SlideShare uma empresa Scribd logo
Na filosofia aristotélica a política é
um desdobramento natural da ética.
Ambas, na verdade, compõem a
unidade do que Aristóteles chamava
de filosofia prática.
A Política em Aristóteles
A Política em Aristóteles
Se a ética está preocupada com a felicidade
individual do homem, a política se preocupa com
a felicidade coletiva da pólis. Desse modo, é
tarefa da Política investigar e descobrir quais são
as formas de governo e as instituições capazes de
assegurar a felicidade coletiva. Trata-se, portanto,
de investigar a Constituição da Cidade.
ANIMAL POLÍTICO
 O instinto de sociabilidade,
inato no ser humano, leva-o
a participar da sociedade.
Aristóteles, no século IV
a.C., dizia que "o homem é
naturalmente um animal
político".
 Funda sua teoria em uma
natureza social humana, a
qual nos levaria às mais
diversas formações sociais.
O HOMEM COMO SER POLÍTICO
 O ser humano é por natureza
um ser político e cultural.
Nenhum indivíduo consegue se
isolar por completo, porque
estamos todos entrelaçados
numa rede social.
 Aristóteles não propõe um
modelo ideal, mas um modo de
lidar com a política, por
entendimento da relevância da
coletividade.
A POLÍTICA ARISTOTÉLICA ENQUANTO
OBRA
1. O livro se inicia com um questionamento
acerca da origem do Estado e da
natureza humana.
2. Revisita as ideias que o antecederam,
buscando ter mais clareza sobre o
assunto em uma estratégia comparativa.
3. No centro da obra, apresenta as diversas
formas de governo, explicando a
diferença tanto no que tange à qualidade
quanto à quantidade de pessoas
governando.
4. Mostra as formas de governo, tanto em
sua passagem de uma para outra quanto
ao modelo constitucional mais adequado.
“As doutrinas aristotélicas são interligadas e se complementam.
Ex. Na compreensão biológica do homem articulando-o com a
política. Para o autor, o homem pode ser classificado”.
Zoon Logon Politikon: “um animal racional de
natureza política”.
3. Da natureza Humana
“Para Aristóteles, um animal que tende a viver em sociedade por sua
própria natureza”
1. Aristóteles constrói sua obra propondo que é da natureza humana a
reunião pública, e que aquele qua não necessita da vida em coletividade
ou é um Deus, que não depende de ninguém, ou é uma animal bestial,
isto é, sem racionalidade.
2. A meta de sua obra, em conjunto com a ética, está em encontrar a
maneira ideal de viver e, após isso pensar na sociedade a partir da
necessidade dessa maneira de viver.
4. TODA CIDADE COMO COMUNIDADES
a) Para Aristóteles “Toda cidade é
uma espécie de comunidade, ou
seja, a reunião de todo um conjunto
de pessoas em torno de um objetivo
comum
b) Se toda cidade é um conjunto de
pessoas, e todas as pessoas agem
em busca daquilo que consideram
como um “bem”, temos que assumir
então que toda cidade busca o bem.
c) Portanto, a vida na cidade não é
apenas a reunião das buscas
humanas, mas, enquanto estrutura
social, o bem principal a ser
alcançado.
4. 1. DA FORMAÇÃO DAS CIDADES
a) Segundo o autor, a formação das
cidades pode ser pensada de
modo gradual, começando pelas
uniões civis mais simples ate a das
grandes comunidades.
b) A primeira comunidade simples
seria a família. Advinda do desejo
de perpetuação, e a verificação da
complementação mútua.
c) Quando as familias se unem forma
os povoados. Esses povoados
tenderiam às figuras de reis,
graças à existência de um
conjunto de patriarcas iniciais.
d) A reunião de diversos povoados,
por sua vez, constitui o que
denominamos cidade.
a) O homem é um animal social, remete ao fato de que a
sociedade se deu em decorrencia da natuteza humana
de perpetuação e sobrevivência.
b) A natureza não faz nada desnecessariamente, se não
nos dotou de habilidades isoladas (garras forte,
dentição ampla, alta velocidade), optando por nos dar a
capacidade da fala, deve ser pelo fato de ser nossa
natureza comunicar o bem e o mal, o justo e o injusto, e
assim crescer.
c) O homem em comunidade pode ser o mais perfeito dos
seres, mas, fora dela, pode ser a pior das bestas, ao
usar sua razão apenas para satisfazer sua gula e
sexualidade.
d) A vida em comunidade é o ponto para a construção da
vida justa e boa.
.
Estado Aristotélico
5. DAS FORMAS DE GOVERNO EXISTENTES
.
GOVERNOS DEGENERADOS -
Aristóteles
BONS REGIMES POLÍTICOS REGIMES POLÍTICO
DEGENERADOS
MONARQUIA Governo de um
só, que
considera o
bem comum
TIRANIA Governo de um
que só
considera o bem
do governante
ARISTOCRACIA Governo de
alguns, que
considera o bem
comum
OLIGARQUIA Governo de
alguns, que só
considera o bem
dos ricos
POLITEIA Governo de
muitos, que
considera o bem
comum
DEMOCRACIA Governo de
muitos que só
considera o bem
dos pobres
A Política em Aristóteles
As Formas de Governo
Assim, todas as modalidades de
constituições justas, podem se
trasformar nas suas formas corruptas
ou degeneradas.
Assim:
1) Na monarquia UM príncipe honesto, e único, vela pelo
interesse comum.
2) na aristocracia o encargo da felicidade pública é tarefa
de um GRUPO, escolhido de entre os mais honestos.
3) E na politéia (cuja tradução, oscila entre república e
democracia) é a MULTIDÃO que governa para a utilidade
comum.
A Política em Aristóteles
As Formas de Governo
A Política em Aristóteles
As Formas de Governo
Formas degeneradas ou corruptas:
1)Na monarquia corrompida, o monarca privilegia seus
interesses particulares e não a felicidade de todos,
governando numa TIRANIA;
2)Na aristocracia corrompida, o grupo governa em
benefício de si mesmo, criando uma OLIGARQUIA
3)Na politeia corrompida, o interesse passa a ser
apenas o dos pobres e desfavorecidos, passando-se
a uma DEMOCRACIA.
.
OUTROS TIPOS DE GOVERNOS- Aristóteles
1. POLIARQUIA: Governo de muitos
2. TIMOCRACIA: Timocracia (do grego, timē: "honra"
ou "valor") é uma teoria constitucional que propõe ou
um estado onde somente donos de terra podem
participar do governo ou onde a honra é o princípio
dominante.
A DEMOCRACIA pode assumir duas posturas:
a) Uma em que todos governam pelo bem comum –
DEMOCRACIA
a) Outra em que muitos visam apenas ao interesse
próprio: DEMAGOGIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Elizeu Nascimento Silva
 
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
Rodrigo Cisco
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 

Mais procurados (20)

Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
 
História da filosofia antiga
História da filosofia antigaHistória da filosofia antiga
História da filosofia antiga
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 

Destaque

Seminário sobre Aristóteles
Seminário sobre Aristóteles Seminário sobre Aristóteles
Seminário sobre Aristóteles
Wesley Freitas
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
Péricles Penuel
 
A teoria platónica das ideias
A teoria platónica das ideiasA teoria platónica das ideias
A teoria platónica das ideias
Jorge Barbosa
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
Italo Colares
 

Destaque (20)

Ética Aristóteles
Ética AristótelesÉtica Aristóteles
Ética Aristóteles
 
Apresentação aristóteles
Apresentação aristótelesApresentação aristóteles
Apresentação aristóteles
 
A política na filosofia de aristóteles
A política na filosofia de aristótelesA política na filosofia de aristóteles
A política na filosofia de aristóteles
 
Seminário sobre Aristóteles
Seminário sobre Aristóteles Seminário sobre Aristóteles
Seminário sobre Aristóteles
 
FUNDAMENTOS ÉTICOS DA RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
FUNDAMENTOS ÉTICOS DA RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNOFUNDAMENTOS ÉTICOS DA RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
FUNDAMENTOS ÉTICOS DA RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
 
Direitos Dos Professores
Direitos Dos ProfessoresDireitos Dos Professores
Direitos Dos Professores
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Filosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e AristótelesFilosofia política em Platão e Aristóteles
Filosofia política em Platão e Aristóteles
 
éTica aristotélica
éTica  aristotélicaéTica  aristotélica
éTica aristotélica
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
A teoria platónica das ideias
A teoria platónica das ideiasA teoria platónica das ideias
A teoria platónica das ideias
 
Filosofia aristóteles
Filosofia   aristótelesFilosofia   aristóteles
Filosofia aristóteles
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Introdução ao pensamento de Aristóteles : ética
Introdução ao pensamento de Aristóteles : éticaIntrodução ao pensamento de Aristóteles : ética
Introdução ao pensamento de Aristóteles : ética
 
Etica aristotélica
Etica aristotélicaEtica aristotélica
Etica aristotélica
 
Introdução à Filosofia - Aristóteles
Introdução à Filosofia - AristótelesIntrodução à Filosofia - Aristóteles
Introdução à Filosofia - Aristóteles
 

Semelhante a O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES

Filosofia política 2º ano
Filosofia política   2º anoFilosofia política   2º ano
Filosofia política 2º ano
Edirlene Fraga
 
Filosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e ÉticaFilosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e Ética
Carson Souza
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
rose soratto
 
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidadePrincipais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
Joniel Abreu
 

Semelhante a O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES (20)

Texto para a aula o homem é um animal político
Texto para a aula o homem é um animal políticoTexto para a aula o homem é um animal político
Texto para a aula o homem é um animal político
 
Filosofia política 2º ano
Filosofia política   2º anoFilosofia política   2º ano
Filosofia política 2º ano
 
Airtóteteles visão política
Airtóteteles visão políticaAirtóteteles visão política
Airtóteteles visão política
 
Filosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e ÉticaFilosofia, Política e Ética
Filosofia, Política e Ética
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
VvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvVvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
Vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
 
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANOFILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
 
Política
PolíticaPolítica
Política
 
Platão e a cidade ideal
Platão e a cidade idealPlatão e a cidade ideal
Platão e a cidade ideal
 
Aula de Filosofia - 2ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 2ª Série do Ensino MédioAula de Filosofia - 2ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 2ª Série do Ensino Médio
 
Tcc que fala sobre a polis em aristóteles
Tcc que fala sobre a polis em aristótelesTcc que fala sobre a polis em aristóteles
Tcc que fala sobre a polis em aristóteles
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Filosofia política
Filosofia política Filosofia política
Filosofia política
 
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidadePrincipais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
Principais pensamento politic na antiguidade e medievalidade
 
Aula 3 O ser humano como ser político - Prof. Noe Assunção
Aula 3   O ser humano como ser político - Prof. Noe AssunçãoAula 3   O ser humano como ser político - Prof. Noe Assunção
Aula 3 O ser humano como ser político - Prof. Noe Assunção
 
Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...
 
Ética e bioética - etica na antiga grécia - cap 1 aula 1
Ética e bioética - etica na antiga grécia - cap 1 aula 1Ética e bioética - etica na antiga grécia - cap 1 aula 1
Ética e bioética - etica na antiga grécia - cap 1 aula 1
 
1 serie filosofia
1 serie filosofia1 serie filosofia
1 serie filosofia
 
Conceitos em Filosofia
Conceitos em FilosofiaConceitos em Filosofia
Conceitos em Filosofia
 
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 1 ano - ensino regular - Pro. Ms. Noe Assunção
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 

Último (20)

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 

O QUE É POLÍTICA EM ARISTÓTELES

  • 1.
  • 2. Na filosofia aristotélica a política é um desdobramento natural da ética. Ambas, na verdade, compõem a unidade do que Aristóteles chamava de filosofia prática. A Política em Aristóteles
  • 3. A Política em Aristóteles Se a ética está preocupada com a felicidade individual do homem, a política se preocupa com a felicidade coletiva da pólis. Desse modo, é tarefa da Política investigar e descobrir quais são as formas de governo e as instituições capazes de assegurar a felicidade coletiva. Trata-se, portanto, de investigar a Constituição da Cidade.
  • 4. ANIMAL POLÍTICO  O instinto de sociabilidade, inato no ser humano, leva-o a participar da sociedade. Aristóteles, no século IV a.C., dizia que "o homem é naturalmente um animal político".  Funda sua teoria em uma natureza social humana, a qual nos levaria às mais diversas formações sociais.
  • 5. O HOMEM COMO SER POLÍTICO  O ser humano é por natureza um ser político e cultural. Nenhum indivíduo consegue se isolar por completo, porque estamos todos entrelaçados numa rede social.  Aristóteles não propõe um modelo ideal, mas um modo de lidar com a política, por entendimento da relevância da coletividade.
  • 6. A POLÍTICA ARISTOTÉLICA ENQUANTO OBRA 1. O livro se inicia com um questionamento acerca da origem do Estado e da natureza humana. 2. Revisita as ideias que o antecederam, buscando ter mais clareza sobre o assunto em uma estratégia comparativa. 3. No centro da obra, apresenta as diversas formas de governo, explicando a diferença tanto no que tange à qualidade quanto à quantidade de pessoas governando. 4. Mostra as formas de governo, tanto em sua passagem de uma para outra quanto ao modelo constitucional mais adequado.
  • 7. “As doutrinas aristotélicas são interligadas e se complementam. Ex. Na compreensão biológica do homem articulando-o com a política. Para o autor, o homem pode ser classificado”. Zoon Logon Politikon: “um animal racional de natureza política”. 3. Da natureza Humana “Para Aristóteles, um animal que tende a viver em sociedade por sua própria natureza” 1. Aristóteles constrói sua obra propondo que é da natureza humana a reunião pública, e que aquele qua não necessita da vida em coletividade ou é um Deus, que não depende de ninguém, ou é uma animal bestial, isto é, sem racionalidade. 2. A meta de sua obra, em conjunto com a ética, está em encontrar a maneira ideal de viver e, após isso pensar na sociedade a partir da necessidade dessa maneira de viver.
  • 8. 4. TODA CIDADE COMO COMUNIDADES a) Para Aristóteles “Toda cidade é uma espécie de comunidade, ou seja, a reunião de todo um conjunto de pessoas em torno de um objetivo comum b) Se toda cidade é um conjunto de pessoas, e todas as pessoas agem em busca daquilo que consideram como um “bem”, temos que assumir então que toda cidade busca o bem. c) Portanto, a vida na cidade não é apenas a reunião das buscas humanas, mas, enquanto estrutura social, o bem principal a ser alcançado.
  • 9. 4. 1. DA FORMAÇÃO DAS CIDADES a) Segundo o autor, a formação das cidades pode ser pensada de modo gradual, começando pelas uniões civis mais simples ate a das grandes comunidades. b) A primeira comunidade simples seria a família. Advinda do desejo de perpetuação, e a verificação da complementação mútua. c) Quando as familias se unem forma os povoados. Esses povoados tenderiam às figuras de reis, graças à existência de um conjunto de patriarcas iniciais. d) A reunião de diversos povoados, por sua vez, constitui o que denominamos cidade.
  • 10. a) O homem é um animal social, remete ao fato de que a sociedade se deu em decorrencia da natuteza humana de perpetuação e sobrevivência. b) A natureza não faz nada desnecessariamente, se não nos dotou de habilidades isoladas (garras forte, dentição ampla, alta velocidade), optando por nos dar a capacidade da fala, deve ser pelo fato de ser nossa natureza comunicar o bem e o mal, o justo e o injusto, e assim crescer. c) O homem em comunidade pode ser o mais perfeito dos seres, mas, fora dela, pode ser a pior das bestas, ao usar sua razão apenas para satisfazer sua gula e sexualidade. d) A vida em comunidade é o ponto para a construção da vida justa e boa.
  • 12. 5. DAS FORMAS DE GOVERNO EXISTENTES
  • 13. . GOVERNOS DEGENERADOS - Aristóteles BONS REGIMES POLÍTICOS REGIMES POLÍTICO DEGENERADOS MONARQUIA Governo de um só, que considera o bem comum TIRANIA Governo de um que só considera o bem do governante ARISTOCRACIA Governo de alguns, que considera o bem comum OLIGARQUIA Governo de alguns, que só considera o bem dos ricos POLITEIA Governo de muitos, que considera o bem comum DEMOCRACIA Governo de muitos que só considera o bem dos pobres
  • 14. A Política em Aristóteles As Formas de Governo Assim, todas as modalidades de constituições justas, podem se trasformar nas suas formas corruptas ou degeneradas.
  • 15. Assim: 1) Na monarquia UM príncipe honesto, e único, vela pelo interesse comum. 2) na aristocracia o encargo da felicidade pública é tarefa de um GRUPO, escolhido de entre os mais honestos. 3) E na politéia (cuja tradução, oscila entre república e democracia) é a MULTIDÃO que governa para a utilidade comum. A Política em Aristóteles As Formas de Governo
  • 16. A Política em Aristóteles As Formas de Governo Formas degeneradas ou corruptas: 1)Na monarquia corrompida, o monarca privilegia seus interesses particulares e não a felicidade de todos, governando numa TIRANIA; 2)Na aristocracia corrompida, o grupo governa em benefício de si mesmo, criando uma OLIGARQUIA 3)Na politeia corrompida, o interesse passa a ser apenas o dos pobres e desfavorecidos, passando-se a uma DEMOCRACIA.
  • 17. . OUTROS TIPOS DE GOVERNOS- Aristóteles 1. POLIARQUIA: Governo de muitos 2. TIMOCRACIA: Timocracia (do grego, timē: "honra" ou "valor") é uma teoria constitucional que propõe ou um estado onde somente donos de terra podem participar do governo ou onde a honra é o princípio dominante. A DEMOCRACIA pode assumir duas posturas: a) Uma em que todos governam pelo bem comum – DEMOCRACIA a) Outra em que muitos visam apenas ao interesse próprio: DEMAGOGIA