SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Trovadorismo
C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O E S T Á C I O D E B H
L I T E R AT U R A P O R T U G U E S A I
P R O F E S S O R A F L Á V I A A L C Â N TA R A
Trovadorismo
• Trovadorismo foi um movimento literário e
poético que surgiu na Idade
Média, no século XI. Foi o primeiro
movimento literário da língua portuguesa,
pois dele surgiram as primeiras
manifestações literárias.
• As cantigas são os principais registros da
época, tradicionalmente divididas em:
Cantigas de Amor
Cantigas de Amigo
Cantigas de Escárnio
Cantigas de Maldizer
Trovadorismo
• O Trovadorismo português teve seu apogeu durante de
cerca de 150 anos (aprox. finais do século XII a meados
do século XIV).
• Surgiu no mesmo período em que Portugal começou a
despontar como nação independente, no século XII;
porém, as suas origens deram-se na Occitânia, de onde
se espalhou por praticamente toda a Europa. Apesar
disso, a lírica medieval galego-portuguesa possuiu
características próprias, uma grande produtividade e um
número considerável de autores conservados.
• Trovadores eram aqueles que
compunham as poesias e
as melodias que as acompanhavam,
e cantigas são as poesias cantadas.
• A designação "trovador" aplicava-se
aos autores de origem nobre, sendo
que os autores de origem vilã tinham o
nome de jogral, termo que designava
igualmente o seu estatuto de
profissional (em contraste com o
trovador).
As cantigas, primeiramente destinadas
ao canto, foram depois manuscritas em
cadernos de apontamentos, que mais
tarde foram postas em coletâneas de
canções chamadas Cancioneiros (livros
que reuniam grande número de trovas).
São conhecidos três Cancioneiros galego-portugueses:
O "Cancioneiro da Ajuda", o "Cancioneiro da Biblioteca
Nacional de Lisboa" (Colocci-Brancutti) e o "Cancioneiro
da Vaticana". Além disso, há um quarto livro de cantigas
dedicadas à Virgem Maria pelo rei Afonso X de Leão e
Castela, O Sábio.
Surgiram também os textos em prosa de cronistas
como Rui de Pina, Fernão Lopes e Gomes Eanes de
Zurara e as novelas de cavalaria, como a demanda
do Santo Graal.
Symphonia da Cantiga 160, Cantigas
de Santa Maria, de Afonso X, o Sábio
- Códice do Escorial.
(1221-1284).
https://www.youtube.com/watch?v=hCGyDmclpS8
04:09
VOLTAMOS PARAA
IDADE MÉDIA?
(Trovadorismo)
https://www.youtube.com/watch?v=Nl1fQKZeeWE
(19:06)
Classificação das cantigas
Com base na maioria das cantigas
reunidas nos cancioneiros, podemos
classificá-las da seguinte forma:
A cantiga de amor
• O cavalheiro dirige-se à mulher amada como
uma figura idealizada, distante.
• O poeta, na posição de fiel vassalo, se põe a
serviço de sua senhora, dama da corte,
tornando esse amor um sonho, distante,
impossível. Nunca consegue conquistá-la,
porque eles pertencem a diferentes níveis
sociais.
• Sua amada é chamada de senhor (as palavras
terminadas em or como senhor ou pastor, em
galego-português não tinham feminino).
• Canta à "minha senhor", a quem ele trata como
superior revelando sua condição hierárquica.
• Canta a dor de amar e está sempre acometido
da "coita", palavra frequente nas cantigas de
amor que significa "sofrimento por amor".
Características:
• Eu-lírico masculino e sofredor.
• Assunto Principal: o sofrimento amoroso do eu-lírico
perante uma mulher idealizada e distante.
• Amor cortês; vassalagem amorosa.
• Amor impossível.
• Ambientação aristocrática das cortes.
• Forte influência provençal.
• Vassalagem amorosa "o eu lírico usa o pronome de
tratamento "senhor".
A cantiga de amigo
• São cantigas de origem popular, com marcas da
literatura oral, recursos esses próprios dos textos
para serem cantados e memorizados.
• O eu-lírico é uma mulher (mas o autor era
masculino, devido à sociedade feudal e o restrito
acesso ao conhecimento da época), que canta seu
amor pelo amigo (isto é, namorado), muitas vezes
em ambiente natural, e em diálogo com
sua mãe ou suas amigas.
• A figura feminina que as cantigas de amigo
desenham é da jovem que se inicia no universo do
amor, por vezes lamentando a ausência do amado,
por vezes cantando a sua alegria pelo próximo
encontro.
• Diferente da cantiga de amor, nela não há a
relação Suserano x Vassalo, ela é uma mulher
do povo.
• Muitas vezes tal cantiga também revelava a tristeza
da mulher, pela ida de seu amado à guerra.
Características:
• Eu lírico feminino.
• Presença de paralelismos.
• Predomínio da musicalidade.
• Assunto Principal: saudade
• Amor natural, espontâneo e
possível.
• Ambientação popular rural ou
urbana.
• Influência da tradição oral ibérica.
• Deus é o elemento mais
importante do poema.
• Pouca subjetividade.
A cantiga de escárnio
• O eu-lírico faz uma sátira indireta,
cheia de duplos sentidos, a alguma
pessoa.
• São cantigas feitas pelos trovadores
para dizer mal de alguém, por meio
de ambiguidades, trocadilhos e
jogos semânticos, em um processo
que os trovadores chamavam
"equívoco".
• O cômico que caracteriza essas
cantigas é predominantemente
verbal, fazendo alusão indireta e
velada, para que o destinatário não
seja reconhecido.
• Estimula a imaginação do poeta e
sugere-lhe uma expressão irônica,
embora, por vezes, bastante
mordaz.
Características:
• Crítica indireta; normalmente a
pessoa satirizada não é
identificada.
• Linguagem trabalhada, cheia
de sutilezas, trocadilho e
ambiguidades.
• Ironia e sarcasmo.
A cantiga de maldizer
• Ao contrário da cantiga de escárnio, a
cantiga de maldizer traz uma sátira
direta e sem duplos sentidos.
• É comum a agressão verbal à pessoa
satirizada, e muitas vezes, são
utilizados até palavras de baixo calão
(palavrões).
• O nome da pessoa satirizada pode ou
não ser revelado.
Características:
• Crítica direta; geralmente a pessoa satirizada é identificada.
• Linguagem agressiva, direta, por vezes obscena.
• Zombaria.
Próxima
aula: • Humanismo português: a poes
ia palaciana, a crônica historiogr
á-
fica de Fernão Lopes e o teatro
popular de Gil Vicente.
• Leitura específica: Poética de Gil
Vicente (Disponível em PDF na Sala de
Aula Virtual e arquivos do Teams)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 3_Trovadorismo.pptx

Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
rosangelajoao
 

Semelhante a Aula 3_Trovadorismo.pptx (20)

Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Apoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdfApoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdf
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
A Poesia Trovadoresca - contextualização .pptx
A Poesia Trovadoresca - contextualização .pptxA Poesia Trovadoresca - contextualização .pptx
A Poesia Trovadoresca - contextualização .pptx
 
literatura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.pptliteratura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.ppt
 
literatura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.pptliteratura_trovadorismo.ppt
literatura_trovadorismo.ppt
 
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIOPROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
poesia_trovadoresca.pptx
poesia_trovadoresca.pptxpoesia_trovadoresca.pptx
poesia_trovadoresca.pptx
 
BOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptx
BOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptxBOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptx
BOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptx
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
 
TROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XII
TROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XIITROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XII
TROVADORISMO EM PORTUGAL MOVIMENTO LITERÁRIO DO SÉCULO XII
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo IIExrcícios de t rovadorismo e humanismo II
Exrcícios de t rovadorismo e humanismo II
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 

Último (20)

Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 

Aula 3_Trovadorismo.pptx

  • 1. Trovadorismo C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O E S T Á C I O D E B H L I T E R AT U R A P O R T U G U E S A I P R O F E S S O R A F L Á V I A A L C Â N TA R A
  • 2. Trovadorismo • Trovadorismo foi um movimento literário e poético que surgiu na Idade Média, no século XI. Foi o primeiro movimento literário da língua portuguesa, pois dele surgiram as primeiras manifestações literárias. • As cantigas são os principais registros da época, tradicionalmente divididas em: Cantigas de Amor Cantigas de Amigo Cantigas de Escárnio Cantigas de Maldizer
  • 3. Trovadorismo • O Trovadorismo português teve seu apogeu durante de cerca de 150 anos (aprox. finais do século XII a meados do século XIV). • Surgiu no mesmo período em que Portugal começou a despontar como nação independente, no século XII; porém, as suas origens deram-se na Occitânia, de onde se espalhou por praticamente toda a Europa. Apesar disso, a lírica medieval galego-portuguesa possuiu características próprias, uma grande produtividade e um número considerável de autores conservados.
  • 4. • Trovadores eram aqueles que compunham as poesias e as melodias que as acompanhavam, e cantigas são as poesias cantadas. • A designação "trovador" aplicava-se aos autores de origem nobre, sendo que os autores de origem vilã tinham o nome de jogral, termo que designava igualmente o seu estatuto de profissional (em contraste com o trovador).
  • 5. As cantigas, primeiramente destinadas ao canto, foram depois manuscritas em cadernos de apontamentos, que mais tarde foram postas em coletâneas de canções chamadas Cancioneiros (livros que reuniam grande número de trovas).
  • 6. São conhecidos três Cancioneiros galego-portugueses: O "Cancioneiro da Ajuda", o "Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa" (Colocci-Brancutti) e o "Cancioneiro da Vaticana". Além disso, há um quarto livro de cantigas dedicadas à Virgem Maria pelo rei Afonso X de Leão e Castela, O Sábio. Surgiram também os textos em prosa de cronistas como Rui de Pina, Fernão Lopes e Gomes Eanes de Zurara e as novelas de cavalaria, como a demanda do Santo Graal.
  • 7. Symphonia da Cantiga 160, Cantigas de Santa Maria, de Afonso X, o Sábio - Códice do Escorial. (1221-1284). https://www.youtube.com/watch?v=hCGyDmclpS8 04:09
  • 9. Classificação das cantigas Com base na maioria das cantigas reunidas nos cancioneiros, podemos classificá-las da seguinte forma:
  • 10. A cantiga de amor • O cavalheiro dirige-se à mulher amada como uma figura idealizada, distante. • O poeta, na posição de fiel vassalo, se põe a serviço de sua senhora, dama da corte, tornando esse amor um sonho, distante, impossível. Nunca consegue conquistá-la, porque eles pertencem a diferentes níveis sociais. • Sua amada é chamada de senhor (as palavras terminadas em or como senhor ou pastor, em galego-português não tinham feminino). • Canta à "minha senhor", a quem ele trata como superior revelando sua condição hierárquica. • Canta a dor de amar e está sempre acometido da "coita", palavra frequente nas cantigas de amor que significa "sofrimento por amor".
  • 11. Características: • Eu-lírico masculino e sofredor. • Assunto Principal: o sofrimento amoroso do eu-lírico perante uma mulher idealizada e distante. • Amor cortês; vassalagem amorosa. • Amor impossível. • Ambientação aristocrática das cortes. • Forte influência provençal. • Vassalagem amorosa "o eu lírico usa o pronome de tratamento "senhor".
  • 12. A cantiga de amigo • São cantigas de origem popular, com marcas da literatura oral, recursos esses próprios dos textos para serem cantados e memorizados. • O eu-lírico é uma mulher (mas o autor era masculino, devido à sociedade feudal e o restrito acesso ao conhecimento da época), que canta seu amor pelo amigo (isto é, namorado), muitas vezes em ambiente natural, e em diálogo com sua mãe ou suas amigas. • A figura feminina que as cantigas de amigo desenham é da jovem que se inicia no universo do amor, por vezes lamentando a ausência do amado, por vezes cantando a sua alegria pelo próximo encontro. • Diferente da cantiga de amor, nela não há a relação Suserano x Vassalo, ela é uma mulher do povo. • Muitas vezes tal cantiga também revelava a tristeza da mulher, pela ida de seu amado à guerra.
  • 13. Características: • Eu lírico feminino. • Presença de paralelismos. • Predomínio da musicalidade. • Assunto Principal: saudade • Amor natural, espontâneo e possível. • Ambientação popular rural ou urbana. • Influência da tradição oral ibérica. • Deus é o elemento mais importante do poema. • Pouca subjetividade.
  • 14. A cantiga de escárnio • O eu-lírico faz uma sátira indireta, cheia de duplos sentidos, a alguma pessoa. • São cantigas feitas pelos trovadores para dizer mal de alguém, por meio de ambiguidades, trocadilhos e jogos semânticos, em um processo que os trovadores chamavam "equívoco". • O cômico que caracteriza essas cantigas é predominantemente verbal, fazendo alusão indireta e velada, para que o destinatário não seja reconhecido. • Estimula a imaginação do poeta e sugere-lhe uma expressão irônica, embora, por vezes, bastante mordaz.
  • 15. Características: • Crítica indireta; normalmente a pessoa satirizada não é identificada. • Linguagem trabalhada, cheia de sutilezas, trocadilho e ambiguidades. • Ironia e sarcasmo.
  • 16. A cantiga de maldizer • Ao contrário da cantiga de escárnio, a cantiga de maldizer traz uma sátira direta e sem duplos sentidos. • É comum a agressão verbal à pessoa satirizada, e muitas vezes, são utilizados até palavras de baixo calão (palavrões). • O nome da pessoa satirizada pode ou não ser revelado.
  • 17. Características: • Crítica direta; geralmente a pessoa satirizada é identificada. • Linguagem agressiva, direta, por vezes obscena. • Zombaria.
  • 18. Próxima aula: • Humanismo português: a poes ia palaciana, a crônica historiogr á- fica de Fernão Lopes e o teatro popular de Gil Vicente. • Leitura específica: Poética de Gil Vicente (Disponível em PDF na Sala de Aula Virtual e arquivos do Teams)