longo da Revolução Comercial, o eixo comercial foi transferido do Mediterrâneo para o Atlântico, rompendo o monopólio das cidades italianas no comércio com o Oriente e iniciando o mercantilismo. Da Revolução Comercial resultaram transformações profundas na economia europeia. As modificações na economia europeia foram profundas e radicais, preparando o advento do moderno capitalismo. As companhias mercantis passaram a aplicar técnicas contábeis e a adotar novas formas de comercializar, como as cartas de crédito e de pagamento. As minerações de ouro e prata conheceram seu auge. Por sua vez, o mundo estava começando a se integrar economicamente. O comércio passou a atuar de forma global, envolvendo os continentes conhecidos da época. Surgiu uma nova concepção econômica que recebeu o nome de Mercantilismo que foi incrementado com o surgimento de uma nova classe social, a burguesia. A expansão ultramarina foi impulsionada pelas grandes navegações que abriu caminho para o processo de globalização e a alteração das relações econômicas no mundo e o advento do metalismo que, na filosofia mercantilista, determinava a riqueza do país proporcionalmente à quantidade de metal precioso acumulado. A Revolução Comercial permitiu a acumulação de capital necessária para estabelecer as bases do capitalismo e seu desenvolvimento, que resultou na Revolução Industrial no século XVIII. A leitura do livro 1434 de Gavin Menzies, ex-oficial da marinha britânica na década de 1960, que tem como subtítulo “O ano em que uma magnífica frota chinesa velejou para a Itália e deu início ao Renascimento”, permite constatar que tanto o Renascimento quanto a Revolução Científica e a descoberta da América se realizaram efetivamente com a contribuição chinesa. Gavin Menzies viajou por vários países, quando se aposentou, e pesquisou sobre a China e as expedições marítimas realizadas pelos chineses no passado. Neste livro, pode-se contatar, além da contribuição da China ao Renascimento, à Revolução Científica e à descoberta da América, também, o plágio científico praticado na Europa por vários cientistas que se apropriaram do conhecimento desenvolvido pelos chineses. Gavin Menzies confirma o que Jack Goody fez em seu livro The Theft of History (O roubo da história), ao descrever um aspecto particularmente iníquo do Eurocentrismo de se apropriar dos avanços científicos do Oriente e muitos deles considerá-los como de sua realização. O roubo da história, segundo Goody, refere-se à aquisição ou expropriação da história pelo Ocidente, especialmente pela Europa Ocidental e imposta ao resto do
  • 3. 3 mundo. O roubo da história ou o "roubo" pelo Ocidente das conquistas de outras culturas, segundo Goody, é refletido na visão amplamente difundida e falsa entre intelectuais e historiadores ocidentais de que uma das instituições-chave dos tempos modernos, como a ciência, foi inventada na Europa. Jack Goody e Gavin Menzies demonstram que a ciência foi inventada pelos muçulmanos árabes e pelos chineses e apropriada pelos europeus. Gavin Menzies enriquece a contribuição de Jack Goody ao apresentar evidências que ligam as raízes do Renascimento europeu às expedições chinesas do século XV. Baseado em anos de pesquisa, Menzies demonstra que uma expedição chinesa à Itália em 1434 comandada pelo almirante Zheng He, na qual estariam embaixadores oficiais do imperador chinês Yongle foi responsável por transmitir uma vasta coleção de saberes que contribuíram para desencadear o Renascimento na Europa. Entre esta coleção de saberes estão a arte, a geografia (incluindo mapas-múndi, que foram repassados a Cristóvão Colombo e a Fernão de Magalhães), a astronomia, a matemática, a impressão, a arquitetura, a siderurgia e o armamento militar. Menzies sustenta que, no começo do século XV, por volta de 1403, o imperador chinês Yongle (terceiro da Dinastia Ming) deu a Zheng He a missão de executar a maior volta ao redor do globo que já fora feita até então. O objetivo da expedição de Zheng He era o de ir "até o fim do mundo coletar tributos dos bárbaros espalhados pelo mar". Há um consenso entre os historiadores de que a China foi tecnologicamente mais avançada do que a Europa durante séculos. A China sempre se considerou o centro do mundo e os povos não chineses eram por eles tratados como “bárbaros”. As viagens de Zheng He aconteceram em um momento de abertura da China tendo como objetivo conquistar a vassalagem dos “bárbaros” com a transferência de seus conhecimentos para eles. Ele deveria treinar navegadores para saírem pelos oceanos enquanto, em paralelo, centenas de navios de dimensões nunca vistas eram construídos pelo império. Foram eles que, nos anos seguintes, empreenderam seis viagens pelo planeta travando contatos com povos distintos e alcançando terras cujas existências eram desconhecidas. Menzies diz no seu livro 1434 que, ao longo das outras viagens daquele mesmo período, almirantes liderados por Zheng He também pisaram no que hoje é a Austrália, 350 anos antes da expedição britânica liderada pelo capitão James Cook em abril de 1770. Menzies afirma que há evidência das descobertas marítimas chinesas que surgiram durante uma expedição à remota ilha de Elcho, na Austrália, quando uma equipe de arqueólogos do país encontrou entre os anos 1735 e 1795 uma moeda da Dinastia Qing prensada. À época, Mike Owen, chefe do trabalho de escavação, chegou a dizer que o objeto aumentava os já fortes indícios de que chineses haviam feito contato com aborígenes da região antes de Cook. Em 1512, o cartógrafo turco Piri Reis projetou o mapa-mundi incluindo não apenas as Américas, mas detalhando o terreno da Patagônia, ao sul do continente. Ele só foi possível, segundo Menzies, pelas informações obtidas décadas antes dos chineses e já espalhadas pelos territórios da Ásia. Nessas viagens, os navios liderados por Zheng He teriam cruzado o Cabo da Boa Esperança antes de Bartolomeu Dias, ter passado por Cabo Verde, na África, pelas ilhas dos Açores, hoje território português, pelas Bahamas (Caribe) e pelas Malvinas. Ele teria inclusive estabelecido algumas colônias onde hoje se localiza a Austrália, a Nova Zelândia, a Califórnia, a ilha de Porto Rico (EUA) e o México para onde teria levado os primeiros cavalos.
  • 4. 4 O propósito da expedição de Zheng He era o de instruir os países estrangeiros distantes a fim de demonstrar deferência e submissão à China. Segundo Menzies, para instruir os países estrangeiros, a expedição do almirante Zheng He levou uma enciclopédia Yongle Dadian concluída em 1421 composta de 11.095 livros e trabalhada por muitos anos por três mil eruditos chineses que compilaram todo o saber chinês dos dois mil anos anteriores cobrindo todos os assuntos do planeta. Menzies afirma que a enciclopédia Yongle Dadian abrangia assuntos como geografia e cartografia, agricultura, engenharia civil e militar, guerra, saúde e medicina, construção e planejamento de cidades, aço e siderurgia, queima e pintura de cerâmicas, bioquímica, enxertos, produção de álcool, produção e tecelagem de seda, fabricação de pólvora, construção naval e criptografia. Há capítulos que dão conselhos práticos de como usar trigonometria, nada menos do que 95 tratados matemáticos são mencionados e a criptoanálise que consiste no uso da matemática para decifrar códigos. Na enciclopédia Yongle Dadian, há métodos para calcular a área de círculos e volumes de esferas, cones, pirâmides, cubos, cilindros e o princípio para extração de raízes quadradas. Até mesmo o triângulo de Pascal estava incluído na enciclopédia Yongle Dadian séculos antes de Pascal existir. A enciclopédia Yongle Dadian apresenta conhecimentos de matemática chinesa, assim como instrumentos de agrimensura para calcular áreas de campos de arroz, o volume de água necessário para inundar essas plantações e, a partir daí, o tamanho e proporção de seu fluxo para encher os diques. Também forneceu métodos para construir canais e calcular a resistência das comportas necessárias. Yongle Dadian apresenta detalhes sobre a construção de morteiros, bazucas, canhões, mísseis impelidos por foguetes, lança-chamas e todas as espécies de bombas à base de pólvora. Menzies afirma que esta vasta enciclopédia foi um esforço para juntar em um só lugar, na esquadra de Zheng He, os conhecimento chineses obtidos em todos os campos ao longo de milhares de anos. Segundo Menzies, todo o saber chinês levado ao conhecimento de governantes e personalidades da Itália teria dado início à inventividade ocorrida durante o Renascimento e a Revolução Científica, inclusive à genialidade de Da Vinci, Copérnico, Galileu e muitos outros que tiveram acesso aos saberes chineses. Para chegar às suas conclusões, Gavin Menzies realizou pesquisas em várias bibliotecas do mundo, além de obter evidências arqueológicas que levaram a evidências de que, o Renascimento europeu e a descoberta da América só foram possíveis graças à expedição realizada á Itália pelo almirante chinês Zheng He onde os conhecimentos chineses foram difundidos. Entre os conhecimentos transmitidos pelos chineses, Gavin Menzies cita os mapas náuticos que foram usados por Cristóvão Colombo e outros exploradores portugueses rumo ao Novo Mundo. Gavin Menzies constatou o plágio científico praticado por vários personagens como foi o caso de Leonardo da Vinci, considerado um dos maiores gênios da humanidade, senão o maior, que impressiona o mundo até hoje com seus desenhos de invenções fantásticas e máquinas mirabolantes de quase 500 anos atrás que teria plagiado com seus desenhos copiados de originais chineses por outros italianos e por ele aperfeiçoados, cujo maior mérito foi realmente o de da Vinci ter sido um bom ilustrador. Comparando os desenhos de Leonardo da Vinci com o manual chinês Nung Shu, Gavin Menzies verifica que cada elemento de uma máquina, magnificamente desenhado por ele, havia sido previamente ilustrado pelos chineses neste manual muito mais simples. Em suma, Gavin Menzies
  • 5. 5 afirma que o principal do trabalho de Leonardo da Vinci repousava sobre uma vasta fundação de obras criadas previamente pelos chineses. Gavin Menzies constatou que os desenhos mecânicos de moinhos de farinha e de rolos, moinhos d'água e serrarias, empilhadeiras, máquinas para transportar pesos, todos os tipos de bobinas e guindastes, carroças mecanizadas, bombas, dispositivos para elevação de água e dragas de Leonardo da Vinci foram avanços e aperfeiçoamentos do Trattado di architetura civile e militare, de Francesco di Giorgio que copiou dos chineses. As regras de perspectivas de Leonardo para pintura e escultura se originaram em De pictura e De statua, de Alberti que copiou dos chineses. Seu paraquedas foi baseado no de Di Giorgio. O helicóptero teve como modelo um brinquedo chinês exportado para a Itália por volta de 1440 e desenhado por Taccola. As ilustrações de da Vinci em três dimensões dos componentes de homens e máquinas são uma contribuição única e brilhante para a civilização assim como suas esculturas e pinturas sublimes. Gavin Menzies afirma que é hora de reconhecer as contribuições chinesas às obras de Da Vinci, Francesco di Giorgio, Alberti e Taccola que, sem elas, a história do Renascimento teria sido muito diferente e Leonardo da Vinci muito provavelmente não teria desenvolvido toda sua criatividade. As pesquisas de Menzies levaram-no à conclusão de que os matemáticos Taccola, Francesco di Giorgio e Alberti tinham copiado dos chineses sobre matemática, agrimensura, perspectiva cartográfica e criptografia, do matemático alemão Regiomontano copiou dos chineses sobre trigonometria esférica e Toscanelli e Nicolau de Cusa sobre astronomia. Menzies afirmou que parecia que tudo que Taccola, Di Giorgio, Regiomontano, Alberti e Leonardo da Vinci haviam “inventado” já estava nos livros chineses. Gavin Menzies observa que a invenção da impressão é atribuída a Gutenberg apesar da impressão em bloco ou móvel ter sido inventada na China em 1051. O heliocentrismo proposto por Copérnico em oposição à tese de Ptolomeu de que a Terra era o centro do Universo foi copiado de Regiomontano que, por sua vez, copiou da obra Guo Shoujing contida na enciclopédia Yongle Dadian. As leis de Kepler resultaram do aperfeiçoamento da astronomia de Copérnico originada em Regiomontano e Nicolau de Cusa que obtiveram suas ideias fundamentais de Toscanelli e do calendário astronômico chinês. Credita-se a Galileu a descoberta das luas de Júpiter, Io, Europa, Calisto e Ganímedes, em 1610. No entanto, o astrônomo chinês Gan De descobriu os satélites de Júpiter dois mil anos antes de Galileu. Tudo isto confirma o plágio do conhecimento científico chinês por cientistas europeus que não creditaram aos chineses estes avanços científicos. Apesar do plágio científico, estes fatos comprovam a contribuição chinesa ao Renascimento e à Revolução Científica na Europa. A Contribuição da China à descoberta da América resultou do fato de a expedição de Zheng He não apenas mostrar o caminho para o Novo Mundo como forneceu aos europeus, também, conhecimentos que lhes possibilitaram conhecer sua latitude e longitude afim de alcançá-lo e voltar em segurança para casa. Ao mostrar o caminho para o Novo Mundo e fornecerem mapas náuticos que foram usados por Cristóvão Colombo e outros exploradores portugueses rumo ao Novo Mundo, os chineses contribuíram para a descoberta da América. Há quase duas décadas, no entanto, uma história alternativa da "descoberta das Américas” passou a ser considerada ao contrário do consenso historiográfico que atribui a Colombo a descoberta da América. Passou-se a admitir que frotas encabeçadas por dois almirantes
  • 6. 6 chineses, Zhou Man e Hong Bao, haviam navegado da África até a foz do Rio Orenoco, na atual Venezuela, descendo depois por toda a costa do continente até o Estreito de Magalhães, ao sul da América do Sul, ainda no ano de 1421, portanto, 71 anos antes da viagem de Cristóvão Colombo. Eles tinham sido treinados e eram liderados pelo grande navegador chinês daquela época, o eunuco muçulmano Zheng He. A tese da "descoberta chinesa das Américas”, cujas versões já existiam antes, ficou famosa por meio de dois best-sellers escritos por Gavin Menzies no começo dos anos 2000: 1421: o ano em que a China descobriu o mundo (Bertrand, 2006) e Who Discovered America? The Untold History of the Peopling of the Americas ("Quem descobriu a América? A história oculta da ocupação das Américas"). Pelo exposto, fica demonstrada a contribuição chinesa à eclosão do Renascimento e da Revolução Científica do século XIV ao século XVIII na Europa, à descoberta da América, bem como o plagio científico praticado por cientistas consagrados da Europa que se apropriaram do saber chinês e o divulgaram como seus. REFERÊNCIAS ALCOFORADO, Fernando. A verdade sobre a gênese do Renascimento e da Revolução Científica na Europa. Disponível no website <https://www.academia.edu/49069286/A_VERDADE_SOBRE_A_GENESE_DO_RE NASCIMENTO_E_DA_REVOLUCAO_CIENTIFICA_NA_EUROPA>, 29/05/2021. GOODY, Jack. The Theft of History. Cambridge: Cambridge University Press, 2006. MENZIES, Gavin. 1434. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2010. MENZIES, Gavin. 1421. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2004. * Fernando Alcoforado, 82, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba, 2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co- autoria), Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019) e A humanidade ameaçada e as estratégias para sua sobrevivência (Editora Dialética, São Paulo, 2021).
  • 7. 7 Gavin Menzies, autor do livro 1434, afirma que a China deu início ao Renascimento com robustos argumentos [3]. Segundo Gavin Menzies, a gênese do Renascimento e da Revolução Científica do século XIV ao século XVIII na Europa e da descoberta da América em 1492 pelos europeus ocorreu graças à contribuição do Império do Meio, a China. É sabido por todos que o Renascimento surgido na Itália no século XIV e que se estendeu até o século XVII por toda a Europa e a Revolução Científica que começou no século XVI e prolongou-se até o século XVIII foram dois momentos marcantes da história da humanidade porque significaram o nascimento de uma nova era diametralmente oposta à Idade Média ou Idade das Trevas, que foi uma era dominada culturalmente pela Igreja Católica, que criou uma sombra sobre as artes e as ciências, impedindo-as de florescer livremente. A descoberta da América pelos espanhóis e portugueses foi impulsionada pela Revolução Comercial na Idade Média que foi um período de grande expansão econômica da Europa que durou do século XII ao século XVIII e pela construção de novos tipos de embarcação e o aperfeiçoamento da cartografia e de instrumentos como a bússola. O Renascimento deu início à Idade Moderna [5]. De modo geral, pode-se dizer que o Renascimento ocasionou uma imensa renovação nos mais variados campos do conhecimento e produziu artistas, pensadores e cientistas cujos trabalhos influenciaram toda a produção intelectual dos séculos seguintes. O desenvolvimento renascentista não foi homogêneo em todas as regiões. Variou de um lugar para o outro, mas seu maior esplendor aconteceu na Itália, em especial na cidade de Florença, mas também na região de Flandres e na Alemanha. De modo geral, eram localidades em que o comércio fez surgir uma burguesia rica, que se dispôs a financiar a produção artística e intelectual da época. O Renascimento marcou um período único e inigualável na história da ciência porque é considerado como um momento crítico ou ponto de virada na história europeia com o nascimento da ciência moderna, o advento da modernidade, o florescimento da arte e da arquitetura moderna e o início do capitalismo. Com o Renascimento, vieram correntes de pensamento que pregavam o uso do senso crítico mais aprofundado, assim como uma atenção maior às necessidades humanas. A ciência passou a ser mais aceita, ganhou espaço e removeu as influências místicas nos pensamentos na Idade Média. A Revolução Científica foi um dos acontecimentos mais importantes da Idade Moderna. A Revolução Científica tornou o conhecimento mais estruturado e mais prático. Esse período marcou uma ruptura com as práticas da Idade Média, a Idade das Trevas, fase em que a Igreja Católica ditava o conhecimento de acordo com os preceitos religiosos. A matemática descreveu verdades científicas e a física explicou os fenômenos da natureza que antes eram considerados como fenômenos divinos pela Igreja Católica, e provou-se que a Terra não era o centro do Universo e que se movia em torno do Sol. A Revolução Comercial [6] foi impulsionada a partir do século XV como decorrência do Renascimento, da Revolução Científica, do considerável desenvolvimento comercial da segunda metade da Idade Média e da descoberta do Novo Mundo. Neste período, a moeda tornou-se fator primordial da riqueza porque as transações comerciais foram monetizadas. A produção e a troca deixaram de ter caráter de mera subsistência e passaram a atender aos mercados das cidades. A Revolução Comercial foi fruto dos novos tempos vividos na Europa, como resultado da transição do período medieval para o Moderno, da expansão ultramarina e do mercantilismo que contempla uma série de
  • 8. 8 medidas de ordem econômica e política, com as quais os reis procuravam aumentar o absolutismo monárquico e promover a prosperidade do Estado. Ao longo da Revolução Comercial, o eixo comercial foi transferido do Mediterrâneo para o Atlântico, rompendo o monopólio das cidades italianas no comércio com o Oriente e iniciando o mercantilismo. Da Revolução Comercial resultaram transformações profundas na economia europeia. As modificações na economia europeia foram profundas e radicais, preparando o advento do moderno capitalismo. As companhias mercantis passaram a aplicar técnicas contábeis e a adotar novas formas de comercializar, como as cartas de crédito e de pagamento. As minerações de ouro e prata conheceram seu auge. Por sua vez, o mundo estava começando a se integrar economicamente. O comércio passou a atuar de forma global, envolvendo os continentes conhecidos da época. Surgiu uma nova concepção econômica que recebeu o nome de Mercantilismo que foi incrementado com o surgimento de uma nova classe social, a burguesia. A expansão ultramarina foi impulsionada pelas grandes navegações que abriu caminho para o processo de globalização e a alteração das relações econômicas no mundo e o advento do metalismo que, na filosofia mercantilista, determinava a riqueza do país proporcionalmente à quantidade de metal precioso acumulado. A Revolução Comercial permitiu a acumulação de capital necessária para estabelecer as bases do capitalismo e seu desenvolvimento, que resultou na Revolução Industrial no século XVIII. A leitura do livro 1434 de Gavin Menzies, ex-oficial da marinha britânica na década de 1960, que tem como subtítulo “O ano em que uma magnífica frota chinesa velejou para a Itália e deu início ao Renascimento”, permite constatar que tanto o Renascimento quanto a Revolução Científica e a descoberta da América se realizaram efetivamente com a contribuição chinesa [3]. Gavin Menzies viajou por vários países, quando se aposentou, e pesquisou sobre a China e as expedições marítimas realizadas pelos chineses no passado. Neste livro, pode-se contatar, além da contribuição da China ao Renascimento, à Revolução Científica e à descoberta da América, também, o plágio científico praticado na Europa por vários cientistas que se apropriaram do conhecimento desenvolvido pelos chineses. Gavin Menzies confirma o que Jack Goody [2] fez em seu livro The Theft of History (O roubo da história), ao descrever um aspecto particularmente iníquo do Eurocentrismo de se apropriar dos avanços científicos do Oriente e muitos deles considerá-los como de sua realização. O roubo da história, segundo Goody, refere-se à aquisição ou expropriação da história pelo Ocidente, especialmente pela Europa Ocidental e imposta ao resto do mundo. O roubo da história ou o "roubo" pelo Ocidente das conquistas de outras culturas, segundo Goody, é refletido na visão amplamente difundida e falsa entre intelectuais e historiadores ocidentais de que uma das instituições-chave dos tempos modernos, como a ciência, foi inventada na Europa. Jack Goody e Gavin Menzies demonstram que a ciência foi inventada pelos muçulmanos árabes e pelos chineses e apropriada pelos europeus. Gavin Menzies enriquece a contribuição de Jack Goody ao apresentar evidências que ligam as raízes do Renascimento europeu às expedições chinesas do século XV [3]. Baseado em anos de pesquisa, Menzies demonstra que uma expedição chinesa à Itália em 1434 comandada pelo almirante Zheng He, na qual estariam embaixadores oficiais do imperador chinês Yongle foi responsável por transmitir uma vasta coleção de saberes que
  • 9. 9 contribuíram para desencadear o Renascimento na Europa. Entre esta coleção de saberes estão a arte, a geografia (incluindo mapas-múndi, que foram repassados a Cristóvão Colombo e a Fernão de Magalhães), a astronomia, a matemática, a impressão, a arquitetura, a siderurgia e o armamento militar. Menzies sustenta que, no começo do século XV, por volta de 1403, o imperador chinês Yongle (terceiro da Dinastia Ming) deu a Zheng He a missão de executar a maior volta ao redor do globo que já fora feita até então. O objetivo da expedição de Zheng He era o de ir "até o fim do mundo coletar tributos dos bárbaros espalhados pelo mar". Há um consenso entre os historiadores de que a China foi tecnologicamente mais avançada do que a Europa durante séculos. A China sempre se considerou o centro do mundo e os povos não chineses eram por eles tratados como “bárbaros”. As viagens de Zheng He aconteceram em um momento de abertura da China tendo como objetivo conquistar a vassalagem dos “bárbaros” com a transferência de seus conhecimentos para eles. Ele deveria treinar navegadores para saírem pelos oceanos enquanto, em paralelo, centenas de navios de dimensões nunca vistas eram construídos pelo império. Foram eles que, nos anos seguintes, empreenderam seis viagens pelo planeta travando contatos com povos distintos e alcançando terras cujas existências eram desconhecidas. Menzies diz no seu livro 1434 que, ao longo das outras viagens daquele mesmo período, almirantes liderados por Zheng He também pisaram no que hoje é a Austrália, 350 anos antes da expedição britânica liderada pelo capitão James Cook em abril de 1770. Menzies afirma que, em 2014, há evidência das descobertas marítimas chinesas que surgiram durante uma expedição à remota ilha de Elcho, na Austrália, quando uma equipe de arqueólogos do país encontrou entre os anos 1735 e 1795 uma moeda da Dinastia Qing prensada. À época, Mike Owen, chefe do trabalho de escavação, chegou a dizer que o objeto aumentava os já fortes indícios de que chineses haviam feito contato com aborígenes da região antes de Cook. Em 1512, o cartógrafo turco Piri Reis projetou o mapa-mundi incluindo não apenas as Américas, mas detalhando o terreno da Patagônia, ao sul do continente. Ele só foi possível, segundo Menzies, pelas informações obtidas décadas antes dos chineses e já espalhadas pelos territórios da Ásia. Nessas viagens, os navios liderados por Zheng He teriam cruzado o Cabo da Boa Esperança antes de Bartolomeu Dias, ter passado por Cabo Verde, na África, pelas ilhas dos Açores, hoje território português, pelas Bahamas (Caribe) e pelas Malvinas. Ele teria inclusive estabelecido algumas colônias onde hoje se localiza a Austrália, a Nova Zelândia, a Califórnia, a ilha de Porto Rico (EUA) e o México para onde teria levado os primeiros cavalos. O propósito da expedição de Zheng He era o de instruir os países estrangeiros distantes a fim de demonstrar deferência e submissão à China. Segundo Menzies, para instruir os países estrangeiros, a expedição do almirante Zheng He levou uma enciclopédia Yongle Dadian concluída em 1421 composta de 11.095 livros e trabalhada por muitos anos por três mil eruditos chineses que compilaram todo o saber chinês dos dois mil anos anteriores cobrindo todos os assuntos do planeta. Menzies afirma que a enciclopédia Yongle Dadian abrangia assuntos como geografia e cartografia, agricultura, engenharia civil e militar, guerra, saúde e medicina, construção e planejamento de cidades, aço e siderurgia, queima e pintura de cerâmicas, bioquímica, enxertos, produção de álcool, produção e tecelagem de seda, fabricação de pólvora, construção naval e criptografia. Há capítulos que dão conselhos práticos de como usar trigonometria, nada menos do que 95 tratados
  • 10. 10 matemáticos são mencionados e a criptoanálise que consiste no uso da matemática para decifrar códigos. Na enciclopédia Yongle Dadian, há métodos para calcular a área de círculos e volumes de esferas, cones, pirâmides, cubos, cilindros e o princípio para extração de raízes quadradas. Até mesmo o triângulo de Pascal estava incluído na enciclopédia Yongle Dadian séculos antes de Pascal existir. A enciclopédia Yongle Dadian apresenta conhecimentos de matemática chinesa, assim como instrumentos de agrimensura para calcular áreas de campos de arroz, o volume de água necessário para inundar essas plantações e, a partir daí, o tamanho e proporção de seu fluxo para encher os diques. Também forneceu métodos para construir canais e calcular a resistência das comportas necessárias. Yongle Dadian apresenta detalhes sobre a construção de morteiros, bazucas, canhões, mísseis impelidos por foguetes, lança-chamas e todas as espécies de bombas à base de pólvora. Menzies afirma que esta vasta enciclopédia foi um esforço para juntar em um só lugar, na esquadra de Zheng He, os conhecimento chineses obtidos em todos os campos ao longo de milhares de anos. Segundo Menzies, todo o saber chinês levado ao conhecimento de governantes e personalidades da Itália teria dado início à inventividade ocorrida durante o Renascimento e a Revolução Científica, inclusive à genialidade de Da Vinci, Copérnico, Galileu e muitos outros que tiveram acesso aos saberes chineses. Para chegar às suas conclusões, Gavin Menzies realizou pesquisas em várias bibliotecas do mundo, além de obter evidências arqueológicas que levaram a evidências de que, o Renascimento europeu e a descoberta da América só foram possíveis graças à expedição realizada á Itália pelo almirante chinês Zheng He onde os conhecimentos chineses foram difundidos. Entre os conhecimentos transmitidos pelos chineses, Gavin Menzies cita os mapas náuticos que foram usados por Cristóvão Colombo e outros exploradores portugueses rumo ao Novo Mundo. Gavin Menzies constatou o plágio científico praticado por vários personagens como foi o caso de Leonardo da Vinci, considerado um dos maiores gênios da humanidade, senão o maior, que impressiona o mundo até hoje com seus desenhos de invenções fantásticas e máquinas mirabolantes de quase 500 anos atrás que teria plagiado com seus desenhos copiados de originais chineses por outros italianos e por ele aperfeiçoados, cujo maior mérito foi realmente o de da Vinci ter sido um bom ilustrador. Comparando os desenhos de Leonardo da Vinci com o manual chinês Nung Shu, Gavin Menzies verifica que cada elemento de uma máquina, magnificamente desenhado por ele, havia sido previamente ilustrado pelos chineses neste manual muito mais simples. Em suma, Gavin Menzies afirma que o principal do trabalho de Leonardo da Vinci repousava sobre uma vasta fundação de obras criadas previamente pelos chineses. Gavin Menzies constatou que os desenhos mecânicos de moinhos de farinha e de rolos, moinhos d'água e serrarias, empilhadeiras, máquinas para transportar pesos, todos os tipos de bobinas e guindastes, carroças mecanizadas, bombas, dispositivos para elevação de água e dragas de Leonardo da Vinci foram avanços e aperfeiçoamentos do Trattado di architetura civile e militare, de Francesco di Giorgio que copiou dos chineses. As regras de perspectivas de Leonardo para pintura e escultura se originaram em De pictura e De statua, de Alberti que copiou dos chineses. Seu paraquedas foi baseado no de Di Giorgio. O helicóptero teve como modelo um brinquedo chinês exportado para a Itália por volta de 1440 e desenhado por Taccola. As ilustrações de da Vinci em três dimensões dos
  • 11. 11 componentes de homens e máquinas são uma contribuição única e brilhante para a civilização assim como suas esculturas e pinturas sublimes. Gavin Menzies afirma que é hora de reconhecer as contribuições chinesas às obras de Da Vinci, Francesco di Giorgio, Alberti e Taccola que, sem elas, a história do Renascimento teria sido muito diferente e Leonardo da Vinci muito provavelmente não teria desenvolvido toda sua criatividade. As pesquisas de Menzies levaram-no à conclusão de que os matemáticos Taccola, Francesco di Giorgio e Alberti tinham copiado dos chineses sobre matemática, agrimensura, perspectiva cartográfica e criptografia, Regiomontano copiou dos chineses sobre trigonometria esférica e Toscanelli e Nicolau de Cusa sobre astronomia. Menzies afirmou que parecia que tudo que Taccola, Di Giorgio, Regiomaontano, Alberti e Leonardo da Vinci haviam “inventado” já estava nos livros chineses. Gavin Menzies observa que a invenção da impressão é atribuída a Gutenberg apesar da impressão em bloco ou móvel ter sido inventada na China em 1051. O heliocentrismo proposto por Copérnico em oposição à tese de Ptolomeu de que a Terra era o centro do Universo foi copiado de Regiomontano que, por sua vez, copiou da obra Guo Shoujing contida na enciclopédia Yongle Dadian. As leis de Kepler resultaram do aperfeiçoamento da astronomia de Copérnico originada em Regiomontano e Nicolau de Cusa que obtiveram suas ideias fundamentais de Toscanelli e do calendário astronômico chinês. Credita-se a Galileu a descoberta das luas de Júpiter, Io, Europa, Calisto e Ganímedes, em 1610. No entanto, o astrônomo chinês Gan De descobriu os satélites de Júpiter dois mil anos antes de Galileu. Tudo isto confirma o plágio do conhecimento científico chinês por cientistas europeus que não creditaram aos chineses estes avanços científicos. Apesar do plágio científico, estes fatos comprovam a contribuição chinesa ao Renascimento e à Revolução Científica na Europa. A Contribuição da China à descoberta da América resultou do fato de a expedição de Zheng He não apenas mostrar o caminho para o Novo Mundo como forneceu aos europeus, também, conhecimentos que lhes possibilitaram conhecer sua latitude e longitude afim de alcançá-lo e voltar em segurança para casa. Ao mostrar o caminho para o Novo Mundo e fornecerem mapas náuticos que foram usados por Cristóvão Colombo e outros exploradores portugueses rumo ao Novo Mundo, os chineses contribuíram para a descoberta da América. Há quase duas décadas, no entanto, uma história alternativa da "descoberta das Américas” passou a ser considerada ao contrário do consenso historiográfico que atribui a Colombo a descoberta da América [4]. Passou-se a admitir que frotas encabeçadas por dois almirantes chineses, Zhou Man e Hong Bao, haviam navegado da África até a foz do Rio Orenoco, na atual Venezuela, descendo depois por toda a costa do continente até o Estreito de Magalhães, ao sul da América do Sul, ainda no ano de 1421, portanto, 71 anos antes da viagem de Cristóvão Colombo. Eles tinham sido treinados e eram liderados pelo grande navegador chinês daquela época, o eunuco muçulmano Zheng He. A tese da "descoberta chinesa das Américas”, cujas versões já existiam antes, ficou famosa por meio de dois best-sellers escritos por Gavin Menzies no começo dos anos 2000: 1421: o ano em que a China descobriu o mundo (Bertrand, 2006) e Who Discovered America? The Untold History of the Peopling of the Americas ("Quem descobriu a América? A história oculta da ocupação das Américas").
  • 12. 12 Pelo exposto, fica demonstrada a contribuição chinesa à eclosão do Renascimento e da Revolução Científica do século XIV ao século XVIII na Europa, à descoberta da América, bem como o plagio científico praticado por cientistas consagrados da Europa que se apropriaram do saber chinês e o divulgaram como seus [1]. REFERÊNCIAS 1. ALCOFORADO, Fernando. A verdade sobre a gênese do Renascimento e da Revolução Científica na Europa. Disponível no website <https://www.academia.edu/49069286/A_VERDADE_SOBRE_A_GENESE_DO_ RENASCIMENTO_E_DA_REVOLUCAO_CIENTIFICA_NA_EUROPA>, 29/05/2021. 2. GOODY, Jack. The Theft of History. Cambridge: Cambridge University Press, 2006. 3. MENZIES, Gavin. 1434. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2010. 4. MENZIES, Gavin. 1421. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2004. 5. USP. O ``Renascimento'' do Século XII. Disponível no website <http://plato.if.usp.br/1-2003/fmt0405d/apostila/mediev11/node3.html>. 6. WIKIPEDIA. Revolução Comercial. Disponível no website <https://pt.wikipedia.org/wiki/Revolu%C3%A7%C3%A3o_Comercial#:~:text=A% 20Revolu%C3%A7%C3%A3o%20Comercial%20foi%20um,transforma%C3%A7 %C3%B5es%20profundas%20na%20economia%20europeia>.