SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Bíblica Dominical
A disciplina na vida do Obreiro
Alertar sobre as
responsabilidades e atribuições
de um obreiro.
1. A Disciplina
2. Disciplina na vida do obreiro
3. Exercício da autoridade
4. A Autodisciplina
5. Disciplina do corpo
6. Disciplina Espiritual
“Disciplina é o conjunto dos
regulamentos destinados a
manter a boa ordem em
qualquer assembleia ou
corporação”
II Tm. 2.14-16,22-25
14 - Traze estas coisas à memória, ordenando-lhes diante do Senhor que não tenham
contendas de palavras, que para nada aproveitam e são para perversão dos ouvintes.
15 - Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se
envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.
16 - Mas evita os falatórios profanos, porque produzirão maior impiedade.
22 - Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz
com os que, com um coração puro, invocam o Senhor.
23 - E rejeita as questões loucas, e sem instrução, sabendo que produzem contendas.
24 - E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com
todos, apto para ensinar, sofredor;
25 - Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará
arrependimento para conhecerem a verdade,
As pessoas sempre buscam o seu
próprio bem-estar, seja físico,
emocional ou material. A mídia, por sua
vez, sempre divulga receitas e métodos
que levam à felicidade temporal. Muda-
se o cabelo, as roupas, compram-se
carros, casas e, às vezes, vivem
dissolutamente, etc.
Entretanto, para nós que servimos a
um Deus-vivo, o valor verdadeiro e
permanente da alegria consiste em
estar em plena comunhão com Ele. A
Bíblia expõe isto de diversas maneiras:
“justificados, pois, mediante a fé,
temos paz com Deus por meio de nosso
Senhor Jesus Cristo”, Rm 5.1. A
justificação nos reconcilia com Deus
(2Co 5.18-19). Aqueles que buscam ao
Senhor encontram a vida (Am 5.4).
A disciplina e a instrução do Senhor
sempre nos trazem benefícios: “Filho
meu, atenta para as minhas palavras;
aos meus ensinamentos inclina os
ornados. Não os deixes apartar-se dos
teus olhos; guarda-os no mais íntimo
do teu coração. Porque são vida para
quem os acha e saúde, para o seu
corpo”, Pv 4.20-22.
Não confundamos disciplina
com doutrina bíblica, muito
menos com usos e costumes.
A disciplina está relacionada
à ética (sistema de princípios
morais, regras e padrões de
conduta) e a moral (princípio
de certo e errado), e deriva,
para a Igreja, da doutrina.
Por disciplina, podemos definir como “um conjunto de
instruções destinado a manter a boa ordem”. Para
os cristãos, estas instruções são os preceitos divinos (Sl
19.8) que nos fazem andar no caminho da justiça e da
verdade.
Doutrina é, por sua vez, o
conjunto de princípios bíblicos,
teológicos, éticos e morais,
expostos mediante ensino
sistemático.
Usos e costumes são
decorrência das tradições que
nossas igrejas herdaram no que
diz respeito ao vestuário e a
outros pontos de importância
periférica à vida cristã. São
estritamente dependentes do
contexto cultural e/ou histórico
da igreja.
O princípio da disciplina deve ser
bíblico: “não desprezes, pois, a
disciplina do Todo-Poderoso”, Jó
5.17. Os preceitos do Senhor são
lâmpada para os nossos pés e luz
para os nossos caminhos (Sl
119.105). Nossas regras de
conduta devem ser baseadas
estritamente na Bíblia, uma vez
que o obreiro deve ter como
alvo agradar a Deus e não a si
próprio.
No entanto, extremos devem ser
evitados. Assim como existem
aqueles que fazem a obra do
Senhor relaxadamente,
também encontramos os que são
regidos por uma disciplina tão
exigente que terminam julgando
a si mesmos (1Co 4.3).
Tais são os que, mesmo na
Igreja, ainda carregam o fardo
pesado do legalismo e da
observância às tradições
humanas (Mt 23.4). Temperança
é uma virtude que deve ser
vivida por todo cristão (Gl 5.22).
O obreiro é chamado para servir
à igreja e ao Reino de Deus. Tais
tarefas acarretam em
responsabilidades que são
alheias a cristãos comuns.
Melhor é o homem que “domina
o seu espírito, do que o que
toma uma cidade”, Ec 16.32.
Um obreiro disciplinado tem uma
vida espiritual sadia, e palavras
apropriadas para todas as
circunstâncias.
Ele conhece, ora, jejua, serve,
adora, obedece, é humilde,
corrige e é padrão de conduta
(1Tm 4.12), não é preguiçoso
(Rm 16.12), e não tem do que se
envergonhar pois maneja bem a
Palavra da verdade (2Tm 2.15).
Imagine se o apóstolo Paulo não
estudasse as Escrituras (2Tm
4.13), saberia ele como ensinar à
igreja de Deus? Imagine também
se ele não gostasse de orar (2Co
12.7-10)? Teria ele recebido as
revelações de Deus. Ou ainda se
ele fosse preguiçoso (At 18.2-3),
como teria se mantido quando
pregou o Evangelho em
Tessalônica (1Ts 2.9)?
Por outro lado, vemos que aqueles que rejeitam uma boa
consciência, naufragam na fé (1Tm 1.19). Demas amou
este presente século (2Tm 4.10), pois o mundo ensina os
homens a viverem dissolutamente. (I Pe 5.8)
Saber como usar a Bíblia é
fundamental na vida do líder. E
triste quando encontramos uma
igreja onde seu líder não sabe
como usar as Escrituras. Como um
líder que não sabe usar a Bíblia
poderá tratar de assuntos éticos,
morais e doutrinários? Como
poderá aplicar a disciplina ao corpo
de obreiros ou a disciplina
eclesiástica aos membros?
Devemos sempre ter em mente
que nossa autoridade advém de
Deus. A Bíblia não é apenas um
livro, é a Palavra de Deus. As
Escrituras têm o poder de penetrar
no mais íntimo do coração
humano e ainda discernir os
pensamentos e propósitos do
coração (Hb 4.12).
A autoridade do líder pode
também ser vista no seu
exemplo pessoal, na sua
família e por meio de suas
palavras. Jesus fora
destacado em seus ensinos
entre a multidão porque a
sua doutrina tinha
autoridade.
Ela não tinha o mesmo caráter da doutrina
dos escribas (Mt 7.29), que além de não ter
autoridade, não tinha propriedade, pois em
essência não condizia com aquilo que
viviam.
Um soldado não busca seus
interesses. Antes ele é
disciplinado. Imaginem um
soldado que acorda às 10h
da manhã, que não faz
exercícios físicos, almoça e
janta em horários confusos;
que não faça a barba todo
dia, e que ainda por cima
não cumpre as ordens de
seu comandante. Será que este soldado alistou-se mesmo ou
ele só esta dando a impressão que é do
exercito?
Da mesma forma, um líder
cristão deve ajustar e
coordenar as suas vontades
e desejos, produzir e treinar
os pensamentos, direcionar
e limitar sentimentos,
educar e transformar
comportamento e atitudes.
O apóstolo Paulo era tão focado e
disciplinado, em seu ministério, que
convocou Timóteo, dizendo para que
este sofresse juntamente com ele as
aflições como um bom soldado de
Cristo (2Tm 2.3).
Na autodisciplina, o obreiro
deve ter em mente esses
princípios gerais; deve
também ter plena
consciência de que, através
disso, não apenas a sua
alma é renovada e curada,
mas também a de seus
ouvintes, visto que ele é um
instrumento de Deus à
edificação da igreja (Ef 4.11-
13).
Jesus fez em três anos e meio
de ministério o que nós,
talvez, levemos uma vida
inteira (Se fizer). Todavia,
como pode ser observado, Ele
era um homem
experimentado no trabalho.
A Bíblia o chama de “homem
de dores que sabe o que é
padecer”, (Is 53.3).
Nós, trabalhamos,
padecemos, mas para o nosso
próprio benefício. O Senhor
Jesus fez tudo isso não para o
seu benefício, mas para o
bem de todos os seres
humanos. Semelhantemente
aquele que serve à Igreja
deve saber que o maior
entre nós, servirá o menor
(Lc 22.26-27).
Cristo disse, “Porque eu vos dei o exemplo,
para que, como eu vos fiz, façais vós
também”, Jo 13.15.
E claro que nós também não
podemos abusar de nosso
corpo a tal ponto de
destruirmos o Templo do
Espírito Santo. Aqui vale
novamente a recomendação
bíblica de que o obreiro deve
ser sóbrio e equilibrado em
tudo o que faz.
Mesmo que soframos debilidades físicas,
em servir ao Senhor, nossa esperança não
se murcha, pois se com Cristo padecemos,
com ele seremos glorificados (Rm 8.17).
Esses princípios nos ensinam
que o líder disciplinado é
aquele que se entrega por
inteiro à obra de Deus; que
obedece cabalmente à sua
vontade. Quem dá o
crescimento é Deus!
A base da nossa disciplina
espiritual está relacionada à
obra da santificação que o
Espírito Santo realiza em
nosso coração. É a batalha
entre o Espírito Santo e a
nossa natureza pecaminosa
(Gl 5.17).
O líder cristão deve ter uma mente disciplinada, não se
conformando com o mundo (Rm 12.2). A consagração da
mente é algo muito importante na vida do obreiro.
Paulo recomenda aos irmãos
de Filipos, “irmãos, tudo o que
é verdadeiro, tudo o que é
respeitável, tudo o que é
justo, tudo o que é puro, tudo
o que é amável, tudo o que é
de boa fama, se alguma
virtude há e se algum louvor
existe, seja isso o que ocupe o
vosso pensamento”, Fp 4.8.
Uma forma de avaliar como
vai a nossa mente é
prestarmos atenção no que a
nossa boca constantemente
anda falando, pois a boca fala
daquilo que o coração está
cheio, daquilo que a mente se
ocupa (Mt 12.34).
Outro item importante à
disciplina espiritual é o
exercício constante da fé
cristã, pelos meios ordinários
constituídos por Deus, que são
a leitura da Bíblia, a oração, a
adoração e louvor e a Santa
Ceia. Já o exercício da fé,
através dos meios
extraordinários, são aquelas
obras que Deus realiza no dia-
a-dia de nossa vida.
A disciplina espiritual do
obreiro deve estender-se à
igreja. Observe que, quando
Cristo censurou algumas
igrejas na Ásia menor, Ele
dirigiu-se ao “anjo da Igreja”,
que é o líder do rebanho de
Deus aqui na Terra (Ap 2.3),
porque compete ao líder ser o
canal de bênçãos para o povo
de Deus.
Ao obreiro é conveniente a
irrepreensibilidade. Ele é um
padrão para os fiéis. O Senhor
não somente exige qualidade,
mas também nos dá graça
para executarmos a sua
vontade.
Conclusão:
Claramente vemos o apóstolo Paulo multiplicando o
conhecimento das obras do Senhor, movido por uma
disciplina que antes era para a guarda da lei, agora
muito maior ao anunciar as obras de Jesus.
Estudo disponível no
Facebook
www.facebook.com/EBDFrutosparaVida
Necessário baixar o
aplicativo slideshare para
visualização em
smartphones e tablets

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
valmarques
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Rodrigo Ribeiro
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
Junior Cesar Santiago
 
Estudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e OfertasEstudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e Ofertas
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristãoLição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Erberson Pinheiro
 
Esperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesusEsperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesus
Márcio Martins
 
O batismo nas águas
O  batismo nas águasO  batismo nas águas
O batismo nas águas
Marcelo Santos
 
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMOTREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
igrejafecrista
 
Obreiro aprovado
Obreiro aprovadoObreiro aprovado
Obreiro aprovado
shalonahr
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
vagner costa
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
Alice Costa
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Éder Tomé
 
Santa Ceia do Senhor
Santa Ceia do SenhorSanta Ceia do Senhor
Santa Ceia do Senhor
Almy Alves
 
Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16
aldeirdb
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
IBMemorialJC
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
Narlea Walkyse
 
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministérioCETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
Ednilson do Valle
 
Evangelismo
EvangelismoEvangelismo
Evangelismo
guestf8ed39
 
Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
Cleiton Azevedo
 

Mais procurados (20)

estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
 
Estudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e OfertasEstudo Dízimos e Ofertas
Estudo Dízimos e Ofertas
 
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristãoLição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
 
Esperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesusEsperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesus
 
O batismo nas águas
O  batismo nas águasO  batismo nas águas
O batismo nas águas
 
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMOTREINAMENTO PARA EVANGELISMO
TREINAMENTO PARA EVANGELISMO
 
Obreiro aprovado
Obreiro aprovadoObreiro aprovado
Obreiro aprovado
 
Maturidade CRISTA
Maturidade CRISTAMaturidade CRISTA
Maturidade CRISTA
 
Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019Manual do obreiro adrv 2019
Manual do obreiro adrv 2019
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
Santa Ceia do Senhor
Santa Ceia do SenhorSanta Ceia do Senhor
Santa Ceia do Senhor
 
Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16Apostila de evangelismo marcos 16
Apostila de evangelismo marcos 16
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
 
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministérioCETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
CETADEB - Lição 1 - O preparo do obreiro para o ministério
 
Evangelismo
EvangelismoEvangelismo
Evangelismo
 
Curso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconosCurso de formação de diáconos
Curso de formação de diáconos
 

Destaque

Características do obreiro coluna
Características do obreiro colunaCaracterísticas do obreiro coluna
Características do obreiro coluna
Evandro Cruz
 
A fidelidade dos obreiros do Senhor
A fidelidade dos obreiros do SenhorA fidelidade dos obreiros do Senhor
A fidelidade dos obreiros do Senhor
Moisés Sampaio
 
Ministério do obreiro
Ministério do obreiroMinistério do obreiro
Ministério do obreiro
andrepaidafe
 
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola DonminicalA FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
yosseph2013
 
Preparando Obreiros Para A úLtima Hora
Preparando Obreiros Para A úLtima HoraPreparando Obreiros Para A úLtima Hora
Preparando Obreiros Para A úLtima Hora
Catedral de Adoração
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
CELSO SOARES
 
Youblisher.com 96282-odilon cpo
Youblisher.com 96282-odilon cpoYoublisher.com 96282-odilon cpo
Youblisher.com 96282-odilon cpo
Flavia Marques
 
Estudo para a Liderança da Igreja
Estudo para a Liderança da IgrejaEstudo para a Liderança da Igreja
Estudo para a Liderança da Igreja
Daniel Junior
 
Reunião dos pastores da Região do Cariri
Reunião dos pastores da Região do CaririReunião dos pastores da Região do Cariri
Reunião dos pastores da Região do Cariri
jonasfreitasdejesus
 
Apostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosApostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreiros
mgno42
 
ética cristã - teologia do obreiro
 ética cristã - teologia do obreiro ética cristã - teologia do obreiro
ética cristã - teologia do obreiro
Marcelo Mardson Souza Lima E Silva
 
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerialManual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
Ricardo819
 
Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!
Dalila Melo
 
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURAO DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
Tiago Silveira
 
Lição 1 O perfil bíblico de um líder
Lição 1 O perfil bíblico de um líderLição 1 O perfil bíblico de um líder
Lição 1 O perfil bíblico de um líder
Escola Bíblica Dominical - Betel
 
Treinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASDTreinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASD
Gilson Barbosa
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
Anapaula Ribeiro
 
Servir E Marchar. Jrcordeiro.
Servir E Marchar. Jrcordeiro.Servir E Marchar. Jrcordeiro.
Servir E Marchar. Jrcordeiro.
José Roberto Cordeiro
 
Pregação - Ide e aprendei
Pregação - Ide e aprendeiPregação - Ide e aprendei
Pregação - Ide e aprendei
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Aprovados por deus lição 8 - 3 trim 2015 - Prof. ELSON LOUREIRO
Aprovados por deus lição 8 -  3 trim 2015 - Prof.  ELSON LOUREIROAprovados por deus lição 8 -  3 trim 2015 - Prof.  ELSON LOUREIRO
Aprovados por deus lição 8 - 3 trim 2015 - Prof. ELSON LOUREIRO
Elson Juvenal Pinto Loureiro
 

Destaque (20)

Características do obreiro coluna
Características do obreiro colunaCaracterísticas do obreiro coluna
Características do obreiro coluna
 
A fidelidade dos obreiros do Senhor
A fidelidade dos obreiros do SenhorA fidelidade dos obreiros do Senhor
A fidelidade dos obreiros do Senhor
 
Ministério do obreiro
Ministério do obreiroMinistério do obreiro
Ministério do obreiro
 
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola DonminicalA FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
A FIDELIDADE DOS OBREIROS DO SENHOR - Lição 06 – Escola Donminical
 
Preparando Obreiros Para A úLtima Hora
Preparando Obreiros Para A úLtima HoraPreparando Obreiros Para A úLtima Hora
Preparando Obreiros Para A úLtima Hora
 
Curso para obreiros
Curso para obreirosCurso para obreiros
Curso para obreiros
 
Youblisher.com 96282-odilon cpo
Youblisher.com 96282-odilon cpoYoublisher.com 96282-odilon cpo
Youblisher.com 96282-odilon cpo
 
Estudo para a Liderança da Igreja
Estudo para a Liderança da IgrejaEstudo para a Liderança da Igreja
Estudo para a Liderança da Igreja
 
Reunião dos pastores da Região do Cariri
Reunião dos pastores da Região do CaririReunião dos pastores da Região do Cariri
Reunião dos pastores da Região do Cariri
 
Apostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosApostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreiros
 
ética cristã - teologia do obreiro
 ética cristã - teologia do obreiro ética cristã - teologia do obreiro
ética cristã - teologia do obreiro
 
Manual de ética ministerial
Manual de ética ministerialManual de ética ministerial
Manual de ética ministerial
 
Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!Obreiros do senhor!
Obreiros do senhor!
 
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURAO DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
O DIÁCONO QUE DEUS PROCURA
 
Lição 1 O perfil bíblico de um líder
Lição 1 O perfil bíblico de um líderLição 1 O perfil bíblico de um líder
Lição 1 O perfil bíblico de um líder
 
Treinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASDTreinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASD
 
58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc58723691 curso-de-diacono-doc
58723691 curso-de-diacono-doc
 
Servir E Marchar. Jrcordeiro.
Servir E Marchar. Jrcordeiro.Servir E Marchar. Jrcordeiro.
Servir E Marchar. Jrcordeiro.
 
Pregação - Ide e aprendei
Pregação - Ide e aprendeiPregação - Ide e aprendei
Pregação - Ide e aprendei
 
Aprovados por deus lição 8 - 3 trim 2015 - Prof. ELSON LOUREIRO
Aprovados por deus lição 8 -  3 trim 2015 - Prof.  ELSON LOUREIROAprovados por deus lição 8 -  3 trim 2015 - Prof.  ELSON LOUREIRO
Aprovados por deus lição 8 - 3 trim 2015 - Prof. ELSON LOUREIRO
 

Semelhante a Lição 2 A disciplina na vida do obreiro

G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
Carlos Alberto Monteiro
 
Teologia pastoral
Teologia pastoralTeologia pastoral
Teologia pastoral
ibaderj
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igreja
boasnovassena
 
Os meios da graça
Os meios da graçaOs meios da graça
Os meios da graça
Guilherme Souza Oliveira
 
capitulo 7.pptx
capitulo 7.pptxcapitulo 7.pptx
capitulo 7.pptx
MateusFernandes900459
 
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCAManual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
MINISTERIO IPCA.
 
DISCIPULANDO LIDERES ESPIRITUAIS
DISCIPULANDO LIDERES ESPIRITUAISDISCIPULANDO LIDERES ESPIRITUAIS
DISCIPULANDO LIDERES ESPIRITUAIS
Deonice E Orlando Sazonov
 
A igrea e a disciplina
A igrea e a disciplinaA igrea e a disciplina
A igrea e a disciplina
Paulo Roberto
 
9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel
Edma Simão
 
9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel
Claudinei Dias
 
01 principios-elementares2006
01 principios-elementares200601 principios-elementares2006
01 principios-elementares2006
Marcos Luiz DA Silva
 
Jesus Restaurador de Vidas
Jesus Restaurador de VidasJesus Restaurador de Vidas
Jesus Restaurador de Vidas
SamuelKapangue1
 
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Pr. Andre Luiz
 
Crescer em cristo juniores
Crescer em cristo   junioresCrescer em cristo   juniores
Crescer em cristo juniores
Sandra Fuso
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃLIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
 
Princípios Doutrinários
Princípios DoutrináriosPrincípios Doutrinários
Princípios Doutrinários
Jessé Lopes
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
Joel Silva
 
01 Síntese Doutrinária -- Doutrina.pptx
01 Síntese  Doutrinária -- Doutrina.pptx01 Síntese  Doutrinária -- Doutrina.pptx
01 Síntese Doutrinária -- Doutrina.pptx
GelsonVarjo
 

Semelhante a Lição 2 A disciplina na vida do obreiro (20)

G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
G12 Estudos e Reflexoes sobre o movimento.
 
Teologia pastoral
Teologia pastoralTeologia pastoral
Teologia pastoral
 
Lbj lição 3 a organização da igreja
Lbj lição 3   a organização da igrejaLbj lição 3   a organização da igreja
Lbj lição 3 a organização da igreja
 
Os meios da graça
Os meios da graçaOs meios da graça
Os meios da graça
 
Lição 2 o propósito do curso
Lição 2   o propósito do cursoLição 2   o propósito do curso
Lição 2 o propósito do curso
 
capitulo 7.pptx
capitulo 7.pptxcapitulo 7.pptx
capitulo 7.pptx
 
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCAManual dos obreiros do Ministério IPCA
Manual dos obreiros do Ministério IPCA
 
DISCIPULANDO LIDERES ESPIRITUAIS
DISCIPULANDO LIDERES ESPIRITUAISDISCIPULANDO LIDERES ESPIRITUAIS
DISCIPULANDO LIDERES ESPIRITUAIS
 
A igrea e a disciplina
A igrea e a disciplinaA igrea e a disciplina
A igrea e a disciplina
 
9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel
 
9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel9 marcas uma_igreja_sauldavel
9 marcas uma_igreja_sauldavel
 
01 principios-elementares2006
01 principios-elementares200601 principios-elementares2006
01 principios-elementares2006
 
Jesus Restaurador de Vidas
Jesus Restaurador de VidasJesus Restaurador de Vidas
Jesus Restaurador de Vidas
 
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs - Lição 03 - 3ºTrimestre de 2015
 
Crescer em cristo juniores
Crescer em cristo   junioresCrescer em cristo   juniores
Crescer em cristo juniores
 
Lição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagraçãoLição 10 - O jovem e a consagração
Lição 10 - O jovem e a consagração
 
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃLIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
LIÇÃO - 12 A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ
 
Princípios Doutrinários
Princípios DoutrináriosPrincípios Doutrinários
Princípios Doutrinários
 
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02E.b.d   jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
E.b.d jovens 1ºtrimestre 2017 lição 02
 
01 Síntese Doutrinária -- Doutrina.pptx
01 Síntese  Doutrinária -- Doutrina.pptx01 Síntese  Doutrinária -- Doutrina.pptx
01 Síntese Doutrinária -- Doutrina.pptx
 

Mais de Wander Sousa

Lição 40 O perigo das obras da carne
Lição 40   O perigo das obras da carneLição 40   O perigo das obras da carne
Lição 40 O perigo das obras da carne
Wander Sousa
 
Lição 39 Integridade em tempos de crise
Lição 39   Integridade em tempos de criseLição 39   Integridade em tempos de crise
Lição 39 Integridade em tempos de crise
Wander Sousa
 
Lição 38 Ídolos
Lição 38   ÍdolosLição 38   Ídolos
Lição 38 Ídolos
Wander Sousa
 
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteLição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Wander Sousa
 
Lição 36 as limitações dos discípulos
Lição 36   as limitações dos discípulosLição 36   as limitações dos discípulos
Lição 36 as limitações dos discípulos
Wander Sousa
 
Lição 35 o cuidado com a língua
Lição 35   o cuidado com a línguaLição 35   o cuidado com a língua
Lição 35 o cuidado com a língua
Wander Sousa
 
Lição 34 O propósito da tentação
Lição 34   O propósito da tentaçãoLição 34   O propósito da tentação
Lição 34 O propósito da tentação
Wander Sousa
 
Lição 33 Desafios de um casamento
Lição 33   Desafios de um casamentoLição 33   Desafios de um casamento
Lição 33 Desafios de um casamento
Wander Sousa
 
Lição 32 Fé em meio às injustiças
Lição 32   Fé em meio às injustiçasLição 32   Fé em meio às injustiças
Lição 32 Fé em meio às injustiças
Wander Sousa
 
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31   As consequências das escolhas precipitadasLição 31   As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
Wander Sousa
 
Dons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasDons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulas
Wander Sousa
 
Lição 29 Os dons espirituais
Lição 29   Os dons espirituaisLição 29   Os dons espirituais
Lição 29 Os dons espirituais
Wander Sousa
 
Lição 28 O poder da evangelização na família
Lição 28   O poder da evangelização na famíliaLição 28   O poder da evangelização na família
Lição 28 O poder da evangelização na família
Wander Sousa
 
Lição 27 Jesus e a felicidade
Lição 27   Jesus e a felicidadeLição 27   Jesus e a felicidade
Lição 27 Jesus e a felicidade
Wander Sousa
 
Lição 26 Os falsos profetas
Lição 26   Os falsos profetasLição 26   Os falsos profetas
Lição 26 Os falsos profetas
Wander Sousa
 
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25   Cuidado com as pequenas coisasLição 25   Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
Wander Sousa
 
Lição 24 Desafios de um Casamento
Lição 24   Desafios de um CasamentoLição 24   Desafios de um Casamento
Lição 24 Desafios de um Casamento
Wander Sousa
 
Lição 23 Depressão, a doença da alma
Lição 23   Depressão, a doença da almaLição 23   Depressão, a doença da alma
Lição 23 Depressão, a doença da alma
Wander Sousa
 
Lição 22 Terceira idade
Lição 22   Terceira idadeLição 22   Terceira idade
Lição 22 Terceira idade
Wander Sousa
 
Lição 21 Rebelião
Lição 21   RebeliãoLição 21   Rebelião
Lição 21 Rebelião
Wander Sousa
 

Mais de Wander Sousa (20)

Lição 40 O perigo das obras da carne
Lição 40   O perigo das obras da carneLição 40   O perigo das obras da carne
Lição 40 O perigo das obras da carne
 
Lição 39 Integridade em tempos de crise
Lição 39   Integridade em tempos de criseLição 39   Integridade em tempos de crise
Lição 39 Integridade em tempos de crise
 
Lição 38 Ídolos
Lição 38   ÍdolosLição 38   Ídolos
Lição 38 Ídolos
 
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crenteLição 37   O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
Lição 37 O fruto do Espírito — a plenitude de Cristo na vida do crente
 
Lição 36 as limitações dos discípulos
Lição 36   as limitações dos discípulosLição 36   as limitações dos discípulos
Lição 36 as limitações dos discípulos
 
Lição 35 o cuidado com a língua
Lição 35   o cuidado com a línguaLição 35   o cuidado com a língua
Lição 35 o cuidado com a língua
 
Lição 34 O propósito da tentação
Lição 34   O propósito da tentaçãoLição 34   O propósito da tentação
Lição 34 O propósito da tentação
 
Lição 33 Desafios de um casamento
Lição 33   Desafios de um casamentoLição 33   Desafios de um casamento
Lição 33 Desafios de um casamento
 
Lição 32 Fé em meio às injustiças
Lição 32   Fé em meio às injustiçasLição 32   Fé em meio às injustiças
Lição 32 Fé em meio às injustiças
 
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31   As consequências das escolhas precipitadasLição 31   As consequências das escolhas precipitadas
Lição 31 As consequências das escolhas precipitadas
 
Dons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulasDons Ministeriais | Três aulas
Dons Ministeriais | Três aulas
 
Lição 29 Os dons espirituais
Lição 29   Os dons espirituaisLição 29   Os dons espirituais
Lição 29 Os dons espirituais
 
Lição 28 O poder da evangelização na família
Lição 28   O poder da evangelização na famíliaLição 28   O poder da evangelização na família
Lição 28 O poder da evangelização na família
 
Lição 27 Jesus e a felicidade
Lição 27   Jesus e a felicidadeLição 27   Jesus e a felicidade
Lição 27 Jesus e a felicidade
 
Lição 26 Os falsos profetas
Lição 26   Os falsos profetasLição 26   Os falsos profetas
Lição 26 Os falsos profetas
 
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25   Cuidado com as pequenas coisasLição 25   Cuidado com as pequenas coisas
Lição 25 Cuidado com as pequenas coisas
 
Lição 24 Desafios de um Casamento
Lição 24   Desafios de um CasamentoLição 24   Desafios de um Casamento
Lição 24 Desafios de um Casamento
 
Lição 23 Depressão, a doença da alma
Lição 23   Depressão, a doença da almaLição 23   Depressão, a doença da alma
Lição 23 Depressão, a doença da alma
 
Lição 22 Terceira idade
Lição 22   Terceira idadeLição 22   Terceira idade
Lição 22 Terceira idade
 
Lição 21 Rebelião
Lição 21   RebeliãoLição 21   Rebelião
Lição 21 Rebelião
 

Último

Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 

Último (16)

Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 

Lição 2 A disciplina na vida do obreiro

  • 1. Escola Bíblica Dominical A disciplina na vida do Obreiro
  • 2. Alertar sobre as responsabilidades e atribuições de um obreiro.
  • 3. 1. A Disciplina 2. Disciplina na vida do obreiro 3. Exercício da autoridade 4. A Autodisciplina 5. Disciplina do corpo 6. Disciplina Espiritual
  • 4. “Disciplina é o conjunto dos regulamentos destinados a manter a boa ordem em qualquer assembleia ou corporação”
  • 5. II Tm. 2.14-16,22-25 14 - Traze estas coisas à memória, ordenando-lhes diante do Senhor que não tenham contendas de palavras, que para nada aproveitam e são para perversão dos ouvintes. 15 - Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. 16 - Mas evita os falatórios profanos, porque produzirão maior impiedade. 22 - Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor. 23 - E rejeita as questões loucas, e sem instrução, sabendo que produzem contendas. 24 - E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor; 25 - Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade,
  • 6. As pessoas sempre buscam o seu próprio bem-estar, seja físico, emocional ou material. A mídia, por sua vez, sempre divulga receitas e métodos que levam à felicidade temporal. Muda- se o cabelo, as roupas, compram-se carros, casas e, às vezes, vivem dissolutamente, etc.
  • 7. Entretanto, para nós que servimos a um Deus-vivo, o valor verdadeiro e permanente da alegria consiste em estar em plena comunhão com Ele. A Bíblia expõe isto de diversas maneiras: “justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo”, Rm 5.1. A justificação nos reconcilia com Deus (2Co 5.18-19). Aqueles que buscam ao Senhor encontram a vida (Am 5.4).
  • 8. A disciplina e a instrução do Senhor sempre nos trazem benefícios: “Filho meu, atenta para as minhas palavras; aos meus ensinamentos inclina os ornados. Não os deixes apartar-se dos teus olhos; guarda-os no mais íntimo do teu coração. Porque são vida para quem os acha e saúde, para o seu corpo”, Pv 4.20-22.
  • 9.
  • 10. Não confundamos disciplina com doutrina bíblica, muito menos com usos e costumes. A disciplina está relacionada à ética (sistema de princípios morais, regras e padrões de conduta) e a moral (princípio de certo e errado), e deriva, para a Igreja, da doutrina.
  • 11. Por disciplina, podemos definir como “um conjunto de instruções destinado a manter a boa ordem”. Para os cristãos, estas instruções são os preceitos divinos (Sl 19.8) que nos fazem andar no caminho da justiça e da verdade.
  • 12. Doutrina é, por sua vez, o conjunto de princípios bíblicos, teológicos, éticos e morais, expostos mediante ensino sistemático. Usos e costumes são decorrência das tradições que nossas igrejas herdaram no que diz respeito ao vestuário e a outros pontos de importância periférica à vida cristã. São estritamente dependentes do contexto cultural e/ou histórico da igreja.
  • 13. O princípio da disciplina deve ser bíblico: “não desprezes, pois, a disciplina do Todo-Poderoso”, Jó 5.17. Os preceitos do Senhor são lâmpada para os nossos pés e luz para os nossos caminhos (Sl 119.105). Nossas regras de conduta devem ser baseadas estritamente na Bíblia, uma vez que o obreiro deve ter como alvo agradar a Deus e não a si próprio.
  • 14. No entanto, extremos devem ser evitados. Assim como existem aqueles que fazem a obra do Senhor relaxadamente, também encontramos os que são regidos por uma disciplina tão exigente que terminam julgando a si mesmos (1Co 4.3). Tais são os que, mesmo na Igreja, ainda carregam o fardo pesado do legalismo e da observância às tradições humanas (Mt 23.4). Temperança é uma virtude que deve ser vivida por todo cristão (Gl 5.22).
  • 15. O obreiro é chamado para servir à igreja e ao Reino de Deus. Tais tarefas acarretam em responsabilidades que são alheias a cristãos comuns. Melhor é o homem que “domina o seu espírito, do que o que toma uma cidade”, Ec 16.32. Um obreiro disciplinado tem uma vida espiritual sadia, e palavras apropriadas para todas as circunstâncias.
  • 16. Ele conhece, ora, jejua, serve, adora, obedece, é humilde, corrige e é padrão de conduta (1Tm 4.12), não é preguiçoso (Rm 16.12), e não tem do que se envergonhar pois maneja bem a Palavra da verdade (2Tm 2.15).
  • 17. Imagine se o apóstolo Paulo não estudasse as Escrituras (2Tm 4.13), saberia ele como ensinar à igreja de Deus? Imagine também se ele não gostasse de orar (2Co 12.7-10)? Teria ele recebido as revelações de Deus. Ou ainda se ele fosse preguiçoso (At 18.2-3), como teria se mantido quando pregou o Evangelho em Tessalônica (1Ts 2.9)?
  • 18. Por outro lado, vemos que aqueles que rejeitam uma boa consciência, naufragam na fé (1Tm 1.19). Demas amou este presente século (2Tm 4.10), pois o mundo ensina os homens a viverem dissolutamente. (I Pe 5.8)
  • 19. Saber como usar a Bíblia é fundamental na vida do líder. E triste quando encontramos uma igreja onde seu líder não sabe como usar as Escrituras. Como um líder que não sabe usar a Bíblia poderá tratar de assuntos éticos, morais e doutrinários? Como poderá aplicar a disciplina ao corpo de obreiros ou a disciplina eclesiástica aos membros?
  • 20. Devemos sempre ter em mente que nossa autoridade advém de Deus. A Bíblia não é apenas um livro, é a Palavra de Deus. As Escrituras têm o poder de penetrar no mais íntimo do coração humano e ainda discernir os pensamentos e propósitos do coração (Hb 4.12).
  • 21. A autoridade do líder pode também ser vista no seu exemplo pessoal, na sua família e por meio de suas palavras. Jesus fora destacado em seus ensinos entre a multidão porque a sua doutrina tinha autoridade. Ela não tinha o mesmo caráter da doutrina dos escribas (Mt 7.29), que além de não ter autoridade, não tinha propriedade, pois em essência não condizia com aquilo que viviam.
  • 22. Um soldado não busca seus interesses. Antes ele é disciplinado. Imaginem um soldado que acorda às 10h da manhã, que não faz exercícios físicos, almoça e janta em horários confusos; que não faça a barba todo dia, e que ainda por cima não cumpre as ordens de seu comandante. Será que este soldado alistou-se mesmo ou ele só esta dando a impressão que é do exercito?
  • 23. Da mesma forma, um líder cristão deve ajustar e coordenar as suas vontades e desejos, produzir e treinar os pensamentos, direcionar e limitar sentimentos, educar e transformar comportamento e atitudes. O apóstolo Paulo era tão focado e disciplinado, em seu ministério, que convocou Timóteo, dizendo para que este sofresse juntamente com ele as aflições como um bom soldado de Cristo (2Tm 2.3).
  • 24. Na autodisciplina, o obreiro deve ter em mente esses princípios gerais; deve também ter plena consciência de que, através disso, não apenas a sua alma é renovada e curada, mas também a de seus ouvintes, visto que ele é um instrumento de Deus à edificação da igreja (Ef 4.11- 13).
  • 25. Jesus fez em três anos e meio de ministério o que nós, talvez, levemos uma vida inteira (Se fizer). Todavia, como pode ser observado, Ele era um homem experimentado no trabalho. A Bíblia o chama de “homem de dores que sabe o que é padecer”, (Is 53.3).
  • 26. Nós, trabalhamos, padecemos, mas para o nosso próprio benefício. O Senhor Jesus fez tudo isso não para o seu benefício, mas para o bem de todos os seres humanos. Semelhantemente aquele que serve à Igreja deve saber que o maior entre nós, servirá o menor (Lc 22.26-27). Cristo disse, “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também”, Jo 13.15.
  • 27. E claro que nós também não podemos abusar de nosso corpo a tal ponto de destruirmos o Templo do Espírito Santo. Aqui vale novamente a recomendação bíblica de que o obreiro deve ser sóbrio e equilibrado em tudo o que faz. Mesmo que soframos debilidades físicas, em servir ao Senhor, nossa esperança não se murcha, pois se com Cristo padecemos, com ele seremos glorificados (Rm 8.17).
  • 28. Esses princípios nos ensinam que o líder disciplinado é aquele que se entrega por inteiro à obra de Deus; que obedece cabalmente à sua vontade. Quem dá o crescimento é Deus!
  • 29. A base da nossa disciplina espiritual está relacionada à obra da santificação que o Espírito Santo realiza em nosso coração. É a batalha entre o Espírito Santo e a nossa natureza pecaminosa (Gl 5.17).
  • 30. O líder cristão deve ter uma mente disciplinada, não se conformando com o mundo (Rm 12.2). A consagração da mente é algo muito importante na vida do obreiro.
  • 31. Paulo recomenda aos irmãos de Filipos, “irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento”, Fp 4.8.
  • 32. Uma forma de avaliar como vai a nossa mente é prestarmos atenção no que a nossa boca constantemente anda falando, pois a boca fala daquilo que o coração está cheio, daquilo que a mente se ocupa (Mt 12.34).
  • 33. Outro item importante à disciplina espiritual é o exercício constante da fé cristã, pelos meios ordinários constituídos por Deus, que são a leitura da Bíblia, a oração, a adoração e louvor e a Santa Ceia. Já o exercício da fé, através dos meios extraordinários, são aquelas obras que Deus realiza no dia- a-dia de nossa vida.
  • 34. A disciplina espiritual do obreiro deve estender-se à igreja. Observe que, quando Cristo censurou algumas igrejas na Ásia menor, Ele dirigiu-se ao “anjo da Igreja”, que é o líder do rebanho de Deus aqui na Terra (Ap 2.3), porque compete ao líder ser o canal de bênçãos para o povo de Deus.
  • 35. Ao obreiro é conveniente a irrepreensibilidade. Ele é um padrão para os fiéis. O Senhor não somente exige qualidade, mas também nos dá graça para executarmos a sua vontade.
  • 36. Conclusão: Claramente vemos o apóstolo Paulo multiplicando o conhecimento das obras do Senhor, movido por uma disciplina que antes era para a guarda da lei, agora muito maior ao anunciar as obras de Jesus.
  • 37. Estudo disponível no Facebook www.facebook.com/EBDFrutosparaVida Necessário baixar o aplicativo slideshare para visualização em smartphones e tablets