SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
A ABERTURA EUROPEIA AO MUNDO
Mutações nos conhecimentos, sensibilidades e
valores nos séculos XV e XVI
Em que consistiu a abertura europeia ao mundo
do ponto de vista geográfico e antropológico?
Que meios técnicos a tornaram possível?
1. Antecedentes (recuperação de aprendizagens)
Expansão e mudança nos sécs. XV e XVI
Condicionalismos da expansão portuguesa:
Políticos- paz interna no reino e submissão da nobreza à Coroa;
Económicos: necessidade de ouro e cereais;
Sociais: todos os grupos viam contrapartidas favoráveis na expansão;
Técnicos: experiência marítima e conhecimentos técnicos ligados à arte de marear;
Rumos da expansão portuguesa:
1415- Conquista de Ceuta (sucesso militar e um fracasso económico);
1419… - descoberta e colonização dos arquipélagos atlânticos;
1434 – Passagem do cabo Bojador (prosseguem as viagens ao longo da costa africana e o
comércio a sul do Cabo Bojador passa a ser monopólio do Infante D. Henrique);
1460- D. Afonso V regressa às conquistas no N. de África e arrenda o comércio africano a
Fernão Gomes);
1477/81 – D. João II assume o comando das viagens portuguesas e em 1487 Bartolomeu
Dias passa o Cabo da Boa Esperança;
1498 – Vasco da Gama chega à Índia por mar (reinado de D. Manuel I); (os portugueses
asseguram o monopólio do comércio no Índico e a ligação à Índia pela Rota do Cabo);
1500- Pedro Álvares Cabral descobre o Brasil;
Descobrimentos feitos ao serviço dos reis de Espanha:
1492- Cristóvão Colombo descobre a América;
1521 – Fernão de Magalhães (navegador português ao serviço dos reis de Espanha) faz a viagem de
Circum-navegação a qual será concluída por Sebastião de Elcano (viagem que comprova a
esfericidade da Terra);
Os descobrimentos proporcionaram a Portugal saberes técnico-científicos. As inovações na
náutica, na cartografia, a observação e descrição da Natureza não só alteraram a conceção
europeia do Mundo e a forma como os europeus faziam comércio, como também foram
importantes contributos portugueses para o alargamento do conhecimento do Mundo e para
o progresso da civilização renascentista.
2. O contributo português
a) Inovações técnicas
Os instrumentos de navegação usados no Mediterrâneo pelos genoveses e venezianos (a bússola, a
ampulheta ou relógio de areia) foram auxiliares fundamentais na navegação “por rumo e estima”,
sempre com aproximação à costa.
À medida que a navegação se fazia mais
longe da costa, as cartas de portulano
que representavam o traçado
aproximado e estimado das costas com
base nas distâncias calculadas em
duração de dias de navegação,
aperfeiçoaram-se.
Traçado de linhas de rumo no portulano de Bem Zara,
1472
Náutica
Caravela Quinhentista
Até ao século XV, os portugueses praticavam uma
navegação de cabotagem, utilizando a barca e
o barinel, embarcações pequenas e frágeis. O
avanço para Sul (com os baixios, os ventos fortes e
as correntes marítimas desfavoráveis) exigiu
embarcações mais fáceis de manejar e com velas
que permitiam navegar à bolina – as caravelas.
Com a navegação oceânica, e à medida que se
foi desenvolvendo o comércio marítimo,
tornou-se necessário aumentar a capacidade
do transporte surgindo as caravelas de
armada e, posteriormente, as naus.
Nau de Pedro Álvares Cabral
Quadrante permitia
determinar a distância
entre o ponto de partida e
o lugar onde a embarcação
se encontrava, cujo cálculo
se baseava na altura da
Estrela Polar.
O astrolábio permitia
descobrir a distância entre
ponto de partida e o lugar
onde a embarcação se
encontrava, medindo a altura
do sol ao meio-dia. Era
vantajoso em relação ao
quadrante, porque era mais
fácil trabalhar à luz do dia, e
porque a Estrela Polar não é
visível no hemisfério sul.
Balestilha permitia
calcular a medida da
distância da linha do
horizonte aos astros.
Cartografia
Os planisférios representavam a Terra com 3 continentes;
O planisfério ptolomaico (séc. II) ainda era usado (séc. XV) como verdadeiro
(representava, erradamente, a configuração de África e do Oriente;
Planisfério de Ptolomeu, 1482
Até às viagens de descoberta, a cartografia era muito pouco rigorosa.
Com as viagens de descoberta os mapas medievais foram substituídos:
Pelos portulanos (mais fiáveis e minuciosos);
Pelo planisfério de Henricus Martellus
(1489)…
Pelo planisfério de Cantino (1502) …
… que representa, pela 1ª vez, o Cabo da Boa Esperança;
…que representa o litoral brasileiro e o continente africano com bastante exatidão;
b) Observação e descrição da Natureza
Os Descobrimentos portugueses proporcionaram uma observação mais atenta da Natureza o
que levou o Homem a questionar as “verdades” absolutas da idade Média.
O saber nasce da “experiência feita”, o único método que não engana e permite chegar à
verdade.
“A experiência é madre de todas as cousas e por ela soubemos radicalmente a verdade”
(Duarte Pacheco Pereira)
Os conhecimentos derivados do experiencialismo resultam da observação e descrição empírica da
Natureza, não sendo o resultado de experiências feitas propositadamente para a verificação de
hipóteses (não se podem considerar científicos).
Não sendo uma “ciência” o saber português contribuiu para o exercício do espírito
crítico (raiz do pensamento moderno).
3. O conhecimento científico da Natureza
Séc. XVIII– surge o verdadeiro conhecimento científico – a reflexão teórica e matemática
comprovam os resultados obtidos pela observação e pela vivência experimental.
Os números tomam conta do quotidiano do Homem, a
Matemática afirma-se como linguagem científica universal e
dá origem a uma mentalidade quantitativa.
A combinação do cálculo matemático com a
observação e o saber experimental provocou uma
revolução das conceções cosmológicas, cujos efeitos
fizeram sentir-se, particularmente no séc. XVII.
Geocentrismo Heliocentrismo
O séc. XV representou um momento de transição entre a conceção medieval do Mundo e a
Época Moderna. Portugal tinha um conjunto de conhecimentos técnicos e condicionalismos
geográficos que, aliados a uma conjuntura económica, política, social e religiosa favorável,
impulsionaram a expansão portuguesa no mundo.
As primeiras viagens foram de exploração da costa africana, mas a expansão ultramarina
assumiu, posteriormente, uma vertente de descoberta e conquista. Desde a passagem do Cabo
Bojador à descoberta do caminho marítimo para a Índia e do Brasil, um novo mundo se abriu
para Portugal e para a Europa.
Este alargamento e expansão do mundo refletiu-se na elaboração de novos mapas, mais
rigorosos e consonantes com os conhecimentos geográficos e destruidores dos mitos e lendas
que povoavam o imaginário medieval. Deu origem a um novo tipo de saber, assente na
observação, descrição e experiência, a uma nova mentalidade, a uma nova conceção do
mundo e do universo.
Em que consistiu a abertura europeia ao mundo do ponto de vista geográfico e
antropológico? Que meios técnicos a tornaram possível?
QUESTÕES
1. A partir dos docs. , explique o contributo dos portugueses para uma mais correta representação
cartográfica da Terra, comparando os dois planisférios.
2. Defina Mentalidade Quantitativa.
3. Concorda com a afirmação do historiador Vitorino Magalhães Godinho: “O conhecimento do
Mundo é a novidade decisiva destes séculos, porque traz em si a invenção da Humanidade”.
Justifique.
4. Partindo do doc. 8, da pág. 30 do manual, esclareça o significado de “experiencialismo”.
A abertura ao mundo
A abertura ao mundo
A abertura ao mundo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2Vítor Santos
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorialSusana Simões
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioSusana Simões
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anojorgina8
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaAna Delgado
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasIlda Bicacro
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Vítor Santos
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoralIlda Bicacro
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdfVítor Santos
 
Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºsemariajosantos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdfVítor Santos
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solarCatarina Castro
 
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Ilda Bicacro
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhioSusana Simões
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANOCarina Vale
 

Mais procurados (20)

02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoral
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºse
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
As Cidades Cbd
As Cidades CbdAs Cidades Cbd
As Cidades Cbd
 

Destaque

O alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
O alargamento do conhecimento do mundo - trabalhoO alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
O alargamento do conhecimento do mundo - trabalhoCatarina13
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundocattonia
 
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º AnoA Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º AnoGonçalo Martins
 
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialO urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialSusana Simões
 
Da formação à fixação do território
Da formação à fixação do territórioDa formação à fixação do território
Da formação à fixação do territórioSusana Simões
 
A reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialA reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialSusana Simões
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispâniaSusana Simões
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalSusana Simões
 
Alargamento do conhecimento do mundo
Alargamento do conhecimento do mundoAlargamento do conhecimento do mundo
Alargamento do conhecimento do mundoCarlos Vieira
 
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaArte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaSusana Simões
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesJoão Fernandes
 
O fim do império português e a união ibérica
O fim do império português e a união ibéricaO fim do império português e a união ibérica
O fim do império português e a união ibéricaSusana Simões
 
Descoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africanaDescoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africanaSusana Simões
 
A cartografia
A cartografiaA cartografia
A cartografiaRui Nobre
 

Destaque (20)

O alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
O alargamento do conhecimento do mundo - trabalhoO alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
O alargamento do conhecimento do mundo - trabalho
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º AnoA Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
 
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma ImperialO urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
O urbanismo e o pragmatismo de Roma Imperial
 
Jogos Olímpicos
Jogos OlímpicosJogos Olímpicos
Jogos Olímpicos
 
Da formação à fixação do território
Da formação à fixação do territórioDa formação à fixação do território
Da formação à fixação do território
 
A reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialA reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperial
 
A cultura romana 1
A cultura romana 1A cultura romana 1
A cultura romana 1
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
 
Jogos olímpicos
Jogos olímpicosJogos olímpicos
Jogos olímpicos
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
Alargamento do conhecimento do mundo
Alargamento do conhecimento do mundoAlargamento do conhecimento do mundo
Alargamento do conhecimento do mundo
 
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquiteturaArte grega pintura, escultura e arquitetura
Arte grega pintura, escultura e arquitetura
 
3 a abertura europeia ao mundo
3   a abertura europeia ao mundo3   a abertura europeia ao mundo
3 a abertura europeia ao mundo
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos Portugueses
 
O fim do império português e a união ibérica
O fim do império português e a união ibéricaO fim do império português e a união ibérica
O fim do império português e a união ibérica
 
Descoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africanaDescoberta e exploração da costa ocidental africana
Descoberta e exploração da costa ocidental africana
 
A cartografia
A cartografiaA cartografia
A cartografia
 

Semelhante a A abertura ao mundo

O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3Carla Teixeira
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítimaZé Knust
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegaçõesJanayna Lira
 
Asgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
AsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasilAsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
AsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasilDanielli Gomes
 
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesaResumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesarosivaldo_f_moreira
 
Aula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane Araújo
Aula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane AraújoAula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane Araújo
Aula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane AraújoDaiane ...
 
Prioridade portuguesa
Prioridade portuguesaPrioridade portuguesa
Prioridade portuguesacattonia
 
Um breve panorama das navegações no século XV e XVI
Um breve panorama das navegações no século XV e XVIUm breve panorama das navegações no século XV e XVI
Um breve panorama das navegações no século XV e XVINaiara Batista
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundocattonia
 
As Grandes Navegações2.pdf
As Grandes Navegações2.pdfAs Grandes Navegações2.pdf
As Grandes Navegações2.pdfDouglasCoelho40
 
G R A N D E S N A V E G AÇÕ E S E N E R G
G R A N D E S  N A V E G AÇÕ E S  E N E R GG R A N D E S  N A V E G AÇÕ E S  E N E R G
G R A N D E S N A V E G AÇÕ E S E N E R Gguest991a823b
 

Semelhante a A abertura ao mundo (20)

O renascimento parte 3
O renascimento  parte 3O renascimento  parte 3
O renascimento parte 3
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
 
História da América
História da AméricaHistória da América
História da América
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
Historia 8ºAno
Historia 8ºAnoHistoria 8ºAno
Historia 8ºAno
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 
2 Exp Marit Portug
2 Exp Marit Portug2 Exp Marit Portug
2 Exp Marit Portug
 
Geo Geral Texto 02
Geo Geral   Texto 02Geo Geral   Texto 02
Geo Geral Texto 02
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
 
Asgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
AsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasilAsgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
Asgrandesnavegacoeseodescobrimentodobrasil
 
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesaResumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
 
Aula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane Araújo
Aula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane AraújoAula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane Araújo
Aula cartografia 1º ano ens. médio. CEFE Profª. Daiane Araújo
 
Prioridade portuguesa
Prioridade portuguesaPrioridade portuguesa
Prioridade portuguesa
 
Um breve panorama das navegações no século XV e XVI
Um breve panorama das navegações no século XV e XVIUm breve panorama das navegações no século XV e XVI
Um breve panorama das navegações no século XV e XVI
 
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdfAS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
Grandes Navegações
Grandes NavegaçõesGrandes Navegações
Grandes Navegações
 
As Grandes Navegações2.pdf
As Grandes Navegações2.pdfAs Grandes Navegações2.pdf
As Grandes Navegações2.pdf
 
G R A N D E S N A V E G AÇÕ E S E N E R G
G R A N D E S  N A V E G AÇÕ E S  E N E R GG R A N D E S  N A V E G AÇÕ E S  E N E R G
G R A N D E S N A V E G AÇÕ E S E N E R G
 

Mais de Susana Simões

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do OrienteSusana Simões
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasSusana Simões
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Susana Simões
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalSusana Simões
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaSusana Simões
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaSusana Simões
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaSusana Simões
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaSusana Simões
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraSusana Simões
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialSusana Simões
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaSusana Simões
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesSusana Simões
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosSusana Simões
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoSusana Simões
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Susana Simões
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasSusana Simões
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIISusana Simões
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoSusana Simões
 

Mais de Susana Simões (20)

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 

Último

Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 

A abertura ao mundo

  • 1. A ABERTURA EUROPEIA AO MUNDO Mutações nos conhecimentos, sensibilidades e valores nos séculos XV e XVI
  • 2. Em que consistiu a abertura europeia ao mundo do ponto de vista geográfico e antropológico? Que meios técnicos a tornaram possível?
  • 3. 1. Antecedentes (recuperação de aprendizagens) Expansão e mudança nos sécs. XV e XVI Condicionalismos da expansão portuguesa: Políticos- paz interna no reino e submissão da nobreza à Coroa; Económicos: necessidade de ouro e cereais; Sociais: todos os grupos viam contrapartidas favoráveis na expansão; Técnicos: experiência marítima e conhecimentos técnicos ligados à arte de marear;
  • 4. Rumos da expansão portuguesa: 1415- Conquista de Ceuta (sucesso militar e um fracasso económico); 1419… - descoberta e colonização dos arquipélagos atlânticos; 1434 – Passagem do cabo Bojador (prosseguem as viagens ao longo da costa africana e o comércio a sul do Cabo Bojador passa a ser monopólio do Infante D. Henrique); 1460- D. Afonso V regressa às conquistas no N. de África e arrenda o comércio africano a Fernão Gomes); 1477/81 – D. João II assume o comando das viagens portuguesas e em 1487 Bartolomeu Dias passa o Cabo da Boa Esperança; 1498 – Vasco da Gama chega à Índia por mar (reinado de D. Manuel I); (os portugueses asseguram o monopólio do comércio no Índico e a ligação à Índia pela Rota do Cabo); 1500- Pedro Álvares Cabral descobre o Brasil;
  • 5. Descobrimentos feitos ao serviço dos reis de Espanha: 1492- Cristóvão Colombo descobre a América; 1521 – Fernão de Magalhães (navegador português ao serviço dos reis de Espanha) faz a viagem de Circum-navegação a qual será concluída por Sebastião de Elcano (viagem que comprova a esfericidade da Terra); Os descobrimentos proporcionaram a Portugal saberes técnico-científicos. As inovações na náutica, na cartografia, a observação e descrição da Natureza não só alteraram a conceção europeia do Mundo e a forma como os europeus faziam comércio, como também foram importantes contributos portugueses para o alargamento do conhecimento do Mundo e para o progresso da civilização renascentista.
  • 6. 2. O contributo português a) Inovações técnicas Os instrumentos de navegação usados no Mediterrâneo pelos genoveses e venezianos (a bússola, a ampulheta ou relógio de areia) foram auxiliares fundamentais na navegação “por rumo e estima”, sempre com aproximação à costa. À medida que a navegação se fazia mais longe da costa, as cartas de portulano que representavam o traçado aproximado e estimado das costas com base nas distâncias calculadas em duração de dias de navegação, aperfeiçoaram-se. Traçado de linhas de rumo no portulano de Bem Zara, 1472 Náutica
  • 7. Caravela Quinhentista Até ao século XV, os portugueses praticavam uma navegação de cabotagem, utilizando a barca e o barinel, embarcações pequenas e frágeis. O avanço para Sul (com os baixios, os ventos fortes e as correntes marítimas desfavoráveis) exigiu embarcações mais fáceis de manejar e com velas que permitiam navegar à bolina – as caravelas. Com a navegação oceânica, e à medida que se foi desenvolvendo o comércio marítimo, tornou-se necessário aumentar a capacidade do transporte surgindo as caravelas de armada e, posteriormente, as naus. Nau de Pedro Álvares Cabral
  • 8. Quadrante permitia determinar a distância entre o ponto de partida e o lugar onde a embarcação se encontrava, cujo cálculo se baseava na altura da Estrela Polar. O astrolábio permitia descobrir a distância entre ponto de partida e o lugar onde a embarcação se encontrava, medindo a altura do sol ao meio-dia. Era vantajoso em relação ao quadrante, porque era mais fácil trabalhar à luz do dia, e porque a Estrela Polar não é visível no hemisfério sul. Balestilha permitia calcular a medida da distância da linha do horizonte aos astros.
  • 9. Cartografia Os planisférios representavam a Terra com 3 continentes; O planisfério ptolomaico (séc. II) ainda era usado (séc. XV) como verdadeiro (representava, erradamente, a configuração de África e do Oriente; Planisfério de Ptolomeu, 1482 Até às viagens de descoberta, a cartografia era muito pouco rigorosa.
  • 10. Com as viagens de descoberta os mapas medievais foram substituídos: Pelos portulanos (mais fiáveis e minuciosos); Pelo planisfério de Henricus Martellus (1489)… Pelo planisfério de Cantino (1502) …
  • 11. … que representa, pela 1ª vez, o Cabo da Boa Esperança;
  • 12. …que representa o litoral brasileiro e o continente africano com bastante exatidão;
  • 13. b) Observação e descrição da Natureza Os Descobrimentos portugueses proporcionaram uma observação mais atenta da Natureza o que levou o Homem a questionar as “verdades” absolutas da idade Média. O saber nasce da “experiência feita”, o único método que não engana e permite chegar à verdade. “A experiência é madre de todas as cousas e por ela soubemos radicalmente a verdade” (Duarte Pacheco Pereira) Os conhecimentos derivados do experiencialismo resultam da observação e descrição empírica da Natureza, não sendo o resultado de experiências feitas propositadamente para a verificação de hipóteses (não se podem considerar científicos). Não sendo uma “ciência” o saber português contribuiu para o exercício do espírito crítico (raiz do pensamento moderno).
  • 14. 3. O conhecimento científico da Natureza Séc. XVIII– surge o verdadeiro conhecimento científico – a reflexão teórica e matemática comprovam os resultados obtidos pela observação e pela vivência experimental. Os números tomam conta do quotidiano do Homem, a Matemática afirma-se como linguagem científica universal e dá origem a uma mentalidade quantitativa. A combinação do cálculo matemático com a observação e o saber experimental provocou uma revolução das conceções cosmológicas, cujos efeitos fizeram sentir-se, particularmente no séc. XVII. Geocentrismo Heliocentrismo
  • 15. O séc. XV representou um momento de transição entre a conceção medieval do Mundo e a Época Moderna. Portugal tinha um conjunto de conhecimentos técnicos e condicionalismos geográficos que, aliados a uma conjuntura económica, política, social e religiosa favorável, impulsionaram a expansão portuguesa no mundo. As primeiras viagens foram de exploração da costa africana, mas a expansão ultramarina assumiu, posteriormente, uma vertente de descoberta e conquista. Desde a passagem do Cabo Bojador à descoberta do caminho marítimo para a Índia e do Brasil, um novo mundo se abriu para Portugal e para a Europa. Este alargamento e expansão do mundo refletiu-se na elaboração de novos mapas, mais rigorosos e consonantes com os conhecimentos geográficos e destruidores dos mitos e lendas que povoavam o imaginário medieval. Deu origem a um novo tipo de saber, assente na observação, descrição e experiência, a uma nova mentalidade, a uma nova conceção do mundo e do universo. Em que consistiu a abertura europeia ao mundo do ponto de vista geográfico e antropológico? Que meios técnicos a tornaram possível?
  • 16. QUESTÕES 1. A partir dos docs. , explique o contributo dos portugueses para uma mais correta representação cartográfica da Terra, comparando os dois planisférios. 2. Defina Mentalidade Quantitativa. 3. Concorda com a afirmação do historiador Vitorino Magalhães Godinho: “O conhecimento do Mundo é a novidade decisiva destes séculos, porque traz em si a invenção da Humanidade”. Justifique. 4. Partindo do doc. 8, da pág. 30 do manual, esclareça o significado de “experiencialismo”.