SlideShare uma empresa Scribd logo
A índia dos lábios de mel
Um dos mais belos romances da nossa
literatura romântica, Iracema é considerado por
muitos “um poema em prosa”.
     A trágica história de amor impossível da bela
índia apaixonada pelo guerreiro branco Martim
Soares Moreno é contada por José de Alencar
com o ritmo e a força de imagens próprios da
poesia e explica as origens da terra natal do
autor, o Ceará.
VIDA DE JOSÉ DE ALENCAR
   Nasceu em 1 de maio de 1829 em Lagoa
    Redonda, próximo a Messejana – Ceará.
   Cursou direito em São Paulo, foi político, jurista,
    dramaturgo e romancista.
   Em 1859 tornou-se chefe da Secretaria do
    Ministério da Justiça, sendo depois consultor do
    mesmo, tornando-se mais tarde deputado
    estadual do Ceará.
   Em 1856 publica o primeiro romance, Cinco
    Minutos, seguido de A Viuvinha em 1857. Mas é
    com O Guarani em (1857) que alcançará
    notoriedade. Estes romances foram publicados
    todos em jornais e só depois em livros.
   Morreu dia 12 de dezembro de 1877.
PRINCIPAIS OBRAS DE JOSÉ DE ALENCAR


 O guarani,1857        Lucíola,1862
 Ubirajara,1874        O sertanejo,1875

 A viuvinha,1857       O gaúcho,1870

 Cinco minutos,1856    Demônio

 A pata da              familiar,1857
  Gazela,1870           Verso e Reverso,1857

 Senhora,1875          Mãe,1860

 Diva,1864
Contexto histórico
 O romance situa-se nos primeiros anos do século XVII,
  quando Portugal ainda estava sob domínio Espanhol
  (União Ibérica), e por forças da união das coroas
  ibéricas, a dinastia castelhana ou filipina reinava em
  Portugal e em suas colônias ultra-marinas.
 A ação inicia-se entre 1603 e o começo de 1604 e
  prolonga-se até 1611. O episódio amoroso entre Martin
  e Iracema, do encontro à morte da protagonista, dá-se
  em 1604 e ocupa quase todo romance, do capítulo II ao
  XXXII.
 É em 3º pessoa.
 O narrador é onisciente.
 Inicialmente o narrador participa da
  história pois irá contar uma narrativa que
  lhe contaram de sua terra natal

“Uma história que me contaram nas lindas
  vargens onde nasci”
GÊNERO LITERÁRIO
    Para José de Alencar,
     como explicita o
     subtítulo de
     seu romance, Iracema é
     uma "Lenda do Ceará". É
     também, segundo
     diferentes críticos e
     historiadores, um poema
     em prosa, um romance
     poemático, um exemplo          Cada uma dessas
     de prosa poética, um            definições põe em relevo
     romance histórico-              um aspecto da obra e
     indianista, uma narrativa       nenhuma a esgota: a
     épico-lírica ou                 lenda, a narrativa, a
     mitopoética.                    poesia, o heroísmo, o
                                     lirismo, a história, o mito.
   O encontro da natureza (Iracema) e
    da civilização (Martim) projeta-se na
    duplicidade da marcação temporal. Há em
    Iracema um tempo poético, marcado pelos
    ritmos da natureza e pela percepção sensorial
    de sua passagem (as estações, a lua, o sol, a
    brisa), e que predomina no corpo da
    narrativa, e um tempo histórico, cronológico
    demarcado por Martin e suas origens, indo de
    1604 a 1611.
Espaço


   O espaço é geográfico e se passa dentro
    de uma selva. A valorização da cor local, do
    típico, do exótico inscreve-se na intenção
    nacionalista de embelezar a terra natal por
    meio de metáforas e comparações que
    ampliam as imagens de um
    Nordeste paradisíaco, primitivo.
 Iracema: índia da tribo dos tabajaras,
  filha de Araquém, velho pajé; era
  umas espécie de vestal (no sentido de
  ter a sua virgindade consagrada a
  divindade) por guardar o segredo da
  jurema (bebida mágica alucinógena
  nos rituais religiosos); Anagrama de
  América. “A virgem dos lábios de
  mel”. (Personagem Plana)
 Martim: guerreiro branco amigo dos
  pitiguaras, habitante do litoral,
  adversário dos tabajaras; os
  pitiguaras lhe deram o nome de
  Coatiabo. (Personagem Plana)
 Poti: herói dos pitiguaras, amigo (que se considerava
    irmão) de Martim. (Personagem Plano)
   Irapuã: chefe dos tabajaras; apaixonado por Iracema.
   Caubi: índio tabajara; irmão de Iracema. (Personagem
    esférico)
   Jacaúna: Chefe dos pitiguaras, irmão de Poti.
   Araquém: Pajé da tribo tabajara, pai de Iracema e
    Caubi.
   Batuirité: O avô de Poti, o qual denomina Martim
    Gavião Branco, fazendo, antes de morrer, a profecia da
    destruição de seu povo pelos brancos.
 Parte I – a chegada do guerreiro branco
 Parte II – abandono da pátria
 Parte III – um novo começo
 Parte IV – final trágico
Parte 1 – a chegada do guerreiro
branco
     Durante uma caçada, Martim, um guerreiro
 português, se perdeu dos companheiros
 pitiguaras e caminhou sem rumo durante 3
 dias. Encontrou-se com Iracema da tribo dos
 tabajaras. Quando se deparou com Martim,
 surpresa e amedrontada a índia o feriu com
 uma flechada, arrependida a moça correu até
 Martim e ofereceu-lhe hospitalidade.
     A hospedagem ali não agradou um
 guerreiro: Irapuã, que era apaixonado por
 Iracema.
     Enquanto isso, Martim convivia com a
 saudade de Portugal, e também com a
 crescente admiração pela virgem Tabajara.
Parte 2 – abandono da
pátria
     Apaixonada por Martim e assim traindo o
 compromisso de virgem, portadora do segredo
 da jurema da tribo tabajara, Iracema decide
 fugir ao lado de seu amado e seu amigo Poti
 (guerreiro da tribo inimiga, pitiguaras).
 Iracema fugiu de sua aldeia rumo ao litoral. Ao
 perceberem o ocorrido, Irapuã e Caubi lideram
 os tabajaras e perseguem os amantes. No
 caminho encontraram os pitiguaras.
 Ocorrendo assim, uma batalha sangrenta.
Parte 3 – um novo começo
    A fuga acabou numa praia deserta,
 onde o casal decidiu construir uma
 cabana. Após um tempo os franceses
 de aliaram aos tabajaras e decidiram
 travar uma batalha com a tribo. Assim
 Martim viu-se obrigado a guerrear junto
 a seu irmão Poti deixando Iracema na
 cabana grávida.
Parte 4 – final trágico
     Iracema deu a luz a um menino, mas foi um parto de risco,
 por esta razão ficou debilitada, então seu filho foi chamado de
 Moacir, o filho da dor. De tanto chorar Iracema perdeu o leite
 para alimentar o filho, conseguiu nutrir seu filho, mas a jovem
 perdia as forças e o apetite.
     O guerreiro branco, ao chegar e ouvir o canto triste da
 jandaia pressentiu a tragédia, voltou a tempo de Iracema
 morrer em seus braços. O sofrimento de Martim foi enorme
 com a perda do seu grande amor.
O lugar onde Iracema foi enterrada
veio a se chamar Ceará.
    Moacir, fruto de uma relação trágica
entre sangue português e sangue
indígena tornou-se o primeiro cearense.
No ceará, Martim cria seu filho, implanta
a fé cristã e continuou uma amizade fiel
com Poti.
   O nome Iracema é um anagrama da palavra América.
   O nome de Martim refere-se ao deus greco-romano
    Marte , o deus da guerra e da destruição.
   A linguagem foi construída para melhor representar a
    singeleza da língua bárbara, com termos a frases,que
    pareçam naturais na boca dos índios.
   Obra bastante elogiada por Machado de Assis.
   Aparentemente Alencar se inspirou no romance Atala
    e René, de Chateaubriand, gerando uma composição
    com vários pontos em comum, mas Iracema é sem
    discussão uma obra superior e original em sua
    essencialidade.
   Obra baseada também em tradição oral e em relatos
    históricos.
   Os personagens Martim e Poti realmente
    existiram: Martim Soares Moreno foi um
    dos excelentes cabos portugueses que
    libertaram o Brasil da invasão holandesa, e
    tornou-se o verdadeiro fundador do Ceará.
    Poti recebeu o nome de Batismo de Antônio
    Felipe Camarão, participou na guerra
    holandesa e seus serviços foram
    remunerados com o foro de fidalgo, a
    comenda de Cristo e o cargo de capitão-mor
    dos índios.
   Duas músicas foram feitas em homenagem à
    Iracema: Iracema voou, de Chico Buarque, e
    Iracema Brasil, de Eduardo Dusek.
   Em Fortaleza há cinco estátuas em sua
    homenagem, além de uma praia e um hotel.
   Um filme foi feito, seguindo o roteiro da
    obra: Iracema, a virgem dos lábios de mel, de
    Carlos Coimbra, em 1976; e outro filme
    também foi inspirado na obra, porém a
    história foi trazida à triste realidade em que
    se encontrava o Brasil em 1976: Iracema,
    Uma Transa Amazônica.
Iracema   slide pronto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
Flavio Maia Custodio
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás  Cubas Memórias Póstumas de Brás  Cubas
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Cláudia Heloísa
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
O barroco
O barrocoO barroco
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Capitães da Areia - JORGE AMADO
Capitães da Areia - JORGE AMADOCapitães da Areia - JORGE AMADO
Capitães da Areia - JORGE AMADO
Kaique Oliveira
 
Vidas secas
Vidas secas Vidas secas
Vidas secas
milton junior
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
gueste624265
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
Ana Batista
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
Rayane Anchieta
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
Cynthia Funchal
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Romance
RomanceRomance
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Raffaella Ergün
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
Diego Barcelar
 

Mais procurados (20)

Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás  Cubas Memórias Póstumas de Brás  Cubas
Memórias Póstumas de Brás Cubas
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Capitães da Areia - JORGE AMADO
Capitães da Areia - JORGE AMADOCapitães da Areia - JORGE AMADO
Capitães da Areia - JORGE AMADO
 
Vidas secas
Vidas secas Vidas secas
Vidas secas
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando PessoaResumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
Resumos de Português: Heterónimos De Fernando Pessoa
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
 

Semelhante a Iracema slide pronto

Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Iracema - Alencar
Iracema  - AlencarIracema  - Alencar
Iracema - Alencar
julykathy
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
Aline Bicudo
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
IracemaIracema
Iracema
Seduc/AM
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Iracema
IracemaIracema
Iracema
Joemille Leal
 
1Iracema SLIDES AULA 2003.ppt
1Iracema SLIDES AULA 2003.ppt1Iracema SLIDES AULA 2003.ppt
1Iracema SLIDES AULA 2003.ppt
VeraGarcia17
 
Iracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumoIracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumo
lucas_12
 
1Iracema.ppt
1Iracema.ppt1Iracema.ppt
1Iracema.ppt
VeraGarcia17
 
A moreninha (4)derek e isabela
A moreninha (4)derek e isabelaA moreninha (4)derek e isabela
A moreninha (4)derek e isabela
teresakashino
 
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptxO Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
dhione1
 
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
Brenno Rodrigues
 
romantismo no brasil
romantismo no brasilromantismo no brasil
romantismo no brasil
DanielaCassiano3
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Jonatas Carlos
 
A prosa romântica no Brasil..ppt
A prosa romântica no Brasil..pptA prosa romântica no Brasil..ppt
A prosa romântica no Brasil..ppt
aldyvip
 
apresentaçao iracema.pptx
apresentaçao iracema.pptxapresentaçao iracema.pptx
apresentaçao iracema.pptx
GiovannaYasmimSenetr
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
Andriane Cursino
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
Aniela Condak
 
Iracema material
Iracema   materialIracema   material
Iracema material
rafabebum
 

Semelhante a Iracema slide pronto (20)

Til 3ª A - 2013
Til   3ª A - 2013Til   3ª A - 2013
Til 3ª A - 2013
 
Iracema - Alencar
Iracema  - AlencarIracema  - Alencar
Iracema - Alencar
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Iracema de alencar
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
1Iracema SLIDES AULA 2003.ppt
1Iracema SLIDES AULA 2003.ppt1Iracema SLIDES AULA 2003.ppt
1Iracema SLIDES AULA 2003.ppt
 
Iracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumoIracema - caracteristicas e resumo
Iracema - caracteristicas e resumo
 
1Iracema.ppt
1Iracema.ppt1Iracema.ppt
1Iracema.ppt
 
A moreninha (4)derek e isabela
A moreninha (4)derek e isabelaA moreninha (4)derek e isabela
A moreninha (4)derek e isabela
 
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptxO Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
O Guarani José de Alencar Literaturas UEG.pptx
 
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
Análise a respeito da obra de José de Alencar, Iracema.
 
romantismo no brasil
romantismo no brasilromantismo no brasil
romantismo no brasil
 
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
Aula 12   romantismo no brasil - prosaAula 12   romantismo no brasil - prosa
Aula 12 romantismo no brasil - prosa
 
A prosa romântica no Brasil..ppt
A prosa romântica no Brasil..pptA prosa romântica no Brasil..ppt
A prosa romântica no Brasil..ppt
 
apresentaçao iracema.pptx
apresentaçao iracema.pptxapresentaçao iracema.pptx
apresentaçao iracema.pptx
 
Romantismo - Prosa
Romantismo - ProsaRomantismo - Prosa
Romantismo - Prosa
 
Iracema
IracemaIracema
Iracema
 
Iracema material
Iracema   materialIracema   material
Iracema material
 

Iracema slide pronto

  • 1. A índia dos lábios de mel
  • 2. Um dos mais belos romances da nossa literatura romântica, Iracema é considerado por muitos “um poema em prosa”. A trágica história de amor impossível da bela índia apaixonada pelo guerreiro branco Martim Soares Moreno é contada por José de Alencar com o ritmo e a força de imagens próprios da poesia e explica as origens da terra natal do autor, o Ceará.
  • 3. VIDA DE JOSÉ DE ALENCAR  Nasceu em 1 de maio de 1829 em Lagoa Redonda, próximo a Messejana – Ceará.  Cursou direito em São Paulo, foi político, jurista, dramaturgo e romancista.  Em 1859 tornou-se chefe da Secretaria do Ministério da Justiça, sendo depois consultor do mesmo, tornando-se mais tarde deputado estadual do Ceará.  Em 1856 publica o primeiro romance, Cinco Minutos, seguido de A Viuvinha em 1857. Mas é com O Guarani em (1857) que alcançará notoriedade. Estes romances foram publicados todos em jornais e só depois em livros.  Morreu dia 12 de dezembro de 1877.
  • 4. PRINCIPAIS OBRAS DE JOSÉ DE ALENCAR  O guarani,1857  Lucíola,1862  Ubirajara,1874  O sertanejo,1875  A viuvinha,1857  O gaúcho,1870  Cinco minutos,1856  Demônio  A pata da familiar,1857 Gazela,1870  Verso e Reverso,1857  Senhora,1875  Mãe,1860  Diva,1864
  • 5. Contexto histórico  O romance situa-se nos primeiros anos do século XVII, quando Portugal ainda estava sob domínio Espanhol (União Ibérica), e por forças da união das coroas ibéricas, a dinastia castelhana ou filipina reinava em Portugal e em suas colônias ultra-marinas.  A ação inicia-se entre 1603 e o começo de 1604 e prolonga-se até 1611. O episódio amoroso entre Martin e Iracema, do encontro à morte da protagonista, dá-se em 1604 e ocupa quase todo romance, do capítulo II ao XXXII.
  • 6.  É em 3º pessoa.  O narrador é onisciente.  Inicialmente o narrador participa da história pois irá contar uma narrativa que lhe contaram de sua terra natal “Uma história que me contaram nas lindas vargens onde nasci”
  • 7. GÊNERO LITERÁRIO  Para José de Alencar, como explicita o subtítulo de seu romance, Iracema é uma "Lenda do Ceará". É também, segundo diferentes críticos e historiadores, um poema em prosa, um romance poemático, um exemplo  Cada uma dessas de prosa poética, um definições põe em relevo romance histórico- um aspecto da obra e indianista, uma narrativa nenhuma a esgota: a épico-lírica ou lenda, a narrativa, a mitopoética. poesia, o heroísmo, o lirismo, a história, o mito.
  • 8. O encontro da natureza (Iracema) e da civilização (Martim) projeta-se na duplicidade da marcação temporal. Há em Iracema um tempo poético, marcado pelos ritmos da natureza e pela percepção sensorial de sua passagem (as estações, a lua, o sol, a brisa), e que predomina no corpo da narrativa, e um tempo histórico, cronológico demarcado por Martin e suas origens, indo de 1604 a 1611.
  • 9. Espaço  O espaço é geográfico e se passa dentro de uma selva. A valorização da cor local, do típico, do exótico inscreve-se na intenção nacionalista de embelezar a terra natal por meio de metáforas e comparações que ampliam as imagens de um Nordeste paradisíaco, primitivo.
  • 10.  Iracema: índia da tribo dos tabajaras, filha de Araquém, velho pajé; era umas espécie de vestal (no sentido de ter a sua virgindade consagrada a divindade) por guardar o segredo da jurema (bebida mágica alucinógena nos rituais religiosos); Anagrama de América. “A virgem dos lábios de mel”. (Personagem Plana)  Martim: guerreiro branco amigo dos pitiguaras, habitante do litoral, adversário dos tabajaras; os pitiguaras lhe deram o nome de Coatiabo. (Personagem Plana)
  • 11.  Poti: herói dos pitiguaras, amigo (que se considerava irmão) de Martim. (Personagem Plano)  Irapuã: chefe dos tabajaras; apaixonado por Iracema.  Caubi: índio tabajara; irmão de Iracema. (Personagem esférico)  Jacaúna: Chefe dos pitiguaras, irmão de Poti.  Araquém: Pajé da tribo tabajara, pai de Iracema e Caubi.  Batuirité: O avô de Poti, o qual denomina Martim Gavião Branco, fazendo, antes de morrer, a profecia da destruição de seu povo pelos brancos.
  • 12.  Parte I – a chegada do guerreiro branco  Parte II – abandono da pátria  Parte III – um novo começo  Parte IV – final trágico
  • 13. Parte 1 – a chegada do guerreiro branco Durante uma caçada, Martim, um guerreiro português, se perdeu dos companheiros pitiguaras e caminhou sem rumo durante 3 dias. Encontrou-se com Iracema da tribo dos tabajaras. Quando se deparou com Martim, surpresa e amedrontada a índia o feriu com uma flechada, arrependida a moça correu até Martim e ofereceu-lhe hospitalidade. A hospedagem ali não agradou um guerreiro: Irapuã, que era apaixonado por Iracema. Enquanto isso, Martim convivia com a saudade de Portugal, e também com a crescente admiração pela virgem Tabajara.
  • 14. Parte 2 – abandono da pátria Apaixonada por Martim e assim traindo o compromisso de virgem, portadora do segredo da jurema da tribo tabajara, Iracema decide fugir ao lado de seu amado e seu amigo Poti (guerreiro da tribo inimiga, pitiguaras). Iracema fugiu de sua aldeia rumo ao litoral. Ao perceberem o ocorrido, Irapuã e Caubi lideram os tabajaras e perseguem os amantes. No caminho encontraram os pitiguaras. Ocorrendo assim, uma batalha sangrenta.
  • 15. Parte 3 – um novo começo A fuga acabou numa praia deserta, onde o casal decidiu construir uma cabana. Após um tempo os franceses de aliaram aos tabajaras e decidiram travar uma batalha com a tribo. Assim Martim viu-se obrigado a guerrear junto a seu irmão Poti deixando Iracema na cabana grávida.
  • 16. Parte 4 – final trágico Iracema deu a luz a um menino, mas foi um parto de risco, por esta razão ficou debilitada, então seu filho foi chamado de Moacir, o filho da dor. De tanto chorar Iracema perdeu o leite para alimentar o filho, conseguiu nutrir seu filho, mas a jovem perdia as forças e o apetite. O guerreiro branco, ao chegar e ouvir o canto triste da jandaia pressentiu a tragédia, voltou a tempo de Iracema morrer em seus braços. O sofrimento de Martim foi enorme com a perda do seu grande amor.
  • 17. O lugar onde Iracema foi enterrada veio a se chamar Ceará. Moacir, fruto de uma relação trágica entre sangue português e sangue indígena tornou-se o primeiro cearense. No ceará, Martim cria seu filho, implanta a fé cristã e continuou uma amizade fiel com Poti.
  • 18. O nome Iracema é um anagrama da palavra América.  O nome de Martim refere-se ao deus greco-romano Marte , o deus da guerra e da destruição.  A linguagem foi construída para melhor representar a singeleza da língua bárbara, com termos a frases,que pareçam naturais na boca dos índios.  Obra bastante elogiada por Machado de Assis.  Aparentemente Alencar se inspirou no romance Atala e René, de Chateaubriand, gerando uma composição com vários pontos em comum, mas Iracema é sem discussão uma obra superior e original em sua essencialidade.  Obra baseada também em tradição oral e em relatos históricos.
  • 19. Os personagens Martim e Poti realmente existiram: Martim Soares Moreno foi um dos excelentes cabos portugueses que libertaram o Brasil da invasão holandesa, e tornou-se o verdadeiro fundador do Ceará. Poti recebeu o nome de Batismo de Antônio Felipe Camarão, participou na guerra holandesa e seus serviços foram remunerados com o foro de fidalgo, a comenda de Cristo e o cargo de capitão-mor dos índios.  Duas músicas foram feitas em homenagem à Iracema: Iracema voou, de Chico Buarque, e Iracema Brasil, de Eduardo Dusek.  Em Fortaleza há cinco estátuas em sua homenagem, além de uma praia e um hotel.  Um filme foi feito, seguindo o roteiro da obra: Iracema, a virgem dos lábios de mel, de Carlos Coimbra, em 1976; e outro filme também foi inspirado na obra, porém a história foi trazida à triste realidade em que se encontrava o Brasil em 1976: Iracema, Uma Transa Amazônica.