SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
Pedagogia da Ação Pastoral 
―como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos". 
Ricardo Gondim pastorgondim@hotmail.com
O que torna uma Igreja madura? 
•Como Deus avalia a maturidade de uma igreja? 
•Pela quantidade de seus cultos? 
•Pela quantidade de pessoas se convertendo, ou pela aceleração de seu crescimento numérico? 
•Será que uma igreja madura e espiritual é uma igreja cheia de dons espirituais? 
•Será que uma igreja madura é aquela cujos membros são fiéis dizimistas e ofertantes? 
•Ou será que uma igreja madura é aquela que já tem sede própria e uma quantidade de membros que não oscila com facilidade? 
•O que afinal mostra a maturidade de uma igreja?
O que torna uma Igreja madura? 
•O que torna uma igreja madura, são membros fortemente alicerçados no Senhor, com um grau de maturidade tamanha, que nada pode abalar a sua fé 
•Propósito = Entender a fé e Defender a Fé
Missão Pastoral Esdras 7:10 Porque Esdras tinha preparado o seu coração para buscar a lei do SENHOR e para cumpri-la e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos. 
Buscar 
Cumprir 
Ensinar
•Neste mundo pós-moderno que vivemos, o homem passou a ser julgado não pelo seu caráter ou pelos seus valores, mas pelo seu perfil 
•Não temos mais valores absolutos, tudo é relativo 
•O que era correto a 50 anos, hoje não é mais 
•O homem passa então a ser avaliado pelo perfil
Por volta dos anos 50 e até o início dos anos 80 as grandes corporações avaliavam os seus empregados pelo QI QI – Quociente de Inteligência 
•Aptidão para números 
•Compreensão verbal 
•Rapidez de percepção 
•Raciocínio dedutivo 
•Visualização espacial 
•Memória privilegiada Cada uma destas habilidades propicia um melhor desenvolvimento profissional para os que conseguem reconhecer onde são melhores e utilizam estas habilidades em seu ambiente de trabalho
A partir dos anos 80 isso muda, lembram dos anos 80, onde tem início a geração X, aquela super inteligente mas com capacidade emocional desequilibrada ? As corporações voltam os seus olhos para os empregados com QE. QE – Quociente de Inteligência Emocional 
•É a capacidade humana de emitir julgamentos com base em princípios morais, principal fator para nos diferenciar de computadores (QI) e de alguns primatas capazes de sentir emoção (QE). Somos, seres, essencialmente espirituais, usamos nossa capacidade QS para agir em questões acerca do bem e do mal e imaginar possibilidades, sonhar e aspirar.
Só em meados da década de 90, a descoberta da inteligência emocional mostrou que não bastava a pessoa ser um gênio se não soubesse lidar com as emoções. Hoje, novas descobertas apontam para um terceiro quociente, o da inteligência espiritual. Ela nos ajudaria a lidar com questões essenciais e pode ser a chave para uma nova era também no mundo dos negócios QS – Quociente Espiritual 
•Implica ser capaz de usar o espiritual para ter uma vida com sentido 
•Finalidade e direção pessoal 
•Aumentar os horizontes e tornar-se criativo 
•Uma inteligência que impulsiona 
•Ter propósito na vida 
•Estimular o auto-conhecimento profundo
A partir da crise mundial de 2004 as empresas se voltaram para o último Q QR – Quociente de Resiliência 
•Resiliência é um termo utilizado para definir a capacidade humana de passar por experiências adversas sucessivas sem prejuízos para o desenvolvimento 
•É a capacidade de suportar adversidades 
•Traduzindo, é a capacidade do indivíduo de construir- se positivamente frente às adversidades
QR – Quociente de Resiliência É a palavra da moda que os gurus da autoajuda têm disseminado no meio acadêmico e em palestras motivacionais – resiliência é 
•Um termo retirado da física pelos ambientalistas que retrata o potencial de um ecossistema de retornar à condição original após pertubações sofridas 
•Na física, se refere à propriedade de alguns materiais de acumular energia quando submetidos a estresse e forças externas, sem ocorre rupturas 
•A psicologia incorporou o termo para explicar a capacidade de um indivíduo de lidar com obstáculos, pressões e situações adversas, a ponto de não entrar em crise ou suto
pleno conhecimento da vontade de Deus 
com toda a sabedoria e Discernimento 
vivam de maneira digna 
frutificando em toda boa obra 
crescendo no conhecimento de Deus 
sendo fortalecidos com todo o poder
Qual o resultado de toda a maturidade espiritual ? sendo fortalecidos com todo o poder, de acordo com a força da sua glória, para que tenham toda a perseverança e paciência com alegria, dando graças ao Pai, que nos tornou dignos de participar da herança dos santos no reino da luz. Corroborados em toda a fortaleza, segundo a força da sua glória, em toda a paciência, e longanimidade com gozo;
Missão Pastoral 
Esdras 7:10 
Porque Esdras tinha preparado o seu coração para buscar a lei do SENHOR e para cumpri-la e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos. 
Buscar 
Cumprir 
Ensinar
A pedagogia pastoral de Jesus 31 E ele, tornando a sair dos termos de Tiro e de Sidom, foi até ao mar da Galiléia, pelos confins de Decápolis. 32 E trouxeram-lhe um surdo, que falava dificilmente; e rogaram-lhe que pusesse a mão sobre ele. 33 E, tirando-o à parte, de entre a multidão, pôs-lhe os dedos nos ouvidos; e, cuspindo, tocou-lhe na língua. 34 E, levantando os olhos ao céu, suspirou, e disse: Efatá; isto é, Abre-te. 35 E logo se abriram os seus ouvidos, e a prisão da língua se desfez, e falava perfeitamente. 36 E ordenou-lhes que a ninguém o dissessem; mas, quanto mais lhos proibia, tanto mais o divulgavam. 37 E, admirando-se sobremaneira, diziam: Tudo faz bem; faz ouvir os surdos e falar os mudos. Marcos 7
Reflexões a cerca da pedagogia 
•Jesus está no meio da multidão 
•As pessoas levam aquele homem até Jesus 
•Quem tem dificuldades de ouvir, tem de falar, e se tem os dois provavelmente terá também de caminhar na vida (no sentido crescer) 
•Jesus recebe aquele moço e faz algo que a gente não tem vê muito com frequência, algo emblemático
A consulta de Jesus 
•Ele deixa a multidão 
•Pega aquele moço e o leva para um lugar em particular 
•Vai falar a sós e na língua dele (aramaico) ―Efatá‖ 
•Ele vai tocar naquele moço onde está doendo muito 
•Jesus sabe muito bem onde tocar
Considerações Práticas 1 – Esse homem não foi a Jesus sozinho, ELE FOI LEVADO 
•Nós temos a obrigação de levar aqueles que sofrem para o centro de recuperação dos desesperados e machucados: A igreja do Senhor Jesus. 
•Muitos que estão sofrendo precisam ser levados, precisam de ajuda.
•A educação teológica prática tem que olhar a sociedade com este propósito 
•Tem muita pregação expositiva que não está se preocupando com os necessitados 
•A correta pedagogia pastoral precisa conduzir as pessoas e levá-las a Cristo
2 – Aquele moço é muito bem recebido na igreja (aqui tem algo muito interessante) 
•Recepcionar bem não significa tratar bem 
•Os feridos tem prioridade na recepção e atendimento 
•Aquele que não está preparado para pregar para uma pessoa não pode pregar para uma multidão (Pr. Hernane Dias Lopes - Alguns pastores não pregam mais em cultos domésticos, mas dificilmente recusariam falar para um grande auditório)
•Jesus deixa a multidão e fica a sós com o moço 
•Nós precisamos formar uma igreja que esteja preocupada com o indivíduo, com a pessoa humana 
•E Jesus ensina isso, quer ver
João 5 1 DEPOIS disto havia uma festa entre os judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. 2 Ora, em Jerusalém há, próximo à porta das ovelhas, um tanque, chamado em hebreu Betesda, o qual tem cinco alpendres. 3 Nestes jazia grande multidão de enfermos, cegos, mancos e ressicados, esperando o movimento da água. 4 Porquanto um anjo descia em certo tempo ao tanque, e agitava a água; e o primeiro que ali descia, depois do movimento da água, sarava de qualquer enfermidade que tivesse. 5 E estava ali um homem que, havia trinta e oito anos, se achava enfermo. 6 E Jesus, vendo este deitado, e sabendo que estava neste estado havia muito tempo, disse- lhe: Queres ficar são? 7 O enfermo respondeu-lhe: Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me ponha no tanque; mas, enquanto eu vou, desce outro antes de mim. 8 Jesus disse-lhe: Levanta-te, toma o teu leito, e anda.
•A festa citada é a festa dos tabernáculos, a segunda mais importante do calendário judaico só perde para a Páscoa 
•Uma multidão estava reunida para a festa, judeus e estrangeiros de todas as partes de toda a galiléia 
•Muita festa, música, dança, gente importante, shows, ofertas e etc (se fosse hoje seria provavelmente um grande congresso com todos os grandes nomes da indústria gospel)
•E Jesus está indo em direção aquele frenesi todo 
•Em contraste com a festa outra multidão se concentra no Tanque de Betesda 
•Pro lado direito a Festa dos Tabernáculos 
•Do lado esquerdo a multidão de Betesda 
•Mas que tipo de multidão encontramos em Betesda? 
•Coxos, aleijados, cegos e enfermos de todo tipo, gente sem esperança, machucada e ferida
•Qual é a opção de Jesus ? 
•O show da fé dos religiosos ou o tanque do sofrimento? 
•Ele mergulha na dor das pessoas 
•Escolhe um mar de gente sofrida em vez dos holofotes e da fama 
•Ele se mistura nesse mar do sofrimento movendo as águas da esperança para uma multidão de anônimos 
•ESSA É A OPÇÃO DE JESUS
Volta pro texto de Marcos 
3 – Quem está sofrendo precisa de atenção especial 
•Machucados e feridos tem que ter atenção especial 
•Jesus dá atenção especial ao sofrido 
•A missão de seu ministério está focada nos necessitados Jesus respondeu: — Voltem e contem a João o que vocês estão ouvindo e vendo. Digam a ele que os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e os pobres recebem o evangelho.
4 – Jesus olha para o Céu e ora 
•A igreja não deve se envolver nas questões do sofrimento e da dor sem antes olhar para o céu 
•Esse ato de olhar para o céu ensina a igreja a parar de olhar na horizontal (onde podemos enxergar apenas os homems) e olhar na vertical 
•A partir do momento em que voce olha para o céu as suas limitações falam a Deus
•É como se voce dissesse: ―acabaram minhas possibilidades, estou diante das minhas limitações, agora tem que vir do céu‖ 
•De modo contrário, também, não adianta nada a igreja que só olha para o céu e se esquece de olhar para baixo
5 – Existem 5 atos de Jesus neste texto 
1.Jesus tira o homem da multidão 
2.Jesus toca aquele homem 
3.Jesus olha para o céu (e vendo-lhes a fé) 
4.Jesus suspira 
5.Jesus ora 
•Tem muita gente falando na igreja e agindo pouco 
•São cinco atos e só um deles é verbal
•Jesus a linguagem do céu 
•Efatá (a língua original de Jesus) 
•A igreja está perdendo a originalidade, fala-se mais em auto ajuda do que ajuda que vem do alto 1 COM a minha voz clamei ao SENHOR; com a minha voz supliquei ao SENHOR. 2 Derramei a minha queixa perante a sua face; expus-lhe a minha angústia. 
•A ênfase no texto de Marcos é em Jesus e não no método
•As igrejas estão dando muita ênfase para o método e se esquecendo que o importante é Jesus, o método não importa 
•Numa vez Ele toca, 
•noutra dá uma ordem, 
•outra cospe, 
•outra dá uma palavra, 
•outra chora 
•Nós não podemos esperar que as pessoas seja curadas e tratadas da mesma maneira porque quem cura é Jesus
•A questão não é o método é Jesus 
•Ele faz o que quer e como quer 
•Ver as questões do método
Pedagogia pastoral

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoRicardo Gondim
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02Joel Silva
 
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhorLbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhorboasnovassena
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01Joel Silva
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04Joel Silva
 
Domingo da Palavra de Deus 2021
Domingo da Palavra de Deus 2021Domingo da Palavra de Deus 2021
Domingo da Palavra de Deus 2021Jc Bento
 
Epístolas paulinas e gerais
Epístolas paulinas e geraisEpístolas paulinas e gerais
Epístolas paulinas e geraisDeuzenirACarneiro
 
Hebreus lições 09 e 10
Hebreus  lições 09 e 10Hebreus  lições 09 e 10
Hebreus lições 09 e 10olrsan
 
Curso para novos membros
Curso para novos membrosCurso para novos membros
Curso para novos membrosViva a Igreja
 
Teologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
Teologia da Fidelidade X Teologia da ProsperidadeTeologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
Teologia da Fidelidade X Teologia da ProsperidadeC. Soares
 
5 dons ministeriais
5 dons ministeriais5 dons ministeriais
5 dons ministeriaisLuiza Dayana
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPastor Natalino Das Neves
 
Lição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
Lição 08- A Igreja e Os Dons EspirituaisLição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
Lição 08- A Igreja e Os Dons EspirituaisMaxsuel Aquino
 
Reforma: Hoje e Amanhã
Reforma: Hoje e AmanhãReforma: Hoje e Amanhã
Reforma: Hoje e AmanhãViva a Igreja
 
Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)Daniel Junior
 
A necessidade de uma nova reforma
A necessidade de uma nova reformaA necessidade de uma nova reforma
A necessidade de uma nova reformaViva a Igreja
 

Mais procurados (20)

O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeito
 
O que e Igreja
O que e IgrejaO que e Igreja
O que e Igreja
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhorLbj lição 13   a igreja louvará eternamente ao senhor
Lbj lição 13 a igreja louvará eternamente ao senhor
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 01
 
Centralidade da Cruz
Centralidade da CruzCentralidade da Cruz
Centralidade da Cruz
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 04
 
Domingo da Palavra de Deus 2021
Domingo da Palavra de Deus 2021Domingo da Palavra de Deus 2021
Domingo da Palavra de Deus 2021
 
Epístolas paulinas e gerais
Epístolas paulinas e geraisEpístolas paulinas e gerais
Epístolas paulinas e gerais
 
Hebreus lições 09 e 10
Hebreus  lições 09 e 10Hebreus  lições 09 e 10
Hebreus lições 09 e 10
 
Curso para novos membros
Curso para novos membrosCurso para novos membros
Curso para novos membros
 
Teologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
Teologia da Fidelidade X Teologia da ProsperidadeTeologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
Teologia da Fidelidade X Teologia da Prosperidade
 
5 dons ministeriais
5 dons ministeriais5 dons ministeriais
5 dons ministeriais
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
Lição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
Lição 08- A Igreja e Os Dons EspirituaisLição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
Lição 08- A Igreja e Os Dons Espirituais
 
Reforma: Hoje e Amanhã
Reforma: Hoje e AmanhãReforma: Hoje e Amanhã
Reforma: Hoje e Amanhã
 
Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)
 
8. interceder
8. interceder8. interceder
8. interceder
 
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a políticaLBJ Lição 11 - A igreja e a política
LBJ Lição 11 - A igreja e a política
 
A necessidade de uma nova reforma
A necessidade de uma nova reformaA necessidade de uma nova reforma
A necessidade de uma nova reforma
 

Destaque

Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Ricardo Gondim
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Ricardo Gondim
 
Princípios de Orígenes
Princípios de OrígenesPrincípios de Orígenes
Princípios de OrígenesRicardo Gondim
 
Cristãos acolhedores
Cristãos acolhedoresCristãos acolhedores
Cristãos acolhedoresFlavio Brim
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomFlavio Brim
 
Olhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfícieOlhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfícieRicardo Gondim
 
Como nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programasComo nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programasFlavio Brim
 
Curso de teologia econômica 01
Curso de teologia econômica   01Curso de teologia econômica   01
Curso de teologia econômica 01Joao Franca
 
O mito de satanás
O mito de satanásO mito de satanás
O mito de satanásJoao Franca
 
Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016Flavio Brim
 
Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28Flavio Brim
 
Escatologia estudo 12 o juízo final
Escatologia  estudo 12   o juízo finalEscatologia  estudo 12   o juízo final
Escatologia estudo 12 o juízo finalJoao Franca
 
Aula 01 Escatologia o estado intermediário o destino dos mortos
Aula 01 Escatologia o estado intermediário o destino dos mortosAula 01 Escatologia o estado intermediário o destino dos mortos
Aula 01 Escatologia o estado intermediário o destino dos mortosbpclaudio11
 
A mensagem do evangelho
A mensagem do evangelhoA mensagem do evangelho
A mensagem do evangelhoRicardo Gondim
 
A crucificação de cristo
A crucificação de cristoA crucificação de cristo
A crucificação de cristoAdelino Santos
 

Destaque (20)

Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)
 
Meu teólogo favorito
Meu teólogo favoritoMeu teólogo favorito
Meu teólogo favorito
 
Princípios de Orígenes
Princípios de OrígenesPrincípios de Orígenes
Princípios de Orígenes
 
O julgamento de jesus
O julgamento de jesusO julgamento de jesus
O julgamento de jesus
 
Cristãos acolhedores
Cristãos acolhedoresCristãos acolhedores
Cristãos acolhedores
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalom
 
Olhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfícieOlhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfície
 
O problema do Perdão
O problema do PerdãoO problema do Perdão
O problema do Perdão
 
Como nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programasComo nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programas
 
Ppt educación pilares
Ppt educación pilaresPpt educación pilares
Ppt educación pilares
 
Curso de teologia econômica 01
Curso de teologia econômica   01Curso de teologia econômica   01
Curso de teologia econômica 01
 
O mito de satanás
O mito de satanásO mito de satanás
O mito de satanás
 
Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016Calendário shalom 2016
Calendário shalom 2016
 
Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28Slides shalom 2016 06 28
Slides shalom 2016 06 28
 
Escatologia estudo 12 o juízo final
Escatologia  estudo 12   o juízo finalEscatologia  estudo 12   o juízo final
Escatologia estudo 12 o juízo final
 
Aula 01 Escatologia o estado intermediário o destino dos mortos
Aula 01 Escatologia o estado intermediário o destino dos mortosAula 01 Escatologia o estado intermediário o destino dos mortos
Aula 01 Escatologia o estado intermediário o destino dos mortos
 
O evangelho de Paulo
O evangelho de PauloO evangelho de Paulo
O evangelho de Paulo
 
A mensagem do evangelho
A mensagem do evangelhoA mensagem do evangelho
A mensagem do evangelho
 
A crucificação de cristo
A crucificação de cristoA crucificação de cristo
A crucificação de cristo
 

Semelhante a Pedagogia pastoral

BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012cnisbrasil
 
Boletim 84
Boletim 84Boletim 84
Boletim 84CEJG
 
Os Desafios da EBD nos Dias Atuais para a Formação de Verdadeiros Cristaos
Os Desafios da EBD nos Dias Atuais para a Formação de Verdadeiros CristaosOs Desafios da EBD nos Dias Atuais para a Formação de Verdadeiros Cristaos
Os Desafios da EBD nos Dias Atuais para a Formação de Verdadeiros Cristaostenmario04
 
APRESENTAÇÃO OFICIAL
APRESENTAÇÃO OFICIALAPRESENTAÇÃO OFICIAL
APRESENTAÇÃO OFICIALMarkson Cézar
 
Palestra convidar os pobres e estropiados
Palestra convidar os pobres e estropiadosPalestra convidar os pobres e estropiados
Palestra convidar os pobres e estropiadosElizabeth Pimentel
 
As curas de jesus
As curas de jesusAs curas de jesus
As curas de jesusLisete B.
 
Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862igmateus
 
Parábola do semeador
Parábola do semeadorParábola do semeador
Parábola do semeadorSergio Menezes
 
Curso Expositor Espírita 2011
Curso Expositor Espírita 2011Curso Expositor Espírita 2011
Curso Expositor Espírita 2011newton bandini
 
Palestra ESE cap 7 pobres espirito
Palestra ESE cap 7 pobres espiritoPalestra ESE cap 7 pobres espirito
Palestra ESE cap 7 pobres espiritoTiburcio Santos
 
Palestra ESE25 buscai e achareis
Palestra ESE25   buscai e achareis Palestra ESE25   buscai e achareis
Palestra ESE25 buscai e achareis Tiburcio Santos
 
Formação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da PalavraFormação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da PalavraParoquiaStaCruz
 
Estratégias de evangelização dos pequeninos profª cristiane pessanha
Estratégias de evangelização dos pequeninos   profª cristiane pessanhaEstratégias de evangelização dos pequeninos   profª cristiane pessanha
Estratégias de evangelização dos pequeninos profª cristiane pessanhaprvladimir
 
Aula 3 Discipulado Cristão T24 pdf.pdf.
Aula 3 Discipulado Cristão T24 pdf.pdf.Aula 3 Discipulado Cristão T24 pdf.pdf.
Aula 3 Discipulado Cristão T24 pdf.pdf.sebastiaoluzemboluz
 

Semelhante a Pedagogia pastoral (20)

BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
BOLETIM FERMENTO NOVEMBRO DE 2012
 
Quero seguir-te - Pe. Marcos lvim
Quero seguir-te - Pe. Marcos lvimQuero seguir-te - Pe. Marcos lvim
Quero seguir-te - Pe. Marcos lvim
 
Cada um com seu Dom Espiritual
Cada um com seu Dom EspiritualCada um com seu Dom Espiritual
Cada um com seu Dom Espiritual
 
Boletim 84
Boletim 84Boletim 84
Boletim 84
 
Os Desafios da EBD nos Dias Atuais para a Formação de Verdadeiros Cristaos
Os Desafios da EBD nos Dias Atuais para a Formação de Verdadeiros CristaosOs Desafios da EBD nos Dias Atuais para a Formação de Verdadeiros Cristaos
Os Desafios da EBD nos Dias Atuais para a Formação de Verdadeiros Cristaos
 
APRESENTAÇÃO OFICIAL
APRESENTAÇÃO OFICIALAPRESENTAÇÃO OFICIAL
APRESENTAÇÃO OFICIAL
 
Leveza institucional
Leveza institucionalLeveza institucional
Leveza institucional
 
Palestra convidar os pobres e estropiados
Palestra convidar os pobres e estropiadosPalestra convidar os pobres e estropiados
Palestra convidar os pobres e estropiados
 
As curas de jesus
As curas de jesusAs curas de jesus
As curas de jesus
 
Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862
 
Parábola do semeador
Parábola do semeadorParábola do semeador
Parábola do semeador
 
Xi
XiXi
Xi
 
Curso Expositor Espírita 2011
Curso Expositor Espírita 2011Curso Expositor Espírita 2011
Curso Expositor Espírita 2011
 
Palestra ESE cap 7 pobres espirito
Palestra ESE cap 7 pobres espiritoPalestra ESE cap 7 pobres espirito
Palestra ESE cap 7 pobres espirito
 
Palestra ESE25 buscai e achareis
Palestra ESE25   buscai e achareis Palestra ESE25   buscai e achareis
Palestra ESE25 buscai e achareis
 
Formação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da PalavraFormação sobre a Celebração da Palavra
Formação sobre a Celebração da Palavra
 
Estratégias de evangelização dos pequeninos profª cristiane pessanha
Estratégias de evangelização dos pequeninos   profª cristiane pessanhaEstratégias de evangelização dos pequeninos   profª cristiane pessanha
Estratégias de evangelização dos pequeninos profª cristiane pessanha
 
Aula 3 Discipulado Cristão T24 pdf.pdf.
Aula 3 Discipulado Cristão T24 pdf.pdf.Aula 3 Discipulado Cristão T24 pdf.pdf.
Aula 3 Discipulado Cristão T24 pdf.pdf.
 
Jornal do Espiritismo Edição Maio/Junho
Jornal do Espiritismo Edição Maio/JunhoJornal do Espiritismo Edição Maio/Junho
Jornal do Espiritismo Edição Maio/Junho
 
Celula Holistica
Celula HolisticaCelula Holistica
Celula Holistica
 

Mais de Ricardo Gondim

Ministros e despenseiros
Ministros e despenseirosMinistros e despenseiros
Ministros e despenseirosRicardo Gondim
 
Carnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesCarnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesRicardo Gondim
 
Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénRicardo Gondim
 
Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação siteRicardo Gondim
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvaçãoRicardo Gondim
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteRicardo Gondim
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusRicardo Gondim
 
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
Aula 4  - Jesus, o grande SalvadorAula 4  - Jesus, o grande Salvador
Aula 4 - Jesus, o grande SalvadorRicardo Gondim
 
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Aula 3   A Superioridade do EvangelhoAula 3   A Superioridade do Evangelho
Aula 3 A Superioridade do EvangelhoRicardo Gondim
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de HebreusRicardo Gondim
 

Mais de Ricardo Gondim (20)

Salvação I
Salvação ISalvação I
Salvação I
 
Ministros e despenseiros
Ministros e despenseirosMinistros e despenseiros
Ministros e despenseiros
 
Carnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesCarnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisões
 
Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de Ninguén
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
Poéticos II
Poéticos IIPoéticos II
Poéticos II
 
Históricos III
Históricos IIIHistóricos III
Históricos III
 
Poéticos I
Poéticos IPoéticos I
Poéticos I
 
Históricos II
Históricos IIHistóricos II
Históricos II
 
Históricos I
Históricos IHistóricos I
Históricos I
 
Aula 2 - Pentateuco
Aula 2 - PentateucoAula 2 - Pentateuco
Aula 2 - Pentateuco
 
Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação site
 
Aula 1 genesis
Aula 1   genesisAula 1   genesis
Aula 1 genesis
 
Aula 1 introdução
Aula 1   introduçãoAula 1   introdução
Aula 1 introdução
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvação
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
 
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
Aula 4  - Jesus, o grande SalvadorAula 4  - Jesus, o grande Salvador
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
 
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Aula 3   A Superioridade do EvangelhoAula 3   A Superioridade do Evangelho
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
 

Último

Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoFabioLofrano
 
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Priscilatrigodecamar
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentaçãoantonio211075
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024LeonardoQuintanilha4
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...M.R.L
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaNilson Almeida
 

Último (14)

Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
 
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 

Pedagogia pastoral

  • 1. Pedagogia da Ação Pastoral ―como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos". Ricardo Gondim pastorgondim@hotmail.com
  • 2. O que torna uma Igreja madura? •Como Deus avalia a maturidade de uma igreja? •Pela quantidade de seus cultos? •Pela quantidade de pessoas se convertendo, ou pela aceleração de seu crescimento numérico? •Será que uma igreja madura e espiritual é uma igreja cheia de dons espirituais? •Será que uma igreja madura é aquela cujos membros são fiéis dizimistas e ofertantes? •Ou será que uma igreja madura é aquela que já tem sede própria e uma quantidade de membros que não oscila com facilidade? •O que afinal mostra a maturidade de uma igreja?
  • 3. O que torna uma Igreja madura? •O que torna uma igreja madura, são membros fortemente alicerçados no Senhor, com um grau de maturidade tamanha, que nada pode abalar a sua fé •Propósito = Entender a fé e Defender a Fé
  • 4. Missão Pastoral Esdras 7:10 Porque Esdras tinha preparado o seu coração para buscar a lei do SENHOR e para cumpri-la e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos. Buscar Cumprir Ensinar
  • 5. •Neste mundo pós-moderno que vivemos, o homem passou a ser julgado não pelo seu caráter ou pelos seus valores, mas pelo seu perfil •Não temos mais valores absolutos, tudo é relativo •O que era correto a 50 anos, hoje não é mais •O homem passa então a ser avaliado pelo perfil
  • 6. Por volta dos anos 50 e até o início dos anos 80 as grandes corporações avaliavam os seus empregados pelo QI QI – Quociente de Inteligência •Aptidão para números •Compreensão verbal •Rapidez de percepção •Raciocínio dedutivo •Visualização espacial •Memória privilegiada Cada uma destas habilidades propicia um melhor desenvolvimento profissional para os que conseguem reconhecer onde são melhores e utilizam estas habilidades em seu ambiente de trabalho
  • 7. A partir dos anos 80 isso muda, lembram dos anos 80, onde tem início a geração X, aquela super inteligente mas com capacidade emocional desequilibrada ? As corporações voltam os seus olhos para os empregados com QE. QE – Quociente de Inteligência Emocional •É a capacidade humana de emitir julgamentos com base em princípios morais, principal fator para nos diferenciar de computadores (QI) e de alguns primatas capazes de sentir emoção (QE). Somos, seres, essencialmente espirituais, usamos nossa capacidade QS para agir em questões acerca do bem e do mal e imaginar possibilidades, sonhar e aspirar.
  • 8. Só em meados da década de 90, a descoberta da inteligência emocional mostrou que não bastava a pessoa ser um gênio se não soubesse lidar com as emoções. Hoje, novas descobertas apontam para um terceiro quociente, o da inteligência espiritual. Ela nos ajudaria a lidar com questões essenciais e pode ser a chave para uma nova era também no mundo dos negócios QS – Quociente Espiritual •Implica ser capaz de usar o espiritual para ter uma vida com sentido •Finalidade e direção pessoal •Aumentar os horizontes e tornar-se criativo •Uma inteligência que impulsiona •Ter propósito na vida •Estimular o auto-conhecimento profundo
  • 9. A partir da crise mundial de 2004 as empresas se voltaram para o último Q QR – Quociente de Resiliência •Resiliência é um termo utilizado para definir a capacidade humana de passar por experiências adversas sucessivas sem prejuízos para o desenvolvimento •É a capacidade de suportar adversidades •Traduzindo, é a capacidade do indivíduo de construir- se positivamente frente às adversidades
  • 10. QR – Quociente de Resiliência É a palavra da moda que os gurus da autoajuda têm disseminado no meio acadêmico e em palestras motivacionais – resiliência é •Um termo retirado da física pelos ambientalistas que retrata o potencial de um ecossistema de retornar à condição original após pertubações sofridas •Na física, se refere à propriedade de alguns materiais de acumular energia quando submetidos a estresse e forças externas, sem ocorre rupturas •A psicologia incorporou o termo para explicar a capacidade de um indivíduo de lidar com obstáculos, pressões e situações adversas, a ponto de não entrar em crise ou suto
  • 11. pleno conhecimento da vontade de Deus com toda a sabedoria e Discernimento vivam de maneira digna frutificando em toda boa obra crescendo no conhecimento de Deus sendo fortalecidos com todo o poder
  • 12. Qual o resultado de toda a maturidade espiritual ? sendo fortalecidos com todo o poder, de acordo com a força da sua glória, para que tenham toda a perseverança e paciência com alegria, dando graças ao Pai, que nos tornou dignos de participar da herança dos santos no reino da luz. Corroborados em toda a fortaleza, segundo a força da sua glória, em toda a paciência, e longanimidade com gozo;
  • 13. Missão Pastoral Esdras 7:10 Porque Esdras tinha preparado o seu coração para buscar a lei do SENHOR e para cumpri-la e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos. Buscar Cumprir Ensinar
  • 14. A pedagogia pastoral de Jesus 31 E ele, tornando a sair dos termos de Tiro e de Sidom, foi até ao mar da Galiléia, pelos confins de Decápolis. 32 E trouxeram-lhe um surdo, que falava dificilmente; e rogaram-lhe que pusesse a mão sobre ele. 33 E, tirando-o à parte, de entre a multidão, pôs-lhe os dedos nos ouvidos; e, cuspindo, tocou-lhe na língua. 34 E, levantando os olhos ao céu, suspirou, e disse: Efatá; isto é, Abre-te. 35 E logo se abriram os seus ouvidos, e a prisão da língua se desfez, e falava perfeitamente. 36 E ordenou-lhes que a ninguém o dissessem; mas, quanto mais lhos proibia, tanto mais o divulgavam. 37 E, admirando-se sobremaneira, diziam: Tudo faz bem; faz ouvir os surdos e falar os mudos. Marcos 7
  • 15. Reflexões a cerca da pedagogia •Jesus está no meio da multidão •As pessoas levam aquele homem até Jesus •Quem tem dificuldades de ouvir, tem de falar, e se tem os dois provavelmente terá também de caminhar na vida (no sentido crescer) •Jesus recebe aquele moço e faz algo que a gente não tem vê muito com frequência, algo emblemático
  • 16. A consulta de Jesus •Ele deixa a multidão •Pega aquele moço e o leva para um lugar em particular •Vai falar a sós e na língua dele (aramaico) ―Efatá‖ •Ele vai tocar naquele moço onde está doendo muito •Jesus sabe muito bem onde tocar
  • 17. Considerações Práticas 1 – Esse homem não foi a Jesus sozinho, ELE FOI LEVADO •Nós temos a obrigação de levar aqueles que sofrem para o centro de recuperação dos desesperados e machucados: A igreja do Senhor Jesus. •Muitos que estão sofrendo precisam ser levados, precisam de ajuda.
  • 18. •A educação teológica prática tem que olhar a sociedade com este propósito •Tem muita pregação expositiva que não está se preocupando com os necessitados •A correta pedagogia pastoral precisa conduzir as pessoas e levá-las a Cristo
  • 19. 2 – Aquele moço é muito bem recebido na igreja (aqui tem algo muito interessante) •Recepcionar bem não significa tratar bem •Os feridos tem prioridade na recepção e atendimento •Aquele que não está preparado para pregar para uma pessoa não pode pregar para uma multidão (Pr. Hernane Dias Lopes - Alguns pastores não pregam mais em cultos domésticos, mas dificilmente recusariam falar para um grande auditório)
  • 20. •Jesus deixa a multidão e fica a sós com o moço •Nós precisamos formar uma igreja que esteja preocupada com o indivíduo, com a pessoa humana •E Jesus ensina isso, quer ver
  • 21. João 5 1 DEPOIS disto havia uma festa entre os judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. 2 Ora, em Jerusalém há, próximo à porta das ovelhas, um tanque, chamado em hebreu Betesda, o qual tem cinco alpendres. 3 Nestes jazia grande multidão de enfermos, cegos, mancos e ressicados, esperando o movimento da água. 4 Porquanto um anjo descia em certo tempo ao tanque, e agitava a água; e o primeiro que ali descia, depois do movimento da água, sarava de qualquer enfermidade que tivesse. 5 E estava ali um homem que, havia trinta e oito anos, se achava enfermo. 6 E Jesus, vendo este deitado, e sabendo que estava neste estado havia muito tempo, disse- lhe: Queres ficar são? 7 O enfermo respondeu-lhe: Senhor, não tenho homem algum que, quando a água é agitada, me ponha no tanque; mas, enquanto eu vou, desce outro antes de mim. 8 Jesus disse-lhe: Levanta-te, toma o teu leito, e anda.
  • 22. •A festa citada é a festa dos tabernáculos, a segunda mais importante do calendário judaico só perde para a Páscoa •Uma multidão estava reunida para a festa, judeus e estrangeiros de todas as partes de toda a galiléia •Muita festa, música, dança, gente importante, shows, ofertas e etc (se fosse hoje seria provavelmente um grande congresso com todos os grandes nomes da indústria gospel)
  • 23. •E Jesus está indo em direção aquele frenesi todo •Em contraste com a festa outra multidão se concentra no Tanque de Betesda •Pro lado direito a Festa dos Tabernáculos •Do lado esquerdo a multidão de Betesda •Mas que tipo de multidão encontramos em Betesda? •Coxos, aleijados, cegos e enfermos de todo tipo, gente sem esperança, machucada e ferida
  • 24. •Qual é a opção de Jesus ? •O show da fé dos religiosos ou o tanque do sofrimento? •Ele mergulha na dor das pessoas •Escolhe um mar de gente sofrida em vez dos holofotes e da fama •Ele se mistura nesse mar do sofrimento movendo as águas da esperança para uma multidão de anônimos •ESSA É A OPÇÃO DE JESUS
  • 25. Volta pro texto de Marcos 3 – Quem está sofrendo precisa de atenção especial •Machucados e feridos tem que ter atenção especial •Jesus dá atenção especial ao sofrido •A missão de seu ministério está focada nos necessitados Jesus respondeu: — Voltem e contem a João o que vocês estão ouvindo e vendo. Digam a ele que os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e os pobres recebem o evangelho.
  • 26. 4 – Jesus olha para o Céu e ora •A igreja não deve se envolver nas questões do sofrimento e da dor sem antes olhar para o céu •Esse ato de olhar para o céu ensina a igreja a parar de olhar na horizontal (onde podemos enxergar apenas os homems) e olhar na vertical •A partir do momento em que voce olha para o céu as suas limitações falam a Deus
  • 27. •É como se voce dissesse: ―acabaram minhas possibilidades, estou diante das minhas limitações, agora tem que vir do céu‖ •De modo contrário, também, não adianta nada a igreja que só olha para o céu e se esquece de olhar para baixo
  • 28. 5 – Existem 5 atos de Jesus neste texto 1.Jesus tira o homem da multidão 2.Jesus toca aquele homem 3.Jesus olha para o céu (e vendo-lhes a fé) 4.Jesus suspira 5.Jesus ora •Tem muita gente falando na igreja e agindo pouco •São cinco atos e só um deles é verbal
  • 29. •Jesus a linguagem do céu •Efatá (a língua original de Jesus) •A igreja está perdendo a originalidade, fala-se mais em auto ajuda do que ajuda que vem do alto 1 COM a minha voz clamei ao SENHOR; com a minha voz supliquei ao SENHOR. 2 Derramei a minha queixa perante a sua face; expus-lhe a minha angústia. •A ênfase no texto de Marcos é em Jesus e não no método
  • 30. •As igrejas estão dando muita ênfase para o método e se esquecendo que o importante é Jesus, o método não importa •Numa vez Ele toca, •noutra dá uma ordem, •outra cospe, •outra dá uma palavra, •outra chora •Nós não podemos esperar que as pessoas seja curadas e tratadas da mesma maneira porque quem cura é Jesus
  • 31. •A questão não é o método é Jesus •Ele faz o que quer e como quer •Ver as questões do método