SlideShare uma empresa Scribd logo
ESPAÇO PARA
ATENDIMENTO
EDUCACIONAL
ESPECIALIZADO
   0 Ministério da Educação implementa uma
    política de inclusão que pressupõe a
    reestruturação do sistema educacional, com o
    objetivo de tornar a escola um espaço
    democrático que acolha e garanta a
    permanência de todos os alunos, sem
    distinção social, cultural, étnica, de gênero ou
    em razão de deficiência e características
    pessoais.
   0 documento Sala de Recursos
    Multifuncionais: espaço para o atendimento
    educacional especializado se destina aos
    gestores e educadores dos sistemas
    educacionais e visa subsidiar técnica e
    pedagogicamente a organização dos serviços
    de atendimento educacional especializado
    que favoreça a inclusão de alunos com
    necessidades educacionais especiais nas
    classes comuns do Ensino Regular.
   Essas orientações têm por objetivo
    apoiar o processo de implantação de
    salas de recursos, onde sejam
    atendidas as necessidades
    educacionais especiais de cada aluno,
    transformando as atitudes que
    impedem o acesso às classes comuns
    do ensino regular e tornando as
    escolas mais acessíveis.
•   As salas de recursos multifuncionais partem
    da concepção de que a escolarização de
    todos os alunos, com ou sem necessidades
    educacionais especiais, realiza-se em classes
    comuns do Ensino Regular, quando se
    reconhece que cada criança aprende e se
    desenvolve de maneira diferente e que o
    Atendimento Educacional Especializado
    complementar e suplementar à escolarização
    pode ser desenvolvido em outro espaço
    escolar.
   O ambiente de aprendizagem é o
    ensino regular, no qual se flexibiliza o
    processo pedagógico, para que todos
    possam ter acesso ao currículo,
    beneficiando-se da escolarização.
    Para avançar nesse processo, além de
    conhecimentos e informações, é
    importante a conscientização dos
    direitos dos alunos quanto as suas
    necessidades educacionais especiais
    para que sejam respeitadas e
    valorizadas as diferenças.
   Nessa perspectiva, a Secretaria de
    Educação Especial/MEC, numa ação
    compartilhada com os estados e
    municípios, desenvolve o Programa
    Educação Inclusiva: direito à diversidade
    que tem entre seus objetivos o de apoiar
    a implantação de salas de recursos
    multifuncionais para favorecer o
    processo de inclusão educacional na rede
    pública de ensino.
   A concepção de escola inclusiva se
    fundamenta no reconhecimento das
    diferenças humanas e na aprendizagem
    centrada nas potencialidades dos alunos, ao
    invés da imposição de rituais pedagógicos
    pré-estabelecidos que acabam por legitimar
    as desigualdades sociais e negar a
    diversidade.
   Nessa perspectiva, as escolas devem
    responder às necessidades
    educacionais especiais de seus alunos,
    considerando a complexidade e
    heterogeneidade de estilos e ritmos
    de aprendizagem. Para tanto, é
    necessária uma nova estrutura
    organizacional, com currículos
    flexíveis, estratégias teóricas
    metodológicas eficientes, recursos e
    parcerias com a comunidade.
   A Educação Especial, como
    modalidade da educação escolar
    responsável pelo atendimento
    educacional especializado, organiza-
    se de modo a considerar a
    aproximação dos pressupostos
    teóricos à prática da educação
    inclusiva, a fim de cumprir
    dispositivos legais, políticos e
    filosóficos.
   Os alunos com necessidades educacionais
    especiais têm assegurado na Constituição
    Federal de 1988, o direito à educação
    (escolarização) realizada em classes comuns
    e ao Atendimento Educacional Especializado
    complementar ou suplementar à
    escolarização, que deve ser realizado
    preferencialmente em salas de recursos na
    escola onde estejam matriculados, em outra
    escola, ou em centros de atendimento
    educacional especializado.
•   na LDBEN - Lei n°. 9.394/96
•   no parecer do CNE/CEB n°. 17l 01
•   na Resolução CNE/CEB n°. 2, de 11 de
    setembro de 2001
•   na Lei n°. 10.436/02
•    no Decreto n°. 5.626, de 22 de dezembro de
    2005
•   Decreto nº 6.571/2008
•   A Resolução CNE/CEB nº 4/2009,
•   As salas de recursos multifuncionais são
    espaços da escola onde se realiza o
    atendimento educacional especializado para
    alunos com necessidades educacionais
    especiais, por meio do desenvolvimento de
    estratégias de aprendizagem, centradas em
    um novo fazer pedagógico que favoreça a
    construção de conhecimentos pelos alunos,
    subsidiando-os para que desenvolvam o
    currículo e participem da vida escolar.
•   De acordo com as Diretrizes Nacionais de
    Educação Especial para a Educação Básica, o
    atendimento educacional especializado em
    salas de recursos constitui serviço de
    natureza pedagógica, conduzido por
    professor especializado, que suplementa, no
    caso dos alunos com altas
    habilidades/superdotação,         e
    complementa, no caso dos alunos com
    dificuldades acentuadas de aprendizagem
    vinculadas ou não à deficiência. Pode ser
    realizado individualmente ou em pequenos
    grupos em horário diferente daquele em que
    freqüentam a classe comum.
•   A sala de recursos multifuncionais é,
    portanto, um espaço organizado com
    materiais didáticos, pedagógicos,
    equipamentos e profissionais com formação
    para o atendimento às necessidades
    educacionais especiais. No atendimento, é
    fundamental que o professor considere as
    diferentes áreas do conhecimento, os
    aspectos relacionados ao estágio de
    desenvolvimento cognitivo dos alunos, o nível
    de escolaridade, os recursos específicos para
    sua aprendizagem e as atividades de
    complementação e suplementação curricular.
•   Se refere ao entendimento de que esse espaço
    pode ser utilizado para o atendimento das
    diversas necessidades educacionais especiais e
    para desenvolvimento das diferentes
    complementações ou suplementações
    curriculares. Uma mesma sala de recursos,
    organizada com diferentes equipamentos e
    materiais, pode atender, conforme cronograma
    e horários, alunos com deficiência, transtornos
    globais do desenvolvimento e altas
    habilidades/superdotação.
   Para atender alunos cegos, por exemplo,
    deve dispor de professores com formação e
    recursos necessários para seu atendimento
    educacional especializado. Para atender
    alunos surdos, deve se estruturar com
    profissionais e materiais bilíngües.
    Portanto, essa sala de recursos é
    multifuncional em virtude de a sua
    constituição ser flexível para promover os
    diversos tipos de acessibilidade ao
    currículo, de acordo com as necessidades
    de cada contexto educacional.
   A sala de recursos multifuncionais é um
    espaço para a realização do atendimento
    educacional especializado de alunos que
    apresentam, ao longo de sua aprendizagem,
    alguma necessidade educacional especial,
    temporária ou permanente, compreendida,
    segundo as Diretrizes Nacionais para a
    Educação Especial na Educação Básica, em
    três grupos:
I – Alunos com deficiência:
  aqueles que têm
  impedimentos de longo prazo
  de natureza física, intelectual,
  mental ou sensorial;
II – Alunos com transtornos globais do
  desenvolvimento ( TGD): aqueles que
  apresentam um quadro de alterações no
  desenvolvimento neuropsicomotor,
  comprometimento nas relações sociais, na
  comunicação ou estereotipias motoras.
  Incluem-se nessa definição alunos com
  autismo clássico, síndrome de Asperger,
  síndrome de Ret, transtorno desintegrativo
  da infância (psicoses) e transtornos
  invasivos sem outra especificação;
III – Alunos com altas
 habilidades/superdotação:
 aqueles que apresentam um
 potencial elevado e grande
 envolvimento com as áreas de
 conhecimento humano, isoladas
 ou combinadas: intelectual,
 liderança, psicomotora, artes e
 criatividade.
0 professor da sala de recursos
multifuncionais deverá ter curso de
graduação, pós-graduação e ou
formação continuada que o habilite
para atuar em áreas da educação
especial para o atendimento às
necessidades educacionais especiais
dos alunos.
A formação docente, de acordo com sua área
  especifica, deve desenvolver conhecimentos
  acerca de:
 Comunicação Aumentativa e Alternativa,
 Sistema Braille, Orientação e Mobilidade,
  Soroban,
 Ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras,
  Ensino de Língua Portuguesa para Surdos,
 Atividades de Vida Diária, Atividades
  Cognitivas,
 Aprofundamento e Enriquecimento
  Curricular, entre outros.
    Identificar, elaborar, produzir e organizar
    serviços, recursos pedagógicos, de
      acessibilidade e estratégias considerando as
    necessidades específicas dos alunos público-
    alvo da Educação Especial;
    Elaborar e executar plano de Atendimento
    Educacional Especializado, avaliando a
      funcionalidade e a aplicabilidade dos
    recursos pedagógicos e de acessibilidade;
 Atuar de forma colaborativa com
  professor da classe comum para a
  definição de estratégias pedagógicas
  que favoreçam o acesso do aluno com
  necessidades educacionais especiais
  ao currículo e a sua interação no
  grupo.
 Promover as condições para a inclusão
  dos alunos com necessidades
  educacionais especiais em todas as
  atividades da escola.
   Orientar as famílias para o seu
    envolvimento e a sua participação no
    processo educacional.
   Informar a comunidade escolar acerca da
    legislação e normas educacionais vigentes
    que asseguram a inclusão educacional.
   Participar do processo de identificação e
    tomada de decisões acerca do atendimento
    às necessidades educacionais especiais dos
    alunos.
    Preparar materiais específicos para o uso
    dos alunos na sala de recursos.
 Orientar a elaboração de materiais
  didático-pedagógicos que possam ser
  utilizados pelos alunos nas classes
  comuns do ensino regular.
 Articular, com gestores e professores,
  para que o projeto pedagógico da
  instituição de ensino se organize
  coletivamente numa perspectiva de
  educação inclusiva
    Organizar o tipo e o número de
    atendimentos aos alunos na sala de
    recursos multifuncionais;
    Acompanhar a funcionalidade e a
    aplicabilidade dos recursos pedagógicos
    e de acessibilidade na sala de aula
    comum do ensino regular, bem como em
    outros ambientes da escola;
   Estabelecer parcerias com as áreas
    intersetoriais na elaboração de
    estratégias e na disponibilização de
    recursos de acessibilidade;
    Orientar professores e famílias sobre os
    recursos pedagógicos e de acessibilidade
     utilizados pelo aluno;
   Ensinar e usar a tecnologia assistiva de
    forma a ampliar habilidades funcionais dos
    alunos, promovendo autonomia e
    participação;
   Estabelecer articulação com os professores
    da sala de aula comum, visando à
    disponibilização dos serviços, dos recursos
    pedagógicos e de acessibilidade e das
    estratégias que promovem a participação
    dos alunos nas atividades escolares.
Além dessas atribuições o professor
da Sala de Recursos Multifuncionais
deverá participar das reuniões
pedagógicas, do planejamento, dos
conselhos de classe, da elaboração do
projeto pedagógico, desenvolvendo
ação conjunta com os professores das
classes comuns e demais profissionais
da escola para a promoção da inclusão
escolar
   Professora Edimeire Maria silva Rocha
   Email: meire_rocha_4@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Professor de aee
Professor de aeeProfessor de aee
Professor de aee
ceciliaconserva
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Dirce Cristiane Camilotti
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
Aee apresentacao
Aee apresentacaoAee apresentacao
Aee apresentacao
luiscmf
 
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas EscolasO Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
guest3d615bd
 
Conheça a Aee
Conheça a AeeConheça a Aee
Conheça a Aee
curso100hs
 
Conheça A.E.E - Atendimento Educacional Especializado
Conheça A.E.E - Atendimento Educacional EspecializadoConheça A.E.E - Atendimento Educacional Especializado
Conheça A.E.E - Atendimento Educacional Especializado
Tânia Sampaio
 
Aee mostra 2013
Aee mostra 2013Aee mostra 2013
Aee mostra 2013
Carlos Junior
 
Sala de Recursos blog
Sala de Recursos  blogSala de Recursos  blog
Sala de Recursos blog
Marli Gomes
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
Patricia Bampi
 
Reuniao sme-fevereiro-aee
Reuniao sme-fevereiro-aeeReuniao sme-fevereiro-aee
Reuniao sme-fevereiro-aee
Rosemary Batista
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Instituto Consciência GO
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
Thaisduarte
 
Inclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação InfantilInclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação Infantil
Lucas Silva
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
Almeida Emilene Santos
 
Salas de recursos[1]
Salas de recursos[1]Salas de recursos[1]
Salas de recursos[1]
Instituto Consciência GO
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
Germano Santos da Silva
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
Elisete Nunes
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
Pedagogo Santos
 
Atendimento educacional especializado.ppt2 libera limes-4-7-11congresso 2011
Atendimento educacional especializado.ppt2   libera limes-4-7-11congresso 2011Atendimento educacional especializado.ppt2   libera limes-4-7-11congresso 2011
Atendimento educacional especializado.ppt2 libera limes-4-7-11congresso 2011
Wildete Silva
 

Mais procurados (20)

Professor de aee
Professor de aeeProfessor de aee
Professor de aee
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
Aee apresentacao
Aee apresentacaoAee apresentacao
Aee apresentacao
 
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas EscolasO Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
O Atendimento Educacional Especializado- AEE nas Escolas
 
Conheça a Aee
Conheça a AeeConheça a Aee
Conheça a Aee
 
Conheça A.E.E - Atendimento Educacional Especializado
Conheça A.E.E - Atendimento Educacional EspecializadoConheça A.E.E - Atendimento Educacional Especializado
Conheça A.E.E - Atendimento Educacional Especializado
 
Aee mostra 2013
Aee mostra 2013Aee mostra 2013
Aee mostra 2013
 
Sala de Recursos blog
Sala de Recursos  blogSala de Recursos  blog
Sala de Recursos blog
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
 
Reuniao sme-fevereiro-aee
Reuniao sme-fevereiro-aeeReuniao sme-fevereiro-aee
Reuniao sme-fevereiro-aee
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
 
Inclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação InfantilInclusão na Educação Infantil
Inclusão na Educação Infantil
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Salas de recursos[1]
Salas de recursos[1]Salas de recursos[1]
Salas de recursos[1]
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva -...
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
 
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇASA EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
A EDUCAÇÃO EM UMA PRÁTICA INCLUSIVA, ACOLHENDO AS DIFERENÇAS
 
Atendimento educacional especializado.ppt2 libera limes-4-7-11congresso 2011
Atendimento educacional especializado.ppt2   libera limes-4-7-11congresso 2011Atendimento educacional especializado.ppt2   libera limes-4-7-11congresso 2011
Atendimento educacional especializado.ppt2 libera limes-4-7-11congresso 2011
 

Destaque

Sala de recursos multifuncionais
Sala de recursos multifuncionaisSala de recursos multifuncionais
Sala de recursos multifuncionais
Sandrastos
 
I ENCONTRO COM OS PROFESSORES DAS CLASSES ESPECIAIS
I ENCONTRO COM OS PROFESSORES DAS CLASSES ESPECIAISI ENCONTRO COM OS PROFESSORES DAS CLASSES ESPECIAIS
I ENCONTRO COM OS PROFESSORES DAS CLASSES ESPECIAIS
Classe Especial SZ Inclusão
 
Letramento
LetramentoLetramento
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda SoaresLetramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
Susana Felix
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
Elizabet Tramontin Silveira Camargo
 
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentoConcepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
zetesousa
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
PamelaAschoff
 

Destaque (7)

Sala de recursos multifuncionais
Sala de recursos multifuncionaisSala de recursos multifuncionais
Sala de recursos multifuncionais
 
I ENCONTRO COM OS PROFESSORES DAS CLASSES ESPECIAIS
I ENCONTRO COM OS PROFESSORES DAS CLASSES ESPECIAISI ENCONTRO COM OS PROFESSORES DAS CLASSES ESPECIAIS
I ENCONTRO COM OS PROFESSORES DAS CLASSES ESPECIAIS
 
Letramento
LetramentoLetramento
Letramento
 
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda SoaresLetramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramentoConcepcoes de alfabetizacao e letramento
Concepcoes de alfabetizacao e letramento
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 

Semelhante a Sala de Recursos Multifuncionais

Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais
Instituto Consciência GO
 
Sala de recursos
Sala de recursosSala de recursos
Sala de recursos
cefaprodematupa
 
Dcn educação especial
Dcn  educação especialDcn  educação especial
Dcn educação especial
marcaocampos
 
Ed Esp Prefeitura
Ed Esp PrefeituraEd Esp Prefeitura
Ed Esp Prefeitura
Professora Josete
 
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverdeDireito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
Tânia Sampaio
 
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxdiretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
IedaGoethe
 
Diretrizes Operacionais ATENDIMENTO EDUCAÇAO ESPECIAL
Diretrizes Operacionais ATENDIMENTO EDUCAÇAO ESPECIALDiretrizes Operacionais ATENDIMENTO EDUCAÇAO ESPECIAL
Diretrizes Operacionais ATENDIMENTO EDUCAÇAO ESPECIAL
ssuserb7b55a
 
Edsucação Inclusiva.pdf
Edsucação Inclusiva.pdfEdsucação Inclusiva.pdf
Edsucação Inclusiva.pdf
José Roberto Pinto
 
Educação Especial.pptx
Educação Especial.pptxEducação Especial.pptx
Educação Especial.pptx
MarceloSilva644295
 
1 - Escola inclusiva
1 - Escola inclusiva1 - Escola inclusiva
1 - Escola inclusiva
psicologiaestoi
 
Resolução 2 01
Resolução 2 01Resolução 2 01
Resolução 2 01
asustecnologia
 
Entendendo a Educação Especial e seus Fundamentos .pdf
Entendendo a Educação Especial e seus Fundamentos .pdfEntendendo a Educação Especial e seus Fundamentos .pdf
Entendendo a Educação Especial e seus Fundamentos .pdf
JosimarLaurentino1
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
Liberty Ensino
 
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
Ana Karina
 
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoioOs desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
LAURA64791
 
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionaisManual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Classe Especial SZ Inclusão
 
Como atuar com o AEE
Como atuar com o AEEComo atuar com o AEE
Como atuar com o AEE
Natália Rodrigues
 
Como desenvolver o AEE
Como desenvolver o AEEComo desenvolver o AEE
Como desenvolver o AEE
Natália Rodrigues
 
Educação especial
Educação especialEducação especial
Educação especial
Luciene Oliveira
 
Seminario ah sd 2010
Seminario ah sd 2010Seminario ah sd 2010
Seminario ah sd 2010
Escola
 

Semelhante a Sala de Recursos Multifuncionais (20)

Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais Salas de Recursos Multifuncionais
Salas de Recursos Multifuncionais
 
Sala de recursos
Sala de recursosSala de recursos
Sala de recursos
 
Dcn educação especial
Dcn  educação especialDcn  educação especial
Dcn educação especial
 
Ed Esp Prefeitura
Ed Esp PrefeituraEd Esp Prefeitura
Ed Esp Prefeitura
 
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverdeDireito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
Direito_a_diversidade-Salas_de_recursos_rioverde
 
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxdiretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
diretrizes_publicacao.pdfxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
Diretrizes Operacionais ATENDIMENTO EDUCAÇAO ESPECIAL
Diretrizes Operacionais ATENDIMENTO EDUCAÇAO ESPECIALDiretrizes Operacionais ATENDIMENTO EDUCAÇAO ESPECIAL
Diretrizes Operacionais ATENDIMENTO EDUCAÇAO ESPECIAL
 
Edsucação Inclusiva.pdf
Edsucação Inclusiva.pdfEdsucação Inclusiva.pdf
Edsucação Inclusiva.pdf
 
Educação Especial.pptx
Educação Especial.pptxEducação Especial.pptx
Educação Especial.pptx
 
1 - Escola inclusiva
1 - Escola inclusiva1 - Escola inclusiva
1 - Escola inclusiva
 
Resolução 2 01
Resolução 2 01Resolução 2 01
Resolução 2 01
 
Entendendo a Educação Especial e seus Fundamentos .pdf
Entendendo a Educação Especial e seus Fundamentos .pdfEntendendo a Educação Especial e seus Fundamentos .pdf
Entendendo a Educação Especial e seus Fundamentos .pdf
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
pPolitica Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva.
 
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoioOs desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
Os desafios-da-educacao-inclusiva-foco-nas-redes-de-apoio
 
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionaisManual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
Manual orientacao programa_implantacao_salas_recursos_multifuncionais
 
Como atuar com o AEE
Como atuar com o AEEComo atuar com o AEE
Como atuar com o AEE
 
Como desenvolver o AEE
Como desenvolver o AEEComo desenvolver o AEE
Como desenvolver o AEE
 
Educação especial
Educação especialEducação especial
Educação especial
 
Seminario ah sd 2010
Seminario ah sd 2010Seminario ah sd 2010
Seminario ah sd 2010
 

Mais de Instituto Consciência GO

Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
Instituto Consciência GO
 
O processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorO processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino Superior
Instituto Consciência GO
 
Saúde e Educação
Saúde e EducaçãoSaúde e Educação
Saúde e Educação
Instituto Consciência GO
 
Modelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo CientíficoModelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo Científico
Instituto Consciência GO
 
Informe Psicopedagógico
Informe PsicopedagógicoInforme Psicopedagógico
Informe Psicopedagógico
Instituto Consciência GO
 
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos AcadêmicosNormatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Instituto Consciência GO
 
TDAH
TDAHTDAH
Atenção
AtençãoAtenção
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CERESTSaúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Instituto Consciência GO
 
Parametro de QLDD
Parametro de QLDDParametro de QLDD
Parametro de QLDD
Instituto Consciência GO
 
Direitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. InfantilDireitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. Infantil
Instituto Consciência GO
 
DCNEIs
DCNEIsDCNEIs
Currículo nos anos inicias
Currículo nos anos iniciasCurrículo nos anos inicias
Currículo nos anos inicias
Instituto Consciência GO
 
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuaisCurrículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Instituto Consciência GO
 
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Instituto Consciência GO
 
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira TôrresPalestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Instituto Consciência GO
 
A familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude PublicaA familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude Publica
Instituto Consciência GO
 
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencialSaúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Instituto Consciência GO
 
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Instituto Consciência GO
 
SIAD
SIADSIAD

Mais de Instituto Consciência GO (20)

Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
 
O processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorO processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino Superior
 
Saúde e Educação
Saúde e EducaçãoSaúde e Educação
Saúde e Educação
 
Modelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo CientíficoModelo de Artigo Científico
Modelo de Artigo Científico
 
Informe Psicopedagógico
Informe PsicopedagógicoInforme Psicopedagógico
Informe Psicopedagógico
 
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos AcadêmicosNormatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
 
TDAH
TDAHTDAH
TDAH
 
Atenção
AtençãoAtenção
Atenção
 
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CERESTSaúde do Trabalhador no SUS - CEREST
Saúde do Trabalhador no SUS - CEREST
 
Parametro de QLDD
Parametro de QLDDParametro de QLDD
Parametro de QLDD
 
Direitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. InfantilDireitos da Criança na Ed. Infantil
Direitos da Criança na Ed. Infantil
 
DCNEIs
DCNEIsDCNEIs
DCNEIs
 
Currículo nos anos inicias
Currículo nos anos iniciasCurrículo nos anos inicias
Currículo nos anos inicias
 
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuaisCurrículo e educação infantil - teóricos atuais
Currículo e educação infantil - teóricos atuais
 
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Dra. Meire Incarnacão Ribeiro...
 
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira TôrresPalestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
Palestra IV Seminário Multidisciplinar do ICG - Ms. Lisa Valéria Vieira Tôrres
 
A familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude PublicaA familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude Publica
 
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencialSaúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
Saúde da Família: Uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial
 
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da famíliaUm modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
Um modelo de educação em saúde para o programa saúde da família
 
SIAD
SIADSIAD
SIAD
 

Último

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 

Sala de Recursos Multifuncionais

  • 2. 0 Ministério da Educação implementa uma política de inclusão que pressupõe a reestruturação do sistema educacional, com o objetivo de tornar a escola um espaço democrático que acolha e garanta a permanência de todos os alunos, sem distinção social, cultural, étnica, de gênero ou em razão de deficiência e características pessoais.
  • 3. 0 documento Sala de Recursos Multifuncionais: espaço para o atendimento educacional especializado se destina aos gestores e educadores dos sistemas educacionais e visa subsidiar técnica e pedagogicamente a organização dos serviços de atendimento educacional especializado que favoreça a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais nas classes comuns do Ensino Regular.
  • 4. Essas orientações têm por objetivo apoiar o processo de implantação de salas de recursos, onde sejam atendidas as necessidades educacionais especiais de cada aluno, transformando as atitudes que impedem o acesso às classes comuns do ensino regular e tornando as escolas mais acessíveis.
  • 5. As salas de recursos multifuncionais partem da concepção de que a escolarização de todos os alunos, com ou sem necessidades educacionais especiais, realiza-se em classes comuns do Ensino Regular, quando se reconhece que cada criança aprende e se desenvolve de maneira diferente e que o Atendimento Educacional Especializado complementar e suplementar à escolarização pode ser desenvolvido em outro espaço escolar.
  • 6. O ambiente de aprendizagem é o ensino regular, no qual se flexibiliza o processo pedagógico, para que todos possam ter acesso ao currículo, beneficiando-se da escolarização. Para avançar nesse processo, além de conhecimentos e informações, é importante a conscientização dos direitos dos alunos quanto as suas necessidades educacionais especiais para que sejam respeitadas e valorizadas as diferenças.
  • 7. Nessa perspectiva, a Secretaria de Educação Especial/MEC, numa ação compartilhada com os estados e municípios, desenvolve o Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade que tem entre seus objetivos o de apoiar a implantação de salas de recursos multifuncionais para favorecer o processo de inclusão educacional na rede pública de ensino.
  • 8. A concepção de escola inclusiva se fundamenta no reconhecimento das diferenças humanas e na aprendizagem centrada nas potencialidades dos alunos, ao invés da imposição de rituais pedagógicos pré-estabelecidos que acabam por legitimar as desigualdades sociais e negar a diversidade.
  • 9. Nessa perspectiva, as escolas devem responder às necessidades educacionais especiais de seus alunos, considerando a complexidade e heterogeneidade de estilos e ritmos de aprendizagem. Para tanto, é necessária uma nova estrutura organizacional, com currículos flexíveis, estratégias teóricas metodológicas eficientes, recursos e parcerias com a comunidade.
  • 10. A Educação Especial, como modalidade da educação escolar responsável pelo atendimento educacional especializado, organiza- se de modo a considerar a aproximação dos pressupostos teóricos à prática da educação inclusiva, a fim de cumprir dispositivos legais, políticos e filosóficos.
  • 11. Os alunos com necessidades educacionais especiais têm assegurado na Constituição Federal de 1988, o direito à educação (escolarização) realizada em classes comuns e ao Atendimento Educacional Especializado complementar ou suplementar à escolarização, que deve ser realizado preferencialmente em salas de recursos na escola onde estejam matriculados, em outra escola, ou em centros de atendimento educacional especializado.
  • 12. na LDBEN - Lei n°. 9.394/96 • no parecer do CNE/CEB n°. 17l 01 • na Resolução CNE/CEB n°. 2, de 11 de setembro de 2001 • na Lei n°. 10.436/02 • no Decreto n°. 5.626, de 22 de dezembro de 2005 • Decreto nº 6.571/2008 • A Resolução CNE/CEB nº 4/2009,
  • 13. As salas de recursos multifuncionais são espaços da escola onde se realiza o atendimento educacional especializado para alunos com necessidades educacionais especiais, por meio do desenvolvimento de estratégias de aprendizagem, centradas em um novo fazer pedagógico que favoreça a construção de conhecimentos pelos alunos, subsidiando-os para que desenvolvam o currículo e participem da vida escolar.
  • 14. De acordo com as Diretrizes Nacionais de Educação Especial para a Educação Básica, o atendimento educacional especializado em salas de recursos constitui serviço de natureza pedagógica, conduzido por professor especializado, que suplementa, no caso dos alunos com altas habilidades/superdotação, e complementa, no caso dos alunos com dificuldades acentuadas de aprendizagem vinculadas ou não à deficiência. Pode ser realizado individualmente ou em pequenos grupos em horário diferente daquele em que freqüentam a classe comum.
  • 15. A sala de recursos multifuncionais é, portanto, um espaço organizado com materiais didáticos, pedagógicos, equipamentos e profissionais com formação para o atendimento às necessidades educacionais especiais. No atendimento, é fundamental que o professor considere as diferentes áreas do conhecimento, os aspectos relacionados ao estágio de desenvolvimento cognitivo dos alunos, o nível de escolaridade, os recursos específicos para sua aprendizagem e as atividades de complementação e suplementação curricular.
  • 16. Se refere ao entendimento de que esse espaço pode ser utilizado para o atendimento das diversas necessidades educacionais especiais e para desenvolvimento das diferentes complementações ou suplementações curriculares. Uma mesma sala de recursos, organizada com diferentes equipamentos e materiais, pode atender, conforme cronograma e horários, alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação.
  • 17. Para atender alunos cegos, por exemplo, deve dispor de professores com formação e recursos necessários para seu atendimento educacional especializado. Para atender alunos surdos, deve se estruturar com profissionais e materiais bilíngües. Portanto, essa sala de recursos é multifuncional em virtude de a sua constituição ser flexível para promover os diversos tipos de acessibilidade ao currículo, de acordo com as necessidades de cada contexto educacional.
  • 18. A sala de recursos multifuncionais é um espaço para a realização do atendimento educacional especializado de alunos que apresentam, ao longo de sua aprendizagem, alguma necessidade educacional especial, temporária ou permanente, compreendida, segundo as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica, em três grupos:
  • 19. I – Alunos com deficiência: aqueles que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, intelectual, mental ou sensorial;
  • 20. II – Alunos com transtornos globais do desenvolvimento ( TGD): aqueles que apresentam um quadro de alterações no desenvolvimento neuropsicomotor, comprometimento nas relações sociais, na comunicação ou estereotipias motoras. Incluem-se nessa definição alunos com autismo clássico, síndrome de Asperger, síndrome de Ret, transtorno desintegrativo da infância (psicoses) e transtornos invasivos sem outra especificação;
  • 21. III – Alunos com altas habilidades/superdotação: aqueles que apresentam um potencial elevado e grande envolvimento com as áreas de conhecimento humano, isoladas ou combinadas: intelectual, liderança, psicomotora, artes e criatividade.
  • 22. 0 professor da sala de recursos multifuncionais deverá ter curso de graduação, pós-graduação e ou formação continuada que o habilite para atuar em áreas da educação especial para o atendimento às necessidades educacionais especiais dos alunos.
  • 23. A formação docente, de acordo com sua área especifica, deve desenvolver conhecimentos acerca de:  Comunicação Aumentativa e Alternativa,  Sistema Braille, Orientação e Mobilidade, Soroban,  Ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras, Ensino de Língua Portuguesa para Surdos,  Atividades de Vida Diária, Atividades Cognitivas,  Aprofundamento e Enriquecimento Curricular, entre outros.
  • 24. Identificar, elaborar, produzir e organizar serviços, recursos pedagógicos, de acessibilidade e estratégias considerando as necessidades específicas dos alunos público- alvo da Educação Especial;  Elaborar e executar plano de Atendimento Educacional Especializado, avaliando a funcionalidade e a aplicabilidade dos recursos pedagógicos e de acessibilidade;
  • 25.  Atuar de forma colaborativa com professor da classe comum para a definição de estratégias pedagógicas que favoreçam o acesso do aluno com necessidades educacionais especiais ao currículo e a sua interação no grupo.  Promover as condições para a inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais em todas as atividades da escola.
  • 26. Orientar as famílias para o seu envolvimento e a sua participação no processo educacional.  Informar a comunidade escolar acerca da legislação e normas educacionais vigentes que asseguram a inclusão educacional.  Participar do processo de identificação e tomada de decisões acerca do atendimento às necessidades educacionais especiais dos alunos.  Preparar materiais específicos para o uso dos alunos na sala de recursos.
  • 27.  Orientar a elaboração de materiais didático-pedagógicos que possam ser utilizados pelos alunos nas classes comuns do ensino regular.  Articular, com gestores e professores, para que o projeto pedagógico da instituição de ensino se organize coletivamente numa perspectiva de educação inclusiva
  • 28. Organizar o tipo e o número de atendimentos aos alunos na sala de recursos multifuncionais;  Acompanhar a funcionalidade e a aplicabilidade dos recursos pedagógicos e de acessibilidade na sala de aula comum do ensino regular, bem como em outros ambientes da escola;  Estabelecer parcerias com as áreas intersetoriais na elaboração de estratégias e na disponibilização de recursos de acessibilidade;
  • 29. Orientar professores e famílias sobre os recursos pedagógicos e de acessibilidade utilizados pelo aluno;  Ensinar e usar a tecnologia assistiva de forma a ampliar habilidades funcionais dos alunos, promovendo autonomia e participação;  Estabelecer articulação com os professores da sala de aula comum, visando à disponibilização dos serviços, dos recursos pedagógicos e de acessibilidade e das estratégias que promovem a participação dos alunos nas atividades escolares.
  • 30. Além dessas atribuições o professor da Sala de Recursos Multifuncionais deverá participar das reuniões pedagógicas, do planejamento, dos conselhos de classe, da elaboração do projeto pedagógico, desenvolvendo ação conjunta com os professores das classes comuns e demais profissionais da escola para a promoção da inclusão escolar
  • 31. Professora Edimeire Maria silva Rocha  Email: meire_rocha_4@hotmail.com