Movimentos literários

297 visualizações

Publicada em

Pesquisa sobre os Movimentos Literários da Professora Piedade Teodoro da Escola João Cruz

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Movimentos literários

  1. 1. Movimentos Literários E.E Professor João Cruz Nome: Nataly Alves da Silva Nº 33 Série: 1º EM A
  2. 2. Trovadorismo Podemos dizer que o trovadorismo foi a primeira manifestação literária da língua portuguesa. Surgiu no século XII, em plena Idade Média, período em que Portugal estava no processo de formação nacional. O marco inicial do Trovadorismo é a “Cantiga da Ribeirinha” (conhecida também como “Cantiga da Garvaia”), escrita por Paio Soares de Taveirós no ano de 1189. Esta fase da literatura portuguesa vai até o ano de 1418, quando começa o Quinhentismo.
  3. 3. No trovadorismo galego-português, as cantigas são divididas em: Satíricas (Cantigas de Maldizer e Cantigas de Escárnio) e Líricas (Cantigas de Amor e Cantigas de Amigo). Cantigas de Maldizer: através delas, os trovadores faziam sátiras diretas, chegando muitas vezes a agressões verbais. Em algumas situações eram utilizados palavrões. O nome da pessoa satirizada podia aparecer explicitamente na cantiga ou não. Cantigas de Escárnio: nestas cantigas o nome da pessoa satirizada não aparecia. As sátiras eram feitas de forma indireta, utilizando-se de duplos sentidos.
  4. 4. Cantigas de Amor: neste tipo de cantiga o trovador destaca todas as qualidades da mulher amada, colocando-se numa posição inferior (de vassalo) a ela. O tema mais comum é o amor não correspondido. As cantigas de amor reproduzem o sistema hierárquico na época do feudalismo, pois o trovador passa a ser o vassalo da amada (suserana) e espera receber um benefício em troca de seus “serviços” (as trovas, o amor dispensado, sofrimento pelo amor não correspondido). Cantigas de Amigo: enquanto nas Cantigas de Amor o eu- lírico é um homem, nas de Amigo é uma mulher (embora os escritores fossem homens). A palavra amigo nestas cantigas tem o significado de namorado. O tema principal é a lamentação da mulher pela falta do amado.
  5. 5. Principais Obras e Autores De Amor Cantiga da Ribeirinha No mundo non me sei parelha, entre me for como me vai, Cá já moiro por vós, e – ai! Mia senhor branca e vermelha. Queredes que vos retraya Quando vos eu vi em saya! Mau dia me levantei, Que vos enton non vi fea! E, mia senhor, desdaqueldi, ai! Me foi a mi mui mal, E vós, filha de don Paai Moniz, e bem vos semelha Dhaver eu por vós guarvaia, Pois eu, mia senhor, dalfaia Nunca de vós houve nem hei Valia dua correa. Paio Soares de Taveirós
  6. 6. De amigo Ai flores, ai flores do verde pinho se sabedes novas do meu amigo, ai deus, e u é? Ai flores, ai flores do verde ramo, se sabedes novas do meu amado, ai deus, e u é? Se sabedes novas do meu amigo, aquele que mentiu do que pôs comigo, ai deus, e u é? Se sabedes novas do meu amado, aquele que mentiu do que me há jurado ai deus, e u é? (…) D. Dinis
  7. 7. De escárnio Ai, dona fea, foste-vos queixar que vos nunca louv[o] em meu cantar; mais ora quero fazer um cantar em que vos loarei toda via; e vedes como vos quero loar: dona fea, velha e sandia!… João Garcia de Guilhade
  8. 8. De maldizer Roi queimado morreu con amor Em seus cantares por Sancta Maria por ua dona que gran bem queria e por se meter por mais trovador porque lhela non quis [o] benfazer fez-sel en seus cantares morrer mas ressurgiu depois ao tercer dia!… Pero Garcia Burgalês
  9. 9. Humanismo O Humanismo pode ser definido como um conjunto de ideais e princípios que valorizam as ações humanas e valores morais (respeito, justiça, honra, amor, liberdade, solidariedade, etc). Para os humanistas, os seres humanos são os responsáveis pela criação e desenvolvimento destes valores. Desta forma, o pensamento humanista entra em contradição com o pensamento religioso que afirma que Deus é o criador destes valores.
  10. 10. Surgimento e Desenvolvimento O humanismo se desenvolveu e se manifestou em vários momentos da história e em vários campos do conhecimento e das artes. Humanismo na antiguidade clássica (Grécia e Roma): manifestou-se principalmente na filosofia e nas artes plásticas. As obras de arte, por exemplo, valorizavam muito o corpo humano e os sentimentos.
  11. 11. Humanismo no Renascimento: nos séculos XV e XVI, os escritores e artistas plásticos renascentistas resgataram os valores humanistas da cultura greco-romana. O antropocentrismo (homem é o centro de tudo) norteou o desenvolvimento intelectual e artístico desta fase. Positivismo: desenvolveu-se na segunda metade do século XIX. Valorizava o pensamento científico, destacando-o como única forma de progresso. Teve em Auguste Comte seu principal idealizador.
  12. 12. Autores e Obras do Humanismo Miguel de Cervantes: O engenhoso fidalgo dom Quixote de La Mancha; Novelas Exemplares; Viagem de Parnaso; Oito comédias e oito entremezes novos nunca antes representados. William Shakespeare: Romeu e Julieta; Hamlet; Rei Lear; Sonho de uma Noite de Verão; Otelo; Macbeth; Noite de Reis; A Tempestade; Megera Domada; Henrique V; A Comédia dos Erros; Sonetos. François Rabelais: Tiers Livre; Quart Livre; Gargântua e Pantagruel. Luís de Camões: Os Lusíadas; Rimas; Auto de Filodemo; Erasmo de Roterdã: O Elogio da Loucura; De Libero Arbitrio; As Navegações dos Antigos; Preparação para a Morte. Dante Alighieri: A Divina Comédia; Vita Nova; Sobre a Língua Vulgar; Canzioneri; De Monarchia. Francesco Petrarca: Canzoniere; Trionfi; Meu Livro Secreto; De Vita Solitaria. Giovanni Bocaccio: Decameron; Amorosa visione; Comedia delle ninfe fiorentine; De Claris Mulieribus; Rime; Teseida delle nozze di Emilia.
  13. 13. Exemplo Amor é um fogo que arde sem se ver; É ferida que dói, e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; É um andar solitário entre a gente; É nunca contentar-se e contente; É um cuidar que ganha em se perder; É querer estar preso por vontade; É servir a quem vence, o vencedor; É ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade, Se tão contrário a si é o mesmo Amor? Luís Vaz de Camões, in "Sonetos"
  14. 14. Classisismo Classicismo, ou Quinhentismo (século XV) é o nome dado ao período literário que surgiu na época do Renascimento (Europa séc. XV a XVI). Um período de grandes transformações culturais, políticas e econômicas. Vários foram os fatores que levaram a tais transformações, dentre eles a crise religiosa (era a época da Reforma Protestante, liderada por Lutero), as grandes navegações (onde o homem foi além dos limites da sua terra) e a invenção da Imprensa que contribuiu muito para a divulgação das obras de vários autores gregos e latinos (cultura clássica) proporcionando mais conhecimento para todos.
  15. 15. Foi na arte renascentista que o antropocentrismo atingiu a sua plenitude, agora, era o homem que passava a ser evidenciado, e não mais Deus. A arte renascentista se inspirava no mundo greco-romano (Antiguidade Clássica) já que estes também eram antropocêntricos.
  16. 16. Características do Classicismo Racionalismo: a razão predomina sobre o sentimento, ou seja, a expressão dos sentimentos era controlada pela razão. Universalismo: os assuntos pessoais ficaram de lado e as verdades universais (de preocupação universal) passaram a ser privilegiadas. Perfeição formal: métrica, rima, correção gramatical, tudo isso passa a ser motivo de atenção e preocupação. Presença da mitologia greco-latina Humanismo: o homem dessa época se liberta dos dogmas da Igreja e passa a se preocupar com si próprio, valorizando a sua vida aqui na Terra e cultivando a sua capacidade de produzir e conquistar. Porém, a religiosidade não desapareceu por completo.
  17. 17. Principais Autores e Obras - Luís Vaz de Camões Um dos maiores nomes da Literatura Universal, e certamente, o maior nome da Literatura Portuguesa. Escreveu poesias (líricas e épicas) e peças teatrais, porém sua obra mais conhecida e consagrada é a epopéia “Os Lusíadas” considerada uma obra-prima. Essa obra é dividida em 10 partes (cantos) com 8816 versos distribuídos em 1120 estrofes e narra a viagem de Vasco da Gama às Índias enfatizando alguns momentos importantes da história de Portugal. Outros escritores existiram, porém não tiveram tanto destaque quanto Camões, são eles: Sá de Miranda, Bernardim Ribeiro e Antonio Ferreira.
  18. 18. Exemplo: Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente Que já nos olhos meus tão puro viste. E se vires que pode merecer-te Algua cousa a dor que me ficou Da mágoa, sem remédio, de perder-te, Roga a Deus, que teus anos encurtou, Que tão cedo de cá me leve a ver-te, Quão cedo de meus olhos te levou. Luiz Vaz de Camões
  19. 19. Barroco Barroco é o nome dado ao estilo artístico que floresceu entre o final do século XVI e meados do século XVIII, inicialmente naItália, difundindo-se em seguida pelos países católicos da Europa e da América, antes de atingir, em uma forma modificada, as áreas protestantes e alguns pontos do Oriente. Considerado como o estilo correspondente ao absolutismo e àContrarreforma, distingue-se pelo esplendor exuberante.
  20. 20. Autores e Obras do Barroco Gregório de Matos: Florilégio da Poesia Brasileira; Buscando a Cristo; A Cristo N. S. Crucificado. Padre Antônio Vieira: Sermão da Sexagésima; Sermão de Santo Antônio aos Peixes; Sermão do Mandato; Sermão da Quinta Dominga da Quaresma; Sermão do Bom Ladrão; Sermão do Mandato; Sermão do Espírito Santo; Sermão Pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal, contra as da Holanda; Sermão de Nossa Senhora do Rosário; História do Futuro; Esperanças de Portugal. Bento Teixeira Pinto: Relações do Naufrágio; Diálogos das Grandezas do Brasil; Prosopopéia. Manoel Botelho de Oliveira: Mal Amigo; Música do Parnaso. Frei Manuel de Santa Maria Itaparica: Eustáquios; Canção Fúnebre; Descrição da Ilha de Itaparica; Epigrama Latino; Manifesto; Poemas Avulsos; Relação Panegírica; Sobre as Vozes Tristes dos Sinos.
  21. 21. O Amor Fino O amor fino não busca causa nem fruto. Se amo, porque me amam, tem o amor causa; se amo, para que me amem, tem fruto: e amor fino não há-de ter porquê nem para quê. Se amo, porque me amam, é obrigação, faço o que devo: se amo, para que me amem, é negociação, busco o que desejo. Pois como há-de amar o amor para ser fino? Amo, quia amo; amo, ut amem: amo, porque amo, e amo para amar. Quem ama porque o amam é agradecido. quem ama, para que o amem, é interesseiro: quem ama, não porque o amam, nem para que o amem, só esse é fino. Padre António Vieira, "Sermões"
  22. 22. Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil Os impérios ibéricos continham em sua expansão uma profunda ambiguidade. Ao espírito capitalista- mercantil associavam um certo ideal religioso e salvacionista. Por essa razão, dezenas de religiosos acompanhavam as expedições a fim de converter os gentios. Como consequência da Contrarreforma, chegam, em 1549, os primeiros jesuítas ao Brasil. Incumbidos de catequizar os índios e de instalar o ensino público no país, fundaram os primeiros colégios, que foram, durante muito tempo, a única atividade intelectual existente na colônia.
  23. 23. Do ponto de vista estético, os jesuítas foram responsáveis pela melhor produção literária do Quinhentismo brasileiro. Além da poesia de devoção, cultivaram o teatro de caráter pedagógico, inspirado em passagens bíblicas, e produziram documentos que informavam aos superiores na Europa o andamento dos trabalhos. O instrumento mais utilizado para atingir os objetivos pretendidos pelos jesuítas (moralizar os costumes dos brancos colonos e catequizar os índios) foi o teatro. Para isso, os jesuítas chegaram a aprender a língua tupi, utilizando-a como veículo de expressão. Os índios não eram apenas espectadores das peças teatrais, mas também atores, dançarinos e cantores. Os principais jesuítas responsáveis pela produção literária da época foram o padre Manuel da Nóbrega, o missionário Fernão Cardim e o padre José de Anchieta.
  24. 24. Autores e Obras Literatura Informativa e Jesuítica Pero Vaz de Caminha Pero de Magalhães Gandavo José de Anchieta
  25. 25. A Santa Inês A Santa Inês Cordeirinha linda, Como folga¹ o povo, Porque vossa vinda Lhe dá lume² novo! Cordeirinha santa, De Jesus querida, Vossa santa vida O Diabo espanta. Por isso vos canta Com prazer o povo, Porque vossa vinda Lhe dá lume novo. Nossa culpa escura Fugirá depressa, Pois vossa cabeça Vem com luz tão pura. Vossa formosura Honra é do povo, Porque vossa vinda Lhe dá lume novo. Virginal cabeça, Pela fé cortada, Com vossa chegada Já ninguém pereça; Vinde mui depressa Ajudar o povo, Pois com vossa vinda Lhe dais lume novo. Vós sois cordeirinha De Jesus Formoso; Mas o vosso Esposo já vos fez Rainha. Também padeirinha Sois do vosso Povo, pois com vossa vinda, Lhe dais trigo novo.
  26. 26. Arcadismo O Arcadismo é uma escola literária que surgiu na Europa no século XVIII, também denominada de Setecentismo ou Neoclassicismo. O nome "arcadismo" é uma referência à Arcádia, região campestre do Peloponeso, na Grécia antiga, tida como ideal de inspiração poética. A principal característica desta escola é a exaltação da natureza e de tudo o que lhe diz respeito. Por essa razão muitos poetas do arcadismo adotaram pseudônimos de pastores gregos ou latinos. Caracteriza-se ainda pelo recurso a esquemas rítmicos mais graciosos.
  27. 27. Numa perspectiva mais ampla, expressa a crítica da burguesia aos abusos da nobreza e do clero praticados no Antigo Regime. Adicionalmente os burgueses cultuam o mito do homem natural em oposição ao homem corrompido pela sociedade, conceito originalmente expresso por Jean-Jacques Rousseau, na figura do “bom selvagem”.
  28. 28. Autores e Obras do Arcadismo José Inácio de Alvarenga Peixoto (Eureste Fenício): Poesia Lírico-Amorosa. Obras Poéticas – destaque para os poemas Bárbara Heliodora e Estela e Nize. Frei José de Santa Rita Durão: Poema Épico. Caramuru. Manuel Inácio da Silva Alvarenga (Alcindo Palmireno): Poema Heroico-Cômico. O Desertor das Letras. Poesia Lírico-Amorosa. Glaura. José Basílio da Gama (Termindo Sepílio): Poema Épico. O Uraguai. Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio): Poema Épico. Vila Rica. Poesia. Obras Poéticas. Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu): Poemas Satíricos. Cartas Chilenas. Poesia Lírico-Amorosa.Marília de Dirceu.
  29. 29. Lira I Eu, Marília, não sou algum vaqueiro, Que viva de guardar alheio gado; De tosco trato, d’expressões grosseiro, Dos frios gelos, e dos sóis queimado. Tenho próprio casal, e nele assisto; Dá-me vinho, legume, fruta, azeite; Das brancas ovelhinhas tiro o leite, E mais as finas lãs, de que me visto. [...] Tomás Antônio Gonzaga (Dirceu)
  30. 30. Fontes Biográficas www.citador.pt www.infoescola.com www.estudopratico.com.br www.wikipedia.org www.soliteratura.com.br

×