SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA
     DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO
            CAMPUS XIV




  ANTONIO MASCARENHAS OLIVEIRA




       O ESTRANGEIRISMO




          Conceição do Coité
                2011
ANTONIO MASCARENHAS OLIVEIRA




      O ESTRANGEIRISMO




         Monografia apresentada à Universidade do
         Estado da Bahia, Departamento de Educação,
         Campus XIV, como requisito final à conclusão
         do Curso de Licenciatura em Letras – Língua
         Inglesa.

         Orientador: Prof. Fernando Sodré.




        Conceição do Coité
              2011
ANTONIO MASCARENHAS OLIVEIRA




                           O ESTRANGEIRISMO




                             Monografia apresentado à Universidade do
                             Estado da Bahia, Departamento de Educação,
                             Campus XIV, como requisito final à conclusão
                             do Curso de Licenciatura em Letras – Língua
                             Inglesa.




Aprovada em: ___/___/___


                           Banca examinadora

_______________________________
Fernando Sodré – Orientador
Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV


_________________________________________
Neila Maria Oliveira Santana - Professora
Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV


_________________________________________
Raulino Batista Figueiredo Neto - Professor
Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV




                            Conceição do Coité
                                  2011
AGRADECIMENTOS

A Deus, em primeiro, lugar pelo dom da vida e por ter cuidado de nós ao longo
de todos esses anos nos dando força e coragem para enfrentar todos os
obstáculos.


A minha esposa e filhos, que sempre me deram apoio, contribuindo ativamente
para minha formação acadêmica.


Ao Professor Fernando Sodré, pois mesmo não sendo meu professor em
nenhum semestre aceitou me orientar e acreditou na minha capacidade para
realização deste trabalho.


Ao professor mestrando Luis Claudio Mota Mascarenhas, que mesmo não
sendo funcionário da UNEB, no inicio deste trabalho fez as primeiras
orientações.


Aos colegas, pelos momentos de alegria, convívio e apoio.


Aos amigos, pela amizade, por estender a mão, apoiar e confortar nos
momentos de angústias e dificuldades.
RESUMO


No decorrer da história o uso dos estrangeirismos é algo comum na língua
portuguesa trazendo novos vocábulos, ideologias e multiculturalismo para
novas discussões. O português recebe vocábulos como resultados das
relações políticas, culturais e comerciais com outros países. No atual contexto
histórico o inglês fornece vasta nomenclatura, demonstrando que o processo
linguístico está relacionado com a história sócio-político-cultural de um povo. A
entrada de elementos estrangeiros é um fenômeno sociolinguístico ligado ao
prestígio de que uma língua ou povo que a fala goza. O inglês como atual
língua universal permite um mínimo de comunicação entre todos. Constata-se
que essa liderança idiomática é reflexo de vários fatores, entre os mais
relevantes pode-se destacar a globalização e o domínio das tecnologias da
informação e comunicação (TIC’s), assim como, é perceptível e inegável a
predileção de termos estrangeiros por usuários de nosso idioma, resultando em
influência na língua e na cultura brasileira, sem provocar alterações na
estrutura gramatical da língua portuguesa.

Palavras-chave: Língua portuguesa. Estrangeirismo. Língua inglesa.
ABSTRACT



Throughout history the use of foreign words is common in Portuguese bringing
new words, ideologies and multiculturalism for further discussion. The
Portuguese words receives as a result of political, cultural and trade with other
countries. In the current historical context provides extensive English
nomenclature, demonstrating that the linguistic process is related to the history
of socio-political and cultural life of the people. The entry of foreign elements is
a sociolinguistic phenomenon linked to the prestige of a language or speech
that people enjoy. English as a universal language now allows a minimum of
communication between everyone. It appears that this leadership idiomatic
reflects several factors, including the most relevant can be highlighted
globalization and dominance of information technology and communication
(ICT), and it is noticeable and undeniable preference of foreign terms for users
our language, resulting in influence in language and Brazilian culture, without
changing the grammatical structure of the Portuguese language.

Key words: Portuguese language. Foreign words. English language.
LISTA DE GRÁFICOS E TABELAS


Gráfico 1: Nível de escolaridade dos comerciantes ................................................. 21
Gráfico 2: Nível de conhecimento com relação ao inglês.......................................... 22
Gráfico 3: Conhece o significado do nome da loja ................................................... 23
Gráfico 4:O nome da loja em inglês lhe chama mais atenção................................... 24
Gráfico 5: Nível de escolaridade dos consumidores ................................................. 25
Gráfico 6: Nível de conhecimento com relação ao inglês ......................................... 25
Gráfico 7: Conhece o significado do nome da loja ................................................... 26
Gráfico 8:O nome da loja em inglês lhe chama mais atenção .................................. 27
Sumário


INTRODUÇÃO ............................................................................................................ 9
CAPITULO I - ESTRANGEIRISMO ......................................................................... 11
1.1 ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA................................................................ 11
1.2 ESTRANGEIRISMO NO BRASIL ........................................................................ 13
1.3 ESTRAGEIRISMO E TIC’s ................................................................................. 16
CAPITULO II - METODOLOGIA ............................................................................... 19
CAPITULO III - ANÁLISE DOS DADOS................................................................... 21
3.1 DADOS DOS EMPRESÁRIOS ............................................................................ 21
3.2 DADOS DOS CONSUMIDORES ........................................................................ 25
CONSIDERAÇÕES FINAIS ...................................................................................... 28
REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 29
APÊNDICES ............................................................................................................. 30
QUESTIONÁRIO PARA EMPRESÁRIOS ................................................................. 30
QUESTIONÁRIO PARA CONSUMIDORES.............................................................. 31
9



                                    INTRODUÇÃO


          O estrangeirismo está sempre presente nos processos culturais em qualquer
lugar do mundo. Para analisar a aquisição de empréstimos linguísticos é preciso
compreender como o processo de colonização e imigrações até os dias de hoje
contribuem para que palavras de outra língua sejam inseridas no nosso cotidiano,
visto que este processo gera miscigenações culturais e linguísticas, sem que haja
necessidades de mudanças de vida dos emissores e receptores desses
empréstimos.
          No mundo globalizado, todos os povos receberam e continuam recebendo
contribuições linguísticas provenientes do intercambio com outras nações, tanto
através da importação de produtos, como da utilização de termos associados a
ações ou expressões externas, não sendo possível determinar o quanto essa prática
durou ou quanto ela ainda vai durar.
          O estrangeirismo presente em nossa língua não é um fenômeno
contemporâneo, há uma mudança constante começando na língua tupi que era
utilizado pelos nativos no período do descobrimento, depois com a chegada do
português de Portugal e aos poucos a língua tupiniquim foi-se aportuguesando e
incorporando outros vocábulos de línguas diversas como o espanhol, o francês, o
italiano entre outras, para assim constituir-se o português que hoje é falado no
Brasil.
          O estrangeirismo está presente em diversos vocábulos inseridos na língua
portuguesa, a exemplo de boné, paletó (do francês); samba, acarajé (do africano);
arara, tucano, Tatuapé (do Tupi); jeans, modem (do inglês). É comum também
encontrarmos a influência de outras línguas em nomes de lojas comerciais
espalhadas pelo Brasil.
          Na Bahia não é diferente. Esse fato pode ser observado na grande
quantidade de palavras estrangeiras utilizadas por empresários para denominar
estabelecimentos comercias em Conceição do Coité, Região Sisaleira. Assim, esse
fato motivou a realização dessa pesquisa, cuja finalidade é verificar se essa
utilização é fundamentada em conhecimento prévio da língua estrangeira ou por
modismo.
          Esta pesquisa terá um caráter descritivo, fundamentada em revisão
bibliográfica sobre a história da língua portuguesa e seu processo evolutivo até os
10



dias atuais, e como outros idiomas influenciaram e ainda influenciam a língua, já que
esta não é imutável. A revisão bibliográfica será complementada com uma pesquisa
de campo, em que serão entrevistados donos de estabelecimentos comerciais que
utilizam a língua inglesa para nomear suas lojas e alguns frequentadores.
      A pesquisa de campo será realizada no período de março a abril de 2011, os
instrumentos de coleta de dados usados serão entrevista mediada por um
questionário e fotografias das fachadas das lojas.
      O presente trabalho está dividido em três capítulos. O primeiro capitulo é uma
revisão bibliográfica sobre o tema Estrangeirismo, cujos principais teóricos que
embasaram o trabalho foram Bagno (2002), Garcez e Zilles (2002) e Störig (1990).
Esse capítulo está subdividido em três partes que abordam a questão da origem da
língua portuguesa no Brasil, o estrangeirismo e a relação desse com as tecnologias
de informação e comunicação (TIC’s). No segundo capítulo tem a metodologia e o
terceiro a analise de dados coletados na pesquisa.
11



                                   CAPÍTULO I
                                ESTRANGEIRISMO


      Apesar de não ser um fenômeno contemporâneo, o empréstimo ou uso de uma
palavra ou expressão oriunda de outra língua, conhecido como estrangeirismo, tem
se intensificado cada vez mais com a globalização.
      Para   podermos   melhor explanar    sobre este fenômeno,         começaremos
analisando a origem da língua portuguesa, que como todas as demais línguas
neolatinas ou românicas sugiram a partir da expansão e vulgarização do latim
clássico levada pelo Império Romano, sua chegada ao Brasil e uso contemporâneo
dos estrangeirismos (principalmente os de língua inglesa) nas tecnologias da
informação e comunicação.


1.1    ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA


       O português teve sua origem no latim falado que era imposto aos povos
dominados pelos exércitos romanos, já que o Império Romano no século II a.C.,
vivia o seu apogeu e dominava quase todo o mundo até então conhecido, até a
Península Ibérica, onde atualmente se situam a Espanha e Portugal.
       Essa língua falada pelos soldados romanos não era o latim clássico das obras
literárias deste período, era o latim tido como vulgar, porque era falado pelo povo
sem preocupações sintáticas ou morfológicas, não tendo nenhuma ligação com
regras gramaticais, era uma língua autônoma.
       Com o passar do tempo, o latim vulgar imposto pelo exército romano na
Península Ibérica, foi sofrendo alterações graças aos dialetos e outras línguas
existentes na região. Aos poucos o português foi aperfeiçoado e adquiriu em seu
léxico novas palavras de origem germânicas trazidas pelas invasões bárbaras do
século V, árabes do século VII. Com o declínio do Império Romano e as
consequentes independências de suas províncias, intensificaram-se as diferenças
dos falares, surgindo assim diversas línguas que, por serem originadas do latim
vulgar, trazido pelo povo romano, receberam o nome de românicas ou neolatinas,
destas destacaram-se o português, o francês, o espanhol e o italiano.
       Com a independência política de Portugal no século XI, o português tornou-se
a língua oficial desse país, mas só no século XII surgiram os primeiros textos
12



escritos nessa língua. De acordo com Störig (1990, p.114) “o trovador Paio Soares
de Taveiros produziu em 1198 o que é o primeiro ou mais remoto texto literário
conhecido em língua portuguesa”. Com as grandes navegações dos séculos XV e
XVI Portugal viveu seu apogeu e levou a língua portuguesa para diversas áreas,
como partes da Ásia, da África e para o Brasil, cujos territórios foram colonizados
neste período.
                    No caso da língua portuguesa, podem-se apontar casos de palavras
                    tomadas de línguas estrangeiras em tempos muito antigos. Esses
                    empréstimos provieram de línguas célticas, germânicas e árabes e
                    ao longo do processo de formação do português na Península
                    Ibérica. Posteriormente, o Renascimento e as navegações
                    portuguesas permitiram empréstimos de línguas europeias modernas
                    e de línguas africanas, americanas e asiáticas. (INFANTE, 2001, p.
                    193).

      Antes da chegada dos lusitanos, a língua falada no Brasil era de origem
indígena, e a mais conhecida era o tupi, falada pelos povos tupinambás embora ela
fosse predominante entre os índios, mas não a única. Com a colonização do Brasil
os portugueses impuseram como língua oficial o Português de Portugal. A partir da
convivência cultural entre dominantes e dominados várias palavras de origem tupi
foram sendo utilizadas e acabaram incorporadas ao léxico português, ou por
aportuguesamento ou por uso na forma original, surgindo assim uma língua
portuguesa com diferenciação da língua originária dos colonizadores.
      Com as grandes navegações os países colonizadores tinham a necessidade
de adquirir mão de obra para extrair os produtos que iriam ser comercializados. Não
querendo trabalhar duro, os colonizadores passaram a escravizar os povos
dominados. No Brasil essa política não teve muito êxito, pois os índios não
aceitaram a servidão, então trouxeram os africanos para trabalharem aqui no Brasil.
Como vinham de diversas regiões da África traziam seus dialetos e aos poucos
algumas palavras também foram aportuguesadas e acrescentadas ao vocabulário.
Assim como as palavras indígenas, as africanas ainda são utilizadas por nós, na
maioria dos casos não tenhamos a mínima ideia de que elas se configurem como
estrangeirismos. No entanto, tem sido de grande serventia para nossa cultura até os
dias de hoje.
       Percebe-se que varias culturas contribuíram com vocábulos para formação
da língua portuguesa falada no Brasil propiciando, na maioria das vezes, bons
resultados. Essa contribuição lexical distanciou cada vez mais nosso idioma daquele
13



falado em Portugal. Os estrangeirismos existentes em nossa língua não se
restringiram apenas a povos colonizados, houve também muitas influencias
europeias acentuadas com os processos migratórios ocorridos após a abolição da
escravatura em 1889.
       Störig exemplifica como ocorreu esse processo:


                              incorporou só para exemplificar: dos alemães , “níquel”, ”gás”,
                              “zinco”; dos espanhóis , “bolero”, “castanhola”, sendo que os
                              bascos trouxeram, de sua língua, “cachorro”, “modorra” e
                              outras palavras terminadas em “arra” “orro”; dos franceses,
                              “paletó”, “boné”, “matinê”; dos eslavos, “mazurca”, “estepe”;
                              dos gregos, “telefone”, “telepatia”; dos japoneses, “quimono”,
                              “tatame”; dos italianos, “gazeta”, “soneto”, “carnaval”; dos
                              turcos,    “divã”,   “sultão”;    dos     ingleses,   “futebol”,
                              “clube”.(STÖRIG, 1990, p.116-117)


1.2   ESTRANGEIRISMO NO BRASIL


      Um empréstimo representa geralmente o uso de algo que pertença a outro.
Quando uma palavra ou expressão estrangeira passa a fazer parte da língua
nacional acontece um empréstimo linguístico. A esse emprego de palavra, frase ou
construção sintática estrangeira dá-se o nome estrangeirismo. Com o passar dos
tempos algumas dessas palavras são utilizadas de forma corriqueira pelas pessoas,
contribuindo assim para uma atenuação do sentimento de estranheza. Como
consequência elas passam a fazer parte da língua nacional sendo encontradas até
mesmo nos dicionários.
      Para Garcez e Zilles:

                    Estrangeirismo é o emprego, na língua de uma comunidade, de
                    elementos oriundos de outras línguas. No caso brasileiro, posto
                    simplesmente, seria o uso de palavras e expressões estrangeiras no
                    português. Trata-se de fenômeno constante no contato entre
                    comunidades linguísticas, também chamado de empréstimo. A noção
                    de estrangeirismo, contudo, confere ao empréstimo uma suspeita de
                    identidade alienígena, carregada de valores simbólicos relacionados
                    aos falantes da língua que origina o empréstimo. (GARCEZ;
                    ZILLES, 2002, p.15)

      Grande parte das palavras da língua portuguesa tem origem no latim, grego,
árabe, espanhol, italiano, francês ou inglês. A utilização de palavras ou termos de
outros idiomas muitas vezes se dá no momento em que são importados objetos ou
14



moldes que não possuem um termo ou uma expressão que os nomeiem na língua
portuguesa. Câmara Júnior (1989, p. 269) diz que esses empréstimos abrangem
“todas as aquisições estrangeiras que uma língua faz em virtude das relações
políticas, comerciais ou culturais, propriamente ditas, com povos de outros países”.
.     As palavras estrangeiras geralmente passam por um processo de
aportuguesamento fonológico e gráfico. A Academia Brasileira de Letras, órgão
responsável pelo Vocabulário Ortográfico de Língua Portuguesa, tem função
importante no aportuguesamento dessas palavras.
      Diariamente a população brasileira é tentada a viver o ideal de vida norte-
americana, principalmente através das produções cinematográficas, das músicas e
dos bens de consumo não duráveis (perfumes, cosméticos, brinquedos, roupas,
entre outros). Saber ler ou falar inglês num país em desenvolvimento como o Brasil,
hoje torna-se algo de suma importância, visto que existe uma relação comercial e
cultural muito intensa entre os países.


                     No campo das mudanças linguísticas, os empréstimos de palavras
                     ou expressões são em geral associados a atitudes valorativas
                     positivas do povo que os toma em relação à língua e à cultura do
                     povo que lhes deu origem. Os empréstimos são reflexos de
                     processos culturais, políticos e econômicos bem mais amplos e
                     complexos. Muitas vezes são utilíssimos à elite, que assim se
                     demarca como diferente e superior [...]. Outras vezes, são felizes
                     incidências na constituição identitária e cultural de um povo [...]
                     (GARCES; ZILLES, 2002, p. 156).

      Nota-se que no transcorrer da história algumas línguas e culturas influenciam
outras, tais fatos se dão por acreditar que elementos culturais de um lugar possam
ser melhores que outros. A língua portuguesa adotada no Brasil desde a sua
colonização adquiriu palavras das línguas africanas e da língua tupi. Tais
empréstimos enriqueceram a língua portuguesa tornando-a mais distante da língua
portuguesa de Portugal. Como adverte Bagno (2002, p. 74) “os estrangeirismos não
alteram as estruturas da língua, a sua gramática. Por isso não são capazes de
destruí-las como juram os conservadores”.
      Hoje tem-se o inglês como língua universal mas, no passado tínhamos outras
línguas. De acordo com Störig (1990) a expressão “língua universal”, foi dada ao
latim no ápice do Império Romano, ao grego na era dos diádocos e ao francês como
língua das cortes europeias, da nobreza e da diplomacia do século XVII ao XIX.
15



      Bagno (2002) reforça a afirmação de Störig quando diz que durante quase
duzentos anos, até o inicio do século XX, o grande inimigo do português foi o
francês. Frei Francisco de São Luís criticava e condenava os empréstimos de
palavras francesas na língua portuguesa, uso este que ele intitulou de vício de
“pensar francês”.
      A partir do século XX o inglês ganha o status de língua universal causando
preocupação semelhante aos defensores de uma língua pura. Assim como no
passado Frei Francisco de São Luís lutou contra o estrangeirismo proveniente do
francês, o deputado Aldo Rebelo (PCdoB/SP) hoje luta contra o estrangeirismo
proveniente do inglês. Acreditando ele que o uso do estrangeirismo no Brasil estava
em estágio muito avançado, no ano de 1999 mandou para Comissão de
Constituição e Justiça da Câmara o projeto de lei que proibisse o uso do
estrangeirismo no país. Tal projeto foi aprovado em 2007.
      Diz o projeto que as palavras ou expressões em língua estrangeira devem vir
acompanhadas em letras de igual destaque, de seu correspondente em língua
portuguesa. (Projeto de Lei nº 1676-D de 1999)


                     A língua portuguesa é um dos elementos de integração nacional
                     brasileira, concorrendo, juntamente com outros fatores, para a
                     definição da soberania do Brasil como nação. [...] Os meios de
                     comunicação de massa e as instituições de ensino deverão, na forma
                     desta lei, participar ativamente da realização prática [desse objetivo]
                     (BRASIL, 1999, p. 1-2).


      O Estrangeirismo enriquece a língua, cobre lacunas que surgem em nossa
língua devido à globalização, seu uso correto deixa textos mais claros e objetivos.
Atualmente o Anglicismo é o que possui maior influência, estando presente em
quase todas as áreas como na informática em palavras como download, e-mail, em
equipamentos que são chamados hardware ou nos programas denominados
software, na publicidade encontramos os conhecidos outdoor, na moda as garotas
fazem seus books sonhando em ser uma top model. O projeto de lei do deputado
Aldo Rebelo não tem apenas uma preocupação gramatical, ele pensa numa
valorização maior da língua portuguesa no cenário sócio-cultural, tentando preservar
a língua como elemento de identidade cultural. Mas se ele quer deixar a língua como
um elemento de nossa identidade é preciso lembrar que o nosso povo é oriundo de
16



uma miscigenação muito grande, alem de ter sofrido e sofrer influências de diversos
povos com línguas e culturas diferentes.


1.3   ESTRAGEIRISMO e TIC’s


       É de conhecimento público que a língua inglesa é mundialmente aceita. Esse
fato se dá devido à influência, por exemplo, dos Estados Unidos, e em menor
proporção, de outros países desenvolvidos que tem o inglês como língua materna.
Como resultado dessa dinâmica linguística, tem-se um acelerado aumento lexical
nos campos das tecnologias, informática e economia. Exemplos como leasing,
know-how, déficits e superávit estão em varias áreas do conhecimento.
      Para ilustrar mais ainda esse fenômeno linguística, basta que se leia uma
revista ou um jornal (que também é um estrangeirismo, sua origem é francesa) para
poder observar a grande quantidade de palavras como business, pet shop, fast food,
outdoor, self service, free. É possível também perceber esse fenômeno em um
simples passeio pelas ruas de varias cidades brasileiras, ainda que remotas, para
verificar o uso de estrangeirismos, nas fachadas de lojas de diversas áreas,
principalmente nas de informática (Yes Conect, Baby Lan house), tecnologia (Master
Computer), esporte (Sport Life) e beleza (Ponto Hair). Portanto, fica evidente a
grande manifestação do anglicismo no Brasil devido à importação de grande
quantidade de produtos e serviços.
       Embora a língua inglesa seja aceita com naturalidade por um número grande
de brasileiros, há aqueles que a consideram uma presença ameaçadora para a
nossa identidade cultural. Tal crença tem como base a popularidade da língua
inglesa, que depois da portuguesa – língua oficial – é a mais falada no país, mesmo
o Brasil estando na América Latina cercado de países que falam espanhol.
       Diariamente a língua portuguesa recebe uma quantidade exagerada de
palavras e expressões idiomáticas oriundas da língua inglesa. Será que essa
“invasão” em grande escala do inglês na língua portuguesa significa um processo de
evolução linguística ou de desvalorização da nossa língua, que é um patrimônio
cultural?
       As influências linguísticas de um país sobre outro não devem ser analisados
separadamente, é necessário analisar o conjunto cultural por completo para ver em
que nível está a propagação de uma cultura sobre a outra.
17



       Segundo Alves (1992) o fato de os norte-americanos dominarem uma boa
parte do mercado ligado à tecnologia faz com que sejam introduzidas em nossa
língua muitas palavras dessa área, especialmente àquelas usadas no campo da
informática. Com a popularização das tecnologias da informação e comunicação, o
léxico da língua portuguesa sentiu necessidade de mais uma vez, fazer renovação
linguística nesse campo, recebendo um número muito grande de termos técnicos
para preencher as lacunas existentes. Este preenchimento ocorreu de forma muito
rápida graças a globalização e a internet, chamada de comunidade global
interligada. Essa comunicação rápida e global contribuiu para o surgimento de um
intercambio cultural e linguístico.
       É importante, entretanto, ressaltar que o estrangeirismo, enquanto fenômeno
linguístico, chama bastante atenção dos gramáticos, defensores da língua pura e
dos linguistas, que defendem e aprovam a ideia de que a língua não é usada de
modo uniforme por todos os seus falantes. Ela varia de acordo com as épocas, as
regiões, as classes sociais, sendo assim não há uma fronteira nítida, a língua é
sempre dinâmica. Faraco nos mostra que:

                      A realidade empírica central da linguística histórica é o fato de que as
                      línguas humanas mudam com o passar do tempo. Em outras
                      palavras, as línguas humanas não constituem realidades estáticas;
                      ao contrario, sua configuração estrutural se altera continuamente no
                      tempo. (FARACO, 1998, p.9)


       O anglicismo atualmente é forma de estrangeirismo mais comum em nosso
país em função da grande utilização da língua inglesa pelo nosso povo. Ele é mais
presente nos meios de comunicação que diariamente propõem em sua programação
uma quantidade muito grande de palavras de origem estrangeiras em praticamente
todos os setores da sociedade. Na área da tecnologia o inglês vem contribuindo bem
mais do que em outras áreas de conhecimento. Quando tratamos de ciências e
tecnologias a língua inglesa claramente se mostra superior ao português, seja para
denominar objetos ou programas.
       É necessário, portanto, ressaltar que o uso do estrangeirismo é um fenômeno
muito relevante para o desenvolvimento de uma língua. Ele ocorre quando existe um
grande intercambio cultural entre povos de línguas diferentes, devendo existir um
cuidado para que não haja uso exagerado de empréstimos estrangeiros como
alguns que são citados pelo deputado Aldo Rebelo na justificação do seu projeto de
18



lei, “que obrigação tem um cidadão brasileiro de entender que uma mercadoria ‘on
sale’ significa que esteja em liquidação?”. Esses às vezes não tem sentido algum
para um brasileiro. Mas quando falamos em TIC’s, o uso do estrangeirismo é
inevitável porque a maioria das tecnologias são importadas e não existem traduções
para alguns programas ou para as partes físicas (hardware) como por exemplo o
famoso e muito utilizado “pen drive”. O cuidado, entretanto, que se deve ter nestes
caso é com o aportuguesamento que as vezes não faz sentido nenhum para um
falante de língua inglesa como por exemplo startar, bidar, entre outros.
19



2 METODOLOGIA


       Uma pesquisa bem sucedida requer uma organização pautada em princípios
metodológicos que direcionem o andamento do trabalho de modo objetivo e eficaz.
       Para melhor discorrer sobre um tema, faz-se necessário um trabalho de
pesquisa bibliográfica, atividade de localização e consulta a fontes diversas de
informações escritas, para coletar dados gerais ou específicos a respeito de um
determinado tema. Trata-se de um estudo de textos impressos, assim, pesquisar é
procurar no âmbito dos livros e documentos escritos, as informações necessárias
para progredir no estudo de um tema de interesse.
       Em função disso, realiza-se um trabalho de pesquisa bibliográfica buscando
um referencial teórico de diversos autores na área de estrangeirismo. Apesar de ser
um tema ainda não muito explorado e discutido foi possível encontrar importantes
subsídios que ajudaram muito na realização dessa pesquisa. Para adquirir
conhecimentos sobre os conceitos expostos pelos teóricos fui a campo realizar uma
pesquisa. Segundo Barros:


                        a pesquisa de campo é aquela utilizada com o objetivo de conseguir
                        informações ou conhecimentos acerca de um problema, para o qual
                        se procura uma resposta, ou de uma hipótese, que se queira
                        comprovar, ou, ainda, descobrir novos fenômenos ou as relações
                        entre eles. (BARROS, 2000, p.188)


       Para melhor elucidar o tema em questão, foi utilizado como instrumento de
coleta de dados, formulários direcionados para empresários e consumidores do
comércio de Conceição do Coité - Bahia.
       Os formulários foram aplicados com 10 (dez) empresários e 10 (dez)
consumidores nos dias 26 de julho e 02 de agosto de 2011 nos comércios que
utilizavam o estrangeirismo como razão social1 ou nome de fantasia2 entre estes,
estavam uma loja de venda de aparelhos celulares, duas lan house, uma academia
de ginástica, casa de estética, uma loja de confecção, uma de material esportivo, um
salão de beleza, um estúdio de tatuagem e uma loja de vendas de computadores e
acessórios de informática.

1
  Razão social é o nome devidamente registrado sob o qual uma pessoa juridica se individualiza e
exerce suas atividades
2
  Nome fantasia (nome comercial, nome de fachada) é a designação popular de Título de
Estabelecimento utilizada por uma instituição (empresa, associação, etc)
20



      Nestes locais foram encontrados os sujeitos da pesquisa, os critérios
utilizados para selecionar foram: o primeiro teria que ser empresário e o segundo o
consumidor teria que estar frequentando o estabelecimento.
      Foram encontradas algumas dificuldades, o período escolhido para realização
da pesquisa era difícil encontrar o empresário, pois os mesmos estavam fazendo
serviços nos setores financeiros das lojas ou cobrindo o horário de almoço dos
funcionários, logo tivemos que voltar outras vezes para conseguir que os
comerciantes respondessem o formulário.
21




3 ANÁLISE DE DADOS


      Os pressupostos teóricos abordados no desenvolvimento do trabalho
apontam    que   o   estrangeirismo    é   fenômeno        constante   no   processo   de
desenvolvimento cultural das sociedades no transcorrer da história, e a cada
movimento histórico se adota o estrangeirismo oriundo das noções que tem maior
poder aquisitivo ou influencia relacionada a movimentos culturais de grande
destaque no mundo. Hoje no Brasil o inglês é mais influente.
      Para comprovar essas afirmações foi realizada uma pesquisa no comércio de
Conceição do Coité – Bahia, entre os comerciantes que adotavam nomes oriundos
do inglês em seus comércios e observou-se que eles em muitos casos nem
conheciam o significado, ou quando conheciam sabiam apenas uma tradução literal
bem grotesca ou que viram em algum lugar ou alguém lhes indicou.
       Após a pesquisa de campo, foi necessário tabular os dados contidos nos
formulários, separar as respostas e depois confeccionar os gráficos. Logo abaixo,
segue a análise das questões utilizadas na pesquisa.


3.1 DADOS DOS EMPRESÁRIOS


      Para a primeira pergunta destinada aos comerciantes: Qual o seu nível de
escolaridade? Obtiveram-se as seguintes respostas:


      Gráfico 1: Nível de escolaridade dos comerciantes.
22




      Neste gráfico pode-se notar que 80% (oitenta por cento) dos entrevistados
possuem o ensino médio completo, 10% (dez por cento) o ensino médio incompleto
e 10% (dez por cento) o ensino superior incompleto.
      Ao perguntar a esses comerciantes qual o seu nível de conhecimento com
relação ao inglês, obteve-se as seguintes respostas:


      Gráfico 2: Nível de conhecimento com relação ao inglês.




      No gráfico acima se pode notar certo equilíbrio com relação ao conhecimento
da língua inglesa. Das pessoas questionadas 50% (cinquenta por cento) dizem
possuir conhecimento básico, 40% (quarenta por cento) afirmam não ter
conhecimento nenhum da língua inglesa, mas mesmo assim usam um nome nessa
língua como razão social2 ou nome de fantasia de seus estabelecimentos, e apenas
10% (dez por cento) tem conhecimento pré-intermediário.
      Com as exposições gráficas mostradas anteriormente, fica evidente que
apesar dos comerciantes terem afirmado que possuíam o ensino médio completo,
eles, também, admitiram que o conhecimento em relação à língua inglesa era de
básico ou nenhum.
      Quando questionados sobre o porquê dos nomes ou quais fatores lhes
incentivaram a adotar os nomes em inglês, terceira e quarta perguntas do formulário,
as respostas eram as mais diversas possíveis. O proprietário do salão de beleza foi
claro ao dizer que – “meu amigo indicou o nome e disse que hair tinha a ver com
cabelo”, em seu relato falou que depois de um tempo descobriu que hair era a
23



tradução para cabelo e “Ponto Hair era mais atrativo que Ponto do Cabelo”. No
relato da proprietária da academia, ela nos contou que o nome foi resultado de uma
pesquisa que sua irmã fez em revistas e na internet. Por esse motivo, ela escolheu o
nome Sport Life e como agora também fazia massagens e cuidava da estética
corporal, ela criou a Stetic Life. Um dos relatos mais interessantes foi a do
proprietário de um estúdio de tatuagem denominado StudioTattoo - o jovem
empresário foi claro a contar o motivo da escolha do nome – nem sabia que a
palavra Studio daquela forma, estava escrita em inglês. Só tirei a letra “e” para dar
uma personalizada e ficar uma logomarca e com relação a palavra Tattoo essa eu
sabia, mas só usei porque todas as revistas desta área usam desta forma. A
proprietária da loja de confecções Sport Hilles disse que a escolha do nome foi de
seu marido que o viu em uma loja em São Paulo. Ele quis imitá-lo usando como
nome de fantasia. O proprietário de uma loja de vendas de aparelhos celulares disse
que escolheu o nome Cell Phone simplesmente porque esse nome já sugere qual o
produto vendido, e o termo phone é de conhecimento de praticamente todos.
      Para melhor demonstrar as respostas da quinta e sexta questão, fez-se
necessário a confecção de mais dois gráficos.


      Gráfico 3: Conhecimento do significado do nome da empresa.




      O gráfico acima representa a resposta para a pergunta: Você acredita que as
pessoas que frequentam este local conhecem o significado do nome dele? Foi
24



bastante equilibrada a resposta obtida, sendo 50% (cinquenta por cento) para sim e
de 50% (cinquenta por cento) para não. Quanto maior era o nível de escolaridade e
de conhecimento da língua inglesa dos empresários, menos acreditavam que as
pessoas frequentadoras do estabelecimento conhecessem o significado.


      Gráfico 4: Nome da empresa atrai mais consumidores?




      Apesar de existir um equilíbrio entre as respostas dos empresários, quando
questionados se eles acreditavam que os consumidores conheciam o significado do
nome da loja, houve uma pequena divergência com relação às respostas dadas para
o sexto questionamento. Eles acreditavam que o nome em inglês atraía mais
consumidores, porém o esperado era que a resposta fosse a mesma da quinta
questão. De acordo com o depoimento da proprietária da academia, por ser o local
frequentado apenas por mulheres e estas darem mais importância a “modismos”, os
nomes em inglês são mais atrativos. Para os proprietários das lan houses, fato
semelhante se observa. Os jovens também são muito influenciados por atualidades,
e estes constituem a maioria dos frequentadores deste tipo de estabelecimento.
      Embora o gráfico tenha mostrado que a maioria dos empresários acreditavam
que o nome em inglês atrairía mais consumidores, existiam aqueles que
discordavam disso, como é o caso do proprietário da loja de celulares. Este afirma
que as pessoas procuram os locais pelo produto vendido, a qualidade do
atendimento, indicação e outros, e não por seu nome.
25




3.2 DADOS DOS CONSUMIDORES


      Gráfico 5: Nível de escolaridade dos consumidores.




      Neste gráfico pode-se notar que 10% (dez por cento) dos entrevistados
possuem o ensino fundamental incompleto, 30% (trinta por cento) médio incompleto,
10% (dez por cento) o ensino médio completo e 40% (quarenta por cento) o ensino
superior incompleto e 10% (dez por cento) pós-graduado.

      Gráfico 6: Nível de conhecimento com relação ao inglês.
26



      Ao perguntar a esses consumidores qual o seu nível de conhecimento com
relação ao inglês, obtiveram-se as seguintes respostas: 40% (quarenta por cento)
dos entrevistados disseram que não tinham nenhum conhecimento, 40% (quarenta
por cento) básico, 10% (dez por cento) para intermediário e 10% (dez por cento)
para avançado. Analisando esse gráfico, pode-se notar que o conhecimento dos
consumidores entrevistados nessa pesquisa é bem equilibrado ocorrendo dois
empates sendo um de maior proporção para conhecimento básico e nenhum, e
outra igualdade em proporção menor para intermediário e avançado.


      Gráfico 7: Conhece o significado do nome da loja.




      Tomando como base o gráfico 6, Nível de conhecimento com relação ao
inglês onde a somatoria de basico, intermédiario e avaçado foi maior que nenhum
,era esperado que os consumidores conhecessem os significados dos nomes das
lojas fato esse provado na representação gráfica apresentada acima, onde 70%
(setenta por cento) disseram sim para eu conheço o significado restando apenas
30% (trinta por cento) para os que não conhecem o significado. O que chamou mais
atenção para esse quetionamento é que entre as pessoas que disseram não ter
nenhum conhecimento da lingúa inglesa, em 10% (dez por cento) dos casos
conheciam o significado ou a traduão literal do nome das lojas.
27



      Para a ultima pergunta direcionada aos consumidores, merecem destaque as
respostas obtidas dos entrevistados mais jovens, pois esses disseram que os nomes
em inglês lhes chamavam mais atenção que em português. Vejam a representação
gráfica abaixo.


      Gráfico 8:O nome da loja em inglês lhe chama mais atenção.




      Dos entrevistados 40% (quarenta por cento) disseram sim o nome em inglês
chama mais e atenção e 60% (sessenta por cento) disseram não. Para essa
pergunta foi solicitado uma justificativa e muitos dos entrevistados disseram que eles
procuravam as lojas pelo produto vendido, preço, atendimento ou amizade e não por
seu nome. Apenas as pessoas que disseram sim falavam que os nomes em inglês
eram atrativos. Vejam relato de um consumidor que procurava um celular da
operadora Vivo. - Entrei nessa loja porque me disseram que aqui era uma autorizada
da Vivo e na minha região só funciona essa operadora, nem olhei o nome dela. Uma
senhora que dissera possuir um conhecimento avançado em inglês e era pós-
graduada que estava em um salão de beleza relatou – venho aqui porque os
profissionais são ótimos, se fosse para vir aqui pelo nome, não viria porque essa
combinação de língua materna e língua estrangeira não soa bem para mim.
28



                              CONSIDERAÇÕES FINAIS


      Analisar as mutações pelas quais a língua passa, viver cada mudança sócio
cultural é um privilegio que apenas alguns tem. Na construção deste trabalho foi
notado que a preocupação que algumas pessoas tem com relação aos
estrangeirismos é algo infundado, visto que a língua portuguesa teve sua origem em
outra e foi aprimorada com o passar dos tempos graças ao contato com outras
culturas. Logo, a preocupação do Frei Francisco de São Luís no inicio do século XX
com relação ao Frances e atualmente do deputado Aldo Rebelo com inglês são
preocupações    infundadas,    pois   nossa língua   é   basicamente   formada   de
estrangeirismos.
      Com o objetivo de encontrar motivos para mostrar que o deputado está
equivocado e seu projeto de lei é desnecessário, a pesquisa realizada comprovou
que os empresários que fazem uso do estrangeirismo para nomear seus
estabelecimentos não tem como objetivo desvalorizar nossa língua materna e nem
atrair mais consumidores. Eles a utilizam apenas por acharem mais bonito ou por
realização própria visto que muitos deles não acreditam que os clientes possam
conhecer o significado do nome de seu estabelecimento.
      Em função da amplitude do tema, muito ainda pode ser dito. Entretanto,
espera-se que as concepções de vários pesquisadores acerca do estrangeirismo
aqui expostas, possam contribuir para desconstruir a ideia de que a presença de
estrangeirismos em nossa língua materna seja maléfica. Como disse Bagno (2002,
p. 74) “os estrangeirismos não alteram as estruturas da língua, a sua gramática. Por
isso não são capazes de destruí-las como juram os conservadores”.
29



                                 Referências

ALVES, Júlia Falivene. A invasão cultural Norte-Americana. São Paulo: Moderna,
1992.

BAGNO, Marcos. Cassandra, Fênix e outros Mitos. In: FARACO, Carlos Alberto
(Org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 2. ed. São Paulo: Parábola,
2002.

BARROS, Aidil Jesus Paes de. LEHFELD, Neide Aparecida de Souza.
Fundamentos de metodologia: um guia para a inicialização científica. 2.ed. amp.
São Paulo: Makron Books, 2000.

BRASIL, Diário da Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº. 1676, de 1999, p.
52060-52063, 4 de novembro de 1999.

CAMARA Jr., Joaquim Mattoso. Princípios de lingüística geral. Rio de Janeiro:
Padrão, 1989.

FARACO, Carlos Alberto. Linguistica histórica: uma introdução ao estudo das
linguas. 2. ed. São Paulo: Ática, 1998.

GARCEZ, Pedro M.; ZILLES, Ana Maria S. Estrangeirismos desejos e ameaças. In:
FARACO, Carlos Alberto (Org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 2.
ed. São Paulo: Parábola, 2002.

INFANTE, Ulisses. Curso prático de gramática aplicada aos textos. São Paulo:
Scipione, 2001.

STÖRIG, Hans Joachim. A aventura das línguas: Uma viagem através da história
dos idiomas do mundo. 3 ed.Tadução Gloria Paschoal de Camargo, São Paulo:
Melhoramento, 1990.
30



                     QUESTIONÁRIO PARA EMPRESÁRIOS



1 Qual seu nível de escolaridade?

 Fundamental 1 ( )            Médio incompleto ( )    Superior incompleto ( )
 Fundamental 2 ( )             Médio completo ( )         Superior completo ( )
                                                             Pós-graduado ( )

2 Qual seu nível de conhecimento com relação ao inglês?


 Fundamental 1 ( )            Médio incompleto ( )    Superior incompleto ( )
 Fundamental 2 ( )             Médio completo ( )         Superior completo ( )
                                                             Pós-graduado ( )


3 Quais fatores lhes incentivaram a adotar um nome em inglês para seu
estabelecimento?

___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________



4 Por que este nome?

___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________



5 Você acredita que as pessoas que frequentam este local conhecem o significado
do nome dele?



               SIM ( )                                    NÃO ( )



6 Você acredita que o nome em inglês atrai mais consumidores?



               SIM ( )                                    NÃO ( )
31



                    QUESTIONÁRIO PARA CONSUMIDORES



1 Qual seu nível de escolaridade?

 Fundamental 1 ( )            Médio incompleto ( )   Superior incompleto ( )
 Fundamental 2 ( )             Médio completo ( )         Superior completo ( )
                                                             Pós-graduado ( )

2 Qual seu nível de conhecimento com relação ao inglês?


 Fundamental 1 ( )            Médio incompleto ( )   Superior incompleto ( )
 Fundamental 2 ( )             Médio completo ( )         Superior completo ( )
                                                             Pós-graduado ( )


3 Você conhece o significado do nome desta loja?

               SIM ( )                                    NÃO ( )
4 O fato do nome dessa loja ser em inglês lhe chamou mais a atenção?

               SIM ( )                                    NÃO ( )


Justifique:
_________________________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Period Simples e Periodo Composto
Period Simples e Periodo Composto Period Simples e Periodo Composto
Period Simples e Periodo Composto
AndrCamargo46
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
Jose Arnaldo Silva
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavras
Evaí Oliveira
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
Rebeca Kaus
 
Fonologia e fonética
Fonologia e fonéticaFonologia e fonética
Fonologia e fonética
Jorge Henrique
 
Aula9: O texto opinativo
Aula9:  O texto opinativoAula9:  O texto opinativo
Aula9: O texto opinativo
André Figundio
 
7º ano E. F. II - Preposição, Crase
7º ano E. F. II - Preposição, Crase7º ano E. F. II - Preposição, Crase
7º ano E. F. II - Preposição, Crase
Angélica Manenti
 
Fonética
FonéticaFonética
Fonética
Marco Barreto
 
Colocação Pronominal
Colocação PronominalColocação Pronominal
Colocação Pronominal
Gramática Normativa
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
Josete Perdigao
 
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
Angélica Manenti
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Francisca Santos da Silva
 
Prefixos e-sufixos-2.0
Prefixos e-sufixos-2.0Prefixos e-sufixos-2.0
Prefixos e-sufixos-2.0
Nelsonrangel10
 
Classe de palavras verbos
Classe de palavras   verbosClasse de palavras   verbos
Classe de palavras verbos
ProfFernandaBraga
 
Os principais conectivos
Os principais conectivosOs principais conectivos
Os principais conectivos
profjcmendonca
 
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Verbos
Verbos  Verbos
Verbos
Juliana Mota
 
Slides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFicoSlides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFico
Flaviacristina74
 
Prepositions of place
Prepositions of placePrepositions of place
Prepositions of place
André Lima
 

Mais procurados (20)

Period Simples e Periodo Composto
Period Simples e Periodo Composto Period Simples e Periodo Composto
Period Simples e Periodo Composto
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Fonologia e fonética
Fonologia e fonéticaFonologia e fonética
Fonologia e fonética
 
Aula9: O texto opinativo
Aula9:  O texto opinativoAula9:  O texto opinativo
Aula9: O texto opinativo
 
7º ano E. F. II - Preposição, Crase
7º ano E. F. II - Preposição, Crase7º ano E. F. II - Preposição, Crase
7º ano E. F. II - Preposição, Crase
 
Fonética
FonéticaFonética
Fonética
 
Colocação Pronominal
Colocação PronominalColocação Pronominal
Colocação Pronominal
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Prefixos e-sufixos-2.0
Prefixos e-sufixos-2.0Prefixos e-sufixos-2.0
Prefixos e-sufixos-2.0
 
Classe de palavras verbos
Classe de palavras   verbosClasse de palavras   verbos
Classe de palavras verbos
 
Os principais conectivos
Os principais conectivosOs principais conectivos
Os principais conectivos
 
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
 
Verbos
Verbos  Verbos
Verbos
 
Slides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFicoSlides Novo Acordo OrtográFico
Slides Novo Acordo OrtográFico
 
Prepositions of place
Prepositions of placePrepositions of place
Prepositions of place
 

Destaque

Estrangeirismos
EstrangeirismosEstrangeirismos
Estrangeirismos
Sandro Pina
 
Estrangeirismos
EstrangeirismosEstrangeirismos
Estrangeirismos
teachernanda
 
O estrangeirismo
O estrangeirismoO estrangeirismo
O estrangeirismo
UNEB
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
7 de Setembro
 
estrangeirismo
estrangeirismoestrangeirismo
estrangeirismo
kelvin230493
 
Defesa de Monografia
Defesa de MonografiaDefesa de Monografia
Defesa de Monografia
Diego Gomes
 
Estrangeirismo
EstrangeirismoEstrangeirismo
Estrangeirismo
Joyce Pansanato
 
Estrangeirismo e sua Influência
Estrangeirismo e sua InfluênciaEstrangeirismo e sua Influência
Estrangeirismo e sua Influência
Adilson P Motta Motta
 
Plano de aula - Estrangeirismos na fala cotidiana dos brasileiros
Plano de aula - Estrangeirismos na fala cotidiana dos brasileirosPlano de aula - Estrangeirismos na fala cotidiana dos brasileiros
Plano de aula - Estrangeirismos na fala cotidiana dos brasileiros
Taiza Martins
 
Formação do Léxico da Língua Portuguesa
Formação do Léxico da Língua PortuguesaFormação do Léxico da Língua Portuguesa
Formação do Léxico da Língua Portuguesa
Universidade de Santiago de Compostela
 
Línguas Românicas e o léxico português
Línguas Românicas e o léxico portuguêsLínguas Românicas e o léxico português
Línguas Românicas e o léxico português
José Ferreira
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
Gabriel Lima
 
Fundamento Histórico da Semântica Lexical
Fundamento Histórico da Semântica LexicalFundamento Histórico da Semântica Lexical
Fundamento Histórico da Semântica Lexical
Universidade Federal de Roraima
 
Modelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesaModelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesa
bebel2011
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
nunesmaril
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
caurysilva
 
A gramática portuguesa
A gramática portuguesaA gramática portuguesa
A gramática portuguesa
João Patacão
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
jayarruda
 
Gramática
GramáticaGramática
Gramática
Ramilson Saldanha
 

Destaque (20)

Estrangeirismos
EstrangeirismosEstrangeirismos
Estrangeirismos
 
Estrangeirismos
EstrangeirismosEstrangeirismos
Estrangeirismos
 
O estrangeirismo
O estrangeirismoO estrangeirismo
O estrangeirismo
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
 
estrangeirismo
estrangeirismoestrangeirismo
estrangeirismo
 
Defesa de Monografia
Defesa de MonografiaDefesa de Monografia
Defesa de Monografia
 
Estrangeirismo
EstrangeirismoEstrangeirismo
Estrangeirismo
 
Estrangeirismo e sua Influência
Estrangeirismo e sua InfluênciaEstrangeirismo e sua Influência
Estrangeirismo e sua Influência
 
Plano de aula - Estrangeirismos na fala cotidiana dos brasileiros
Plano de aula - Estrangeirismos na fala cotidiana dos brasileirosPlano de aula - Estrangeirismos na fala cotidiana dos brasileiros
Plano de aula - Estrangeirismos na fala cotidiana dos brasileiros
 
Formação do Léxico da Língua Portuguesa
Formação do Léxico da Língua PortuguesaFormação do Léxico da Língua Portuguesa
Formação do Léxico da Língua Portuguesa
 
Línguas Românicas e o léxico português
Línguas Românicas e o léxico portuguêsLínguas Românicas e o léxico português
Línguas Românicas e o léxico português
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
 
Fundamento Histórico da Semântica Lexical
Fundamento Histórico da Semântica LexicalFundamento Histórico da Semântica Lexical
Fundamento Histórico da Semântica Lexical
 
Modelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesaModelo dos slides de apresentação da defesa
Modelo dos slides de apresentação da defesa
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
 
A gramática portuguesa
A gramática portuguesaA gramática portuguesa
A gramática portuguesa
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
Gramática
GramáticaGramática
Gramática
 

Semelhante a Estrangeirismo

Monografia roberta parcial
Monografia roberta parcialMonografia roberta parcial
Monografia roberta parcial
aguiarcamarada
 
O ensino interdisciplinar de lingua inglesa
O ensino interdisciplinar de lingua inglesaO ensino interdisciplinar de lingua inglesa
O ensino interdisciplinar de lingua inglesa
UNEB
 
CONTEÚDO-E-METODOLOGIA-DA-LINGUA-PORTUGUESA.pdf
CONTEÚDO-E-METODOLOGIA-DA-LINGUA-PORTUGUESA.pdfCONTEÚDO-E-METODOLOGIA-DA-LINGUA-PORTUGUESA.pdf
CONTEÚDO-E-METODOLOGIA-DA-LINGUA-PORTUGUESA.pdf
NatliaCarolinedeoliv
 
(12) 11.00 Edleise Mendes (Louvre II, 25.04)
(12) 11.00 Edleise Mendes (Louvre II, 25.04)(12) 11.00 Edleise Mendes (Louvre II, 25.04)
(12) 11.00 Edleise Mendes (Louvre II, 25.04)
CAEI
 
Relatório de estágio ana viegas 41216
Relatório de estágio   ana viegas 41216Relatório de estágio   ana viegas 41216
Relatório de estágio ana viegas 41216
AnaMargarida Viegas
 
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de OliveiraMonografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
UNEB
 
Auxiliares de conversación ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
Auxiliares de conversación   ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13Auxiliares de conversación   ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
Auxiliares de conversación ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
Ensinar Português Andaluzia
 
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento OrientadorPortuguês Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
Ensinar Português Andaluzia
 
Monongrafia - O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E AS SUAS NOVAS ABORDAGENS METODOLÓG...
Monongrafia - O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E AS SUAS NOVAS ABORDAGENS METODOLÓG...Monongrafia - O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E AS SUAS NOVAS ABORDAGENS METODOLÓG...
Monongrafia - O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E AS SUAS NOVAS ABORDAGENS METODOLÓG...
Lourdes Rocha
 
Relações entre o Português europeu e as suas variedades internacionais: um es...
Relações entre o Português europeu e as suas variedades internacionais: um es...Relações entre o Português europeu e as suas variedades internacionais: um es...
Relações entre o Português europeu e as suas variedades internacionais: um es...
CIDTFF – Centro de Investigação em Didática e Tecnologia na Formação de Formadores
 
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
Ensiname
 
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
UNEB
 
ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E INGLESA: PROFESSORES EM FORMAÇÃO
ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E INGLESA: PROFESSORES EM FORMAÇÃOENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E INGLESA: PROFESSORES EM FORMAÇÃO
ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E INGLESA: PROFESSORES EM FORMAÇÃO
Augusto Figueiredo
 
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão interculturalEnsino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
UNEB
 
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos OliveiraMonografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
UNEB
 
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva FerreiraMonografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
UNEB
 
Idéias para ensinar português para alunos surdos
Idéias para ensinar português para alunos surdosIdéias para ensinar português para alunos surdos
Idéias para ensinar português para alunos surdos
Mirlene Oliveira
 
Aula de acolhimento 09 de setembro 09 de setembro de 2020
Aula de acolhimento 09 de setembro 09 de setembro de 2020Aula de acolhimento 09 de setembro 09 de setembro de 2020
Aula de acolhimento 09 de setembro 09 de setembro de 2020
Maurício Cruz
 
O Português São Dois
O Português São DoisO Português São Dois
O Português São Dois
Maria Izabel Chaves
 
Ler e escrever diferente
Ler e escrever diferenteLer e escrever diferente
Ler e escrever diferente
Edneia Silva
 

Semelhante a Estrangeirismo (20)

Monografia roberta parcial
Monografia roberta parcialMonografia roberta parcial
Monografia roberta parcial
 
O ensino interdisciplinar de lingua inglesa
O ensino interdisciplinar de lingua inglesaO ensino interdisciplinar de lingua inglesa
O ensino interdisciplinar de lingua inglesa
 
CONTEÚDO-E-METODOLOGIA-DA-LINGUA-PORTUGUESA.pdf
CONTEÚDO-E-METODOLOGIA-DA-LINGUA-PORTUGUESA.pdfCONTEÚDO-E-METODOLOGIA-DA-LINGUA-PORTUGUESA.pdf
CONTEÚDO-E-METODOLOGIA-DA-LINGUA-PORTUGUESA.pdf
 
(12) 11.00 Edleise Mendes (Louvre II, 25.04)
(12) 11.00 Edleise Mendes (Louvre II, 25.04)(12) 11.00 Edleise Mendes (Louvre II, 25.04)
(12) 11.00 Edleise Mendes (Louvre II, 25.04)
 
Relatório de estágio ana viegas 41216
Relatório de estágio   ana viegas 41216Relatório de estágio   ana viegas 41216
Relatório de estágio ana viegas 41216
 
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de OliveiraMonografia de Wagner Simões de Oliveira
Monografia de Wagner Simões de Oliveira
 
Auxiliares de conversación ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
Auxiliares de conversación   ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13Auxiliares de conversación   ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
Auxiliares de conversación ana margarida laranjeira viegas - 29 jun13
 
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento OrientadorPortuguês Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
Português Língua Não Materna no Currículo Nacional - Documento Orientador
 
Monongrafia - O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E AS SUAS NOVAS ABORDAGENS METODOLÓG...
Monongrafia - O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E AS SUAS NOVAS ABORDAGENS METODOLÓG...Monongrafia - O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E AS SUAS NOVAS ABORDAGENS METODOLÓG...
Monongrafia - O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E AS SUAS NOVAS ABORDAGENS METODOLÓG...
 
Relações entre o Português europeu e as suas variedades internacionais: um es...
Relações entre o Português europeu e as suas variedades internacionais: um es...Relações entre o Português europeu e as suas variedades internacionais: um es...
Relações entre o Português europeu e as suas variedades internacionais: um es...
 
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
 
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
Leitura de textos literários em língua inglesa e a influência cultural a favo...
 
ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E INGLESA: PROFESSORES EM FORMAÇÃO
ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E INGLESA: PROFESSORES EM FORMAÇÃOENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E INGLESA: PROFESSORES EM FORMAÇÃO
ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E INGLESA: PROFESSORES EM FORMAÇÃO
 
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão interculturalEnsino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
Ensino/aprendisagem de Inglês em uma visão intercultural
 
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos OliveiraMonografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
Monografia de Kelly Tainan Santos Oliveira
 
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva FerreiraMonografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
Monografia de Laisa Dioly da Silva Ferreira
 
Idéias para ensinar português para alunos surdos
Idéias para ensinar português para alunos surdosIdéias para ensinar português para alunos surdos
Idéias para ensinar português para alunos surdos
 
Aula de acolhimento 09 de setembro 09 de setembro de 2020
Aula de acolhimento 09 de setembro 09 de setembro de 2020Aula de acolhimento 09 de setembro 09 de setembro de 2020
Aula de acolhimento 09 de setembro 09 de setembro de 2020
 
O Português São Dois
O Português São DoisO Português São Dois
O Português São Dois
 
Ler e escrever diferente
Ler e escrever diferenteLer e escrever diferente
Ler e escrever diferente
 

Mais de UNEB

TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de OliveiraTCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
UNEB
 
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo GiovaneTCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
UNEB
 
TCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges AlvesTCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges Alves
UNEB
 
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento PereiraTCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
UNEB
 
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís AselmoTCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
UNEB
 
Memorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira SantosMemorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira Santos
UNEB
 
TCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira SantosTCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira Santos
UNEB
 
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da SilvaTCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
UNEB
 
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva FerrazMonografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
UNEB
 
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira PereiraMonografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
UNEB
 
Monografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima OliveiraMonografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima Oliveira
UNEB
 
Monografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana MirandaMonografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana Miranda
UNEB
 
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira RamosMonografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
UNEB
 
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho SantosMonografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
UNEB
 
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVAMONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
UNEB
 
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
UNEB
 
1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde
UNEB
 
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas hélio pereira barreto
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas   hélio pereira barretoA crítica orwelliana aos regimes totalitaristas   hélio pereira barreto
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas hélio pereira barreto
UNEB
 
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
UNEB
 
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
UNEB
 

Mais de UNEB (20)

TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de OliveiraTCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
 
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo GiovaneTCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
TCC de Laudécio Carnerio e Paulo Giovane
 
TCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges AlvesTCC de Jussara Borges Alves
TCC de Jussara Borges Alves
 
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento PereiraTCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
TCC de Edisvânio do Nascimento Pereira
 
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís AselmoTCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
TCC de Douglas Santos, Jussara Oliveira e Luís Aselmo
 
Memorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira SantosMemorial de Camila Oliveira Santos
Memorial de Camila Oliveira Santos
 
TCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira SantosTCC de Camila Oliveira Santos
TCC de Camila Oliveira Santos
 
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da SilvaTCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
TCC de Batriz dos Santos e Gezarela da Silva
 
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva FerrazMonografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
Monografia de Débora Araújo da Silva Ferraz
 
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira PereiraMonografia de Josiélia Oliveira Pereira
Monografia de Josiélia Oliveira Pereira
 
Monografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima OliveiraMonografia de Leila de Lima Oliveira
Monografia de Leila de Lima Oliveira
 
Monografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana MirandaMonografia de Glécia de Santana Miranda
Monografia de Glécia de Santana Miranda
 
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira RamosMonografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
Monografia de Deiseluce de Oliveira Ramos
 
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho SantosMonografia de Bonifácio Carvalho Santos
Monografia de Bonifácio Carvalho Santos
 
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVAMONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
MONOGRAFIA DE ANA ZILÁ RAMOS OLIVEIRA DA SILVA
 
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
As estratégias de aprendizagem utilizadas por alunos do sexto ano de língua i...
 
1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde1984 - literatura e Modernidde
1984 - literatura e Modernidde
 
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas hélio pereira barreto
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas   hélio pereira barretoA crítica orwelliana aos regimes totalitaristas   hélio pereira barreto
A crítica orwelliana aos regimes totalitaristas hélio pereira barreto
 
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
Desenvolvimento da oralidade em língua inglesa com a utilização dos recursos ...
 
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
O uso do lúdico como estratégia de desenvolvimento das inteligências múltipla...
 

Último

A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Estrangeirismo

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XIV ANTONIO MASCARENHAS OLIVEIRA O ESTRANGEIRISMO Conceição do Coité 2011
  • 2. ANTONIO MASCARENHAS OLIVEIRA O ESTRANGEIRISMO Monografia apresentada à Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação, Campus XIV, como requisito final à conclusão do Curso de Licenciatura em Letras – Língua Inglesa. Orientador: Prof. Fernando Sodré. Conceição do Coité 2011
  • 3. ANTONIO MASCARENHAS OLIVEIRA O ESTRANGEIRISMO Monografia apresentado à Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação, Campus XIV, como requisito final à conclusão do Curso de Licenciatura em Letras – Língua Inglesa. Aprovada em: ___/___/___ Banca examinadora _______________________________ Fernando Sodré – Orientador Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV _________________________________________ Neila Maria Oliveira Santana - Professora Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV _________________________________________ Raulino Batista Figueiredo Neto - Professor Universidade do Estado da Bahia – Campus XIV Conceição do Coité 2011
  • 4. AGRADECIMENTOS A Deus, em primeiro, lugar pelo dom da vida e por ter cuidado de nós ao longo de todos esses anos nos dando força e coragem para enfrentar todos os obstáculos. A minha esposa e filhos, que sempre me deram apoio, contribuindo ativamente para minha formação acadêmica. Ao Professor Fernando Sodré, pois mesmo não sendo meu professor em nenhum semestre aceitou me orientar e acreditou na minha capacidade para realização deste trabalho. Ao professor mestrando Luis Claudio Mota Mascarenhas, que mesmo não sendo funcionário da UNEB, no inicio deste trabalho fez as primeiras orientações. Aos colegas, pelos momentos de alegria, convívio e apoio. Aos amigos, pela amizade, por estender a mão, apoiar e confortar nos momentos de angústias e dificuldades.
  • 5. RESUMO No decorrer da história o uso dos estrangeirismos é algo comum na língua portuguesa trazendo novos vocábulos, ideologias e multiculturalismo para novas discussões. O português recebe vocábulos como resultados das relações políticas, culturais e comerciais com outros países. No atual contexto histórico o inglês fornece vasta nomenclatura, demonstrando que o processo linguístico está relacionado com a história sócio-político-cultural de um povo. A entrada de elementos estrangeiros é um fenômeno sociolinguístico ligado ao prestígio de que uma língua ou povo que a fala goza. O inglês como atual língua universal permite um mínimo de comunicação entre todos. Constata-se que essa liderança idiomática é reflexo de vários fatores, entre os mais relevantes pode-se destacar a globalização e o domínio das tecnologias da informação e comunicação (TIC’s), assim como, é perceptível e inegável a predileção de termos estrangeiros por usuários de nosso idioma, resultando em influência na língua e na cultura brasileira, sem provocar alterações na estrutura gramatical da língua portuguesa. Palavras-chave: Língua portuguesa. Estrangeirismo. Língua inglesa.
  • 6. ABSTRACT Throughout history the use of foreign words is common in Portuguese bringing new words, ideologies and multiculturalism for further discussion. The Portuguese words receives as a result of political, cultural and trade with other countries. In the current historical context provides extensive English nomenclature, demonstrating that the linguistic process is related to the history of socio-political and cultural life of the people. The entry of foreign elements is a sociolinguistic phenomenon linked to the prestige of a language or speech that people enjoy. English as a universal language now allows a minimum of communication between everyone. It appears that this leadership idiomatic reflects several factors, including the most relevant can be highlighted globalization and dominance of information technology and communication (ICT), and it is noticeable and undeniable preference of foreign terms for users our language, resulting in influence in language and Brazilian culture, without changing the grammatical structure of the Portuguese language. Key words: Portuguese language. Foreign words. English language.
  • 7. LISTA DE GRÁFICOS E TABELAS Gráfico 1: Nível de escolaridade dos comerciantes ................................................. 21 Gráfico 2: Nível de conhecimento com relação ao inglês.......................................... 22 Gráfico 3: Conhece o significado do nome da loja ................................................... 23 Gráfico 4:O nome da loja em inglês lhe chama mais atenção................................... 24 Gráfico 5: Nível de escolaridade dos consumidores ................................................. 25 Gráfico 6: Nível de conhecimento com relação ao inglês ......................................... 25 Gráfico 7: Conhece o significado do nome da loja ................................................... 26 Gráfico 8:O nome da loja em inglês lhe chama mais atenção .................................. 27
  • 8. Sumário INTRODUÇÃO ............................................................................................................ 9 CAPITULO I - ESTRANGEIRISMO ......................................................................... 11 1.1 ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA................................................................ 11 1.2 ESTRANGEIRISMO NO BRASIL ........................................................................ 13 1.3 ESTRAGEIRISMO E TIC’s ................................................................................. 16 CAPITULO II - METODOLOGIA ............................................................................... 19 CAPITULO III - ANÁLISE DOS DADOS................................................................... 21 3.1 DADOS DOS EMPRESÁRIOS ............................................................................ 21 3.2 DADOS DOS CONSUMIDORES ........................................................................ 25 CONSIDERAÇÕES FINAIS ...................................................................................... 28 REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 29 APÊNDICES ............................................................................................................. 30 QUESTIONÁRIO PARA EMPRESÁRIOS ................................................................. 30 QUESTIONÁRIO PARA CONSUMIDORES.............................................................. 31
  • 9. 9 INTRODUÇÃO O estrangeirismo está sempre presente nos processos culturais em qualquer lugar do mundo. Para analisar a aquisição de empréstimos linguísticos é preciso compreender como o processo de colonização e imigrações até os dias de hoje contribuem para que palavras de outra língua sejam inseridas no nosso cotidiano, visto que este processo gera miscigenações culturais e linguísticas, sem que haja necessidades de mudanças de vida dos emissores e receptores desses empréstimos. No mundo globalizado, todos os povos receberam e continuam recebendo contribuições linguísticas provenientes do intercambio com outras nações, tanto através da importação de produtos, como da utilização de termos associados a ações ou expressões externas, não sendo possível determinar o quanto essa prática durou ou quanto ela ainda vai durar. O estrangeirismo presente em nossa língua não é um fenômeno contemporâneo, há uma mudança constante começando na língua tupi que era utilizado pelos nativos no período do descobrimento, depois com a chegada do português de Portugal e aos poucos a língua tupiniquim foi-se aportuguesando e incorporando outros vocábulos de línguas diversas como o espanhol, o francês, o italiano entre outras, para assim constituir-se o português que hoje é falado no Brasil. O estrangeirismo está presente em diversos vocábulos inseridos na língua portuguesa, a exemplo de boné, paletó (do francês); samba, acarajé (do africano); arara, tucano, Tatuapé (do Tupi); jeans, modem (do inglês). É comum também encontrarmos a influência de outras línguas em nomes de lojas comerciais espalhadas pelo Brasil. Na Bahia não é diferente. Esse fato pode ser observado na grande quantidade de palavras estrangeiras utilizadas por empresários para denominar estabelecimentos comercias em Conceição do Coité, Região Sisaleira. Assim, esse fato motivou a realização dessa pesquisa, cuja finalidade é verificar se essa utilização é fundamentada em conhecimento prévio da língua estrangeira ou por modismo. Esta pesquisa terá um caráter descritivo, fundamentada em revisão bibliográfica sobre a história da língua portuguesa e seu processo evolutivo até os
  • 10. 10 dias atuais, e como outros idiomas influenciaram e ainda influenciam a língua, já que esta não é imutável. A revisão bibliográfica será complementada com uma pesquisa de campo, em que serão entrevistados donos de estabelecimentos comerciais que utilizam a língua inglesa para nomear suas lojas e alguns frequentadores. A pesquisa de campo será realizada no período de março a abril de 2011, os instrumentos de coleta de dados usados serão entrevista mediada por um questionário e fotografias das fachadas das lojas. O presente trabalho está dividido em três capítulos. O primeiro capitulo é uma revisão bibliográfica sobre o tema Estrangeirismo, cujos principais teóricos que embasaram o trabalho foram Bagno (2002), Garcez e Zilles (2002) e Störig (1990). Esse capítulo está subdividido em três partes que abordam a questão da origem da língua portuguesa no Brasil, o estrangeirismo e a relação desse com as tecnologias de informação e comunicação (TIC’s). No segundo capítulo tem a metodologia e o terceiro a analise de dados coletados na pesquisa.
  • 11. 11 CAPÍTULO I ESTRANGEIRISMO Apesar de não ser um fenômeno contemporâneo, o empréstimo ou uso de uma palavra ou expressão oriunda de outra língua, conhecido como estrangeirismo, tem se intensificado cada vez mais com a globalização. Para podermos melhor explanar sobre este fenômeno, começaremos analisando a origem da língua portuguesa, que como todas as demais línguas neolatinas ou românicas sugiram a partir da expansão e vulgarização do latim clássico levada pelo Império Romano, sua chegada ao Brasil e uso contemporâneo dos estrangeirismos (principalmente os de língua inglesa) nas tecnologias da informação e comunicação. 1.1 ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA O português teve sua origem no latim falado que era imposto aos povos dominados pelos exércitos romanos, já que o Império Romano no século II a.C., vivia o seu apogeu e dominava quase todo o mundo até então conhecido, até a Península Ibérica, onde atualmente se situam a Espanha e Portugal. Essa língua falada pelos soldados romanos não era o latim clássico das obras literárias deste período, era o latim tido como vulgar, porque era falado pelo povo sem preocupações sintáticas ou morfológicas, não tendo nenhuma ligação com regras gramaticais, era uma língua autônoma. Com o passar do tempo, o latim vulgar imposto pelo exército romano na Península Ibérica, foi sofrendo alterações graças aos dialetos e outras línguas existentes na região. Aos poucos o português foi aperfeiçoado e adquiriu em seu léxico novas palavras de origem germânicas trazidas pelas invasões bárbaras do século V, árabes do século VII. Com o declínio do Império Romano e as consequentes independências de suas províncias, intensificaram-se as diferenças dos falares, surgindo assim diversas línguas que, por serem originadas do latim vulgar, trazido pelo povo romano, receberam o nome de românicas ou neolatinas, destas destacaram-se o português, o francês, o espanhol e o italiano. Com a independência política de Portugal no século XI, o português tornou-se a língua oficial desse país, mas só no século XII surgiram os primeiros textos
  • 12. 12 escritos nessa língua. De acordo com Störig (1990, p.114) “o trovador Paio Soares de Taveiros produziu em 1198 o que é o primeiro ou mais remoto texto literário conhecido em língua portuguesa”. Com as grandes navegações dos séculos XV e XVI Portugal viveu seu apogeu e levou a língua portuguesa para diversas áreas, como partes da Ásia, da África e para o Brasil, cujos territórios foram colonizados neste período. No caso da língua portuguesa, podem-se apontar casos de palavras tomadas de línguas estrangeiras em tempos muito antigos. Esses empréstimos provieram de línguas célticas, germânicas e árabes e ao longo do processo de formação do português na Península Ibérica. Posteriormente, o Renascimento e as navegações portuguesas permitiram empréstimos de línguas europeias modernas e de línguas africanas, americanas e asiáticas. (INFANTE, 2001, p. 193). Antes da chegada dos lusitanos, a língua falada no Brasil era de origem indígena, e a mais conhecida era o tupi, falada pelos povos tupinambás embora ela fosse predominante entre os índios, mas não a única. Com a colonização do Brasil os portugueses impuseram como língua oficial o Português de Portugal. A partir da convivência cultural entre dominantes e dominados várias palavras de origem tupi foram sendo utilizadas e acabaram incorporadas ao léxico português, ou por aportuguesamento ou por uso na forma original, surgindo assim uma língua portuguesa com diferenciação da língua originária dos colonizadores. Com as grandes navegações os países colonizadores tinham a necessidade de adquirir mão de obra para extrair os produtos que iriam ser comercializados. Não querendo trabalhar duro, os colonizadores passaram a escravizar os povos dominados. No Brasil essa política não teve muito êxito, pois os índios não aceitaram a servidão, então trouxeram os africanos para trabalharem aqui no Brasil. Como vinham de diversas regiões da África traziam seus dialetos e aos poucos algumas palavras também foram aportuguesadas e acrescentadas ao vocabulário. Assim como as palavras indígenas, as africanas ainda são utilizadas por nós, na maioria dos casos não tenhamos a mínima ideia de que elas se configurem como estrangeirismos. No entanto, tem sido de grande serventia para nossa cultura até os dias de hoje. Percebe-se que varias culturas contribuíram com vocábulos para formação da língua portuguesa falada no Brasil propiciando, na maioria das vezes, bons resultados. Essa contribuição lexical distanciou cada vez mais nosso idioma daquele
  • 13. 13 falado em Portugal. Os estrangeirismos existentes em nossa língua não se restringiram apenas a povos colonizados, houve também muitas influencias europeias acentuadas com os processos migratórios ocorridos após a abolição da escravatura em 1889. Störig exemplifica como ocorreu esse processo: incorporou só para exemplificar: dos alemães , “níquel”, ”gás”, “zinco”; dos espanhóis , “bolero”, “castanhola”, sendo que os bascos trouxeram, de sua língua, “cachorro”, “modorra” e outras palavras terminadas em “arra” “orro”; dos franceses, “paletó”, “boné”, “matinê”; dos eslavos, “mazurca”, “estepe”; dos gregos, “telefone”, “telepatia”; dos japoneses, “quimono”, “tatame”; dos italianos, “gazeta”, “soneto”, “carnaval”; dos turcos, “divã”, “sultão”; dos ingleses, “futebol”, “clube”.(STÖRIG, 1990, p.116-117) 1.2 ESTRANGEIRISMO NO BRASIL Um empréstimo representa geralmente o uso de algo que pertença a outro. Quando uma palavra ou expressão estrangeira passa a fazer parte da língua nacional acontece um empréstimo linguístico. A esse emprego de palavra, frase ou construção sintática estrangeira dá-se o nome estrangeirismo. Com o passar dos tempos algumas dessas palavras são utilizadas de forma corriqueira pelas pessoas, contribuindo assim para uma atenuação do sentimento de estranheza. Como consequência elas passam a fazer parte da língua nacional sendo encontradas até mesmo nos dicionários. Para Garcez e Zilles: Estrangeirismo é o emprego, na língua de uma comunidade, de elementos oriundos de outras línguas. No caso brasileiro, posto simplesmente, seria o uso de palavras e expressões estrangeiras no português. Trata-se de fenômeno constante no contato entre comunidades linguísticas, também chamado de empréstimo. A noção de estrangeirismo, contudo, confere ao empréstimo uma suspeita de identidade alienígena, carregada de valores simbólicos relacionados aos falantes da língua que origina o empréstimo. (GARCEZ; ZILLES, 2002, p.15) Grande parte das palavras da língua portuguesa tem origem no latim, grego, árabe, espanhol, italiano, francês ou inglês. A utilização de palavras ou termos de outros idiomas muitas vezes se dá no momento em que são importados objetos ou
  • 14. 14 moldes que não possuem um termo ou uma expressão que os nomeiem na língua portuguesa. Câmara Júnior (1989, p. 269) diz que esses empréstimos abrangem “todas as aquisições estrangeiras que uma língua faz em virtude das relações políticas, comerciais ou culturais, propriamente ditas, com povos de outros países”. . As palavras estrangeiras geralmente passam por um processo de aportuguesamento fonológico e gráfico. A Academia Brasileira de Letras, órgão responsável pelo Vocabulário Ortográfico de Língua Portuguesa, tem função importante no aportuguesamento dessas palavras. Diariamente a população brasileira é tentada a viver o ideal de vida norte- americana, principalmente através das produções cinematográficas, das músicas e dos bens de consumo não duráveis (perfumes, cosméticos, brinquedos, roupas, entre outros). Saber ler ou falar inglês num país em desenvolvimento como o Brasil, hoje torna-se algo de suma importância, visto que existe uma relação comercial e cultural muito intensa entre os países. No campo das mudanças linguísticas, os empréstimos de palavras ou expressões são em geral associados a atitudes valorativas positivas do povo que os toma em relação à língua e à cultura do povo que lhes deu origem. Os empréstimos são reflexos de processos culturais, políticos e econômicos bem mais amplos e complexos. Muitas vezes são utilíssimos à elite, que assim se demarca como diferente e superior [...]. Outras vezes, são felizes incidências na constituição identitária e cultural de um povo [...] (GARCES; ZILLES, 2002, p. 156). Nota-se que no transcorrer da história algumas línguas e culturas influenciam outras, tais fatos se dão por acreditar que elementos culturais de um lugar possam ser melhores que outros. A língua portuguesa adotada no Brasil desde a sua colonização adquiriu palavras das línguas africanas e da língua tupi. Tais empréstimos enriqueceram a língua portuguesa tornando-a mais distante da língua portuguesa de Portugal. Como adverte Bagno (2002, p. 74) “os estrangeirismos não alteram as estruturas da língua, a sua gramática. Por isso não são capazes de destruí-las como juram os conservadores”. Hoje tem-se o inglês como língua universal mas, no passado tínhamos outras línguas. De acordo com Störig (1990) a expressão “língua universal”, foi dada ao latim no ápice do Império Romano, ao grego na era dos diádocos e ao francês como língua das cortes europeias, da nobreza e da diplomacia do século XVII ao XIX.
  • 15. 15 Bagno (2002) reforça a afirmação de Störig quando diz que durante quase duzentos anos, até o inicio do século XX, o grande inimigo do português foi o francês. Frei Francisco de São Luís criticava e condenava os empréstimos de palavras francesas na língua portuguesa, uso este que ele intitulou de vício de “pensar francês”. A partir do século XX o inglês ganha o status de língua universal causando preocupação semelhante aos defensores de uma língua pura. Assim como no passado Frei Francisco de São Luís lutou contra o estrangeirismo proveniente do francês, o deputado Aldo Rebelo (PCdoB/SP) hoje luta contra o estrangeirismo proveniente do inglês. Acreditando ele que o uso do estrangeirismo no Brasil estava em estágio muito avançado, no ano de 1999 mandou para Comissão de Constituição e Justiça da Câmara o projeto de lei que proibisse o uso do estrangeirismo no país. Tal projeto foi aprovado em 2007. Diz o projeto que as palavras ou expressões em língua estrangeira devem vir acompanhadas em letras de igual destaque, de seu correspondente em língua portuguesa. (Projeto de Lei nº 1676-D de 1999) A língua portuguesa é um dos elementos de integração nacional brasileira, concorrendo, juntamente com outros fatores, para a definição da soberania do Brasil como nação. [...] Os meios de comunicação de massa e as instituições de ensino deverão, na forma desta lei, participar ativamente da realização prática [desse objetivo] (BRASIL, 1999, p. 1-2). O Estrangeirismo enriquece a língua, cobre lacunas que surgem em nossa língua devido à globalização, seu uso correto deixa textos mais claros e objetivos. Atualmente o Anglicismo é o que possui maior influência, estando presente em quase todas as áreas como na informática em palavras como download, e-mail, em equipamentos que são chamados hardware ou nos programas denominados software, na publicidade encontramos os conhecidos outdoor, na moda as garotas fazem seus books sonhando em ser uma top model. O projeto de lei do deputado Aldo Rebelo não tem apenas uma preocupação gramatical, ele pensa numa valorização maior da língua portuguesa no cenário sócio-cultural, tentando preservar a língua como elemento de identidade cultural. Mas se ele quer deixar a língua como um elemento de nossa identidade é preciso lembrar que o nosso povo é oriundo de
  • 16. 16 uma miscigenação muito grande, alem de ter sofrido e sofrer influências de diversos povos com línguas e culturas diferentes. 1.3 ESTRAGEIRISMO e TIC’s É de conhecimento público que a língua inglesa é mundialmente aceita. Esse fato se dá devido à influência, por exemplo, dos Estados Unidos, e em menor proporção, de outros países desenvolvidos que tem o inglês como língua materna. Como resultado dessa dinâmica linguística, tem-se um acelerado aumento lexical nos campos das tecnologias, informática e economia. Exemplos como leasing, know-how, déficits e superávit estão em varias áreas do conhecimento. Para ilustrar mais ainda esse fenômeno linguística, basta que se leia uma revista ou um jornal (que também é um estrangeirismo, sua origem é francesa) para poder observar a grande quantidade de palavras como business, pet shop, fast food, outdoor, self service, free. É possível também perceber esse fenômeno em um simples passeio pelas ruas de varias cidades brasileiras, ainda que remotas, para verificar o uso de estrangeirismos, nas fachadas de lojas de diversas áreas, principalmente nas de informática (Yes Conect, Baby Lan house), tecnologia (Master Computer), esporte (Sport Life) e beleza (Ponto Hair). Portanto, fica evidente a grande manifestação do anglicismo no Brasil devido à importação de grande quantidade de produtos e serviços. Embora a língua inglesa seja aceita com naturalidade por um número grande de brasileiros, há aqueles que a consideram uma presença ameaçadora para a nossa identidade cultural. Tal crença tem como base a popularidade da língua inglesa, que depois da portuguesa – língua oficial – é a mais falada no país, mesmo o Brasil estando na América Latina cercado de países que falam espanhol. Diariamente a língua portuguesa recebe uma quantidade exagerada de palavras e expressões idiomáticas oriundas da língua inglesa. Será que essa “invasão” em grande escala do inglês na língua portuguesa significa um processo de evolução linguística ou de desvalorização da nossa língua, que é um patrimônio cultural? As influências linguísticas de um país sobre outro não devem ser analisados separadamente, é necessário analisar o conjunto cultural por completo para ver em que nível está a propagação de uma cultura sobre a outra.
  • 17. 17 Segundo Alves (1992) o fato de os norte-americanos dominarem uma boa parte do mercado ligado à tecnologia faz com que sejam introduzidas em nossa língua muitas palavras dessa área, especialmente àquelas usadas no campo da informática. Com a popularização das tecnologias da informação e comunicação, o léxico da língua portuguesa sentiu necessidade de mais uma vez, fazer renovação linguística nesse campo, recebendo um número muito grande de termos técnicos para preencher as lacunas existentes. Este preenchimento ocorreu de forma muito rápida graças a globalização e a internet, chamada de comunidade global interligada. Essa comunicação rápida e global contribuiu para o surgimento de um intercambio cultural e linguístico. É importante, entretanto, ressaltar que o estrangeirismo, enquanto fenômeno linguístico, chama bastante atenção dos gramáticos, defensores da língua pura e dos linguistas, que defendem e aprovam a ideia de que a língua não é usada de modo uniforme por todos os seus falantes. Ela varia de acordo com as épocas, as regiões, as classes sociais, sendo assim não há uma fronteira nítida, a língua é sempre dinâmica. Faraco nos mostra que: A realidade empírica central da linguística histórica é o fato de que as línguas humanas mudam com o passar do tempo. Em outras palavras, as línguas humanas não constituem realidades estáticas; ao contrario, sua configuração estrutural se altera continuamente no tempo. (FARACO, 1998, p.9) O anglicismo atualmente é forma de estrangeirismo mais comum em nosso país em função da grande utilização da língua inglesa pelo nosso povo. Ele é mais presente nos meios de comunicação que diariamente propõem em sua programação uma quantidade muito grande de palavras de origem estrangeiras em praticamente todos os setores da sociedade. Na área da tecnologia o inglês vem contribuindo bem mais do que em outras áreas de conhecimento. Quando tratamos de ciências e tecnologias a língua inglesa claramente se mostra superior ao português, seja para denominar objetos ou programas. É necessário, portanto, ressaltar que o uso do estrangeirismo é um fenômeno muito relevante para o desenvolvimento de uma língua. Ele ocorre quando existe um grande intercambio cultural entre povos de línguas diferentes, devendo existir um cuidado para que não haja uso exagerado de empréstimos estrangeiros como alguns que são citados pelo deputado Aldo Rebelo na justificação do seu projeto de
  • 18. 18 lei, “que obrigação tem um cidadão brasileiro de entender que uma mercadoria ‘on sale’ significa que esteja em liquidação?”. Esses às vezes não tem sentido algum para um brasileiro. Mas quando falamos em TIC’s, o uso do estrangeirismo é inevitável porque a maioria das tecnologias são importadas e não existem traduções para alguns programas ou para as partes físicas (hardware) como por exemplo o famoso e muito utilizado “pen drive”. O cuidado, entretanto, que se deve ter nestes caso é com o aportuguesamento que as vezes não faz sentido nenhum para um falante de língua inglesa como por exemplo startar, bidar, entre outros.
  • 19. 19 2 METODOLOGIA Uma pesquisa bem sucedida requer uma organização pautada em princípios metodológicos que direcionem o andamento do trabalho de modo objetivo e eficaz. Para melhor discorrer sobre um tema, faz-se necessário um trabalho de pesquisa bibliográfica, atividade de localização e consulta a fontes diversas de informações escritas, para coletar dados gerais ou específicos a respeito de um determinado tema. Trata-se de um estudo de textos impressos, assim, pesquisar é procurar no âmbito dos livros e documentos escritos, as informações necessárias para progredir no estudo de um tema de interesse. Em função disso, realiza-se um trabalho de pesquisa bibliográfica buscando um referencial teórico de diversos autores na área de estrangeirismo. Apesar de ser um tema ainda não muito explorado e discutido foi possível encontrar importantes subsídios que ajudaram muito na realização dessa pesquisa. Para adquirir conhecimentos sobre os conceitos expostos pelos teóricos fui a campo realizar uma pesquisa. Segundo Barros: a pesquisa de campo é aquela utilizada com o objetivo de conseguir informações ou conhecimentos acerca de um problema, para o qual se procura uma resposta, ou de uma hipótese, que se queira comprovar, ou, ainda, descobrir novos fenômenos ou as relações entre eles. (BARROS, 2000, p.188) Para melhor elucidar o tema em questão, foi utilizado como instrumento de coleta de dados, formulários direcionados para empresários e consumidores do comércio de Conceição do Coité - Bahia. Os formulários foram aplicados com 10 (dez) empresários e 10 (dez) consumidores nos dias 26 de julho e 02 de agosto de 2011 nos comércios que utilizavam o estrangeirismo como razão social1 ou nome de fantasia2 entre estes, estavam uma loja de venda de aparelhos celulares, duas lan house, uma academia de ginástica, casa de estética, uma loja de confecção, uma de material esportivo, um salão de beleza, um estúdio de tatuagem e uma loja de vendas de computadores e acessórios de informática. 1 Razão social é o nome devidamente registrado sob o qual uma pessoa juridica se individualiza e exerce suas atividades 2 Nome fantasia (nome comercial, nome de fachada) é a designação popular de Título de Estabelecimento utilizada por uma instituição (empresa, associação, etc)
  • 20. 20 Nestes locais foram encontrados os sujeitos da pesquisa, os critérios utilizados para selecionar foram: o primeiro teria que ser empresário e o segundo o consumidor teria que estar frequentando o estabelecimento. Foram encontradas algumas dificuldades, o período escolhido para realização da pesquisa era difícil encontrar o empresário, pois os mesmos estavam fazendo serviços nos setores financeiros das lojas ou cobrindo o horário de almoço dos funcionários, logo tivemos que voltar outras vezes para conseguir que os comerciantes respondessem o formulário.
  • 21. 21 3 ANÁLISE DE DADOS Os pressupostos teóricos abordados no desenvolvimento do trabalho apontam que o estrangeirismo é fenômeno constante no processo de desenvolvimento cultural das sociedades no transcorrer da história, e a cada movimento histórico se adota o estrangeirismo oriundo das noções que tem maior poder aquisitivo ou influencia relacionada a movimentos culturais de grande destaque no mundo. Hoje no Brasil o inglês é mais influente. Para comprovar essas afirmações foi realizada uma pesquisa no comércio de Conceição do Coité – Bahia, entre os comerciantes que adotavam nomes oriundos do inglês em seus comércios e observou-se que eles em muitos casos nem conheciam o significado, ou quando conheciam sabiam apenas uma tradução literal bem grotesca ou que viram em algum lugar ou alguém lhes indicou. Após a pesquisa de campo, foi necessário tabular os dados contidos nos formulários, separar as respostas e depois confeccionar os gráficos. Logo abaixo, segue a análise das questões utilizadas na pesquisa. 3.1 DADOS DOS EMPRESÁRIOS Para a primeira pergunta destinada aos comerciantes: Qual o seu nível de escolaridade? Obtiveram-se as seguintes respostas: Gráfico 1: Nível de escolaridade dos comerciantes.
  • 22. 22 Neste gráfico pode-se notar que 80% (oitenta por cento) dos entrevistados possuem o ensino médio completo, 10% (dez por cento) o ensino médio incompleto e 10% (dez por cento) o ensino superior incompleto. Ao perguntar a esses comerciantes qual o seu nível de conhecimento com relação ao inglês, obteve-se as seguintes respostas: Gráfico 2: Nível de conhecimento com relação ao inglês. No gráfico acima se pode notar certo equilíbrio com relação ao conhecimento da língua inglesa. Das pessoas questionadas 50% (cinquenta por cento) dizem possuir conhecimento básico, 40% (quarenta por cento) afirmam não ter conhecimento nenhum da língua inglesa, mas mesmo assim usam um nome nessa língua como razão social2 ou nome de fantasia de seus estabelecimentos, e apenas 10% (dez por cento) tem conhecimento pré-intermediário. Com as exposições gráficas mostradas anteriormente, fica evidente que apesar dos comerciantes terem afirmado que possuíam o ensino médio completo, eles, também, admitiram que o conhecimento em relação à língua inglesa era de básico ou nenhum. Quando questionados sobre o porquê dos nomes ou quais fatores lhes incentivaram a adotar os nomes em inglês, terceira e quarta perguntas do formulário, as respostas eram as mais diversas possíveis. O proprietário do salão de beleza foi claro ao dizer que – “meu amigo indicou o nome e disse que hair tinha a ver com cabelo”, em seu relato falou que depois de um tempo descobriu que hair era a
  • 23. 23 tradução para cabelo e “Ponto Hair era mais atrativo que Ponto do Cabelo”. No relato da proprietária da academia, ela nos contou que o nome foi resultado de uma pesquisa que sua irmã fez em revistas e na internet. Por esse motivo, ela escolheu o nome Sport Life e como agora também fazia massagens e cuidava da estética corporal, ela criou a Stetic Life. Um dos relatos mais interessantes foi a do proprietário de um estúdio de tatuagem denominado StudioTattoo - o jovem empresário foi claro a contar o motivo da escolha do nome – nem sabia que a palavra Studio daquela forma, estava escrita em inglês. Só tirei a letra “e” para dar uma personalizada e ficar uma logomarca e com relação a palavra Tattoo essa eu sabia, mas só usei porque todas as revistas desta área usam desta forma. A proprietária da loja de confecções Sport Hilles disse que a escolha do nome foi de seu marido que o viu em uma loja em São Paulo. Ele quis imitá-lo usando como nome de fantasia. O proprietário de uma loja de vendas de aparelhos celulares disse que escolheu o nome Cell Phone simplesmente porque esse nome já sugere qual o produto vendido, e o termo phone é de conhecimento de praticamente todos. Para melhor demonstrar as respostas da quinta e sexta questão, fez-se necessário a confecção de mais dois gráficos. Gráfico 3: Conhecimento do significado do nome da empresa. O gráfico acima representa a resposta para a pergunta: Você acredita que as pessoas que frequentam este local conhecem o significado do nome dele? Foi
  • 24. 24 bastante equilibrada a resposta obtida, sendo 50% (cinquenta por cento) para sim e de 50% (cinquenta por cento) para não. Quanto maior era o nível de escolaridade e de conhecimento da língua inglesa dos empresários, menos acreditavam que as pessoas frequentadoras do estabelecimento conhecessem o significado. Gráfico 4: Nome da empresa atrai mais consumidores? Apesar de existir um equilíbrio entre as respostas dos empresários, quando questionados se eles acreditavam que os consumidores conheciam o significado do nome da loja, houve uma pequena divergência com relação às respostas dadas para o sexto questionamento. Eles acreditavam que o nome em inglês atraía mais consumidores, porém o esperado era que a resposta fosse a mesma da quinta questão. De acordo com o depoimento da proprietária da academia, por ser o local frequentado apenas por mulheres e estas darem mais importância a “modismos”, os nomes em inglês são mais atrativos. Para os proprietários das lan houses, fato semelhante se observa. Os jovens também são muito influenciados por atualidades, e estes constituem a maioria dos frequentadores deste tipo de estabelecimento. Embora o gráfico tenha mostrado que a maioria dos empresários acreditavam que o nome em inglês atrairía mais consumidores, existiam aqueles que discordavam disso, como é o caso do proprietário da loja de celulares. Este afirma que as pessoas procuram os locais pelo produto vendido, a qualidade do atendimento, indicação e outros, e não por seu nome.
  • 25. 25 3.2 DADOS DOS CONSUMIDORES Gráfico 5: Nível de escolaridade dos consumidores. Neste gráfico pode-se notar que 10% (dez por cento) dos entrevistados possuem o ensino fundamental incompleto, 30% (trinta por cento) médio incompleto, 10% (dez por cento) o ensino médio completo e 40% (quarenta por cento) o ensino superior incompleto e 10% (dez por cento) pós-graduado. Gráfico 6: Nível de conhecimento com relação ao inglês.
  • 26. 26 Ao perguntar a esses consumidores qual o seu nível de conhecimento com relação ao inglês, obtiveram-se as seguintes respostas: 40% (quarenta por cento) dos entrevistados disseram que não tinham nenhum conhecimento, 40% (quarenta por cento) básico, 10% (dez por cento) para intermediário e 10% (dez por cento) para avançado. Analisando esse gráfico, pode-se notar que o conhecimento dos consumidores entrevistados nessa pesquisa é bem equilibrado ocorrendo dois empates sendo um de maior proporção para conhecimento básico e nenhum, e outra igualdade em proporção menor para intermediário e avançado. Gráfico 7: Conhece o significado do nome da loja. Tomando como base o gráfico 6, Nível de conhecimento com relação ao inglês onde a somatoria de basico, intermédiario e avaçado foi maior que nenhum ,era esperado que os consumidores conhecessem os significados dos nomes das lojas fato esse provado na representação gráfica apresentada acima, onde 70% (setenta por cento) disseram sim para eu conheço o significado restando apenas 30% (trinta por cento) para os que não conhecem o significado. O que chamou mais atenção para esse quetionamento é que entre as pessoas que disseram não ter nenhum conhecimento da lingúa inglesa, em 10% (dez por cento) dos casos conheciam o significado ou a traduão literal do nome das lojas.
  • 27. 27 Para a ultima pergunta direcionada aos consumidores, merecem destaque as respostas obtidas dos entrevistados mais jovens, pois esses disseram que os nomes em inglês lhes chamavam mais atenção que em português. Vejam a representação gráfica abaixo. Gráfico 8:O nome da loja em inglês lhe chama mais atenção. Dos entrevistados 40% (quarenta por cento) disseram sim o nome em inglês chama mais e atenção e 60% (sessenta por cento) disseram não. Para essa pergunta foi solicitado uma justificativa e muitos dos entrevistados disseram que eles procuravam as lojas pelo produto vendido, preço, atendimento ou amizade e não por seu nome. Apenas as pessoas que disseram sim falavam que os nomes em inglês eram atrativos. Vejam relato de um consumidor que procurava um celular da operadora Vivo. - Entrei nessa loja porque me disseram que aqui era uma autorizada da Vivo e na minha região só funciona essa operadora, nem olhei o nome dela. Uma senhora que dissera possuir um conhecimento avançado em inglês e era pós- graduada que estava em um salão de beleza relatou – venho aqui porque os profissionais são ótimos, se fosse para vir aqui pelo nome, não viria porque essa combinação de língua materna e língua estrangeira não soa bem para mim.
  • 28. 28 CONSIDERAÇÕES FINAIS Analisar as mutações pelas quais a língua passa, viver cada mudança sócio cultural é um privilegio que apenas alguns tem. Na construção deste trabalho foi notado que a preocupação que algumas pessoas tem com relação aos estrangeirismos é algo infundado, visto que a língua portuguesa teve sua origem em outra e foi aprimorada com o passar dos tempos graças ao contato com outras culturas. Logo, a preocupação do Frei Francisco de São Luís no inicio do século XX com relação ao Frances e atualmente do deputado Aldo Rebelo com inglês são preocupações infundadas, pois nossa língua é basicamente formada de estrangeirismos. Com o objetivo de encontrar motivos para mostrar que o deputado está equivocado e seu projeto de lei é desnecessário, a pesquisa realizada comprovou que os empresários que fazem uso do estrangeirismo para nomear seus estabelecimentos não tem como objetivo desvalorizar nossa língua materna e nem atrair mais consumidores. Eles a utilizam apenas por acharem mais bonito ou por realização própria visto que muitos deles não acreditam que os clientes possam conhecer o significado do nome de seu estabelecimento. Em função da amplitude do tema, muito ainda pode ser dito. Entretanto, espera-se que as concepções de vários pesquisadores acerca do estrangeirismo aqui expostas, possam contribuir para desconstruir a ideia de que a presença de estrangeirismos em nossa língua materna seja maléfica. Como disse Bagno (2002, p. 74) “os estrangeirismos não alteram as estruturas da língua, a sua gramática. Por isso não são capazes de destruí-las como juram os conservadores”.
  • 29. 29 Referências ALVES, Júlia Falivene. A invasão cultural Norte-Americana. São Paulo: Moderna, 1992. BAGNO, Marcos. Cassandra, Fênix e outros Mitos. In: FARACO, Carlos Alberto (Org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 2. ed. São Paulo: Parábola, 2002. BARROS, Aidil Jesus Paes de. LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Fundamentos de metodologia: um guia para a inicialização científica. 2.ed. amp. São Paulo: Makron Books, 2000. BRASIL, Diário da Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº. 1676, de 1999, p. 52060-52063, 4 de novembro de 1999. CAMARA Jr., Joaquim Mattoso. Princípios de lingüística geral. Rio de Janeiro: Padrão, 1989. FARACO, Carlos Alberto. Linguistica histórica: uma introdução ao estudo das linguas. 2. ed. São Paulo: Ática, 1998. GARCEZ, Pedro M.; ZILLES, Ana Maria S. Estrangeirismos desejos e ameaças. In: FARACO, Carlos Alberto (Org.). Estrangeirismos: guerras em torno da língua. 2. ed. São Paulo: Parábola, 2002. INFANTE, Ulisses. Curso prático de gramática aplicada aos textos. São Paulo: Scipione, 2001. STÖRIG, Hans Joachim. A aventura das línguas: Uma viagem através da história dos idiomas do mundo. 3 ed.Tadução Gloria Paschoal de Camargo, São Paulo: Melhoramento, 1990.
  • 30. 30 QUESTIONÁRIO PARA EMPRESÁRIOS 1 Qual seu nível de escolaridade? Fundamental 1 ( ) Médio incompleto ( ) Superior incompleto ( ) Fundamental 2 ( ) Médio completo ( ) Superior completo ( ) Pós-graduado ( ) 2 Qual seu nível de conhecimento com relação ao inglês? Fundamental 1 ( ) Médio incompleto ( ) Superior incompleto ( ) Fundamental 2 ( ) Médio completo ( ) Superior completo ( ) Pós-graduado ( ) 3 Quais fatores lhes incentivaram a adotar um nome em inglês para seu estabelecimento? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 4 Por que este nome? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ 5 Você acredita que as pessoas que frequentam este local conhecem o significado do nome dele? SIM ( ) NÃO ( ) 6 Você acredita que o nome em inglês atrai mais consumidores? SIM ( ) NÃO ( )
  • 31. 31 QUESTIONÁRIO PARA CONSUMIDORES 1 Qual seu nível de escolaridade? Fundamental 1 ( ) Médio incompleto ( ) Superior incompleto ( ) Fundamental 2 ( ) Médio completo ( ) Superior completo ( ) Pós-graduado ( ) 2 Qual seu nível de conhecimento com relação ao inglês? Fundamental 1 ( ) Médio incompleto ( ) Superior incompleto ( ) Fundamental 2 ( ) Médio completo ( ) Superior completo ( ) Pós-graduado ( ) 3 Você conhece o significado do nome desta loja? SIM ( ) NÃO ( ) 4 O fato do nome dessa loja ser em inglês lhe chamou mais a atenção? SIM ( ) NÃO ( ) Justifique: _________________________________________________________