SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
Baixar para ler offline
Carlos Pinheiro, 2012
Carlos Pinheiro, 2012




                        Movimento cultural e artístico que se baseou na
                        recuperação da cultura da Grécia e da Roma
                        antigas (arte, literatura e línguas).
Carlos Pinheiro, 2012




                        • Itália.
                        • Séculos XV e XVI.
                        • A partir da Itália
                          expandiu-se pelo
                          resto da Europa.
Carlos Pinheiro, 2012




                        Condições favoráveis:
                        • A Itália estava dividida em vários estados e
                          alguns deles eram muito ricos ;
                        • Alguns desses estados rivalizavam entre si;
                        • Havia muitos mecenas (homens ricos que
                          ajudavam os artistas);
                        • Abundância de vestígios romanos e gregos, que
                          serviam de modelo aos artistas.
Carlos Pinheiro, 2012




                        «Deus escolheu o Homem *…+ e, colocando-o no
                        centro do Mundo disse-lhe: *…+. És tu que
                        segundo os teus desejos e o teu discernimento,
                        podes escolher *…+.»
                             Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486
Carlos Pinheiro, 2012




                        «Deus escolheu o Homem *…+ e, colocando-o no
                        centro do Mundo disse-lhe: *…+. És tu que
                        segundo os teus desejos e o teu discernimento,
                        podes escolher *…+.»
                             Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486

                         Antropocentrismo
                         O Homem passou a estar no centro do Universo e
                         das preocupações humanas. Tudo é feito à medida
                         do Homem, para o bem-estar do Homem e para a
                         sua valorização.
Carlos Pinheiro, 2012




                        «Coloquei-te no centro do Mundo para que, daí, pudesses
                        facilmente observar as coisas. *…+ És tu que, pela tua livre
                        vontade, podes escolher o teu próprio modelo e a forma de te
                        realizares. Pela tua vontade, poderás descer às formas
                        degradadas da vida, que são animais. Pela tua vontade,
                        conseguirás alcançar as formas mais elevadas que são divinas.»
                                Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486
Carlos Pinheiro, 2012




                        «Coloquei-te no centro do Mundo para que, daí, pudesses
                        facilmente observar as coisas. *…+ És tu que, pela tua livre
                        vontade, podes escolher o teu próprio modelo e a forma de te
                        realizares. Pela tua vontade, poderás descer às formas
                        degradadas da vida, que são animais. Pela tua vontade,
                        conseguirás alcançar as formas mais elevadas que são divinas.»
                                Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486

                          Individualismo
                          O Homem tem capacidade para escolher e decidir
                          por si próprio, para pensar por si próprio e passa a
                          valorizar-se e a acreditar nas suas capacidades.
Carlos Pinheiro, 2012




                        «No nosso tempo, todas as matérias nos interessam.
                        Aprendemos grego (sem o qual ninguém se pode considerar
                        sábio), hebraico e latim. Considero indispensável que aprendas
                        estas línguas.»
                                        Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534
Carlos Pinheiro, 2012




                        «No nosso tempo, todas as matérias nos interessam.
                        Aprendemos grego (sem o qual ninguém se pode considerar
                        sábio), hebraico e latim. Considero indispensável que aprendas
                        estas línguas.»
                                        Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534



                          Classicismo e humanismo
                          Gosto pela cultura clássica: pelas línguas grega e
                          latina, pelos pensadores clássicos, pela arte e
                          literatura clássica, pelos valores clássicos que
                          valorizam o Homem.
Carlos Pinheiro, 2012




                        «*…+. Quanto à Natureza, quero que a estudes cuidadosamente: deves
                        conhecer os peixes que enchem os mares e as aves que voam nos céus; as
                        árvores de todas as florestas e as ervas de todos os campos; os metais ocultos
                        no ventre da Terra e as pedras preciosas de todos os continentes. *…+ Depois,
                        mais cuidadosamente ainda, estuda os livros dos médicos gregos, árabes e
                        latinos *…+ e através da prática da anatomia, procura conhecer esse outro
                        mundo que é o homem.»
                                                      Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534
Carlos Pinheiro, 2012




                        «*…+. Quanto à Natureza, quero que a estudes cuidadosamente: deves
                        conhecer os peixes que enchem os mares e as aves que voam nos céus; as
                        árvores de todas as florestas e as ervas de todos os campos; os metais ocultos
                        no ventre da Terra e as pedras preciosas de todos os continentes. *…+ Depois,
                        mais cuidadosamente ainda, estuda os livros dos médicos gregos, árabes e
                        latinos *…+ e através da prática da anatomia, procura conhecer esse outro
                        mundo que é o homem.»
                                                      Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534



                          Naturalismo
                          Interesse pelo estudo da Natureza física e
                          humana em todos os seus aspetos.
Carlos Pinheiro, 2012




                        «Se alguém julgar que falo com mais atrevimento do que verdade, venha
                        inspecionar comigo as vidas humanas *…+. Este mete no ventre tudo quanto
                        ganha, poucos dias depois, passa fome. Aquele não vê a felicidade senão no
                        sono e no ócio. *…+ Os negociantes mentem, roubam, defraudam, enganam e
                        consideram-se pessoas muito importantes, porque andam com os dedos
                        cheios de anéis de ouro. *…+»
                                                        Erasmo de Roterdão, Elogio da Loucura, 1511
Carlos Pinheiro, 2012




                        «Se alguém julgar que falo com mais atrevimento do que verdade, venha
                        inspecionar comigo as vidas humanas *…+. Este mete no ventre tudo quanto
                        ganha, poucos dias depois, passa fome. Aquele não vê a felicidade senão no
                        sono e no ócio. *…+ Os negociantes mentem, roubam, defraudam, enganam e
                        consideram-se pessoas muito importantes, porque andam com os dedos
                        cheios de anéis de ouro. *…+»
                                                        Erasmo de Roterdão, Elogio da Loucura, 1511


                          Espírito crítico
                          O Homem passa a pensar por si próprio, a
                          questionar a sociedade e o mundo que o rodeia, em
                          vez de o aceitar como um dado adquirido. Até o
                          saber tradicional passa a ser questionado.
Carlos Pinheiro, 2012




                        «Nunca os nossos antepassados *…+ imaginaram que viria o
                        tempo em que o Ocidente conheceria o Oriente como agora
                        conhece. Os escritores antigos escreveram sobre isso tantas
                        fábulas que se pensava ser impossível navegar até ao Oriente.
                        *…+ Como a experiência é a mãe de todas as coisas, por ela
                        soubemos radicalmente a verdade.»
                                           Duarte Pacheco Pereira, Esmeraldo de Situ Orbis, 1505
Carlos Pinheiro, 2012




                        «Nunca os nossos antepassados *…+ imaginaram que viria o
                        tempo em que o Ocidente conheceria o Oriente como agora
                        conhece. Os escritores antigos escreveram sobre isso tantas
                        fábulas que se pensava ser impossível navegar até ao Oriente.
                        *…+ Como a experiência é a mãe de todas as coisas, por ela
                        soubemos radicalmente a verdade.»
                                           Duarte Pacheco Pereira, Esmeraldo de Situ Orbis, 1505


                          Experiencialismo e curiosidade científica
                          Necessidade de comprovar pela observação e pela
                          experiência qualquer facto antes de o aceitar como
                          válido; valorização do conhecimento.
Carlos Pinheiro, 2012




                         Antropocentrismo
                                                      Nova
                           Individualismo          mentalidade.

                            Classicismo          Nova forma de ver
                                                    o mundo.
                            Naturalismo
                                                 Desenvolvimento
                        Curiosidade científica   cultural, científico
                                                     e artístico.
                           Espírito crítico
Carlos Pinheiro, 2012




                        • A imprensa tornou-se
                          um importantíssimo
                          meio de difusão de
                          novas ideias, progressos
                          e formas de
                          pensamento,
                          permitindo a publicação
                          de centenas ou milhares
                          de cópias de diversas
                          obras.
                        • Inventada por
                          Gutemberg no século
                          XV.
Carlos Pinheiro, 2012




                        •   Anatomia
                        •   Astronomia
                        •   Cartografia
                        •   Botânica
                        •   Zoologia
                        •   Geografia
                        •   Farmacopeia
Carlos Pinheiro, 2012




                        Nome                    Obra                                 Área
                        Nicolau Copérnico       Defendeu o heliocentrismo,           Astronomia
                                                segundo o qual no centro estaria o
                                                Sol, em torno do qual girariam a
                                                Terra e os outros astros
                        Picco de la Mirandola   Sobre a Dignidade do Homem           Literatura
                        André Vesálio           Praticou a dissecção de cadáveres,   Anatomia
                                                permitindo aprofundar o
                                                conhecimento do corpo humano
                        Nicolau Maquiavel       O Príncipe                           Tratado de Política
Carlos Pinheiro, 2012




                        País/nome                Obra                       Área
                        França:
                        Rabelais                 Gargântua e Pantagruel     Literatura
                        Países Baixos
                        Erasmo de Roterdão       Elogio da Loucura          Literatura, Crítica social
                        Inglaterra
                        Thomas More              Utopia                     Literatura, Crítica social
                        Shakespeare              Romeu e Julieta; Hamlet…   Teatro, poesia
                        Espanha
                        Miguel de Cervantes      D. Quixote de la Mancha    Romance de cavalaria
                        Portugal
                        Luís de Camões           Os Lusíadas                Poesia
                        Fernão Mendes Pinto      Peregrinação               Literatura
                        Pedro Nunes              Inventou o Nónio           Matemática
                        Duarte Pacheco Pereira   Esmeraldo de Situ Orbis    Geografia e Cartografia
Carlos Pinheiro, 2012




                        Dois grandes centros da arte renascentista em Itália
                                                Florença
                                                (século XV)
                                                • Sob o mecenato dos Médicis



                                                Roma
                                                (século XVI)
                                                • Sob o mecenato dos Papas
Carlos Pinheiro, 2012




                        • Principal arquiteto: Brunelleschi;
                        • Inspiração: arquitetura clássica – Classicismo
                        • Tipo de edifícios:
                          – Igrejas
                          – Palácios
                          – Bibliotecas
                          – Hospitais
                          – Arcadas
                          – Fontes
Carlos Pinheiro, 2012




       • Horizontalidade (definida pelos frisos, pelas
       cornijas e balaustradas);
                                                         Basílica de S. Pedro,
       • Simetria (equilíbrio, proporção, harmonia)      Vaticano, Roma
Carlos Pinheiro, 2012




                        • Colunas e pilastras de ordens clássicas (jónica,
                          dórica, coríntia, toscana e compósita);
                        • Arco de volta perfeita, substituindo o arco
                          quebrado gótico;
                        • Abóbada de berço, em vez da de ogiva;
                        • Cúpula hemisférica, normalmente com lanternim;
                        • Frontões triangulares;
                        • Entablamento com frisos e cornijas;
                        • Planta basilical, nas igrejas
Palácio Rucellai, Florença
Carlos Pinheiro, 2012




                        Palácio Farnese, Roma
Carlos Pinheiro, 2012




                        •   Pintura a óleo
                        •   Temas não religiosos
                        •   Perspetiva
                        •   Sfumato
Carlos Pinheiro, 2012




                        Atribuída a Van Eyck (Flandres).
                        (pigmento em pó + óleo de linhaça)
                        Contribui para dar à composição mais
                        vivacidade, mais brilho, maior
                        durabilidade.




                        Jan van Eyck, O Casal Arnolfini, 1484
Carlos Pinheiro, 2012




Pietro Perugino, A Entrega das
Chaves a São Pedro, 1481-82
Carlos Pinheiro, 2012




                             Permite criar a ilusão de
                        profundidade/ tridimensionalidade;
Carlos Pinheiro, 2012




                        • Utilizada por Leonardo da Vinci.
                        • Suaviza os contornos na transição da cor
                          escura para a cor clara.




                        Leonardo da Vinci, Mona Lisa, 1503
Carlos Pinheiro, 2012




  • Naturalismo (presença de elementos
    naturais: paisagem, árvores, rios,
    rochedos…);
  • Racionalismo (a composição parece
    enquadrar-se num esquema
    geométrico, geralmente uma pirâmide
    ou triângulo);
  • Equilíbrio (distribuição equilibrada das
    formas, dos volumes);
  • Aplicação da lei da perspetiva
    (profundidade );
  • Presença de elementos arquitetónicos       Rafael, Madona no prado, 1505

    (pontes, arcos, edifícios…).
• O Casal Arnolfini
    Van Eyck        • A Virgem e o Chanceler Rolin

                     • A Última Ceia
                     • A Virgem com o Menino e Santa Ana
Leonardo Da Vinci    • A Virgem dos Rochedos
                     • Mona Lisa


                     • Nascimento de Vénus
 Sandro Boticelli    • Primavera


                    • O casamento da Virgem
     Rafael         • A Escola de Atenas

                     • Teto da Capela Sistina
 Miguel Angelo       • Moisés (escultura)
                     • David (escultura)
  Buonarroti         • Pietá (escultura)
Carlos Pinheiro, 2012




                        Jan van Eyck, O Casal Arnolfini, 1484
Van Eyck, A Virgem e o
Chanceler Rolin, 1485
Van Eyck, A Virgem e o Chanceler Rolin, 1485
(pormenor)
Leonardo da Vinci,
A Última Ceia (1495-1498)
Leonardo da Vinci,
A Virgem com o Menino e Santa Ana
1508-1513
Leonardo Da Vinci,
A Virgem dos Rochedos , 1506
Rafael, O casamento da Virgem,1504
Rafael, O casamento da Virgem,1504
Rafael, A Escola de Atenas, 1509
Carlos Pinheiro, 2012




                        Sandro Botticeli – Primavera, 1482
Carlos Pinheiro, 2012



                        Sandro Botticeli – Nascimento de Vénus, 1482
Carlos Pinheiro, 2012
                 Sandro Botticeli
                 Nascimento de Vénus
                 (Pormenor)
Carlos Pinheiro, 2012




                        Características
                        • Realismo/naturalismo: grande
                          semelhança com o real, perfeito
                          conhecimento do corpo humano
                          (revela conhecimentos de
                          anatomia);
                        • Dinamismo: sensação de
                          movimento (nas pregas da
                          roupa, na contração dos
                          músculos, na posição do
                          corpo…);
                        • Expressividade: captação de
                          sentimentos/ emoções (angústia,
                          tristeza, êxtase, tranquilidade, …)
                                                                Miguel Ângelo, Moisés (c. 1513-15)
Miguel Ângelo, Moisés (+ pormenor)
Carlos Pinheiro, 2012




                        Miguel Ângelo, David, 1501-04
Carlos Pinheiro, 2012




                        Miguel Ângelo, David (pormenor)
Miguel Ângelo, David (pormenor)
Carlos Pinheiro, 2012




                        Miguel Ângelo, Pietá, 1499
Miguel Ângelo, Pietá ( pormenor)
Miguel Ângelo, Pietá ( pormenor)
Carlos Pinheiro, 2012




                        Miguel Ângelo, Pietá ( pormenores)
Carlos Pinheiro, 2012
           Miguel Ângelo, Pietá ( pormenor)
Carlos Pinheiro, 2012




                        • O Homem (enquanto ser humano e
                          indivíduo);
                        • Figuras mitológicas ( O nascimento de Vénus,
                          Primavera, Júpiter …);
                        • Temas religiosos (Nossa Senhora, Menino
                          Jesus, santos, a Criação…).
Carlos Pinheiro, 2012




                        Claustro do Convento de Cristo, Tomar
Carlos Pinheiro, 2012




                        Claustro da Sé de Viseu
Carlos Pinheiro, 2012




                        Igreja da Misericórdia, Guimarães   Igreja dos Grilos, Porto
Carlos Pinheiro, 2012




                        • O Manuelino, embora seja visto
                          arquitetonicamente como uma
                          variante do Gótico, apresenta
                          originalidades, em particular nos
                          motivos decorativos:
                        • Elementos relacionados com as
                          atividades marítimas, como, amarras,
                          boias de rede, conchas e corais;
                        • Elementos de carácter vegetalista e
                          naturalista, por exemplo troncos
                          podados e alcachofras;
                        • Símbolos reais e nacionais como a
                          esfera armilar, a cruz da Ordem de
                          Cristo e o escudo das quinas.
Janela do Convento de Cristo em Tomar
Carlos Pinheiro, 2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Expressionismo
Expressionismo Expressionismo
Expressionismo
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 

Destaque

Máscaras africanas
Máscaras africanasMáscaras africanas
Máscaras africanasMeire Falco
 
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]denise lugli
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33zildagomesk
 
Folclore de Mato Grosso do Sul
Folclore de Mato Grosso do SulFolclore de Mato Grosso do Sul
Folclore de Mato Grosso do SulMaísa Fernandes
 
As melhores fotografias do mundo
As melhores fotografias do mundoAs melhores fotografias do mundo
As melhores fotografias do mundoMeire Falco
 
História da Fotografia
História da FotografiaHistória da Fotografia
História da FotografiaKaren Sica
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da MúsicaMeire Falco
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O RenascimentoJoão Lima
 
Renascimento - História Geral
Renascimento - História GeralRenascimento - História Geral
Renascimento - História GeralValéria Shoujofan
 
O Renascimento - 8ºano
O Renascimento - 8ºanoO Renascimento - 8ºano
O Renascimento - 8ºanoVasco Pires
 
Aula 10 renascimento e humanismo
Aula 10   renascimento e humanismoAula 10   renascimento e humanismo
Aula 10 renascimento e humanismoProfdaltonjunior
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalinaEconomicSintese
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalMaria Gomes
 
Arte Renascentista
Arte RenascentistaArte Renascentista
Arte RenascentistaMaria Gomes
 

Destaque (20)

Máscaras africanas
Máscaras africanasMáscaras africanas
Máscaras africanas
 
Tutankhamon
TutankhamonTutankhamon
Tutankhamon
 
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
 
Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Arte Rupestre
Arte Rupestre Arte Rupestre
Arte Rupestre
 
Folclore de Mato Grosso do Sul
Folclore de Mato Grosso do SulFolclore de Mato Grosso do Sul
Folclore de Mato Grosso do Sul
 
As melhores fotografias do mundo
As melhores fotografias do mundoAs melhores fotografias do mundo
As melhores fotografias do mundo
 
História da Fotografia
História da FotografiaHistória da Fotografia
História da Fotografia
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Renascimento - História Geral
Renascimento - História GeralRenascimento - História Geral
Renascimento - História Geral
 
O Renascimento - 8ºano
O Renascimento - 8ºanoO Renascimento - 8ºano
O Renascimento - 8ºano
 
Aula 10 renascimento e humanismo
Aula 10   renascimento e humanismoAula 10   renascimento e humanismo
Aula 10 renascimento e humanismo
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
 
Arte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em PortugalArte do Renascimento em Portugal
Arte do Renascimento em Portugal
 
Conde Da Ericeira
Conde Da EriceiraConde Da Ericeira
Conde Da Ericeira
 
Arte Renascentista
Arte RenascentistaArte Renascentista
Arte Renascentista
 

Semelhante a Características da Renascença

Renascimento: Formação da mentalidade moderna
Renascimento: Formação da mentalidade modernaRenascimento: Formação da mentalidade moderna
Renascimento: Formação da mentalidade modernaBárbara Sica
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernas80
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna Ewerton Anacleto de Souza
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2Carla Teixeira
 
Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Escoladocs
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaRainha Maga
 
Mundo de Sofia Resumo
Mundo de Sofia ResumoMundo de Sofia Resumo
Mundo de Sofia ResumoLuci Bonini
 
Eae aula 4 - as Raças Primitivas
Eae   aula 4 - as Raças PrimitivasEae   aula 4 - as Raças Primitivas
Eae aula 4 - as Raças PrimitivasRoberto Rossignatti
 
Evolução da reflexão sobre a condição humana
Evolução da reflexão sobre a condição humanaEvolução da reflexão sobre a condição humana
Evolução da reflexão sobre a condição humanaLAISE RUAMA
 
Sócrates e Platão como antecessores de Jesus
Sócrates e Platão como antecessores de JesusSócrates e Platão como antecessores de Jesus
Sócrates e Platão como antecessores de Jesusmatheusmmiranda
 
Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia  Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia faculdade11
 
Filosofia jurídica 09 ago a 20 set
Filosofia jurídica 09 ago a 20 setFilosofia jurídica 09 ago a 20 set
Filosofia jurídica 09 ago a 20 setDireito2012sl08
 
A mentalidade renascentista.pptx
A mentalidade renascentista.pptxA mentalidade renascentista.pptx
A mentalidade renascentista.pptxcarlateixeira61373
 
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros FilósofosFilosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros FilósofosDiego Bian Filo Moreira
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e AristótelesDiego Bian Filo Moreira
 

Semelhante a Características da Renascença (20)

Renascimento: Formação da mentalidade moderna
Renascimento: Formação da mentalidade modernaRenascimento: Formação da mentalidade moderna
Renascimento: Formação da mentalidade moderna
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2A produção cultural do renascimento parte 2
A produção cultural do renascimento parte 2
 
Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento
 
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade modernaO renascimento e a formação da mentalidade moderna
O renascimento e a formação da mentalidade moderna
 
Filósofos Pré Socráticos
Filósofos Pré SocráticosFilósofos Pré Socráticos
Filósofos Pré Socráticos
 
Mundo de Sofia Resumo
Mundo de Sofia ResumoMundo de Sofia Resumo
Mundo de Sofia Resumo
 
Eae aula 4 - as Raças Primitivas
Eae   aula 4 - as Raças PrimitivasEae   aula 4 - as Raças Primitivas
Eae aula 4 - as Raças Primitivas
 
Evolução da reflexão sobre a condição humana
Evolução da reflexão sobre a condição humanaEvolução da reflexão sobre a condição humana
Evolução da reflexão sobre a condição humana
 
Sócrates e Platão como antecessores de Jesus
Sócrates e Platão como antecessores de JesusSócrates e Platão como antecessores de Jesus
Sócrates e Platão como antecessores de Jesus
 
As mirongas-de-umbanda
As mirongas-de-umbandaAs mirongas-de-umbanda
As mirongas-de-umbanda
 
Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia  Apresentacao de antropologia psicologia
Apresentacao de antropologia psicologia
 
Filosofia jurídica 09 ago a 20 set
Filosofia jurídica 09 ago a 20 setFilosofia jurídica 09 ago a 20 set
Filosofia jurídica 09 ago a 20 set
 
A mentalidade renascentista.pptx
A mentalidade renascentista.pptxA mentalidade renascentista.pptx
A mentalidade renascentista.pptx
 
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros FilósofosFilosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Sócrates e platão, precursores
Sócrates e platão, precursores Sócrates e platão, precursores
Sócrates e platão, precursores
 

Mais de Carlos Pinheiro

Formação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELCFormação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELCCarlos Pinheiro
 
Videoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professoresVideoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professoresCarlos Pinheiro
 
Recursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisRecursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisCarlos Pinheiro
 
Ensino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professoresEnsino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professoresCarlos Pinheiro
 
Formulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professoresFormulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professoresCarlos Pinheiro
 
Edpuzzle: guia para professores
Edpuzzle:  guia para professoresEdpuzzle:  guia para professores
Edpuzzle: guia para professoresCarlos Pinheiro
 
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia DigitalApresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia DigitalCarlos Pinheiro
 
Tecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aulaTecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aulaCarlos Pinheiro
 
Leitura pública da Ilíada
Leitura pública da IlíadaLeitura pública da Ilíada
Leitura pública da IlíadaCarlos Pinheiro
 
Desinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasDesinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasCarlos Pinheiro
 
Apresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILDApresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILDCarlos Pinheiro
 
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escolaCarlos Pinheiro
 
Citações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficasCitações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficasCarlos Pinheiro
 
Manual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia DigitalManual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia DigitalCarlos Pinheiro
 
A gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aulaA gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aulaCarlos Pinheiro
 
Van Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completaVan Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completaCarlos Pinheiro
 
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino BásicoComo fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino BásicoCarlos Pinheiro
 
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem  A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem Carlos Pinheiro
 

Mais de Carlos Pinheiro (20)

Formação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELCFormação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELC
 
Videoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professoresVideoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professores
 
Recursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisRecursos educativos digitais
Recursos educativos digitais
 
Ensino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professoresEnsino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professores
 
Formulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professoresFormulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professores
 
Edpuzzle: guia para professores
Edpuzzle:  guia para professoresEdpuzzle:  guia para professores
Edpuzzle: guia para professores
 
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia DigitalApresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
 
Tecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aulaTecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aula
 
Leitura pública da Ilíada
Leitura pública da IlíadaLeitura pública da Ilíada
Leitura pública da Ilíada
 
Desinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasDesinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsas
 
Apresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILDApresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILD
 
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
 
Citações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficasCitações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficas
 
Manual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia DigitalManual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia Digital
 
A gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aulaA gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aula
 
Van Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completaVan Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completa
 
Jacques-Louis David
Jacques-Louis DavidJacques-Louis David
Jacques-Louis David
 
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino BásicoComo fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
 
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem  A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
 

Último

A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 

Último (20)

A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 

Características da Renascença

  • 2. Carlos Pinheiro, 2012 Movimento cultural e artístico que se baseou na recuperação da cultura da Grécia e da Roma antigas (arte, literatura e línguas).
  • 3. Carlos Pinheiro, 2012 • Itália. • Séculos XV e XVI. • A partir da Itália expandiu-se pelo resto da Europa.
  • 4. Carlos Pinheiro, 2012 Condições favoráveis: • A Itália estava dividida em vários estados e alguns deles eram muito ricos ; • Alguns desses estados rivalizavam entre si; • Havia muitos mecenas (homens ricos que ajudavam os artistas); • Abundância de vestígios romanos e gregos, que serviam de modelo aos artistas.
  • 5. Carlos Pinheiro, 2012 «Deus escolheu o Homem *…+ e, colocando-o no centro do Mundo disse-lhe: *…+. És tu que segundo os teus desejos e o teu discernimento, podes escolher *…+.» Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486
  • 6. Carlos Pinheiro, 2012 «Deus escolheu o Homem *…+ e, colocando-o no centro do Mundo disse-lhe: *…+. És tu que segundo os teus desejos e o teu discernimento, podes escolher *…+.» Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486 Antropocentrismo O Homem passou a estar no centro do Universo e das preocupações humanas. Tudo é feito à medida do Homem, para o bem-estar do Homem e para a sua valorização.
  • 7. Carlos Pinheiro, 2012 «Coloquei-te no centro do Mundo para que, daí, pudesses facilmente observar as coisas. *…+ És tu que, pela tua livre vontade, podes escolher o teu próprio modelo e a forma de te realizares. Pela tua vontade, poderás descer às formas degradadas da vida, que são animais. Pela tua vontade, conseguirás alcançar as formas mais elevadas que são divinas.» Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486
  • 8. Carlos Pinheiro, 2012 «Coloquei-te no centro do Mundo para que, daí, pudesses facilmente observar as coisas. *…+ És tu que, pela tua livre vontade, podes escolher o teu próprio modelo e a forma de te realizares. Pela tua vontade, poderás descer às formas degradadas da vida, que são animais. Pela tua vontade, conseguirás alcançar as formas mais elevadas que são divinas.» Pico della Mirandola, Sobre a dignidade do Homem , 1486 Individualismo O Homem tem capacidade para escolher e decidir por si próprio, para pensar por si próprio e passa a valorizar-se e a acreditar nas suas capacidades.
  • 9. Carlos Pinheiro, 2012 «No nosso tempo, todas as matérias nos interessam. Aprendemos grego (sem o qual ninguém se pode considerar sábio), hebraico e latim. Considero indispensável que aprendas estas línguas.» Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534
  • 10. Carlos Pinheiro, 2012 «No nosso tempo, todas as matérias nos interessam. Aprendemos grego (sem o qual ninguém se pode considerar sábio), hebraico e latim. Considero indispensável que aprendas estas línguas.» Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534 Classicismo e humanismo Gosto pela cultura clássica: pelas línguas grega e latina, pelos pensadores clássicos, pela arte e literatura clássica, pelos valores clássicos que valorizam o Homem.
  • 11. Carlos Pinheiro, 2012 «*…+. Quanto à Natureza, quero que a estudes cuidadosamente: deves conhecer os peixes que enchem os mares e as aves que voam nos céus; as árvores de todas as florestas e as ervas de todos os campos; os metais ocultos no ventre da Terra e as pedras preciosas de todos os continentes. *…+ Depois, mais cuidadosamente ainda, estuda os livros dos médicos gregos, árabes e latinos *…+ e através da prática da anatomia, procura conhecer esse outro mundo que é o homem.» Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534
  • 12. Carlos Pinheiro, 2012 «*…+. Quanto à Natureza, quero que a estudes cuidadosamente: deves conhecer os peixes que enchem os mares e as aves que voam nos céus; as árvores de todas as florestas e as ervas de todos os campos; os metais ocultos no ventre da Terra e as pedras preciosas de todos os continentes. *…+ Depois, mais cuidadosamente ainda, estuda os livros dos médicos gregos, árabes e latinos *…+ e através da prática da anatomia, procura conhecer esse outro mundo que é o homem.» Rabelais, Cartas de Gargântua a Pantagruel, 1534 Naturalismo Interesse pelo estudo da Natureza física e humana em todos os seus aspetos.
  • 13. Carlos Pinheiro, 2012 «Se alguém julgar que falo com mais atrevimento do que verdade, venha inspecionar comigo as vidas humanas *…+. Este mete no ventre tudo quanto ganha, poucos dias depois, passa fome. Aquele não vê a felicidade senão no sono e no ócio. *…+ Os negociantes mentem, roubam, defraudam, enganam e consideram-se pessoas muito importantes, porque andam com os dedos cheios de anéis de ouro. *…+» Erasmo de Roterdão, Elogio da Loucura, 1511
  • 14. Carlos Pinheiro, 2012 «Se alguém julgar que falo com mais atrevimento do que verdade, venha inspecionar comigo as vidas humanas *…+. Este mete no ventre tudo quanto ganha, poucos dias depois, passa fome. Aquele não vê a felicidade senão no sono e no ócio. *…+ Os negociantes mentem, roubam, defraudam, enganam e consideram-se pessoas muito importantes, porque andam com os dedos cheios de anéis de ouro. *…+» Erasmo de Roterdão, Elogio da Loucura, 1511 Espírito crítico O Homem passa a pensar por si próprio, a questionar a sociedade e o mundo que o rodeia, em vez de o aceitar como um dado adquirido. Até o saber tradicional passa a ser questionado.
  • 15. Carlos Pinheiro, 2012 «Nunca os nossos antepassados *…+ imaginaram que viria o tempo em que o Ocidente conheceria o Oriente como agora conhece. Os escritores antigos escreveram sobre isso tantas fábulas que se pensava ser impossível navegar até ao Oriente. *…+ Como a experiência é a mãe de todas as coisas, por ela soubemos radicalmente a verdade.» Duarte Pacheco Pereira, Esmeraldo de Situ Orbis, 1505
  • 16. Carlos Pinheiro, 2012 «Nunca os nossos antepassados *…+ imaginaram que viria o tempo em que o Ocidente conheceria o Oriente como agora conhece. Os escritores antigos escreveram sobre isso tantas fábulas que se pensava ser impossível navegar até ao Oriente. *…+ Como a experiência é a mãe de todas as coisas, por ela soubemos radicalmente a verdade.» Duarte Pacheco Pereira, Esmeraldo de Situ Orbis, 1505 Experiencialismo e curiosidade científica Necessidade de comprovar pela observação e pela experiência qualquer facto antes de o aceitar como válido; valorização do conhecimento.
  • 17. Carlos Pinheiro, 2012 Antropocentrismo Nova Individualismo mentalidade. Classicismo Nova forma de ver o mundo. Naturalismo Desenvolvimento Curiosidade científica cultural, científico e artístico. Espírito crítico
  • 18. Carlos Pinheiro, 2012 • A imprensa tornou-se um importantíssimo meio de difusão de novas ideias, progressos e formas de pensamento, permitindo a publicação de centenas ou milhares de cópias de diversas obras. • Inventada por Gutemberg no século XV.
  • 19. Carlos Pinheiro, 2012 • Anatomia • Astronomia • Cartografia • Botânica • Zoologia • Geografia • Farmacopeia
  • 20. Carlos Pinheiro, 2012 Nome Obra Área Nicolau Copérnico Defendeu o heliocentrismo, Astronomia segundo o qual no centro estaria o Sol, em torno do qual girariam a Terra e os outros astros Picco de la Mirandola Sobre a Dignidade do Homem Literatura André Vesálio Praticou a dissecção de cadáveres, Anatomia permitindo aprofundar o conhecimento do corpo humano Nicolau Maquiavel O Príncipe Tratado de Política
  • 21. Carlos Pinheiro, 2012 País/nome Obra Área França: Rabelais Gargântua e Pantagruel Literatura Países Baixos Erasmo de Roterdão Elogio da Loucura Literatura, Crítica social Inglaterra Thomas More Utopia Literatura, Crítica social Shakespeare Romeu e Julieta; Hamlet… Teatro, poesia Espanha Miguel de Cervantes D. Quixote de la Mancha Romance de cavalaria Portugal Luís de Camões Os Lusíadas Poesia Fernão Mendes Pinto Peregrinação Literatura Pedro Nunes Inventou o Nónio Matemática Duarte Pacheco Pereira Esmeraldo de Situ Orbis Geografia e Cartografia
  • 22. Carlos Pinheiro, 2012 Dois grandes centros da arte renascentista em Itália Florença (século XV) • Sob o mecenato dos Médicis Roma (século XVI) • Sob o mecenato dos Papas
  • 23. Carlos Pinheiro, 2012 • Principal arquiteto: Brunelleschi; • Inspiração: arquitetura clássica – Classicismo • Tipo de edifícios: – Igrejas – Palácios – Bibliotecas – Hospitais – Arcadas – Fontes
  • 24. Carlos Pinheiro, 2012 • Horizontalidade (definida pelos frisos, pelas cornijas e balaustradas); Basílica de S. Pedro, • Simetria (equilíbrio, proporção, harmonia) Vaticano, Roma
  • 25. Carlos Pinheiro, 2012 • Colunas e pilastras de ordens clássicas (jónica, dórica, coríntia, toscana e compósita); • Arco de volta perfeita, substituindo o arco quebrado gótico; • Abóbada de berço, em vez da de ogiva; • Cúpula hemisférica, normalmente com lanternim; • Frontões triangulares; • Entablamento com frisos e cornijas; • Planta basilical, nas igrejas
  • 27. Carlos Pinheiro, 2012 Palácio Farnese, Roma
  • 28. Carlos Pinheiro, 2012 • Pintura a óleo • Temas não religiosos • Perspetiva • Sfumato
  • 29. Carlos Pinheiro, 2012 Atribuída a Van Eyck (Flandres). (pigmento em pó + óleo de linhaça) Contribui para dar à composição mais vivacidade, mais brilho, maior durabilidade. Jan van Eyck, O Casal Arnolfini, 1484
  • 30. Carlos Pinheiro, 2012 Pietro Perugino, A Entrega das Chaves a São Pedro, 1481-82
  • 31. Carlos Pinheiro, 2012 Permite criar a ilusão de profundidade/ tridimensionalidade;
  • 32. Carlos Pinheiro, 2012 • Utilizada por Leonardo da Vinci. • Suaviza os contornos na transição da cor escura para a cor clara. Leonardo da Vinci, Mona Lisa, 1503
  • 33. Carlos Pinheiro, 2012 • Naturalismo (presença de elementos naturais: paisagem, árvores, rios, rochedos…); • Racionalismo (a composição parece enquadrar-se num esquema geométrico, geralmente uma pirâmide ou triângulo); • Equilíbrio (distribuição equilibrada das formas, dos volumes); • Aplicação da lei da perspetiva (profundidade ); • Presença de elementos arquitetónicos Rafael, Madona no prado, 1505 (pontes, arcos, edifícios…).
  • 34. • O Casal Arnolfini Van Eyck • A Virgem e o Chanceler Rolin • A Última Ceia • A Virgem com o Menino e Santa Ana Leonardo Da Vinci • A Virgem dos Rochedos • Mona Lisa • Nascimento de Vénus Sandro Boticelli • Primavera • O casamento da Virgem Rafael • A Escola de Atenas • Teto da Capela Sistina Miguel Angelo • Moisés (escultura) • David (escultura) Buonarroti • Pietá (escultura)
  • 35. Carlos Pinheiro, 2012 Jan van Eyck, O Casal Arnolfini, 1484
  • 36. Van Eyck, A Virgem e o Chanceler Rolin, 1485
  • 37. Van Eyck, A Virgem e o Chanceler Rolin, 1485 (pormenor)
  • 38. Leonardo da Vinci, A Última Ceia (1495-1498)
  • 39. Leonardo da Vinci, A Virgem com o Menino e Santa Ana 1508-1513
  • 40. Leonardo Da Vinci, A Virgem dos Rochedos , 1506
  • 41. Rafael, O casamento da Virgem,1504
  • 42. Rafael, O casamento da Virgem,1504
  • 43. Rafael, A Escola de Atenas, 1509
  • 44. Carlos Pinheiro, 2012 Sandro Botticeli – Primavera, 1482
  • 45. Carlos Pinheiro, 2012 Sandro Botticeli – Nascimento de Vénus, 1482
  • 46. Carlos Pinheiro, 2012 Sandro Botticeli Nascimento de Vénus (Pormenor)
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50. Carlos Pinheiro, 2012 Características • Realismo/naturalismo: grande semelhança com o real, perfeito conhecimento do corpo humano (revela conhecimentos de anatomia); • Dinamismo: sensação de movimento (nas pregas da roupa, na contração dos músculos, na posição do corpo…); • Expressividade: captação de sentimentos/ emoções (angústia, tristeza, êxtase, tranquilidade, …) Miguel Ângelo, Moisés (c. 1513-15)
  • 51. Miguel Ângelo, Moisés (+ pormenor)
  • 52. Carlos Pinheiro, 2012 Miguel Ângelo, David, 1501-04
  • 53. Carlos Pinheiro, 2012 Miguel Ângelo, David (pormenor)
  • 54. Miguel Ângelo, David (pormenor)
  • 55. Carlos Pinheiro, 2012 Miguel Ângelo, Pietá, 1499
  • 56. Miguel Ângelo, Pietá ( pormenor)
  • 57. Miguel Ângelo, Pietá ( pormenor)
  • 58. Carlos Pinheiro, 2012 Miguel Ângelo, Pietá ( pormenores)
  • 59. Carlos Pinheiro, 2012 Miguel Ângelo, Pietá ( pormenor)
  • 60. Carlos Pinheiro, 2012 • O Homem (enquanto ser humano e indivíduo); • Figuras mitológicas ( O nascimento de Vénus, Primavera, Júpiter …); • Temas religiosos (Nossa Senhora, Menino Jesus, santos, a Criação…).
  • 61. Carlos Pinheiro, 2012 Claustro do Convento de Cristo, Tomar
  • 62. Carlos Pinheiro, 2012 Claustro da Sé de Viseu
  • 63. Carlos Pinheiro, 2012 Igreja da Misericórdia, Guimarães Igreja dos Grilos, Porto
  • 64. Carlos Pinheiro, 2012 • O Manuelino, embora seja visto arquitetonicamente como uma variante do Gótico, apresenta originalidades, em particular nos motivos decorativos: • Elementos relacionados com as atividades marítimas, como, amarras, boias de rede, conchas e corais; • Elementos de carácter vegetalista e naturalista, por exemplo troncos podados e alcachofras; • Símbolos reais e nacionais como a esfera armilar, a cruz da Ordem de Cristo e o escudo das quinas.
  • 65. Janela do Convento de Cristo em Tomar