SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo Elaborado: Pr. Ricardo Gondim
I Carta aos Coríntios
Aula 6 – EBD 2016 - 2º. S.
Capítulo 1 – Tema: Chamado Cristão
Somos chamados a: • Santidade
• União com Cristo
• Glorificar a Deus
Capítulo 2 – Tema: A Mensagem do Evangelho
Paulo diz que: • O evangelho foi pré-ordenado
por Deus na eternidade
• O evangelho é centralizado
na morte de Cristo
• O evangelho é aplicado pelo
Espírito Santo através da Palavra
O grande destaque do Tema é a TRINDADE
Capítulo 3 – Tema: Centraliza-se na Igreja
Paulo diz que a Igreja é uma Família :
• Cujo alvo é a Maturidade
• E um campo cujo projeto é a quantidade
• E um templo cujo propósito é a qualidade
Nos 3 capítulos o instrumento de edificação é a
Palavra
• A Palavra é o alimento para a família (igreja)
• A Palavra é a semente mediante a qual o campo
produz (lembrem-se que somos agricultores? plantamos e
regamos mas o crescimento?)
• A Palavra é o material de construção, mediante a
qual o Templo e o Santuário são edificados
I Coríntios 4
1 Assim, pois, que os homens nos considerem como ministros de Cristo,
e despenseiros dos mistérios de Deus.
2 Além disso, requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel.
3 Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós, ou por
algum juízo humano; nem eu tampouco a mim mesmo me julgo.
4 Porque em nada me sinto culpado; mas nem por isso me considero
justificado, pois quem me julga é o SENHOR.
5 Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual
também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os
desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor.
6 E eu, irmãos, apliquei estas coisas, por semelhança, a mim e a Apolo,
por amor de vós; para que em nós aprendais a não ir além do que está
escrito, não vos ensoberbecendo a favor de um contra outro.
7 Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido?
E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido?
8 Já estais fartos! já estais ricos! sem nós reinais! e quisera reinásseis
para que também nós viéssemos a reinar convosco!
9 Porque tenho para mim, que Deus a nós, apóstolos, nos pôs por
últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculo ao
mundo, aos anjos, e aos homens.
Capítulo 4 – Tema: Ministro Cristão
Paulo falou nos capítulos anteriores sobre:
1. Vocação
2. Evangelho
3. Igreja
4. Fala sobre o obreiro
1 Assim, pois, que os homens nos considerem
como ministros de Cristo, e despenseiros dos
mistérios de Deus.
“Assim, pois.” Essas duas palavras referem-se ao capítulo anterior, no
qual Paulo disse aos coríntios para não se gloriarem em homens, fossem
estes Paulo, Apolo ou Cefas. Ele os instruiu a olharem para Cristo, em
quem tudo lhes pertence. Além disso, os servos de Cristo são
cooperadores entre si e não estão competindo uns com os outros. Pelo
uso das palavras assim, pois, Paulo conecta o ensino do capítulo 3 com o
que escreverá a seguir.
A perspectiva de servo para os coríntios estava prejudicada
pela visão greco-romana do servos e escravos – vistos
sempre como derrotados
A cidade de Corinto.
Corinto era um rico centro comercial, situado sobre o
estreito istmo que liga o território da Grécia propriamente
dita com o Peloponeso.
Novamente Paulo vai se servir de 3 figuras para
falar sobre o Obreiro ou Ministro
1. O obreiro é um mordomo e como tal é exigido
dele FIDELIDADE
2. O obreiro é um fomentador social (espetáculo do
evangelho) e como tal precisa ser HUMILDE
3. O obreiro é um pai e como tal precisa ser
AMÁVEL
Repare que a 1ª. Figura que Paulo vai utilizar é a do
despenseiro (mordomo) dentro de um contexto que
ele vinha trazendo nos capítulos anteriores:
• Paulo vem corrigindo o problema da divisão
• Alertando para o sistema do mundo que entra na
igreja
• Os valores do mundo estão gerenciando a igreja
• Lembrando que a grande atração na
Grécia era escutar os grandes
filósofos e sábios nos inúmeros
teatros que existiam
• E por se identificar com este ou aquel
pensador tornavam-se seguidores de
homens
• Vivendo isso no mundo queria
também ser seguidores na igreja,
uns de Paulo, Apolo ou Cefas
Paulo desmistifica essa ideia de seguir a
homens: “Importa que nos considerem
Ministros de Cristo...”
• O termo Ministro não ajuda muito a entender
• Porque a palavra Ministro para nós denota certa
importância, pois, um ministro é o segundo
escalão de um governo
• Uma pessoa que ocupa alta posição
• E uma posição que se destaca pelo:
1. Poder,
2. Autoridade
3. Liderança
• Mas no capítulo anterior Paulo nos colocou em
uma baixa posição, bem inferior, de servo ao
contrário do que aqui agora fala
Mas a palavra que dá esse tom importante
aqui no grego, Paulo usa um termo com outro
significado Rupereta
• Outras versões usam: criados (ARCA), servos
(ARA), escravos (viva)
• Remador de baixa categoria, escravo, remador de
Galés, homem sentenciado a morte que prestava
serviço como remador até a execução
• Rupereta é um escravo sentenciado a morte que
está sob o comando do capitão
• Em outras palavras, Não COLOQUEM muitos
holofotes nos homens porque importa que nos
considerem como Ruperetas
A 2ª. Figura que Paulo nos identifica é com o
Mordomo o despenseiro.
“e despenseiros dos mistérios de Deus.”
• A palavra despenseiro tem o significado de
encarregado da despensa
• Vem do grego – Oikonomos = Mordomo
(diakonos)
• Mordomo = administrador, gerente – da casa
• Se relacionado ao seu senhor = escravo
• Se relacionado aos outros = encarregado
Qual a função do Mordomo?
• Gerenciar a casa e seus trabalhos
• Cuidar da Despensa (onde se guardava a comida)
Mas o que ajuda na interpretação de despenseiro é a
continuação do versículo
“e despenseiros dos mistérios de Deus.”
• A palavra mistério do grego aqui utilizada é
musterion – que normalmente significa OCULTO,
SECRETO, ESCONDIDO e MISTÉRIO
• Mas o sentido utilizado nesta palavra tem a ver
com o EVANGELHO – VERDADE ou PROPÓSITO de
Deus, expressa em sua palavra que aos outros é
secreta, mas aos seus denota um sentido
• Portanto despenseiro é aquele mordomo que
cuida da Palavra de Deus pois ele cuida da:
• Despensa
• Comida
• Alimentação da Casa
E o que esta figura, assim como a do rupereta, nos
diz?
• Não é competência do despenseiro (mordomo)
PROVER a comida, isso é tarefa do Senhor – e o
alimento já está provido na sua Palavra de Deus
• Não precisamos – inventar, prover ou pegar
qualquer outro alimento porque ele já existe na
Palavra de Deus
• Compete ao despenseiro:
1. Entregar a Palavra de Deus
2. Distribuir a Palavra de Deus
3. Balancear a Palavra de Deus
4. Preparar a Palavra de Deus
5. Tornar apetitosa a Palavra de Deus
• A competência do despenseiro, então, está em
preparar a refeição (gostosa e atraente) com os
melhores ingredientes que foram providos pelo
seu Senhor
• Paulo diz que a Palavra de Deus é ótima (útil) para
o ensino, correção, exortação e habilitação do
cristão
• Repare na diferença do contexto humano entre o
significado que Paulo trouxe a cerca do obreiro
MINISTRO X RUPERETA
FILÓSOFO X DESPENSEIRO
• Paulo gostava da expressão – “eu vos entreguei
aquilo que também recebi”
• Cabe ao despenseiro entregar e transmitir aquilo
que recebeu
• Quatro significados podem ser observados:
1. O despenseiro não podia MUDAR o
alimento
2. O despenseiro não podia ALTERAR
(substituir o conteúdo, a substância ou
essência) o alimento
3. O despenseiro não podia ACRESCENTAR
nada ao alimento
4. O despenseiro não podia PROVER o
alimento, sua função era DISTRIBUIR o
alimento
O que Deus espera do ministro e
despenseiro? FIDELIDADE
O que Deus via pesar na sua obra?
• NÃO É O SUCESSO NEM A POPULARIDADE
• Deus vai pesar, três conceitos de fidelidade
1. FIDELIDADE AO SENHOR
2. FIDELIDADE AO EVANGELHO
3. FIDELIDADE AO POVO
Repare que Paulo apresenta 3 critérios de
julgamento:
1. O julgamento de homens – “Todavia, a mim
mui pouco se me dá de ser julgado por
vós, ou por algum juízo humano;...”
2. O julgamento da consciência – “nem eu
tampouco a mim mesmo me julgo.”
3. O julgamento de Deus – “Porque em nada
me sinto culpado; mas nem por isso me
considero justificado, pois quem me julga é
o SENHOR.”
• Porque o julgamento + importante é o de
Deus, porque Ele é o Único que conhece as
circunstâncias e as motivações
Paulo repreende a igreja em relação ao
critérios de julgamento dos ministros de Deus
1. É errado julgar S.D. no tempo errado –
“Portanto, nada julgueis antes de tempo,
até que o Senhor venha,...”
2. É perigoso julgar S.D. pelo critério errado–
“E eu, irmãos, apliquei estas coisas, por
semelhança, a mim e a Apolo, por amor de
vós; para que em nós aprendais a não ir
além do que está escrito,...”
3. É errado julgar S.D. pela motivação errada –
“não vos ensoberbecendo a favor de um
contra outro.”
• Denegrir a imagem de um para que a do
outro sobressaia
• Criticando alguém para que outro
sobressaia
• Não basta apenas a integridade da
pregação mas a fidelidade da prática do
evangelho
• Não adianta a ortodoxia (a correção) da
palavra se não existe fidelidade uns para
com os outros
• Porque nos tornamos ESPETÁCULO
(fomentadores) ao mundo, servindo o
evangelho de espetáculo para o mundo
A palavra aqui usada é Espetáculo – grego –
theatron
Porque tenho para mim, que Deus a nós,
apóstolos, nos pôs por últimos, como
condenados à morte; pois somos feitos
espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos
homens.
9-13 - O que vejo é que nós, que temos a Mensagem, fomos colocados
por Deus num palco, mas ninguém quer comprar o ingresso.
Somos como um acidente na rua, para o qual o mundo olha quando
passa. Somos os desajustados do Messias. Vocês podem estar
seguros, mas nós vivemos em meio a fragilidades e incertezas. Vocês
podem ser bem considerados pelos outros, mas nós somos
maltratados muitas vezes. Na maior parte do tempo, não temos o
suficiente para comer, usamos roupas remendadas, portas nos são
fechadas na cara e aceitamos os piores empregos para ganhar a vida,
sempre com muito esforço. Quando nos ofendem, dizemos: “Deus
o abençoe”. Quando espalham fofocas sobre nós, reagimos com uma
palavra boa. Somos tratados como lixo, como restos de comida. E
a situação não vai melhorar.
14-16 - Não estou escrevendo para brigar nem para criar algum
desconforto. Escrevo como um pai, meus filhos. Amo vocês e quero que
sejam adultos, não crianças mimadas. Há muita gente que não vê a hora
de apontar o dedo para o que vocês têm feito de errado, mas
não há muitos pais dispostos a investir tempo e esforço para ajudá-los
a crescer. Foi quando Jesus me levou a proclamar a vocês a
Mensagem de Deus que me tornei o pai de vocês. Não estou pedindo
que façam o que eu mesmo já não esteja fazendo.
Ministros e despenseiros

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jesus Prepara os Discípulos para o Serviço
Jesus Prepara os Discípulos para o ServiçoJesus Prepara os Discípulos para o Serviço
Jesus Prepara os Discípulos para o Serviço
Rogério Nunes
 
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
CETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua FamíliaCETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua Família
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
Ednilson do Valle
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
Rodrigo Bomfim
 
41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
RODRIGO FERREIRA
 
Coração e rins simbologia bíblica
Coração e rins   simbologia bíblicaCoração e rins   simbologia bíblica
Coração e rins simbologia bíblica
Celso do Rozário Brasil Gonçalves
 
Lição 4 - A Atualidade dos Dons Espirituais (Windscreen)
Lição 4 - A Atualidade dos Dons Espirituais (Windscreen)Lição 4 - A Atualidade dos Dons Espirituais (Windscreen)
Lição 4 - A Atualidade dos Dons Espirituais (Windscreen)
Éder Tomé
 
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica DominicalEBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
Felipe Mamud
 
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os PatriarcasA História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
Pr. Luiz Carlos Lopes
 
EPÍSTOLAS DE PEDRO
EPÍSTOLAS DE PEDROEPÍSTOLAS DE PEDRO
EPÍSTOLAS DE PEDRO
Cesar Oliveira
 
Como ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deus
Como ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deusComo ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deus
Como ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deus
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Escola bíblica dominical
Escola bíblica dominicalEscola bíblica dominical
Escola bíblica dominical
Vilmar Nascimento
 
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionais
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionaisVencendo as obras da carne - Pecados emocionais
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionais
Michel Plattiny
 
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a UmTreinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
Christian Lepelletier
 
45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
O DISCIPULADO NAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL
O DISCIPULADO NAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASILO DISCIPULADO NAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL
O DISCIPULADO NAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL
Joary Jossué Carlesso
 
LIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃOLIBERTAÇÃO
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
Lição 13   aviva ó senhor a tua obraLição 13   aviva ó senhor a tua obra
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
Jose Ventura
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Natalino das Neves Neves
 
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas HeresiasLição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Éder Tomé
 

Mais procurados (20)

Jesus Prepara os Discípulos para o Serviço
Jesus Prepara os Discípulos para o ServiçoJesus Prepara os Discípulos para o Serviço
Jesus Prepara os Discípulos para o Serviço
 
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
CETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua FamíliaCETADEB.  Lição 5 -  O Ministro e sua Família
CETADEB. Lição 5 - O Ministro e sua Família
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
 
41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque41. O Profeta Habacuque
41. O Profeta Habacuque
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
 
Coração e rins simbologia bíblica
Coração e rins   simbologia bíblicaCoração e rins   simbologia bíblica
Coração e rins simbologia bíblica
 
Lição 4 - A Atualidade dos Dons Espirituais (Windscreen)
Lição 4 - A Atualidade dos Dons Espirituais (Windscreen)Lição 4 - A Atualidade dos Dons Espirituais (Windscreen)
Lição 4 - A Atualidade dos Dons Espirituais (Windscreen)
 
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica DominicalEBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
 
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os PatriarcasA História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
 
EPÍSTOLAS DE PEDRO
EPÍSTOLAS DE PEDROEPÍSTOLAS DE PEDRO
EPÍSTOLAS DE PEDRO
 
Como ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deus
Como ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deusComo ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deus
Como ser-um-jovem-segundo-o-coração-de-deus
 
Escola bíblica dominical
Escola bíblica dominicalEscola bíblica dominical
Escola bíblica dominical
 
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionais
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionaisVencendo as obras da carne - Pecados emocionais
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionais
 
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a UmTreinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
Treinamento de Líderes de Células e Discipulado Um a Um
 
45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias
 
O DISCIPULADO NAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL
O DISCIPULADO NAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASILO DISCIPULADO NAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL
O DISCIPULADO NAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL
 
LIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃOLIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃO
 
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
Lição 13   aviva ó senhor a tua obraLição 13   aviva ó senhor a tua obra
Lição 13 aviva ó senhor a tua obra
 
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
Epistolas paulinas e gerais_IBADEP_Llição 1
 
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas HeresiasLição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
Lição 11 - Alerta Contra os Falsos Mestres e Suas Heresias
 

Destaque

Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de Ninguén
Ricardo Gondim
 
Carnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesCarnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisões
Ricardo Gondim
 
Princípios de Orígenes
Princípios de OrígenesPrincípios de Orígenes
Princípios de Orígenes
Ricardo Gondim
 
Salvação I
Salvação ISalvação I
Salvação I
Ricardo Gondim
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Ricardo Gondim
 
Meu teólogo favorito
Meu teólogo favoritoMeu teólogo favorito
Meu teólogo favorito
Ricardo Gondim
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Ricardo Gondim
 
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
Aula 4  - Jesus, o grande SalvadorAula 4  - Jesus, o grande Salvador
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
Ricardo Gondim
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvação
Ricardo Gondim
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
Ricardo Gondim
 
Aula 1 introdução
Aula 1   introduçãoAula 1   introdução
Aula 1 introdução
Ricardo Gondim
 
A autosubstituição de Deus
A autosubstituição de DeusA autosubstituição de Deus
A autosubstituição de Deus
Ricardo Gondim
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalom
Flavio Brim
 
Cristãos acolhedores
Cristãos acolhedoresCristãos acolhedores
Cristãos acolhedores
Flavio Brim
 
A agonia no getsêmani (charles h. spurgeon)
A agonia no getsêmani (charles h. spurgeon)A agonia no getsêmani (charles h. spurgeon)
A agonia no getsêmani (charles h. spurgeon)
Deusdete Soares
 
Porque Cristo Morreu?
Porque Cristo Morreu?Porque Cristo Morreu?
Porque Cristo Morreu?
Ricardo Gondim
 
A autosubstituição de Deus II
A autosubstituição de Deus IIA autosubstituição de Deus II
A autosubstituição de Deus II
Ricardo Gondim
 
Olhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfícieOlhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfície
Ricardo Gondim
 
Como nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programasComo nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programas
Flavio Brim
 
O problema do Perdão
O problema do PerdãoO problema do Perdão
O problema do Perdão
Ricardo Gondim
 

Destaque (20)

Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de Ninguén
 
Carnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesCarnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisões
 
Princípios de Orígenes
Princípios de OrígenesPrincípios de Orígenes
Princípios de Orígenes
 
Salvação I
Salvação ISalvação I
Salvação I
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
 
Meu teólogo favorito
Meu teólogo favoritoMeu teólogo favorito
Meu teólogo favorito
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
 
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
Aula 4  - Jesus, o grande SalvadorAula 4  - Jesus, o grande Salvador
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvação
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
Aula 1 introdução
Aula 1   introduçãoAula 1   introdução
Aula 1 introdução
 
A autosubstituição de Deus
A autosubstituição de DeusA autosubstituição de Deus
A autosubstituição de Deus
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalom
 
Cristãos acolhedores
Cristãos acolhedoresCristãos acolhedores
Cristãos acolhedores
 
A agonia no getsêmani (charles h. spurgeon)
A agonia no getsêmani (charles h. spurgeon)A agonia no getsêmani (charles h. spurgeon)
A agonia no getsêmani (charles h. spurgeon)
 
Porque Cristo Morreu?
Porque Cristo Morreu?Porque Cristo Morreu?
Porque Cristo Morreu?
 
A autosubstituição de Deus II
A autosubstituição de Deus IIA autosubstituição de Deus II
A autosubstituição de Deus II
 
Olhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfícieOlhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfície
 
Como nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programasComo nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programas
 
O problema do Perdão
O problema do PerdãoO problema do Perdão
O problema do Perdão
 

Semelhante a Ministros e despenseiros

Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Ricardo Gondim
 
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
Joel Silva
 
3º trimestre 2015 lição 08 adultos
3º trimestre 2015 lição 08 adultos3º trimestre 2015 lição 08 adultos
3º trimestre 2015 lição 08 adultos
Joel Silva
 
Ebd série - lição -01 - 2º-trimestre 2016
Ebd   série - lição -01 - 2º-trimestre 2016Ebd   série - lição -01 - 2º-trimestre 2016
Ebd série - lição -01 - 2º-trimestre 2016
Joel Silva
 
Ebd lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
Ebd   lições séries 01 - 2º-trimestre 2016Ebd   lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
Ebd lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
Joel Silva
 
Romanos 1
Romanos   1Romanos   1
Romanos 1
Joel Silva
 
O que Jesus espera da igreja? A estrutura de Deus (3ª parte) by Pr. Nuno Lage
O que Jesus espera da igreja? A estrutura de Deus (3ª parte) by Pr. Nuno LageO que Jesus espera da igreja? A estrutura de Deus (3ª parte) by Pr. Nuno Lage
O que Jesus espera da igreja? A estrutura de Deus (3ª parte) by Pr. Nuno Lage
Igreja Presbiteriana Renovada de Castelo Branco
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
Joel Silva
 
“Sejamos massa nova”
“Sejamos massa nova”“Sejamos massa nova”
“Sejamos massa nova”
JUERP
 
5º módulo 3ª aula
5º módulo   3ª aula5º módulo   3ª aula
5º módulo 3ª aula
Monergista Post
 
5º módulo 3ª aula
5º módulo   3ª aula5º módulo   3ª aula
5º módulo 3ª aula
Joel Silva
 
Lição 1 - A epístola aos romanos
Lição 1 - A epístola aos romanosLição 1 - A epístola aos romanos
Lição 1 - A epístola aos romanos
Ailton da Silva
 
Lição 9 corrupção dos ultimos dias 3º trimestre de 2015
Lição 9   corrupção dos ultimos dias 3º trimestre de 2015Lição 9   corrupção dos ultimos dias 3º trimestre de 2015
Lição 9 corrupção dos ultimos dias 3º trimestre de 2015
Andrew Guimarães
 
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
Joel Silva
 
EBD CPAD Lições bíblica 3°trimestre 2015 aula 9 A corrupção dos últimos dias.
EBD CPAD Lições bíblica 3°trimestre 2015 aula 9 A corrupção dos últimos dias.EBD CPAD Lições bíblica 3°trimestre 2015 aula 9 A corrupção dos últimos dias.
EBD CPAD Lições bíblica 3°trimestre 2015 aula 9 A corrupção dos últimos dias.
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeito
Ricardo Gondim
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
Natalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de PauloPRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
Pastor Natalino Das Neves
 
Missões através dos séculos
Missões através dos séculosMissões através dos séculos
Missões através dos séculos
Alcedir Sentalin
 
Panorama do AT - Revelação Progressiva
Panorama do AT - Revelação ProgressivaPanorama do AT - Revelação Progressiva
Panorama do AT - Revelação Progressiva
Ricardo Gondim
 

Semelhante a Ministros e despenseiros (20)

Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
 
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
 
3º trimestre 2015 lição 08 adultos
3º trimestre 2015 lição 08 adultos3º trimestre 2015 lição 08 adultos
3º trimestre 2015 lição 08 adultos
 
Ebd série - lição -01 - 2º-trimestre 2016
Ebd   série - lição -01 - 2º-trimestre 2016Ebd   série - lição -01 - 2º-trimestre 2016
Ebd série - lição -01 - 2º-trimestre 2016
 
Ebd lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
Ebd   lições séries 01 - 2º-trimestre 2016Ebd   lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
Ebd lições séries 01 - 2º-trimestre 2016
 
Romanos 1
Romanos   1Romanos   1
Romanos 1
 
O que Jesus espera da igreja? A estrutura de Deus (3ª parte) by Pr. Nuno Lage
O que Jesus espera da igreja? A estrutura de Deus (3ª parte) by Pr. Nuno LageO que Jesus espera da igreja? A estrutura de Deus (3ª parte) by Pr. Nuno Lage
O que Jesus espera da igreja? A estrutura de Deus (3ª parte) by Pr. Nuno Lage
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
“Sejamos massa nova”
“Sejamos massa nova”“Sejamos massa nova”
“Sejamos massa nova”
 
5º módulo 3ª aula
5º módulo   3ª aula5º módulo   3ª aula
5º módulo 3ª aula
 
5º módulo 3ª aula
5º módulo   3ª aula5º módulo   3ª aula
5º módulo 3ª aula
 
Lição 1 - A epístola aos romanos
Lição 1 - A epístola aos romanosLição 1 - A epístola aos romanos
Lição 1 - A epístola aos romanos
 
Lição 9 corrupção dos ultimos dias 3º trimestre de 2015
Lição 9   corrupção dos ultimos dias 3º trimestre de 2015Lição 9   corrupção dos ultimos dias 3º trimestre de 2015
Lição 9 corrupção dos ultimos dias 3º trimestre de 2015
 
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos
 
EBD CPAD Lições bíblica 3°trimestre 2015 aula 9 A corrupção dos últimos dias.
EBD CPAD Lições bíblica 3°trimestre 2015 aula 9 A corrupção dos últimos dias.EBD CPAD Lições bíblica 3°trimestre 2015 aula 9 A corrupção dos últimos dias.
EBD CPAD Lições bíblica 3°trimestre 2015 aula 9 A corrupção dos últimos dias.
 
O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeito
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de PauloPRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
PRELEÇÃO_Lição 5 - O Caráter da Pregação de Paulo
 
Missões através dos séculos
Missões através dos séculosMissões através dos séculos
Missões através dos séculos
 
Panorama do AT - Revelação Progressiva
Panorama do AT - Revelação ProgressivaPanorama do AT - Revelação Progressiva
Panorama do AT - Revelação Progressiva
 

Mais de Ricardo Gondim

Poéticos II
Poéticos IIPoéticos II
Poéticos II
Ricardo Gondim
 
Históricos III
Históricos IIIHistóricos III
Históricos III
Ricardo Gondim
 
Poéticos I
Poéticos IPoéticos I
Poéticos I
Ricardo Gondim
 
Históricos II
Históricos IIHistóricos II
Históricos II
Ricardo Gondim
 
Históricos I
Históricos IHistóricos I
Históricos I
Ricardo Gondim
 
Aula 2 - Pentateuco
Aula 2 - PentateucoAula 2 - Pentateuco
Aula 2 - Pentateuco
Ricardo Gondim
 
Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação site
Ricardo Gondim
 
Aula 1 genesis
Aula 1   genesisAula 1   genesis
Aula 1 genesis
Ricardo Gondim
 
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Aula 3   A Superioridade do EvangelhoAula 3   A Superioridade do Evangelho
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Ricardo Gondim
 
Pedagogia pastoral
Pedagogia pastoralPedagogia pastoral
Pedagogia pastoral
Ricardo Gondim
 
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Ricardo Gondim
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)
Ricardo Gondim
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)
Ricardo Gondim
 
Introdução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTIntrodução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NT
Ricardo Gondim
 
7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo
Ricardo Gondim
 
Tabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da VidaTabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da Vida
Ricardo Gondim
 
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de DeusTabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
Ricardo Gondim
 

Mais de Ricardo Gondim (17)

Poéticos II
Poéticos IIPoéticos II
Poéticos II
 
Históricos III
Históricos IIIHistóricos III
Históricos III
 
Poéticos I
Poéticos IPoéticos I
Poéticos I
 
Históricos II
Históricos IIHistóricos II
Históricos II
 
Históricos I
Históricos IHistóricos I
Históricos I
 
Aula 2 - Pentateuco
Aula 2 - PentateucoAula 2 - Pentateuco
Aula 2 - Pentateuco
 
Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação site
 
Aula 1 genesis
Aula 1   genesisAula 1   genesis
Aula 1 genesis
 
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Aula 3   A Superioridade do EvangelhoAula 3   A Superioridade do Evangelho
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
 
Pedagogia pastoral
Pedagogia pastoralPedagogia pastoral
Pedagogia pastoral
 
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)
 
Introdução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTIntrodução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NT
 
7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo
 
Tabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da VidaTabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da Vida
 
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de DeusTabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
 

Último

Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
Nilson Almeida
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
REFORMADOR PROTESTANTE
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
claudiovieira83
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
André Luiz Marques
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
JaquelineSantosBasto
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
REFORMADOR PROTESTANTE
 

Último (15)

Salmo 91
Salmo 91Salmo 91
Salmo 91
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicosSEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
SEGREDOS DO APOCALIPSE - o apocalipse através de olhos hebraicos
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
a futura religião da nova ordem mundial.
a  futura religião da nova ordem mundial.a  futura religião da nova ordem mundial.
a futura religião da nova ordem mundial.
 
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdfA Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
A Abóbada Celeste No Rito Adonhiramita.pdf
 
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo DiaFesta das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
Festa das Primícias - Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdfEstudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
Estudo Biblico deuteronomio PowerPoint.pdf
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdfJesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
Jesuítas Os Terroristas Secretos. Livro pdf pdf
 

Ministros e despenseiros

  • 1. Estudo Elaborado: Pr. Ricardo Gondim I Carta aos Coríntios Aula 6 – EBD 2016 - 2º. S.
  • 2. Capítulo 1 – Tema: Chamado Cristão Somos chamados a: • Santidade • União com Cristo • Glorificar a Deus Capítulo 2 – Tema: A Mensagem do Evangelho Paulo diz que: • O evangelho foi pré-ordenado por Deus na eternidade • O evangelho é centralizado na morte de Cristo • O evangelho é aplicado pelo Espírito Santo através da Palavra O grande destaque do Tema é a TRINDADE
  • 3. Capítulo 3 – Tema: Centraliza-se na Igreja Paulo diz que a Igreja é uma Família : • Cujo alvo é a Maturidade • E um campo cujo projeto é a quantidade • E um templo cujo propósito é a qualidade Nos 3 capítulos o instrumento de edificação é a Palavra • A Palavra é o alimento para a família (igreja) • A Palavra é a semente mediante a qual o campo produz (lembrem-se que somos agricultores? plantamos e regamos mas o crescimento?) • A Palavra é o material de construção, mediante a qual o Templo e o Santuário são edificados
  • 4.
  • 5. I Coríntios 4 1 Assim, pois, que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus. 2 Além disso, requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel. 3 Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós, ou por algum juízo humano; nem eu tampouco a mim mesmo me julgo. 4 Porque em nada me sinto culpado; mas nem por isso me considero justificado, pois quem me julga é o SENHOR. 5 Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor. 6 E eu, irmãos, apliquei estas coisas, por semelhança, a mim e a Apolo, por amor de vós; para que em nós aprendais a não ir além do que está escrito, não vos ensoberbecendo a favor de um contra outro. 7 Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido? 8 Já estais fartos! já estais ricos! sem nós reinais! e quisera reinásseis para que também nós viéssemos a reinar convosco! 9 Porque tenho para mim, que Deus a nós, apóstolos, nos pôs por últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens.
  • 6. Capítulo 4 – Tema: Ministro Cristão Paulo falou nos capítulos anteriores sobre: 1. Vocação 2. Evangelho 3. Igreja 4. Fala sobre o obreiro 1 Assim, pois, que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus. “Assim, pois.” Essas duas palavras referem-se ao capítulo anterior, no qual Paulo disse aos coríntios para não se gloriarem em homens, fossem estes Paulo, Apolo ou Cefas. Ele os instruiu a olharem para Cristo, em quem tudo lhes pertence. Além disso, os servos de Cristo são cooperadores entre si e não estão competindo uns com os outros. Pelo uso das palavras assim, pois, Paulo conecta o ensino do capítulo 3 com o que escreverá a seguir.
  • 7. A perspectiva de servo para os coríntios estava prejudicada pela visão greco-romana do servos e escravos – vistos sempre como derrotados
  • 8. A cidade de Corinto. Corinto era um rico centro comercial, situado sobre o estreito istmo que liga o território da Grécia propriamente dita com o Peloponeso.
  • 9. Novamente Paulo vai se servir de 3 figuras para falar sobre o Obreiro ou Ministro 1. O obreiro é um mordomo e como tal é exigido dele FIDELIDADE 2. O obreiro é um fomentador social (espetáculo do evangelho) e como tal precisa ser HUMILDE 3. O obreiro é um pai e como tal precisa ser AMÁVEL
  • 10. Repare que a 1ª. Figura que Paulo vai utilizar é a do despenseiro (mordomo) dentro de um contexto que ele vinha trazendo nos capítulos anteriores: • Paulo vem corrigindo o problema da divisão • Alertando para o sistema do mundo que entra na igreja • Os valores do mundo estão gerenciando a igreja • Lembrando que a grande atração na Grécia era escutar os grandes filósofos e sábios nos inúmeros teatros que existiam • E por se identificar com este ou aquel pensador tornavam-se seguidores de homens • Vivendo isso no mundo queria também ser seguidores na igreja, uns de Paulo, Apolo ou Cefas
  • 11. Paulo desmistifica essa ideia de seguir a homens: “Importa que nos considerem Ministros de Cristo...” • O termo Ministro não ajuda muito a entender • Porque a palavra Ministro para nós denota certa importância, pois, um ministro é o segundo escalão de um governo • Uma pessoa que ocupa alta posição • E uma posição que se destaca pelo: 1. Poder, 2. Autoridade 3. Liderança • Mas no capítulo anterior Paulo nos colocou em uma baixa posição, bem inferior, de servo ao contrário do que aqui agora fala
  • 12. Mas a palavra que dá esse tom importante aqui no grego, Paulo usa um termo com outro significado Rupereta • Outras versões usam: criados (ARCA), servos (ARA), escravos (viva) • Remador de baixa categoria, escravo, remador de Galés, homem sentenciado a morte que prestava serviço como remador até a execução • Rupereta é um escravo sentenciado a morte que está sob o comando do capitão • Em outras palavras, Não COLOQUEM muitos holofotes nos homens porque importa que nos considerem como Ruperetas
  • 13. A 2ª. Figura que Paulo nos identifica é com o Mordomo o despenseiro. “e despenseiros dos mistérios de Deus.” • A palavra despenseiro tem o significado de encarregado da despensa • Vem do grego – Oikonomos = Mordomo (diakonos) • Mordomo = administrador, gerente – da casa • Se relacionado ao seu senhor = escravo • Se relacionado aos outros = encarregado Qual a função do Mordomo? • Gerenciar a casa e seus trabalhos • Cuidar da Despensa (onde se guardava a comida)
  • 14. Mas o que ajuda na interpretação de despenseiro é a continuação do versículo “e despenseiros dos mistérios de Deus.” • A palavra mistério do grego aqui utilizada é musterion – que normalmente significa OCULTO, SECRETO, ESCONDIDO e MISTÉRIO • Mas o sentido utilizado nesta palavra tem a ver com o EVANGELHO – VERDADE ou PROPÓSITO de Deus, expressa em sua palavra que aos outros é secreta, mas aos seus denota um sentido • Portanto despenseiro é aquele mordomo que cuida da Palavra de Deus pois ele cuida da: • Despensa • Comida • Alimentação da Casa
  • 15. E o que esta figura, assim como a do rupereta, nos diz? • Não é competência do despenseiro (mordomo) PROVER a comida, isso é tarefa do Senhor – e o alimento já está provido na sua Palavra de Deus • Não precisamos – inventar, prover ou pegar qualquer outro alimento porque ele já existe na Palavra de Deus • Compete ao despenseiro: 1. Entregar a Palavra de Deus 2. Distribuir a Palavra de Deus 3. Balancear a Palavra de Deus 4. Preparar a Palavra de Deus 5. Tornar apetitosa a Palavra de Deus
  • 16. • A competência do despenseiro, então, está em preparar a refeição (gostosa e atraente) com os melhores ingredientes que foram providos pelo seu Senhor • Paulo diz que a Palavra de Deus é ótima (útil) para o ensino, correção, exortação e habilitação do cristão • Repare na diferença do contexto humano entre o significado que Paulo trouxe a cerca do obreiro MINISTRO X RUPERETA FILÓSOFO X DESPENSEIRO • Paulo gostava da expressão – “eu vos entreguei aquilo que também recebi” • Cabe ao despenseiro entregar e transmitir aquilo que recebeu
  • 17.
  • 18. • Quatro significados podem ser observados: 1. O despenseiro não podia MUDAR o alimento 2. O despenseiro não podia ALTERAR (substituir o conteúdo, a substância ou essência) o alimento 3. O despenseiro não podia ACRESCENTAR nada ao alimento 4. O despenseiro não podia PROVER o alimento, sua função era DISTRIBUIR o alimento
  • 19.
  • 20. O que Deus espera do ministro e despenseiro? FIDELIDADE O que Deus via pesar na sua obra? • NÃO É O SUCESSO NEM A POPULARIDADE • Deus vai pesar, três conceitos de fidelidade 1. FIDELIDADE AO SENHOR 2. FIDELIDADE AO EVANGELHO 3. FIDELIDADE AO POVO
  • 21. Repare que Paulo apresenta 3 critérios de julgamento: 1. O julgamento de homens – “Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós, ou por algum juízo humano;...” 2. O julgamento da consciência – “nem eu tampouco a mim mesmo me julgo.” 3. O julgamento de Deus – “Porque em nada me sinto culpado; mas nem por isso me considero justificado, pois quem me julga é o SENHOR.” • Porque o julgamento + importante é o de Deus, porque Ele é o Único que conhece as circunstâncias e as motivações
  • 22. Paulo repreende a igreja em relação ao critérios de julgamento dos ministros de Deus 1. É errado julgar S.D. no tempo errado – “Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha,...” 2. É perigoso julgar S.D. pelo critério errado– “E eu, irmãos, apliquei estas coisas, por semelhança, a mim e a Apolo, por amor de vós; para que em nós aprendais a não ir além do que está escrito,...” 3. É errado julgar S.D. pela motivação errada – “não vos ensoberbecendo a favor de um contra outro.”
  • 23. • Denegrir a imagem de um para que a do outro sobressaia • Criticando alguém para que outro sobressaia • Não basta apenas a integridade da pregação mas a fidelidade da prática do evangelho • Não adianta a ortodoxia (a correção) da palavra se não existe fidelidade uns para com os outros • Porque nos tornamos ESPETÁCULO (fomentadores) ao mundo, servindo o evangelho de espetáculo para o mundo
  • 24. A palavra aqui usada é Espetáculo – grego – theatron Porque tenho para mim, que Deus a nós, apóstolos, nos pôs por últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens.
  • 25. 9-13 - O que vejo é que nós, que temos a Mensagem, fomos colocados por Deus num palco, mas ninguém quer comprar o ingresso. Somos como um acidente na rua, para o qual o mundo olha quando passa. Somos os desajustados do Messias. Vocês podem estar seguros, mas nós vivemos em meio a fragilidades e incertezas. Vocês podem ser bem considerados pelos outros, mas nós somos maltratados muitas vezes. Na maior parte do tempo, não temos o suficiente para comer, usamos roupas remendadas, portas nos são fechadas na cara e aceitamos os piores empregos para ganhar a vida, sempre com muito esforço. Quando nos ofendem, dizemos: “Deus o abençoe”. Quando espalham fofocas sobre nós, reagimos com uma palavra boa. Somos tratados como lixo, como restos de comida. E a situação não vai melhorar. 14-16 - Não estou escrevendo para brigar nem para criar algum desconforto. Escrevo como um pai, meus filhos. Amo vocês e quero que sejam adultos, não crianças mimadas. Há muita gente que não vê a hora de apontar o dedo para o que vocês têm feito de errado, mas não há muitos pais dispostos a investir tempo e esforço para ajudá-los a crescer. Foi quando Jesus me levou a proclamar a vocês a Mensagem de Deus que me tornei o pai de vocês. Não estou pedindo que façam o que eu mesmo já não esteja fazendo.