SlideShare uma empresa Scribd logo
1




 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB
 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO - CAMPUS XIV




         CRISTIANE SOUZA ANDRADE




O ENSINO INTERDISCIPLINAR DE LÍNGUA INGLESA




             Conceição do Coité
                   2011
2



             CRISTIANE SOUZA ANDRADE




    O ENSINO INTERDISCIPLINAR DE LÍNGUA INGLESA




                 Monografia apresentada à Universidade do Estado
                 da Bahia, Departamento de Educação, Campus XIV,
                 como requisito final à conclusão do Curso de Letras
                 com Habilitação em Língua Inglesa.

                 Orientador: Raulino Batista Figueiredo Neto
.




                  Conceição do Coité
                         2011
3




                       CRISTIANE SOUZA ANDRADE




                            Monografia apresentada à Universidade do Estado
                            da Bahia, Departamento de Educação, Campus XIV,
                            como requisito final à conclusão do Curso de Letras
                            com Habilitação em Língua Inglesa.

                            Orientador: Raulino Batista Figueiredo Neto
.



Aprovada em: ___/___/___


                             Banca examinadora

_______________________________
Raulino Batista Figueiredo Neto
Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV


_________________________________________
Neila Maria Oliveira Santana
Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV


_________________________________________
Fernando Sodré
Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV




                             Conceição do Coité
                                    2011
4




Dedico este trabalho a Deus, que por tantas vezes me sustentou nos momentos de
                                         desânimo, iluminando-me com sua graça.

         A minha família, principalmente minha irmã, pelo incentivo e paciência na
   elaboração deste trabalho, porque sem apoio deles não teria chegado até aqui.
                                                                   Minha gratidão.

      O meu professor Raulino Batista Figueiredo Neto, pelo empenho, dedicação,
                             competência, e por ter acreditado no meu trabalho.
                                                            Meu reconhecimento.
5




                                     RESUMO


Este trabalho tem como objetivo observar a importância do ensino de Língua Inglesa
no currículo e apresentar a interdisciplinaridade como suporte da abordagem
Content-Based Instruction, a qual atuará de modo a auxiliar para um ensino mais
crítico e integral do educando. A questão que conduziu essa investigação partiu das
observações feitas nas escolas públicas de Conceição do Coité-Ba cuja prática
pedagógica prioriza o Método Gramática e Tradução que não estimula o aluno a
desenvolver sua competência comunicativa em Língua Inglesa.

Palavras-chave: Língua Inglesa. Ensino. Prática Pedagógica. Interdisciplinaridade.
6



                                    ABSTRACT


This work aims to observe the importance of the English language teaching in the
curriculum and present an interdisciplinary approach with the support of the Content-
Based Instruction, which will work as a means to support a more critical and
comprehensive teaching to the student . The question that conducted this research
came from the observations made in public schools in the city of Conceição do Coité
- Ba whose practice emphasizes the pedagogical grammar and the translation
method, a process that does not encourage students to develop their communicative
competence              in              the            English              language.

Keywords: English Language. Teaching.Teaching Practice. Interdisciplinary.
7




                                                     SUMÁRIO




INTRODUÇÃO......................................................................................................7


CAPÍTULO I


1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA


1.1 O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NO CURRÍCULO ........................9


1.2 A INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE LE.....................................11


1.3 CONTENT BASED E A INTERDISCIPLINARIDADE..................................16


CAPÍTULO II


2 METODOLOGIA..............................................................................................18


CAPÍTULO III


3 ANÁLISE DE DADOS.....................................................................................20


CONSIDERAÇÕES FINAIS...............................................................................29


REFERÊNCIAS..................................................................................................31


APÊNDICE.........................................................................................................33
8




                                   INTRODUÇÃO


          O presente trabalho traz reflexões sobre uma proposta para o ensino de LI
(língua inglesa) em uma perspectiva interdisciplinar, proposta esta que encontra
suporte     na   abordagem     CBI-Content-Based     Instruction   que   enfatiza   a
contextualização do ensino de língua inglesa através da interdisciplinaridade, visto
que esta permite um trabalho integrado dos conteúdos das diversas áreas de
conhecimento. Desse modo, a LI seria usada como meio de comunicação e não
como objeto de estudo no qual destaca-se um trabalho quase sempre gramatical,
nos moldes como é geralmente explorada no contexto de sala de aula.
          Esse trabalho teve como ponto de partida as inquietações e discussões
travadas nas interações em sala de aula, durante o II semestre do curso de Letras
com habilitação em Língua Inglesa, e as observações realizadas em uma escola
pública de Conceição do Coité, no decorrer do Estágio Supervisionado I, de maio até
julho de 2009. Tais momentos se converteram em uma oportunidade de confirmar
que a prática pedagógica dos professores de LI ainda se encontra centrada no
método tradicional – gramática e tradução. Sabe-se, entretanto, que essa prática é
pouco eficiente, haja vista o número elevado de estudantes que concluem o Ensino
Médio sem ter desenvolvida a habilidade comunicativa em língua inglesa. Há duas
hipóteses que justificam os resultados pouco satisfatórios: a primeira diz respeito ao
notório desinteresse dos alunos nas atividades em sala de aula, provavelmente
associado às reais situações sociais nas quais estão inseridos. A segunda refere-se
ao método gramática-tradução, como uma alternativa para se alcançar os objetivos
do ensino de uma segunda língua. Entretanto, vale ressaltar que os alunos de
escolas públicas, em sua maioria, vivem num difícil contexto social que muitas vezes
não lhes permitem enxergar o sentido de se aprender uma segunda língua em
virtude das poucas oportunidades, que lhe são oferecidas, de ingressarem no
mercado de trabalho.
      Essa questão pode ser melhor entendida a partir da compreensão da escola
pública como uma instituição social que acolhe indivíduos oriundos das mais
diferentes classes sociais. Logo, pressupõe-se que a escola não pode deixar de
preencher cada vez mais o requisito da formação do sujeito, considerando os vários
9



aspectos – históricos, culturais, sociais e cognitivos - que influenciam no seu
aprendizado, contribuindo assim para uma formação mais completa e cidadã.
      Acredita-se que o caminho seja a reformulação da prática pedagógica,
conscientizando o aluno da importância do desenvolvimento não apenas de
habilidades gramaticais, de modo a valorizar durante o processo ensino-
aprendizagem, situações reais de comunicação da língua em diferentes contextos,
procedimento este que deve estar embasado em uma concepção de língua mais
voltada para a diversidade discursiva que permeia o mundo no qual está inserido o
educando. E nesse ponto, a leitura de diferentes textos que circulam na mídia e de
textos de outras disciplinas podem contribuir para um aprendizado mais dinâmico e
contextualizado, levando o aluno a uma aprendizagem significativa e crítica.
      Esta primeira parte da monografia está subdividida em três tópicos: A
importância do ensino de LI no currículo para formação cultural e intelectual do
sujeito; A interdisciplinaridade no ensino de LE como um instrumento eficaz para
construção do saber mais integrado e significativo para o educando; A abordagem
Contet Based Instruction que utiliza textos de outras disciplinas na aprendizagem da
língua alvo.
      Os principais teóricos que embasaram essa revisão bibliográfica foram
Fazenda(1993), Luck(2007) e os PCNs.
      De acordo com Moita Lopes(1996), a pesquisa desenvolvida nesse trabalho é
de natureza etnográfica, cujo foco é colocado na investigação de uma possibilidade
de se modificar a situação existente em sala de aula.
10




                                    CAPÍTULO I


                           FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA


1.1 O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NO CURRÍCULO


      Dentre os princípios que norteiam a educação moderna, encontra-se o de
aprender a interagir com diferentes situações e culturas. Assim, entende-se que é
preciso que a escola esteja atenta no sentido de promover um espaço interativo,
buscando promover uma educação em que se desenvolvam atividades referentes
aos saberes necessários a cada área de conhecimento sem, no entanto desvincular
desse processo as identidades culturais, sociais, históricas, ideológicas. Estreitar a
relação entre conteúdo e contexto possibilita uma mudança na perspectiva de
ensino, desperta no educando a importância de ser aprendiz, resultando no
enriquecimento da sua formação enquanto ser social.
      O ensino de Línguas Estrangeiras tem adquirido cada vez mais importância
no currículo das escolas de Ensino Fundamental e Médio. Asseguradas pela LDB,
encontram-se, atualmente, incluídas na área de Linguagens, Códigos e suas
Tecnologias. Assim sendo, tornaram-se parte integrante do leque de conhecimentos
indispensáveis à vida dos estudantes uma vez que o currículo tem buscado adaptar-
se cada vez mais às demandas da sociedade globalizada. Compreendidas como um
sistema simbólico, característica de qualquer linguagem, as Línguas Estrangeiras
figuram como meio de acesso ao conhecimento, proporcionando ao indivíduo uma
formação mais ampla, pois além do conhecimento de uma nova cultura, proporciona
a construção de uma consciência crítica sobre sua própria cultura. De acordo com
os PCN:



                          O aprendizado de idiomas estrangeiros deve propiciar que o
                          aluno perceba as possibilidades de ampliação de suas
                          interações com os outros. Este aprendizado, contudo, não deve
                          constituir processo de desvinculação cultural; pelo contrário, é
                          reforçador de trocas culturais enriquecedoras e necessárias
                          para a construção da própria identidade. (PCN, 2002, p.100)
11




      Ao se discutir a inclusão do ensino de uma língua estrangeira no currículo,
não raro, tem-se como argumento o fato de que ela se constitui numa exigência de
mercado, essa concepção revela uma visão realista e pragmática do ensino,
contudo, é preciso ampliá-la, pois além de corresponder às demandas do momento,
norteadas pelo modelo econômico e cultural da globalização, ela possibilita ao
indivíduo o diálogo com outras culturas sem que necessariamente anule ou
desvalorize a sua própria, pelo contrário, o educando estará ampliando seus
horizontes culturais bem como a sua capacidade crítica de compreender melhor sua
realidade e as dos outros que o cercam através do conhecimento lingüístico.
Seguindo essa perspectiva, Jorge afirma que




                          O caráter educativo do ensino de uma LE está nas
                          possibilidades que o aluno pode ter de se tornar mais
                          consciente da diversidade que constitui o mundo. As múltiplas
                          possibilidades de ser diferente, seja pela cultura, seja pelas
                          identidades individuais, podem fazer com que o indivíduo se
                          torne mais consciente de si próprio, em relação a seu contexto
                          local e ao contexto global. (JORGE, 2009, p.163)




      Nessa perspectiva, cabe a escola assegurar um ensino de qualidade que
contribua na vida do educando para que este possa exercer a sua cidadania com
autonomia, avaliando melhor o seu contexto social, comparando-o a outras culturas.
      O ensino de língua estrangeira pressupõe a compreensão da linguagem tanto
do ponto vista teórico quanto do seu uso nas diversas situações no contexto social
do indivíduo. É por meio da linguagem que ele interage construindo significados.
Essa interação com o outro se dá por meio do discurso sendo necessário considerar
as condições de uso, atentando para o fato de que os discursos denotam ideologias
e visões diferentes do mundo. Portanto,



                          O estudo e o ensino de uma língua não podem, neste sentido,
                          deixar de considerar – como se fossem pertinentes – as
                          diferentes instâncias sociais, pois os processos interlocutivos
                          se dão no interior das múltiplas e complexas instituições de
                          uma dada formação social. A língua, enquanto produto desta
                          história e enquanto condição de produção da história presente
12



                           vem marcada pelos seus usos e pelos espaços sociais destes
                           usos.(GERALDI, 1996, p.28)



      Inserir no universo da sala de aula diferentes situações de comunicação
através da leitura e compreensão de textos verbais orais e escritos, estimular o
aluno a buscar novas informações fora da sala de aula, contribuirá para que o aluno
construa seu próprio conhecimento no idioma estrangeiro. Segundo os PCN,



                           Ainda que em situação de simulação, a mobilização de
                           competências e habilidades para as atividades de uso do
                           idioma – ler manuais de instrução, resolver questões de
                           vestibular, solicitar e fornecer informações, entender uma letra
                           de música, interpretar o anúncio de um emprego, traduzir um
                           texto, escrever um bilhete, redigir um e-mail, entre outras –
                           deve ocorrer por meio de procedimentos intencionais de sala
                           de aula. (PCN, 2002, p. 94)



      Portanto, os conteúdos programáticos de língua estrangeira devem estar
voltados para o desenvolvimento das competências e habilidades, buscando
preparar o aluno para utilizar a linguagem nos níveis de competência interativa,
gramatical e textual. Para Bertoldo:



                           [...] o objetivo principal de quem ensina uma LE é o de levar o
                           aluno a ler, escrever, falar e ouvir de maneira satisfatória, de tal
                           forma que esse aluno atenda às exigências mínimas de um
                           perfil de sujeito considerado fluente na língua alvo.
                           (BERTOLDO, 2005, p.112)



      Desse modo, o aluno vai além das aulas de gramática, passando a
compreender a língua estrangeira como um meio eficaz de interação e de
conhecimento.


1.2 A INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE LE


      Num contexto em que é preciso integrar para melhor construir um
conhecimento mais global, faz-se imprescindível a elaboração de um planejamento
13



coletivo com vistas a desenvolver uma prática interdisciplinar de maneira que atenda
aos objetivos específicos das disciplinas e também aos aspectos que se referem à
formação cidadã, pois os educandos vivem inseridos em uma sociedade diversa e
em constante transformação.
      Nessa perspectiva, a interdisciplinaridade torna-se uma ferramenta eficaz na
construção desse saber integrado, permitindo ao aluno compreender que as áreas
de estudo possuem características específicas, mas que se complementam. Esse
ponto de convergência entre as áreas do conhecimento é muito importante para a
construção de um saber mais amplo e integrado. Luck afirma que




                            [...] para o desenvolvimento da interdisciplinaridade, é
                          fundamental que haja diálogo, engajamento, participação dos
                          professores, na construção de um projeto comum voltado para
                          a superação da fragmentação do ensino e de seu processo
                          pedagógico. ( LUCK, 2007, p. 80)




       O argumento acima denota que a construção de uma prática interdisciplinar
requer do educador uma percepção da diferença, a confirmação da incompletude, e
ao mesmo tempo necessidade de se encontrar o lugar comum.
        Experimentar esse diálogo entre as disciplinas constitui-se numa proposta de
um ensino que tem ganhado força por se acreditar que assim se dê ao aluno a
oportunidade de uma formação integrada em que os conteúdos sejam trabalhados
de maneira mais articulada, permitindo uma construção do conhecimento mais
significativa para o aluno. O Content-Based Instruction é uma abordagem de ensino
que objetiva essa contextualização do ensino de Língua Inglesa a partir do viés
interdisciplinar.
       Essa abordagem pode levar os alunos a atingir uma aprendizagem
significativa tanto no âmbito escolar quanto no social, pois os estudantes são
envolvidos em situações-problema que devem ser solucionadas pelos mesmos. O
conteúdo de outras disciplinas é usado na língua alvo, provocando assim o caráter
interdisciplinar, encorajando o educando a dividir informações, desenvolver e
aprender com os demais. Além disso, o professor de língua inglesa seleciona
atividades relacionadas a contextos reais de uso da língua para que os aprendizes
percebam a relevância no que está sendo ensinado.
14



       Assim, por entender que o ensino de língua inglesa não pode estar dissociado
ou à margem desse processo, ele deve ir além do desenvolvimento das habilidades
lingüísticas, contribuindo para que os alunos se tornem protagonistas das suas
histórias, autônomos na construção do seu conhecimento, utilizando o conhecimento
adquirido, nas diferentes situações do cotidiano.
       Estimular a autonomia do educando consiste em assumir uma prática
pedagógica que estimule o aluno a realizar atividades dentro e fora da sala de aula
como forma de aperfeiçoar cada vez mais a nova língua. Segundo Cruz,


                              [...] o aprendiz autônomo é aquele que reflete criticamente
                             sobre o próprio processo de aprendizagem, que traça
                             objetivos, de acordo com suas necessidades, e assume a
                             tarefa de decidir o que, como e quando estudar para
                             alcançar os resultados desejados.” ( CRUZ, 2009, p.60)




       É importante deixar claro que o papel do professor não é colocado de lado, ao
contrário, ele é o responsável por fornecer os mecanismos necessários para que o
aluno caminhe em direção à autonomia.
       Em uma escola onde seja implementada uma educação crítica e participativa,
esse    educando,    certamente    terá   as   ferramentas     necessárias     para    o
desenvolvimento da sua autonomia enquanto estudante e também como cidadão.
            Para que essa ideia vigore, é preciso uma mudança na concepção de
ensino por parte dos educadores, que trazem na sua formação uma concepção de
ensino na qual o conhecimento fragmentado ainda prevalece.                 A partir da
implementação de uma prática interdisciplinar de ensino, podemos proporcionar o
desenvolvimento das habilidades e competências do aluno para a promoção de uma
educação em que o processo de ensino-aprendizagem torne-se mais significativo e
menos reprodutivo, pois,


                           o pensar interdisciplinar parte do princípio de que nenhuma
                           forma de conhecimento é em si mesma racional. Tenta, pois o
                           diálogo, com outras formas de conhecimento, deixando-se
                           interpenetrar por elas. (FAZENDA, 1993, p17).
15



   Portanto, integrar os conhecimentos é um caminho para que o aluno construa
sentido para aquilo que aprende, e a interdisciplinaridade, pode contribuir no
envolvimento desse educando nos procedimentos desenvolvidos em sala de aula,
pois ela traz uma proposta cooperativa e integrada em que os conteúdos encontram-
se relacionados estabelecendo um diálogo entre as diferentes áreas de
conhecimento, favorecendo, portanto, a realização de um planejamento construído
num contexto coletivo.
       O ensino de língua inglesa, assim como o de qualquer disciplina, necessita
estar alicerçado numa concepção de ensino, neste caso, essa visão é a
interacionista cujo objetivo é estreitar as relações entre os envolvidos no processo e
o objeto de estudo. O ensino de língua inglesa deve estar voltado para a consciência
crítica da linguagem, valorizando a diversidade discursiva e cultural que permeia o
mundo que o cerca.


                          Produzir linguagem significa produzir discurso: dizer alguma
                          coisa a alguém, de uma determinada forma, em um
                          determinado contexto histórico e em determinadas
                          circunstâncias de interlocução. Isso significa que as escolhas
                          feitas ao produzir um discurso não são aleatórias – ainda que
                          possam ser inconsistentes -, mas decorrentes das condições
                          em que o discurso é realizado. (PCNs, 1997, p.22)



      Os educandos terão, nessa perspectiva, a oportunidade de interagir, inferir,
levantar hipótese e relacionar o conhecimento adquirido com aquele que já possui,
buscando sempre uma ponte para esse saber e a sua realidade enquanto cidadão
do mundo. O ensino de língua inglesa proporciona um contexto propício para o
desenvolvimento de atitudes cidadãs, visto que oferece ao aluno novas
possibilidades de se expressar e posicionar-se em situações diferentes. Esse
procedimento de ensino condizente com a realidade do aluno possibilita-lhe uma
compreensão crítica dos acontecimentos do mundo e suas implicações na vida
prática. E para isso é preciso que a escola eduque para a autonomia. Portanto, é
necessário ir além da assimilação dos conteúdos, relacionando o saber adquirido à
vivência do educando, levando-o a compreender as relações que possam ocorrer
entre o saberes das diferentes áreas do conhecimento. O ensino fragmentado já não
16



tem mais espaço nessa sociedade globalizada e informatizada. Para Luck a
interdisciplinaridade contempla essa concepção de ensino:




                                  Interdisciplinaridade é o processo que envolve a integração e o
                                  engajamento de educadores, num trabalho conjunto de
                                  interação das disciplinas do currículo escolar entre si e com a
                                  realidade; de modo a superar a fragmentação do ensino
                                  objetivando a formação integral do aluno, a fim de que possa
                                  exercer criticamente a cidadania, mediante uma visão global de
                                  mundo e ser capaz de enfrentar os problemas complexos,
                                  amplos e globais da realidade atual.( LUCK, 2007, p.64)



        O ensino interdisciplinar proporciona tanto ao professor quanto ao aluno, o
desenvolvimento de habilidades como tolerância na vivência em grupo, respeito
mútuo e cidadania, despertando a consciência social e os valores que asseguram
uma formação integral. O ensino de Língua Inglesa precisa ser encarado como uma
atividade sócio-histórica, viva e reflexiva em acordo com realidade que circunda os
alunos.




1.3 A ABORDAGEM CONTENT BASED E A INTERDISCIPLINARIDADE


        A abordagem Content- Based Instruction (CBI) consiste numa proposta de
ensino que visa utilizar o conteúdo de outras áreas do conhecimento, na tentativa de
promover um ensino de LI mais abrangente e significativo para os alunos.
        Com o uso do CBI, há um engajamento entre a língua estudada e o conteúdo
de outras áreas, o que contribui para uma aprendizagem mais crítica, formando
assim, cidadãos pensantes. De acordo com o ensino de língua centrado no
conhecimento de mundo, Stoller afirma que ¹“1through content-based instruction,
learners develop language skills while becoming more knowledgeable citizens of the
world”. (STOLLER, 2002 apud RICHARDS. RENANDYA, 2002, p.107)
         Assim, de acordo com essa perspectiva, os alunos se sentem mais motivados
quando a atividade é centrada em outros assuntos, e não somente no uso de regras

1
   Através do Content-Based Instruction, os aprendizes desenvolvem as suas habilidades linguísticas enquanto se
tornam cidadãos mais conscientes do mundo.
17



gramaticais da língua. O autor também afirma que os professores nas aulas de CBI,
quando criam um ambiente de aprendizagem vibrante, promovem um envolvimento
entre eles, dando aos estudantes responsabilidades para construir seu próprio
conhecimento. Portanto, é preciso que, tanto os conteúdos das disciplinas, quanto o
da língua alvo, sejam definidos a partir da necessidade comunicativa dos alunos,
pois, desenvolver habilidade comunicativa não se restringe apenas à oralidade, mas
também ao desenvolvimento das outras habilidades tais como ler e escrever.
      De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais




                   O estudo das outras disciplinas, notadamente de História, Geografia,
                   Ciências Naturais, Arte, passa a ter outro significado se em certos
                   momentos forem proporcionadas atividades conjugadas com o ensino
                   de Língua Estrangeira[...] (PCN, 1998 p.37)



   Para Larsen-Freeman (2000) os alunos são motivados porque estão aprendendo
um conteúdo que é relevante para eles. A autora defende que os trabalhos escritos
pelos alunos devem ser realizados de forma processual, de modo que essa técnica
apresente a seguinte ordem:


   1) os alunos fazem uma discussão prévia do assunto escolhido para a
      confecção do texto.
   2) Conferência do professor com os outros alunos para que o autor receba
      sugestão sobre seu texto.
   3) Reescrita baseada nas observações feitas.


   Com isso, os alunos aprendem a revisar seus próprios textos e os dos colegas.
Além disso, eles percebem que a escrita é vista como um meio de comunicação, e
não apenas como uma atividade que tem como único objetivo avaliar o aluno.
   O sucesso dessa proposta interdisciplinar no ensino de língua, depende de
muitos fatores, entretanto, o papel do professor de língua inglesa se destaca visto
que ele, como orientador dos trabalhos, necessita estar cada mais preparado para
enfrentar esse desafio, e isso se dá através de uma prática refletida e um
embasamento teórico sólido, contínuo. Enfim, sendo um investigador, e buscando
18



novos caminhos para o ensino aprendizagem no ensino de LI como destaca Vilaça
em seu artigo:


                         [...] o professor precisa estar cada vez mais preparado para não
                         só lecionar, mas também administrar o processo de
                         ensino/aprendizagem de uma língua estrangeira. Para isto, a
                         formação do professor requer atenção especial. Embora
                         estejamos numa era que permite e, em muitas situações, exige o
                         ecletismo, um dos fundamentos necessários a esta formação é
                         conhecimento e estudo crítico dos métodos e das abordagens de
                         ensino, para que a sua participação no ensino seja
                         fundamentada         em       princípios   teórico-metodológicos,
                         competências e conhecimentos sólidos e compatíveis com a
                         sociedade e o tempo em que vivemos. (VILAÇA, 2008, p.85)



       Com base no que foi exposto, pode-se afirmar que o uso do CBI leva os alunos
a desenvolver a habilidade comunicativa da língua de forma mais participativa e
autônoma, pois a variedade dos conteúdos desenvolvidos no decorrer da
aprendizagem dá aos alunos a oportunidade de construir conhecimento de modo
diversificado.
19



                                    CAPÍTULO II


                                  METODOLOGIA


       Para a realização deste trabalho, o método aplicado foi o método dedutivo,
que se caracteriza pelo embasamento conceitual a partir do que foi dito por outros
teóricos sobre o tema. Para obter o corpus da pesquisa, realizei uma pesquisa de
campo descritiva por propiciar um contato direto com o fenômeno em estudo. A
pesquisa desenvolvida nesse trabalho é de natureza etnográfica, cujo foco é
colocado na investigação e descrição de situações existentes em sala de aula.
       Dessa forma, fiz uso da técnica de observação e aplicação de questionários
para melhor explicitar as idéias sobre o tema. Durante a aplicação dos questionários,
ocorreram alguns transtornos de modo que a pesquisa não pode ser realizada
apenas em uma escola em função do número reduzido de professores por escola.
Além disso, o retorno dos questionários se deu de forma muito morosa, reduzindo o
tempo para análise dos dados e eventuais necessidades de refazer as perguntas.
Em virtude desse retardo na entrega dos referidos questionários, não foi possível
fazer a reelaboração dos mesmos, uma vez que, a partir da análise das questões
percebi que algumas delas mereceriam ser reformuladas, de modo a ficarem mais
objetivas. No entanto, a escassez de tempo já referida não possibilitou a reescrita
dessas questões. O principal objetivo da pesquisa é refletir acerca da importância
da interdisciplinaridade e o uso da abordagem Content Based Instruction, a fim de
melhorar a qualidade do ensino de LI, ao invés de continuar utilizando métodos
tradicionais que não apresentam resultados positivos. Essa investigação se justifica
por entender que é possível organizar um ensino de LI com base no princípio da
interdisciplinaridade.
       A pesquisa iniciou-se a partir de um levantamento acerca de como se efetiva
o ensino nas escolas, considerando as exigências previstas na LDB (Lei de
Diretrizes e Bases), nos PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais) instrumentos
estes que subsidiam a prática interdisciplinar do ensino.
         A realização dessa investigação exigiu um aprofundamento em torno da
concepção do ensino de LI no currículo, que norteia os docentes em sua prática
pedagógica. Buscou-se ainda compreender a escola nas suas múltiplas interfaces
numa perspectiva de escola que trabalha em favor da cidadania.
20



          Como procedimentos da pesquisa, escolhemos a observação do cotidiano
escolar através de questionários que serão respondidos pelos professores em
diferentes escolas do município de Conceição do Coité. As questões versam sobre
concepção de ensino de LI, currículo, prática pedagógica, interdisciplinaridade. A
investigação também se estendeu aos alunos que responderam questões acerca da
importância do ensino de LI e de como se efetiva o aprendizado da mesma na visão
deles.
         Dez professores responderam os questionários de modo que possibilitou a
ampliação do corpus para uma análise mais ampla da problemática em questão.
Esses profissionais trabalham nas seguintes unidades escolares: Escola Estadual
Almir Passos, Colégio Estadual Hamilton Rios de Araújo, Escola Polivalente de
Conceição do Coité, Escola João Paulo Fragoso, Escola Evódio Ducas Resedá e
Escola Durval da Silva Pinto. É importante ressaltar que as observações para a
realização do projeto foram feitas apenas em três das escolas citadas acima.
         A escolha por professores de escolas diferentes justifica-se devido à carga
horária pequena da disciplina. Outro aspecto levado em consideração foi confrontar
os pontos de vista sobre a concepção do ensino de LI e também constatar, ou não,
se a interdisciplinaridade faz parte do cotidiano das aulas, e se ela é compreendida
pelos docentes como uma metodologia que contribui para a formação global do
educando.
         A análise feita é caracterizada como qualitativa, já que as perguntas serão
descritas para assim serem analisadas e relacionadas às teorias apresentadas
nesse estudo.
21



                                   CAPÍTULO III


                                  ANÁLISE DOS DADOS


      As três primeiras questões mostram que dos dez professores participantes
da pesquisa, seis têm pós-graduação, dois graduação, dois estão concluindo o curso
de Letras com Língua Inglesa, atuam na rede estadual de ensino e lecionam no
Ensino Fundamental II e Ensino Médio.
      Quando questionados acerca da “importância do ensino de Língua Inglesa no
currículo” obtivemos às seguintes respostas:


Professor 1: “ A importância reside no fato de que o ensino e aprendizagem da LI
pode fornecer ferramentas úteis para o pleno exercício da cidadania”


Professor 2: “Fundamental uma vez que o domínio de uma língua franca é
necessário para a formação multicultural do indivíduo.”


Professor 3: “Promover a inserção do aluno no mundo globalizado quanto aos
estudos culturais, sociais e econômicos dos países que falam a LI e a influência que
estes exercem na nossa sociedade.”


Professor 4: “ A LI é de suma importância no currículo, pois vivemos num mundo
globalizado e a aquisição (ou que seja simplesmente contata com outra língua)
permite o conhecimento cultural, bem como o reconhecimento de sua própria
identidade cultural”


      Observa-se que as afirmações convergem para a importância do aprendizado
de uma segunda língua, para além das necessidades do mercado, apontando para
uma formação emancipatória integral e inclusiva do sujeito no mundo globalizado,
que vai requerer dele um posicionamento crítico quanto a seu papel no mundo. Essa
concepção de ensino de LI está de acordo com a perspectiva de ensino que
defendemos nesse estudo e também em consonância com as orientações contidas
nos PCNs que defendem um aprendizado de idiomas estrangeiros vinculado à
aquisição de um conhecimento multicultural para a construção da própria identidade.
22



É interessante que nessa ótica, as chances de um ensino integrado a outras
disciplinas se tornam maiores visto que a idéia já não condiz com o ensino pautado
em estudo de regras e repetições de frases, pois muitas pesquisas já apontaram a
ineficiência do ensino de nomenclaturas desvinculadas de seu contexto de uso.
        Seis professores responderam a questão numa perspectiva voltada para a
formação cultural e profissional, que não é de forma nenhuma entendida aqui como
errônea ou desnecessária, mas unilateral.


Professor 5 “Proporcionar ao aluno a oportunidade de conhecer uma outra cultura,
expandindo seus conhecimentos.”


Professor 6 “ Conhecer outra cultura, ler livros ou assuntos abordados em língua
inglesa em blogs, revistas, preparar o aluno para o vestibular, etc”


Professor 7   “Em um     mundo globalizado, faz-se necessário cada vez mais um
aprendizado na língua inglesa, pois o inglês está presente em todos os locais.


Professor 8    “Além de possibilitar crescimento pessoal ao conhecer uma nova
cultura, é uma ferramenta indispensável no mercado de trabalho atual”


Professor 9 “A importância do ensino de língua inglesa vem crescendo devido a
diversos fatores: a exigência do mercado de trabalho, o grande avanço nos meios de
comunicação, as viagens internacionais entre outros.”


Professor 10 “ Com a globalização e o avanço da tecnologia é cada vez mais
necessário o aprendizado da língua inglesa para que o aluno tenha uma formação
mais ampla e condizente com a vida moderna”.


Nessa visão, o ensino permite uma formação que estimula o indivíduo a expandir
seus conhecimentos, de modo a promovê-lo na escala social bem como a sua
inserção nesse mundo globalizado. Entretanto, nessa questão não se percebe uma
preocupação em confrontar os aspectos socioculturais do seu próprio país e dos
países que falam LI. Sem dúvida, estabelecer esse contraste certamente vai
contribuir para a identificação do educando enquanto cidadão do mundo. Essa
23



observação coincide com o posicionamento de outros estudiosos que sugerem a
adoção de um procedimento mais interpretativo no qual a ênfase é dada à
compreensão e ao intercâmbio de informações. De acordo com Lima,




                             [...] ao invés de se concentrar no ensino de fatos sobre
                             determinado país de fala inglesa, talvez fosse aconselhável
                             adotar uma estratégia mais interpretativa, na qual fosse dada
                             ênfase à compreensão intercultural, por meio de comparação e
                             contraste da cultura do aprendiz com a cultura da língua-alvo.
                             ( LIMA, 2009, p.183)




       Quando questionados quanto à motivação dos alunos para aprender à língua
inglesa obteve-se a seguinte resposta:
        Os dez professores assinalaram no item “em parte” justificando a falta de
interesse por diferentes motivos:


Professor 1 “A motivação às vezes soa muito repleta de “imediatismos” sendo que
os alunos sentem-se apegados a uma música de um cantor, marcas de roupas etc.
esse conhecimento da língua estrangeira é o mais freqüente que buscam.”


Professor    2 “Há casos em que estudantes tem a habilidade natural e outros que
criam um bloqueio que impossibilita a aquisição.”


Professor 3 “Os alunos demonstram gostar da disciplina pela versatilidade que ela
apresenta, mas sentem-se “incapazes” de dominar a língua por não perceber a sua
importância no dia-a-dia.”


Professor   4 “Normalmente os alunos mais motivados são os das séries iniciais 5ª
e 6ª e também alguns alunos que têm mais contato com a internet.”


Professor 5 “Alguns já tem uma motivação natural ao participar das aulas de LE,
outros, por mais que se faça atividades diferentes, nunca estão motivados.”
Professor   6   “Os alunos do Ensino Fundamental II são mais motivados, mais
curiosos e acham engraçado a pronúncia de algumas palavras da Língua Inglesa.”
24




Professor 7 “A maioria dos alunos, não mostra interesse nenhum, alegando que
futuramente não precisarão da LI. Cabe ao professor mudar essa situação.”


Professor 8 “Alguns possuem uma motivação, pois se identificam com o idioma,
outros não têm maturidade suficiente para entender a importância de saber e/ou
dominar uma LE.”;


Professor      9 “Eles ainda não são capazes de perceber que o mundo atual não
permite que nos dediquemos apenas a nossa cultura. E que este idioma é um dos
mais falados no mundo.”


Professor      10 “Alguns poucos alunos se interessam pela língua inglesa, em geral
são aqueles que estão almejando uma boa profissão, que pretendem prestar
vestibular.”


     A primeira compreensão que se tem a partir das falas acima, é que, na visão do
professor, o aluno deve possuir uma motivação intrínseca. A escola não é
mencionada como um espaço responsável por oferecer uma dinâmica de ensino de
LI capaz de motivar o aluno a interessar-se por aprender uma LI, exceto pelo
professor 7 que afirmou “Cabe ao professor mudar essa situação.” Essa afirmação é
positiva, pois sinaliza para a reflexão da prática pedagógica, para a atenção que se
dá a disciplina LI no currículo e sua contextualização na proposta pedagógica da
escola.
    Entendemos que a motivação deve realmente partir do sujeito, e que os fatores
externos ajudam de modo decisivo, para que a motivação seja desenvolvida pelo
sujeito/aprendiz que se lança na aprendizagem de LI. No entanto, o que se observa
nos relatos da maioria dos professores é a crença de que             é do aluno a
responsabilidade única quanto ao desenvolvimento motivacional.
          É importante acrescentar ainda que aqueles que se sentem motivados
“almejando uma boa profissão, que pretendem prestar vestibular” não figuram como
regra, no contexto do ensino público, mas como exceção, e geralmente, são os
mesmos que se motivam em outras disciplinas também.
25



     Portanto, no que se refere à motivação pessoal do aluno, a escola nem sempre
vai encontrá-la visto que a desmotivação tem um alcance mais amplo: o aluno não
vê a educação como caminho para o seu crescimento integral enquanto cidadão. A
escola precisa ter esse papel conscientizar de que hoje não vivemos isolados, mas
em rede, e que o acontece nessa aldeia global afeta a todos.
     É preciso ressaltar também que a família figura como mola propulsora, quando
assume um papel motivador, e esses alunos certamente terão maiores chances de
desenvolver a aprendizagem, não apenas em língua inglesa, mas também em
outras disciplinas.
      Esses aprendizes, no entanto, representam uma minoria, o que nos sinaliza
para o desenvolvimento de procedimentos metodológicos e atitudinais que
contemplem os outros sujeitos/aprendizes (a maioria dos alunos) que não
apresentam a mesma motivação daqueles que se mostram afins com a LI e
almejam, a partir da aprendizagem de LI, um futuro profissional de sucesso. Nesse
sentido, a LI sem dúvida, precisa ser trabalhada de modo a alcançar a coletividade
da sala de aula onde sua prática ocorre.


        Quanto à questão “Quais as maiores dificuldades dos alunos em aprender
língua inglesa?”


     Das alternativas listadas seis das respostas apontaram as alternativas:
     “ Falta de interesse na disciplina”
     “ Falta de material.”


     Nenhum professor assinalou a alternativa:
     “Falta de empenho dos profissionais.”


Cinco assinalaram:
“Falta de estrutura nas escolas.”
E todos escolheram a alternativa referente à:
“Pouca carga horária da disciplina.”


      É sabido que os fatores apontados são importantes no desenvolvimento de
atividades de ensino de LI. Portanto, essas questões precisam ser discutidas
26



quando da construção de projeto pedagógico da escola, momento em que se
definem prioridades, com exceção da carga horária, pois a escola ainda não tem
autonomia para defini-la. Contudo, nenhum professor mencionou as dificuldades de
ordem comunicativa, lingüística ou discursiva, nem tão pouco citou como dificuldade
o desnível lingüístico das turmas ou ainda as habilidades que deixaram de ser
desenvolvidas na série anterior.


      Em relação aos recursos utilizados em sala como suporte para a metodologia
oito afirmaram utilizar músicas, dinâmicas, filmes, jogos, computador, textos de
acordo com a realidade do aluno. O professor 3 citou os recursos acima e também
a conversação. O professor 10, além dos recursos citados, criou um blog para
interagir com os alunos fora da sala de aula.
     Observa-se que mesmo tendo esses recursos como auxiliares na metodologia,
os alunos se não se sentem motivados para aprender a LI, como fora citado
anteriormente pelos educadores.
    No quesito método apenas o professor 4 declarou conhecer e utilizar como eixo
norteador das atividades    o Content Based Instruction, mas afirma que alia ao
método a perspectiva eclética.
    Outros sete afirmaram a opção por uma perspectiva eclética, uns alegando que
o público apresenta “diferentes perfis” ou que é preciso estar atento às necessidades
da turma e que só um método não satisfaz... “É necessário adequar a metodologia”.
Os demais afirmaram usar o método gramática-tradução e o método comunicativo.
O professor 3 enfatiza o método instrumental, priorizando a habilidade da leitura. O
professor 1 não justificou sua resposta.


       Percebe-se que a maioria das justificativas não elucidam em que aspecto o
método escolhido facilita ou dificulta o desenvolvimento das quatro habilidades
(ouvir,falar, ler e escrever). Como já fora mencionado, a carga horária não permite
dar atenção igual a todas as habilidades, sendo assim, necessário que o professor
pincele todas ou privilegie uma ou duas delas no desenvolvimento de sua proposta
de ensino.


    Na pergunta referente à utilização de textos de outras disciplinas nas aulas de
língua inglesa, obtivemos as seguintes respostas :
27




    Em oito dos questionários, as respostas asseveram que há a utilização de textos
de outras disciplinas nas aulas de língua inglesa. Em duas das respostas, no
entanto, afirmaram não usar esses textos e tão pouco justificaram a resposta.


     Quanto à pergunta “Qual a importância do ensino interdisciplinar nas aulas de
LI?” tivemos as respostas:


Professor     1 “Permite ao aluno ter um conhecimento integrado do mundo que o
rodeia e o habilita a ler textos que tratem do assunto dado e dessa forma, favorece a
compreensão e interpretação de textos.”


Professor 2 “Para comprovar a teoria da multiculturalidade.”


Professor 3 “Ajuda a estabelecer conexões as quais permitem ao aluno perceber
que a língua inglesa não é algo solto, desprovido de sentido em relação à sua
realidade.”


Professor 4 “É importante para que os conteúdos trabalhados em língua inglesa
sejam ou se tornem mais relevantes para os alunos.”


Professor 5 “O aluno pode perceber que LE não é uma disciplina isolada, mas que
se relaciona com outras matérias de forma intrínseca e interessante.”


Professor 6    “ Internalizar o conteúdo de maneira branda e agradável”


Professor 7 “É a forma dos alunos adquirir a LI a partir das leituras de assuntos
relacionados à língua inglesa.”


Professor 8 “Os alunos percebem o ensino/conhecimento como um “todo”
onde as disciplinas se complementam.”


Professor 9      “Contribui para a compreensão e produção através de estratégias
cognitivas como identificar, deduzir, comparar, memorizar.”
28




Professor 10       “Quando tratamos de assuntos conhecidos pelos alunos, eles se
sentem mais seguros e abertos a aprendizagem, além disso, reforça o aprendizado
dos conteúdos de uma maneira global.”
               Vê-se que há um reconhecimento por parte dos professores acerca da
importância da interação entre as disciplinas, entretanto generalizam o conceito de
interdisciplinaridade. Essa imprecisão evidencia que os textos são usados de
maneira superficial sem um objetivo a ser alcançado, apenas direcionando à
interpretação de textos. Na verdade, a interdisciplinaridade deveria ser entendida
como um meio de trabalhar não somente a leitura, mas também as outras
habilidades referentes ao ensino de LI, além de proporcionar o desenvolvimento de
habilidades sócio-formativas.
     Um planejamento interdisciplinar requer das áreas de conhecimento envolvidas
um ponto de convergência, ou seja, o assunto delimitado que vai ser explorado sob
diversos aspectos para que assim o aluno compreenda a relação existente entre os
conteúdos de diferentes disciplinas.


         As justificativas referentes às “dificuldades enfrentadas acerca da prática
interdisciplinar no ensino de LI”, foram listadas da seguinte forma:


“falta de tempo para se encontrar com o colega”;
“falta de colaboração dos colegas”;
“falta de um orientador pedagógico”;
“a impossibilidade de contextualizar o vocabulário estudado a assuntos de outras
disciplinas;
“material didático e desvalorização da disciplina”;
“carga horária; metodologia escola”;
“falta de apoio da escola;
“o aluno não ter base para ler sobre um determinado conteúdo de outra disciplina
em outro idioma”;


      Acerca da abordagem Content Based Instruction, sete afirmaram desconhecê-
la, dois disseram ter conhecimento, mas não utilizam-na em sala, e apenas um
afirmou misturar a abordagem a outros métodos de ensino de LI.            O que se
29



observa, nesse recorte de dez professores questionados, são as queixas acerca das
dificuldades encontradas no ensino de LI. E ainda que a interdisciplinaridade
definitivamente não é uma prática priorizada no currículo dessas escolas. Embora os
professores considerem-na importante, ela não se encontra solidificada cotidiano da
sala de aula, sob alegação de vários motivos.


      Percebe-se também que a metodologia é realmente diversificada, mas não
segue uma abordagem pedagógica bem definida que estimule o aluno ao
desenvolvimento de sua competência comunicativa.
30




                            CONSIDERAÇÕES FINAIS


    Nessa sociedade globalizada na qual vivemos, o conhecimento de uma Língua
Estrangeira é muito valorizado visto que é entendido como um requisito que leva o
educando a ascender na vida profissional. No entanto, é preciso               que esse
conhecimento seja compreendido em suas múltiplas faces, possibilitando ao sujeito
agir como um cidadão crítico, frente aos problemas da realidade.
     Essa concepção de ensino não condiz com um ensino fragmentado e isolado,
mas integrado de modo que as habilidades e competências desenvolvidas
possibilitem ao educando uma consciência intercultural. Nesse sentido, a
abordagem interdisciplinar colabora para um aprendizado de maneira mais ampla
que abarca os aspectos lingüístico, sociocultural, sócio-econômico.



                           [...] o ensino de língua estrangeira, reiteramos, não pode nem
                          ser nem ter um fim em si mesmo, mas precisa interagir com
                          outras disciplinas, encontrar interdependências, convergências,
                          de modo a que se restabeleçam as ligações de nossa realidade
                          complexa que os olhares simplificadores tentaram desfazer;
                          precisa, enfim, ocupar um papel diferenciado na construção
                          coletiva      do    conhecimento      e     na   formação    do
                          cidadão( ORIENTAÇÕES CURRICULARES, 2008, p.131)



        Desenvolver um ensino de LI, nessa perspectiva, exige dos educadores
abertura para mudança, compreendendo que este constitui-se num processo lento e
gradual em que serão construídas relações de sentidos com outras disciplinas, sem
no entanto, deixar de desenvolver as habilidades e competências que lhe são
pertinentes.
      É certo que a busca pelo novo vai propiciar uma modificação no modelo de
ensino, visto que, o educador será desafiado cotidianamente a avaliar sua prática
pedagógica, para que assim se certifique de que o seu trabalho              atende aos
objetivos de ensino de LI, e para isso o professor precisa ser um investigador, estar
em constante formação para assim adquirir a proficiência da língua estrangeira.
31



      Para que isso ocorra, é necessário que o educador se desvincule das
barreiras que o impedem de se articular com os colegas como fora citado nos
questionários da pesquisa.
      Não se pode refutar que os encontros, a pesquisa e a elaboração de material
adequado para o desenvolvimento dessas aulas implica muito tempo e o professor
nem sempre dispõe desse tempo em virtude da excessiva carga horária em uma,
duas ou até três escolas. Entretanto, os encontros pedagógicos da escola podem
ser uma alternativa para a elaboração de programa em que os conteúdos sejam
trabalhados de maneira integral, uma disciplina contribuindo com a outra, para a
construção de saber unificado.
      Sabe-se que para a efetivação dessa abordagem de ensino, é preciso
também    que   a   proposta     curricular   da   escola   seja   integrada,   elaborada
criteriosamente de modo que a seleção dos conteúdos esteja condizentes com a
necessidade dos educandos, que seja dialógica, oferecendo cada vez mais
condições para um ensino crítico e reflexivo.
32



                                  REFERÊNCIAS


BERTOLDO, Ernesto S. Leitura e produção oral no contexto de formação de
professores de língua estrangeira. In: CARVALHO, Regina Célia de; LIMA,
Paschoal, (Org.).Leitura e Múltiplos Olhares. Campinas, SP: Mercado de letras,
2005. p. 111-151.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Orientações
curriculares para o ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias.
Brasília: MEC, 2008.


BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica.
Parâmetros Curriculares Nacionais, Códigos e suas Tecnologias. Língua
Estrangeira Moderna. Brasília: MEC, 2002.


BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental, Parâmetros curriculares
nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental, Língua estrangeira.
Brasília: MEC/SEF, 1998.


BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental, Parâmetros curriculares
nacionais: ensino de primeira à quarta série, língua portuguesa. Brasília: MEC,
1997.

CRUZ, Giêdra Ferreira da. O papel do centro de aprendizagem autônoma de línguas
estrangeiras no desenvolvimento da autonomia dos alunos de letras. In: LIMA,
Diógenes Cândido de (org.). Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas
com especialistas. São Paulo:Parábola, 2009. p.59-68.


FAZENDA, Ivani. Interdisciplinaridade: definição, projeto, pesquisa.
In:____. Práticas Interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortez Editora, 1993. p.
15-18.

GERALDI, João Wanderley. O ensino e as diferentes instâncias de uso da
linguagem. In:____. Linguagem e ensino: exercícios de militância e divulgação.
Campinas:SP. Mercado das letras, 1996. p. 27-45.


JORGE, Miriam Lúcia dos Santos. Preconceito contra o ensino de língua estrangeira
na rede pública. In: LIMA, Diógenes Cândido de (org.). Ensino e aprendizagem de
língua inglesa: conversas com especialistas. São Paulo: Parábola, 2009. p. 161-
168.
33



LIMA, Diógenes Cândido de .O ensino de língua inglesa e a questão cultural.
In________. Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas com
especialistas. São Paulo: Parábola, 2009. p. 179 - 189.

LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and Principles in Language Teaching. Hong
Kong: Oxford University Press, 2000.


LUCK, Heloísa. Pedagogia Interdisciplinar: fundamentos teórico-metodológicos.
15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.


MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Oficina de LInguística Aplicada: a natureza e
educacional dos processos de ensino/aprendizagem em línguas. São Paulo:
Mercado das letras, 1996.


STOLLER, Fredick L. Project Work: A Means To Promote Language and Content. In:
RICHARDS, jack C.; RENANDYA, Willy A. Methodology in Language Teaching.
Cambridge, 2002, p. 107-119.


VILAÇA, Márcio Luiz Corrêa. Métodos de Ensino de Línguas Estrangeiras:
fundamentos, críticas e ecletismo. Disponível em:
<http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/diadia/arquivos/File/con. pdfII>
Número XXVI. Acesso: 14 dez. 2009.
34



                                             APÊNDICE




                                 Questionário para professores


1. Escola_____________________________________________________

(   ) Pública                (    ) Particular

2. Grau de formação:

(    ) graduação          ( ) pós- graduação (  ) graduando
(   ) Outros ___________________________________________________

3. Qual a série que leciona?

(   ) 5ª         (   ) 6ª         (   ) 7ª       (      ) 8ª

(   ) 1º ano          (      ) 2º            (   ) 3º


4. Qual a importância do ensino de Língua Inglesa no currículo?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

5.Você percebe que os alunos se sentem motivados em aprender a língua inglesa?

(   ) Sim            (      ) Não            (   ) Em parte

Justifique sua resposta
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

6. Quais são as maiores dificuldades dos alunos em aprender língua inglesa?

(    ) Falta de interesse na disciplina

(   ) Falta de material (dicionário, livros, etc.)

(   ) Falta de empenho dos professores

(   ) Falta de estrutura nas escolas (acústica boa, laboratório de línguas, vídeo, etc.)
35



(   ) Pouca carga horária da disciplina

( ) Outros
___________________________________________________________

7. Quais os recursos você utiliza para motivar seus alunos durante as aulas?

( ) músicas                ( ) computador             ( ) teatro

( ) filmes                 ( ) textos de acordo com a realidade do aluno.

(   ) jogos                ( ) Dinâmicas

( ) outros___________________________________________________

8. Quais são os métodos que você utiliza nas aulas de língua inglesa?

( ) Método de Gramática e tradução          ( ) Método Comunicativo

( ) Content Based Instruction               ( ) Segue uma perspective eclética

Justifique sua resposta

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

9. Você trabalha textos de outras disciplinas nas aulas de língua inglesa?

( ) Sim              (    ) Não

Quais: __________________________________________________________

10. Qual a importância do ensino interdisciplinar nas aulas de língua inglesa?

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

11. Quais dificuldades o professor enfrenta para a prática interdisciplinar no ensino
de língua inglesa?

___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

12. Você conhece a abordagem Content Based Instruction?

( ) Sim          (   ) Não
36



13. Você aplica essa abordagem na sala de aula?

( ) Sim           (   )Não

Por quê?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

14. Quais desses métodos contribuem para melhorar a aprendizagem dos alunos
nas aulas de língua inglesa?

(    ) Método da gramática e tradução (AGT)

(   ) Abordagem direta ou método direto

(   ) Abordagem para leitura ou método da leitura

(   ) Método áudio-lingual

(   ) Abordagem comunicativa

(   ) Task-based Instruction ( tarefas)

(   ) Content Based Instruction

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias 1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdfAvaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
Prof Barbosa
 
Como funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoComo funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetização
Roxana Alhadas
 
Memorial concurso docente ufba
Memorial   concurso docente ufbaMemorial   concurso docente ufba
Memorial concurso docente ufba
Rafael Marinho
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Vânia Oliveira
 
1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem
Alba Mate Mate
 
A importância da argumentação
A importância da argumentaçãoA importância da argumentação
A importância da argumentação
Paulo Gomes
 
Memorial acadêmico
Memorial acadêmicoMemorial acadêmico
Memorial acadêmico
CNSR
 
Resenha de filme pdf
Resenha de filme   pdfResenha de filme   pdf
Resenha de filme pdf
familiaestagio
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Direitos da mulher
Direitos da mulherDireitos da mulher
Direitos da mulher
bejr
 
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBTCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Ana Mara Oliveira de Sousa
 
Pré-Projeto de Pesquisa
Pré-Projeto de PesquisaPré-Projeto de Pesquisa
Pré-Projeto de Pesquisa
Jose Arnaldo Silva
 
Cultura de paz e o cotidiano escolar
Cultura de paz e o cotidiano escolarCultura de paz e o cotidiano escolar
Cultura de paz e o cotidiano escolar
Guaraciara Lopes
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Aula 04   Bases Moleculares da VidaAula 04   Bases Moleculares da Vida
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Hamilton Nobrega
 
Modelo artigo técnico publicação
Modelo artigo técnico publicaçãoModelo artigo técnico publicação
Modelo artigo técnico publicação
Elmo Dutra Filho
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Gerdian Teixeira
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
megainfoin
 

Mais procurados (20)

1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias 1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
1 - Jean Piaget - Histórias e suas Teorias
 
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdfAvaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
Avaliacao da-aprendizagem-escolar-cipriano-luckesi-pdf
 
Como funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoComo funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetização
 
Memorial concurso docente ufba
Memorial   concurso docente ufbaMemorial   concurso docente ufba
Memorial concurso docente ufba
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem
 
A importância da argumentação
A importância da argumentaçãoA importância da argumentação
A importância da argumentação
 
Memorial acadêmico
Memorial acadêmicoMemorial acadêmico
Memorial acadêmico
 
Resenha de filme pdf
Resenha de filme   pdfResenha de filme   pdf
Resenha de filme pdf
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Direitos da mulher
Direitos da mulherDireitos da mulher
Direitos da mulher
 
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPBTCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
TCC: Introdução, Revisão da Literatura e Objetivos - Profa. Rilva Muñoz - UFPB
 
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
Slides Tendência Pedagógica Renovada Progressivista
 
Pré-Projeto de Pesquisa
Pré-Projeto de PesquisaPré-Projeto de Pesquisa
Pré-Projeto de Pesquisa
 
Cultura de paz e o cotidiano escolar
Cultura de paz e o cotidiano escolarCultura de paz e o cotidiano escolar
Cultura de paz e o cotidiano escolar
 
Pedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomiaPedagogia da autonomia
Pedagogia da autonomia
 
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
Aula 04   Bases Moleculares da VidaAula 04   Bases Moleculares da Vida
Aula 04 Bases Moleculares da Vida
 
Modelo artigo técnico publicação
Modelo artigo técnico publicaçãoModelo artigo técnico publicação
Modelo artigo técnico publicação
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Resenha acadêmica
Resenha acadêmicaResenha acadêmica
Resenha acadêmica
 

Destaque

O Eniso de Literatura e sua aprendizagem na sala de aula de Lígua Inglesa
O Eniso de Literatura e sua aprendizagem na sala de aula de Lígua InglesaO Eniso de Literatura e sua aprendizagem na sala de aula de Lígua Inglesa
O Eniso de Literatura e sua aprendizagem na sala de aula de Lígua Inglesa
UNEB
 
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomiaO Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
UNEB
 
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
UNEB
 
Artigo tcc conclusão letras inglês
Artigo tcc   conclusão letras inglêsArtigo tcc   conclusão letras inglês
Artigo tcc conclusão letras inglês
Alexandre Dourado
 
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira BatistaTCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
Tiago Batista
 
Speaking abilities fatores motivacionais para a expressão oral do li 6º ano d...
Speaking abilities fatores motivacionais para a expressão oral do li 6º ano d...Speaking abilities fatores motivacionais para a expressão oral do li 6º ano d...
Speaking abilities fatores motivacionais para a expressão oral do li 6º ano d...
UNEB
 
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
UNEB
 
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de OliveiraMonografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
UNEB
 
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho SantosMonografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
UNEB
 
Acesso Remoto Portal de Periódicos Capes
Acesso Remoto Portal de Periódicos CapesAcesso Remoto Portal de Periódicos Capes
Acesso Remoto Portal de Periódicos Capes
BibliotecaUfes
 
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva FerreiraMonografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
UNEB
 
Uma nova forma de pensar a escola, a partir da Revolução Digital
Uma nova forma de pensar a escola, a partir da Revolução DigitalUma nova forma de pensar a escola, a partir da Revolução Digital
Uma nova forma de pensar a escola, a partir da Revolução Digital
Carlos Nepomuceno (Nepô)
 
01 interdisciplinaridade em língua inglesa -6 -final
01  interdisciplinaridade em língua inglesa -6 -final01  interdisciplinaridade em língua inglesa -6 -final
01 interdisciplinaridade em língua inglesa -6 -final
ivetisbm
 
A leitura em sala de aula de língua inglesa2
A leitura em sala de aula de língua inglesa2A leitura em sala de aula de língua inglesa2
A leitura em sala de aula de língua inglesa2
UNEB
 
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira RamosMonografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
UNEB
 
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
UNEB
 
Oficina de história oral
Oficina de história oralOficina de história oral
Oficina de história oral
Fernando Caetano
 
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesaO papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
UNEB
 
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
UNEB
 
O estrangeirismo
O estrangeirismoO estrangeirismo
O estrangeirismo
UNEB
 

Destaque (20)

O Eniso de Literatura e sua aprendizagem na sala de aula de Lígua Inglesa
O Eniso de Literatura e sua aprendizagem na sala de aula de Lígua InglesaO Eniso de Literatura e sua aprendizagem na sala de aula de Lígua Inglesa
O Eniso de Literatura e sua aprendizagem na sala de aula de Lígua Inglesa
 
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomiaO Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
O Ensino de Lígua Inglesa nas Escolas Públicas e a construção da autonomia
 
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
 
Artigo tcc conclusão letras inglês
Artigo tcc   conclusão letras inglêsArtigo tcc   conclusão letras inglês
Artigo tcc conclusão letras inglês
 
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira BatistaTCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
TCC Letras Português/Inglês UNIUBE Tiago Pereira Batista
 
Speaking abilities fatores motivacionais para a expressão oral do li 6º ano d...
Speaking abilities fatores motivacionais para a expressão oral do li 6º ano d...Speaking abilities fatores motivacionais para a expressão oral do li 6º ano d...
Speaking abilities fatores motivacionais para a expressão oral do li 6º ano d...
 
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
 
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de OliveiraMonografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
 
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho SantosMonografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
 
Acesso Remoto Portal de Periódicos Capes
Acesso Remoto Portal de Periódicos CapesAcesso Remoto Portal de Periódicos Capes
Acesso Remoto Portal de Periódicos Capes
 
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva FerreiraMonografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
 
Uma nova forma de pensar a escola, a partir da Revolução Digital
Uma nova forma de pensar a escola, a partir da Revolução DigitalUma nova forma de pensar a escola, a partir da Revolução Digital
Uma nova forma de pensar a escola, a partir da Revolução Digital
 
01 interdisciplinaridade em língua inglesa -6 -final
01  interdisciplinaridade em língua inglesa -6 -final01  interdisciplinaridade em língua inglesa -6 -final
01 interdisciplinaridade em língua inglesa -6 -final
 
A leitura em sala de aula de língua inglesa2
A leitura em sala de aula de língua inglesa2A leitura em sala de aula de língua inglesa2
A leitura em sala de aula de língua inglesa2
 
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira RamosMonografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
 
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
A construção da autonomia no processo de aprendizagem de Língua Inglesa na es...
 
Oficina de história oral
Oficina de história oralOficina de história oral
Oficina de história oral
 
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesaO papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
O papel do professor na motivação dos alunos no ensino de língua inglesa
 
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
 
O estrangeirismo
O estrangeirismoO estrangeirismo
O estrangeirismo
 

Semelhante a O ensino interdisciplinar de lingua inglesa

A leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesaA leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesa
UNEB
 
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
UNEB
 
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos OliveiraMonografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
UNEB
 
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão interculturalEnsino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
UNEB
 
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVAMONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
UNEB
 
A utilização da leitura instrumental como ferramenta principal na aprendizage...
A utilização da leitura instrumental como ferramenta principal na aprendizage...A utilização da leitura instrumental como ferramenta principal na aprendizage...
A utilização da leitura instrumental como ferramenta principal na aprendizage...
UNEB
 
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira PereiraMonografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
UNEB
 
Monografia urca 2009
Monografia urca 2009Monografia urca 2009
Monografia urca 2009
Izabel Maria de Matos
 
Monografia urca 2009
Monografia urca 2009Monografia urca 2009
Monografia urca 2009
Izabel Maria de Matos
 
Izabel maria de matos monografia sobre linguística
Izabel maria de matos monografia sobre linguísticaIzabel maria de matos monografia sobre linguística
Izabel maria de matos monografia sobre linguística
Izabel Maria de Matos
 
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
Hellen Dias
 
A pesquisa ação na sala de aula de língua inglesa
A pesquisa ação na sala de aula de língua inglesaA pesquisa ação na sala de aula de língua inglesa
A pesquisa ação na sala de aula de língua inglesa
UNEB
 
Monografia Marina pedagogia 2010
Monografia Marina pedagogia 2010Monografia Marina pedagogia 2010
Monografia Marina pedagogia 2010
Biblioteca Campus VII
 
Teste
TesteTeste
Projeto PIBID
Projeto PIBIDProjeto PIBID
Projeto PIBID
Beto Batis
 
carlaconti,+RELATÓRIO+DE+ESTÁGIO+DE+OBSERVAÇÃO.pdf
carlaconti,+RELATÓRIO+DE+ESTÁGIO+DE+OBSERVAÇÃO.pdfcarlaconti,+RELATÓRIO+DE+ESTÁGIO+DE+OBSERVAÇÃO.pdf
carlaconti,+RELATÓRIO+DE+ESTÁGIO+DE+OBSERVAÇÃO.pdf
CristviaFerreira
 
Boas práticas de língua inglesa na escola pública
Boas práticas de língua inglesa na escola públicaBoas práticas de língua inglesa na escola pública
Boas práticas de língua inglesa na escola pública
erikavivih
 
Webquest e aprendizagem comunicativa de língua estrangeira
Webquest e aprendizagem comunicativa de língua estrangeiraWebquest e aprendizagem comunicativa de língua estrangeira
Webquest e aprendizagem comunicativa de língua estrangeira
UNEB
 
Interdisciplinaridade em língua inglesa
Interdisciplinaridade em língua inglesaInterdisciplinaridade em língua inglesa
Interdisciplinaridade em língua inglesa
ivetisbm
 
Estrangeirismo
EstrangeirismoEstrangeirismo
Estrangeirismo
UNEB
 

Semelhante a O ensino interdisciplinar de lingua inglesa (20)

A leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesaA leitura em sala de aula de língua inglesa
A leitura em sala de aula de língua inglesa
 
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
 
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos OliveiraMonografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
 
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão interculturalEnsino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
 
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVAMONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
 
A utilização da leitura instrumental como ferramenta principal na aprendizage...
A utilização da leitura instrumental como ferramenta principal na aprendizage...A utilização da leitura instrumental como ferramenta principal na aprendizage...
A utilização da leitura instrumental como ferramenta principal na aprendizage...
 
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira PereiraMonografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
 
Monografia urca 2009
Monografia urca 2009Monografia urca 2009
Monografia urca 2009
 
Monografia urca 2009
Monografia urca 2009Monografia urca 2009
Monografia urca 2009
 
Izabel maria de matos monografia sobre linguística
Izabel maria de matos monografia sobre linguísticaIzabel maria de matos monografia sobre linguística
Izabel maria de matos monografia sobre linguística
 
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
O ensino aprendizagem de língua inglesa no curso de graduação de letras da un...
 
A pesquisa ação na sala de aula de língua inglesa
A pesquisa ação na sala de aula de língua inglesaA pesquisa ação na sala de aula de língua inglesa
A pesquisa ação na sala de aula de língua inglesa
 
Monografia Marina pedagogia 2010
Monografia Marina pedagogia 2010Monografia Marina pedagogia 2010
Monografia Marina pedagogia 2010
 
Teste
TesteTeste
Teste
 
Projeto PIBID
Projeto PIBIDProjeto PIBID
Projeto PIBID
 
carlaconti,+RELATÓRIO+DE+ESTÁGIO+DE+OBSERVAÇÃO.pdf
carlaconti,+RELATÓRIO+DE+ESTÁGIO+DE+OBSERVAÇÃO.pdfcarlaconti,+RELATÓRIO+DE+ESTÁGIO+DE+OBSERVAÇÃO.pdf
carlaconti,+RELATÓRIO+DE+ESTÁGIO+DE+OBSERVAÇÃO.pdf
 
Boas práticas de língua inglesa na escola pública
Boas práticas de língua inglesa na escola públicaBoas práticas de língua inglesa na escola pública
Boas práticas de língua inglesa na escola pública
 
Webquest e aprendizagem comunicativa de língua estrangeira
Webquest e aprendizagem comunicativa de língua estrangeiraWebquest e aprendizagem comunicativa de língua estrangeira
Webquest e aprendizagem comunicativa de língua estrangeira
 
Interdisciplinaridade em língua inglesa
Interdisciplinaridade em língua inglesaInterdisciplinaridade em língua inglesa
Interdisciplinaridade em língua inglesa
 
Estrangeirismo
EstrangeirismoEstrangeirismo
Estrangeirismo
 

Mais de UNEB

TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de OliveiraTCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
UNEB
 
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo GiovaneTCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
UNEB
 
TCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges AlvesTCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges Alves
UNEB
 
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento PereiraTCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
UNEB
 
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís AselmoTCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
UNEB
 
Memorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira SantosMemorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira Santos
UNEB
 
TCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira SantosTCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira Santos
UNEB
 
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da SilvaTCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
UNEB
 
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva FerrazMonografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
UNEB
 
Monografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima OliveiraMonografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima Oliveira
UNEB
 
Monografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana MirandaMonografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana Miranda
UNEB
 
1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde
UNEB
 
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas hélio pereira barreto
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas   hélio pereira barretoA crítica orwelliana aos regimes totalitaristas   hélio pereira barreto
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas hélio pereira barreto
UNEB
 
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
UNEB
 
Tcc eliane almeida
Tcc eliane almeidaTcc eliane almeida
Tcc eliane almeida
UNEB
 
TCC: As expressões idiomáticas: Histórico e uso contidiano social - Adriana B...
TCC: As expressões idiomáticas: Histórico e uso contidiano social - Adriana B...TCC: As expressões idiomáticas: Histórico e uso contidiano social - Adriana B...
TCC: As expressões idiomáticas: Histórico e uso contidiano social - Adriana B...
UNEB
 
Tcc i adriana final oficial
Tcc i adriana final oficialTcc i adriana final oficial
Tcc i adriana final oficial
UNEB
 

Mais de UNEB (17)

TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de OliveiraTCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
 
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo GiovaneTCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
 
TCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges AlvesTCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges Alves
 
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento PereiraTCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
 
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís AselmoTCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
 
Memorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira SantosMemorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira Santos
 
TCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira SantosTCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira Santos
 
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da SilvaTCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
 
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva FerrazMonografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
 
Monografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima OliveiraMonografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima Oliveira
 
Monografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana MirandaMonografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana Miranda
 
1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde
 
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas hélio pereira barreto
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas   hélio pereira barretoA crítica orwelliana aos regimes totalitaristas   hélio pereira barreto
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas hélio pereira barreto
 
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
 
Tcc eliane almeida
Tcc eliane almeidaTcc eliane almeida
Tcc eliane almeida
 
TCC: As expressões idiomáticas: Histórico e uso contidiano social - Adriana B...
TCC: As expressões idiomáticas: Histórico e uso contidiano social - Adriana B...TCC: As expressões idiomáticas: Histórico e uso contidiano social - Adriana B...
TCC: As expressões idiomáticas: Histórico e uso contidiano social - Adriana B...
 
Tcc i adriana final oficial
Tcc i adriana final oficialTcc i adriana final oficial
Tcc i adriana final oficial
 

O ensino interdisciplinar de lingua inglesa

  • 1. 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO - CAMPUS XIV CRISTIANE SOUZA ANDRADE O ENSINO INTERDISCIPLINAR DE LÍNGUA INGLESA Conceição do Coité 2011
  • 2. 2 CRISTIANE SOUZA ANDRADE O ENSINO INTERDISCIPLINAR DE LÍNGUA INGLESA Monografia apresentada à Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação, Campus XIV, como requisito final à conclusão do Curso de Letras com Habilitação em Língua Inglesa. Orientador: Raulino Batista Figueiredo Neto . Conceição do Coité 2011
  • 3. 3 CRISTIANE SOUZA ANDRADE Monografia apresentada à Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação, Campus XIV, como requisito final à conclusão do Curso de Letras com Habilitação em Língua Inglesa. Orientador: Raulino Batista Figueiredo Neto . Aprovada em: ___/___/___ Banca examinadora _______________________________ Raulino Batista Figueiredo Neto Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV _________________________________________ Neila Maria Oliveira Santana Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV _________________________________________ Fernando Sodré Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV Conceição do Coité 2011
  • 4. 4 Dedico este trabalho a Deus, que por tantas vezes me sustentou nos momentos de desânimo, iluminando-me com sua graça. A minha família, principalmente minha irmã, pelo incentivo e paciência na elaboração deste trabalho, porque sem apoio deles não teria chegado até aqui. Minha gratidão. O meu professor Raulino Batista Figueiredo Neto, pelo empenho, dedicação, competência, e por ter acreditado no meu trabalho. Meu reconhecimento.
  • 5. 5 RESUMO Este trabalho tem como objetivo observar a importância do ensino de Língua Inglesa no currículo e apresentar a interdisciplinaridade como suporte da abordagem Content-Based Instruction, a qual atuará de modo a auxiliar para um ensino mais crítico e integral do educando. A questão que conduziu essa investigação partiu das observações feitas nas escolas públicas de Conceição do Coité-Ba cuja prática pedagógica prioriza o Método Gramática e Tradução que não estimula o aluno a desenvolver sua competência comunicativa em Língua Inglesa. Palavras-chave: Língua Inglesa. Ensino. Prática Pedagógica. Interdisciplinaridade.
  • 6. 6 ABSTRACT This work aims to observe the importance of the English language teaching in the curriculum and present an interdisciplinary approach with the support of the Content- Based Instruction, which will work as a means to support a more critical and comprehensive teaching to the student . The question that conducted this research came from the observations made in public schools in the city of Conceição do Coité - Ba whose practice emphasizes the pedagogical grammar and the translation method, a process that does not encourage students to develop their communicative competence in the English language. Keywords: English Language. Teaching.Teaching Practice. Interdisciplinary.
  • 7. 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO......................................................................................................7 CAPÍTULO I 1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 1.1 O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NO CURRÍCULO ........................9 1.2 A INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE LE.....................................11 1.3 CONTENT BASED E A INTERDISCIPLINARIDADE..................................16 CAPÍTULO II 2 METODOLOGIA..............................................................................................18 CAPÍTULO III 3 ANÁLISE DE DADOS.....................................................................................20 CONSIDERAÇÕES FINAIS...............................................................................29 REFERÊNCIAS..................................................................................................31 APÊNDICE.........................................................................................................33
  • 8. 8 INTRODUÇÃO O presente trabalho traz reflexões sobre uma proposta para o ensino de LI (língua inglesa) em uma perspectiva interdisciplinar, proposta esta que encontra suporte na abordagem CBI-Content-Based Instruction que enfatiza a contextualização do ensino de língua inglesa através da interdisciplinaridade, visto que esta permite um trabalho integrado dos conteúdos das diversas áreas de conhecimento. Desse modo, a LI seria usada como meio de comunicação e não como objeto de estudo no qual destaca-se um trabalho quase sempre gramatical, nos moldes como é geralmente explorada no contexto de sala de aula. Esse trabalho teve como ponto de partida as inquietações e discussões travadas nas interações em sala de aula, durante o II semestre do curso de Letras com habilitação em Língua Inglesa, e as observações realizadas em uma escola pública de Conceição do Coité, no decorrer do Estágio Supervisionado I, de maio até julho de 2009. Tais momentos se converteram em uma oportunidade de confirmar que a prática pedagógica dos professores de LI ainda se encontra centrada no método tradicional – gramática e tradução. Sabe-se, entretanto, que essa prática é pouco eficiente, haja vista o número elevado de estudantes que concluem o Ensino Médio sem ter desenvolvida a habilidade comunicativa em língua inglesa. Há duas hipóteses que justificam os resultados pouco satisfatórios: a primeira diz respeito ao notório desinteresse dos alunos nas atividades em sala de aula, provavelmente associado às reais situações sociais nas quais estão inseridos. A segunda refere-se ao método gramática-tradução, como uma alternativa para se alcançar os objetivos do ensino de uma segunda língua. Entretanto, vale ressaltar que os alunos de escolas públicas, em sua maioria, vivem num difícil contexto social que muitas vezes não lhes permitem enxergar o sentido de se aprender uma segunda língua em virtude das poucas oportunidades, que lhe são oferecidas, de ingressarem no mercado de trabalho. Essa questão pode ser melhor entendida a partir da compreensão da escola pública como uma instituição social que acolhe indivíduos oriundos das mais diferentes classes sociais. Logo, pressupõe-se que a escola não pode deixar de preencher cada vez mais o requisito da formação do sujeito, considerando os vários
  • 9. 9 aspectos – históricos, culturais, sociais e cognitivos - que influenciam no seu aprendizado, contribuindo assim para uma formação mais completa e cidadã. Acredita-se que o caminho seja a reformulação da prática pedagógica, conscientizando o aluno da importância do desenvolvimento não apenas de habilidades gramaticais, de modo a valorizar durante o processo ensino- aprendizagem, situações reais de comunicação da língua em diferentes contextos, procedimento este que deve estar embasado em uma concepção de língua mais voltada para a diversidade discursiva que permeia o mundo no qual está inserido o educando. E nesse ponto, a leitura de diferentes textos que circulam na mídia e de textos de outras disciplinas podem contribuir para um aprendizado mais dinâmico e contextualizado, levando o aluno a uma aprendizagem significativa e crítica. Esta primeira parte da monografia está subdividida em três tópicos: A importância do ensino de LI no currículo para formação cultural e intelectual do sujeito; A interdisciplinaridade no ensino de LE como um instrumento eficaz para construção do saber mais integrado e significativo para o educando; A abordagem Contet Based Instruction que utiliza textos de outras disciplinas na aprendizagem da língua alvo. Os principais teóricos que embasaram essa revisão bibliográfica foram Fazenda(1993), Luck(2007) e os PCNs. De acordo com Moita Lopes(1996), a pesquisa desenvolvida nesse trabalho é de natureza etnográfica, cujo foco é colocado na investigação de uma possibilidade de se modificar a situação existente em sala de aula.
  • 10. 10 CAPÍTULO I FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 1.1 O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NO CURRÍCULO Dentre os princípios que norteiam a educação moderna, encontra-se o de aprender a interagir com diferentes situações e culturas. Assim, entende-se que é preciso que a escola esteja atenta no sentido de promover um espaço interativo, buscando promover uma educação em que se desenvolvam atividades referentes aos saberes necessários a cada área de conhecimento sem, no entanto desvincular desse processo as identidades culturais, sociais, históricas, ideológicas. Estreitar a relação entre conteúdo e contexto possibilita uma mudança na perspectiva de ensino, desperta no educando a importância de ser aprendiz, resultando no enriquecimento da sua formação enquanto ser social. O ensino de Línguas Estrangeiras tem adquirido cada vez mais importância no currículo das escolas de Ensino Fundamental e Médio. Asseguradas pela LDB, encontram-se, atualmente, incluídas na área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Assim sendo, tornaram-se parte integrante do leque de conhecimentos indispensáveis à vida dos estudantes uma vez que o currículo tem buscado adaptar- se cada vez mais às demandas da sociedade globalizada. Compreendidas como um sistema simbólico, característica de qualquer linguagem, as Línguas Estrangeiras figuram como meio de acesso ao conhecimento, proporcionando ao indivíduo uma formação mais ampla, pois além do conhecimento de uma nova cultura, proporciona a construção de uma consciência crítica sobre sua própria cultura. De acordo com os PCN: O aprendizado de idiomas estrangeiros deve propiciar que o aluno perceba as possibilidades de ampliação de suas interações com os outros. Este aprendizado, contudo, não deve constituir processo de desvinculação cultural; pelo contrário, é reforçador de trocas culturais enriquecedoras e necessárias para a construção da própria identidade. (PCN, 2002, p.100)
  • 11. 11 Ao se discutir a inclusão do ensino de uma língua estrangeira no currículo, não raro, tem-se como argumento o fato de que ela se constitui numa exigência de mercado, essa concepção revela uma visão realista e pragmática do ensino, contudo, é preciso ampliá-la, pois além de corresponder às demandas do momento, norteadas pelo modelo econômico e cultural da globalização, ela possibilita ao indivíduo o diálogo com outras culturas sem que necessariamente anule ou desvalorize a sua própria, pelo contrário, o educando estará ampliando seus horizontes culturais bem como a sua capacidade crítica de compreender melhor sua realidade e as dos outros que o cercam através do conhecimento lingüístico. Seguindo essa perspectiva, Jorge afirma que O caráter educativo do ensino de uma LE está nas possibilidades que o aluno pode ter de se tornar mais consciente da diversidade que constitui o mundo. As múltiplas possibilidades de ser diferente, seja pela cultura, seja pelas identidades individuais, podem fazer com que o indivíduo se torne mais consciente de si próprio, em relação a seu contexto local e ao contexto global. (JORGE, 2009, p.163) Nessa perspectiva, cabe a escola assegurar um ensino de qualidade que contribua na vida do educando para que este possa exercer a sua cidadania com autonomia, avaliando melhor o seu contexto social, comparando-o a outras culturas. O ensino de língua estrangeira pressupõe a compreensão da linguagem tanto do ponto vista teórico quanto do seu uso nas diversas situações no contexto social do indivíduo. É por meio da linguagem que ele interage construindo significados. Essa interação com o outro se dá por meio do discurso sendo necessário considerar as condições de uso, atentando para o fato de que os discursos denotam ideologias e visões diferentes do mundo. Portanto, O estudo e o ensino de uma língua não podem, neste sentido, deixar de considerar – como se fossem pertinentes – as diferentes instâncias sociais, pois os processos interlocutivos se dão no interior das múltiplas e complexas instituições de uma dada formação social. A língua, enquanto produto desta história e enquanto condição de produção da história presente
  • 12. 12 vem marcada pelos seus usos e pelos espaços sociais destes usos.(GERALDI, 1996, p.28) Inserir no universo da sala de aula diferentes situações de comunicação através da leitura e compreensão de textos verbais orais e escritos, estimular o aluno a buscar novas informações fora da sala de aula, contribuirá para que o aluno construa seu próprio conhecimento no idioma estrangeiro. Segundo os PCN, Ainda que em situação de simulação, a mobilização de competências e habilidades para as atividades de uso do idioma – ler manuais de instrução, resolver questões de vestibular, solicitar e fornecer informações, entender uma letra de música, interpretar o anúncio de um emprego, traduzir um texto, escrever um bilhete, redigir um e-mail, entre outras – deve ocorrer por meio de procedimentos intencionais de sala de aula. (PCN, 2002, p. 94) Portanto, os conteúdos programáticos de língua estrangeira devem estar voltados para o desenvolvimento das competências e habilidades, buscando preparar o aluno para utilizar a linguagem nos níveis de competência interativa, gramatical e textual. Para Bertoldo: [...] o objetivo principal de quem ensina uma LE é o de levar o aluno a ler, escrever, falar e ouvir de maneira satisfatória, de tal forma que esse aluno atenda às exigências mínimas de um perfil de sujeito considerado fluente na língua alvo. (BERTOLDO, 2005, p.112) Desse modo, o aluno vai além das aulas de gramática, passando a compreender a língua estrangeira como um meio eficaz de interação e de conhecimento. 1.2 A INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE LE Num contexto em que é preciso integrar para melhor construir um conhecimento mais global, faz-se imprescindível a elaboração de um planejamento
  • 13. 13 coletivo com vistas a desenvolver uma prática interdisciplinar de maneira que atenda aos objetivos específicos das disciplinas e também aos aspectos que se referem à formação cidadã, pois os educandos vivem inseridos em uma sociedade diversa e em constante transformação. Nessa perspectiva, a interdisciplinaridade torna-se uma ferramenta eficaz na construção desse saber integrado, permitindo ao aluno compreender que as áreas de estudo possuem características específicas, mas que se complementam. Esse ponto de convergência entre as áreas do conhecimento é muito importante para a construção de um saber mais amplo e integrado. Luck afirma que [...] para o desenvolvimento da interdisciplinaridade, é fundamental que haja diálogo, engajamento, participação dos professores, na construção de um projeto comum voltado para a superação da fragmentação do ensino e de seu processo pedagógico. ( LUCK, 2007, p. 80) O argumento acima denota que a construção de uma prática interdisciplinar requer do educador uma percepção da diferença, a confirmação da incompletude, e ao mesmo tempo necessidade de se encontrar o lugar comum. Experimentar esse diálogo entre as disciplinas constitui-se numa proposta de um ensino que tem ganhado força por se acreditar que assim se dê ao aluno a oportunidade de uma formação integrada em que os conteúdos sejam trabalhados de maneira mais articulada, permitindo uma construção do conhecimento mais significativa para o aluno. O Content-Based Instruction é uma abordagem de ensino que objetiva essa contextualização do ensino de Língua Inglesa a partir do viés interdisciplinar. Essa abordagem pode levar os alunos a atingir uma aprendizagem significativa tanto no âmbito escolar quanto no social, pois os estudantes são envolvidos em situações-problema que devem ser solucionadas pelos mesmos. O conteúdo de outras disciplinas é usado na língua alvo, provocando assim o caráter interdisciplinar, encorajando o educando a dividir informações, desenvolver e aprender com os demais. Além disso, o professor de língua inglesa seleciona atividades relacionadas a contextos reais de uso da língua para que os aprendizes percebam a relevância no que está sendo ensinado.
  • 14. 14 Assim, por entender que o ensino de língua inglesa não pode estar dissociado ou à margem desse processo, ele deve ir além do desenvolvimento das habilidades lingüísticas, contribuindo para que os alunos se tornem protagonistas das suas histórias, autônomos na construção do seu conhecimento, utilizando o conhecimento adquirido, nas diferentes situações do cotidiano. Estimular a autonomia do educando consiste em assumir uma prática pedagógica que estimule o aluno a realizar atividades dentro e fora da sala de aula como forma de aperfeiçoar cada vez mais a nova língua. Segundo Cruz, [...] o aprendiz autônomo é aquele que reflete criticamente sobre o próprio processo de aprendizagem, que traça objetivos, de acordo com suas necessidades, e assume a tarefa de decidir o que, como e quando estudar para alcançar os resultados desejados.” ( CRUZ, 2009, p.60) É importante deixar claro que o papel do professor não é colocado de lado, ao contrário, ele é o responsável por fornecer os mecanismos necessários para que o aluno caminhe em direção à autonomia. Em uma escola onde seja implementada uma educação crítica e participativa, esse educando, certamente terá as ferramentas necessárias para o desenvolvimento da sua autonomia enquanto estudante e também como cidadão. Para que essa ideia vigore, é preciso uma mudança na concepção de ensino por parte dos educadores, que trazem na sua formação uma concepção de ensino na qual o conhecimento fragmentado ainda prevalece. A partir da implementação de uma prática interdisciplinar de ensino, podemos proporcionar o desenvolvimento das habilidades e competências do aluno para a promoção de uma educação em que o processo de ensino-aprendizagem torne-se mais significativo e menos reprodutivo, pois, o pensar interdisciplinar parte do princípio de que nenhuma forma de conhecimento é em si mesma racional. Tenta, pois o diálogo, com outras formas de conhecimento, deixando-se interpenetrar por elas. (FAZENDA, 1993, p17).
  • 15. 15 Portanto, integrar os conhecimentos é um caminho para que o aluno construa sentido para aquilo que aprende, e a interdisciplinaridade, pode contribuir no envolvimento desse educando nos procedimentos desenvolvidos em sala de aula, pois ela traz uma proposta cooperativa e integrada em que os conteúdos encontram- se relacionados estabelecendo um diálogo entre as diferentes áreas de conhecimento, favorecendo, portanto, a realização de um planejamento construído num contexto coletivo. O ensino de língua inglesa, assim como o de qualquer disciplina, necessita estar alicerçado numa concepção de ensino, neste caso, essa visão é a interacionista cujo objetivo é estreitar as relações entre os envolvidos no processo e o objeto de estudo. O ensino de língua inglesa deve estar voltado para a consciência crítica da linguagem, valorizando a diversidade discursiva e cultural que permeia o mundo que o cerca. Produzir linguagem significa produzir discurso: dizer alguma coisa a alguém, de uma determinada forma, em um determinado contexto histórico e em determinadas circunstâncias de interlocução. Isso significa que as escolhas feitas ao produzir um discurso não são aleatórias – ainda que possam ser inconsistentes -, mas decorrentes das condições em que o discurso é realizado. (PCNs, 1997, p.22) Os educandos terão, nessa perspectiva, a oportunidade de interagir, inferir, levantar hipótese e relacionar o conhecimento adquirido com aquele que já possui, buscando sempre uma ponte para esse saber e a sua realidade enquanto cidadão do mundo. O ensino de língua inglesa proporciona um contexto propício para o desenvolvimento de atitudes cidadãs, visto que oferece ao aluno novas possibilidades de se expressar e posicionar-se em situações diferentes. Esse procedimento de ensino condizente com a realidade do aluno possibilita-lhe uma compreensão crítica dos acontecimentos do mundo e suas implicações na vida prática. E para isso é preciso que a escola eduque para a autonomia. Portanto, é necessário ir além da assimilação dos conteúdos, relacionando o saber adquirido à vivência do educando, levando-o a compreender as relações que possam ocorrer entre o saberes das diferentes áreas do conhecimento. O ensino fragmentado já não
  • 16. 16 tem mais espaço nessa sociedade globalizada e informatizada. Para Luck a interdisciplinaridade contempla essa concepção de ensino: Interdisciplinaridade é o processo que envolve a integração e o engajamento de educadores, num trabalho conjunto de interação das disciplinas do currículo escolar entre si e com a realidade; de modo a superar a fragmentação do ensino objetivando a formação integral do aluno, a fim de que possa exercer criticamente a cidadania, mediante uma visão global de mundo e ser capaz de enfrentar os problemas complexos, amplos e globais da realidade atual.( LUCK, 2007, p.64) O ensino interdisciplinar proporciona tanto ao professor quanto ao aluno, o desenvolvimento de habilidades como tolerância na vivência em grupo, respeito mútuo e cidadania, despertando a consciência social e os valores que asseguram uma formação integral. O ensino de Língua Inglesa precisa ser encarado como uma atividade sócio-histórica, viva e reflexiva em acordo com realidade que circunda os alunos. 1.3 A ABORDAGEM CONTENT BASED E A INTERDISCIPLINARIDADE A abordagem Content- Based Instruction (CBI) consiste numa proposta de ensino que visa utilizar o conteúdo de outras áreas do conhecimento, na tentativa de promover um ensino de LI mais abrangente e significativo para os alunos. Com o uso do CBI, há um engajamento entre a língua estudada e o conteúdo de outras áreas, o que contribui para uma aprendizagem mais crítica, formando assim, cidadãos pensantes. De acordo com o ensino de língua centrado no conhecimento de mundo, Stoller afirma que ¹“1through content-based instruction, learners develop language skills while becoming more knowledgeable citizens of the world”. (STOLLER, 2002 apud RICHARDS. RENANDYA, 2002, p.107) Assim, de acordo com essa perspectiva, os alunos se sentem mais motivados quando a atividade é centrada em outros assuntos, e não somente no uso de regras 1 Através do Content-Based Instruction, os aprendizes desenvolvem as suas habilidades linguísticas enquanto se tornam cidadãos mais conscientes do mundo.
  • 17. 17 gramaticais da língua. O autor também afirma que os professores nas aulas de CBI, quando criam um ambiente de aprendizagem vibrante, promovem um envolvimento entre eles, dando aos estudantes responsabilidades para construir seu próprio conhecimento. Portanto, é preciso que, tanto os conteúdos das disciplinas, quanto o da língua alvo, sejam definidos a partir da necessidade comunicativa dos alunos, pois, desenvolver habilidade comunicativa não se restringe apenas à oralidade, mas também ao desenvolvimento das outras habilidades tais como ler e escrever. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais O estudo das outras disciplinas, notadamente de História, Geografia, Ciências Naturais, Arte, passa a ter outro significado se em certos momentos forem proporcionadas atividades conjugadas com o ensino de Língua Estrangeira[...] (PCN, 1998 p.37) Para Larsen-Freeman (2000) os alunos são motivados porque estão aprendendo um conteúdo que é relevante para eles. A autora defende que os trabalhos escritos pelos alunos devem ser realizados de forma processual, de modo que essa técnica apresente a seguinte ordem: 1) os alunos fazem uma discussão prévia do assunto escolhido para a confecção do texto. 2) Conferência do professor com os outros alunos para que o autor receba sugestão sobre seu texto. 3) Reescrita baseada nas observações feitas. Com isso, os alunos aprendem a revisar seus próprios textos e os dos colegas. Além disso, eles percebem que a escrita é vista como um meio de comunicação, e não apenas como uma atividade que tem como único objetivo avaliar o aluno. O sucesso dessa proposta interdisciplinar no ensino de língua, depende de muitos fatores, entretanto, o papel do professor de língua inglesa se destaca visto que ele, como orientador dos trabalhos, necessita estar cada mais preparado para enfrentar esse desafio, e isso se dá através de uma prática refletida e um embasamento teórico sólido, contínuo. Enfim, sendo um investigador, e buscando
  • 18. 18 novos caminhos para o ensino aprendizagem no ensino de LI como destaca Vilaça em seu artigo: [...] o professor precisa estar cada vez mais preparado para não só lecionar, mas também administrar o processo de ensino/aprendizagem de uma língua estrangeira. Para isto, a formação do professor requer atenção especial. Embora estejamos numa era que permite e, em muitas situações, exige o ecletismo, um dos fundamentos necessários a esta formação é conhecimento e estudo crítico dos métodos e das abordagens de ensino, para que a sua participação no ensino seja fundamentada em princípios teórico-metodológicos, competências e conhecimentos sólidos e compatíveis com a sociedade e o tempo em que vivemos. (VILAÇA, 2008, p.85) Com base no que foi exposto, pode-se afirmar que o uso do CBI leva os alunos a desenvolver a habilidade comunicativa da língua de forma mais participativa e autônoma, pois a variedade dos conteúdos desenvolvidos no decorrer da aprendizagem dá aos alunos a oportunidade de construir conhecimento de modo diversificado.
  • 19. 19 CAPÍTULO II METODOLOGIA Para a realização deste trabalho, o método aplicado foi o método dedutivo, que se caracteriza pelo embasamento conceitual a partir do que foi dito por outros teóricos sobre o tema. Para obter o corpus da pesquisa, realizei uma pesquisa de campo descritiva por propiciar um contato direto com o fenômeno em estudo. A pesquisa desenvolvida nesse trabalho é de natureza etnográfica, cujo foco é colocado na investigação e descrição de situações existentes em sala de aula. Dessa forma, fiz uso da técnica de observação e aplicação de questionários para melhor explicitar as idéias sobre o tema. Durante a aplicação dos questionários, ocorreram alguns transtornos de modo que a pesquisa não pode ser realizada apenas em uma escola em função do número reduzido de professores por escola. Além disso, o retorno dos questionários se deu de forma muito morosa, reduzindo o tempo para análise dos dados e eventuais necessidades de refazer as perguntas. Em virtude desse retardo na entrega dos referidos questionários, não foi possível fazer a reelaboração dos mesmos, uma vez que, a partir da análise das questões percebi que algumas delas mereceriam ser reformuladas, de modo a ficarem mais objetivas. No entanto, a escassez de tempo já referida não possibilitou a reescrita dessas questões. O principal objetivo da pesquisa é refletir acerca da importância da interdisciplinaridade e o uso da abordagem Content Based Instruction, a fim de melhorar a qualidade do ensino de LI, ao invés de continuar utilizando métodos tradicionais que não apresentam resultados positivos. Essa investigação se justifica por entender que é possível organizar um ensino de LI com base no princípio da interdisciplinaridade. A pesquisa iniciou-se a partir de um levantamento acerca de como se efetiva o ensino nas escolas, considerando as exigências previstas na LDB (Lei de Diretrizes e Bases), nos PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais) instrumentos estes que subsidiam a prática interdisciplinar do ensino. A realização dessa investigação exigiu um aprofundamento em torno da concepção do ensino de LI no currículo, que norteia os docentes em sua prática pedagógica. Buscou-se ainda compreender a escola nas suas múltiplas interfaces numa perspectiva de escola que trabalha em favor da cidadania.
  • 20. 20 Como procedimentos da pesquisa, escolhemos a observação do cotidiano escolar através de questionários que serão respondidos pelos professores em diferentes escolas do município de Conceição do Coité. As questões versam sobre concepção de ensino de LI, currículo, prática pedagógica, interdisciplinaridade. A investigação também se estendeu aos alunos que responderam questões acerca da importância do ensino de LI e de como se efetiva o aprendizado da mesma na visão deles. Dez professores responderam os questionários de modo que possibilitou a ampliação do corpus para uma análise mais ampla da problemática em questão. Esses profissionais trabalham nas seguintes unidades escolares: Escola Estadual Almir Passos, Colégio Estadual Hamilton Rios de Araújo, Escola Polivalente de Conceição do Coité, Escola João Paulo Fragoso, Escola Evódio Ducas Resedá e Escola Durval da Silva Pinto. É importante ressaltar que as observações para a realização do projeto foram feitas apenas em três das escolas citadas acima. A escolha por professores de escolas diferentes justifica-se devido à carga horária pequena da disciplina. Outro aspecto levado em consideração foi confrontar os pontos de vista sobre a concepção do ensino de LI e também constatar, ou não, se a interdisciplinaridade faz parte do cotidiano das aulas, e se ela é compreendida pelos docentes como uma metodologia que contribui para a formação global do educando. A análise feita é caracterizada como qualitativa, já que as perguntas serão descritas para assim serem analisadas e relacionadas às teorias apresentadas nesse estudo.
  • 21. 21 CAPÍTULO III ANÁLISE DOS DADOS As três primeiras questões mostram que dos dez professores participantes da pesquisa, seis têm pós-graduação, dois graduação, dois estão concluindo o curso de Letras com Língua Inglesa, atuam na rede estadual de ensino e lecionam no Ensino Fundamental II e Ensino Médio. Quando questionados acerca da “importância do ensino de Língua Inglesa no currículo” obtivemos às seguintes respostas: Professor 1: “ A importância reside no fato de que o ensino e aprendizagem da LI pode fornecer ferramentas úteis para o pleno exercício da cidadania” Professor 2: “Fundamental uma vez que o domínio de uma língua franca é necessário para a formação multicultural do indivíduo.” Professor 3: “Promover a inserção do aluno no mundo globalizado quanto aos estudos culturais, sociais e econômicos dos países que falam a LI e a influência que estes exercem na nossa sociedade.” Professor 4: “ A LI é de suma importância no currículo, pois vivemos num mundo globalizado e a aquisição (ou que seja simplesmente contata com outra língua) permite o conhecimento cultural, bem como o reconhecimento de sua própria identidade cultural” Observa-se que as afirmações convergem para a importância do aprendizado de uma segunda língua, para além das necessidades do mercado, apontando para uma formação emancipatória integral e inclusiva do sujeito no mundo globalizado, que vai requerer dele um posicionamento crítico quanto a seu papel no mundo. Essa concepção de ensino de LI está de acordo com a perspectiva de ensino que defendemos nesse estudo e também em consonância com as orientações contidas nos PCNs que defendem um aprendizado de idiomas estrangeiros vinculado à aquisição de um conhecimento multicultural para a construção da própria identidade.
  • 22. 22 É interessante que nessa ótica, as chances de um ensino integrado a outras disciplinas se tornam maiores visto que a idéia já não condiz com o ensino pautado em estudo de regras e repetições de frases, pois muitas pesquisas já apontaram a ineficiência do ensino de nomenclaturas desvinculadas de seu contexto de uso. Seis professores responderam a questão numa perspectiva voltada para a formação cultural e profissional, que não é de forma nenhuma entendida aqui como errônea ou desnecessária, mas unilateral. Professor 5 “Proporcionar ao aluno a oportunidade de conhecer uma outra cultura, expandindo seus conhecimentos.” Professor 6 “ Conhecer outra cultura, ler livros ou assuntos abordados em língua inglesa em blogs, revistas, preparar o aluno para o vestibular, etc” Professor 7 “Em um mundo globalizado, faz-se necessário cada vez mais um aprendizado na língua inglesa, pois o inglês está presente em todos os locais. Professor 8 “Além de possibilitar crescimento pessoal ao conhecer uma nova cultura, é uma ferramenta indispensável no mercado de trabalho atual” Professor 9 “A importância do ensino de língua inglesa vem crescendo devido a diversos fatores: a exigência do mercado de trabalho, o grande avanço nos meios de comunicação, as viagens internacionais entre outros.” Professor 10 “ Com a globalização e o avanço da tecnologia é cada vez mais necessário o aprendizado da língua inglesa para que o aluno tenha uma formação mais ampla e condizente com a vida moderna”. Nessa visão, o ensino permite uma formação que estimula o indivíduo a expandir seus conhecimentos, de modo a promovê-lo na escala social bem como a sua inserção nesse mundo globalizado. Entretanto, nessa questão não se percebe uma preocupação em confrontar os aspectos socioculturais do seu próprio país e dos países que falam LI. Sem dúvida, estabelecer esse contraste certamente vai contribuir para a identificação do educando enquanto cidadão do mundo. Essa
  • 23. 23 observação coincide com o posicionamento de outros estudiosos que sugerem a adoção de um procedimento mais interpretativo no qual a ênfase é dada à compreensão e ao intercâmbio de informações. De acordo com Lima, [...] ao invés de se concentrar no ensino de fatos sobre determinado país de fala inglesa, talvez fosse aconselhável adotar uma estratégia mais interpretativa, na qual fosse dada ênfase à compreensão intercultural, por meio de comparação e contraste da cultura do aprendiz com a cultura da língua-alvo. ( LIMA, 2009, p.183) Quando questionados quanto à motivação dos alunos para aprender à língua inglesa obteve-se a seguinte resposta: Os dez professores assinalaram no item “em parte” justificando a falta de interesse por diferentes motivos: Professor 1 “A motivação às vezes soa muito repleta de “imediatismos” sendo que os alunos sentem-se apegados a uma música de um cantor, marcas de roupas etc. esse conhecimento da língua estrangeira é o mais freqüente que buscam.” Professor 2 “Há casos em que estudantes tem a habilidade natural e outros que criam um bloqueio que impossibilita a aquisição.” Professor 3 “Os alunos demonstram gostar da disciplina pela versatilidade que ela apresenta, mas sentem-se “incapazes” de dominar a língua por não perceber a sua importância no dia-a-dia.” Professor 4 “Normalmente os alunos mais motivados são os das séries iniciais 5ª e 6ª e também alguns alunos que têm mais contato com a internet.” Professor 5 “Alguns já tem uma motivação natural ao participar das aulas de LE, outros, por mais que se faça atividades diferentes, nunca estão motivados.” Professor 6 “Os alunos do Ensino Fundamental II são mais motivados, mais curiosos e acham engraçado a pronúncia de algumas palavras da Língua Inglesa.”
  • 24. 24 Professor 7 “A maioria dos alunos, não mostra interesse nenhum, alegando que futuramente não precisarão da LI. Cabe ao professor mudar essa situação.” Professor 8 “Alguns possuem uma motivação, pois se identificam com o idioma, outros não têm maturidade suficiente para entender a importância de saber e/ou dominar uma LE.”; Professor 9 “Eles ainda não são capazes de perceber que o mundo atual não permite que nos dediquemos apenas a nossa cultura. E que este idioma é um dos mais falados no mundo.” Professor 10 “Alguns poucos alunos se interessam pela língua inglesa, em geral são aqueles que estão almejando uma boa profissão, que pretendem prestar vestibular.” A primeira compreensão que se tem a partir das falas acima, é que, na visão do professor, o aluno deve possuir uma motivação intrínseca. A escola não é mencionada como um espaço responsável por oferecer uma dinâmica de ensino de LI capaz de motivar o aluno a interessar-se por aprender uma LI, exceto pelo professor 7 que afirmou “Cabe ao professor mudar essa situação.” Essa afirmação é positiva, pois sinaliza para a reflexão da prática pedagógica, para a atenção que se dá a disciplina LI no currículo e sua contextualização na proposta pedagógica da escola. Entendemos que a motivação deve realmente partir do sujeito, e que os fatores externos ajudam de modo decisivo, para que a motivação seja desenvolvida pelo sujeito/aprendiz que se lança na aprendizagem de LI. No entanto, o que se observa nos relatos da maioria dos professores é a crença de que é do aluno a responsabilidade única quanto ao desenvolvimento motivacional. É importante acrescentar ainda que aqueles que se sentem motivados “almejando uma boa profissão, que pretendem prestar vestibular” não figuram como regra, no contexto do ensino público, mas como exceção, e geralmente, são os mesmos que se motivam em outras disciplinas também.
  • 25. 25 Portanto, no que se refere à motivação pessoal do aluno, a escola nem sempre vai encontrá-la visto que a desmotivação tem um alcance mais amplo: o aluno não vê a educação como caminho para o seu crescimento integral enquanto cidadão. A escola precisa ter esse papel conscientizar de que hoje não vivemos isolados, mas em rede, e que o acontece nessa aldeia global afeta a todos. É preciso ressaltar também que a família figura como mola propulsora, quando assume um papel motivador, e esses alunos certamente terão maiores chances de desenvolver a aprendizagem, não apenas em língua inglesa, mas também em outras disciplinas. Esses aprendizes, no entanto, representam uma minoria, o que nos sinaliza para o desenvolvimento de procedimentos metodológicos e atitudinais que contemplem os outros sujeitos/aprendizes (a maioria dos alunos) que não apresentam a mesma motivação daqueles que se mostram afins com a LI e almejam, a partir da aprendizagem de LI, um futuro profissional de sucesso. Nesse sentido, a LI sem dúvida, precisa ser trabalhada de modo a alcançar a coletividade da sala de aula onde sua prática ocorre. Quanto à questão “Quais as maiores dificuldades dos alunos em aprender língua inglesa?” Das alternativas listadas seis das respostas apontaram as alternativas: “ Falta de interesse na disciplina” “ Falta de material.” Nenhum professor assinalou a alternativa: “Falta de empenho dos profissionais.” Cinco assinalaram: “Falta de estrutura nas escolas.” E todos escolheram a alternativa referente à: “Pouca carga horária da disciplina.” É sabido que os fatores apontados são importantes no desenvolvimento de atividades de ensino de LI. Portanto, essas questões precisam ser discutidas
  • 26. 26 quando da construção de projeto pedagógico da escola, momento em que se definem prioridades, com exceção da carga horária, pois a escola ainda não tem autonomia para defini-la. Contudo, nenhum professor mencionou as dificuldades de ordem comunicativa, lingüística ou discursiva, nem tão pouco citou como dificuldade o desnível lingüístico das turmas ou ainda as habilidades que deixaram de ser desenvolvidas na série anterior. Em relação aos recursos utilizados em sala como suporte para a metodologia oito afirmaram utilizar músicas, dinâmicas, filmes, jogos, computador, textos de acordo com a realidade do aluno. O professor 3 citou os recursos acima e também a conversação. O professor 10, além dos recursos citados, criou um blog para interagir com os alunos fora da sala de aula. Observa-se que mesmo tendo esses recursos como auxiliares na metodologia, os alunos se não se sentem motivados para aprender a LI, como fora citado anteriormente pelos educadores. No quesito método apenas o professor 4 declarou conhecer e utilizar como eixo norteador das atividades o Content Based Instruction, mas afirma que alia ao método a perspectiva eclética. Outros sete afirmaram a opção por uma perspectiva eclética, uns alegando que o público apresenta “diferentes perfis” ou que é preciso estar atento às necessidades da turma e que só um método não satisfaz... “É necessário adequar a metodologia”. Os demais afirmaram usar o método gramática-tradução e o método comunicativo. O professor 3 enfatiza o método instrumental, priorizando a habilidade da leitura. O professor 1 não justificou sua resposta. Percebe-se que a maioria das justificativas não elucidam em que aspecto o método escolhido facilita ou dificulta o desenvolvimento das quatro habilidades (ouvir,falar, ler e escrever). Como já fora mencionado, a carga horária não permite dar atenção igual a todas as habilidades, sendo assim, necessário que o professor pincele todas ou privilegie uma ou duas delas no desenvolvimento de sua proposta de ensino. Na pergunta referente à utilização de textos de outras disciplinas nas aulas de língua inglesa, obtivemos as seguintes respostas :
  • 27. 27 Em oito dos questionários, as respostas asseveram que há a utilização de textos de outras disciplinas nas aulas de língua inglesa. Em duas das respostas, no entanto, afirmaram não usar esses textos e tão pouco justificaram a resposta. Quanto à pergunta “Qual a importância do ensino interdisciplinar nas aulas de LI?” tivemos as respostas: Professor 1 “Permite ao aluno ter um conhecimento integrado do mundo que o rodeia e o habilita a ler textos que tratem do assunto dado e dessa forma, favorece a compreensão e interpretação de textos.” Professor 2 “Para comprovar a teoria da multiculturalidade.” Professor 3 “Ajuda a estabelecer conexões as quais permitem ao aluno perceber que a língua inglesa não é algo solto, desprovido de sentido em relação à sua realidade.” Professor 4 “É importante para que os conteúdos trabalhados em língua inglesa sejam ou se tornem mais relevantes para os alunos.” Professor 5 “O aluno pode perceber que LE não é uma disciplina isolada, mas que se relaciona com outras matérias de forma intrínseca e interessante.” Professor 6 “ Internalizar o conteúdo de maneira branda e agradável” Professor 7 “É a forma dos alunos adquirir a LI a partir das leituras de assuntos relacionados à língua inglesa.” Professor 8 “Os alunos percebem o ensino/conhecimento como um “todo” onde as disciplinas se complementam.” Professor 9 “Contribui para a compreensão e produção através de estratégias cognitivas como identificar, deduzir, comparar, memorizar.”
  • 28. 28 Professor 10 “Quando tratamos de assuntos conhecidos pelos alunos, eles se sentem mais seguros e abertos a aprendizagem, além disso, reforça o aprendizado dos conteúdos de uma maneira global.” Vê-se que há um reconhecimento por parte dos professores acerca da importância da interação entre as disciplinas, entretanto generalizam o conceito de interdisciplinaridade. Essa imprecisão evidencia que os textos são usados de maneira superficial sem um objetivo a ser alcançado, apenas direcionando à interpretação de textos. Na verdade, a interdisciplinaridade deveria ser entendida como um meio de trabalhar não somente a leitura, mas também as outras habilidades referentes ao ensino de LI, além de proporcionar o desenvolvimento de habilidades sócio-formativas. Um planejamento interdisciplinar requer das áreas de conhecimento envolvidas um ponto de convergência, ou seja, o assunto delimitado que vai ser explorado sob diversos aspectos para que assim o aluno compreenda a relação existente entre os conteúdos de diferentes disciplinas. As justificativas referentes às “dificuldades enfrentadas acerca da prática interdisciplinar no ensino de LI”, foram listadas da seguinte forma: “falta de tempo para se encontrar com o colega”; “falta de colaboração dos colegas”; “falta de um orientador pedagógico”; “a impossibilidade de contextualizar o vocabulário estudado a assuntos de outras disciplinas; “material didático e desvalorização da disciplina”; “carga horária; metodologia escola”; “falta de apoio da escola; “o aluno não ter base para ler sobre um determinado conteúdo de outra disciplina em outro idioma”; Acerca da abordagem Content Based Instruction, sete afirmaram desconhecê- la, dois disseram ter conhecimento, mas não utilizam-na em sala, e apenas um afirmou misturar a abordagem a outros métodos de ensino de LI. O que se
  • 29. 29 observa, nesse recorte de dez professores questionados, são as queixas acerca das dificuldades encontradas no ensino de LI. E ainda que a interdisciplinaridade definitivamente não é uma prática priorizada no currículo dessas escolas. Embora os professores considerem-na importante, ela não se encontra solidificada cotidiano da sala de aula, sob alegação de vários motivos. Percebe-se também que a metodologia é realmente diversificada, mas não segue uma abordagem pedagógica bem definida que estimule o aluno ao desenvolvimento de sua competência comunicativa.
  • 30. 30 CONSIDERAÇÕES FINAIS Nessa sociedade globalizada na qual vivemos, o conhecimento de uma Língua Estrangeira é muito valorizado visto que é entendido como um requisito que leva o educando a ascender na vida profissional. No entanto, é preciso que esse conhecimento seja compreendido em suas múltiplas faces, possibilitando ao sujeito agir como um cidadão crítico, frente aos problemas da realidade. Essa concepção de ensino não condiz com um ensino fragmentado e isolado, mas integrado de modo que as habilidades e competências desenvolvidas possibilitem ao educando uma consciência intercultural. Nesse sentido, a abordagem interdisciplinar colabora para um aprendizado de maneira mais ampla que abarca os aspectos lingüístico, sociocultural, sócio-econômico. [...] o ensino de língua estrangeira, reiteramos, não pode nem ser nem ter um fim em si mesmo, mas precisa interagir com outras disciplinas, encontrar interdependências, convergências, de modo a que se restabeleçam as ligações de nossa realidade complexa que os olhares simplificadores tentaram desfazer; precisa, enfim, ocupar um papel diferenciado na construção coletiva do conhecimento e na formação do cidadão( ORIENTAÇÕES CURRICULARES, 2008, p.131) Desenvolver um ensino de LI, nessa perspectiva, exige dos educadores abertura para mudança, compreendendo que este constitui-se num processo lento e gradual em que serão construídas relações de sentidos com outras disciplinas, sem no entanto, deixar de desenvolver as habilidades e competências que lhe são pertinentes. É certo que a busca pelo novo vai propiciar uma modificação no modelo de ensino, visto que, o educador será desafiado cotidianamente a avaliar sua prática pedagógica, para que assim se certifique de que o seu trabalho atende aos objetivos de ensino de LI, e para isso o professor precisa ser um investigador, estar em constante formação para assim adquirir a proficiência da língua estrangeira.
  • 31. 31 Para que isso ocorra, é necessário que o educador se desvincule das barreiras que o impedem de se articular com os colegas como fora citado nos questionários da pesquisa. Não se pode refutar que os encontros, a pesquisa e a elaboração de material adequado para o desenvolvimento dessas aulas implica muito tempo e o professor nem sempre dispõe desse tempo em virtude da excessiva carga horária em uma, duas ou até três escolas. Entretanto, os encontros pedagógicos da escola podem ser uma alternativa para a elaboração de programa em que os conteúdos sejam trabalhados de maneira integral, uma disciplina contribuindo com a outra, para a construção de saber unificado. Sabe-se que para a efetivação dessa abordagem de ensino, é preciso também que a proposta curricular da escola seja integrada, elaborada criteriosamente de modo que a seleção dos conteúdos esteja condizentes com a necessidade dos educandos, que seja dialógica, oferecendo cada vez mais condições para um ensino crítico e reflexivo.
  • 32. 32 REFERÊNCIAS BERTOLDO, Ernesto S. Leitura e produção oral no contexto de formação de professores de língua estrangeira. In: CARVALHO, Regina Célia de; LIMA, Paschoal, (Org.).Leitura e Múltiplos Olhares. Campinas, SP: Mercado de letras, 2005. p. 111-151. BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC, 2008. BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais, Códigos e suas Tecnologias. Língua Estrangeira Moderna. Brasília: MEC, 2002. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental, Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental, Língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental, Parâmetros curriculares nacionais: ensino de primeira à quarta série, língua portuguesa. Brasília: MEC, 1997. CRUZ, Giêdra Ferreira da. O papel do centro de aprendizagem autônoma de línguas estrangeiras no desenvolvimento da autonomia dos alunos de letras. In: LIMA, Diógenes Cândido de (org.). Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas com especialistas. São Paulo:Parábola, 2009. p.59-68. FAZENDA, Ivani. Interdisciplinaridade: definição, projeto, pesquisa. In:____. Práticas Interdisciplinares na escola. São Paulo: Cortez Editora, 1993. p. 15-18. GERALDI, João Wanderley. O ensino e as diferentes instâncias de uso da linguagem. In:____. Linguagem e ensino: exercícios de militância e divulgação. Campinas:SP. Mercado das letras, 1996. p. 27-45. JORGE, Miriam Lúcia dos Santos. Preconceito contra o ensino de língua estrangeira na rede pública. In: LIMA, Diógenes Cândido de (org.). Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas com especialistas. São Paulo: Parábola, 2009. p. 161- 168.
  • 33. 33 LIMA, Diógenes Cândido de .O ensino de língua inglesa e a questão cultural. In________. Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversas com especialistas. São Paulo: Parábola, 2009. p. 179 - 189. LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and Principles in Language Teaching. Hong Kong: Oxford University Press, 2000. LUCK, Heloísa. Pedagogia Interdisciplinar: fundamentos teórico-metodológicos. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007. MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Oficina de LInguística Aplicada: a natureza e educacional dos processos de ensino/aprendizagem em línguas. São Paulo: Mercado das letras, 1996. STOLLER, Fredick L. Project Work: A Means To Promote Language and Content. In: RICHARDS, jack C.; RENANDYA, Willy A. Methodology in Language Teaching. Cambridge, 2002, p. 107-119. VILAÇA, Márcio Luiz Corrêa. Métodos de Ensino de Línguas Estrangeiras: fundamentos, críticas e ecletismo. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/diadia/arquivos/File/con. pdfII> Número XXVI. Acesso: 14 dez. 2009.
  • 34. 34 APÊNDICE Questionário para professores 1. Escola_____________________________________________________ ( ) Pública ( ) Particular 2. Grau de formação: ( ) graduação ( ) pós- graduação ( ) graduando ( ) Outros ___________________________________________________ 3. Qual a série que leciona? ( ) 5ª ( ) 6ª ( ) 7ª ( ) 8ª ( ) 1º ano ( ) 2º ( ) 3º 4. Qual a importância do ensino de Língua Inglesa no currículo? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 5.Você percebe que os alunos se sentem motivados em aprender a língua inglesa? ( ) Sim ( ) Não ( ) Em parte Justifique sua resposta ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 6. Quais são as maiores dificuldades dos alunos em aprender língua inglesa? ( ) Falta de interesse na disciplina ( ) Falta de material (dicionário, livros, etc.) ( ) Falta de empenho dos professores ( ) Falta de estrutura nas escolas (acústica boa, laboratório de línguas, vídeo, etc.)
  • 35. 35 ( ) Pouca carga horária da disciplina ( ) Outros ___________________________________________________________ 7. Quais os recursos você utiliza para motivar seus alunos durante as aulas? ( ) músicas ( ) computador ( ) teatro ( ) filmes ( ) textos de acordo com a realidade do aluno. ( ) jogos ( ) Dinâmicas ( ) outros___________________________________________________ 8. Quais são os métodos que você utiliza nas aulas de língua inglesa? ( ) Método de Gramática e tradução ( ) Método Comunicativo ( ) Content Based Instruction ( ) Segue uma perspective eclética Justifique sua resposta ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 9. Você trabalha textos de outras disciplinas nas aulas de língua inglesa? ( ) Sim ( ) Não Quais: __________________________________________________________ 10. Qual a importância do ensino interdisciplinar nas aulas de língua inglesa? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 11. Quais dificuldades o professor enfrenta para a prática interdisciplinar no ensino de língua inglesa? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 12. Você conhece a abordagem Content Based Instruction? ( ) Sim ( ) Não
  • 36. 36 13. Você aplica essa abordagem na sala de aula? ( ) Sim ( )Não Por quê? ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ ___________________________________________________________________ 14. Quais desses métodos contribuem para melhorar a aprendizagem dos alunos nas aulas de língua inglesa? ( ) Método da gramática e tradução (AGT) ( ) Abordagem direta ou método direto ( ) Abordagem para leitura ou método da leitura ( ) Método áudio-lingual ( ) Abordagem comunicativa ( ) Task-based Instruction ( tarefas) ( ) Content Based Instruction