SlideShare uma empresa Scribd logo
Herança
portuguesa
Revisão geral
Literatura
Movimento literário que esteve marcado
pela produção de cantigas líricas (focadas
em sentimentos e emoções) e satíricas
(com críticas diretas ou indiretas).
1
2
3
Considerado o primeiro movimento
literário europeu, ele reuniu registros
escritos da primeira época da literatura
medieval entre os séculos XI e XIV.
Esse movimento, que ocorreu somente na
Europa, teve como principal característica
a aproximação da música e da poesia.
Trovadorismo
Flauta
Viola
Alaúde
Trovador
Jogral
Menestrel
Escrita em galego-português (língua que se falava na época), a Cantiga da Ribeirinha (ou
Cantiga de Guarvaia) é o registro mais antigo que se tem da produção literária desse
momento nas terras portuguesas.
Confira abaixo um trecho dessa cantiga:
CantigadaRibeirinha
No mundo non me sei parelha,
mentre me for' como me vai,
ca ja moiro por vós - e ai!
mia senhor branca e vermelha,
Queredes que vos retraia
quando vos eu vi em saia!
Mao dia me levantei,
que vos enton non vi fea!
ContextohistóricodoTrovadorismo
Continente europeu durante a Idade Média
Domínio da Igreja Católica dominava na Europa
Teocentrismo
Feudalismo
Principais características do Trovadorismo
União da música e da poesia;
Recitação de poemas com acompanhamento musical;
Produção de cantigas líricas (que evidencia os sentimentos, emoções e
percepções do autor) e satíricas (que tem como objetivo criticar ou
ridicularizar algo ou alguém);
Principais temas explorados: amor, sofrimento, amizade e críticas
política e social.
OTrovadorismoemPortugal(1189ou
1198-1418)
O ano de 1189 (ou 1198) é considerado o marco inicial da literatura portuguesa e do movimento do
trovadorismo, data provável da primeira composição literária conhecida “Cantiga da Ribeirinha” ou “Cantiga
de Guarvaia”. Escrita pelo trovador Paio Soares da Taveirós e dedicada a dona Maria Pais Ribeiro.
Paio Soares de
Taveirós
Rei D. Dinis (1261-1325) Martim Codax João Soares Paiva
Amor Escárnio
Amigo Maldizer
AscantigasdoTrovadorismo
Líricas Satíricas
“Cantiga da Ribeirinha” de Paio Soares de Taveirós
No mundo non me sei parelha,
mentre me for' como me vai,
ca ja moiro por vós - e ai!
mia senhor branca e vermelha,
Queredes que vos retraia
quando vos eu vi em saia!
Mao dia me levantei,
que vos enton non vi fea!
E, mia senhor, des aquelha
me foi a mí mui mal di'ai!,
E vós, filha de don Paai
Moniz, e ben vos semelha
d'haver eu por vós guarvaia,
pois eu, mia senhor, d'alfaia
nunca de vós houve nen hei
valía dũa correa.
Originárias da região de Provença, na França,
apresenta uma expressão poética sutil e bem
elaborada. Os sentimentos são expressos com mais
profundidade, sendo que o tema mais frequente é o
sofrimento amoroso.
Amigo
AscantigasdoTrovadorismo
Líricas
Originárias da Península Ibérica, as cantigas de amigo constituem a
manifestação mais antiga e original do lirismo português.
Nelas, o trovador procura traduzir os sentimentos femininos,
falando como se fosse uma mulher. Nessa época, a palavra “amigo”
significava “namorado” ou “amante”.
Cantiga “Ai Deus, se sab'ora meu amigo” de Martin Codax
Ai Deus, se sab'ora meu amigo
com'eu senheira estou em Vigo!
E vou namorada...
Ai Deus, se sab'ora meu amado
com'eu em Vigo senheira manho!
E vou namorada...
Com'eu senheira estou em Vigo
e nulhas gardas nom hei comigo!
E vou namorada...
Com'eu senheira em Vigo manho
e nulhas gardas migo nom trago!
E vou namorada...
E nulhas gardas nom hei comigo,
ergas meus olhos que choram migo!
E vou namorada...
E nulhas gardas migo nom trago,
ergas meus olhos que choram ambos!
E vou namorada...
Escárnio
AscantigasdoTrovadorismo
Satíricas
Cantiga de escárnio “A Dom Foam quer'eu gram mal” de
João Garcia de Guilhade
A Dom Foam quer'eu gram mal
e quer'a sa molher gram bem;
gram sazom há que m'est'avém
e nunca i já farei al;
ca, desquand'eu sa molher vi,
se púdi, sempre a servi
e sempr'a ele busquei mal.
Quero-me já maenfestar,
e pesará muit'[a] alguém,
mais, sequer que moira por en,
dizer quer'eu do mao mal
e bem da que mui bõa for,
qual nom há no mundo melhor,
quero-[o] já maenfestar.
Esses tipos de cantigas são satíricas e irreverentes, as quais
reuniam versos que criticavam a sociedade, os costumes e
ridicularizavam os defeitos humanos.
De parecer e de falar
e de bõas manhas haver,
ela, nõn'a pode vencer
dona no mund', a meu cuidar;
ca ela fez Nostro Senhor
e el fez o Demo maior,
e o Demo o faz falar.
E pois ambos ataes som,
como eu tenho no coraçom,
os julg'Aquel que pod'e val.
Maldizer
Os três cancioneiros que reúnem as cantigas trovadorescas são:
Cancioneiro da Ajuda: constituído de 310 cantigas, esse
cancioneiro se encontra na Biblioteca do Palácio da Ajuda, em
Lisboa, originado provavelmente no século XIII.
Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa: conhecido
também pelo nome em italiano, “Cancioneiro Colocci-Brancuti”,
esse cancioneiro, composto de 1647 cantigas, foi compilado
provavelmente no século XV.
Cancioneiro da Vaticana: originado provavelmente no século
XV e composto de 1205 cantigas, esse cancioneiro está na
Biblioteca do Vaticano.
O humanismo foi um movimento que marcou o modo de pensar do ser
humano, que a partir daí, começaram a se importar com coisas
diferentes além do teocentrismo. Como o foco era o valor do ser
humano, ele teve destaque com as produções artísticas em massa,
como fundamento a valorização do ser humano.
Humanismo
Características
O Humanismo buscava na razão a explicação para os fenômenos do mundo.
Para o humanista, estudioso da Antiguidade Clássica, somente com a ordem era possível chegar à
harmonia. Este princípio servia tanto para a arte como para a política.
Desta maneira, surge o antropocentrismo, onde o homem e não Deus estaria no centro do
universo.
Não significa que a religião foi abandonada, nem deixou de fazer parte da vida dos seres
humanos. No entanto, o homem se vê agora como protagonista da história, dotado de
inteligência e vontade, e capaz de mudar seu destino.
Assim, o homem do renascimento não aceita as verdades pré-concebidas, pois tudo deve ser
provado pelo meio da experimentação (empirismo).
NaLiteratura
Os autores recuperaram a temática da mitologia greco-romana e com isso
escreveram obras de teatro, poesia e prosa.
O hedonismo estará presente valorizando a mulher jovem, graciosa e de formas
harmônicas. Esta ideia será usada também pelos pintores e escultores.
Auto da barca do inferno é uma peça teatral do escritor
português Gil Vicente. Ela mostra de forma irônica o drama
de personagens condenados a viajar na barca do inferno.
Gil Vicente e o teatro
humanista
Classicismo
O Classicismo foi uma escola literária que teve
seu apogeu durante o Renascimento - cujo berço
foi a Itália -, época que marcou o fim da Idade
Média e o início da Idade Moderna. Foi um
período de intenso renascimento filosófico,
político, cultural e artístico. A sociedade já não
queria seguir o teocentrismo medieval.
Contexto histórico
as Grandes Navegações;
a Reforma Protestante (que levou a uma crise
religiosa) encabeçada por Martinho Lutero;
a invenção da Imprensa pelo alemão
Gutenberg;
o fim do sistema feudal (início do
capitalismo);
o cientificismo de Copérnico e Galileu.
TRANSFORMAÇÕES
RENASCIMENTO CULTURAL
Ideais
Questionamento, tolerância cultural e religiosa,
e obtenção do conhecimento a partir de
diferentes saberes.
Período de grandes transformações
artísticas, culturais, políticas e que
espalhou-se por todo o continente europeu.
OS LUSÍADAS
HISTORY
Camões
Sua grande obra "Os Lusíadas” (1572), é uma
epopeia classicista onde ele narra a viagem de
Vasco da Gama às Índias. Ela foi escrita em 10
cantos e está composta de 8816 versos
decassílabos em oitava rima distribuídos em 1120
estrofes.
A obra está dividida em 5 partes:
Proposição: introdução da obra com apresentação do tema e dos
personagens (Canto I).
Invocação: nessa parte o poeta invoca as ninfas do Tejo (Canto I) como
inspiração.
Dedicatória: parte em que o poeta dedica a obra ao rei Dom Sebastião
(Canto I).
Narração: o autor narra a viagem de Vasco da Gama e dos feitos
realizados pelos personagens. (Cantos II, III, IV, V, VI, VII, VIII e IX).
Epílogo: conclusão da obra (Canto X).
A Epopeia escrita em dez cantos, tem como tema as navegações ultramarinas
do século XVI, as grandes conquistas do povo português e a Viagem de Vasco
da Gama às Índias. A mitologia greco-romana a o Cristianismo são temas
recorrentes na obra.
No início ele narra sobre a frota de Vasco da Gama que vai em direção ao
Cabo da Boa Esperança.
A epopeia termina com o encontro dos viajantes e as musas na Ilha dos
Amores. Os principais episódios da obra são:
Inês de Castro (Canto III)
Velho do Restelo (Conto IV)
Gigante Adamastor (Canto V)
Ilha dos Amores (Canto IX)
Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.
É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.
É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.
Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses

Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
Portal do Vestibulando
 
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
Lidiane Rodrigues
 
Apoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdfApoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdf
Beatriz Gomes
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Revisão – literatura II
Revisão – literatura IIRevisão – literatura II
Revisão – literatura II
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Tio Pablo Virtual
 
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Douglas Maga
 
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
Nataly Silva
 
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEMResumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
Marly Rodrigues
 
Aula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptxAula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptx
Prfª Flávia
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
rafabebum
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
Karen Olivan
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
Jose Arnaldo Silva
 
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdfAutores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
MarianaSantosdaSilva8
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Carolina Matuck
 
Power point Sexualidade na Literatura
Power  point Sexualidade na LiteraturaPower  point Sexualidade na Literatura
Power point Sexualidade na Literatura
gracafigueiredo2
 
O trovadorismo
O trovadorismoO trovadorismo
O trovadorismo
Newltemberg Santos
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
Thani Almeida
 
Literatura portuguesa
Literatura portuguesaLiteratura portuguesa
Literatura portuguesa
cassab96
 

Semelhante a Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses (20)

Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
 
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
 
Apoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdfApoesiatrovadoresca.pdf
Apoesiatrovadoresca.pdf
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 
Revisão – literatura II
Revisão – literatura IIRevisão – literatura II
Revisão – literatura II
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
 
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
 
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEMResumo literatura portuguesa20143anoEM
Resumo literatura portuguesa20143anoEM
 
Aula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptxAula 3_Trovadorismo.pptx
Aula 3_Trovadorismo.pptx
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
 
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdfAutores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
Autores e Obras do Romantismo brasileiro.pdf
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Power point Sexualidade na Literatura
Power  point Sexualidade na LiteraturaPower  point Sexualidade na Literatura
Power point Sexualidade na Literatura
 
O trovadorismo
O trovadorismoO trovadorismo
O trovadorismo
 
Aula classicismo
Aula classicismoAula classicismo
Aula classicismo
 
Literatura portuguesa
Literatura portuguesaLiteratura portuguesa
Literatura portuguesa
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses

  • 2. Movimento literário que esteve marcado pela produção de cantigas líricas (focadas em sentimentos e emoções) e satíricas (com críticas diretas ou indiretas). 1 2 3 Considerado o primeiro movimento literário europeu, ele reuniu registros escritos da primeira época da literatura medieval entre os séculos XI e XIV. Esse movimento, que ocorreu somente na Europa, teve como principal característica a aproximação da música e da poesia. Trovadorismo
  • 4. Escrita em galego-português (língua que se falava na época), a Cantiga da Ribeirinha (ou Cantiga de Guarvaia) é o registro mais antigo que se tem da produção literária desse momento nas terras portuguesas. Confira abaixo um trecho dessa cantiga: CantigadaRibeirinha No mundo non me sei parelha, mentre me for' como me vai, ca ja moiro por vós - e ai! mia senhor branca e vermelha, Queredes que vos retraia quando vos eu vi em saia! Mao dia me levantei, que vos enton non vi fea!
  • 5. ContextohistóricodoTrovadorismo Continente europeu durante a Idade Média Domínio da Igreja Católica dominava na Europa Teocentrismo Feudalismo Principais características do Trovadorismo União da música e da poesia; Recitação de poemas com acompanhamento musical; Produção de cantigas líricas (que evidencia os sentimentos, emoções e percepções do autor) e satíricas (que tem como objetivo criticar ou ridicularizar algo ou alguém); Principais temas explorados: amor, sofrimento, amizade e críticas política e social.
  • 6. OTrovadorismoemPortugal(1189ou 1198-1418) O ano de 1189 (ou 1198) é considerado o marco inicial da literatura portuguesa e do movimento do trovadorismo, data provável da primeira composição literária conhecida “Cantiga da Ribeirinha” ou “Cantiga de Guarvaia”. Escrita pelo trovador Paio Soares da Taveirós e dedicada a dona Maria Pais Ribeiro. Paio Soares de Taveirós Rei D. Dinis (1261-1325) Martim Codax João Soares Paiva
  • 7. Amor Escárnio Amigo Maldizer AscantigasdoTrovadorismo Líricas Satíricas “Cantiga da Ribeirinha” de Paio Soares de Taveirós No mundo non me sei parelha, mentre me for' como me vai, ca ja moiro por vós - e ai! mia senhor branca e vermelha, Queredes que vos retraia quando vos eu vi em saia! Mao dia me levantei, que vos enton non vi fea! E, mia senhor, des aquelha me foi a mí mui mal di'ai!, E vós, filha de don Paai Moniz, e ben vos semelha d'haver eu por vós guarvaia, pois eu, mia senhor, d'alfaia nunca de vós houve nen hei valía dũa correa. Originárias da região de Provença, na França, apresenta uma expressão poética sutil e bem elaborada. Os sentimentos são expressos com mais profundidade, sendo que o tema mais frequente é o sofrimento amoroso.
  • 8. Amigo AscantigasdoTrovadorismo Líricas Originárias da Península Ibérica, as cantigas de amigo constituem a manifestação mais antiga e original do lirismo português. Nelas, o trovador procura traduzir os sentimentos femininos, falando como se fosse uma mulher. Nessa época, a palavra “amigo” significava “namorado” ou “amante”. Cantiga “Ai Deus, se sab'ora meu amigo” de Martin Codax Ai Deus, se sab'ora meu amigo com'eu senheira estou em Vigo! E vou namorada... Ai Deus, se sab'ora meu amado com'eu em Vigo senheira manho! E vou namorada... Com'eu senheira estou em Vigo e nulhas gardas nom hei comigo! E vou namorada... Com'eu senheira em Vigo manho e nulhas gardas migo nom trago! E vou namorada... E nulhas gardas nom hei comigo, ergas meus olhos que choram migo! E vou namorada... E nulhas gardas migo nom trago, ergas meus olhos que choram ambos! E vou namorada...
  • 9. Escárnio AscantigasdoTrovadorismo Satíricas Cantiga de escárnio “A Dom Foam quer'eu gram mal” de João Garcia de Guilhade A Dom Foam quer'eu gram mal e quer'a sa molher gram bem; gram sazom há que m'est'avém e nunca i já farei al; ca, desquand'eu sa molher vi, se púdi, sempre a servi e sempr'a ele busquei mal. Quero-me já maenfestar, e pesará muit'[a] alguém, mais, sequer que moira por en, dizer quer'eu do mao mal e bem da que mui bõa for, qual nom há no mundo melhor, quero-[o] já maenfestar. Esses tipos de cantigas são satíricas e irreverentes, as quais reuniam versos que criticavam a sociedade, os costumes e ridicularizavam os defeitos humanos. De parecer e de falar e de bõas manhas haver, ela, nõn'a pode vencer dona no mund', a meu cuidar; ca ela fez Nostro Senhor e el fez o Demo maior, e o Demo o faz falar. E pois ambos ataes som, como eu tenho no coraçom, os julg'Aquel que pod'e val. Maldizer
  • 10. Os três cancioneiros que reúnem as cantigas trovadorescas são: Cancioneiro da Ajuda: constituído de 310 cantigas, esse cancioneiro se encontra na Biblioteca do Palácio da Ajuda, em Lisboa, originado provavelmente no século XIII. Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa: conhecido também pelo nome em italiano, “Cancioneiro Colocci-Brancuti”, esse cancioneiro, composto de 1647 cantigas, foi compilado provavelmente no século XV. Cancioneiro da Vaticana: originado provavelmente no século XV e composto de 1205 cantigas, esse cancioneiro está na Biblioteca do Vaticano.
  • 11. O humanismo foi um movimento que marcou o modo de pensar do ser humano, que a partir daí, começaram a se importar com coisas diferentes além do teocentrismo. Como o foco era o valor do ser humano, ele teve destaque com as produções artísticas em massa, como fundamento a valorização do ser humano. Humanismo
  • 12. Características O Humanismo buscava na razão a explicação para os fenômenos do mundo. Para o humanista, estudioso da Antiguidade Clássica, somente com a ordem era possível chegar à harmonia. Este princípio servia tanto para a arte como para a política. Desta maneira, surge o antropocentrismo, onde o homem e não Deus estaria no centro do universo. Não significa que a religião foi abandonada, nem deixou de fazer parte da vida dos seres humanos. No entanto, o homem se vê agora como protagonista da história, dotado de inteligência e vontade, e capaz de mudar seu destino. Assim, o homem do renascimento não aceita as verdades pré-concebidas, pois tudo deve ser provado pelo meio da experimentação (empirismo).
  • 13. NaLiteratura Os autores recuperaram a temática da mitologia greco-romana e com isso escreveram obras de teatro, poesia e prosa. O hedonismo estará presente valorizando a mulher jovem, graciosa e de formas harmônicas. Esta ideia será usada também pelos pintores e escultores.
  • 14. Auto da barca do inferno é uma peça teatral do escritor português Gil Vicente. Ela mostra de forma irônica o drama de personagens condenados a viajar na barca do inferno. Gil Vicente e o teatro humanista
  • 15.
  • 17.
  • 18. O Classicismo foi uma escola literária que teve seu apogeu durante o Renascimento - cujo berço foi a Itália -, época que marcou o fim da Idade Média e o início da Idade Moderna. Foi um período de intenso renascimento filosófico, político, cultural e artístico. A sociedade já não queria seguir o teocentrismo medieval.
  • 19. Contexto histórico as Grandes Navegações; a Reforma Protestante (que levou a uma crise religiosa) encabeçada por Martinho Lutero; a invenção da Imprensa pelo alemão Gutenberg; o fim do sistema feudal (início do capitalismo); o cientificismo de Copérnico e Galileu.
  • 20. TRANSFORMAÇÕES RENASCIMENTO CULTURAL Ideais Questionamento, tolerância cultural e religiosa, e obtenção do conhecimento a partir de diferentes saberes. Período de grandes transformações artísticas, culturais, políticas e que espalhou-se por todo o continente europeu.
  • 21. OS LUSÍADAS HISTORY Camões Sua grande obra "Os Lusíadas” (1572), é uma epopeia classicista onde ele narra a viagem de Vasco da Gama às Índias. Ela foi escrita em 10 cantos e está composta de 8816 versos decassílabos em oitava rima distribuídos em 1120 estrofes. A obra está dividida em 5 partes: Proposição: introdução da obra com apresentação do tema e dos personagens (Canto I). Invocação: nessa parte o poeta invoca as ninfas do Tejo (Canto I) como inspiração. Dedicatória: parte em que o poeta dedica a obra ao rei Dom Sebastião (Canto I). Narração: o autor narra a viagem de Vasco da Gama e dos feitos realizados pelos personagens. (Cantos II, III, IV, V, VI, VII, VIII e IX). Epílogo: conclusão da obra (Canto X).
  • 22. A Epopeia escrita em dez cantos, tem como tema as navegações ultramarinas do século XVI, as grandes conquistas do povo português e a Viagem de Vasco da Gama às Índias. A mitologia greco-romana a o Cristianismo são temas recorrentes na obra. No início ele narra sobre a frota de Vasco da Gama que vai em direção ao Cabo da Boa Esperança. A epopeia termina com o encontro dos viajantes e as musas na Ilha dos Amores. Os principais episódios da obra são: Inês de Castro (Canto III) Velho do Restelo (Conto IV) Gigante Adamastor (Canto V) Ilha dos Amores (Canto IX)
  • 23. Amor é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar-se de contente; é um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor