SlideShare uma empresa Scribd logo
MODELO
VERDADE PRÁTICA
• O obreiro aprovado por Deus tem as marcas do Senhor Jesus
Cristo.
LEITURA DIÁRIA
Segunda — Tt 3.9-11
• Paulo ensina como tratar o homem herege
Terça — Mt 5.13
• O discípulo de Jesus é “sal da terra” e “luz do mundo”
Quarta — 1Tm 3.2
• O obreiro deve ter uma conduta irrepreensível
Quinta — Sl 119.63
• Companheiro dos que guardam os preceitos de Deus
Sexta — 1Tm 6.11
• De que o obreiro do Senhor deve fugir
Sábado — Mt 13.36-43
• A explicação da parábola do “trigo” e “joio”
OBJETIVO GERAL
• Contrastar o obreiro aprovado e o “vaso de honra”
com os falsos mestres.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
• I. Apresentar a pureza e a humildade do obreiro
aprovado por Deus.
• II. Explicar as expressões “vaso de honra” e “vaso de
desonra”.
• III. Propor uma postura ministerial equilibrada.
ESBOÇO DA LIÇÃO
I - OBREIROS APROVADOS POR DEUS
• Pregam e ensinam sem engano.
• Pregam com pureza.
• Não buscam a glória de homens.
II. DOIS TIPOS DE VASOS (2.20,21)
• Vasos de honra (2.20).
• 2.Vaso de desonra.
III. REJEITANDO AS DISSENSÕES E QUESTÕES LOUCAS
• 1.Rejeitando “questões loucas”.
• 2.Não entrando em contenda.
PONTO CENTRAL
O obreiro aprovado por Deus é equilibrado, vivendo em
pureza e humildade diante do Senhor e diante dos homens.
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
2 Timóteo 2.1-18.
1 — Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo
Jesus.
2 — E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-
o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem
os outros.
3 — Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de
Jesus Cristo.
4 — Ninguém que milita se embaraça com negócio desta vida, a
fim de agradar àquele que o alistou para a guerra.
5 — E, se alguém também milita, não é coroado se não militar
legitimamente.
6 — O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a gozar
dos frutos.
7 — Considera o que digo, porque o Senhor te dará
entendimento em tudo.
8 — Lembra-te de que Jesus Cristo, que é da
descendência de Davi, ressuscitou dos mortos, segundo
o meu evangelho;
9 — pelo que sofro trabalhos e até prisões, como um
malfeitor; mas a palavra de Deus não está presa.
10 — Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para
que também eles alcancem a salvação que está em
Cristo Jesus com glória eterna.
11 — Palavra fiel é esta: que, se morrermos com ele,
também com ele viveremos;
12 — se sofrermos, também com ele reinaremos; se o
negarmos, também ele nos negará;
13 — se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode
negar-se a si mesmo.
14 — Traze estas coisas à memória, ordenando-lhes
diante do Senhor que não tenham contendas de
palavras, que para nada aproveitam e são para
perversão dos ouvintes.
15 — Procura apresentar-te a Deus aprovado, como
obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja
bem a palavra da verdade.
16 — Mas evita os falatórios profanos, porque produzirão
maior impiedade.
17 — E a palavra desses roerá como gangrena; entre os
quais são Himeneu e Fileto;
18 — os quais se desviaram da verdade, dizendo que a
ressurreição era já feita, e perverteram a fé de alguns.
TEXTO ÁUREO
“...Procura apresentar-te a Deus aprovado, como
obreiro que não tem de que se envergonhar, que
maneja bem a palavra da verdade...” (2Tm 2.15).
INTRODUÇÃO
• Na lição de hoje estudaremos alguns temas importantes
que são relatados no segundo capítulo da Segunda
Carta de Paulo a Timóteo.
• Paulo fala, além do que vimos na Leitura Bíblica em
Classe, a respeito do obreiro aprovado e dos vasos de
honra na Casa do Senhor (2Tm 2.19-21).
• Ele faz um contraste com os falsos mestres que tanto
prejudicavam a obra do Senhor em Éfeso.
• Que sejamos sempre vasos de honra, servindo ao
Senhor com amor e zelo, a fim de que muitas vidas
sejam ganhas para o seu Reino e que sua Igreja seja
edificada.
• Quando nos entregamos a Deus, assumimos um
compromisso de sermos fiéis a ele.
• Para cumprir a nossa obrigação de obedecer tudo
que Jesus tem nos ordenado (Mt 28.18-20),
precisamos estudar para conhecer bem a palavra
dele.
• Paulo exorta o jovem pastor Timóteo: “...Procura
apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que
não tem de que se envergonhar, que maneja bem a
palavra da verdade..." (2Tm 2.15).
• Pedro escreveu a discípulos espalhados em vários
lugares: "...santificai a Cristo, como Senhor, em
vosso coração, estando sempre preparados para
responder a todo aquele que vos pedir razão da
esperança que há em vós..." (1Pe 3.15).
• Ser preparado para falar a outros faz parte da nossa
devoção ao Senhor.
• O obreiro aprovado por Deus prega e ensina sem
engano, com pureza e humildemente, buscando sempre
a glória de Deus.
• Paulo usou uma linguagem que deve chamar a nossa
atenção quando disse a Timóteo:
• “...Assim, pois, se alguém a si mesmo se purificar
destes erros, será utensílio para honra, santificado e
útil ao seu possuidor, estando preparado para toda
boa obra..." (2Tm 2.21).
• Vamos considerar o significado de sermos utensílios
santificados e preparados para boas obras.
• No Antigo Testamento, achamos formas da palavra
"preparar" usadas mais de 50 vezes em relação a coisas
ou a pessoas dedicadas ao serviço do Senhor.
• A maioria dessas citações fala sobre sacrifícios, ofertas
e materiais usados no tabernáculo ou no templo para
adorar a Deus.
• Até as mínimas coisas foram cuidadosamente
purificadas e preparadas para o seu uso em honra do
Senhor.
• Assim cada um de nós deve ser preparado - purificado e
santificado - para honrar a Deus por meio de boas
obras.
• O servo de Deus precisa ser zeloso no estudo e na
aplicação da palavra do Senhor (2Tm 2.15).
I. OBREIROS APROVADOS POR DEUS
• Pregam e ensinam sem engano.
• Pregam com pureza.
• Não buscam a glória de homens.
• Paulo nunca usou de engano em suas pregações,
diferente de alguns falsos mestres de sua época que
pregavam e ensinavam com argumentos falsos e logro.
É preciso ter muito cuidado com os “lobos” vestidos
de ovelhas, que andam a enganar os crentes
incautos, sob a capa de “muito espirituais”. Paulo
exortava a igreja através da mensagem do evangelho,
mostrando-lhes as verdades desconhecidas. Para os
novos crentes ele tornou conhecido o “mistério de Deus”
— Cristo (Cl 2.2). Paulo era um líder zeloso que levava
a mensagem de modo claro, obedecendo à revelação
que recebera do Senhor. Aliás, era esse também o
cuidado dos demais apóstolos (1Jo 4.6; 2Pe 1.16).
1- Pregam e ensinam sem engano.
• Para progredir espiritualmente, temos de nos livrar da
maldade e das atitudes carnais que prendem os
pensamentos e os corações das pessoas do mundo (Tg
1.21-25).
• Exatamente! Reconheça o obreiro que não é
aprovado quando ele repetir, explicar e defender
regras de igrejas ou doutrinas decididas por grupos
de homens; isso não é ensinar a palavra de Deus.
• Note que boa parte das igrejas hoje tem seus próprios
livros ou manuais de doutrina.
• Em geral, pregadores e professores obrigatoriamente
seguem a linha doutrinária da denominação, ou perdem
seus cargos.
• O medo de expulsão tem contribuído a muitas
afirmações e ações erradas (leia Jo 9.22; 7.13; 12.42).
• Muitos pela ambição ministerial, tomam atitudes
desonestas em suas ações, pensam mais na “sua
carreira ministerial”, do que no bem estar da igreja;
É uma estrada de mão dupla, aonde, uma sobe quem
quer seguir a carreira ministerial, na outra, descem
os obreiro que na sua chamada primam pelo bem
estar da igreja. (Rev. Hernandes D. Lopes).
• Mas o discípulo fiel sabe que é melhor ser expulso pelos
homens do que ser rejeitado por Deus (Lc 6.22).
• Paulo pregava por amor a Cristo; Jesus era o seu alvo.
• Atualmente, há muitos falsos obreiros que só visam
lucro e bens financeiros.
• Estes se aproveitam da fé dos fiéis para obter ganhos.
• Na primeira carta a Timóteo, Paulo coloca como um
dos requisitos para aqueles que almejam o
ministério pastoral, não ser “cobiçoso de torpe
ganância” (1Tm 3.3).
2- Pregam com pureza.
• Pedro também exortou que o obreiro deve apascentar o
rebanho do Senhor “tendo cuidado dele, não por
força, mas voluntariamente; nem por torpe
ganância” (1Pe 5.2).
• O obreiro aprovado não visa lucro material, pois
sabe que a sua recompensa vem do Senhor.
• Nós que somos cristãos temos o privilégio de divulgar a
palavra salvadora.
• Negligência dessa incumbência contribuirá à morte de
pessoas carentes da verdade (Tg 3.1; Ez 3.16-27).
• Mas para cumprir essa missão, é preciso que nos
preparemos com o evangelho sadio e real (Ef 6.15).
• Jamais abandonemos a pura palavra de Deus.
• Os excessos das filosofias e palavras persuasivas
da sabedoria humana ou de sua espiritualidade não
salvam ninguém (1Co 2.1-5).
• Pregadores que incham suas ministrações de
psicologia, teses humanísticas, ou estórias, estão nos
dizendo subliminarmente, que são obreiros que não
pregam com pureza!
• “E, não buscamos glória dos homens (1Ts 2.6). Quando
Paulo estava com os tessalonicenses, ele afirmou
que não buscou o elogio deles. Infelizmente muitos
buscam glória para si. Estes são movidos a elogios
e bajulações. Isso é um perigo para o ministério
pastoral e para qualquer servo ou serva de Deus. Tem
pregadores e mestres que não aceitam convite para
falar para um pequeno auditório. Só se sentem bem se
estiverem diante de grandes platéias, pois querem ser
vistos pelos homens e não abençoar as pessoas. O
obreiro aprovado pelo Senhor busca apontar tão
somente o Senhor, e não ele mesmo.
3- Não buscam a glória de homens.
• Fazer as coisas buscando reconhecimento é algo
comum a nós, isso nos é passado desde a mais tenra
infância.
• Somos treinados a vida toda para sermos assim,
provas na escola, deveres de casa, o nosso
trabalho… enfim, tudo o que fazemos é justamente
buscando um reconhecimento, uma nota, um
aumento salarial, um cargo.
• Contudo, quando observamos as Escrituras, nos
deparamos com um novo padrão: fazemos as coisas
sem esperar nenhum reconhecimento, pelo
contrário, fazemos as coisas buscando que Cristo
seja exaltado, enquanto nós somos humilhados.
• O homem tem muitos outros propósitos nesta vida, mas
seu propósito mais importante deve ser glorificar a
Deus. Isso está de conformidade com o propósito para o
qual o homem foi criado.
• O Breve Catecismo de Westminster inicia com a
seguinte pergunta:
• PERGUNTA 1. Qual é o fim principal do homem?
• RESPOSTA.
• O fim principal do homem é glorificar a Deus, e gozá-lo
para sempre.
• Referências: Rm 11.36; 1Co 10.31; Sl 73.25-26; Is 43.7;
Rm 14.7-8; Ef 1.5-6; Is 60.21; 61.3.
• É quando estamos alienados de Deus que temos em
vista a finalidade ou o propósito errado.
• Assim, entendemos que aquele que busca glória para si
está alienado de Deus!.
II – DOIS TIPOS DE VASOS (2.20,21)
1. Vasos de honra (2.20).
2. Vaso de desonra.
• Paulo estava preocupado com a situação confusa que
prevalecia na igreja em Éfeso.
• Ele então usa a analogia dos vasos para mostrar que na
igreja existem pessoas sinceras e obedientes aos
ensinos de Cristo (vasos de honra).
• Deus deseja usar este tipo de vaso, limpo e sem
contaminação. Tem você sido um vaso de honra na
Casa do Senhor? O crente deve ter uma vida
irrepreensível.
• Isso só é possível na vida do crente através do poder
redentor, libertador e purificador do sangue de Jesus
mediante a fé.
1. Vasos de honra (2.20).
• O apóstolo Paulo é enfático em especificar quem são os
vasos para honra: "Somos nós", ou seja, os vasos para
honra é a igreja (corpo) do Deus vivo! "Mas, se tardar,
para que saibas como convém andar na casa de
Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza
da verdade" (1Tm 3.15).
• Os vasos para honra também são designados "vasos
de misericórdia“.
• "... nos vasos de misericórdia, que para a glória já
dantes preparou, os quais somos nós, a quem chamou,
não só dentre os gentios?" ( Rm 9.22 -24).
• Quem são estes? Paulo estava se referindo aos falsos
mestres, Himeneu e Fileto (2.17).
• Himeneu também foi mencionado em 1 Timóteo 1.20.
• Podemos igualmente afirmar que são os crentes
infiéis, que causam problemas e escândalos na Casa
do Senhor.
• Os vasos de honra são “o trigo” e os “vasos para
desonra” são o “joio” a que se referiu Jesus (Mt
13.24-30).
2. Vaso de desonra.
• Os vasos para desonra também foram designados por
Paulo como "vasos da ira", e eles foram preparados
especificamente para a destruição.
• O apóstolo Paulo demonstra que Deus suportou os
vasos criados para desonra com muita paciência!
• "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória
de Deus; Sendo justificados gratuitamente pela sua
graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
• Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu
sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão
dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de
Deus;
• Para demonstração da sua justiça neste tempo
presente, para que ele seja justo e justificador
daquele que tem fé em Jesus" ( Rm 3.23 -26).
• Deus suportou com paciência os vasos da ira (desonra)
(Rm 9.22), e, concomitantemente, propôs através do
sangue de Cristo, propiciação pela fé a todos (vasos
para desonra) que cometiam pecado sob a paciência de
Deus ( Rm 3.25 ).
III – REJEITANDO AS DISSENSÕES E
QUESTÕES LOUCAS
1.Rejeitando “questões loucas”.
2.Não entrando em contenda.
• O que eram as “questões loucas”? Eram as questões
levantadas pelos falsos mestres, que traziam confusão e
não edificavam ninguém (1Tm 1.3,6,7). O obreiro deve
rejeitar questionamentos que não edificam (2Tm
2.23). Atualmente, muitos estão levantando
indagações que em nada vai edificar a fé dos irmãos.
Outros, ainda estão cometendo o terrível pecado de
adicionar, subtrair e modificar partes das Escrituras.
A Palavra de Deus é completa e infalível e não precisa
de quaisquer acréscimos ou revisões em seu conteúdo
e mensagem.
• Há, em nossos dias, diversas “novas teologias” que
precisam ser combatidas pela liderança, pois
agridem diretamente a mensagem bíblica.
1- Rejeitando “questões loucas”.
• Paulo outra vez está atacando o ensino dos sectários,
em linguagem idêntica àquela que usou em 1Tm 6.20.
• O substantivo sublinha sua futilidade, ao passo que o
adjetivo sugere que é materialista na sua tendência, e
que substitui a revelação divina pela especulação
humana.
• Não admira que os que deles usam estejam
condenados a passar a impiedade ainda maior.
• A construção é desajeitada no original, porque não
há nenhum sujeito para a terceira pessoa no plural,
passarão.
• O contexto, no entanto, especialmente deles no v.
17, estabelece que a referência é aos mestres do
erro.
• Evidentemente, alegavam ser “avançados,” isto é,
progressistas e intelectualmente vivos como
cristãos (para o verbo prokoptein= “avançar” no
sentido de fazer progresso, cf. Rm 13.12; Gl 1.14;
também 1Tm 4.15 para o substantivo correlato
prokopê).
• “E ao servo do Senhor não convém contender, mas, sim,
ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor”
(2Tm 2.24).
• Paulo exorta a Timóteo a fim de que ele não
contendesse com os falsos mestres, pois brigas e
discussões são obras da carne e envergonham a Igreja
do Senhor.
• Uma pessoa espiritualmente cega não pode ser
convencida de seus erros pela força. Pregamos e
ensinamos, mas só o Espírito Santo podem convencê-
las dos seus erros.
2. Não entrando em contenda.
• No versículo 17, temos que igualmente desastrosa
será sua influência sobre outros membros da igreja,
porque a linguagem deles corrói (lit. “terá sua
pastagem”) como câncer.
• Embora a tradução câncer às vezes tenha sido
preferida, gangrena se adapta melhor tanto ao Grego
(gaggraina) quanto ao sentido da passagem.
• Não são apenas os perigos do falso ensino aos
aderentes deste que preocupam Paulo, como também
sua tendência insidiosa de espalhar-se e infeccionar
outras pessoas, assim como a gangrena se espalha e
devora os tecidos próximos.
• Dois dos falsos mestres agora são mencionados pelo
nome.
• Não se ouve falar noutro lugar de Fileto, mas Himeneu é
referido em 1Tm 1.20, onde somos informados que
Paulo o excomungara.
• A despeito disto, parece ter continuado suas atividades
com êxito, visto que aparece aqui como um dos líderes
dos mestres do erro.
• Alguns têm achado surpreendente este fato, e tiraram a
conclusão de que 2 Timóteo deva ter sido escrita antes
de 1 Timóteo.
• A inferência, no entanto, é totalmente desnecessária;
não podemos tomar por certo que a interdição de Paulo
fosse instantaneamente eficaz em silenciar um herege,
e, de fato, só porque Himeneu aparentemente podia
desconsiderá-la é uma ilustração da situação difícil na
igreja em Éfeso.
• O erro deles, continua ele, consiste em asseverar que a
ressurreição já se realizou.
• Esta é uma indicação muito valiosa, a única que é
realmente precisa e concreta nestas cartas, às crenças
teológicas propriamente ditas dos separatistas.
• Embora muita coisa fique obscura, a interpretação
mais provável é que escolheram identificar a
ressurreição, não com o levantamento do corpo no
último dia, mas, sim, com o morrer e ressurgir
místicos que o cristão experimenta a sua iniciação
batismal.
• Que esta é a explicação correta do ensino deles, que
assim, com efeito, negava a ressurreição do corpo, é
corroborado pelo relato de Irineu (Haer. 1. 23. 5) do que
o gnóstico samaritano Menandro, que era discípúlo de
Simão Mago (At 8:9 ss.), ensinava seus seguidores que,
como resultado de terem sido batizados por ele mesmo,
já haviam passado pela ressurreição e nunca
envelheceriam nem morreriam.
• A crença de que o corpo físico ressuscitará do
túmulo era, naturalmente, integrante do cristianismo
desde o início.
• Lado a lado com ela havia a crença, que não temos
motivo para supor ter sido confinada a Paulo (para sua
versão dela, cf. Rm 6:1-11; Ef 2:6; 5:14; Cl 2:13; 3:1-4),
que o cristão passa por uma morte e ressurreição
mística com Cristo no batismo.
• A mentalidade grega, no entanto, com seu conceito da
alma como sendo imortal, e da soltura do corpo, que é a
prisão dela, como sendo sua verdadeira felicidade,
sentia uma repugnância instintiva pela idéia da
ressurreição física. (Helenismo e sincretismo).
• Pode-se dizer que a comunicação entre os homens e
seres divinos estava presente na sociedade grega por
intermédio das pitonisas, porém esse tipo de
conhecimento relacionava-se à magia e aos seus
mistérios.
• Era importante para os filósofos gregos uma
experiência individual para a confirmação dessas
crenças (abaixo o Oráculo de Delfos).
• Isso é muito claro nos casos de Pitágoras e
Empédocles.
• Sobre Pitágoras não se conservaram textos específicos,
mas há testemunhos antigos de que ele se apresentava
como alguém em contato com os deuses e com uma
capacidade de se recordar de vidas passadas e
reconhecer almas, parecido com a figura de um
sacerdote (figura abaixo).
• Pode-se considerar o orfismo e o pitagorismo como
escolas que abraçavam a imortalidade e a
transmigração da alma em suas crenças e que
influenciaram muitos pensadores, tais como
Empédocles, Parmênides, Sócrates e Platão.
• Supõe-se que Ferécides tenha sido o mestre de
Pitágoras.
• Destarte, nos círculos helenísticos, Paulo desde
cedo achou necessário (cf. 1 Co 15; At 17:32)
combater o ceticismo completo acerca dela.
• É compreensível que pessoas com esta maneira de
pensar achassem a idéia da ressurreição sacramental
no batismo muito mais apropriada, e que confinassem a
ela o seu ensino acerca da ressurreição.
• Tendências como estas tinham um atrativo especial
sempre que o gnosticismo se estabelecia, e a presente
passagem é evidência das tendências gnósticas dos
sectários.
• Paulo declara que, ao ensinarem tais distorções, estão
pervertendo a fé a alguns.
• É inevitável esse resultado, visto que a crença na
ressurreição do corpo é a pedra angular do cristianismo;
sem ela, conforme já asseverara aos coríntios (1 Co
15:17), “É vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos
vossos pecados.”
• O perigo era tanto maior onde (conforme quase
certamente ocorria no presente caso).
• Negação tinha sua origem numa depreciação do corpo,
que abria a porta, de um lado, para a idéia da salvação-
própria por meio de práticas ascéticas (cf. 1 Tm 4:3), e,
do outro lado, para a indiferença moral (cf. 1 Co 6:12
ss.)
Agradecimentos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudos pastores fiéis e infiéis
Estudos  pastores fiéis e infiéisEstudos  pastores fiéis e infiéis
Estudos pastores fiéis e infiéis
Joel Silva
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
Ednilson do Valle
 
Ministério do obreiro
Ministério do obreiroMinistério do obreiro
Ministério do obreiro
andrepaidafe
 
Firmes na fé
Firmes na féFirmes na fé
Firmes na fé
Antonio Rodrigues
 
Fiéis à verdade
Fiéis à verdadeFiéis à verdade
Fiéis à verdade
Antonio Rodrigues
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
Joel Silva
 
Vivendo os últimos dias
Vivendo os últimos diasVivendo os últimos dias
Vivendo os últimos dias
Antonio Rodrigues
 
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
Samarone Melo
 
Um estudo em ii timóteo 2:15
Um estudo em ii timóteo 2:15Um estudo em ii timóteo 2:15
Um estudo em ii timóteo 2:15
Pedro no Piel
 
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 8 aprovado por Deus em Cristo ...
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 8 aprovado por Deus em Cristo ...EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 8 aprovado por Deus em Cristo ...
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 8 aprovado por Deus em Cristo ...
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Escola De Obreiros Tampa Fl Usa
Escola De Obreiros Tampa Fl UsaEscola De Obreiros Tampa Fl Usa
Escola De Obreiros Tampa Fl Usa
CARLOS ZACARKIM
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Wander Sousa
 
O chamado ministerial
O chamado ministerialO chamado ministerial
O chamado ministerial
Wilson Paulo de Santana Paulo
 
PRINCÍPIOS DE OBEDIÊNCIA E SUBMISSÃO
PRINCÍPIOS DE OBEDIÊNCIA E SUBMISSÃOPRINCÍPIOS DE OBEDIÊNCIA E SUBMISSÃO
PRINCÍPIOS DE OBEDIÊNCIA E SUBMISSÃO
MINISTERIO IPCA.
 
Lição 8 3º Trim. 2015
Lição 8  3º Trim. 2015Lição 8  3º Trim. 2015
Lição 8 3º Trim. 2015
Rogerio Rieling
 
Características do obreiro coluna
Características do obreiro colunaCaracterísticas do obreiro coluna
Características do obreiro coluna
Evandro Cruz
 
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola DonminicalA FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
yosseph2013
 
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCAManual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
MINISTERIO IPCA.
 
5 coisas que precisam ser como antes
5 coisas que precisam ser como antes5 coisas que precisam ser como antes
5 coisas que precisam ser como antes
Instituto Teológico Gamaliel
 
A bênção apostólica
A bênção apostólicaA bênção apostólica
A bênção apostólica
Profetico Atos
 

Mais procurados (20)

Estudos pastores fiéis e infiéis
Estudos  pastores fiéis e infiéisEstudos  pastores fiéis e infiéis
Estudos pastores fiéis e infiéis
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
Ministério do obreiro
Ministério do obreiroMinistério do obreiro
Ministério do obreiro
 
Firmes na fé
Firmes na féFirmes na fé
Firmes na fé
 
Fiéis à verdade
Fiéis à verdadeFiéis à verdade
Fiéis à verdade
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
 
Vivendo os últimos dias
Vivendo os últimos diasVivendo os últimos dias
Vivendo os últimos dias
 
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
 
Um estudo em ii timóteo 2:15
Um estudo em ii timóteo 2:15Um estudo em ii timóteo 2:15
Um estudo em ii timóteo 2:15
 
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 8 aprovado por Deus em Cristo ...
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 8 aprovado por Deus em Cristo ...EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 8 aprovado por Deus em Cristo ...
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 8 aprovado por Deus em Cristo ...
 
Escola De Obreiros Tampa Fl Usa
Escola De Obreiros Tampa Fl UsaEscola De Obreiros Tampa Fl Usa
Escola De Obreiros Tampa Fl Usa
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 
O chamado ministerial
O chamado ministerialO chamado ministerial
O chamado ministerial
 
PRINCÍPIOS DE OBEDIÊNCIA E SUBMISSÃO
PRINCÍPIOS DE OBEDIÊNCIA E SUBMISSÃOPRINCÍPIOS DE OBEDIÊNCIA E SUBMISSÃO
PRINCÍPIOS DE OBEDIÊNCIA E SUBMISSÃO
 
Lição 8 3º Trim. 2015
Lição 8  3º Trim. 2015Lição 8  3º Trim. 2015
Lição 8 3º Trim. 2015
 
Características do obreiro coluna
Características do obreiro colunaCaracterísticas do obreiro coluna
Características do obreiro coluna
 
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola DonminicalA FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
 
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCAManual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
 
5 coisas que precisam ser como antes
5 coisas que precisam ser como antes5 coisas que precisam ser como antes
5 coisas que precisam ser como antes
 
A bênção apostólica
A bênção apostólicaA bênção apostólica
A bênção apostólica
 

Semelhante a 3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos

2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
Joel Silva
 
APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
Samarone Melo
 
Lição 4 pastores e diáconos 3º trimestre de 2015
Lição 4   pastores e diáconos  3º trimestre de 2015Lição 4   pastores e diáconos  3º trimestre de 2015
Lição 4 pastores e diáconos 3º trimestre de 2015
Andrew Guimarães
 
Lição 4 pastores e diaconos
Lição 4   pastores e diaconosLição 4   pastores e diaconos
Lição 4 pastores e diaconos
Pr. Gerson Eller
 
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 4 pastores e diáconos.
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 4 pastores e diáconos.EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 4 pastores e diáconos.
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 4 pastores e diáconos.
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Lição 6 conselhos gerais
Lição 6    conselhos geraisLição 6    conselhos gerais
Lição 6 conselhos gerais
Pr. Gerson Eller
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
Joel Silva
 
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
Joel Silva
 
Aprovados por deus lição 8 - 3 trim 2015 - Prof. ELSON LOUREIRO
Aprovados por deus lição 8 -  3 trim 2015 - Prof.  ELSON LOUREIROAprovados por deus lição 8 -  3 trim 2015 - Prof.  ELSON LOUREIRO
Aprovados por deus lição 8 - 3 trim 2015 - Prof. ELSON LOUREIRO
Elson Juvenal Pinto Loureiro
 
O PERFIL DE UM OBREIRO.pdf
O PERFIL DE UM OBREIRO.pdfO PERFIL DE UM OBREIRO.pdf
O PERFIL DE UM OBREIRO.pdf
Lewry Be
 
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
Joel Silva
 
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUSLIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
Lourinaldo Serafim
 
Disciplina - O Pregador e o Sermão
Disciplina - O Pregador e o SermãoDisciplina - O Pregador e o Sermão
Disciplina - O Pregador e o Sermão
faculdadeteologica
 
04opregadoreosermo 140513160132-phpapp02
04opregadoreosermo 140513160132-phpapp0204opregadoreosermo 140513160132-phpapp02
04opregadoreosermo 140513160132-phpapp02
Convenção Cimadeba
 
04 o pregador e o sermão
04 o pregador e o sermão04 o pregador e o sermão
04 o pregador e o sermão
CursosTeologicos
 
EBD CPAD Lição 12 3°trimestre 2015 Exortações gerais.
EBD CPAD Lição 12 3°trimestre 2015 Exortações gerais.EBD CPAD Lição 12 3°trimestre 2015 Exortações gerais.
EBD CPAD Lição 12 3°trimestre 2015 Exortações gerais.
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Lição 12 exortações gerais 3º trimestre de 2015
Lição 12   exortações gerais   3º trimestre de 2015Lição 12   exortações gerais   3º trimestre de 2015
Lição 12 exortações gerais 3º trimestre de 2015
Andrew Guimarães
 
Lição 3 oração e recomendação as mulheres cristãs 3º trimestre de 2015
Lição 3   oração e recomendação as mulheres cristãs  3º trimestre de 2015Lição 3   oração e recomendação as mulheres cristãs  3º trimestre de 2015
Lição 3 oração e recomendação as mulheres cristãs 3º trimestre de 2015
Andrew Guimarães
 
Lição 3ª Liderança espiritual
Lição 3ª Liderança espiritualLição 3ª Liderança espiritual
Lição 3ª Liderança espiritual
Igreja Presbiteriana Zona Sul
 
Pastores e Diáconos
Pastores e DiáconosPastores e Diáconos
Pastores e Diáconos
Antonio Fernandes
 

Semelhante a 3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos (20)

2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 08.pptx
 
APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
APROVADO POR DEUS EM CRISTO JESUS - LIÇÃO 8
 
Lição 4 pastores e diáconos 3º trimestre de 2015
Lição 4   pastores e diáconos  3º trimestre de 2015Lição 4   pastores e diáconos  3º trimestre de 2015
Lição 4 pastores e diáconos 3º trimestre de 2015
 
Lição 4 pastores e diaconos
Lição 4   pastores e diaconosLição 4   pastores e diaconos
Lição 4 pastores e diaconos
 
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 4 pastores e diáconos.
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 4 pastores e diáconos.EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 4 pastores e diáconos.
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 4 pastores e diáconos.
 
Lição 6 conselhos gerais
Lição 6    conselhos geraisLição 6    conselhos gerais
Lição 6 conselhos gerais
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
 
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
 
Aprovados por deus lição 8 - 3 trim 2015 - Prof. ELSON LOUREIRO
Aprovados por deus lição 8 -  3 trim 2015 - Prof.  ELSON LOUREIROAprovados por deus lição 8 -  3 trim 2015 - Prof.  ELSON LOUREIRO
Aprovados por deus lição 8 - 3 trim 2015 - Prof. ELSON LOUREIRO
 
O PERFIL DE UM OBREIRO.pdf
O PERFIL DE UM OBREIRO.pdfO PERFIL DE UM OBREIRO.pdf
O PERFIL DE UM OBREIRO.pdf
 
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 04.pptx
 
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUSLIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
 
Disciplina - O Pregador e o Sermão
Disciplina - O Pregador e o SermãoDisciplina - O Pregador e o Sermão
Disciplina - O Pregador e o Sermão
 
04opregadoreosermo 140513160132-phpapp02
04opregadoreosermo 140513160132-phpapp0204opregadoreosermo 140513160132-phpapp02
04opregadoreosermo 140513160132-phpapp02
 
04 o pregador e o sermão
04 o pregador e o sermão04 o pregador e o sermão
04 o pregador e o sermão
 
EBD CPAD Lição 12 3°trimestre 2015 Exortações gerais.
EBD CPAD Lição 12 3°trimestre 2015 Exortações gerais.EBD CPAD Lição 12 3°trimestre 2015 Exortações gerais.
EBD CPAD Lição 12 3°trimestre 2015 Exortações gerais.
 
Lição 12 exortações gerais 3º trimestre de 2015
Lição 12   exortações gerais   3º trimestre de 2015Lição 12   exortações gerais   3º trimestre de 2015
Lição 12 exortações gerais 3º trimestre de 2015
 
Lição 3 oração e recomendação as mulheres cristãs 3º trimestre de 2015
Lição 3   oração e recomendação as mulheres cristãs  3º trimestre de 2015Lição 3   oração e recomendação as mulheres cristãs  3º trimestre de 2015
Lição 3 oração e recomendação as mulheres cristãs 3º trimestre de 2015
 
Lição 3ª Liderança espiritual
Lição 3ª Liderança espiritualLição 3ª Liderança espiritual
Lição 3ª Liderança espiritual
 
Pastores e Diáconos
Pastores e DiáconosPastores e Diáconos
Pastores e Diáconos
 

Mais de Joel Silva

Aviso
AvisoAviso
Aviso
Joel Silva
 
4º trimestre 2015 lição 02 adultos
4º trimestre 2015 lição 02 adultos4º trimestre 2015 lição 02 adultos
4º trimestre 2015 lição 02 adultos
Joel Silva
 
4º trimestre 2015 lição 01 adultos
4º trimestre 2015 lição 01 adultos4º trimestre 2015 lição 01 adultos
4º trimestre 2015 lição 01 adultos
Joel Silva
 
3º trimestre 2015 lição 13 adultos
3º trimestre 2015 lição 13 adultos3º trimestre 2015 lição 13 adultos
3º trimestre 2015 lição 13 adultos
Joel Silva
 
3º trimestre 2015 lição 12 adultos
3º trimestre 2015 lição 12 adultos3º trimestre 2015 lição 12 adultos
3º trimestre 2015 lição 12 adultos
Joel Silva
 
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
Joel Silva
 
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
Joel Silva
 
3º Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 09 Adultos3º Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
Joel Silva
 
3º Trimestre 2015 Lição 07 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 07 Adultos3º Trimestre 2015 Lição 07 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 07 Adultos
Joel Silva
 
3º Trimestre 2015 Lição 06 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 06 Adultos3º Trimestre 2015 Lição 06 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 06 Adultos
Joel Silva
 
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
Joel Silva
 
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
Joel Silva
 
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
Joel Silva
 
2° Trimestre 2015 Lição 12 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 12 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 12 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 12 Adultos
Joel Silva
 
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
Joel Silva
 
2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos
Joel Silva
 
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
Joel Silva
 
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
Joel Silva
 
3° Trimestre 2015 Lição 01 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 01 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 01 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 01 Adultos
Joel Silva
 

Mais de Joel Silva (19)

Aviso
AvisoAviso
Aviso
 
4º trimestre 2015 lição 02 adultos
4º trimestre 2015 lição 02 adultos4º trimestre 2015 lição 02 adultos
4º trimestre 2015 lição 02 adultos
 
4º trimestre 2015 lição 01 adultos
4º trimestre 2015 lição 01 adultos4º trimestre 2015 lição 01 adultos
4º trimestre 2015 lição 01 adultos
 
3º trimestre 2015 lição 13 adultos
3º trimestre 2015 lição 13 adultos3º trimestre 2015 lição 13 adultos
3º trimestre 2015 lição 13 adultos
 
3º trimestre 2015 lição 12 adultos
3º trimestre 2015 lição 12 adultos3º trimestre 2015 lição 12 adultos
3º trimestre 2015 lição 12 adultos
 
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
 
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
3º trimestre 2015 lição 10 Adultos
 
3º Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 09 Adultos3º Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
 
3º Trimestre 2015 Lição 07 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 07 Adultos3º Trimestre 2015 Lição 07 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 07 Adultos
 
3º Trimestre 2015 Lição 06 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 06 Adultos3º Trimestre 2015 Lição 06 Adultos
3º Trimestre 2015 Lição 06 Adultos
 
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
 
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
 
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
 
2° Trimestre 2015 Lição 12 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 12 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 12 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 12 Adultos
 
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
 
2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 10 Adultos
 
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 09 Adultos
 
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 02 Adultos
 
3° Trimestre 2015 Lição 01 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 01 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 01 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 01 Adultos
 

Último

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 

Último (14)

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 

3º Trimestre 2015 Lição 08 Adultos

  • 2. VERDADE PRÁTICA • O obreiro aprovado por Deus tem as marcas do Senhor Jesus Cristo.
  • 3. LEITURA DIÁRIA Segunda — Tt 3.9-11 • Paulo ensina como tratar o homem herege Terça — Mt 5.13 • O discípulo de Jesus é “sal da terra” e “luz do mundo” Quarta — 1Tm 3.2 • O obreiro deve ter uma conduta irrepreensível Quinta — Sl 119.63 • Companheiro dos que guardam os preceitos de Deus Sexta — 1Tm 6.11 • De que o obreiro do Senhor deve fugir Sábado — Mt 13.36-43 • A explicação da parábola do “trigo” e “joio”
  • 4. OBJETIVO GERAL • Contrastar o obreiro aprovado e o “vaso de honra” com os falsos mestres.
  • 5. OBJETIVOS ESPECÍFICOS • I. Apresentar a pureza e a humildade do obreiro aprovado por Deus. • II. Explicar as expressões “vaso de honra” e “vaso de desonra”. • III. Propor uma postura ministerial equilibrada.
  • 6. ESBOÇO DA LIÇÃO I - OBREIROS APROVADOS POR DEUS • Pregam e ensinam sem engano. • Pregam com pureza. • Não buscam a glória de homens. II. DOIS TIPOS DE VASOS (2.20,21) • Vasos de honra (2.20). • 2.Vaso de desonra. III. REJEITANDO AS DISSENSÕES E QUESTÕES LOUCAS • 1.Rejeitando “questões loucas”. • 2.Não entrando em contenda.
  • 7. PONTO CENTRAL O obreiro aprovado por Deus é equilibrado, vivendo em pureza e humildade diante do Senhor e diante dos homens.
  • 8. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE 2 Timóteo 2.1-18. 1 — Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus. 2 — E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia- o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros. 3 — Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo. 4 — Ninguém que milita se embaraça com negócio desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra. 5 — E, se alguém também milita, não é coroado se não militar legitimamente.
  • 9. 6 — O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a gozar dos frutos. 7 — Considera o que digo, porque o Senhor te dará entendimento em tudo. 8 — Lembra-te de que Jesus Cristo, que é da descendência de Davi, ressuscitou dos mortos, segundo o meu evangelho; 9 — pelo que sofro trabalhos e até prisões, como um malfeitor; mas a palavra de Deus não está presa. 10 — Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna. 11 — Palavra fiel é esta: que, se morrermos com ele, também com ele viveremos;
  • 10. 12 — se sofrermos, também com ele reinaremos; se o negarmos, também ele nos negará; 13 — se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo. 14 — Traze estas coisas à memória, ordenando-lhes diante do Senhor que não tenham contendas de palavras, que para nada aproveitam e são para perversão dos ouvintes. 15 — Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. 16 — Mas evita os falatórios profanos, porque produzirão maior impiedade. 17 — E a palavra desses roerá como gangrena; entre os quais são Himeneu e Fileto; 18 — os quais se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição era já feita, e perverteram a fé de alguns.
  • 11. TEXTO ÁUREO “...Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade...” (2Tm 2.15).
  • 12. INTRODUÇÃO • Na lição de hoje estudaremos alguns temas importantes que são relatados no segundo capítulo da Segunda Carta de Paulo a Timóteo. • Paulo fala, além do que vimos na Leitura Bíblica em Classe, a respeito do obreiro aprovado e dos vasos de honra na Casa do Senhor (2Tm 2.19-21). • Ele faz um contraste com os falsos mestres que tanto prejudicavam a obra do Senhor em Éfeso. • Que sejamos sempre vasos de honra, servindo ao Senhor com amor e zelo, a fim de que muitas vidas sejam ganhas para o seu Reino e que sua Igreja seja edificada.
  • 13. • Quando nos entregamos a Deus, assumimos um compromisso de sermos fiéis a ele. • Para cumprir a nossa obrigação de obedecer tudo que Jesus tem nos ordenado (Mt 28.18-20), precisamos estudar para conhecer bem a palavra dele.
  • 14. • Paulo exorta o jovem pastor Timóteo: “...Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade..." (2Tm 2.15).
  • 15. • Pedro escreveu a discípulos espalhados em vários lugares: "...santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós..." (1Pe 3.15).
  • 16. • Ser preparado para falar a outros faz parte da nossa devoção ao Senhor. • O obreiro aprovado por Deus prega e ensina sem engano, com pureza e humildemente, buscando sempre a glória de Deus. • Paulo usou uma linguagem que deve chamar a nossa atenção quando disse a Timóteo: • “...Assim, pois, se alguém a si mesmo se purificar destes erros, será utensílio para honra, santificado e útil ao seu possuidor, estando preparado para toda boa obra..." (2Tm 2.21).
  • 17. • Vamos considerar o significado de sermos utensílios santificados e preparados para boas obras. • No Antigo Testamento, achamos formas da palavra "preparar" usadas mais de 50 vezes em relação a coisas ou a pessoas dedicadas ao serviço do Senhor. • A maioria dessas citações fala sobre sacrifícios, ofertas e materiais usados no tabernáculo ou no templo para adorar a Deus.
  • 18. • Até as mínimas coisas foram cuidadosamente purificadas e preparadas para o seu uso em honra do Senhor. • Assim cada um de nós deve ser preparado - purificado e santificado - para honrar a Deus por meio de boas obras. • O servo de Deus precisa ser zeloso no estudo e na aplicação da palavra do Senhor (2Tm 2.15).
  • 19. I. OBREIROS APROVADOS POR DEUS • Pregam e ensinam sem engano. • Pregam com pureza. • Não buscam a glória de homens.
  • 20. • Paulo nunca usou de engano em suas pregações, diferente de alguns falsos mestres de sua época que pregavam e ensinavam com argumentos falsos e logro. É preciso ter muito cuidado com os “lobos” vestidos de ovelhas, que andam a enganar os crentes incautos, sob a capa de “muito espirituais”. Paulo exortava a igreja através da mensagem do evangelho, mostrando-lhes as verdades desconhecidas. Para os novos crentes ele tornou conhecido o “mistério de Deus” — Cristo (Cl 2.2). Paulo era um líder zeloso que levava a mensagem de modo claro, obedecendo à revelação que recebera do Senhor. Aliás, era esse também o cuidado dos demais apóstolos (1Jo 4.6; 2Pe 1.16). 1- Pregam e ensinam sem engano.
  • 21. • Para progredir espiritualmente, temos de nos livrar da maldade e das atitudes carnais que prendem os pensamentos e os corações das pessoas do mundo (Tg 1.21-25). • Exatamente! Reconheça o obreiro que não é aprovado quando ele repetir, explicar e defender regras de igrejas ou doutrinas decididas por grupos de homens; isso não é ensinar a palavra de Deus.
  • 22. • Note que boa parte das igrejas hoje tem seus próprios livros ou manuais de doutrina. • Em geral, pregadores e professores obrigatoriamente seguem a linha doutrinária da denominação, ou perdem seus cargos.
  • 23. • O medo de expulsão tem contribuído a muitas afirmações e ações erradas (leia Jo 9.22; 7.13; 12.42). • Muitos pela ambição ministerial, tomam atitudes desonestas em suas ações, pensam mais na “sua carreira ministerial”, do que no bem estar da igreja; É uma estrada de mão dupla, aonde, uma sobe quem quer seguir a carreira ministerial, na outra, descem os obreiro que na sua chamada primam pelo bem estar da igreja. (Rev. Hernandes D. Lopes). • Mas o discípulo fiel sabe que é melhor ser expulso pelos homens do que ser rejeitado por Deus (Lc 6.22).
  • 24. • Paulo pregava por amor a Cristo; Jesus era o seu alvo. • Atualmente, há muitos falsos obreiros que só visam lucro e bens financeiros. • Estes se aproveitam da fé dos fiéis para obter ganhos. • Na primeira carta a Timóteo, Paulo coloca como um dos requisitos para aqueles que almejam o ministério pastoral, não ser “cobiçoso de torpe ganância” (1Tm 3.3). 2- Pregam com pureza.
  • 25. • Pedro também exortou que o obreiro deve apascentar o rebanho do Senhor “tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância” (1Pe 5.2). • O obreiro aprovado não visa lucro material, pois sabe que a sua recompensa vem do Senhor.
  • 26. • Nós que somos cristãos temos o privilégio de divulgar a palavra salvadora. • Negligência dessa incumbência contribuirá à morte de pessoas carentes da verdade (Tg 3.1; Ez 3.16-27). • Mas para cumprir essa missão, é preciso que nos preparemos com o evangelho sadio e real (Ef 6.15).
  • 27. • Jamais abandonemos a pura palavra de Deus. • Os excessos das filosofias e palavras persuasivas da sabedoria humana ou de sua espiritualidade não salvam ninguém (1Co 2.1-5). • Pregadores que incham suas ministrações de psicologia, teses humanísticas, ou estórias, estão nos dizendo subliminarmente, que são obreiros que não pregam com pureza!
  • 28. • “E, não buscamos glória dos homens (1Ts 2.6). Quando Paulo estava com os tessalonicenses, ele afirmou que não buscou o elogio deles. Infelizmente muitos buscam glória para si. Estes são movidos a elogios e bajulações. Isso é um perigo para o ministério pastoral e para qualquer servo ou serva de Deus. Tem pregadores e mestres que não aceitam convite para falar para um pequeno auditório. Só se sentem bem se estiverem diante de grandes platéias, pois querem ser vistos pelos homens e não abençoar as pessoas. O obreiro aprovado pelo Senhor busca apontar tão somente o Senhor, e não ele mesmo. 3- Não buscam a glória de homens.
  • 29. • Fazer as coisas buscando reconhecimento é algo comum a nós, isso nos é passado desde a mais tenra infância. • Somos treinados a vida toda para sermos assim, provas na escola, deveres de casa, o nosso trabalho… enfim, tudo o que fazemos é justamente buscando um reconhecimento, uma nota, um aumento salarial, um cargo.
  • 30. • Contudo, quando observamos as Escrituras, nos deparamos com um novo padrão: fazemos as coisas sem esperar nenhum reconhecimento, pelo contrário, fazemos as coisas buscando que Cristo seja exaltado, enquanto nós somos humilhados. • O homem tem muitos outros propósitos nesta vida, mas seu propósito mais importante deve ser glorificar a Deus. Isso está de conformidade com o propósito para o qual o homem foi criado.
  • 31. • O Breve Catecismo de Westminster inicia com a seguinte pergunta: • PERGUNTA 1. Qual é o fim principal do homem? • RESPOSTA. • O fim principal do homem é glorificar a Deus, e gozá-lo para sempre. • Referências: Rm 11.36; 1Co 10.31; Sl 73.25-26; Is 43.7; Rm 14.7-8; Ef 1.5-6; Is 60.21; 61.3. • É quando estamos alienados de Deus que temos em vista a finalidade ou o propósito errado. • Assim, entendemos que aquele que busca glória para si está alienado de Deus!.
  • 32. II – DOIS TIPOS DE VASOS (2.20,21) 1. Vasos de honra (2.20). 2. Vaso de desonra.
  • 33. • Paulo estava preocupado com a situação confusa que prevalecia na igreja em Éfeso. • Ele então usa a analogia dos vasos para mostrar que na igreja existem pessoas sinceras e obedientes aos ensinos de Cristo (vasos de honra). • Deus deseja usar este tipo de vaso, limpo e sem contaminação. Tem você sido um vaso de honra na Casa do Senhor? O crente deve ter uma vida irrepreensível. • Isso só é possível na vida do crente através do poder redentor, libertador e purificador do sangue de Jesus mediante a fé. 1. Vasos de honra (2.20).
  • 34. • O apóstolo Paulo é enfático em especificar quem são os vasos para honra: "Somos nós", ou seja, os vasos para honra é a igreja (corpo) do Deus vivo! "Mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade" (1Tm 3.15).
  • 35. • Os vasos para honra também são designados "vasos de misericórdia“. • "... nos vasos de misericórdia, que para a glória já dantes preparou, os quais somos nós, a quem chamou, não só dentre os gentios?" ( Rm 9.22 -24).
  • 36. • Quem são estes? Paulo estava se referindo aos falsos mestres, Himeneu e Fileto (2.17). • Himeneu também foi mencionado em 1 Timóteo 1.20. • Podemos igualmente afirmar que são os crentes infiéis, que causam problemas e escândalos na Casa do Senhor. • Os vasos de honra são “o trigo” e os “vasos para desonra” são o “joio” a que se referiu Jesus (Mt 13.24-30). 2. Vaso de desonra.
  • 37. • Os vasos para desonra também foram designados por Paulo como "vasos da ira", e eles foram preparados especificamente para a destruição. • O apóstolo Paulo demonstra que Deus suportou os vasos criados para desonra com muita paciência!
  • 38. • "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. • Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; • Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus" ( Rm 3.23 -26). • Deus suportou com paciência os vasos da ira (desonra) (Rm 9.22), e, concomitantemente, propôs através do sangue de Cristo, propiciação pela fé a todos (vasos para desonra) que cometiam pecado sob a paciência de Deus ( Rm 3.25 ).
  • 39. III – REJEITANDO AS DISSENSÕES E QUESTÕES LOUCAS 1.Rejeitando “questões loucas”. 2.Não entrando em contenda.
  • 40. • O que eram as “questões loucas”? Eram as questões levantadas pelos falsos mestres, que traziam confusão e não edificavam ninguém (1Tm 1.3,6,7). O obreiro deve rejeitar questionamentos que não edificam (2Tm 2.23). Atualmente, muitos estão levantando indagações que em nada vai edificar a fé dos irmãos. Outros, ainda estão cometendo o terrível pecado de adicionar, subtrair e modificar partes das Escrituras. A Palavra de Deus é completa e infalível e não precisa de quaisquer acréscimos ou revisões em seu conteúdo e mensagem. • Há, em nossos dias, diversas “novas teologias” que precisam ser combatidas pela liderança, pois agridem diretamente a mensagem bíblica. 1- Rejeitando “questões loucas”.
  • 41. • Paulo outra vez está atacando o ensino dos sectários, em linguagem idêntica àquela que usou em 1Tm 6.20. • O substantivo sublinha sua futilidade, ao passo que o adjetivo sugere que é materialista na sua tendência, e que substitui a revelação divina pela especulação humana.
  • 42. • Não admira que os que deles usam estejam condenados a passar a impiedade ainda maior. • A construção é desajeitada no original, porque não há nenhum sujeito para a terceira pessoa no plural, passarão. • O contexto, no entanto, especialmente deles no v. 17, estabelece que a referência é aos mestres do erro. • Evidentemente, alegavam ser “avançados,” isto é, progressistas e intelectualmente vivos como cristãos (para o verbo prokoptein= “avançar” no sentido de fazer progresso, cf. Rm 13.12; Gl 1.14; também 1Tm 4.15 para o substantivo correlato prokopê).
  • 43. • “E ao servo do Senhor não convém contender, mas, sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor” (2Tm 2.24). • Paulo exorta a Timóteo a fim de que ele não contendesse com os falsos mestres, pois brigas e discussões são obras da carne e envergonham a Igreja do Senhor. • Uma pessoa espiritualmente cega não pode ser convencida de seus erros pela força. Pregamos e ensinamos, mas só o Espírito Santo podem convencê- las dos seus erros. 2. Não entrando em contenda.
  • 44. • No versículo 17, temos que igualmente desastrosa será sua influência sobre outros membros da igreja, porque a linguagem deles corrói (lit. “terá sua pastagem”) como câncer. • Embora a tradução câncer às vezes tenha sido preferida, gangrena se adapta melhor tanto ao Grego (gaggraina) quanto ao sentido da passagem.
  • 45. • Não são apenas os perigos do falso ensino aos aderentes deste que preocupam Paulo, como também sua tendência insidiosa de espalhar-se e infeccionar outras pessoas, assim como a gangrena se espalha e devora os tecidos próximos. • Dois dos falsos mestres agora são mencionados pelo nome. • Não se ouve falar noutro lugar de Fileto, mas Himeneu é referido em 1Tm 1.20, onde somos informados que Paulo o excomungara. • A despeito disto, parece ter continuado suas atividades com êxito, visto que aparece aqui como um dos líderes dos mestres do erro. • Alguns têm achado surpreendente este fato, e tiraram a conclusão de que 2 Timóteo deva ter sido escrita antes de 1 Timóteo.
  • 46. • A inferência, no entanto, é totalmente desnecessária; não podemos tomar por certo que a interdição de Paulo fosse instantaneamente eficaz em silenciar um herege, e, de fato, só porque Himeneu aparentemente podia desconsiderá-la é uma ilustração da situação difícil na igreja em Éfeso. • O erro deles, continua ele, consiste em asseverar que a ressurreição já se realizou. • Esta é uma indicação muito valiosa, a única que é realmente precisa e concreta nestas cartas, às crenças teológicas propriamente ditas dos separatistas.
  • 47. • Embora muita coisa fique obscura, a interpretação mais provável é que escolheram identificar a ressurreição, não com o levantamento do corpo no último dia, mas, sim, com o morrer e ressurgir místicos que o cristão experimenta a sua iniciação batismal.
  • 48. • Que esta é a explicação correta do ensino deles, que assim, com efeito, negava a ressurreição do corpo, é corroborado pelo relato de Irineu (Haer. 1. 23. 5) do que o gnóstico samaritano Menandro, que era discípúlo de Simão Mago (At 8:9 ss.), ensinava seus seguidores que, como resultado de terem sido batizados por ele mesmo, já haviam passado pela ressurreição e nunca envelheceriam nem morreriam. • A crença de que o corpo físico ressuscitará do túmulo era, naturalmente, integrante do cristianismo desde o início. • Lado a lado com ela havia a crença, que não temos motivo para supor ter sido confinada a Paulo (para sua versão dela, cf. Rm 6:1-11; Ef 2:6; 5:14; Cl 2:13; 3:1-4), que o cristão passa por uma morte e ressurreição mística com Cristo no batismo.
  • 49. • A mentalidade grega, no entanto, com seu conceito da alma como sendo imortal, e da soltura do corpo, que é a prisão dela, como sendo sua verdadeira felicidade, sentia uma repugnância instintiva pela idéia da ressurreição física. (Helenismo e sincretismo).
  • 50. • Pode-se dizer que a comunicação entre os homens e seres divinos estava presente na sociedade grega por intermédio das pitonisas, porém esse tipo de conhecimento relacionava-se à magia e aos seus mistérios. • Era importante para os filósofos gregos uma experiência individual para a confirmação dessas crenças (abaixo o Oráculo de Delfos).
  • 51. • Isso é muito claro nos casos de Pitágoras e Empédocles. • Sobre Pitágoras não se conservaram textos específicos, mas há testemunhos antigos de que ele se apresentava como alguém em contato com os deuses e com uma capacidade de se recordar de vidas passadas e reconhecer almas, parecido com a figura de um sacerdote (figura abaixo).
  • 52. • Pode-se considerar o orfismo e o pitagorismo como escolas que abraçavam a imortalidade e a transmigração da alma em suas crenças e que influenciaram muitos pensadores, tais como Empédocles, Parmênides, Sócrates e Platão. • Supõe-se que Ferécides tenha sido o mestre de Pitágoras.
  • 53. • Destarte, nos círculos helenísticos, Paulo desde cedo achou necessário (cf. 1 Co 15; At 17:32) combater o ceticismo completo acerca dela. • É compreensível que pessoas com esta maneira de pensar achassem a idéia da ressurreição sacramental no batismo muito mais apropriada, e que confinassem a ela o seu ensino acerca da ressurreição. • Tendências como estas tinham um atrativo especial sempre que o gnosticismo se estabelecia, e a presente passagem é evidência das tendências gnósticas dos sectários. • Paulo declara que, ao ensinarem tais distorções, estão pervertendo a fé a alguns.
  • 54. • É inevitável esse resultado, visto que a crença na ressurreição do corpo é a pedra angular do cristianismo; sem ela, conforme já asseverara aos coríntios (1 Co 15:17), “É vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.” • O perigo era tanto maior onde (conforme quase certamente ocorria no presente caso). • Negação tinha sua origem numa depreciação do corpo, que abria a porta, de um lado, para a idéia da salvação- própria por meio de práticas ascéticas (cf. 1 Tm 4:3), e, do outro lado, para a indiferença moral (cf. 1 Co 6:12 ss.)